Breaking News
Home / Turismo / Egito

Egito

 

História

O Egito é o país mais populoso do mundo árabe eo segundo mais populoso do continente Africano.

Quase 100% do país, 58 milhões de pessoas vivem no Cairo e em Alexandria, e em outros lugares nas margens do Nilo, no delta do Nilo, que os fãs fora ao norte do Cairo, e ao longo do Canal de Suez.

Essas regiões estão entre os mais densamente povoadas mundo, com uma média de mais de 1.540 pessoas por quilômetro quadrado (3,820 por km ².)

Pequenas comunidades espalhadas por todas as regiões do deserto do Egito estão agrupados em torno de oásis e as rotas históricas de comércio e transporte.

O governo tem tentado com sucesso misto de incentivar a migração para a terra recém-recuperado irrigada do deserto. No entanto, a proporção da população vivendo em áreas rurais continuou a diminuir à medida que as pessoas se deslocam para as cidades em busca de emprego e uma melhor qualidade de vida.

Os egípcios são um povo bastante homogéneos de origem Hamitic.

Influências mediterrâneas e árabes aparecem no norte, e há alguma mistura no sul, com os núbios do norte do Sudão.

Minorias étnicas incluem um pequeno número de beduínos nômades árabes nos desertos oriental e ocidental e no Sinai, bem como algumas 50.000-100.000 núbios agrupados ao longo do Nilo, no Alto Egito.

A taxa de alfabetização é de cerca de 48% da população adulta. O ensino é gratuito até a universidade e obrigatória a partir de idades de seis a 12. Cerca de 87% das crianças entram na escola primária, e metade abandonam após seu sexto ano. Há 20.000 escolas primárias e secundárias, com cerca de 10 milhões de alunos, 12 grandes universidades, com cerca de 500 mil alunos, e 67 escolas de professores.

Grandes universidades incluem Universidade do Cairo (100.000 alunos), Universidade de Alexandria, e os 1000 anos de idade Universidade Al-Azhar, um dos principais centros mundiais de estudos islâmicos.

Literatura vasta e rica do Egito constitui um elemento cultural importante na vida do país e no mundo árabe como um todo.

Romancistas e poetas egípcios estavam entre o primeiro experimento de novos estilos de literatura árabe, e as formas que eles desenvolvidos têm sido amplamente imitado.

O romancista egípcio Naguib Mahjfouz foi o primeiro árabe a ganhar o prêmio Nobel de literatura.

Livros egípcios e filmes estão disponíveis em todo o Oriente Médio.

O Egito tem sofrido como um estado unificado para mais de 5.000 anos, e evidências arqueológicas indicam que uma sociedade desenvolvida egípcio já existe há muito mais tempo. Egípcios têm orgulho no seu "patrimônio faraônico" e em sua descendência de que eles consideram mais antiga civilização da humanidade.

A palavra árabe para o Egipto é Misr, que originalmente conotado "civilização" ou "metrópole".

Achados arqueológicos mostram que as tribos primitivas viveram ao longo do Nilo, antes longo da história dinástica dos faraós começou.

Em 6000 aC, a agricultura organizada tinha aparecido.

Em cerca de 3100 aC, o Egito foi unido sob um governante conhecido como Mena, ou Menes, que inaugurou a 30 dinastias faraônicas em que a história antiga do Egito é dividida - os antigos e os Reinos Médio e Novo Império. Pela primeira vez, o uso e manejos dos recursos vitais do rio Nilo veio sob uma autoridade.

As pirâmides de Gizé (perto do Cairo) foram construídas na quarta dinastia, mostrando o poder da religião faraônica e estaduais.

A Grande Pirâmide, o túmulo do faraó Khufu (também conhecido como Quéops), é o único exemplo sobrevivente das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

O Antigo Egito atingiu o auge de seu poder, riqueza e extensão territorial, no período chamado Novo Império (1567-1085 aC). A autoridade foi novamente centralizada, e uma série de campanhas militares trouxeram Palestina, Síria e norte do Iraque, sob controle egípcio.

Persa, grego, romano, e conquistadores árabes

Em 525 aC, Cambises, filho de Ciro, o Grande, liderou uma força de invasão persa que destronou o último faraó da 26 ª Dinastia. O país continuou a ser uma província persa até Alexandre, o Grande.

O domínio romano / bizantino do Egito durou quase 700 anos.

Após uma breve reconquista persa, o Egito foi invadido e conquistado por forças árabes em 642. Um processo de arabização e islamização se seguiu. Embora uma minoria cristã copta permaneceu - e permanece até hoje, constituindo cerca de 10% da população - a língua árabe inexoravelmente suplantou a língua indígena copta.

Antigas formas egípcias - passaram desde os tempos faraônicos durante os períodos persa, grego e romano e era cristã do Egito - foram gradualmente se fundiram com ou suplantados por costumes islâmicos. Para os próximos 1.300 anos, uma sucessão de turco, árabe, mameluca e otomana, califas e sultões Beys, governou o país.

Influência Europeia

Napoleão Bonaparte chegou ao Egito em 1798. A permanência de três anos no Egito (1798-1801) de seu exército e uma comitiva de cientistas franceses abriu Egito para dirigir a influência ocidental. Aventura de Napoleão despertou Grã-Bretanha para a importância do Egito como um elo vital com a Índia e no Extremo Oriente e lançou 150 anos de rivalidade anglo-francesa sobre a região.

Uma invasão anglo-otomano força expulsou os franceses em 1801, e, após um período de caos, o albanês Mohammed Ali obter o controle do país. Ali governou até 1849, e seus sucessores mantido pelo menos o controle nominal do Egito até 1952.

Ele importou cultura europeia e tecnologia, organização do Estado introduziu da vida econômica do Egito, a educação melhorou, ea formação promovida em engenharia e medicina. Seu governo autoritário também foi marcado por uma série de aventuras militares estrangeiros. Sucessores de Ali concedeu ao Promotor francês, Ferdinand de Lesseps, uma concessão para a construção do Canal de Suez - que começou em 1859 e inaugurado 10 anos depois.

Seus regimes foram caracterizados por má gestão financeira e extravagância pessoal que reduziu o Egito à falência. Estes acontecimentos levaram à rápida expansão de britânicos e franceses supervisão financeira. Este ressentimento produzido popular, que, em 1879, levou à revolta.

Em 1882, as forças britânicas expedicionárias esmagou a revolta, marcando o início da ocupação britânica ea inclusão virtual do Egito dentro do Império Britânico. Durante o governo de três sucessivos Altos Comissários britânicos entre 1883 e 1914, a agência britânica era a verdadeira fonte de autoridade.

É estabelecido tribunais especiais para fazer cumprir as leis estrangeiras para estrangeiros residentes no país. Estes privilégios para estrangeiros gerado crescente ressentimento egípcio.

Para proteger os seus interesses durante a Primeira Guerra Mundial, a Grã-Bretanha declarou um protetorado formal sobre o Egito em 18 de dezembro de 1914. Isso durou até 1922, quando, em deferência ao nacionalismo crescente, o Reino Unido declarou unilateralmente a independência egípcia.

A influência britânica, no entanto, continuou a dominar a vida política do Egito e promoveu reformas fiscais, administrativas e governamentais.

No período pós-independência, três forças políticas competiam entre si: o Wafd, uma base ampla organização político nacionalista opõe fortemente à influência britânica; Rei Fuad, a quem o britânico tinha instalado durante a guerra, e os próprios britânicos, que foram determinadas para manter o controle sobre o canal.

Embora tanto o Wafd eo rei queria alcançar a independência dos britânicos, eles disputaram o controle do Egito. Outras forças políticas emergentes neste período incluído o Partido Comunista (1925) e da Irmandade Muçulmana (1928), que eventualmente se tornou uma poderosa força política e religiosa.

Durante a Segunda Guerra Mundial, as tropas britânicas usado o Egito como uma base para operações aliadas na região. As tropas britânicas foram retiradas para a área do Canal de Suez, em 1947, mas nacionalistas, anti-britânicos sentimentos continuou a crescer após a guerra. A violência eclodiu no início de 1952 entre egípcios e ingleses na zona do canal, e anti-ocidental tumultos no Cairo.

Em julho 22-23, 1952, um grupo de oficiais do exército descontentes liderada pelo tenente-coronel Gamal Abdel Nasser derrubou o rei Farouk, a quem os militares acusados ??de mau desempenho do Egito na guerra de 1948 com Israel.

Depois de uma breve experiência com o governo civil, que revogou a constituição de 1923 e declarou o Egito uma república em 19 de junho de 1953. Nasser evoluiu para um líder carismático, não só do Egito, mas do mundo árabe. Nasser e seu "livre oficial" movimento gozavam de uma legitimidade quase instantânea como libertadores que havia terminado 2500 anos de domínio estrangeiro.

Eles foram motivados por queixas numerosas e metas, mas queria especialmente para quebrar o poder econômico e político da elite fundiária, para remover todos os vestígios de controle britânico, e para melhorar a vida das pessoas, especialmente os felás (camponeses).

Um nacionalista secular, Nasser desenvolveu uma política externa caracterizada pela defesa do socialismo pan-árabe, a liderança do "não-alinhado" do "Terceiro Mundo", e os laços estreitos com a União Soviética.

Ele claramente oposta ocidental patrocinado Pacto de Bagdá. Quando os Estados Unidos levantou as vendas militares em reação a egípcia neutralidade vis-a-vis Moscou, Nasser concluiu um acordo de armas com a Tchecoslováquia, em setembro de 1955.

Quando os EUA eo Banco Mundial retirou a sua oferta para ajudar a financiar a barragem de Aswan, em meados de 1956, ele nacionalizou a propriedade privada Suez Canal Company. A crise que se seguiu, agravada por tensões crescentes com Israel sobre ataques de guerrilheiros a partir de Gaza e represálias israelenses, resultou na invasão do Egito que outubro pela França, Grã-Bretanha e Israel.

Enquanto o Egito foi derrotado, as forças de invasão foram rapidamente retirados sob forte pressão de os EUA A Guerra de Suez (ou, como os egípcios chamam, a agressão tripartite) acelerou surgimento de Nasser como um herói egípcio e árabe.

Logo depois chegou a um acordo com Moscou para o financiamento da barragem de Aswan - um passo que aumentou enormemente envolvimento soviético no Egito e de Governo conjunto de Nasser em uma política de laços estreitos com a União Soviética. Em 1958, de acordo com sua política de pan-arabismo, Nasser conseguiu unir o Egito e Síria na República Árabe Unida. Embora esta união havia falhado em 1961, não foi oficialmente dissolvida até 1984.

Políticas internas de Nasser eram arbitrárias, frequentemente opressivo, e ainda geralmente popular. Toda a oposição foi esmagada, e os opositores do regime foram presos frequentemente sem julgamento. Política externa e militar de Nasser, entre outras coisas, ajudou a provocar o ataque israelense de junho de 1967 que praticamente destruiu as forças armadas do Egito, juntamente com os da Jordânia e da Síria.

Israel também ocupou a península do Sinai, a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e as Colinas de Golã. Nasser, no entanto, foi reverenciado pelas massas no Egito e em outras partes do mundo árabe até sua morte em 1970.

Após a morte de Nasser, outro dos originais "oficiais livres", o vice-presidente Anwar el-Sadat, foi eleito presidente. Em 1971, Sadat concluiu um tratado de amizade com a União Soviética, mas, um ano depois, mandou assessores soviéticos para sair. Em 1973, ele lançou a guerra com Israel outubro, em que as forças armadas do Egito êxitos iniciais, mas foram derrotados em contra-ataques israelenses.

Campo de David e o processo de paz

Em uma mudança importante da era Nasser, presidente Sadat do Egito mudou de uma política de confronto com Israel para um dos acomodação pacífica através de negociações. Na sequência dos acordos de retirada do Sinai, de 1974 e 1975, Sadat criou uma abertura fresca para o progresso por sua visita dramática a Jerusalém, em novembro de 1977.

Isso levou a convite do presidente Jimmy Carter para presidente Sadat eo primeiro-ministro Comece a se juntar a ele em negociações trilaterais em Camp David. O resultado foi o histórico acordos de Camp David, assinado pelo Egito e Israel, e testemunhado por os EUA em 17 de setembro de 1978.

Os acordos levou à 26 março de 1979, a assinatura do Egito-Israel tratado de paz, pelo qual o Egito recuperou o controle do Sinai, em Maio de 1982. Durante todo este período, US-egípcias relações continuamente melhorado, mas a vontade de Sadat a quebrar patentes de fazer a paz com Israel lhe valeu a inimizade da maioria dos outros Estados árabes.

Na política interna, Sadat introduziu uma maior liberdade política e de uma nova política econômica, o aspecto mais importante das quais foi a infitah ou "porta aberta". Este governo controla relaxado sobre a economia e incentivou o investimento privado. Sadat desmantelou grande parte do aparato político e levado a julgamento uma série de ex-funcionários governamentais acusados ??de excessos criminosos durante a era Nasser.

Liberalização também incluiu a retomada do devido processo legal e da proibição legal da tortura. Sadat tentou expandir a participação no processo político em meados dos anos 1970, mas depois abandonou este esforço. Nos últimos anos de sua vida, o Egito foi assolado pela violência decorrente do descontentamento com a regra de Sadat e as tensões sectárias, e experimentou uma medida renovada de repressão.

Em 6 de outubro de 1981, o presidente Sadat foi assassinado por extremistas islâmicos. Hosni Mubarak, o vice-presidente desde 1975 e comandante da força aérea durante a guerra de outubro de 1973, foi eleito presidente no final do mês isso.

Ele foi reeleito para um segundo mandato em outubro de 1987 e para um terceiro mandato em outubro de 1993. Mubarak tem mantido o compromisso do Egito para o processo de paz Acampamento David, enquanto, ao mesmo tempo re-estabelecer a posição do Egito como um líder árabe. Egipto foi readmitido na Liga Árabe, em 1989.

Egito também tem desempenhado um papel moderador em fóruns internacionais, como a ONU eo Movimento Não-Alinhado. Mubarak foi eleito presidente da Organização de Unidade Africano em 1989, e novamente na cimeira da OUA, no Cairo, em junho de 1993. Internamente, desde 1991, Mubarak assumiu um ambicioso programa de reformas para reduzir o tamanho do setor público e expandir o papel do setor privado.

Houve também uma abertura democrática e maior participação no processo político por grupos de oposição. As novembro 1990 eleições da Assembléia Nacional viu 61 membros dos assentos da oposição vitória na montagem 454 lugares, apesar de um boicote de vários partidos da oposição citando uma possível manipulação por Mubarak Nacional Democrático (NDP). Os partidos de oposição têm sido fracos e divididos e ainda não são alternativas credíveis para o PDN.

A liberdade de imprensa tem aumentado consideravelmente. Embora a preocupação é que os problemas econômicos poderia promover a crescente insatisfação com o governo, o presidente Mubarak goza de um amplo apoio.

Durante vários anos, o debate político interno no Egito tem se preocupado com o fenômeno do "Islã Político", um movimento que busca estabelecer um Estado e sociedade regida estritamente pela doutrina islâmica. A Irmandade Muçulmana, fundada no Egito em 1928, é legalmente proscrito, mas opera mais ou menos abertamente.

A lei egípcia, no entanto, proíbe a formação da religião baseados partidos políticos. Membros da Irmandade foram eleitos para a Assembleia do Povo como independentes e foram eleitos para os conselhos locais como candidatos no bilhete Socialista do Partido Trabalhista.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

Egito

Com uma área de pouco mais de 1 milhão de quilômetros quadrados, o Egito desfruta de apenas uns 40000 para a agricultura e habitações.

Esse oásis longo e estreito situa-se no trecho setentrional do vale do Nilo , entre a segunda catarata e o delta, na costa do Mediterrâneo.

A oeste dessas terras férteis, o território estende-se pelo deserto libico; a leste, pelo deserto Arábico ate o mar Vermelho, continuando na outra margem do golfo de Suez - a península do Sinai.

Exceto litoral mediterrâneo, o clima é quente e muito árido. O rio Nilo, com seus 6 671 quilômetros percorre o território egípcio de sul para norte, pôr cerca de 1500 quilômetros. O volume de água varia com as estações, e as enchentes periódicas são um fator indispensável à agricultura, pois garantem umidade às lavouras ao longo de suas margens.

Desde muitos milhares de anos atrás, o Egito havia dependido totalmente dessas cheias; só a partir de 1835 é que começaram a ser construídas grandes represas, e, em 1961, iniciou-se uma das maiores do mundo - a de Assuã, com 111 metros de altura e capacidade para 157 milhões de metros cúbicos de água.

Ocupando dois terços da superfície do país, o deserto Líbico ou Ocidental é uma das regiões mais secas da Terra; caracteriza-se também pêlos oásis e pela sucessão de dunas. O deserto Arábico ou Oriental situa-se entre o Nilo e o mar Vermelho; seus poços artesianos e fontes naturais dependem quase que totalmente das chuvas. A península do Sinai é formada pôr altas cadeias de montanhas e apresenta um índice pluviométrico superior ao dos outros desertos.

O povo egípcio é predominantemente hamita, com minorias de núbios e beduínos, e 90% da população adota a religião islâmica. Pela estimativa de 1971, a população é demais de 34 milhões de habitantes, concentrados principalmente no delta e no vale do Nilo, onde se localiza a cidade do Cairo (capital), com mais de 4 milhões de habitantes e centro político do Mundo Árabe. Outras cidades importantes são Alexandria, principal porto do país, e Gizé, famosa por suas pirâmides.

A história moderna do Egito se inicia em 1805, com o término da dominação otomana e o princípio de sua modernização com Mohammed Ali. A construção do Canal de Suez, terminada em 1869, deu ao Egito importante papel estratégico, o que provocou a intervenção européia. Em 1882, a pretexto de dívidas não saldadas, a Inglaterra bombardeou Alexandria e estabeleceu seu protetorado no Egito.

Isso levou o povo à revolta, sufocada as ingleses e franceses. A Inglaterra passou a controlar diretamente o governo egípcio até 1922, época em que instalou a monarquia do rei Fuad. Após várias insurreições nacionalistas, o Movimento dos Oficias Livres conseguiu depor o rei Faruk, em 1952. Partidários do socialismo árabe", os revolucionário decretaram a reforma agrária, nacionalizaram os setores econômicos básicos e impuseram um governo forte em 1954, com Gamal Abdel Nasser à frente. Em 1956 Nasser nacionalizou a Companhia do Canal de Suez que pertencia aos ingleses e franceses desde 1869, e declarou que utilizaria as rendas do Canal para construir a represa de Assuã. Esse fato provocou a invasão do Sinai por israelenses apoiados, pela França e Inglaterra que pretendiam voltar a explorar o Canal. Em 1958, o Egito passou a ser conhecido como república Árabe Unida (RAÚ).

Em março de 1967 quando Nasser ordenou a retirada das tropas da ONU que controlavam o Sinai e sua ocupação por tropas da RAU, repetiu-se a guerra egípcio-israelense (Guerra dos Seis dias), quando o Egito perdeu o Sinai. Essa derrota levou Nasser a obstruir o Canal em represália a Israel. Com a morte de Nasser em 1971, assume a presidência Anuar Sadat que continuou política de seu antecessor no sentido de recuperar os territórios perdidos para Israel e na unificação do Mundo Árabe. Nesse ano, a RAU uniu-se à Líbia e à Síria formando a Federação das Repúblicas Árabes (FRA). Em 1973, mais bem preparados e apoiados pelos países árabes que dispunham do petróleo, nova e poderosa arma, os egípcios iniciaram Guerra de Yom Kippur, cruzaram o Canal, de reconquistando vários pontos. Em junho de 75 Sadat efetiva a abertura do canal de Suez que passa a ser palco de confrontação militar entre EUA e URSS

EGITO ANTIGO

O Egito é o berço da mais antiga civilização, a egípcia. O estudo dessa civilização tornou-e possível após 1822 guando da decifração dos hieróglifos.

Inicialmente a região achava-se dividida em cidades-estados, "nomos", independentes politicamente.

Em torno de 4000 a.C. esses "nomos" uniram-se em dois reinos: Reino do Baixo Egito (Norte) e Reino do Alto Egito (Sul). A unificação desses reinos ocorreu por volta de 3 200 a.C., com Menés, que se tornou o primeiro faraó da primeira dinastia e deu início à história dinastia do Antigo Egito que vai até o século X1 a.C., quando termina a dinastia Ramsés e inicia a decadência. Essa decadência se acentua com o aparecimento do novos reinos no Oriente Médio, com o enfraquecimento do Governo dos faraós, com o empobrecimento do país causado pela desorganização interna e pelas sucessivas dominações estrangeiras. inicialmente, a dominação assíria, seguida da dominação persa, macedonia, romana e árabe, sendo esta última responsável pela religião islâmica do Egito atual.

Os egípcios foram grandes construtores, erguendo casas e palácios com Tijolos e madeira. Recursos técnicos que talvez tenham trazido à Mesopotâmia. As pedras eram reservadas para a construção de túmulos. Eram hábeis na arte de esculpir em pedras, fabricavam jóias de ouro, pedras semipreciosas e esmalte, e descobriram o papiro, que servia para a escrita. Desenvolveram conhecimentos e medicina e iniciaram investigações matemáticas, mais tarde desenvolvidas pelos gregos. Porem, onde os egípcios mais se destacaram foi na construção de túmulos, as pirâmides em geral em honra dos faraós. Contando com materiais rudimentares, porém com fartura de mão-de-obra, construíram verdadeiros monumentos de arquitetura, como as pirâmides de Quéfren, Quéops e Miquerinos que ficam na cidade de Gizé.

A arte egípcia em sua maior parte homenageava os mortos, sepultadas com os objetos julgados necessários paia a vida no além. Muitos faraós eram enterrados em túmulos escavados em rochas, outros tinham o corpo conservado pelo embasamento. os egípcios eram politeístas. Osíris, deus dos mortos, segundo eles desposara sua irmã, Íris, sendo morto por Seth; seu filho Horus, porém, ressuscitou-o. Horus, deus do firmamento e da chuva, reinava sobre os viventes, representado por um falcão. Havia o costume de representar o deus sob a forma antropozoomorfa (corpo de animal e cabeça humana)., Ra era o deus sol de Heliópolis; quando Tebas se tornou a capital (11.~ dinastia), Amon, o deus da cidade ficou sendo Amon-Ra, o rei dos deuses. Em 1340 a.C., o faraó Akhenaton, instituiu o culto a um só deus - Aton - o 'sol, e mandou construir a nova Capital em Telel Anarna. Tutankhamon, seu sucessor, restabeleceu os antigos deuses, e seu túmulo foi o que abrigou a maior quantidade de tesouros no Egito. O último faraó egípcio, Nectanebo morreu em 341 a.C.

Fonte: www.geocities.com

Egito

O Egipto é um país do Norte da África.

A capital é Cairo (Al-Qahira).

A principal religião é o Islamismo (Sunita).

A língua nacional é o Árabe.

O Egito tem uma minoria Cristã (Kopts). A regularidade e a riqueza da inundação anual do Rio Nilo, juntamente com o semi-isolamento propiciado por desertos ao leste e oeste, permitiram o desenvolvimento de uma das grandes civilizações do mundo. Um reino unificado surgiu por volta de 3200 aC, e uma série de dinastias governaram o Egito pelos três milênios seguintes. A última dinastia nativa caiu aos Persas em 341 aC, que por sua vez foram substituídos pelos Gregos, Romanos e Bizantinos. 

Foram os Árabes que introduziram o Islã e a língua Árabe no século 7 e que governaram para os próximos seis séculos. Uma casta militar local, os Mamelucos tomaram o controle cêrca de 1250 e continuaram a governar após a conquista do Egito pelos Turcos Otomanos em 1517. Após a conclusão do Canal do Suez em 1869, o Egito tornou-se um importante centro mundial de transportes, mas também caiu pesadamente em dívida.

Ostensivamente para proteger seus investimentos, a Grã-Bretanha assumiu o controle do governo do Egito em 1882, mas a lealdade nominal ao Império Otomano continuou até 1914.

Parcialmente independente do Reino Unido em 1922, o Egito adquiriu plena soberania com a derrubada da monarquia apoiada pelos Britânicos em 1952. A conclusão da Barragem de Aswan em 1971 e o resultante Lago Nasser alteraram o local do tempo do Rio Nilo na agricultura e na ecologia do Egito. Uma população crescendo rapidamente (a maior no mundo Árabe), a terra arável limitada, e a dependência no Nilo tudo continua a sobrecarregar os recursos e estressar a sociedade.

O governo tem se esforçado para atender às demandas de crescimento da população do Egito através de reformas economicas e investimentos maciços nas comunicações e na infra-estrutura física.  A juventude Egípcia e grupos de oposição, inspirados pelos eventos na Tunísia para derrubar o governo de lá, organizaram uma campanha do "Dia da Fúria" em 25 de Janeiro de 2011 (Dia da Polícia) para incluir manifestações não-violentas, marchas e greves trabalhistas no Cairo e outras cidades por todo o Egito. As queixas dos manifestantes se concentraram sobre a brutalidade policial, as leis do estado de emergência, a falta de liberdade de expressão e de eleições, o desemprego elevado, os preços dos alimentos, a inflação e baixos salários mínimos. Dentro de alguns dias do início dos protestos, o Presidente Mubarak falou à nação prometendo a formação de um novo governo, e em um segundo pronunciamento ele ofereceu concessões adicionais, que não conseguiram acalmar os manifestantes e resultou em uma escalada do número e da intensidade das manifestações e confrontos com a polícia.

Em 11 de Fevereiro, o recentemente nomeado Vice Presidente Suliman anunciou a renúncia de Mubarak e a assunção da liderança nacional pelo Conselho Supremo das Forças Armadas (SCAF). O SCAF dissolveu o parlamento Egípcio, suspendeu a Constituição do país, e formou uma comissão para recomendar mudanças constitucionais para facilitar uma transição política através de eleições democráticas.

No início de Março, Essam Sharaf substituiu Ahmed Shafik como Primeiro-Ministro e por meados do mês um referendo constitucional foi aprovado. No início de Julho, o SCAF anunciou que as eleições para o parlamento teriam lugar em Setembro, mas a data foi posteriormente alterada para Novembro, e seria seguida por uma reformulação da Constituição e uma eleição presidencial. Em Julho de 2011, o descontentamento da oposição sobre o ritmo lento do progresso da SCAF na transição do governo levou a uma retomada dos protestos no Cairo e em mais de uma dúzia de outras cidades; menos freqüentes, menores manifestações e protestos continuaram por Outubro. Após a detenção de Mubarak e outros altos funcionários em meados de Abril, um julgamento em que Mubarak é acusado de corrupção e cumplicidade na morte de cerca de 900 manifestantes começou no início de Agosto, foi temporariamente suspenso em Setembro, e está programado para retomar no final de Dezembro. As eleições para um novo parlamento foram marcadas para o final de Novembro de 2011.   

República Árabe do Egito é um novo nome para a terra muito antiga do Egito. Mais de 5.000 anos se passaram desde que o primeiro faraó governou, mas o mesmo tipo de bois retratado nas paredes das primeiras tumbas ainda pode ser visto arando nos campos Egípcios. Séculos atrás, os Egípcios adoravam o rio Nilo, e a cada ano quando o rio transbordava, eles sacrificavam uma linda donzela jovem ao deus do rio. Hoje, quando a enchente do Nilo atinge a sua altura, um feriado é declarado, e bonecas elaboradamente decoradas são jogadas no rio. Perto do movimentado terminal ferroviário do Cairo fica uma enorme estátua do faraó Ramsés II, um lembrete constante do século 20 aos viajantes da longa história do Egito.

O Egito se encontra no canto nordeste da África. O país é limitado a oeste pela Líbia; ao sul com o Sudão; ao norte com o Mar Mediterrâneo; e no leste com a Faixa de Gaza, Israel, e o Mar Vermelho.

População

O Egito é um país de mais de 80 milhões ((2013) de pessoas. Cerca de 90% dos Egípcios são Muçulmanos. A paisagem urbana das cidades do Egito está cheia de minaretes, as torres das mesquitas. Cinco vezes por dia, a voz do muezzin ("oração do chamador"), chama os fiéis à oração. Tradicionalmente ele chamava os fiéis do topo do minarete, mas agora a chamada é muitas vezes amplificada por um sistema público de alto-falantes ou de transmissão por rádio.

Quando os Muçulmanos rezam, eles enfrentam a Meca, a cidade na Arábia Saudita onde nasceu Maomé. Os Muçulmanos rezam à Allah (Deus), declarando em orações que "não há Deus, mas o único Deus, e Maomé é Seu profeta". Durante o mês sagrado do Ramadã, um dos 12 meses do calendário lunar Islâmico, os Muçulmanos jejuam do nascer ao pôr do sol. Os Muçulmanos também são obrigados a dar esmolas aos pobres.

Pelo menos uma vez na vida, quando é financeiramente e fisicamente possível, um Muçulmano é chamado a fazer uma peregrinação a Meca. O Islã está intimamente relacionado com o Judaísmo e o Cristianismo. Os Muçulmanos veneram Abraão, Moisés e Jesus como profetas. Maomé é visto como seu sucessor e o último dos profetas de Deus. Não há clero ordenado; o Islã estabelece uma relação direta entre o Muçulmano e o Criador.

Cerca de 10% dos Egípcios são Cristãos, a maioria dos quais pertencem à Igreja Copta. Os Coptos acreditam na natureza única de Jesus Cristo. O Egito foi o berço do monaquismo, e ainda hoje os mosteiros desempenham um papel importante na Igreja Copta. Nos últimos anos, os Cristãos Coptas têm se tornado as principais vítimas da violência por parte de Muçulmanos radicais. Há também pequenos grupos de Católicos Romanos, Gregos Ortodoxos, Armênios, e Protestantes no Egito.

Educação

O Egito tem dois sistemas de educação. Um deles é público e o outro é privado. Todos os níveis de educação pública no Egito são livres. Cinco anos de primário e três de ensino médio são necessários para todas as crianças. Mais três anos de ensino médio são necessários para a faculdade ou universidade. Com mais de 200 mil estudantes, a Universidade do Cairo oferece uma ampla gama de estudos. Estes incluem a medicina, a engenharia e o direito. A Universidade Americana do Cairo também é um centro muito respeitado de aprendizagem. A Universidade Al-Azhar, no Cairo, foi estabelecida nos anos 900s. Ela é considerada por muitos como a mais antiga universidade do mundo. Ela foi fundada como um centro para o ensino da literatura Árabe e da lei e teologia Islâmicas. Ela agora inclui temas técnicos, juntamente com seu tradicional curso de estudo. 

Um dos grandes desafios do Egito é o seu nível relativamente baixo de alfabetização (a capacidade de ler e escrever). Apesar de que oito anos de escolaridade são exigidos, as raparigas e as mulheres tendem a receber menos educação do que os meninos e homens. O governo está trabalhando para matricular mais crianças - tanto meninos e meninas - na escola primária e alguns progressos foram feitos nos últimos anos.

Linguagem

A linguagem do Egito é o Árabe. O Árabe clássico é escrito e falado. Ele é usado no rádio, na imprensa, em transações comerciais, nas decisões judiciais, nos decretos do governo, e nas escolas. O Árabe coloquial, a língua da rua, raramente é escrito.

Existem dois tipos de escrita Árabe: a Naskh, a forma ordinária cursiva usada em livros; e o Kufic, não apenas uma escrita, mas uma forma de arte. Ele é encontrado em cópias elaboradas do Corão. Estes livros são semelhantes às Bíblias ricamente ornamentadas e livros de oração produzidos na Europa medieval.

Além do Árabe, outras línguas são usadas no Egito. O Copta, que se desenvolveu a partir do antigo Egito, foi falado até o século 12. Ele agora é usado apenas na liturgia da Igreja Copta. O Nubiano é falado pelos Egípcios que vivem ao sul de Aswan. O Beja é a língua dos nômades que vivem ao longo da fronteira Egito-Sudão a leste do Nilo; e o Berbere é falado pelo povo de Siwa, um oásis do deserto da Líbia. O Nubiano e o Beja não são idiomas escritos.

O Inglês e o Francês são falados entre os mais educados e por aqueles que trabalham no setor do turismo, onde o Italiano e o Alemão também são ouvidos. 

Vida nas Aldeias

Mais da metade das pessoas do Egito vivem em áreas rurais. O povo do interior ou fellahin (singular: fellah), vivem em milhares de pequenas aldeias ao longo do Nilo. A maioria são agricultores. Os fellahin cultivam a terra que eles possuem ou alugam. Eles vestem trajes tradicionais. Para um homem, ou fellah, estes consistem de um robe de algodão no comprimento do tornozelo, chamado de galabia, e um solidéu ou turbante. A fellaha, a esposa do fellah, usa vestidos com mangas compridas e um véu preto, que às vezes ela usa para cobrir o rosto.

Em dias de mercado e outras ocasiões especiais, as mulheres usam brincos, colares, pulseiras, e tornozeleiras. Ambos os homens da aldeia e as mulheres trabalham nos campos. As crianças cuidam dos burros ou búfalos. E elas pastoreiam as ovelhas ou cabras, se a família é rica o suficiente para possuí-las. Os alimentos básicos são o pão feito de farinha de milho e um prato feito de feijão, chamado ful. A carne é geralmente reservada para os feriados especiais.

A típica casa da aldeia Egípcia é feita de tijolos ressecados pelo sol, que mantêm o interior fresco durante o verão. Há um ou dois quartos, um galpão para animais, e um pequeno pátio. No pátio, há um forno que é aquecido pela queima de hastes de algodão ou milho, que são armazenados no telhado. O forno é usado para assar o grande pão redondo e fino que compõe grande parte da dieta do fellahin. O quarto pode conter uma cama feita de madeira ou ferro, mas a família do fellah geralmente dorme em esteiras feitas de junco.

A casa de um fellah mais rico tem uma sala de estar e um andar superior com quartos extras e espaço de armazenamento. A sala está equipada com longos assentos de madeira, algumas cadeiras e esteiras de junco.

Os lugares mais importantes em qualquer aldeia Egípcia são a mesquita ou a igreja Copta, a casa do chefe, o centro social rural, a delegacia de polícia, e o mercado. A mesquita e a igreja são freqüentemente usadas como escolas bem como casas de culto.

Semanal ou quinzenalmente o fellahin aflui com o rebanho para o mercado da vila, ou souk. No souk os agricultores compram e vendem vacas, búfalos, burros, camelos, ovelhas e cabras, bem como produtos agrícolas e lácteos. Nos mercados maiores, alimentos, roupas, jóias e ferramentas agrícolas são comprados e vendidos. Água e refrigerantes são vendidos por vendedores que cantam ou gritam os seus produtos.

O mercado é um lugar barulhento onde o fellahin continuamente pechincha e barganha ao máximo de seus pulmões. Nenhuma transação é concluída sem barganha, ou fissal. Os preços são decididos por uma série de compromissos. Votos religiosos são invocados, e as palavras "por Deus", "por Maomé," ou "por Al-Masseh" ("por Cristo") são ouvidos em toda parte quando a negociação atinge o seu clímax e o preço está prestes a ser fixado. O mercado não é apenas uma oportunidade para comprar e vender, é um importante evento social. Amigos e parentes se encontram e trocam notícias e fofocas.

Vida na Cidade

Quase 45% de todos os Egípcios vivem em áreas urbanas. A vida nas cidades Egípcias tem sido fortemente influenciada pela moderna cultura Européia, embora nos últimos anos os militantes Islâmicos têm vindo a empreender uma campanha contra as influências estrangeiras. O planejamento urbano se reflete nas amplas ruas pavimentadas e nos parques bem cuidados. Uma cidade é normalmente ligada à rede nacional de rodovias e ferrovias. Muitos escritórios governamentais e os tribunais de justiça estão localizados nos centros urbanos. A maioria das escolas secundárias e todas as universidades estão nas cidades. Muitas das cidades do Egito, particularmente Cairo, estão superlotadas.

Edifícios de apartamentos modernos e de grande porte alinham muitas ruas em cidades Egípcias. Esses prédios não são distintamente Egípcios. Se você der um olhar à uma rua semelhante em Tóquio ou Nova York, ela não parecerá fora do lugar. Mas nas áreas mais antigas das cidades, as casas são muitas vezes construídas no estilo tradicional da arquitetura Islâmica, que também é vista nas mesquitas e edifícios públicos.

O morador da cidade veste-se principalmente em roupas de estilo ocidental, apesar de o tradicional vestido Islâmico tornar-se cada vez mais comum entre as mulheres. Se um homem ainda usa a galabia, ela geralmente é de uma qualidade melhor do que a usada pelo fellah. O morador da cidade muitas vezes fala o Árabe com uma entoação e sotaque diferentes das do fellah.

Os trabalhadores urbanos tendem a ser mais receptivos à mudança e à inovação do que são os felás tradicionalmente orientados. Os laços familiares na cidade são mais fracos do que na aldeia. Mas o morador da cidade muitas vezes mantém laços com a aldeia, especialmente se ele ou ela é um migrante recente.

Túmulos e templos

A maioria dos nossos conhecimentos sobre a civilização Egípcia vem das ruínas dos túmulos construídos para os faraós. Os Egípcios acreditavam na vida após a morte, e, portanto, os túmulos estavam cheios de todas as coisas que pensava-se que uma pessoa precisaria em outro mundo. As paredes dos túmulos eram decoradas com cenas da vida cotidiana, que eram descritas por hieróglifos. Muitos desses túmulos ainda podem ser vistos ao longo do Nilo.

As Grandes Pirâmides e a Esfinge de Gizé são provavelmente os mais famosos pontos turísticos no Egito. A maior das pirâmides foi construída para Quéops, ou Khufu, no século 27 aC. Levou mais de 20 anos para construir a pirâmide, e mais de 2 milhões de blocos de calcário foram utilizados. Perto estão as pirâmides menores construídas pelos sucessores de Quéops. A abordagem às pirâmides é guardada pela Esfinge. A Esfinge é realmente a cabeça de um homem ligada ao corpo de um leão. A mais antiga pirâmide é a de Zoser em Sakkara, localizada a 15 milhas (24 km) ao sul do Cairo. Ela foi projetada como uma série de passos por Imhotep, o vizir do faraó, ou oficial executivo. 

Em Deir el Bahri perto de Tebas fica o templo da Rainha Hatshepsut. Rampas e terraços levam até o templo, que é esculpido nas falésias. Os terraços diante do templo foram preenchidos com plantas exóticas trazidas para o Egito da Terra de Punt (Somália). Do outro lado do rio do templo de Hatshepsut está Medinet Habu, construído por Ramsés III. Medinet Habu, uma série de templos e palácios, é um dos locais mais bem preservados do Egito. Mais ao sul, ao longo do Nilo destaca-se Abu Simbel. No início da década de 1960, Abu Simbel foi ameaçada pela subida das águas do Lago Nasser, mas um esforço internacional salvou o templo inteiro, incluindo as enormes estátuas de Ramsés II que adornam a entrada. A estrutura foi desmontada, movida para terrenos mais altos e reconstruída.

Outras importantes relíquias da antiga civilização Egípcia que ainda podem ser vistas incluem o Colosso de Memnon em Tebas, o Vale dos Reis em Luxor, e os templos de Amon-Re em Karnak e Luxor. Em Edfu e Dandara estão os grandes templos construídos pelos Ptolomeus. No Cairo, os séculos do domínio Islâmico no Egito estão refletidos nas mesquitas e palácios construídos pelos governantes Muçulmanos. 

Terra

A República Árabe do Egipto ocupa uma posição estratégica. Com longas costas em ambos os mares Mediterrâneo e Vermelho, o Egito tem sido durante séculos um importante centro de comércio e de comunicação entre a Ásia, a África e a Europa. A posição do Egito tornou-se ainda mais importante quando o Canal de Suez foi aberto em 1869. O canal fez a longa viagem ao redor do extremo sul da África desnecessária.

Os Desertos

Sem o Nilo, o Egito teria permanecido apenas outra extensão do deserto que se estende pelo norte da África desde o Oceano Atlântico ao Mar Vermelho. A oeste do Nilo está a Líbia, ou Deserto Ocidental, parte do muito maior Sahara. A maior parte desta região é um planalto estéril que sobe para mais de 6.000 pés (1.800 m), no sudoeste. Para o nordeste a Depressão Qattara cai para cerca de 440 pés (134 m) abaixo do nível do mar. Os oásis do deserto da Líbia são as únicas áreas no Egito fora do Vale do Nilo que são adequadas para a agricultura. Entre os mais importantes destes são os oásis de Siwa, Farafra, e Kharga. O Oasis Faiyum, que fica a oeste do Nilo, está ligado ao rio por um canal de irrigação.

O Deserto Árabe ou Oriental, situa-se entre o Nilo e o Mar Vermelho. A maior parte do Deserto da Arábia é um planalto árido dividido por numerosas cabeceiras secas chamadas wadis. Ao longo da costa oriental, uma cadeia de montanhas estreitas, as Montanhas do Mar Vermelho, sobe a alturas de mais de 7.000 pés (2.100 m).

A Península do Sinai, a única parte da República Árabe do Egito que está no continente Asiático, faz fronteira a leste com a Faixa de Gaza, Israel, e o Golfo de Aqaba, e no oeste pelo Canal de Suez e o Golfo de Suez. Após a guerra Árabe-Israelense de 1967, a Península do Sinai ficou sob ocupação Israelense. Mas, sob os termos do tratado de paz Egípcio-Israelense de Março de 1979, o Sinai foi devolvido ao Egito em três estágios - o primeiro de dois terços da área em 25 de Janeiro de 1980, e o terço final em 25 de Abril de 1982. O Sinai é na maior parte montanhas áridas e desérticas. Com uma altura de mais de 8.600 pés (2.620 m), o Gebel Katherina no sul do Sinai é o ponto mais alto no Egito. 

O Canal de Suez, que fica a oeste da Península do Sinai, divide o Egito "Asiático" do Egito "Africano". O canal se estende de Port Said no Mediterrâneo a Suez no Golfo de Suez, uma distância de cerca de 100 milhas (160 km). 

Nilo

Mais de 2.000 anos atrás, o historiador Grego Heródoto chamou o Egito "o presente do Nilo". Ele estava se referindo, naturalmente, à água da vida e o rico lodo que o rio carrega da África equatorial ao deserto do Egito. Tradicionalmente os agricultores Egípcios tinham que aguardar a chegada da inundação anual para plantar suas lavouras. Durante o século 20, porém, um amplo sistema de represas, reservatórios e canais foi construído para aproveitar as águas do Nilo de forma mais eficaz. 

O Nilo percorre mais de 3.000 milhas (4.800 km) através da África antes de entrar no Egito. No sul, ou Egito Superior, o rio corre entre  altos penhascos de arenito. O mamute da Barragem de Aswan, inaugurada em 1971, dobrou a capacidade do Egito de energia e aumentou a terra arável do país, fornecendo água para irrigação.

A partir de Aswan o Nilo flui norte para o Cairo. Logo abaixo do Cairo o rio se divide em dois ramos principais, o Rosetta e o Damietta. A área do país é conhecida como o Delta, ou Baixo Egito. Toda a região é atravessada por canais que oferecem irrigação durante todo o ano.

Clima

Os meses de verão do Egito são muito quentes e secos. O inverno é mais frio, e a maioria da chuva que o país recebe cai durante esta temporada. Mas a parte mais chuvosa do país, a costa do Mediterrâneo, recebe apenas cerca de 8 polegadas (20 cm) de chuva por ano. De Abril a Maio, o khamsin golpeia por todo o Egito a partir do Sahara. O khamsin, um vento quente e seco, pode carregar tanta areia e poeira que faz um dia ensolarado parecer nublado.

Cidades

O Cairo e Alexandria são as mais importantes cidades do Egito. O Cairo, a capital do país, é a maior cidade da África. Alexandria é a segunda-maior cidade do país. Outras cidades importantes incluem Giza (um subúrbio do Cairo) e os portos do Canal de Suez de Ismailia, Suez e Port Said. Aswan cresceu rapidamente como resultado da construção da Grande Barragem.

Cairo

Cairo está situada na margem leste do Nilo, ao sul do Delta. A cidade é um centro religioso e cultural para os mundos Árabe e Muçulmano, e sua influência é sentida muito além das fronteiras do Egito. Esta influência é provavelmente tão antiga quanto o próprio Egito. O local no qual o Cairo está construído tem sido um centro administrativo desde o tempo dos faraós. Cairo, em Árabe é Al-Qahira, significando "o vitorioso". A cidade moderna foi fundada no século 10 pelos Fatimidas, uma dinastia Muçulmana do norte da África que conquistou o Egito.

Todos os três poderes do governo nacional estão abrigados no Cairo, assim como diversas universidades. O Cairo é a principal  junção ferroviária e rodoviária do Egito, e os vôos de todo o mundo aterisam no Aeroporto Internacional do Cairo. O primeiro metrô da África foi inaugurado no Cairo em 1987.

Muitos tesouros do antigo Egito, incluindo as fabulosas relíquias encontradas no túmulo do Faraó Tutankamon, estão preservados no Museu Egípcio do Cairo.

Não muito longe da cidade estão as pirâmides e a Esfinge de Gizé. 

O Velho Cairo reflete os séculos sucessivos do domínio Islâmico no Egito. O Khan Al-Khalili, ou bazar, está localizado na Cidade Velha. Os artesãos do Khan ainda praticam as artes e ofícios que refletem os antigos motivos Egípcios e Muçulmanos. A arquitetura Islâmica está bem representada no Cairo. A Mesquita Al-Azhar, construída pelo general Fatimida Jawhar Al-Siqilli no século 10, mais tarde se tornou um dos grandes centros de estudos Islâmicos. A Mesquita Azul tomou seu nome dos azulejos que decoram algumas de suas paredes. A Cidadela, iniciada por Saladino, também contém a Mesquita de Alabastro construída durante o século 19. Outras mesquitas famosas incluem as de Mehemet Ali, de Sultan Hassan, e de Al Rifai. A negligência, a poluição, um lençol freático alto, e os danos de um terremoto de 1992 ameaçam os alicerces de muitos dos edifícios históricos do Cairo.

Alexandria

Alexandria, a segunda-maior cidade e principal porto do Egito, fica na costa do Mediterrâneo. Ela foi fundada por Alexandre o Grande em 332 aC. Seus sucessores no Egito, os Ptolomeus, construíram o famoso Farol de Alexandria, um farol que se tornou uma das sete maravilhas do mundo. Os Ptolomeus também apoiaram a grande biblioteca de Alexandria, que atraiu estudiosos como o matemático Euclides.

Economia

A economia do Egito tem vários pontos fortes. Estes incluem recursos energéticos, incluindo petróleo; renda a partir do Canal de Suez; e uma indústria turística rentável. Mas por muitos anos a economia do país teve um desempenho bem abaixo do potencial. Em 2004, o governo Egípcio começou a reduzir o papel do Estado na economia. Ele vendeu algumas empresas estatais a investidores privados e tornou mais fácil para empresas privadas  investir. Esses e outros fatores ajudaram a economia crescer cerca de 7% ao ano entre 2006 e 2008.

Muitos desafios permaneceram no entanto. Os benefícios da privatização muitas vezes foram para aqueles com conexões políticas, ao invés da média dos Egípcios. Um maior crescimento era necessário para criar empregos para os mais de 1 milhão de Egipcios que entravam na economia cada ano. A pobreza também foi um problema, especialmente nas áreas rurais. O governo fez progressos na redução da pobreza entre os Egipcios mais pobres, embora muitos ainda ficaram abaixo da linha da pobreza. Isso significava que eles ganhavam ou consumiam menos do que eles precisavam para alcançar uma alimentação adequada, abrigo, cuidados médicos, e outras necessidades. Por 2011, os preços dos alimentos foram piorando a situação. Havia também raiva erguendo-se sobre a corrupção entre a elite dominante.

As preocupações econômicas foram, assim, um fator importante na revolta de 2011 que forçou a renúncia do presidente que governou o Egito por três décadas.

Muitos acreditavam que o progresso econômico que havia sido feito desde a década de 1990 havia criado novas desigualdades e expectativas crescentes que ajudaram a alimentar a revolta. A revolta em si foi estimada ter custado à economia Egípcia alguns $312 milhões de dólares por dia. O turismo foi duramente atingido. Bancos, escolas e o mercado de ações foram fechados.

O governo de transição militar-liderado do país tentou levar as pessoas a voltar ao trabalho. Não ficou claro, no entanto, qual a vontade das forças armadas em permitir as reformas econômicas, uma vez que possuíam muitas fábricas e outras empresas, que não pagavam nenhum imposto.

Serviços

A indústria de serviços contribui com cerca de 50% do produto interno bruto anual do Egito (PIB). (O PIB é o valor de mercado total de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante um determinado período de tempo, normalmente um ano). Mais da metade dos trabalhadores do Egito estão envolvidos em indústrias de serviços, incluindo o governo e o turismo. 

Manufatura

O setor de fabricação do Egito contribui com mais de 33% do PIB a cada ano. Ele inclui as empresas que produzem têxteis, produtos alimentícios, produtos químicos, produtos farmacêuticos, cimento, metais e manufaturas leves.

Agricultura

O Vale do Nilo é uma das regiões agrícolas mais intensamente cultivadas e produtivas do mundo. A agricultura contribui com menos de 15% para o PIB. Mas emprega cerca de 30% dos trabalhadores do Egito. O algodão é a cultura de exportação importante. O Egito é também um importante produtor de arroz, trigo, milho, feijão, frutas e legumes. O gado inclui a criação de gado bovino, búfalos, ovelhas e cabras.

Historicamente, os agricultores Egípcios dependiam da inundação anual do Vale do Nilo. Isso fornecia água para suas lavouras. A represa de Assuã e o seu reservatório, o Lago da Grande Represa (antigo Lago Nasser), fornecem uma fonte mais regular de água para irrigação. Mas, ao mesmo tempo, o Egito está perdendo terras agrícolas para as suas cidades em crescimento e as areias do deserto. O Egito depende de importações para grande parte dos alimentos necessários para alimentar sua crescente população. Depois da revolução de 2011, o governo trabalhou para reverter décadas de negligência do setor agrícola.

Mineração

O Egito baseia-se principalmente nos combustíveis fósseis, como petróleo, para satisfazer suas necessidades energéticas. Seu setor de energia produz petróleo e gás natural. E o país é um fornecedor em rápido crescimento de gás natural liquefeito, que é exportado. A energia hidrelétrica é fornecida pela Barragem de Aswan.

Comércio

O Egito exporta petróleo bruto e produtos petrolíferos, algodão, têxteis, produtos de metal, e produtos químicos. Entre os seus principais parceiros de exportação estão os Estados Unidos, a Itália, a Espanha e a Índia. Suas importações principais são máquinas e equipamentos, alimentos, produtos químicos, produtos de madeira, e combustíveis. Seus principais parceiros de importação são os Estados Unidos, China, Alemanha e Itália.

Transporte

O Rio Nilo e o Canal de Suez são as principais artérias de transporte do Egito. O Canal de Suez e a Pipeline são rotas importantes para embarques do petróleo do Golfo Pérsico. O sistema de estradas de ferro do Egito é controlado pelo Estado. A Egyptair, a companhia aérea estatal, voa localmente e no exterior.

Da comunicação

O grande sistema de telefonia do Egito foi atualizado na década de 1990. Ele oferece telefonia fixa, bem como serviços de telefonia celular. Há mais de 20 milhões de usuários da Internet.

Governo

Sob a Constituição de 1971, o presidente do Egito é eleito por sufrágio universal para um mandato de 6-anos. Um presidente e um conselho de ministros assistem o presidente. Os membros da Assembléia Popular de uma-casa também são eleitos por sufrágio universal e servem mandatos de 5-anos. Mudanças constitucionais em 1980 permitiram que o presidente servisse um número indeterminado de mandatos e fez o código Islâmico a principal fonte do direito. Um referendo de 2005 legalizou vários candidatos presidenciais, e a Constituição foi ainda alterada em Março de 2007.

Em um referendo de Março de 2011, os eleitores aprovaram mudanças constitucionais que limitaram os futuros presidentes a dois mandatos de 4-anos, e obrigava-os a nomear um vice-presidente. Metade das cadeiras na nova legislatura iria para os candidatos que receberam a maioria dos votos em seus distritos.

O restante seria preenchido pelos partidos políticos em proporção à sua participação do voto popular. A idade mínima para os candidatos foi reduzida de 30 para 25. 

História

Milhares de anos atrás, o Saara era uma região fértil, e não um deserto. Era uma área de vegetação exuberante e tinha muitos córregos e rios. Ao longo dos séculos, as chuvas na área diminuiram, e a planície secou. Mas o Nilo continuou a fluir através da seção leste do deserto, criando uma ilha fértil em meio a esterilidade. A vida selvagem que já habitara todo o norte da África migrou para o Vale do Nilo. Os caçadores que vagavam pelo Saara, em busca de caça seguiram os animais ao oásis verde ao longo do Nilo. Eventualmente, os caçadores aprenderam a cultivar plantas e a domesticar animais. Estes primeiros agricultores no Vale do Nilo, junto com outros na Mesopotâmia e no Extremo Oriente, estavam entre os primeiros povos no mundo a praticar a agricultura tradicional.

Em 5000 aC, as aldeias foram estabelecidas por clãs ou grupos familiares. Em séculos mais tarde, estas aldeias formaram estados ou nomos, liderados por chefes.

Eventualmente, os nomos formaram dois reinos poderosos: o Alto Egito no sul e o Baixo Egito, no norte. A tradição diz que em torno de 3200 aC, Menés, o rei do Alto Egito, conquistou o Baixo Egito, uniu os dois estados, e fundou a Primeira Dinastia.

O Reino Antigo

Com o início da Quarta Dinastia por volta de 2600 aC, a civilização Egípcia entrou em uma idade de ouro. Os Egípcios já haviam desenvolvido um calendário lunar e inventado uma forma de escrita conhecida como hieróglifos. Foram os faraós do Império Antigo que construiram as grandes pirâmides, que se tornaram uma das sete maravilhas feitas pelo homem do mundo. As pirâmides revelam a maestria da matemática e da engenharia dos antigos Egipcios. Elas também indicam o enorme poder e prestígio do faraó. Ele não era apenas o governante, ele era o estado. Quéops, cujo corpo foi sepultado na maior das pirâmides em Gizé, foi um dos primeiros governantes do período. Mas esta grande época não durou muito tempo. O poder dos faraós decaiu, e depois de 2200 aC. o poderoso e centralizado Reino Velho foi substituído por uma federação frouxa. 

O Reino Médio

Foi somente em 2050 aC. que os reis de Tebas no Alto Egito reunificaram o país sob um poderoso governante. Embora o Reino Médio durasse até 1786 aC, os faraós nunca recuperaram o poder absoluto mantido pelos governantes anteriores.

Os anos do Império do Meio foram prósperos para o Egito. Durante o reinado de Amenemhat III, uma extensa série de projetos de irrigação e recuperação de terras foram realizados. Os Egípcios estenderam seu domínio sobre a Núbia, no que é hoje o norte do Sudão.

Os Hicsos

Sob os governantes da 13ª Dinastia, o poder dos faraós mais uma vez declinou, e a guerra civil foi travada no Egito. O país estava em uma posição extremamente fraca, e um grupo de guerreiros Asiáticos conhecidos como Hicsos facilmente conquistou o Egito em torno de 1675 aC. Os Hicsos governaram até meados do século 16. Muito pouco se sabe sobre eles, mas eles foram responsáveis por introduzir a carruagem puxada a cavalo e o uso de armaduras para os Egípcios.

O Império, ou Reino Novo

Ahmose I teve sucesso na expulsão dos Hicsos de volta para a Palestina. Ahmose foi o fundador da 18ª Dinastia, que governou de 1570-1304. Os sucessores de Ahmose, Amenhotep I e Tutmés I estenderam o poder e as fronteiras Egipcias ao sul no Sudão e no leste do Eufrates na Mesopotâmia.

Entre os mais destacados governantes da 18ª Dinastia estava a Rainha Hatshepsut, que governou por 20 anos. Durante seu reinado, expedições comerciais foram enviadas para a costa do Leste Africano, e extensos projetos de construção foram iniciados no Egito. Seu enteado e sucessor, Tutmosis III, consolidou os ganhos territoriais dos primeiros faraós com a ajuda de um eficiente exército profissional e da burocracia. Durante este período, um grande número de povos conquistados foram levados ao Egito como escravos. Muitos deles serviram no exército ou nos enormes projetos de construção realizados pelos faraós. A escravidão dos Judeus no Egito durante este período é descrito no Antigo Testamento. Os Judeus modernos ainda comemoram o Êxodo do Egito durante a festa da Páscoa.

No século 14 aC, Amenófis IV, um outro membro da 18ª Dinastia, ascendeu ao trono. Amenhotep rejeitou os muitos deuses tradicionais do Egito e concentrou a sua religião em Aton, que era representado pelo Sol. Amenhotep mudou seu nome para Akhenaton, e mudou a capital do Egito de Tebas para uma nova cidade, que ele chamou de Akhetaton. Mas Akhenaton ignorou as ameaças externas ao Império Egípcio, e durante seu reinado grandes porções do império foram perdidas.

Após a morte de Akhenaton, a nova religião foi destruída, e foram feitas tentativas de restaurar o poder e a influência Egípcia. Ambos Ramsés II e Ramsés III lutaram bravamente para manter o império em face das continuadas ameaças do leste. Mas problemas internos começaram a destruir o Egito, e o império desapareceu gradualmente. O Egito mais uma vez foi dividido em dois estados. Nos séculos seguintes, os conquistadores da Líbia e da Etiópia adotaram o título de faraó e governaram o Egito. Eles foram seguidos no século 7° pelos Assírios, que ocuparam o Egito por um curto período antes de serem expulsos pela 26ª Dinastia, ou Dinastia Saite.

O Egito Sob Domínio Estrangeiro

Em 525 aC, Cambises, filho do governante Persa Ciro, o Grande, invadiu e conquistou o Egito. Por todos os 200 anos seguintes, menos 60 deles, o Egito manteve-se uma província do Império Persa.

Em 332 aC, Alexandre o Grande expulsou os Persas do Egito. Durante esta campanha, ele estabeleceu a cidade de Alexandria. Após a morte de Alexandre, um de seus generais Gregos, Ptolomeu, ganhou o controle do Egito. Sob a dinastia Ptolomaica, que reinou de 323-30 aC, Alexandria tornou-se um importante centro cultural e comercial. A biblioteca atraiu estudiosos de todo o mundo Mediterrâneo. O governo Ptolomaico no Egito terminou com a morte de Cleópatra VII, em 30 aC. Octaviano, mais tarde o Imperador Augusto, tornou o Egito parte do Império Romano em crescimento.

Da Era Cristã

O Cristianismo foi provavelmente introduzido no Egito no século 1° A.D., e o Egito tornou-se rapidamente Cristão. No final do século 3° A.D., o Imperador Diocleciano dividiu o Império Romano em duas regiões. O Egito tornou-se parte do Império do Oriente, ou Bizantino, que tinha sua capital em Constantinopla, no que hoje é a Turquia. No século 4° A.D., o Imperador Constantino fez do Cristianismo a religião oficial do império. Mas uma divisão logo se desenvolveu entre os Egípcios e os Cristãos Bizantinos. Os Egípcios acreditavam na natureza única de Deus, os Bizantinos na Trindade. Desde que a crença Bizantina havia se tornado a religião oficial do império, os Egípcios foram perseguidos como hereges. 

A Conquista Muçulmana

As querelas religiosas entre os Egípcios e os Bizantinos pavimentaram o caminho para os conquistadores Árabes Muçulmanos que invadiram o Egito em 639, durante o reinado do Califa Omar. Muitos Egípcios avidamente adotaram a nova religião do Islã introduzida pelos conquistadores. O califa era o líder religioso de todo o Islã. Os primeiros quatro califas foram todos baseados em Mecca. No século 8, o Egito se tornou uma província dos califas Abássidas, cuja capital era Bagdá. Mas, no século 9, o poder dos califas Abássidas entrou num período de declínio. O General Turco Abbasida Ahmed ibn Tulun governou o Egito como um estado independente, embora o califa ainda nominalmente controlava a área. 

Durante o próximo século, o controle do Egito passou dos Tulunidas de volta para os Abbasidas, e finalmente para os Ikhshidids, outra dinastia Turca. Em 969 o Egito foi novamente ocupado pelos Árabes - desta vez os Fatimidas - que vieram do noroeste da África. Os Fatimidas estabeleceram Cairo como a capital, construíram a Mesquita de Al-Azhar, e fizeram do Cairo o centro cultural do mundo Muçulmano. No auge de seu poder, os Fatimidas governavam todo o norte da África, a Sicília, a Síria e partes da Arábia.  

No século 12, o último governante Fatimida foi derrubado por Saladino, um Kurdo, que criou um Estado independente no Egito. Ele foi o mais conhecido dos líderes Muçulmanos que foram à batalha contra os Cruzados. Os descendentes de Saladino governaram o Egito até 1250, quando eles foram derrotados pelos Mamelucos. Os Mamelucos eram ex-escravos que serviam na guarda real. Em 1517 os Turcos Otomanos derrotaram os Mamelucos e fizeram o Egito parte do Império Otomano. Os Mamelucos continuaram a governar o Egito como governadores locais, sob os sultões Turcos até o século 19.

Napoleão no Egito

Em 1798 Napoleão Bonaparte invadiu o Egito em uma tentativa de bloquear o acesso da Grã-Bretanha às suas possessões na Índia. Os Franceses foram derrotados por uma força Anglo-Turca, e as tropas Francesas se retiraram do Egito em 1801. Os cientistas e estudiosos que acompanharam a expedição de Napoleão exploraram o país e descobriram muitas das relíquias e monumentos do antigo Egito. A Pedra de Roseta, descoberta neste momento, permitiu que os estudiosos decifrassem os antigos hieróglifos Egípcios.

Mehemet Ali

Mehemet Ali, um general que liderou as tropas Albanesas do sultão Turco contra os Franceses, permaneceu no Egito. Em 1805 ele se tornou paxá sob o sultão, e em 1811 ele tinha conseguido destruir o poder dos Mamelucos. Seus exércitos assumiram o controle do Sudão, da Península Arábica, e da Grécia. Depois de conquistar a Síria, ele marchou sobre a Turquia. No entanto, Mehemet Ali foi forçado a se retirar sob a pressão dos Franceses e Britânicos. Em troca, o sultão Turco reconheceu a familia de Mehemet Ali como os governadores hereditários do Egito.

Durante o reinado de Mehemet Ali, o algodão foi introduzido e logo se tornou a principal cultura de rendimento. Pela primeira vez em milhares de anos, os camponeses Egípcios foram levados para o exército para substituir os escravos estrangeiros e mercenários. Mehemet Ali também instituiu extensivos projetos de irrigação.

Ismail e o Canal de Suez

O filho de Mehemet Ali, Said Pasha, concedeu a Ferdinand de Lesseps, um Francês, uma concessão para a construção do Canal de Suez, que permitiria que navios oceânicos viajassem entre o Mar Mediterrâneo e o Oceano Índico através do Golfo de Suez e o Mar Vermelho. O projeto não foi concluído até o reinado do sucessor de Said, Ismail I. Para a abertura do canal em 1869, Ismail encomendou a Giuseppe Verdi compor a ópera Aída. A primeira apresentação da ópera foi no Cairo em 24 de Dezembro de 1871. Por 1876 Ismail havia trazido o Egito para a beira da falência, e ele teve que vender suas ações da Companhia do Canal de Suez para os Britânicos. A Grã-Bretanha e a França assumiram a responsabilidade pelas finanças do governo Egípcio. Em 1879 Ismail abdicou em favor de seu filho, Muhammad Tawfig Pasha.

Uma revolta dos nacionalistas Egípcios em 1882 foi liderada por Ahmed Arabi, um coronel do exército Egípcio. Os Britânicos enviaram tropas para o Egito para acabar com a rebelião. Eles derrotaram o exército de Arabi na Batalha de Tell el-Kebir e ocuparam o Egito. A partir desse momento os Britânicos controlaram o Egito, embora tecnicamente o país manteve-se parte do Império Otomano. Na década de 1880 os Egípcios perderam o controle do Sudão para as forças do Mahdi, Muhammad Ahmed, um líder religioso Muçulmano. Liderados pelos Britânicos, o exército Egípcio retomou o Sudão em 1898. Um condomínio Anglo-Egípcio (governo comum) foi criado no Sudão, mas os Britânicos realmente controlavam o país, como fizeram com o Egito. 

Primeira Guerra Mundial e a Independência

A Turquia aliou-se com a Alemanha contra os Ingleses, quando a Primeira Guerra Mundial (1914-18) estourou. A fim de punir a Turquia e proteger o Canal de Suez, os Britânicos declararam um protetorado sobre o Egito. Depois da guerra, os nacionalistas Egípcios aumentaram a pressão sobre os Britânicos pela independência.

Saad Zaghlul Pasha, o fundador do Partido Wafd, liderou o movimento para expulsar os Britânicos. Uma declaração de 1922 pelos Britânicos concedeu a independencia condicional ao Egito. Uma monarquia constitucional foi criada com Fuad I, um descendente de Mehemet Ali, como rei. No entanto, os privilégios dos estrangeiros no Egito estavam protegidos, e as tropas Britânicas ainda estavam estacionadas no país. A declaração previa também o controle Britânico continuado do Sudão Anglo-Egípcio.

Em 1936 um tratado foi celebrado com a Grã-Bretanha. As tropas Britânicas foram retiradas para a Zona do Canal, os privilégios especiais de estrangeiros no Egito foram retirados, e ao Egito foi dada mais de uma voz no governo do Sudão.

Segunda Guerra Mundial e a Guerra Árabe-Israelense

O Egito foi invadido pelos Alemães e Italianos durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). As tropas aliadas estacionadas no Egito repeliram o avanço Alemão e Italiano. As tropas do Eixo foram derrotadas em El Alamein, perto de Alexandria, em 1942, mas o Egito não declarou oficialmente guerra à Alemanha até 1945. Naquele mesmo ano, a Liga Árabe foi formada no Cairo. O Egito também se tornou um membro fundador das Nações Unidas.

O Egito e outras nações Árabes fortemente opôs-se à criação do Estado Judeu de Israel no antigo mandato Britânico da Palestina. A guerra irrompeu entre Israelenses e Árabes em 1948. Os países Árabes foram derrotados, e um armistício foi assinado em 1949.

A Revolta de 1952 e a Guerra do Sinai

A derrota do exército Egípcio pelos Israelenses e a corrupção generalizada no governo do Rei Farouk contribuiu para o aumento da efervescência revolucionária no Egito. Em 23 de Julho de 1952, um grupo de jovens oficiais do Exército liderados pelo Coronel Gamal Abdel Nasser derrubou a monarquia. Pela primeira vez desde a conquista Persa, Egípcios nativos assumiam o governo do Egito. O rei abdicou em favor de seu filho infante, e o General Mohammed Naguib tornou-se chefe do Conselho do Comando Revolucionário. Em Junho de 1953, a monarquia foi abolida, e o Egito se tornou uma república, com Naguib como o primeiro presidente. Em 1954, Nasser depos Naguib e assumiu o controle do governo.

Em Julho de 1956, Nasser anunciou a nacionalização da Companhia do Canal de Suez. Três meses depois, a Grã-Bretanha e a França invadiram o Egito; Israel juntou-se no ataque. Os três países ocuparam a Península do Sinai e parte da Zona do Canal. As Nações Unidas intervieram, e as tropas Britânicas, Francesas e Israelenses foram retiradas.

Da guerra à paz com Israel

A campanha de Suez de 1956 reforçou a posição de Nasser no mundo Árabe e abriu caminho para a união política do Egito e da Síria em 1958. O novo Estado adotou o nome de República Árabe Unida, e Gamal Abdel Nasser foi eleito seu presidente. Mas, em 1961, a Síria retirou-se da união e organizou o seu próprio governo independente.

Em Maio de 1967, a força de paz das Nações Unidas no Sinai foi retirada a pedido do Egito. Em Junho, a guerra começou novamente entre os Egípcios e os Israelenses. Israel derrotou os exércitos Egípcios e ocupou a Faixa de Gaza, o Sinai e a margem oriental do Canal de Suez. Nasser morreu em 1970, e foi sucedido por Anwar el-Sadat.

O quarto conflito entre Egito e Israel eclodiu em Outubro de 1973. A guerra foi travada em ambos os lados do canal até que um cessar-fogo levou a um impasse.

As forças de paz das Nações Unidas foram mais uma vez estacionadas no Sinai. Em Novembro de 1977, Sadat fez uma viagem histórica a Israel, tornando-se o primeiro líder Árabe a visitar o Estado Judeu. Esse contato levou às negociações entre os dois países que produziram os acordos de Camp David de 1978, o que levou, por sua vez ao tratado de paz Egípcio-Israelense de 1979. Segundo o tratado, o Egito reconheceu o direito de Israel de existir. Israel retirou-se do Sinai e concordou em discutir o autogoverno Palestino em Gaza e na Cisjordânia. Estes desenvolvimentos causaram ao Egito ser expulso da Liga Árabe por violar a solidariedade Árabe.

O assassinato de Sadat em 6 de Outubro de 1981, encerrou um período de aumento da tensão interna e isolamento do resto do mundo Árabe. Sob o sucessor de Sadat, Hosni Mubarak, o Egito foi capaz de melhorar as relações com seus vizinhos no Oriente Médio, e o país foi readmitido na Liga Árabe em 1989.

Mubarak também convenceu muitos países Árabes para se juntar à coalizão que expulsou o Iraque do Kuwait durante a Guerra do Golfo de 1991. Ele apoiou o processo de paz do pós-guerra, mas criticou o comportamento de Israel no levante Palestino que começou no final de 2000 e a Guerra do Iraque de 2003 liderada pelos EUA. Eleito para um quinto mandato, em 2005, Mubarak enfrentou a crescente pressão internacional e nacional para instituir reformas políticas.

A Revolução de 2011

Em Janeiro de 2011, inspirados por uma revolta que derrubou o líder de longa data da Tunísia, os Egípcios encenaram maciças manifestações anti-governamentais. Eles chamaram à Mubarak para se demitir. Em resposta, Mubarak prometeu que não iria concorrer a um novo mandato presidencial em Setembro de 2011. Ele também disse que seu filho não iria sucedê-lo no cargo. Mas isso não foi suficiente para os manifestantes.

Em 11 de Fevereiro de 2011, após 18 dias de cada vez maiores e, sobretudo, de manifestações não-violentas, Mubarak renunciou. Ele deixou o poder para o Conselho Supremo das Forças Armadas, que dissolveu o Legislativo e suspendeu a constituição. O exército manteve-se neutro durante as manifestações.

Em Março, os eleitores Egípcios aprovaram mudanças constitucionais que lhes daria uma maior voz na escolha de seus líderes. Além disso, o Partido Democrata Nacional de Mubarak foi dissolvido. Outras mudanças foram adiadas até depois que as eleições legislativas e presidenciais pudessem ser realizadas. O país estava em um caminho para retornar ao regime civil, ainda que os militares provavelmente iriam manter a sua considerável influência no governo.

Em Abril, os militares prenderam Mubarak e seus dois filhos. Todos os três foram acusados de corrupção. Mubarak também foi acusado dos assassinatos relacionados com as mortes de manifestantes anti-governamentais. Mais de 800 pessoas morreram na repressão que antecedeu a partida de Mubarak do poder.

Em Agosto Mubarak e seus filhos foram a julgamento.

À medida que o ano avançava, a agitação política continuou, apesar da perspectiva das eleições. Os manifestantes insatisfeitos com o ritmo lento das mudanças entraram em confronto com a polícia. Ao mesmo tempo, a economia já tensa do Egito perdeu um precioso rendimento turístico, pois os visitantes se esquivaram do perigo em potencial.

Em Outubro, milhares de Cristãos Coptas demonstraram em resposta à queima de uma igreja Copta e outros abusos. Mais de 20 Coptas foram mortos em confrontos com as forças de segurança Egípcias.  

Yassin El-Ayouty

Fonte: Internet Nations

Egito

As principais atrações no Egito são Cairo, Alexandria e do litoral norte, o vale do Nilo, Luxor, Abu Simbel, Aswan e os tesouros dos faraós, a Península do Sinai e as belas praias do Mar Vermelho. Combinação egípcio dos pontos turísticos relacionados com o mar e antiga herança torna-se um dos mais emocionantes algumas horas de destinos de férias na Europa.

Nome Oficial: República Árabe do Egipto
Área:
1.001.449 km2
População:
80.081.093 habitantes (2013).
Capital:
Cairo
Principais cidades:
Cairo
Língua oficial:
Árabe
Moeda:
libra egípcia
Dia Nacional:
23 de julho - Revolução de 1952

GEOGRAFIA

Estado da África do Nordeste, limitado a norte pelo Mar Mediterrâneo, a oeste com a Líbia, ao sul com o Sudão, a leste pelo Mar Vermelho e ao norte-leste por Israel e Gaza (Palestina). Sua posição central entre a Ásia ea África, entre os mares orientais e ocidentais, única forma de entrar em contato, no leste do Saara, a terra tropical e temperado, fez com que esta grande nação árabe, apesar de vários avatares, um jogador estado na cena internacional.

O rio Nilo, junto 6670 km, drenos são território egípcio como um quarto de seu curso.

No sul, o rio navegável para Aswan (1 catarata), cavou um vale coberto de preto rico e cercada por penhascos íngremes silte, separados de 2 a 15 km.

Perto do vale, como ele, em muitos aspectos, depressão Fayoum, a 90 km ao sul do Cairo, estende a sua terra rica em torno das águas do Birket Qarun (Lago Moeris Veteranos): o Superior Egito.

A poucos quilômetros ao norte de Cairo, o rio, liberta dos grilhões que cercavam as terras altas, filiais em vários ramos: o país "flat" Delta ou Baixo Egito, que se estende cerca de 4% do país, mas em que quase toda a população é concentrada.

Para o oeste, na margem esquerda do rio Nilo, no deserto ocidental cai rapidamente, formando a baixos platôs do deserto líbio. Fronteiras do Mediterrâneo formada por praias de areia branca. Grande bacia de areia do deserto é atravessada por uma linha de depressões.

Perto da água do solo, o último lar de uma infinidade de oásis fértil: Kharguèh, Dakhla, Farafra, Siwa e Bahriya. Grandes mesas de rocha são encontrados nas bordas de falésias que perfuram através do vale de barrancos secos e coberto com dunas de areia.

Para o leste desenvolve o deserto da Arábia, platô que se eleva gradualmente a partir do Nilo para colocar ao longo do Mar Vermelho, uma cadeia de montanhas de até 2.187 m. As montanhas cair sobre uma colina íngreme na depressão do Mar Vermelho e do Golfo de Suez. Planaltos e montanhas são atravessadas de oeste para leste por cortes profundos, velhas formas de passar caravanas vezes por estradas existentes. Anexado a este deserto, a Península do Sinai não é separado pela quebra do Golfo de Suez. É uma região serrana dominado pela 2.637 m do pico mais alto do Egito, Djbel Sainte-Catherine.

O rio Nilo longo aura mítica de mistério, é o rio mais longo do mundo (6671 km).

O impacto local das mudanças climáticas é insignificante em comparação com o papel principal na dieta do Nilo, nas terras altas da Etiópia e da região dos Grandes Lagos africanos: a intensidade da chuva que cai a 6.000 km a montante há muito tempo determinou a magnitude da enchente que inundou as terras agrícolas do Egito. As águas do Nilo Branco do planalto da África Oriental e lagos receber chuvas fortes durante todo o ano. O Nilo Azul para as montanhas da Etiópia e são alimentados pelas chuvas da estação chuvosa. Estas águas altas cobrir todas as terras baixas, infiltrar-se em fendas e depositou sedimentos férteis.

As águas baixam para a temporada de plantio.

Maior evento natural do ano por milhares de anos, o mecanismo do dilúvio foi modificado pelo homem desde o século XIX: a construção de barragens, escavação de canais de irrigação, barragens céus. O livro é o mais colossal Aswan High Dam. Com uma capacidade de 130 km ³, com um reservatório de 60,000 km ², tem aumentado a terra arável de 30 a 40% de todo o Egito. Esta mudança na tecnologia de irrigação tem causado agitação considerável. Alguns são positivos, outros negativos.

ECONOMIA

A economia egípcia tem um grande desenvolvimento na década de 70 com o vôo da indústria do petróleo, o desenvolvimento do turismo e do investimento contribuiu para o Canal de Suez. Atualmente, as indústrias mais importantes são têxteis, fertilizantes, borracha e cimento. O país tem muitas fábricas de montagem de automóveis e uma de fundição de aço. O principal parceiro comercial são os Estados Unidos, seguido de Alemanha, França, Holanda e Espanha.

TURISMO

As principais atrações no Egito são Cairo, Alexandria e do litoral norte, o vale do Nilo, Luxor, Abu Simbel, Aswan e os tesouros dos faraós, a Península do Sinai e as belas praias do Mar Vermelho. Combinação egípcio dos pontos turísticos relacionados com o mar e antiga herança torna-se um dos mais emocionantes algumas horas de destinos de férias na Europa.

Cairo

A capital é uma cidade de diversidade e vitalidade surpreendente, combinando elementos e da Europa Ocidental da África, Oriente. Se espalhando ao redor do delta do Nilo e para cima, Cairo tem uma população de cerca de 7 milhões. Ele leva vários dias para visitar corretamente.

O Nilo

Tebas, Luxor, a "Cidade dos Cem Portões" Homer está localizado a cerca de 500 km ao sul de Cairo e contém um grande número de monumentos antigos: O templo de Amon em Karnak: colossais estátuas, obeliscos e Grande Salão ( há, como em Giza, um show de som e luz), o Vale das Rainhas e Vale dos Reis, onde os faraós 64 são retratados em um enorme terreno escavado na rocha. Em 1997, uma equipe americana liderada pelo professor Kent Weeks descobriu 46 novas salas no túmulo dos herdeiros de Ramsés II, além de 60 quartos descobertos em 1995 durante a limpeza. Um total de 108 quartos estão localizados em seis faixas de rodagem, cada um medindo 48 metros, tornando-se a maior tumba descoberta até agora.

Outros templos, túmulos e monumentos também são impressionantes. Aswan: Além de ser uma atração de inverno agradável, com muitos hotéis, Aswan também oferece uma impressionante variedade de templos e mosteiros, o ex-Nilômetro da Ilha Elefantina e Aswan High Dam, a uma das três maiores represas do mundo. Passando por 2 km ao sul de Aswan, Philae é um templo clássico considerado importante o suficiente para ser salvo da inundação causada pela abertura da barragem. Mais ao sul encontra-se Abu Simbel - que sobrevive em grande parte através de um projeto apoiado pela UNESCO no projeto de 1960 - com dois magníficos templos de Ramsés II. 120 km ao norte de Aswan é o templo de Edfu, um dos mais bem preservados no Egito.

O litoral norte

Alexandria é uma cidade moderna que Cairo e é embelezada por várias relíquias helenística e romana a partir do momento em que a cidade era a capital cultural da Europa. Ele continua a ser um destino de férias muito popular para os egípcios. A nova biblioteca de Alexandria, com vista para o Mediterrâneo Shatby deve fornecer a estudantes de todo o mundo acesso a coleções e materiais excepcionais. Design circular, em parte submerso em uma piscina de água, é uma imagem do sol egípcio.

Sinai e Mar Vermelho

Os locais de mergulho são Ras Muhammed Sinai, Sharm el-Sheikh, Dahab, Nuweiba, Hurghada Arish, a maioria dos quais escolas de mergulho que oferecem aulas para todos os níveis. Os pontos de vista sobre o Golfo de Aqaba para as montanhas da Arábia Saudita são incríveis e as temperaturas permanecem quentes até período muito tardio do ano. Outros esportes aquáticos estão disponíveis e toda a costa leste do Sinai tem resorts à beira-mar, com hotéis e barracas na areia onde o deserto se funde com a praia com palmeiras. Ras Muhammed, o ponto mais meridional da península, que abriga o manguezal sendo o mais setentrional do planeta inteiro. Interior são os picos irregulares das montanhas, entre os quais está Sinai Monte Sinai da Bíblia. Logo ao lado está o famoso Mosteiro de Santa Catarina. Este é o primeiro mosteiro construído por eremitas no século 4. Ele atraído um número crescente de peregrinos, especialmente após a construção de um santuário em 337. Os séculos seguintes trouxeram mudanças na arquitetura do edifício, bem como os períodos de declínio e abandono. As doações para o Mosteiro de anos são largamente exposta no museu.

Fonte: www.afrique-planete.com

Egito

Nome completo: República Árabe do Egipto
População:
82,5 milhões (ONU, 2011)
Capital:
Cairo
Área:
1 milhão de quilômetros quadrados (386.874 milhas quadradas)
Maior idioma:
árabe
Principais religiões:
islamismo, cristianismo
Esperança de vida:
72 anos (homens), 76 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária:
1 Libra egípcia = 100 piastres
Principais exportações:
petróleo, derivados de petróleo e algodão
PIB per capita:
2.600 dólares EUA (World Bank, 2011)
Domínio da Internet:
p.
Código de discagem internacional:
20

Perfil

Muito conhecido por suas pirâmides e da civilização antiga, o Egito é o maior país árabe e tem desempenhado um papel central na política do Oriente Médio nos tempos modernos.

Na década de 1950 o presidente Gamal Abdul Nasser pioneiro do nacionalismo árabe e do movimento não-alinhado, enquanto seu sucessor Anwar Sadat fez a paz com Israel e voltou para o Ocidente.

Os protestos que derrubaram o presidente Hosni Mubarak em 2011 colocou o Egito, no cruzamento mais uma vez, já que levou a um grande avanço islâmico Irmandade Muçulmana em eleições parlamentares posteriormente anulada e uma vitória estreita para o candidato Brotherhood na eleição presidencial de 2012.

Passado antigo do Egito, eo fato de que ele foi um dos primeiros países do Oriente Médio a se abrir para o Ocidente após a invasão de Napoleão ter dado uma pretensão de ser o líder intelectual e cultural na região. O chefe da Al-Azhar do Cairo é uma das maiores autoridades em islamismo sunita.

Mas o passo histórico pelo presidente Anwar Sadat para fazer a paz com Israel em Camp David acordo de 1979 levou para o Egito ser expulso da Liga Árabe até 1989, e em 1981 o Sr. Sadat foi assassinado por extremistas islâmicos com raiva de seus movimentos para reprimir a sua atividades.

Governo repressor

O presidente Hosni Mubarak teve uma abordagem mais conciliadora, mas grupos islâmicos continuaram suas campanhas esporadicamente. Eles foram responsáveis por ataques mortais que os turistas muitas vezes alvo e áreas de resort, e, mais recentemente, começou a assediar comunidade cristã copta do Egito.

Proporcionando estabilidade e uma medida de progresso econômico, o governo de Mubarak foi repressivo. Uma lei de emergência em vigor desde 1967 - além de uma interrupção de 18 meses em 1981 - a dissidência política amordaçados, e as forças de segurança tornou-se conhecido pela sua brutalidade. Corrupção era generalizada.

Encorajados pelos protestos que derrubaram o líder de longo prazo da Tunísia, montagem ira popular explodiu à superfície em manifestações anti-governamentais enormes em janeiro de 2011, o que levou o presidente Mubarak a renunciar. Ele foi preso e condenado à prisão perpétua mais de mortes durante as manifestações.

O caminho para a democracia provou rochoso, no entanto, a política de pós-revolucionários tornaram-se cada vez mais polarizada entre os islâmicos recém-ascendentes, de um lado e as forças liberais e seculares, por outro.

Depois de rápida transição prometeu o governo militar interino acabou durando mais de um ano, as eleições parlamentares finalmente realizada em dezembro de 2011 e janeiro de 2012 produziu grandes maiorias de partidos islâmicos.

Da mesma forma, a eleição presidencial em maio e junho de 2012 foi vencido islâmico Irmandade Muçulmana candidato Mohammed Mursi, provocando temores entre os ativistas liberais sobre as perspectivas de ganhos democráticos e direitos das mulheres e das minorias.

Após sua eleição, o Sr. Morsi rapidamente varridos tentativa do exército para segurar amplos poderes políticos, mas uma nova disputa queimado no final de 2012, quando a Assembléia Constituinte islâmico dominado assinado em uma constituição que o presidente submetida a referendo em 15 de Dezembro.

A decisão enfureceu secular, Christian e grupos de mulheres e da oposição liberal, especialmente quando o referendo aprovou a constituição. Eles dizem que a Constituição não oferece garantias suficientes para a liberdade de expressão e os direitos das mulheres.

Geografia e economia

Cidades cheias do Egito - e quase toda a atividade agrícola - estão concentrados ao longo das margens do Nilo, e no delta do rio. Desertos ocupam a maior parte do país.

A economia depende fortemente da agricultura, o turismo e as remessas de dinheiro de egípcios trabalham no exterior, principalmente na Arábia Saudita e países do Golfo.

No entanto, o rápido crescimento da população ea quantidade limitada de terras aráveis estão forçando os recursos do país e da economia, e continuando turbulência política paralisou os esforços do governo para resolver os problemas.

A cronologia dos principais eventos:

por volta de 7000 aC - Resolução de Vale do Nilo começa.
por volta de 3000 aC -
Reinos do Alto e do Baixo Egito se unem. Sucessivas dinastias testemunhar florescente comércio, a prosperidade eo desenvolvimento de grandes tradições culturais. Escrever, incluindo os hieróglifos, é usado como um instrumento de Estado. Construção das pirâmides - cerca de 2.500 aC - é um feito de engenharia formidável.
669 aC -
assírios da Mesopotâmia conquistar e governar o Egito.
525 aC -
conquista persa.
332 aC -
Alexandre, o Grande, da Macedônia, antiga, conquista o Egito, funda Alexandria. A regras dinastia Macedônia até 31 aC.
31 aC -
Egito vem sob o domínio romano, a rainha Cleópatra comete suicídio depois de o exército de Octavian derrotas suas forças.
642 AD -
conquista árabe do Egito.
969 -
Cairo estabeleceu como capital.
1250-1517 -
mameluco (soldado escravo) regra, caracterizado por uma grande prosperidade e instituições cívicas bem ordenados.
1517 -
Egito absorvidos pelo império turco otomano.
1798 -
As forças de Napoleão Bonaparte invadem mas são repelidos pelos britânicos e os turcos em 1801. Egito mais uma vez torna-se parte do império otomano.
1859-1869 -
Canal de Suez construída.
1882 -
As tropas britânicas assumir o controle do Egito.
1914 -
Egito torna-se um protetorado britânico.
1922 -
Fuad I torna-se rei do Egito, e do Egito ganha sua independência.
1928 -
Irmandade Muçulmana, fundada por Hassan al-Banna.
1936 -
Abril - Farouk sucede ao seu pai como o rei do Egito.
1948 -
Egito, Iraque, Jordânia e Síria atacam o novo estado de Israel.
1949 Fevereiro -
Hassan al-Banna da Irmandade Muçulmana é assassinado.
1949 -
Comitê do Movimento dos Oficiais Livres formado.
1952 janeiro -
Pelo menos 20 pessoas são mortas em protestos anti-britânicos no Cairo.
1952 -
Golpe de Estado pelo Movimento dos Oficiais Livres. Farouk abdica em favor de seu filho infantil Ahmed Fuad II.

República declarou

1953 - Golpe de Estado líder Muhammad Najib torna-se presidente do Egito é declarado uma república.
1954 -
Fellow golpe líder Gamal Abdel Nasser torna-se primeiro-ministro e presidente em 1956, governando sem contestação até sua morte em 1970.
1954 -
Tratado de evacuação assinado. As forças britânicas, que começaram uma retirada gradual em 1936, finalmente, deixar o Egito.
1956 Julho -
Nasser nacionaliza o Canal de Suez para financiar a barragem de Aswan.
1956 Outubro -
Invasão Tripartite do Egito pela Grã-Bretanha, França e Israel, devido à nacionalização do Canal de Suez. Um cessar-fogo é declarado em novembro.
1958 Fevereiro -
Egito e Síria se unem para formar a República Árabe Unida (RAU), na primeira etapa do seu objetivo para a unidade árabe.
1961 -
Síria retira a união com o Egito, mas o Egito mantém-se conhecida como a UAR.

Guerra dos Seis Dias

De Maio de 1967 - Egito, Jordânia sinal pacto de defesa. Israel diz que aumenta o perigo de uma guerra com os Estados árabes.

1967 Junho - Guerra dos Seis Dias, em que Israel derrotas forças do Egito, Jordânia e Síria. Israel assume o controle do Sinai, as Colinas de Golã, a Faixa de Gaza, Jerusalém Oriental e na Cisjordânia.
1970 Setembro -
Nasser morre e é substituído por seu vice-presidente, Anwar al-Sadat.
1971 -
Tratado de Amizade entre o Egito ea União Soviética é assinado.
1971 -
nova Constituição do Egito é introduzido eo país é renomeado República Árabe do Egito.
1971 -
O Aswan High Dam está concluída. Ela demonstra ter um enorme impacto sobre irrigação, agricultura e na indústria, no Egito.

Yom Kippur

Outubro de 1973 - Egito e Síria vão à guerra com Israel durante a celebração do Yom Kippur de Israel para recuperar o terreno que perdeu em 1967. Egito começa negociações para o retorno do Sinai, depois da guerra.
1975 Junho -
O Canal de Suez é reaberto. Ela havia sido fechada desde a guerra de 1967.
1976 -
Anwar al-Sadat termina o Tratado de Amizade com a União Soviética.
1978 Setembro -
Acordos de Camp David para a paz com Israel são assinados.
Março de 1979 -
O tratado de paz entre Egito e Israel é assinado. Egito é então condenado por outras nações árabes e excluídos da Liga Árabe.

Sadat assassinado

1981 06 de outubro - Anwar al-Sadat é assassinado por membros da Jihad. Um referendo nacional aprova Hosni Mubarak como o novo presidente.
1987 Outubro -
Mubarak começa seu segundo mandato.
1989 -
Egito reencontra a Liga Árabe.
1993 Outubro -
Mubarak começa seu terceiro mandato.
1995 Junho -
Mubarak é alvo de uma tentativa de assassinato em Addis Abeba, Etiópia, em sua chegada em uma cúpula da Organização de Unidade Africano.1997 - Cinqüenta e oito turistas são mortos por homens armados em frente ao Templo de Hatshepsut, perto de Luxor. Alega-se que o grupo islâmico do Egito (Jemaa Islamiya) é responsável.
1999 Outubro -
Mubarak inicia seu quarto mandato.
2000 Dezembro -
Egito, Líbano e Síria concordar com um projeto de bilhões de dólares para um gasoduto para transportar gás do Egito sob o Mediterrâneo ao porto libanês de Trípoli.
2002 Fevereiro -
Centenas de passageiros são mortos após o trem pega fogo ao sul do Cairo.

Bomba Sinai

2004 Outubro - Ataques a bomba atingir turistas israelenses na península do Sinai, 34 pessoas são mortas.
Novembro de 2004 -
Funeral do líder palestino Yasser Arafat é realizada no Cairo.
2005 Fevereiro-Abril -
Pro-reforma e ativistas da oposição montar manifestações anti-governamentais.
Maio de 2005 -
referendo apoia uma emenda constitucional que permitirá que vários candidatos para se candidatar às eleições presidenciais.
Julho de 2005 -
Dezenas de pessoas são mortas em ataques a bomba no resort do Mar Vermelho de Sharm al-Sheikh.
2005 Setembro -
O presidente Mubarak é reeleito para um quinto mandato consecutivo.
2005 Dezembro -
Parlamentar enquetes final com confrontos entre a polícia e apoiantes da oposição Irmandade Muçulmana. O Partido Nacional Democrático e seus aliados mantêm a sua larga maioria parlamentar. Partidários da Irmandade Muçulmana, eleitos como independentes, ganhar um recorde de 20% dos assentos. Mais de 20 imigrantes sudaneses morrem depois de a polícia acabar com um acampamento de protesto em frente aos escritórios da ONU no Cairo.
2006 Fevereiro -
Até 1.000 pessoas morrem quando uma balsa transportando cerca de 1.400 passageiros da Arábia Saudita para o Egito afunda no Mar Vermelho.
Abril de 2006 -
Ataques a bomba no resort do Mar Vermelho de Dahab matam mais de 20 pessoas.
2006 Agosto -
Egito elogia a forma como o grupo guerrilheiro Hezbollah estendeu na guerra com Israel no Líbano, depois de questionar mais cedo seu acórdão.
2006 novembro -
O Egito é um dos pelo menos seis países árabes desenvolvimento de programas nucleares nacionais para diversificar as fontes de energia, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) relatórios. Presidente Mubarak promete reforma democrática e constitucional em um discurso ao parlamento. Os opositores são céticos.
2006 novembro -
Surgimento de prisões de membros da Irmandade Muçulmana.
De Março de 2007 -
Referendo sobre emendas constitucionais. As autoridades dizem que 76% dos eleitores aprovam as mudanças, os grupos de oposição dizem que a votação foi fraudada.
2007 Abril -
recorde da Anistia Internacional critica Egito sobre a tortura e detenção ilegal. Mais de 30 membros da Irmandade Muçulmana ir a julgamento, a primeira vez em sete anos que os membros do grupo foram julgados sob a jurisdição militar.
2007 June -
As eleições parlamentares. Governante Partido Nacional Democrático ganha a maioria dos votos.

Imprensa assediado

2007 Outubro - Independent, a oposição jornais protesto contra "perseguição do governo", depois de sete jornalistas estão presos e um editor é levado a julgamento. Dustur jornal editor Ibrahim Eissa condenado a seis meses de prisão para relatar rumores sobre a saúde do presidente Mubarak. Grupos de direitos humanos exigem alteração da lei relativa às "informações falsas".
2008 abril -
Militares tribunais sentença de 25 principais membros da Irmandade Muçulmana para penas de prisão na repressão visando o financiamento da organização. Mais de 800 pessoas foram detidas mais de um mês. Irmandade boicotou as eleições municipais depois de apenas 20 candidatos admitidos para ficar.
2008 novembro -
O NDP BCE diz que vai privatizar algumas empresas estatais e distribuir ações livres dos cidadãos. Estado manterá participações majoritárias em ativos estrategicamente importantes, como ferro, aço, transportes e turismo. As forças de segurança reimplantar no Sinai após confrontos mais contrabando na Faixa de Gaza, com beduínos locais deixaram várias tribos mortos.
2009 Fevereiro -
líder da oposição figura Ayman Nour libertado depois de cumprir três anos de pena de cinco anos sob a acusação de falsificação que, segundo ele, foram politicamente motivadas. Ataque a bomba na área turística de Cairo mata um estudante francês e fere outras 24 pessoas. Autoridades prender três suspeitos, digamos pequena célula islamita pensado para ser responsável.

Prisões Terror

2009 Abril - As autoridades egípcias dizem que prendeu 49 pessoas no ano anterior por suspeita de ajudar Hezbollah enviar dinheiro e ajuda para o Hamas em Gaza.
2009 Maio -
confronto com a polícia egípcia copta suinocultores cristãos tentando parar os seus animais sendo levados para o abate como medida de precaução contra a gripe suína. Ministério do Interior diz que sete pessoas com suspeita de ligações com a Al-Qaeda detidos em conexão com Cairo ataque a bomba que matou uma estudante francesa em fevereiro.
2009 Junho -
O presidente dos EUA, Barack Obama faz o discurso chave no Cairo pedindo um novo começo entre os Estados Unidos eo mundo muçulmano.
2009 Julho -
Autoridades egípcias dizem que 25 militantes suspeitos de ter ligações com a Al-Qaeda foram presos por ataques a navios no Canal de Suez plotagem.
2009 Agosto -
Vinte e seis membros de uma suposta célula do grupo militante Hezbollah libanês ir a julgamento no Cairo, acusados de planejar ataques no Egito e ajudando a enviar armas para o Hamas em Gaza.
2009 novembro -
Row entre Egito e Argélia seguinte violência nos jogos de futebol.
2009 Dezembro -
Ativistas protestam Estrangeiro no Cairo contra a recusa do Egito para permitir que comboios de ajuda humanitária em Gaza.
2010 Janeiro -
choque cristãos coptas com a polícia após um tiroteio aparentemente sectário fora de uma igreja.

Protestos anti-Mubarak

2010 Fevereiro - O ex-chefe da ONU Mohammed ElBaradei nuclear retorna ao Egito e, juntamente com figuras da oposição e ativistas, forma uma coligação para a mudança política. ElBaradei diz que pode correr na eleição presidencial prevista para 2011.
Março 2010 -
O presidente Mubarak é submetido a cirurgia de vesícula na Alemanha, retornando ao Egito três semanas depois.
Junho de 2010 -
Irmandade Muçulmana não ganhar nenhum assentos nas eleições para a Shura câmara alta consultiva do Parlamento; alega votação foi fraudada.2010 Novembro - choque cristãos coptas com a polícia em Giza sobre a construção da igreja. Eleições parlamentares, seguido por protestos contra a suposta fraude eleitoral. Irmandade Muçulmana não ganhar um único assento, ainda que realizada de um quinto dos lugares no último parlamento.
2011 Janeiro -
21 mortos em bomba na igreja em Alexandria, onde os cristãos se reuniram para celebrar o Ano Novo. Manifestações anti-governo, aparentemente, encorajados por tunisinos rua protestos que levaram súbita partida do presidente Ben Ali. Presidente Mubarak remodela seu gabinete, mas não consegue aplacar os manifestantes, cujas chamadas para a sua demissão crescer mais alto. Dias depois, ele promete demitir-se em setembro.
2011 Fevereiro -
O presidente Mubarak desce e nas mãos o poder ao conselho do exército.
2011 março -
Egípcios aprovam pacote de reformas constitucionais destinadas a abrir caminho para novas eleições.
2011 Abril -
O ex-presidente Mubarak e seus filhos, Ala e Gamal, são presos por suspeita de corrupção.
2011 de abril a agosto -
Protestos continuam na Praça Tahrir, no Cairo sobre o ritmo lento de mudança política. Grupos islâmicos vêm à tona. Exército finalmente dispersa manifestantes em agosto.
2011 Agosto -
O ex-presidente Mubarak vai a julgamento no Cairo, acusado de ordenar a morte de manifestantes no início do ano.
2011 Outubro -
Confrontos entre cristãos coptas e forças de segurança matam 24 pessoas. Egito e Israel trocar 25 egípcios detidos em Israel por um cidadão americano-israelense acusado de espionagem.
2011 Novembro -
Violência na Praça Tahrir, no Cairo, como as forças de segurança confronto com manifestantes acusando os militares de tentar manter o controle sobre o poder. O primeiro-ministro Essam Sharaf demite em resposta à inquietação. Início das eleições parlamentares.
2011 Dezembro -
governo de unidade nacional liderado pelo novo primeiro-ministro Kamal al-Ganzouri assume o cargo.
2012 Janeiro -
partidos islamitas aparecem como vencedores das eleições parlamentares longa.
2012 Março -
O Papa Shenouda III, chefe veterano da Igreja Copta, morre.
2012 Abril -
Crise nas relações com a Arábia Saudita sobre a detenção saudita de um advogado egípcio ameaça brevemente a ajuda substancial que os sauditas fornecer Egito.

Primeira eleição presidencial livre

2012 Maio - Irmandade Muçulmana candidato Mohammed Morsi lidera a primeira rodada de votação nas primeiras eleições presidenciais livres, pouco à frente de Mubarak, era o primeiro-ministro Ahmed Shafiq. A imprensa oficial colocar participação em uma baixa de 43%. Os líderes militares anunciar o fim do estado de emergência em vigor desde o assassinato de Anwar al-Sadat em 1981, como a sua última renovação expira.
2012 Junho -
Irmandade Muçulmana candidato Mohammed Morsi estreitamente vence eleição presidencial. Sentenças judiciais ex-presidente Mubarak à prisão perpétua por cumplicidade no assassinato de manifestantes durante a revolta de 2011.
2012 Julho -
O presidente Morsi submete a uma decisão da Suprema Corte que as eleições parlamentares eram inválidos, depois de inicialmente ordenação parlamento reunir-se em desafio de um decreto dissolvendo-militar, em junho.
2012 Agosto -
Novo primeiro-ministro Hisham Qandil nomeia um gabinete dominado por figuras do governo de saída, tecnocratas e islâmicos, excluindo as forças seculares e liberais. Combatentes islâmicos atacam um posto avançado do exército no Sinai, matando 16 soldados e montar uma breve incursão em Israel, destacando a fragilidade do controle do governo sobre a área, em grande parte, sem lei. Presidente Morsi demite ministro da Defesa, Tantawi e Chefe do Estado Maior Sami Annan e tiras militares de dizer na legislação e na elaboração da nova Constituição.
2012 setembro -
Egito mata 32 militantes e destrói 31 túneis de contrabando de Gaza em uma ofensiva contra os militantes que atacaram tropas no Sinai, em agosto.

A tensão sobre nova Constituição

2012 novembro - Bispo Tawadros é escolhido como o novo papa dos cristãos coptas do Egito. Presidente Morsi emite um decreto retirando o Judiciário do direito de contestar as suas decisões, mas rescinde-lo em face de protestos populares.
2012 Dezembro -
assembleia constituinte islâmico dominado aprova projeto de constituição que reforça o papel do Islã e restringe a liberdade de expressão e de reunião. Público aprová-lo em um referendo, o que levou extenso protesto por líderes da oposição seculares, cristãos e grupos de mulheres. Paralisia do governo enfraquece a moeda e atrasos um empréstimo do FMI US $ 4,8 bilhões (R $ 3 bilhões).
2013 janeiro -
Mais de 50 pessoas são mortas durante os dias de violentos protestos de rua. O chefe do Exército adverte que a luta política está levando o estado à beira do colapso.
2013 Março -
planos Um tribunal suspende presidente Morsi para levar as eleições parlamentares em frente a abril, citando a falta de referência à lei eleitoral para o Tribunal Constitucional. O principal partido de oposição Frente Nacional de Salvação havia anunciado um boicote sondagem anterior.

Fonte: news.bbc.co.uk

Egito

O Território

O Egito está localizado no canto nordeste da África e estende-se por uma área de 995.880 km2. Apenas 5% do País é habitado, ao longo das encostas do Rio Nilo cujo curso alonga-se por mais de 1.440 km , desde o Mar Mediterrâneo ao norte até o Sudão ao sul, a oeste faz fronteira com a Líbia e a leste encontram-se o deserto, o Mar Vermelho e o Sinai. A área mais fértil do Egito é o delta do Rio Nilo.

Cairo, a capital egípcia, possui 14 milhões de habitantes, enquanto Alexandria, a segunda maior cidade, tem uma população de 5.5 milhões.

A População

A população do Egito é de 60 milhões. Cerca de 90% dos egípcios estão concentrados nas áreas férteis do delta do Nilo e ocupam 5% do território egípcio - 44% habitam em áreas urbanas, a maioria em alguma das 4.000 cidades. No entanto, durante os últimos anos, foi constatada a imigração urbana.

Os egípcios são em geral extrovertidos, calorosos e possuidores de uma boa dose de senso de humor. Eles cultivam o respeito e têm apreço pelos turistas estrangeiros, além de serem extremamente tolerantes com indivíduos de outras raças, religiões e diferentes nacionalidades.

Perfil Histórico

A memória histórica do Egito tem seus primeiros registros datados por volta do ano 4.000 A.C., quando caçadores nômades fixaram-se no Vale do Nilo.

Mas, foi no ano 3.100 A.C. que os egípcios coroaram seu primeiro Faraó, Menes, que posteriormente foi quem unificou as duas regiões do país: o Baixo Egito (também designado o Delta) e o Alto Egito (desde Giza até Aswan ao Sul).

A história egípcia pode ser resumida da seguinte forma:

Egito Pré-dinastia de 5.000 a 3.200 A.C.

Dinastia do Egito (3.200 a 2.700 A.C.)

Desenvolvimento da sociedade, da lei e da religião.

O Antigo Reinado (2.700 a 2.600 A.C.)

Grandes conquistas, principalmente nos campos da administração, da astronomia e da arquitetura.

O Reinado Intermediário (2.260 a 1.780 A.C.)

Uma era de prosperidade e de expansão do poder político e dos horizontes da economia. Tebas tornou-se a capital. Mais tarde, o Egito foi invadido pelos Hyksos vindos da região da Caucásia, cuja permanência durou 150 anos até que finalmente foram expulsos.

O Novo Reinado (1.580 a 1.085 A.C. )

Foram 400 anos de esplendor, prosperidade e desenvolvimento artístico e espiritual. A arquitetura alcança as alturas.

O Declínio (1.090 a 332 A.C.)

O país ficou sob a influência de padres. Em 525 A.C. o Egito é conquistado pelos Persas.

O Período Greco-Romano

332 A.C. a 640 D.C. No ano de 332 A.C., Alexandre o Grande passou a ter o Egito sob seu domínio, designando a si mesmo Faraó, ele fundou a cidade de Alexandria. Após a sua morte, a Dinastia Ptolêmica foi estabelecida e Alexandria teve grande prosperidade. Disputas e guerras fracionistas resultaram no término da dominação grega que ficou marcado com o suicídio de Cleópatra. Depois disso, o Egito tornou-se uma Província Romana.

O Período Copta

No ano de 61 D.C., o Cristianismo foi introduzido no Egito por São Marcos, fundador do Patriarcado de Alexandria. Por volta do ano 190 D.C., registrou-se um grande desenvolvimento da comunidade cristã. Depois que o Império Romano foi oficialmente dividido no ano 395 D.C., o Egito passou a fazer parte da porção Leste, conhecida como Império Bizantino, cuja religião era o Cristianismo. Poucos anos depois, o Patriarcado de Alexandria pregou uma doutrina do Cristianismo que foi rejeitada pela Igreja Bizantina. Como conseqüência, os Cristãos Coptas do Egito foram perseguidos pelos Melquitas ortodoxos.

O Período Islâmico

Em 641 D.C., os bizantinos foram derrotados pelo exército árabe islâmico, comandado por Amr Ibn El Aas que construiu sua capital perto da atual Cairo.

O Egito passou a ser um país árabe com uma maioria islâmica e a liberdade religiosa foi concedida à população. Depois, o Egito foi invadido pelos Sultãos Otomanos que dependiam dos escravos mamelucos para governar o país. Em 1798, Napoleão conquistou o Egito mas teve que renunciar após a derrota na batalha naval de Abu-Kir, perto de Alexandria. Um oficial albanês que servia ao Império Otomano chamado Mohamed Ali declarou-se a autoridade governante do país. Durante o seu reinado (de 1805 a 1849) o Egito fez enorme progresso em diversas áreas de atividades. No entanto, sob o governo do seu neto, Khedive Ismail, a necessidade de obter capital estrangeiro para financiar a construção do Canal de Suez levou o Egito a se sujeitar ao domínio inglês.

A Revolução de 1952

Em 1952, a dinastia real estabelecida por Mohamed Ali teve seu fim, quando um grupo de oficiais do exército forçou o Rei Farouk a abdicar e, em 1954, Gamal Abdel-Nasser tornou-se presidente do Egito. Foi, então, proclamada a República no Egito. Após sua morte, em 1970, Nasser foi sucedido por Mohamed Anwar El-Sadat que foi assassinado em 1981. Então, Mohamed Hosni Mubarak foi eleito presidente.

Informações Gerais

O Governo Egípcio

O Egito é designado República Árabe do Egito. O sistema de governo é presidencial e democrático. O presidente é nomeado pela Assembléia Popular, composta por 350 membros e aprovada através de voto popular direto. O mandato presidencial tem a duração de seis anos, podendo este ser reeleito para outro mandato.

Geografia

O Egito está localizado no canto nordeste da África. De forma retangular, sua área é de 995.880 km2. A Oeste encontram-se o Deserto Oeste e a Líbia, e a Leste estão localizados o Planalto Desértico, o Mar Vermelho e o Sinai. O Egito faz fronteira com o Sudão ao Sul e ao Norte encontra-se o Mar Mediterrâneo.

Apenas 4 ou 5% do vasto país é habitado.

Abaixo do Cairo, o Nilo se desmembra em dois afluentes principais – Roseta no lado oeste e Damietta no leste.

O Egito pode ser dividido nas seguintes regiões:

O Deserto do Leste: Inclui o planalto que se estende desde o vale do Nilo até o Mar Vermelho, também localizando-se nesta região o Sinai que inclui o Monte Catherine, a montanha mais alta do Egito, com 2.642 metros.
O Deserto do Oeste:
Corresponde a cerca de 68% do território total do país. Compreende a região desde o vale do Nilo até a fronteira com a Líbia e ainda desde a costa do Mar Mediterrâneo até a fronteira com o Sudão.
O Vale do Nilo:
É a área mais habitada do Egito. Este fértil vale corresponde a uma faixa de 11 a 15 km ao longo do Rio Nilo e mais aproximadamente uns 9.600 km2 no Delta do Nilo. O comprimento total do Nilo no Egito é de 1.440 km.

Língua

Árabe é a língua oficial do Egito. No entanto, a maioria dos egípcios entende e fala inglês e francês. Em cidades maiores, o visitante estrangeiro não encontra dificuldades para se comunicar com as pessoas nativas.

Clima

O Outono e o Inverno são as estações ideais para se visitar o Egito, quando o clima temperado prevalece, com temperaturas variando entre 15 e 27 graus centígrados. As noites são frescas. Durante o mês de Abril, um vento quente de areia sopra eventualmente, o que pode tornar a paisagem menos atraente. Os meses de verão são quentes, com a temperatura entre 27 e 40 graus centígrados, ar seco e baixa umidade. Em Alexandria, no Mediterrâneo, os meses de Dezembro a Fevereiro são chuvosos e frescos. De Outubro a Abril é o melhor período climático, com a temperatura variando entre 15 e 20 graus centígrados.

Religião

Aproximadamente 85% da população egípcia é mulçumana. Do restante, cerca de 9 milhões de pessoas são cristãos ortodoxos, pertencentes à Igreja Copta. Na maioria das cidades do Egito, mosteiros e igrejas são encontrados perto uns dos outros. Há também algumas sinagogas, já que uma pequena comunidade judaica ainda mora no Egito.

Economia

Antes da Revolução de 1952, a economia egípcia dependia principalmente da agricultura. Desde então, no entanto, o país desenvolveu outros recursos naturais e, nos tempos atuais, o Egito exporta óleo, tecidos, alimentos enlatados, carros e o Canal de Suez é considerado uma importante fonte de renda, com uma média de 70 navios cruzando o canal diariamente e pagando taxas. Turismo é uma das pricipais fatias da economia. Com um esforço no sentido de aumentar as terras cultiváveis, o País tem empregado novos métodos de irrigação e em algumas partes do deserto novas cidades têm sido construídas.

Agricultura

A alta fertilidade do solo no Vale do Nilo proporciona ao Egito a capacidade de produzir muitos produtos agrícolas, especialmente o arroz, as verduras, a cebola, a cana de açúcar e as frutas em geral. Além disso, o Egito é um dos maiores produtores e exportadores mundiais de algodão.

Educação

A educação no Egito, desde a escola primária até a universidade, é concedida gratuitamente pelo governo a todos os egípcios.

O sistema de educação é composto por quatro níveis: primário, preparatório, secundário e universitário. A educação primária é obrigatória para todas as crianças na idade de 6 a 12 anos.

Moeda

A moeda única do Egito é a libra egípcia que se divide em 100 centavos ( que é chamado de piastre). Há notas de 25 e 50 piastres (centavos) e de 1, 5, 10, 20 e 100 libras egípcias. Há ainda moedas de prata de 5, 10 e 20 piastres. A taxa de câmbio é flutuante, oscilando em torno de EP$ 3.36 para US$ 1,00.

O que há para se conhecer no Egito

Cairo

É a capital do Egito, foi fundada no século VI por árabes que se fixaram na região. Cairo atualmente é uma metrópole que oferece a seus visitantes uma visão de convivência harmoniosa entre o passado e o presente.

Cairo Faraônica

As pirâmides e a Esfinge: localizadas a 15 km a oeste de Cairo.
O Barco Solar:
o barco mais antigo do mundo fica em exibição permanente, próximo à Pirâmide de Quéops.
A Pirâmide de degraus:
fica em Saqqara, a 32 km ao sul de Giza e é a primeira grande construção de pedra realizada pela humanidade.

A Sinagoga Judaica

Próxima à Igreja de Santa Bárbara, encontra-se a Sinagoga Ben Ezra, cuja construção foi realizada no século IX e está localizada às margens da corredeira onde supostamente Moisés foi encontrado ainda bebê. Ornamentos Schechinah e uma valiosa coleção de manuscritos antigos, bem como a Torah, podem ser encontrados.

Cairo Copta

A Igreja de El Mouallaga, chamada de igreja reminiscente, fica perto do Museu Copta, no Cairo Antigo. Foi construída pelos romanos no primeiro século A.C.

Há também a Igreja de Abou Serga, não muito longe da de El Mouallaga. Diz-se que esta igreja marca o lugar onde José e Maria descançaram quando fugiram do Egito.

Cairo Islâmica

A Cidadela de Salah El-Din, localizada no lado leste de Cairo, aos pés da Montanha Mukattam. É uma fortaleza do século 13. Um de seus prédios é a Mesquita de Mohamed Ali.
A Mesquita de Ibn Tulon se distingüe pela sua escadaria externa que envolve a torre. Sua construção data de 879 D.C.
A Mesquita do Sultão Hassan, na praça de Salah El-Din, construída no século 14, é a maior mesquita de Cairo, com a torre mais alta.
A Mesquita e a Universidade de Al Azhar, na praça El-Hussein, fundada no século 10, Al Azhar é a universidade mais antiga do mundo.
A Mesquita de Qalawun, na área Mouski, datando do século 13, possui uma fachada imponente, com colunas corintianas e arquitetura islâmica.

Museus no Cairo

Museu Egípcio, atrás do Hotel Hilton Nilo. Contém a mais rica coleção do mundo de antigüidades faraônicas. Os tesouros do Rei Tutankhamun estão no segundo andar, onde também podem ser vistas 27 múmias. Aberto diariamente de 9:00 às 16:00 e aos Sábados de 9:00 às 11:15 e de 13:30 às 16:00.
Museu Copta, no Cairo Antigo, contém coleções raras, datando do início da era cristã. Aberto diariamente, de 9:00 às 16:00. Horário de verão: de 8:00 s 13:00.
Museu Islâmico, fica na praça Ahmed Maher. Seu acervo cobre todas as modalidades de arte islâmica, coletadas de diversas regiões do mundo islâmico. O mesmo horário de funcionamento do Museu Egípcio.

Luxor

Centro do poder egípcio de 2.100 a 750 A.C., Luxor, que está localizada à margem leste do Nilo, a aproximadamente 640 km ao sul do Cairo, é uma cidade sem igual em todo o mundo. Suas tumbas impressionantes, templos e estátuas são o testemunho das grandiosas conquistas do homem antigo.

Margem Leste de Luxor

O Templo de Luxor: no centro da cidade, construído por Amenophis III e dedicado ao deus Amon-Ra, e ampliado por Ramses II.
O Templo de Karnak:
fica a 8 km ao norte do Templo de Luxor. Foi construído há aproximadamente dois mil anos atrás e cada faraó acrescentou sua própria contribuição. Lá encontra-se o "Hypostyle Hall", o maior de todos os templos do mundo, com 4500 metros quadrados e constituído por 134 colunas enormes, além do obelisco da Rainha Hatshespsut, com 32 metros.
Museu de Luxor:
fica situado entre os templos de Luxor e de Karnak. Um museu pequeno mas de grande beleza, contendo peças únicas de artesanato e arte egípcia antiga.
Espetáculo de Som e Luz:
acontece todas as noites no Templo de Karnak. Os visitantes vão andando pelo templo até chegarem ao teatro do Lago Sagrado, onde as narrações continuam sendo feitas.

Margem Oeste de Luxor

O Colosso de Memnon: é constituído por duas estátuas gigantes de Amenophis II.
O Templo da Rainha Hatshepsut:
construído como uma série de grandes terraços, com várias fileiras de colunas de granito que se confundem com as montanhas ao fundo.
O Vale dos Reis:
aos pés das montanhas de Gourna, cerca de 60 tumbas de faraós e de homens nobres podem ser visitados.
A Tumba de Tutankhamun:
Ainda contém uma das três pedras originais do sarcófago com um caixão de ouro, guardado por babuínos pintados na parede. Os tesouros de Tutankhamun estão em exibição no Museu do Egito.
A tumba de Amenophis II:
Tem um visual moderno e um sarcógago ricamente decorado.
A Tumba de Ramsés VI:
Possui excelentes pinturas nas paredes e no teto, ilustrando uma deusa a flutuar pelo céu de estrelas e vários sóis.
A Tumba de Seti I:
Apresenta alguns breves desenhos na parede.A câmara funerária tem um teto espetacular com gravuras em preto e dourado de alusão astrológica.
As Tumbas dos Nobres:
Espalhadas ao longo das margens do deserto, estas tumbas de padres e nobres mostram muitos detalhes da vida cotidiana dos antigos egípcios.
A Tumba de Nacht:
Tem cenas de banquetes, garotas dançarinas, músicos, arranjos de frutas e grãos nas pinturas das paredes.

Aswan

Um resort para o descanso. Conhecida pelo seu clima seco, Aswan apresenta um dos cenários mais bonitos do país, além da Alta Represa de Aswan, um exemplar da engenharia moderna.

A cidade fica a 960 km ao sul de Cairo e a 184 km de Luxor.

A Alta Represa de Aswan: Concluída em 1964, está localizada a 6,4 km ao sul da antiga represa. A nova represa originou um lago com 480 km de extensão. Uma visita ao local pode ser feita, indo de táxi.
O Templo Kalabsha:
Está localizado a 9,6 km ao sul da represa, na margem oeste do lago. O Templo foi erguido em homenagem ao Deus Núbio, Mandulis.
O Templo de Philae:
Fica na ilha de Agilka, para onde foi removido recentemente, a fim de salvá-lo de uma enchente do Nilo. O Grande Templo de Isis é o maior e mais distinto dos templos, com uma composição balanceada de arcos e colunas. O Templo de Hathor tem pinturas muito bonitas na parede, mostrando dançarinas e músicos.
Ilha Elephantine:
Pode-se chegar lá de “felucca” que é um tipo de barco a vela, atravessando o Nilo ao norte do Hotel New Cataract. Também pode-se visitar as ruínas da cidade antiga, o museu e o "Nilometer".
Mausoléu de Aga Khan:
Situado na montanha, de frente para a torre de Bilal.
Monastério de São Simão:
Foi construído por monges Coptas no século 6 D.C. As ruínas ficam localizadas atrás do Mausoléu.
Ilha da Plantação:
tem uma variedade exclusiva de plantas exóticas de todo o mundo.
Obelisco Inacabado:
Perto das escavações de granito onde as pedras eram cortadas para serem utilizadas em monumentos antigos. O Obelisco tem 42 metros de comprimento e um peso de aproximadamente 1.170 toneladas.

Area de Aswan

Templo de Edfu: 112 km ao norte de Aswan, o Templo de Edfu supera o Templo de Horus, o mais bem preservado da herança faraônica. Sua fundação começou em 237 A.C., durante o reinado de Ptolomeu III e demorou 200 anos para sua conclusão.
Templo de Kom Ombo:
48 km ao norte de Aswan, o templo é dedicado a Sobek, o deus crocodilo, e Haroeris, o deus alado.
Templo de Abu Simbel:
272 km ao Sul de Aswan, construído há 3.500 anos atrás por Ramses II. Para salvá-lo de inundações, o templo foi cortado em 2.000 pedaços pesando aproximadamente 40.000 toneladas cada, removido a uma localidade 30 metros acima e reconstruído. Os templos de Ramses e Hathor são a prova da perfeita arquitetura do antigo Egito. Pode-se chegar ao Templo de Abu Simbel por avião em vôos vindos de Cairo ou de Aswan, ou por terra.

Alexandria

Alexandria, chamada a "Pérola do Mediterrâneo" é a segunda maior cidade do Egito, com uma população de cerca de 5.5 milhões. Oferece aos seus visitantes algumas reminiscências de sua antiga glória, uma ampla costa marítima e praias ensolaradas.

O Pilar de Pompeu: Num pequeno parque a cerca de 2,4 km ao sudoeste do centro da cidade, está a coluna com 28 metros de altura, erguida na casa do Imperador Diocleciano por seu exército. O nome foi dado por engano pelos Cruzados no século 13, que pensaram que o pilar servia de marco para a tumba de Pompeu o Grande.
As Catacumbas de Kom El Shokafa:
Fica perto do Pilar de Pompeu. São constituídas por três tumbas datadas do século 2 A.C., escavadas na pedra, 30 metros abaixo da terra. Uma escada em espiral desce até as câmaras do primeiro andar.
O Museu Greco-Romano:
Localizado na Rua El Mathaf, contém um acervo de estátuas, jóias e outros artefatos greco-romanos. A sala 9 é dedicada às relíquias do culto do crocodilo, havendo lá inclusive um crocodilo mumificado.
O Anfiteatro Romano:
Fica perto do Museu Greco-Romano. Foi descoberto em 1963 e é datado do século 2 D.C., o anfiteatro encontra-se em surpreendente estado de conservação.
Forte da Baía de Qait:
Fica no lado oeste do Cornich, é uma fortaleza medieval que data do século 15, no lugar em que o Farol de Pharos, uma das sete maravilhas do mundo, esteve erguido no passado. Também abriga o Museu Naval e, do outro lado da rua, encontra-se o Aquário.
Palácio de Ras El Tin:
Não muito longe do Forte, este palácio era a residência de verão onde o ex-Rei Farouk assinou sua abdicação.

Sinai

A Península do Sinai é constituída por um grande triângulo de terra, com 58.120 km de área com longas encostas, montanhas de granito bem altas, abismos profundos e oásis verdes e férteis. Detentor de uma história fascinante, lugares sagrados e beleza sem igual. Foi no Sinai que Moisés recebeu os Dez Mandamentos, que o profeta Elias encontrou refúgio da Rainha Jezebel e que a Família Sagrada fez a travessia quando fugiu do Egito.

El-Arish: Reconhecida por suas águas tranqüilas, praias sombreadas por palmeiras e areia branca de grãos bem finos.
Mosteiro de Santa Catarina:
Construído pelo Imperador Justiniano no século 6 para abrigar monges cristãos. O Mosteiro contém a Capela do Arbusto em Chamas, o Mosaico com a transfiguração de Cristo e a Biblioteca com manuscritos cristãos antigos.
Monte Moisés:
Fica além do Mosteiro. Os monges construíram uma escada de pedras com 3.750 degraus que leva ao topo.
Sharm El Sheik, Dahab e Nuweiba:
Três reservas para a prática de mergulho, a 480, 560 e 640 km, respectivamente, de distância de Cairo, com acomodações limpas e confortáveis e centros de mergulho totalmente equipados, dirigidos por instrutores profissionais.
Taba:
Última reserva turística na costa do Mar Vermelho na região do Sinai, com uma localização privilegiada que permite, a olho nu, avistar a Jordânia, Arábia Saudita e Israel.

O Mar Vermelho

Um paraíso virtual para os entusiastas do mergulho, o Mar Vermelho é reconhecido por especialistas como possuidor da melhor paisagem submarina do mundo.

Habitado por cardumes de peixes exóticos, formações de corais, tanto do tipo mais sólido quanto do maleável, e um belo deserto acrescenta ainda mais charme ao Mar Vermelho.

Hurghada: Numa baía em forma de lua crescente, com montanhas de cume arredondado, Hurghada fica a 380 km ao sul do Canal de Suez.

O Canal de Suez

Suez: Localizado no Mar Vermelho, a 131 km ao leste de Cairo, na entrada sul do Canal de Suez. Um dos lugares mais apropriados para pescar e acampar. O Suez é conhecido pelas Montanhas Ataka, localizadas na Costa Sul, que curiosamente mudam de cor em diferentes horas do dia.
Ismailia:
Uma cidade atraente na costa oeste do Lago Timsah, Ismailia foi fundada por Ferdinand de Lesseps, em 1863, para servir de base de operações durante as escavações do Canal de Suez.
Porto Said:
Uma cidade moderna, localizada a 216 km a nordeste de Cairo, na entrada mediterrânea do Canal de Suez. Porto Said apresenta um cenário proeminente ao longo das suas praias.

O Oásis

Fayyum: É o maior oásis do Egito, Fyyum está a 104 km a sudoeste de Cairo, com vista para o Lago Qarun, conhecido por ser propício à pesca e à caça. Os visitantes podem apreciar os restos do templo e da pirâmide de Amenemhat III e Qast Qarun, assim como um templo ainda preservado da era greco-romana.
Kharga e Dakhla:
Localizados na região do Vale Novo, na parte sul do deserto oeste. Saindo de Assiut, são 227 km para se chegar a Kharga – três horas de carro. Também pode-se chegar aos oásis pela companhia Air Sinai, saindo de Cairo. Dakhla fica a 192 km a oeste de Kharga. A estrada para Kharga é boa e pode ser percorrida em três horas de carro.
Pontos turísticos em Kharga
: o Templo Nadura, que remete ao tempo de Antonius Pius. Também há uma fortaleza romana. No centro do oásis, está Kasr El Gueweka, com um santuário em homenagem ao Deus Amon. E mais ao sul fica Baris, um templo consagrado a Iris e Serapis.

Em Dakhla, tem um mosteiro de pedra dedicado ao Deus Amon. Um outro ponto que desperta a curiosidade dos turistas é o Chalybeate Springs.

Fonte: www.opengate.com.br

Egito

Capital: Cairo
Idioma:
árabe, berber, núbio, inglês e francês
Moeda:
libra egípcia
Clima:
árido
Fuso horário (UTC):
+2

Pontos turísticos

Mar Vermelho

Mar que separa o Egito da península arábica, é bastante procurado por mergulhadores, devido aos bancos de corais e pela variedade da fauna marinha, além dos resorts espalhados por toda a costa

Alexandria

Entre mesquitas antigas e prédios modernos, os poucos tesouros arquitetônicos da era Alexandrina e posteriormente romana que não foram destruídos ou dragados pelo mar se espalham pela cidade, entre eles estão a catacumba de Kom al-Shuqqafa, o reservatório de três pisos Al Nabio, o teatro romano do século IV, entre outros.

Gizé

Local onde estão as três pirâmides mais conhecidas, de Quéops, Quéfren e Miquerinos, além da própria Esfinge. As pirâmides foram construídas entre 2650 e 2300 a.C., com o intuíto de abrigar os restos mortais do faraó, além de pessoas influentes e nobres, e garantir que esses fossem retomados por suas almas quando do retorno ao mundo físico

Vale dos Mortos

Local onde vários faraós e nobres foram enterrados depois que eles abandonaram a construção de pirâmides, por questão de segurança. No entanto, as maiorias das tumbas descobertas já haviam sido saqueadas, com a única exceção até hoje sendo a de Tuthankamon. Faraó pouco significativo, que morreu ainda jovem, sua tumba foi descoberta no início do século XX e abrigava tesouros de grande valor histórico-cultural, agora mantidos no Museu do Cairo. Estima-se que a maioria das tumbas ainda não foi descoberta.

Luxor

Cidade centro de veneração da religião egípcia, possui um enorme complexo de templos e alamedas bastante conservadas, onde a arte de hieróglifos e da construção de obeliscos encontra seu apogeu.

Fonte: www.geomade.com.br

Egito

Localizado no nordeste da África, o Egito é um grande deserto cortado pelo verde do Rio Nilo, cujas águas estão ligadas à rotina da população. As pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos são patrimônios da humanidade. Cairo é a capital do país, uma cidade com mil anos de cultura árabe. Hoje o país tem costumes ocidentalizados, as mulheres trabalham fora e a maior parte não usa véu para cobrir o rosto. Lá chove três dias por ano, o calor é intenso e quase toda a área disponível está coberta de areia.

Berço de uma das civilizações mais antigas do mundo, o Egito representa papel estratégico para a paz mundial no cenário contemporâneo do Oriente Médio. O Egito ocupa um território de forma retangular, situado no nordeste do continente africano, com uma área de 1.002.000km2, dos quais apenas 35.500km2 são habitáveis.

Limita-se ao norte com o mar Mediterrâneo, a oeste com a Líbia, ao sul com o Sudão, a leste com Israel, o golfo de Aqaba e o mar Vermelho. O mar Mediterrâneo banha as costas setentrionais, onde se abre o delta do Nilo; o mar Vermelho costeia o litoral oriental. O canal de Suez liga ambos os mares e separa a África da Ásia.

O território egípcio, situado ao norte de uma vasta região árida do continente africano, possui características de clima desértico, com chuvas escassas e consideráveis diferenças de temperatura entre o dia e a noite. O vento seco do deserto, o khamsin, sopra entre março e junho, provocando tempestades de poeira e areia. Esse vento se origina de correntes tropicais procedentes do sul e é determinado pelas influências do sistema de baixas pressões do Sudão.

O clima é biestacional. O inverno vai de novembro a março, e o verão de maio a setembro, separados por curtos períodos de transição. Os invernos são moderadamente frios. Em Alexandria, os limites máximo e mínimo de temperaturas médias são de 11 e 18o C, e em Assuã, de 10 e 23o C. A partir da costa mediterrânea até o sul, o clima é mais seco. As chuvas ocorrem principalmente nos meses de inverno. Em Alexandria, a média pluviométrica anual é de 178mm.

Ao sul do delta as precipitações são mais escassas, e quase nulas no litoral do mar Vermelho. .

Malgrado a herança das antigas civilizações que ocuparam seu território, o Egito faz parte do mundo cultural árabe-islâmico. O estado promove a cultura por meio do Instituto do Egito, fundado em 1859, sobre a base de um instituto criado por Napoleão, e da Academia de Língua Árabe, fundada em 1932. Outras instituições, também sob administração do Ministério da Cultura, se dedicam ao fomento das artes, letras e ciências. Diversos museus conservam o rico patrimônio cultural legado pela antiga civilização.

A tradição árabe, com influências ocidentais e peculiaridades autóctones, determinaram as manifestações artísticas do Egito moderno. O campo da música, na segunda metade do século XX, recebeu incentivos governamentais com vistas a um retorno a suas raízes tradicionais. O estilo ocidental adaptado personalidade egípcia marcou as composições de Yusuf Greiss e Abu Bakr Jariat. O retorno ao folclore se manifestou também nas demais artes, com destaque para a dança, a pintura e as atividades artesanais. Os temas melodramáticos e a mensagem nacionalista marcaram a produção cinematográfica egípcia. Após a nacionalização do cinema egípcio, em 1963, prevaleceu um estilo realista, orientado para os problemas sociais da vida no campo e do trabalhador urbano.

CLIMA: Semi-desértica. Os dias são quentes e secos e as noites frescas. O Egito pode ser visitado o ano todo. Mesmo durante o verão o calor é suportável por razão de baixa taxa de umidade.
SUPERFÍCIE E POPULAÇÃO:
1.001.449 Km2 e 62,9 milhões de habitantes.
CAPITAL:
Cairo( mais 16 milhões de habitantes ).
FRONTEIRAS:
Líbia, Sudão, Israel. Separada da Jordânia e da Árabia Saudita pelo Golfo de Aqaba.
LÍNGUA:
A língua oficial é Árabe. Fala-se também o Berbere e o Núbio. O Francês e o Inglês são usados em lugares turísticos.
MOEDA:
Libra Egípicia ( US$ 1,00=L$ 3,40 ).
RELIGIÃO:
Islamismo.
REGIME POLÍTICO:
Presidencialismo.
PRESIDENTE:
Muhammad H. Mubarak ( até 2000 ).
PRODUÇÕES:
Trigo, milho, cana-de-açúcar, cevada, arroz, lentilhas, feijão, cravinho-do-Egito, gado bovino, búfalos , ovelhas, cabras, petróleo e gás natural, fosfato e ferro.
ATIVIDADES ECONÔMICAS:
Têxteis, adubos, refinação de petróleo, cimento, siderurgia e indústrias alimentares.

Passeios

As pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos.
A Esfinge.
Um cruzeiro pelo Rio Nilo. Utilize a felluca, tradicional veleiro egípcio.
Uma visita ao Mar Vermelho, que possui mais de mil espécies de peixes e 450 tipos de corais.
Os recifes do Estreito de Tirana.
Parque Nacional Marinho de Ras Muhammad, onde se pode mergulhar.
Os templos de Luxor e Karnak, para saber sobre o passado dos faraós
Um passeio de camelo pelo deserto.
O Vale dos Reis, com túmulos de 64 faraós
A represa de Assuã
Deir el-Bahri, monumento que abriga os restos da rainha Hatshepsut
A capital Cairo.
O museu do Cairo.

Estar nas pirâmides, sentir a grandiosidade da Esfinge, contemplar tudo aquilo ao vivo, caminhar sob o sol escaldante do deserto é uma meditação, um profundo auto-conhecimento, que vale por anos de análise.

Festas e feriados

Feriados

1 de janeiro - Ano novo
25 de abril - Restituição do Sinai
1 de maio - Dia do trabalhador
18 de junho - Dia da liberdade, que comemora o dia 18 de junho de 1956, data em que os britânicos se retiraram do Egito.
23 de julho - Dia da revolução de 1952
6 de outubro - Festa Nacional
24 de outubro - Dia nacional do Suez
23 de dezembro - Festa da Vitória.

Festas Coptas

7 de janeiro - Natal
19 de janeiro - Epifânia
21 de março - A anunciação
Páscoa Copta - Festa móvel

Festas muçulmanas

São definidas pelo calendário muçulmano constituído por 12 meses lunares de 29 e 30 dias ( totalizando 354 dias). O calendário muçulmano comemora no ano de 622, ano da hégira (fuga de Maomé para Medina). Assim o ano de 1376 é para nós o ano de 1999. Comemora-se assim o Ramadam (festa móvel) que tem o começo no início de janeiro, o fim do jejum do Ramadam. Aïd el Hadd, festa do sacrifício (70 dias após o fim do Ramadam). Ano novo muçulmano. Mouled an-Nabi (dia do nascimento do profeta), um grande desfile no Cairo que parte da mesquita do Sultão Hassan e termina diante de mesquita Al-Azhar.

Nota: Estas festas são móveis, não havendo por isso uma data permanente.

Festas Faraônicas

Cham el Nessim (significa literalmente "respirar a brisa") é a festa da Primavera. è o grande piquenique nacional onde mais de 50 milhões de muçulmanos ocupam todos os espaços verdes do país (jardins públicos, campos ...).

Esta festa tem lugar no dia da páscoa copta.

17 e 18 de julho: Leilat en Nokta (Festa da Gota), que celebrava antigamente a chegada da cheia do Nilo.

Luxor em Janeiro: Mouled Abou El-Haggag (antiga festa do Opet), uma soberba procissão que parte do templo de Luxor, uma barca decorada passa pela cidade lembrando o Deus Amon. Se estiver nos arredores, você não deve perder.

Fonte: www.happydayturismo.com.br

Egito

Antes do quarto milênio a.C. um forma primitiva de escrita estava em uso na Mesopotâmia.

Num processo gradual evoluíram os primitivos registros pictográficos para uma ordem linear de símbolos mais simples. Surge a escrita cuneiforme, que dava significado pelos arranjos das marcas em cunha.

Foi encontrada uma rocha A Pedra Rosetta, em 1799, egípcia, que trouxe muitas informações a respeito dos números. Encontrou-se uma numeração hieroglífica que baseava-se no sistema decimal.

Determinados símbolos indicavam valores de 10, 100, 1.000, 10.000 e 100.000. Por repetição desses símbolos, escrevia-se o número desejado.

As pirâmides egípcias exibiam tão alto grau de precisão na construção e orientação que lendas surgiram em torno delas. A sugestão de que a razão do perímetro da base da pirâmide Queops, para a altura foi conscientemente posta no valor 2p está em desacordo com o que se sabe da geometria dos egípcios.

Aos egípcios também podemos atribuir a autoria do primeiro calendário. Tendo-se interessado pela observação dos astros, concluíram que a inundação anual do Nilo ocorria pouco depois que a estrela Siriús se levantava a leste, logo antes do sol. Assim, como essas aparições da Siriús ocorriam em intervalos de 365 dias, os egípcios estabeleceram um calendário solar feito de doze meses de trinta dias cada um e mais cinco dias de festa.

Ocorre que esse ano oficial era curto demais por um quarto de dia e foram necessárias correções pois a cada quatro anos, as estações avançavam em um dia.

Outra fonte de informação sobre a matemática antiga, além dos escritos hieroglíficos, são alguns papiros egípcios de mais de três milênios de idade.

O maior deles, conhecido como Papiro de Rhind ou Papiro Ahmes usa uma escrita chamada hierática, diferente da hieroglífica.

A base ainda é o sistema decimal, mas já são adotados sinais especiais para representar dígitos e múltiplos de potências de dez. O número quatro, por exemplo, não é mais representado com quatro barras verticais mas com uma barra horizontal. E assim por diante com outros números.

O homem da Idade da Pedra não tinha necessidade de usar frações pois podia tomar como unidade a menor porção possível. Mas as culturas posteriores, Idade do Bronze, começaram a sentir necessidade de trabalhar com frações. Existe uma notação especial para uma fração na escrita hieroglífica e hierática.

Os egípcios trabalhavam bem com a fração 2/3, para a qual tinham um sinal hierático. Tanto que para achar um terço de um número, primeiro achavam 2/3 e tomavam a metade disso.

Conheciam usavam o fato de que dois terços da fração unitária 1/p ser a soma de duas frações unitárias 1/2p e 1/6p, e sabiam que o dobro da fração 1/2p é a fração 1/p.

É interessante verificar o modo como os egípcios encaravam frações de forma geral m/n. Não como uma "coisa" elementar, mas como parte de um processo incompleto. Por exemplo, a fração 3/5, para nós irredutível, era pensada como soma de três frações unitárias 1/3 + 1/5 + 1/15.

O papiro de Rhind fornece uma tabela para a transformação de frações gerais em somas de frações unitárias. Começa fornecendo 2/n como soma de frações unitárias, para todos os valores ímpares de n de 5 a 101. E assim outros equivalentes.O último item da tabela decompõe 2/101 em 1/101 mais 1/202 mais 1/303 mais 1/606. Isso mostra uma habilidade aritmética que é difícil de encontrar mesmo atualmente, apesar de nossos recursos técnicos e tecnológicos.

O tipo de combinação de frações escolhidas não é explicada. O porque de uma certa combinação e não outra, fica sem resposta.

O mais curioso que é saber como se desenvolve na mente, no raciocínio do escriba, o método para combinar as frações unitárias, permanece um mistério.

Ahmes começa sua obra garantindo que ela "forneceria um estudo completo e minucioso de todas as coisas... e o conhecimento de todos os segredos", por isso a parte principal do papiro que se segue às tabelas é composta de oitenta e quatro problemas sobre questões variadas. Os problemas geralmente usam cerveja, pão e coisas do cotidiano para se expressar.

A operação aritmética fundamental no Egito era a adição. A multiplicação e divisão eram efetuadas no tempo de Ahmes por sucessivas duplações.

Um exemplo: a multiplicação de 69 por 19 seria efetuada somando 69 com ele mesmo para obter 138, depois adicionando a si próprio para alcançar 276, novamente duplicando para obter 552 e mais uma vez, dando 1104, que é dezesseis vezes 69. Como 19 = 16 + 2 + 1, o resultado da multiplicação de 69 por 19 é 1104 + 138 + 69, ou seja, 1311.

Na divisão, inverte-se o processo de "duplação", e o divisor é dobrado sucessivamente em vez do multiplicando.

Identifica-se, também, em alguns problemas o uso da propriedade de comutatividade da multiplicação.

No papiro Ahmes encontram-se ainda muitos problemas que mostram conhecimento de manipulações equivalentes a regra de três.

A maioria dos problemas são do tipo "aritmético", mas já aparecem alguns do tipo "algébrico", em que pede-se a solução para uma incógnita numa equação linear da forma x + ax = b ou x + ax + bx = c, onde a, b e c são conhecidos e x é a incógnita.

Não há comprovações de que os egípcios conheciam o Teorema de Pitágoras, mas existem problemas geométricos no papiro Ahmes, que mostram que tinham conhecimento de como calcular a área de um triângulo isósceles, tratando-o como dois triângulos retângulos, deslocando-se um deles de modo que os dois juntos formam um retângulo.

Começa a ser utilizada uma teoria sobre congruência e já são utilizadas provas matemáticas. O problema com a geometria dos egípcios é que lhes faltava uma clara distinção entre o que era exato e o que era aproximação.

No entanto, a regra dos egípcios para achar a área do círculo é considerada um dos maiores sucessos da época: Ahmes assume que a área de um campo circular com diâmetro de nove unidades é a mesma de um quadrado com lado de oito unidades. Significa que o valor encontrado para p (atualmente a área do círculo é dada por p r2) é 31/6. Mas mesmo assim não dá sinais de saber que a área do círculo e do quadrado não são exatamente iguais.

Não se conhecem teoremas ou demonstrações formais da matemática egípcia, mas as comparações sobre perímetros, áreas de círculos e quadrados são as primeiras afirmações precisas da história a respeito de figuras curvilíneas.

Apesar de tudo isso os egípcios não evoluíram muito em sua matemática. A matemática de Ahmes era a de seus antepassados. A vida estável, tranqüila do povo egípcio parece não ter motivado seus progressos na área do cálculo.

A grande maioria dos problemas apresentados por Ahmes e em outros papiros encontrados daquele tempo, dizem mais respeito a aritmética e geometria práticas. Não houve desenvolvimento de teorias formais. Cada solução era encontrada especificamente para determinado problema.

Contudo historiadores dizem que a matemática grega deve ter se baseado na dos egípcios.

A Mesopotâmia oferece mais detalhes do desenvolvimento da Matemática.

Fonte: educar.sc.usp.br

Egito

A desertificação do Saara e do deserto arábico, cerca de 10.000 anos atrás, levou as populações do nordeste da África a se instalarem ao longo do rio Nilo que cortava como um oásis o continente africano. As inundações regulares depositavam nas margens do Nilo o limo responsável pela fertilidade do solo, que tornava possível a prática da agricultura nestas áreas privilegiadas.

No entanto, para o aproveitamento agrícola das áreas desérticas, não alagáveis, foi criado um sistema de irrigação do solo que, por meio de canais, transportava a água do rio para as regiões mais afastadas. Isto foi, provavelmente, um dos fatores de unificação do país, pois para escavar e manter toda uma rede de canais, um poder centralizado seria necessário para que se fizesse a coordenação do trabalho através de todo o território.

Assim, aproximadamente três mil anos antes da Era Cristã, o Vale do Nilo foi o local de emergência de vários fatores cuja maravilhosa combinação deu nascimento à civilização do Egito faraônico.

Neste processo de centralização do poder político, foi a figura do faraó que concentrou em suas mãos as riquezas produtivas e poder religioso. Esta riqueza permitiria a separação de uma faixa da população para as atividades artesanais, religiosas, militares e administrativas, formando-se, assim, os cortesãos e os funcionários da corte.

O Egito foi, portanto, o resultado da obra conjugada do Homem e do Nilo.

O estabelecimento de um território unificado e, simultaneamente, o aparecimento da escrita marcam o início da história egípcia. A instituição faraônica já está agora completamente desenvolvida e assim permanecerá até a ocupação grega e posteriormente a romana.

As épocas de grandiosidade, os chamados impérios, foram sucedidos por períodos intermediários caracterizados por um poder central e uma economia abalados por disputas internas e, algumas vezes, por invasões estrangeiras. Estas grandes fases da história egípcia são tradicionalmente divididas em trinta dinastias que compreendem mais de duzentos faraós.

Somente no final do século IV da Era Cristã, com a chegada do cristianismo, é que se impôs ao país o fechamento dos templos e o fim do panteão pagão. Assim, o Egito dos faraós caiu no esquecimento até a sua redescoberta no século XVIII com a campanha de Bonaparte e o deciframento dos hieróglifos por J. F. Champollion.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Egito

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Para viajar a Egito é necessário apresentar o passaporte em vigor (com data de expedição de ao menos seis meses antes de partir) e visto que se obtém nas distintas representações consulares. Em algumas cidades de Europa o visto se tramita num só dia e pode expedir-se para uma estada de 30 dias. Se viaja com um tour organizado a agência de viagens pode realizar este trâmite.

Tem sete dias desde sua chegada para ir à Polícia e formalizar sua entrada. As Agencias de viagem e os hotéis realizam este trâmite automaticamente com seus clientes. Se pode acceder ao país com 200 cigarros ou 250 gramas de tabacos 50 cigarros, um litro de álcool e objetos pessoais vários. Há que declarar as câmaras de vídeo e declarar todo o dinheiro que se introduz no país. Lembre-se de conservar os comprovantes de troca de moeda.

CLIMA

O clima varia dependendo da zona. No Cairo e o Sul do Egito os dias são muito quentes e as noites frias com uma alta umidade no ambiente. No norte o clima é tipicamente mediterrâneo e chove com freqüência. As chuvas são ocasionais e de muito escassa quantidade, sobretudo em verão.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

São aconselháveis as roupas cômodas de algodão que absorvam bem o suor. Não se esqueça de alguma roupa de abrigo para as noites. Tanto homens como mulheres devem cobrir os ombros, não levar mini-saias nem bermudas. O maiô está melhor visto que o biquíni. São imprescindíveis um chapéu, óculos de sol, repelente contra os mosquitos e um bom protetor para o sol. Se pensa visitar o deserto leve roupa que lhe cubra bem, terá menos calor. Não se esqueça da capa de chuva se viaja à zona norte.

IDIOMA

O idioma oficial é o árabe e como segunda língua fala-se o inglês. Não é difícil encontrar gente que fale castelhano, especialmente nos comércios.

RELIGIÃO

90 % da população é muçulmana. Existe uma minoria cristã copta.

ELETRICIDADE

A corrente elétrica é de 220 V. Embora em algumas zonas a corrente é de 110 V.

MOEDA E CÂMBIO

A moeda oficial é a Libra Egípcia que eqüivale a 100 piastras. Os bilhetes são de 1, 5, 10, 20 e 100 libras e 5, 10, 25 e 50 piastras. As moedas são de 1/2, 1, 5 e 10 piastras.

È conveniente levar o dinheiro em dólares e trocá-los nos bancos, nos hotéis e nas agêntes de cambio autorizadas. Os cheques de viagem se podem cambiar sem problemas.

Se aceitam as principais cartões de crédito em hotéis, restaurantes e comércios de certa importância nas principais cidades mas é conveniente levar moeda do país e, sobretudo, moedas de pequena quantidade para as gorjetas.

EMERGÊNCIA - SAÚDE - POLICIAMENTO

Não se necessita nenhuma vacina para entrar em Egito mas é aconselhável estar vacinado contra o tétano. É imprescindível beber água engarrafada e não comer verduras cruas, frutas sem descascar e, por suposto, não tomar gelo nem por sorvetes.

As farmácias estão bem abastecidas embora para adquirir certos medicamentos é necessário apresentar uma receita médica. Se tem que tomar algum medicamento em concreto é aconselhável leva-lo desde o país de origem.

Em caso de emergência tanto a embaixada como os hotéis lhe prestaram ajuda.

Os hospitais aos que pode-se acudir são: em O Cairo o Al Salam ou ao Hospital Internacional. Para emergências em O Cairo há que marcar 123. Em Alexandria pode-se acudir ao Hospital Al-Moassat ou ao Hospital Vitoria. O telefone para bombeiros é o 125. Em Egito existe um serviço de Polícia Turística que se identifica por uma banda verde na manga com a inscrição "Tourtist Police".

CORREIOS E TELEFONIA

Os correios (busta) estão abertas de 8:00 a 19:00 h exceto as sextas-feiras. São bastante numerosas. Os hotéis também oferecem este serviço.

Os telefones públicos abundam em estações, aeroportos e edifícios públicos. Telefonar desde o hotel é algo mais caro mas vale a pena. Recentemente alguns telefones públicos funcionam com tarjetas.

Para chamar a Egito há que marcar o 00-20 mais o prefixo da cidade e o número de abonado.

FOTOGRAFIA

É aconselhável levar o material fotográfico do país de origem pois em Egito os preços são algo elevados. Não se pode fotografar instalações militares, o Canal de Suez, catacumbas e algumas tumbas e museus. Se pode adquirir uma permissão em algum deles, depois de pagar uma módica quantidade.

HORÁRIO COMERCIAL

Os comércios e bazares costumam-se abrir de 9 a 10 da manhã e fechar às 20:00 h ou as 21.00. Os sexta-feira e domingos muitas das lojas e postos permanecem fechados.

GORJETAS

Dar gorjetas é algo natural em Egito, se da em todas partes, taxis, restaurantes, serviço dos hotéis e por fazer uma foto a alguém, pelo que convém levar moeda solta e notas de pouco valor.

TAXAS E IMPOSTOS

A maioria dos produtos incluem impostos.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Egito tem uma extensão de 1.001.449 quilômetros quadrados. Tem fronteiras ao leste com Israel e o Mar Vermelho, ao sul com Sudão, ao oeste com Líbia e ao norte com o Mar Mediterrâneo.

Egito é um país eminentemente desértico. O deserto de Líbia (por o oeste), que em realidade é o deserto do Sahara, se caracteriza pelas suas finas areias e imensas dunas. Em cambio, pelo leste, o deserto se mantém, mas com um aspecto totalmente diferente num terreno seco e desolado onde se erguem uma sucessão de rochas calcinadas pelo sol conhecidas como Cordilheira Arábiga ou Deserto Arábigo. Também a Península do Sinai, ao oeste do país entre os golfos de Suez e Aqaba, é muito árida. Nela encontra-se o Monte Sinai e o Monte Catarina, este último com 2.642 metros de altitude, sendo o mais alto do país.

Em meio deste espetáculo desértico, onde só a impressionante beleza da desolação é capaz de oferecer, se produz um milagre: do nada surge um precioso e inesquecível vergel. O responsável desta beleza é o Nilo, o rio mais longo do mundo com 6.671 quilômetros. As cheias anuais proporcionam um limo que alimenta as terras circundantes, proporcionando um excelente adubo que produz colheitas abundantes nos cultivos e uma exuberante vegetação em suas margens.

O leito do rio oscila entre os 15 e 20 quilômetros na zona do vale, atingindo os 250 quilômetros na região conhecida como Delta do Nilo (com forma de leque), formado por inumeráveis braços nos que se divide a corrente, dando lugar a uma extensa planície de terrenos cultiváveis. Nesta zona se concentra uma alta porcentagem da população do Egito.

O clima do Egito é muito quente e úmido. As temperaturas oscilam entre os 48 e 50 graus centígrados em pleno deserto e entre os 26 e 27 graus na zona do Delta nos meses de verão. Na temporada de inverno as temperaturas se situam entre os 14 e 15 graus centígrados em todo o país. São habituais as tormentas de areia, muito perigosas, pois a escuridão que produzem é total, ademais de que a areia o cobre praticamente tudo fazendo o ar quase irrespirável.

Não podemos esquecer o Canal de Suez que substitui ao istmo natural que unia, milhares de anos atrás, África com Saía. Sua construção se inicio em 1859 e dez anos depois se abriu à navegação. Tem 161 quilômetros de comprimento e entre 70 e 125 metros de largura.

FLORA E FAUNA

Egito é um país onde se misturam o deserto e uma exuberante vegetação, o que provoca um contraste paisagístico muito estimulante.

Em meio de tórridas areias e calcinadas rochas os oásis oferecem um refugio paradisíaco. Cheios de palmeiras e rodeando a única fonte de água que pode-se encontrar no imenso vazio, se convertem em pequenos paraísos. O dourado e o verde intenso ressaltam com força oferecendo um espetáculo impressionante.

Nos oásis se pode provar deliciosas tâmaras que seguramente algum nativo lhe oferecerá recém colhido das palmeiras. aparte de palmeiras abundam as plantas de tamanho médio e diversas espécies de flores.

A flora do Egito tinham duas espécies emblemáticas: a flor de loto e o papiro. Desgraçadamente o loto tem desaparecido por completo e a pesar de que ainda se pode encontrar papiros no Delta, esta planta tem desaparecido no resto do curso do rio. A vegetação espontânea só se da no Delta do Nilo, a zona mais fértil onde se pode admirar acácias robinias, eucaliptos, mangas e figus. Também nesta zona se pode ver grandes extensões de algodões, cereais, cana de açúcar e amendoins. Abundam oliveiras e pessegueiro, sobretudo na Península do Sinai, enquanto que nas zonas de irrigação crescem hibiscos, adelgas, buganvíles e fragrantes jasmins.

A fauna do Egito não se caracteriza pela sua variedade. Obrigatoriamente, os camelos e dromedários formam uma estampa habitual da paisagem, num país com grande extensão de deserto. Ademais destes animais, acostumados à escassez de água, se pode ver espécies venenosas típicas das zonas desérticas como os escorpiões, cascavel de chifre ou as serpentes najas conhecidas com o nome de "aspid" por haver causado a morte da mística Cleópatra. Também são freqüentes os escaravelhos egípcios (segundo crenças populares signo de boa sorte, ademais de prevenir contra o "mal de olho") e o gafanhoto migratório, cuja praga é temida por qualquer agricultor.

Em Egito se pode contemplar, ademais, íbis, chacais, raposas, búfalos, linces e crocodilos, um dos animais mais temido e à vez mais respeitado pelos egípcios ao longo de toda sua história. Estes répteis, que podem atingir até os 10 metros de altura, oferecem um belo espetáculo quando dormem a margens do Nilo e, sobretudo, quando se submergem no rio, ao transformar-se num dos animais mais rápidos, sigilosos e perigosos do mundo.

História do Egito

Antigüidade

Egito é conhecido em todo o mundo, sobretudo, pela corte de seus antigos faraós e por suas magníficas e enigmáticas pirâmides. Habitado desde o Paleolítico no ano 4.000 a.C. Egito já estava dividido em reinos que foram unificados por Menés, o primeiro rei do alto e baixo Egito. A este o seguiram trinta dinastias de faraós que se sucederam até o 31 a.C. ano em que morreu Cleópatra pela picada de uma aspid.

Estes 3.969 anos se dividem em distintos períodos:

Império Antigo (desde a dinastia I até a X). Seus faraós mais representativos foram Keops, Kefrém e Miquerinos que deixaram sua recordação nas pirâmides de Gizeh.
Império Médio (das dinastias XI à XVII).
Destaca pelas construções hidráulicas de enormes proporções e pelo desenvolvimento da burocracia ao redor dos faraós.
Império Novo (1580-525 a.C.).
Este período se desenvolve baixo o mandato de nove dinastias. Ramses III consegue expulsar a todos os povos invasores. A partir da dinastia XXI começa a decadência sofrendo continuas guerras que submeteram aos egípcios à dominação de libios, etíopes e assírios. Com a dinastia XXVI se recupera a independência e chegam novos tempos de prosperidade.
Período Persa (das dinastias XXVII à XXX).
Egito foi conquistado pelos persas até a conquista de Alexandre Magno no 332 a.C. fundador da mística Alexandria, cidade que passaria a ser o centro da vida egípcia com um elevado nível cultural e artístico de claras influências gregas.

Romanos e Árabes

Com a morte de Cleópatra e a dominação do Egito por parte do Império Romano, o país perde seu antigo esplendor passando a formar parte do Império Bizantino (395 d.C.). No ano 640 d.C. Egito é conquistado pelos árabes, adotando sua religião, cultura e língua. O país se converte no centro do Islã baixo o governo dos famitíes. O célebre Saladino conseguiu estender o território do Egito até Síria, Mesopotâmia e África Setentrional.

Mamelucos, Franceses e Ingleses

Desde o ano de 1250 até o século XVIII os mamelucos governaram o país. Napoleao põe fim a esta presencia ao vencê-los em 1801. Com a vitoria de Mehmet Alí em 1811 consegue-se que Egito se converta num principado hereditário, fato que provoca uma importante renovação civil e econômica à que se une Sudão.

O neto de Saladino, Ismail, governa de 1863 a 1873 potenciando a influência anglofrancesa e obras de grande envergadura como o Canal de Suez, inaugurado em 1869. Estas medidas, contrariamente, empobrecem à população, dando lugar a revoltas civis, sufocadas com a dominação inglesa em 1882. Egito passaria a converter-se em protetorado no ano 1914.

Da Independência à República

Egito atinge sua independência em 1922. Porém, o país seguia dependendo economicamente de Gran Bretanha pois esta controlava o tráfico do Canal de Suez, ademais de outros privilégios civis e políticos.

Durante a Segunda Guerra Mundial o país foi ocupado por forças fascistas que foram desalojadas com ajuda dos ingleses em 1942. Ao acabar a guerra e graças a seu apoio outorgado aos aliados, Egito consegue uma posição muito sólida entre os Estados da Liga Árabe, participando ativamente nas operações contra Israel de 1948. Os reveses desta participação unidos escassa popularidade do rei Faruk dão como resultado o golpe de estado em 1952 de onde surge a República do Egito baixo a presidência do general Naguib. Esta presidência só dura dois anos, Naguib é substituído por Nasser que em 1956 consegue nacionalizar o Canal de Suez, provocando a intervenção armada anglofrancesa e a ocupação da Península do Sinai por tropas israelense. Este conflito resulta favorável para Egito, graças à mediação da Organização de Nações Unidas. O país inicia uma aproximação com a antiga URSS e estabelece pactos políticos com Síria que se alargariam até 1961, data na que Síria decide dar fim à união.

A Década dos 60

Egípcios e israelitas voltam a enfrentar-se militarmente em 1967 com um resultado desfavorável para Egito. O conflito finaliza graças a um acordo firmado com a intervenção da ONU. As relações com a URSS se estreitaram com o fim de conseguir mais força, tanto no terreno militar como no diplomático, hora de afrontar uma possível negociacióm com Israel. Nasser falece repentinamente em 1970 sendo seu sucessor Anuar el-Sadat.

Os Últimos Anos

O novo presidente da República do Egito da uma virada na política, sobretudo em suas relações com a URSS, expulsando em 1972 a 20.000 assessores soviéticos que se encontravam no país. Em 1973 empreende uma nova ofensiva contra Israel que finaliza trás uma trégua propiciada pelas grandes potências mundiais firmando um acordo de compromisso com Israel pelo Sinai e se reabre o tráfico marítimo através do Canal. Pouco a pouco Anuar el-Sadat vai distanciando-se da União Soviética e aproximando-se cada vez mais a Estados Unidos, Gran Bretanha e França. Esta aproximação dá seus frutos em 1978 com a firma dos acordos de Camp David, quando Israel e Egito firmam a paz com o beneplácito dos Estados Unidos. O assassinato de Sadat em 1981 não conseguiu acabar com esta política de não agressão pois Hosni Mubarak, que assumiu o governo no ano seguinte, vem mantendo a mesma linha até nossos dias.

Durante a Guerra do Golfo, Egito condena a invasão do Kuwait por parte das tropas irakíes, posicionando-se num papel intermediário entre os países árabes e as grandes potências mundiais. Posição que tem-se visto reforçada trás o atentado que sofreu o presidente Mubarak em 1995 e que tem suposto apoio incondicional dos egípcios para seu presidente.

Arte e Cultura do Egito

Os monumentos religiosos e funerários da etapa faraônica são as principais maestras da arte egípcia. Pirâmides e templos, conhecidos em todo o mundo, refletem o fervor para os deuses e a firme crença de que a vida não termina com a morte, razão pela que os faraós deviam continuar manifestando seu imenso poder ainda depois de haver deixado este mundo.

Durante 3000 anos, as sucessivas dinastias que governaram Egito mandaram construir imponentes edificações em honra de seus deuses preferidos e em honra do que mais apreciavam, a eles mesmos.

Todas as mostras de arte egípcia compartem elementos comuns: monumentalidade, perfeitas figuras geométricas em volumes de formas simples, cânones de medida estritos à hora de representar figuras humanas que, ademais, se idealizavam em grado superior numa visão bidimensional sem nenhuma perspectiva.

Dentro do período dinástico encontramos, ao longo destes 30 séculos, distintas mostras representativas em cada período.

No Império Antigo destacam os enormes monumentos funerários mais conhecidos: as mastabas, edifícios de adobe com uma parte subterrânea na que se guardava o tesouro e a tumba, enquanto que na parte superior se instalava uma plataforma retangular para sinalar o lugar. As pirâmides escalonadas nascem da superposição de várias mastabas. As pirâmides, tal e como as conhecemos hoje em dia, se caracterizam por um subterrâneo onde se instalavam os tesouros e as sepulturas enquanto que o resto da construção é um autêntico labirinto com numerosas trampas destinadas à proteção.

A parte das construções como tais, são muito interessantes os baixos relevos que decoram o interior das tumbas. Estas pinturas descrevem a vida do defunto e sua viagem ao mais além.

O Império Médio não aporta nenhuma novidade, embora em esse tempo se conseguiu melhorar notavelmente os baixo relevos. No Império Novo a arte ressurge com força, é o tempo dos imponentes templos e as majestosas tumbas escavadas nas rochas.

Enquanto a escultura, se mantém os mesmos cânones expressados em pintura e baio relevos.

Locais Turísticos do Egito

Egito conserva os vestígios de uma civilização que fascina enormemente ainda hoje, a faraônica, com uma antigüidade de 5.000 milhões de anos. Hemos dividido o país em 6 zonas. Iniciaremos nosso percorrido por O Cairo, a capital do país, para trasladarmos depois à zona conhecida como Alto Egito, onde visitaremos Luxor e Assuán, entre outros povoados. De aqui viajaremos para Alexandria e o Delta do Nilo, para continuar pelo Canal de Suez e a Península do Sinai.

O CAIRO

A capital egípcia é conhecida pelos habitantes do país como Um ao Dunya, a "Mãe do Mundo", pois nela se encontram mostras de uma das principais culturas do mundo. O percorrido pode iniciar-se pelas maravilhosas pirâmides, símbolo do país.

PIRÂMIDES E OUTROS RESTOS FARAÔNICOS

Das Sete Maravilhas do Mundo as Pirâmides do Egito são as únicas que conseguiram sobreviver ao passo do tempo. Contemplar estas construções é realmente impressionante, a pesar de have-las visto numerosas vezes em televisão, fotografias e publicações nada é comparável como desfruta-las ao natural. Si, ademais, pensa em como foram construídas e quantos escravos foram necessários para mover os blocos de pedra e subi-los até o topo, o sentimento de respeito e assãobro é inevitável.

Gizeh

O conjunto mais representativo e talvez mais famoso em todo o mundo é o de Gizeh onde se pode contemplar:

A Pirâmide de Keops. Tinha uma altura original de 150 metros o que a converte na mais alta do mundo. Estava composta por mais de dois milhões de blocos de pedra de 2 toneladas e meia de peso cada uma. Está proibido escalar até o topo (ademais de ser francamente perigoso), embora se o ofereçam não aceite.

Porém não duvide em penetrar em seu interior, sempre acompanhado de um guia, para admirar as galerias e o teto saledizo. Muito perto da pirâmide se encontram o Templo Mortuário de Keops, o Museu do Barco Solar e a única tumba do Império Antigo que não tem sido profanada, a Tumba da rainha Hetepheres.

A Pirâmide de Kefrén. É a mais conservada deste complexo, conservando ainda a capa calcárea do exterior que recobre o granito rosado. Se pode visitar as duas câmaras mortuárias e o sarcófago vazio.

A Pirâmide de Miquerinos. É a mais pequena das três e a que tem sofrido maiores saques. Junto a estas pirâmides se levanta imponente a Esfinge de cabeça humana e corpo de leão que se construiu tendo como base formações rochosas naturais às que se agregou pedra polida. Se acredita que representava a alguma divindade embora não tem podido saber-se a ciência certa de quem se tratava. Seu estado não é o ideal pois tem sofrido deterioração muito serias, devido ao turismo maciço e a degradação do meio ambiente. A pesar disto segue sendo majestosa.

As Pirâmides de Dashur, com a Pirâmide Negra, denominada assim porque ao desprender-se a pedra calcárea deixou ao descoberto uma cor escura, a Pirâmide Inclinada cuja inclinação varia de 54 a 43 graus e a Pirâmide Vermelha em cuja construção se empregaram vigas de cedro que ainda pode-se contemplar pois é a mais conservada.

A Necrópoles de Saqqara. Nela se ergue a Pirâmide Escalonada de Zoser, a mais antiga de todas, situada num recinto donde, ademais, se pode contemplar santuários e pátios. Também se encontram nesta necrópoles a Pirâmide de Unas, os restos do Monastério de São Jeremias, as Tumbas de Mereruka e Kagemmi, do 2345-2333 a.C., a Pirâmide de Teti com belos gravados da vida egípcia daquela época talhados em seu interior, Serapeum, catacumba dedicada a Apis, o toro sagrado e a Pirâmide Escalonada de Sejmhet.

Para o sul, unicamente acessíveis a pé, em veículos todo terreno, camelos, cavalos ou burros, se pode visitar as Pirâmides de Pepi I e Pepi II, as de Yedkare Isesi e a de Iserkare Jenyer. Não esqueça de visitar em Menfis o Coloso de Ramsés.

O BAIRRO ANTIGO

O percorrido pela cidade do Cairo pode-se iniciar pela Babilônia Cristã, que não há que confundir com a Babilônia de Mesopotamia, também conhecido como o Bairro Copto. Na atualidade é um dos centros de reunião dos egípcios e uma das zonas mais antigas da cidade. Ainda se conservam uma fortaleza greco-romana e persa, dos mosteiros ainda habitados, o de São Mercúrio e o de São Jorge, formosas igrejas como as de São Sérgio, São Baco, Santa Bárbara com relíquias de vários santos, São Cirilo e Santa Maria, maravilhosa igreja pencil. Todas estas igrejas são de culto copto embora durante as celebrações de Semana Santa acolhem a numerosos católicos. Estão controladas pela Organização de Antigüidades Egípcias que cuida da sua restauração e limpeza. A maioria de elas reúnem elementos antigos com modernos e contam com pequenos tesouros procedentes do Museu Copto.

O Museu Copto é outro ponto de interesse essencial nesta parte da cidade. Nele se expõe uma excelente coleção desta religião, objetos de culto, trajes, manuscritos, talhas de madeira e marfim e uma recriação de uma casa copta. A principal peça são os Códices de Nag Hamadi, 1.200 papiros encadernados do século VI.

Também vale a pena ver a sinagoga de Ben Ezra que foi em suas origens uma igreja cristã vendida aos judeus egípcios no século XII. Não deixe de visitar o Cemitério Rabínico, situado a cinco quilômetros desta sinagoga.

Na parte oriental desta zona se localiza Fustat, a primeira capital árabe denominada em suas origens como Misr. Conserva restos de um sistema de armazenagem de água e deságüe, cimento de casas e milhares de objetos, os mais valiosos se encontram no Museu Islâmico.

Próximo se levantam duas mesquitas de grande interesse, a Mesquita de Amr Ben al As, do 641, a mais antiga da cidade e a primeira de todo o continente africano e a de Ben Tulum, construída entre 876 e o 879, destacando por seus alminares em forma de espiral que revelam as influências do Califato de Bagdad.

A um lado desta mesquita localiza-se o Museu Gayer Anderson em cujos dois edifícios do século XVII se expõem objetos árabes numa grande casa com sala de recepção e um harém. Este material foi recolhido pelo oficial britânico que dá nome ao museu.

O Nilómetro, situado no extremo sul da ilha de Rawda, foi construído em 861. Consiste numa coluna de pedra graduada que se levanta sobre um fosso rodeado por uma escada. Destacam os arcos ovais e os azulejos turcos do interior.

Para acabar o percorrido pela parte histórica é aconselhável passear pela rua Qasaba. Durante este percorrido pode-se admirar a Escola-Fonte, Sabil kutab, de estilo otomano, a Medrasa de Shayju, modelo arquitetônico cairota, o Qaramaydan, praça na que estava situado o hipódromo e o campo de polo, a Mesquita de Rifai, onde repousam os reis Faruk e Fuad e o último Sha de Irán, Reza Pahlevi, a Mesquita do Sultão Hasán, do século XIV, com muros de 38 metros de altura que serviram de fortificação em várias ocasiões e um alminar de 80 metros de alto, de estilo mameluco.

A Cidadela construída por ordem de Saladino a partir de 1176 foi finalizada em 1182. A partir do 1218 até o século XIX tem sido a sede oficial do governo egípcio. A história deste entorno está cheia de intrigas palacianas, assassinatos, derrubadas de poder e massacres como a dos mamelucos ocorrida em 1811.

Alguns edifícios representativos são a Mesquita de Muhamad Alí, também conhecida como a Mesquita de Alabastro, construída seguindo o modelo de Santa Sofia de Istambul, o Palácio Gawhara, destruído por um incêndio em 1972 e reconstruído minuciosamente pela Organização de Antigüidades Egípcias (na atualidade acolhe um museu) e a Mesquita de An Nasir Muhamad, de influência mongol-persa com elementos faraônicos, gregos, romanos e coptos.

Para conhecer bem A Cidadela se deve passear por ela andando, apreciando lugares tão encantadores como o Sabil-kutab do Emir Tarabay as Sharifi, o Palácio Alim Aq, blocos de apartamentos construídos em 1522, várias tumbas e várias mesquitas entre as que destacam-se a Mesquita do Emir Aqsunqur conhecida como a Mesquita Azul, graças aos mosaicos dessa cor que se a agregaram numa restauração de 1652 e a Mesquita El-Maridani com uma formosa grade de mashrabiya e um mihrab e mimbar considerados como os mais belos doCairo. aparte dos monumentos, a vida que se respira nas ruas da Cidadela é impressionante e um dos seus maiores atrativos.

O bairro de Bab Zuwayla construído em 1902 foi originalmente um recinto palaciano que passou a ser o centro comercial da cidade com Saladino e na atualidade continua sendo. O enorme bazar, rico em artículos de todo tipo, une duas portas fatimíes realmente impressionantes. O resto destas portas, as de Bab el-Nasr, próxima à Mesquita de El-Hakim e as de Babv el-Zuweila, ao sul da cidade, também são dignas de visitar-se.

Na parte mais elevada da muralha encontra-se um troféu de objetos metálicos cuja procedência ainda não tem chegado a fixar-se com claridade. Os dos alminares da Mesquita do Sultão Mu Ayad Shij foram durante muito tempo o símbolo da capital cairota.

Não deixe de passear pela Qasaba e seus arredores, onde encontrará comércios de todo tipo, vendedores de rua, o bazar dos artesanatos de cobre e numerosos edifícios antigos. Caminhando para o norte se chega à Mesquita El Aqmar ou da Lua devido ao resplendor que desprendia a pedra calcárea branca da sua fachada. O edifício mais representativo deste bairro e um dos emblemáticos do Cairo é a Mesquita Al Hakin, de 1013 que foi restaurada em 1980 por uma secta shií outorgando-lhe um ar hindu muito peculiar.

Também vale a pena visitar o bairro residencial de Azbakiya, com casas do século XV restauradas nas que se instalaram, depois da drenagem do lago em 1837, os melhores hotéis como o Shepheard. A zona do lago se converteu num parque que atualmente tem perdido parte de seu encanto ao estar atravessado por uma rua e ao ter construções modernas.

Bab ao Bahr é outro bairro tradicional do Cairo onde se agrupam modestos negócios com casas restauradas pelos mesmos proprietários. Se quer empapar-se do verdadeiro espírito cairota este é o bairro ideal.

O Museu Egípcio acolhe uma das mostras arqueológicas mais importantes e impressionantes do mundo. A jóia desta exposição é o tesouro de Tutankamon que ocupa a totalidade do andar superior. Lembre-se que para percorrê-lo inteiro se necessita, pelo menos, uma semana (Horário: todos os dias de 9:00 a 17: 00 h.).

A CIDADE DOS MORTOS

O Cairo conta com dois cemitérios, um ao norte e outro ao sul, ao redor da parte antiga que tem como peculiaridade que as tumbas foram substituídas por pequenas construções mortuárias que são utilizadas pelos vivos como rediências ante o problema de escassez de espaço e casas na cidade moderna.

Esta necrópoles foi construída de 1398 a 1411 e resultam especialmente interessantes as tumbas dos santos da cidade, a Mesquita do Sultão Farag, a Tumba do Sultão Barquq, a Mesquita Funerária do Sultão Qait Bay e a Mesquita Funerária do Sultão Barsbay.

A CIDADE NOVA

A parte mais moderna da cidade encontra-se nos arredores de Maydan at Tahrir. Em este lugar destacam os dois edifícios administrativos da Corniche, o Nile Hilton, construído em 1910 e o Mugama que acolhe em blocos de concreto os departamentos administrativos da capital.

Zamalek, situado na ilha de Al Gazira, oferece numerosos pontos de interesse como o Recinto Ferial que acolhe um complexo cultural com um teatro e uma sala de concertos, o Museu de Arte Moderno com obras de artistas contemporâneos, o Museu da Civilização Egípcia que completa o museu do Egito, o Museu Mujtar onde se expõem obras do grande escultor do século XX, a Torre do Cairo, construída em 1957, com 153 metros de altura, a Casa de Amr Ibrahim com a exposição Jalil e o Palácio Gazira com o Jardim dos Peixes com um aquário em forma de gruta e o Jardím do Hotel Marriot como máximos atrativos.

O ALTO EGITO

Esta região do Egito é simplesmente especial. Nela se misturam uma natureza formosa de imensa paz e um precioso patrimônio artístico-cultural. Uma forma ótima de viajar pelo Alto Egito é realizar um cruzeiro pelo Nilo, mas qualquer caminho que se eleja para conhecer este delicioso entorno resultará fascinante.

LUXOR

Luxor é na atualidade uma cidade voltada totalmente para o turismo. Na margem leste do Nilo se levantam impressionantes os templos de Luxor e Karnak que foram construídos de dentro para fora em honra a distintos deuses e na margem oeste o Vale dos Reis e os templos de Hatsepsut e Ramesseum. Tenha em conta a luz diurna à hora de visitar estes monumentos, é essencial, e enquanto que uns se apreciam melhor a primeira hora da manhã, outros adquirem um especial esplendor antes do crepúsculo.

Luxor se assenta em parte sobre a mítica Tebas, capital do Império Médio que rendia culto a Amón. Desta antiga cidade ainda se conservam dos templos situados em pleno coração da vila e a necrópoles que acolhe os restos dos reis do Império Médio.

O Templo de Karnak se considera o monumento egípcio de maior tamanho. Ademais do Templo de Amón, o principal, existem outros 20 templos e santuários menores, duas pilares de grande tamanho, o escaravelho gigante de Amenofis III, 10 pilastras, pátios intermédios, numerosas salas e outros recintos que circundam o santuário que se estende ao longo de 25 hectares. Realmente imponente resulta o conhecido como "bosque de colunas", em total 122, que estão situadas ao lado do corredor central. Também é digno de uma visita o Museu do Ar livre que como peças chave expõe o relicário da rainha Hatsepsut e a "capela branca" de Sesostris. Este recinto se construiu durante 2.000 anos atribuindo-se suas origens à Dinastia XVIII. Se recomenda fazer a visita pela tarde.

O Templo de Luxor foi construído em honra dos três deuses protetores de Tebas, Amón, Chons e Mut. Este templo foi levantado durante os reinados de Amenofis III, durante o que se construiu uma boa parte do recinto, Tutankamon, Horemhem, Ramsés II e Alexandre Magno. O templo tem como peculiaridade sua forma, é largo, 230 m, e estreito. A entrada é imponente com as duas enormes estátuas de Ramsés II e um pilar. A continuação encontra-se um corredor nos lados estão situadas esfinges com cabeça de cabra. A entrada está adornada com preciosos relevos que representam a vitoria egípcia contra os hititas. Detrás da entrada se levanta a Mesquita de Abu el-Haggag. Também pode-se visitar o Santuário da rainha Hatshepsut.

A ribera ocidental do Nilo oferece uma paisagem mágica com montanhas de cor rosada e uma bonita planície cujo contraste resulta fascinante, sobretudo, ao amanhecer. Depois de admirar esta paisagem costumam visitar os Colosos de Memmón que com 18 metros de altura custodiam o templo funerário de Amenofis III. A figura situada mais ao norte é conhecida como a "cantora" pois com o calor emitia estranhos sonidos. Como curiosidade contar que os pés deste colosso medem 3 metros de largura. O seguinte monumento foi ordenado construir pela única mulher que ocupou o trono dos faraós e está situado num entorno natural muito bonito, trata-se do Templo de Hatshepsut. Este templo é composto por três varandas superpostas e várias colunatas que se comunicam através de diferentes rampas. Hatshepsut assumiu o poder com 24 anos e aparecia publicamente com barba postiça para mostrar rasgos masculinos.

São dignos de contemplar-se também os restos do Ramesseum, templo mortuário de Ramsés II, faraó que teve mais de 80 filhos, cujo principal atrativo é o coloso de granito que se derrubou ante a entrada da sala hipóstila (para ter uma idéia de seu tamanho, saiba que o pé mede 3 metros e meio) e Medinat Habu, templo mortuário de Ramsés III rodeado por um muro de tijolos que tem o aspecto de uma fortificação.

O Vale das Rainhas acolhe os restos das esposas dos faraós, em total umas 70 tumbas, onde também se enterraram os príncipes de menor idade. As Tumbas dos Nobres constam de 414 tumbas privadas com preciosos relevos com cenas da vida alegre e vida rural. Também os trabalhadores que construíram o Vale dos Reis tem sua última morada em Deir-el Medina, as tumbas dos obreiros, os distintos operários que trabalharam nas tumbas reais viveram apartados do resto da sociedade por medo a que revelaram o lugar exato das tumbas reais.

Até o momento descobriram 64 tumbas das dinastias XVIII e XX no Vale dos Reis. Destacam as de Ramsés VI, Sethi I, Thutmosis III y, especialmente, a de Tutankamon que foi descoberta em 1922 por Howard Carter. Esta é a única tumba que não tinha sido profanada nem saqueada pelos ladroes de tumbas. Se encontraram em seu interior mais de 5.000 objetos de valor incalculável como caixas de ouro e pedras preciosas, uma carreta de oro, lâmpadas, jarras de alabastro, sandálias, estátuas de sirventes, travesseiros em ouro e muitos más. Este ostentoso tesouro se encontra, em sua maioria, no Museu Egípcio doCairo.

Para desfrutar do Vale em sua plenitude se recomenda a visita a primeira hora da manhã ou bem, a última da tarde.

Os Arredores de Luxor

Outros lugares de interesse perto de Luxor são Abydos com tumbas da primeira dinastia e o templo de Sethi I, Dandarah lugar de culto de Hathor, a deusa-vaca com poderes curativos, onde se conserva o muro circular, a porta romana, dos casas de nascimento, um lago sagrado e várias criptas e capelas, Isna construída sobre as ruínas do templo de Jnum, Idfu, o templo melhor conservado do Egito dedicado a Horus cuja construção se iniciou no 237 a.C., e Kom Ombo, templo situado numa plataforma rochosa numa curva do Nilo dedicado a Horus e ao deus dos jacarés Sobek.

ASSUÁN

Assuán está situada na fronteira sul do Egito e constituía no passado o último território civilizado antes de que as caravanas se adentrassem na África Negra.

Acreditava-se que nesta cidade se encontravam as fontes do Nilo e a origem das enchentes que dão vida a todo o país. A "Primeira Catarata" marca o limite natural da navegação por este bonito rio.

A cidade contava com canteiros onde se extraía o granito de cor cinza, alabastro e ocre com o que se construíram numerosos edifícios reais e preciosos paisagens com o Nilo como centro. Por outro lado, Assuán tem bazares nos que pode-se encontrar qualquer artículo que se busque.

Elefantina é uma ilha onde está situado o Nilómetro com o que se media a crescida do rio. Também são interessantes os dois povoados nubios e o museu onde se expõem os restos arqueológicos encontrados nesta ilha nilótica. A Ilha de Kitchener é atualmente um jardim botânico onde se pode contemplar as plantas do Império Colonial que reuniu Lorde Horatio Kitchener a finais do século XIX. Também era interessante a ilha de Philae que continha um magnífico templo dedicado a Isis, mas a inundação desta ilha pela Represa de Assuán durante oito meses ao ano, impossibilitava a visita dos restos arqueológicos que acabaram por ser reconstruídos na ilha de Agilika graças a um importante esforço internacional, trasladando pedra por pedra os templos. O custo desta impressionante reconstrução alcançou os 30 milhões de dólares.

A Represa de Assuán foi construída em 1902 pelos britânicos permitindo o passo do limo. Em 1962 esta represa foi substituída pela Represa Alta que deposita o limo num lago artificial sendo necessário em algumas zonas o uso do adubo químico. Esta represa tem 111 m de altura, 3.5 m de comprimento e 1 quilômetro de largura na base.

Também são de interesse o Mausoléu do Aga Khan, onde em 1957 foi enterrado o líder dos ismaelitas, o Mosteiro de São Simão abandonado pelos monges em 1321, o Obelisco inacabado em granito rosa, as Tumbas Rupestres escavadas na rocha e o povoado nubio de Darau.

Especial atenção merecem o Templo de Abu Simbel, situado em pleno deserto, com as impressionantes estátuas de Ramsés II de 20 m de altura e os magníficos relevos das batalhas contra os hititas e Tel o Amarna, cidade fundada por Amenofis IV, na que se encontrou importantes restos arqueológicos como o busto de Nefertiti, hoje no Museu Egípcio de Berlim e o Arquivo do Estado em placas de argila com escritura cunciforme.

Nos arredores de Minieh, cidade universitária, se encontram Deir el-Adra, o Convento da Virgem, as Tumbas de Beni Hassam escavadas na rocha com 39 sepulturas, as Tumbas de Sawiya el-Anwat/Sawada e Hermópolis com restos de uma basílica cristã e várias tumbas de interesse.

ALEXANDRIA E O DELTA DO NILO

ALEXANDRIA

Alexandria, cidade mística, é hoje em dia uma cidade moderna e a segunda cidade maior do Egito. Alexandria constitui, Ademais, um dos sítios mais procurado pelos atuais egípcios, graças a suas belas praias.

Foi fundada por Alexandre Magno no 332 a.C. como assentamento grego e os ptolomeos a converteram em capital. Alexandria é célebre por ser o lugar onde a divina Cleópatra se quito a vida, por haver sido um ativo centro social de animadas festas e, sobretudo, pelo desenvolvimento cultural e científico que se iniciou em torno ao Museidon, uma instituição na que eruditos de todo o mundo estudavam distintas matérias. Este centro contava com uma completíssima biblioteca (que desapareceu num incêndio que acabou com todo o recinto), com salas de conferencias, parques e um zoológico. Na atualidade não se conhece o lugar exato onde esteve situado este centro de sabedoria.

A melhor forma para descobrir Alexandria é caminhando. O porto tem sido o centro da cidade durante toda sua história e desde ele pode-se aceder à Ilha de Faros na que estava situado um faro de mais de 120 m considerado como uma das Sete Maravilhas do Mundo. Conta a lenda que neste faro havia mais de 300 instalações para os trabalhadores e na parte mais alta estava situada a maquinaria que fazia funcionar, se cré que era uma espécie de lente inventada pelos matemáticos alexandrinos, mas em realidade não se sabe como funcionava. Sua desaparição no século VIII converteu ao faro e a tudo o que lhe rodeia num autentico mistério. Embora foi reconstruído nunca recuperou seu esplendor e no século XIV um terremoto o destruiu totalmente. O sultão Qaitbay aproveitou os restos para construir no mesmo lugar uma fortaleza em 1480, Fort Qait-Bay. Se pode contemplar na atualidade algumas colunas de granito e mármore e o Museu Hidrobiológico que acolhe um Aquário de água salgada com peixes do Mediterrâneo e do Mar Vermelho em 50 aquários. A Ilha de Faros está unida à cidade por um dique de grande anchura pelo que circulam várias linhas de tranvias.

Seguindo em direção oeste, dentro da ilha, pode-se contemplar desde o exterior (já que está proibida sua visita), o Palácio de Ras at Tin, antiga residência dos reis egípcios utilizado hoje em dia para recepções oficiais. Muito perto estão as Tumbas de Anfushi de procedência ptolemaica escavadas na rocha no século II a.C. Em estas tumbas se misturam os estilos grego e egípcio. As paredes de estuco estão pintadas imitando blocos de mármore e azulejos e realmente parecem.

Desde ali pode-se ir para a praça, onde encontra-se a Mesquita de Abu-el-Abas, de 1943, que se construiu sobre a tumba do Xeique Abu-el-Abas falecido no século XIII, obra prima da arquitetura islâmica. Também nesta praça se levanta a Mesquita de Sidi Dawud, mais pequena. Outro edifício situado na parte histórica é a Mesquita Terbana com uma fachada de ladrilhos vermelhos e negros recoberta com pintura amarela pálida e antigas colunas corintias.

O bairro sul de Alexandria, Rhakotis, era o centro da antiga vila. Na atualidade só se conserva daquela época a Coluna de Pompeyo, com 27 m de altura, construída em granito rosa no 300 a.C. Em honra de Diocleciano. Esta coluna estava situada no Serapeum, antigo santuário localizado numa colina consagrado ao deus Serapis.

Al sul da Coluna se encontram as Catacumbas de Kom o Shokafa. Este conjunto funerário construído pelos romanos no II a.C. Está escavado na rocha e tem três níveis nos que se misturam os estilos egípcios, gregos e romanos. Na entrada se encontra quatro sarcófagos de granito púrpura de grande beleza, depois de admira-los se descende ao primeiro nível iluminado por uma abertura central que era por donde, através de cordas, desciam os corpos. Em este nível encontra-se a sala onde os familiares despediam ao defunto com um banquete. O segundo nível acolhe uma impressionante tumba com bonitas decorações e vários sarcófagos selados. O terceiro nível é inacessível pois encontra-se inundado.

Caminhando por Shari Hurriya se chega à Mesquita Nebi Danyal onde se supõe que repousam os restos de Alexandre Magno num buraco situado na cripta e que nunca foi explorado com atenção. Muito perto se localizam as Escavações de Kom ad Dik onde se encontram os restos do único anfiteatro romano do Egito, assim como banhos romanos, alguns edifícios e restos de calçada do III d.C. O Museu Greco-romano acolhe uma excelente mostra entre a que destacam esculturas helenísticas, afrescos e uma bela coleção de figuras de Tanagra. Este museu está rodeado por um precioso jardim de esculturas. Depois da visita ao museu, é um bom momento para beber algo em Pastroudis, um café grego de grande encanto.

Não se pode deixar Alexandria sem visitar os bonitos parques e jardines desta cidade como o Jardim do Palácio de Montazah e os de Nusha e Antoniadis, nem o Museu das Jóias que exibe as jóias reais de Mohammed Alí Faruk.

Para comprar pode-se acudir às lojas e feiras do Bairro Atarin, aos modernos comércios de St. Mitwalli ou as praças de Midam Tahir.

O DELTA DO NILO

A rota que vai de Alexandria até o Delta do Nilo é aconselhável faze-la pela estrada da costa, para admirar o belo entorno. A somente 30 quilômetros de Alexandria encontra-se Agami, uma cidade tipicamente veraneia com hotéis, restaurantes, discotecas, etc. Está considerada como a Marbella egípcia.

Continuando pela costa, 17 quilômetros mais adiante, se levantam os restos do Templo de Abusir, dedicado ao culto de Osiris, com um faro ptolemaico semi destruído e vestígios da antiga cidade de Taposiris. A pouca distância encontra-se o Monastério de Abu Menas, construído em 1959 e cuja entrada está presidida por duas torres gêmeas. O antigo mosteiro estava dedicado a Menas um cristão egípcio que morreu em Ásia Menor por não renegar sua fé. Conta a tradição que quando seus restos volveram a Egito, no lugar onde se edificou depois o mosteiro, o camelo que os transportava não quis seguir adiante pelo que foi enterrado ali sem nenhuma inscrição. Tempos depois cada vez que algum animal ou pessoa enferma passava por esta cidade saravam pelo que acabou construindo-se uma igreja por ordem de Atanasio no século IV, à que se uniu uma grande basílica 100 anos depois. A peregrinação a este lugar se fez muito popular levantando-se uma cidade em torno à fonte da água curativa. Todavia se pode ver os cimentos da basílica e da igreja assim como a cripta onde descansava o corpo do mártir, um batistério com uma fonte, o hospício e o balneário.

Alamein, a 106 quilômetros de Alexandria, foi o campo de batalha onde os Aliados ao mando de Rommel, a raposa do deserto, conseguiram vencer, no conhecido como África Korps, às tropas nazis. Hoje se pode visitar os três cemitérios onde estão enterrados os soldados caídos na batalha, o Museu Militar e os Monumentos aos Soldados Desconhecidos (o de pedra dedicado aos alemães e o de mármore branco aos italianos). Cuidado com as praias da zona, se não está especificado que pode-se banhar não o faça, quedam minas do tempo de guerra.

Abukir é outro lugar conhecido pela guerra. O almirante Nelson derrotou neste lugar à frota de Napoleao em 1798. Atualmente é famoso pelos seus peixes e frutos do mar.

A 65 quilômetros de Alexandria encontra-se Rosetta, o lugar onde foi descoberta a Pedra Rosetta com a que Champolliom conseguiu decifrar os hieróglifos egípcios. Embora esta pedra esteja no Museu Britânico este povoado conserva outros atrativos como as casas turcas dos séculos XVII e XVIII e várias mesquitas de grande beleza entre as que destaca a de Zagulul.

Os quatro mosteiros de Uadi Natrum, fundados no IV, têm muros de mais de 10 metros de altura para preservar a vida ascética. Os mosteiros de Deir Amba Bischoi, Deir Amba Baranus, Deir el-Surjam e Deir Abu Makar merecem sem lugar a dúvidas uma visita. Seus monges com longas barbas e hábitos negros com capuchas bordadas em dourado são quando menos impactantes e as instalações, igrejas, hospícios, refeitórios, celas e czares, lugares onde os monges repeliam os ataques dos beduínos, são impressionantes. Não há que pagar a entrada embora se espera um donativo.

Já no Delta do Nilo o mais belo é a vegetação e os canais. Destacam também Mansura, com suas elegantes vilas, Mersa Matruh, cidade com belas praias, uma lagoa e o "Banho de Cleopatra", piscina natural onde se banhava a faraona, Sidi Abd el-Rahman, povo pesqueiro de grande encanto e Tanta, capital do Delta com uma impressionante mesquita de estilo turco dedicada ao santo da cidade, Said Ah-mad Al Badawi.

O CANAL DE SUEZ

A antiga idéia de unir o Mediterrâneo e o Mar Vermelho que surge já no século VII a.C. cobra realidade no século XIX quando se leva a cabo sua construção.

Foi o engenheiro francês Ferdinand de Lesseps, através de uma subscrição pública em Europa com a que se fundou a Companhia do Canal de Suez, que desenhou os planos. Sua construção começou em 1859 e finalizou dez anos depois. Os 160 quilômetros de comprimento do Canal custaram em redor de 25 milhões de libras dos que mais de dois terços pagou Egito. Mais de 25.000 trabalhadores em três turnos diários trabalharam neste projeto que se inaugurou em novembro de 1869 com a presença da realeza européia e árabe. A abertura do Canal supôs um grande auge do comercio para todo o mundo pois se reduziram consideravelmente as distâncias com os países do Lejano Oriente.

Pouco depois da sua inauguração passou às mãos britânicas pois Egito teve que vender suas ações por quatro milhões de libras esterlinas, ante a dívida do país.

Esta ocupação provocou diversos enfrentamentos até que em 1954 Nasser conseguiu que as tropas britânicas se retirassem do Canal. Numerosos enfrentamentos, desta vez com os israelitas, mantiveram o canal fechado durante seis anos até que foi reaberto definitivamente no ano de 1975.

As principais cidades do Canal são Port Said, famosa por suas lojas livres de impostos, Ismailia, a cidade mais bela do Canal com um ambiente tranqüilo e acolhedor e Port Tawfig, o porto principal.

A PENÍNSULA DO SINAI

A Península de Sinai, considerada terra sagrada por várias religiões, está banhada pelo Mar Vermelho. Suas praias são únicas, os fundos marinhos espetaculares e as águas transparentes mas no interior, o deserto rochoso, não é menos belo com estranhas formações entre as que se pode ver ainda aos beduínos com seus camelos atravessando este lugar estranhamente mágico.

Na zona norte da península, a cidade de Al-Arish é o principal núcleo de população. Seu principal atrativo são suas praias de areia branca, muito limpas e com palmeiras na margem. No museu local se expõe artesanato e jóias beduínas. Próximo à estação se encontram as ruínas de uma antiga cidadela do século XIV do Sultão Suleimán. Não se esqueça de visitar o mercado dos beduínos que se abre as quintas-feiras e o zoco das frutas, os pêssegos são deliciosos.

Na zona sul da península se encontram maravilhosas costas, montanhas e lugares de interesse histórico. Santa Catarina, aos pés do Monte Sinai conhecida também como a montanha de Moisés com 2.285 metros de altitude, acolhe o célebre Monastério grego ortodoxo fundado em 527 por Justiniano que se supõe que está no lugar exato onde Deus entregou as tábuas dos Dez Mandamentos à Moisés. No mosteiro há uma completa biblioteca, uma bela coleção de ícones e uma basílica com um precioso mosaico bizantino. Os mais de 2.000 metros de altitude do Monte Sinai se pode subir bem por uma escada de 3.000 degraus, ou por uma trilha cuja parte final sao700 degraus.

Desde Santa Catarina pode-se aceder ao Deserto Azul. É conhecido com este nome porque Jean Verame, artista belga, pintou de azul várias rochas jogando com o contraste que ofereciam os tons avermelhados e marrons da pedra natural, conseguindo um efeito muito chamativo.

No Golfo de Aqaba há numerosos lugares onde mergulhar, nadar, tomar sol e desfrutar de uma paisagem encantadora. Destacam Ras Muhamad, reserva natural na qual conseguindo a permissão necessária pode-se praticar mergulho num fundo marinho de grande riqueza, o Arrecife de Tubarão, ideal para nadar, a Bahía de Na'Ama, famosa por suas praias paradisíacas, Gazirat Tiran, ilha com belos recifes coralinos, Dahab em cujas proximidades encontra-se um povoado beduíno e onde se pode alugar cabanas de juncos, Nuweiba povo eminentemente turístico e Qalaat al Gindi, fortaleza medieval construída por Saladino.

Hurghada é a cidade mais desenvolvida da costa da península. Conta com aeroporto, hotéis de luxo, praias douradas, peixes tropicais e recifes coralinos. Próximo a Hurghada pode-se visitar a antiga colônia romana Mons Caludianus.

OS OÁSIS DO EGITO

Os oásis do Egito, remansos de vegetação e paz em meio do deserto, são de uma grande beleza. Se decide visitá-los em veículo próprio, lembre-se de faze-lo com suficiente combustível, comida, água, material para tirar o carro de um atasco na areia e roupas de abrigo para as noites.

Bahariya, a 334 quilômetros doCairo, está situado em meio a montanhas. Abundam as palmeiras datileras e as casas de seus moradores estão pintadas com decorações de distintos motivos. Ainda se pode ver mulheres com aro na nariz e braceletes em tornozelos e pulsos. Também se pode visitar alguns restos romanos e uma tumba de interesse. A cidade mais importante é Bawiti.

O Deserto Branco recebe este nome devido às formações calcárias desta cor. Se se vê iluminadas pela luz da lua o espetáculo é simplesmente alucinante.

Farafra é o menor dos oásis. Situado à 170 quilômetros de Bahariya distingue-se pôr suas altas palmeiras datileras e por suas distintas árvores frutíferas. É de interesse o Museu de Arte onde se pode ver obras do pintor egípcio Badr.

Dakhla é também conhecido com o sobrenome do "Oasis Rosa", graças s rochas dessa cor que abundam na paisagem. Qasr, o principal núcleo da cidade, conta com ruas medievais e uma mesquita de adobe.

Kharga, rodeado por impressionantes dunas, é um dos oásis melhor equipados para receber o turismo. Dispõe de hotéis, um club com piscina e uma agência de turismo. Na parte histórica encontra-se um mercado com artículos do mais curioso. Se deve visitar também o templo de Hibis, persa e a necrópoles cristã do século IV de Al Bagavat.

Gastronomia

A comida egípcia é uma deliciosa combinação de sabores, graças aos distintos ingredientes que procedem da gastronomia mediterrânea, africana e árabe. Dois alimentos são básicos nos hábitos dos comensais egípcios, as aish, pedaços de pão consumido muitas vezes e cuja massa se prepara com distintas farinhas (a que mais fama têm é a "aish baladi", preparada com farinha mais grossa e escura) e as fuul, feijão gordos de cor marrom que se enfeitam com limão (as chamadas ful, feijão branco, se cozinham a fogo lento durante horas num caldeiro de cobre).

As fuul se servem como acompanhamento para todo tipo de prato: verduras, saladas, frios, e em almôndegas que recebem o nome de felafel ou bem temperadas, com yogurt, queijo, alhos e ovos. Também se tomam em sanduíche enfeitados com tahini e vegetais em vinagre e ademais, podem ser a base do Ta'Miya que se come com os dedos.

Os egípcios comem tanto carne como peixe. As carnes podem ser de boi, cordeiro ou aves como o peru, o pato, o frango e o pombo. Os peixes, tanto de água salgada como doce, são frescos e estão bem preparados. Lhe aconselhamos provar os deliciosos camarões gigantes com molho de alho de Alexandria denominadas Gambari.

Como pratos típicos da gastronomia egípcia destacam o Mashi, arroz com carne que se acompanha com folhas de parreira, tomates, beringelas ou pimentões verdes, os mezze, toda uma gama de entrantes frios de procedência oriental que se servem em numerosas tigelas de pequeno tamanho. Trata-se de verdadeiras delicates, entre as que se encontram o tabbouleh, salada de salsa e sêmola de trigo de sabor ácido, a kobeiba, carne, peixe e nozes, a baba ghannoush, purê de beringelas com alho, as kibbeh, almôndegas de carne de cordeiro frita e sêmola de trigo, basterma, carne defumada, sambousek, tortas de verdura, hummus bi tahina, grão-de-bico em purê com pasta de sésamo, wara annab, folhas de parreira recheadas de distintos ingredientes e o betingan, rodelas de beringela temperadas.

Outros pratos típicos são o Koshari, capas superpostas de macarrões, arroz e lentilhas com salsa de tomate, o Fattah também leva capas mas estas são de pão seco encharcado em caldo, arroz e carne enfeitado com alho e vinagre e coberto com yogurt, nozes e passas; a Moulouhiya, sopa de espinafre, o Hanan, pombos recheados de grãos de trigo verde ou arroz, o shish kebab, brocheta de carne de cordeiro e a Kufta, rolos de carne picada de cordeiro à brasa. Todos estes pratos se servem acompanhados de pilau, arroz com verduras.

Quanto a sobremesas, igualmente que a maioria dos países árabes, são deliciosos. O preferido pelos egípcios é o Om Ali, mistura de pão ou pasta com leite, nueces, coco e passas que se toma quente. Se destinguem, ademais, o aish es serail, pedaços de pão com mel amolecida com xarope de açúcar, a baklava, massa recheada de nozes aromatizada com água mel ou com uma infusão de flro de limão e a kumafa, tallarines assados com açúcar, mel e nozes. Não deixe de prova-los.

Bebidas

As comidas se acompanham normalmente com água, que deve ser mineral e é muito importante que a abram diante de você, embora também pode se beber cerveja como a local "Stella". Também se encontram cervejas de importação. Como curiosidade lembre-se que a cerveja foi inventada no Antigo Egito. Entre os vinhos destacam o tinto Chateu Giniclis, uma boa variedade de brancos e o rosado Rubi D'Egyte. Não são de excelente qualidade mas resultam aceitáveis.

As bebidas típicas egípcias são o karkade, que procede da flor do hibiscos e pode-se tomar quente ou frio, o shai, chá negro de forte sabor e a variedade conhecida como shai nana servido com folhas de hortelã, o ahwa, café turco, os sucos de manga, goiaba, banana, laranja, morango, cenoura, lima, tomate, cana de açúcar, romã e limão, entre outros, o tamarhindi, infusão feita com a polpa seca do tamarindo, o irssous, água de regaliz, o erfa, bebida de canela que se serve quente e coberta de nozes e o na na, de menta. Entre as bebidas alcóolicas destacam o ersoos, licor de forte sabor e odor, o zahib, uma espécie de aguardente e o yasoon, com sabor a anis.

Restaurantes em O Cairo

Arabesque. 6 Kasr O Nil. Ademais de degustar excelentes pratos poderá contemplar as obras da galeria de arte que está situada neste restaurante.
Andrea's
. 14 Mariyutiyyah. Especializado em frango assado.
Auberge des Pyramides
. 325 Pyramids R. Conta com um club noturno.
O Dar
. Saqqara. Cozinha egípcia e libanesa.
Eltekia
. 12 Ebm O Walid Square Dokki. Pratos egípcios para tomar no local ou para levar.
Felfela
. 15 Hoda Sahrawi St. Boa relação entre a comida egípcia que se serve e seus preços.
Cho's
. 7 A Avda 252, Digla. Cozinha coreana, chinesa e ocidental.
Dom Quichotte
. 9A Ahmed Heshmat, Zamalek. Cozinha francesa e internacional.
Omar Hayyam
. Al lado do Gezira Club. Restaurante flutuante de ambiente encantador.
Scarbée
. Restaurante flutuante em que se servem almoços e jantares enquanto se navega pelo Nilo.

Restaurantes em Alexandria

Abu Quir, especializado em peixe.
Agami
, ideal para grupos.
Gelati'Aziz
. Em Corniche. Ideal para provar o delicioso dondurma, gelado branco e forte de origem turco.
Santa Lúcia
. 40 sh. Safeya. Cozinha internacional no restaurante mais famoso desta cidade mágica.
Tikka
. Especializado em pratos de frango assado.
Zephyrion
. Abu Qir. Excelentes pratos de peixe.

Compras no Egito

Comprar no Egito é todo uma arte. Os mercados árabes constituem outros mundos fascinantes dentro das mesmas cidades. Estes mercados populares têm vida própria e neles se podem encontrar todos os ingredientes e elementos necessários para conhecer um pouco melhor o mundo árabe. Uma vez em seu interior, o silêncio não existe, vozes e risadas se unem a um continuo movimento. Os diferentes aromas envolvem todo o ambiente provocando um relaxado sentido do tempo. Nos mercados árabes se pode encontrar artesãos realizando sua obra, pequenos cafés nos que tomar um delicioso chá com menta, mesquitas, e gente, sobretudo gente, pessoas que vão, vêm, conversam, negociam e se relacionam.

Procure ir com tempo e lembre-se que é indispensável regatear. Os egípcios gostam de uma boa transação e se conseguem vender um produto a um preço excessivo não desfrutam, porque, em realidade o que eles mais gostam é do jogo que se produz entre o comprador e o vendedor. pode dar, no primeiro intercâmbio de palavras, um preço bastante alto, pelo que o comprador deverá oferecer, ao menos, uma quantidade do 50% menos sobre o preço inicial. Com isto se inicia um baile de números e regateios até que no fim se chegue a um acordo. Se a conversa tem sido agradável e o comprador tem sido um bom negociante, ambas partes ficaram satisfeitas e até é possível que o vendedor convide a beber uma boa xícara de chá. Não se esqueça que os artículos que custem entre 4 e 10 libras egípcias não devem ser regateados, pois são suficientemente baratos (a menos que se compre um lote). Fora dos mercados árabes, em lojas com preços marcados, se considera de mal gosto o regateio.

Egito é o paraíso das antigüidades. Se pode encontrar desde arte islâmico, móveis estilo Luís XV, livros únicos, restos de algum tesouro faraônico, até Art Decó.

Mas há que ser cauteloso com os preços e com as falsificações, pois existem artesãos muito hábeis, capazes de realizar perfeitas reproduções e falsificações.

A cestería se estende a todos os lugares do país. Em cada zona em seu particular trançado, todos eles muito belos. Nos mercadinhos dos povos se pode adquirir as cestas mais interessantes. As mais populares são as cestas de casamento de Siwah (não são caras).

Em Luxor se pode adquirir belos objetos de alabastro. No Egito este material se trabalha em mate, pelo que já seja um trabalho manual ou mecânico, carecerá de brilho.

Se pretende adquirir roupa não terá nenhum problema pois em várias zonas existem oficinas de confecção. Conhecidos como os trajes dos beduínos, o desenho e confecção das prendas variará dependendo do lugar de onde se encontre, embora isso, todas as prendas podem estar feitas a mano. Os bordados das prendas de Siwah têm especial fama embora é muito difícil encontra-los a bom preço. Também são muito populares os caftanes, muito cômodos de desenho simples com tranças confeccionados em algodão ou seda (nos últimos tempos também se fabricam com fibras sintéticas).

A joalheira beduína, de peças grandes trabalhadas em prata ou com base de materiais brancos, é muito bela. Resultam muito pesados, tanto os colares e brincos como os broches, anéis e pulseiras mas constituem uma verdadeira obra de arte. Os desenhos são únicos e estão feitos à mão, pelo que não encontrará nenhuma peça igual. aparte desta, a joalheira egípcia pode realizar-se em ouro ou prata e seus desenhos podem ser motivos faraônicos como escaravelhos ou o Olho de Horus, islâmicos como a mão de Fátima ou bem, com motivos de caligrafia árabe. Freqüentemente as peças de ouro e prata se vendem ao peso, o que faz com que os preços sejam muito similares nas diferentes lojas, contudo, sempre pode-se obter algum desconto.

As peças em latão e cobre são muito interessantes, pois procedem de uma tradição que tem passado de pais a filhos ao longo do tempo. Os desenhos podem incluir caligrafia árabe ou motivos islâmicos. São especialmente belos e atrativos os jogos de café ou chá em belas bandejas.

Egito tem-se convertido num excelente produtor de almofadas e tapetes. Os famosos kilis dos beduínos confeccionados à mão podem ter cores fortes como o vermelho, branco ou verde e laranja próprio das tribos do Sinai. Em Kerdassa pode-se saborear a tradição de um povo de tecedores que na antigüidade abastecia deste material às famosas caravanas, enquanto que em Harraniya os teares eram manejados por crianças que hoje em dia, já adultos, são os que mantém a tradição.

Lhe aconselhamos, se há espaço na mala, que adquira uma peça de cristal Muski, cuja base é o vidro reciclado pelo que os defeitos, fissuras e borbulhas lhe dão um encanto especial (algumas peças são muito frágeis).

A gama de cores é muito rica: turquesas, marrons, azuis, rosas e verdes.

Embora o papiro original já não existe, o projeto realizado pelo Instituto do Papiro Raguab tem conseguido restaura-lo. Neste mesmo Instituto se pode adquirir os célebres papiros, desde tamanho folio até miniatura com preciosos motivos pintados a mão. Por outro lado, nos numerosos mercados árabes e lojas os encontrará, embora não são de qualidade certificada.

Os egípcios são magníficos artesãos de cerâmica trabalhada em torno. Se pode adquirir em todo o país peças de todas as formas e tamanhos embora as de melhor qualidade e funcionalidade se encontram em Luxor. Normalmente não levam adornos pintados, mas lembre-se que somente duas vezes ao ano os artesãos de Garagos vendem suas cerâmicas pintadas.

Quanto aos trabalhos em madeira, encontrará caixas, pratos e móveis, todos eles adornados com incrustações de madeira, marfim ou madrepérola. A mais típica é a chamada mashrabiya. Entretanto, si gosta de acampar, no Egito poderá adquirir barracas de caping de excepcional qualidade pois os egípcios foram os primeiros que as confeccionaram e utilizaram.

Por último, não deixe de visitar algum mercado de especiarias, um intenso espetáculo de cores, aromas e sons. Todas as especiarias são naturais, quer dizer, não contém nenhum componente químico, mantendo seu original aroma. Especial fama tem o azafrão e a Hena para tingir cabelo.

População e Costumes do Egito

Os descendentes dos faraós possuem como qualidade agusada uma grande dignidade que, talvez, procede dos tempos de esplendor do antigo Egito e que tem permanecido inalterável como rasgo característico, ao longo dos séculos. A dignidade mistura-se com outro rasgo fundamental, a humildade que aparece provavelmente, pelo sentido trágico que os egípcios têm da vida, quer dizer, que tudo depende da vontade divina. Por ele, em todas partes e em qualquer momento se pode escutar expressões de tipo religioso como "é a vontade de Deus", "se Deus quer" e inclusive a típica saudação "salam aleikun" tem esse sentido pois o que deseja é que "a paz esteja contigo".

O povo do Egito é profundamente religioso e espiritual. O Islam é muito importante para eles e é imprescindível respeitar seus costumes para poder chegar a conhece-los. É aconselhável se vestir com calças ou saias longas e camisas ou camisetas com mangas, sobretudo ao visitar os lugares santos e as mesquitas (há que descalçar-se ao entrar).

Esta profunda religiosidade se percebe também claramente na família. Os núcleos familiares estão muito unidos e podem estar encabeçados pelos homens, pais, maridos, irmãos e filhos. As mulheres são também importantes na sociedade ainda que devido às leis islâmicas, permanecem em sua maioria na sombra. As mais anciãs ordenam o grupo de mulheres de uma casa e são as que decidem, apesar de que as mulheres dos primogênitos também têm bastante poder. Nos últimos tempos estas rígidas leis foram abrindo-se, sobretudo, nas grandes cidades e são cada vez mais as jovens que estudam e trabalham participando ativamente em todos os campos da sociedade. Porém, existem certos aspectos que não foram mudados, por exemplo, estão proibidas terminantemente as relações pre-matrimoniais pois as mulheres devem chegar virgens ao matrimônio. Talvez por este motivo alguns egípcios consideram que as estrangeiras são muito mais acessíveis pelo que convém evitar provocações desnecessárias vestindo mini-saias e camisetas muito justas.

O matrimônio é um acontecimento social importante e os casamentos se celebram com todo o luxo e pompa possível. Se reúne toda a família e os amigos, se fecham ruas para que nelas tenham lugar o banquete, o baile, as danças populares, os espetáculos acrobáticos, etc. É costume que os noivos passem em carro pelas ruas do bairro em meio das felicitações de todo o mundo. Se tem oportunidade não deixe de assistir a uma celebração matrimonial.

As crianças são muito queridas no Egito. São criadas e amadas com generosidade pôr suas mães que podem ter um vínculo muito mais estreito com eles que com seus maridos. As famílias têm numerosos filhos devido a que os filhos são considerados uma bênção divina e a que o índice de mortalidade infantil é muito alto.

Com respeito aos bebês são capazes de andar se lhes deixa uma grande liberdade, confiando plenamente na vontade divina.

Existe uma grande solidariedade entre as distintas comunidades, ajudando-se entre elas e defendendo-se contra as agressões externas. Os egípcios gozam de um excelente sentido de humor, lhes encanta contar piadas de qualquer tipo e fazer brincadeiras. Lhes animamos a que desfrute com paciência e bom humor da gente deste belo país.

Lembre-se que para alguns egípcios as fotografias podem trazer má sorte. Se deseja fazer uma instantânea, lhe aconselhamos solicitar permissão previamente.

Entretenimento

Egito é um país que tem sabido acondicionar-se ao importante turismo mundial que recebe todos os anos. aparte do interesse histórico-artístico que o país das pirâmides desperta, se pode realizar numerosas atividades para relaxar-se e divertir-se durante sua viagem.

Para sentir a profunda emoção que desperta a beleza dourada do deserto, pode-se percorrer o caminho que une os oásis de Jarga, Dakla, Frafra e Bahriya. O inverno é a melhor época para faze-lo, pois no verão as temperaturas são demasiado altas. Para desfrutar plenamente da excursão se devem ter em conta certas medidas de prevenção como revisar bem o veículo, levar uma bússola, suficientes provisões de água, comida, ferramentas, caixas de primeiros socorros, óculos de sol, chapéu (pode ser com alguma tela que tape a nuca), etc. É aconselhável ter em conta as previsões meteorológicas para evitar as tormentas de areia e não esquecer alguma tela para poder fazer uma boa sombra. Si seguem estes conselhos se poderá desfrutar da impressão que produz a soledade tórrida do deserto, do inesperado prazer que produzem os oásis e da melhor acolhida com que se lhe receberão nos pequenos povoados que se encontram ao longo da travessia.

Como contraponto ao deserto, um banho nas belas praias egípcias se converte num prazer. A água transparente, a areia fina e a península coralina de Ras Mohammad ou Sharm o Sheik, competem com os recifes escarpados causadores de numerosos naufrágios na Ilha Trian ou os belos acandilados de Fiord. Se gosta de mergulho submarino, no Mar Vermelho encontrará um verdadeiro paraíso com águas em calma que oferecem uma visibilidade perfeita de uma variada e corista fauna marinha.

No Egito pode-se praticar qualquer tipo de esporte em condições timas: vôo sem motor em Embaba, golfe nas principais cidades, (O Cairo, por exemplo, conta com dos campos de nove covas), equitação,podendo percorrer as pirâmides e os oásis em cavalos, tênis e natação em todo o país pois quase todos os hotéis contam com as instalações adequadas, remo nos mais de 10 clubes situados na margem leste do Nilo e caça, em Dokki, onde lhe proporcionarão toda a informação necessária.

Não deixe de acudir às corridas de cavalos. A pura raça árabe é uma das melhores do mundo e no hipódromo de Heliópolis poderá desfrutar de excitantes corridas. Ademais poderá realizar apostas e desfrutar com o ambiente. Também se pode visitar algumas quadras com mais de 50 anos de tradição como é o caso doBaeia.

Se o que você procura é diversão depois de uma excitante mas agitadora jornada, Egito não lhe defraudará.

Nas principais cidades pode-se encontrar uma completa variedade de espetáculos: Clubes Noturnos com distintas atuações, como as da famosa dança do ventre (esta dança provem dos movimentos realizados pelas gestantes à hora do parto e no Egito já aparece no interior das tumbas faraônicas); Teatros como o Nacional de Azybekia, o Gomhouriya, o Ballon ou o Teatro de Bonecas doCairo, que merece especial menção; Cinemas nos que se projetam tanto filmes estrangeiros como nacionais (Egito produz uns 50 filmes anualmente e é conhecido como o Hollywood do leste pois nele se roda quase toda a produção do mundo árabe); pera, tanto em Alexandria como em O Cairo pode-se escutar, sobretudo, o repertório italiano; Música Clássica interpretada pela Orquestra Sinfônica doCairo; belas Coreografias já seja da mano do Balé Nacional ou do Grupo Nacional de Dança Popular ou bem, desfrutar como crianças com o Circo Nacional do Egito fundado em 1906 e que atualmente conta com três companhias, dois em gira e uma permanente em O Cairo. Se prefere bailar ou jogar não se preocupe, a maioria dos hotéis contam com discoteca, casino e club noturno.

Não se esqueça de realizar detenidas visitas aos inumeráveis museus, com temáticas variadas e de boa qualidade. Excepcionais são o Museu Copto e o Museu Islâmico em O Cairo, assim como o Museu Greco Romano de Alexandria. Embora é impossível visitar todos os museus somente numa viagem, lhe aconselhamos que se aproxime ao Museu Marítimo de Hurgada no Mar Vermelho, ao de Antigüidades Egípcias em O Cairo, ao Museu de Luxor, ao Museu de Historia Natural em Alexandria ou ao Museu de Ismailía. Como curiosidades visite a Coleção de Pássaros Naturais do Egito, o Centro Folclórico com a coleção de trajes, instrumentos musicais e artesanato procedente dos oásis e a Casa Gayer Anderson, composta por duas casas islâmicas dos séculos XVI e XVII, todos eles em O Cairo.

FESTIVIDADES

Os egípcios celebram suas festas dependendo da sua religião: os muçulmanos procedentes do Islam e os coptos procedentes da antiga tradição egípcia.

Ambos festejam as festividades de carater nacional. Se quiser desfrutar de alguma delas deve-se ter em conta que as datas são aproximadas pois em Egito existem três calendários, o gregoriano, igual ao resto de países ocidentais, o copto, baseado no ciclo solar e coincidente nos meses com o calendário gregoriano e o islâmico, regido pelo ciclo lunar que é 11 dias mais curto que o ocidental.

Festas Nacionais

Dia dos Sindicatos, 1 de janeiro e 2 de fevereiro.
Dia da União, 23 de fevereiro.
O dia de Liberação do Sinai é recordado em 25 de abril.
1 de maio, igual que em Europa, celebra-se o Dia do Trabalho.
18 de junho se comemora a "Retirada das tropas britânicas".
23 de julho os egípcios saem às ruas para contemplar os desfiles que se fazem para celebrar a proclamação da República do Egito em 1952.
6 de outubro os desfiles voltam a ocupar as ruas para comemorar o começo da guerra de 1973 contra Israel no Dia das Forças Armadas.
24 de outubro é o Dia de Suez, agradecendo os beneplácitos que o Canal aporta à vida dos egípcios.
23 de dezembro é o Dia da Vitoria.

Sharm il Nassim significa "olor da brisa" e é a festa nacional que celebra o começo da primavera. Esta festividade se remonta aos tempos dos faraós. Nela os egípcios saem às ruas para ver como as plantas e animais despertam a uma nova vida. Esta festa é única no mundo, é parecida com uma antiga celebração cristã na que se pintavam ovos de cores para dar a boas vindas à Primavera.

Festas Coptas

Em janeiro celebram-se duas festas religiosas, no 7 o Natal e 19 a Epifania. O Ano Novo copto celebra-se em 11 de setembro. E somente se celebram duas festas mais, 21 de março a Anunciação e 15 de agosto a Festa da Virgem Maria.

Festas Islâmicas

Há que dizer que as festas muçulmanas variam cada ano de acordo com calendário lunar. Se deslocam aproximadamente 13 dias menos com respeito ao ano anterior (do calendário gregoriano). Por exemplo, se uma celebração muçulmana se festejou em 20 de julho do ano 1996, no ano 1997 se celebrará, aproximadamente em 7 de julho.

Para os muçulmanos o Ano Novo começa no primeiro dia do Moharram. Na segunda quinza de janeiro os muçulmanos desfrutam enormemente com o Aïd el-Fitr, a festividade que marca o fim do mês santo do Ramadán. Durante três dias os muçulmanos desfrutarão de deliciosos manjares e de animadas tertúlias.

Também celebram as "mulids" festas em que se veneram aos santos locais. O décimo dia desse mesmo mês tem lugar a Comemoração da Ashura, a entrega a Moisés dos Dez Mandamentos.

A princípio de abril chega o Aïd el-Kebir na que os muçulmanos comemoram o sacrifício de Abraão e é conhecida popularmente como a Festa do Carneiro.

A meados de maio começa o ano muçulmano, o primeiro dia da Hégira, o Primer Moharem.

A meados de julho se comemora o Mulud, a celebração do nascimento do Profeta.

No final de outubro ou princípio de novembro celebra-se uma das mais importantes festividades para os muçulmanos, o Aniversário do Profeta. Os egípcios saem em procissão com trajes históricos, cavalos, música e doces.

O Laylat O Esraa comemora o vôo do Profeta de Jerusalém ao céu, enquanto que a Mulid de Abud el-Haggag recria a festividade da deusa Opet dos tempos faraônicos em Luxor.

Transportes

Avião

Uns 98 % dos viajantes que chegam a Egito o fazem em avião. Desde diversas cidades européias existem vôos diretos ao Cairo. Egyp Air e Air Sinai conectam às principais cidades do país. As distâncias não são muito grandes e os bilhetes são mais econômicos. Porém, os horários não podem ser cumpridos. Há vôos de Egyp Air entre O Cairo, Alexandria, Luxor, Assuán, Abu Simbel, Hurgada, Marsa, Sharm el-Sheik, Al-Arish e ao Oasis de Jarga. Air Sinai voa desde O Cairo até Arish Sharm o Sheik, o Monastério de Santa Catarina e Tel Aviv. ZAS é uma nova linha aérea que cobre também as principais rotas internacionais.

O aeroporto do Cairo está muito bem comunicado através de um excelente serviço de ônibus que cada 20 minutos se dirigem ao centro da cidade (também o número 400, ônibus público, tem itinerário até o centro). Os taxis brancos e negros, não faltam no terminal, mas lembre-se que deve regatear o preço antes de utiliza-los.

Barco

Existe serviço direto entre Egito e diversas cidades européias, especialmente desde os portos italianos, gregos e turcos. Deste modo pode-se viajar com carro próprio na mesma balsa. Se decide trasladar-se a Egito em embarcação própria existem vários portos esportivos tanto em O Cairo como em Alexandria de distintas categorias adaptadas a todas as embarcações.

Os cruzeiros pelo Nilo são um dos máximos atrativos do país. Uns 60 barcos oferecem esta sonhada viagem que pode durar um só dia com almoço ou jantar incluídos, ou de cinco dias e quatro noites entre Luxor e Assuán. Os preços não são excessivos.

As falucas são um meio excelente para percorrer o mítico rio Nilo. Embora não oferecem as comodidades dos cruzeiros, têm encanto e oferecem uma maior sensação de aventura.

Trem

Os trens egípcios unem O Cairo com o Vale do Nilo, o Delta, as cidades do Canal e com Alexandria. Convém fazer a reserva com antecedência e comprovar que os dados do bilhete são corretos. Se pode viajar em primeira classe, segunda classe com ar acondicionado, segunda, terceira e Wagon-Lits. Existe um serviço diário de camarotes (wagom lits) entre O Cairo, Luxor e Assuán. O serviço é cômodo, pontual, rápido e barato. Não se surpreenda se nas estações encontra bilheteria separadas para homens e mulheres.

Ônibus

Existe uma excelente rede de ônibus que percorre todo o país a preços moderados.

Existe quatro companhias principais: a União de Transportes Árabes, com unidades de luxo, unindo as cidades do Cairo e Alexandria; Empresa de Ônibus do Oeste do Delta; Empresa de Ônibus do Este do Delta e a Empresa de Ônibus do Alto Egito. Os bilhetes se pode adquirir nas bilheterias das estações ou bem, diretamente no ônibus. Recentemente os ônibus que partem do Cairo para o Delta, Marsa, Matruh, Hurgada, Luxor e Assuán, o hacem desde uma novo terminal que encontra-se perto do Hotel Hiltom Ramses.

As rotas de ônibus mais freqüentes são: Alexandria - Marsa; O Cairo - Alexandria; O Cairo - Luxor e Assuán; O Cairo - Hurgada; Luxor - Assuán; Luxor - Hurgada e Assuán - Abu Simbel.

Também pode-se viajar entre uma cidade e outra em taxis (bijous), que podem encontrar-se nas proximidades das estações. geralmente realizam rotas estabelecidas e partem quando todos os assentos estão completos. Os microônibus funcionam como os taxis, só que aceitam até 12 passageiros. Outra possibilidade, não muito aconselhável, são as pequenas furgonetas com caixas (chamadas pick up), com capacidade para 12 passageiros.

Carro

Não é recomendável viajar desde Europa até Egito em carro. A distância é considerável e a viagem realiza-se por estradas que não estão em boas condições.

Ademais, o combustível de distintos octanagens podem afetar os motores dos automóvel. Em caso de avaria nem sempre se encontram peças de recambio pelo que convém levar as mais necessárias desde o país de origem.

Se ainda assim decide faze-lo tenha em conta que:

Se pode entrar no país bem através de um transbordador, por terra desde Israel ou desde Sudám no sul.
O carro tem que pertencer a um Club Automobilístico, em caso contrario tem-se de pagar um imposto de alfândega de um 250%.
Se necessita carteira de conduzir internacional e licença internacional para o carro que expedem os clubes automobilísticos.
A permissão de estadia é de 90 dias. Si se quer estar mais tempo há que renovar o permissão no Club de Carro do Egito que tem escritórios em O Cairo e Alexandria.
É necessário contar com um seguro à chegada. No momento da entrada há que deixar um depósito por imposto de estradas e por direitos de alfândega do que somente se recupera uma parte.
Conduzir pelo país é perigoso e é melhor que não visitar os oásis de noite. Encontrará numerosos controles nas estradas onde lhe pediram a documentação, um mero trâmite.
Há que ter cuidado com os roubos de veículos ou de artículos que se encontrem em seu interior.
O tráfico nas cidades é muito intenso, sobretudo em O Cairo.
Os postos de gasolina podem estar muito distantes uns dos outros, assegure-se de que leva combustível suficiente e não é exagero levar algum galão extra.
Para avisar quando decida ultrapassar deverá tocar a buzina com intensidade.
O limite de velocidade é de 90 km/h. Em estradas.
Se sofre qualquer tipo de acidente acuda à polícia.
Para alugar um veículo em Egito há que ter mais de 25 anos e o já mencionado carne internacional de conduzir. Nos aeroportos e principais cidades existem escritórios das principais empresas internacionais de aluguel de veículos.

Transportes Públicos

Os ônibus públicos, só estão presentes em O Cairo e Alexandria. geralmente vão cheios e não são muito aconselhaveis. O Cairo é a única cidade de África que possui metrô sinalizado com uma M vermelha, é um transporte cômodo, rápido e barato. Funciona das 5:30 h. às 24:00 h nos meses de inverno. Em verão até a 1:00 h. Somente há uma linha com mais de 30 estações (desde os bairros de Helwam para Al-Marg, perto de Heliópolis).

Os taxis são toda uma aventura. Primeiro há que pactuar o preço do trajeto através de um intenso regateio, depois indicar o trajeto e a continuação deixar-se afundar, sem medo, na excitante corrida pelas ruas da cidade, como se de um rally se tratara. Pode afirmar-se que os taxistas têm um modo de conduzir algo ousado. Em O Cairo e Alexandria encontrará serviço de tranvias.

Fonte: www.rumbo.com.br

Check Also

Figuras Geométricas Planas

As figuras geométricas que tem todos os pontos no mesmo plano são denominadas figuras geométricas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 10 =