Breaking News
210-060 vce 70-412 vceMicrosoft Real Exam Questions - 100% Free VCE Files 700-501 vce 70-417 vce 200-125 exam Cisco CCENT/CCNA ICND1 100-105 exam Training 210-260 exam 300-075 exam 300-070 exam 200-105 exam 300-101 exam Pass CISCO 300-115 exam - test questions 200-310 exam SY0-401 exam 400-101 exam EX200 exam Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS EX300 exam 400-051 exam 200-355 exam 300-320 exam Download 3I0-012 exam PDF Questions Answers 070-463 exam 300-206 exam 640-916 exam Exam Ref 70-697 exam Configuring Windows 210-451 exam 1Y0-201 exam 070-346 exam 100% Pass Guarantee of Your 640-911 exam
Home / Obras Literárias / Micromégas

Micromégas

Clique nos links abaixo para navegar no capítulo desejado:

PUBLICIDADE

Voltaire

Apresentação

“Micrômegas” foi escrito por influência de “As
aventuras de Gulliver”, de Swift que Voltaire leu em Londres. Revela
também traços de a “Pluralidade dos mundos”, das
palestras de Fontenelle e da mecânica de Newton, que Voltaire estudara
com cuidado.

O resultado é uma obra agradável que induz à meditação
sobre o homem, suas crenças, costumes e intituições.

Voltaire continua a ser brilhante em suas críticas e ironias.

PUBLICIDADE

A respeito da afoiteza em compreender o universo baseado na observação
superficial, diz o seguinte:

“O anão, que às vezes raciocinava muito apressadamente,
concluiu a princípio que não havia habitantes na terra. Seu
primeiro argumento era de que não vira ninguém. Micrômegas,
polidamente, fez-lhe sentir que ele não raciocinava muito bem:

— Como não distingues com os teus pequenos olhos, certas estrelas
de qüinquagésima grandeza que eu percebo distintamente; concluiu
daí que essas estrelas não existem?

— Mas – replicou o anão eu apalpei bem.

— Mas sentiste mal – respondeu o outro.”

PUBLICIDADE

A insignificância física do homem na face da terra mereceu
esta observação:

“Não pretendo chocar a vaidade de ninguém, mas sou obrigado
a pedir às pessoas importantes que façam uma pequena observação
comigo: é que, considerando a homens de cerca de cinco pés de
altura, não fazemos, à face da terra, maior figura do que faria,
sobre uma bola de dez pés de circunferência, um animal que medisse
a seiscentésima milésima parte de uma polegada.”

Mais adiante Voltaire insiste em demonstrar sua desconfiança para
com os sistemas filosóficos:

“Se alguém chegou ao cúmulo do espanto, foram sem dúvida
as pessoas que ouviram tais palavras. Não podiam adivinhar de onde
partiam. O capelão de bordo rezou exorcismos, os marinheiros praguejaram,
e os filósofos do navio elaboraram um sistema; mas, por mais sistemas
que fizessem, não atinavam com quem lhes falava.”

A grandeza aparente do mundo físico, em comparação
com o espiritual, recebe uma crítica incisiva:

“Reconheço, mais do que nunca, que nada devemos julgar por
sua grandeza aparente. Ó Deus, que destes uma inteligência a
substâncias que parecem tão desprezíveis, o infinitamente
pequeno vos custa tão pouco como o infinitamente grande; e, se é
possível que haja seres ainda mais pequenos do que estes, podem ainda
ter um espírito superior ao daqueles soberbos animais que vi no céu
e cujo pé bastaria para cobrir o globo a que desci”.

A obra não é grande, mas seu conteúdo é enorme,
merece uma leitura atenta.

Nélson Jahr Garcia

CAPÍTULO PRIMEIRO

Viagem de um habitante da estrela Sírio ao planeta Saturno

Num desses planetas que giram em torno da estrela chamada Sírio,
havia um jovem de muito espírito a quem tive a honra de conhecer durante
a última viagem que fez a este nosso pequeno formigueiro: chamava-se
Micrômegas, nome bastante adequado a todos os grandes. Tinha oito léguas
de altura: entendo, por oito léguas, vinte e quatro mil passos geométricos
de cinco pés cada um.

Alguns algebristas, gente sempre útil ao público, tomarão
logo da pena e, tendo em vista que o senhor Micrômegas, habitante do
país de Sírio, tem da cabeça aos pés vinte e quatro
mil passos, ou sejam vinte mil pés, e que nós outros, cidadãos
da terra, não medimos mais que cinco pés de altura e o nosso
globo nove mil léguas de circunferência, esses algebristas, dizia,
eu, calcularão que é preciso, absolutamente, que o globo que
o produziu seja exatamente vinte e um milhões e seiscentas mil vezes
maior que a nossa minúscula terra. Nada mais simples nem mais comum
na natureza. Os Estados de alguns soberanos da Alemanha ou da Itália,
cuja volta se pode fazer em meia hora, comparados ao império da Turquia,
de Moscóvia ou da China, não são mais que uma débil
imagem das prodigiosas diferenças que a natureza colocou em todos os
seres.

Sendo Sua Excelência da altura que eu disse, todo, os nossos escultores
e pintores convirão sem dificuldade em que a sua cintura pode medir
cinqüenta mil pés, o que constitui uma bela proporção.

Quanto a seu espírito, é um dos mais cultivados que existem;
sabe muitas coisas e inventou algumas outras: não tinha ainda duzentos
e cinqüenta anos e estudava, segundo o costume, no colégio dos
jesuítas de seu planeta, quando adivinhou, só pela força
de seu espírito, mais de cinqüenta proposições de
Euclides – isto é, dezoito mais que Blaise Pascal, o qual depois
de ter adivinhado trinta e duas, por brincadeira, pelo que diz a sua irmã,
tornou-se mais tarde um geômetra bastante medíocre e um péssimo
metafísico. Lá pelos seus quatrocentos e cinqüenta anos,
ao sair da infância, dissecou muitos desses pequenos insetos que têm
apenas cem pés de diâmetro e que se furtam aos microscópios
ordinários; compôs sobre a matéria um livro bastante curioso,
mas que lhe valeu algumas contrariedades. O mufti de seu país, sujeito
esmiuçador e ignorantíssimo, achou no seu livro proposições
suspeitas, malsoantes, temerárias heréticas, que cheiravam a
heresia, e o perseguiu sem tréguas: tratava-se de saber se a forma
substancial das pulgas de Sírio era a mesma que a dos caracóis.
Micrômegas defendeu-se com espírito; pôs as mulheres a
seu favor; o processo durou duzentos e vinte anos. Afinal o mufti fez com
que o livro fosse condenado por jurisconsultos que não o haviam lido,
e o autor teve ordem de não aparecer na Corte durante oitocentos anos.

Pouco se afligiu ele de ser banido de uma Corte onde só havia intrigas
e mesquinharias. Compôs uma canção muito divertida contra
o mufti, a que este não deu importância; e pôs-se a viajar
de planeta em planeta, para acabar de formar o espírito e o coração,
como se diz. Os que só viajam de cadeira de posta e berlinda ficarão
decerto espantados com as equipagens de lá; pois nós, em nossa
pequena bola de lama, nada concebemos além de nossos usos. O nosso
viajante conhecia às maravilhas as leis da gravitação
e todas as forças atrativas e repulsivas. Utilizava-as tão a
propósito que, ou por intermédio de um raio de sol, ou graças
à comodidade de um cometa, ia de globo em globo, ele e os seus, como
um pássaro voeja de ramo em ramo. Em pouco percorreu a Via Láctea;
e sou obrigado a confessar que nunca viu, em meio às estrelas de que
é semeada, esse belo céu empíreo que o ilustre vigário
Derham se gaba de ter enxergado na ponta de sua luneta. Não que eu
pretenda alegar que o senhor Derham tenha visto mal, Deus me livre! mas Micrômegas
esteve no local, é um bom observador, e eu não quero contradizer
ninguém. Micrômegas depois da muitas voltas chegou ao globo de
Saturno. Por mais acostumado que estivesse a ver coisas novas, não
pôde, ante a pequenez do globo e de seus habitantes, evitar esse sorriso
de superioridade que às vezes escapa aos mais sábios. Pois afinal
Saturno não é mais que novecentas vezes maior que a terra, e
os seus cidadãos não passam de anões que têm apenas
umas mil toesas de altura. A principio, zombou ele um pouco com a sua gente,
mais ou menos como um músico italiano se põe a rir de música
de Lulli, quando chega em França. Mas o siriano, que tinha o espírito
justo, compreendeu que uma criatura pensante poderia muito bem não
ser ridícula só por ter seis mil pés de altura. Familiarizou-se
com os saturnianos, depois de os haver espantado. Ligou-se de estreita amizade
com o secretário da Academia de Saturno, homem de muito espírito,
que na verdade nada inventara, mas prestava excelente conta das invenções
doe outros, e fazia passavelmente pequenos versos e grandes cálculos.
Transcreverei aqui, para satisfação dos leitores, uma singular
conversação que Micrômegas teve um dia com o senhor secretário.

CAPÍTULO SEGUNDO

Conversação do habitante do Sírio com o de Saturno

Depois que sua Excelência se deitou o secretário aproximou-se
de seu rosto:

— Tem-se de confessar – disse Micrômegas – que a
natureza é bastante variada.

— Sim – disse o saturniano – a natureza é como
um canteiro cujas flores…

—.Ah! – exclama o outro. – Deixe o canteiro em paz.

— Ela é – tornou o secretário – como uma
assembléia de loiras e morenas cujos adornos…

— Que tenho eu a ver com as suas morenas?

— É então como uma galeria de pinturas cujos traços.

— Ora! – atalha o viajante. – De uma vez por todas: a
natureza é como a natureza. Para que buscar-lhe comparações?

— Para ser agradável ao senhor – respondeu o secretário.

— Eu não quero que me agradem – retrucou o viajante.

Quero que me instruam. Comece por me dizer quantos sentidos têm os
homens do seu globo.

— Temos setenta e dois – disse o acadêmico. – E
todos os dias nos queixamos de tão pouco. A nossa imaginação
vai além de nossas necessidades; achamos que, com os nossos setenta
e dois sentidos, o nosso anel, as nossas cinco luas, somos muito limitados;
e, apesar de toda a nossa curiosidade e do considerável número
de paixões que resultam dos nossos setenta e dois sentidos, ainda temos
tempo de sobra para nos aborrecermos.

— Não duvido – disse Micrômegas, – pois no
nosso globo temos cerca de mil sentidos, e resta-nos ainda não sei
que vago desejo, não sei que inquietação, que incessantemente
nos adverte do pouco que nós somos e de que existem seres muito mais
perfeitos. Tenho viajado um pouco; vi mortais muito abaixo de nós;
vi-os muito superiores; mas a nenhum vi que não tivesse mais desejos
que verdadeiras necessidades, e mais necessidades que satisfação.
Talvez chegue um dia ao país onde não falta nada; mas desse
pais até agora ninguém me deu notícias.

O saturniano e o siriano alongaram-se então em conjeturas; mas, depois
de muitos raciocínios tão engenhosos quão incertos foi
preciso voltar aos fatos.

— Quanto tempo vivem vocês? – Indagou o siriano.

— Ah! pouquíssimo – replicou o homenzinho de Saturno.

— Exatamente como entre nós – disse o siriano, vivemos
sempre a nos queixar do pouco. Deve ser uma lei universal da natureza.

— Ai! – suspirou o saturniano. – Vivemos apenas quinhentas
grandes revoluções do sol. (O que, pela nossa maneira de contar,
dá aproximadamente uns quinze mil anos). Bem vê que é
quase o mesmo que morrer no momento em que se nasce; a nossa existência
é um ponte, a nossa duração um instante, o nosso globo
um átomo. Apenas começa a gente a instruir-se um pouco, quando
chega a morte, antes que se tenha adquirido experiência. Quanto a mim,
não ouso fazer projeto algum; sou como uma gota d’água
em um oceano imenso. sinto-me envergonhado, principalmente diante do senhor,
da figura ridícula que faço neste mundo.

— Se o amigo não fosse filósofo – respondeu Micrômegas,
– eu temeria afligi-lo dizendo-lhe que a nossa vida é setecentas
vezes mais longa que a, sua. Mas bem sabe que, quando nos cumpre devolver
o corpo aos elementos e reanimar a natureza sob outra forma (que é
o que se chama morrer), quando é chegado esse instante de metamorfose,
ter vivido eternidade, ou um dia, é precisamente a mesma coisa. Estive
em países onde se vivia mil vezes mais tempo do que no meu, e vi que
ainda se queixavam. Mas há por toda parte gente de bom senso, que sabe
tomar o seu partido e agradecer ao autor da natureza. Expandiu Ele por este
universo uma profusão infinita de variedades, com uma admirável
espécie de uniformidade. Por exemplo, todos os seres pensantes são
diferentes, e todos se assemelham no fundo, pelo dom do pensamento e dos desejos.
A matéria está por toda parte, mas tem em cada globo propriedades
diversas. Quantas dessas propriedades contam os senhores na sua matéria?

— Se se refere – disse o saturniano – a essas propriedades
sem as quais julgamos que este globo não poderia subsistir tal como
é, contamos trezentas, como a extensão, a penetrabilidade, a
mobilidade, a gravitação, a divisibilidade, e o resto.

— Aparentemente – replicou o viajante – basta esse pequeno
número para os objetivos do Criador quanto à vossa pequena habitação.
Em tudo admiro a sua sabedoria; vejo por toda parte diferenças; mas
também proporções por toda parte. Pequeno é o
vosso globo, vossos habitantes também o são; tendes poucas sensações;
vossa matéria tem poucas propriedades: tudo isto é obra da Providência.
De que cor é verdadeiramente o vosso sol?

— De um branco bastante amarelado – disse o saturniano. –
E quando dividimos um de seus raios, vemos que contém sete cores.

— O nosso sol tende para o vermelho – disse o siriano e temos
trinta e nove cores primitivas. Dentre os sóis de que me aproximei,
não há dois que se assemelhem, como não há entre
vós um rosto que não seja diferente de todos os outros.

Após várias perguntas dessa natureza, indagou quantas substâncias
essencialmente diferentes se contavam em Saturno. Soube que não havia
mais que umas trinta, como Deus, o espaço, a matéria, os seres
extensos que sentem e pensam, os seres pensantes que não têm
extensão, os que se penetram, os que não se penetram, e o resto.
O siriano, em cuja pátria se contavam trezentas, e que descobrira três
mil outras em suas viagens, deixou o filósofo de Saturno prodigiosamente
espantado. Afinal, depois de haverem comunicado um ao outro um pouco do que
sabiam e muito do que não sabiam, depois de haverem trocado idéias
durante uma revolução do sol, resolveram fazer juntos uma pequena
viagem filosófica.

CAPÍTULO TERCEIRO

Viagem dos dois habitantes de Sírio e de Saturno.

Estavam os nossos dois filósofos prestes a embarcar na atmosfera
de Saturno, com uma bela provisão de instrumentos matemáticos,
quando a amante do saturniano, ao saber disso, veio queixar-se em pranto.
Era uma linda moreninha que tinha apenas seiscentas toesas, mas que compensava
com vários encantos a pequenez de seu talhe.

— Ah, cruel! – clamava ela. – Depois de te haver resistido
durante mil e quinhentos anos, quando enfim começava a render-me, quando
apenas passei cem anos em teus braços, tu me deixas para ir viajar
com um gigante de um outro mundo! Vai, não passas de um curioso, nunca
tiveste amor; se fosses um verdadeiro saturniano, serias fiel. Por onde vais
correr? Que queres? As nossas cinco luas são menos errantes que tu,
o nosso anel é menos mutável. Pronto! Nunca mais amarei a ninguém.

O filósofo, por mais que o fosse, beijou-a, chorou com ela, e a dama,
depois de haver desmaiado, foi consolar-se com um peralvilho do país.

Os nossos dois curiosos partiram; saltaram primeiro sobre o anel, que acharam
bastante chato, como bem o adivinhou um ilustre habitante do nosso pequeno
globo; seguiram, depois, de lua em lua. Como um cometa viesse a passar muito
próximo da última, lançaram-se sobre ele, com todos os
seus criados e instrumentos. Depois de terem coberto cerca de cento e cinqüenta
milhões de léguas, toparam com os satélites de Júpiter.
Nesse planeta demoraram-se um ano inteiro, durante o qual descobriram belos
segredos, que estariam agora em vias de publicação se não
fossem os senhores inquisidores, que acharam algumas proposições
um pouco fortes. Mas li o manuscrito na biblioteca do ilustre arcebispo de
***, que me deixou examinar seus livros, com uma generosidade e benevolência
nunca assaz louvada.

Mas voltemos aos nossos viajantes. Deixando Júpiter, atravessaram
um espaço de cerca de cem milhões de léguas, e passaram
pelo planeta Marte, que, como se sabe, é cinco vezes menor que o nosso
pequeno globo; viram as duas luas que servem a esse planeta e que escaparam
às vistas de nossos astrônomos. Bem sei que o padre Castel escreverá,
e até com muito espírito, contra a existência dessas duas
luas; mas reporto-me àqueles que raciocinam por analogia. Sabem esses
bons filósofos o quanto seria difícil ao planeta Marte, que
fica tão longe do sol, não dispor ao menos de um par de luas.
Seja como for, o caso é que os nossos camaradas o acharam tão
pequeno, que recearam não encontrar pousada, e seguiram adiante, como
dois viajantes que desdenham um mau albergue de aldeia e prosseguem até
a cidade vizinha. Mas o siriano e o companheiro logo se arrependeram disso.
Viajaram por muito tempo, sem encontrar coisa alguma. Afinal divisaram um
pequeno clarão; era a terra; coisa de causar piedade a gente que vinha
de Júpiter. No entanto, com medo de se arrependerem segunda vez, resolveram
desembarcar aqui mesmo. Passaram para a cauda do cometa e, achando uma aurora
boreal adrede, nela se meteram, e chegaram à terra pelo norte do mar
Báltico, a 5 de julho de 1737.

CAPÍTULO QUARTO

Do que lhes sucede sobre a face da terra

Depois de terem repousado um pouco, almoçaram duas montanhas, que
os criados lhes prepararam a capricho. Desejaram em seguida fazer um reconhecimento
pelo pequeno país onde se achavam. Caminharam a princípio de
norte a sul. Os passos ordinários do siriano e do seu pessoal eram
de trinta mil pés aproximadamente; o anão de Saturno seguia
de longe, arquejando; ora, era preciso que ele corresse uns dose passos enquanto
o outro dava uma pernada: imaginai (se é permitido tal comparação)
um pequeno cãozinho fraldiqueiro que acompanhasse um capitão
da guarda do rei da Prússia.

Como os dois estrangeiros andassem muito depressa, deram a volta ao mundo
em trinta e seis horas; o sol, na verdade, ou antes, a terra, faz igual viagem
num dia; mas cumpre levar em conta que é mais cômodo girar sobre
o próprio eixo do que andar com um pé depois do outro. Ei-los
pois de volta ao ponto de partida, depois de terem visto esse pântano,
quase imperceptível para eles, que se chama o Mediterrâneo, e
esse outro pequeno charco que, sob o nome de Grande Oceano, contorna o formigueiro.
A água nunca passara além das canelas do anão, ao passo
que o outro apenas molhara os calcanhares. Fizeram tudo o que puderam, andando
em todas as direções, para descobrir se este globo era habitado
ou não. Agacharam-se, deitaram-se, apalparam por toda parte; mas, como
os seus olhos e mãos não eram proporcionados aos pequenos seres
que por aqui se arrastam, não receberam a mínima sensação
que lhes fizesse suspeitar que nós, e os nossos demais confrades habitantes
deste globo, tivéssemos a honra de existir.

O anão, que as vezes raciocinava muito apressadamente, concluiu a
princípio que não havia habitantes na terra. Seu primeiro argumento
era de que não vira, ninguém. Micrômegas, polidamente,
fez-lhe sentir que ele não raciocinava muito bem:

— Como não distingues com os teus pequenos olhos, certas estrelas
de qüinquagésima grandeza que eu percebo distintamente; concluiu
daí que essas estrelas não existem?

— Mas – replicou o anão eu apalpei bem.

— Mas sentiste mal – respondeu o outro.

— Mas este globo é tão mal construído –
objetou o anão, – é tudo tão irregular e de uma
forma que me parece tão ridícula! Tudo parece aqui um pleno
caos: não vês estes pequenos arroios que jamais correm em linha
reta, esses charcos que não são nem redondos, nem quadrados,
nem ovais, nem de nenhuma forma regular; e todos esses grãozinhos pontiagudos
de que está eriçado este globo e que me arranharam os pés?
(Queria referir-se às montanhas). Repara ainda a forma de todo o globo,
como é achatado nos pólos, e a sua maneira inadequada de girar
em torno do sol, de modo que a região dos pólos fica necessariamente
estéril? Em verdade, o que me faz pensar que não haja aqui ninguém,
é que gente de bom senso não moraria em um lugar como este.

— Pois bem – disse Micrômegas, – talvez os que o
habitam não sejam gente de bom senso. Mas há probabilidades
de que isto não tenha sido feito inutilmente. Tudo aqui te parece irregular
porque em Saturno e Júpiter é tudo feito a régua e compasso.
Exatamente por esse motivo é que há aqui um pouco de confusão.
Não te disse eu que nas minhas viagens sempre encontrei variedade?

O saturniano replicou a todas essas razões. E a questão jamais
terminaria se, por felicidade, Micrômegas no calor da discussão,
não tivesse rompido o seu colar de diamantes. Estes caíram ao
chão. Eram lindas pedras de tamanho variado, tendo as mais volumosas
quatrocentas libras de peso, e as menores cinqüenta. O anão apanhou
algumas; ao aproximá-las dos olhos, viu que, da maneira como estavam
lapidadas, constituíam excelentes microscópios. Tomou, pois,
um pequeno microscópio de cento e sessenta pés de diâmetro
que aplicou à pupila; e Micrômegas escolheu um de dois mil e
quinhentos pés. Eram excelentes; mas no princípio. nada perceberam
com o seu auxílio: era preciso adaptarem-se. Afinal o habitante de
Saturno viu qualquer coisa quase imperceptível que se movia à
superfície do mar Báltico: era uma baleia. Pegou-a habilmente
com o dedo mínimo e, colocando-a sobre a unha do polegar, mostrou-a
a Micrômegas, que se pôs a rir da excessiva pequenez dos habitantes
do nosso globo. O saturniano, convencido de que o nosso mundo é habitado,
imaginou logo que só o era por baleias; e, como era um grande logicista,
quis logo adivinhar de onde um átomo tão pequeno tirava o seu
movimento, e se tinha idéias, vontade, e liberdade. Micrômegas
sentiu-se muito embaraçado: examinou o animal com infinita paciência,
e o resultado da análise foi que era impossível acreditar que
ali se alojasse uma alma. Estavam, pois, os dois viajantes inclinados a pensar
que não há espírito em nosso mundo, quando, com o auxílio
do microscópio, perceberam algo de mais grosso que uma baleia e que
flutuava sobre as águas. Sabe-se que, por aquela época, um bando
de filósofos regressava do círculo polar, onde tinham ido fazer
observações que a ninguém ocorreram até então.
Disseram as gazetas que o seu navio naufragou nas costas de Botnia e que tiveram
grande dificuldade em salvar-se; mas neste mundo nunca se sabe o reverso das
cartas. Vou contar ingenuamente como se passaram as coisas, sem nada acrescentar
por conta própria, o que não é pequeno esforço
para um historiador.

CAPÍTULO QUINTO

Experiências e raciocínios dos dois viajantes

Micrômegas estendeu cuidadosamente a mão para o local onde
se achava o objeto e, avançando dois dedos e retirando-os por medo
de enganar-se e depois abrindo-os e fechando-os, apanhou com todo o jeito
o navio que carregava os tais senhores, e colocou-o sobre a unha, sem o apertar
muito, para não esmagá-lo. “Eis um animal bem diferente
do primeiro” – observou o anão de Saturno; o siriano pôs
o pretenso animal na palma da mão. Os passageiros e o pessoal da equipagem,
que se supunham erguidos por um furacão, e que. se julgavam sobre uma
espécie de rochedo, põem-se todos em movimento; os marinheiros
apanham pipas de vinho, lançam-nas sobre a mão de Micrômegas,
e precipitam-se em seguida. Apanham os geômetras seus esquadros seus
sectores, e nativas da Lapônia, e saltam para os dedos de Micrômegas.
Tanto fizerem, que este sentiu enfim mover-se qualquer coisa que lhe comichava
os dedos: era um bastão ferrado que lhe fincavam no índice;
julgou, por aquilo, que saíra qualquer coisa do pequeno animal que
ele segurava. Mas não desconfiou de mais nada. O microscópio,
que mal fazia discernir uma baleia e um navio, não alcançava
seres tão imperceptíveis como os homens. Não pretendo
chocar a vaidade de ninguém, mas sou obrigado a pedir às pessoas
importantes que façam uma pequena observação comigo:
é que, considerando a homens de cerca de cinco pés de altura,
não fazemos, à face da terra, maior figura do que faria, sobre
uma bola de dez pés de circunferência, um animal que medisse
a seiscentésima milésima parte de uma polegada. Imaginai uma
substância que pudesse sustentar a terra na mão, e que tivesse
órgãos em proporção com os nossos; e bem pode
acontecer que haja grande número dessas substâncias: concebei,
então, o que não haveriam de pensar dessas batalhas que nos
valeram duas aldeias que foi preciso restituir.

Se algum capitão de granadeiros ler algum dia esta obra, não
duvido que mande aumentar, pelo menos dois pés, os capacetes da sua
tropa; mas fica avisado de que, por mais que faça, nunca passarão,
ele e os seus, de infinitamente pequenos.

Que maravilhosa habilidade não foi preciso ao nosso filósofo
de Sírio para perceber os átomos de que acabo de falar! Quando
Leuwenhoek e Hartsoeker viram pela primeira vez, ou julgaram ver, a semente
de que nos formamos, não fizeram tão espantosa descoberta. Que
prazer não sentiu Micrômegas ao ver moverem-se aquelas pequenas
máquinas, examinando-lhes todos os movimentos, seguindo-as em todas
as operações! Que de exclamações! Com que alegria
pôs um de seus microscópios nas mãos do companheiro de
viagem! “Vejo-os! – diziam ambos ao mesmo tempo. – Repara
como carregam fardos, como se erguem, como se abaixam!” Assim falando,
tremiam-lhes as mãos, pelo prazer de ver objetos tão novos e
pelo receio de os perder. O saturniano, passando de um excesso de desconfiança
a um excesso de credulidade, julgou perceber que eles trabalhavam na propagação
da espécie. Ah! – dizia ele, – peguei a natureza em flagrante.
– Mas enganava-se pelas aparências, o que muita vez sucede, quer
a gente se sirva ou não de microscópios.

CAPÍTULO SEXTO

Do que lhes aconteceu com os homens.

Micrômegas, melhor observador que o anão, viu claramente que
os átomos se falavam; e fê-lo notar ao companheiro que, envergonhado
do seu engano quanto à geração, não quis acreditar
que tal espécie pudesse trocar idéias. Tinha o dom das línguas,
como o siriano; não ouvia os nossos átomos falarem, e supunha
que não falavam. Aliás, como poderiam aquelas criaturas imperceptíveis
possuir os órgãos da voz, e que teriam a dizer-se? Para falar,
é preciso pensar, ou quase; mas, se pensavam, tinham então o
equivalente de uma alma. Ora, atribuir um equivalente de alma a uma espécie
daquelas, parecia-lhe absurdo. — Mas – observou Micrômegas
– ainda há pouco supunhas que eles praticavam o amor. Será
que julgas que se possa praticar o amor sem pensar e sem preferir alguma palavra,
ou pelo menos sem fazer-se compreender? Acha, aliás, que seja mais
difícil fazer um raciocínio. que fazer um filho? Quanto a mim,
um e outro me parecem grandes mistérios.

— Já não ouso nem crer nem negar – disse o homúnculo,
– não tenho mais opinião. Tratemos primeiro de examinar
esses insetos, arrazoaremos depois.

— Muito bem dito – retrucou Micrômegas. Em seguida tirou
do bolso uma tesourinha, com que cortou as unhas e, com uma lasca da unha
do polegar fabricou uma espécie de trompa acústica, que era
como um vasto funil cujo bico aplicou no ouvido. A boca do funil envolvia
o navio e a toda a equipagem. A voz mais fraca penetrava nas fibras circulares
da unha, de modo que, graças à sua indústria, pôde
o filósofo lá do alto ouvir perfeitamente o zumbido dos insetos
cá de baixo. Em poucas horas, conseguiu distinguir as palavras, e afinal
compreender o francês. O anão fez o mesmo, embora com mais dificuldade.
O pasmo dos viajantes redobrava a cada momento. Ouviam insetos falarem com
muito bom senso: esse capricho da natureza afigurava-se-lhes inexplicável
Bem podeis imaginar como Micrômegas e o seu anão ardiam de impaciência
por travar conversa com os átomos.

Temiam que a sua voz de trovão, e sobretudo a de Micrômegas,
ensurdecesse os insetos, sem ser ouvida. Cumpria diminuir-lhe a força.
Puseram na boca umas espécies de palitos cujas pontas afiladas vinham
dar perto do navio. O siriano tinha o anão sobre os joelhos, e o navio
com a equipagem sobre uma unha. Inclinava a cabeça e falava baixinho.
Afinal, por meio destas e de outras precauções, começou
assim o seu discurso:

“Insetos invisíveis, que a mão do Criador se comprouve
em fazer brotar no abismo do infinitamente pequeno, agradeço a Deus
por se haver dignado desvendar-me segredos que pareciam impenetráveis.
Na minha Corte, talvez não se dignem olhar-vos; mas eu não desprezo
ninguém, e ofereço-vos a minha proteção”.

Se alguém chegou ao cúmulo do espanto, foram sem dúvida
as pessoas que ouviram tais palavras. Não podiam adivinhar de onde
partiam. O capelão de bordo rezou exorcismos, os marinheiros praguejaram,
e os filósofos do navio elaboraram um sistema; mas, por mais sistemas
que fizessem, não atinavam com quem lhes falava. O anão de Saturno,
que tinha a voz mais suave que a de Micrômegas, informou-lhes então
com quem estavam tratando. Contou-lhes a partida de. Saturno, disse-lhes quem
era o senhor Micrômegas, e, depois de os ter lamentado por serem tão
pequenos, perguntou-lhes se sempre haviam estado naquela miserável
condição tão vizinha do aniquilamento, o que faziam num
globo que parecia pertencer às baleias, se eram felizes, se se multiplicavam,
se tinham uma alma, e mil outras questões dessa natureza.

Um sábio do grupo, mais audaz que os outros e chocado de que duvidassem
da sua alma, observou o interlocutor por intermédio de pínulas
assestadas sobre um esquadro, fez duas miras e, na terceira, assim lhe falou:

— Julga então, senhor, só porque tem mil toesas da cabeça
aos pés, que é um…

— Mil toesas! – exclamou o anão. – Meu Deus! Como
pode ele saber a minha altura? Mil toesas! Não se engana por uma polegada.
Como! Esse átomo mediu-me! É geômetra, conhece as minhas
dimensões; e eu, que o vejo através de um microscópio,
ainda não conheço as suas.

— Sim, medi-o – disse o físico – e medirei também
o seu grande companheiro.

Aceita a proposta, deitou-se Sua Excelência ao comprido; pois, se
se pusesse de pé, ficaria com a cabeça muito acima das nuvens.
Os nossos filósofos plantaram-lhe uma grande árvore num lugar
que o doutor Swift nomearia, mas que me guardo de chamar pelo nome, devido
a meu grande respeito ás damas. Depois, por uma seqüência
de triângulos, concluíram que aquilo que eles viam era com efeito
um jovem de cento e vinte mil pés de altura.

Micrômegas pronunciou então estas palavras:

“Reconheço, mais do que nunca, que nada devemos julgar por
sua grandeza aparente. Ó Deus, que destes uma inteligência a
substâncias que parecem tão desprezíveis, o infinitamente
pequeno vos custa tão pouco como o infinitamente grande; e, se é
possível que haja seres ainda mais pequenos do que estes, podem ainda
ter um espírito superior ao daqueles soberbos animais que vi no céu
e cujo pé bastaria para cobrir o globo a que desci”.

Respondeu-lhe um dos filósofos que ele poderia com toda a segurança
acreditar que há de fato seres inteligentes muito menores que o homem.
Contou-lhe, não tudo o que Virgílio diz de fabuloso sobre as
abelhas, mas o que Swammerdam descobriu, e o que Réaumur dissecou.
Disse-lhe, enfim, – que há animais que estão para as abelhas
como as abelhas estão para os homens, e como Micrômegas estava
para aqueles imensos animais a que se referira, e como aqueles estão
para outras substâncias, diante das quais não passam de átomos.
Pouco a pouco a conversa se tornava interessante, e Micrômegas assim
falou.

CAPÍTULO SÉTIMO

Conversação com os homens.

— Ó átomos inteligentes, em quem o Ser Eterno se comprazeu
em manifestar seu engenho e poderio, deveis sem dúvida gozar das mais
puras alegrias sobre o vosso globo; pois, tende tão pouca matéria
e parecendo puro espírito, deveis passar a vida a amar e a pensar,
que é o que constitui a verdadeira vida dos espíritos. A verdadeira
felicidade, que não vi em parte nenhuma, com certeza é aqui
que existe.

A tais palavras, todos os filósofos abanaram a cabeça; e um
deles, mais franco que os outros, confessou de boa fé que, excetuando
um pequeno número de habitantes muito pouco considerados, o resto é
tudo uma assembléia de loucos, de maus e de infelizes.

— Nós temos mais matéria do que é necessário
– disse ele – para fazer muito mal, se o mal vem da matéria,
e temos espírito em demasia, se o mal vem do espírito. Não
sabeis, por exemplo que, no instante em que vos falo, há cem mil loucos
da nossa espécie, cobertos de chapéus, que matam cem mil outros
animais cobertos de um turbante, ou que são massacrados por estes e
que, quase por toda a terra, é assim que se faz, desde tempos imemoriais?

O siriano estremeceu e perguntou qual poderia ser o motivo dessas terríveis
querelas entre tão mesquinhos animais.

— Trata-se – disse o filósofo – de uma porção
de lama do tamanho de vosso calcanhar. Não que algum desses milhões
de homens que se exterminam pretenda um palmo que seja dessa lama. Trata-se
apenas de saber se pertencerá a certo homem a que chamam Sultão,
ou a outro homem a que chamam César, não sei por quê.
Nenhum dos dois viu, ou jamais verá, o pedacinho de terra em questão,
e quase nenhum desses animais que mutuamente se degolam já viu algum
dia o animal pelo qual se degolam.

— Infelizes! – exclamou o siriano indignado. – Pode-se
acaso conceber mais furiosa loucura? Vem-me até vontade de dar três
passos e esmagar com três patadas esse formigueiro de ridículos
assassinos.

— Não vos deis a esse incômodo; eles já trabalham
bastante para a sua própria ruína. Ficai sabendo que, passados
dez anos, já não resta nem a centésima parte desses miseráveis,
e, mesmo que não tivessem puxado da espada, a fome, a fadiga ou a intemperança
os levam ,a quase todos. Aliás, não é a estes que é
preciso punir, mas sim a esses bárbaros sedentários que, do
fundo de seu gabinete, ordenam, durante a digestão, o massacre de um
milhão de homens, e em seguida o agradecem solenemente a Deus.

O viajante sentia-se apiedado da pequena raça humana, na qual descobria
tão espantosos contrastes.

— Já que pertenceis ao pequeno número dos sábios
– disse-lhes ele – e aparentemente não matais a ninguém
por dinheiro, dizei-me em que vos ocupam então.

— Dissecamos moscas – respondeu o filósofo, – medimos
linhas, encordoamos números, pomo-nos de acordo acerca de dois ou três
pontos que entendemos, e disputamos sobre dois ou três mil que não
entendemos.

Ocorreu então ao siriano e ao companheiro a fantasia de interrogar
aqueles átomos pensantes sobre coisas que ambos conheciam.

— Quanto contais – Indagou Micrômegas – da estrela
da Canícula à grande estrela dos Gêmeos?

— Trinta e dois graus e meio – responderam todos ao mesmo tempo.

— Quanto contais daqui até a lua?

— Sessenta semidiâmetros da terra, em números redondos.

— Quanto pesa o vosso ar?

Supunha confundi-los nesse ponto, mas todos responderam que o ar pesa cerca
de novecentas vezes menos que igual volume d’água e dezenove
mil vezes menos que o ouro.

O anãozinho, de Saturno, atônito das suas respostas, sentiu-se
tentado a tomar como feiticeiros àqueles mesmos a quem havia negado
uma alma quinze minutos antes. Afinal lhes disse Micrômegas:

— Já que sabeis tão bem o que se acha fora de vós,
decerto sabeis ainda melhor o que tendes por dentro. Dizei-me o que é
a vossa alma e como formais as vossas idéias. Os filósofos falaram
todos ao mesmo tempo, como antes, mas foram de diferentes opiniões.
O mais velho citava Aristóteles, outro pronunciava o nome de Descartes,
este o de Malebranche, aquele o de Leibnitz, aqueloutros o de Locke. Um velho
peripatético disse em voz alta com toda a segurança: A alma
é uma enteléquia, razão pela qual tem o poder de ser
o que é. É o que declara expressamente Aristóteles, página
633 da edição do Louvre: “entelequia esti” etc.

Não entendo muito bem o grego – disse o gigante.

Nem eu tampouco – replicou o inseto filosófico.

— Por que então – tornou o siriano – citais um
certo Aristóteles em grego?

É que – replicou o sábio – cumpre citar aquilo
de que não se compreende nada na língua que menos se entende.

O cartesiano tomou a palavra e disse:

— A alma é um espírito puro, que recebeu no ventre da
mãe todas as idéias metafísicas, e que, ao sair de lá,
é obrigada a ir para a escola e aprender de novo tudo o que tão
bem sabia é que não mais saberá!

— Então não valia a pena – retrucou o animal de
oito léguas – que a tua alma fosse tão sábia no
ventre de tua mãe, para ser tão ignorante quando tivesses barba
no queixo. Mas que entendes por espírito?

— Bela pergunta! – exclamou o raciocinante. – Não
tenho disso a mínima idéia: dizem que não é matéria.

— Mas sabes ao menos o que é a matéria?

— Perfeitamente – respondeu o homem. – Por exemplo, esta
pedra é cinzenta, e de determinada forma, tem as suas – três
dimensões, é pesada e divisível.

— Pois bem – disse o siriano – e essa coisa que te parece
divisível, pesada e cinzenta, saberás dizer-me exatamente o
que seja? Tu lhe vês alguns atributos; mas o fundo da coisa, acaso o
conheces?

— Não – disse o outro.

— Não sabes, pois, o que é a matéria.

Então o senhor Micrômegas, dirigindo a palavra a outro sábio,
a quem equilibrava sobre o polegar, perguntou-lhe o que era a sua alma, e
o que fazia.

— Absolutamente nada – respondeu o filósofo malebranchiste,
– é Deus que faz tudo por mim; vejo tudo em Deus, faço
tudo em Deus: é Ele quem faz tudo, sem que eu me preocupe.

— É o mesmo que se não existisses – tornou o sábio
de Sírio. – E tu, meu amigo – disse a um leibnitziano que
ali – se achava, – que vem a ser a tua alma?

— É – respondeu o leibnitziano – um ponteiro que
indica as horas, enquanto o meu corpo toca o carrilhão; ou, se quiserdes,
é ela quem carrilhona, enquanto o meu corpo marca a hora; ou então,
é minh’alma o espelho do universo, e meu corpo a moldura do espelho:
isso é bem claro.

Um minúsculo partidário de Locke achava-se ali perto; e quando
afinal lhe dirigiram a palavra:

— Eu não sei como é que penso – respondeu, –
mas sei que nunca pude pensar senão com o auxilio de meus sentidos.
Que haja substâncias imateriais e inteligentes, eu não duvido;
mas também não nego que Deus possa comunicar pensamento à
matéria. Venero o poder eterno, não me cabe limitá-lo;
nada afirmo, contento-me em acreditar que há mais coisas possíveis
do que se pensa.

O animal de Sírio sorriu: não achou que fosse aquele o menos
sábio; e o anão de Saturno teria abraçado o sectário
de Locke, se não fora a extrema desproporção entre ambos.
Mas, por desgraça, havia ali um animalículo de capelo que cortou
a palavra a todos os animalículos filosofantes: disse que sabia o segredo
de tudo, o qual se achava na Suma de Santo Tomás; mediu de alto a baixo
os dois habitantes celestes; sustentou-lhes que as suas pessoas, os seus mundos,
sois e estrelas, tudo era feito unicamente para o homem. A isto, os nossos
dois viajantes tombaram um nos braços do outro, sufocados de riso,
esse riso inextinguível que, segundo Homero, é próprio
dos deuses; seus ombros e ventres agitavam-se e, nessas convulsões,
o navio que Micrômegas trazia na unha caiu no bolso das calças
do saturniano. Os dois o procuraram por muito tempo; afinal encontraram e
reajustaram tudo convenientemente. O siriano retomou os pequenos insetos;
falou-lhes de novo com muita bondade, embora no íntimo se achasse um
tanto agastado de ver que os infinitamente pequenos tivessem um orgulho quase
infinitamente grande. Prometeu-lhes que redigiria um belo livro de filosofia,
escrito bem miudinho, para seu uso, e que, nesse livro, veriam eles o fim
de todas as coisas. Com efeito, entregou-lhes esse volume, que foi levado
para a Academia de Ciências de Paris. Mas, quando o secretário
o abriu, viu apenas um livro em branco. – Ah! bem que eu desconfiava…
– disse ele.

Check Also

Gradualismo

Gradualismo

PUBLICIDADE O que é Gradualismo? Ao longo dos anos observa-se um questionamento sobre a origem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1z0-574 dumps 700-039 exam 1Y0-401 examCitrix Real Exam Questions - 100% Free VCE Files 1Y0-201 pdf 200-355 pdf 300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+ 200-105 pdf 400-051 exam 100-101 70-646 exam 1z0-574 dumps 700-039 exam 1Y0-401 exam 200-125