Breaking News
Home / Curiosidades / Dicionário de Tupi-Guarani

Dicionário de Tupi-Guarani

A

PUBLICIDADE

Aaru: Espécie de bolo preparado com um tatu moqueado, triturado em pilão e misturado com farinha de mandioca.

Abá: avá – auá – ava – aba – homem – gente – pessoa – ser humano – índio.

Ababá: tribo indígena tupi-guarani que habitava as cabeceiras do rio Corumbiara (MT).

Abacataia: peixe de água salgada, parecido com o peixe-galo – abacutaia – abacatuaia.

Abaçaí: pessoa que espreita, persegue – gênio perseguidor de índios – espírito maligno que perseguia os índios, enlouquecendo-os.

Abacatina: aracangüira – abacataia – peixe de água salgada, parecido com o peixe-galo. Abacatuaia: abacataia – aracangüira.

PUBLICIDADE

Abacatuia: aracangüira – abacataia.

Abaetê: pessoa boa – pessoa de palavra – pessoa honrada – abaeté.

Abaetetuba: lugar cheio de gente boa

Abaité: gente ruim – gente repulsiva – gente estranha.

Abanã: (gente de) cabelo forte ou cabelo duro.

PUBLICIDADE

Abanheém: awañene – língua de gente – a língua que as pessoas falam

Abaquar: senhor (chefe)do vôo – abequar – homem que voa (aba – ara – jabaquara – iabaquara).

Abaré: amigo -(aba – ré – rê – abaruna).

Abaruna: amigo de roupa preta – padre de batina preta – amigo preto – (abuna).

Abequar: – senhor (chefe)do vôo – abaquar.

Abati: milho – cabelos dourados – louro.

Abuna: abaruna – padre de batina preta.

Açaí: yasaí – fruta que chora – fruta de onde sai líquido – coquinho pequeno amarronzado, que dá em cachos no açaizeiro (palmeira com o tronco de pequeno diâmetro e folhas finas, que também produz palmito).

Acag: cabeça – (jaguaracambé).

Acamim: uma das espécies de pássaros; uma das espécies de vegetais (iacamim, jacamin).

Acará: garça, ave branca (acaraú).

Acaraú: acaraí, acará, rio das garças (i, acará, ara) (diz-se que a grafia com a letra u, com o som de i fechado, vem dos colonizadores franceses, que os portugueses representavam, às vezes, por y).

Acemira: acir, o que faz doer, o que é doloroso (moacir).

Açu: grande, considerável, comprido, longo (ant.: mirim) (iguaçu, paraguaçu).

Aguapé (tupi): awa’pé – redondo e chato, como a vitória-régia – plantas que flutuam em águas calmas -uapé – (awa – pewa – peba – peua).

Aimara: árvore, araçá-do-brejo.

Aimará: túnica de algodão e plumas, usada principalmente pelos guaranis.

Aimbiré: aimoré; amboré.

Aimirim: aimiri, formiguinha.

Airequecê: aamo (xavante) – lua – iaé.

Airumã: estrela-d’alva.

Airy: uma variedade de palmeira.

Aisó: formosa.

Aiyra: filha.

Ajajá: aiaiá – ayayá – colhereiro (espécie de garça, de bico comprido, alargado na ponta e parecido com uma colher)

Ajeru: ajuru.

Ajubá: amarelo (itajubá).

Ajuhá: fruta com espinho.

Ajuru: ayu’ru – árvore de madeira dura, com frutos de polpa comestível – papagaio – ajeru – jeru – juru.

Akag: cabeça.

Akitãi: baixo , baixa estatura (irakitã – muirakitã).

Amana: amanda, chuva.

Amanaci: amanacy, a mãe da chuva.

Amanaiara: a senhora da chuva ou o senhor da chuva.

Amanajé: mensageiro.

Amanara: dia chuvoso.

Amanda: amana, chuva.

Amandy: dia de chuva.

Amapá: ama’pá – árvore da família das apocináceas (Parahancornia amapa), de madeira útil, e cuja casca, amarga, exsuda látex medicinal, de aplicação no tratamento da asma, bronquite e afecções pulmonares, tendo seu uso externo poder resolutivo e cicatrizante de golpes e feridas.

Amary: uma espécie de árvore.

Ama-tirí: amãtiti, raio, corisco.

Amboré: aimoré.

Amerê: fumaça.

Ami: aranha que não tece teia.

Anamí: uma das espécies de árvores.

Ananã: fruta cheirosa (ananás).

Anauê: salve, olá.

Anassanduá: da mitologia indígena.

Andira: o senhor dos agouros tristes.

Andirá: morcego

Anhangüera: aanhangüera, diabo velho.

Anhana: empurrado – impelido

Anama: grosso, espesso

Anomatí: além, distante

Antã, atã: forte

Anacê: parente

Anajé: gavião de rapina

Anãmiri: anão, duende

Aondê: coruja

Apicu: ape’kü – apicum.

Ape’kü: apicum – mangue – brejo de água salgada (à borda do mar) – apicu – picum – apecum – apecu.

Apecu: ape’kü – coroa de areia feita pelo mar.

Aapecum: ape’kü – apecu.

Apicu: ape’kü – apecu.

Apicum: ape’kü – apicu – apecu – apicum – mangue.

Apoena: aquele que enxerga longe

Apuama: andejo, que não para em casa, veloz, que tem correnteza

Aquitã: curto, pequeno

Ara: (de modo geral – com poucas exceções) relativo a aves, às alturas e (mais raramente) àquilo que voa (insetos) – pássaro – jandaia – periquito (ave pequena) – (arara – Ceará – aracê).

Araçary, arassary: variedade de tucano

Aracê: aurora, o nascer do dia, o canto dos pássaros (pela manhã).

Aracema: bando de papagaios (periquitos, jandaias, araras), bando de aves (ara, arara, piracema)

Aracy: a mãe do dia, a fonte do dia, a origem dos pássaros (v. aracê, cy, ara)

Aram: sol

Arani: tempo furioso

Aracangüira: peixe de água salgada, parecido com o peixe-galo – abacataia – abacutaia – abacatuaia – abacatuia – abacatúxia – abacatina – aleto – aracambé – peixe-galo-do-brasil.

Arapuã: abelha redonda.

Arapuca: armadilha para aves, consistindo numa pirâmide de gravetos (pequenos paus) superpostos

Arara: jandaia grande, ave grande.

Araraúna: arara preta (arara, una, araruna).

Ararê: amigo dos papagaios

Araruna: araúna, ave preta(araraúna, ara, una, itaúna).

Aratama, ararama, araruama: terra dos papagaios

Araueté: araweté ou araueté, povo de língua da família tupi-guarani, que vive na margem esquerda do igarapé Ipixuna, afluente do Xingu, na área indígena Araweté/Igarapé-Pixuna, no sudeste do Pará.

Araxá: lugar alto onde primeiro se avista o sol (segundo definição da cidade Araxá-MG) – lugar alto e plano – tribo indígena procedente dos cataguás (ses) – (ara).

Assurini: tribo pertencente a família lingüística tupi-guarani, localizadas em Trocará, no rio Tocantins, logo abaixo de Tucuruí/PA.

Ati: gaivota pequena – (atiati).

Atiati: gaivota grande – (ati).

Auá: avá – abá – homem – mulher – gente – índio.

Auati: gente loura – milho – que tem cabelos louros (como o milho) – abati – avati.

Aauçá: uaçá – caranguejo – auçá – guaiá.

Avá: abá, auá, homem, índio.

avanheenga: awañene – língua de gente – a língua que as pessoas falam, ao contrário dos animais – a língua geral dos tupis-guaranis – abanheenga – abanheém.

Avaré: awa’ré – abaré – amigo – missionário – catequista – (abaruna – abuna).

Avati: gente loura – milho – abati – auati.

Awañene: abanheém – língua de gente – a língua que as pessoas falam, ao contrário dos animais – a língua geral dos tupis-guaranis – abanheenga – avanheenga.

Awa: redondo – ava.

Awaré: avaré.

Aymberê: lagartixa.

Ayty: ninho (parati).

Ayuru: ajuru – árvore de madeira dura, com frutos de polpa comestível.

B

bapo: maracá – mbaraká – chocalho usado em solenidades – maracaxá – xuatê – cascavel.

baquara: mbaekwara – biquara – sabedor de coisas – esperto – sabido – vivo – (nhambiquara).

biquara: baquara – mbaekwara.

C

Caá: kaá – mato – folha.

Caapuã: aquele ou aquilo que mora (vive) no mato – caipora – kaapora.

Caba: marimbondo, vespa (v. cacira, laurare)

Caboclo: kariboka – procedente do branco – mestiço de branco com índio – cariboca – carijó – antiga denominação do indígena – caburé – tapuio – personificação e divinização de tribos indígenas segundo o modelo dos cultos populares de origem africana, paramentada, porém, com os trajes cerimoniais dos antigos tupis (folcl.) – atualmente, designação genérica dos moradores das margens dos rios da Amazônia

Caburé (tupi): kaburé – cafuzo – caboclo – caipira – indivíduo atarracado, achaparrado.

Cacira: vespa de ferroada dolorosa

caingangue: grupo indígena da da região Sul do Brasil, já integrado na sociedade nacional, cuja língua era outrora considerada como jê, e que hoje representa uma família própria – coroado – camé – xoclengues.

Caipora: caapora – kaa’pora.

Camb: peito – seio – teta.

Camé (jê): subtribo do grupo caingangue.

Camuá: palmeira de caule flexível, cheia de pelos espinhosos.

Camu-camu: fruta pouco conhecida que possui grande quantidade de vitamina C, e cuja produção vem substituindo, no Acre, a exploração dos seringais.

Canoa: embarcação a remo, esculpida no tronco de uma árvore; uma das primeiras palavras indígenas registradas pelos descobridores espanhóis; montaria (designação atual usada pelos caboclos da Amazônia); (ubá).

Capim: caapii – mato fino – folha delgada.

Carapeba: tipo de peixe – acarapeba – acarapeva – acarapéua – (acará – peba).

Cari: o homem branco – a raça branca.

Cariboca: kari’boka – caboclo – procedente do branco – mestiço de branco com índio – curiboca – carijó – caburé – tapuio

Carijó: procedente do branco – mestiço, como o galináceo de penas salpicadas de branco e preto – caboclo – antiga denominação da tribo indígena guarani, habitante da região situada entre a lagoa dos Patos (RS) e Cananéia (SP) – carió – cário – cariboca – curiboca caburá – tapuio.

Carió: procedente do branco – caboclo – antiga denominação da tribo indígena guarani, habitante da região situada entre a lagoa dos Patos (RS) e Cananéia (SP) – carijó – cário – cariboca – curiboca caburé – tapuio.

Carioca: kari’oka – casa do branco.

Cuica: ku’ika – espécie de rato grande com o rabo muito comprido, semelhante ao canguru – instrumento de percussão feito com um pequeno cilindro em uma de cujas bocas se prende uma pele bem estirada.

Curiboca: caboclo – kari’boka – procedente do branco – mestiço de branco com índio – cariboca – carijó – caburé – tapuio.

Curumim: menino (kurumí).

D

Damacuri: tribo indígena da Amazônia.

Damanivá: tribo indígena de RR, da região do Caracaraí, Serra Grande e serra do Urubu.

Deni: tribo indígena aruaque, que vive pelos igarapés do vale do rio Cunhuã, entre as desembocaduras dos rios Xiruã e Pauini, no AM. Somam cerca de 300 pessoas, e os primeiros contatos com a sociedade nacional ocorreram na década de 60.

E

Eçaí: olho pequeno.

Eçabara: o campeador.

Eçaraia: o esquecimento.

Etê: bom – honrado – sincero – eté.

G

Galibi: tribo indígena da margem esquerda do alto rio Uaçá (AP).

Geribá: nome de um coqueiro.

Goitacá: nômade, errante, aquele que não se fixa em nenhum lugar.

Guará (i): iguara, ave das águas, pássaro branco de mangues e estuários com grande amplitude de maré ou de fluviometria (i, ig, ara).

Guará (2): aguará, aguaraçu, mamífero (lobo) dos cerrados e pampas (açu).

Guarani(1): raça indígena do interior da América do Sul tropical, habitante desde o Centro Oeste brasileiro até o norte da Argentina, pertencente à grande nação tupi-guarani.

Guarani (2): grupo lingüístico pertencente ao grande ramo tupi-guarani, porém mais característico dos indígenas do centro da América do Sul.

Guaratinguetá: reunião de pássaros brancos.

Guariní: guerreiro, lutador.

I

I: água – pequeno – fino – delgado – magro

Iacamim: acamim (jacamim).

Iaé (kamaiurá): lua – aamo (xavante) – airequecê.

Iandé: a constelação Orion.

Iandê: você.

Iapuçá: uma das espécies de macacos (japuçá, jupuçá, jauá, sauá).

Iba (1): iwa – iua – iva – ruim – feio – imprestável – (paraíba).

Iiba (2): variação de ubá – madeira – árvore.

Ibi: terra.

Ibitinga: terra branca (tinga).

Ig: água – (i).

Iguaçu: água grande – lago grande – rio grande.

Indaiá: um certo tipo de palmeira

Ira: mel (Iracema, irapuã).

Iracema: lábios de mel (ira, tembé, iratembé).

Irapuã: mel redondo (ira, puã).

Iratembé: lábios de mel (Iracema, ira, tembé).

Irupé: a vitória régia.

Ita: pedra (itaúna).

Itajubá: pedra amarela (ita, ajubá).

Itatiba: muita pedra, abundância de pedras (tiba).

Itaúna: pedra preta (ita, una).

Ité: ruim – repulsivo – feio – repelente – estranho (abaité).

Iu: yu – ju – espinho – (jurumbeba).

Iua: iva – iua – iba – ruim – feio – imprestável – (paraíba).

Iuçara: juçara – jiçara – palmeira que dá palmito.

Iva: iwa – iua – iba – ruim – feio – imprestável – (paraíba).

Iviturui: – serro frio; frio na parte mais alta de uma serra.

Iwa: iva – iua – iba – ruim – feio – imprestável – (paraíba).

J

Jabaquara: – rio do senhor do vôo (iabaquara, abequar).

Jacamim: ave ou gênio, pai de muitas estrelas (Yacamim).

Jaçanã: ave que possui as patas sob a forma de nadadeiras, como os patos.

Jacaúna: indivíduo de peito negro.

Jacu: yaku – uma das espécies de aves vegetarianas silvestres, semelhantes às galinhas, perus, faisões, etc.

Jacuí: jacu pequeno.

Jaguar: yawara – cão – lobo – guará.

Jaguaracambé: cão de cabeça branca (ya’wara = cão)+(a’kãg = cabeça)+(peba = branco) – aracambé – cachorro-do-mato-vinagre.

Japira: mel, ira (yapira).

Japuçá: uma das espécies de macacos (iapuçá, jauá, sauá).

Jauá: japuçá (iapuçá, sauá)

Javaé: tribo indígena que habita o interior da ilha do Bananal, aparentada com os carajás, da mesma região.

Javari: competição cerimonial desportiva religiosa.

Jé: grupo etnográfico a que pertence o grosso dos tapuias – jê – gê.

Jeru: ayu’ru – árvore de madeira dura, com frutos de polpa comestível – papagaio – ajeru – ajuru – juru.

Ju: yu – iu – espinho – (jurumbeba).

Juçara: palmeira fina e alta com um miolo branco, do qual se extrai o palmito, típica da mata atLântica – piná – iuçara – juçara – (açaí).

Jumana: tribo do grupo aruaque, habitante da região dos rios Japurá e Solimões (amazônia Ocidental) – ximana – xumana.

Jumbeba: cacto (ou uma espécie de) – jurumbeba – (ju – mbeb).

Jupuçá: iapuçá; japuçá.

Juru: árvore de madeira dura, com frutos de polpa comestível – papagaio – ajeru – jeru – ajuru.

Jurubatiba: lugar cheio de plantas espinhosas (ju – ru – uba -tiba).

Jurubeba: planta (espinhosa) e fruta tida como medicinal (o fruto é, normalmente, verde e perfeitamente redondo, sendo muito amargo – é pouco maior que a ervilha) – jurumbeba.

Jurumbeba: folha chata com espinhos – cacto (ou uma espécie de) – jumbeba – (ju – mbeb).

K

Kaá: caá – mato.

Kaapora: aquilo ou quem vive no mato – caapora – caipora.

Kabu’ré: caburé – cafuzo – caboclo – caipira – indivíduo atarracado, achaparrado.

Kamby: leite – líquido do seio.

Kaluana: lutador de uma lenda da tribo kamaiurá.

Kamaiurá: camaiurá – tribo indígena tupi que vive na região dos formadores do Xingu, entre a lagoa Ipavu e o rio Culuene (MT).

Karioka: carioca – casa do branco.

Ki’sé: faca velha e/ou enferrujada e/ou cheia de dentes e/ou sem cabo – quicé – quicê – quecé – quecê.

Ku’ika: cuica – espécie de rato grande com o rabo muito comprido, semelhante ao canguru – instrumento de percussão

Kurumí: menino (curumim)

L

Laurare (karajá): marimbondo

Lauré (pauetê-nanbiquara): arara vermelha

M

Macaba: fruto da macaúba (comestível – coco de catarro

Macaúba: ma’ká ï’ba – árvore da macaba (fruta do sertão) – macaíba

Macaíba: macaúba

Manau: tribo do ramo aruaque que habitava a região do rio Negro

Manauara: natural de, residente em, ou relativo a Manaus (capital do estado do Amazonas) – manauense

Mairá: uma das espécies de mandioca, típica da região Norte; mandiocaçu; mandioca grande (mandioca, açu)

Maní: deusa da mandioca, amendoim (maniva)

Manioca: mandioca (a deusa Maní, enterrada na própria oca, gerou a raiz alimentícia), (v. mani, oca, mandioca, mairá)

Maniua: maniva

Maniva: tolete ou folha da planta da mandioca; usa-se na alimentação da região Norte, especialmente no Pará. (maniua, mairá)

Mandioca: aipim, macaxeira, raiz que é principal alimento dos índios brasileiros (v. manioca)

Maracá: mbaraká – chocalho usado em solenidades – bapo – maracaxá – xuatê – cascavel

Massau: uma das espécies de macaco, pequeno e de rabo comprido, comum na região amazônica – sa’wi – sagüim – sauim – soim – sonhim – sagüi – tamari – xauim – espécie de mico

Mbaracá: maracá – chocalho usado em solenidades – bapo – maracaxá – xuatê – cascavel

Mbeb: chato – achatado – mbeba (jurubeba)

Membira: filho ou filha (v. raira)

Moponga: mu’põga – Pescaria em que se bate na água, com uma vara ou com a mão, para que os peixes sejam desviados para uma armadilha – mupunga – batição

Motirõ: mutirão – reunião para fins de colheita ou construção (ajuda)

Mu’põga: moponga – mupunga – batição

Mutirão (port/tupi): motirõ

N

Nanbiquara: fala inteligente, de gente esperta – tribo do Mato Grosso (pauetê-nanbiquara – baquara – biquara)

Nhe: nhan – nham – falar – fala – língua

Nheengatu: nhegatu – língua boa – língua fácil de ser entendida (pelos tupis)

Nhenhenhém: nheë nheë ñeñë, falação, falar muito, tagarelice

O

oapixana: tribo do ramo aruaque do alto rio Branco (RR), nas fronteiras com a Guiana – vapixiana – vapixana – uapixana – wapixana – vapidiana – oapina

oapina: oapixana

Oca: cabana ou palhoça, casa de índio (v. ocara, manioca)

Ocara: praça ou centro de taba, terreiro da aldeia (v. oca, manioca, ocaruçu)

Ocaruçu: praça grande, aumentativo de ocara (v. açu, ocara)

P

Pará (1): rio

Pará (2): prefixo utilizado no nome de diversas plantas

Paracanã: tribo indígena encontrada durante a construçao hidrelétrica de Tucuruí, no rio Tocantins/PA

Paraíba (1): paraiwa – rio ruim – rio que não se presta à navegação (imprestável) – (para – iba)

Paraíba (2): parabiwa – madeira inconstante (variada)

Paraibuna: rio escuro e que não serve para navegar

Paraitunga: designação dada aos paracanãs pelos assurinis

Pauá (tupi): pawa – pava – tudo – muito (no sentido de grande extensão)

Pauetê-nanbiquara: – tribo da região do Mato Grosso (nanbiquara, nhambiquara)

Peba: branco – branca – tinga – peva – peua – pewa

Peua: peba

Peva: peba

Pewa: peba

Picum: ape’kü – apecum – mangue – brejo de água salgada

Piná: palmeira fina e alta com um miolo branco, do qual se extrai o palmito, típica da mata atlântica

Pitiguar: – potiguar

Poti: – camarão, piti (potiguar)

Potiguar: – pitiguar, potiguara, pitaguar, indígena da região NE do Brasil

Puã: – redondo (irapuã)

Puca: armadilha (arapuca, puçá)

Puçá: armadilha para peixes (e outros animais aquáticos)

Puçanga: mezinha, remédio caseiro (receitado pelos ajés)

Q

Quecé: faca velha e/ou enferrujada e/ou cheia de dentes e/ou sem cabo – ki’sé – quicê – quicé – quecê

Quibaana: tribo da região Norte

Quicé: faca velha e/ou enferrujada e/ou cheia de dentes e/ou sem cabo – ki’sé – quicê – quecé – quecê

R

Raira: – filho (v. membira)

Ré: – amigo – rê (geralmente usado como sufixo) (abaré, araré, avaré)

Rudá: deus do amor, para o qual as índias cantavam uma oração ao anoitecer

Ru: folha (jurubeba)

S

Sauá: uma das espécies de macacos – iapuçá – japuçá – jupuçá – sawá – saá

Sauim: sagüi

Sawi: sagüi

Surui: tribo do parque do Aripuanã, região do Madeira, Rondônia

T

Tapuia: tapii – tapuio – designação antiga dada pelos tupis aos gentios inimigos – índio bravio – mestiço de índio – índio manso (AM) – qualquer mestiço trigueiro e de cabelos lisos e negros (BA) – caboclo

Tapuio: tapii – tapuia – designação antiga dada pelos tupis aos gentios inimigos – índio bravio – mestiço de índio – caboclo

Tembé: lábios (Iracema, iratembé)

Tiba: tiwa, tiua, tuba, abundância, cheio

Tijuca: tiyug – líquido podre – lama – charco – pântano – atoleiro – tijuca

Tijucupaua: tiyukopawa – lamaçal – tijucupava

Timburé: uma das espécies de peixes de rio, com manchas e/ou faixas pretas (ximburé, timburê)

Timburê: Timburé (ximburé)

Tinga: branco – branca – peba – (ibitinga)

Tiririca: tiririka – arrastando-se (alastrando-se) – erva daninha famosa pela capacidade de invadir velozmente terrenos cultivados – estado nervoso das pessoas, provocado por um motivo que parece incessante

Tiyukopauá: tijucopaua – lamaçal – tijucupava

Tiyug: tijuca – líquido podre – lama – charco – pântano – atoleiro – tijuca

Tiwa: tiba, tiua, tiba, tuba, abundância, cheio

Tupi (1): povo indígena que habita(va) o Norte e o Centro do Brasil, até o rio Amazonas e até o litoral

Tupi (2): um dos principais troncos lingüísticos da América do Sul, pertencente à família tupi-guarani

Tupi-guarani: um das quatro grandes famílias lingüísticas da América do Sul tropical e equatorial; indígenas pertencentes a essa família

U

Uaçá: caranguejo – auçá – guaiá

Uaçaí: açaí – yasaí

Uaná: vagalume (urissanê)

Uapixana: tribo do ramo aruaque do alto rio Branco (RR), nas fronteiras com a Guiana – vapixiana – vapixana – vapidiana – wapixana – oapixana – oapina

Ubá: canoa (geralmente feita de uma só peça de madeira); árvore usada para fazer canoas (canoa)

Una: preto, preta

Urissanê: vagalume (uaná)

V

V ( Índice )

Vapidiana: tribo do ramo aruaque do alto rio Branco (RR), nas fronteiras com a Guiana – vapixiana – Vapixana – uapixana – wapixana – oapixana – oapina

W

Wapixana: tribo do ramo aruaque do alto rio Branco (RR), nas fronteiras com a Guiana – vapixiana – vapixana – uapixana – vapidiana – oapixana – oapina

Wa’riwa: guariba – macaco de coloração escura, barbado. Wasaí: açaí – uaçaí – yasaí

X

Xaperu: tribo da região Norte

Xauim: uma das espécies de macaco, pequeno e de rabo comprido, comum na região amazônica – sa’wi – sagüim – sauim – soim – sonhim – massau – tamari – sagüi – espécie de mico

Xavante: tribo indígena pertencente à família lingüística jê e que, junto com os xerentes, constitui o maior grupo dos acuéns. Ocupa extensa área, limitada pelos rios Culuene e das Mortes (MT)

Ximaana: tribo habitante da região do rio Javari, na fronteira do Brasil com o Peru

Ximana: tribo do grupo aruaque, habitante da região dos rios Japurá e Solimões (Amazônia Ocidental) – xumana – xumane – jumana

Ximburé: uma das espécies de peixes de rio (timburé)

Xoclengue: tribo caingangue do Paraná (rio Ivaí)

Xuatê: mbaraká – maracá – chocalho usado em solenidades – bapo – maracaxá – cascavel

Xumana: ximana – jumana

Xumane: – ximana.

Y

Yacamim: ave ou gênio; pai de muitas estrelas (jaçamim)

Yamí (tucano): noite

Yapira: mel (japira)

Yara: deusa das águas – mãe d’água – senhora – iara – lenda da mulher que mora no fundo dos rios

yasaí: açaí – fruta que chora – fronta de onde sai líquido – coquinho pequeno amarronzado, que dá em cachos no açaizeiro (palmeira com o tronco de pequeno diâmetro e folhas finas, que também produz palmito)

yawara (tupi): jaguar – cão – cachorro – lobo – gato – onça – jaguaracambé.

Fonte: educaterra.terra.com.br

Check Also

Gaiola de Faraday

Gaiola de Faraday

PUBLICIDADE Definição da Gaiola de Faraday Uma gaiola de Faraday é um compartimento metálico que impede a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.