Breaking News
Home / Biografias / Alexander Graham Bell

Alexander Graham Bell

 

Alexander Graham Bell - Vida

Alexander Graham Bell nasceu 03 de março de 1847, em Edimburgo, na Escócia. O nome de sua mãe era Eliza Graça Symonds.

Seu pai, Alexander Melville Bell, foi professor de elocução discurso na Universidade de Edimburgo. Seu pai também escreveu livros definitivos sobre o discurso e elocução, que vendeu muito bem no Reino Unido e América do Norte.

O jovem Alexandre foi educado em casa até que ele tinha 11 anos, na sequência da qual ele participou de High School real de Edimburgo por quatro anos: ele gostava de ciência, mas não se saiu bem academicamente.

Embora seu trabalho escolar era pobre, sua mente estava muito ativa. Um dia, ele estava tocando em um moinho de farinha de propriedade da família de um jovem amigo. Sino aprendi que descasque os grãos de trigo teve um monte de esforço e também foi muito chato. Ele viu que seria possível para uma máquina para fazer o trabalho, então ele construiu um. Ele apenas 12 anos na época era. A máquina que ele construiu foi usada na fábrica durante vários anos.

Com 15 anos, ele se juntou a seu avô, que se mudou para Londres, Inglaterra. Seu avô educado em casa dele, que parecia trazer o melhor em Bell novamente.

Quando tinha 16 anos, ele se matriculou na Weston House Academy em Elgin, Escócia, onde aprendeu grego e latim e também ganhou algum dinheiro ensinando elocução.

Enquanto ele tinha 16 anos, ele e seu irmão tentou construir um robô falando. Eles construíram uma traquéia e uma cabeça de aparência realista. Quando tocaram ar através da traquéia, a boca poderia fazer um pequeno número de palavras reconhecíveis.

Alexander Graham Bell
Alexander Graham Bell

Alexander Graham Bell - Biografia

Alexander Graham Bell nasceu no dia 3 de março de 1847, em Edimburgo, na Escócia.

Era o segundo dos três filhos do casal Alexander Melville Bell e Eliza Grace Symonds.

Sua família tinha tradição e renome como especialista na correção da fala e no treinamento de portadores de deficiência auditiva.

O avô , Alexander Bell, foi sapateiro em St. Andrews, na Escócia e, enquanto consertava sapatos, recitava Shakespeare.

Ser ou não ser? Eis a questão.

Fazia isso com tanta freqüência que, aos poucos, admirado com a própria voz, passou a se dedicar à melhoria da dicção com o valor exato para cada palavra.

Abandonou o ofício de sapateiro e seguiu o caminho do teatro, porém, alguns anos no palco foram suficientes para que descobrisse outra profissão; tornou-se professor de elocução e dava conferências dramáticas sobre Shakespeare, desenvolvendo boa prática no tratamento dos defeitos da fala, especializando-se em foniatria .

O pai, Alexander Melville Bell, passou a se interessar, não só pelo som das palavras, como também pelas causas desse som. Estudou anatomia - laringe, cordas vocais, boca, etc criando o que chamava de " fala visível ". É autor do livro "Dicção ou Elocução Padrão".

Bell, seu pai e seu avô tinham o mesmo prenome - Alexander. Até os 11 anos, se chamava simplesmente Alexander Bell, até que um dia na escola, a professora sugeriu que adotasse mais um nome para diferenciar-se do avô. Depois de consultar os familiares, optou por Graham, em homenagem a um grande amigo de seu pai.

Aos 14 anos, ele e seus irmãos construíram uma curiosa reprodução do aparelho fonador . Numa caveira montaram um tubo com "cordas vocálicas", palato, língua, dentes e lábios, e com um fole , sopravam a traquéia, fazendo a caveira balbuciar "ma-ma", imitando uma criança chorona.

Alexander Graham Bell cresceu assim, em um ambiente rico de estudo da voz e dos sons, o que certamente influenciou no seu interesse nesse campo, além de ter a mãe que, muito jovem, ficou surda.

Estudou na Universidade de Edimburgo, onde começou a fazer experimentos sobre pronúncia . Certo dia, um amigo de seu pai falou sobre a obra de um certo cientista alemão chamado Hermann von Helmholtz , que havia investigado a natureza física dos sons e da voz. Excitado com a novidade, apressou-se em conseguir uma cópia do livro.

Só havia um problema: o livro estava escrito em alemão, língua que não entendia. Além disso, trazia muitas equações e conceitos de física, inclusive relativos à eletricidade, área que tampouco dominava.

Apesar de todas as dificuldades, Bell teve a impressão de que (por meio de alguns desenhos do livro), Helmholtz tinha conseguido enviar sons articulados , como vogais, através de fios utilizando eletricidade. Na verdade, o que Helmholtz estava tentando fazer era sintetizar sons parecidos com a voz, utilizando aparelhos e não transmití-los à distância. Ao contrário do que vocês podem estar pensando, foi exatamente esse engano que fez com que Bell começasse a pensar sobre os modos de enviar a voz à distância por meios elétricos.

Em 1868, em Londres, tornou-se assistente do pai, assumindo seu cargo em tempo integral quando este tinha de viajar aos Estados Unidos para dar cursos.

Nessa época, seus dois irmãos, o mais velho e o caçula, com intervalo de um ano, morreram de tuberculose . As dificuldades econômicas aumentaram e a ameaça da doença, também encontrada em Bell, levou o pai a abandonar a carreira em Londres, em seu melhor momento e, em agosto de 1870, mudar-se com a família para o Canadá.

Compraram uma casa em Tutelo Heights, perto de Brantford, província de Ontário, que era conhecida como " Casa Melville " e que hoje é conservada como relíquia histórica com o nome de "solar dos Bell".

O pai de Bell era famoso e foi muito bem recebido no Canadá. Em 1871, recebeu o convite para treinar professores de uma escola de surdos em Boston, nos Estados Unidos, porém, preferindo continuar no Canadá, mandou o filho em seu lugar. Bell passou a ensinar o método de pronúncia desenvolvido por seu pai, treinando professores em muitas cidades além de Boston, pois, nessa época, antes da descoberta dos antibióticos, a surdez era muito mais comum, podendo surgir como resultado de muitas doenças.

Em 1872, abriu sua própria escola para surdos (onde depois conheceu D. Pedro II, em 1876). No ano seguinte, em 1873 tornou-se professor da Universidade de Boston, época em que começa a se interessar por telegrafia e estudar modos de transmitir sons utilizando a eletricidade.

Por meio de seu trabalho como professor de surdos, A. Graham Bell - como assinava e gostava de ser chamado - conheceu pessoas influentes que, depois, ajudaram-no muito. Um deles foi Thomas Sanders, um rico comerciante de couro que morava em Salem, próximo a Boston, cujo filho - George - foi aluno de Bell. O menino mostrou progressos tão rápidos que Sanders, agradecido, convidou Bell a morar em sua casa. Outra pessoa importante foi Gardiner Greene Hubbard, um advogado e empresário bem-sucedido, que viria a ser seu sogro em 1875.

Em 1898, Bell substituiu o sogro na presidência da National Geographic Society, transformou o velho boletim da entidade na belíssima National Geographic Magazine, semelhante à que temos hoje.

Alexander Graham Bell morreu em sua casa de Baddeck, no Canadá, no dia 2 de agosto de 1922, aos 75 anos.

Muitos conhecem Bell como o inventor do telefone, muito embora hoje já se reconheça que o verdadeiro inventor foi o italiano Antonio Meucci , mas poucos sabem de seus outros feitos.

Dê uma olhada na galeria:

Disco de cera: Para gravação de sons, o que aprimora o fonógrafo de Edison.

Sondas tubulares: para exames médicos

"colete a vácuo": uma forma primitiva de pulmão-de-aço.

Raios laser: Foi um dos precursores na descoberta.

Barcos velozes: Inventor de barcos capazes de superar os 100 quilômetros por hora.

Carneiros:

Selecionando raça.
Sistema de localização de icebergs Desenvolveu sistema semelhante ao sonar.

Fotofone: Inventor do sistema de transmissão de mensagens por meio de raios luminosos em 1887

Aviação: Foi o primeiro homem a voar num aparelho mais pesado que o ar no Império Britânico em 1907.

Ao longo da sua vida, Bell obteve 18 patentes em seu nome e 12 em conjunto com colaboradores.

Desse total, temos os seguintes assuntos:

Telégrafo e Telefone: 14 Patentes
Vínculos aéreos:
5 Patentes
Hidroaviões:
4 Patentes
Fotofone:
4 Patentes
Fonógrafo:
1 Patente
Célula de selênio:
2 Patentes

"Inventor é um homem que olha para o mundo em torno de si e não fica satisfeito com as coisas como elas são. Ele quer melhorar tudo o que vê e aperfeiçoar o mundo. É perseguido por uma idéia, possuído pelo espírito da invenção e não descansa enquanto não materializa seus projetos." (Palavras de Alexander Graham Bell gravadas numa placa no museu que tem o seu nome, em Baddeck no Canadá.)

Alexander Graham Bell - Início da vida

Alexander Bell nasceu em Edimburgo, Escócia em 3 de março de 1847.

A casa da família foi a 16 Sul Charlotte Street, e tem uma inscrição em pedra, marcando-a como local de nascimento de Alexander Graham Bell.

Ele tinha dois irmãos: Tiago Melville Bell (1845-1870) e Edward Charles Bell (1848-1867). Tanto de seus irmãos morreram de tuberculose .

Foi cientista, inventor e fundador da companhia telefónica Bell. Historicamente é considerado o criador do telefone, embora existam indícios que apontam como legítimo inventor Antonio Meucci.

Seu pai era professor Alexander Melville Bell , e sua mãe era Eliza Grace (Symonds ENE). Apesar de ter nascido "Alexander", aos 10 anos, ele fez um apelo a seu pai para ter um nome do meio, como seus dois irmãos.

Para o seu aniversário de 11 anos, seu pai concordou e permitiu que ele a adotar o nome do meio "Graham", escolhido de admiração por Alexander Graham, um canadense sendo tratado por seu pai e pensionista que se tornou um amigo da família. Para fechar parentes e amigos, ele permaneceu "Aleck" que seu pai continuou a chamá-lo para a vida mais tarde.

Primeira invenção

Como uma criança, o jovem Alexandre mostrou uma curiosidade natural sobre o seu mundo, resultando na coleta de espécimes botânicos, bem como experimentar, mesmo em uma idade precoce. Seu melhor amigo era Ben Herdman, um vizinho cuja família operava uma fábrica de farinha, cenário de muitas incursões. Aleck jovem perguntou o que precisava ser feito na fábrica. Ele foi informado de trigo teve que ser descascado por um processo trabalhoso e com a idade de 12, Bell construiu um aparelho caseiro que combinados de rotação pás com conjuntos de escovas de unhas, criando uma máquina de descasque simples que foi colocado em funcionamento e utilizado de forma constante por um número de anos. Em troca, John Herdman deu os dois rapazes o funcionamento de uma pequena oficina em que a "inventar".

De seus primeiros anos, Bell mostrou uma natureza sensível e um talento para a arte, poesia e música que foi incentivado por sua mãe. Sem nenhum treinamento formal, ele domina o piano e tornou-se pianista da família. Apesar de ser normalmente quieto e introspectivo, ele se divertia com mímica e "truques de voz", semelhante a ventriloquismo que os hóspedes da família continuamente entretidos durante as visitas ocasionais. Bell foi também profundamente afetada por surdez gradual de sua mãe, (ela começou a perder a audição quando tinha 12 anos) e aprenderam uma língua dedo manual para que ele pudesse se sentar ao seu lado e bater para fora em silêncio as conversas girando em torno da família de salão. Ele também desenvolveu uma técnica de falar em tons claros e modulados diretamente na testa de sua mãe onde ela pudesse ouvi-lo com razoável clareza. A preocupação de Bell com surdez de sua mãe o levou a estudar a acústica .

Sua família era muito ligada ao ensino de elocução: o seu avô, Alexander Bell, em Londres, seu tio em Dublin , e seu pai, em Edimburgo, eram todos com ótima elocução.

Seu pai publicou uma variedade de trabalhos sobre o assunto, muitas das quais são ainda bem conhecidos, especialmente sua elocutionist O Padrão (1860), que apareceu em Edimburgo em 1868. O elocutionist padrão apareceu em 168 edições britânicas e vendeu mais de um quarto de um milhão de cópias nos Estados Unidos. Neste tratado, o seu pai explica seus métodos de como instruir os surdos-mudos (como eram então conhecidos) para articular palavras e ler os movimentos dos lábios de outras pessoas para o significado decifrar. Aleck pai ensinou-lhe e os seus irmãos, não só para escrever Fala Visível mas para identificar qualquer símbolo e seu som correspondente. Aleck se tornou tão proficiente que ele se tornou uma parte de manifestações públicas de seu pai e do público surpreendeu com suas habilidades. Ele podia decifrar Fala Visível representando praticamente todas as línguas, incluindo latim ,gaélico escocês e até mesmo sânscrito , precisa recitar trechos escritos sem qualquer conhecimento prévio de sua pronúncia.

A vida em família

Família de Alexander Graham Bell
Família de Alexander Graham Bell

Alexander Graham Bell, sua mulher Mabel Gardiner Hubbard , e suas filhas Elsie (esquerda) e Marianca - 1885.

A mansão Brodhead-Bell, a residência da família Bell, em Washington, DC, de 1882 a 1889
A mansão Brodhead-Bell, a residência da família Bell, em Washington, DC, de 1882 a 1889

Em 11 de julho de 1877, poucos dias após a Bell Telephone Company foi criada, Bell se casou com Mabel Hubbard (1857-1923) na propriedade de Hubbard em Cambridge, Massachusetts. Seu presente de casamento para sua noiva era para virar 1.487 de seus 1.497 partes da Companhia recém-formada Bell Telefone.

Pouco tempo depois, os recém-casados embarcaram em uma lua de mel ano de duração na Europa. Durante essa excursão, Alec tomou um modelo artesanal de seu telefone com ele, tornando-se um "trabalho de férias". O namoro havia começado anos antes, no entanto, Alexander esperou até que ele era mais segura financeiramente antes de se casar. Embora o telefone parecia ser um sucesso "imediato", não foi inicialmente uma empresa rentável e principais fontes de Bell de renda eram de palestras até depois de 1897. Um pedido incomum exigido por sua noiva era que ele use "Alec", em vez que o nome anteriormente conhecida da família de "Aleck". A partir de 1876, ele iria assinar seu nome "Alec Bell".

Eles tiveram quatro filhos: Elsie Maio Bell (1878-1964) que se casou com Gilbert Grosvenor da National Geographic fama, Marian Hubbard Bell (1880-1962), que foi chamado de "Daisy", e dois filhos que morreram na infância (Edward, em 1881, e Robert, em 1883). A casa da família Bell foi em Cambridge, Massachusetts, até 1880, quando Bell pai-de-lei comprou uma casa em Washington, DC, e, mais tarde, em 1882, comprou uma casa na mesma cidade, para a família Bell, de modo que pudessem estar com ele enquanto ele assistiu aos numerosos casos de tribunal que envolvem disputas de patentes.

Bell era um assunto britânico durante toda a sua infância na Escócia e mais tarde no Canadá até 1882, quando ele se tornou um cidadão naturalizado dos Estados Unidos.

Em 1915, ele descreveu sua condição como: "Que eu não sou um desses americanos hifenizados que afirmam fidelidade a dois países".

Apesar desta declaração, Bell foi orgulhosamente reivindicada como um "filho da terra" por todos os três países que residiam em: os Estados Unidos, Canadá e Reino Unido.

Em 1885, um retiro de verão novo foi contemplada. Naquele verão, os sinos teve um período de férias em Cape Breton Island na Nova Escócia, passar um tempo na pequena aldeia de Baddeck. Retornando em 1886, Bell iniciou a construção de um imóvel em um ponto em frente Baddeck, com vista para Bras d'Or Lake . Em 1889, uma casa grande, batizado de The Lodge foi concluída e, dois anos mais tarde, um grande complexo de prédios, incluindo um novo laboratório, foram iniciadas que os sinos nomearia Beinn Bhreagh (gaélico: bela montanha ) após ancestrais Alec terras altas escocesas .

Até o final de sua vida, Bell e sua família se alternavam entre as duas casas, mas Beinn Bhreagh que, ao longo dos próximos 30 anos, tornar-se mais do que uma casa de verão como Bell tornou-se tão absorto em seus experimentos que suas estadas anuais prolongado. Tanto Mabel e Alec ficou imerso na comunidade Baddeck e foram aceitos pelos moradores como "conta própria". Os Sinos ainda estavam na residência no Beinn Bhreagh quando a explosão de Halifax ocorreu em 6 de dezembro de 1917. Mabel e Alec mobilizou a comunidade para ajudar as vítimas em Halifax.

Alexander Graham Bell - Telefone

Muitos dos que hoje o utilizam não se dão conta de que ele mudou diversos aspectos da vida humana e converteu-se quase num instrumento auxiliar do aparelho auditivo do homem. Ele encurtou distâncias, substituindo uma viagem de muitos dias pelo discar dos números, revolucionando o mundo das comunicações.

Atualmente, com a dimensão mundial que assumiram as grandes empresas, as decisões importantes podem ser também transmitidas diretamente de um lado a outro do mundo. Os líderes políticos das grandes potências encontraram também no telefone uma excelente maneira de atenuar as tensões às vezes insuportáveis que caracterizam a política internacional de hoje.

No passado, as pessoas viviam num mundo que ainda dispensava a urgência, e não pensavam, certamente, no papel que ele poderia representar na vida humana.

Certo dia, um instrutor de surdos-mudos experimentou construir um instrumento capaz de receber um som e de desenhar uma figura que dependesse das características acústicas do som recebido. Suas experiências conduziram seu filho, mais tarde, a inventar o telefone, praticamente na forma em que é utilizado atualmente. O aparelho que ele construiu não era mais que um invento curioso. Mas o mundo começava a correr e a necessitar de tudo que lhe permitisse aumentar a velocidade.

A 3 de março de 1847 nascia o filho de Alexander Melville Bell, instrutor de surdos-mudos e especialista em problemas auditivos.

O menino recebeu o nome de Alexander Graham Bell.

O futuro inventor do telefone começou seus estudos na Escola Superior de Edimburgo, sua cidade natal. Em seguida, passou por três universidades. Esteve primeiro na de Edimburgo, depois no University College de Londres e, por fim, na de Würzburg, na Alemanha, onde conseguiu formar-se em medicina.

Seu pai, porém, considerando sua saúde precária, resolveu emigrar para o Canadá. Assim, em 1870, Bell deixou a Europa e mudou-se para a América. Após um breve período transcorrido no Canadá, estabeleceu-se definitivamente em Boston.

Graças ao título de Doutor em Medicina e à experiência acumulada pelo pai, Bell abriu uma escola para diplomar instrutores de surdos mudos, tornando-se, ele próprio, professor de fisiologia vocal. Foi esse o início de uma carreira segura, que lhe permitia trabalhar tranqüilamente e se dedicar a certas experiências de acústica que desde os tempos universitários tinham atraído sua atenção.

O pai de Bell, autoridade indiscutível no campo dos problemas referentes à voz, à pronúncia e, sobretudo, às graves questões dos surdos-mudos, tivera a idéia de associar um desenho a todo som fonético para poder comunicar-se com os surdos-mudos e educá-los mais fácilmente. Teria sido interessante construir um aparelho capaz de traçar automaticamente aqueles sinais fonéticos, a partir do som recebido. Ele permitia que seus filhos assistissem às experiências que realizava nesse sentido.

Alexander teve, depois, oportunidade de ver uma invenção de um professor alemão, Philip Reis, que havia juntado dois pedacinhos de madeira e aço, conseguindo construir um estranho aparelho capaz de transmitir sons, batizado como telefone. Ao vê-lo, Bell teve a intuição de que a eletricidade poderia aperfeiçoá-lo.

Teve, então, a idéia de construir um aparelho capaz de transmitir notas musicais a distância. Observara que um diapasão podia ser posto a vibrar por meio de um eletroímã.

Acreditou que poderia preparar uma bateria de eletroímãs, os quais, oportunamente comandados a distância por meio de fios elétricos, seriam capazes de reproduzir uma espécie de concerto, pondo em vibração diversos diapasões. Esse instrumento, que foi chamado de telégrafo musical, era decididamente rudimentar. Bell gastara nele suas economias, na esperança de aproximar-se da realização do seu projeto de transmitir a distância um som qualquer, e não apenas notas musicais.

Bell começou a atacar o problema da transmissão da voz humana, nas suas múltiplas modulações. Nesse meio tempo, dava aulas particulares a uma graciosa moça, surda-muda, sem esperanças de cura, por quem se apaixonou e com quem mais tarde viria a casar-se.

O pai da moça, Gradner Hubbard, ofereceu-se para financiar as experiências de Bell. Ele começou a estudar a possibilidade de construir um sistema elétrico que permitisse extrair dos sons o diagrama de pressão, ou seja, a representação gráfica das vibrações que os geram. Não foram experiências fáceis, mas levaram-no, finalmente, à invenção do microfone.

Alexander Graham Bell
Alexander Graham Bell

Com a mulher e filhos
Com a mulher e filhos

Inicialmente, Bell experimentou usar um ouvido retirado de um cadáver. Conseguiu construir um arranjo rudimentar com o qual obteve um traçado de vibrações sonoras sobre um vidro esfumaçado, por intermédio de uma delicadíssima agulha ligada ao ouvido, que tinha sobre a mesa. Essa experiência levou-o a tentar construir uma espécie de ouvido mecânico, usando um eletroímã. Um núcleo de ferro, inserido num solenóide e colocado próximo a uma membrana também de ferro, podia servir para transformar em vibrações elétricas as vibrações sonoras, por meio do fenômeno da indução. No inicio, as experiências não foram muito estimulantes, pois ele só conseguiu, depois de muito esforço, transformar um impulso sonoro em um pulso elétrico e vice-versa. O empreendimento continuava ainda "um sonho louco", como dizia o futuro sogro, financiador das pesquisas.

Em junho de 1875, o microfone estava bastante aperfeiçoado para permitir ouvir sons agradáveis, quando fosse excitado de modo adequado. Esse resultado estimulou Bell a continuar suas pesquisas.

A 10 de março do ano seguinte, Bell experimentava um modelo de telefone e estava sozinho no sótão. Seu assistente, Watson, encontrava-se em outro aposento.

Entre os dois aposentos estava estendida uma conexão telefônica que, porém, nunca conseguira transmitir mensagens inteligíveis. Naquele dia, enquanto Bell estava trabalhando, derrubou uma pilha. Os ácidos fortemente corrosivos caíram sobre a mesa e molharam suas roupas, estragando-as e ameaçando queimá-lo.

Bell gritou instintivamente: "Mr. Watson, come here, I want you!" (Sr. Watson, venha cá, preciso do senhor!). Watson ouviu a mensagem, transmitida pelo telefone, e acorreu. O aparelho já era uma realidade, e Bell tinha então 29 anos.

Pouco depois, patenteou sua invenção e, a conselho do pai de sua noiva, já convencido da viabilidade do sonho, decidiu apresentá-la na exposição do jubileu de Filadélfia. Em um mês e meio, Bell construiu dois aparelhos para mostrar seu funcionamento aos visitantes da exposição, que, inicialmente, os acolheram com indiferença.

Interveio, então, um golpe de sorte: Dom Pedro II, imperador do Brasil, reconheceu em Bell o professor da Universidade de Boston, que encontrara anos antes, e ficou curioso para saber o que, afinal, construíra. Bell não perdeu a oportunidade e, de uma extremidade do aparelho, recitou o famoso monólogo de Hamlet. "Grande Deus" - exclamou o imperador "isto fala". Essa foi a frase que serviu a Bell para lançar sua invenção, que se tornou, a partir daquele instante, a principal atração da exposição, embora apenas como curiosidade científica.

Primeira transmissão
Primeira transmissão

Bell, porém, não perdeu tempo em fazer também seu lançamento comercial, ainda que a empresa se apresentasse cheia de dificuldades. Casou-se com Mabem Hubbard e partiu para uma viagem à Europa.

A Inglaterra era o terreno mais favorável para o lançamento do aparelho, e Bell não hesitou em recorrer a todos os meios. Chegou a apresentá-lo à Rainha Vitória e a instalar um aparelho na Câmara dos Comuns. Enquanto isso, a idéia do aparelho começava a amadurecer também na mente de outros inventores, que construíram aparelhos análogos. Dentro de pouco tempo, Bell teve que enfrentar umas seiscentas causas de prioridade, vencendo todas. Teve de se bater até com a Western Union Telegraph atrás da qual estava nada menos que Thomas Edison.

Em breve, o telefone sofreu notáveis melhoramentos, e difundiu-se com rapidez. Bell poderia ter se tomado riquíssimo, porém não se sentia seduzido pelos negócios e preferiu deixá-los em mãos dos sócios, seu assistente Watson, o sogro Hubbard e Thomas Sanders, pai de um surdo-mudo seu amigo. Chegando ao limiar da riqueza, preferiu renunciar a ela para voltar a se ocupar com a instrução dos surdos-mudos e dedicar-se a novas experiências.

Bell não tinha nenhum desejo de abandonar a pesquisa. Não eram, porém, infundadas as acusações que lhe foram mais tarde dirigidas de ser um principiante com pouca cultura, que havia conseguido inventar o telefone por mero capricho da sorte.

Dedicou-se ao estudo da nutrição e do nascimento de carneiros, esforçou-se para fazer com que animais aprendessem a emitir sons humanos, e realizou experiências com pipas (papagaios), erguendo um homem à altura de cem metros. Seus estudos mais profícuos, entretanto, foram os dedicados à acústica.

Conseguiu construir um aparelho capaz de desenhar a forma das ondas acústicas correspondentes aos vários sons e conseguiu modular um feixe luminoso por meio da voz.

Apesar de tudo, odiava o telefone, que o perturbava. Mantinha o seu sempre envolto em papel e nunca o usava:

Sua invenção já era universalmente reconhecida e ele era considerado um dos maiores inventores vivos, embora, depois do telefone, não tivesse criado nada mais de verdadeiramente útil. Em 1915, era inaugurada a primeira linha transcontinental norte-americana. Convidado à inauguração, Bell conseguiu que, na outra extremidade da linha, ficasse Watson, que tantos anos antes ouvira a primeira voz ao telefone.

Quando morreu, a 2 de agosto de 1922, todos os telefones dos Estados Unidos, em sinal de luto nacional, foram silenciados por um minuto, numa última homenagem ao homem que havia dado ao mundo um dos mais eficientes meios de comunicação.

Alexander Graham Bell - Inventor

Nascimento: 3 de março de 1847, Edimburgo, Reino Unido.

Falecimento: 2 de agosto de 1922, Beinn Bhreagh Estate, Canadá.

Alexander Graham Bell nasceu em Edimburgo, Escócia, a 3 de Março de 1847. Estudou durante alguns anos na Universidade de Edinburgo e na Universidade de Londres e aos 23 anos de idade emigrou para o Canadá. Em 1871 partiu para os Estados Unidos da América, onde fundou uma escola para crianças com dificuldades auditivas.

Em 1873, Bell foi nomeado Professor de Fisiologia Vocal em Boston e aí se tornou, em 1877, professor particular de Mabel, uma rapariga que tinha deixado de ouvir aos cinco anos de idade por motivos de doença e com quem acabou por se casar a 11 de Julho de 1877.

Na sua época, o telégrafo estava em pleno desenvolvimento e as companhias telegráficas enfrentavam um problema: as linhas telegráficas só permitiam, em cada fio, o envio de uma mensagem de cada vez e num sentido, o que limitava a capacidade das linhas e a velocidade de transmissão, pois as mensagens ficavam retidas até poderem ser enviadas.

Baseado em conhecimentos que adquirira no estudo da fisiologia do ouvido humano, Bell começou a trabalhar, em 1872, no “telégrafo harmónico” e a 6 de Abril de 1875 patenteou o mecanismo que permitiu enviar dois sinais em simultâneo. Em Setembro do mesmo ano, Bell começou a escrever com John Watson as especificações para o que viria a ser mais tarde o telefone. Após longos ensaios, Bell construiu em 1876, o primeiro telefone. A primeira demonstração pública da sua invenção ocorreu em 1877, na Centennial Exposition, em Filadélfia, onde estiveram presentes o Imperador Pedro II do Brasil (D. Pedro IV de Portugal) e o cientista inglês Lord Kelvin. Em 1878 construiu a sua empresa, a American Bell Telephone Company.

Abandonou a direção da American Bell Telephone Company em 1879 e com as receitas da sua invenção, fundou um laboratório no Canadá, onde continuou as suas experiências na área da comunicação. Patenteou o gramofone e o cilindro de gravação em cera, bem como cilindros de folha de metal. Efetuou diversas experiências com gravações em discos planos e por galvanoplastia, imprimindo as gravações por meio de campos magnéticos permanentes.

Em 1881, desenvolveu dois dispositivos para localizar massas metálicas no corpo humano: um método de variação de indução ("balança de indução") que foi experimentado pela primeira vez no corpo do Presidente Garfield, que tinha sido assassinado nesse mesmo ano, outro baseado no sistema do telefone que produzia um clique no receptor quando este tocava numa placa metálica.

Inventou ainda um sistema de arrefecimento por ar, um processo de dessalinização da água do mar, uma forma primitiva de pulmão de aço e uma máquina que separava automaticamente os cartões perfurados do censo populacional.

No decurso da sua vida Bell registou 18 patentes em seu nome e 12 com os seus colaboradores.

Foi nomeado presidente da National Geographic Society em 1898.

Morreu a 2 de Agosto de 1922, com 75 anos de idade em Beinn Bhreagh, no Canadá.

Fonte: www.famousscientists.org/www.museudotelefone.org.br/br.geocities.com/www.e-escola.pt

Check Also

Sistema Monetário Brasileiro

Um sistema monetário é qualquer coisa que é aceite como uma medida padrão de valor …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 2 =