Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Corpo Humano / Sistema Reprodutor Feminino

Sistema Reprodutor Feminino

PUBLICIDADE

O sistema reprodutivo feminino é formado pelos órgãos sexuais internos e externos que funcionam na reprodução humana.

O sistema reprodutivo feminino é imaturo no nascimento e se desenvolve até a maturidade na puberdade para poder produzir gametas.

Os órgãos sexuais internos são o útero e as trompas de Falópio e os ovários. O útero  acomoda o embrião que se desenvolve no feto. O útero também produz  secreções uterinas que ajudam o trânsito de esperma para as trompas de Falópio. Os ovários produzem os óvulos. Os órgãos sexuais externos também são conhecidos como órgãos genitais e estes são os órgãos da vulva, incluindo os lábios, o clitóris e a abertura vaginal. O orgã reprodutor feminino está ligada ao útero no colo do útero.
Em certos intervalos, os ovários liberam um óvulo, que passa pela trompa de Falópio para o útero. Se, neste trânsito, encontrar-se com esperma, um único esperma pode entrar e mesclar com o ovo, fertilizando -o. O equivalente correspondente entre os homens é o sistema reprodutor masculino.

A fertilização geralmente ocorre nas trompas de Falópio e marca o início da embriogênese . O zigoto , então, dividi ao longo de gerações de células suficientes para formar um blastócito , que implanta -se na parede do útero. Isso começa o período de gestação e o embrião continuará a se desenvolver. Quando o feto desenvolveu o suficiente para sobreviver fora do útero, o colo do útero se dilata e as contrações do útero propulsam o recém nascido através do canal de parto.

Fisiologia do Sistema Reprodutor

Formado pelas seguintes estruturas: Cretal genital, útero, 2 tubas uterinas e 2 ovários, ligados ao útero, de cada lado, através de ligamentos ovarianos.

Externamente, ao redor da abertura da genitália, temos 2 lábios de cada lado e, anteriormente, um pequeno tecido erétil chamado órgão genital feminino. Esta região externa é conhecida como vulva.

Sistema Reprodutor Feminino

A função do aparelho reprodutor feminino é receber os gametas masculinos durante o ato sexual, propiciar as condições favoráveis à fecundação, isto é, a união de um espermatozóide com um óvulo (gameta feminino) formando um zigoto e, ocorrendo de fato uma fecundação, possibilitar, durante vários meses, o desenvolvimento do embrião e do feto até que este novo ser esteja em condições de viver fora do corpo de sua mãe. Ainda assim, mesmo após o nascimento, durante vários meses, a alimentação básica da criança depende de nutrientes produzidos por sua própria mãe (leite materno). O desenvolvimento das mamas, para que a produção de leite seja possível, também depende de hormônios produzidos pelas gônadas femininas.

OVÁRIOS

Os dois ovários apresentam em seu estroma desde o nascimento, aproximadamente, 300.000 folículos imaturos denominados folículos primários. Cada folículo primário apresenta, em seu interior, um óvulo ainda imaturo denominado oócito primário.

A partir da puberdade, sob influência de hormônios hipofisários (FSH), a cada mês, aproximadamente, alguns (apenas alguns) dos centenas de milhares de folículos passam por modificações suscessivas a cada dia, passando por diversas fases: folículos primários – folículos em crescimento – folículos veliculares – folículos maturos.

Sistema Reprodutor Feminino

Os folículos, durante o crescimento, produzem uma considerável quantidade do hormônio estrogênio.

Após alguns dias de constante crescimento os diversos folículos atingem um grau máximo de desenvolvimento e passam a ser denominados folículos maturos.

Supostamente devido a uma alta quantidade de estrogênio produzido pelos diversos folículos maturos, a adenohipófise passa a secretar, subitamente, uma grande quantidade do hormônio LH (Hormônio Luteinizante). Este fenômeno, de aumento súbito na secreção do LH é conhecido como “pulso do LH”.

O pulso do LH é um dos mais importantes fatores responsáveis pela ovulação: Um dos diversos folículos maturos encontrados nos ovários, de repente, sob influência da alta concentração de LH, rompe-se e libera o óvulo para fora do ovário. A partir deste momento, todos os demais folículos maturos passam, imediatamente, a entrar num processo de degeneração, deixando de produzir estrogênio. Os folículos, degenerando-se, transformam-se em tecido fibroso e gorduroso denominado corpo albicans. Já o folículo que ovulou, sob influência do LH, não se degenera imediatamente. Durante aproximadamente 2 semanas sobrevive na forma de um corpo amarelado conhecido como corpo lúteo. Durante estas 2 semanas, na forma de corpo lúteo, produz grande quantidade de estrogênio e progesterona.

Passado este período, com a queda constante do LH, também se degenera transformando-se em corpo albicans.

Com a degeneração do corpo lúteo caem significativamente os níveis dos hormônio estrogênio e progesterona, que estavam sendo produzidos pelo mesmo. A queda dos níveis destes 2 hormônios faz com que a hipófise novamente passe a secretar quantidades crescentes de FSH. O FSH promove, então, nos ovários o desenvolvimento de novos folículos até então primários. Estes novos folículos passam a crescer a cada dia, produzindo novamente estrogênio e, tudo o que foi descrito nos parágrafos anteriores, passa a acontecer novamente.

Estes eventos repetem-se aproximadamente a cada 28 dias durante toda a vida fértil da mulher. A cada ciclo temos uma fase onde diversos folículos se desenvolvem, produzindo estrogênio. Ao final desta fase ocorre uma ovulação. A partir da ovulação entramos numa outra fase onde predomina a existência de um corpo lúteo, que produz estrogênio + progesterona.

A cada ovulação, um óvulo (ainda na fase de oócito secundário) ao ser expulso do ovário, com muita probabilidade, acaba se aderindo a uma das fímbrias que se encontram na extremidade de cada uma das tubas uterinas. Aos poucos o óvulo vai se deslocando para o interior da tuba e, desta, em direção à cavidade uterina.

Não ocorrendo a fecundação (o que geralmente ocorre), o óvulo morre antes de atingir a cavidade uterina e o que resta do mesmo é expelido durante o fluxo menstrual seguinte.

CICLO ENDOMETRIAL

As alterações cíclicas hormonais descritas acima produzem alterações bastante significativas no tecido que reveste internamente a cavidade uterina (endométrio):

Durante a fase de desenvolvimento e crescimento dos diversos folículos ovarianos, a cada ciclo, o estrogênio secretado por tais folículos em crescimento estimula a ocorrência de uma proliferação celular por todo o endométrio. As células endometriais se proliferam, o endométrio torna-se mais expesso, os vasos sanguíneos dilatam-se proporcionando um maior fluxo sanguíneo, as glândulas endometriais desenvolvem-se tornando-se mais longas e tortuosas. Esta fase dura aproximadamente 11 dias e é conhecida como fase proliferativa.

Passada a ovulação, entramos numa outra fase, caracterizada pela intensa atividade secretória das glândulas endometriais. A secreção é estimulada pelos altos níveis de progesterona, além de estrogênio, ambos sendo secretados pelo corpo lúteo. Esta fase dura aproximadamente 12 dias e é conhecida como fase secretória.

Como o corpo lúteo também se degenera, os níveis dos hormônios estrogênio e progesterona caem provocando uma degeneração no endométrio: os vasos sanguíneos se tornam espásticos, o fluxo sanguíneo se reduz acentuadamente, as células endometriais descamam-se, as glândulas endometriais deixam de secretar e um sangramento constante ocorre fazendo-se fluir através do cretal genital. Tal fase, que dura aproximadamente 5 dias, é conhecida como fase menstrual.

ESTROGÊNIO E PROGESTERONA

A partir da puberdade e durante toda a vida fértil da mulher, enquanto folículos se desenvolvem, a cada ciclo, em seus ovários verificamos uma significativa produção de estrogênio. Cada vez que se forma um corpo lúteo, também a cada ciclo, além de estrogênio ocorre também produção de progesterona. Estes dois hormônios são muito importantes no desenvolvimento e no adequado funcionamento do Sistema Reprodutor Feminino.

O estrogênio, a partir da puberdade, é o grande responsável pelo desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários femininos: Os ossos longos crescem rapidamente até aos 16 anos, quando perdem a capacidade de crescimento pela calcificação dos discos epifisários; os ossos da pelve também crescem, alargando o cretal pélvico; pêlos pubianos aparecem; a vulva se desenvolve e passa a apresentar os grandes e pequenos lábios genitais; a parede genital se torna mais resistente; o pH do aparelho genital se torna mais ácido devido ao desenvolvimento de bactérias saprófitas que passarão a habitar esta cavidade; aumenta o volume da genitália, do útero e das tubas uterinas; as mamas se desenvolvem e, em seu interior, acumulam-se tecido gorduroso e fibroso, além de se desenvolverem células produtoras de leite agrupadas em alvéolos, com ductos dirigidos em direção ao mamilo. A cada ciclo, durante a vida reprodutiva da mulher, as oscilações de estrogênio também causam modificações significativas no endométrio, como as descritas acima.

A progesterona, cada vez que é secretada, promove uma intensa atividade secretória no endométrio, preparando-o a receber um óvulo fecundado para se implantar no mesmo. A secreção endometrial é rica em carboidratos, aminoácidos, gordura e diversos minerais, importantes para a nutrição embrionária durante a fase inicial da gravidez.

 

O Sistema reprodutor feminino consiste nos ovários e tubas uterinas ( ovidutos ) bilateriais , um útero normalmente bicórneo , cérvix , órgão genital feminino, vestíbulo , vulva e glândulas associadas .Ele está vinculado à produção e transporte de óvulos , ao transporte dos espermatozóides à fertilização e à acomodação do concepto até o nascimento.

TUBA UTERINA ( OVIDUTO )

As tubas uterinas são estruturas tortuosas bilaterais que se estendem da região do ovário para os cornos uterinos e transportam ovos e espermatozóides.

Três segmentos da tuba uterina podem ser distinguidas:

1 ) o infundíbulo , um grande orifício no formato de um funil;
2 )
ampola , um segmento de parede delgada que se estende caudalmente do infundíbulo;
3 )
o istmo , um segmento muscular unido ao útero.

Estrutura histológica:

O epitélio é simples cilíndrico , ou pseudoestratificado cilíndrico , com cílios móveis na maioria das células .Ambos os tipos de células possuem microvilos.

Atividades secretoras estão evidentes apenas nas células não –ciliadas.

Histofifiologia:

O infundíbulo capta os ovócitos liberados do ovário .O infundíbulo possui projeções digitiformes denominadas fímbrias .A ampola é o local da fertilização .Os óvulos fertilizados são transportados da ampola para o útero por leves contrações musculares peristálticas e pelos cílios da tuba uterina , que batem no sentido do útero .Os ovos necessitam de aproximadamente quatro ou cindo dias para atravessar o istmo .Este período independe do comprimento do istmo e da duração da gravidez entre as espécies .

A passagem dos espermatozóides para a ampola é explicada pelas contrações musculares das paredes uterinas e tubárias .Pela motilidade própria dos espermatozóides .

ÚTERO

O Útero é o local de implantação do concepto .Ele sofre uma seqüência definida de alterações durante o ciclo estral e reprodutivo .Na maioria das espécies consiste em cornos bilaterais ligados às tubas uterinas , e um corpo e um colo ou cérvix , que unem à órgão genital feminino.

Nos primatas todo o útero é um único tubo , denominado útero simples.

Estrutura histológica:

A parede uterina é constituída de tr6es camadas:

1 ) a mucosa ou endométrio,
2 )
a muscular ou miométrio , e
3 )
a serosa ou perimétrio.

Endométrio: O epitélio superficial é simples cilíndrico na égua e na cadela . Ele é pseudoestratificado cilíndrico e ou simples cilíndrico na porca e nos ruminantes.

Glândulas simples , tubulares ramificadas espiraladas , revestidas de epitélio simples cilíndrico ciliado e não-ciliado , estão presentes em todo endométrio exceto nas áreas das carúnculas dos ruminantes ( onde as membranas embrionárias se fixam durante a prenhez ). As células de revestimento são contínuas com o epitélio das gl6andulas uterinas.

Miométrio: O miométrio consiste numa espessa camada circular interna e uma camada longitudinal externa de células musculares lisas que aumentam de número e tamanho durante a gravidez.

Perimétrio: O perimétrio consiste em tecido conjuntivo frouxo coberto pelo mesotélio peritoneal .Células musculares lisas ocorrem no perimétrio .Numerosos vasos sangüíneos e fibras nervosas estão presentes nesta camada.

Órgão Genital Feminino: É um tubo muscular que se estende do colo ( cérvix ) ao vestíbulo . É uma via puramente reprodutora.

VESTÍBULO E VULVA

O vestíbulo é demarcado da parte caudal do órgão genital feminino por uma prega rudimentar , o hímen . A parede do vestíbulo contém os orifícios da uretra , as glândulas vestibulares maiores e menores.

O clitóride está localizado na região caudal extrema do vestíbulo.

A vulva é formada pelos lábios externos . São cobertos por pele ricamente suprida de glândulas.

Relação da Metrorragia à menstruação nos primatas.

A menstruação nos primatas é um fenômeno inteiramente diferente do sangramento uterino observado nas espécies bovina e canina . A hemorragia uterina na vaca e na cadela ocorre durante uma fase regenerativa do endométrio no estro , quando níveis relativamente altos de estrogênio estão presentes.A fase regenerativa continua após a ovulação sob o estímulo da progesterona , que prepara o útero para a gestação .

A menstruação , por outro lado, ocorre durante uma fase degenerativa do endométrio , precipitada pela retirada dos estrogênios e , mais importante , da progesterona após a involução do corpo lúteo.

OVÁRIOS

Os ovários são estruturas pares. O ovário tem funções endócrinas e exócrinas . A primeira função envolve a produção de estrógenos e progesterona e a outra está relacionado com os gametas femininos ou ovários.

Os ovários na maioria dos animais , com exceção da égua , são formados por duas zonas diferentes: o córtex ou zona parenquimatosa e a medula ou zona vascular .Na égua o córtex e a medula estão invertidos.

O córtex contém numerosos folículos em vários estágios de desenvolvimento , corpos lúteos e elementos do estroma.

A medula se caracteriza pela presença dos grandes vasos sangüíneos , linfáticos e nervos .É um tecido conjuntivo frouxo rico em fibras elásticas e fibras reticulares.

Ciclo Ovariano: O ovário sofre alterações cíclicas influenciadas pelos efeitos dos hormônios tróficos secretados pela adeno-hipófise .

A atividade da adeno –hipófise , como no macho , é regulada pelos fatores liberadores hipotalâmicos – fator liberador do hormônio luteinizante ( LRF ) e o fator de liberação hormônio folículo estimulante ( FRF).

A liberação do FSH e do LH pela adeno-hipófise é o regulador específico da atividade ovariana . O FSH estimula o crescimento e a maturação dos folículos ovarianos . da mesma forma que é responsável pela secreção de estrógeno por estas estruturas .A ruptura do folículo ovariano a ovulação e o desenvolvimento do corpo lúteo ocorrem sob a influência do LH.

As influências combinadas do FSH e do LH regulam a atividade cíclica do ovário.

As atividades cíclicas são: Desenvolvimento dos folículos , ovulação , formação do corpo lúteo , degeneração dos folículos e degeneração do corpo lúteo.

Desenvolvimento Folicular: Um folículo ovariano é uma agregação esférica de células que contém o gameta em desenvolvimento .O crescimento e o desenvolvimento dos folículos é acompanhado por alterações noas gametas associados. A continuidade cíclica do desenvolvimento folicular se caracteriza através da identificação dos folículos específicos – folículo primordial , folículo primário , folículo secundário , folículo maduro .O crescimento folicular e a maturação ocorrem sob a influência das gonadotrofinas da adeno-hipófise.

O Folículo primordial caracteriza-se por apresentar uma camada simples de células pavimentosas que circundam o ovócito primário .A ativação do folículo primordial resulta num folículo primário .Esta ativação envolve alterações no ovócito primário , nas células foliculares e de outrosa elementos do estroma .A acumulação de grãos de vitelo é observada no ovócito primário .As células foliculares se tornam cúbicas .O folículo primário ainda contém o ovócito primário .

O folículo secundário é identificado pelo aumento da população das células foliculares associados ao ovócito primário e pelo desenvolvimento de uma zona pelúcida entre o ovócito primário e as células foliculares .

As células foliculares são mitoticamente ativas constituindo agora a corona radiata .Elas são separadas do ovócito primário pela zona pelúcia , um material amorfo.

As células do estroma se diferenciam em duas camadas a teca folicular interna e a teca folicular externa . As células tecais são separadas das células da granulosa por uma membrana basal .A teca interna é formada por células epiteliais grandes e por uma intensa rede vascular . A teca externa é uma camada de células fibroblásticas.

O desenvolvimento de um folículo terciário ou vesicular resulta da atividade secretora das células granulosas .Pequenos espaços entre as células granulosas , repletos de fluído , se tornam aparentes durante o desenvolvimento antral . Essas pequenas lacunas ou fendas intercelulares, preenchida por líquido folicular , confluem e formam o antro folicular.Estes eventos são acompanhados pelo crescimento contínuo do folículo .Ligando as células da granulosa as células da corona radiata encontra-se um amontoado celular o cumulus oophorus. As células da corona radiata possuem prolongamentos citoplasmáticos que penetram na zona pelúcida e que entram em contato com os microvilos do ovócito . Apesar das alterações associadas às células tecais e granulosas durante o desenvolvimento , um folículo vesicular ainda contém um ovócito primário.

Os folículos pré- ovulatórios também são chamados folículos maduros ou folículos de Graaf. Eles são estruturas muito grande.

Ovulação: A ovulação é a ruptura do folículo e a liberação do ovócito . O líquido folicular liberado na ovulação provavelmente auxilia o transporte do ovócito da superfície do ovário para o infundíbulo.

Depois da ovulação , o ovócito permanece envolvido pela zona pelúcida e pela corona radiata . A corona radiata é formada por várias camadas celulares intimamente associadas ao ovócito , as quais compreendem as zonas mais internas do cumulus oophurus .O ovócito e suas células associadas podem Ter massa suficiente para sua captura pela fimbria .Na vaca contudo , a corona radiata é perdida no momento da ovulação .Em outras espécies , a corona radiata permanece intacta até que os espermatozóides estejam presentes.

Atresia Folicular

Nem todos os folículos em desenvolvimento chegam a ovulação.Muitos folículos sofrem atresia folicular (degeneração ) . A degeneração dos folículos pode ocorrer a qualquer momento de sua sequência de desenvolvimento . Os folículos com ovócitos múltiplos são comuns e estão destinados a se tornar atrésicos.

A atresia folicular , durante os estágios avançados do desenvolvimento folicular resulta na degeneração que é seguida pela formação de uma cicatriz , o corpo atrésico. O processo degenerativo inclui o ovócito e as células associadas. O ovócito se liquefaz , a zona pelúcida se espessa e pregueia . As células associadas degeneram . As paredes do folículo entram em colápso.

Corpo lúteo: Depois da ruptura da parede ovariana e dos elementos associados ao folículo, ovócito é ejetado para o interior do oviduto. As regiões remanescentes do folículo não degeneram, mas sofrem alterações pronunciadas que conduzem a formação do corpo lúteo. As células da granulosa proliferam, se hipertrofiam e são transformadas em células granulosas luteínicas. Na égua, vaca, cadela e na mulher, a acumulação de um pigmento lipídico amarelado ( luteína ) e de outros lipídios marca a transição para as células granulosas luteínicas.

As células da teca folicular interna também são convertidas em células produtoras de lipídios , as células teca-luteínicas .Essas células são menores que as células granulosas – luteínicas. O processo pelo qual as células granulosas e tecais são convertidas em células luteínicas é chamado luteinização.

A estrutura resultante é denominada corpo lúteo ( corpo amarelo ) , esteja a luteína presente ou ausente . Se a fertilização não ocorre , o corpo lúteo cíclico lentamente degenera ( corpo lúteo regressivo ) e á substituído pelo tecido conjuntivo . Portanto o corpo lúteo é convertido em corpo albicans.

Se a fertilização ocorrer o corpo lúteo gravídico perdura , parmanecendo ativo por um período de tempo variável durante a prenhez.

Em algumas espécies o corpo lúteo gravídico é necessário durante toda a prenhez. Em outras , ele pode ser removido em épocas variáveis.

Características dos órgãos reprodutores femininos

Gónadas Óvários Glândulas em forma de amêndoa onde são formados os gâmetas (óvulos).
Vias Genitais Trompas de Falópio Canais com 12 a 14 cm de comprimento, que se estendem desde cada um dos ovários até à parte superior do útero. Iniciam-se por uma porção em forma de funil – pavilhão – que envolve parcialmente o ovário.
Útero Órgão musculoso e oco revestido por uma membrana mucosa chamada endométrio. Divide-se em duas partes: a superior ou corpo, mais volumosa onde vão dar as trompas de Falópio; a inferior, mais estreita, chamada colo ou cérvix que comunica com a genitália.
Genitália Cretal muscular que faz a comunicação do útero com o exterior.
Órgãos exteriores Vulva Constituída por dois pares de pregas cutâneas – grandes lábios e pequenos lábios – que envolvem os orifícios genital e urinário, bem como o clitóride.

Fonte: www.esec-tondela.rcts.pt

Sistema Reprodutor Feminino

APARELHO GENITAL FEMININO

Consta de vários órgãos que , devido à sua posição se classificam em dois grupos: órgãos genitais internos e externos.

Consideramos órgãos internos

O ovário, a trompa de falópio, o útero e a órgão reprodutor feminino. A trompa de Falópio é o conduto que se estende desde o ovário até o útero. Nele diferenciamos várias partes: a intramural, situada na espessura da parede uterina, de 2 a 3 cm. ; a bolha , mais dilatada que prossegue com o infundíbulo de corte irregular e recortado que formam as fibras que se adaptam como se o abraçassem. Uma destas fibras que se aderem ao ovário recebe o nome de franja ovárica da trompa.

A trompa uterina exerce uma dupla função

Conduzir a célula-ovo do ovário até o útero e ser o receptáculo para a fecundação. A vulva é o conjunto dos órgãos genitais externos. Nela se distinguem as seguintes regiões anatômicas: Monte de Vênus que é a região púbica coberta de pêlos na mulher adulta; os lábios maiores são duas dobras de pele que cobrem os lábios menores, ou ninfas, o clitóride, que é um órgão impar, eréctil e o orifício vaginal.

Fisiologia do aparelho genital feminino: o ciclo menstrual na mulher se caracteriza pela aparição periódica de uma hemorragia, a qual se denomina menstruação, e um processo fisiológico provocado e regulado por hormônios que procuram a maduração de um ovocito e a expulsão do ovário (ovulação). Considera-se o primeiro dia do ciclo menstrual aquele em que começam as regras; sua duração media é de 28 dias. E os hormônios que o determinam têm uma dupla origem, a hipófise e o ovário.

As glândulas endócrinas modificam o ovário e o endométrio dando lugar ao ciclo ovárico e ao ciclo endometrial respectivamente (o ciclo ovárico condiciona totalmente ao ciclo endometrial) o lóbulo anterior da hipófise segrega dois hormônios gonadotrópicos, folículo estimulante (FSH) e a luteinizante (LH), que determinam o ciclo ovárico. O ciclo ovárico começa quando a FSH chega ao ovário, onde intervém na maduração do folículo primordial, que se converte no folículo de Graaf obtendo um ovocito maduro.

Cerca do décimo quarto dia do ciclo se produz a ovulação, provocada por certo nível no sangue de FSH e LH simultaneamente. A partir deste momento e até fechar-se o ciclo, atua a LH estimulando a formação do corpo lúteo. O ovário produz hormônios esteróides, estrógeno, progesterona e andrógenos. Os andrógenos são hormônios sexuais masculinos que se transformarão em estrógenos. Os folículos produzem fundamentalmente estrógenos (foliculina), sob o efeito da FSH hipofisária.

O corpo lúteo, estimulado pela LH libera sobretudo progesterona. Se bem que o mais freqüente é que tenham ação antagônica. Os estrogênios e a progesterona trabalham, às vezes, de forma complementar, por exemplo, sobre as mamas exercem um efeito sincronizado ao regular sua turgência ou flacidez em consonância com o ciclo menstrual.

As funções dos estrogênios são

Incrementar a espessura epitelial da vulva e a órgão reprodutor feminino; produzir grande quantidade de muco cervical fluído, (que ajuda a penetração dos espermatozóides); determinar a fase de proliferação da mucosa uterina, inibindo ao mesmo tempo a secreção hipofisária de FHS; ativar a secreção de LH e LTH (prolactina), o que desencadeia pouco antes da ovulação síntese de progesterona, e atuar sobre o desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários.

As funções da progesterona são: diminuir a espessura epitelial da vulva e da órgão reprodutor feminino; favorecer a descamação do endométrio; atuar sobre o muco cervical de forma que seja espesso e dificilmente penetrável pelos espermatozóides; favorecer no endométrio a reação pré-residual para a dinação exercer um efeito sedante sobre o miométrio e as trompas; realizar uma ação hipertérmica (pelo qual há aumento da temperatura corporal na segunda metade do ciclo sexual feminino).

Em todos os órgãos do aparelho sexual da mulher adulta têm lugar uma serie de mudanças cíclicas cujo objetivo é assegurar que se produzam óvulos capazes de serem fecundados e preparar o útero para recebê-los. Estas mudanças cíclicas se repetem, em média, de cada quatro semanas (entre 21 e 35 dias) e são a expressão de processos (também cíclicos) que se produzem simultaneamente na hipófise e no ovário, que são controlados pelas neuro-secreções do hipotálamo.

O ciclo endometrial é constituído por três fases; sendo o primeiro dia da menstruação em que se marca o começo de cada ciclo, que finaliza no primeiro dia da menstruação seguinte:

Fase de proliferação: Na primeira metade do ciclo, do quarto ao décimo quarto dia; momento que coincide com a ovulação.
Fase de secreção: Do décimo quinto dia ao vigésimo oitavo dia.
Menstruação: Descamação do endométrio; do primeiro ao quarto dia do ciclo seguinte.
Fase de proliferação: Na hipófise se produz uma elevação da produção de FSH, cujos níveis no plasma descem primeiro mais lentamente e logo mais aceleradamente, até alcançar os níveis básicos perto do dia 15. Mesmo assim, para a metade do ciclo se produz um aumento brusco de LH que alcança seu nível máximo em horas prévias à ovulação. A FSH estimula a maduração folicular , e os folículos em crescimento produzem estrógeno que intervém na diminuição da produção de FSH hipofisário e no aumento da produção de LH que para metade do ciclo induz rápido desenvolvimento de um folículo que completa sua maduração e explode produzindo-se a ovulação.
Fase de secreção:
O nível de LH hipofisário, segue elevando-se e começa a secretar-se o hormônio luteotropa (protactina). No ovário a LH provoca a transformação de um folículo (vazio logo após da ovulação) no corpo amarelo que, por ação de ambos gonadotrópicos (LH e prolactina) mantém seu trofismo, secretando estrógenos e progesterona, que impedem que se desenvolvam novos folículos. Se o óvulo não é fecundado na terceira semana, como é fecundado na terceira semana, começa a regressão do corpo amarelo, e a descida dos níveis plasmáticos de hormônios ováricos, que alcança seu nível básico ao redor do vigésimo oitavo dia; isso produz a liberação do hipotálamo que estimula a hipófise, que volta a secretar níveis crescentes de FSH para recomeçar um novo ciclo. O endométrio duplica sua espessura e no final da quarta semana começa a retração pré -menstrual da mucosa que diminui sua espessura.
Fase de descamação:
Nos dias primeiro ao quarto do ciclo seguinte se produz a dilatação dos vasos e a saída do sangue, o sangue não coagula e vem a hemorragia menstrual com a qual se desprendem os tecidos que formam a capa funcional. Permanece a capa vasal que regenerará a mucosa no ciclo seguinte. Ao redor dos 45 – 55 anos de idade, apesar da persistência da estimulação hipotálamo-hipofisária, os folículos ováricos vão se esgotando, como consequência não se produzem níveis adequados de hormônios, os ciclos se tornam irregulares e por último desaparecem. As menstruações terminam (menopausa) e o endométrio se atrofia.

 

Órgãos sexuais internos

Sistema Reprodutor Feminino

Lubrificação

Sistema Reprodutor Feminino

Durante a fase de excitação sexual há um acúmulo de sangue nos órgãos genitais e se inicia a lubrificação através da transudação de gotículas de líquido pela parede da mesma. Há uma lubrificação também a partir das secreções do colo do útero e uma lubrificação adicional através das glândulas de Bartholin.

Veja que a lubrificação é correspondente à ereção no homem.

Orgasmo Feminino

A resposta sexual humana (feminina)

A resposta sexual feminina foi descrita pela primeira vez por Masters e Johnson em 1966.

Propuseram um modelo onde havia a fase de excitação, uma fase de “plateaux” com intensa excitação, uma fase de orgasmo e uma fase de resolução, quando os órgãos genitais voltariam ao normal. Classificaram vários tipos de respostas, o orgasmo múltiplo (linha amarela), orgasmo simples (linha azul) e resposta sem orgasmo (linha magenta).

Fase de orgasmo

Sistema Reprodutor Feminino
Adaptado de Masters WH, Johnson VE. Human Sexual Response, 1966

Fonte: en.wikipedia.org/mclocosta.sites.uol.com.br/www.gineco.com.br/www.pucrs.campus2.br/biomania.com/www.gineco.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fratura de Úmero

PUBLICIDADE Definição A fratura do úmero é uma lesão no osso do braço que liga o ombro …

Vértebras Torácicas

PUBLICIDADE Definição Vértebras torácicas são os doze segmentos vertebrais (T1-T12) que compõem a coluna torácica. Essas …

Coluna Vertebral

Coluna Vertebral

PUBLICIDADE Definição Uma série de vértebras que se estende do crânio até a parte inferior …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+