Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Meio Ambiente / Buraco na Camada de Ozônio

Buraco na Camada de Ozônio

PUBLICIDADE

Os furos na camada de ozono, são causados pelo aumento das concentrações de produtos químicos que destroem o ozono na estratosfera.

Estes produtos químicos provêm de aerossóis e refrigerantes e que incluem compostos químicos com cloro e / ou flúor ligado ao carbono também conhecidos como CFCs.

O buraco na camada de ozônio é quebrado para baixo principalmente por clorofluorcarbonos CFCs e óxidos de nitrogênio por produtos químicos. Eles são substâncias químicas muito importantes, mas uma vez que são libertados para a atmosfera são um poluente grave. Uma pequena quantidade de CFC destrói um monte de ozono.

O aquecimento global tem sido considerado como a razão por trás do suposto buraco na camada de ozônio, como vínculo de emissões de carbono com o tri-oxigênio e liberam dióxido de carbono e monóxido de carbono deixando os seres humanos, sem chance para a vida no futuro. Teorias antigas apontam para as naturezas polares da Terra, criando um buraco para os pólos norte e sul para ser visível e acessível.

Quais são as causas do buraco na camada de ozônio?

CFCs e similares sintéticos gases quebrar a camada de ozônio na estratosfera, permitindo a radiação ultravioleta prejudicial. O buraco de ozônio acontece principalmente na Antártida, onde quatro meses de escuridão do inverno criar as condições ideais para a destruição.

O ozono é uma camada protetora na atmosfera superior. É formada, quando as moléculas de oxigénio absorver comprimentos de onda de radiações ultra-violeta curtos do sol. O ozono é parte destruído pelos radicais livres na atmosfera. Quando compostos como os CFCs (clorofluorcarbonos) são liberados, eles são dissociados pela luz solar em radicais de cloro. Estes radicais ataque ozono, diminuindo assim a sua concentração. Isso resulta em buraco na camada de ozônio.

O furo na camada de ozono acontece porque a camada de ozono na estratosfera é destruído por cloro e bromo a partir de átomos de halogéneo. Estes átomos vem artificiais gases halogenados geladeira (clorofluorcarbonos [CFC], freons e halons), que são emitidos ao nível do solo, mas mover-se para a camada de ozônio. Estes gases contêm cloro e bromo.

Ozono (O3) é formado quando a luz ultravioleta (UV) atinge uma molécula de oxigénio (O2), convertendo-a em dois iões de oxigénio (O). Esses íons de oxigênio (O) combinam-se com outras moléculas de oxigênio (O2) para formar ozônio (O3). Mais tarde, um outro ião de oxigénio (O) vai combinar com a molécula de ozono (O3), para formar duas moléculas de oxigénio (O2). Este é o ciclo natural de ozono-oxigénio da terra.

A camada de ozono impede o ultravioleta B-ondas (UV-B), a partir de atingir a Terra. Aumento da exposição à radiação UV-B é pensado para ser responsável pelo aumento de câncer de pele, catarata e danos às plantas e plâncton. Devido a isso as nações do mundo, em 1989, adotou o Protocolo de Montreal, que proíbe a produção de CFCs, halons e outras substâncias químicas que destroem o ozônio.

O buraco de ozônio acontece durante a primavera na Antártida (setembro-dezembro). Nuvens estratosféricas polares (PSC) forma durante o inverno, tudo escuro. Quando chega a Primavera e luz UV aparece novamente, os cristais de gelo e ácido nítrico nestas nuvens ajudar a libertar os átomos de cloro e bromo a partir dos gases de hidrocarbonetos halogenados. Estes destroem a camada de ozônio. (Um único átomo de cloro pode continuar a destruir o ozônio por até dois anos, reagindo com até cem mil moléculas de ozônio.)

O “buraco” na camada de ozono não é um orifício, em qualquer sentido verdadeiro da palavra, mas uma diluição de a quantidade de ozono na atmosfera sobre o Antárctico durante o final do Inverno. Este buraco foi naturalmente por séculos e é devido, quase que exclusivamente, à falta de luz solar sobre esta área durante o longo inverno. A menor, mas semelhante situação ocorre sobre o Ártico durante o fim de tudo de meses de inverno. NASA se refere a essa área de desbaste como a covinha, devido ao tamanho pequeno quando comparado com a situação da Antártica. A atividade solar também é um problema conhecido pela quantidade de ozônio em nossa atmosfera. O maior conhecido afinamento do que sabemos de fato ocorreu em 1859 e acredita-se ter sido causado por atividade solar. Alguns têm a opinião de que o CFC também estão tendo algum efeito contributivo da quantidade de afinamento da camada de ozônio e há alguma evidência para apoiar que o homem pode estar contribuindo para este efeito natural.

O ozono é uma camada protetora na atmosfera superior. Ele é formado quando as moléculas de oxigénio absorver as radiações ultra-violeta de comprimento de onda curta a partir do sol. O ozono é parte destruído por radicais livres na atmosfera.

Quando compostos como os CFCs (clorofluorcarbonos) e outros halocarbonos são liberados, eles são dissociados pela luz solar em radicais de cloro. Estes radicais ataque ozono, diminuindo assim a sua concentração. Isso resulta em uma diminuição da camada de ozônio, e em regiões polares, um buraco.

Os buracos ocorrem nos pólos, e, geralmente, na Antártida por causa do frio extremo. Durante o inverno polar estratosférico forma nuvens que são capazes de converter gases na atmosfera em Cl (cloro) e ClO (monóxido de cloro). Quando o sol chega no fim do inverno, isto é o gatilho para iniciar. É por isso que o buraco é maior na primavera.

O buraco de ozônio ocorre uma vez por ano em cada pólo. O buraco do pólo sul é maior do que o furo polar norte devido ao fato de que o pólo sul está mais frio do que o pólo norte. O tamanho do orifício é o que é preocupante e é causada por clorofluorocarbonetos (CFC) e halogénios a partir de humano indústria.

O ozônio se decompõe naturalmente com o tempo. Com a inclinação do eixo da Terra que tem, uma vez por ano (inverno local) cada pólo deixa de receber o UV-C que transforma um pouco de oxigênio em ozônio. Assim, o ozônio começa em decomposição, e se forma um buraco. O ozono só pólo fica, neste momento, se difunde a partir de áreas que ainda estejam a receber UV-C. Assim, a camada de ozônio seria extremamente fina neste momento. A presença do fluxo de jato polar impede que o ozono nos pólos (durante o inverno local) de ser reposto à medida que é ao longo do ano em contrário.

Adicionar contaminantes à mistura, e da quantidade de ozônio diminui drasticamente. O vapor de água (natural e homem de origem), cloro (mais comumente Homem de origem, realizado pelo CFC) e bromo (mais comumente natural, mas provavelmente algum homem de origem, levado por exemplo, halons), todos demonstraram habilidades em esgotamento de ozônio.

A concentração de ozônio em qualquer ponto é um equilíbrio de incidente UV-C do Sol (ambos fazendo e destruindo o ozônio), UV-B do Sol (destrói o ozônio quando absorvido), tempo e compostos que podem acelerar a decomposição do ozônio.

O buraco do sul é maior, porque é muito mais frio. É frio o suficiente para formar algo conhecido como nuvens estratosféricas polares (PSC). Estes formam um local de deposição dos radicais na atmosfera que são responsáveis pela destruição do ozônio. Estes radicais podem ser reciclados após a sua utilização de modo a que uma molécula de contaminante (cloro) é responsável pela destruição de vários milhares de moléculas de ozono.

Fonte: > wiki.answers.com

Buraco na Camada de Ozônio

As causas da destruição do ozono

Evidências científicas indicam que o ozônio estratosférico está sendo destruído por um grupo de produtos químicos fabricados, que contêm cloro e / ou bromo.

Estes produtos químicos são chamados de “substâncias destruidoras de ozônio” (ODS).

ODS é muito estável, não tóxico e ambientalmente segura na baixa atmosfera, o que é por isso que se tornou tão popular em primeiro lugar. No entanto, a sua própria estabilidade que lhes permite flutuar para cima, intacto, para a estratosfera. Uma vez lá, eles são quebrados pela luz ultravioleta intensa, liberando cloro e bromo. Cloro e bromo demolir ozônio em um ritmo alarmante, descascando um átomo da molécula de ozônio. Uma única molécula de cloro pode quebrar milhares de moléculas de ozônio.

Além do mais, ODS têm uma longa vida útil em nossa atmosfera – até vários séculos. Isso significa que a maior parte do ODS nós lançamos ao longo dos últimos 80 anos ainda estão a fazer o seu caminho para a estratosfera, onde eles irão adicionar à destruição do ozônio.

A principal ODS são clorofluorcarbonetos (CFCs), hidrofluorocarbonos (HCFC), tetracloreto de carbono e clorofórmio de metilo. Halons (fluorocarbons bromados) também desempenham um grande papel.

Sua aplicação é bastante limitada: eles são usados em extintores especializados. Mas o problema com halons é que eles podem destruir até 10 vezes mais ozônio, como os CFCs podem. Por esta razão, os halons são as mais graves grupo de destruição do ozono dos químicos emitidos em British Columbia.

Hidrofluorcarbonos (HFCs) estão sendo desenvolvidos para substituir os CFCs e HCFCs, para usos como veículo de ar condicionado. HFCs não esgotam o ozônio, mas são gases de efeito estufa fortes. CFCs são contribuintes ainda mais poderosos para a mudança climática global, porém, assim que HFCs são ainda a melhor opção até mesmo substitutos mais seguros são descobertos.

As principais substâncias destruidoras de ozônio (ODS)

Clorofluorcarbonos (CFCs)

O mais usado ODS, representando mais de 80% de esgotamento total de ozônio estratosférico.

Usado como refrigerantes em geladeiras, freezers e condicionadores de ar em edifícios e carros fabricados antes de 1995.

Encontrado em solventes industriais, agentes de limpeza a seco e esterilizantes hospitalares.

Também é usado em produtos de espuma – como preenchimento de soft-espuma (por exemplo, almofadas e colchões) e espuma rígida (por exemplo, isolamento em casa).

Halons

Usado em alguns extintores, nos casos em que os materiais e equipamentos seriam destruídos por água ou outras substâncias químicas extintor. No BC, halons causar maiores danos à camada de ozônio do que os CFCs de automóveis condicionadores de ar.

Metil clorofórmio

Usado principalmente na indústria – para vapor desengorduramento, alguns aerossóis, limpeza de frio, adesivos e processamento químico.

Tetracloreto de carbono

Usado em alguns solventes e extintores.

Hidrofluorcarbonos (HCFCs)

HCFCs se tornaram major, os substitutos “transição” para o CFC. Eles são muito menos prejudiciais ao ozônio estratosférico que os CFCs são. Mas HCFCs eles ainda causar alguma destruição do ozônio e são potentes gases de efeito estufa.

Fonte: > www.bcairquality.ca

Buraco na Camada de Ozônio

A camada de ozônio bloqueia a passagem dos raios ultravioleta, que são prejudiciais para seres humanos, animais e plantas.

Após o buraco ter sido descoberto, em 1986, vários acordos internacionais foram fechados para eliminar os químicos que destruíam a camada de ozônio, os clorofluorcarbonetos, ou CFCs.

Espera-se que o buraco se recupere completamente nos próximos 60 anos.

Otimismo

Dois dos cientistas que ajudaram a alertar o mundo para a existência de um Buraco na Camada de Ozônio nos anos 80 disseram em uma conferência em Washington que estavam esperançosos de que a camada se recupere.

“Estou muito otimista que vamos ter uma camada de ozônio normal em algum momento”, disse David Hoffman, que trabalha para a Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês) como diretor da divisão de monitoramento global.

Susan Solomon, do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, também disse estar animada, porém, ressaltou: “Há muito mais a ser feito de uma perspectiva científica em termos do que eu chamaria de responsabilidade final”.

“Acho que é muito importante realmente medir a camada – para observar se, além de não estar mais crescendo ela também está diminuindo, para termos certeza de que as ações que nós temos tomado no âmbito internacional estão surtindo efeito”, disse Solomon.

Os dois cientistas alertaram que o aquecimento global poderia interferir na recuperação da camada de ozônio, que tem o tamanho equivalente ao continente norte-americano.

Protocolo ‘bem-sucedido’

A NOAA disse que a recuperação da camada de ozônio estava sendo causada principalmente pela eliminação gradual dos CFCs de produtos como aerosóis e gás para refrigeradores.

A produção destes químicos foi restrita pelo Protocolo de Montreal, que entrou em vigor em 1987 e é considerado um sucesso.

Porém, os químicos utilizados para substituir os CFCs também não são benignos e acredita-se que contribuam bastante para o aquecimento global.

O ozônio é uma molécula composta por três átomos de oxigênio e é responsável por filtrar a radiação ultravioleta prejudicial do sol.

O gás é produzido e destruído constantemente na estratosfera, a cerca de 30 quilômetros da terra. Em uma atmosfera sem poluição, o ciclo de produção e decomposição está em equilíbrio.

No entanto, CFCs e outros químicos restritos pelo pelo Protocolo de Montreal sobem à estratosfera, onde são quebrados pelos raios solares. Átomos de clorina e bromina são liberados destes produtos e agem como catalisadores na decomposição do ozônio.

A destruição da camada que ocorre sobre o Ártico nunca foi tão grave como a registrada na região do Pólo Sul e deve recuperar-se com mais rapidez, entre 2030 e 2040.

Fonte: www.bbc.co.uk

Buraco na Camada de Ozônio

A camada de ozônio é uma capa desse gás que envolve a Terra e a protege de vários tipos de radiação, sendo que a principal delas, a radiação ultravioleta, é a principal causadora de câncer de pele. No último século, devido ao desenvolvimento industrial, passaram a ser utilizados produtos que emitem clorofluorcarbono (CFC), um gás que ao atingir a camada de ozônio destrói as moléculas que a formam (O3), causando assim a destruição dessa camada da atmosfera.

Sem essa camada, a incidência de raios ultravioletas nocivos à Terra fica sensivelmente maior, aumentando as chances de contração de câncer.

Nos últimos anos tentou-se evitar ao máximo a utilização do CFC e, mesmo assim, o buraco na camada de ozônio continua aumentando, preocupando cada vez mais a população mundial. As ineficientes tentativas de se diminuir a produção de CFC, devido à dificuldade de se substituir esse gás, principalmente nos refrigeradores, provavelmente vêm fazendo com que o buraco continue aumentando, prejudicando cada vez mais a humanidade. Um exemplo do fracasso na tentativa de se eliminar a produção de CFC foi a dos EUA, o maior produtor desse gás em todo planeta.

Em 1978 os EUA produziam, em aerosóis, 470 mil toneladas de CFC, aumentando para 235 mil em 1988.

Em compensação, a produção de CFC em outros produtos, que era de 350 mil toneladas em 1978, passou para 540 mil em 1988, mostrando a necessidade de se utilizar esse gás em nossa vida quotidiana. É muito difícil encontrar uma solução para o problema.

O buraco

A região mais afetada pela destruição da camada de ozônio é a Antártida. Nessa região, principalmente no mês de setembro, quase a metade da concentração de ozônio é misteriosamente sugada da atmosfera. Esse fenômeno deixa à mercê dos raios ultravioletas uma área de 31 milhões de quilômetros quadrados, maior que toda a América do Sul, ou 15% da superfície do planeta. Nas demais áreas do planeta, a diminuição da camada de ozônio também é sensível; de 3 a 7% do ozônio que a compunha já foi destruído pelo homem. Mesmo menores que na Antártida, esses números representam um enorme alerta ao que nos poderá acontecer, se continuarmos a fechar os olhos para esse problema.

O que são os raios ultravioleta

Raios ultravioletas são ondas semelhantes a ondas luminosas, as quais se encontram exatamente acima do extremo violeta do espectro da luz visível. O comprimento de onda dos raios ultravioletas varia de 4,1 x 10-4 até 4,1 x 10-2 mm, sendo que suas ondas mais curtas são as mais prejudiciais.

A reação

As moléculas de clorofluorcarbono, ou Freon, passam intactas pela troposfera, que é a parte da atmosfera que vai da superfície até uma altitude média de 10.000 metros.

Em seguida essas moléculas atingem a estratosfera, onde os raios ultravioletas do sol aparecem em maior quantidade. Esses raios quebram as partículas de CFC (ClFC) liberando o átomo de cloro. Este átomo, então, rompe a molécula de ozônio (O3), formando monóxido de cloro (ClO) e oxigênio (O2).

A reação tem continuidade e logo o átomo de cloro libera o de oxigênio que se liga a um átomo de oxigênio de outra molécula de ozônio, e o átomo de cloro passa a destruir outra molécula de ozônio, criando uma reação em cadeia.

Por outro lado, existe a reação que beneficia a camada de ozônio: Quando a luz solar atua sobre óxidos de nitrogênio, estes podem reagir liberando os átomos de oxigênio, que se combinam e produzem ozônio. Estes óxidos de nitrogênio são produzidos continuamente pelos veículos automotores, resultado da queima de combustíveis fósseis. Infelizmente, a produção de CFC, mesmo sendo menor que a de óxidos de nitrogênio, consegue, devido à reação em cadeia já explicada, destruir um número bem maior de moléculas de ozônio que as produzidas pelos automóveis.

Porque na Antártida

Em todo o mundo as massas de ar circulam, sendo que um poluente lançado no Brasil pode atingir a Europa devido a correntes de convecção.

Na Antártida, por sua vez, devido ao rigoroso inverno de seis meses, essa circulação de ar não ocorre e, assim, formam-se círculos de convecção exclusivos daquela área. Os poluentes atraídos durante o verão permanecem na Antártida até a época de subirem para a estratosfera. Ao chegar o verão, os primeiros raios de sol quebram as moléculas de CFC encontradas nessa área, iniciando a reação. Em 1988, foi constatado que na atmosfera da Antártida, a concentração de monóxido de cloro é cem vezes maior que em qualquer outra parte do mundo.

No Brasil ainda há pouco com que se preocupar

No Brasil, a camada de ozônio ainda não perdeu 5% do seu tamanho original, de acordo com os instrumentos medidores do INPE (Instituto de Pesquisas Espaciais). O instituto acompanha a movimentação do gás na atmosfera desde 1978 e até hoje não detectou nenhuma variação significante, provavelmente pela pouca produção de CFC no Brasil em comparação com os países de primeiro mundo. No Brasil apenas 5% dos aerosóis utilizam CFC, já que uma mistura de butano e propano é significativamente mais barata, funcionando perfeitamente em substituição ao clorofluorcarbono.

Os males

A principal conseqüência da destruição da camada de ozônio será o grande aumento da incidência de câncer de pele, desde que os raios ultravioletas são mutagênicos. Além disso, existe a hipótese segundo a qual a destruição da camada de ozônio pode causar desequilíbrio no clima, resultando no “efeito estufa”, o que causaria o descongelamento das geleiras polares e conseqüente inundação de muitos territórios que atualmente se encontram em condições de habitação. De qualquer forma, a maior preocupação dos cientistas é mesmo com o câncer de pele, cuja incidência vem aumentando nos últimos vinte anos. Cada vez mais aconselha-se a evitar o sol nas horas em que esteja muito forte, assim como a utilização de filtros solares, únicas maneiras de se prevenir e de se proteger a pele.

Fonte: www.geocities.com

Buraco na Camada de Ozônio

Lá no céu, acima do ar que respiramos, há uma camada de um gás chamado ozônio. Ela nos ajuda bloqueando os raios do sol que podem fazer mal à nossa pele, e deixando passar os raios que são bons para nós. É uma sorte termos o ozônio para nos proteger.

Agora a camada de ozônio está sendo danificada por gases feitos pelo homem. Os gases são chamados de CFCs e halóides. São usados em geladeiras, extintores de incêndio, condicionadores de ar, espumas plásticas e algumas outras coisas.

Os CFCs flutuam para o alto da atmosfera, onde está situada a camada de ozônio, e “devoram” o ozônio.

Os cientistas estão muito preocupados com a camada de ozônio porque grande parte dela desapareceu em apenas alguns anos. Por isso, é muito importante fazer alguma coisa para que ela não continue a se desfazer.

Fonte: www.plenarinho.gov.br

Buraco na Camada de Ozônio

Quando a vida surgiu na superfície terrestre, há cerca de 600 milhões de anos, surgiu também o oxigênio na atmosfera terrestre, e por conseguinte, o ozônio começou a acumular-se na atmosfera. Esta presença de ozônio na atmosfera terrestre garantiu durante toda a história da humanidade a existência de um escudo protetor contra a radiação UV-B, porque o ozônio tem a propriedade de absorver (na atmosfera) tal radiação.

Como o fator de proteção sempre existiu, os seres vivos em geral não aprenderam a se defender contra esta radiação, que sempre foi insignificante por causa da existência da camada de ozônio.

É comum o uso deste termo, camada de ozônio, que já está consagrado na literatura mundial: refere-se a uma fatia da atmosfera em tomo da concentração máxima de 03 na estratosfera.

A situação descrita acima pode mudar drasticamente no futuro, caso se confirme que a camada de ozônio vai continuar diminuindo por ação da vida moderna.

Acredita-se que a ação do homem moderno libera na atmosfera (na forma de lixo) uma quantidade cada vez maior de certos gases, usados principalmente na refrigeração, (geladeiras, ar condicionado) que acabam atacando a camada de ozônio na estratosfera (região da atmosfera entre 16 e 50 km) onde ocorre uma reação química que destrói o ozônio. Com uma redução na camada de ozônio diminuiria também o efeito protetor contra a radiação UV-B. Torna-se assim cada vez mais importante conhecer melhor que radiação é esta, o que faz, como atua, e como dela nos podemos proteger.

A radiação que vem do sol pode ser separada em três grupos, de acordo com o seu comprimento de onda.

A parte visível é a porção mais conhecida e a que é mais importante para o aquecimento do planeta. Os dois outros grupos são o do infravermelho, de comprimentos de onda maiores, importante para o processo de esfriamento do planeta, e a região do ultravioleta, de comprimentos de onda menores.

Nesta região, uma faixa ainda menor é chamada de radiação ultravioleta de tipo B, UV-B, definida entre 280 e 320 nm (nm é abreviação de nanometro, que vale 10-9 metros). Esta radiação é danosa à vida, e tem causado preocupação por causa do advento da diminuição da camada de ozônio na atmosfera terrestre, o que deve trazer como conseqüência um aumento da radiação UV-B.

Não existem ainda boas medidas desta radiação, a nível global, em parte porque não havia interesse. Há inclusive dificuldades técnicas na instrumentação, e dificuldades na intercomparação dos equipamentos existentes.

Um dos primeiros passos, portanto, no sentido de melhor conhecer a radiação UV-B, é a sua medição sistemática para conhecermos sua intensidade, suas variações temporais, e geográficas. Para a comunidade médica, o conhecimento dos valores reais das intensidades permitirão calcular o tempo máximo de exposição para cada paciente, que assim poderá usufruir do sol sem o perigo de queimaduras imediatas, e a possibilidade de apresentar câncer de pele no futuro.

Objetivo do presente trabalho: O objetivo do presente trabalho é descrever, em termos práticos, as conseqüências de uma diminuição da camada de ozônio, e o aumento na intensidade da radiação UVB, e mais do que isto, permitir aos interessados calcular a duração saudável de exposição solar sem conseqüências danosas, através da definição do índice UV.

Sugere-se a informação sistemática do índice UV à população brasileira.

Atmosfera Terrestre

É importante notar que a nossa atmosfera não foi sempre como é hoje. Ocorreram adaptações sucessivas a diferentes períodos geológicos, mas a modificação mais dramática teve lugar há 600 milhões de anos, quando surgiu o primeiro organismo capaz de usar diretamente a luz solar como mecanismo energético, no processo da fotossíntese. Foi este o processo que modificou drasticamente a atmosfera de um estado redutor, sem oxigênio livre na atmosfera, para um estado em que, como ainda é hoje, existe oxigênio livre. Foi somente após esta transição, com o surgimento da camada de ozônio, um subproduto do oxigênio, que a vida animal e vegetal pôde desenvolver-se na superfície terrestre, porque antes, a grande incidência de radiação ultravioleta só permitia o desenvolvimento celular nas profundezas do oceano.

A vida primordial criou a camada de ozônio.

Há indícios de que a vida moderna pode destruí-la.

Nos anos 70 algumas técnicas analíticas para detecção de gases diluídos atingiam um estado de excelência para a medida de concentrações extremamente baixas.

Começaram então experimentos que acusaram a presença na atmosfera de substâncias artificiais, isto é, compostos químicos que não participam naturalmente do cicio de produção e perda dos gases atmosféricos, mas que são injetados na atmosfera inferior por ação antropogênica.

A partir desta constatação vários centros de pesquisa foram criados com a finalidade de monitorar estes gases. Cada vez mais há indícios de que substâncias artificiais estão interferindo na química natural da atmosfera. O caso da camada de ozônio está sendo investigado intensamente.

Em 1977 foi aprovada uma lei no Congresso dos Estados Unidos da América do Norte (Clean Air Act) que refletiu, na época, a preocupação dos legisladores sobre uma possível deteriorização, a níveis insuportáveis, da qualidade do ar. A NASA foi indicada por lei como a executora de um plano de trabalho para estudar a qualidade do ar, sua constituição, e sua química, principalmente com relação ao ozônio.

Função do Ozônio

O ozônio na estratosfera é um gás extremamente útil para os seres vivos e não deve ser eliminado sob pena de ocorrer uma transformação drástica na nossa maneira atual de viver. Parece não resultar nenhum benefício de uma destruição, ainda que parcial, da camada de ozônio. Há vários aspectos negativos, no entanto, todos eles decorrentes do aumento da radiação UV-B.

As características de existência de determinado elemento químico na atmosfera são função de sua reatividade, isto é, de sua química que pode produzir ou destruir certo constituinte; e da dinâmica, isto é, da inclusão de fluxos de partículas transportadas de um ponto a outro. Em termos quantitativos, pode-se exprimir a variação temporal de certo elemento químico através da equação da continuidade, uma das equações fundamentais da Física, e que deve ser resolvida quando se quer estudar a variabilidade temporal de certo elemento.

Um dos gases mais representativos em Química da Atmosfera é o ozônio (O3), que é um gás muito reativo, e pode interagir com muitas substâncias químicas.

Com a produção de O3 tem início o cicio do ozônio.

A interação mais imediata ocorre na troposfera, isto é, na região mais baixa da atmosfera, que se estende até 12-16 km de altura, diretamente sujeita à ação antropogênica. É aí que é injetado o lixo industrial. Durante os últimos 10 anos os registros comprovam o aumento da concentração de várias substâncias do tipo “poluente”.

A indicação é que cada vez mais poluentes, que são substâncias artificiais são acrescentadas à atmosfera, e esta, portanto, deve adaptar-se a um novo equilíbrio químico. Este novo equilíbrio pode significar a ausência parcial ou total da camada de ozônio, como conseqüência de substâncias injetadas na troposfera e que podem chegar à estratosfera, como é o caso dos CFCS.

Radiação Solar e Ozônio

A irradiação prolongada do sol direto, especialmente na praia, é uma experiência conhecida. Graves queimaduras podem resultar e, sem dúvida, seriam agravadas em muito se não fosse a proteção invisível que o ozônio proporciona.

Justifica-se, portanto, o zelo que grandes organizações científicas do mundo inteiro dedicam ao estudo e à pesquisa do ozônio atmosférico, e da radiação UV-B e seus efeitos.

A fotodissociação do ozônio, que ocorre com fótons de comprimento de onda menores que 310 nm, é o marco inicial para um ciclo de um grande número de reações químicas, de importância fundamental na troposfera, mas que não tem relação com a destruição da camada, que decorre de processos na estratosfera.

Nesta fotodissociação é liberado oxigênio atômico no estado excitado (1D); sendo muito reativo, pode iniciar várias reações subsequentes, entre as quais se destaca a que se dá com o vapor d’água, liberando o radical oxidrila OH, que continua o cicio de reações até chegar a moléculas mais estáveis que são os produtos finais dos processos reativos, como CO2, H2, N2 e 02.

Outra classe importante de reações químicas na atmosfera é aquela que resulta na emissão espontânea e natural de fótons, produzindo assim a luminescência atmosférica própria, cujo estudo permite a pesquisa de vários constituintes da mesosfera (camada acima de 50 km) entre os quais o oxigênio atômico, o sódio e a oxidrila.

Química e Física da Atmosfera

O objetivo dos trabalhos na área de Química e Física da Atmosfera é o estudo de processos químicos da baixa Atmosfera, principalmente na troposfera e estratosfera, sem esquecer os aspectos que têm impacto imediato sobre a qualidade do ambiente como a saúde, a agricultura e o clima.

Os constituintes químicos pares da atmosfera são em geral estáveis e os ímpares, como o H, O, N, e 03 são muito instáveis, tendo vida curta. Estes são também os compostos minoritários, cujas concentrações são muito pequenas (em face de outros constituintes que existem em muito maior abundância) mas que são mais sujeitos a participar de reações químicas.

Na altura da concentração máxima do ozônio, por exemplo, na estratosfera, a cerca de 28 km de altura, existem apenas 5 moléculas de ozônio para cada um milhão de moléculas de oxigênio molecular.

Em termos de composição próximo à superfície, os constituintes estáveis e de vida longa representam a grande maioria das partículas da atmosfera especialmente O2 e N2- são estes os chamados constituintes majoritários. Acima da superfície, sua densidade decresce exponencialmente com a altura.

Pode-se mostrar que isto acontece, raciocinando em termos de pressão, que é peso por unidade de área. Este resultado importante exprime o chamado equilíbrio hidrostático da atmosfera. Fica claro, portanto, que a porção de maior massa da atmosfera terrestre situa-se próximo à superfície.

É uma conseqüência da lei exponencial que, embora a atmosfera não tenha limite superior, uma certa quantidade de sua massa está confinada abaixo de certa altura bem definida. Pode-se calcular, por exemplo, que 90% da massa total da atmosfera está situada abaixo de 18,4 km.

A Camada Natural de Ozônio

O ozônio é um gás que existe em estado puro e livre na atmosfera terrestre. O prefixo ozo- vem do grego, com o significado de aroma ou cheiro, que no ozônio é muito forte e característico (penetrante e desagradável, em algumas definições). O ozônio é subproduto do oxigênio.

A uma altura suficientemente elevada, na estratosfera, aproximadamente, os raios ultravioleta do sol são suficientemente intensos para dissociar (isto é, quebrar) a molécula de oxigênio produzindo dois átomos de oxigênio atômico, O, a partir de uma molécula de oxigênio, O2, que em notação química pode ser expressa por:

O2 + hv —> O + O

onde hv representa a energia correspondente à luz ultravioleta necessária para a ocorrência da dissociação.

A produção do ozônio é realizada numa etapa seguinte, que ocorre imediatamente após a produção de O, através da associação de um átomo de O com uma molécula de O2, na presença de um terceiro parceiro M:

O + O2 + M —> O3 + M

Ao processo de produção do ozônio seguem-se vários processos de perda, isto é, processos que destroem a molécula de 03, inclusive sua dissociação absorvendo a radiação UV-B. Normalmente essas são reações com os compostos nitrogenados, e os processos de perda mais importantes na estratosfera podem ser mostrados conforme seque:

NO2 + O —> NO + O2

NO + O3 —> NO2 + O2
sendo o resultado final

O + O3 —> 2O2

Do equilíbrio entre produção e perda resulta a concentração do ozônio em estado estacionário. isto é, aquela que deve ser observada através de medidas.

A concentração do ozônio não é a mesma em diferentes alturas, porque os processos de produção e perda têm intensidades diferentes a diferentes alturas. O próprio processo de produção de O3, atenua a intensidade do ultravioleta de cima para baixo, e o que resulta é uma concentração de ozônio que é máxima numa certa altura, em torno de 28 km, diminuindo rapidamente para cima e para baixo.

Surge assim o conceito de camada de ozônio, isto é, uma fatia da atmosfera onde a concentração do O3 é relativamente elevada em relação ao resto da atmosfera.

A Radiação Ultravioleta

A radiação solar mais conhecida é a visível, mas duas outras faixas importantes são a do ultravioleta e a do infravermelho. As duas mais importantes para o assunto em pauta são a faixa visível, entre 400 e 600 nm, e a faixa do Ultravioleta, entre 100 e 400 nm.

A faixa do ultravioleta é ainda subdividida em três: a UV-A, entre 400 e 320 nm; a UV-B, entre 320 e 280 nm; e a UV-C, entre 280 e 100 nm. A UV-A chega normalmente à superfície terrestre, não sendo absorvida eficientemente por nenhum dos constituintes atmosféricos.

Em excesso, a radiação UV-A pode também trazer perturbações à saúde, mas esta não deve aumentar sua intensidade com o tempo, como é o caso do UV-B.

Ao contrário, a UV-B é fortemente absorvida pelo ozônio da atmosfera terrestre, causando uma variação muito forte na intensidade da radiação medida na superfície entre os limites de 280 e 320 nm. A faixa mais energética, a UV-C, em comprimentos de onda mais curtos que 280 nm, é totalmente absorvida na atmosfera terrestre.

Quando se fala em radiação UV, observada no nosso dia a dia, refere-se portanto ao UV-A e ao UV-B. O UV-B é o único afetado pela camada de ozônio.

Efeitos de UV-B sobre Plantas

As plantas, em geral, expõem grande parte de sua estrutura à radiação solar, principalmente no processo da fotossíntese em que o máximo de área foliar exposta significa também o máximo de energia disponível no processo biológico. Os efeitos do UV-B sobre as plantas dependem do nível de intensidade da radiação visível, e por isto, pesquisadores preferem muitas vezes fazer trabalhos de campo onde se suplementa a radiação visível com radiação UV-B obtida através de lâmpadas. Poucas espécies foram analisadas até hoje. A sensibilidade é muito variada entre diferentes espécies de plantas, e mesmo em alguns casos entre diferentes gentios dentro da mesma espécie.

Embora as pesquisas ainda sejam insuficientes para explicar um comportamento mais específico, sabe-se que algumas plantas seriam danificadas, outras apresentam produtividade diminuída, e ainda outras apresentam sua reprodução perturbada com maiores doses de UV-B.

A ação de fotossíntese reduzida pode levar à redução de biomassa, em determinadas circunstâncias, após aumentos de irradiação de UV-B. Em espécies sensíveis, este efeito pode ser o resultado de uma menor expansão foliar. Em outras espécies pode haver mudanças morfológicas induzidas por UV-B, como por exemplo, aumento na galhada, aumentos na massa foliar, alteração na espessura foliar, redução no seu alongamento, entre outros. Deve-se notar que estes efeitos não são necessariamente danosos à planta.

Embora ainda existam poucos experimentos, a maior parte das pesquisas preocupa-se com plantas mais comuns em agricultura. Relativamente pouco tem sido feito no estudo de florestas, por exemplo, além de outros ecossistemas não agrícolas. Alguns poucos experimentos de campo tentaram estudar a resposta de algumas espécies de árvores a aumentos de radiação UV-B. Uma espécie de pinheiro (Pinus Taeda) teve seu crescimento reduzido significativamente com aumentos de UV-B.

Efeitos de UV-B sobre Sistemas Aquáticos

Os ecossistemas aquáticos incluem os mais diversos ambientes em que predomina a massa líquida de água: poços, lagos, rios e baías, mangues e oceanos. Os oceanos da Terra são os maiores responsáveis pela produção de material orgânico, mais do que qualquer outro sistema terrestre. Teme-se que o delicado equilíbrio que foi determinado entre esta produção aquática e a radiação solar possa ser perturbado com aumentos na intensidade da radiação UV-B.

O fitoplâncton marinho, elemento básico da cadeia alimentar, é obrigado a permanecer na parte superficial das águas porque usa a energia solar no seu metabolismo. Fica fácil de entender, portanto, que está diretamente exposto a possíveis aumentos de UV-B.

Vários experimentos de laboratório e alguns trabalhos de campo demonstram que a maior exposição à radiação UV-B diminue a produtividade de geração de carbono orgânico, e causa danos a vários tipos de organismos aquáticos.

Efeitos Adversos à Saúde Humana

A radiação UV-B pode exercitar ações biológicas adversas na pele humana que não estiver protegida. Evidências médicas indicam claramente que a pele humana pode sofrer danos severos quando exposta à radiação UV-B natural do sol, ou artificial de alguma lâmpada. Os efeitos mais citados na literatura são o câncer de pele, e a supressão do sistema imunológico.

A pele humana tem uma importante função relativa à atividade imunológica e a radiação UV-B pode interferir com o sistema imunológico humano através da pele.

A supressão da capacidade imunológica enfraquece o sistema de defesa contra o câncer de pele, e debilita a defesa contra doenças infecciosas. Pesquisas revelam que certos medicamentos como diuréticos, antibióticos e drogas usadas em quimioterapia podem aumentar a sensibilidade da pele em relação à luz solar.

SENSIBILIDADE: o Espectro de Ação Biológica

Quando se fala em energia solar recebida pelo nosso planeta refere-se basicamente ao espectro visível do sol, cuja máxima intensidade está perto de 500 nm, isto é, na cor verde. A intensidade de radiação diminui rapidamente tanto para comprimentos de onda menores (lado da radiação UV, ultravioleta), quanto para comprimentos maiores (lado da radiação IV, infravermelha). A intensidade da radiação solar é várias ordens de grandeza menor, na região do UV, do que na faixa máxima do verde.

Mesmo assim, é nesta pequena faixa do espectro solar que se define a radiação que mais interfere com os sistemas biológicos.

Na faixa de 280 para 320 nm, a intensidade de radiação cresce rapidamente, ou seja a intensidade é muito maior em 320 do que em 280 nm. No entanto, a sensibilidade biológica se comporta ao contrário, isto é, ela é maior em 280 nm, decrescendo rapidamente para o lado de 320 nm. É esta variação da sensibilidade biológica que é chamada de espectro de ação, ou espectro de sensibilidade biológica, do inglês, action spectrum. O espectro de sensibilidade biológica tem o mesmo comportamento geral para diferentes sistemas biológicos, mas não é necessariamente igual.

Numericamente pode ser muito diferente.

Quando se procura expressar a dose de UV, isto é, a quantidade de energia biologicamente eficiente, os valores das intensidades espectrais são multiplicados pelo espectro de ação. Isto assegura equivalente sensibilidade biológica nos diferentes comprimentos de onda da radiação desta dose.

Deve-se tomar cuidado na interpretação de resultados, já que o espectro de ação é adimensional, e o produto tem também dimensão de energia.

Fonte: www.hcanc.org.br

Buraco na Camada de Ozônio

A camada de ozônio corresponde à região da atmosfera onde há maior concentração de moléculas de ozônio – cerca de 10 ppmv (partes por milhão em volume). Ela situa-se na estratosfera, região da atmosfera situada entre 15 e 50 kms de altitude. Nela, a concentração de ozônio chega a 10 ppmv, servindo como um gigantesco “filtro solar” natural. Embora tenha todo este poder de bloquear a radiação UV é uma camada muito rarefeita e se for colocada ao nível do mar, a uma temperatura de 0°C, ela ficará com apenas 3 mm de espessura.

A camada de ozônio é estudada continuamente desde 1956 por instrumentos de solo e mais recentemente por satélite. No final da década 1970 descobriu-se uma queda acentuada no ozônio estratosférico na região Antártica, entre as latitudes 60°S e 90°S, durante a primavera austral. O fenômeno é conhecido como “buraco de ozônio”. Estudos mostraram um decréscimo da camada de ozônio em todas as latitudes.

Esta queda persiste até os dias de hoje e tem ocorrido devido a injeção de compostos de cloro, como os clorofluorcarbonetos (também chamados CFCs) os quais, ao atingirem a estratosfera, liberam o átomo de cloro que destrói de forma catalítica as moléculas de ozônio. Esta descoberta levou ao estabelecimento do Protocolo de Montreal, iniciado em 1987, o qual impôs o fim da produção e comercialização dos principais CFCs.

Observações realizadas tanto por satélites como por equipamentos de solo (IPCC, 2001) mostraram que ainda existe um decréscimo do conteúdo total de ozônio de cerca de 4% por década para o Hemisfério Norte, e 6% para o Hemisfério Sul. E isto tem acarretado uma forte variação na quantidade de radiação UV que chega a superfície.

O Brasil é a quinta nação que mais diminuiu o uso dos CFC’s (clorofluorcarbonos) e outros gases na última década, sob influência do Protocolo de Montreal, documento que completa 20 anos em 2007 e que definiu metas para redução de gases que destroem a camada de ozônio do planeta. Entre 1995 e 2005, o país cortou suas emissões dos principais agentes de destruição do ozônio (Potencial Destruidor de Ozônio, unidade usada para medir os possíveis danos à camada de ozônio).

Veja os resultados obtidos pelo governo brasileiro em 2007:

82,8% de eliminação de CFCs;

88% de eliminação de halons, usados em extintores de incêndio

77,3% de eliminação de tetracloreto de carbono, usado na industria química como agente de processo;

76,3% de eliminação de brometo de metila, usado principalmente na agricultura;

100% da fabricação de ar condicionado automotivo não utiliza os CFC’s, desde 1999;

100% da refrigeração doméstica é isenta de CFC’s atualmente;

O consumo de CFCs caiu de 10.525 toneladas (média dos anos 1995 -1997) para 478 toneladas em 2006.

Outra ação muito eficaz resultado da parceria do Governo e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), resultou em uma legislação nacional através do CONAMA 267 (Conselho Nacional do Meio Ambiente), em 2000, determinou no Artigo 7° o recolhimento, acondicionamento e envio dos gases CFC’s para reciclagem, evitando que o armazenamento e o escape acidental destes gases para a atmosfera.

Um plano nacional envolvendo o Ministério do Meio Ambiente, FIESP, SENAI e empresas foi implementado para formar pessoal capacitado para trabalhar nos centros de reciclagem.

Atualmente o Brasil conta com 10 estados participando do Programa, 3 Centrais de Regeneração de CFCs, em São Paulo e Rio de Janeiro, 739 máquinas que recolhem os CFCs e 335 máquinas recicladoras (fonte: palestra Ruy Góes (SEMUC/MMA), 2007).

O buraco da camada de ozônio está crescendo?

O grupo de pesquisa do Laboratório de Ozônio do INPE estuda a camada de ozônio no Brasil desde 1974, e na Antártica, sul do Chile e Bolívia desde 1990, usando instrumentos de solo e medidas da concentração com sondas em balão.

Ainda é muito grande a destruição do ozônio na região antártica e já chega até a América do Sul. Em 2003, por exemplo, foi medida uma destruição de 65 % da camada sobre a região da Estação Antártica Brasileira Comte.

Ferraz (62°S; 58°W), causando um aumento de 400% na radiação UV no período. Isto mostra que ainda existe muito gás CFCs na atmosfera. Em 2006, o buraco alcançou um novo recorde em tamanho com uma dimensão máxima de 29,5 milhões de km-2- atingindo o sul do Chile, Argentina e Uruguai.

A borda do buraco produziu efeitos secundários no sul do Brasil, transferindo ozônio da região, em torno, para dentro do buraco.

Agora em 2007 o buraco foi 16% menor, mas ainda foi bastante ativo mostrando que ainda existe muito gás na alta atmosfera polar.

As previsões teóricas indicam que a camada voltará ao normal no ano de 2060, se nenhum fato novo ocorrer.

Nota: Pode-se ver que o Brasil cumpriu bem as exigências do protocolo de Montreal para obter os financiamentos do FMI.

Curiosamente pergunta-se: o que acontece nestas fábricas de reciclagem de CFCs? Será que simplesmente não o transformam em HCFCs? As empresas recicladores pagam pelos CFCs apreendidos de uso industrial?

Fonte: www.geografia.fflch.usp.br

Buraco na Camada de Ozônio

Um Buraco no Céu

Um Filtro Solar Natural

Você já viu o ozônio? Provavelmente não, pois, como o ar, ele é invisível. O ozônio é um gás formado de oxigênio concentrado. Ele é tão leve que paira acima da Terra, na atmosfera. A muitos quilômetros de altura existe um manto desse gás chamado camada de ozônio.

A camada de ozônio é um filtro de proteção que o planeta Terra tem lá em cima para proteger a vida aqui embaixo. Ela deixa passar o calor e a luz solar, mas impede que os raios ultravioleta do Sol cheguem até a superfície do planeta.

Quando esses raios ultravioleta conseguem ultrapassar a camada de ozônio eles queimam as plantações, destroem células vivas e podem provocar câncer de pele. É o que acontece hoje em dia por causa do Buraco na Camada de Ozônio.

Buraco? Você sabe porque a camada de ozônio está sendo ameaçada?

Poluição de Geladeira?

Além de algumas causas naturais, o “rombo” na camada de ozônio acontece pela liberação em excesso de um gás chamado CFC (clorofluorcarbono).

O CFC destrói o ozônio, e é liberado pelas latinhas de spray aerossol (de desodorantes e inseticidas, por exemplo), geladeiras, aparelhos de ar condicionado e extintores de incêndio.

A solução para o buraco da camada de ozônio é simples: impedir a produção e liberação do CFC e substituí-lo por outro gás. Isso já está acontecendo, principalmente nos países desenvolvidos. Muitos fabricantes já trocaram o CFC por outro gás em seus produtos.

Mesmo assim, os países pobres e em desenvolvimento, como o Brasil, precisam de ajuda dos países ricos para implantar tecnologias limpas, não poluentes. A cooperação entre os países é fundamental para salvar o planeta.

Mas o CFC não é o único vilão dessa história: a poluição do ar também contribui para aumentar o buraco! Se o homem não controlar os índices de poluição do planeta, os raios nocivos do Sol poderão fazer um verdadeiro estrago em um futuro próximo.

Fonte: www.canalkids.com.br

Buraco na Camada de Ozônio

O que é a camada de ozônio?

Em volta da Terra há uma frágil camada de um gás chamado ozônio (O3), que protege animais, plantas e seres humanos dos raios ultravioleta emitidos pelo Sol.

Na superfície terrestre, o ozônio contribui para agravar a poluição do ar das cidades e a chuva ácida. Mas, nas alturas da estratosfera (entre 25 e 30 km acima da superfície), é um filtro a favor da vida. Sem ele, os raios ultravioleta poderiam aniquilar todas as formas de vida no planeta.

Na atmosfera, a presença da radiação ultravioleta desencadeia um processo natural que leva à contínua formação e fragmentação do ozônio, como na imagem abaixo:

O que está acontecendo com a camada de ozônio?

Há evidências científicas de que substâncias fabricadas pelo homem estão destruindo a camada de ozônio. Em 1977, cientistas britânicos detectaram pela primeira vez a existência de um buraco na camada de ozônio sobre a Antártida. Desde então, têm se acumulado registros de que a camada está se tornando mais fina em várias partes do mundo, especialmente nas regiões próximas do Pólo Sul e, recentemente, do Pólo Norte.

Diversas substâncias químicas acabam destruindo o ozônio quando reagem com ele. Tais substâncias contribuem também para o aquecimento do planeta, conhecido como efeito estufa. A lista negra dos produtos danosos à camada de ozônio inclui os óxidos nítricos e nitrosos expelidos pelos exaustores dos veículos e o CO2 produzido pela queima de combustíveis fósseis, como o carvão e o petróleo. Mas, em termos de efeitos destrutivos sobre a camada de ozônio, nada se compara ao grupo de gases chamado clorofluorcarbonos, os CFCs.

Como os CFCs destroem a camada de ozônio?

Depois de liberados no ar, os CFCs (usados como propelentes em aerossóis, como isolantes em equipamentos de refrigeração e para produzir materiais plásticos) levam cerca de oito anos para chegar à estratosfera onde, atingidos pela radiação ultravioleta, se desintegram e liberam cloro. Por sua vez, o cloro reage com o ozônio que, conseqüentemente, é transformado em oxigênio (O2). O problema é que o oxigênio não é capaz de proteger o planeta dos raios ultravioleta. Uma única molécula de CFC pode destruir 100 mil moléculas de ozônio.

A quebra dos gases CFCs é danosa ao processo natural de formação do ozônio. Quando um desses gases (CFCl3) se fragmenta, um átomo de cloro é liberado e reage com o ozônio. O resultado é a formação de uma molécula de oxigênio e de uma molécula de monóxido de cloro. Mais tarde, depois de uma série de reações, um outro átomo de cloro será liberado e voltará a novamente desencadear a destruição do ozônio.

Quais os problemas causados pelos raios ultravioleta?

Apesar de a camada de ozônio absorver a maior parte da radiação ultravioleta, uma pequena porção atinge a superfície da Terra. É essa radiação que acaba provocando o câncer de pele, que mata milhares de pessoas por ano em todo o mundo. A radiação ultravioleta afeta também o sistema imunológico, minando a resistência humana a doenças como herpes.

Os seres humanos não são os únicos atingidos pelos raios ultravioleta. Todos as formas de vida, inclusive plantas, podem ser debilitadas. Acredita-se que níveis mais altos da radiação podem diminuir a produção agrícola, o que reduziria a oferta de alimentos. A vida marinha também está seriamente ameaçada, especialmente o plâncton (plantas e animais microscópicos) que vive na superfície do mar. Esses organismos minúsculos estão na base da cadeia alimentar marinha e absorvem mais da metade das emissões de dióxido de carbono (CO2) do planeta.

O que é exatamente o buraco na camada de ozônio?

Uma série de fatores climáticos faz da estratosfera sobre a Antártida uma região especialmente suscetível à destruição do ozônio. Toda primavera, no Hemisfério Sul, aparece um buraco na camada de ozônio sobre o continente. Os cientistas observaram que o buraco vem crescendo e que seus efeitos têm se tornado mais evidentes. Médicos da região têm relatado uma ocorrência anormal de pessoas com alergias e problemas de pele e visão.

O Hemisfério Norte também é atingido: os Estados Unidos, a maior parte da Europa, o norte da China e o Japão já perderam 6% da proteção de ozônio. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) calcula que cada 1% de perda da camada de ozônio cause 50 mil novos casos de câncer de pele e 100 mil novos casos de cegueira, causados por catarata, em todo o mundo.

Fonte: www.wwf.org.br

Buraco na Camada de Ozônio

Por que os buracos da camada de ozônio ficam nos pólos?

Essa dúvida faz sentido: se os maiores lançadores de gases que detonam a camada de ozônio são os países do hemisfério norte, por que o rombo maior fica sobre a Antártida?

Simples: as moléculas desses gases maléficos são carregadas para os pólos por correntes de ar poderosas, que viajam do Equador em direção aos extremos do globo.

Por causa desse fenômeno natural, os pólos se tornam depósitos naturais de gases que têm vida longa – como o CFC, o clorofluorocarboneto, principal destruidor da camada de ozônio (você confere o efeito maléfico do CFC no infográfico ao lado).

Sem a camada de ozônio na alta atmosfera, entre 20 e 35 quilômetros de altitude, o ser humano fica vulnerável aos efeitos nocivos dos raios ultravioleta que vêm do Sol.

Eles podem causar, por exemplo, um aumento na incidência dos casos de câncer de pele.

Os cientistas detectaram pela primeira vez um buraco na camada de ozônio na década de 1980.

Hoje, há um buraquinho sobre o Pólo Norte e um buracão de 28 milhões de km2 (mais de 3 vezes o tamanho do Brasil!) sobre o Pólo Sul.

Para diminuir o problema, 180 países já aderiram ao Protocolo de Montreal, um acordo para reduzir a fabricação de produtos que tenham CFC e outros gases destruidores da camada de ozônio.

O esforço tem dado certo: nos últimos 10 anos, a velocidade de destruição da camada vem diminuindo.

Mas os cientistas calculam que serão precisos 50 anos para a camada se regenerar por completo.

O buraco é mais embaixo

Correntes de ar fazem o rombo se concentrar no Pólo Sul

1. A camada de ozônio (O3) nasce de uma reação dos raios ultravioleta do Sol com o oxigênio (O2) da atmosfera. Em contato com o UV, os átomos de oxigênio se rearranjam, formando moléculas de O3 que funcionam como escudo contra os raios UV do Sol

2. Os raios UV também modificam os gases CFC (clorofluorocarbonetos), emitidos por produtos como geladeiras, sprays e ares-condicionados. A ação do ultravioleta decompõe as moléculas de CFC em seus elementos básicos: cloro, flúor e carbono

3. Liberado no ar, o cloro (Cl) reage com o ozônio (O3), formando uma mólecula de oxigênio (O2) e outra de óxido de cloro (ClO). Como o cloro pode existir por até 80 anos, um único átomo destrói milhares de moléculas de ozônio

4. Os maiores emissores de CFC são os países do hemisfério norte. Mas a sujeira não fica por lá porque poderosas correntes de ar levam os gases tóxicos para os extremos norte e sul do globo. Por isso, os buracos da camada de ozônio aparecem apenas nos pólos

5. O buraco no sul é bem maior que no norte porque no Pólo Sul a temperatura é mais fria e a circulação atmosférica é pequena. Com isso o CFC se concentra em enormes quantidades nas nuvens. Quando chegam os meses de sol, os raios UV dissolvem essas nuvens de uma só vez, liberando uma quantidade muito maior de cloro para detonar o ozônio

Viviane Palladino

Fonte: mundoestranho.abril.com.br

Buraco na Camada de Ozônio

Buraco na Camada de Ozônio
Buraco na Camada de Ozônio

Ozonosfera

A ozonosfera localiza-se na estratosfera, cerca de 90% de ozônio atmosférico está nesta camada, entre 16 a 30 quilômetros de altitude, cerca de 20 km de espessura. Os gases na ozonosfera são tão rarefeitos que, se os comprimíssemos à pressão atmosférica ao nível do mar, sua espessura não seria maior que alguns milímetros. Este gás é produzido nas baixas latitudes, migrando diretamente para as altas latitudes.

Ciclo do Ozônio

Buraco na Camada de Ozônio

Degradação

Os clorofluorcarbonetos (CFC’s), para além de outros produtos químicos produzidos pelo Homem que são bastante estáveis e contêm elementos de cloro ou bromo, como o brometo de metilo, são os grandes responsáveis pela destruição da camada de ozônio. Os CFC tem inúmeras utilizações pois são relativamente pouco tóxicos, não inflamáveis e não se decompõem (facilmente). Sendo tão estáveis, duram cerca de cento e cinqüenta anos. Estes compostos, resultantes da poluição provocada pelo Homem, sobem para a estratosfera completamente inalterados devido à sua estabilidade e na faixa dos 10 a 50 km de altitude, onde os raios solares ultravioletas os atingem, decompõem-se, libertando seu radical, no caso dos CFC’s o elemento químico cloro. Uma vez liberto, um único átomo de cloro destrói cerca de 100 000 moléculas de ozônio antes de regressar à superfície terrestre, muitos anos depois.

O buraco na camada de ozônio

Apesar dos gases que prejudicam a camada de ozônio serem emitidos em todo o mundo – 90% no hemisfério norte, principalmente resultantes da atividade humana – é na Antártica que a falha na camada de ozônio é maior.

A área do buraco de ozônio é definida como o tamanho da região cujo ozônio está abaixo das 200 unidades Dobson (DU’s – unidade de medida que descreve a espessura da camada de ozônio numa coluna diretamente acima de onde são feitas as medições): 400 DU’s equivale a 4 mm de espessura. Antes da Primavera na Antártica, a leitura habitual é de 275 DU’s.

Conseqüências da degradação da ozonosfera

A conseqüência imediata da exposição prolongada à radiação UV é a degeneração celular que ocasionará um câncer de pele nos seres humanos de pele clara.

As pessoas de pele escura não estão livres desse câncer, a diferença é somente o tempo de exposição. Até o final da década de 90, os casos de câncer de pele registrados devido ao buraco na camada de Ozônio tiveram um incremento de 1000% em relação à década de 50. Alguns desinformados e principalmente aqueles defensores das indústrias fabricantes de CFC’s, dizem que este aumento foi devido à melhoria da tecnologia de coleta de dados, e que os danos são muito menores do que os alarmados e alardeados pelos cientistas atmosféricos.O buraco da camada de Ozônio tem implicações muito maiores do que o câncer de pele nos humanos. As moléculas orgânicas expostas à radiação UV têm alterações significativas e formam ligações químicas nocivas aos seres vivos. A radiação UV atinge em especial o fitoplâncton que habita a superfície dos oceanos e morre pela sua ação.

Medidas que cada um pode tomar

Os primeiros passos, e mais importantes, são a procura de informação: devemos todos estar informados sobre o problema e o que o causa, utilizando como fontes de informação publicações, escolas, bibliotecas públicas, Internet, etc. Como já foi referido, a única maneira de reparar a camada de ozônio é parar a libertação de CFC’s e outros gases que destroem o ozônio (ODS’s).

Tentar usar produtos rotulados como “amigos do ozônio”

Assegurar que os técnicos que reparam os frigoríficos e aparelhos de ar-condicionado recuperam e reciclam os velhos CFC’s de modo a que estes não sejam libertados para a atmosfera

Verificar regularmente os aparelhos de ar-condicionado das viaturas sobre eventuais fugas

Pedir para mudar o refrigerante do carro caso o aparelho de ar-condicionado necessite de uma grande reparação

Retirar o refrigerante dos frigoríficos, aparelhos de ar-condicionado e desumidificadores antes de os jogar fora

Ajudar a criar um programa de recuperação e reciclagem na área de residência caso tal ainda não exista

Trocar extintores que usem “halon” por outros que usem compostos alternativos (ex. dióxido de carbono ou espuma)

Medidas tomadas a nível mundial para evitar a degradação da ozonosfera

Com efeito, cerca de dois anos após a descoberta do buraco do ozônio sobre a atmosfera da Antártica, os governos de diversos países, entre os quais a maioria dos países da União Européia, assinaram em 1987 um acordo, chamado Protocolo de Montreal, com o objetivo de reconstituir a concentração de ozônio na alta atmosfera. O único método conhecido de proteção da camada do ozônio é limitar a emissão dos produtos que o danificam e substitui– los por outros mais amigos do ambiente, como os clorohidrofluorcarbonetos, que contêm pelo menos um hidrogênio, susceptível de ser atacado na atmosfera. Assim sendo, mais de 60 países comprometeram-se a reduzir em 50% o uso de CFC até finais de 1999, com o Protocolo de Montreal, com o objetivo de reconstituir a concentração de ozônio na alta atmosfera.

Fonte: www.mildicas.net

Buraco na Camada de Ozônio

SUBSTÂNCIAS QUE DIMINUEM A CAMADA DE OZÔNIO

Introdução

Aproximadamente 0,01% da atmosfera é composta pelo que se conhece como gases-traça, tais como o óxido nitroso, o metano e o ozônio. Esses gases são capazes de absorver radiação infravermelha e, assim, manter a temperatura terrestre para fazê-la apta para a vida. É exatamente o ozônio que forma uma camada localizada na tropopausa (limite entre a troposfera e a estratosfera), que protege a Terra da radiação solar.

Em condições normais, a concentração de ozônio permanece constante, ao estar em constante formação e decomposição na atmosfera, em um equilíbrio permanente. Entretanto, desde os anos setenta, foram iniciados estudos sobre a alteração de tal equilíbrio, onde o ozônio é destruído mais rápido que a capacidade de formar-se novamente, devido aos gases-traça que são gerados em grandes volumes por atividades antropogênicas. Estes gases ocasionam o emagrecimento da camada de ozônio.

Compostos halocarbonetos

Os halocarbonetos, compostos que contém átomos de carbono e halogênios (flúor, cloro e bromo), tais como os clorofluorcarbonos (CFCs) e os halogênios, são os principais responsáveis pela estruturação da camada de ozônio. Ao alcançar a estratosfera, sofrem uma fotólise, ou seja, suas moléculas se dissociam devido à luz, formando cloreto de hidrogênio ou nitrato de cloro. Estas moléculas não reagem diretamente com o ozônio, mas na verdade se descompõem lentamente, liberando uma pequena quantidade de átomos de cloro (CI) e monóxido de cloro (CIO), que são as que reagem com o ozônio. Adicionalmente, os átomos dos halogênios atuam como catalisadores, já que não se consomem na reação e podem destruir milhares de moléculas de ozônio, antes de se combinarem de modo mais estável.

Clorofluorcarbonos (CFCs)

São compostos orgânicos que contêm cloro, fluoreto e carbono, utilizados em refrigeração e aerosóis. Os mais comuns são o CFC11, CFC12, CFC13, CFC14 e CFC15. As concentrações de CFC11 e CFC12 (que é o mais comum) se duplicam a cada dezessete anos e o CFC13, a cada seis. O CFC11 tem uma média de vida de 74 anos; o CFC12, 111 anos; o CFC13, 90 anos, e o halon 1301, 110 anos, o que lhes dá tempo suficiente para ascender e permanecer na estratosfera. São os produtos químicos mais destrutivos para a camada de ozônio, sendo este o motivo da proibição do seu uso e da sua fabricação em muitos países.

Halogênios

São compostos usados para extinguir incêndios. Têm uma estrutura semelhante à dos CFCs, mas em lugar de átomos de cloro contêm átomos de bromo. As concentrações de halogênios, apesar de serem mínimas, duplicam-se na atmosfera a cada cinco anos. O halon 1211 e o 1301 têm potenciais de destruição do ozônio de 4 e 13 respectivamente, sendo também o motivo de terem sua fabricação e uso proibidos.

Hidrofluorcarbonetos (HCFC)

Os HCFC (Hidrofluorcarbonetos) e os HBFC (hidrobromofluorcarbonetos) também afetam a camada de ozônio, mas em menor grau que os CFCs. Eles têm uma vida média mais curta e liberam menos átomos de cloro, por isso serviram como substitutos provisórios dos CFC.

Brometo de metila (CH3Br)

Composto utilizado amplamente na agricultura como desinfetante de solos e como fumigante. Apesar de os efeitos na camada de ozônio serem conhecidos (é o responsável de 10% da perda da camada de ozônio), atualmente não há um substituto. Por outro lado, diferentemente dos CFCs e dos halogênios, o brometo de metila também é emitido pela natureza e acredita-se que ao redor de 50% encontrado na atmosfera é emitido por fontes naturais. Muitos países se deram conta disso em 2000, proibindo o seu uso.

Metilclorofórmio (CH3CCl3)

Composto utilizado para a limpeza de metais e partes eletrônicas e, ainda que não seja tão danoso para a camada de ozônio, representa uma ameaça, já que seu uso se duplica a cada dez anos.

Tetracloreto de carbono (CCl4)

Composto utilizado como matéria-prima em diversas indústrias, como dissolvente, em extintores contra incêndios, para a limpeza em seco e para a fabricação de pesticidas. Considera-se um pouco mais destrutivo que o mais perigoso dos CFCs e foi abandonado como dissolvente quando se descobriu que ele era cancerígeno.

Óxidos nitrosos

Os óxidos nitrosos são liberados por fertilizantes nitrogenados e pela queima de combustíveis fósseis. Estes óxidos destroem a camada de ozônio e têm vida longa, mas só chegam à estratosfera em proporções muito pequenas.

Protocolo de Montreal

Em 1985, foi aprovada a Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio. Dois anos mais tarde, foi assinado o Protocolo de Montreal, sobre o qual as nações do mundo se comprometiam a reduzir e, posteriormente, a proibir as emissões de clorofluorcarbonetos. O Protocolo de Montreal foi revisado em Londres e ratificado em Copenhague, em 1992, e contêm os acordos internacionais para aplicar as medidas de controle sobre as substâncias destruidoras do ozônio.

Cabe destacar que houve resistência por parte dos países participantes, porque isso pôs em jogo os interesses econômicos de importantes indústrias. Com esses acordos, o desenvolvimento industrial de países em desenvolvimento que haviam feito grandes esforços para alcançar certo nível tecnológico podia ser limitado. Entretanto, o Protocolo de Montreal é uma iniciativa que demonstra interesse em resolver um problema em comum.

Fontes de informação

BOJKOV, Rumen. La cambiante capa de ozono. Organización Meteorológica Mundial y Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente, 1995.
ECHARRI, Luis. Livro eletrônico – Ciencias de la tierra y del medio ambiente. Escuela Superior de Ingenieros de San Sebastián, Universidad de Navarra. Navarra, Espanha. http://www.esi.unav.es/Asignaturas/Ecologia/Hipertexto/00General/IndiceGral.html
PNUMA. ¿Qué es la capa de ozono?. Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente (PNUMA) / Secretaría de Ambiente y Desarrollo Sustentable del Ministerio de Desarrollo Social, Argentina. http://www.medioambiente.gov.ar/faq/capa_ozono/default.htm#que%20es
UNAM. El adelgazamiento en la capa de ozono. Revista CHAAC Año II Agosto 2001, ENP, Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), México. http://dgenp.unam.mx/chaac/paginas/ozono.html

Fonte: www.micromacro.tv

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Dragagem

Dragagem

Draga é um navio usado para escavar material, sob o nível da água, e aumentando o material extraído da superfície.

Fitorremediação

Fitorremediação

PUBLICIDADE O fitorremediação é a descontaminação de solo, o tratamento de águas residuais ou de …

Parque Nacional Serra da Canastra

Parque Nacional Serra da Canastra

PUBLICIDADE Uma das características marcantes do Parque Nacional da Serra da Canastra são suas nascentes, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+