Breaking News
Home / Turismo / Arábia Saudita

Arábia Saudita

 

História

Com exceção de algumas grandes cidades e oásis, o clima historicamente severo impediram a liquidação da Península Arábica.

Pessoas de várias culturas tem vivido ao longo de um período de mais de 5.000 anos. A cultura Dilmun, ao longo da costa do Golfo, era contemporânea com os sumérios e egípcios antigos, e a maioria dos impérios do mundo antigo negociado com os estados da península.

O Estado Saudita surgiu na Arábia Central cerca de 1750. Um chefe local, Muhammad bin Saud, uniu forças com um reformador do Islã, Muhammad Abd Al-Wahhab, para criar uma nova entidade política.

Ao longo dos próximos 150 anos, a fortuna da família Saud subiu e desceu várias vezes como governantes sauditas disputavam com o Egito, o Império Otomano, e outras famílias árabes para o controle da península. O Estado Saudita moderno foi fundada pelo falecido rei Abdul Aziz Al-Saud (conhecido internacionalmente como Ibn Saud).

Em 1902, Abdul Aziz recapturado Riad, capital ancestral da dinastia Al-Saud, da família Al-Rashid rival. Continuando suas conquistas, Abdul Aziz Al-Hasa subjugado, o resto do Nejd, e o Hijaz entre 1913 e 1926. Em 1932, estas regiões foram unificadas como o Reino da Arábia Saudita.

Fronteiras com a Jordânia, Iraque e Kuwait foram estabelecidas por uma série de tratados negociados nos anos de 1920, com duas "zonas neutras" - uma com o Iraque e outra com o Kuwait.

Arábia Saudita

A Arábia Kuwait zona neutra foi dividida administrativamente em 1971, com cada estado continuar a partilhar os recursos petrolíferos da zona antiga de forma igual. Tentativa de acordo sobre a divisão da zona neutra Saudita-Iraquiana foi alcançado em 1981, e partição foi finalizado em 1983.

A fronteira sul do país com o Iémen foi parcialmente definida pelo Tratado de 1934 de Taif, que pôs fim a uma breve guerra fronteiriça entre os dois estados. Ele permaneceu indefinido em muitas áreas. A fronteira entre a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos foi acordado em 1974. Diferenças de fronteira com o Qatar ficaram por resolver.

O Rei Abdul Aziz morreu em 1953 e foi sucedido por seu filho mais velho, Saud, que reinou por 11 anos.

Em 1964, Saud abdicou em favor de seu meio-irmão, Faisal, que serviu como ministro das Relações Exteriores. Por causa de dificuldades fiscais, o Rei Saud foi convencido em 1958 para delegar a condução direta de assuntos governamentais da Arábia Saudita a Faisal como Primeiro-Ministro; Saud brevemente recuperou o controle do governo em 1960-62. Em outubro de 1962, Faisal delineou um programa de ampla reforma, sublinhando o desenvolvimento econômico.

Proclamado rei em 1964 por altos membros da família real e líderes religiosos, Faisal também continuou a servir como primeiro-ministro. Esta prática tem sido seguida por reis posteriores.

Meados dos anos 1960 viu pressões externas geradas pela Arábia-egípcias e diferenças sobre o Iêmen. Quando a guerra civil eclodiu em 1962 entre iemenita monarquistas e republicanos, forças egípcias entraram no Iêmen para apoiar o novo governo republicano, enquanto a Arábia Saudita apoiou os monarquistas. As tensões diminuíram apenas depois de 1967, quando o Egito retirou suas tropas do Iêmen.

Forças sauditas não participaram da Guerra dos Seis Dias (árabe-israelense) de junho de 1967, mas mais tarde o governo concedeu subsídios anuais ao Egito, Jordânia e Síria para apoiar suas economias.

Durante 1.973, guerra árabe-israelense, a Arábia Saudita participou no boicote do petróleo árabe dos Estados Unidos e Holanda. Um membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), a Arábia Saudita se juntaram a outros países membros em aumentos de preços moderados do petróleo a partir de 1971.

Depois da guerra de 1973, o preço do petróleo subiu substancialmente, aumentando dramaticamente a riqueza da Arábia Saudita e influência política.

Em 1975, o rei Faisal foi assassinado por um sobrinho, que foi executado após uma extensa investigação concluiu que ele agiu sozinho. Faisal foi sucedido por seu meio-irmão Khalid como Rei e Primeiro-Ministro; seu meio-irmão, o príncipe Fahd foi nomeado Príncipe Herdeiro e Primeiro Vice-Primeiro-Ministro.

O rei Khalid deu poder ao príncipe Fahd para supervisionar muitos aspectos de assuntos internacionais e domésticos do governo. O desenvolvimento econômico continuou rapidamente sob o Rei Khalid e o reino assumiu um papel mais influente na política regional e internacional sobre os assuntos econômicos e financeiros.

Em junho de 1982, o Rei Khalid faleceu e Fahd tornou-se rei e primeiro-ministro em uma transição suave. Outro seu meio-irmão, o príncipe Abdullah, Comandante da Guarda Nacional Saudita, foi nomeado príncipe herdeiro e primeiro vice-primeiro-ministro. Irmão, o Rei Fahd, o príncipe Sultan, o ministro da Defesa e Aviação, se tornou o segundo Vice-Primeiro Ministro. Sob o Rei Fahd, a economia saudita foi ajustado para as receitas do petróleo acentuadamente mais baixos resultantes de declínio dos preços globais do petróleo.

A Arábia Saudita apoiou a navegação neutra no Golfo durante períodos da guerra Irã-Iraque e a economia do Iraque aided-guerra tensa. O Rei Fahd desempenhou um papel importante em agosto 1988 parta cessar-fogo entre o Iraque e o Irã e na organização e fortalecimento do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), um grupo de seis países do Golfo Pérsico dedicado a promover a cooperação econômica regional e do desenvolvimento pacífico.

Em 1990-91, o Rei Fahd desempenhou um papel-chave antes e durante a guerra do Golfo. Ação do Rei Fahd também consolidou a coalizão de forças contra o Iraque e ajudou a definir o tom da operação como um esforço multilateral para restabelecer a soberania e integridade territorial do Kuwait.

Agindo como um ponto de encontro e porta-voz pessoal da coalizão, o Rei Fahd ajudou a reunir aliados de seu país do CCG, aliados ocidentais e aliados árabes, assim como nações não-alinhadas da África e das democracias emergentes da Europa Oriental. Ele usou sua influência como Guardião das Duas Mesquitas Sagradas para persuadir outras nações árabes e islâmicos para se juntar à coalizão.

Rei Fahd sofreu um derrame em novembro de 1995. Até o final de 1997, o príncipe herdeiro Abdullah tinha tomado em grande parte das responsabilidades do dia-a-dia de funcionamento do governo.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Arábia Saudita

Arábia Saudita é o berço da civilização e da língua e raça árabes.

O seu mistério e misticismo, os seus áridos segredos, têm atraído aos aventureiros ao longo dos tempos. O interesse que oferece o país vai desde o cultural, através das ruínas do passado, até a natureza da sua paisagem desértica, refrescada pelos oásis.

Arábia Saudita, que parecia condenada pela natureza a uma particular pobreza tem encontrado nas jazidas de petróleo uma considerável fonte de recursos.

O país figura entre os maiores produtores do mundo. As jazidas encontram-se ao longo do Golfo Pérsico, onde têm sido construidas grandes refinarias.

Não obstante, a riqueza aportada pelo petróleo, só tem modificado no superficial as estruturas sociais do país, que seguem sendo arcaicas: A escravidão não foi abolida até 1962, e o analfabetismo afeta à maior parte da população. Mesmo pesando os esforços realizados por alguns burgueses liberais, a aristocracia tradicional continua a exercer um poder autoritário, baseado na intransigência religiosa dos Wahabitas.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

O Reino de Arábia Saudita encontra-se na península da Arábia, a maior península do mundo, entre o Golfo Pérsico e o Mar Vermelho. O Trópico de Câncer atravessa o país. Limita-se ao norte com Jordânia, Iraque e Kuwait; ao leste com o Golfo Pérsico, Qatar, os Emiratos Árabes Unidos e Omán; ao oeste com o Mar Vermelho e ao sul com Yemen.

O país está formado principalmente de desertos e estepes, com escassa vegetação. O deserto de areia de Ar-Rub´al-Khali, no sul do país é um dos mais áridos do mundo. A hidrografia é muito pobre. Os rios (waddis), leitos secos, não chegam ao mar e perdem-se nas areias dos desertos. Na costa oeste extende-se a cordilheira de Tihamah, cujas altitudes sobrepassam os 3.000 metros de altitude.

FLORA E FAUNA

As condições climáticas de Arábia Saudita, com abertas planícies e extensos desertos, com um intenso calor de dia e temperaturas frescas à noite são causa de um meio ambiente, o qual a flora e a fauna ficam restringidas a umas poucas espécies. Juncos e diversas ervas crecem entre as dunas costeiras. As chuvas, sob a forma de águaceiros breves, alimentam a breve floração de várias plantas. Não existem bosques, apesar de que os montes Asir estão cobertos por cedros e oliveiras.

Até este século e com o auge da caça como esporte, Arábia Saudita possuia uma variedade importante de animais. As gazelas sobrevivem em uma quantidade muito reduzida. Cabras montanhesas, lobos e hienas abundam em determinadas zonas, enquanto que os leopardos existem em um número reduzido ao sul de Jedda.

O bacalhau, a cavala e outros peixes abundam nas águas costeiras.

Na Arábia Saudita cultivam-se perto de 400.000 hectares. As palmeiras de dátiles são o cultivo mais importante, seguidos do trigo, a cevada, o milho e o sorgo, que constituem as principais colheitas de grão. O algodão, o arroz e algumas frutas produzem em menor escala.

História

Época Antiga

Os primeiros moradores destas terras perdem-se na história. Dos numerosos reinos que assentaram-se no território, lembramos os Nabateos, que chegaram nos primeiros anos da nossa era até Damasco. Já no século XVIII governou em Dir´aiyah, perto da atual capital, o reino Al-Saud.

O primeiro império saudita, surgiu da aliança entre Mohamed Bim Saud, de estilo militar, que governava em Dir´aiyah, e Mohamed Bim Abdul Wahhab, que aplicou de forma estrita o Islão. Desta combinação surgiu a idiosincrasia atual da Arábia Saudita. Os turcos ocuparam parte do país e não foram embora até este século.

Época moderna

Uma vez foram expulsados os turcos, após a derrota que sofreram na I Guerra Mundial, Abdul-Aziz ibn-Saud foi proclamado rei. Desde então, o Estado foi governado por um regime absolutista, em continuas fricções com os países vizinhos pelas suas reivindicações territoriais.

A partir de 1948, renunciou a sua política de anexões, e reconciliou-se com os reis de Transjordânia, assinou um pacto de amizade com Egipto, e adiriu à Liga Árabe. Quando em 1953 morreu Ibn-Saud, sucederam-o seu filho Saud, que abdicou em 1964, e o irmão deste, Feisal.

No conflito árabe-israelita de 1973, Feisal, apoiu militarmente a Síria e Egito e participou no embargo de petróleo os países ocidentais. Foi assasinado em 1975 e sucedido pelo seu irmão Jakid, e este, a sua morte, pelo príncipe Fahd, quem tentou devolver a paz ao Oriente Próximo. Em 1990 a peregrinação anual a Meca terminou com um resultado sangrento, a raíz de uma aglomeração.

Durante a Guerra do Golfo, Arábia Saudita tentou proteger o seu reino e converteu-se na base de operações militares contra Iraque. No fim da guerra era primordial uma mudança de governo. O rei Fahd, começou uma série de reformas. Porém em 1993 o Governo declara fora da lei o Comitê para a defesa dos Direitos Legítimos, criado recentemente por algumas figuras islâmicas. Parece que a política do país não está com ânimo de abrandar-se.

Arte e Cultura

O islamismo é a religião do estado. A maioria de sauditas pertencem à seita sunnita, porém, a seita chiita tem mais seguidores na província oriental. O "haj", a peregrinação islâmica anual a Meca, atrai a mais de um milhão de muçulmanos e só há que dizer que antes da descoberta do petróleo, esta era a maior fonte de recursos.

O árabe é a língua nacional e o ensino é gratuito mas não obrigatório.

A vida na Arábia Saudita segue os costumes islâmicos mais restritos. O álcool e o porco são ilegais. Também os teatros e os cinemas. As mulheres não têm permição para conduzir, e se viajarem em transporte público devem ir acompanhadas do seu marido ou algum homem da família. Embora isto não aconteça se viajarem em avião. Nas horas das rezas fecham as lojas e os programas de TV são interrompidos. Nos grandes hotéis isto não acontece.

Gastronomia

Há um prato muito popular que chama-se foul e que prepara-se a base de feijão. Cozinha-se também o frango assado. E para pratos rápidos ou comidas a baixo preço estão as comidas hindus e a ocidental estilo fast food.

Bebidas

O mais corrente é a água mineral, os sucos de frutas, e os refrigerantes. O "Champagne Saudita" é feito a base de suco de maçã e Perrier.

Compras

O mais aconselhável para realizar compras é dar uma volta pelos bazares. A lista de coisas para comprar é muito variada, desde tecidos e roupas feitas à mão, trabalhos de joalheria em metais, tapetes, etc.

População e Costumes

A população é maioritariamente árabe maometana, praticante do culto sunnita. Não sabe-se com exatidão quanta gente vive no país, embora o governo estima em 15 milhões a população atual. Estimações privadas falam de 12 milhões, e há quem estabeleça por volta de 7 milhões.

Dentro do país há diferentes tipos físicos, a população é menos homogênea do que pensa-se, e as marcas, e a cor da pele mudam consideravelmente, segundo a região.

ENTRETENIMENTO

Desde os desertos às praias, as montanhas, até atividades culturais que incluem a aprendizagem do árabe, poderá desfrutar no país. Não há lugar para o aborrecimento, apesar de que só são emitidos vistos para negócios.

FESTIVIDADES

No dia 23 de Setembro, Dia Nacional e as festas islâmicas que variam, dependendo do calendário lunar. O nono mês do ano (Ramadán), está consagrado ao jejum religioso, que finaliza com a festa de Aid-al-Fetr, que celebra-se durante três dias. No mês de Dul Hiya efetua-se a peregrinação anual aos Santos Lugares de Meca, no fim, o dia 10 de dito mês, celebra-se a festa de Aid-al-Adha ou Festa do Sacrifício, com vários dias de férias.

Transportes

Avião

As linhas aéreas que operam no país são as Saudi Arábiam Airlines, que também contam com vôos internos às principais cidades do mundo.

Trem

Arábia Saudita é o único país da península arábica que conta com uma rede ferroviária. Os trens são modernos e eficientes, mais baratos do que o ônibus. Embora não há grandes aglomerações aconselha-se comprar os bilhetes com antecedência.

Ônibus

É a melhor forma de percorrer o país. São cômodos e dispõem de ar condicionado.

Carro

Pode-se alugar um carro para percorrer o país. As permissões de conduzir dos países ocidentais são válidos.

Fonte: www.rumbo.com.br

Arábia Saudita

Área – 2.149,690 km quadrados
Capital – Riad
Moeda – Rial Saudita
Idioma – Árabe
Arábia Saudita ocupa cerca de 80% da península arábica.

Esta apresenta duas grandes depressões desérticas: no norte, o Nefud Maior, e no sul, Rub-Al-Jali. Entre as duas estão o maciço vulcânico de Neyed e a planície de Hass, única região fértil do país, onde são cultivados trigo e tâmara, graças as poucas chuvas de inverno. Com menos de 0,3% de seu território cultivado, o pais importa cerca de 90% dos produtos agrícolas que consome.

A exploração de petróleo concentrada nas costas do Golfo Pérsico, constitui a base de sua enorme riqueza. A intensa atividade vinculada ao comercio do petróleo aumentou os níveis de contaminação da água e das costas.

Essa situação foi agravada durante a Guerra do Golfo Pérsico: 640 km de praias e pântanos foram afetados pelo derramamento de 4,5 milhões de barris de petróleo; milhares de peixes e aves migratórias pereceram; a limpeza, a cargo da ONU, custou ao reino cerca de 450 milhões de dólares. Para o setor agrícola é utilizado um enorme sistema de irrigação artificial, o que poderá fazer com que a escassez dos recursos hídricos venha acontecer com rapidez por não haver uma reposição constante.

A Sociedade

Arábia Saudita
Cidade de meca - Arabia Saudita - Asia

Composição Étnica

Os sauditas são de origem árabe, com influência étnica dos escravos trazidos da África.

Nos últimos anos, houve uma intensa imigração, principalmente iraniana, paquistanesa e palestina para as novas zonas industriais do leste, elevando o total de estrangeiros no país.

Religião: Islâmica (oficial), Muçulmanos sunitas 95%, muçulmanos xiitas 3%, cristãos, 1%

Idiomas: Árabe (oficial)

Arábia Saudita
Cidade de Jiddah / Arábia Saudita - Ásia

Arábia Saudita
Cidade de Riad / Arábia Saudita - Ásia

Estado Saudita

Arábia Saudita
Cidade de Riad / Arábia Saudita - Ásia

Nome Oficial: Reino da Arábia Saudita
Divisão Administrativa: 5 regiões e 14 distritos.
Capital: Riad (sede Real)
Cidades Importantes: Jiddah (sede Administrativa), Makkah (Meca, sede Religiosa)
Datas Nacionais: 23 de setembro (Dia da Unificação Nacional)

Fonte: www.maisturismo.net

Arábia Saudita

Nome oficial: Reino da Arábia Saudita (Al-Mamlaka al-'Arabiya as-Sa'udiya).
Nacionalidade: saudita.
Data nacional: 23 de setembro (Dia da União e Reunificação dos Reinos de Hejaz e Nedjed).
Capitais: Riad (sede do reinado), Jidá (administrativa).
Cidades principais: Riad (2.776.100), Jidá (2.046.300), Meca (965.700), Medina (608.300)(1992)).
Idioma: árabe (oficial).
Religião: islamismo 98,8% (sunitas 95,5%, xiitas 3,3%), cristianismo 0,8%, outras 0,4% (1980).

GEOGRAFIA

Localização: sudoeste da Ásia. 
Hora local: + 6h. 
Área: 2.153.168 km2. 
Clima: árido quente (maior parte), subtropical (N). 
Área de floresta: 2 mil km2 (1995).

POPULAÇÃO

Total: 21,6 milhões (2000), sendo árabes sauditas 50%, outros árabes 40%, afro-asiáticos 10% (1996). 
Densidade: 10,03 hab./km2. 
População urbana: 85% (1998). 
Crescimento demográfico: 3,4% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade: 5,8 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 70/73 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil: 23‰ (1995-2000). 
Analfabetismo: 23% (2000). 
IDH (0-1):
 0,747 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: Monarquia islâmica (reinado). 
Divisão administrativa: 13 regiões subdivididas em governadorias. 
Partidos políticos: não há. 
Legislativo: não há. 
Constituição em vigor: não há - o rei governa de acordo com a Sharia, a lei sagrada do islamismo.

ECONOMIA

Moeda: rial saudita. 
PIB: US$ 128,9 bilhões (1998). 
PIB agropecuária: 7% (1998). 
PIB indústria: 48% (1998). 
PIB serviços: 45% (1998). 
Crescimento do PIB: 1,6% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita: US$ 6.910 (1998). 
Força de trabalho: 7 milhões (1998). 
Agricultura:
 trigo, tâmara, cevada, melancia. 
Pecuária: aves, ovinos, caprinos, camelos. 
Pesca: 54,1 mil t (1997). 
Mineração: petróleo, gás natural. 
Indústria: extração e refino de petróleo, petroquímica, materiais de construção (cimento), fertilizantes, siderúrgica (aço), alimentícia, bebidas. 
Exportações: US$ 42,2 bilhões (1998). 
Importações: US$ 26,4 bilhões (1998). 
Principais parceiros comerciais: EUA, Reino Unido, Alemanha, Japão, Coréia do Sul, Cingapura, Holanda (Países Baixos), França.

DEFESA

Efetivo total: 162,5 mil (1998). 
Gastos: US$ 20,5 bilhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Arábia Saudita

Arábia Saudita é um país na Arábia.

A capital é Riyadh.

A principal religião é o Islã.

A principal língua é o Árabe.

A Arábia Saudita é o berço do Islã e abriga os dois templos mais sagrados do Islã em Meca e Medina. O título oficial do rei, é o Guardião das Duas Mesquitas Sagradas. O moderno Estado Saudita foi fundado em 1932 por ABD AL-AZIZ bin Abd al-Rahman Al SAUD (Ibn Saud), após uma campanha de 30-anos para unificar a maior parte da Península Arábica. Um de seus descendentes do sexo masculino governa o país hoje, conforme exigido pela Lei Básica de 1992 do país.

O Rei Abdallah bin Abd al-Aziz subiu ao trono em 2005. Após a invasão do Kuwait pelo Iraque em 1990, a Arábia Saudita aceitou a família real do Kuwait e 400.000 refugiados, permitindo tropas ocidentais e Árabes para se desdobrar em seu território para a liberação do Kuwait no ano seguinte.

A presença contínua de tropas estrangeiras em solo Saudita após a libertação do Kuwait se tornou uma fonte de tensão entre a família real e o público até que todas as tropas operacionais Norte-americanas deixaram o país em 2003. Grandes ataques terroristas em Maio e Novembro de 2003 estimularam uma forte campanha em curso contra o terrorismo e o extremismo doméstico.

O Rei Abdallah tem continuado o cauteloso programa de reformas iniciado quando ele era o príncipe herdeiro. O rei instituiu uma iniciativa de diálogo inter-religioso em 2008 para incentivar a tolerância religiosa em um nível global; em 2009, ele reformou o gabinete, o que levou a mais moderados em cargos ministeriais e judiciais, e nomeou a primeira mulher para o gabinete.

As revoltas de 2010-11 através do Oriente Médio e países Norte-africanos provocaram incidentes modestos nas cidades Sauditas, principalmente por manifestantes Xiitas pedindo a libertação de presos e a retirada da Força do Escudo da Península do Conselho de Cooperação do Golfo no Bahrein. Os protestos em geral foram recebidos por uma forte presença da polícia, com algumas prisões, mas não ao nível do derramamento de sangue visto em protestos em outras partes da região.

Em resposta à instabilidade, o Rei ABDALLAH em Fevereiro e Março de 2011 anunciou uma série de benefícios para os cidadãos Sauditas, incluindo fundos para construir habitação a preços acessíveis, os aumentos salariais para funcionários públicos e subsídios de desemprego. Para promover o aumento da participação política, o governo realizou eleições em todo o país em Setembro de 2011 para metade dos membros dos 285 conselhos municipais.

Também em Setembro, o rei anunciou que as mulheres terão permissão para concorrer e votar nas futuras eleições municipais - realizadas pela primeira vez em 2005 - e servir como membros plenos do Conselho Consultivo. O país continua a ser um dos principais produtores de petróleo e gás natural e detém mais de 20% das reservas mundiais comprovadas de petróleo.

O governo continua a perseguir a reforma economica e a diversificação, especialmente desde a adesão da Arábia Saudita à OMC em Dezembro de 2005, e promove o investimento estrangeiro no reino. A população crescente, a exaustão dos aqüíferos, e uma economia muito dependente na produção e nos preços do petróleo são todas preocupações governamentais em curso.

A coberto da escuridão numa noite em 1902, um jovem príncipe Árabe e de 40 a 50 amigos moveram-se silenciosamente pelo deserto em direção a Riyadh, uma cidade murada no interior da Península Arábica. Algumas horas mais tarde, em um dramático ataque de madrugada, eles capturaram Riyadh, o lugar de onde a família do príncipe tinha sido exilada anos antes.

A vitória de Abdul Aziz Al-Saud foi a primeira de uma cadeia de conquistas pela qual ele uniu 80% da Península Arábica. Ele e seus sucessores criaram o Reino da Arábia Saudita, com base em seu governo Islâmico de ensinamentos religiosos. Eles o fizeram a maior nação exportadora de petróleo do mundo. No processo, os Sauditas levaram um povo nômade tradicional ao mundo tecnológico do século 21.

Terra

Mais de três vezes o tamanho do Texas, a Arábia Saudita é frequentemente retratada em romances e filmes ocidentais como um deserto vasto e misterioso. Na verdade, o reino tem uma topografia variada, incluindo montanhas férteis e planícies costeiras, bem como desertos.

Topografia

Na borda ocidental do reino, uma estreita faixa de planície fronteira com o Mar Vermelho, tornando-se uma planície costeira (a Tihamah) em direção ao sul.

Altas montanhas, algumas de mais de 9.000 pés (2.700 m) de altura, erguem-se abruptamente para o leste desta faixa. No lado interior das montanhas, a superfície desce suavemente para baixo, funde-se com um planalto interior, e então atinge o nível do mar novamente no Golfo Pérsico (ou Árabe). A Arábia Saudita não tem rios ou lagos permanentes.

Clima

A Arábia Saudita está nas mesmas latitudes do norte da África e do Golfo do México. Durante o verão, o calor é intenso na maior parte do país. Muitas vezes chega a 120 °F (48 °C), mesmo na sombra. As temperaturas de inverno são menos extremas. Embora ambas as áreas costeiras são bastante úmidas, a maior parte do país recebe muito pouca precipitação - apenas 2 a 4 polegadas (50 a 100 mm) de chuva por ano.

Regiões

Duas das seis grandes regiões do país estão no oeste. A Hijaz - lar de 34 por cento da população total, inclui várias das mais antigas cidades da península - Meca (Makkah) e Taif, por exemplo. Ao sul da Hijaz, a Asir recebe mais chuva do que qualquer outra região - até 30 polegadas (75 cm) no verão. Cerca de 70 por cento dos habitantes da Asir vivem em aldeias agrícolas.

A região central da Arábia Saudita é a Najd (Nejd), um grande planalto rochoso. A Najd é o coração dos Sauditas. É onde Riad, a capital e centro diplomático, está localizada. Apesar de anos decorrerem entre as chuvas, Najd detém 25 por cento da população do reino.

A quarta e quinta regiões são os desertos. O Nafud fica ao norte de Najd e é o lar de muitos pastores nômades. Ao sul de Najd, o Rub 'al Khali ("Quadrante Vazio") é um deserto proibitivo, cobrindo cerca de um terço da Arábia Saudita. Um mar de lençóis de areia e dunas, o Rub 'al Khali é totalmente sem água, desabitado, exceto por uns poucos nômades. Ambos os desertos são conectados pela Dahna, uma faixa fina de montanhas de areia.

A Província Oriental (ou Hasa) fronteira o Golfo Pérsico. Embora ela contenha o maior recurso natural da Arábia Saudita, suas reservas de petróleo, esta região tem apenas 13 por cento da população Saudita.

Recursos

Além de vastos depósitos de petróleo, alguns outros minerais, e os bancos de pesca ao longo de ambas as costas, o reino não tem outros recursos importantes. Menos de 1 por cento da terra é fértil.

População

O Árabe é a língua oficial. O Islã é a religião do Estado. Quase todos os cidadãos são Muçulmanos da seita Sunita do Islã, embora haja uma pequena minoria Islâmica Xiita.

A Arábia Saudita não relata um censo exato de seu povo. Mas as estimativas sugerem que cerca de 75 por cento deles são Árabes Sauditas - metade dos quais têm menos de 15 anos - além de alguns 5.400.000 trabalhadores estrangeiros. A proporção de não-Sauditas na força de trabalho total é alta. Cada vez mais, as pessoas do reino mudaram-se para suas cidades ou estabeleceram-se em comunidades oásis. Apenas 5 por cento ainda levam uma vida nômade.

Cidades

A maior cidade da Arábia Saudita é Riyadh, a capital. Uma vez um pequeno estabelecimento oásis, Riyadh foi modernizada e expandida. Os antigos bairros tradicionais de Riad foram substituídos por avenidas novas, escritórios e prédios do governo. Jiddah, a cidade mais cosmopolita da Arábia Saudita, é um porto de carga importante sobre o Mar Vermelho.

Centros urbanos na costa oriental do reino - Dammam, Dhahran e Jubail têm crescido com a indústria de petróleo do país. Jubail, um centro industrial e portuário governo-planejado, tem inúmeras grandes indústrias (petroquímica, fertilizantes, aço, plásticos e gás) e dezenas de indústrias leves. Ela está ligada por oleoduto trans-país à um novo centro industrial, Yanbu, no Mar Vermelho.

Não muito longe da costa do Mar Vermelho estão Meca (também escrito Makkah) e Medina, as cidades mais sagradas do mundo islâmico. A população permanente de Meca mais do que dobra durante o hajj, a peregrinação religiosa. Em Meca, o principal destino dos peregrinos é a Kaaba, uma estrutura que os Muçulmanos acreditam que foi construído pelo profeta Abraão. Medina foi a casa de Maomé, o fundador do Islã, durante os últimos anos de sua vida.

Modo de Vida

Embora os Árabes sejam economicamente avançados, a influência dos islâmicos e outros costumes tradicionais em sua vida diária ainda é enorme. A prática nacional de interromper toda a atividade cinco vezes por dia para a oração pública é apenas um exemplo dessa influência. Outros incluem uma proibição total da venda ou uso de álcool, e a segregação das mulheres em eventos públicos.

A tradição também pode ser vista nas roupas da Arábia. A maioria dos Sauditas veste roupas de tornozelo-comprimento em público, mesmo que eles possam usar roupas de estilo ocidental em casa. A maioria dos homens também usa uma cobertura para a cabeça (ghoutra) ligada por uma corda (agal), e as mulheres devem ser veladas, quando em áreas públicas.

Aos olhos ocidentais, o papel das mulheres Sauditas na vida pública é fortemente limitada. Uma mulher Saudita desacompanhada não costuma reunir-se com um homem a menos que ele seja um parente próximo. Como resultado, o namoro é desconhecido, e os casamentos são muitas vezes organizados pelas famílias.

As mulheres não podem dirigir carros, e devem obter a permissão de seus maridos ou outros parentes do sexo masculino antes de viajar qualquer distância. E enquanto as mulheres Sauditas têm recentemente se tornado médicas, engenheiras, professoras e funcionárias de banco, elas ainda são obrigadas a trabalhar em lugares separados.

Educação

Apenas algumas décadas atrás, praticamente todos os Sauditas eram educados em casa e em assembléias religiosas. A taxa de alfabetização do país subiu para quase 85 por cento, incluindo mais de 70 por cento das mulheres Sauditas. A Arábia Saudita tem várias universidades modernas, e muito poucos Sauditas estudam no exterior. A mais nova instituição de ensino superior é a Universidade de Ciência e Tecnologia do Rei Abdallah.

Lazer

Através de contatos com escolas estrangeiras, escritores, políticos e empresários, a Arábia Saudita começou a experimentar algumas mudanças culturais. Eles ainda desfrutam de formas tradicionais de lazer - poesia, corridas de cavalos, e falcoaria.

Mas jogar futebol, ler romances e assistir à televisão se tornaram populares, também. Como os Sauditas cada vez mais assistem à televisão e vídeos de outras partes do mundo, seus costumes sociais são obrigados a serem mais afetados.

Economia

O petróleo foi descoberto na Arábia Saudita em 1938. Como monarcas, os Sauds recebem toda a renda do reino a partir deste recurso, apesar de sua riqueza crescer lentamente no início. Não foi até a década de 1970 que bilhões de "dólares do petróleo" começaram a fluir para o tesouro do governo.

Oa planejadores Sauditas têm a intenção de fazer o reino auto-suficiente na produção de alimentos. Para isso, eles devem lidar com a escassez de água do país.

O governo tem explorado depósitos antigos de água muito abaixo da superfície. Usinas de dessalinização convertem a água do mar para água doce, que é bombeada para as fazendas, cidades e indústrias, centenas de milhas para o interior. Os agricultores usam os sistemas de irrigação por gotejamento.

Desde 1970, o reino gastou somas enormes para recuperar o deserto e melhorar a irrigação. Estes esforços têm mostrado alguma recompensa, com os agricultores Sauditas fornecendo uma percentagem crescente das necessidades alimentares da população. Os produtos agrícolas com a maior produção em toneladas incluem o trigo, cevada, tâmaras, melancias, tomates, e aves.

Tal sucesso criou seus próprios problemas. Ao ritmo atual de consumo de água, a Arábia Saudita enfrenta a perspectiva de esgotar sua fonte de água natural. E, apesar do sucesso agrícola do país, a Arábia Saudita gasta oito vezes mais para produzir sua colheita de trigo do que lhes custaria para importar o trigo de que necessitam.

Economia - visão geral:

A Arábia Saudita tem uma economia baseada no petróleo, com fortes controles governamentais nas mais importantes atividades econômicas. Possui cerca de 17% da reservas mundiais de petróleo comprovadas, classifica-se como o maior exportador de petróleo, e desempenha um papel de liderança na OPEP.

As contas do setor de petróleo para cerca de 80% das receitas orçamentais, 45% do PIB e 90% das receitas de exportação. A Arábia Saudita está incentivando o crescimento do setor privado, a fim de diversificar a sua economia e empregar mais cidadãos sauditas. Esforços de diversificação estão se concentrando em geração de energia, telecomunicações, exploração de gás natural e petroquímica.

Mais de 5 milhões de trabalhadores estrangeiros desempenham um papel importante na economia da Arábia Saudita, especialmente nos setores de petróleo e de serviços, enquanto Riad está lutando para reduzir o desemprego entre os seus nacionais. As autoridades sauditas estão especialmente focados em empregar sua população de jovens de grande porte, que geralmente não tem as habilidades de educação e técnico às necessidades do setor privado.

Riad substancialmente impulsionou os gastos com treinamento e educação, mais recentemente, com a abertura do rei Abdallah da Universidade de Ciência e Tecnologia - universidade da Arábia Saudita, co-educacional em primeiro lugar.

Como parte de seu esforço para atrair o investimento estrangeiro, a Arábia Saudita aderiu à OMC em dezembro de 2005, depois de muitos anos de negociações. O governo começou a criação de seis "cidades econômicas" em diferentes regiões do país para promover o investimento estrangeiro e planos para gastar 373 bilião dólares entre 2010 e 2014, em projetos sociais de desenvolvimento e infra-estrutura para promover o desenvolvimento econômico da Arábia Saudita.

Indústria do Petróleo

As reservas comprovadas de petróleo do reino equivalem a cerca de 20 por cento das reservas totais do mundo. A produção é centrada em 14 campos de petróleo, principalmente na Província Oriental. Entre os mais importantes estão Ghawar (creditado como o maior campo de petróleo do mundo) e Safaniyah (o maior campo offshore).

Em 1960, a Arábia Saudita e outros produtores de petróleo da Ásia, África e América do Sul formaram um cartel de fixação de preços conhecido como a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). O Rei Faisal desempenhou um grande papel na construção da cooperação entre os membros da OPEP, que projetou um aumento acentuado do preço do petróleo durante a década de 1970.

Entre 1981 e 1995, a renda per-capita do país diminuiu drasticamente. E os líderes Sauditas cresceram convencidos da necessidade de diversificar sua economia para reduzir a dependência das exportações de petróleo.

A década de 1990 viu o sucesso dos esforços do governo para expandir a indústria petroquímica e para incentivar as empresas que produziam bens para os mercados nos vizinhos estados do Golfo. Mas, no século 21 o desemprego manteve-se elevado entre os cidadãos Sauditas, principalmente entre os mal educados trabalhadores mais jovens. (Cerca de 80 por cento desses empregados são trabalhadores estrangeiros). O governo aumentou o seu investimento na educação para preparar melhor seus nacionais para o emprego remunerado.

História

Os arqueólogos confirmam que civilizações floresceram na Península Arábica pelo menos, 7.000 anos atrás. Naquela época, a Arábia era uma terra fértil; mas, por 3.000 aC, o clima mudou, e grande parte do interior tornou-se um deserto.

Os habitantes nômades do deserto, os tribais Beduínos, então desenvolveram uma economia baseada em animais e plantas - camelos, ovelhas, e tâmaras -que poderiam sobreviver em torno dos oásis espalhados da península. Eles também desenvolveram florescentes rotas de comércio com os assentamentos costeiros.

Maomé e o Islã

Em 570, uma criança que viria a se tornar um dos grandes líderes religiosos de todos os tempos, nasceu na cidade comercial de Meca. Muhammad tinha 40 anos, quando ele anunciou que tinha recebido revelações de Deus.

Os líderes de Meca rejeitaram-no como um profeta, no entanto, e Maomé fugiu para Yathrib (Medina) em 622. Ele reuniu seguidores rapidamente depois disso, e, finalmente, conquistou Meca e a maior parte da Arábia. (A viagem de Maomé para Medina, a Hégira, marca o primeiro ano do calendário Muçulmano).

Maomé morreu em 632, mas o Islã continuou a ganhar seguidores. Dentro do próximo século, a nova religião espalhou - muitas vezes por meio da conquista - no Oriente Médio e para terras tão distantes como a Espanha e a China.

Gradualmente, a sede do poder dentro do mundo Muçulmano mudou para o norte da península, que veio a ficar sob ataque externo. Por volta dos 1500s, o Império Turco Otomano tinha conquistado a costa leste e oeste da Arábia, embora grande parte do interior deserto da península ainda permanecesse nas mãos de tribos Beduínas.

A família Saud

Por volta de 1700, a observância do Islã tornou-se corrompida na Arábia. Um reformador religioso, Muhammad Bin Abd al-Wahhab, começou um movimento para restaurar o Islã ao seu espírito original. Com a ajuda material dos príncipes da família Saud, esse movimento, conhecido como Wahabismo, rapidamente ganhou seguidores. Os Otomanos viram o Wahhabismo como uma ameaça ao seu controle de Meca, e enviaram exércitos para esmagar os Sauditas. Embora derrotados, os Sauditas mantiveram suas ambições reformistas.

Em 1902, Abdul Aziz Al-Saud ("Ibn Saud") recapturou Riyadh, sede tradicional de sua família em Najd. Nos anos seguintes, ele expulsou os Otomanos de Hasa e conquistou Hijaz e Asir. Em 1926, ele controlava mais de três quartos da Península Arábica. Todas tais conquistas foram unificadas em 1932, quando o nome de Reino da Arábia Saudita foi dado ao novo país.

Após sua morte em 1953, Ibn Saud foi sucedido como rei por cinco de seus filhos: Saud (1953), Faisal (1964), Khalid (1975), Fahd (1982), e Abdullah (2005), que havia sido governante de fato desde 1995 devido à saúde debilitada de Fahd.

A Arábia Saudita e o Mundo

A riqueza do petróleo da Arábia Saudita e sua importância religiosa para os Muçulmanos lhe permitiram desempenhar um papel importante nos assuntos internacionais. O governo Saudita ajudou o Iraque durante a Guerra Irã-Iraque (1980-88). O seu apoio para o Iraque se evaporou rapidamente, no entanto, quando o Iraque invadiu o vizinho Kuwait em Agosto de 1990, e as tropas dos EUA foram convidadas para a Arábia Saudita para evitar novas agressões Iraquianas.

As forças Sauditas juntaram-se à coalizão multinacional que derrotou o Iraque na Guerra do Golfo de 1991. Depois da Guerra do Iraque de 2003, que o governo Saudita silenciosamente apoiou, os Estados Unidos removeram quase todas as suas forças militares da Arábia Saudita.

Quando manifestações contra o governo e revoltas, conhecidas como a "primavera Árabe", varreram grande parte do mundo Árabe em 2011, a Arábia Saudita apoiou as monarquias relativamente estáveis da região. Internamente, ela em grande parte neutralizou a oposição pelo aumento dos salários, a construção de habitações, e o financiamento de organizações religiosas.

Ela aumentou unilateralmente sua produção de petróleo para compensar a escassez criada pelos combates na Líbia, Síria e Yêmen. Muitas de suas ações foram tomadas para defender as monarquias Árabes Sunitas contra a crescente influência regional do Irã Xiita e não-Árabe.

Governo

O reino da Arábia Saudita funciona como uma monarquia absoluta. O rei e sua família tomam todas as decisões-chave. O rei anunciou uma nova constituição e declaração de direitos em 1992 em resposta às demandas por uma reforma política após a Guerra do Golfo. Em 1993, ele inaugurou um Conselho Consultivo de consultoria. Os membros do gabinete e este conselho são nomeados pelo rei, que é também o primeiro-ministro.

A monarquia é contida, no entanto, pela lei religiosa do Islã (sharia), que os tribunais administram como a lei da terra. As primeiras eleições do país em 60 anos, que selecionou alguns membros dos conselhos locais, foram realizadas em 2005. Um terço dos membros do Conselho Consultivo nacional eram esperados para serem escolhidos por voto popular em três anos. Ainda não há partidos políticos, e as mulheres não têm permissão para votar.

William Ochsenwald

Fonte: Internet Nations

Arábia Saudita

Arábia Saudita é um país da Ásia que se localiza junto do Golfo Pérsico, entre o Mar Vermelho e o Mar Morto e que se encontra cercado por países como Israel, Egito, Iraque, Jordânia, Kuwait, Omã, Emirados Árabes Unidos, entre outros ... A sua capital é a cidade de Riade e conta com uma população de cerca de 30 milhões de pessoas.

O Reino da Arábia Saudita é um dos mais ricos do continente, um país cujas raízes foram plantadas por volta de 1750 e que tem crescido progressivamente sobre os lucros do petróleo, a principal fonte de rendimentos deste país que conta ainda com inúmeras atrações e zonas onde poderá passar umas férias.

Este país é uma monarquia autoritária, sendo que no monarca concentra-se todo o poder. Não existem partidos políticos ou eleições, e apenas o Islamismo está acima do poder do monarca.

A Arábia Saudita é um dos países mais secos e mais quentes da Ásia. O deserto que o atravessa permite esta situação, embora junto do Mar Vermelho conte com atrativos deslumbrantes de sol e de praias. A natureza deste país também se destaca, não só pelos recifes do Mar Vermelho, mas também por algumas outras espécies, como os lobos, as hienas ou os babuínos do deserto.

Riad, Meca, Medina ou Jeddah são as principais cidades da Arábia, um país cuja economia encontra-se baseada no petróleo, sendo o principal exportador mundial.

Da sua população, a maioria é árabe de religião muçulmana, mas existem também outras religiões que formam uma pequena minoria. Sobre a sua cultura, esta gira de forma destacada á volta do islamismo, pelo que se decide passar umas férias na Ásia, saiba que o álcool e a carne de porco não são permitidas e o acesso a cidades como Meca é permitido somente a muçulmanos.

Fonte: asia.costasur.com

Arábia Saudita

História

Arábia Saudita traça suas raízes até as primeiras civilizações da Península Arábica. Ao longo dos séculos, a península tem desempenhado um papel importante na história como um centro de comércio antigo e como o berço do Islã, um dos principais do mundo religiões monoteístas.

Desde que o rei Abdulaziz Al-Saud estabeleceu o Reino da Arábia Saudita moderna, em 1932, sua transformação foi surpreendente.

Em poucas décadas, o Reino transformou-se de uma nação deserto para um estado moderno, sofisticado e um grande jogador no cenário internacional.

História Antiga

A primeira evidência concreta da presença humana na Península Arábica remonta 15.000 a 20.000 anos. Bandas de caçadores-coletores percorriam a terra, vivendo de animais e plantas silvestres.

Como a camada de gelo derretido Europeia durante a última Era Glacial, cerca de 15.000 anos atrás, o clima na península tornou-se seco. Vastas planícies cobertas de uma vez pastagens luxuriantes deu lugar ao cerrado e desertos, e os animais selvagens desapareceram. Sistemas fluviais também desapareceu, deixando em seu rastro os leitos de rios secos (wadis) que são encontrados na península de hoje.

Esta mudança climática forçou os seres humanos a se mudar para os vales verdejantes e oásis. Não é mais capaz de sobreviver como caçadores-coletores, eles tiveram que desenvolver um outro meio de sobrevivência. Como resultado, a agricultura desenvolvida - primeiro na Mesopotâmia, em seguida, o Nile River Valley, e, eventualmente, se espalhando por todo o Oriente Médio.

O desenvolvimento da agricultura trouxe outros avanços. Olaria permitiu aos agricultores para armazenar alimentos. Animais, incluindo cabras, bovinos, ovinos, cavalos e camelos, foram domesticados, e as pessoas abandonado caça completamente. Esses avanços feitos agricultura intensiva possível. Por sua vez, tornou-se mais assentamentos permanentes, levando para as bases do que chamamos de civilização - a linguagem, a escrita, os sistemas políticos, arte e arquitetura.

Um Centro Comercial Antiga

Localizado entre os dois grandes centros da civilização, o Nile River Valley e na Mesopotâmia, a Península Arábica era a encruzilhada do mundo antigo. O comércio foi crucial para o desenvolvimento da área; rotas de caravanas se tornou artérias comerciais que fizeram possível a vida na península pouco povoada.

O povo da península desenvolveu uma complexa rede de rotas comerciais para o transporte de produtos agrícolas altamente procurados na Mesopotâmia, o vale do Nilo e da Bacia do Mediterrâneo. Esses itens incluídos amêndoas de Taif, datas dos muitos oásis, e aromáticos, como incenso e mirra da planície Tihama.

Especiarias também foram itens comerciais importantes. Eles foram enviados através do Mar Arábico da Índia e, em seguida, transportado por caravana.

As caravanas enormes viajou do que é agora Omã e Iêmen, ao longo das grandes rotas comerciais que atravessam Asir Arábia Saudita Província e, em seguida, através de Meca e Medina, chegando até os centros urbanos do norte e oeste.

O povo da Península Arábica permaneceram praticamente intocados pela turbulência política na Mesopotâmia, o vale do Nilo e no Mediterrâneo oriental. Seus bens e serviços foram em grande demanda, independentemente do que o poder era dominante no momento - Babilônia, Egito, Pérsia, Grécia e Roma. Além disso, a grande extensão da península do deserto formaram uma barreira natural que o protegeu da invasão por vizinhos poderosos.

O nascimento do Islã

Por volta do ano 610, Maomé, um nativo do próspero centro comercial de Meca, recebeu uma mensagem de Deus (em árabe, Allah), através do Anjo Gabriel. Como mais revelações lance-o a proclamar a unicidade de Deus universalmente, seguinte do profeta Maomé cresceu.

Em 622, o aprendizado de um plano de assassinato contra ele, o Profeta levou seus seguidores para a cidade de Yathrib, que mais tarde foi chamado Madinat Al-Nabi (Cidade do Profeta) e agora simplesmente conhecido como Medina. Esta foi a Hégira, ou migração, que marca o início do calendário islâmico.

Dentro dos próximos anos, várias batalhas ocorreram entre os seguidores do Profeta Maomé e os pagãos de Meca. Por 628, quando Medina estava inteiramente nas mãos dos muçulmanos, o Profeta tinha unificado as tribos tanto sucesso que ele e seus seguidores reentrou Meca sem derramamento de sangue.

O Império Islâmico

Menos de 100 anos depois do nascimento do Islã, o Império Islâmico alargado de Espanha para partes da Índia e da China. Embora os centros do poder político tinha saído da Península Arábica, o comércio floresceu na área.

Além disso, um grande número de peregrinos começaram a visitar regularmente a península, com alguns se estabelecer nas duas cidades sagradas de Meca e Medina. Estes peregrinos facilitou a troca de idéias e culturas entre os povos da península e outras civilizações do mundo árabe e muçulmano.

O surgimento do árabe como língua de aprendizagem internacional foi outro fator importante para o desenvolvimento cultural da Península Arábica. O mundo muçulmano se tornou um centro de aprendizagem e de avanços científicos durante o que é conhecido como a "Idade de Ouro".

Estudiosos muçulmanos fizeram contribuições importantes em muitas áreas, incluindo medicina, biologia, filosofia, astronomia, artes e literatura. Muitas das idéias e métodos pioneiros estudiosos muçulmanos se tornou a base das ciências modernas.

O Império Islâmico prosperou até o século 17, quando ele quebrou-se em pequenos reinos muçulmanos. A Península Arábica gradualmente entrou em um período de relativo isolamento, apesar de Meca e Medina, continua a ser o coração espiritual do mundo islâmico e continuou a atrair peregrinos de diversos países.

O Estado Arábia Primeiro

No início do século 18, um estudioso muçulmano e reformador chamado Shaikh Muhammad bin Abdul Wahhab começaram a defender um retorno à forma original do Islã. Abdul Wahhab foi inicialmente perseguido por estudiosos locais e líderes religiosos que viram os seus ensinamentos como uma ameaça a suas bases de poder. Ele buscou proteção na cidade de Diriyah, que foi governado por Muhammad bin Saud.

Muhammad bin Abdul Wahhab e Muhammad bin Saud formado um acordo para dedicar-se a restaurar os ensinamentos puros do Islã para a comunidade muçulmana. Nesse espírito, bin Saud estabeleceu o Primeiro Estado Saudita, que prosperou sob a orientação espiritual de Bin Abdul Wahhab, conhecido simplesmente como o Shaikh.

Por 1788, o Estado saudita governou sobre todo o planalto central conhecida como o Najd. No início do século 19, a sua regra estendida a maior parte da Península Arábica, incluindo Meca e Medina.

A popularidade eo sucesso dos governantes Al-Saud despertou a suspeita do Império Otomano, a potência dominante no Oriente Médio e Norte da África na época. Em 1818, os otomanos enviou uma grande força expedicionária armados com artilharia moderna para a região ocidental da Arábia.

O exército otomano sitiada Diriyah, que já havia se tornado uma das maiores cidades da península. Forças otomanas destruiu a cidade com armas de campo e tornou permanentemente inabitável por arruinar a poços e arrancando palmas de data.

O Estado Arábia Segundo

Em 1824, a família Al-Saud tinha recuperado o controle político da Arábia central. O governante saudita Turki bin Abdullah Al-Saud transferiu sua capital para Riad, a cerca de 20 quilômetros ao sul de Diriyah, e estabeleceu o segundo estado saudita. Durante seu reinado de 11 anos, Turki conseguiu retomar a maioria das terras perdidas para os otomanos. Como ele expandiu seu governo, ele tomou medidas para garantir que o seu povo gozavam de direitos, e viu ao seu bem-estar.

Sob Turki e seu filho, Faisal, o segundo estado Arábia desfrutou de um período de paz e prosperidade, e comércio e agricultura floresceu. A calma foi quebrada em 1865, por uma campanha renovada Otomano estender seu império do Oriente Médio para a Península Arábica. Exércitos otomanos capturaram partes do Estado saudita, que foi governado na época por filho de Faisal, Abdulrahman. Com o apoio dos otomanos, a família Al-Rashid de Ave fez um esforço para derrubar o Estado saudita.

Diante de um exército muito maior e mais bem equipado, Abdulrahman bin Faisal Al-Saud foi forçado a abandonar sua luta em 1891. Ele buscou refúgio com as tribos de beduínos no deserto de areia vasta Arábia oriental conhecido como o Rub 'Al-Khali, ou "quarto vazio." De lá, Abdulrahman e sua família viajaram para o Kuwait, onde permaneceram até 1902. Com ele estava o filho, Abdulaziz, que já estava fazendo a sua marca como um líder natural e um guerreiro feroz pela causa do Islã.

O Reino da Arábia Saudita moderna

O Abdulaziz jovem foi determinado a recuperar seu patrimônio da família Al-Rashid, que havia assumido Riad e estabeleceu um governador e guarnecer lá. Em 1902, Abdulaziz, - acompanhado por apenas 40 seguidores - fizeram uma ousada marcha noturna em Riad para retomar a guarnição da cidade, conhecida como a Fortaleza Masmak. Este evento lendário marca o início da formação do estado moderno Saudita.

Depois de estabelecer Riad como seu quartel-general, Abdulaziz capturado todo o Hijaz, incluindo Meca e Medina, em 1924 a 1925. No processo, ele uniu tribos guerreiras em uma nação.

Em 23 de setembro de 1932, o país foi chamado o Reino da Arábia Saudita, um Estado islâmico com o árabe como língua nacional e do Alcorão como a sua constituição.

Rei Abdulaziz (1932-1953)

O lendário Rei Abdulaziz foi um líder notável de imaginação e visão que estabeleceu a Arábia Saudita no caminho para a modernização. Durante seu reinado, o rei Abdulaziz iniciou a construção de infra-estrutura do país. Ele estabeleceu estradas e sistemas básicos de comunicações, introduziu a tecnologia moderna, e melhoria da educação, saúde e agricultura.

Embora nunca King Abdulaziz viajou para além do mundo árabe, ele foi um estadista altamente sofisticado. Líderes estrangeiros e diplomatas que se reuniram com ele saiu impressionado com a sua integridade e honestidade.

Ele era famoso por dispensando sutilezas diplomáticas em favor do debate franco e sincero. Ele foi tão bem conhecido por manter suas promessas, se dada a um beduíno simples ou de um líder mundial. Estas qualidades reforçada a sua estatura como um líder confiável e responsável dedicado à paz e justiça.

Rei Saud (1953-1964)

O mais velho Abdulaziz 'filho Saud subiu ao trono após a morte de seu pai em 1953. Ele continuou legado de King Abdulaziz, criando o Conselho de Ministros e estabelecer os Ministérios da Saúde, Educação e Comércio. Um dos maiores sucessos do rei Saud foi o desenvolvimento da educação - sob seu governo, muitas escolas foram estabelecidas no Reino Unido, incluindo o seu primeiro instituto de ensino superior, King Saud University, em 1957.

Rei Saud também deixou sua marca globalmente. Em 1957, ele se tornou o primeiro monarca saudita a visitar os Estados Unidos. Em 1962, ele patrocinou uma conferência islâmica internacional que se tornaria a Liga Muçulmana Mundial, com sede em Meca.

Rei Faisal (1964-1975)

Rei Faisal bin Abdulaziz foi um inovador visionário com um grande respeito pela tradição. Ele iniciou o primeiro de uma série de planos de desenvolvimento econômico e social que transformariam infra-estrutura da Arábia Saudita, especialmente da indústria, e definir o Reino em um caminho de crescimento rápido. Ele também estabeleceu as primeiras escolas públicas para meninas.

Na política externa, o rei Faisal mostrou um firme compromisso com o mundo islâmico. Ele era uma força central por trás do estabelecimento, em Jeddah, em 1971, da Organização da Cooperação Islâmica (OCI), um grupo de 57 países islâmicos, que promove a unidade islâmica e de cooperação.

Durante todo o período turbulento da década de 1960 e 1970, que incluíram duas guerras árabe-israelenses e da crise do petróleo de 1973, o rei Faisal era uma voz de paz, moderação e estabilidade.

ReiKhalid (1975-1982)

Khalid bin Abdulaziz conseguiu Rei Faisal, em 1975. King Khalid também enfatizou desenvolvimento, e seu reinado foi marcado por um crescimento quase explosivo na infra-estrutura física do país. Foi um período de enorme riqueza e prosperidade para a Arábia Saudita.

No plano internacional, o Rei Khalid era uma força motriz na formação do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), em 1981, uma organização que promove a cooperação econômica e de segurança entre os seus países-membros seis: Bahrein, Kuwait, Omã, Catar, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita.

Rei Fahd (1982-2005)

Sob o Rei Fahd bin Abdulaziz, que adotou o título de Custodiante das Duas Mesquitas Sagradas, a Arábia Saudita continuou o seu enorme desenvolvimento socioeconômico e emergiu como uma força política e econômica.

Rei Fahd foi central para os esforços da Arábia Saudita para diversificar a sua economia e promover a iniciativa privada e investimento. Ele reestruturou o governo saudita e aprovou os primeiros em todo o país as eleições municipais, que teve lugar em 2005.

Uma das maiores conquistas do Rei Fahd da Arábia Saudita foi uma série de projetos para expandir as instalações do Reino para acomodar os milhares de peregrinos que vêm para o país a cada ano. Estes projetos envolveram grandes expansões de dois Islam locais mais sagrados, a Mesquita Sagrada de Meca e da Mesquita do Profeta em Medina, bem como aeroportos e portos.

No cenário internacional, o rei Fahd trabalhou ativamente para resolver as crises regionais e globais. Essas crises incluído o conflito árabe-palestino, a invasão do Kuwait pelo Iraque, a guerra civil libanesa, além de conflitos na Bósnia-Herzegovina, Kosovo, Chechênia, Afeganistão, Somália e Caxemira.

Como o príncipe herdeiro em 1981, ele propôs um plano de oito pontos para resolver o conflito árabe-israelense e dar aos palestinos um Estado independente.

O plano foi considerado uma das primeiras tentativas de encontrar uma solução justa e duradoura que levou em consideração as necessidades de ambos os árabes e Israel. Foi aprovado por unanimidade pela Liga Árabe em uma cúpula em Fez, Marrocos, em 1982.

Rei Fahd também anos dedicados da diplomacia para resolver a guerra civil no Líbano. Ele organizou um encontro de membros do parlamento libanês em Taif, Arábia Saudita, em 1989. A reunião resultou em um acordo de reconciliação nacional assinado em Taif, que terminou a luta e abriu o caminho para a reconstrução com a ajuda da Arábia Saudita e outros países árabes.

Talvez a maior crise internacional do governo do Rei Fahd ocorreu quando o Iraque invadiu o Kuwait em 2 de agosto de 1990. O rei teve um papel fundamental em unir à coalizão internacional que expulsou as forças iraquianas do Kuwait.

Rei Fahd também estava preocupado com questões humanitárias. Sob seu comando, a Arábia Saudita desde assistência humanitária de emergência para vários países, incluindo a Somália, Bósnia e no Afeganistão, bem como os países que sofrem desastres naturais, tais como terremotos (Turquia em 1999, o Irã em 2003) e do tsunami que atingiu o Sudeste Asiático em Dezembro de 2004.

O rei Abdullah (2005 -)

Guardião das Duas Mesquitas Santo Rei Abdullah bin Abdulaziz acedeu ao trono após a morte do rei Fahd em 1 de agosto de 2005.

O rei Abdullah, nasceu em Riade, em 1924, e recebeu sua educação na corte real. Influenciado por seu pai, o rei Abdulaziz, ele desenvolveu um profundo respeito pela história, religião e herança árabe. Seus anos vivendo no deserto com tribos beduínas ensinou-lhe os seus valores de honra, simplicidade, generosidade e coragem, e incutiu nele a vontade de ajudar no desenvolvimento de seu povo.

Como príncipe herdeiro, ele viajou muito no Reino e inaugurou uma série de projetos em todo o país. Em 2005, ele acompanhou de perto o processo de eleição para os conselhos municipais do país.

A visita do príncipe primeiro oficial para os Estados Unidos foi em 1976, quando ele se encontrou com o presidente Gerald Ford. Desde então, ele tem feito uma série de visitas aos Estados Unidos, incluindo o mais recente em 25 de abril de 2005, para rancho do presidente George W. Bush em Crawford, Texas.

Sua diplomacia internacional reflete o papel da Arábia Saudita liderança na defesa das questões árabes e islâmicos e para a conquista da estabilidade mundial, paz e segurança. Paz no Oriente Médio e no sofrimento dos palestinos são uma preocupação especial com o rei Abdullah. Sua proposta de paz árabe-israelense abrangente, apresentado na Cúpula Árabe de Beirute, em 2002, foi adotada pela Liga dos Estados Árabes e é conhecida como a Iniciativa de Paz Árabe.

O rei Abdullah foi firme em sua condenação do terrorismo. Na Conferência Internacional de Contraterrorismo em Riad, em fevereiro de 2005, ele pediu uma maior cooperação internacional para combater este problema global.

Príncipe herdeiro príncipe Salman bin Abdulaziz

Sua Alteza Real o Príncipe Salman bin Abdulaziz foi designado príncipe herdeiro do Reino da Arábia Saudita, e nomeado vice-primeiro-ministro, por Guardião das Duas Mesquitas Santo Rei Abdullah bin Abdulaziz em 18 de junho de 2012, após a morte do príncipe Nayef bin Abdulaziz . Príncipe herdeiro Salman também serve como ministro da Defesa.

Príncipe Salman nasceu em Riade, em 31 de dezembro de 1935, e recebeu a sua formação na Escola do Príncipe, em Riad. Ele serviu como vice-governador de Riad de março de 1954 a abril de 1955, e governador de Riad de abril de 1955 a dezembro 1960 e novamente de fevereiro de 1963 a 05 de novembro de 2011, quando foi nomeado ministro da Defesa.

Desde 1956, o príncipe Salman presidiu várias comissões humanitárias e de serviços que proporcionam alívio de desastres naturais e provocados pelo homem.

Por seus serviços humanitários, ele foi premiado com medalhas e condecorações, incluindo prêmios de Bahrain, Bósnia e Herzegovina, França, Marrocos, Palestina, Filipinas, Senegal, as Nações Unidas, Iêmen, e do Rei Abdulaziz Medalha - Primeira Classe.

Ele é um destinatário de vários títulos honoríficos e distinções acadêmicas, incluindo um doutorado honorário da Universidade Islâmica de Medina, o príncipe Salman prêmio acadêmico, ea Medalha de Kant pela Academia de Berlim-Brandenburgo de Ciências e Humanidades na apreciação de suas contribuições para o campo da ciência.

Durante as visitas oficiais para os Estados Unidos em abril de 2012, o príncipe Salman reuniu com o presidente Barack Obama e um número de funcionários nos EUA.

Fonte: www.saudiembassy.net

Arábia Saudita

Nome completo: Reino da Arábia Saudita
População: 28 milhões (ONU, 2011)
Capital: Riyadh
Área: 2,24 milhões de quilômetros quadrados (864.869 milhas quadradas)
Grande língua: Árabe
Principal religião: o Islã
Expectativa de vida: 73 anos (homens), 76 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 Rial = 100 halalah
Principais exportações: petróleo, gás, cereais
RNB per capita: EUA 17820 dólares (Banco Mundial, 2011)
Domínio da Internet:. SA
Código de discagem internacional: 966

Perfil

Um dos países mais devotos e insular no Oriente Médio, a Arábia Saudita surgiu de ser um reino do deserto subdesenvolvido para se tornar uma das nações mais ricas da região graças aos recursos do petróleo vastas.

Mas seus governantes enfrentam a tarefa delicada de responder a pressões por reforma e de combate à violência extremista.

Nomeado após a decisão da família Al Saud, que chegou ao poder, no século 18, o país inclui a região Hijaz - o local de nascimento do profeta muçulmano Maomé eo berço do Islã. Este fato, combinado com a Saud Al 'adoção de uma interpretação estrita do Islã sunita conhecida como wahabismo, a levou a desenvolver uma forte auto-identidade religiosa.

A Arábia Saudita foi criada em 1932 pelo rei Abd-al-Aziz - conhecido como o Leão de Najd - que assumiu Hijaz da família Hachemita e país unido sob a regra de sua família. Desde sua morte, em 1953, ele foi sucedido por vários filhos.

O monopólio da Al Saud dinastia de poder dizer que durante o século 20 reis sucessivos foram capazes de concentrar-se na modernização e no desenvolvimento de papel do país como uma potência regional.

Tem sido sempre no interesse da família governante para preservar a estabilidade na região e reprimir a elementos extremistas. Para este fim, congratulou-se o estacionamento de tropas norte-americanas no país após a invasão do Kuwait pelo Iraque em 1990.

Mas recusa a liderança de tolerar qualquer tipo de oposição pode ter incentivado o crescimento de grupos dissidentes, como Osama Bin Laden, a Al-Qaeda, que beneficiou de ressentimento popular contra o papel de os EUA no Oriente Médio. Membros da minoria xiita grande, que formam a maioria na província rica em petróleo do Oriente, tornaram-se cada vez mais vocal em suas demandas por direitos civis.

Após os ataques terroristas em Nova York e Washington em 11 de Setembro de 2001 - realizada principalmente pela Arábia nacionais - as autoridades sauditas foram ainda dividido entre os seus instintos naturais para reforçar a segurança interna e pressão para permitir um maior grau de democracia.

Em 2003, terroristas suicidas suspeitos de ter ligações com a Al-Qaeda matou 35 pessoas - incluindo um número de estrangeiros - no Riad capital. Alguns sauditas que se refere aos ataques como sua própria 9/11. Os alvos de outros ataques de militantes têm incluído os trabalhadores estrangeiros. As forças de segurança têm feito milhares de prisões.

Exigências para a reforma política têm aumentado. As eleições municipais em 2005 foram um exercício, primeiro limitado em democracia. Mas os partidos políticos estão proibidos - a oposição está organizada de fora do país - e os ativistas que publicamente abordar o tema da reforma do risco de ser preso.

Chamadas para a mudança social estão em ascensão, também. Ativistas pelos direitos das mulheres tornaram-se mais vocal, com foco em campanhas de práticas, tais como o direito de dirigir. Usuários de mídias sociais também estão testando os limites da liberdade de expressão.

A Arábia Saudita está presente em mais de 25% das reservas mundiais de petróleo conhecidas. Ele é capaz de produzir mais de 10 milhões de barris por dia, esse número tende a aumentar.

Arábia Saudita
A cidade sagrada de Meca é o destino de milhões de peregrinos muçulmanos a cada ano

Uma cronologia dos principais eventos:

1871 - Os otomanos assumir o controle da província de Hasa.

1891 - A família Al Saud são exilados para o Kuwait pela família Rashidi.

1902 - Abd-al-Aziz Bin-Abd-al-Rahman Bin-Faysal Bin Turki Bin Abdallah Bin-Muhammad Al Saud (também conhecido como Ibn Saud) assume o controle de Riade trazer a família de volta para Al Saud na Arábia Saudita.

1912 - O Ikhwan (Brotherhood) é fundada com base em wahhabismo, que cresce rapidamente e oferece apoio fundamental para Abd-al-Aziz.

1913 - Hasa é retirado do otomanos por Abd-al-Aziz.

1921 - Abd-al-Aziz leva o título de sultão Najd.

1924 - Meca recuperado.

1925 - Medina retomada.

Problemas Fraternidade

1926 - Abd-al-Aziz é proclamado Rei do Hijaz na Grande Mesquita de Meca.

1928-30 - A virada Ikhwan contra Abd-al-Aziz devido à modernização da região e do número crescente de não-muçulmanos. Eles são derrotados por Abd-al-Aziz.

1932 Setembro - As áreas controladas por Abd-al-Aziz são unificados sob o nome de Reino da Arábia Saudita e Abd-al-Aziz é proclamado rei.

1933 - O filho mais velho do rei Abd-al-Aziz, Saud, é nomeado príncipe herdeiro.

1938 - O petróleo é descoberto ea produção começa sob a Aramco controlado pelos EUA (Arabian American Oil Company).

1953 novembro - Rei Abd-al-Aziz morre e é sucedido pelo príncipe herdeiro Saud Bin-Abd-al-Aziz Al Saud. O irmão do novo rei, Faysal é nomeado príncipe herdeiro.

Rei Saud deposto

1960 - A Arábia Saudita é um membro fundador da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo).

1964 novembro - King Saud é deposto por seu irmão, o príncipe herdeiro, Faysal Bin-Abd-al-Aziz Al Saud.

1970 - A OIC (Organização da Conferência Islâmica) é fundada em Jeddah.

1972 - Arábia Saudita ganha o controle de uma proporção (20%) da Aramco, diminuindo o controle dos EUA sobre o petróleo da Arábia Saudita.

1973 - A Arábia Saudita lidera um boicote contra os países ocidentais que apoiaram Israel na Guerra de Outubro contra o Egito ea Síria. Os preços do petróleo quádruplo.

Rei Faysal assassinado

1975 Março - rei Faysal é assassinado por seu sobrinho, Faysal Bin Musaid Bin-Abd-al-Aziz, ele é sucedido por seu irmão, Khalid Bin-Abd-al-Aziz Al Saud.

1979 - Arábia Saudita corta relações diplomáticas com o Egito depois de fazer a paz com Israel.

1979 - Os extremistas aproveitem a Grande Mesquita de Meca, o governo recupera o controle após 10 dias e os capturados são executados.

1980 - Arábia Saudita assume o controle total da Aramco de os EUA.

1981 Maio - A Arábia Saudita é um membro fundador do GCC (Conselho de Cooperação do Golfo).

Rei Khalid morre

1982 Junho - King Khalid morre de um ataque do coração e é sucedido por seu irmão, o príncipe Fahd Bin-Abd-al-Aziz Al Saud.

1986 novembro - King Fahd acrescenta o título de "Guardião das Duas Mesquitas Sagradas" ao seu nome.

1987 - Arábia Saudita retoma relações diplomáticas com o Egito, separada desde 1979.

1990 - Arábia Saudita condena invasão do Kuwait pelo Iraque e pede os EUA de intervir, que permite que as tropas estrangeiras, o governo do Kuwait e muitos de seus cidadãos para permanecer na Arábia Saudita, mas cidadãos expulsa do Iêmen e Jordânia por causa do apoio de seus governos do Iraque.

Arábia ataca o Iraque

1991 - A Arábia Saudita está envolvido em ambos os ataques aéreos no Iraque e na força de terra que passou a libertar o Kuwait.

1992 Março - King Fahd anuncia o "Sistema Básico de Governo", enfatizando os deveres e RESPONSABILIDADES de um governante. Ele propõe a criação de um Conselho Consultivo (Majlis al-Shura).

De setembro de 1993 - O rei Fahd decreta a divisão da Arábia Saudita em 13 divisões administrativas.

1993 Dezembro - O Conselho Consultivo é inaugurada. Ele é composto por um presidente e 60 membros escolhidos pelo rei.

1994 - islâmico dissidente Osama Bin Laden é despojado de sua nacionalidade saudita.

Rei Fahd doente

1995 novembro - King Fahd tem um derrame. Príncipe Abdullah Bin-Abd-al-Aziz Al Saud assume o funcionamento do dia-a-dia do país.

Fevereiro de 1996 - O rei Fahd retoma o controle dos assuntos do Estado.

Junho de 1996 - Uma bomba explode no complexo de militares dos EUA perto Dhahran matando 19 e ferindo mais de 300.

Julho de 1997 - O rei Fahd aumenta os membros do Conselho Consultivo (Majlis al-Shura) 60-90.

Outubro de 1999 - Vinte mulheres sauditas assistir a uma sessão do Conselho Consultivo para o primeiro tempo.

Setembro de 2000 - baseada no Reino Unido grupo de direitos Anistia Internacional descreve o tratamento da Arábia Saudita de mulheres, particularmente trabalhadores domésticos estrangeiros, como "insustentável" por qualquer norma legal ou moral.

2001 Março - Vários trabalhadores britânicos são presos em Riad após uma série de explosões em que uma britânica e um cidadão americano são mortos.

Relações com os EUA

2001 11 de Setembro - 15 dos 19 seqüestradores envolvidos nos ataques contra Nova York e Washington são cidadãos sauditas.

De dezembro de 2001 - O rei Fahd chama para a erradicação do terrorismo, dizendo que é proibido pelo Islã; governo dá o passo sem precedentes de emissão de cartões de identificação para as mulheres.

Fevereiro de 2002 - homem britânico detido em Riad após os atentados de Março de 2001 afirma as autoridades sauditas o torturaram e forçou uma confissão.

O homem, Ron Jones, tinha sido liberado depois de ser autorizado a retirar a sua confissão.

Maio de 2002 - Código Penal revisto inclui proibição da tortura e direito dos suspeitos a representação legal, mas ativistas de direitos humanos dizem violações continuam.

Novembro de 2002 - o chanceler saudita diz que seu país não vai permitir que os EUA de usar suas instalações para atacar o Iraque, mesmo em uma greve sancionado pela ONU.

Abril de 2003 - EUA diz que vai retirar quase todas as suas tropas da Arábia Saudita, terminando a presença militar remonta à guerra do Golfo de 1991. Ambos os países estresse que eles continuarão a ser aliados.

Maio de 2003 - Homens-bomba matam 35 pessoas em compostos de habitação para os ocidentais em Riad horas antes EUA Secretário de Estado, Colin Powell, voa para a visita planejada.

Sinais de dissidência

Setembro de 2003 - Mais de 300 intelectuais sauditas - tanto mulheres como homens - assinar a petição pedindo profundas reformas políticas.

Outubro de 2003 - Polícia quebrar rali sem precedentes no centro de Riade vocação para a reforma política. Mais de 270 pessoas são presas.

Novembro de 2003 - Ataque suicida por supostos militantes da Al-Qaeda no complexo residencial de Riad deixa 17 mortos e dezenas feridos.

Novembro de 2003 - O rei concede amplos poderes de Conselho Consultivo (Majlis al-Shura), permitindo-lhe propor uma legislação sem a sua permissão.

Fevereiro de 2004 - Stampede no Hajj peregrinação deixa 251 mortos.

Abril de 2004 - Quatro policiais e um oficial de segurança mortos em ataques perto de Riad. Carro-bomba em forças de segurança 'HQ em Riad mata quatro feridas 148. Grupo ligado à Al-Qaeda reivindica a responsabilidade.

Ataques

2004 Maio - Ataque no site da petroquímica em Yanbu mata cinco estrangeiros. Ataque e tomada de reféns em composto petrolífera em Khobar, 22 pessoas são mortas.

Junho de 2004 - Três ataques de armas em Riad dentro de uma semana deixar dois americanos e um cinegrafista da BBC morto. Na mesma semana, um engenheiro dos EUA é sequestrado e decapitado, sua morte filmada causando repulsa na América.

As forças de segurança locais matar al-Qaeda, Abdul Aziz al-Muqrin pouco depois, mas uma anistia para militantes que segue tem apenas um efeito limitado, apesar de uma queda na atividade militante.

Dezembro de 2004 - Ataque a consulado dos EUA em Jeddah, cinco funcionários e quatro atacantes foram mortos.

Dois carros-bomba explodem no centro de Riade, forças de segurança matam sete suspeitos em uma operação subseqüente.

2005 Fevereiro-Abril - primeira vez em todo o país eleições municipais. As mulheres não participam na votação.

2005 01 de agosto - Arábia corte real anuncia morte do rei Fahd. Ele é sucedido pelo ex-príncipe herdeiro Abdullah.

De setembro de 2005 - Cinco homens armados e três policiais mortos em confrontos na cidade oriental de Dammam.

Novembro de 2005 - Organização Mundial do Comércio dá luz verde à adesão da Arábia Saudita após 12 anos de negociações.

Janeiro de 2006 - 363 peregrinos Hajj são mortos em uma queda durante um ritual atiravam pedras em Meca. Em um incidente separado, mais de 70 peregrinos são mortos quando um albergue na cidade entra em colapso.

Fevereiro de 2006 - Governo diz ter frustrado um ataque a bomba planejado suicídio em uma planta de processamento de petróleo em Abqaiq grande.

Junho de 2006 - Seis homens supostamente ligados à Al-Qaeda são mortos em um tiroteio com a polícia em Riad, o mais recente de vários incidentes envolvendo militantes islâmicos.

De outubro de 2006 - A Arábia Saudita se move para formalizar a sucessão real em uma aparente tentativa de evitar disputas internas entre a próxima geração de príncipes.

De dezembro de 2006 - Grã-Bretanha suspende a investigação de fraude no acordo de defesa al-Yamamah com a Arábia Saudita.

Fevereiro de 2007 - Quatro franceses são mortos em um ataque terrorista suspeita perto das ruínas do noroeste de Madain Saleh, que são populares com os turistas.

Detenções

Abril de 2007 - A polícia diz que prendeu 172 suspeitos de terrorismo, alguns dos quais treinados como pilotos para missões suicidas.

Julho de 2007 - A polícia religiosos são proibidos de detenção de suspeitos. A força vem sofrendo crescentes críticas pelo comportamento exagerado após mortes recentes em custódia.

De setembro de 2007 - A Arábia Saudita, Grã-Bretanha chegar a um acordo por 72 Eurofighter Typhoon jatos de combate.

Outubro de 2007 - ordens decreto real de uma reforma do sistema judicial.

De dezembro de 2007 - Autoridades anunciam prisão de um grupo de homens suspeitos de planejar ataques contra locais sagrados durante a peregrinação.

Abril de 2008 - British normas do Tribunal Superior governo britânico agiu ilegalmente em queda inquérito corrupção, para a Arábia 43bn R $ Al-Yamamah acordo de defesa.

De julho de 2008 - British House of Lords reverte a decisão do Tribunal Superior e diz que seu governo agiu legalmente em queda investigação sobre o acordo de defesa Al-Yamamah como os sauditas haviam ameaçado retirar a cooperação com Londres em matéria de segurança.

De dezembro de 2008 - Arábia Saudita e Catar, acertam delimitação definitiva da fronteira.

2009 Fevereiro - as indicações Interpol questões de segurança para 85 homens suspeitos de planejar ataques na Arábia Saudita, em seu alerta maior grupo.

Todos, mas dois são sauditas.

Rei Abdullah cabeça sacos de polícia religiosa, juiz mais antigo e de cabeça do banco central na remodelação governamental raro. Também nomeia ministro país primeira mulher.

Abril de 2009 - A Arábia Saudita disse que prendeu 11 militantes da Al-Qaeda que supostamente planejando ataques a instalações policiais, assaltos à mão armada e sequestros.

Junho de 2009 - presidente dos EUA, Barack Obama chegou à Arábia Saudita no início de um Oriente Médio turnê destinada a aumentar o compromisso dos EUA com o mundo islâmico. Teve conversas com o rei Abdullah.

Al-Qaeda julgamento

De julho de 2009 - Um tribunal emitiu sentenças no julgamento terrorismo primeiro explícita para a Al-Qaeda no país. Autoridades disseram que 330 foram a julgamento, mas não especificou quantos haviam sido considerados culpados. Um deles foi condenado à morte.

A Anistia Internacional criticou a Arábia Saudita sobre abusos supostamente cometidos como parte de suas operações de contra-terrorismo, dizendo que milhares de suspeitos foram detidos por anos sem acusação ou julgamento.

O grupo Human Rights Watch acusa Arábia Saudita de não viver até promessas de mulheres livres da instituição de tutela masculina, o que os impede de receber tratamento médico sem a permissão de um parente homem.

De agosto de 2009 - A Arábia Saudita diz que prendeu 44 supostos militantes com alegadas ligações à al-Qaeda.

2009 novembro - Arábia tropas mover para impor zona tampão no norte do Iêmen, após envolver-se em confrontos na fronteira com rebeldes iemenitas.

2010 Outubro - EUA confirmam plano para vender US $ 60 bilhões de armas à Arábia Saudita - o mais lucrativo negócio de armas único na história dos EUA.

2010 novembro - Funcionários anunciam prisão de 149 militantes durante os últimos oito meses, a maioria deles supostamente pertencentes à Al-Qaeda.

2010 Dezembro - telegramas diplomáticos revelados por denúncias de irregularidades site Wikileaks sugerem EUA a preocupação de que a Arábia Saudita é a'' fonte'' mais significativa de financiamento para grupos terroristas sunitas no mundo todo.

Protestos

2011 Janeiro - O presidente da Tunísia Zine al-Abidine Ben Ali encontra refúgio na Arábia Saudita depois de fugir de uma revolta popular em casa.

2011 Fevereiro - O rei Abdullah anuncia gastos sociais aumentaram, como instabilidade continua em todo mundo árabe.

2011 Março - Protestos públicos proibidos, após pequenas manifestações em áreas de maioria xiita do leste. Rei Abdullah adverte que as ameaças à segurança da nação e estabilidade não será tolerado.

Tropas sauditas participar de repressão aos distúrbios no Bahrein.

2011 Junho - as mulheres sauditas montar unidade protesto simbólico em desafio a proibição de motoristas do sexo feminino.

2011 Setembro - King Abdullah anuncia mais direitos para as mulheres, incluindo o direito de votar e concorrer nas eleições municipais e para ser nomeado para o Conselho Consultivo Shura - o corpo mais influente político.

Uma mulher é condenado a 10 chicotadas após ter sido considerada culpada de dirigir - a primeira vez que uma punição legal tem sido transmitida por violação da proibição de mulheres motoristas. Rei Abdullah derruba a sentença.

2011 Outubro - príncipe Nayef bin Abdulaziz al Saud é apontado como o herdeiro do trono, após o príncipe herdeiro Sultan bin Abdulaziz al Saud morre.

2011 Dezembro - EUA confirma grande venda de caças para a Arábia Saudita.

2012 Abril - Cinqüenta homens suspeitos de ligações à al-Qaeda ir a julgamento. Acusações incluem o bombardeio de 2003, um composto de expatriados.

2012 Junho - o príncipe Nayef morre, sucedido por mais liberal ministro da Defesa, a 76 anos de idade, o príncipe Salman.

Arábia Saudita concorda em permitir que seus atletas mulheres para competir nos Jogos Olímpicos pela primeira vez, contra o fundo de especulação de que a equipe saudita inteira pode ser desclassificado em razão da discriminação de gênero.

2012 Julho - As forças de segurança deter várias pessoas em Qatif, Província Oriental, depois que a polícia Testemunhas relatam abrindo fogo contra manifestantes xiitas exigindo a libertação de clérigo xiita al-Sheikh Nimr Nimr e outros. Duas pessoas foram mortas em uma manifestação contra a sua prisão no início do mês.

Fonte: news.bbc.co.uk

Arábia Saudita

Origens

Como uma unidade política, a Arábia Saudita é de criação relativamente recente. Suas origens estão com o movimento Wahhabi puritana (cento 18.), que ganhou a fidelidade da família Saud poderosa do Nejd, na Arábia Central. Apoiado por um beduíno seguinte grande, os sauditas trouxe maior parte da península sob seu controle, exceto para o Iêmen e Hadhramaut, no extremo sul.

O movimento Wahhabi foi esmagado (1811-1818), por uma expedição egípcia sob os filhos de Muhammad Ali . Depois de reviver no cento de mid-19th., Os wahhabis foram derrotados em 1891 pela dinastia Rashid, que ganhou controle efetivo da Arábia central.

Foi Abd al-Aziz ibn Saud, conhecido como Ibn Saud , um descendente dos primeiros governantes wahabitas, que lançou as bases da atual Arábia Saudita Estado. Começando a reconquista Wahhabi na virada do século, Ibn Saud levou Riad, em 1902 e era dono da Nejd em 1906. Na véspera da Primeira Guerra Mundial, ele conquistou a região de Al-Hasa dos turcos otomanos e logo estendeu seu controle sobre outras áreas.

Ele foi, então, pronto para a conquista do Hejaz, governado desde 1916 por Husayn ibn Ali de Meca. O Hejaz caiu Saud em 1924-25 e em 1932 foi combinado com o Nejd para formar o reino da Arábia Saudita, uma monarquia absoluta, governado pela lei islâmica. Em grande parte do país, o rei Ibn Saud obrigou os beduínos a abandonar as formas tradicionais e incentivou sua liquidação como agricultores.

Desenvolvimento do Estado Moderno

Óleo foi descoberto em 1936 pela norte empresa estatal de petróleo da Arábia Standard, que mais tarde tornou-se o Arabian American Oil Company (Aramco).

A produção comercial começou em 1938. A Arábia Saudita é um membro fundador da Organização das Nações Unidas. Ele se juntou a Liga Árabe em 1945, mas jogou apenas um papel menor nas guerras árabes com Israel em 1948, 1967 e 1973. Um acordo com os Estados Unidos, em 1951, previa uma base aérea americana em Dhahran, que se manteve até 1962.

Ibn Saud morreu em 1953 e foi sucedido por seu filho mais velho, Saud , que logo passou a contar com o seu irmão, o príncipe Faisal ( Faisal ibn Abd al-Aziz ibn Saud ), para administrar os assuntos financeiros e estrangeiros.

Rei Saud em primeiro apoiou a Nasser regime no Egito, mas em 1956, em oposição a Nasser, entrou em relações estreitas com os governantes Hachemita da Jordânia e Iraque, até então os inimigos tradicionais dos sauditas. Ele se opôs a união em 1958 do Egito e Síria, República Árabe Unida e tornou-se um inimigo amargo do pan-arabismo de Nasser e de reforma.

Quando, em setembro de 1962, pró-Nasser revolucionários no Iêmen vizinho deposto o imã nova e declarado uma república, o Rei Saud, juntamente com o rei Hussein, da Jordânia, enviou ajuda para as tropas monarquistas. A família saudita Saud deposto, e Prince Faisal se tornou rei em novembro de 1964.

Relações com o Egito foram cortadas em 1962, mas após a derrota do Egito por Israel em junho de 1967, foi celebrado um acordo entre o rei Faisal e Nasser Presidente. Segundo o acordo, o exército egípcio era retirar do Iêmen e da Arábia Saudita foi a cessar auxiliando os monarquistas iemenitas. Em 1970, a Arábia Saudita havia retirado todas as suas tropas, e as relações com o Iémen foram retomadas.

A Arábia Saudita também concordou em dar 0.000 mil por ano para o Egito e Jordânia, que havia sido devastada na guerra de 1967 com Israel. Tendo em vista a retirada da Grã-Bretanha a partir da região do Golfo Pérsico, o rei Faisal prosseguido uma política de amizade com o Irã, ao incentivar os sheikhdoms árabes que estiveram sob o domínio britânico para formar o Emirados Árabes Unidos . King Faisal, no entanto, manteve reivindicações para os oásis Buraimi, que também foram reivindicados pelo xeque de Abu Dhabi.

Em 1972, o governo da Arábia Saudita exigiu rédea mais apertada em sua indústria de petróleo, bem como a participação nas concessões de petróleo de empresas estrangeiras. Aramco (um conglomerado de várias empresas petrolíferas norte-americanas) eo governo chegaram a um acordo em junho de 1974, pelo qual os sauditas levaria uma participação majoritária de 60% das concessões da empresa e ativos.

O conceito de participação foi desenvolvido pelo governo da Arábia Saudita como uma alternativa à nacionalização. King Faisal desempenhou um papel ativo na organização do embargo do petróleo árabe de 1973, dirigido contra os Estados Unidos e outras nações que apoiaram Israel, como os preços do petróleo dos EUA subiram, as receitas aumentaram sauditas.

Relações com os Estados Unidos melhoraram com a assinatura (1974), de acordos de cessar-fogo entre Israel eo Egito e Israel e Síria (ambos mediada pelos EUA Secretário de Estado Henry Kissinger ) e pela visita (junho de 1974) do presidente Richard M. Nixon a Jidda.

Contemporânea

Como resultado do aumento da riqueza da Arábia Saudita, a sua busca de estabilidade, e seus melhores relações com os países ocidentais, o país iniciou um militar extensivo acúmulo nos anos 1970. Em 25 de março de 1975, o rei Faisal foi assassinado por seu sobrinho, o príncipe Faisal. Príncipe Khalid ( Khalid ibn Abd al-Aziz al-Saud ), então se tornou o novo rei, salientando ortodoxia islâmica e conservadorismo ao expandir a economia do país, seus programas sociais, e suas estruturas educacionais.

Arábia Saudita denunciou o acordo de 1979 entre Israel e Egito e encerrado relações diplomáticas com o Egito (já renovado). Os líderes sauditas contra ambos os movimentos de esquerda e radicais que estavam crescendo em todo o mundo árabe, e em 1970 enviou tropas para ajudar a acalmar as revoluções de esquerda no Iêmen e Omã.

Sauditas interesses religiosos foram ameaçados pela queda do xá do Irã em 1979 e pelo crescimento do fundamentalismo islâmico. Em novembro de 1979, os fundamentalistas muçulmanos pedindo a derrubada do governo da Arábia Saudita ocupou a Grande Mesquita, em Meca. Após duas semanas de luta contra o cerco terminou, deixando um total de 27 soldados sauditas e mais de 100 rebeldes mortos. Sessenta e três rebeldes mais tarde foram decapitados publicamente.

Em 1980, os muçulmanos xiitas liderou uma série de protestos que foram colocados pelo governo, que prometeu reformar a distribuição da riqueza saudita. A Arábia Saudita apoiou o Iraque na Guerra Irã-Iraque na década de 1980. Em maio de 1981, juntou-se países do Golfo Pérsico para a formação do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) para promover a cooperação econômica entre os países participantes. Khalid morreu em junho de 1982, e foi sucedido por seu meio-irmão, o príncipe Fahd Ibn Abdul Aziz.

Ao início de 1980, a Arábia Saudita tinha ganho a plena propriedade da Aramco. Apoio saudita do Iraque na Guerra Irã-Iraque tornou-se cada vez mais problemática em meados dos anos 1980 como ameaças do Irã, especialmente em relação interesses petrolíferos, quase levou a Arábia emaranhamento na guerra.

Peregrinos iranianos protestaram em Meca durante o Hajj, em 1987, provocando confrontos com forças de segurança sauditas. Mais de 400 pessoas foram mortas. Este incidente, juntamente com ataques navais iranianas em navios sauditas no Golfo Pérsico, causou a Arábia Saudita para romper relações diplomáticas com o Irã.

Quando o Iraque invadiu o Kuwait em agosto de 1990, o rei Fahd concordou com o estacionamento de tropas da coalizão dos EUA e internacionais em solo saudita. Milhares de tropas sauditas participaram da Guerra do Golfo Pérsico (1991) contra o Iraque.

O país teve na família real do Kuwait e mais de 400.000 refugiados do Kuwait. Apesar de luta de chão pouco ocorreu na Arábia Saudita, as cidades de Riad, Dhahran, e áreas periféricas foram bombardeadas por mísseis iraquianos. Tropas da coalizão em grande parte deixou a Arábia Saudita no final de 1991; vários milhares de soldados norte-americanos permaneceram.

Em 1995 e 1996 atentados terroristas em Riyadh e Dharan matou vários soldados americanos.

Após a Guerra do Golfo, o rei Fahd voltou a uma postura conservadora árabe, com medo de uma maior cooperação ocidental. Reformas instituídas na esteira da Guerra do Golfo incluiu a criação de um Shura (conselho consultivo), com direito a revisão, mas não anular atos de governo, a promulgação de uma lei de direitos, e uma revisão nos procedimentos para a escolha do rei. No entanto, estas medidas deixou o poder da família real basicamente inalterada.

Em 1995, o rei criou um Conselho Supremo de Assuntos Islâmicos, composto por membros da família real e de nomeados outros, em um aparente esforço para estabelecer um contrapeso ao Conselho Ulemás, um órgão consultivo de altamente conservadores teólogos muçulmanos.

No final de 1990, o príncipe herdeiro Abdullah, o rei do meio-irmão e herdeiro do trono desde 1982, efetivamente se tornou governante do país por causa da saúde debilitada do Rei Fahd. Sob o príncipe herdeiro, o país tem sido mais abertamente frustrado com e crítico do apoio dos EUA a Israel.

Um tratado com o Iêmen, que terminou disputas fronteiriças que datam da década de 1930 foi assinado em 2000, e no início do ano seguinte ambos os países retiraram as suas tropas da zona de fronteira, em conformidade com o pacto.

O governo da Arábia Saudita restringiu o uso de bases americanas no país durante as invasões lideradas pelos EUA do Afeganistão (2001) e Iraque (2003), e setembro de 2003, todas as forças de combate dos EUA foram retirados do país. Também em 2003, o rei emitiu um decreto dando o Shura a autoridade para propor novas leis sem antes procurar a sua permissão.

O movimento foi, talvez, motivados em parte por protestos raras em favor da reforma do governo, o reino também foi abalada por incidentes violentos, incluindo um ataque maciço carro-bomba contra um complexo residencial em Riade, envolvendo militantes islâmicos.

Tais ataques de terror continuou em 2005.

O país realizou eleições para os conselhos municipais em fevereiro-abril de 2005, permitindo que os eleitores (só homens) para escolher metade dos membros do conselho;. Os demais membros foram ainda nomeados. Rei Fahd morreu em agosto de 2005, e foi sucedido por Abdullah.

Em novembro de 2009, lutando em N Iêmen derramado sobre a Arábia Saudita, quando rebeldes iemenitas xiitas cruzaram a fronteira. Forças sauditas lutaram contra os rebeldes e procurou levá-los de volta ao Iêmen e longe da fronteira, o conflito terminou com fevereiro de 2010, com os rebeldes retirados para o Iêmen (e uma trégua estabelecida lá).

No início de 2011 a Arábia Saudita experimentou relativamente protestos antigovernamentais em pequena escala em comparação com outras nações árabes, e os que foram por vezes duramente reprimida; muitas manifestações envolvido xiitas, e os protestos continuaram até certo ponto nos meses seguintes. Forças sauditas também ajudou a reprimir manifestações contra o governo no Bahrein vizinha.

Ao mesmo tempo, o governo desperdiçado fundos em bônus governamentais de funcionários, de baixa renda, habitação e organizações religiosas. No final do ano, o rei anunciou que as mulheres, que tiveram limitados direitos civis no país, seriam autorizados a participar nas eleições municipais depois de 2011.

Fonte: www.infoplease.com

Arábia Saudita

Acredita-se que a Arábia é a pátria dos semitas, dos quais muitos povos do Oriente Médio pertence, com árabes e hebreus, como o mais conhecido.

1 milênio aC: Minean reino no sudoeste da Arábia. Mineans ecohnomy foi baseada em estilo de vida nômade e comércio de incenso.

1 º século aC: Nabatean reino estabelecido ao norte da Minean. As partes oriental da Arábia foi dominado por Dilmun, abrangendo partes do continente e da ilha de Bahrein.

5 º século dC: Meca torna-se a principal cidade da região.

570: Nascimento do Profeta Muhammd, o Profeta do Islã depois.

630: Meca é conqured por homens Profeta Muhammads, e forte expansão é iniciado no sentido primeiro do árabe peninsular, mais tarde além em direção norte.

1269: A região é subvertida pelos mamelucos do Egito.

Século 15: Saud dinastia fundada na região de Riad de hoje.

1517: O controle passa para o otomanos, quando conquistar o Egito, mas que possuem apenas partes da região sob controle direto.

Século 18 Mid: Hora de Maomé Ibnu BDI l-Wahhab, um líder relgious estabelecer uma seita que foi apoiado pelos sauditas. Este movimento logo estabeleceu um Estado nacional em Najd, o centro da Arábia.

1802: Meca é conquistada pelos wahabitas.

1812: wahhabis são expulsos de Meca pela população local.

1818: Wahhbis e sauditas encontraram o seu capital social em Riad. Lento começa reconquistando a partir daqui.

1865: A guerra civil, a dinastia desmorona, e a Arábia tornou-se dividido entre diferentes clãs e os otomanos.

1902: Abdul Aziz Ibn Saud retoma Riyadh.

1906: Os sauditas têm mais uma vez o controle sobre Najd.

1913: Conquista de Hasa, a região leste de Najd.

1921: Conquista de Jabal Shammar, região noroeste do Najd.

1923: Grande Britian pára transferir dinheiro para tanto Abdul Aziz eo rei Hashimite de Hijaz, o Sharif. Isto inclina a balança de poder em favor de Abdul Aziz.

1924: A Sharif declara-se califa.

13 de Outubro: Meca é conquistado sem derramamento de sangue, e Abdul Aziz se declara guardião dos Lugares Santos.

1925: Madina é conquistada.

1926: Asir para o sul é conquistada. Abdul Aziz declara-se rei de Hijaz. Abdul Aziz ordens das tribos Hijazi a desistir de explorar peregrinos.

1932: Os territórios conquistados é unificado, e nomeou a Arábia Saudita. Abdul Aziz leva o nome de rei da Arábia Saudita. Os anos de 1924 viram que Abdul Aziz rompeu com os wahabitas, e permitiu a introdução de invenções modernas, coisas que os wahhabis vistos como não-islâmica.

1938: O petróleo é descoberto.

1939: a exploração de petróleo começa. Abdul Aziz inicia um programa de modernização em larga escala.

1940-45: Arábia Saudita está no lado dos Aliados durante a Segunda Guerra Mundial, dando espaço para uma base aérea dos EUA em Dhahran.

1951: Um novo acordo com a Aramco (Arabian American Oil Company), dá a Arábia Saudita 50% de todos os ganhos do petróleo, como a Aramco começa a pagar imposto para a Arábia Saudita, em vez de para o governo dos EUA.

1953 09 de novembro: Rei Abdul Aziz morre. Ele é sucedido por seu filho Saud.

1956: Empréstimo de EUA $ 10 milhões é dado para o Egito após os seus bens congelados em conexão com a situação de Suez. Após o ataque britânicos, franceses e israelenses no Egito em outubro e novembro, a Arábia Saudita reduziu sua relationsship econômica e política aos dois países.

1957: Em conjunto com uma visita do Rei Saud para os EUA, as relações com os EUA é maior, tanto com o comércio de armas dos Estados Unidos. Ainda este ano a Arábia Saudita declarou que o Golfo de Aqaba foi território saudita.

1958 Mudança na construção constitucional, onde o poder de reis absoluta foi reduzida, e os poderes legislativo e executivo foi transferido para o primeiro-ministro. Um par de meses depois, um gabinete do sistema foi introduzido.

1960: Arábia Saudita participou da construção da OPEP, em Bagdá, a fim de ajudar a sustentar os preços internacionais do petróleo.

1962 Outubro: King Saud é forçado a transferir o poder efetivo para seu irmão Faiçal. O pano de fundo para isso é total falta de Saud de controle sobre a economia. Feisal introduz um sistema de instituições oficiais de manipulação funções econômicas. Relações com o Egito são cortados depois de o Egito ea Arábia Saudita apoiou cada suas festas na revolução iemenita. A Arábia Saudita apoiou o imã do Iêmen. O conflito foi tão longe quanto para as cidades de bombardeio Egito sauditas.

1963: Arábia Saudita mobilizou o seu exército após as relações deterioradas com o Egito.

1964: Príncipe Feisal substitui Saud como rei. O sistema político de Feisal é o sistema que tem sido usado até nossos tempos.

1967: Com as preliminares para a Guerra dos Seis Dias de 1967, a Arábia Saudita expressa apoio ao Egito, e até mesmo envia 20 mil soldados para ajudar na guerra. Quando o Egito no final do ano que se retirou do Iêmen, a Arábia Saudita deu ampla ajuda para o Egito.

1970: Arábia Saudita reconhece o governo do Iêmen, que agora é feita de o partido que foi apoiado pelo Egito.

1973: Arábia Saudita desempenha um papel de liderança em um boicote contra os países ocidentais que apoiaram Israel. Isto resultou em preços do petróleo quatro vezes maior do que antes.

1974: Arábia Saudita assume mais o controle sobre Aramco, ea receita aumenta consideravelmente.

1975: Rei Faiçal é assassinado. Khalid se torna novo rei, mas sua saúde fraca torna seu meio-irmão Fahd o poder do verdadeiro exercício.

1979: Com a assinatura do acordo de Camp David, a Arábia Saudita corta sua ajuda financeira ao Egito.

20 de novembro: Neste dia, o primeiro dia no ano do calendário muçulmano de 1400, um grupo de muçulmanos sunitas entrincheiraram-se dentro da Mesquita Sagrada de Meca. Eles alegaram que o Mahdi prometido estava entre eles. Que se realizará em 15 dias (até 04 de dezembro) e até 200 parece ter sido morto. verdadeira identidade dos rebeldes ainda não é totalmente conhecida.

1980: Arábia Saudita assume o controle total sobre Aramco.

1982: King Khalid morre. Ele é sucedido pelo rei Fahd.

1987 31 de julho: 400 peregrinos iranianos são mortos após confrontos com as forças de segurança sauditas em Meca.

1990 Julho: 1.400 peregrinos morre após acidente de uma ponte e túnel.

02 de agosto: A invasão do Kuwait pelo Iraque foi dramático para a política da Arábia Saudita e de segurança. Arábia Saudita permitiu que centenas de milhares de soldados estrangeiros (principalmente dos EUA) para ser postado em seu próprio solo.

1992: mudanças constitucionais, onde um conselho consultivo, shura, é estabelecido, junto com uma carta de direitos, e as regras de sucessão para o rei. Relações com a Jordânia se deteriora, como supremacia perguntas Jordânia Arábia como protetor dos lugares santos.

Fonte: www.the-saudi.net

Arábia Saudita

Reino da Arábia Saudita

Área do terreno: 829.995 sq mi (2149690 km ²)
Capital e maior cidade (2010 est): Riade, 5.254.560 (cidade); 6.800.000 (metro)
Outras grandes cidades: Jeddah, 3,900,00; Makkah (Meca), 1.800.000
Unidade monetária: Rial
Nome nacional: Al-Mamlaka al-'Arabiya as-Sa'udiya
Idioma: Árabe
Etnia / raça: 90% árabe, afro-asiática de 10%
Religião: Islamismo 100%
Taxa de alfabetização: 78,8% (2003 est)

História

Arábia Saudita não é apenas terra natal dos povos árabes-pensa-se que os árabes primeiro originado no Península Arábica, mas também a pátria do Islã, religião do mundo a segunda maior. Muhammad Islam fundada lá, e ele é a localização das duas cidades de peregrinação sagrados de Meca e Medina.

O calendário islâmico começa em 622, o ano da Hégira, ou fuga de Maomé de Meca. Uma sucessão de invasores tentaram controlar a Península, mas por 1517 o Império Otomano dominada, e em meados do século 18, foi dividido em principados separados. Em 1745 Muhammad ibn Abd al-Wahhab começou a chamar para a purificação e reforma do Islã, eo movimento Wahhabi varreu Saudita.

Em 1811, os líderes wahabitas travaram um jihad-a. Guerra santa contra outras formas de islamismo na península e conseguiu unir muito do que Por 1818, entretanto, os wahabitas tinham sido expulsos do poder novamente pelos otomanos e seus aliados egípcios.

O reino da Arábia Saudita é quase inteiramente a criação do rei Ibn Saud (1882-1953). Um descendente de líderes wahabitas, ele aproveitou Riade em 1901 e estabeleceu-se como líder do movimento nacionalista árabe. Por volta de 1906 ele tinha estabelecido o domínio Wahhabi em Nejd e conquistou Hejaz em 1924-1925. As regiões Hejaz e Nejd foram fundidas para formar o reino da Arábia Saudita em 1932, que era uma monarquia absoluta islâmica governada por. Um ano mais tarde, a região de Asir foi incorporada ao reino.

A descoberta de petróleo e Evolução Política

Petróleo foi descoberto em 1936, ea produção comercial começou durante a Segunda Guerra Mundial. Esta riqueza derivada do petróleo permitiu ao país para prestar cuidados de saúde e educação gratuitas, enquanto não recolher os impostos de seu povo. A Arábia Saudita foi neutro até quase o fim da guerra, mas ele teve permissão para ser um membro fundador da Organização das Nações Unidas.

O país aderiu à Liga Árabe em 1945 e participou da guerra de 1948-1949 contra Israel. Arábia Saudita ainda não reconhece o Estado de Israel. Com a morte de Ibn Saud, em 1953, seu filho mais velho, Saud, iniciou um reinado de 11 anos marcado por uma crescente hostilidade para com o arabismo de Gamal radical egípcio Abdel Nasser. Em 1964, o Saud doente foi deposto e substituído pelo primeiro-ministro, o príncipe Faisal, que deu apoio vocal, mas não ajuda militar ao Egito em 1967 na guerra árabe-israelense.

Assassinato de Faisal por um parente perturbado em 1975 abalou o Oriente Médio, mas não conseguiu alterar o curso do seu reino. Seu sucessor foi seu irmão, o príncipe Khalid. Khalid deu apoio influente para o Egito durante as negociações sobre a retirada israelense do deserto do Sinai.

King Khalid morreu de um ataque cardíaco em 1982, e foi sucedido por seu meio-irmão, o príncipe Fahd bin Abdulaziz ', que havia exercido o poder real durante o reinado de Khalid. Rei Fahd escolheu seu meio-irmão Abdullah como príncipe herdeiro.

Arábia Saudita e os menores estados ricos em petróleo árabes do Golfo Pérsico, com medo de que eles possam se tornar alvos próximos aiatolá Ruhollah Khomeini, se o Irã conquistou o Iraque, fez grandes contribuições financeiras para o esforço de guerra do Iraque, durante a década de 1980.

Ao mesmo tempo, enganar por outros membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), a concorrência dos produtores de petróleo não-membros, e os esforços de conservação por nações consumidoras combinados para reduzir o preço mundial do petróleo.

Na época a Arábia Saudita teve um terço de todas as reservas conhecidas de petróleo, mas a queda da demanda e aumento da produção fora da OPEP combinado para reduzir suas receitas de petróleo de US $ 120 bilhões em 1980 para menos de US $ 25 bilhões em 1985, ameaçando o país com agitação interna e minando sua influência na área do Golfo.

No início de 1996, o rei Fahd aprovou autoridade ao príncipe Abdullah, depois de sofrer um acidente vascular cerebral incapacitante. Em 1998, o rendimento do petróleo do país caiu 40% por causa de uma queda mundial dos preços, e entrou em sua primeira recessão em seis anos.

Em 2000, a Arábia Saudita, junto com outras nações da OPEP enfrentando uma recessão, decidiu reduzir a produção para elevar os preços do petróleo. Em 2001, a OPEP cortou a produção de petróleo três vezes.

Os ataques de 11 de setembro de 2001, e suas conseqüências

Relações da Arábia Saudita com os EUA foram tensas após o 11 de setembro de 2001, os ataques terroristas-15 dos 19 terroristas suicidas envolvidos eram sauditas. Apesar laços estreitos da monarquia para o Ocidente, muito do estabelecimento extremamente influente religioso tem apoiado anti-americanismo e militância islâmica.

Em agosto de 2003, após a guerra liderada pelos EUA no Iraque, em março e abril de 2003, os Estados Unidos retiraram as suas tropas estacionadas na Arábia Saudita. Os EUA manteve tropas no país na última década, uma fonte de grande polêmica no país fortemente conservadora islâmica.

Uma das principais razões dadas para os ataques de 11 de setembro por Arábia terrorista Osama bin Laden foi a presença de tropas americanas na casa dos locais mais sagrados do Islã, Medina e Meca. Em 12 de maio de 2003, homens-bomba mataram 34, incluindo oito norte-americanos, em compostos de habitação para os ocidentais em Riad.

Al-Qaeda era suspeito. Compromisso da Arábia Saudita a medidas antiterroristas foi novamente posta em causa por os EUA e outros países. Em julho, o Congresso dos EUA criticada suposto financiamento da Arábia Saudita de organizações terroristas. Enquanto o governo da Arábia Saudita prendeu um número considerável de suspeitos de terrorismo, pouco foi feito para conter a militância islâmica no reino. Vários ataques contra ocidentais ocorreu em 2003 e 2004.

Em fevereiro de 2005, a Arábia Saudita realizou suas primeiras eleições de sempre: as eleições municipais do conselho para escolher metade dos membros do conselho novos em Riyadh. A outra metade continuou a ser designado, de acordo com o sistema anterior saudita. As mulheres não podiam votar, e menos de um terço dos eleitores registrados.

Em agosto de 2005, o rei Fahd bin Abdulaziz morreu. Seu meio-irmão Abdullah, que tinha sido o governante de fato do país durante a última década, assumiu o trono.

Arábia Saudita intermediou as negociações entre o governo afegão e líderes talibãs em setembro de 2008. Nas negociações, a primeira tentativa para acabar com o longo conflito armado, o Taleban disse que está cortando os laços com a Al-Qaeda.

Rei sacode o Governo

O rei Abdullah deu passos ousados para remodelação do seu governo em fevereiro de 2009, promovendo reformadores, disparando funcionários controversas, incluindo o chefe conservador da polícia religiosa e juiz mais antigo do país, e nomeação de seu primeiro ministro de sempre do sexo feminino, para a educação das mulheres.

A Arábia Saudita foi em grande parte poupada as revoltas populares que se espalharam por todo o Oriente Médio e África do Norte no início de 2011, em grande parte porque o rei Abdullah permanece popular entre sauditas e riqueza petrolífera do país proporciona uma estabilidade nível não visto em países como o Egito.

No entanto, o desemprego entre os jovens sauditas é alta, a habitação está em falta, e tem havido um empurrão para mais amplas liberdades civis, particularmente para as mulheres. Em uma tentativa de impedir protestos em solo saudita, Abdullah, ao voltar para a Arábia Saudita, depois de passar três meses no Marrocos recuperando de uma cirurgia de volta, anunciou um pacote de ajuda de 10 bilião dólares que ajuda a sauditas comprar casas, abrir empresas, e se casar.

Em setembro de 2011, o rei Abdullah concedido às mulheres o direito de votar e concorrer a lugares no Conselho Shura, que aconselha o rei sobre questões políticas. A decisão não vai entrar em vigor até o próximo ciclo de eleições em 2015. Ainda assim, a decisão é uma vitória significativa para as mulheres em um país onde eles não estão autorizados a conduzir e deve ter um acompanhante do sexo masculino com eles em público em todos os momentos. A Arábia Saudita é o único país no mundo que não tenha concedido o sufrágio feminino.

Geografia

A Arábia Saudita ocupa a maior parte da Península Arábica, com o Mar Vermelho eo Golfo de Aqaba para o oeste e no Golfo Pérsico, a leste. Países vizinhos são Jordânia, Iraque, Kuwait, Catar, Emirados Árabes Unidos, no Sultanato de Omã, Iêmen e Bahrein, ligada ao continente por uma ponte Arábia. Arábia Saudita contém deserto a maior do mundo de areia contínua, o Rub Al-Khali, ou quarto vazio. Sua região petrolífera reside principalmente na província oriental ao longo do Golfo Pérsico.

Governo

A Arábia Saudita foi uma monarquia absoluta, até 1992, altura em que a família real Saud introduziu a primeira constituição do país. O sistema legal é baseado na sharia (lei islâmica).

Fonte: www.factmonster.com

Arábia Saudita

Nome oficial: Reino da Arábia Saudita.
Capital: Riad (sede do reinado); Jidá (administrativa).
Nacionalidade: saudita.
Língua: árabe, oficial.
Religião: islamismo (sunitas e ortodoxos wahhabi, 85%; xiitas, 15%).
Data nacional: 23/9 (Promulgação do Reino).
Moeda: rial saudita (dividida em 100 halalah ou 20 qurush); cotação para 1 US$: 3,75 (20/9/1994).

Geografia

Localização: sudoeste da Ásia.
Área: 2.240.000 km².
Limites: Jordânia, Iraque e Kuweit (N); Golfo Pérsico, Catar, Emirados Árabes Unidos e Omã (L); Iêmen (S); mar Vermelho (O).
Características: planície (litoral L e O); cadeia de montanhas (N a S); planalto pedregoso e árido (interior); deserto (SE).
Ponto mais elevado: monte al-Hedjaz (3.133 m).
Clima: árido quente (maior parte); subtropical (N).
Rios principais: não há rios permanentes.
Cidades mais populosas: Jidá (1,5 milhão hab.) (1983); Riad (1,3 milhão) (1981); Meca (550 mil); Taif (300 mil) (1980).
Hora local (em relação a Brasília): +6h.

Demografia

População: 16,5 milhões (1994)
Urbana:
 77,3% (1990).
Densidade (hab./km²): 7,3 (1994).
Composição demográfica: sauditas, 82%; iemenitas, 9,6%; árabes e outros (minorias) (1983).
Faixas etárias:

0-14: 45,3%
15-59: 50,6%
mais de 60: 4,1% (1990).

Crescimento demográfico: 3,5% ao ano (1985-1992).
Natalidade: 36,6 por mil (1991).
Mortalidade: 6,3 por mil
Mortalidade infantil: 
69 por mil (1991).
Fertilidade (nº de filhos por mulher): 6,7 (1991).
Expectativa de vida:

homens: 65
mulheres: 
68 (1991).

Saúde

Leitos hospitalares: 4 por mil hab. (1991)
Médicos: 
1 por 623 hab. (1990).
Investimento: 7,2% do orçamento (PIB) (1993) com serviços sociais.

Educação

Analfabetos: 37,6% (1990).
Alunos de 1º e 2º graus: 2,8 milhões (1991)
Professores:
 182,6 mil (1990/1991).
Alunos no ensino superior: 131,8 mil (1991)
Professores:
 12,8 mil (1990/1991).
Investimento: 17,3% do orçamento (PIB) (1993).

Transportes

Rodovias: 151,5 mil km (1992)
Nº de veículos: 
5,1 milhões
Automóveis:
 2,7 milhões (1991).
Ferrovias: 893 km (1989).
Portos: Jidá, Dammam, Yunbue, Gizan, Jubail, Ras Tanura.
Linha aérea: Saudia-Saudi Arabia Airlines (vôos internacionais e domésticos).

Comunicações

Receptores de rádio: 1 por 2,9 hab. (1991).
Receptores de TV: 1 por 3,3 hab. (1991).
Linhas telefônicas: 1 por 12,7 hab. (1988).
Jornais: 10 diários
Nº de exemplares por mil hab.: 
49 (1989).

Defesa

Efetivo total: 101 mil (1993)
Exército: 
72 mil
Marinha: 
11 mil
Força aérea: 
18 mil
Outros:
 4 mil (força de defesa aérea); 57 mil (guarda nacional); 20 mil recrutas tribais.
Investimento: 31% do orçamento (1993).

ECONOMIA

Composição:

agricultura: 7%
indústria: 53%
outros: 40% do PIB (1992).

Agricultura: trigo, cevada, sorgo, milhete, tomate, tâmara, melancia.
Pecuária: ovinos, caprinos, camelos, aves.
Pesca: 43,2 mil t (1993).
Indústria: petrolífera, petroquímica.
Minerais: petróleo, gás natural (principais); calcário, mármore, sal, argila, ouro.
Exportações: US$ 44,4 bilhões
Produtos: 
petróleo bruto e refinado, petroquímicos (1992).
Importações: US$ 24 bilhões; produtos: máquinas industriais e equipamentos de transporte, têxteis, vestuário, metais não preciosos e derivados (1992).
Parceiros comerciais: EUA, Japão, Reino Unido, Alemanha, Coréia, França.
Produto Interno Bruto (PIB): US$ 111,3 bilhões (1992)
Renda per capita: 
US$ 7.510 (1992)
Crescimento anual:
 -3,3% (1980-1992).
Inflação anual: 1,5% (1985-1992).
Dívida externa: US$ 1,2 bilhão (1989).
Força de trabalho: 4,9 milhões; (est. 1992)
Agricultura: 
37,5% (1992)
Indústria:
 25,9% (1990)
Comércio: 
15,6% (1990)
Serviços:
 48,6% (1990)
Mão-de-obra feminina: 
3,2% (1986).

GOVERNO

Organização política (Regime): Monarquia absolutista com Conselho Consultivo (60 membros).
Divisão administrativa: 103 governadorias.
Chefe de Estado e de governo: rei Fahd ibn Abd al-Aziz as-Saud (desde maio de 1982).
Regime partidário: não há.
Legislativo: não há. 
Data da Lei Básica:
 1992.

ARTE ISLÂMICA

Na arte islâmica, percebemos tanto as influências dos povos beduínos, como também de uma nova cultura, forjada com a construção de importantes e poderosas dinastias, fortemente vinculada ao elemento religioso.

O Islamismo é a religião formulada por Maomé e que propagou-se a partir da Arábia desde o século VII. Apesar de considerada uma religião sincrética, formada a partir de elementos cristãos e judaicos, na verdade temos uma religião original, que procurou responder aos anseios dos povos daquela região, incorporando principalmente elementos da cultura dos povos beduínos e algumas característica de outras religiões. Na arte, percebemos tanto as influências dos povos pré islâmicos, como também de uma nova cultura, forjada com a construção de importantes dinastias, poderosas e vinculadas diretamente ao elemento religioso.

Os produção artesanal de tapetes é uma característica anterior a religião, enquanto a construção de grandes templos - Mesquitas - é posterior as conquistas justificadas pela fé.

Os tapetes e tecidos desde sempre tiveram um papel muito importante na cultura e na religião islâmicas. Para começar, como povo nômade, esses eram os únicos materiais utilizados para decorar o interior das tendas. À medida que foram se tornando sedentários, as sedas, brocados e tapetes passaram a decorar palácios e castelos, além de cumprir uma função fundamental nas mesquitas, já que o muçulmano, ao rezar, não deve ficar em contato com a terra.

Diferentemente da tecedura dos tecidos, a do tapete constitui uma unidade em si mesma. Os fabricados antes do século XVI chamam-se arcaicos e possuem uma trama de 80 000 nós por metro quadrado. Os mais valiosos são de origem persa e têm 40 000 nós por decímetro quadrado. As oficinas mais importantes foram as de Shiraz, Tabriz e lsfahan, no Oriente, e Palermo, no Ocidente. Entre os desenhos mais clássicos estão os de utensílios, de motivos florais, de caça, com animais e plantas, e os geométricos, de decoração.

ARQUITETURA ISLÂMICA

As mesquitas (locais de oração) foram construídas entre os séculos VI e VIII, seguindo o modelo da casa de Maomé em Medina:uma planta quadrangular, com um pátio voltado para o sul e duas galerias com teto de palha e colunas de tronco de palmeira. A área de oração era coberta, enquanto no pátio estavam as fontes para as abluções. A casa de Maomé era local de reuniões para oração, centro político, hospital e refúgio para os mais pobres. Essas funções foram herdadas por mesquitas e alguns edifícios públicos.

No entanto, a arquitetura sagrada não manteve a simplicidade e a rusticidade dos materiais da casa do profeta, sendo exemplo disso as obras dos primeiros califas: Basora e Kufa, no lraque, a Cúpula da Roca, em Jerusalém, e a Grande Mesquita de Damasco. Contudo, persistiu a preocupação com a preservação de certas formas geométricas, como o quadrado e o cubo. O geômetra era tão importante quanto o arquiteto. Na realidade, era ele quem realmente projetava o edifício, enquanto o segundo controlava sua realização.

A cúpula de pendentes, que permite cobrir o quadrado com um círculo, foi um dos sistemas mais utilizados na construção de mesquitas, embora não tenha existido um modelo comum. As numerosas variações locais mantiveram a distribuição dos ambientes, mas nem sempre conservaram sua forma.

As mesquitas transferiram depois parte de suas funções aos edifícios públicos: por exemplo, as escolas de teologia, semelhantes àquelas na forma. A construção de palácios, castelos e demais edifícios públicos merece um capítulo à parte.

As residências dos emires constituíram uma arquitetura de segunda classe em relação às mesquitas. Seus palácios eram planejados num estilo semelhante, pensados como um microcosmo e constituíam o habitat privativo do governante. Exemplo disso é o Alhambra, em Granada. De planta quadrangular e cercado de muralhas sólidas, o palácio tinha aspecto de fortaleza, embora se comunicasse com a mesquita por meio de pátios e jardins. O aposento mais importante era o diwan ou sala do trono.

Outra das construções mais originais e representativas do islã foi o minarete, uma espécie de torre cilíndrica ou octogonal situada no exterior da mesquita a uma altura significativa, para que a voz do almuadem ou muezim pudesse chegar até todos os fiéis, convidando-os à oração. A Giralda, em Sevilha, era o antigo minarete da cidade.

Outras construções representativas foram os mausoléus ou monumentos funerários, semelhantes às mesquitas na forma e deslinados a santos emártires.

PINTURA E GRÁFICA

As obras de pintura islâmica são representadas por afrescos e miniaturas. Das primeiras, muito poucas chegaram até nossos dias em bom estado de conservação.

Elas eram geralmente usadas para decorar paredes de palácios ou de edifícios públicos e representavam oenas de caça e da vida cotidiana da corte. Seu estilo era semelhante ao da pintura helênica, embora, segundo o lugar, sofresse uma grande influência indiana, bizantina e inclusive chinesa.

A miniatura não foi usada, como no cristianismo, para ilustrar livros religiosos, mas sim nas publicações de divulgação cientifica, para tornar mais claro o texto, e nas literárias, para acompanhar a narração. O estilo era um tanto estático, esquematizado, muito parecido com o das miniaturas bizantinas, com fundo dourado e ausência de perspectiva. O Corão era decorado com figuras geométricas muito precisas, a fim de marcar a organização do texto, por exemplo, separando um capítulo de outro.

Estreitamente ligada à pintura, encontra-se a arte dos mosaicistas. Ela foi herdada de Bizâncio e da Pérsia antiga, tornando-se lufma das disciplinas mais importantes na decoração de mesquitas e palácios, junto com a cerâmica. No início, as representações eram completamente figurativas, semelhantes às antigas, mas paulatinamente foram se abstraindo, até se transformarem em folhas e flores misturadas com letras desenhadas artisticamente, o que é conhecido como arabesco.

Assim, complexos desenhos multicoloridos, calculados com base na simbologia numérica islâmica, cobriam as paredes internas e externas dos edifícios, combinando com a decoração de gesso das cúpulas. Caligrafias de incrível preciosidade e formas geométricas multiplicadas até o infinito criaram superfícies de verdadeiro horror ao espaço vazio. A mesma função desempenhava a cerâmica, mais utilizada a partir do século Xll e que atingiu o esplendor na Espanha, onde foram criadas peças de uso cotidiano.

Curiosidades

CLEÓPATRA

Cleópatra testava e eficiência de seus venenos dando-os aos escravos. A rainha egípcia (69 - 30 a.C) ocupava vinte damas de companhia na preparação de seus banhos. Ficava até seis horas mergulhada na água extraída de plantas aromáticas.

BEDUÍNOS

No mundo quente e livre do deserto, existem os BEDUÍNOS: são aproximadamente nove milhões em todo o Oriente Médio

é um povo nômade, de vida pitoresca e fala metafórica
seu senso de honra e hospitalidade é mundialmente célebre
prefere morrer a trair seu hóspede ou amigo
é amigo do fausto e do suntuoso;
muitas vezes gasta numa recepção o dobro de seus haveres e passa anos a pagar suas dívidas
anda de pés nus, mas não descobre a cabeça (acha que é decair)
adora a liberdade, não tem pátria fixa, não tem raízes e vive sempre em movimento
sua pátria é todo lote de terra coberto de erva fresca
quando a erva murcha, ele coloca seus utensílios sobre um camelo, sobe em outro camelo e vai, com seu rebanho, procurar novos pastos
talvez essa vida lhe dê a juventude eterna e a vitalidade inesgotável que todos os cronistas admiram.

DESERTO

O deserto do Egito tem aproximadamente 914.000 km2. Na Arábia Saudita, ha regiões desérticas onde nem o explorador, nem o nômade tiveram ainda a coragem de se aventurar.

OÁSIS

Em todos esses desertos florescem verdadeiras ilhas de verdura e de frescor, chamadas "oásis".

Alguns têm uma superfície insignificante: uma fonte rodeada por algumas árvores - o indispensável para justificar a esperança daqueles que vagam no deserto.

ORIENTE MÉDIO

O Oriente Médio é composto hoje pela Turquia, Iraque, Bahrein, Kuwait, Arábia Saudita, Iêmen, Qatar, Omã, Emirados Árabes Unidos (Abu-Dabi, Ajman, Dubai, Fujaira, Ras Al-Khaima, Sharjah e Um Al-Kauan), Palestina, Síria, Líbano, Jordânia, Israel e Egito.

PIRÂMIDES

Das sete maravilhas do mundo antigo, as oitenta pirâmides são as únicas sobreviventes. Foram construídas por volta de 2690 a.C., a 10 km do Cairo, capital do Egito. As três mais célebres pirâmides de Gizé ocupam uma área de 129.000 m2. A maior delas (Queóps) foi construída pelo mais rico dos faraós, e empregou cem mil operários durante 20 anos. Se enfileirássemos os blocos de granito das três pirâmides, eles dariam a volta ao mundo.

ESFINGES

Esfinges são monstros fabulosos com cabeça humana e corpo de leão. A mais conhecida é a esfinge de Gizé, nas proximidades de Mênfis, no Egito, a pouco mais de cem metros das pirâmides e junto à foz do Nilo. Ela é mais antiga que as pirâmides e teria sido construída por Quéfren. Mede 39 metros de comprimento e 17 metros de altura. A esfinge, em grego, personifica um "monstro que estrangula quem não adivinhar os seus enigmas".

EMBALSAMAMENTO

Os faraós eram embalsamados da seguinte maneira: em primeiro lugar, cérebro, intestinos e outros órgãos vitais eram retirados. Nessas cavidades, colocavam-se resinas aromáticas e perfumes. Depois, os cortes eram fechados. Mergulhava-se então o cadáver num tanque com nitrato de potássio (salitre) para que a umidade do corpo fosse absorvida.

Ele permanecia ali por setenta dias. Após esse período, o corpo era lavado e enrolado numa bandagem de algodão, com centenas de metros, embebida em betume, uma substância pastosa. Só aí o morto ia para a tumba. Esse processo conservava o cadáver praticamente intacto por séculos. A múmia do faraó Ramsés II, que reinou no Egito entre 1304 e 1237 a.C., foi encontrada em 1881 apenas com a pele ressecada. Os cabelos e os dentes continuavam perfeitos.

GÊNIO DA LÂMPADA

No folclore árabe, os gênios são espíritos que tem poderes sobrenaturais e aparecem em diversas formas e tamanhos. Podem ser bons ou maus, dependendo de seu mestre. Vivem em lugares inóspitos, como garrafas vazias.

TAMAREIRA

A tamareira, árvore egípcia tradicional desde a época dos faraós, demora de 150 a 200 anos para dar seu primeiro fruto. Significa que se você plantar hoje uma tamareira, provavelmente só o seu tataraneto colherá a primeira tâmara.

PALAVRAS CRUZADAS

As palavras cruzadas foram criadas no Egito há 2000 anos; encontradas num fragmento de papiro, remanescente do período Greco-Romano com pistas e enigmas baseadas nos mesmos princípios da moderna palavra cruzada;

ESCARAVELHO

O escaravelho é o besouro sagrado egípcio. É considerado um símbolo de sorte por nascer entre as fezes do camelo no calor do deserto;

CIÊNCIAS

A química, a física, a álgebra e a astronomia são de origem árabe;

CANAL DE SUEZ

O Canal de Suez é uma das vias marítimas mais importantes do mundo. É o eixo de união entre o Oriente e Ocidente (tem 165 Km de comprimento e 13 a 15 mts. de profundidade).

INDÚSTRIA EGÍPCIA

A indústria egípcia é considerada a mais antiga do mundo (remonta a 7.000 anos). A primeira amostra de tecelagem foi produzida na época de Ramsés III;

PAPIROS

Os papiros eram os papéis da antigüidade. Apesar de aparência frágil, duraram milhares de anos e sua conservação nos trouxe muito da vida existente naquela época. Os escribas desenhavam os hieróglifos (alfabeto egípcio), nos papiros e paredes;

INCENSO

O incenso era muito valioso no Egito Antigo. Muitas árvores foram importadas do Oriente para serem plantadas naquele país;

MORADIAS EGÍPCIAS

As moradias do Antigo Egito eram feitas com barro do Nilo, material resistente para a construção de casa. As moradias eram retangulares com um pequeno pátio e escadas, conduzindo a um telhado sustentado por vigas de palmeira. Os mais ricos tinham em suas casas paredes decoradas e banheiros com cerâmica;

IMHOTEP

Imhotep, arquiteto, médico e principal Ministro do Faraó Zoser, da III Dinastia, é o artífice da construção em pedra mais antiga do mundo. Construiu a pirâmide de Saqqarah;

ALFABETO ÁRABE

O alfabeto árabe se escreve e se lê de trás para frente; as revistas também são lidas de trás para frente.

ANK

A Cruz da Vida (ou Ank), era símbolo da reencarnação. Representava, como o próprio nome diz, a vida;

MESQUITAS

A Mesquita de Al-Azhar, fundada em 972, foi a primeira Universidade Islâmica do mundo e logo tornou-se o centro intelectual do islamismo. Somente na Cidade do Cairo existem mais de 500 mesquitas.

A Língua Árabe

A Língua Árabe é falada por quase 200 milhões de pessoas em mais de 22 países, do Marrocos ao Iraque, da Somália ao Sudão. Língua originária da Arábia Saudita da época pré-Islâmica, rapidamente espalhou-se por todo o Oriente Médio.

As línguas do norte da Índia, Turquia, Irã, Portugal e Espanha possuem muitas palavras de origem Árabe.

O Árabe Moderno varia bastante de país para país (eles diferenciam-se tal como o Português e o espanhol). Contudo, a escrita do Árabe Clássico mudou muito pouco com o passar dos séculos. Alfabeto Árabe

Como se pode observar, não existem, na língua árabe, fonemas que se correspondam às letras P, V e G (com o som correspondente ao G da palavra "Gato"). É devido a este motivo que nossos amigos dizem "brimo" em vez de "primo" (eles procuram o som mais mais semelhante ao "P" entre as letras árabes, que é o "B").

Foram criadas três letras adicionais para representar estes fonemas, para serem utilizadas nas palavras estrangeiras.

No árabe clássico, a letra Jim corresponde ao som da nossa letra J. Porém em algumas regiões, como no Egito, esta letra é pronunciada com som de G.

Além das 28 letras tradicionais, mais as 3 letras criadas para representar o P, o V e o G, existe também o LemAlef, que é a junção das letras Lem e Alef.

Todas as letras árabes são consoantes. Dentro de uma palavra, a letra poderá ter som mudo (quando a letra for acompanhada do sinal Sukun), som combinado à vogal a (quando a letra for acompanhada do sinal Fatha), som combinado à vogal u (quando a letra for acompanhada do sinal Damme), e som combinado à vogal i (quando a letra for acompanhada do sinal Kassra).

A letra poderá ainda ter o seu som dobrado, quando vier acompanhada do sinal Chadde.

Expansão Árabe

No ano de 630 Maomé e seus seguidores ocuparam a cidade de Meca, destruíram os ídolos da Caaba, símbolos do politeísmo, e assim fundou-se o Islão - Estado Teocrático dos crentes. Esse fato é considerado como a unificação política e religiosa dos povos árabes, agora comandados pelo Califa.

O Expansionismo árabe iniciou-se logo após a morte de Maomé tanto em direção ao oriente como ao ocidente. As conquistas islâmicas se ampliaram sob os califas Omíadas (661 - 750) e foram preservadas pelos Abássidas, (750- 1258) apesar das diversas divisões políticas, iniciadas com a fundação do Emirado de Córdova em 756.

O processo expansionista foi fulminante, estimulado por interesses em dominar rotas de comércio, pela cultura do botim, pela Guerra Santa e também pela fraqueza dos adversários: O império Persa que desapareceu, O império Bizantino, que foi reduzido, perdendo seus territórios na Palestina e norte da África, e os Reinos Bárbaros da região do Magreb e da Península Ibérica, que foram derrotados. Na Europa, o expansionismo muçulmano foi contido pelos Francos, na famosa Batalha de Poitiers em 732.

Durante a Dinastia dos Abássidas o comércio árabe atingiu grande extensão, destacando-se o comércio de especiarias com as Índias, as várias rotas de contato com Constantinopla e as várias rotas do norte africano pelo interior, realizado por caravanas, que traziam ouro para a cidade de Ceuta, objeto de interesse português no século XV.

Apesar da centralização política e religiosa, a história do império árabe caracterizou-se por várias disputas pelo poder e conseqüentemente por divisões, de onde inclusive nasceram as duas seitas mais importantes do Islamismo: sunitas e xiitas .

Música Árabe

A música Árabe não poderia ser diferente, a música Árabe é muito contente e muito agitada, a Bailarina de Dança do Ventre desprende muita energia durante a apresentação, e as pessoas que estão assistindo aos shows também liberam uma energia muito forte, esta troca de energia entre bailarina e público faz muito bem, quem já dança deve entender o que eu estou dizendo, e quem não dança, não deve perder a oportunidade de experimentar esta maravilhosa sensação.

HISTÓRIA DA DANÇA DO VENTRE

A origem da Dança do Ventre é controvertida. A versão mais provável é que ela tenha surgido há 7.000 anos, aproximadamente. Os primeiros indícios sobre sua origem vieram dos Petróglifos (inscrições em rochas e cavernas) descobertos no antigo Egito, feitos há pelo pelos 5.000 anos. Alguns autores, porém, sugerem que essa dança tenha surgido, simultaneamente, em mais de um lugar.

Segundo historiadores, no Egito pré-dinástico (anterior aos faraós), essa dança era praticada em segredo pelas sacerdotisas, em devoção à Iaset, deusa da magia e do mistério, também conhecida como Ísis, representada pela Lua.

A dança servia para celebrar a vida e a fertilidade. Nas festas anuais em homenagem à Iaset, as sacerdotisas preparavam a cerimônia de abertura do canal para o plano espiritual, o Cosmo, por meio de cânticos e da dança. Os passos executados narravam as histórias dos deuses, representavam os quatro elementos ou imitavam o movimento dos animais (gato, camelo, serpente) e da natureza (folhas, ondas, árvores).

Na época faraônica, a Dança do Ventre continuou fazendo parte das cerimônias religiosas, mas acabou chegando a outras comemorações familiares como aniversários, nascimentos e funerais. Aos poucos, a dança foi deixando de ser exclusividade das sacerdotisas, atingindo todas as castas.

Embora a dança fosse parte essencial da cultura egípcia, apenas as mulheres das classes mais baixas podiam dançar em público. Quanto mais importantes as mulheres, mais restritas eram as suas apresentações.

Quando os árabes invadiram o Egito, ficaram encantados com a beleza e sensualidade dos movimentos da dança e divulgaram-na por todo o Oriente. A partir de então, nasceu a Dança Oriental ou Raks el Shark, como é conhecida nos países árabes. Assim, com a influência de outros povos, a dança egípcia perdeu de vez seu caráter ritualístico, sofrendo até mesmo alterações nos passos e no vestuário.

Mas a dança ganhou fama mesmo quando Napoleão fez sua expedição ao Egito, em 1798 : os europeus foram cativados pelas dançarinas ghawazee (ciganas), famosas por suas performances. Da Europa para o resto do mundo, bastou as bailarinas atravessarem os mares e seduzirem os espectadores com toda a graça de sua dança.

Religião Árabe

Religião monoteísta baseada nos ensinamentos de Maomé (chamado "O Profeta"), contidos no livro sagrado islâmico, o Alcorão. A palavra islã significa submeter-se e exprime a submissão à lei e à vontade de Alá (Allah, Deus em árabe). Seus seguidores são chamados muçulmanos - muslim, em árabe, aquele que se submete a Deus.

Fundada onde hoje é Arábia Saudita, estima-se que reúna mais de 1 bilhão de fiéis (18% da população mundial), em especial no norte da África, no Oriente Médio e na Ásia. É a segunda maior religião do mundo, atrás do cristianismo. No Brasil, segundo estimativa da Mesquita Islâmica de São Paulo, há cerca de 1 milhão de muçulmanos.

MAOMÉ

O nome Maomé (570 - 632) é uma alteração hispânica de Muhammad, que significa digno de louvor. O Profeta nasce em Meca, numa família de mercadores.

Começa sua pregação aos 40 anos, quando, segundo a tradição, tem uma visão do arcanjo Gabriel, que lhe revela a existência de um Deus único. Na época, as religiões da península Arábica são o cristianismo bizantino, o judaísmo e uma forma de politeísmo que venera vários deuses tribais. Maomé passa a pregar sua mensagem monoteísta e encontra grande oposição.

Perseguido em Meca, é obrigado a emigrar para Medina, em 622. Esse fato, chamado Hégira, é o marco inicial do calendário muçulmano. Em Medina, ele é reconhecido como profeta e legislador, assume a autoridade espiritual e temporal, vence a oposição judaica e estabelece a paz entre as tribos árabes. Quase dez anos depois, Maomé e seu exército ocupam Meca, sede de Caaba, centro de peregrinação dos muçulmanos.

Maomé morre em 632 como líder de uma religião em expansão e de um Estado árabe em via de se organizar politicamente.

LIVROS SAGRADOS

O Alcorão (do árabe al-qur'ãn, leitura) é coletânea das diversas revelações divinas recebidas por Maomé de 610 a 632. É dividido em 114 suras (capítulos), ordenadas por tamanho. Seus principais ensinamentos são onipotência de Deus e a necessidade de bondade, generosidade e justiça nas relações entre as pessoas.

Neles estão incorporados elementos fundamentais do judaísmo e do cristianismo, além de antigas tradições religiosas árabes. A segunda fonte de doutrina do Islã, a Suna, é uma conjunto de preceitos baseados nos ahadith (ditos e feitos do profeta).

PRECONCEITOS RELIGIOSOS

A vida religiosa do muçulmano tem práticas bastante rigorosas. Ele deve cumprir os chamados pilares da religião.

O primeiro é a shadada ou profissão de fé: Não há deus e sim Deus. Maomé é o profeta de Deus. Ela deve ser recitada pelo menos uma vez na vida, em voz alta, com pleno entendimento de seu significado.

O segundo pilar são as cinco orações diárias comunitárias (slãts), durante as quais o fiel deve ficar ajoelhado e curvado em direção a Meca. Às sextas-feiras realiza-se um sermão a partir de um verso do Alcorão, de conteúdo moral, social ou político. O terceiro pilar é uma taxa chamada zakat. Único tributo permanente ditado pelo Alcorão, é pago anualmente em grãos, gado ou dinheiro. Deve ser empregado para auxiliar os pobres, mas também para o pagamento de resgate de muçulmanos presos em guerras.

O quarto pilar consiste no jejum completo feito durante todo o mês do Ramadã, do amanhecer ao pôr-do-sol. Nesse período, em que se celebra a revelação do Alcorão a Maomé, o fiel não pode comer, beber, fumar ou manter relações sexuais. O quinto pilar é o hajj ou a peregrinação a Meca, que precisa ser feita pelo menos uma vez na vida por todo muçulmano com condições físicas e econômicas para tal.

A esses cinco pilares, a seita khawarij adicionou o jihad. Traduzido comumente como guerra santa, significa batalha com a qual se atinge um dos objetivos do islamismo: reformar o mundo. É permitido o uso dos Exércitos nacionais como meio de difundir os princípios do islã. Segundo a doutrina muçulmana, as guerras, porém, não podem visar a expansão territorial nem a conversão forçada de pessoas. Por isso, o jihad não é aceito por toda a comunidade islâmica.

PERSEGUIÇÕES RELIGIOSAS

Quando o islamismo assumiu o controle da Arábia Saudita há 1.300 anos atrás, todos os cristãos foram expulsos do país. Os crentes não são tratados nenhum pouco melhor hoje. Os cristãos têm sido presos com falsas acusações, têm sido encarcerados e, até mesmo, decapitados por causa da sua fé. Nem mesmo cristãos estrangeiros em visita à Arábia Saudita têm permissão para se reunirem para o culto.

Desde 1992, foram documentados mais de 360 casos de cristãos expatriados que foram presos por participarem de reuniões de culto nas casas. A Arábia Saudita assinou muitos acordos sobre liberdade religiosa, como as convenções da ONU e direitos humanos internacionais, mas as palavras não tiveram reflexo nas suas ações.

As autoridades norte-americanas cobraram do governo Saudita o cumprimento das suas promessas de praticar a tolerância religiosa para todo o mundo, inclusive para os americanos. Apesar da ameaça de perseguição, os seguidores de Cristo perseveram, encontrando meios inovadores de se reunirem e encorajarem-se uns aos outros.

FESTAS RELIGIOSAS

As principais são Eid el Fitr, Eid el Adha, ano de Hégira e a comemoração do nascimento de Maomé. Elas acontecem nessa ordem ao longo do ano e são definidas segundo o calendário lunar, por isso têm datas móveis. Na Eid el Fitr é comemorado o fim doRamadã, com orações coletivas.

Eid el Adha rememora o dia em que Abraão aceita a ordem divina de sacrificar um carneiro em lugar de seu filho, Ismael. Na época de Eid el Adha também acontece a peregrinação a Meca. O ano de Hégira é o Ano-Novo islâmico, comemorado no dia 1º do mês Muharram. O ano (1998/1999) foi o 1.419º da Hérgia. O marco inicial é o ano de 622, quando Maomé deixa Meca.

DIVISÕES DO ISLAMISMO

Os muçulmanos se dividem em dois grandes grupos, os sunitas e os xiitas.

Os sunitas subdividem-se em quatro grupos menores: hanafitas, malequitas, chafeitas e hambanitas. São os seguidores da tradição do Profeta, continuada por All-Abbas, seu tio. Calcula-se que 83% dos muçulmanos sejam sunitas. Para eles, a autoridade espiritual pertence à comunidade como um todo.

Os xiitas (16% dos muçulmanos) são partidários de Ali, marido de Fátima, filha de Maomé. Seus descendentes teriam a chave para interpretar os ensinamentos do Islã. São líderes da comunidade e continuadores da missão espiritual de Maomé. A rivalidade com os sunitas é exacerbada com a revolução iraniana liderada por Ruhollah Khomeini.

Fonte: www.dannybia.com

Check Also

Félix Emile Taunay

Félix Emile Taunay

Nascimento: 1 de março de 1795, Montmorency, França. Falecimento: 10 de abril de 1881, Rio …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco − 4 =