Breaking News
Home / Turismo / Bangladesh

Bangladesh

 

História

A área que é agora Bangladesh tem um rico passado histórico e cultural, combinando Dravidian, indo-ariana, Mongol / Mughul, árabe, persa, turco, e as culturas da Europa Ocidental.

Moradores de Bangladesh, cerca de 98% dos quais são Bengali étnica e falam Bangla, são chamados de cidadãos de Bangladesh.

Urdu de língua, não-bengali muçulmanos de origem indiana, e vários grupos tribais, a maioria na região montanhosa de Chittagong, compõem o restante.

A maioria dos habitantes de Bangladesh (cerca de 83%) são muçulmanos, hindus, mas constituem uma minoria (16%) considerável. Há também um pequeno número de budistas, cristãos e animistas. Inglês é falado em áreas urbanas, e entre os educados.

Bangladesh

Cerca de 1200 dC, os invasores muçulmanos, sob a influência sufista, derrotaram os hindus existentes e as dinastias budistas em Bengala. Essa incursão levou conversão ao Islã da maioria da população em áreas do leste de Bengala, e criou uma minoria considerável muçulmano nas áreas ocidentais de Bengala. Desde então, o Islã tem desempenhado um papel crucial na história da região e da política.

Bengala foi absorvido pelo Império Mughul no século 16, e Daca, a sede de uma nawab (o representante do imperador), ganhou alguma importância como centro provincial. Mas, manteve-se, assim, um controle remoto e de difícil governar região - especialmente o leste trecho do rio Brahmaputra - fora do mainstream da política Mughul.

Comerciantes e missionários portugueses foram os primeiros europeus a chegar Bengala, na última parte do século 15. Eles foram seguidos por representantes dos holandeses, os franceses e os britânicos Empresas leste da Índia.

Até o final do século 17, a presença britânica, no subcontinente indiano, foi centrado em Calcutá.

Durante os séculos 18 e 19, os britânicos gradualmente estenderam seus contatos comerciais e controle administrativo além de Calcutá para Bengala.

Em 1859, a coroa britânica substituiu a Companhia da Índia Oriental, estendendo o domínio britânico de Bengala - que se tornou uma região da Índia -, no leste, até o rio Indo, no oeste.

A ascensão do nacionalismo em todo britânica controlada Índia, no final do século 19, resultou em animosidade crescente entre a comunidades hindu e muçulmana.

Em 1885, o All India Congresso Nacional foi fundada com a adesão indiana e britânica. Muçulmanos buscando uma organização fundaram a All-India Muslim League em 1906.

Embora tanto a Liga como o Congresso apoiou o objetivo de autodeterminação indígena, dentro do Império Britânico, as duas partes foram incapazes de chegar a acordo sobre uma forma de garantir a proteção dos muçulmanos direitos políticos, sociais e econômicos.

A história subseqüente do movimento nacionalista foi caracterizada por períodos de hindus e muçulmanos de cooperação, bem como por antagonismo comum. A idéia de um estado separado muçulmano ganhou popularidade crescente entre os muçulmanos indianos depois de 1936, quando a Liga Muçulmana sofreu uma derrota decisiva nas primeiras eleições sob Constituição indiana de 1935.

Em 1940, a Liga Muçulmana chamado por um Estado independente em regiões onde os muçulmanos eram a maioria. Campanha em que a plataforma nas eleições provinciais em 1946, a Liga ganhou a maioria dos assentos muçulmanos contestadas em Bengala. Violência comunal generalizada seguido, especialmente em Calcutá.

Quando a Índia britânica foi dividida e os domínios independentes da Índia e Paquistão foram criadas, em 1947, a região de Bengala foi dividido em linhas religiosas. A predominantemente metade muçulmana oriental foi designado para o Paquistão Oriental - e fez parte do Paquistão recém-independente - enquanto a parte ocidental predominantemente hindu tornou-se o estado indiano de Bengala Ocidental.

A história do Paquistão 1947-1971 foi marcado pela instabilidade política e dificuldades econômicas. Status de domínio foi rejeitado em 1956 em favor de uma "república islâmica dentro da comunidade." As tentativas de dominação política civil falhou, e que o governo impôs a lei marcial entre 1958 e 1962, e novamente entre 1969 e 1972.

Quase desde o advento da independência do Paquistão, em 1947, os atritos se desenvolveram entre o Oriente eo Paquistão Ocidental, que foram separados por mais de 1.000 quilômetros de território indiano.

Os paquistaneses do Oriente sentiram-se explorado pelo governo do Paquistão Ocidental, dominado central.

Diferenças linguísticas, culturais e étnicos também contribuiu para o afastamento do Oriente do Ocidente Paquistão.

Bengalis resistiu fortemente tentativas de impor urdu como a única língua oficial do Paquistão.

Respondendo a estas queixas, Sheikh Mujibur Rahman - amplamente conhecido como "Mujib" - em 1949 formaram a Liga Awami (AL), um partido projetado principalmente para promover interesses bengali.

Mujib tornou-se presidente da Liga Awami, e emergiu como líder do movimento de autonomia Bengali.

Em 1966, ele foi preso por suas atividades políticas.

Após a Liga Awami venceu todos os assentos Paquistão Oriental da Assembleia Nacional do Paquistão em 1970-1971 eleições, Paquistão Ocidental abriu negociações com o Oriente em questões constitucionais sobre a divisão do poder entre o governo central e as províncias, bem como a formação de um governo nacional liderada pela Liga Awami.

As negociações fracassaram, no entanto, e em 1 de março de 1971, o presidente paquistanês, Yahya Khan adiada indefinidamente a Assembléia pendente nacional, precipitando a desobediência civil em massa no Paquistão Oriental. Mujib foi preso novamente, seu partido foi banido, ea maioria de seus assessores fugiu para a Índia, onde eles organizaram um governo provisório.

Em 26 de março de 1971, após uma sangrenta repressão pelo exército do Paquistão, bengali nacionalistas declarou independente da República Popular de Bangladesh. Como combater cresceu entre o exército e os Bengali Mukti Bahini ("combatentes da liberdade"), cerca de 10 milhões bengalis, principalmente hindus, se refugiaram nos estados indianos de Assam e Bengala Ocidental.

A crise no Paquistão Oriental produziu novas cepas nas relações problemáticas do Paquistão com a Índia. As duas nações lutaram uma guerra em 1965, principalmente no oeste, mas a pressão de refugiados na Índia, no outono de 1971 produziu novas tensões no leste. Simpatias indianos se deitou com o Paquistão Oriental e, em novembro, a Índia interveio no lado dos bengaleses.

Em 16 de dezembro de 1971, as forças paquistanesas se renderam e Bangladesh - que significa "nação Bengala" - nasceu, o país tornou-se um novo democracia parlamentar sob uma constituição de 1972.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Bangladesh

CRISOL DE MITOS E CULTURAS

Terra de misticismo e recolhimento religioso, Bangladesh está situado em uma zona estratégica do subcontinente hindu.

Precisamente esta localização permitiu-lhe viver sob a influência dos povos de diversas culturas.

Seu fervor mulçumano levou o país a reclamar-se como estado independente frente a a dominação estrangeira e, assim tem conservado com orgulho as construções representativas de suas crenças.

Em Bangladesh convivem a planície de suas terras com a vida prodigada pelos rios, cujas ramificações ligam-se na forma de deltas para conformar habitats de singular beleza. Parques naturais e praias de sonhos fecham com broche de ouro o conjunto do paradisíaco território do país.

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Passaporte em vigor. É imprescindível visto, que pode-se obter nas representações diplomáticas do país para estadias superiores a 15 dias ou para realizar operações comerciais.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

Recomenda-se levar roupa de algodão e calçado cômodo, capa de chuva e repelente contra os insetos.

IDIOMA

O idioma oficial é o bengalí. Também fala-se o inglês.

ELETRICIDADE

A corrente elétrica é de 220/ 240 volts à 60 Hz.

CORREIOS E TELEFONIA

Para enviar cartões postais é melhor faze-lo das grandes cidades. Pode-se ligar por telefone também, desde as grandes cidades.

Os hotéis e as agências costumam ter serviço de telefone, télex ou fax. Para ligar a Bangladesh tem que marcar 00-880, seguido do prefixo da cidade e do número desejado.

FOTOGRAFIA

É melhor levar tudo que seja necessário para seus equipamentos de fotografía e vídeo. Em alguns recintos está proibido tomar imágens, sobretudo nos prédios militares e alguns religiosos. É melhor perguntar ou pedir autorização para fazê-lo.

HORÁRIO COMERCIAL

Os horários comerciais são das 10 às 19 horas. As lojas costumam permanecer abertas inclusive na hora do almôço e até nos dias feriados.

GORJETAS

Não é comum dar gorjetas aos serviços, assim que fica à consideração do cliente.

TAXAS E IMPOSTOS

Existe uma taxa do aeroporto.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Bangladesh encontra-se justo na curva da Baia de Bengala, na parte oriental do Ganges, em uma extensão muito plana de terrenos de aluvião que situam-se entre os três grandes rios que atravessam a zona: o Ganges (ou Padma), o Brahmaputra (ou Jamuna) e o Meghna. Colinda por quase todos seus arredores com a Índia, exceto na parte sudeste onde comparte suas fronteiras com Myanmar (antes Birmania), e ao sul, onde encontra-se com o Oceano Índico.

FLORA E FAUNA

A fauna de Bangladesh está composta por animais próprios da zona como o tigre real de bengala, os leopardos, os elefantes asiáticos (a maioria deles provenientes de Bihar) e alguns ursos pretos. Tem numerosos macacos, gibóias e mangostas. Entre os répteis estão a tartaruga de mar, a tartaruga de barro, a tartaruga do rio, o crocodilo e uma extensa variedade de cobras venenosas.

Existem mais de 600 espécies de aves, entre as que destacam o mynah e a águia pescadora de peixes. Precisamente os peixes encontram-se em extensa variedade nas costas marítimas e são parte importante da indústria alimentícia do país.

As terras de aluvião alcançam espessuras de mais de 1, 824 metros formando uma superficie carente de relevos. Existem algumas elevações na parte sul das colinas de Chittagong e no nordeste pelos arredores de Sylhet, onde alguns pontos alcançam os 1,200 metros de altura. Dominam as plantações de arroz que viram-se prejudicadas pelas primitivas técnicas de cultivo.

A juta desempenha um papel essencial na economia do país e sua produção centra-se nos aluviões fluviais superiores do norte e centro do país. Também produz-se açúcar de cana, sementes oleaginosas e tabaco. Bosques ocupam 16% do território e concentram-se basicamente nas zonas das montanhas de Chittagong, Khulna meridional, Sylhet e Madhupur. Lá pode-se encontrar fábricas de teca e bambu.

LOCAIS TURÍSTICOS

DHAKA

A capital do país está situada às márgens do rio Buriganga no centro de Bangladesh. Lá concentra-se a atividade comercial. Chegando desde Delhi ou Katmandú irá perceber-se o ar mais limpo, e se é desde Calcuta irá encontrar-se com uma cidade mais limpa e ordeira.

A zona velha da cidade desenvolveu-se quando Dhaka era uma cidade próspera do comércio Moghul. Situa-se entre dois terminais de transporte marítimo, Sadarghat e Badam Tole. Lá o panorama do rio Buriganga é particularmente fascinante e pode-se visitar o AhSão Manzil um antigo palácio pintado de rosa.

Outro atrativo da zona é o Fuerte albagh, uma antiga construção de 1678 localizada no casco antigo. Existem também antigas mezquitas como Hussain Dalan.

O Museu Nacional encontra-se ao norte da zona européia da cidade conhecida como a "cidade moderna". Nele encontram-se verdadeiros tesouros da história e da cultura do país.

CHITTAGONG

É a segunda cidade em importância e situa-se às márgems do rio Kamapuli, tem uma formosa vista que reflite a importância do rio na vida econômica da zona.

Muito perto encontra-se o antigo lugar português de Paterghatta que lembra a época cristã. O shahi Jamma-e-Masjid e o Qadam Mubarak são mesquitas que constituem as edificações mais importantes da cidade. Vale a pena visitar o Museu Etnológico na Cidade Moderna que exibe mostras representativas das diversas tribos etnológicas do país. No noroeste da cidade encontra-se a Colina das Fadas, um precioso lugar, onde pode-se apreciar maravilhosas vistas.

O BAZAR COX

Este é o único complexo turístico da zona e está muito perto de Myanmar. Tem um ambiente muito simpático no que os aldeões recebem os visitantes que ficam absortos com a maravilha do mar e suas praias; a mais conhecidas Himacheri e Inani.

AS RUINAS DE MAINIMATI

Famoso por ser um importante centro da cultura budista entre os séculos XVII e XII. As construções são de um misticismo impressionante e constituem perto de 50 centros religiosos. Os mais destacados são Slbam Vihara, Kotila Mura e Charpatra Mura. O primeiro deles é um mosteiro de 170 m2 de frente a um formoso templo no centro.

Muito perto encontra-se o museu que aloja os tesouros históricos da zona: estátuas de bronze, cascos de bronze, moedas, joalheria e outras demonstrações artísticas do budismo. Kotila Mura reune na sua construção as três compridas estufas que representam a Buda, Dharma e Sangha, as "três Jóias do Budismo".

O descobrimento mais importante de Charpatra Mura foram três pratos reais de cobre inscritos com os decretos a as regras do Chandra, outro à Sri Viradhara Deva e o último Rei hindu. Cabe levar em conta que algumas zonas militares por perto não podem ser visitadas sem permissão das oficinas militares.

SOMAPURI VIHARA

O mais importante mosteiro budista da zona sul do país data do século XVIII, o Somapuri Vihara em Paharpur. Abarca aproximadamente 11 hectares e suas construções incluem um longo pátio, cujos arredores estão as celas dos monjes. A arquitetura reflete o estilo da época, e em seu interior encontram-se mostras artísticas representativas do fervor religioso.

O PARQUE NACIONAL DE SUDARBANS

É o mais comprido cinturão de manglares do litoral no mundo todo. Extende-se ao longo de 80 quilômetros frente as costas e ainda conserva alguns remanescentes, do que foi a selva gangética de tempos longíncuos. São 38.500 quilômetros quadrados de área total, cuja terceira parte está coberta de água.

Desde 1966 os aldeões tem desenvolvido em suas cercanias uma sagrada vida selvagem. Avalia-se a existência de 400 tigres reais de bengala e uns 30.000 veados moteados. Para poder apreciar este ecossistema em todo seu esplendor precisa-se alugar um bote e percorrer a zona desde Mongla ou Dhagmari até Hiram Point. Uma vez ali um guía irá ajudá-lo internar-se no parque, contando-lhe a história e aventuras do lugar.

PUTHIA

Esta cidade possui a mais extensa quantidade de estruturas hindus de Bangladesh. A mais impressionante de todas é o Templo Govinda, que foi edificado entre 1823 e 1895 por um dos estados maharianos do estado de Puthia. É uma grande estrutura quadrada cheia de numerosas torres ornamentais em miniatura. As representações de cenas da épica hindu prodigam-lhe um misticismo singular.

ILHA SAÕ MARÍN

É uma pequena ilha a uns 10 quilômetros no sudoeste. Suas praias enfeitadas de coqueiros e palmeiras e sua extensa vida marinha, constituem um paraíso para o visitante. É possível percorre-la em um dia só, pois mede 8 quilômetros quadrados. A maioria dos habitantes, que são perto de 5.500, vivem basicamente da pesca entre outubro e abril. Pode-se chegar a ilha no transbordador que sai de Teknaf para São Martín diariamente, o percurso dura aproximadamente 3 horas.

GASTRONOMIA

A comida também tem influências chinesas e hindus. Assim é comum ver a combinação de carnes e vegetais com muitos temperos e acompanhados de arroz.

Consome-se com regularidade carneiro, frango, peixe e ovos. Os vegetais usualmente são preparados com um molho picante que contém mostarda e azeite. O arroz prepara-se fervido e o peixe que consomem é o de rio, ultimamente escasso, e começa-se a substituir pelo do mar. Também existe um prato típico, baseado em lentilhas que chama-se dal. As bebidas alcólicas não costumam estar à disposição, exceto nos hotéis de cinco estrelas.

COMPRAS

Poderá levar de lembrança alguns artesanatos da região. Existem representações em miniatura de imágens religiosas. Também poderá conseguir algumas feituras em tecidos fetos à maõ, preciosidades em algodão e alguns artigos de joalheria. Distinguem-se, também, os artesanatos em juta, a cerâmica e as famosas roupas de pele virada.

POPULAÇÃO E COSTUMES

Muçulmanos e hindus de Bangladesh vivem em relativa harmonia. A maioria religiosa muçulmana é encabeçada pelos líderes pirs cujo estatus balança entre a posição de um bispo e um sábio. Os hindus mantém seus costumes religiosos, porém, com mais recato, suas cerimonias são raramente conduzidas nas profundezas dos templos, cujo acesso está restringido. Os budistas formam minoria, embora que, também mantém suas práticas religiosas.

ENTRETENIMENTO

As zonas naturais são ideais para praticar esportes ao ar livre. Na área das cordilheiras é comum o montaismo, o trekking e o senderismo. Nas áreas de lagos é comum o piragüismo e a pesca esportiva. Nas praias pode-se realizar também esportes aquáticos com segurança como o mergulho e a pesca esportiva ou simplemente, dar um passeio em alguma embarcação.

FESTIVIDADES

Os festivais muçulmanos são guiados pelo calendário lunar. No começo do ano celebra o Ramadam, que dura de fevereiro a março. Com a lua cheia, 14 dias antes do começo do Ramadan, celebra-se o Shab-e-Barat, uma noite sagrada na que repartem-se esmolas e doces aos necessitados.

Os festivais hindus seguem um calendário diferente, porém, em geral coincidem nas datas cada ano. O Holi Festival ou Festival das Cores, é comumente conhecido, como o festival da primavera e celebra-se na primeira semana de março. Durga Puja é uma festa que tem lugar em outubro e celebra-se em cada um dos templos hindus.

O dia 26 de Março festeja-se o Dia da Independência.

TRANSPORTES

Avião

Existem muitos vôos internacionais que chegam ao Aeroporto Internacional de Dhaka. De fato, muitos viajantes utilizam a parada de Dhaka, como porta de entrada ao subcontinente hindu, para tomar vantagem dos preços econômicos desde a Europa. Os destinos principais de entrada e saida da capital de Bangladesh são Bangkok e Calcuta.

Barco

As vias fluviais são as principais artérias de transporte do país. Formam um sistema global que flutua entre 5.150 quilômetros em temporada seca e 8.000 na época de alagações. Os portos principais são os de Chittagong e Chalna.

Trem

O sistema ferroviário e de estradas tem-se desenvolvido pouco em vista do uso mais cotidiano das rotas fluviais. A rede ferroviária foi construida durante a dominação britânica na sua maior parte.

Estradas

As estradas pavimentadas só representam 10% do total das vias de trânsito.

Transporte público

O transporte interno em Bangladesh é barato.

É importante conhecer as regras do uso dos serviços: tem que estar à tempo, tratar de conseguir as passagens com antecipação e prever qualquer complicação.

O serviço de ônibus é algo incômodo e os motoristas são um pouco descuidados para dirigir, assim tome suas precauções.

Não é possível alugar carro sem motorista; porém, as tarifas de aluguel de automóveis com motorista são acessíveis. Também existem os rickshaws e auto-rickshaw que são baratos se pechinchar o preço.

Fonte: www.rumbo.com.br

Bangladesh

País no centro-sul da Ásia, Bangladesh está localizado no delta dos rios Ganges e Brahmaputra, na região chamada de Subcontinente Indiano.

A baixa altitude de seu território - cerca de 90% está a menos de 10 metros acima do nível do mar - faz com que o solo seja fertilizado pelos rios nos períodos de cheias. No entanto, freqüentes inundações provocam enormes prejuízos e mortes. Com cerca de 900 habitantes por km2, o país está entre os mais densamente povoados do mundo.

A maioria da população é muçulmana e há um grupo numeroso de hinduístas. As relações entre as duas comunidades, ao contrário do que acontece na vizinha Índia, não são marcadas por conflitos. Nas planícies alagadas de Bangladesh produz-se arroz e metade da juta consumida no mundo.

Embora tenha conseguido aumentar a exportação de roupas de algodão, o país ainda é muito dependente da ajuda econômica externa (1,5 bilhão de dólares em 1999/2000). A taxa de analfabetismo é superior a 60% e as condições sanitárias estão entre as piores da Ásia. Campanhas de controle da natalidade nas duas últimas décadas conseguiram reduzir o crescimento populacional.

História

No século XII, invasores muçulmanos trazem o islamismo para a região onde hoje está Bangladesh. O domínio maometano tem seu auge durante o Império Mongol, entre 1526 e 1857. O território passa ao jugo do britânico no século XVIII, integrado à Índia, com o nome de Bengala Oriental. Apesar do convívio com os hinduístas, a comunidade muçulmana mantém sua identidade sob o governo britânico.

Em 1947, sob pressão de movimentos nacionalistas, o Reino Unido partilha o Subcontinente Indiano em dois países independentes: a Índia (majoritariamente hinduísta) e o Paquistão (muçulmano).

O atual Bangladesh é originalmente incorporado ao Estado paquistanês como uma província chamada Paquistão Oriental, separada do resto do país por 1,6 mil km de território indiano.

Embora o atual Bangladesh seja mais populoso, o poder político fica na parte ocidental do país, em Islamabad, a capital paquistanesa. Os bengaleses se sentem discriminados pelo Paquistão Ocidental, que se apropria da maior parte dos recursos do país.

O descontentamento explode em 1954, quando o urdu é declarado idioma oficial do Paquistão, em detrimento do bengali, falado na parte oriental. Só em 1955, depois de uma onda de protestos, o bengali é reconhecido igualmente como língua oficial e as duas partes do país passam a ter o mesmo número de representantes na Assembléia Nacional.

Independência

Em 1970, a Liga Awami, defensora de maior autonomia para o Paquistão Oriental, fortalece-se com a conquista de 167 das 313 cadeiras na Assembléia Nacional, nas primeiras eleições legislativas abrangendo todo o país.

Para impedir que seu líder, o xeque Mujibur (Mujib) Rahman, se torne primeiro-ministro, o presidente paquistanês, general Yahya Khan, fecha o Parlamento e envia o Exército nacional para esmagar o movimento separatista e prender Mujib como traidor.

No dia 26 de março de 1971, o xeque Mujib proclama em uma cadeia de rádio a independência do Paquistão Oriental, com o novo nome de Bangladesh. Forças leais ao governo paquistanês reagem violentamente à proclamação de independência de sua província oriental, iniciando uma guerra civil que deixa milhares de mortos.

Cerca de 10 milhões de bengaleses fogem para a Índia. Em apoio ao novo país, o governo indiano declara guerra ao Paquistão, que se rende em dezembro. No ano seguinte, Mujib torna-se primeiro-ministro e, em fevereiro de 1975, assume a Presidência de Bangladesh, mas é assassinado em um golpe de Estado, em agosto.

Democratização

Após vários governos militares, o país passa por um processo de democratização a partir de 1991, com a eleição da civil Khaleda Zia, do Partido Nacionalista de Bangladesh (BNP), como primeira-ministra. No mesmo ano, Bangladesh sofre uma das maiores catástrofes naturais do século XX, causada por um ciclone, que mata 250 mil pessoas e provoca enormes danos materiais. A partir de 1992, a alta dos preços e a tentativa de privatizar empresas estatais desencadeia uma onda de protestos.

Em 1994, oito partidos de oposição bloqueiam o trabalho do Legislativo, acusando o governo de fraudar eleições. No final do ano, 147 parlamentares renunciam, em protesto contra a insistência de Zia em permanecer na chefia de governo. As eleições gerais de fevereiro de 1996 são marcadas pela violência.

Sob pressão dos militares, Zia renuncia em março. Novas eleições, realizadas em junho, são vencidas pela Liga Awami, que elege Hasina Wajed (filha de Mujib) para primeira-ministra com o apoio do Jatiya Dal, terceiro maior partido político do país.

Em setembro de 1998, Bangladesh é assolado por uma enchente que mata 1,5 mil pessoas e atinge 60% da superfície do país. Novas inundações, entre agosto e outubro de 2000, provocam centenas de mortes e mais de 1 milhão de desabrigados.

Apesar da fragilidade da economia de Bangladesh, uma experiência nascida no país torna-se referência internacional. Trata-se do Grameen Bank, o "Banco do Povo", que desde 1976 concede mais de 3 bilhões de dólares em créditos à população mais pobre, registrando inadimplência de apenas 2%.

Fundamentalismo

A crescente influência do fundamentalismo islâmico manifesta-se na perseguição à escritora feminista Taslima Nasreed. Em 1994, acusada de blasfêmia por líderes religiosos que exigem sua execução, ela foge do país e se exila na Suécia para escapar à prisão.

Em setembro de 1998, Nasreed volta a Bangladesh e obtém permissão para responder ao processo em liberdade. Em janeiro de 1999, no entanto, novas ameaças fazem com que regresse à Suécia. Em agosto, seu novo livro é proibido em Bangladesh.

Fatos recentes

Em fevereiro de 2001, a oposição deflagra uma greve geral de três dias contra a tentativa do governo de aprovar uma lei que permite a detenção sem julgamento por até 90 dias por motivos de "segurança pública". Nova greve geral, em abril, provoca confronto entre a polícia e os manifestantes, com um saldo de três mortos e mais de 200 feridos.

No mesmo mês, ocorre um tiroteio entre soldados da Índia e de Bangladesh numa localidade de fronteira no norte do país. No combate - o incidente mais grave entre os dois países desde 1976 - morrem 16 soldados indianos e três bengaleses.

Uma onda de atentados eclode em 2001. Em abril, uma bomba contra uma multidão de 50 mil pessoas, durante a festa do ano novo bangalês, em Daca, causa 11 mortes (fundamentalistas islâmicos haviam ameaçado as comemorações, classificando-as de "rito pagão").

Outro atentado, em junho, mata 10 pessoas que assistiam à missa numa igreja católica no sudoeste do país. Em junho, uma bomba explode na sede da Liga Awami (o partido governista), matando 22 pessoas e ferindo cerca de 100. A primeira-ministra Wajed acusa o partido oposicionista BNP de responsável pela ação terrorista.

Economia

O governo bengali mantém em 2000 seu programa de privatização das empresas estatais e reafirma a intenção de transferir para o setor privado 49% das ações da companhia área BBA (Biman Bangladesh Airlines).

Uma boa notícia econômica vem de estudos mostrando que as reservas de gás natural descobertas no país em 1999 são muito maiores do que se imaginava. Mas há um impasse, pois o governo não concorda que o gás natural seja exportado para a Índia, maior mercado potencial para as empresas interessadas na exploração do combustível.

Fonte: www.ministeriobethel.com.br

Bangladesh

Nome oficial: República Popular de Bangladesh (Gana Prajatantri Bangladesh).
Nacionalidade: bengalesa.
Data nacional: 26 de março (Independência).
Capital: Daca.
Cidades principais: Daca (3.637.892), Chittagong (1.566.070), Khulna (601.051), Rajshahi (324.532) (1991).
Idioma: bengali (oficial), dialetos regionais.
Religião: islamismo 88,3%, hinduísmo 10,5%, budismo 0,6%, cristianismo 0,3%, outras 0,3% (1991).

Geografia

Localização: centro-sul da Ásia.
Hora local: + 9h.
Área: 143.998 km2.
Clima: tropical com chuvas de monção.
Área de floresta: 10 mil km2 (1995).

População

Total: 129,2 milhões (2000), sendo bengalis 98%, outros 2% (1996).
Densidade: 897,23 hab./km2.
População urbana: 23% (1998).
População rural: 77% (1998).
Crescimento demográfico: 1,7% ao ano (1995-2000).
Fecundidade: 3,11 filhos por mulher (1995-2000).
Expectativa de vida M/F: 58/58 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil: 79 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: 59,2% (2000).
IDH (0-1): 0,461 (1998).

Política

Forma de governo: República parlamentarista.
Divisão administrativa: 6 divisões.
Principais partidos: Liga Awami, Nacionalista de Bangladesh (BNP), Jatiya Dal.
Legislativo: unicameral - Parlamento com 330 membros (300 eleitos por voto direto e 30 mulheres indicadas por estes) com mandato de 5 anos.
Constituição em vigor: 1972.

Economia

Moeda: taka.
PIB: US$ 42,7 bilhões (1998).
PIB agropecuária: 22% (1998).
PIB indústria: 28% (1998).
PIB serviços: 50% (1998).
Crescimento do PIB: 4,7% ao ano (1990-1998).
Renda per capita: US$ 350 (1998).
Força de trabalho: 64 milhões (1998).
Agricultura: juta, chá, arroz, trigo.
Pecuária: bovinos, búfalos, caprinos, aves.
Pesca: 1,3 milhão de t (1997).
Mineração: gás natural , petróleo.
Indústria: têxtil, alimentícia, vestuário, química.
Exportações: US$ 3,8 bilhões (1998).
Importações: US$ 6,9 bilhões (1998).
Principais parceiros comerciais: Índia, Europa Ocidental, EUA, Japão, China.

Defesa

Efetivo total: 121 mil (1998).
Gastos: US$ 607 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Bangladesh

Capital: Dhaka
Idioma: bengali
Moeda: taka
Clima: tropical úmido e polar de altitude
Fuso horário (UTC): +6

Pontos turísticos

Ruínas de Mainimati

Importante centro da cultura budista entre os séculos VII e XII, possui mais que 50 pontos budistas separados, entre eles se destacam o Salban Viahra, um monastério em frete à um templo no centro de um jardim com 170m²; o Kotila Mura, três grandes stupas representando Buda, Dharma e Sangha; e Charpatra Mura, onde foram descobertas quatro placas de bronze, três delas pertencentes a governantes Chandra, e uma a um rei Hindu.

Somapuri Vihara

Templo budista do século VIII, fica em Paharpur e por muito tempo foi o maior templo budista ao sul do Himalaia. O mais impressionante sítio arqueológico do país, tem uma área de 11 hectares. Embora em estado decadente de conservação, suas construções impressionam, entre elas as stupas, as celas dos monges e o jardim murado.

Parque Nacional de Sundarbans

Maior cinturão de mangue do mundo, cobre uma área de 38.500 km2, sendo que um terço é coberto por água. Transformado em santuário animal, estima-se que abriga por volta de 400 tigres-de-bengala e 30.000 veados. O parque também abriga algumas famílias pesqueiras, que utilizam lontras treinadas para captura dos peixes.

Fonte: www.geomade.com.br

Bangladesh

Bangladesh é um país do sul da Ásia.

A capital é Daca [Dacca].

A principal religião é o Islamismo (Sunita) e o Hinduísmo.

A língua nacional é o Bengali, o outro idioma principal é o Inglês. Os Europeus começaram a estabelecer postos de comércio na área de Bangladesh no século 16; eventualmente os Ingleses passaram a dominar a região e ela se tornou parte da Índia Britânica.

Em 1947, o Paquistão Ocidental e Bengala Oriental (ambos de maioria Muçulmana), separaram-se da Índia (em grande parte Hindu) e em conjunto tornaram-se o novo país do Paquistão. Bengala Oriental tornou-se o Paquistão Oriental em 1955, mas o desajeitado arranjo de dois países com as suas unidades territoriais separadas por 1.600 km deixou os Bengalis marginalizados e insatisfeitos.

O Paquistão Oriental se separou de sua união com o Paquistão Ocidental em 1971 e foi renomeado Bangladesh. Um regime provisório de emergência apoiado pelos militares suspendeu as eleições parlamentares previstas para Janeiro de 2007, em um esforço para reformar o sistema político e erradicar a corrupção.

Em contraste com as greves e manifestações de rua violentos que marcaram a política de Bangladesh nos anos anteriores, as eleições parlamentares finalmente realizadas no final de Dezembro de 2008 foram na sua maioria pacíficas e o Sheikh Hasina Wajed foi reeleito primeiro-ministro. Cerca de um terço deste país extremamente pobre inunda anualmente durante a estação das chuvas de monção, prejudicando o desenvolvimento econômico.

A bandeira de Bangladesh retrata um sol de fogo vermelho sobre um mar de campos de arroz verde, simbolizando a beleza deste país do sul da Ásia. Enquanto Bangladesh é realmente bonito, é também um dos países mais pobres e mais densamente povoados do mundo.

Rios fornecem-no com o solo fértil que é o seu maior recurso. No entanto, eles também trazem as inundações que são um dos maiores problemas de Bangladesh e a fonte de grande parte da miséria do seu povo.

A instabilidade política tem dificultado a capacidade de Bangladesh para lidar com inundações e outros problemas. Uma vez que declarou sua independência do Paquistão em 1971, esta jovem democracia tem sido assolada por assassinatos políticos, golpes, violência eleitoral, e punitivos boicotes.

Apesar destes desafios, os Bengaleses estão comprometidos com um sistema de governo que seja aceitável tanto em casa como na comunidade internacional, em que se baseia para bilhões de dólares em ajuda a cada ano.

Terra

Bangladesh - o nome significa "Nação Bengal" - encontra-se montada na Baía de Bengala, onde o seu litoral recortado se estende por 357 mi. (575 km). A Baía de Bengala, um braço do Oceano Índico, é o único recurso natural para ditar a forma da borda irregular de 55.598 sq. mi. (143.998 sq. km) do país.

Considerações políticas e uma tentativa de manter intactas as comunidades guiaram a mão da Grã-Bretanha ao desenhar a fronteira quando esculpiu duas novas nações - a Índia e o Paquistão - fora da Índia Britânica em 1947. Como resultado, Bangladesh, que os Britânicos chamaram Paquistão Oriental, é quase totalmente rodeada por seu vizinho gigante, a Índia. Ela compartilha uma fronteira com Myanmar (antiga Birmânia) no sudeste.

Quatro quintos de Bangladesh ocupam o grande Delta de Bengala, que é formado por três dos mais poderosos rios do mundo - o Ganges, o Brahmaputra e o Meghna. O delta é uma grande planície plana que é cortada por inúmeros rios e riachos.

Quando estes canais estouram durante a temporada de enchentes, eles depositam o solo fértil ao longo de suas margens. Os Bengaleses usam esta terra para cultivar uma variedade de culturas, incluindo o arroz, principal produto agrícola do país e alimento básico.

Enquanto a maioria de Bangladesh fica a menos de 50 pés (15 m) acima do nível do mar, existem áreas montanhosas no extremo nordeste e cantos sudeste do país. O ponto mais alto do país, Keokradong, é de 4.036 pés (1.230 m) de altura. As colinas de Chittagong, um distrito ao leste da Baía de Bengala, são cobertas com florestas tropicais e de teca, uma valiosa madeira de lei. Chittagong, o principal porto de Bangladesh, fica na foz do Rio Karnaphuli, que atravessa este distrito.

O bambu cresce durante a maior parte de Bangladesh, assim como as mangueiras, palmeiras e árvores de tamarindo. Tigres de Bengala vivem nos Sundarbans, uma região pantanosa no sudoeste de Bangladesh.

Clima

Bangladesh tem um clima de monção semitropical com duas estações principais - um verão quente e úmido e um inverno mais frio, mais seco. A temperatura média em Abril, mês normalmente mais quente, é de 82 °F (28 °C). Em Janeiro, normalmente o mês mais frio, a temperatura média é de 64 °F (18 °C).

Bangladesh recebe uma enorme quantidade de chuvas. A estação chuvosa dura desde meados de Março a Outubro. As monções - mudanças na direção dos ventos predominantes - aparecem cerca de meados de Maio.

Durante a estação das monções, os ventos da Baía de Bengala trazem chuva praticamente todos os dias. A precipitação média anual é de 100 polegadas (250 cm) no leste, 65 polegadas (165 cm) no oeste, e tanto quanto 250 polegadas (635 cm) no extremo nordeste.

As chuvas das monções causam frequentemente rios a transbordar e inundam a paisagem circundante. Em Agosto e Setembro de 1988, Bangladesh experimentou as piores inundações das monções de sua história. Em um ponto, 75 por cento do país ficou debaixo d'água. Mais de 2.000 pessoas morreram, e cerca de 25 milhões de outras pessoas ficaram desabrigadas em conseqüência das enchentes.

Os ciclones tropicais muitas vezes atingem Bangladesh no final da estação das monções. Estas tempestades ferozes podem ser acompanhadas por enormes ondas de maré, ou tempestades, que fazem seu maior dano à baixa altitude de nações como Bangladesh. Em 1970, um ciclone e um maremoto que atingiram Bangladesh, então chamado o Paquistão Oriental, mataram cerca de 300.000 pessoas, afogaram milhões de animais, e destruiram a maior parte da frota nacional de pesca. Um ciclone de 1985 matou cerca de 10.000 pessoas.

População

Bangladesh é uma das mais densamente povoadas nações do mundo, com uma média de mais de 2.000 pessoas por mi² (806 pessoas por km²). Mais de 80 por cento de todos os Bengaleses vivem em áreas rurais, principalmente em pequenas aldeias, e tentam ganhar a vida através da agricultura.

Suas casas são de um ou dois quartos - casas de bambu com telhado de colmo. Há pouca ou nenhuma eletricidade ou água encanada. Os Sundarbans e o distrito de Chittagong Hill são as menos densamente áreas povoadas de Bangladesh.

Cerca de 20 por cento de todos os Bengaleses vivem em pequenas casas de madeira apertadas nas cidades e vilarejos de Bangladesh. Embora principalmente um país rural, Bangladesh tem mais de uma dúzia de cidades com população superior a 100.000. A maior destas é Dhaka (anteriormente Dacca), a capital.

Continuamente habitada desde os anos 400s, Dhaka tem agora 3,5 milhões de pessoas vivendo em sua área metropolitana. Chittagong, no sudeste, é a segunda maior cidade do país e o principal porto.

Bengalis

A maioria dos Bengaleses são descendentes de pessoas que migraram para a área milhares de anos atrás de terras agora ocupadas por Myanmar, o Tibet e o norte da Índia. Noventa e oito por cento dos Bangladeshis são Bengalis - pessoas de pele escura, pequenos, como os seus vizinhos no estado Indiano de Bengala Ocidental. Os vários grupos minoritários do país incluem os Chakmas, os Marmas, os Mros, e os Tipperas, que vivem principalmente no distrito de Chittagong Hill.

Ao contrário de seus vizinhos principalmente Hindus de Bengala Ocidental, a maioria dos Bengaleses são Muçulmanos. Em 1988, uma emenda constitucional fêz o Islã a religião oficial de Bangladesh, mas afirmou que as outras religiões podiam ser praticadas livremente. Cerca de 16 por cento de todos os Bengaleses são Hindus, e cerca de 1 por cento são Budistas e Cristãos.

A maioria das pessoas falam o Bangla (também chamado de Bengali), a língua oficial. O Inglês é amplamente utilizado no comércio, no governo, e no ensino superior.

Pessoas Montanhesas

Houve um longo e sangrento conflito no distrito de Chittagong Hill entre as tribos locais e os Bengalis étnicos que foram se estabelecendo ali em números crescentes. Os montanheses, a maioria dos quais seguem o Budismo, sentem que devem proteger sua cultura e religião dos "flatlanders", como eles chamam os Bengalis.

O governo está tentando aliviar as tensões no bairro, dando ao povo nas colinas mais liberdade para tratar de seus próprios assuntos. No entanto, os montanheses insistem que todas as pessoas não-tribais devem ser retiradas de seu distrito - uma demanda que vai ser difícil de ser atendida pelos Bengalis sequiosos por terra.

Mulheres

O Islã domina a vida social, política e religiosa em Bangladesh, e ele fortemente influencia a vida de todos os cidadãos de Bangladesh. O costume Muçulmano do purdah, que significa "cortina", exige que as mulheres fiquem fora da vista pública.

As mulheres Muçulmanas cobrem suas cabeças com véus em torno dos desconhecidos, evitam o contato social com homens que não são relacionados, e participam de poucas atividades fora de suas casas. Os homens Muçulmanos fazem a maior parte das compras para suas famílias, e, geralmente, eles têm mais liberdade do que suas esposas. As mulheres Hindus têm maior liberdade social do que as mulheres Muçulmanas, embora os seus direitos legais sejam limitados.

Dois terços de todas as mulheres de Bangladesh se casam com idades entre 15 e 19, e durante a sua vida cada uma pode ter cinco ou seis filhos. Enquanto cerca de 63 por cento de todos os homens podem ler e escrever, apenas 49 por cento de todas as mulheres podem fazê-lo. Em média, as mulheres de Bangladesh vivem por 60-anos - um ano a menos que os homens.

Educação

Em um país que não tem lei que exige que as crianças possam ir à escola, apenas cerca de metade de todas as crianças frequentam a escola primária. Apenas cerca de um em cada cinco Bengaleses freqüentam a escola secundária. Os programas de educação de adultos têm ajudado a melhorar a taxa de alfabetização global, que permanece relativamente baixa para a Ásia, mas tem aumentado nos últimos anos.

Alimentos

Arroz e peixe são os alimentos mais populares, e o chá a bebida mais popular. Por causa da pobreza generalizada, no entanto, muitos Bengaleses não têm comida suficiente para comer, e a água é muitas vezes a única bebida disponível.

A escassez de alimentos e as condições de vida insalubres causam doenças generalizadas. A malária, que é transmitida por mosquitos que se desenvolvem nas regiões pantanosas de Bangladesh, mata milhares de pessoas a cada ano.

Artes Bengali

Apesar de suas muitas dificuldades, os Bengaleses encontram tempo para a arte e a literatura. O ar da noite quente do país é sempre preenchido com as canções de Rabindranath Tagore, um poeta Bengali da Índia, que se tornou proeminente na literatura Bengali durante o final dos 1800s. Peças baseadas em histórias religiosas são formas populares de entretenimento, também.

Roupa

As mulheres Bengali tradicionalmente usam o sari, um simples pedaço de pano envolto ao redor do corpo como um vestido longo, com uma blusa curta por baixo. Os homens Muçulmanos costumam usar o lungi, uma peça de roupa apertada como camisa.

Os homens Hindus usam o dhoti, um pedaço de pano enrolado ao redor da cintura e entre as pernas, e eles muitas vezes passam sem camisa no clima quente de Bangladesh.

A Economia

Com uma renda média per-capita anual de cerca de US$ 1.900, Bangladesh é uma das nações mais pobres do mundo. A economia é pouco desenvolvida e depende quase inteiramente da agricultura. Quase dois terços das pessoas são agricultores. A maioria dos Bengaleses trabalha com ferramentas simples em fazendas com tamanho médio de menos de 3,5 acres (1,4 ha).

Os principais produtos agrícolas são o arroz e a juta, uma fibra usada para fazer cordéis, sacos, e serapilheira. Arroz, alimento básico do país, cresce em quase todas as partes da nação. O solo fértil e a água abundante permitem três colheitas por ano a serem colhidas em muitas áreas. Bangladesh é o maior produtor mundial de juta, mas a demanda global por ela diminuiu.

Economia - visão geral:

A economia cresceu 5-6% por ano desde 1996, apesar da instabilidade política, infra-estrutura deficiente, a corrupção, fontes de alimentação insuficiente e lenta implementação de reformas econômicas.

Bangladesh continua a ser uma nação pobre, superpovoado e ineficiente governados. Apesar de mais de metade do PIB é gerado pelo setor de serviços, 45% dos habitantes de Bangladesh são empregados no setor agrícola com arroz como produto único-mais-importante.

Crescimento de Bangladesh foi resiliente durante a crise global 2008-09 financeira e da recessão. As exportações de vestuário, totalizando US $ 12,3 bilhões em FY09 e remessas de Bangladesh no exterior, totalizando US $ 11 bilhões em EF10, responderam por quase 12% do PIB.

Indústria

Apesar de Bangladesh ter poucas fábricas, suas indústrias produzem bens que podem ser vendidos no exterior, permitindo a Bangladesh ganhar valiosa moeda estrangeira. Moinhos de juta transformam a fibra de juta em cordas, estopas, e apoio de tapetes.

A confecção de vestuário substituiu o processamento da juta como a indústria chefe da nação e fonte líder de suas exportações. Mudanças nas quotas têxteis mundais em 2004 eram esperadas para ter um impacto devastador sobre a economia de Bangladesh.

O processamento de pescado e camarão para exportação é uma indústria crescente. Outras indústrias incluem o processamento de alimentos e a fabricação de papel, couro, cimento e fertilizantes. Além da juta, as principais culturas de exportação são o trigo, chá e tabaco. Bangladesh também exporta couro e madeira.

Outra importante fonte de divisas são as remessas à Bangladesh dos que trabalham no exterior, principalmente como trabalhadores convidados nos países Árabes do Oriente Médio. Ainda outra fonte é a ajuda externa.

Bangladesh precisa de divisas para pagar as importações necessárias, que incluem materiais de construção, produtos químicos, carvão, eletrodomésticos, máquinas, petróleo, têxteis, equipamentos de transporte e alimentos.

Mesmo com as importações e a crescente produção de alimentos, a oferta de alimentos à Bangladesh não está aumentando mais rápido do que a sua população. Embora seu crescimento tenha abrandado nas últimas décadas, a população deverá ultrapassar 208 milhões até o ano 2025.

Desvantagens de Investimento

A tentativa do governo para incentivar o crescimento industrial a fim de compensar a dependência do país em produtos agrícolas e na agricultura tem sido decepcionante. Os investidores estrangeiros, especialmente, estão receosos do clima político instável de Bangladesh, sua falta de recursos naturais (o gás natural é um dos poucos recursos minerais), o baixo nível de escolaridade dos empregados em potencial, e o sistema de transporte subdesenvolvido do país.

A necessidade incomum para pontes torna difícil e caro construir estradas e ferrovias. Os rios ainda fornecem a maior rede simples de transportes individuais.

Passageiros e cargas dos navios, junto com canoas e pequenos barcos de madeira, todos viajam em aproximadamente 4.500 mi. (7.240 km) de vias navegáveis de Bangladesh.

Controle de Enchentes

As inundações que depositam o solo fértil na terra de Bangladesh são de vital importância para a economia da nação. Todavia, ainda não há nenhuma maneira de controlar o tipo de graves inundações que freqüentemente têm causado danos economicos extensivos. Essa inundação se tornou uma preocupação internacional.

Vários países começaram a examinar formas de ajudar Bangladesh na gestão destes desastres anuais. As soluções sugeridas vão desde a construção de barragens para leitos de dragagem para permitir que a água os percorra sem transbordar.

História e Governo

O início da história de Bengala, a região ocupada por Bangladesh e o estado Indiano de Bengala Ocidental, é obscura. Acredita-se geralmente que cerca de 1000 aC, a tribo Bang, um povo Dravidiano, foi deslocado para fora da parte superior do Vale do Ganges, por Indo-arianos avançando.

O novo território ocupado pelos Bang mais tarde veio a ser conhecido como Bengala. Durante o século 3 aC, o império Maurya estendeu seu domínio sobre a área, e o Budismo espalhou sob o governo do imperador Asoka. Mais tarde, Bengala ficou sob o controle do império Hindu Gupta.

Durante os 800s, a dinastia Pala chegou ao poder. Os três séculos de domínio pelos reis Pala é considerado como o período clássico da história Bengali. As artes floresceram, e uma cultura distinta Bengali tomou forma.

Durante os seis séculos dos anos 1200s através do anos 1700s, Bengala esteve sob domínio Muçulmano. Neste período, o Islã se espalhou rapidamente em Bengala, especialmente na região leste que se tornaria Bangladesh.

O Islã tem desempenhado um papel crucial na região desde então. No entanto, os Bengali Muçulmanos rurais que são descendentes de Hindus continuam a praticar os ritos Hindus. E a maioria dos Muçulmanos e Hindus participam dos festivais religiosos uns dos outros.

Durante os anos 1700s, Bengala ficou sob o controle dos Britânicos, que a governaram como parte de seu império Indiano até 1947. Naquele ano, a Grã-Bretanha encerrou seu governo no subcontinente Indiano.

A Índia recebeu sua independência, e por insistência da Liga Muçulmana, a nação separada do Paquistão foi formada a partir das partes do subcontinente onde os Muçulmanos eram uma maioria. Bengala Oriental, que estava dentro do enclave de Bengala da Índia, tornou-se a asa oriental - o Paquistão Oriental - do novo país. Ela foi separada da parte maior, no oeste do Paquistão por 1.000 mi. (1.600 km) do território Indiano.

Anos mais cedo

A maioria dos funcionários enviados do Paquistão Ocidental para governar o Paquistão Oriental não sabia falar Bangla, e eles tendiam a tratar com desprezo os Bengalis. Muitos Paquistaneses do Leste sentiram que tinham negociado um governante colonial - a Grã-Bretanha - com outro.

Para segurar as duas partes distantes do país em conjunto, o governo Paquistanês, com sede no Paquistão Ocidental, contava com o Islã. Foi um erro. O governo partiu para eliminar as influências Hindu da língua e da cultura Bengali, ultrajando os Paquistaneses do Leste.

Estudantes universitários Bengali em Dhaka se revoltaram em 1952 para bloquear uma proposta para fazer o Urdu, a língua principal do Paquistão Ocidental, a única língua oficial de todo o Paquistão. (Hoje, os Bengaleses homenageiam os estudantes que morreram naqueles distúrbios a cada 21 de Fevereiro, no Dia dos Mártires).

Guerra civil e Independência

Nas eleições legislativas realizadas em 1970, a maioria dos assentos foram conquistados pela Liga Awami do Paquistão Oriental, que era liderada pelo Sheikh Mujibur Rahman (Mujib), cujos objetivos incluíam uma maior autonomia para a região leste.

Quando, ao adiar a abertura da legislatura, em 1971, o governo nacional impediu os candidatos aprovados de tomarem os seus lugares, tumultos e outros distúrbios eclodiram no Paquistão Oriental. As tropas Paquistanesas do Oeste reprimiram duramente os motins, e o Sheikh Mujib foi preso. No tumulto, cerca de 10 milhões de Bengalis fugiram para a Índia.

Incidentes na fronteira entre o Paquistão e a Índia levaram a uma guerra curta, mas em grande escala, em que as forças Paquistanesas do Oeste foram derrotadas. O Paquistão Oriental conquistou a sua independência como Bangladesh, com Mujib tornando-se seu primeiro primeiro-ministro em 1972. Ele mais tarde se tornou presidente.

Eventos recentes

Um Bangladesh devastado pela guerra foi confrontado com enormes problemas econômicos e sociais. Disputas políticas adicionaram à desordem do país.

Em 1975, o Presidente Mujib foi morto durante um golpe de Estado liderado por militares. Uma série de governos leis-marciais seguiram, até que, em 1977, o General Ziaur Rahman (Zia) assumiu a presidência. Ele foi eleito presidente em 1978, mas foi assassinado em uma tentativa de golpe em 1981.

Em 1982, o General Hossain Mohammed Ershad, o chefe do Exército, assumiu o controle do governo como presidente, administrador-chefe da lei marcial, e chefe do Conselho de Ministros. Depois de muitos adiamentos, Ershad permitiu eleições para o Parlamento em 1986. Dos dois grupos da oposição, apenas a Liga Awami concordou em participar nesta eleição.

O Partido Nacionalista de Bangladesh (BNP) declinou. Os governistas do Partido Jatiya (Popular), criado por apoiadores de Ershad para a transição para um regime civil, ganharam a maioria dos assentos. Em Agosto, Ershad retirou-se das forças armadas, e em Outubro, ele foi eleito presidente.

Ershad terminou a lei marcial em 10 de Novembro de 1986, o dia em que o Parlamento aprovou uma emenda à Constituição que anistiava os líderes militares legalmente por qualquer ação que eles tiveram durante a governança de Bangladesh. O Partido Jatiya ganhou uma grande maioria em uma segunda eleição parlamentar em 1988. Renovados protestos forçaram a renúncia de Ershad, em Dezembro de 1990.

As eleições realizadas em Fevereiro de 1991 foram ganhas pelo Partido Nacional de Bangladesh; sua líder, Begum Khalida Zia, tornou-se a primeira primeiro-ministro de Bangladesh. Uma nova Constituição aprovada no final daquele ano retornou Bangladesh para uma forma de governo parlamentar com um presidente cerimonial. A oposição boicotou as eleições de Fevereiro de 1996, e Zia demitiu-se.

Novas eleições em Junho de 1996 foram ganhas pela Liga Awami, liderada pela filha de Mujib, Sheikh Hasina Wajed, que se tornou primeiro-ministro. Zia foi devolvida ao poder nas eleições de Outubro de 2001. A rivalidade entre as duas mulheres criou um impasse legislativo e contribuiu para o aumento da militância Islâmica.

Em Outubro de 2006, Zia dissolveu seu governo; um governo interino foi instalado pendente de novas eleições que foram originalmente agendadas para 22 de Janeiro de 2007. Em Janeiro, como o caos político continuou, um governo apoiado pelos militares foi instalado.

Muitos líderes políticos, incluindo as duas mulheres que haviam liderado o país, foram presos por acusações de corrupção. O novo governo foi incapaz de dirigir os dois líderes da política, no entanto, ou para criar uma terceira força política.

Um ponto brilhante durante estes tempos difíceis foi a atribuição do Premio Nobel da Paz 2006 ao economista de Bangladesh Muhammad Yunus e o seu Banco Grameen; eles foram pioneiros no conceito de microcrédito (pequenos empréstimos que permitem aos pobres melhorar suas vidas).

Novas eleições gerais realizadas em Dezembro de 2008, mais uma vez colocaram Sheikh Hasina contra Zia. A Liga Awami de Hasina e os seus aliados venceu esmagadoramente. Eles capturaram muito mais do que a maioria legislativa de dois terços necessários para mudar a Constituição. Hasina foi empossada como primeiro-ministro em 6 de Janeiro de 2009.

P.P. Karan

Fonte: Internet Nations

Bangladesh

O território de Bangladesh localiza-se a leste da Índia e ocupa as planícies alagáveis cortadas pelos rios Ganges e Bramaputra. Em conseqüência de sua localização, o país recebe grande quantidade de chuvas e está sujeito a inundações constantes.

Mais de 126 milhões de pessoas vivem no país, tornando-o a sexta nação mais populosa do planeta. A maior parte do povo bengalês vive nas regiões rurais e menos de 20% dos habitantes reside nas cidades. Quase dois terços da população têm idade inferior a 15 anos, tornando Bangladesh um país muito jovem.

No entanto, a população cresce vagarosamente e espera-se que não dobre antes do fim do século XXI. Os bengalis correspondem a 98% dos habitantes, mas dividem-se em muçulmanos e hindus, no que se refere à religião. Cerca de três por cento da população é constituída de grupos minoritários, sejam tribais ou formados por estrangeiros.

Bangladesh é uma das nações mais pobres do mundo. O país sofre com a superpopulação e com os constantes desastres naturais – como ciclones e inundações implacáveis – que resultam em grande número de mortes.

Tais problemas, agregados à corrupção, têm obstruído qualquer tentativa organizada de se elevar o padrão de vida dos bengaleses. No curto prazo, parece haver poucas esperanças de a pobreza ser substancialmente diminuída. Quase metade de toda a força de trabalho está desempregada.

A juta, um dos principais artigos de exportação do país, tem enfrentado dias difíceis com o aumento da popularidade do plástico. Há um pequeno e privilegiado grupo de pessoas ricas e um grande número de pobres em Bangladesh. Devido ao desemprego, muitos bengaleses têm deixado o país à procura de trabalho na Malásia, em Cingapura e no Oriente Médio.

Até 1947 o território bengalês pertencia à Índia e era conhecido por Bengala Oriental. Nesse ano, o Paquistão tornou-se uma nação independente e incorporou o território bengalês, cuja população era predominantemente muçulmana. A partir de então, Bangladesh passou a ser conhecido como Paquistão Oriental.

Em 1971, inicia-se uma cruel guerra civil pela independência que culminou com a derrota do Paquistão pelas forças bengalesas apoiadas militarmente pela Índia.

Desde então, os anos de vida deste país têm sido marcados por corrupção, instabilidade, assassinatos e 18 golpes de estado. Uma ditadura militar de nove anos terminou em 1991 com a restauração da democracia e a eleição de uma mulher civil, Begum Khaleda Zia, como primeira-ministra.

Desde a independência até 1988, Bangladesh foi um estado sem identidade religiosa, mas nesse ano o governo bengalês declarou o islamismo como a religião oficial do país. Esta decisão acirrou a tensão entre muçulmanos e seguidores de outras religiões.

A turbulência política que assolou o país nos anos recentes parece ter se encerrado com as eleições gerais de junho de 1996, embora seja provável que alguma tensão ainda persista. No momento, o país está concentrado em sua reconstrução.

Cerca de 85% da população professa o islamismo e a maioria dos muçulmanos é sunita. Os hindus correspondem à quase totalidade dos 15% restantes, porém ainda existem pequenos grupos de budistas, animistas e cristãos. Os hindus sofreram severas baixas devido a mortes e fugas de refugiados durante a guerra civil de 1971, mas apesar de sua desvantagem numérica, eles continuam sendo uma minoria influente e de voz ativa.

A Igreja

Entre os primeiros cristãos que chegaram a Bangladesh no século XVI, já figuravam missionários católicos. Entretanto, foi o ministério do missionário protestante William Carey, iniciado em 1795, que impactou profundamente o país. Hoje em dia, no entanto, o número de cristãos bengaleses é muito pequeno, apesar do extenso trabalho de vários missionários cristãos ao longo de décadas.

Quase todos os muçulmanos convertidos ao cristianismo mantêm sua fé em segredo, embora existam alguns poucos exemplos de vilas inteiras voltando-se a Cristo e testemunhando publicamente sua conversão.

No entanto, a maioria desses cristãos são camponeses pertencentes a castas hinduístas inferiores ou membros de pequenas tribos (estes últimos são comprovadamente mais receptivos ao cristianismo). O pequeno número de cristãos (cerca de 580 mil) e a divisão em pelo menos 32 denominações têm enfraquecido sobremaneira a posição cristã. Os católicos correspondem ao maior grupo, com cerca de 250 mil membros.

A soma de todos os protestantes alcança igual número, porém eles estão divididos em diferentes denominações. Nem os católicos nem os protestantes estão envolvidos fortemente com o evangelismo. Ao longo dos anos, a atuação cristã tem se concentrado mais na esfera da educação.

A Perseguição

O governo bengalês prudentemente decidiu não colocar em risco a ajuda ocidental que recebe e não adotou um processo aberto de islamização do país. Apesar disso, os últimos anos têm mostrado que a política bengalesa adotará cada vez mais uma postura islâmica.

Recentemente, um dos mais proeminentes líderes da igreja prognosticou que os missionários não mais receberiam vistos. De fato, ele acreditava que os missionários seriam proibidos de permanecer no país.

Apesar de os muçulmanos fundamentalistas constituírem uma minoria, eles se esforçam incansavelmente para pressionar o governo atual a adotar o rigoroso cumprimento da sharia. Com a crescente participação de nações islâmicas, notadamente do Oriente Médio, no programa de auxílio ao país, o governo acredita que deva fazer concessões aos sentimentos muçulmanos. Isso poderia afetar drasticamente os direitos civis dos cidadãos não muçulmanos.

Um exemplo de pressão muçulmana é a reivindicação do partido fundamentalista Jamaat-I-Islami, que pede a instituição da lei de blasfêmia, similar à lei atualmente em vigor no Paquistão. Tanto não muçulmanos como intelectuais e liberais muçulmanos têm se pronunciado contra essa proposta.

Felizmente, a política de islamização introduzida pelo governo anterior enfraqueceu-se em função da desoladora realidade econômica que o atual governo tem intenções de mudar. Com o Jatiya – partido de posição mais laica do ex-presidente Ershad – presente na coalizão política do governo, é possível que ocorra um enfraquecimento da influência do Jamaat-I-Islami.

Desde que Cushi e sua esposa entregaram suas vidas a Jesus Cristo, eles têm enfrentado uma forte oposição por parte de seus familiares e de sua comunidade, que são extremamente fiéis ao islamismo. Primeiro, a casa que tinham foi queimada quando se recusaram a retratar-se por sua fé em Jesus diante de seus familiares muçulmanos.

Depois foram proibidos pelos comerciantes de comprar ou sequer comer em seus estabelecimentos. Até mesmo a minguada colheita de Cushi, a única fonte de sobrevivência da família após ele ter perdido o emprego por sua fé, foi confiscada. A mais dolorosa e difícil experiência, porém, foi ver Shila, sua filha de onze anos, enfrentar provações na escola porque seus pais se afastaram do islamismo.

Cushi foi ameaçado de morte em mais de uma oportunidade, porém permaneceu firme na fé. Sua coragem não é imprudente, mas provém da certeza tranqüilizadora de que Deus tem poder e capacidade para livrar tanto ele como sua família da morte.

Ele disse: "Não tenho medo de morrer. Vou trabalhar para Deus e vou falar às pessoas sobre Ele." E Deus o abençoou por sua fidelidade. Logo, as pessoas começaram a ir até ele apesar das severas advertências dos líderes islâmicos.

Cushi ainda afirmou: "Não é em minha palavra que as pessoas acreditam, mas em Deus que fala por meu intermédio. Elas acreditam em Deus."

Cushi caminha constantemente, percorrendo distâncias de 8 ou 9 km até as aldeias ou qualquer lugar onde haja pessoas dispostas a ouvir sua mensagem. Ele já havia ganho 60 pessoas para Cristo antes mesmo de participar de um seminário de treinamento para pregadores leigos realizado pela Missão Portas Abertas. Ele já batizou mais de 15 famílias, incluindo alguns parentes e antigos perseguidores.

Como ele, aqueles que se convertem enfrentam inúmeras provações. Tais pessoas são totalmente excluídas da sociedade. Elas não podem nem mesmo utilizar o poço comunitário do qual retiravam água. Seus filhos são perseguidos na escola e marginalizados pelos colegas de classe. No entanto, quanto maior a oposição, mais pessoas vêm para o Senhor.

Cushi está determinado a prosseguir com o trabalho de evangelização entre seu povo, somente pedindo ao Senhor que prepare as mentes e os corações das pessoas para ouvirem e receberem a Palavra de Deus.

O Futuro

Parece haver pouca esperança de que a pobreza dessa desafortunada terra, vítima de constantes desastres naturais, seja substancialmente reduzida. No entanto, a igreja está em crescimento e é provável que o número de membros ultrapasse dois milhões por volta de 2050. Mesmo assim, isto será pouco mais de 1% da população do país, o que não terá um grande impacto nem exercerá uma grande influência.

Motivos de Oração

1. A igreja sofre com o alto índice de pobreza. Ore para que cristãos de todo o mundo possam suprir as necessidades de Bangladesh, particularmente na área econômica.

2. O país tem sido assolado por inúmeros desastres naturais. Peça a Deus para que a igreja local consiga desenvolver projetos que possibilitem uma resposta rápida a estes eventos que se repetem quase todos os anos.

3. Muitos observadores estão apreensivos quanto à possibilidade de que seja instituída a lei da blasfêmia. Ore para que esta lei não seja aprovada e que, ao invés disso, mais liberdade seja concedida às igrejas.

4. Bangladesh tem sido prejudicado pela turbulência política interna. Ore para que os cristãos bengaleses sejam ministros de restauração e reconciliação, e desenvolvam um espírito de caridade em todo o país.

Fonte: www.portasabertas.org.br

Bangladesh

História

A região onde Bangladesh está localizado passa ao domínio britânico no século XVII, com o nome de Bengala Oriental. Bengala, é banhado pelo golfo de mesmo nome.

Em 1947, sob pressão de movimentos nacionalistas, Londres partilha o Subcontinente Indiano em dois países independentes: a Índia (majoritariamente hinduísta) e o Paquistão (muçulmano).

Bengala Ocidental deu origem ao estado indiano do mesmo nome e Bengala Oriental ao Paquistão Oriental.

Quando, por sua vez, o Paquistão Oriental se tornou independente do resto do Paquistão, decidiu adotar para si o nome de Bangladesh ou "País de Bengala". O gentílico bengali aplica-se aos "bengaleses" dos dois lados da fronteira.

O atual Bangladesh é, originalmente, incorporado ao Estado paquistanês como uma província chamada Paquistão Oriental, separada do resto do país por 1.500 km de território indiano.

Os bengaleses eram discriminados pelo Paquistão. Tinham apenas uma pequena representação política no governo central (em Islamabad), que só em 1954 reconhece seu idioma, o bengali, como uma das línguas oficiais do país.

Independência

Em 1970, a Liga Awami, que defendia maior autonomia para o Paquistão Oriental, vence as eleições parlamentares. Para impedir que seu líder, Sheikh Mujibur (Mujib) Rahman, se tornasse primeiro-ministro, o presidente paquistanês, general Yahya Khan, fecha o Parlamento.

Em 1971, Mujib proclama a independência do Paquistão Oriental, com o nome de Bangladesh. O Paquistão reage com violência...

A Índia, tradicional rival geopolítica, declara guerra ao Paquistão, em apoio ao novo país. O Paquistão rende-se em 16 de dezembro de 1971.

No ano seguinte, Mujib torna-se primeiro-ministro. Em janeiro de 1975 assume a Presidência do país, mas é assassinado em um golpe em agosto do mesmo ano.

Após vários regimes militares, o país democratiza-se em 1991, com a eleição para primeira-ministra de Khaleda Zia, viúva do general Ziaur Rahman, presidente assassinado em 1981.

Bangladesh também tem sofrido pressões de uma forte corrente fundamentalista muçulmana que exige a adoção, pelo governo, dos princípios religiosos estabelecidos pelo Alcorão (livro sagrado).

Em 1994, a escritora Taslima Nasreen foge para a Suécia após ameaças de morte por parte de fundamentalistas que a acusam de insultar a fé muçulmana em seus livros...

Fonte: www.sergiosakall.com.br

Bangladesh

Bangladesh é um dos do mundo mais densamente povoados, com seu povo amontoados em um delta de rios que deságua na Baía de Bengala.

A pobreza é profunda e generalizada, quase metade da população vive com menos de um dólar por dia. No entanto, o Bangladesh tem reduzido o crescimento da população e melhoria da saúde e da educação.

O grande empregador é a agricultura, mas é incapaz de atender à demanda por empregos. Então, muitos bengaleses - em comum com os cidadãos de outros países da região - procurar trabalho no estrangeiro, por vezes de forma ilegal.

O país está a tentar diversificar a sua economia, com o desenvolvimento industrial uma prioridade. Investidores estrangeiros injetaram dinheiro na fabricação e no setor de energia.

Reservas de gás onshore e offshore aguentar alguma chance de prosperidade futura. Houve um debate sobre se as reservas devem ser mantidos para uso interno ou exportados. As empresas internacionais estão envolvidas no setor do gás.

Anteriormente leste do Paquistão, Bangladesh surgiu apenas em 1971, quando as duas partes do Paquistão dividido depois de uma amarga guerra que atraiu na vizinha Índia.

Bangladesh passou 15 anos sob o regime militar e, embora a democracia foi restaurada em 1990, o cenário político continua volátil.

Analistas dizem que o antagonismo entre os principais partidos - a Liga Awami e Bangladesh Partido Nacionalista - reflete animosidade pessoal entre os líderes, em vez de substanciais diferenças ideológicas.

As tensões políticas se espalharam por violência, centenas de pessoas foram mortas nos últimos anos. Ataques têm como alvo comícios da oposição e reuniões públicas. Figuras da oposição altos também têm sido alvo.

A preocupação tem crescido cerca de extremismo religioso no país geralmente moderada e tolerante. O governo proibiu duas organizações marginais islâmicos.

Bangladesh tem sido criticado por seu histórico de direitos humanos, com particular preocupação sobre ataques a mulheres e alegações de que a polícia usa a tortura contra os presos.

O país de baixa altitude é vulnerável a inundações e ciclones e que está para ser afetado pela subida previsível do nível do mar.

Bangladesh
A capital Daca está situado no delta do Ganges e balsas são uma importante forma de transporte

Uma cronologia dos principais eventos:

1947 - domínio colonial britânico sobre a Índia termina. Um estado de maioria muçulmana que compreende o Oriente eo Ocidente do Paquistão é estabelecida, ambos os lados da Índia. As duas províncias são separados um do outro por mais do que 1.500 km de território indiano.

1949 - A Liga Awami é estabelecida para a campanha pela autonomia do leste do Paquistão de Paquistão Ocidental.

1970 - A Liga Awami, sob Sheikh Mujibur Rahman, ganha uma vitória eleitoral esmagadora no Paquistão Oriental. O governo no Paquistão Ocidental se recusa a reconhecer os resultados, levando a tumultos. Ciclone atinge o Paquistão Oriental - até 500 mil pessoas são mortas.

Independência

1971 - Sheikh Mujib preso e levado para o Paquistão Ocidental. No exílio, os líderes da Liga Awami proclamar a independência da província do Paquistão Oriental, em 26 de março. O novo país é chamado de Bangladesh. Pouco menos de 10 milhões de Bangladesh fugir para a Índia quando tropas do Paquistão Ocidental são derrotados com a ajuda indiana.

1972 - retorna Sheikh Mujib, torna-se primeiro-ministro. Ele começa um programa de nacionalização de indústrias-chave, em uma tentativa de melhorar os padrões de vida, mas com pouco sucesso.

1974 - graves inundações devastar boa parte da safra de grãos, levando a uma estimativa de 28 mil mortes. Um estado de emergência nacional é declarado como instabilidade política cresce.

1975 - Sheikh Mujib se torna presidente de Bangladesh. Os políticos situação piora. Ele é assassinado em um golpe militar em agosto. A lei marcial é imposta.

1976 - Os sindicatos militares proibição.

1977 - Geral Ziaur Rahman assume a presidência. Islã é adotado na Constituição.

1979 - A lei marcial é levantado eleições seguintes, que Bangladesh Zia Partido Nacional (BNP) ganha.

1981 - Zia é assassinado durante golpe militar abortiva. Ele é sucedido por Abdus Sattar.

A era Ershad

1982 - Geral Ershad assume o poder no golpe militar. Ele suspende a Constituição e os partidos políticos.

1983 - atividade política limitada é permitido. Ershad se torna presidente.

1986 - As eleições parlamentares e presidenciais. Ershad eleito para um mandato de cinco anos. Ele levanta a lei marcial e restabelece a Constituição.

1987 - Estado de emergência declarado após manifestações da oposição e greves.

1988 - Islã torna-se religião do Estado. Inundações cobrir até três quartos do país. Dezenas de milhões de pessoas estão desabrigadas.

1990 - Ershad passos para baixo após protestos em massa.

1991 - Ershad condenado e preso por corrupção e posse ilegal de armas. Begum Khaleda Zia, viúva do presidente Zia Rahman, torna-se primeiro-ministro.

Constituição é alterada para tornar o cargo de presidente cerimonial. O primeiro-ministro tem agora o poder executivo principal. Maremoto ciclônico mata até 138.000.

Liga Awami retorna

1996 - Dois conjuntos de eleições eventualmente ver a Liga Awami poder vitória, com Sheikh Hasina Wajed, filha de Sheikh Mujibur Rahman, tornando-se primeiro-ministro.

1997 - Ershad é libertado da prisão. A oposição BNP começa campanha de greves contra o governo.

1998 - Dois terços do país devastado pela pior enchente de sempre. Quinze ex-oficiais do exército condenado à morte por envolvimento no assassinato do presidente Mujib em 1975.

Setembro de 2000 - Sheikh Hasina critica regimes militares em um discurso na ONU, o que levou o líder paquistanês Musharraf para cancelar conversações com ela. Relações tensas ainda por linha sobre vazou relatório do Paquistão em 1971 a guerra de independência.

De dezembro de 2000 - Bangladesh diplomata paquistanês expulsa de comentários sobre a guerra de 1971. O diplomata tinha colocado o número de mortos em 26.000, enquanto Bangladesh diz que quase três milhões morreram.

Abril de 2001 - Sete mortos em explosão de bomba em um concerto de Ano Novo Bengali em Dhaka. Dezesseis Índico e matou três soldados de Bangladesh em seus confrontos piores fronteira.

Abril de 2001 - Alta Corte confirma pena de morte em 12 ex-oficiais do exército para matar Mujib. Apenas quatro estão sob custódia.

Junho de 2001 - Bomba mata 10 no domingo em massa em uma igreja católica romana na cidade Baniarchar. Bomba em Awami liga escritório perto de Dhaka mata 22. Parlamento aprova lei para fornecer proteção Hasina e sua irmã Sheikh Rehana, que temiam que os assassinos de seu pai Mujib estavam fora para pegá-los também.

Bangladesh
Dhaka: A capital é uma das cidades do mundo mais densamente povoadas

Julho de 2001 - Hasina desce, mãos poder de autoridade zelador, tornando-se o primeiro-ministro na história do país a completar um mandato de cinco anos.

Governo de coalizão

De setembro de 2001 - Pelo menos oito pessoas morreram e centenas ficaram feridas em duas bombas explodem em um comício eleitoral no sudoeste de Bangladesh.

Outubro de 2001 - Hasina perde no urnas para Partido Nacionalista Khaleda Zia e seus três parceiros de coalizão.

Novembro de 2001 - Lei revogada que garantiu a segurança ao longo da vida do ex-primeiro-ministro Sheikh Hasina e Sheikh Rehana irmã.

2002 Março - Governo apresenta lei que torna ataques com ácido puníveis com a morte em meio a raiva pública sobre a escalada da violência contra as mulheres.

Maio de 2002 - Manda o Governo aperto das normas de segurança depois de até 500 pessoas morrem quando uma balsa do rio cai em uma tempestade.

Junho de 2002 - Presidente Chowdhury renuncia após governar Partido Nacionalista de Bangladesh (BNP) o acusa de tomar uma linha anti-partido.

Julho de 2002 - paquistanesas visitas presidente Musharraf; expressa pesar sobre excessos realizados pelo Paquistão em 1971 a guerra de independência.

Setembro de 2002 - Iajuddin Ahmed empossado como presidente.

De dezembro de 2002 - explosões simultâneas em salas de cinema de uma cidade ao norte de Dhaka matar 17 e ferir centenas.

2004 - Oposição chama 21 greves gerais ao longo do ano, como parte de uma campanha para derrubar o governo.

2004 Maio - Parlamento altera Constituição para reservar 45 lugares para os deputados do sexo feminino.

Ataque a bomba em santuário muçulmano no nordeste da cidade de Sylhet mata dois e fere alto comissário do Reino Unido e de 50 outros.

2004 julho - pior enchente em seis anos deixa cerca de 800 mortos, milhões de desabrigados ou trançado, e um 20m estimada em necessidade de ajuda alimentar. Inundações setembro em Dhaka estão a ser dito a pior em décadas.

Agosto de 2004 - ataque com granada em oposição Liga Awami comício em Dhaka mata 22 pessoas. Liga Awami Sheikh Hasina líder sobrevive ao ataque.

De janeiro de 2005 - O proeminente político Awami Liga Shah AMS Kibria é morto em um ataque com granada em uma reunião política. A festa chama uma greve geral em protesto.

Ataques a bomba

2005 17 de agosto - Cerca de 350 pequenas bombas sair em vilas e cidades em todo o país. Duas pessoas são mortas e mais de 100 estão feridos. Um grupo islâmico banido reivindica a responsabilidade.

Novembro de 2005 - série de atentados, atribuídos a militantes islâmicos, hits Chittagong e Gazipur.

Fevereiro de 2006 - Oposição Liga Awami termina ano de boicote parlamentar.

Crise política

Outubro de 2006 - Protestos violentos sobre a escolha do governo de uma administração interino para assumir quando Premier Zia completa seu mandato no final do mês. Presidente Ahmed entra e assume papel de zeladores período que antecedeu as eleições com vencimento em janeiro de 2007.

Novembro de 2006 - A aliança de oposição de 14 partido liderado pelas campanhas da Liga Awami dos funcionários eleitorais polêmicos a serem removidos. Chefe comissário eleitoral MA Aziz fica de lado.

De dezembro de 2006 - data da eleição fixado em 22 de Janeiro. Awami aliança diz que vai boicotar as eleições. Awami líder Sheikh Hasina acusa o presidente Ahmed de favorecer sua rival. O bloqueio visa descarrilar eleições parlamentares paralisa grande parte do país.

2007 Janeiro - O estado de emergência é declarado em meio à violência na eleição run-up. Presidente Ahmed adia a votação. Fakhruddin Ahmed lidera um governo interino.

Março de 2007 - Seis militantes islâmicos condenados por ataques a bomba em todo o país em 2005 são enforcados. Eles incluem os líderes do Jagrata muçulmano Janata Bangladesh e Jamaat-ul-Mujahideen.

2007 Abril - Sheikh Hasina é acusado de assassinato. Begum Khaleda Zia está sob prisão domiciliar. Vários outros políticos são realizadas em uma unidade anti-corrupção.

De agosto de 2007 - O governo impõe um toque de recolher em Daca e outras cinco cidades em meio a violentos confrontos entre a polícia e estudantes exigindo o fim do estado de emergência.

Novembro de 2007 - Ciclone Sidr mata milhares.

Junho de 2008 - Sheikh Hasina é temporariamente liberado para receber tratamento médico em os EUA.

De agosto de 2008 - As eleições locais ocorrem, visto como um grande passo para restaurar a democracia. Os candidatos apoiados pela Liga Awami partido forte desempenho.

De novembro de 2008 - As autoridades dizem que as eleições gerais serão realizadas em 18 de dezembro. Sheikh Hasina retorna para liderar seu partido na votação.

Liga Awami vitória

De dezembro de 2008 - Eleições gerais: Liga Awami capta mais de 250 de 300 assentos no parlamento. Sheikh Hasina é empossado como primeiro-ministro em janeiro.

De fevereiro de 2009 - Cerca de 74 pessoas, funcionários, principalmente do exército, são mortos em um motim em Daca por guardas de fronteira insatisfeitos com salários e condições. Polícia prende cerca de 700 guardas. A mais mil guardas são detidos em maio.

Junho de 2009 - Em uma decisão sobre a disputa de décadas entre os dois principais partidos políticos, o Supremo Tribunal decide que era o pai de PM Sheikh Hasina, e não falecido marido de seu arqui-rival Khaleda Zia, que proclamou a independência do Paquistão em 1971.

Outubro de 2009 - O governo proíbe a filial local da organização mundial islâmico Hizb-ut Tahrir, dizendo que é uma ameaça para a paz.

Janeiro de 2010 - Cinco ex-oficiais do exército são executados pelo assassinato 1975 da fundação PM Sheikh Mujibur Rahman.

2011 Junho - mudança constitucional recados provisão para um governo neutro zelador para supervisionar as eleições.

2012 Janeiro - O Exército diz ter frustrado um golpe planejado por "oficiais fanáticos".

Maio-Junho de 2012 - Principais dados do principal partido islâmico Jamaat-e-Islami, incluindo o líder Motiur Rahman Nizami, são acusados de crimes de guerra por um tribunal governo investigar suposta colaboração com o Paquistão durante a luta pela independência de 1971.

2012 Outubro - manifestantes muçulmanos atacar aldeias budistas e santuários no sudeste de Bangladesh após uma imagem dito para mostrar um Corão queimado foi postada no Facebook. O governo denuncia os ataques como "atos premeditados e deliberada de violência comunal contra uma minoria".

Fonte: news.bbc.co.uk

Bangladesh

Ao viajar para Bangladesh, parece-nos que há mais água que terra neste país de rios e mar: as estradas são constantemente atravessadas por rios e, em muito do seu território, os rios são as próprias estradas. Relato de uma viagem ao Bangladesh, por onde se viaja de barco, jangada ou navio.

BANGLADESH: TERRA OU MAR?

Tal como em todo o mundo - e em países pobres muito mais - a capital é um mundo à parte, diferente do resto.

Daca, com uma população de cerca de doze milhões, ruas pouco asfaltadas e prédios geralmente baixos, é apenas mais uma cidade asiática, sem monumentos de grande interesse que sirvam de chamariz turístico.

O verdadeiro monumento, aquilo que atrai e distrai na cidade - e no país - são os cerca de duzentos mil riquexós coloridos, que lhe dão uma nota única graças às suas pinturas naif e à música contínua das suas campainhas.

Pintados com pinceladas garridas que reproduzem estrelas de filmes indianos, mesquitas e mesmo o Taj Mahal, depressa se tornam o ex-líbris do país.

Na partilha política que deu origem ao Bangladesh, os monumentos ficaram todos na Índia, à excepção de um punhado espalhado pelo Paquistão.

E também o grande porto de Calcutá, que facilitaria a exportação das maiores, embora parcas, produções nacionais - juta, couros e chá - ficou do lado indiano, juntamente com um outro símbolo cultural: o Prémio Nobel da Literatura Rabindranath Tagore, grande poeta e contador da vida no Bengala.

A língua e, sobretudo, a política e o muro silencioso da religião, com hindus de um lado e muçulmanos do outro, acabaram por dividir muito mais do que fatores geográficos como rios ou cadeias de montanhas.

Para quem visita o país, o encanto vem da população e das suas manifestações tipicamente A.T. (Antes do Turismo): os transeuntes dão cotoveladas à nossa passagem, os riquexós chocam com os da frente de tanto torcerem o pescoço de espanto. Mudar o rolo de uma máquina na rua é motivo de tumultos à nossa volta, e parar para comprar fruta ou entrar numa loja ocasiona uma procissão de homens a espreitar com curiosidade.

No centro da capital, onde a urbanidade e a internacionalização são mais evidentes, com as multinacionais da comida rápida a fazerem-se representar em peso, a multidão é mais impessoal e as abordagens menos frequentes. Mas nas ruelas estreitas ao longo do rio, onde se escondem mesquitas, mercados e lojas de pérolas rosadas de água doce, somos tratados como indígenas no meio de um grupo de turistas, sensação que qualquer ocidental devia experimentar para ter uma pequena ideia do que andamos a fazer aos outros.

E para estar sozinho, só mesmo fechando-se no hotel: o país já ultrapassou os cento e quinze milhões de almas numa área que não chega ao dobro de Portugal...

País de Rios

Como o Bangladesh é um país de rios, um dos principais meios de transporte são os barcos e a água serve de estrada. Existem de todos os géneros, desde o barco com um remo na popa, manobrado pelo barqueiro com a ajuda dos braços e de uma perna, e que geralmente servem de táxi, até aos barcos com uma roda lateral, tipo azenha, que servem de autocarros de longa distância.

E como a altitude máxima em noventa por cento do território não ultrapassa os dez metros, as longas viagens de barco permitem-nos chegar a aldeias e cidades, algumas bem recônditas, e ver grande parte do território, constituído pelo que parece ser um grande delta de ilhotas e rios.

Bangladesh
Quotidiano em Daca, capital do Bangladesh

Percebe-se bem porque é que qualquer subida do nível das águas - e todos sabemos que nesta zona as monções são fortíssimas e os ciclones frequentes - origina a desgraça mais profunda, milhares de mortos e colheitas perdidas, como aconteceu nos anos 70, época em que se realizou o tristemente famoso Concerto para o Bangladesh, que ajudou as vítimas das inundações.

Mas para nós, visitantes curiosos, aqueles quilómetros quadrados de arrozais e coqueiros, as casas palafitas com muitos metros de altura, as crianças que correm ao longo da margem a acenar ao barco como se este fosse um autocarro, nada nos fala de miséria ou de desgraças, antes de beleza e paz. E ao pôr-do-sol desenha no céu a bandeira nacional, uma grande bola vermelha numa paisagem toda verde, que só desaparece com a noite.

Tufos de coqueiros, palhotas, vacas, mulheres de roupas coloridas e campos de todas as tonalidades de verdes e castanhos desfilaram durante horas, até chegarmos a Barisal. O interesse da viagem era, sobretudo, visitar a mesquita de Sat Gombad, que se diz ter setenta e sete cúpulas e que fica perto da aldeia de Bagherat. O caminho até Sat Gombad atravessa um emaranhado de coqueiros e bananeiras pontuados por tanques de água cobertos de nenúfares cor-de-rosa.

E numa zona aberta fica o edifício de tijolo vermelho da mesquita e um mausoléu, ambos baixos e modestos, apesar da vetusta idade de seis séculos. Valeu pelo sossego, o chilrear dos pássaros, o azul-metálico dos martins-pescadores e a simpatia de alguns grupos de turistas locais, que se deliciaram a posar para fotos connosco.

Bangladesh
Centro de Daca, Bangladesh

Antes disso tinha sido preciso fazer a viagem entre Barisal e Bagherat, que demonstrou mais uma vez que o país parece ter mais água que terra: cerca de quatro horas numa espécie de traineira sobrecarregada, quinze minutos de riquexó até ao próximo barco - este, a remos - que em cinco minutos nos pôs numa paragem de autocarro.

Uma hora de autocarro e dez minutos de ferry mais tarde chegámos ao último riquexó, que nos deixou numa pensão onde foi preciso manter as janelas fechadas, para não ter a aldeia em peso debruçada no parapeito a mirar os nossos gestos.

De Norte a Sul, a população demonstrou sempre uma boa-vontade extrema, abandonando postos de trabalho para nos levar a qualquer lado, encontrar alguém que falasse duas palavras de inglês - chegámos a ser levados a uma esquadra da polícia! -, oferecendo-nos chá e fruta com o doce sabor da generosidade, num país tão carenciado de tudo. O único senão foi a falta de privacidade, a impressão de sermos seguidos e vigiados por mil olhos, que não se deve a nada mais do que à pura curiosidade e à surpresa de ver estrangeiros.

Bangladesh
Dhaka, Bangladesh

Os cinco estrangeiros que encontrámos em três semanas estavam todos em Daca, e só um - japonês - é que estava ali em turismo, todos os outros eram cooperantes ou estavam em viagem de negócios. Como é normal, foram incontáveis as vezes que nos perguntaram o que andávamos ali a fazer, e ao respondermos que queríamos conhecer um pouco o país, a surpresa e a alegria de algumas pessoas chegou a raiar a comoção. Houve mesmo quem deixasse cair um thank you que acabou por nos comover a nós...

SYLHET, A ZONA “MONTANHOSA” DO BANGLADESH

Sylhet é um lugar um pouco diferente do resto do país. Pelo menos é vagamente colinoso - é considerada a zona “montanhosa” do Bangladesh -, com os tufos bem aparados dos arbustos do chá a atapetarem as pendentes suaves que rodeiam a cidade. Chá em socalcos, plantações de ananases e laranjas e uma densa selva tropical são os cartões de visita deste território fronteiriço à Índia, onde o calor parece amainar por causa da "altitude".

O centro é mais calmo do que nas outras cidades do país e ainda sobrevive alguma arquitetura colonial inglesa.

Os mercados do peixe e dos legumes são grandes e, como de costume, muito bem arranjados: o arroz, vendido a granel, está separado por tipos de grão; os pepinos formam grandes flores verdes, as beringelas foram esfregadas com um pano até ficarem brilhantes, as couves-flor estavam dispostas em cestos, formando círculos concêntricos.

Mas basta levantar a máquina para fotografar e é a loucura, com os vendedores a quererem todos ficar na fotografia, compradores a agitarem na nossa frente as galinhas que acabaram de adquirir, e um ou dois mais compreensivos a afastarem as pessoas para podermos fotografar em paz...

VIAGEM AO EXTREMO SUL DO BANGLADESH

No outro extremo do país, a Sul, fica a zona onde é mais difícil distinguir a terra da água: Sundarbans, cerca de trinta e nove mil quilómetros de mangal - o mais extenso do mundo - que abriga, entre outra fauna selvagem, algumas centenas de tigres de Bengala.

Bangladesh
Crianças em Daca, Bangladesh

Assentámos praça no porto de Mongla, que apesar a sua importância não deixa de ter um simpático ar de aldeia. Ao fim da tarde, os costureiros instalavam-se na rua à sombra, com as suas máquinas a pedal, à espera de trabalho, enquanto ovelhas e galinhas passeavam por ali.

A primeira floresta que vimos foi a de barcos, uma imensidão de navios e paquetes de grande porte atracados por ali, espalhados na extensa mancha cor de barro da água do rio. Junto ao cais local, os barquitos típicos têm algo de gôndola veneziana, com uma proa fina levantada e linhas estreitas.

Os mangais de Sundarbans começam um pouco mais longe, na aldeia de Dhangmari, onde fica uma das sedes dos guardas-florestais, e as visitas efetuam-se com autorização especial. Pudemos percorrer uma ínfima parte da área num barco alugado, com a condição de não pôr pé em terra.

Não é que houvesse muita; ao princípio ainda aparecem nas margens as palhotas habituais, feitas de folha de coqueiro, mas depois, a "bela floresta" fecha-se sobre si mesma, tornando-se densa e de aspecto impenetrável, parecendo sair diretamente da água.

Mulheres e crianças arrastam redes mergulhadas na água até à cintura, apanhando tudo o que podem e metendo em vasilhas de metal. As árvores são baixas e povoadas de pássaros e nas margens correm uns minúsculos caranguejos vermelhos. Mas tigres e veados só lá bem no fundo, onde não chega o mar...de gente de que é feito este país.

A Terra dos Bangla

Fica entre a Índia e Myanmar (antiga Birmânia), no golfo de Bengala, e tem uma área de cento e quarenta e quatro mil quilómetros quadrados. Com uma população em permanente crescimento, o Bangladesh já ultrapassou os cento e quinze milhões de habitantes e é o país mais densamente povoado do mundo.

Bangladesh
Sat Gomboz, Bangladesh

À excepção de duas áreas junto a estas fronteiras, todo o território é constituído por planícies de aluvião recortadas por grandes rios, dos quais o mais conhecido é o Ganges, sagrado para os hindus, que aqui se chama Padma.

Devido também às constantes inundações e mudanças de leito dos rios, o solo é extremamente rico, permitindo duas e mesmo três colheitas de arroz por ano. Nas zonas de colinas o clima é propício à produção de fruta e da maior exportação do país, o chá.

E dez por cento do território ainda é constituído por floresta, com a respectiva fauna selvagem, que inclui chitas, leopardos e panteras, assim como alguns elefantes e muitas serpentes. Em alguns rios, golfinhos, tartarugas e crocodilos fazem as suas aparições.

A constituição proclama que o país é laico, e a religião maioritária é a muçulmana, com cerca de dezasseis por cento de hindus e um punhado de cristãos e budistas. O analfabetismo atinge cerca de setenta por cento da população e oitenta por cento dos bangla ainda vive abaixo dos níveis de pobreza.

BANGLADESH - HISTÓRIA DE UMA JOVEM NAÇÃO

Como nação independente, o Bangladesh tem menos de quarenta anos - a sua última luta contra o Paquistão terminou em finais de 1971, e em 1972 foi finalmente reconhecido pela maioria dos países do mundo.

Bangladesh
Mercado de rua em Mongla

O território fazia parte da Índia britânica, e passou pelas mesmas peripécias históricas que o estado a que pertencia, o Bengala: fez parte do império Maurya a partir do século VI A.C., do império Gupta a partir do século IV, tendo sido palco de guerras tribais entre as duas dinastias.

Os Palas e os Senas reinaram depois até à chegada do islão no século XII, que quase arrasou as duas religiões predominantes na zona, o budismo e o hinduísmo. Nos séculos que se seguiram, com o contínuo fluxo de muçulmanos da Ásia Central e Pérsia, o Bengala desenvolveu-se e prosperou.

No século XVI o império Mogul controlava praticamente toda a Índia, e assim continuou até ao estabelecimento definitivo dos europeus; depois de os portugueses terem negociado a partir de postos que foram criando no século XV, foi a vez da britânica East India Company se estabelecer em Calcutá, dando início a uma exploração comercial que, mais tarde, estaria sob o controlo da coroa britânica, que aí estabeleceria a capital do império - o Raj.

O Raj foi uma benção para os hindus, mas uma praga para os muçulmanos, maioritários no Bengala, uma vez que os primeiros sempre foram beneficiados em detrimento da maioria. No final do século XIX, o vice-rei da Índia determinou a divisão do estado em dois, seguindo a linha dos rios Bramaputra e Padma, ficando Daca como capital do estado de Novo Bengala e Assam. Ao mesmo tempo, a capital mudou-se para Deli. Com a independência, os conflitos entre muçulmanos e hindus agudizaram-se e generalizaram-se em todo o território.

Bangladesh
Bangladesh, país de rios

Em 1947 foi criado o Paquistão, um estado muçulmano formado por dois territórios separados: Paquistão Ocidental e Oriental, os atuais Paquistão e Bangladesh.

Mas as diferenças culturais e econômicas foram muito mais fortes do que a união religiosa: se a Ocidente se come mais carne, se fala sobretudo urdu, a densidade populacional é mais baixa e a geografia apresenta extensas áreas de montanha, a Oriente fala-se o bangla, come-se peixe e arroz e vive-se com os pés na água.

Para mais, o país era governado a partir da sua parte ocidental, quando a maior parte da produção econômica vinha do oriente. A gota de água foi a declaração governamental de que a língua nacional seria apenas o urdu.

As manifestações reprimidas com violência sucederam-se, e depois do ciclone que em 1970 lançou o território na fome e também no reconhecimento e ajuda internacional, o governo pareceu pouco fazer. A guerra civil foi inevitável e a Índia entrou a apoiar o Bangladesh até à rendição do Paquistão.

QUANDO VIAJAR PARA O BANGLADESH

A estação das chuvas e dos ciclones vai de Junho a Outubro e é absolutamente a evitar. O melhor é visitar o país durante o Inverno, entre Outubro e Fevereiro, antes dos grandes calores da pré-monção.

COMO CHEGAR A DACA

À data de escrita, a melhor opção é viajar de avião via Londres, com ligações feitas pela British Airways ou pela Biman Bangladesh Airlines.

ONDE DORMIR

Como o turismo internacional no país é praticamente inexistente, fora de Dhaka terá de investigar o que há, e muitas vezes sujeitar-se a níveis de qualidade muito baixos.

Na capital, alem de mais escolha, tem alguns dos grandes hotéis internacionais, como o Hotel Dhaka Sheraton, na Minto Road.

Fonte: www.almadeviajante.com

Check Also

Figuras Geométricas Planas

As figuras geométricas que tem todos os pontos no mesmo plano são denominadas figuras geométricas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 6 =