Breaking News
Home / Turismo / Índia

Índia

 

O continente indiano é o lar de uma das civilizações mais antigas e mais influentes do mundo.

Índia, devido à sua história e cultura, ainda marca a evolução espiritual da humanidade.

Antiguidade na região dos Hindus

Já em 5000 aC. BC aproximadamente, cada vez mais agricultores querem a sua subsistência e começam a povoar o vale dos Indus e se reunir em aldeias.

Por volta de 2600 aC. AC, alguns se transformam em centros urbanos, formando assim a base da civilização de Harappa na história contemporânea de civilizações egípcia e da Babilônia. Foi durante este período que o hinduísmo é a religião mais antiga do mundo, começando a tomar forma na Índia.

Ao contrário do que aconteceu com os egípcios e babilônios, não foi até muito mais tarde que a ndia conseguiu implementar um Estado centralizado. O primeiro império indígena que se estendeu por quase todo o continente, toma forma durante o Maurya (325-185 aC).

Índia

História

O Império Maurya em seu máximo grau com o lutador Chandragupta Maurya levou uma grande parte do território que irá formar o Império Maurya.

O efeito surpresa produzida por seus elefantes de guerra lhe permita vencer a luta contra Seleuco, que sucedeu a Alexandre, o Grande e direcionava as colônias grego ao leste do Irã e da Índia.

É, no entanto, sob o reinado de do grande filho de Chandragupta, Ashoka (272-232 aC.) que o Império Maurya atingiu o seu pico, e abrangeu todo o subcontinente, com a exceção de o extremo sul.

Índia de Ashoka teveum sistema de administração e cobrança de impostos desenvolvido, considerando que o comércio prosperava na construção de estradas.

Durante o seu reinado, a Ashoka convertido ao budismo interrompeu as conquistas violentas para viver uma vida mais moral.

Seus ensinamentos morais são ainda inscrito em pilares e paredes rochosas em toda a Índia.

História de invasões árabes na Índia

Um século mais tarde, a desintegração do império Maurya deu à luz a muitos reinos inimigos, Gupta e Rajputs no Norte e Cola, Hoysala e Pandya no Sul, incapaz de se unir para lidar com a onda islâmica começou a quebrar.

As invasões árabes no primeiro sub-continente tiveram lugar na costa ocidental e em Sind, durante os séculos VII e VIII, enquanto as comunidades muçulmanas se estabeleceram na Índia e cpm comércio vivo por décadas.

A conquista incessante militar dos muçulmanos no norte da Índia, no entanto, data do final do século XII e é conduzido pela dinastia turco nascido das ruínas do califado abássida. Sultan Mahmud, que administrou mais de 20 campanhas na Índia 1001-1027 e Tamerlão (Timur), Tashkent cria um grande império, mas fugaz, abrindo o caminho para a conquista.

Em 1186, o reino foi destruído por Ghurides que sairam para conquistar os reinos de Rajputs e estabelecer um sultanato muçulmano em Nova Délhi, onde uma sucessão de senhores passou a liderar o Norte até 1526. Estados muçulmanos foram, por sua vez, suplantado pelo Império Mughal (1526-1761), fundada por Zahir al-Din Muhammad Baber (1526-1530). Originalmente mongol Baber é um descendente da quinta geração de Timur e da geração de Genghis Khan XIV.

Por uma série de blitzes iniciados em 1511, ele invadiu o Punjab e Hindustan. Akbar, o Grande (1556-1605), seu filho-neto, continuou a conquistar o sub-continente e invadiu Gujarat, Bengala e Rajasthan. No seu auge, o reino Mughal teve recursos sem precedentes na história da Índia e cobriu quase todo o subcontinente.

História da Índia: o período moderno

Em 1740, o Português, o holandês, as colônias inglesas e francesa fundada todos, mas as possessões francesas foram cedidos para a Companhia Britânica das Índias Orientais após a Guerra dos Sete Anos. O colapso do império Mughal leva a um vácuo de poder que a British East India Company vai encher. Se os britânicos não têm de começar alguns contadores, eles rapidamente tomam o controle da rica província de Bengala, e continuam a expandir a partir daí.

Os aventureiros militares, com algumas tropas britânicas associadas com muitos auxiliares indígenas, ganhou várias vitórias contra os Mongóis incríveis príncipes morrendo e estados independentes, como Mysore e Rajputana ou o Marathi Confederação.

Em 1850, todo o sub-continente é controlada pelos britânicos, diretamente ou através de alianças.

Np quarto de século após o motim violento indiano de 1857 a 1859, o que levou transferência da gestão da Companhia Britânica das Índias Orientais à Coroa britânica, termina com o nascimento de agitação nacionalista.

A emancipação

O Partido do Congresso realizou sua primeira reunião em dezembro de 1885 em Bombaim, enquanto as tropas indianas servem sob a bandeira britânica no conflito na Birmânia Superior.

Mohandas Gandhi (1869-1948), mais tarde conhecido como Mahatma ("grande alma") é reconhecido por toda a Índia como líder espiritual de um movimento nacional para a independência.

O Jaliyanvalabagh massacre (1919) em milhões fervorosos nacionalistas de índios que apoiaram moderada pacientemente e lealmente o Império britânico na Índia.

Os últimos anos de domínio britânico foi marcada pelo conflito entre hindus e muçulmanos, onde a violência está aumentando e intensificando a oposição ao governo estrangeiro.

Em julho de 1947, o Parlamento britânico aprovou a Lei de Independência da ndia, que prevê a delimitação dos Domínios da Índia e Paquistão antes da meia-noite, 14 de agosto de 1947, dividindo o espaço em apenas um mês os ativos da colônia maior e mais rica na história.

Hoje a Índia é a maior democracia da história, sua população é estimada em mais de um bilhão de habitantes. Embora não haja pobreza generalizada, é considerada uma das potências emergentes do mundo.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Índia

ÍNDIA, A MAGIA DO ALÉM

A Índia é fascinante. Terra onde convivem numerosas etnias e diversas culturas em entornos naturais de grande beleza, cativa e seduz, como um delicado amante, todo aquele que a visita.

Desde os nevados cumes do Himalaia até os vales férteis do interior passando pelas intrincadas selvas e os dourados desertos, as paisagens indiananas são formosas. Nessa inusitada beleza une-se uma fauna única no mundo com misteriosos tigres, impressionantes rinocerontes de um chifre só, búfalos, leões asiáticos, panteras, milhares de cervos e milhões de aves que sobrevoam os céus durante a época da migração. Alem disso, a Índia conta com paradisíacas praias de areia fina e ilhas virgens de águas transparentes que fazem as delícias dos amantes do mar.

Hindus, muçulmanos, jainistas, sijs, cristãos e outros muitos fieis de diversas crenças convivem numa sociedade multi-racial oferecendo um espetáculo que resulta surpreendente aos olhos ocidentais.

Turbantes e saris de brilhantes cores, templos, mesquitas, igrejas, palácios, peregrinos que tomam banho nas águas sagradas, enquanto as fogueiras funerárias ardem ao lado, bazares com vida própria cheios dos mais variados produtos, festivais e cerimônias que celebram a cada um dos meses do ano, tudo isso embrulhado em uma hospitalidade, amabilidade e simpatia que caracteriza o povo indiano.

São estes os elementos que fazem com que os estranhos entrem, sem perceberem e nem sentirem que fazem parte deste misterioso mosaico. Não duvide e deixe-se envolver por esta mágica fascinante que somente a Índia é capaz de provocar.

Localização

Situada na Ásia Meridional, a Índia ocupa uma extensão de 3.165.596 quilômetros quadrados que limitam-se ao oeste e ao noroeste com Paquistão, ao norte com China e Nepal, ao nordeste com Bután e Sikkim, ao leste com Myanmar (Birmânia), ao sudoeste com o Mar Arábigo, ao sul com o Oceano Índico e ao sudeste com o Golfo de Bengala.

Na Índia distinguem-se três zonas claramente diferenciadas: a parte peninsular meridional, O Dekán, de forma triangular, a Planície Indo-gangética e Cordilheira do Himaláia. Esta mística montanhosa está formada por alinhamentos paralelos e dispostos em arco que extendem-se ao longo de 3.000 quilômetros e cuja altura média é de 6.000 metros (sendo o Nanda Devi e o Anapurna os cumes mais altos com 8.000 metros), convertendo-se numa barreira praticamente infranqueável.

A rede fluvial indiana conta com dois grandes conjuntos. Na zona setentrional destacam-se o Ganges e seus afluentes como o Brahmaputra, o Yamuna e o Gogra entre outros; e o Indo com os rios de sua bacia, o Jhelum, o Chenab e o Sutej. Ao sul peninsular fluem o Narmada e o Taptí na zona do Mar Arábigo e o Mahanadi, Godavari, Krishna e Cauvery, na do Golfo de Bengala.

Fazem parte da Índia as Ilhas Minicoy e o grupo das Laquedivas no Mar Arábico e os arquipélagos das Adamán e de Nicobar no Golfo de Bengala.

O clima é tropical e ventoso, exceto na zona montanhosa do Himalaia. A paisagem é muito variada e pode-se contemplar desde zonas muito áridas, como no deserto de Thar junto Paquistão, até bosques e savanas ervosas, que ocupam a quinta parte do território indiano.

Fauna e Flora

A Índia oferece um diverso e exuberante patrimônio natural, onde embora tenha sofrido a depredação indiscriminada do homem, ainda pode-se contemplar um espetáculo magnífico.

A mística do Himalaia encerra múltiplos tesouros ecológicos escondidos após as extremas temperaturas. Á medida que se sobe vai descobrindo os bosques de velhos ventos, rododendros, musgos, líquens, fetos, orquídeas, pinheiros indianos, ciprestes, cedros e alerces. Estes bosques estão lotados de mitos de cabeça vermelha, rabilargos de bico vermelho, tragopanes, quebrantahuesos e minivetes vermelhos.

Também pode-se ver ursos pretos Tibetanos, ardilhas voadoras, lontras, martas de pescoço amarelo e a mucura listada. Os rebanhos de bodes e ovelhas selvagens são seguidos de perto, pela pantera das neves e, com um pouco da sorte também, pode contemplar o panda menor, conhecido como urso gato.

Porém, a paisagem mais célebre da Índia é a selva, esse terreno onde o tigre é o rei. Aliás, no país também pode-se encontrar savana, desertos e estepes. Os bosques têm sido vistos seriamente dizimados e os animais têm corrido um sério perigo de extinção, mas a política de proteção, promovida nos anos setenta, tem permitido conservar boa parte deles.

Das zonas mais secas às mais úmidas pode-se encontrar bosques secos onde predominam as acácias, mangas, figueiras, palmeiras, teaks e bosques úmidos cheios de bambus. Estas paisagens são o habitat natural de cervos como o antílope indiano, as baransigas, os chitais o os muntjacs.

Também pode-se ver gaúres, bois selvagens parecidos aos búfalos, queixadas, elefantes, rinocerontes indianos, langures, macacos, leopardos, panteras pretas, leões asiáticos, panteras nebulosas, ursos bezudos, cobras, mangostas, gaviões, e golfinhos do Ganges.

As aves estão representadas pelas corujas, estorninos, urubús, alimoches, milanos pretos, araras, bulbules, pardais grandes, drongos pretos, grullas antígonas, pelícanos, garças, cotorritas de Kramer, avefrías, cormoranes pigmeos, búhos peixeres, águias crestilaas e muitas mais.

O animal mais emblemático da Índia é o tigre, poderoso e belo, mas sua caça indiscriminada conseguiu que dos 50.000 tigres recenseados no princípio do século, ficassem apenas 2.000 em 1969. Perto da extinção, o "Projeto Tigre", iniciado em 1973 pelo Fundo Mundial para a Proteção da Natureza, junto com o governo indiano, conseguiu criar parques e reservas, onde este magnífico animal pudesse sobreviver.

História

Orígens

Os primeiros povoadores da Península do Indostán foram os melanos, chamados assim pela cor preta da pele, e que habitaram nesta zona durante o Paleolítico.

Já no neolítico cushitas e drávidas deslocaram aos melanos desenvolvendo um modo de vida mais avançado.

A conhecida Cultura de Harapa é a civilização urbana mais antiga da Índia, remonta-se a 2.500 anos a.C. Nas zonas de Ropar, Punjab, Lothal, Kalibangan, Gujarat e Rajasthán. Nas duas cidades mais importantes desta cultura, Mohenjo Daro e Harapa, pode-se observar excelentes mostras do elevado grau de desenvolvimento alcançado por este povo, como é o traçado das ruas, o sistema de evacuação das águas residuais, locais públicos como banhos, armazéns de grão e talheres, onde fundiam-se diversos objetos de bronze, chumbo e estanho, diversas moedas, assim como, sua escrita pictográfica que ainda não tinha sido decifrada.

Período Védico

Em 1500 a.C. começam chegar à região do Indo os indo-europeus ou ários, cuja vida narra-se nos Vedas, livros sagrados escritos em sânscrito. Este povo estabelece-se na zona do Punjab, dedicando-se fundamentalmente à agricultura e pastoreio. Com o passo dos anos tornam-se mais sedentários, abandonando o pastoreio e dedicando-se plenamente ao cultivo de cevada, gergelim, pepino, abóbora e cana de açúcar.

Este assentamento levou o governo das diferentes tribos (com a eleição de um chefe, cargo que acabou sendo hereditário) a realizar uma divisão de classes, dependendo do trabalho efetuado. Assim, os ários ocuparam os principais postos, enquanto que os habitantes da pele escura passaram a ser escravos formado a casta "varna" que significa textualmente, cor. Os ários por sua parte dividiram-se em brahmanes, sacerdotes, kshatriya, guerreiros, vaishya, agricultores e shudra (servidores).

É nesta época quando surge a idéia da reencarnação, doutrina do Karma, que justifica o modo de viver de uma pessoa como castigo ou prêmio por sua atuação em vidas passadas.

No século VI a.C. as crenças dividem-se seguindo, bem a pregação do príncipe Gautama Buda que dará lugar ao Budismo ou então à Mahavira fundador do Jainismo. As duas doutrinas procuram atingir a felicidade, o nirvana, após anular todo desejo através da meditação, a verdade, o não a violência e a futilidade.

Nascimento do Estado

No século IV a.C. Chandragunta constitui um grande império que extende-se desde o Indo até o Ganges. Porém é sob o reinado de Ashoka, 269 até o 232 a.C., quando a dinastia Maurya consegue extender-se por quase todo o sub-continente indiano, difundindo amplamente o budismo. Com a morte deste rei o Império Maurya desintegra-se sendo seu território invadido desde o século II a.C. até o II de nossa era pelos escitas, hunos, iranios, gregos de Bactriane e partos entre outros, que constituem numerosos estados continuamente em guerra.

Os Sultãos e o Império mongol

No século VIII penetram na Índia os árabes, sob a chefia de Muhammad ben Qasim ocupando grande parte do Punjab, mas é na invasão do século XIII, que a cultura islâmica alcança seu apogeu sendo o Sultão de Delhio, quem controlava em boa medida todo o sub-continente indiano. Seis dinastias ao longo de 230 anos governaram o país até que, em 1398 os mongóis de Tamerlán destruiram o Sultão.

Um descendente de Tamerlán, Zahir Para o Din Muhammad Babur, funda o império mongol na Índia em 1526. Seu neto Akbar conseguiu consolidar o império, e Jahangir e Shah Jahn difundiram a cultura e a riqueza do país. Shah Jahn entrou para história por ter ordenado a construção do Taj Mahal em homenagem à esposa morta ao dar à luz a seu décimo-quarto filho.

A partir deste momento de esplendor inicia-se o declive do Império mongol, que favorecerá a entrada dos europeus, que irão aproveitar as lutas internas para conseguir favores econômicos, e ir adquirindo cada vez mais poder através das diversas Companhias das Índias Orientais.

A penetração colonial

Nos finais do século XV os portugueses, dirigidos por Vasco de Gama, estabelecem-se em Goa. No século XVI holandeses e franceses diputam com os lusos o domínio da Índia e no XVII, os ingleses estabelecem-se em Madrás, Bombai e Calcutá.

A Grã- Bretanha, graças a seu domínio militar frente aos outros países europeus e sua esperteza para utilizar a seu favor as lutas internas indianas, consegue quase todo o território indiano no século XIX. A dureza da dominação provocou a elevação dos cipaios, cuja cruel repressão serviu para que em 1858 a Companhia das Índias, cedesse seus direitos à coroa. Em 1877, a rainha Vitória foi coroada imperatriz da Índia, mais os independentistas já tinham iniciado seu movimento.

Da Independência aos nossos dias

Mahatma Gandhi e o Congresso Nacional indiano, criado em 1885, reivindicaram a participação do povo indiano na política do país, através da resistência passiva, baseada na não-cooperação e desobediência civil. Em 1892 é dado o primeiro passo para a independência, a Grã- Bretanha concede direitos eleitorais restringidos, e em 1935, após várias campanhas de resistência passiva, concede-se uma Constituição que divide o governo central das provínciais.

Após o apoio do povo indiano à Grã- Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial, a coroa britânica concede a independência à Índia, no dia 5 de agosto de 1947, criando dois estados soberanos, Paquistão, de credo muçulmano e a União Índia, hindu, que a partir desse momento iriam disputar os territórios de Cachemira e Jammu.

Desde 1947 até 1964 ocupou o cargo de primeiro ministro Jawaharlal Nehru, que durante seu governo viu, como em 1950, a União Índia converter-se em República sob a presidência de Rajendra Prasad.

Após a morte do Pandit Nehru foi eleito primeiro ministro Bahadur Shastri que teve que fazer frente à guerra com Paquistão por Cachemira em 1965. Shastri morre no ano seguinte sendo relevado ao cargo por Indira Gandhi cujo primeiro mandato extender-se-ia até 1977 e cujo principal objetivo foi fortalecer-se frente ao Paquistão e China pelo que, em 1973 assina-se um acordo com a URSS e no ano seguinte é detonada a primeira bomba nuclear indiana.

Em 1977 Indira perde as eleições sendo eleito Morarji Desai que será substituido em 1979 por Charam Sing que irá ver-se obrigado a dissolver Parlamento e voltar a convocar eleições em janeiro de 1980. Estas eleições foram ganhas de novo por Indira Gandhi.

Dois anos depois é eleito presidente da república um sij, Zail Singh, e em 1984 reconhece-se esta seita como religião independente. Porém, os confrontos entre as forças de segurança indiana e os partidários sij liberam uma onda de violência que acaba com 300 integrantes desta seita no Templo Dourado e culmina com o assassinato de Indira Gandhi.

Seu filho Rajiv Gandhi é eleito primeiro ministro no dia 31 de Outubro, desse agitado ano. As acusações de corrupção e o ressurgimento dos caciques, provocaram a derrota eleitoral de Gandhi em 1988. O panorama político indiano vai toldando cada vez mais, durante esses anos até estourar a campanha para as eleições de 1991.

Rajiv Gandhi é assassinado no dia 21 de Maio desse mesmo ano em que morreram mais de 285 pessoas em toda a Índia sem contar as 700 do Punjab. Os 50 % do eleitorado absteve-se nessas eleições, onde foi nomeado primeiro ministro Narasimha Rao no dia 21 de Junho. Em Julho de 1992 é eleito presidente da República Sankar Dayal Sharma.

Arte e Cultura

A arte e a cultura indianas estão de uma forma influenciadas pelas religiões que professam-se neste país, em especial, pelo budismo.

As primeiras manifestações artísticas indianas são as plasmadas pela Cultura Harappa em cerâmicas e selos gravados. Durante o Período Védico escriveram-se livros sagrados que ainda hoje tem uma grande importância dentro da cultura indiana, o Mahabharata e o Ramayana. Durante o Império Maurya acontece o desenvolvimento das artes, em arquitetura, utiliza-se fundamentalmente a pedra e temas decorativos como a palmeta, capitais zoomorfos, princípios da doutrina budista e leões que simbolizam Buda.

Nesta época desenvolve-se o budismo e começa aparecer as construções típicas desta religião, as stupas, utilizadas para conservar relíquias, chaityas, santuários e viharas (mosteiros). Também começam aparecer representações de Buda, simbólicas ou então humanas, em forma de monge com o ombro direito descoberto e a palma da mão estendida para o fiel demonstrando a falta de temor.

A invasão muçulmana deixa também o seu pouso na arte da Índia, assim aparecem elementos islâmicos como alminares e bóvedas junto a mandapas e arcos de kudú, tipicamente hindus. Resultam impressionantes o Alminar de Qutb ud Din Aibak de 72.55 m., a Mesquita de Jaunpuro ou o Mausoléu de Sasaram.

Da dominação do Império mongol são próprias a riqueza dos materiais como o mármore branco e as pedras preciosas, as decorações em pedra engatada e a absorção de elementos naturalistas propriamente indianos. Estes dois estilos islâmico e mongol, fundem-se em construções únicas no mundo todo, como o Taj Mahal ou Forte Rolho de Delhi. São destacáveis também as miniaturas tanto indianas como mongóis deste período.

A Índia Britânica caracteriza-se pelos prédios de estilo colonial de brancas colunas e o conhecido como Babú, término pejorativo para descrever o EstiloVitoriano, principalmente neo-gótico.

A pintura indiana desenvolve-se em afrescos, tecidos e manuscritos e os temas costumam representar motivos religiosos, grandes façanhas ou elementos da natureza. As cores costumam ser brilhantes e intensas.

A literatura própria da Índia desenvolveu-se nas orígens, em manuscritos gravados em folhas de palmeira ou pergaminho, guardados em pranchas de madeira e embrulhados em tecidos. Este sistema de proteção tem conseguido a conservação, praticamente intactos, volumes dos séculos X e XI. Já na época medieval traduzem-se os poemas épicos Ramayana e Mahabharata e surgem autores tão importantes como o cantor cego Suldas, a princesa Meerabai e Jayadava com seu maravilhoso poema de amor Gita Govinda.

As dinastias mongóis, promoveram a produção de livros como as memórias de Babur, ou Tuzuk de Jahangir, o Babur Nama, o Timur Nama e o Akbar Nama, três livros que narram a crônica oficial daquela época. No último século a literatura indiana tem obtido reconhecimento mundial com o Prêmio Nobel de Literatura outorgado ao maravilhoso poeta Rabindranath Tagore, em 1913 e numerosos autores jovens como Mala Sen continuam na atualidadee fazendo-se um oco dentro do panorama literário mundial.

O cinema indiano é muito popular. Atores como Amitabh Bachcham são verdadeiros ídolos para o povo e de fato, vários atores, entre eles Bachchan, Ramachandram ou Rama Rao, têm passado ao mundo da política com bastante sucesso. Os temas dos filmes costumam ser moralistas, ou então sempre vence, como pode-se comprovar nos filmes dirigidos por Manmoham Desai, um dos diretores preferidos pelo público.

As canções e os bailes são outro ingrediente típico do celulóide indiano. Porém nos últimos dez anos tem começado a projetar filmes de conteúdo social como "Rao Saheb" de Viajaya Mehta que conta a precária situação da mulher na sociedade tradicional indiana e outras mostras de maior qualidade como "Holi" de Ketam Mehta ou "Ekte Jibah" de Raja Mitra.

Gastronomia

Se algo caracteriza à gastronoma da Índia é a fragrância e o peculiar sabor de suas especiarias. Todos os pratos estão temperados com as mais de 25 especiarias moidas com as que contam os cozinheiros indianos para dar seu toque pessoal. Cada combinação para os molhos é conhecida como masala.

Uma das mais conhecidas é o curri utilizado na atualidade em numerosos países europeus. A palavra curri procede da indiana "kari" que significa molho de especiarias Na realidade o curri é uma mistura de especiarias como o jengibre, cilantro, curcuma, noz moscada, cardamono e semente de papoula, embora também pode levar cravo e açafrão. Também utiliza-se muito na cozinha indiana o yogurte misturado bem com curri, bem com açúcar o com masala, quer dizer, outro molho de especiarias

Para começar pode-se tomar variados aperitivos como samosas, frituras, doisa e vodca.

As verduras são frescas e de grande qualidade. sobretudo no sul do país pode-se esperimentar pratos vegetarianos como o cutney de coco, os sambar com idili e os masala doisa (arroz fermentado e lentilhas). No país todos podem comer dhal, piré de lentilhas com vários vegetais, além dos deliciosos bajji raitas, yogurte com pepinos e menta. No norte do país, o arroz costuma substituir-se por tortas conhecidas como Puris, Chapatis e Nan.

Os pratos de carne são muito saborosos como o Rogam Josh, cordeiro ao curri, as Gushtaba, almondigas com especiarias em yogurtee, o Dham sak, cordeiro o frango com lentilhas ao curri e o Biryani, frango o cordeiro com arroz, com sabor a laranja e alinhado com açúcar e água de rosas. É interessante também a cozinha Tanduri baseada em frango, carne o peixe temperado com ervas aromáticas e assados em forno de barro. Como pratos nortenhos de carne destacam os kababs, espécie de brochetas de carne de cordeiro com verduras.

Como pratos de peixe destacam o pato de Bombai que, na realidade é um peixe chamado bombloe que consome-se frito ou com curri, o pomfret, salmão indiano, o Dahi Mach, peixe ao curri com yogurtee e sabor de cúrcuma e jenjibre e os Mailai, camarões ao curri com coco.

As sobremesas indianas são realmente deliciosas. Junto à frutas frescas como bananas, mangas, morangos, damascos, laranjas e granadas encontram-se uma grande variedade de doces na forma de pudins feitos com leite, pastéis e crepes. Os mais conhecidos são as Rasgullas, bolas de creme de queijo com água de rosas, os Gulab Jamuns, farinha e leite com xarope açucarado e as Jalebi, fritura de lentilhas banhadas em caramelo, de sabor muito curioso. Não deixe de provar o fantástico sorvete indiano, o Kulfi.

Como digestivo para depois das comidas os indianos comem pão, uma folha de betel recheada de anís e cardamomo.

Em todos os hotéis das grandes cidades pode-se comer cardápio internacional mas a cozinha indiana é muito gostosa e merece a pena conhece-la. Lembre-se que na Índia é costume comer com os dedos, porém, sómente com os da mão direita.

Bebidas

A bebida mais tomada na Índia é o chá que pode-se encontrar de múltiplas variedades. Costuma-se tomar com muito açúcar e leite. Os habitantes do sul preferem, porém, o café. Como bebidas típicas muito refrescantes destacam o Nimbu pani, de limão, o Lassi, creme de leite gelado e o água de coco ingerida diretamente do fruto.

A cerveja e a genebra nacionais são de excelente qualidade e não são caras. Encontra-se sem dificuldade todo tipo de refrigerantes, água mineral e licores ocidentais. É aconselhável beber água engarrafada. Se desejar tomar álcool lembre que é preciso uma permissão para sua consumação em Tamil Nadu e Gujarat.

Compras

Índia é um verdadeiro paraíso para os amantes das compras. Neste país pode-se adquirir milhares de produtos de todo tipo à preços mais que razoáveis, na realidade, muito baratos, mas é preciso pechinchar nos bazares e aconselhamos à tomar isso como brincadeira. Estamos convencidos que irá desfrutá-lo intensamente.

Os artesanatos são os artigos mais apreciados. Destaca a indústria têxtil por sua boa qualidade. São famosas as sedas de Benarés, Kanchipurano e as bordadas em ouro de Mysore. Também são muito solicitadas as telas de algodão de alegres cores de Rajastão, as desenhadas de Madrás, a lã de cachemir com os preciosos chalés de Pashmina, as sedas de Benarés e o shahtush e o himrro, mistura de algodão e seda com decorativos estampados.

São também preciosos os tapetes confecionados a base de retalhos de telas de diferentes tecidos, tamanhos e cores, resultam além de formosos, muito originais. Por outro lado, pode-se adquirir roupa a preços muito exequíveis, sobretudo, de algodão, brocados, telas com prata e bordados em preciosos saris.

Os tapetes de Cachemir tem fama mundial embora também sejam muito formosas as do Tíbete, de brilhantes cores.

As jóias indianas são muito admiradas. Destacam os adornos de grande tamanho realizados em prata de Rajasthán, a filigrana de Orissa, os desenhos do estilo mongol, o ouro talhado à mão em Kerala e Tamil Nadu e as pérolas de Hyderabad. Pode-se adquirir a bom preço lapis lázuli, safiras estrela, pedras lua, água marinhas e diamantes (entre outras pedras), para depois ingressá-las ao gosto do consumidor.

Os artigos em couro como malas, cinturões, bolsas e calçados compensam os desenhos tradicionais com a excelente qualidade.

Pode-se encontrar verdadeiras maravilhas como objetos de bronze e latão, formosas talhas em marfim, sândalo, ébano e pau rosa; cesteria, marquetaria em mármore, instrumentos musicais e peças de papel marchê realmente originais, sem esquecer os títeres do Rajasthán

Também pode-se encontrar cheirosas espécies, deliciosos chás, perfumados sabonetes e exóticas essências.

Na Índia pode-se adquirir magníficas antigüidades nas que abundam as falsificações e as limitações legais são estritas, não pode-se exportar bronzes, pedras e objetos com mais de cem anos de antigüidade.

Também é importante lembrar que está proibida a exportação de peles de animais protegidos, assim como marfim.

População e Costumes

Índia oferece um verdadeiro mosaico de raças, culturas e religiões. pretos, brancos, morenos amarelos, rojizos, budistas, muçulmanos, cristãos, jainistas, sijs e muitos mais conformam uma sociedade com 15 áreas lingüísticas no país todo. Porém, a cordialidade, amabilidade e simpatía são comuns a todos os indianos que transmitem aos visitantes seu conceito de vida harmoniosa através de seu impressionante calor humano.

A sociedade indiana continua à viver de acordo com o rígido sistema das castas no que cada pessoa está incluida em um grupo de acordo com o trabalho que realiza para a sociedade. Embora esta classificação seja mais flexível na atualidade, por ser impossível manté-la nos tempos modernos, já que por exemplo todo o mundo mistura-se nos transportes públicos. Porém, no seio das famílias ainda mantém-se, pondo especial cuidado na troca de alimentos, a eleição dos matrimônios ou a situação da maioria das mulheres indianas.

É seu maior paradoxo, a Índia é um país altamente tecnológico que, porém, segue guardado nos costumes mais tradicionais. Nas cidades as mulheres tem conseguido ocupar os mais altos cargos políticos como Indira Gandhi, ou trabalhar em bancos, indústrias e profissões liberais, mas nas zonas rurais sua situação segue sendo precária.

Ainda afogam-se meninas ao nascer ante a impossibilidade de pagar o dote ao futuro marido e ainda pode-se ver a imolação de viuvas jovens em fogueirass funerárias ao morrer seu marido e não poder pagar a "dívida" contraída com seu dote à família do finado.

Na Índia as condições de vida são duras. A esperança de vida é de 59 anos para os homems e um mais para as mulheres, morrem 78 crianças de cada 1.000 nascidos. Existe um médico por cada 2.471 habitantes e a alfabetização da povoação é 48%. Porém, talvez por sua maneira de entender a vida harmonizando todos os aspectos dela, os indianos são um povo que desfruta dos aspectos positivos com intensidade, transmitindo este sentimento a todo aquele que visitar seu país.

Entretenimento

Como antiga colônia inglesa, a Índia conta com um bom número de lazeres para desfrutar ao máximo o tempo livre.

A maioria dos hotéis contam com instalações adequadas para praticar esportes como tênis, squash, golfe, natação, equitação e, como não, criquet, hockey, bádminton e polo.

Se deseja emoções mais fortes existem várias opções. Pode-se descer de canoa pelos rios nevados do Himaláia, são famosos os quatro rios de Himachal Pradesh e as regiões de Ladakh e Garhwal. A asa delta é uma excelente maneira de desfrutar com os formosos paisagens indianas; existem clubes em Nova Delhi, Bombai, Shimla, Bangalore e Puné, entre outras cidades. Lembre-se que não pode praticar durante a estação dos monções.

Também pode-se voar de balão alcançando alturas superiores aos 800 pés ou praticar o vôo sem motor levado pelas suaves correntezas de ar indiano. Delhi conta com clubes desde onde pode-se partir para realizar estes vôos. Os amantes da montanha podem praticar trekking caminhando durante horas pela incrível natureza indiana entre florestas, lagos, pradarias de flores e cumes nevados, ou bem, alpinismo (exceto na época das monções), em Tughlaqabad, nas colinas de Aravalli, nos Ghats do Oeste e no Vale de Manali, entre outras zonas. Nos dois casos tem estações preparadas para acolher os montanheiros pelo que é aconselhavel acudir previamente aos escritórios de turismo para recolher informação.

E da montanha ao ardente deserto. Para desfrutar plenamente com as brilhantes cores das douradas areias pode-se realizar safaris de camelo através do deserto do Thar, Jaisalmer, Bikaner e Shekawati.

Os amantes da pesca poderão capturar peças tanto de água salgada como doce, desde trutas e mahseers até tubarões e karakaras. É preciso possuir uma licença, pelo que se deve acudir nos escritórios de turismo locais para obter informação.

Nas principais cidades pode-se desfrutar nos espetáculos tradicionais de dança e música indianas, discotecas, clubes, cinemas, teatros e museus.

Festividades

A Índia é toda uma explosão de luz e cor durante a celebração de suas festas que tem lugar durante o ano todo.

Janeiro e Fevereiro

Pongal, o festival da zafrade Tamil Nadu que dura três dias na segunda semana de janeiro.

O dia 26 de janeiro é O Dia da República, festa nacional especialmente celebrada em Nova Delhi com desfiles e danças folclóricas.

Durante o Elephant Maraton em Trichur, Kerala, mais de 100 elefantes agaloados participam em uma impressionante corrida.

O Vasant Panchmi é o festival hindu de caráter nacional no que as mulheres vestem saris amarelos para homenagear Sarasvati, a deusa da aprendizagem. Em Bengala transporta-se a deusa e seu consorte nas canoas iluminadas, enquanto cantam-se formosos hinos.

Sulajkund Crafts Mela (na primeira quinzena de fevereiro). Festival do Artesanato que celebra-se a meia hora de Nova Delhi.

Fevereiro - Março

Impressionante resulta o Festival do Deserto em Jaisalmer, deserto do Thar, onde celebram-se corridas de camelos, danças e bailes.

De caráter nacional é o Shivarati festa na qual, homenageiam Shiva com cantos, jejuns e orações.

No Festival da Danza de Khajuraho os mais famosos dançarinos indianos reunem-se nos templos de Khajuraho para demostrar sua arte.

Holi celebra-se no norte do país para dar as boas vindas à primaveira com o lançamento de água e pós coloridos.

Jaipur contempla uma procissão de elefantes formosamente enfeitados durante o Elephant Festival.

Três dias antes de entrar na Quaresma tem lugar o Mardi Gras, famoso carnaval de Goas.

Ramanavami, celebra-se em toda a Índia o nascimento de Rama, a encarnação de Vishnu, com representações teatrais.

A Semana Santa indiana tem como festas nacionais a Sexta-Feira Santa e o Domingo da Páscoa.

Março - Abril

Cada três anos celebra-se nestas datas em uma das quatro grandes cidades santas (Nasik, Ujjain, Prayag e Hardwar) o mais antigo dos festivais indianos, o Kumbha Mela, onde milhões de peregrinos purificam-se banhando-se nas águas sagradas do Ganges.

Realmente curioso é passar o ano novo, Vishu, em Kerala com fogos artificiais, comidas especiais, música e danças. Também nestas datas dá-se as boas vindas ao ano novo, Yugadi/Padwa em Andhra Pradesh, Karnataka e Maharashtra.

Abril - Maio

O Punjab oferece um magnífico espetáculo como Baisakni no que dança-se o famoso Bhangra.

O Puram é uma festa na que durante a lua nova celebra-se uma procissão de elefantes com guardas-sóis cerimôniais em Trichur, Kerala.

No Budda Purnima comemora-se o dia do nascimento de Buda.

Id/Id-ul-Fitr é a festa muçulmana para celebrar o fim do Ramadã. Também muçulmanos é o Urs Ajmer Sharif, peregrinação de centenas de milhares de fiéis que celebram a união do santo sufi com Deus.

Junho - Julho

Outra grande festa muçulmana é o Id-ul-Zuha de caráter nacional na qual, comemora-se o sacrifício de Abraham a Deus, sacrificando um animal e comendo cordeiro e macarrão.

O Rath Yatra é um impressionante festival que celebra-se em Orissa onde milhares de devotos arrastam colossais carroças desde o templo de Puri até o jardim sagrado de Gundichi Wadi.

Julho - Agosto

Como Teej os rajastanís dão as boas vindas aos monções.

No dia15 de agosto celebra-se o Dia da Independência da Índia.

No dia 27 de agosto tem lugar o Jannashtami, de caráter nacional, o aniversário de Krishna.

Setembro - Outubro

Espetacular o festival em homenagem ao deus com cabeça de elefante, Ganesh, no que figuras representativas deste deus são submergidas na água.

No dia 2 de outubro comemora-se o Aniversário de Mahatma Gandhi.

Com música, representações teatrais e danças populares celebra-se em todo o país o Dashera.

Novembro

Neste mês tem lugar a maior feira de gado maior, a Feira Bihar em Sonepur e Patna.

Dezembro

Como em quase todos os lugares do planeta os indianos celebram o Natal que resulta realmente exuberante em Goa, Bombai, Kerala e Tamil Nadu.

Transportes

Avião

O avião é o transporte mais utilizado pelos viajantes que chegam ndia. Mais de 50 companhias internacionais oferecem mais de 170 vôos semanais que acabam em um dos quatro aeroportos mais importantes do país: Delhi, Bombai, Calcutá e Madrás. Em todos eles pode-se tomar um ônibus para ir ao centro da cidade durante as 24 horas do dia, além do serviço de taxis.

Dentro do país os vôos nacionais estão cobertos por Air Índia, ligando 70 cidades a preços razoáveis e com um excelente serviço. Porém, uma possibilidade considerar é viajar com Jet Airways que comunica perto de 30 cidades do país.

É aconselhável fazer as reservas com antecipação, sobretudo em temporada alta e chegar ao aeroporto com mais de uma hora antes do embarque já que os trâmites sãodevagar. Paga-se uma determinada quantidade de rúpias se viajar para Afganistão, Bangladesh, Bután, Myanmar, As Maldivas, Nepal, Paquistão e Sri Lanka e outra maior se viajar no resto dos países.

Existem tarifas especiais muito interessantes como o "Discover Índia" que por uma pequena quantidade permite viajar durante 21 dias desde o primeiro vôo em classe econômica em todos os vôos nacionais de Air Índia. Não podem realizar-se escalas duas vezes no mesno lugar exceto para fazer conexões. Com o "Índia Wonder Fares" pode-se viajar durante sete dias pelo país, tudo a um preço muito competitivo.

Transporte Marítimo

Pode chgar à Índia através de cruzeiros organizados pelas companhias The Americam President Lines, British Índia Steam Navigation Company, Eastern Shipping Co. Lloyd Triestino, Messageries Maritimes e Scindiana Navigation. Estes cruzeiros costumam fazer escala em Bombai, Calcutá e Madrás.

No interior do país existem várias possibilidades: um transbordador que une Calcutá e Madrás com Port Blair nas Ilhas Adamán, assim como desde Cochin até as Lakshadweep. É muito formosa a viagem de barco que percorre os remansos de Cochin em Kerala.

Desde a Índia pode-se chegar a Sri Lanka de barco três vezes por semana em um tempo de três horas e meia. Estes serviços marítimos suaspendem-se durante a estação dos monções.

Trem

A Índia conta com a segunda rede ferroviária maior do mundo e a primeira da Ásia. Todo o país está conectado através de mais de 60.000 mil quilômetros de vias. Os percursos em trem são seguros e bastante baratos e para que a viagem seja confortável há que escolher com cuidado o tipo da passagem.

São aconselháveis os de primeira classe climatizados que situam-se entre os melhores do mundo (os mais caros), os wagons-lits de belinches com ar acondicionado de segunda classe e os chair-cars com ar acondicionado também de segunda. Os trens não climatizados em qualquer classe são muito incômodos sobretudo durante os meses quentes.

Os trens são mais lentos que os ocidentais e é conveniente fazer reserva de passagens com antecipação. Não esqueça de chegar com uma meia hora de antecipação antes da saída do trem para localizar sua vaga já que as listas de passageiros com o número da vaga aparecem uma hora antes da saída do trem no cais correspondente e em cada compartimento.

As tarifas especiais são o "Indrail Pass" (passagem de um ano de validez desde a primeira viagem) que permite o turista viajar pelo país todo. Pode-se adquirir por estrangeiros e indianos residentes no estrangeiro que devem levar o passaporte consigo em todo momento, já que a passagem é pessoal e intransferível. Não paga-se suplementos por reservas e nem por dormir nos beliches. Também existe o "Indrail Pass" para diversos dias, desde uma semana até noventa dias.

Se deseja fazer um percurso em um trem de luxo do estilo "eduardino", visitando Nova Delhi, Jaipur, Chittorgarh, Jaisalmer, Jodhpur, Bharatpur e Agra, pergunte pelo trem chamado Palácio sobre Rodas. Cada vagão tem salão, quatro compartimentos, dormitórios com duas literas, banheiro, chuveiro, serviço e cozinha. A tarifa inclui um serviço médico e diversas excursões.

Ônibus

No interior do país existe uma ampla rede de ônibus que liga as principais cidades, e principalmente aquelas nas que não existe rede ferroviária (como é o caso das povoações de montanha). As estações de ônibus, situadas nas principais vilas, oferecem diferentes serviços, desde ônibus expressos, com todas as comodidades, até viagens em linhas secundárias muito precárias.

Os ônibus urbanos não contam com um bom serviço embora sejam muito econômicos. Costumam ir lotados e a pontualidade não é seu forte.

Carro

A rede de estradas indianas é boa no traçado nacional que une as principais cidades e bastante precária no resto das cidades e povoados, sobretudo durante a estação das monções.

Para conduzir na Índia é impressindível oa carteira de condução, podendo conseguir uma provisória se apresentar o passaporte e uma permissão vigente nos escritórios das autoridades locais. É obrigatório um seguro contratado na Índia ou em uma companhia estrangeira, com gerência no país. Se viajar com carro próprio é necessário a carteira verde. Se poder alugar um carro, com motorista, que em ocasiões leva ar condicionado, pois resulta mais caro que um taxi normal.

Para obter informação sobre o estado das estradas pode recorrer ao Automobile Association of Upper Índia em Nova Delhi, ao Western Índia Automobile em Bombai, ao Automobile Association of Eastern Índia em Calcutá e ao Automobile Association of Southern Índia em Madrás. Não esqueça que na Índia circula-se pela esquerda.

Taxis e Rickshaws

Estes dois transportes urbanos cobram os percursos por quilometro. A maioria não conta com taxímetros mas devem ter a lista vigente de tarifas. Os rikshaws (espécie de palanque puxado por uma bicicleta) costumam ser 50% mais econômicos que os taxis. É aconselhável pechinchar preço antes de iniciar acorrida.

Outra alternativa são os motorickshaws.

Fonte: www.rumbo.com.br

Índia

"A cultura da Índia é a expressão de uma das mais antigas e diversificadas civilizações do planeta, portanto inclui grande número de manifestações em todos os campos."

Com regiões contrastantes tais como desertos e florestas tropicais, savanas e cumes nevados, com uma população extremamente heterogênea, de mais de 1 bilhão de pessoas, com centenas de religiões e deuses, com centenas de línguas e dialetos, com diferentes culturas e algumas delas ancestrais, com uma literatura clássica monumental, abrangendo a filosofia, a arte, a fisiocultura, o espiritualismo, a medicina, as artes marciais, a matemática, a economia, a astronomia, o direito e todos os ramos do conhecimento humano, que influenciou os persas, os gregos, os fenícios, os romanos, os árabes e que foi a base ancestral da moderna cultura européia como a conhecemos, deve ser difícil de ser compreendido.

Diversão

Os melhores programas são os templos, cheios de vida e misticismo. Visitar templos hindus é um bom programa na Índia, nas imediações sempre existe uma feira vendendo guirlandas de flores maravilhosas, frutas, doces, cereais, incenso, velas, tudo para serem oferecidos para as deidades dos templos. Muitos templos servem a prasada das deidades, refeições gratuitas que são os pratos oferecidos aos deuses, verdadeiras jóias culinárias e imperdíveis

Transportes

Não há vôos diretos do Brasil. As conexões mais usadas são as de Londres, Amsterdam e Frankfurt.

A partir de outubro de 2007 haverá a possibilidade de conexão para a Índia via Dubai, nos Emiratos Árabes.

Gastronomia

Se você for comer na rua o prato típico é o tali, que em hindi quer dizer prato feito. Vai ser uma porção generosa de arroz basmati (arroz aromático indiano, o melhor do mundo), dhal (uma espécie de lentilha ou ervilha), subji (um delicioso refolgado de legumes), chapati (o pão indiano que é muito parecido como o sírio) e chutnei (um picles) que pode ser de manga verde, pepino, ou outro vegetal qualquer.

Dinheiro

Se você for comer na rua o prato típico é o tali, que em hindi quer dizer prato feito. Vai ser uma porção generosa de arroz basmati (arroz aromático indiano, o melhor do mundo), dhal (uma espécie de lentilha ou ervilha), subji (um delicioso refolgado de legumes), chapati (o pão indiano que é muito parecido como o sírio) e chutnei (um picles) que pode ser de manga verde, pepino, ou outro vegetal qualquer.

Capital

Assim que você sai daquele ambiente artificial e padronizado dos aeroportos internacionais de todo o mundo, você já é arremessado ou tragado pela atmosfera tipicamente indiana.

Ao sair na rua você vai ver aquela multidão de pessoas calmamente sentadas para comer ou deitadas para dormir na rua, ou fazendo as suas necessidades fisiológicas, em meio àquelas vacas de rua que esmolam calmamente dos transeuntes, uma multidão de táxis querendo disputar você a tapa, de ambulantes, de curiosos, o barulho dos ônibus fumacentos avisando que já estão para partir, o cheiro de fritura no óleo de mostarda, de fogareiros queimando esterco de vaca seco e aquela algazarra que só existe mesmo na Índia.

Idioma

O inglês e a chamada língua franca na Índia, onde existem 80 línguas oficiais, uns 400 dialetos e mais de 10 diferentes alfabetos. A maioria dos indianos, ao menos no Norte e na Bengala, têm um vocabulário de umas 80 palavras em inglês e você pode se arranjar facilmente para saber o preço das coisas, indagar onde fica algum lugar, que plataforma pegar o trem, para comer, etc. Mas não espere ter uma conversação em inglês, o que a maioria os indianos sabe de inglês é o inglês que as pessoas da rua no Brasil são capazes de entender.

Fonte: www.souturista.com.br

Índia

Nome oficial: República da Índia (Bharat Juktarashtra).

Nacionalidade: indiana.

Data nacional: 26 de janeiro (Proclamação da República); 15 de agosto (Independência); 2 de outubro (aniversário de Gandhi).

Capital: Nova Délhi.

Cidades principais: Mumbai (ex-Bombaim) (aglomerado urbano: 15 725 000 em 1996; cidade: 9 925 891 em 1991), Calcutá (aglomerado urbano: 12 118 000 em 1996; cidade: 4 399 819 em 1991), Nova Délhi (aglomerado urbano: 10 298 000 em 1996; cidade: 7 206 704 em 1991); Madras (5 906 000), Bangalore (4 749 000) (aglomerados) (1995).

Idioma: hindi (oficial), línguas regionais (principais: telugu, bengali, marati, tâmil, urdu, gujarati).

Religião: hinduísmo 80,3%, islamismo 11% (sunitas 8,2%, xiitas 2,8%), cristianismo 3,8% (católicos 1,7%, protestantes 1,9%, ortodoxos 0,2%), sikhismo 2%, budismo 0,7%, jainismo 0,5%, outras 1,7% (1991).

Geografia

Localização: centro-sul da Ásia. 
Hora local:
 +8h20. 
Área:
 3 287 782 km2. 
Clima:
 de monção (maior parte), tropical, equatorial (S), árido tropical (NO), de montanha (N).
Área de floresta:
 650 mil km2 (1995).

População

Total: 1 bilhão (2000), sendo indo-arianos 72%, drávidas 25%, mongóis e outros 3% (1996). 
Densidade:
 308,32 hab./km2. 
População urbana:
 28% (1998). 
População rural:
 72% (1998).
Crescimento demográfico:
 1,6% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade:
 3,13 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F:
 62/63 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil:
 72 por mil nascimentos (1995-2000). 
Analfabetismo:
 44,2% (2000). 
IDH (0-1):
 0,563 (1998).

Política

Forma de governo: República parlamentarista. 
Divisão administrativa:
 25 estados. 
Principais partidos - do Congresso, do Povo Indiano (Bharatiya Janata) (BJP). 
Legislativo:
 bicameral - Conselho de Estado, com 245 membros (a maioria eleita pelas assembléias estaduais e o restante indicado pelo presidente) com mandato de 6 anos; Casa do Povo, com 545 membros (543 eleitos por voto direto e 2 nomeados pelo presidente) com mandato de 5 anos. 
Constituição em vigor:
 1950.

Economia

Moeda: rúpia indiana. 
PIB:
 US$ 430 bilhões (1998). 
PIB agropecuária:
 29% (1998). 
PIB indústria:
 25% (1998). 
PIB serviços:
 46% (1998). 
Crescimento do PIB:
 6,1% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita:
 US$ 440 (1998). 
Força de trabalho:
 431 milhões (1998). 
Agricultura:
 algodão em pluma, arroz, chá, castanha de caju, juta, café, cana-de-açúcar, legumes e verduras, trigo, especiarias, feijão. 
Pecuária:
 bovinos, ovinos, caprinos, suínos, eqüinos, camelos, búfalos, aves. 
Pesca:
 5,4 milhões t (1997). 
Mineração:
 minério de ferro, diamante, carvão, asfalto natural, cromita. 
Indústria:
 alimentícia, siderúrgica (ferro e aço), têxtil, química. 
Exportações:
 US$ 32,9 bilhões (1998). 
Importações:
 US$ 42,2 bilhões (1998). 
Principais parceiros comerciais:
 EUA, Japão, Reino Unido, Alemanha.

Defesa

Efetivo total: 1,2 milhão (1998). 
Gastos:
 US$ 13,8 bilhões (1998)

Fonte: www.portalbrasil.net

Índia

Índia é um país no sul da Ásia.

A capital é Nova Delhi.

As principais religiões são o Hinduísmo e o Islamismo (Sunita).

As línguas nacionais são o Hindi e o Inglês, as outras línguas oficiais são o Bengali, Telugu, Marata, Tâmil, Urdu, Guzerate, Malayalam, Canarim, Oriya, Punjabi, Assamese, Kashmiri, Sindhi, e Sânscrito.

A Civilização do Vale, uma das mais antigas do mundo, floresceu durante os séculos 3 e 2 aC e estendeu-se até o noroeste da Índia. Tribos Aryanas do noroeste infiltraram-se no subcontinente Indiano por volta de 1500 aC; a sua fusão com os habitantes anteriores Dravidianos criou a cultura clássica Indiana.

O Império Maurya dos séculos 3 e 4 aC - que atingiu o seu auge com ASHOKA - uniu muito da Ásia Meridional. A Idade Dourada iniciada com a dinastia Gupta (séculos 4 e 6 dC) viu um florescimento da ciência, arte e cultura Indiana. Incursões Árabes a partir do século 8 e de Turcos no século 12 foram seguidas por aquelas dos comerciantes Europeus, começando no final do século 15.

Por volta do século 19, a Grã-Bretanha assumiu o controle político de virtualmente todas as terras Indianas. As tropas Indianas no exército Britânico desempenharam um papel vital em ambas as Guerras Mundiais. A resistência não-violenta ao colonialismo Britânico liderada por Mohandas Gandhi e Jawaharlal Nehru trouxe a independência em 1947.

O subcontinente foi dividido no estado secular da ndia e no menor estado Muçulmano do Paquistão. Uma terceira guerra entre os dois países em 1971, resultou no Paquistão Oriental tornar-se o Estado independente de Bangladesh. Os testes de armas nucleares da Índia em 1998 causaram o Paquistão para realizar seus próprios testes no mesmo ano.

Apesar dos problemas prementes como a superpopulação significativa, a degradação ambiental, a pobreza extensa, e a corrupção generalizada, o rápido desenvolvimento econômico está abastecendo a ascensão do país no cenário mundial.

Com mais de 1 bilhão de pessoas, a Índia é uma nação vasta e complicada, rica em história e cultura, e abençoada com uma paisagem muito variada. Formada como uma pêra gigante, com seu fim afilado mergulhando no Oceano Índico, a ndia tem por séculos agido como uma ponte sobre a qual idéias e valores se espalharam e uma longa procissão de invasores marcharam.

Ela deu o Budismo para a Ásia e seu sistema de números "Arábicos" para o Ocidente. Suas próprias tradições remontam à mais de 5.000 anos, e qualquer lista de contribuições da Índia para as civilizações do mundo seria longa e impressionante.

Em toda a Índia, o contraste entre o velho e o novo é impressionante. Monumentos que foram levantados pelos todo-poderosos imperadores Mogul lançam suas sombras sobre jardins cuidados por funcionários do governo da maior democracia do mundo. Uma mulher pode recitar uma oração de 3.000 anos antes de iniciar sua jornada de trabalho em uma usina de energia nuclear. Um carro de bois e um elefante podem rivalizar pelo espaço de trânsito ao lado de um Maruti, um carro Indiano construído como compacto.

Igualmente agudo é o contraste entre a promessa e a realidade. Durante a década de 1980, a economia da Índia cresceu a um ritmo saudável. O crescimento economico diminuiu um pouco na década de 1990, antes de acelerar na primeira década do novo século. No entanto, a nação continua a ser confrontada com o desemprego e o subemprego extremos.

Os agricultores da Índia agora produzem comida suficiente para a enorme população do país. Mas uma distribuição muito desigual dos benefícios do desenvolvimento deixou centenas de milhões de pessoas sem dinheiro suficiente para satisfazer suas necessidades básicas, enquanto os educados Indianos urbanos colhem os frutos de um boom de alta tecnologia.

Tais fatos contam apenas uma parte da história de mais de 1 bilhão de pessoas da Índia. Trabalhadores, pacientes e esperançosos, suas vidas têm sido profundamente moldadas pelo clima, geografia e história do subcontinente.

Terra

A Índia é a sétima maior nação do mundo em termos de área de terra. Sua topografia foi moldada por três sistemas montanhosos principais, duas grandes planícies, seis rios e os ventos de chuva chamados monções. No norte, de pé como um muro gigante, estão os Himalaias, uma das grandes cadeias de montanha do mundo, que se estendem por algumas 1500 mi. (2.400 km).

Dos 146 picos do Himalaia, 40 ascendem acima de 25.000 pés (7.600 m). A paisagem do Himalaia varia todo o caminho das luxuriantes selvas tropicais do sopé da montanha para o planalto de neve e vento que fazem fronteira com o Tibete, hoje parte da China politicamente.

Nas dobras do Himalaia crescem três dos grandes rios do norte da ndia: o Indus (agora em grande parte no Paquistão), o Ganges, e o Brahmaputra.

Quase no centro do subcontinente Indiano encontram-se as Montanhas Vindhya, criando, na verdade, duas Indias. Durante séculos, essas montanhas foram uma barreira para a comunicação entre o norte e o sul, e as duas partes do país estavam praticamente separadas umas das outras. Para este dia, o povo do norte e do sul da Índia são muito diferentes.

A península do sul da Índia é delimitada por dois sistemas de montanha em seu flancos leste e oeste - o Ghats Oriental e o Ghats Ocidental. Os dois sistemas se encontram nas Nilgiri Hills. No extremo nordeste estão as colinas Lushai, Naga, e Chin, que formam a fronteira entre a Índia, Myanmar (antiga Birmânia), e a China. Esses montes são o lar de um número de povos tribais. Por causa da densa e, muitas vezes impenetrável floresta, eles foram isolados por um longo período de tempo do resto da Índia.

Os rios da Índia são mantidos em grande reverência e afeição pelos Hindus, os principais grupos religiosos na Índia. O mais santo dos rios Indiano é o Ganges. Suas planícies, chamadas Planícies Gangeticas, suportam uma grande população, que depende do rio para a água para o cultivo e para o transporte. As Planícies Gangeticas são especialmente sagradas para os Hindus.

Os três grandes rios do sul são o Godavari, o Kistna (Krishna), e o Cauvery (Kaveri), que nascem a oeste e fluem leste para a Baía de Bengala. Suas planícies férteis e deltas são densamente povoados. Ao contrário dos grandes rios do norte, que são alimentados por ambas as neves do Himalaia e as chuvas das monções, os rios do sul são alimentados em grande parte pela monção. Portanto, o volume de água nos rios do sul varia muito de época para época. Exceto durante a monção de verão, o sul geralmente tem pouca chuva, e através dos tempos foi necessário irrigar a terra para alimentar o povo.

Sobre as grandes planícies da Índia - as Planícies Gangeticas do norte e as planícies dos três rios do sul - cresceram os grandes reinos e impérios da história Indiana. Hoje, 50 por cento das pessoas da Índia vivem lá. Essas terras têm sido exploradas de forma contínua ao longo dos séculos, fertilizadas pelos nutrientes transportados pelos rios.

A monção é tanto uma parte da Índia como são as montanhas, as planícies e os rios. Durante a estação quente e seca, de Março a Junho, o solo e a vegetação se tornam ressecados. As chuvas de monção geralmente duram de Junho a Setembro. Para a maioria das regiões as chuvas de verão são praticamente a única fonte de água. As áreas de maior precipitação são o Ghats Ocidental e parte do nordeste do país. Cherrapunji, no Estado de Assam, é um dos pontos mais úmidos do planeta, com uma precipitação anual de cerca de 450 polegadas (1.100 cm).

População

O povo da Índia mostra grande diversidade étnica e cultural. Eles falam 16 línguas principais e mais de 1.000 dialetos. Os dois grupos de línguas principais são o nortista (que inclui o Hindi, o Guzerate, Bengali, Marathi, Oriya, Assamês, Sindi, Punjabi, e Urdu) e o sulista (que inclui o Tamil, Telugu, o Canará ou Kanarese e o Malayalam).

O Hindustani, uma mistura de Hindi e Urdu, é falado amplamente no norte. Todas são línguas oficiais, embora o Hindi, falado por mais de 40 por cento de todos os Indianos, é a língua nacional. O Inglês é uma língua "associada" e uma das mais usadas no mundo dos negócios e na comunicação do governo.

Além da linguagem, o povo do norte e do sul da Índia diferem acentuadamente em uma série de maneiras, incluindo a sua escolha de alimentos e vestuário. No sul, o arroz é o alimento básico, enquanto no norte é o trigo.

O sulista é um bebedor de café, o nortista prefere chá. O sulista gosta de comida quente, liberalmente temperada com pimenta e pimenta vermelha em pó. O nortista usa um monte de encurtamentos na culinária. A carne é comida com mais freqüência no norte que no sul, onde as pessoas tendem a ser Hindus ortodoxos e, portanto, vegetarianos.

A vida da aldeia

A Índia é essencialmente uma terra de aldeias. Mais de 500.000 aldeias salpicam a paisagem, e quase 70 por cento da população da Índia vive nelas. Normalmente, estas aldeias têm menos de 1.000 pessoas, que vivem em um aglomerado de casas cercadas por fazendas e áreas de pastoreio. As aldeias são geralmente conectadas com o mundo exterior por um caminho de lama, que se torna praticamente intransitável durante a estação chuvosa. A maioria das casas são construídas de barro, com esterco de vaca e palha, e cobertas com folhas das palmeiras e outras árvores.

Cada aldeia tem alguns poços que fornecem água potável e, se não houver rio nas proximidades, água de lavar roupas e panelas e frigideiras. O trabalho doméstico, como cozinhar e limpar, é realizado principalmente pelas mulheres. A socialização nos poços da vila mantém as pessoas informadas das atividades de seus vizinhos e do governo.

O alimento geralmente consiste de pão fresco, sem fermento; arroz; curry; um vegetal; e pimenta-vermelha em pó ou pimenta verde para tempero. Em dias especiais, pode haver um pouco de carne (cordeiro ou frango) ou peixe. Nos feriados, leite ou arroz e outros doces são servidos. As duas grandes refeições são o almoço ao meio-dia e o jantar. O café-da-manhã consiste geralmente em bolos de trigo ou pão ázimo com chá ou café.

A vida na cidade

Mais de 30 por cento dos Indianos vivem em vilas ou cidades, que sempre desempenharam um papel vital na história da nação. Já em 2000 aC, a Índia tinha dois grandes centros urbanos, Mohenjo-Daro e Harappa, cada um com uma população estimada de mais de 40.000. Hoje, as principais cidades da Índia - Mumbai (Bombay), Kolkata (Calcutta), Delhi, Chennai (Madras), Hyderabad, Ahmadabad, Kanpur, e Bangalore (Bangalore), cada uma tem 2 milhões ou mais moradores. Mumbai, com 15 milhões, Kolkata, com quase 12 milhões, Delhi, com quase 10 milhões, e Chennai, com cerca de 8 milhões, estão entre as maiores aglomerações urbanas do mundo.

A aglomeração é a característica geral de todas as cidades da Índia, especialmente desde 1947, por causa da migração das áreas rurais e ao afluxo de refugiados do Paquistão. O desenvolvimento de serviços da cidade raramente acompanhou o aumento da população. Como resultado, a maioria das cidades são cercadas por favelas de grande porte.

Em todas as grandes cidades, um número considerável de pessoas estão desabrigadas, e a maioria das vezes elas são forçadas a viver nas calçadas. Algumas famílias constroem casas improvisadas de estanho, bambu e juta. Durante a estação seca, milhares de homens, mulheres e crianças dormem nas calçadas.

Calcutá é a pior a este respeito, seguida de perto por Mumbai e Chennai. É nessas cidades que o contraste entre vastas riquezas e a pobreza é mais gritante. Favelas existem dentro das sombras de casas palacianas, e os pobres e os sem-teto vagam pelas ruas que enxameiam com automóveis de luxo.

A Sedução das Cidades

As cidades da Índia atraem as pessoas por causa da promessa de empregos para os milhares de desempregados rurais. Aqui muitos aldeões são transformados em trabalhadores industriais. Mumbai, Chennai, e Kolkata são portos importantes, têm vastos complexos industriais, e atuam como centros de comunicações e de transporte para suas vastas regiões vizinhas.

Como a maioria dos centros urbanos da Índia são capitais distritais, elas funcionam também como centros da vida política. Os sindicatos são bem organizados e são frequentemente associados com os partidos políticos. A força de trabalho urbano, como conseqüência, tornou-se altamente politizada, somando-se ao entusiasmo da vida da cidade.

As cidades servem como marca-passo da vida cultural da Índia. Mumbai, Chennai, e Kolkata têm hotéis e restaurantes no estilo-ocidental, casas noturnas, shows artísticos, e círculos literários, e são centros da grande indústria do cinema da India.

O comércio e a comercialização são rápidos. As áreas comerciais das cidades estão cheias de pessoas comprando uma grande variedade de produtos fabricados na Índia, bem como os produtos importados do Ocidente.

A importância social, política e cultural das cidades não pode ser exagerada. Elas são símbolos de prosperidade e progresso para milhões de pessoas rurais. Muitos artistas e escritores modernos podem ser encontrados nas cidades, que também desempenharam um papel de liderança no revival das artes tradicionais Indianas.

Os museus estão cheios de exemplos da antiga e da moderna cultura Indiana. As universidades, muitas vezes tornam-se centros de movimentos intelectuais, que gradualmente se espalham em círculos cada vez maiores.

Calcutá

Calcutá, no centro de uma grande área metropolitana e se espalhando, é a capital do Estado de Bengala Ocidental. Calcutá começou como um posto comercial Inglês em 1690. Ela cresceu em importância devido à sua localização em um afluente do Ganges, o Rio Hooghly, que deságua na Baía de Bengala. Em 1773, Calcutá se tornou a capital da Índia Britânica.

Embora a sede do governo foi transferida para Delhi em 1912, Calcutá continua a ser um importante porto e cidade industrial, produzindo papel, ferro e aço, bens de couro e juta. Ela é também um centro da vida cultural e intelectual Indiana. A Universidade de Calcutá é a maior universidade da Índia, e a Biblioteca Nacional contém uma coleção de mais de 8 milhões de livros.

A própria Calcutá fornece um estudo de contrastes. Largas avenidas alinhadas com modernos prédios espaçosos estão ao virar das esquinas das estreitas ruas laterais desordenadas. A principal avenida de Calcutá, Chowringhee, é um centro de atividades e entretenimento, com cinemas e lojas. No sub-solo, um sistema de metrô ultramoderno espalha as pessoas rapidamente ao redor da cidade. No centro da ala oriental da extensa rede ferroviária da Índia, Calcutá fornece transporte, serviços financeiros, e oficinas de serviços para a região.

O Maidan, um parque enorme no centro de Calcutá, oferece áreas para esportes, fazer piquenique, e simplesmente relaxar. No Maidan está o Memorial Victoria, abrigando artefatos que destacam a vida e a história dos Indianos e da era colonial Britânica. Outras atrações populares são o zoológico de Calcutá, o Museu Indiano - um dos melhores museus da Ásia - e jardins botanicos que contêm uma figueira grande o suficiente para proporcionar sombra para mais de 200 pessoas.

Mumbai

Mumbai, a capital do Estado de Maharashtra, é o centro da Grande Bombay. Como Calcutá, é uma cidade moderna e cosmopolita, com muitos dos problemas de Calcutá. Originalmente uma aldeia de pescadores, foi adquirida em 1500 pelos Portuguêses, que cederam-na aos Britânicos em 1661. O desenvolvimento de linhas ferroviárias e de uma indústria têxtil na década de 1860 começou um importante período de crescimento de Mumbai. Hoje, é o maior porto da Índia, na costa oeste.

O porto de Mumbai, que se abre para o Mar Arábico, encontra-se no extremo leste da Ilha de Bombaim, em que a própria cidade é construída. Um arco de pedra enorme, o Portal para a Índia, está na entrada do porto e é o marco mais conhecido de Mumbai.

Um dos pontos turísticos mais marcantes de Mumbai é a Marine Drive, uma rodovia multipistas. Ela é especialmente espetacular quando suas luzes em chamas são vistas à noite a partir da crista de Malabar Hill, a zona residencial mais elegante da cidade. Outras atrações incluem os Museus Príncipe de Gales e Victoria e Albert, o jardim zoológico, e os extensos jardins que rodeiam as Torres do Silêncio.

A seção da cidade conhecida como o Forte é o centro cultural e comercial de Mumbai. Suas avenidas largas e grandes edifícios dão-lhe a aparência de uma cidade Européia. Aqui estão localizados a maioria dos estabelecimentos de negócios da cidade, bancos, teatros, a Universidade de Bombaim, os edifícios do governo do estado, e a estação ferroviária Victoria Terminus. Para o norte está a área industrial da cidade, com instalações para o processamento da grande quantidade de algodão cru trazida da paisagem circundante.

Chennai

Chennai (antiga Madras), a capital de Tamil Nadu, é a principal cidade do sul da Índia. Mais espaçosa do que as outras grandes cidades da Índia, ela é um porto importante, bem como um centro de transporte importante. A cidade deu seu nome para os coloridos tecidos Madras produzidos em fábricas locais e exportados para países de todo o mundo.

Além de tecidos, as indústrias da cidade incluem fundições de ferro, fábricas de bicicletas, e obras de engenharia. Chennai foi fundada em 1639, quando a Companhia das Índias Orientais adquiriu a área em torno da atual cidade de um rajá local, ou príncipe. Os Britânicos construíram um posto comercial, chamado Fort Saint George, em torno do qual um estabelecimento comercial próspero se desenvolveu gradualmente.

No início dos 1800s, Chennai tinha se tornado uma das capitais administrativas da Índia Britânica. Devido à sua localização na Baía de Bengala, os Britânicos desenvolveram Chennai como um importante porto e começaram a construção de um porto artificial. A cidade atualmente se estende por cerca de 10 mi. (16 km) ao longo da costa da baía. Suas magníficas praias e a Marina, uma unidade de esplêndidas praias que se estendem por 4 mi. (6,4 km), são as principais atrações.

A Marina começa no sul na Catedral de Saint Thomé, onde os restos mortais do apóstolo Tomé são ditos estarem enterrados. Ela continua passando pela Universidade de Madras, os edifícios do governo do estado, e o Fort Saint George, até atingir sua extremidade norte no porto da cidade. Chennai também é conhecida pelos seus belos templos Hindus, seus Jardins Horticulturais, e sua coleção de arte Indiana na Galeria de Arte Nacional e no Museu do Governo do Estado.

Delhi

Uma cidade com raízes antigas, hoje Delhi é dividida em duas seções contrastantes. Nova Deli, a capital da Índia desde 1931, foi construída no século 20, enquanto Old Delhi remonta aos 700s. Como Shahjahanbad, tornou-se uma das principais cidades do Império Mogul (1526-1857).

As duas partes de Delhi formam a maior cidade do noroeste da Índia. Delhi é um grande centro industrial e comercial. A cidade fica na margem oeste do Rio Jumna, um afluente do Ganges, e os Hindus consideram o lugar onde estes dois rios se encontram como um local sagrado.

Old Delhi é uma mistura de lindos monumentos e favelas superlotadas. Novas fábricas surgiram entre o labirinto de ruas estreitas e tortuosas, mas a cidade antiga ainda é dominada por edifícios antigos, como o Forte Vermelho do século 17. Não muito longe do Forte Vermelho está a grande mesquita Jama Masjid, que se eleva por 201 pés (61 m).

A principal via de Old Delhi é a Chandni Chauk (ou Chowk) - a "Rua da Prata". Hoje, como nos tempos antigos, ourives ainda praticam seus artesanatos ao longo desta rua, mas agora ela está repleta de lojas de todos os tipos. Entre a Velha Deli e Nova Deli se encontra o Raj Ghat, um santuário reverenciado. Aqui, o Mahatma Gandhi, que liderou a luta pela independência da Índia, foi cremado em 31 de Janeiro de 1948.

Em contraste com a parte antiga, Nova Delhi é uma cidade moderna, planejada com avenidas largas, amplos parques públicos, e edifícios governamentais de grande porte. Uma longa avenida arborizada chamada de Caminho Raj leva para a casa do presidente da Índia. A avenida é usada para desfiles e procissões oficiais. A residência presidencial, o Rashtrapati Bhavan, e a Casa do Parlamento são atrações turísticas populares.

O principal shopping center de Nova Delhi é o Connaught Place, uma rua circular em torno de um parque. A Universidade de Delhi, a Central do Instituto de Pesquisa Agrícola, a National Art Gallery, o Museu Nacional, outros museus e teatros estão entre as muitas instituições culturais de Delhi.

Delhi é importante também como o centro de transporte noroeste da Índia e rede de comunicações. As indústrias incluem a manufatura de pano de algodão e lã, o processamento de alimentos, fundições de ferro, plantas de impressão, e moinhos de farinha e usinas de açúcar. Houve consideráveis novas construções antes de Delhi hospedar os Jogos da Commonwealth de 2010.

Vida Religiosa

Um dos elementos mais importantes na vida dos Indianos é a religião. Cerca de 81 por cento da população são Hindus, e cerca de 13 por cento são Muçulmanos. Os Cristãos representam mais de 2 por cento e estão divididos entre Católicos e Protestantes. Existem pequenas comunidades de Budistas, Jainistas, Siques e Judeus. Os Parses, seguidores do antigo profeta Persa Zoroastro, numeram cerca de 100.000, dos quais metade vive na cidade de Mumbai.

A Índia também tem uma grande população tribal, estimada em cerca de 40 milhões, cuja religião é basicamente o animismo. Os povos tribais acreditam na existência de espíritos poderosos ou deuses, e que todos os objetos naturais têm almas. Muitos destes povos tribais se converteram ao Cristianismo, especialmente nas áreas do nordeste. Outros estão a ser gradualmente absorvidos pela estrutura de crenças e práticas religiosas Hindus.

Hinduísmo

O Hinduísmo não tem fundador único. Suas idéias, crenças, cultos e práticas cresceram durante um período de 4.000 anos e foram moldados por muitos movimentos religiosos e culturais. O Hinduísmo engloba um espectro de crenças, que vão desde aquelas beirando o culto espiritual para aquelas que aceitam a noção de um Deus único e pessoal.

As raízes do Hinduísmo remontam a pelo menos 1500 aC, quando a composição dos Vedas, os livros sagrados do Hinduísmo, começou. Esta forma primitiva de religião incluía a crença em muitos deuses. Cada deus era uma personificação de um fenômeno natural - trovão, relâmpago, chuva, o sol, e a lua, por exemplo.

Os primeiros Hindus adoravam os deuses através de um culto de sacrifícios. As crenças iniciais foram substituídas, durante o período de 700-600 aC, pelas teorias filosóficas que estabeleceram alguns dos princípios fundamentais do Hinduísmo.

Basicamente, existem quatro princípios. Primeiro, os Hindus acreditam em Deus (ou deuses, que são considerados manifestações de um único Deus ou o espírito universal) como o criador e sustentador do mundo. Segundo, eles acreditam em uma alma que é eterna e indestrutível, e que se funde com Deus na salvação.

Terceiro, eles acreditam que as pessoas têm a responsabilidade moral por suas ações.

Quarto, como os Budistas e Jainistas, eles acreditam no renascimento, ou reencarnação. Os Hindus afirmam que as pessoas devem passar por uma série de nascimentos, mortes e renascimentos para expiar seus pecados antes que elas possam trabalhar seu caminho para a salvação. A natureza e a forma da próxima vida é determinada em grande parte por suas ações em uma vida anterior.

O Hinduísmo é uma religião muito tolerante, e os Hindus geralmente não tentam converter as pessoas de outras religiões. O sistema de castas Hindu, embora tenha surgido de forma independente como uma instituição social, logo se tornou uma parte do Hinduísmo.

Islã

Ao contrário dos Hindus, os Muçulmanos acreditam em um Deus que não tem forma e não deve ser representado em qualquer imagem. Seus lugares de culto são chamados de mesquitas. A mesquita contém um lugar com um nicho que aponta na direção de Meca (Makkah), na Arábia Saudita, a cidade sagrada do Islã. E a mesquita tem uma sala de reunião onde as orações congregacionais são oferecidas toda Sexta-feira ao meio-dia. Os Muçulmanos também são esperados participarem de práticas específicas.

Tanto o Hinduísmo e o Islamismo têm sido grandes forças da história cultural da Índia. Eles têm sido fontes de força espiritual e de coesão social para os seus seguidores. Mas em alguns aspectos suas práticas tendem a obstruir a modernização social e econômica.

O sistema de castas e sua instituição de intocabilidade têm dividido a sociedade Hindu em centenas de pequenos e auto-contidos grupos exclusivos. Isso fez com que a cooperação econômica e social em larga escala sejam difíceis.

A idéia Hindu da vaca sagrada levou a uma população de gado excessiva. A intocabilidade tem sido a característica mais censurável da sociedade Hindu. Ela condena milhões de Indianos a uma permanente inferioridade social e degradação econômica a partir das quais há pouco para escapar.

Da mesma forma, a posição geralmente inferior da mulher na sociedade Muçulmana tem aleijado o seu progresso.

Desde os tempos antigos até Independência

Várias cidades pré-históricas e cidades descobertas por arqueólogos revelam a existência de uma civilização bem estabelecida já em 2500 aC. Os locais mais importantes - agora ambos parte do Paquistão - são Mohenjo-Daro, em Sind, e Harappa, no Punjab. Esta primeira civilização Indiana existiu durante o tempo dos faraós Egípcios e era igualmente rica em sua vida material e sofisticação. As cidades foram construídas de acordo com planos bem elaborados e foram centros comerciais ativos.

Por volta de 1500 aC, os Indo-arianos migraram para a Índia, provavelmente da Ásia Central. O Indo-arianos diferiam dos habitantes originais em sua cor de pele mais clara, a linguagem, a organização social e tecnologia. Ao longo dos séculos, eles conquistaram várias partes do norte da Índia. O Indo-arianos desenvolveram as crenças religiosas que deviam evoluir para o Hinduísmo. Eles também lançaram as bases para instituições sociais, como o sistema de castas, limparam a terra para a agricultura, e desenvolveram o idioma Sânscrito.

Durante o século 6 aC, dois grandes movimentos religiosos - o Budismo e o Jainismo, surgiram na Índia. Em meados do século 6 aC, os Persas invadiram a parte noroeste do país. Eles foram seguidos pelos Gregos sob Alexandre o Grande, no século 4 aC.

O primeiro grande império Indiano - o Império Maurya - apareceu em cerca de 324. Seu maior governante foi o Rei Asoka, que reinou de cerca de 274-232.

Asoka se tornou um Budista e dedicou sua vida à difusão do Budismo na Índia e no Ceilão. Ele tinha templos-cavernas escavados por monges Budistas, e construído stupas, montes semicirculares de tijolos que consagram as relíquias do Buda.

A idade de ouro ou clássica da Índia antiga durou de cerca de 320 a 500. Este foi o período do Império Gupta, quando a literatura, as artes, a ciência e a prosperidade material chegaram a picos de grandeza. Durante este período, também, o Hinduísmo tornou-se firmemente estabelecido como a religião das massas do povo.

Durante os cinco séculos após a queda dos Guptas, numerosos pequenos reinos lutaram uns contra os outros, e a Índia foi invadida pelos Árabes e pelos Turcos. Em 1206, os Turcos estabeleceram um reino em Delhi, e os governantes Muçulmanos controlavam grandes partes do norte da Índia. Em 1526, os Moguls, que vieram da Ásia Central, começaram a construir um grande império, com capitais em Agra e Delhi. O Império Mogul floresceu até o início do século 18.

Invasões Européias

O navegador Português Vasco da Gama chegou à Índia em 1498 navegando em torno do Cabo da Boa Esperança. Os comerciantes Portuguêses logo apreenderam os portos ao longo da costa ocidental. Durante os anos 1600s, a Companhia Inglesa das Indias Orientais criou estações comerciais na Índia. Os camponeses Indianos foram explorados na indústria têxtil em crescimento. Os Britânicos também ordenaram que certas práticas tradicionais parassem, incluindo o infanticídio feminino e o sati, a imolação de viúvas junto com seus maridos mortos.

Os Inglêses foram seguidos pelos Franceses. Quando as duas nações estavam em guerra na Europa nos 1700s, suas empresas mercantis travavam suas próprias guerras na Índia. De cerca de 1800-1857, a Companhia das Indias Orientais lutou em muitas guerras contra o Nepal, Afeganistão e Birmânia (atual Myanmar) para ampliar o Império Britânico.

Pela segunda metade dos 1700s, os Britânicos emergiram como o principal poder na Índia. Em meados do século seguinte, suas tropas esmagaram a última revolta armada dos Indianos contra o domínio Britânico, a Revolta dos Sipaios de 1857-1859. No ano seguinte, a responsabilidade pela administração da Índia foi transferida da Companhia das Índias Orientais para o Parlamento Britânico.

De 1858 até 1947, quando a Índia alcançou a sua independência, o país foi governado por um governador-geral Britânico, que também atuava como vice-rei nas relações da Grã-Bretanha com as centenas de diferentes estados Indianos.

O nacionalismo Indiano cresceu em resposta ao domínio Britânico. O Congresso Nacional Indiano, que foi organizado em 1885, tornou-se uma organização militante depois de 1905, ganhando sua força da ação das massas. Em 1920, o Mahatma Gandhi assumiu a liderança da organização. Durante os anos 1920s e 1930s, ele liderou várias campanhas não-violentas contra os Britânicos.

Os Ingleses responderam com uma série de concessões que alargaram a adesão das legislaturas Indianas e aumentaram os seus poderes. Em 1935, a Grã-Bretanha concedeu às províncias o auto-governo. Após a Segunda Guerra Mundial, a Grã-Bretanha começou a retirada de seu poder da Índia.

Juntamente com o nacionalismo do Congresso Nacional Indiano lá também surgiu um movimento nacionalista Muçulmano liderado por Mohammed Ali Jinnah. Jinnah exigiu o estabelecimento de um estado soberano separado composto de áreas de maioria Muçulmana. Os Britânicos concederam esta demanda em 1947.

Em 14-15 de Agosto de 1947, as duas nações independentes da Índia e do Paquistão foram estabelecidas, e uma época histórica da história Indiana chegou ao fim.

Pós-independência

A modernização da Índia, iniciada durante o período da história Indiana Britânica, acelerou após que a independência foi alcançada em 1947. Cidades em rápida expansão rapidamente se tornaram centros de mudança social, econômica e política para a população predominantemente rural da Índia. Idéias modernas e oportunidades começaram a se espalhar das cidades para as áreas rurais da Índia que foram dominados por estilos de vida tradicionais. Ao mesmo tempo, as comunicações modernas construídas pelos Ingleses, e a criação de um serviço civil moderno e do judiciário nacional, começou a unir as diferentes regiões de uma forma nunca antes possível.

Os líderes da Índia

A Índia sofreu um golpe trágico com o assassinato em 1948 do Mahatma Gandhi, que havia feito tanto para ganhar a independência da Índia. Jawaharlal Nehru, o primeiro-ministro da Índia independente, tentou encontrar soluções para os muitos problemas enfrentados pela nova nação. Quando Nehru morreu em 1964, ele foi sucedido como primeiro-ministro por Lal Bahadur Shastri, que morreu no cargo em 1966.

O sucessor de Shastri foi Indira Gandhi, filha de Nehru. Durante o seu longo e controverso mandato como primeiro-ministro, Indira Gandhi empurrou para a rápida modernização da Índia e procurou estabelecer a Índia como líder das nações não-alinhadas do mundo. Derrotada nas eleições em 1977, quando foi substituída como primeiro-ministro por Morarji Desai, ela voltou ao poder em 1980.

Em 1984 ela foi morta por extremistas Sikh. Ela foi sucedida por seu filho Rajiv Gandhi, que continuou seus planos de liberalização econômica. Em 1989, quando os confrontos políticos e de interesse das castas ganharam as manchetes, o Partido do Congresso de Gandhi perdeu a maioria legislativa, e Vishwanath Pratap Singh, da Frente Nacional tornou-se primeiro-ministro. Ele renunciou em Novembro de 1990.

Durante a campanha eleitoral de 1991, Rajiv Gandhi foi assassinado. O novo líder do Partido do Congresso P. V. Narasimha Rao tornou-se primeiro-ministro em Junho. Rao terminou com muitos controles estatais sobre a economia, mas os benefícios de suas reformas caíram de forma desigual.

Nas eleições de 1996, o Partido do Congresso ganhou apenas 25 por cento dos assentos legislativos. Atal Behari Vajpayee, chefe do Partido Nacionalista Hindu Bharatiya Janata, formou um governo de curta duração. Seu sucessor, H. D. Deve Gowda da Frente Unida, renunciou em Abril de 1997, e um novo governo da Frente Unida liderado por Inder Kumar Gujral caiu em Novembro de 1997.

Vajpayee retornou como primeiro-ministro em Março de 1998. O Partido do Congresso, liderado pela viúva de Rajiv Gandhi, Sonia, ganhou uma virada impressionante nas eleições de Maio de 2004, e Manmohan Singh tornou-se primeiro-ministro. O Partido do Congresso e seus aliados aumentaram sua maioria legislativa nas eleições de 2009. Em 20 de Maio, Singh tornou-se o primeiro primeiro-ministro desde Jawaharlal Nehru a ser reconduzido depois de cumprir um mandato completo de cinco anos.

Problemas de Modernização

A Índia tem tido que resolver ou lidar com muitos problemas políticos, governamentais e econômicos desde a sua independência em 1947. Muitos destes problemas derivam de diferenças religiosas e regionais.

Religião

A religião desempenhou um papel fundamental quando a Índia Britânica foi dividida em 1947 para criar uma predominantemente Índia Hindu e um principalmente Paquistão Muçulmano (agora Paquistão e Bangladesh). Como resultado desta partição, milhões de Hindus migraram para a Índia a partir do que se tinha tornado o Paquistão. Um grande número de Muçulmanos da Índia também migraram para o Paquistão. Muitas pessoas morreram em violentos confrontos entre Hindus e Muçulmanos que resultaram da partição.

Além disso, os Sikhs (membros de um grupo menor religioso fundado há 500 anos) viram sua terra natal no Punjab dividido entre os dois novos países. Eles também se estabeleceram na Índia, depois de perder uma violenta guerra santa contra os Muçulmanos no Paquistão.

A chegada na Índia destes milhões de Hindus desabrigados e refugiados Sikh colocou fardos pesados sobre a economia Indiana. A partição também criou um desequilíbrio econômico, localizando as grandes áreas de cultivo de alimentos no Paquistão e as principais áreas industriais na Índia.

O conflito religioso ainda ocorre hoje. Militantes Sikh no Estado do Punjab exigiram a criação de uma nação Sikh, e em 2002, o conflito em curso sobre o disputado local religioso de Ayodha provocou a pior violência entre Hindus e Muçulmanos desde 1947.

Unidade Nacional e Fragmentação Regional.

Sob Nehru, a primeira necessidade da India foi elaborar uma constituição que unificaria o país, criar um processo político viável, e ligar as regiões ao governo central, dando-lhes um sentido de responsabilidade nacional. Até 1947, os Britânicos tinham governado a maior parte da Índia indiretamente por meio de mais de 500 príncipes locais.

Os Britânicos haviam permitido aos príncipes manterem o controle nominal de suas terras, conhecidas como "estados nativos", em troca do apoio às políticas Britânicas. Após a independência, os líderes da Índia, convenceram os príncipes a aceitar pensões por suas terras no interesse de criar um país unificado. Os estados nativos foram então fundidos em estados existentes ou feitos em novos estados. Embora esta nova abordagem encontrasse resistência, ela também trouxe para a Índia um senso de identidade nacional.

Governo

A Constituição da Índia foi adotada em 1950. Ela garante direitos básicos de igualdade e proíbe o tratamento desigual de raça, religião, ou casta. A constituição decretou ser a India uma união de Estados (até à data, 28) e territórios sob administração federal (agora sete). Cada estado tem uma legislatura, o seu sistema judicial próprio, e um governador que é nomeado pelo presidente da Índia. A União, ou governo federal, é presidido por um presidente e um vice-presidente, que são escolhidos por um colégio eleitoral composto por membros dos legislativos federal e estaduais.

O poder executivo real do governo central é investido em um gabinete, o Conselho de Ministros, liderado pelo primeiro-ministro. O legislativo da União tem duas câmaras, a Lok Sabha (Casa do Povo) e a Rajya Sabha (Conselho dos Estados). Os membros da Lok Sabha são eleitos pelo povo a cada cinco anos. A Rajya Sabha é eleita pelos membros das assembléias legislativas estaduais. O Judiciário da união tem um supremo tribunal dirigido por um chefe de justiça. Cada cidadão, com pelo menos 21 anos de idade é elegível para votar.

A Constituição da Índia tem sido alterada muitas vezes. O mapa político mudou também. Novos estados foram criados e fronteiras estaduais ajustadas em resposta s demandas de maior autonomia local pelos diversos grupos tribais com idiomas diferentes da India.

Uma grande mudança, em 1966, foi a divisão do Punjab em dois estados separados: um Punjab menor, predominantemente habitado por Punjabis de língua Sikhs; e o novo estado de Haryana, habitado principalmente por Hindus de língua Hindi. A Índia também assumiu pequenas colônias Francesas no subcontinente - Karikal, Mahé, Danam e Pondicherry (agora Puducherry) em 1959 e as colônias Portuguêsas de Goa, Diu, e Damão em 1961. Ela anexou o Sikkim, um ex-protetorado, em 1975.

Os novos estados de Uttaranchal (agora Uttarakhand, esculpido em Uttar Pradesh), Chhattisigarh (de Madhya Pradesh), e Jharkhand (formado a partir de Bihar) foram criados em 2000.

Mudança Social

Na altura da independência, as pessoas nos estados nativos, os intocáveis (agora chamados de Dalits), e os povos tribais sofriam o isolamento e a falta de recursos. Esforços especiais foram feitos para trazê-los para o filão principal da vida Indiana, incluindo concessões de educação, reserva de lugares nas legislaturas, e cargos no governo.

Igualmente urgente era o problema do desenvolvimento social. A estrutura social Hindu estava desatualizada em muitos aspectos, e os novos Códigos Hindu de 1954-1956 procuraram mudá-la. Os novos códigos afetaram profundamente os costumes do casamento Hindu e a organização da família Hindu e as mulheres ficaram elegíveis para direitos de herança. Outras leis distribuíram poder s agências de governo locais e às aldeias.

Educação e Alfabetização

Mais de 70 por cento de todos os homens adultos e cerca de 48 por cento das mulheres adultas sabem ler e escrever. A melhoria dos níveis de alfabetização tem sido uma meta importante do governo desde a independência da nação. Centenas de milhares de novas escolas foram construídas, e quase todas as crianças entre as idades de 6 e 10 agora freqüentam regularmente as escolas primárias. Nos primeiros anos, as crianças aprendem a ler e escrever em sua língua nativa. Se eles permanecerem na escola, os alunos também adquirem alguns conhecimentos de Inglês e Hindi.

Menos de duas em cada três crianças na Índia recebem uma educação de escola secundária. O ensino superior é bem desenvolvido e há agora mais de 8.000 escolas de ensino superior. O panorama de emprego para os graduados em faculdades da Índia tem clareado consideravelmente com a terceirização de empresas dos EUA e um boom da eletrônica e da biotecnologia. As pessoas mais velhas, que nunca foram capazes de ir à escola quando crianças, agora entram programas de educação de adultos em números crescentes.

A introdução da televisão, rádio, novas estradas, e os serviços governamentais estão a ter um duplo efeito no desenvolvimento da Índia moderna. Essas inovações estão gradualmente reduzindo o longo isolamento sentido em muitas zonas rurais e estão acelerando o processo de modernização em si.

O problema populacional

A Índia moderna tem experimentado um crescimento constante da população. Este rápido aumento é o resultado de uma melhor medicina preventiva, medidas de saúde pública e de higiene, e uma queda significativa da mortalidade infantil. O crescimento da população baixou para cerca de 1,4 por cento (em comparação com quase 1,6 por cento no Paquistão).

Hoje, o governo encoraja as famílias a ter menos filhos e tem um ambicioso programa de controle populacional. A publicidade na rádio e na televisão promove programas de planejamento familiar. Pagamentos generosos são feitos para casais concordando em ter não mais que dois filhos.

Ainda assim, a média dos casais tem vários filhos. O resultado é que a cada ano, a Índia deve construir 130 mil novas escolas, formar 330 mil novos professores, e criar 3 milhões de novos empregos.

Em 2006, o governo aprovou legislação que garante à um membro de cada dos 60 milhões de famílias rurais da Índia 100 dias de trabalho por ano. Em 2007, ele anunciou planos para estender o seguro de vida e a proteção por incapacidade a cerca de 390 milhões de pobres, trabalhadores não sindicalizados. Ele mais tarde estabeleceu zonas econômicas especiais livres de impostos semelhantes s da China para criar empregos em indústrias relacionadas com a exportação em áreas rurais.

Economia

A economia diversificada da Índia abrange a agricultura tradicional da aldeia, a agricultura moderna, o artesanato, uma ampla gama de indústrias modernas, e muitos serviços. Em termos de produto interno bruto (PIB), a economia da ndia classifica entre as top cinco do mundo. (O PIB é o valor total de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante um período de tempo, normalmente um ano). Mas em termos de PIB per capita a Índia enfileira entre o terço inferior das nações. (O PIB per capita é o PIB dividido pelo número de pessoas de uma nação).

A economia da Índia era tradicionalmente baseada na agricultura. No século 21, pouco mais da metade dos trabalhadores da Índia ainda trabalham na agricultura. Mas as indústrias de serviços são a principal fonte do crescimento econômico. Contribuindo para esse crescimento está a grande e bem-educada população ingles-falante da India. Ela tem ajudado o país a competir nos mercados globais, bem como a atrair investimentos e negócios do exterior, especialmente em indústrias de alta tecnologia.

Como resultado do desenvolvimento econômico da Índia, milhões de Indianos, a maioria vivendo nas cidades, adquiriram o poder aquisitivo para comprar os bens de consumo que as fábricas da Índia produzem. Mas enquanto algumas pessoas têm lucrado, milhões de outras, tanto na cidade e nas zonas rurais continuam a viver na pobreza. Isso significa que elas ganham ou consomem menos do que necessitam para alcançar os níveis adequados de nutrição, abrigo, cuidados de saúde e outras necessidades.

O governo está contando com as empresas privadas para criar a maioria dos milhões de novos empregos que os números crescentes de jovens educados da India irão precisar. No entanto, se a Índia está a colher os benefícios do boom econômico atual, o governo precisa enfrentar uma série de problemas centrais.

Estes incluem o fornecimento de educação básica e superior para mais pessoas, melhorar o abastecimento de água e dos sistemas de transporte da India e reduzir a corrupção do governo.

Serviços

Os serviços representam mais da metade da produção da Índia e empregam cerca de um terço de sua força de trabalho. Os empregos nos serviços incluem profissões como bancário, direito, serviços médicos, vendas, finanças e governo.

Manufatura

A industrialização continua a desempenhar um papel importante na modernização da Índia. A fabricação contribui com cerca de 30 por cento para o PIB, mas emprega cerca da metade da percentagem dos trabalhadores. O país fabrica têxteis, produtos químicos, alimentos processados, aço, equipamentos de transporte, máquinas, software e produtos farmacêuticos. Sua indústria de alta tecnologia de rápido desenvolvimento está centrada na área de Bangalore / Hyderabad / Chennai. Muitas empresas dos EUA têm trabalhos terceirizados na Índia e investido ali, alimentando o crescimento de uma bem-educada classe média, Inglês-falante.

Agricultura

Pouco mais de 50 por cento da força de trabalho da Índia está envolvida em atividades agrícolas, mas o setor produz menos de 1 por cento do PIB. Depois da fome que ocorreu durante a década de 1960, o governo iniciou um programa de longo alcance, conhecido como a "revolução verde". Seu objetivo era aumentar a oferta de alimentos do país. Os agrônomos Indianos desenvolveram cepas de arroz e sementes de trigo que poderiam duplicar ou mesmo triplicar a produção de grãos.

Como resultado da revolução verde, a produção Indiana de alimentos, especialmente grãos, começou a aumentar mais rapidamente do que a população durante o final dos anos 1960s e início dos 1970s. Os excedentes foram armazenados para evitar fomes. O Punjab, conhecido como o celeiro da Índia, e as Planícies do Ganges são as mais produtivas regiões de crescimento de grãos. Outras culturas alimentares principais são as oleaginosas, usadas para produzir óleos para cozinhar, e as ervilhas, feijões, lentilhas e as outras culturas ricas em proteínas que compõem grande parte da dieta Indiana. A Índia também produz juta, algodão, chá, açúcar, cebola e batatas.

Energia

Apesar de alguns pequenos depósitos de petróleo existirem na costa de Mumbai e no estado de Assam, a Índia deve importar a maior parte do petróleo que precisa. A necessidade crescente de petróleo importado requer que a Índia venda mais e mais dos seus próprios bens para o exterior para cobrir os custos de energia. Em 2008, a Índia assinou um acordo com os Estados Unidos que lhe permite a compra de combustível e tecnologia nuclear para fins civis. Ela mais tarde assinou acordos semelhantes com o Canadá e a Rússia.

A Índia tem desenvolvido a energia atômica e é capaz de produzir armas nucleares. Em 1989, sua indústria aeroespacial produziu um míssil terra-terra balístico capaz de transportar uma ogiva de 1 tonelada até 1.500 mi (2,414 km), atingindo todas as áreas do sul da Ásia e profundo no interior da China. Em Maio de 1998, em um esforço para reforçar sua pretensão de poder mundial e status, a Índia realizou testes de armas nucleares. Em 2008, a Índia colocou seu primeiro satélite em órbita ao redor da Lua.

Transporte

A Índia tem vastos sistemas de transporte. Há cerca de 40.000 milhas (64.400 km) de linha férrea e mais de 2 milhões de milhas (3,2 milhões km) de estradas. Mas apenas um terço das estradas são pavimentadas. Ônibus e bicicletas são amplamente utilizados por passageiros, pois os automóveis continuam a ser um luxo.

O principal modo de transporte na área rural da Índia é o carro de boi. O novilho (ou boi) é também o animal de trabalho principal nas fazendas. A Índia tem mais de meia dúzia de bons portos e portos facilitando o transporte de mercadorias por via marítima e impulsionando o comércio exterior. O petróleo e o gás natural são transportados por uma rede de gasodutos.

O país tem mais de 350 aeroportos. Os aeroportos internacionais estão localizados em Bombaim (Mumbai), Delhi, Chennai (Madras), Kolkata (Calcutta), e Bangalore. A companhia aérea nacional é a Air India.

Da comunicação

A Índia tem centenas de estações de transmissão de rádio e emissoras de televisão comerciais. Os principais jornais diários incluem o Hindustan Times, o Dainik Jagran, e o Indian Express. A Índia tem mais de 60 milhões de usuários de Internet.

Relações Internacionais

Nas suas relações com as outras nações, a Índia tem geralmente seguido uma política de não-alinhamento, alinhando com nenhuma potencia maior. As principais dificuldades da Índia têm sido as suas relações com o Paquistão e a China. A Índia foi à guerra com o Paquistão por quatro vezes - em 1947, 1965 e 1971, e 1999. Duas dessas guerras envolviam reivindicações conflitantes sobre Jammu e a Caxemira, e um terceiro conflito sobre esta questão ameaçou entrar em erupção em 2002.

As hostilidades de 1971 cresceram a partir da guerra civil entre o Paquistão Oriental e o Paquistão Ocidental. Incidentes de fronteira e a fuga de milhões de refugiados do Paquistão Oriental para a Índia levaram à marcha do exército Indiano sobre o Paquistão Oriental. O resultado foi uma vitória rápida para a Índia e o estabelecimento da nação independente de Bangladesh no que tinha sido o Paquistão Oriental. Com o Paquistão desmembrado, a Índia emergiu como a principal potência no Sul da Ásia.

As relações com a China se tornaram hostis quando os Chineses atacaram áreas da fronteira Indiana em 1962. Desde então, as relações entre os dois países melhoraram. A China se tornou o maior parceiro comercial da Índia. Ela também aumentou a sua influência em países com laços tradicionais estreitos com a ndia, como Bangladesh, Nepal e Sri Lanka. A Índia e o Paquistão têm mantido conversações de paz intermitentes desde 2003. Mas as relações entre os dois permanecem tensas. O fato de que a Índia, a China, e o Paquistão todos possuem capacidade nuclear torna fundamental que eles consigam resolver suas disputas.

Em 1971, a Índia e a União Soviética assinaram um tratado de 20-anos de cooperação. Um acordo em 1981 fez da União Soviética o principal perceiro comercial da India. Após o desmembramento Soviético em 1991, a Índia começou a reexaminar as suas políticas em relação às nações ocidentais e à cortejar os investimentos estrangeiros.

Economia - visão geral:

A Índia está se transformando em uma economia de mercado aberto, embora traços de seu passado de políticas autárquicas permanecem. Liberalização econômica, incluindo a desregulamentação industrial, a privatização de empresas estatais, e controles de redução sobre o comércio exterior e investimento, começou no início de 1990 e tem servido para acelerar o crescimento do país, que tem uma média de mais de 7% ao ano desde 1997.

Economia diversificada da Índia abrange a agricultura tradicional aldeia, a agricultura moderna, artesanato, uma ampla gama de indústrias modernas, e uma infinidade de serviços. Pouco mais da metade da força de trabalho é na agricultura, mas os serviços são a principal fonte de crescimento econômico, sendo responsável por quase dois terços da produção da Índia, com menos de um terço de sua força de trabalho. ndia tem capitalizado em sua grande população de língua Inglês educado para se tornar um grande exportador de serviços de tecnologia da informação e trabalhadores de software.

Em 2010, a economia indiana se recuperou fortemente da crise financeira global - em grande parte por causa da forte demanda doméstica - e crescimento excedeu 8% ano-a-ano em termos reais. No entanto, o crescimento econômico da Índia começou a abrandar em 2011 devido a uma política monetária restritiva, que visa abordar a inflação persistente, e um declínio no investimento, causada pelo pessimismo dos investidores sobre as reformas econômicas domésticas e sobre a situação global.

Altos preços do petróleo bruto internacionais têm agravado os gastos do governo de subsídio de combustível, contribuindo para um aumento do déficit fiscal e do déficit em conta corrente de agravamento. No final de 2012, o governo indiano anunciou reformas e medidas de redução do déficit para reverter desaceleração da Índia.

O crescimento da Índia perspectiva de médio prazo é positiva devido a uma população jovem e em razão de dependência correspondente baixa, poupança saudáveis e as taxas de investimento e aumentando a integração na economia global.

A Índia tem muitos desafios a longo prazo que não foi ainda completamente abordados, incluindo a pobreza, infra-estrutura física e social inadequada, limitadas oportunidades de emprego não-agrícola, a disponibilidade insuficiente de educação básica de qualidade e superior, e acomodar a migração rural-urbana.

Futuro da Índia

A Índia tem feito progressos enormes contra a maioria dos problemas que enfrentava após a independência em 1947. Ela retardou o crescimento da população.

Ela construiu uma base industrial que poucas nações podem igualar, alcançou a auto-suficiência na produção de alimentos, e criou uma enorme classe média educada. Suas universidades produzem mais engenheiros e cientistas que qualquer outra nação do que os Estados Unidos e a Rússia. Tão importante quanto isso, ela provou que sabe como fazer a democracia funcionar. Todos os seus líderes desde a independência foram livremente eleitos.

Mas ainda há muito a ser feito. A Índia deve encontrar uma forma de deter a sua perigosa corrida de armas-nucleares com o Paquistão e estender seus ganhos econômicos para o grande número de Indianos que ainda têm de ser alcançados por eles, e estão se tornando impacientes.

Um terremoto de Janeiro de 2001 em Gujarat matou 14.000 pessoas e deixou cerca de 1 milhão de desabrigados e um tsunami causado por um terremoto na costa do norte da Indonésia em 26 de Dezembro de 2004, matou cerca de 9.000 pessoas ao longo da costa sudeste do continente da Índia e deixou pelo menos 7.000 mortos ou desaparecidos nas ilhas Andaman e Nicobar perto do epicentro do terremoto.

Uma onda de violência sectária por grupos extremistas Hindus e uma insurgência Maoísta expandindo também têm causado grande preocupação. A Índia sofreu outro golpe em 11 de Julho de 2006, quando uma série de explosões de trens em Mumbai matou cerca de 180 pessoas e feriu mais de 700 outras. O grupo responsável pelo ataque não foi imediatamente conhecido.

As tensões entre a Índia e o Paquistão aumentaram depois de uma série mortal de ataques em Mumbai em Novembro de 2008. A Índia acusou que um grupo radical terrorista com base no Paquistão foi o responsável pelos ataques.

Fotos

Índia
O Taj Mahal foi construído pelo imperador Shah Jahan entre 1632 e 1653 para honrar a memória de sua esposa favorita. 
Localizado 125 milhas de Nova Delhi, em Agra, que levou quase 22 anos, 22.000 trabalhadores e 1.000 elefantes para completar o mausoléu de mármore branco

Índia
A piscina longa refletindo que conduz à Taj Mahal

B. G. Gokhale

Fonte: Internet Nations

Índia

Nada pode ser previsível em uma viagem à Índia especialmente a reação de quem a visita. Há quem a ame e quem a odeie, mas ninguém fica indiferente à complexa combinação de um patrimônio cultural e espiritual de mais de 5 mil anos com uma modernidade caótica, mergulhada em fumaça, poeira, cheiros fortes, trânsito infernal e multidões inevitáveis em uma nação com mais de 1 bilhão de habitantes.

Ou melhor, um subcontinente, que ocupa uma vasta planície isolada do resto da Ásia pela cordilheira do Himalaia. Sétimo maior país do mundo, a Índia tem solo fértil e rios caudalosos, como o Ganges, considerado sagrado pelos hindus. E o Taj Mahal, claro o mais extravagante monumento já construído ao amor.

Nenhum lugar é tão diversificado e contraditório. Sua economia cresce 7% ao ano e deve tornar-se a terceira do planeta até 2040, segundo algumas previsões.

O país concentra a segunda maior população de PhDs do planeta (atrás apenas dos EUA), fornece especialistas em informática para o mundo todo, envia satélites ao espaço e até virou potência nuclear. No entanto, mais da metade de seus habitantes vive na miséria, que se escancara sem pudor diante dos visitantes.

É justamente essa predisposição para lidar com os opostos e acolher tudo que assusta quem chega com uma visão idealizada do país na bagagem. Para absorver tudo o que a Índia proporciona, é preciso esquecer o pensamento lógico e se deleitar com suas cores e crenças. Sem a preocupação de explicar o inexplicável.

Varanasi

Índia
Varanasi

A cidade sagrada dos hindus é um show de rituais que exaltam a vida e a morte.

Agra

A cidade do Taj Mahal é o maior cartão-postal da Índia

Índia
Agra

Nova Délhi

Índia
Nova Délhi

A capital do país mistura a agitação de cidade grande com milênios de história.

Rishikesh

Índia
Rishikesh

Entre o rio e a montanha, ela é o lugar ideal para quem quer encontrar a paz

Fonte: www.viajeaqui.abril.com.br

Índia

Nome Oficial: República da Índia
Área: 3.287.263 km²
População: 1210193422 habitantes.
Capital: Nova Deli
Principais cidades: Nova Deli, Mumbai
Idiomas oficiais: Hindi, inglês e 21 outras línguas
Moeda: rúpia indiana

História

A história antiga do país é chamado hoje "Índia" é mais parecido com a descrição de uma civilização que a narrativa linear de "históricas" eventos como podemos estabelecer para impérios ocidentais ou grande como a China ou o Egito. Não foi até a conquista persa e forçou o contato com outra cultura, que capta a história da Índia.

Não que a Índia é uma sociedade "sem história", como alguns têm o direito sobre sociedades "primitivas", mas sim porque a civilização clássica indiana ignora a história, que ela prefere mito. Assim, se algumas crônicas antigas mencionar reis, é somente através da evocação de recursos concordaram que o objetivo de mostrar que o rei estava em conformidade com a ordem do mundo - o dharma.

Muitos reinos floresceram na Índia até a chegada dos Mongóis deixaram arquivos ou biografias de pessoas importantes, e é impossível manter uma linha do tempo com certeza sobre a história antes da conquista persa no século V aC Como nosso conhecimento da ndia antiga que se baseiam principalmente em dados arqueológicos.

Índia em si é um conceito recente. Na época textos védicos falam de Bharatavarsha, isto é "o lugar onde moram os descendentes de Bharat", o antepassado mítico mencionado no Rig Veda e cujo gesto é desenhado no famoso épico Mahabharata - hoje em dia, Hindi, "Índia" é sempre disse Bharat. O país recebeu seu nome atual desde a época colonial, com o domínio britânico.

É então uma pergunta aqui do vasto espaço fica entre o Oceano Índico e do Himalaia e preservada por barreiras naturais influências enormes do lado de fora, e que constituiu provavelmente porque uma casa propício para homens de instalação para um período muito precoce. (A história do Paquistão a partir de 1947, bem como Bangladesh, que se separou do Paquistão em 1971, são discutidas nas respectivas entradas.).

A questão da definição de "área indígena" não é tão pura forma: mesmo na Índia, as partes nacionalistas hindus, que tomaram o poder em meados dos anos 1990, são de fato alguns concepção da história de seu país um dos principais instrumentos de propaganda.

Eles procuram estabelecer a base histórica do puramente hindu Índia contemporânea, mesmo um país maior, incluindo Paquistão e Bangladesh, e às vezes tendem a transformar o que sabemos sobre a história real desta civilização. No entanto, hoje Hui, Índia, sem dúvida, domina o desejo de escrever uma história que reflete a evolução da civilização indiana, intransigente preconceitos religiosos.

As origens das descobertas indígenas sobre as origens do mundo indiano - o que corresponde a Índia, Paquistão e Bangladesh hoje - revelam uma diferença significativa entre o coração do norte é dizer, a planície Indo-Ganges, onde civilizações que floresceram entre os mais antigos da história mundial, como a civilização de Harappa ou Indus - Sul e no planalto de Deccan vasto, onde não há civilização como tecnicamente desenvolvido.

O Paleolítico

Os milhões de anos de índio pré-histórico, cujos principais culturas são soanien e madrasien, parece ser caracterizado pelo conservadorismo de suas indústrias líticas, incluindo a ferramenta de referência é construído rolo. Microlithic tecnologia, marcando o fim da pré-história, aparecem mais tarde e são generalizados, no rescaldo da última glaciação grande. Os maiores depósitos de ferramentas paleolíticas descobriu a mentira de data no Paquistão, Shivalik montanhas, ao pé do Himalaia e do deserto de Thar, na fronteira com a Índia.

Nas margens do espaço indiano Neolítico no Baluchistão (site de Mehrgarh), é um centro líder mundial de desenvolvimento Neolítico. Durante o oitavo milênio tem início a transição de uma economia baseada na caça e coleta para uma economia produtiva, comparável à das civilizações do Oriente Próximo.

Durante quatro séculos, as inovações seguem um ao outro, levando o primeiro tijolo de barro urbana, a domesticação de animais (cabras, ovelhas, gado) e culturas (cevada), com uma cerâmica neolítica seu pico por volta de 6000, depois para adopção de técnicas de metal de 5000.

Depois de 4000, a diversificação da agricultura permite a formação de uma rede de cidades, e um mestre de espaço que promove a colonização do Vale do Indo por volta de 3000. Torna-se uma forma de comércio e do centro axial de convergência de culturas regionais. Trabalhar com couro e marfim também aparece do Neolítico.

Enquanto isso, as técnicas de Baluchistão irradiada em direção ao Ganges, onde são misturadas com as inovações locais, para que os grupos de caçadores-do continente Índia, por sua vez adotado práticas agrícolas. Na península de Deccan, os sítios mais antigos descobertos até agora em Karnataka, remonta ao terceiro milênio aC

A civilização do Indo e seu legado

A Civilização do Vale durante a primeira metade do terceiro milênio, a distribuição da civilização elamita através do planalto iraniano e ao desenvolvimento do comércio por terra, rio e mar aumentaram culturas de contato O Indus Valley com civilizações do Oriente Médio. Estas relações estimular novas atividades econômicas e promover o surgimento de ofícios especializados.

Esses contatos levaram ao surgimento de estruturas sociais que permitam um salto cultural: Harappan civilização ou do Indo atingiu o seu pico entre 2600 e 2000 aC Essa civilização lembra muitos aspectos das civilizações contemporâneas da Mesopotâmia. E as cidades do Vale do Indo estão entrando em um período de transição, o que resulta em cerca de 1750 aC, fragmentação e perda da civilização do Indo.

Se as causas exatas ainda são debatidas, uma vez que grandes mudanças ambientais a uma notícia inadequada certo cultural veio de Bactria, como a introdução do cavalo ea camelo, deve-se notar a descontinuidade entre a civilização Indus e da civilização clássica da Índia - exceto, talvez, o culto do lingam (falo), encontrada mais tarde no culto de Shiva.

Esta é uma das questões mais controversas da história da civilização indiana, e tem implicações políticas hoje. Nacionalistas hindus seria de fato estabelecer uma ligação entre esta civilização e da história depois da Índia, parece que a civilização Indus pode estar relacionado com a cultura dravídica do Sul da Índia, mas para o cultura suméria, a língua falada em Harappa era provavelmente nem indo-europeia nem Dravidian e que ele provavelmente passou cerca de dois séculos entre o desaparecimento da civilização do Indo e da invasão dos arianos na região.

São essas pessoas que introduzem sânscrito, enquanto você pode pensar que a população Harappan permanece na planície Indo-Ganges e gradualmente aculturados, adota a cultura dos recém-chegados.

Finalmente, note que a palavra "Indo" é derivada de Sindhu, a palavra sânscrita que denota rios em geral e, especialmente, o Indo, que serviu como os persas e os gregos e, finalmente, os muçulmanos para se referir a pessoas que conheceram além do Indo - o sindhu palavra deformado depois deu a palavra "Hindu", que os índios adotado para designar-se após as invasões muçulmanas.

A Índia ariana

É neste contexto de civilização urbana na sua falta, por volta de 1500 aC, os arianos (indo-europeus pessoas de Tajiquistão) abriu a segunda grande fase da história indiana. Eles colonizar norte da Índia, impor a sua língua - o sânscrito - a religião - Vedismo - mas especialmente sua hierarquia social.

Esta fase começa com um período inicial védica (1500 a 1000 aC. JC) onde arianos viver com os herdeiros sedentárias da civilização do Indo, que desenvolveram uma cultura mais. Apesar de manter sua vida tribal de pastores semi-nômades, os arianos se espalhar na bacia do Indus, mas ocupam essencialmente o Punjab.

Então, uma forma de compromisso é estabelecida com alguns grupos indígenas, o primeiro passo no processo de integração cultural que dois milênios, dar a Índia e depois no sudeste asiático uma unidade cultural.

Na verdade, os arianos, os detentores de conhecimento (veda) inspirados nos deuses sábios (rishis) que transcrever o sânscrito arcaico, são as primeiras pessoas a partes indusiens. Na véspera do primeiro milênio aC, os indo-arianos, que logo dominou a técnica de ironworking, além do escopo do Punjab para infiltrar-se no vale do Ganges.

Mudanças políticas em seguida, começou o período védico segundo, 950-600 aC, durante o qual os indo-arianos entrar em um duplo processo de evolução. O primeiro, de abandono marca política, em favor das confederações estágio tribal, cuja definição é mais territorial, segundo o religioso, vê o desenvolvimento de formas complexas, como os sacrifícios cósmicas que levar a um colapso sociedade em quatro funções (varna) com base em uma relação diferente para o sacrifício.

Estes são quatro varnas: os Brâmanes que realizam sacrifícios - os sacerdotes, mas não devemos perder de vista que esta é uma simplificação de alguns - o Kshatriya, que fazem a guerra e constituem a aristocracia o Vaishya, que correspondem às pessoas comuns e, finalmente, os Shudras, que são os servos - eles eram talvez originalmente indígenas não-arianos, a serviço dos varnas mais elevados. Foi só mais tarde qu'apparaîtront os "párias".

Tais confederações adquirir dimensão préétatique, enquanto mitos de fundação enraizada na ordem védica o novo centro, São Paulo, que se torna a "terra santa" do hinduísmo, onde a sociedade indo-ariana são os símbolos da coesão.

Quando o vale do Ganges foi colonizada emergente clã tribos, incluindo a de Kurukhs, localizado entre o antigo país de Punjab e da fronteira do vale do Ganges, que é reconhecida como tendo uma posição dominante, ampliado pelo épico Mahabharata, composto provavelmente antes do século IV aC A penetração dos indo-arianos, logo, logo em 800 aC. JC, eles têm um certo conhecimento de grande parte da Índia e estabelecer grandes entidades políticas regionais, os Janapadas, que cortam norte da Índia. Além disso, ele recupera o grande comércio marítimo com a Mesopotâmia.

Estas relações fornecer, depois de mais de um milênio de parênteses oral, uma nova forma de escrita, alfabético, brahmi. Simultaneamente, o indo-arianos assumiu o controle do Deccan - relatórios do Ramayana épico em um véu - potencial do design da Índia como um todo, e grandes valores de sua cultura estão gradualmente codificado. Assim, os Vedas, que são os textos sagrados do hinduísmo, aparecem neste momento (Rigveda, Yajurveda, Atharvaveda e Samaveda).

Desenvolve nova urbanização no vale do Ganges desta vez, o aperto será concluída até o final do século VII aC pelo indo-arianos. Após esta evolução cultural, o religioso, o ensino de Veda (com sua noção de salvação coletiva) cede à Upanishad primeiro e celebração de devoção pessoal, que parece marcar um retorno ao pré-ariana sensibilidade religiosa e agora vai ser a marca do hinduísmo. Intelectualmente reflexão pessoal secular nasce com a aparência da filosofia de Kapila.

O epicentro da Índia desliza para trás em direção ao leste, onde as autoridades locais, que estão estruturadas em torno de suas capitais batalha fortificado para o controle de navegação no Ganges.

A expansão persa com Dario, 550-528 aC, lidera o mundo indiano, proporcionando, em particular, segundo uma escrita na Índia:kharosti derivado de escrever a chancelaria persa originalmente alfabetos contemporâneos. Disseminação do modelo político gera uma vocação imperial persa primeiro dos príncipes de Magadha (uma área que oferece um controle de navegação no Ganges), com historicamente atestada primeira dinastia, a de Haryankas, que diz que 575 em 410 aC.

Neste contexto reformas religiosas redefiniu saldos nos arredores de Indian desenvolver duas "reformas" do hinduísmo que dão origem a duas principais doutrinas.

Eles vão estruturar o outro lado do pensamento indiano: a de não-violência, renúncia e desapego, através da organização de comunidades monásticas.

Budismo Shakyamuni (cerca de 563 -. Circa 470 aC AD) torna-se a religião de referência da Índia e amplia o Extremo Oriente, enquanto o jainismo Mahavira (540-468 aC JC.) É indiano minoria. Enquanto isso, a clássica indiana completa definido com a codificação do sânscrito pela Panini, na segunda metade do século V aC A pressão exercida pelos indo-arianos no Deccan favorecido, provavelmente, a emigração dos dravidianos Sul da Índia para a região da Ásia do Sudeste, as primeiras referências aparecem no Ramayana.

A Índia clássica Após essas elaborações, a saga de Alexandre, que chegou ndia Noroeste em 326 aC, abre o campo para conceituações unitários ambições políticas, bem como individuais.

De Alexander à era cristã

Índia: O Império Gupta Maurya Império e em 327 aC, Alexandre, o Grande cruzou o rio Indo e atinge a Gandhara. Ele não poderia continuar sua conquista mais e estabelece diversas colônias gregas em subcontinente. Alguns anos mais tarde, entre 325 e 321, um aventureiro, Chandragupta, derrubou a dinastia Nanda e tomou o poder em Magadha, que é o núcleo do império pan-indiana primeiro, o Maurya, que vai realizar uma conquista, muitas vezes violenta ndia.

Enquanto isso, Kautilya, Chandragupta ministro, fez o tratado político mais famoso da Índia, Arthasasthra, por volta de 300 aC, que diz respeito ndia política, administrativa e econômica e Kautilya mostra que deve ser bom governo. Índia moderna se afirma com Maurya. Em 297, seu filho, Bindusara, então, em 273, seu filho-neto, Asoka, Chandragupta para ter sucesso.

Timeline (- 269) Asoka é o grande imperador budista da Índia. Ele se converteu a esta religião baseada na não-violência, como resultado de uma campanha militar muito mortal e envia missões para converter os habitantes do Ceilão. É também um grande organizador e administrador. Na sua morte, em 237 aC, o Império está fragmentado.

Seu destino rodar paralelamente ao Império Greco-iraniano dos selêucidas. Quando o Maurya última desaparece, em 185 aC, o subcontinente redivisão entre a Índia Ganges Cunga nas mãos de um noroeste da Índia, onde os aventureiros vêm grego bactriano esculpir reinos e Índia Centro e América do Sul, onde os principados locais (Andhra, Kalinga, Pandya) dizem que sua personalidade jovem.

O Cunga são revertidas por sua vez por Kanva (73-25 aC. AC), enquanto os gregos são eliminados por Transoxiana Sakas (estepe Indo-Europeu outro), que, impulsionado pela turbulência Ásia Central, por sua vez, são implantados no noroeste da Índia durante o século I aC Enquanto isso, Índia Central Andhra tentar reconstruir um império. Finalmente liberado, os principados da costa da Baía de Bengala a irradiando Sudeste da Ásia, onde, no início da era cristã, criou as tribos primeiro Indianised.

Em seguida, uma nova onda de invasores indo-europeus da Ásia Central, o Kushanas sabe capitalizar a expansão do grande comércio "internacional", facilitada pelo desenvolvimento do romano e chinês, para s instalar ponto articulatório, passa da Ásia Central para o vale do Indo eo Ganges, e dá coesão e mundo indiano imperial. Este novo império atingiu seu apogeu no século I dC, com a Kanishka Imperador.

O primeiro ao quinto século

No entanto, a agitação Hunnic Ásia Central prejudica este equilíbrio: o pólo de comércio mundial se move mais a oeste, para o benefício do Irã sassânida, que derrotou os Kushanas em 242.

Dinastia Satavahana ou Andhra, no sul, as quedas paralelas e é substituído por poderes mais a leste, em relação ao comércio no Sudeste da Ásia: o Pallavas de Kanchipuram (250) e Vakataka de Nandivardhana ( 270). Mas o próprio sucesso dessas empresas permite que um novo poder para construir pan-Índia, o centro tradicional da Índia, o antigo reino de Magadha, da qual emerge uma nova dinastia imperial, o de Gupta, que adquire poder com Chandragupta, fundador, em 320.

Com este novo Império, a Índia está crescendo vanguarda econômica e cultural, especialmente a longo prazo, é o único reino intocado por invasões dos povos das estepes. Hindu renascimento resultando em um boom na literatura, incentivados pelo rei Chandragupta, como mostra o trágico poeta Kalidasa, que sabia perfeitamente como traduzir o ideal da sociedade bramânica.

O império Gupta, eventualmente, ser vítima de invasões dos povos das estepes (que não são indo-europeus). Skandagupta (455-467) dá a pressão do Huns branco ou hunos Hephthalites. A companhia indiana, então entra em uma fase de fragmentação política e da depressão econômica. O sul do país, onde as pessoas vivem Tamilakan Dravidian também é muito longa dividido, principalmente entre Pandya de Madurai, a Cherra da costa de Malabar e os Cholas de Thanjavur, e os conflitos são freqüentes.

Então Kalvar e finalmente Pallava impor sua autoridade no século quinto. O Pallava, estão definitivamente entrar no país Tamil na história indiana. Se essas dinastias escapar em depressão em primeiro lugar, eles não podem evitar ser afetados em uma segunda vez, por causa da redução do comércio marítimo entre a Índia ea China.

Os hunos brancos, tomados de surpresa pelos turcos da Ásia Central, estão finalmente derrotado no norte da Índia em meados do século VI.

Índia não permanece menos fragmentada no século VII, e tenta restaurar a unidade falhar: a de Calukya no centro da Índia ou o Harsha rei (606-647) no norte da Índia.

Agora, a Índia já não encontrar nele o meio de uma ordem imperial.

A marca do Islã

Ásia em torno de 750 Islã goza da instabilidade crônica da Índia para empurrar ao longo dos séculos, um pouco mais profundo no Noroeste, onde ainda é de conteúdo por meio milênio. A primeira conquista da Índia pelos muçulmanos é a de Sindh, em 712, mas ele é imediatamente interrompido - os muçulmanos em 724, no entanto, conseguem nomear um governador representante do califa.

Vários reinos indianos, deixando de encontrar o caminho para a unidade (Gurjara dinastia no norte da Índia, etc.), Encontrado pelo menos, graças à recuperação econômica incentivada pelo Islã, que sua prosperidade. Assim, nos séculos IX e X, a Índia fez forte pelo dinamismo político-econômica de seus vários reinos e suas dinastias brilhantes, como o Candella, entrando em um período em que as diferenças regionais são marcados mais.

Ao mesmo tempo, o budismo dá lugar ao bramanismo, marcado por uma expansão da área dos templos, a complexidade de sua estrutura e no desenvolvimento de escultura e pinturas murais. Índia produz então matemáticos brilhantes que inventaram a zero e calcular o valor de pi para a quarta casa decimal. Finalmente, os astrônomos dizem que a Terra é redonda.

No sul da Índia, o rei Chola com Vijayalaya, aproveitar o reino de Pallava e estender para o norte, mas o sul, aproveitando as Ilhas Maldivas, a costa de Malabar e Ceilão. Este é o prelúdio de uma extensão marítima principal.

Ondas turcos

No início do século XI, a pressão do Irã árabe-islâmica é substituído pelos turcos recém islamizada: com Mahmud de Ghazni, que herdou o poder de seu pai em 998, eles logo tomar o controle do norte da Índia Oriente em torno de Lahore, capital do Punjab. Mas a morte de Mahmud de Ghazni em 1030, a maré desce, e da fronteira com o Islã estabilize novamente por um século e meio, até 1191, enquanto thalassocracies do Sul da Índia (o Chola tentativa) para ganhar o controle das rotas marítimas na direção do Sudeste Asiático, empurrando suas expedições a Sumatra.

O Shastri governo (1964-1966) a morte de Nehru em 1964, acrescentando um problema adicional para a Índia envolvido em disputas de fronteiras com seus vizinhos do norte. Seu sucessor Lal Bahadur Shastri. Em 1965, a eclosão da segunda guerra com o Paquistão.

Nascido da partição de 1947, o Paquistão tornou-se o principal aliado do Sudeste Asiático dos Estados Unidos e do Ocidente, no momento em que os blocos político prevalece, ele é obrigado pelo seu tratado de Manila (1954) - o que vai levar a SEATO - e do Pacto de Bagdá concluiu no ano seguinte. Com isso, ele considera o seu apoio diplomático, o Paquistão recebe Caxemira em 1 de setembro de 1965.

Indiano réplica é imediata: 3 de setembro de Exército indiano do Punjab paquistanês e investe operações rapidamente domina o militar como diplomática. Os Estados Unidos recusaram-se a apoiar o Paquistão, enquanto a China não está preparada para intervir contra a Índia. O ataque de cessar-fogo em 22 de setembro, e da Declaração de Tashkent, assinado 10 janeiro de 1966, sob os auspícios das Nações Unidas, organizou a retirada de guerra territórios que ocupam. Shastri morreu no dia após a assinatura do acordo em 11 de janeiro de 1966, filha de Nehru, Indira Gandhi, que conseguiu com dificuldade para recolher o Congresso, então sucedeu.

A era de Indira Gandhi (1966-1984)

A primeira tarefa é manter Indira Gandhi maioria parlamentar no Congresso. Mas se o seu partido vencer as eleições 1967, os resultados mostram uma erosão significativa, com 54% dos assentos no Lok Sabha (Parlamento), contra 70% no tempo de Nehru.

A dificuldades internas durante essas eleições é um Congresso novo líder hostil, de uma casta mediana, Charan Singh, cuja ascensão levará um momento para poder, em 1979. Além disso, o descontentamento da ala direita do Congresso levou à divisão do partido em 1969, a ala direita - Congresso (O) ou o Congresso Velha - liderado pelo conservador Morarji Desai, agora é oposição ao Congresso (R ) leais a Indira Gandhi. Para reforçar sua posição, o primeiro-ministro leva uma dupla estratégia.

Por um lado, procura alargar a sua base e empurra o Congresso para construir sobre os camponeses ricos e da burguesia: abolir privilégios principescos, nacionalização de bancos e companhias de seguros - daí a desaceleração crescimento econômico entre 1970 e 1980 - "revolução verde", que tais medidas sejam tomadas em nome do "socialismo" na Constituição em 1976. Por outro lado, procura-se neutralizar a oposição interna no Congresso.

Para eliminar rivais dentro de seu próprio partido, Indira Gandhi se baseia em outros partidos, comunistas e comunalistas - DMK tâmeis e sikhs da Akali Dal. Nas eleições de 1971, Indira Gandhi, conhecido populista encontrar indo diretamente para os mais pobres, como evidenciado por seu slogan "Garibi Hatao" - "vamos começar com a pobreza." O partido do primeiro-ministro supera, todos os seus adversários não chegarem a acordo.

A revolução verde, sucesso ou fracasso? Em 1966, sob o primeiro governo de Indira Gandhi, foi desenvolvida a política agrícola chamada "revolução verde", os resultados são espetaculares na época - chegar à Índia mais ou menos manter a auto-suficiência alimentar, mas os resultados médio prazo parecem ser muito menos positivo.

Alterando a estrutura de propriedade de fato leva a um enriquecimento dos proprietários têm recursos financeiros suficientes para virar para o uso de pesticidas e fertilizantes. O consumo médio de aumentos de fertilizantes a partir de 1 kg por hectare em 1950 para 32 kg no início de 1980 e 47 kg, em 1985, uma grande parte da agricultura indiana de um modo totalmente diferente de produção, enquanto da população ocupada na agricultura não diminui como uma percentagem do total da população - cerca de 70% entre 1960 e 1980 - e aumentos em números absolutos.

O resultado é uma redução na área cultivada por família, 58% das explorações com menos de um hectare em 1985-1986 contra 40,7% em 1960-1961. Isto, por sua vez, leva a uma diminuição da quantidade e diversidade de produtos alimentares, bem como fortes tensões sociais. Por um lado, os agricultores pobres são obrigados a vender suas terras para alugar como trabalhadores, por outro lado, a produção de legumes, tradicionalmente eles têm pela sua queda economia familiar.

Assim, os legumes são substituídos pelo agronegócio apenas produtos originais - incluindo arroz e trigo, cujo consumo foi, em 1961-1962, 17,5 kg por mês nas áreas rurais e 12,5 kg em áreas urbanas, senha e 10,9, respectivamente, para 14,2 kg em 1990.

O impacto do déficit em frutas e legumes na dieta indiana é igualmente preocupante: a disponibilidade de pulsos por pessoa por ano aumentou de 24,3 kg para 13,7 kg em 1950 para 1959 em 1990-1992, em seguida, ele iria consumir cerca de 25 kg por ano, de acordo com o Instituto Nacional de Nutrição na Índia.

Em termos de biodiversidade, a revolução verde provoca a perda de muitas variedades de plantas: centenas de variedades de arroz, como a haste longa variedades, ou aqueles monções pobres satisfatórios, com rendimentos mais baixos e menos sensíveis ao clima desaparecer, e algumas leguminosas e oleaginosas para alimentação e fertilidade do solo essencial. Finalmente, a tendência para a monocultura promove em larga escala de propagação de doenças.

Indo-soviética Amizade Em termos de política externa, o Indira Gandhi era corresponde a uma maior aproximação com a União Soviética. Para encontrar um aliado na cara de contratempos Paquistão apoiados pelos Estados Unidos, Indira Gandhi, assinado em 1971 um tratado de aliança com Moscou. Paquistão Oriental crise faz com que a saída de 10 milhões de refugiados e levou a Índia a intervir militarmente em 1971 para apoiar a criação de Bangladesh. Estes sucessos são acompanhados pela entrada da Índia no círculo de potências nucleares em maio de 1974.

O estado de emergência em 1972 desencadeia uma forte oposição legal, desafiando os resultados das eleições de 1971 e conseguiu trazer grandes segmentos da população em manifestações de massa - ferroviário de greve liderado pelo sindicalista George Fernandes, cuja carreira política toma impulso. Movimento "JP" - o nome do seu carismático líder Jaya Prakash Narayan - bem sucedida, de 1974 para unir sob sua bandeira uma grande parcela forças hostis ao Congresso (R). A inflação acelerou em frente 3,6% em 1970-1971 para 30% ao ano em 1973-1974.

Indira Gandhi resolve esses desafios pela repressão aumentou. Em junho de 1975, o Poder Judiciário invalida as eleições de 1971, acusando o primeiro-ministro para ser postas ao serviço de recursos de seu partido que pertencem ao Estado. Indira Gandhi, que, então, deixar o cargo de primeiro-ministro, no uso das atribuições nos termos do artigo 352 da Constituição, que proclamou o estado de emergência em junho-julho de 1975 e prendeu 35 mil membros da oposição.

E isso provoca uma grande crise, que pensa chamar terminar em 16 de janeiro de 1977, eleições gerais. O principal partido de oposição do Congresso, então, reunir no Partido Janata, que supera em muito o Congresso, em Março de 1977.

Alternando perdeu

24 de março de 1977, o deputado oposição Indira Gandhi, Morarji Desai tornou-se primeiro-ministro. Ele está localizado na frente de uma coalizão de hindus tanto socialista e nacionalista - Atal Behari Vajpayee, um líder nacionalista hindu, é ministro das Relações Exteriores do governo Desai.Em julho de 1979, após a renúncia de Desai, Charan Singh torna-se primeiro-ministro, com a ajuda de ocultismo Indira Gandhi, mas não pode impedir a coalizão de governo desmoronar.

Os últimos anos de Indira Gandhi O vácuo político permite o retorno de Indira Gandhi para a cabeça do Congresso, o antigo primeiro-ministro, de fato, conseguiu esquecer o seu papel na criação do estado de emergência. No entanto, deve causar uma divisão e criar o Congresso (I), em 1978, para recuperar a verdadeira margem de manobra política.

Lok Sabha foi dissolvido em 1979, e as eleições de 1980 levar ao poder Indira Gandhi, enquanto o Partido Janata desmorona. Mas o primeiro-ministro acelera a desestabilização do Punjab, que levou ao ataque em 4 de junho de 1984, o templo de Amritsar, onde separatistas sikh refugiados e, finalmente, faz com que o seu assassinato, em 31 de outubro de 1984.

Congresso últimos anos (1984-1996) enquanto motins antisikhs ocorrer, especialmente em Delhi, Indira Gandhi sucessão é organizado: nenhuma experiência política, seu filho Rajiv sucedeu-lhe como chefe do partido e do governo.

Congresso (I) vem amplamente vencedor das eleições de 1984 (415 assentos dos 517), tendo escolhido um slogan que mostra a sua vez vai demorar: ". Trazendo a Índia no século XXI"

O fim da nova dinastia Nehru-Gandhi Primeiro-Ministro e Ministro das Finanças, Vishwanath Pratap Singh, buscavam modernizar todo o sistema político e econômico.

Crescimento torna-se, pela primeira vez, a prioridade: paridade entre públicos e privados abertos 27 setores ao investimento privado, o aumento da licença de importação. Graças a um verdadeiro desenvolvimento industrial, ele percebe que sua meta de crescimento de 5% ao ano. O déficit orçamentário também aumenta, ea dívida externa da Índia, que passou de US $ 7,8 bilhões em 1970 para US $ 24 bilhões em 1981 e US $ 61 bilhões em 1990.

Rajiv Gandhi liderou a política externa empreendedor, tendo, nomeadamente, para retomar as relações amistosas com a China. No entanto, o primeiro-ministro não consegue restaurar o consenso aumento motins políticos, ea tensão aumenta no Punjab e Tamil Nadu. Congresso perde assentos em favor do partido nacionalista hindu Bharatiya Janata Party - BJP, "o partido popular do povo indiano", criado em 1980, após o colapso do Partido Janata.

O BJP é em comunalismo - que exalta as características das comunidades religiosas, nomeadamente hindus - uma maneira de neutralizar a liberalização em curso. VP Singh, que suspeita de irregularidades em contratos celebrados pela Defesa, renunciou em 1987, e surge ministro sucessor Prime. Ele atacou a corrupção, renunciou em 1989.

O interlúdio Singh VP Singh, que então tomou a frente de uma coalizão de oposição Janata Dal, com o apoio do BJP, sucessor Rajiv Gandhi, em dezembro de 1989. Enfraquecida pelas tensões crescentes na Caxemira, que busca fortalecer a sua base política, aumentando as quotas para as castas mais baixas e grupos tribais do setor público e universidades.

É com base no relatório Mandal, um velho 10 anos, que recomendou a criação de cotas para "Aulas Backward Outros" ("classes atrasadas OBCs outros"), e nenhum governo desde o seu editorial , queria implementar, porque muitas das oposições previsíveis.

Singh e desencadear uma nova crise política - o BJP retirou seu apoio - e renunciou em 11 de Novembro de 1990. Chandra Sekhar sucedeu, mas renunciou em março de 1991, a Lok Sabha foi dissolvida. Enquanto uma nova eleição é realizada, Rajiv Gandhi foi assassinado em 21 de maio de 1991 por extremistas Tamil.

O retorno das eleições do Congresso dão uma maioria relativa no Congresso (I), o BJP agora ocupando o segundo lugar no espectro político. O novo primeiro-ministro, Narasimha Rao, que foi chamado de volta de seu público quase-aposentadoria lança uma política de abertura ao investimento estrangeiro na reinserção Índia na competição global, liderada pelo novo ministro das Finanças, Manmohan Singh.

A dívida pública continua a subir, e inflação abaixo de 5% durante a década de 1980, passando de 17% em 1991. Esta acentuação da curva pela Índia para uma economia de mercado deve muito ao colapso de seu principal aliado, a União Soviética, que priva alternativa econômica e forçado a renegociar o pagamento de equipamentos que ela recebeu durante a era comunista e da Guerra do Golfo, causando a repatriação forçada de muitos trabalhadores indígenas da região, custou cerca de US $ 3 bilhões para a Índia. No entanto, a liberalização da economia coloca Portugal na vanguarda da "bons alunos" do Fundo Monetário Internacional, com o crescimento fica em torno de 5% ao ano na década de 1990.

Na parte da frente doméstica, os motins de dezembro de 1992, que culminou com a destruição da mesquita de Ayodhya por nacionalistas hindus, resultando, em 1993, um surto de violência religiosa, particularmente Mumbai, o que contribui para o enfraquecimento do Congresso e resultou no aumento do BJP.

O partido nacionalista hindu, o Shiv Sena aliado, um regionalista movimento extremista hindu militante, assumiu o controle em 1995 de Maharashtra, o estado mais rico da Índia, cuja capital é Mumbai. Em seguida, o Partido do Congresso registrou uma derrota histórica em maio de 1996.

A chegada ao poder dos nacionalistas hindus Os anos 1990 foram marcados pelo aumento da eleição BJP, 7,4% dos votos em 1984 para 20,3% em 1996 e 25,5% em 1998. Mas em 1996, o BJP pode pretender governar sozinho, e Vajpayee, que foi chamado para formar o governo, renunciou depois de alguns dias.

O novo primeiro-ministro, Deve Gowda, deve formar um governo de coalizão com o apoio, sem a participação do Congresso.

Resta ao poder um ano antes da crise de abril de 1997, mostra que o Congresso continua a ser uma força política essencial: na verdade, o novo primeiro-ministro, Inder Kumar Gujral, pode formar um novo governo, com, de Mais uma vez, o apoio do último partido (1997-1998). Durante seu curto ministério - Gujral renunciou no final do ano, quando o Congresso se recusar apoio - que promove uma política de distensão na região, incluindo o Nepal - Tratado sobre a Barragem de Mahakali - Bangladesh - tratado sobre a partilha do Ganges - a retomada do diálogo com o Paquistão e uma política de apaziguamento no Sri Lanka. Na frente econômica, continuou a política de desregulamentação implementado por Rao.

As eleições realizadas em fevereiro-março de 1998 viu a vitória da Aliança Democrática Nacional (NDA pela sigla em Inglês), a coalizão é liderada pelo BJP. Chamado para o primeiro-ministro Vajpayee deve lidar dentro do governo nova maioria, com forte crescimento em festas regionais, que representam 21,9% dos votos.

Congresso, liderado por Sonia Gandhi, é a votação do partido primeiro (25,7% dos votos), mas a pontuação é a sua pior derrota desde a sua criação. Finalmente, os dois partidos comunistas (CPI, "Partido Comunista da Índia", e CPI [M], "M" de "marxista") e vários partidos socialistas representam a principal força política outra na Índia.

Em 1999, a coalizão começou, e novas eleições para a Lok Sabha são realizadas em setembro e outubro, que o NDA transformado novamente vitorioso, com 293 de 535 assentos, 183 para o BJP, enquanto o Congresso (I) ganhou apenas 112 assentos, contra 141 no ano anterior.

No entanto, em 2001, a coalizão é atormentado por problemas de compreensão, como evidenciado pela renúncia de ministro George Fernandes, o líder do Partido Samata março, e seu retorno ao governo como ministro da Defesa, em outubro do mesmo ano.

Corrupção e saffronisation abertura econômica do sistema político indiano está sujeito a corrupção substancial que existe em todos os níveis, incluindo a direção do Estado, e alguns membros do governo ou ministérios são regularmente acusados de irregularidades diversas.

Em 2001, o ministro-chefe de Tamil Nadu, Jayalalithaa ex-atriz, teve de abandonar o seu posto como chefe do governo do estado para a corrupção e eleição ilegal - no entanto, 2 de Março de 2002, após sua vitória nas eleições locais, Jayalalithaa, a pedido do governador do Estado, retomou sua antiga posição como ministro-chefe, o anterior titular renunciou para dar-lhe o seu lugar.

No plano econômico, o governo tem uma política de Vajpayee orientação econômica liberal: aumento das oportunidades para os investidores estrangeiros, a Lei de Seguro regulamento, aprovada em 1999 pela Lok Sabha, planeja permitir que empresas estrangeiras a possuir até 40 % de uma empresa indiana, o desenvolvimento de uma linha de centros de pesquisa e industriais computador entre Mumbai e Pune ...

Ao mesmo tempo, a política de espalhar o hinduísmo defendida pelo BJP - "saffronisation" açafrão cor é o emblema do hinduísmo - recebeu um forte impulso. Ele é inspirado no político-cultural organização Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS) e seu líder KS Sudarshan. Assim, a ação continua RSS longo contra a Igreja Católica, acusando-os de tentar converter os grupos tribais e empurrar para a separação - os vários estados da União Indiana, um dos últimos criados são estado habitada importantes grupos tribais, muitas vezes convertidos ao catolicismo.

Como no caso de Ayodhya - onde uma mesquita foi destruída por hindus em 1992, continua a ser um dos temas recorrentes da política interna do governo Vajpayee religiosa, apesar de seus compromissos eleitorais e, apesar da oposição de alguns seus aliados da NDA recomenda a construção de um templo hindu e na reconstrução de uma nova mesquita no local do antigo edifício destruído.

Em termos de educação, o governo tentou generalizar o ensino de astrologia hindu em faculdades e universidades, mas encontrou-se com a forte oposição liderada por principais centros acadêmicos e de pesquisa, como Instituto Indiano de Ciência, em Bangalore.

A política externa da Índia recusa nacionalista, em 1996, a assinar o tratado de proibição de armas nucleares (CTBT), chegou ao poder em 1998, o governo do BJP, as declarações fortes ou belicistas, Vajpayee contra o Paquistão e contra a China, seguida por vários testes nucleares subterrâneos (Maio de 1998), provocou um revival animada da tensão internacional na região.

De maio a julho de 1999, o confronto no setor Kargil na Caxemira entre a Índia eo Paquistão. Paquistaneses, sob pressão internacional, inclusive dos Estados Unidos, foram obrigados a retirar seu apoio aos separatistas da Caxemira e Vajpayee governo ganha a sua primeira grande vitória diplomática.

No entanto, o resto da Caxemira, em 2001, o alvo de vários ataques terroristas (ataque suicida contra a Assembléia do Estado em Srinagar em 01 de outubro). 13 de dezembro de 2001, um comando suicida, composto de dois alegados membros de redes islamitas localizado no Paquistão, o Jaish-e-Mohammad e Lashkar-i-Taiba, consegue apresentar ao Parlamento em Nova Deli, este ataque terrorista leva a um forte aumento da tensão entre Índia e Paquistão.

Geografia

Limitado ao oeste pelo Mar da Arábia e ao leste pela Baía de Bengala, limitado a oeste pelo Paquistão, a norte pela China, Nepal e Butão, e ao leste pela Bangladesh e Mianmar.

Índia como um enorme estado tão grande como seis vezes a da França, o resultado de uma longa história, um resultado direto da divisão do Império Britânico na época da independência, levando à formação de dois e três estados separar ndia e Paquistão, em 1947, a divisão último depois de dar à luz a Bangladesh em 1971.

Com uma área total de 3.287.590 km2, a base indiana como um conjunto de planaltos e regiões montanhosas, afetando aproximadamente a forma de um diamante, que é a parte sul da península indiana e da parte norte, a perto de Delhi, uma ndia Central, mais massivo. As terras altas de várias origens estão localizados nas extremidades da base, enquanto que os planaltos dominam o centro.

Um primeiro tipo de região geomorfológica bem representado no centro da península, é o achatamento grandes superfícies encimadas por relevos íngremes que estão acima das bandejas, como ilhas no mar: é por isso que eles estão qualificados para inselberg ("montanha-ilhas", em alemão). Estes relevos são devido a afloramentos de rocha particularmente duras, incluindo gnaisses altamente resistentes (charnockitos).

O seu aspecto é devido à profundidade da alteração relacionada rocha a altas temperaturas e humidade do ambiente, ao mesmo tempo alternando períodos de seca e molhada continuou íngreme e desenvolvimento de planos inclinados a seus pés. Granitos e gnaisses decompostos sob a ação de um total quente e chuvoso, deram solos vermelhos, fertilidade relativamente pobre.

Um segundo tipo de basaltos de platô associados com toalhas de mesa, cobre o noroeste da península. Seus topos são planas, as encostas dos vales são cortadas em etapas, que correspondem a diferenças na resistência à erosão entre as "camadas vermelhas" e derrames basálticos.

Estes passos são solos negros, ricos em bases, que podem reter grandes quantidades de água entre os pisos que são: quais são as regurs famosos, terras adequadas para o cultivo de algodão.

Nordeste e leste da base das massas homogêneas de granito e gnaisse foram levantadas terciário, provocando uma fase posterior de erosão. Atuando em rochas de força similar, este último um alívio esculpida cumes altos arredondado, sem a orientação dominante, evocando o francês Massif des Vosges.

Montanhas médias oferecer um pouco diferente, uma vez que o resultado de uma segunda fase de erosão de alinhamentos de rochas duras correspondentes às raízes das dobras antigas. Este é particularmente o caso para a Montanhas Cuddapah, a sudeste, ea cadeia Aravalli, que se estende em torno do Golfo de Cambaia em Delhi. Comparável à antiga cadeia no leste dos Estados Unidos, estes relevos são classificados como Apalaches.

Quebras de ter criado grandes penhascos que posteriormente foram dissecados por fluxos deprimentes. O mais espetacular dessas falhas tem gerado um verdadeiro muro continua ao longo do Mar da Arábia, os Ghats Ocidental (em sânscrito, o termo se refere a ghat uma escada). Leste-oeste falhas afetaram a Northwest deram origem a escarpas mesma direção (Satpura e Vindhya montanhas).

O Deccan inteiro sofreu um movimento de balanço, observando que o Leste mais ocidental, a assimetria entre as nervuras é uma das principais consequências.

Os principais rios que fluem de oeste para leste construíram deltas poderosos ao longo da Baía de Bengala, que é uma espécie de planícies forrados. Por outro lado, a escarpa dos Ghats quase diretamente com vista para o Mar Arábico, exceto no Sul, onde ainda há uma planície costeira fina.

A zona dos Himalaias

O enchimento do poço préhimalayenne é completada por rios aluviais atuais. Sopé cones atender a borda das montanhas e as águas que se infiltra em jusante reaparecem, onde se mantêm uma área pantanosa, o Terai. No eixo da depressão, terraços aluviais dominam as planícies de inundação da planície com os submarinos e os grânulos de terra, camas mais altas ao longo dos menores.

As montanhas do norte são compostas por diferentes elementos que seguem de norte a sul: o Himalaia alta, Grande Himalaia e tem vista para seus vértices empoleirados entre 6000 e 8846 m no platô tibetano, cujas altitudes são cerca de 4.000 m.

Médio Himalaia, ao sul da gama alta, carrega picos mais baixos (3.000 a 4.000 m); vales e bacias são o alívio um pouco de ar. Alinhamento e superior contínua domina, por sua vez ligações Siwalik, na fronteira com a grande planície.

Contrastes Cruz não estão ausentes: enquanto o todo é mais complexo e de alto-noroeste na região da Caxemira, os picos mais altos são, no entanto, Nepal.

Economia

A distribuição da população e da atividade econômica é determinada por uma série de conexões recíprocas e relações com ambientes físicos.

Em um país onde a agricultura ainda fornece quase dois terços dos postos de trabalho, não é de estranhar que a produtividade dos sistemas agrícolas é um fator chave para explicar as densidades rurais, em grande medida, é o mesmo para localização das cidades: eles eram, e continuam sendo, centros de serviços para a população rural. Sistemas de cultivo à base de arroz permitir densidades muito altas, especialmente nas planícies úmidas, formando um grande arco da costa de South-West para a planície média do Ganges, incluindo a costa leste e deltas grandes.

A prática de irrigação tem para corrigir os efeitos do ambiente físico e significativamente ampliar o campo de arroz. Além disso, a prosperidade dos agricultores não é maior em áreas mais antigas de alta produtividade em áreas de média densidade, agora modernizadas, como o norte-oeste das planícies do Ganges e partes do sul.

Dois outros fatores influenciam a diferenciação principais do espaço de índio. Colonial primeira política, que desenvolveu três pontos principais ao longo da costa (Bombaim, Calcutá, Madras) e manteve um papel político importante em Delhi. Essas cidades se tornaram grandes centros de indústria e de liderança econômica, têm influenciado grandes trechos de sua proximidade.

A política intervencionista do governo, então levou a instalações industriais em várias cidades do interior: o Estado procurou desenvolver os recursos do subsolo, a criação de novas cidades nas imediações dos principais depósitos.

E surge a partir da combinação destes três fonte de diferenciação influências essencial espacial complexo das desigualdades entre as regiões. Três grandes pólos dominantes foram criados em torno de Bombaim, Calcutá e Nova Deli. Todo o Sul tem uma agricultura relativamente próspera, combinado com uma nebulosa cidades poderoso industrial.

O interior da península atingiu um certo equilíbrio com a modernização de sua agricultura e seu spin-off centros industriais. A situação é difícil em um número de densamente povoada arroz áreas de cultivo, onde os recursos de desenvolvimento não seguem o crescimento (média e planícies mais baixas do Ganges). O Noroeste, que é muito seco e as montanhas do Norte e Nordeste permanecem marginal.

Agricultura

Agricultura, que responde por apenas 31% do PIB, é prejudicado pelas dificuldades enfrentadas pelos pequenos agricultores, apesar dos esforços que têm sido feitos para melhorar sua situação. Graças à Revolução Verde, a agricultura indiana vem enfrentando o aumento da população, mas não conseguiu reduzir as desigualdades sociais e regionais.

Uma reforma agrária moderada As últimas décadas do período colonial foram marcados por um crescimento muito lento da produção de alimentos. Os novos líderes que isso era em grande parte devido às estruturas sociais "aleijão".

Em muitas áreas, os agricultores foram incapazes de viver decentemente, além disso, o investimento rural foi congelado pelas imposições pesado a proprietários ausentes, que muitas vezes apenas para receber uma pensão a partir do solo, preferindo entregar agiotagem em vez de fazer investimentos produtivos.

Não tem, em última análise garante estabilidade suficiente, os inquilinos tinham pouco incentivo para investir. Uma parte dos proprietários ausentes chamou a legislação de direitos herdado do Império Mughal, ampliou e radicalizou pelos britânicos, que transformaram alguns cobradores de impostos específicos (os zamindars) dos beneficiários efetivos.

Para remediar esta situação, os líderes do Partido do Congresso defendeu a implementação de mudança de status agrária reforma moderada legal da terra, ou de coletivização das terras indivisível. Função Zamindar abolida, os inquilinos poderiam receber garantias de estabilidade, enquanto os aluguéis da terra foram tampados.

As leis diferem de um estado para outro, os resultados da reforma agrária é difícil de estabelecer. Em muitas áreas, tem levado ao surgimento de uma "classe média" têm os agricultores como proprietários ou inquilinos, fazendas rentáveis e capazes de fazer investimentos. Em todo o país, eles controlam quase a metade da superfície agrícola utilizada.

No entanto, as condições de vida são muito difíceis para minifundiaires (pequenos agricultores) com menos de 2 hectares de terra, eles controlam apenas um quarto da área agrícola, mesmo que eles representam pouco mais de três quartos dos operadores. A situação dos trabalhadores sem terra - cerca de 40% dos agricultores - é ainda menos invejável.

Do ponto de vista econômico, a distribuição de terra pode proporcionar condições favoráveis para a agricultura, especialmente como minifundiaires e trabalhadores sem-terra são particularmente numerosos em algumas regiões (leste do Ganges simples, Kerala). Levando-se em conta a densidade populacional muito elevada, não está claro como uma redistribuição mais radical da terra poderia ser realizada. O desenvolvimento de atividades não-agrícolas parece alternativa inevitável.

A pressão populacional sistemas de cultivo levou os agricultores indianos para combinar dois períodos de cultivo em sua programação. Culturas de verão (kharif), realizadas durante a estação chuvosa, são completadas por cultura de inverno (rabi), o grande problema é o abastecimento de água.

O uso de irrigação, durante séculos tem desempenhado um papel importante no calendário agrícola. Ingestão de água artificial pode proteger as culturas contra os kharif chuvas irregulares e substituição de culturas que consomem grandes quantidades de água, tais como arroz e cana-de-açúcar, plantas cujas necessidades são menores, mas não são valorizada (milheto, amendoim). O papel de irrigação para cultivos rabi extensão foi rapidamente revelada.

Série de processos técnicos utilizados para corrigir as desvantagens de distribuição de chuvas no tempo e no espaço é muito grande: água de alta distribuição de canais de rios, poços, reservatórios de pequeno porte (tanques), a partir do sistema de canais grandes barragens e reservatórios.

Sistemas de cultivo à base de arroz permitem vários tipos de associações: com cana de açúcar (no verão), painço, sementes oleaginosas "temperado" (colza, mamona, gergelim) e ervilhas (no inverno).

Eles caracterizam regiões Bordieres chuva: pequenas planícies da costa oeste, deltas da peça, Oriente oriental da planície do Ganges. A área de irrigação agora se estende rabi culturas de arroz. Sistemas baseados em millets - sorgo (sorgo), milheto (bajra) - culturas de chuva associados da milheto e amendoim com arroz irrigado no kharif.

Em áreas onde os solos têm uma alta capacidade de retenção de água, especialmente em solos negros que são basaltos, o algodão é um ótimo lugar. Esses tipos de associações de dominar em regiões mais secas do centro da península.

Por sua parte, o trigo está associada com ervilhas e oleaginosas "temperado" (rabi), milho ou arroz e cana-de-açúcar (kharif), esta combinação é característica das planícies do norte, onde o declínio do inverno temperatura é suficiente para excluir período rabi tropical espécies, incluindo o arroz. O inverno proporciona, além disso, boas condições para a cultura de trigo requerendo um fornecimento de água relativamente baixa.

A Revolução Verde

Depois de um período que viu o governo tenta distribuir os investimentos no país, a crise dos anos 1965-1966 estava ciente das desvantagens de uma "pitada" orquestrada por Nova Deli. Os governos têm procurado associar o mesmo espaço de irrigação, fertilizantes e variedades de alto rendimento desenvolvidos nos laboratórios de pesquisa agrícola.

Esta estratégia, chamada de "revolução verde" tem produzido efeitos dramáticos: Brasil parou de importar alimentos, enquanto enfrenta aumentando a sua população. Mas o sucesso não é completo.

Desigualdades acentuaram-se entre as regiões: o progresso tem beneficiado aqueles já bem dotado em termos de recursos de solo e água, começando com o todo do Sul e estados como Punjab. Por outro lado, se o padrão de vida dos agricultores tem melhorado nas regiões mais avançadas, as desigualdades sociais são mantidas e até mesmo aumentou. A "revolução verde" é principalmente o resultado de um campesinato média continua muito pequena.

Mineração e energia recursos do subsolo são variados. Se eles podem lidar com algumas necessidades atuais e abastecer o setor de exportação, as reservas são muitas vezes insuficientes para fornecer bases reais de desenvolvimento. Energia, a Índia tem, no entanto, um trunfo importante para a importância da produção e das reservas de carvão.

Carvão, de que a Índia é o quarto maior produtor, é armazenado no Vale do Rift nordeste da base, incluindo um empresta Damodar Valley, primeira bacia explorada devido à proximidade de Calcutá ele ainda leva à produção, mesmo que a área de extração foi estendido para o sul e leste para o Godavari.

Petróleo jorra em duas áreas limitadas: a lacuna de Assam, no Nordeste e no Golfo de Cambaia, no oeste, onde a operação é em grande parte debaixo d'água, como no mar porto de Bombaim. Produção, ainda modesto (45 milhões de toneladas em 1997), abrange quase metade do consumo atual, é bem verdade sóbrio.

Se refere à eletricidade, a maioria produzida por usinas movidas a carvão, a Índia é o oitavo maior produtor. Hidroeletricidade, que responde por 25% da potência total instalada vem da saída do Himalaia ou os grandes rios da península. Para melhor atender as regiões ocidentais, as usinas nucleares foram construídos (nove estão em atividade).

O produto base de minério indiano variada. Depósitos de ferro são numerosos e dispersos, exceto o de Goa, que exporta para o Japão ter motivado o desenvolvimento, mais produtivos estão atualmente no nordeste, perto das minas de carvão. Recursos de cobre, alumínio, ouro e prata não são desprezíveis, mesmo que não se possa comparar com o manganês, o crómio amianto, mica e, a exportação de alimentação de matéria-prima.

Indústria

Em 1947, os líderes indianos queriam autonomia total independência política baseada desenvolvimento econômico de uma ampla gama de indústrias, a partir de aço a bens de consumo.

A estratégia de política industrial indiano foi baseada na construção de um setor público forte e partilha de tarefas entre o setor público e privado estritamente controlada. Esta estratégia periodicamente revisão foi implementado nos planos de cinco anos o estabelecimento de metas e definindo os meios para alcançá-los.

Financiamento do investimento público foi fornecido pela mobilização da poupança interna e uso de ajuda externa no contexto de acordos bilaterais. O setor público tem sido reserva indústrias de controle relacionadas à defesa, caminhos de ferro, aço e energia. O setor público e privado compartilhado a fabricação de máquinas-ferramentas, indústria química e farmacêutica.

O setor privado tem um monopólio para uma ampla gama de indústrias de consumo, especialmente têxteis. Um número de áreas são reservados para plantas muito pequenas (indústrias de pequeno porte) ou cigarros artesanais, tecidos tradicionais e sedas.

O controle do setor privado foi mantida pela obrigação administrativa de obtenção de licenças para criar capacidade de produção, a importação de matérias-primas e máquinas, celebrar acordos com empresas estrangeiras. O objetivo subjacente a essa medida foi para evitar constranger o desenvolvimento de indústrias de bens de consumo em detrimento do equipamento básico.

Desde 1975, o peso da burocracia, mas também as demandas das classes mais altas, que desejam fortalecer e equipar melhor os bens de consumo duráveis, levaram o estado a aliviar consideravelmente o sistema, particularmente no que diz respeito a licenças.

Os principais objetivos desta estratégia foram alcançados: Portugal tem agora um complexo industrial completo. As exportações de produtos manufaturados (máquinas, diamantes lapidados, tecidos, roupas de algodão, etc.) É superior ao dos produtos agrícolas e matérias-primas.

As localizações Até recentemente, a localização de indústrias foi ainda marcado pelo passado colonial.

De Calcutá e Bombaim, os dois principais centros industriais, produziu um giro na direção das cidades mais ou menos distante:Calcutta na rbita de uma série de cidades de aço pontilham o Nordeste, uma região rica em carvão e ferro (Jamshedpur, Bokaro, Bhilainagar, Rourkela). A 200 km de Mumbai, a descentralização tem garantido o desenvolvimento de cidades como Pune (Poona ou) e Nasik.

Nova industrial nebulosas nasceram, especialmente no extremo sul (Bangalore, Coimbatore, Chennai) e na área que se estende de Nova Délhi para a fronteira paquistanesa. A nebulosa sul Deccan é formado por uma combinação de antigas capitais e centros de peregrinação (Mysore, Thanjavur), onde as atividades tradicionais são sobrepostos invenções modernas.

Industrialização ganha em torno de Deli, como é frequentemente o caso para capitais políticas, que tem crescido no Estado de Punjab oferece um mercado importante para a sua prosperidade agrícola e seu potencial hidrelétrico. As principais cidades da planície do Ganges (Kanpur, Agra, Lucknow, Patna), os da península (Nagpur, Hyderabad, Indore, Bhopal) e os de Gujarat (Ahmedabad, Vadodara, Surat) foram escolhidos como local plantas de grande porte no setor público.

Comércio e comércio interno está relacionado, principalmente, ao setor privado, embora o governo estabeleceu um sistema de recolha e distribuição de algumas commodities agrícolas (arroz, trigo, milho, ervilha, óleos comestíveis) que anualmente define um preço mínimo (que ele compra dos agricultores quando os preços de mercado caem abaixo deste limiar).

Os valores arrecadados são vendidos ao custo de uma densa rede de "lojas de preço justo" (lojas de preço justo), que podem acessar os mais desfavorecidos. A intervenção do Estado, cobrindo uma% pouco mais de 10 da produção de grãos, pois garante renda para os agricultores e, em teoria, ajudar os mais pobres da população urbana.

Na prática, no entanto, o sistema público de distribuição de alimentos na Índia é usado nos Estados mais favorecidos, e mais de metade da população de Kerala, Karnataka, Andhra Pradesh e Tamil Nadu usa o sistema público de distribuição de alimentos, enquanto que mais de 95% da população de Orissa, Uhar Pradesh e Bihar, que estão entre os estados mais pobres, nunca ter usado.

Comércio privado é caracterizada pela proliferação de lojas muito pequenos ou pequenas cambistas, oferecendo frutas, legumes ou cigarros individuais. No coração das cidades centros comerciais parecem olhar moderno, para os turistas e membros das classes superiores. Lojistas muitas vezes pertencem à casta Vaishya especializado.

O comércio externo na Índia evoluiu consideravelmente desde a independência. Enquanto antes da guerra da península estava vendendo chá, café, especiarias e têxteis, produtos industriais respondem hoje por 60% das exportações. Do ponto de vista das importações de bens de capital, acima produtos petrolíferos (25% e 15% dos desembarques). As compras de matérias-primas alimentares tornaram-se insignificantes. Apesar dessas mudanças, a Índia é capaz de equilibrar seu comércio exterior, que permanece cronicamente deficitária.

Transporte

O período colonial, a Índia herdou uma rede de estradas de ferro muito mais desenvolvido do que na maioria dos outros países do Terceiro Mundo.

Como ela não encontrou a necessidade de construir uma infinidade de maneiras novas: o comprimento total da rede ferroviária aumentou de 53,000 km em 1950 para 62.200 em 1995. A sua eficácia aumentou consideravelmente as métricas do trato foram substituídos por bitola normal, muitas linhas de via única fosse duplicada, os eixos principais foram eletrificados.

Estes progresso real não impede a persistência de gargalos. Por períodos relativamente longos, a eficiência de indústrias tem sido dificultada pela irregularidade do fluxo de carvão e de matérias-primas. Comboios de passageiros deslocar lentamente o suficiente longas distâncias relacionadas com o tamanho do país.

Além disso, os índios ricos (empresários e funcionários), bem como os turistas, têm cada vez mais recorrido ao transporte aéreo, incluindo empresa pública (Indian Airlines) fornece as principais rotas domésticas. O governo autorizou uma empresa privada para atender cidades menores em rotas mais curtas.

A rede de estradas é muito ruim: muitas seções, mesmo em estradas principais são muito estreitos, enquanto estradas estão quase ausentes. Estradas mais secundárias não são pavimentadas, o que dificulta seriamente o acesso a muitas aldeias durante a estação chuvosa. Os dez principais portos juntos um tráfego global de 150 milhões de toneladas, metade de Roterdão. Ligações internacionais são fornecidos por três aeroportos principais (Mumbai, Calcutá e Nova Deli).

Turismo

Norte

Delhi consiste de duas partes: de um lado um, Nova Deli, capital da Índia e sede do governo, com amplas avenidas três pistas, parques espaçosos e arquitetura no estilo característico Lutyen , e "Velho" Delhi outro lado, uma cidade centenária, repleta de ruas estreitas, templos, mesquitas e bazares.

Uttar Pradesh: Leste da cidade de Nova Deli é o estado de Uttar Pradesh por onde corre o rio Ganges sagrado. A maravilhosa cidade de Benares (Varanasi), que também é a primeira das cidades sagradas do hinduísmo, é construída nas margens do rio. A própria cidade é um labirinto de ruas sinuosas ladeadas por templos e santuários.

Rajasthan: No sudeste do triângulo é Jaipur, a ponto de saída do estado do deserto de Rajasthan. Conhecida como a "Cidade Rosa", devido à cor característica de seus edifícios, Jaipur é uma cidade de avenidas largas e muitos palácios e arejados. O Palácio Amber (o palácio de âmbar), fora da cidade é particularmente bonita como a fachada oriental do Palácio dos Ventos (Palácio dos Ventos) dentro da cidade.

Himachal Pradesh: pelo menos 320 km ao norte de Delhi é a cidade de Simla, a maior de todas as estações de colina, rodeada por florestas de pinheiros e delicadamente perfumada rica e admirável Kulu Valley (Vale Kulu).

Oeste

Mumbai: A principal cidade no oeste da Índia é Bombaim, a capital do estado de Maharashtra, um porto e centro comercial agitado, onde arranha-céus de vidro e indústrias modernas bazares adjacentes e ruas para animação agitado.

Gujarat: Norte de Bombaim é o estado de Gujarat, famosa por suas sedas também famosos, porque é o local de nascimento de Mahatma Gandhi e o último refúgio do leão asiático, encontrado nas profundezas da floresta Gir. Ahmedabad, norte do estado, é a cidade têxtil líder da Índia, produzindo sedas conhecidos mundialmente.

Goa: Sul do Estado de Maharashtra é o estado de Goa. A costa, a 100 km de extensão, oferece algumas das melhores praias do subcontinente. O estado de Goa estava sob o domínio Português até 1961, permitindo-lhe oferecer uma encantadora mistura de culturas indígenas e latim. O Panaji capital é um dos mais relaxante e elegante na Índia.

O Sul

O Sul é a região da Índia que foi menos afetada pelas incursões de culturas estrangeiras através dos séculos. É aqui que reside a herança indígena que sobreviveu na sua forma mais pura.

Chennai: A capital regional é Chennai (antiga Madras), a quarta maior cidade da Índia e capital do estado de Tamil Nadu. Chennai é o berço da civilização Dravidian antiga, uma das mais antigas culturas do mundo bastante distintas.

Kerala: No oeste fica o estado de Kerala, onde estão localizados a maioria dos resorts de praia importantes da Índia. Entre os Kovalam incluem melhor que oferece praias naturais com comodidades modernas, incluindo bangalôs de luxo e um número de hotéis. Apenas a poucos quilómetros de distância é Trivandrum, capital do estado com o seu Templo Padmanabhaswamy famoso.

Oriente

Calcutá: A maior cidade e do ponto central da Índia Oriental Calcutá, a capital de Bengala Ocidental. Construído como um posto de troca pelos britânicos no século 17, tem crescido rapidamente para se tornar uma metrópole vibrante. Sua herança colonial é refletido nos edifícios do Chowringhee Street e Clive, agora chamado de Jawaharlal Nehru Road e Netaji Estrada Subhash.

Darjeeling: ao norte de Calcutá, é possível fazer uma das viagens de trem mais bonitas que podem ser dadas ao mundo: o "trem de brinquedo" de Darjeeling. A última parte da linha ferroviária através da selva plantações, chá e florestas de pinheiros. Darjeeling está localizado na encosta de uma montanha que desce gradualmente para o vale abaixo e oferece uma vista magnífica do Kanchenjunga (8.586 metros), o terceiro pico mais alto do mundo.

Fonte: www.asie-planete.com

Índia

A Índia possui a segunda maior população do mundo. Este vasto país apresenta uma variedade extraordinária de paisagens, climas e recursos naturais.

O Himalaia, ao norte, é a cadeia de montanhas mais elevada do planeta, com diversos picos com altura superior a 6.000 metros de altitude. As reservas de água são abundantes por todo a região e o clima é quente. Ao sul da Índia, encontra-se a planície Indo-Gangética, que se estende por cerca de 2.500 km no sentido leste-oeste, sendo cortada pelos rios Indo, Ganges e Brahmaputra.

A região é uma das mais férteis do mundo, apesar das constantes inundações e das fortes secas quando não ocorrem as chuvas de monções, entre junho e setembro. Arroz, trigo, algodão, juta, fumo e açúcar são os principais cultivos, embora 70% da população sobreviva da agricultura de subsistência.

O país ainda conta com imensas reservas naturais de madeira, carvão, minério de ferro, níquel e petróleo, este último retirado do próprio Oceano Índico. A indústria leve e manufatureira tem se expandido muito nos últimos anos. O turismo é uma fonte cada vez mais rentável de divisas à população que ainda sofre muito com a miséria conseqüente à antiga ocupação inglesa na região.

Um dos países de maior diversidade étnica do mundo, a Índia abriga inúmeras castas e tribos, uma multiplicidade de religiões e seitas e centenas de grupos lingüísticos grandes e pequenos, pertencentes a famílias totalmente diferentes. As tentativas de fomentar o espírito de nacionalidade em tão variada população esbarram quase sempre nas tensões entre grupos vizinhos, que com freqüência explodem em reações violentas.

A Índia localiza-se no sul da Ásia e ocupa quase todo o subcontinente indiano, com uma superfície de 3.165.596km2. Está separada do resto da Ásia pela cordilheira do Himalaia.

Limita-se ao norte com China, Nepal e Butã; a noroeste, com o Paquistão; a leste, com Myanmar (ex-Birmânia) e o golfo de Bengala; ao sul com o oceano ndico; e a oeste com o mar da Arábia. Bangladesh forma um encrave, dentro da Índia, limitado pelos estados indianos de Bengala Ocidental, Assam, Meghalaya e Tripura, e com o território de Mizoram .

Poucos países do mundo podem orgulhar-se de uma herança artística do porte da indiana, desenvolvida ao longo de mais de quatro milênios, e que abrange manifestações múltiplas, da pintura rupestre à arte popular e às modernas expressões, em todos os campos.

Assim, as artes plásticas e a arquitetura, por exemplo, abrangem um período vastíssimo, que vai do quarto milênio antes da era cristã até a época contemporânea, com influências religiosas diversas, como o hinduísmo, o budismo e o islamismo, e modernamente com a cultura britânica.Entretanto, em nenhuma outra arte os indianos conseguiram uma síntese tão completa entre a mais ampla liberdade e a mais rígida disciplina como na música, elemento essencial na vida do país e do indivíduo, expressão de seu mundo espiritual e de seus valores humanos e resultado da fusão de vários povos, ao longo de seis mil anos de história.

As várias filosofias indianas contêm uma tal diversidade de pontos de vista, teorias e sistemas que é quase impossível arrolar características comuns a todas.

A aceitação da autoridade dos Vedas caracteriza todos os sistemas ortodoxos (astika), mas não os heterodoxos (nastika), como o Carvaka (materialismo radical), o budismo e o jainismo. Além disso, mesmo quando os filósofos alegam fidelidade aos Vedas, tal fidelidade não restringe a liberdade com que elaboram suas especulações.

Na verdade, essa alegada obediência à autoridade dos Vedas serve para tornar seus pontos de vista mais aceitáveis pelos ortodoxos, sobretudo quando se trata de apresentar idéias inteiramente novas. O que mostra que os Vedas podem ser citados para corroborar as mais diversas tendências do pensamento.

O cinema indiano surgiu em Bombaim em 1913. Sete anos mais tarde produziu-se em Calcutá o primeiro filme em língua bengali e em 1934 foram inaugurados em Madras os estúdios destinados à produção de filmes em língua tâmil e telugo. Com uma média de 400 filmes por ano, a Índia é, ao lado do Japão e dos Estados Unidos, um dos principais produtores mundiais, embora sua distribuição seja virtualmente nula fora do país.

Fonte: www.happydayturismo.com.br

Índia

Nome completo: República da Índia
População: 1,2 bilhão (ONU, 2011)
Capital: Nova Deli
Cidade mais povoada: Mumbai (Bombaim)
Área: 3.100.000 km ² (1,2 milhões de quilômetros quadrados), excluindo Caxemira administrada pela Índia (100.569 m² km/38, 830 quilômetros quadrados)
Principais línguas: Hindi, inglês e mais de 20 outras línguas oficiais
Grandes religiões: hinduísmo, islamismo, cristianismo, sikhismo, o budismo
Expectativa de vida: 64 anos (homens), 68 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 Euro = 100 paise
Principais exportações: produtos agrícolas, produtos têxteis, pedras preciosas e jóias, serviços de software e tecnologia, bens de engenharia, produtos químicos, produtos de couro
RNB per capita: EUA 1.410 dolares (Banco Mundial, 2011)
Código de discagem internacional: 91

Perfil

A maior democracia do mundo e país mais populoso segundo emergiu como uma grande potência na década de 1990. É militarmente forte, tem influência cultural importante e uma economia em rápido crescimento e poderoso.

Um estado com armas nucleares, realizou testes em 1970 e novamente em 1990, desafiando a opinião pública mundial. No entanto, a Índia ainda está enfrentar enormes problemas sociais, econômicos e ambientais.

A vasta e diversificada sub-continente indiano - a partir da fronteira montanhosa do Afeganistão para as selvas da Birmânia - estava sob domínio estrangeiro a partir dos anos 1800 até o fim do domínio britânico em 1947.

A partição subseqüente do sub-continente - até a atual Índia e Paquistão - lançou as sementes para um futuro conflito. Houve três guerras entre a Índia eo seu arqui-rival Paquistão desde 1947, dois deles sobre o disputado território da Caxemira.

Um processo de paz, que começou em 2004, ficou na pista apesar da tensão sobre a Caxemira e vários alto perfil bombardeios até que os ataques de Mumbai de novembro de 2008, realizados por militantes islâmicos do Paquistão e esmagadoramente organizado pelo movimento paquistanês Lashkar-e-Taiba. Índia anunciou que o processo estava em pausa no mês seguinte.

Conflitos comunais

Com suas muitas línguas, culturas e religiões, a Índia é altamente diversificada. Isso se reflete também em seu sistema político federal, em que o poder é compartilhado entre o governo central e 28 estados.

No entanto, as tensões comunais, casta e regionais continuam a assombrar a política indiana, às vezes ameaçando seu ethos de longa data democrática e secular.

Em 1984, o primeiro-ministro Indira Gandhi foi morto a tiros por seus guarda-costas sikhs após requisitar tropas para expulsar militantes Sikh do Templo Dourado em Amritsar.

E em 1992, a violência entre hindus e muçulmanos generalizada começou depois que extremistas hindus demolida a mesquita Babri em Ayodhya.

O progresso econômico

Ministro da Índia independente primeiro primeiro, Jawaharlal Nehru, sonhou com uma sociedade socialista e criou uma vasta infra-estrutura pública, muito do que se tornou um fardo para o Estado.

A partir da década de 1980 a Índia começou a se abrir para o mundo exterior, encorajando as reformas econômicas e investimentos estrangeiros. Agora, é cortejada por líderes mundiais poderes econômicos e políticos, incluindo o seu único inimigo China.

O país tem uma classe média em expansão urbana e tem feito grandes avanços em áreas como tecnologia da informação. Sua grande força de trabalho qualificada faz dele uma escolha popular para as empresas internacionais que buscam terceirizar o trabalho.

Mas a grande massa da população rural continua a ser pobre.

Suas vidas continuam a ser influenciadas pelo antigo sistema de castas hindu, que atribui a cada pessoa um lugar na hierarquia social. Discriminação com base na casta agora é ilegal e várias medidas foram introduzidas para dar poder aos grupos desfavorecidos e dar-lhes um acesso mais fácil às oportunidades - como educação e trabalho.

Redução da pobreza e as campanhas de alfabetização estão em curso.

Testes nucleares realizados pela Índia em maio de 1998 e testes similares pelo Paquistão poucas semanas depois provocou condenação internacional e preocupação com a estabilidade da região.

Os EUA rapidamente impôs sanções à Índia, mas, mais recentemente, os dois países melhoraram seus laços, e até mesmo concordou em compartilhar a tecnologia nuclear.

Índia lança seus próprios satélites e em 2008 enviou sua primeira sonda à lua. Dispõe também de uma indústria cinematográfica em massa, cujos produtos estão entre os filmes mais amplamente assistidos do mundo.

Uma cronologia dos principais eventos:

A Índia tem sido o lar de várias civilizações antigas e impérios, alguns que datam de mais de 2.000 aC. Cultura e religiões floresceram ao longo dos milênios, e influência estrangeira tem fluxo e refluxo.

1858 - Índia vem sob o domínio direto da coroa britânica após falha motim indiano.

1885 - Congresso Nacional Indiano fundada como fórum para emergente sentimento nacionalista.

1920-1922 - Nacionalista figura de Mahatma Gandhi lança anti-britânica campanha de desobediência civil.

1942-1943 - Congresso lança "Quit India" movimento.

1947 - Fim do domínio britânico e partição do subcontinente em hindu, principalmente Índia e de maioria muçulmana estado do Paquistão.

Recém-independente

1947-1948 - Centenas de milhares de pessoas morrem em derramamento de sangue comum difundido depois de partição.

1948 - Mahatma Gandhi assassinado por extremistas hindus.

1948 - Guerra com o Paquistão sobre disputado território da Caxemira.

1951-52 - Partido do Congresso vence primeiras eleições gerais, sob a liderança de Jawaharlal Nehru.

Tensões regionais

1962 - Índia perde breve guerra fronteiriça com a China.

1964 - Morte do primeiro-ministro Jawaharlal Nehru.

1965 - Segunda guerra com o Paquistão sobre a Caxemira.

1966 - filha de Nehru Indira Gandhi torna-se primeiro-ministro.

1971 - Terceira Guerra com o Paquistão sobre a criação de Bangladesh, antigo Paquistão Oriental.

1971 - Vinte anos de tratado de amizade assinado com a União Soviética.

1974 - A Índia explode primeiro dispositivo nuclear em teste subterrâneo.

Cepas democráticas

1975 - Indira Gandhi declara estado de emergência após ser considerado culpado de negligência eleitoral.

1975-1977 - Cerca de 1.000 opositores políticos presos eo programa de controle de natalidade compulsório introduzido.

1977 - Indira Gandhi Congresso do Partido perde eleições gerais.

1980 - Indira Gandhi retorna ao poder título Congresso grupo dissidente do partido, o Congresso (Indira).

1984 - Tropas tempestade Templo Dourado - Sikhs "santuário mais sagrado - para expulsar militantes Sikh prementes para o auto-governo.

1984 - Indira Gandhi assassinado por guarda-costas sikh, após o que o seu filho, Rajiv, assume.

1984 Dezembro - vazamento de gás na União planta pesticidas Carbide em Bhopal. Milhares são mortos imediatamente, muitos mais posteriormente morrem ou ficam desativadas.

1987 - A Índia envia tropas de manutenção da paz operação em conflito étnico no Sri Lanka.

1989 - Falling apoio público leva ao Congresso derrota na eleição geral.

1990 - As tropas indianas retirados do Sri Lanka.

1990 - grupos separatistas muçulmanos começam campanha de violência na Caxemira.

1991 - Rajiv Gandhi assassinado por homem-bomba simpático Tamil do Sri Lanka Tigres.

1991 - programa de reforma econômica iniciada pelo primeiro-ministro PV Narasimha Rao.

1992 - Extremistas hindus destroem mesquita de Ayodhya, provocando violência entre hindus e muçulmanos generalizada.

BJP à tona

1996 - Congresso sofre pior derrota eleitoral como nunca hindu BJP nacionalista emerge como o maior partido único.

1998 - BJP forma governo de coalizão do primeiro-ministro Atal Behari Vajpayee.

1998 - Índia realiza testes nucleares, levando à condenação internacional generalizada.

1999 Fevereiro - Vajpayee faz viagem de ônibus histórico para o Paquistão para atender Premier Nawaz Sharif e assinar declaração de paz bilateral Lahore.

1999 Maio - Tensão na Caxemira leva a breve guerra com o Paquistão forças apoiadas nas alturas geladas cerca de Kargil em Indian portáteis Caxemira.

Outubro de 1999 - Ciclone devasta leste do estado de Orissa, deixando pelo menos 10 mil mortos.

População: 1.000 milhões

2000 Maio - Índia marca o nascimento de seu cidadão bilionésimo.

2000 - presidente dos EUA, Bill Clinton faz uma visita inovadora para melhorar os laços.

2001 Janeiro - terremotos atingiu o estado ocidental de Gujarat, deixando pelo menos 30 mil mortos.

2001 Abril - 16 indianos e três soldados de Bangladesh são mortos em confrontos de fronteira.

Um foguete de alta potência é lançado, impulsionando a Índia para o clube de países capazes de disparar satélites grandes profundezas do espaço.

Julho de 2001 - Vajpayee atende o presidente paquistanês, Pervez Musharraf, na primeira cimeira entre os dois vizinhos, em mais de dois anos. Ele termina sem um avanço por causa de diferenças sobre a Caxemira.

De setembro de 2001 - EUA levanta as sanções que impôs contra a Índia e Paquistão depois eles realizaram testes nucleares em 1998. A medida é vista como uma recompensa por seu apoio à campanha liderada pelos anti-terror.

Tensões Caxemira subir

Outubro de 2001 - Índia dispara em postos militares paquistaneses no mais pesado fogo ao longo da linha divisória de controle na Caxemira por quase um ano.

De dezembro de 2001 - Esquadrão Suicida ataca o parlamento em Nova Délhi, matando vários policiais. Os cinco homens armados morrer no assalto.

De dezembro de 2001 - Índia impõe sanções contra o Paquistão, para forçá-lo a tomar medidas contra dois grupos militantes da Caxemira responsabilizados pelo ataque suicida ao parlamento. Paquistão revida com sanções semelhantes, e proíbe os grupos em janeiro.

De dezembro de 2001 - Índia, Paquistão tropas em massa na fronteira comum, em meio a temores crescentes de uma guerra iminente.

Janeiro de 2002 - Índia com sucesso teste dispara um míssil balístico com capacidade nuclear - o Agni - em sua costa oriental.

Fevereiro de 2002 - Inter-religioso derramamento de sangue irrompe depois de 59 peregrinos hindus retornar de Ayodhya são mortos em um incêndio num comboio em Godhra, Gujarat. Mais de 1.000 pessoas, principalmente muçulmanos, morrem na violência subsequente. A polícia e oficiais culparam o fogo sobre uma multidão muçulmana, mas uma investigação do governo disse que 2005 foi um acidente. Em 2012, um tribunal condena 32 pessoas durante os tumultos Naroda Patiya em Ahmedabad.

Maio de 2002 - Paquistão-teste dispara três mísseis de médio alcance superfície-superfície Ghauri, que são capazes de transportar ogivas nucleares. Guerra de palavras entre os líderes indianos e paquistaneses se intensifica. Guerra real parece iminente.

Junho de 2002 - Reino Unido, EUA instar os seus cidadãos a deixar a Índia e Paquistão, mantendo ofensiva diplomática para evitar a guerra.

Julho de 2002 - cientista e arquiteto aposentado de mísseis da Índia programa APJ Abdul Kalam é eleito presidente.

Agosto de 2003 - Pelo menos 50 pessoas são mortas em duas explosões simultâneas em Bombaim.

Caxemira cessar-fogo

Novembro de 2003 - A Índia corresponde declaração do Paquistão de um cessar-fogo Caxemira.

De dezembro de 2003 - Índia, Paquistão concordam em retomar ligações aéreas diretas e para permitir o sobrevoo.

Janeiro de 2004 - Reunião inovadora realizada entre os separatistas da Caxemira governo e moderado.

2004 Maio - vitória surpresa para Partido do Congresso nas eleições gerais. Manmohan Singh é empossado como primeiro-ministro.

Setembro de 2004 - Índia, juntamente com Brasil, Alemanha e Japão, lança um aplicativo para um assento permanente no Conselho de Segurança.

Novembro de 2004 - A Índia começa a retirar algumas de suas tropas de Caxemira.

Tsunami na Ásia

Dezembro de 2004 - Milhares são mortos quando as ondas de maré, causada por um forte terremoto submarino na costa da Indonésia, as comunidades costeiras devastam no sul e no Andaman e Nicobar.

2005 7 de abril - Os serviços de ônibus, a primeira em 60 anos, operar entre Srinagar na Caxemira administrada pela Índia e Paquistão Muzaffarabad, na Caxemira administrada.

Julho de 2005 - Mais de mil pessoas são mortas em enchentes e deslizamentos de terra causados por chuvas de monção em Mumbai (Bombaim) e região Maharashtra.

Outubro de 2005 - Um terremoto, com epicentro na Caxemira administrada pelo Paquistão e, mata mais de 1.000 pessoas na Caxemira administrada pela Índia.

Bombas matam 62 pessoas em Nova Deli. Um pouco conhecido grupo Kashmiri diz que está por trás dos ataques.

Fevereiro de 2006 - a maior de sempre da Índia esquema empregos rural é lançado, visa levantar cerca de 60 milhões de famílias da pobreza.

Acordo nuclear

Março de 2006 - EUA e Índia assinam um acordo nuclear durante a visita do presidente dos EUA, George W Bush. Os EUA dá acesso a Índia tecnologia nuclear civil, enquanto a Índia compromete-se a um maior escrutínio por seu programa nuclear.

14 pessoas são mortas por explosões de bombas na peregrinação hindu da cidade de Varanasi.

Maio de 2006 - Supostos militantes islâmicos matam 35 hindus nos piores ataques na Caxemira administrada pela Índia por vários meses.

2006 11 de Julho - Mais de 180 pessoas são mortas em ataques a bomba na hora do rush, trens em Mumbai. Investigadores culpam os militantes islâmicos baseados no Paquistão.

2006 08 de setembro - Explosões fora de uma mesquita na cidade ocidental de Malegaon matam pelo menos 31 pessoas.

Novembro de 2006 - Hu Jintao faz a primeira visita à Índia de um presidente chinês em uma década.

De dezembro de 2006 - presidente dos EUA, George W Bush aprova uma lei controversa que permite Índia para comprar reatores nucleares dos EUA e combustível, pela primeira vez em 30 anos.

Ataque contra o comboio

2007 18 de fevereiro - 68 passageiros, a maioria deles paquistaneses, são mortos por explosões de bombas e uma chama em um trem que viaja de Nova Délhi à cidade paquistanesa de Lahore.

Fevereiro de 2007 - Índia e Paquistão assinam um acordo destinado a reduzir o risco de uma guerra nuclear acidental.

2007 Março - rebeldes maoístas no estado de Chhattisgarh matar mais de 50 policiais em um ataque de madrugada.

2007 Abril - foguete da Índia primeiro espaço comercial é lançado, carregando um satélite italiano.

Maio de 2007 - Pelo menos nove pessoas morreram na explosão de uma bomba na mesquita principal de Hyderabad. Vários outros são mortos em tumulto subseqüente.

Maio de 2007 - Governo anuncia suas figuras mais fortes de crescimento econômico para 20 anos - 9,4% no ano até março.

Primeira mulher presidente

Julho de 2007 - Pratibha Patil se torna primeira mulher a ser eleita presidente da Índia.

De julho de 2008 - Congresso coalizão liderada sobrevive voto de confiança trazida após a partidos de esquerda retirar o seu apoio ao longo controverso acordo de cooperação nuclear com os EUA. Após a votação, vários partidos de esquerda e regionais formam nova aliança para se opor governo, dizendo que ele foi contaminado pela corrupção.

De julho de 2008 - Série de explosões mata 49 em Ahmedabad, no estado de Gujarat. O grupo pouco conhecido indiano responsabilidade reivindicações Mujahideen.

Outubro de 2008 - Após a aprovação pelo Congresso dos EUA, o presidente George W Bush sinais para o direito de um acordo nuclear com a Índia, que termina uma proibição de três décadas dos EUA comércio nuclear com a Delhi.

Índia lança com sucesso sua primeira missão à Lua, a sonda lunar não tripulada Chandrayaan-1.

Ataques em Mumbai

De novembro de 2008 - Cerca de 200 pessoas são mortas e centenas ficaram feridas em uma série de ataques coordenados por homens armados no principal centro turístico e de negócios da financeira da Índia capital de Mumbai. Índia culpa militantes do Paquistão pelos ataques e demandas que atuam Islamabad contra os responsáveis.

De dezembro de 2008 - A Índia anuncia "pausa" no processo de paz com o Paquistão. Equipe indiana de críquete cancela turnê planejada do Paquistão.

De fevereiro de 2009 - Índia e Rússia assinam negócios no valor de US $ 700 milhões, de acordo com o que Moscou irá fornecer urânio para Delhi.

2009 Maio - vitória eleitoral retumbante geral dá governo liderado pelo Congresso aliança de PM Manmohan Singh uma posição reforçada no parlamento, apenas 11 assentos curto de uma maioria absoluta.

De julho de 2009 - paquistanesa, indiana premiers promessa de trabalhar em conjunto para combater o terrorismo, independentemente do progresso em melhorar as relações mais amplas.

A Dehli regras do tribunal que os atos homossexuais consensuais entre adultos não é criminoso, derrubando uma lei 148-year-old colonial.

2009 Dezembro - O governo diz que vai permitir que um novo estado, Telangana, a ser esculpido em parte do sul do estado de Andhra Pradesh. Violentos protestos a favor e contra sair.

Fevereiro de 2010 - explosão de uma bomba em um restaurante popular com os turistas em Pune, no oeste do estado de Maharashtra, mata 16 pessoas.

2010 Maio - O resolver atirador sobrevivente dos ataques de 2008 em Mumbai, Ajmal Amir Qasab, é condenado por assassinato, em guerra contra a Índia e explosivos que possuem.

Junho de 2010 - Um tribunal de Bhopal frases oito índios a dois anos de prisão por cada uma "morte por negligência" sobre a Union Carbide 1984 vazamento planta de gás. Milhares de pessoas morreram neste, o pior acidente industrial do mundo.

Decisão Ayodha

2010 Setembro - Tribunal de Justiça declara que Allahabad Alta local sagrado disputado de Ayodhya devem ser divididos entre hindus e muçulmanos, a destruição de uma mesquita no site por extremistas hindus em 1992, levou a tumultos em que cerca de 2.000 pessoas morreram.

2011 Março - Resultados de 2011 censo colocar a população da Índia em 1.21bn, um aumento de 181 milhões ao longo de dez anos.

Índia ultrapassa China se tornou o maior importador mundial de armas, de acordo com o Stockholm International Peace Research Institute.

2011 Agosto - proeminentes ativistas sociais estágios Anna Hazare de 12 dias de greve de fome em Nova Délhi, em protesto contra a corrupção do Estado.

2011 novembro - Quatorze pessoas, incluindo um ministro do governo ir a julgamento em um dos maiores escândalos de corrupção da Índia sempre - um negócio de telecomunicações acusado de ter envolvido a venda de licenças de telefonia móvel em knock-down preços em troca de subornos.

2012 Janeiro - Ameaças por extremistas islâmicos forçar autor britânico Sir Salman Rushdie primeiro a cancelar sua visita ao Festival de Jaipur prestígio literário, em seguida, para soltar uma aparência de vídeo. Os extremistas opor-se a seu livro Os Versos Satânicos, que é proibido na ndia.

2012 Maio - Manmohan Singh paga primeira visita oficial a Birmânia por um primeiro-ministro indiano desde 1987. Ele assina acordos com vista a proporcionar o desenvolvimento de borda de área e uma linha de crédito indiano.

2012 Junho - Polícia em Delhi prender uma figura chave alegadamente envolvidos no planejamento dos ataques de 2008 em Mumbai. Eles dizem Abu Hamza, também conhecido como Syed Zabiuddin, foi o "manipulador" dos 10 atiradores.

2012 Julho - Pranab Mukherjee do Partido do Congresso é eleito como presidente, confortavelmente batendo seu rival PA Sangma.

2012 Agosto - Tribunal condena 32 pessoas ao longo dos 2.002 conflitos religiosos em Gujarat e absolve outros 29. Entre os condenados nos assassinatos Naroda Patiya em Ahmedabad estão o ex-ministro de estado Maya Kodnani e Babu Bajrangi, um ex-líder do grupo militante hindu Bajrang Dal.

2012 Setembro - The West Bengal esquerda All India retira Trinamool Congress do governo de coalizão mais planos para permitir que os gigantes de supermercados estrangeiras para operar na Índia e cortes de subsídios aos combustíveis. O primeiro-ministro Singh afirma que a medida supermercado é necessário para aumentar o investimento estrangeiro, apesar de protestos por lojistas.

2012 novembro - Mohammad Ajmal Amir Qasab, o atirador único sobrevivente dos ataques de 2008 em Mumbai, é executado na prisão de Pune. O Supremo Tribunal manteve a sentença de morte em agosto.

2012 Dezembro - O estupro e assassinato de uma jovem mulher em Nova Délhi provoca protestos em todo o país e um debate sobre a violência sexual.

2013 Fevereiro - Duas explosões na área Dilsukhnagar lotado do centro de Hyderabad matar 16 pessoas. A polícia suspeita que o grupo islâmico indiano Mujahideen armado.

Fonte: news.bbc.co.uk

Índia

Índia
Templo Kesava em Somnathpur - século XIII

O subcontinente indiano foi berço de uma das mais antigas civilizações do mundo; desde tempos muito remotos seu território constituiu um atraente habitat para a vida humana. Os vestígios mais antigos de atividade humana na região remontam à idade da pedra.

Por volta de 4000 a.C., depois da revolução neolítica na Mesopotâmia, os habitantes do extremo noroeste do subcontinente iniciaram a transição do estado nômade para o da agricultura sedentária. No terceiro milênio viviam em aldeias e praticavam um culto animista.

Dedicavam-se a uma agricultura incipiente e criavam gado. Fabricavam diversos tipos de cerâmica e ferramentas de cobre e bronze. Perto de 500 anos mais tarde ocorreu um grande salto com a criação da civilização do rio Indo ou de Harappa, nome derivado de uma de suas capitais. Floresceu durante mil anos (de 2500 a 1500 a.C.) e desapareceu misteriosamente. Uma das primeiras civilizações do mundo, maior por sua extensão do que as do Egito e da Suméria.

Os povos da civilização de Harappa conheciam o cobre, o bronze, o ouro, a prata e o chumbo e comerciavam com a Mesopotâmia. Tinham arte desenvolvida.

A língua, de que se conservam perto de mil inscrições curtas ainda não decifradas, pertencia, ao que parece, à família dravídica. Seu declínio coincidiu com a invasão dos povos arianos, nômades da Ásia central, que arrasaram as planícies do noroeste da Índia. Nos dois milênios compreendidos entre 1500 a.C. e o século VII da era cristã ocorreu a invasão dos arianos que, pelo Punjab, se infiltraram nas planícies do médio Indo e avançaram até o vale do Ganges.

A civilização védica (de Veda, o conhecimento sagrado) formou-se pela fusão dos arianos com os povos que viviam na planície indo-gangética. Os arianos, de pele clara e vinculados lingüisticamente a helenos, germanos e eslavos, defrontaram-se com uma civilização adiantada, homogênea e brilhante, com cidades e instituições estabelecidas, que dominaram pela força de suas armas superiores.

Os invasores devastaram cidades e obras de arte, mas deixaram uma das coleções literárias mais extraordinárias do mundo, os Vedas, textos sagrados escritos em sânscrito, ao longo dos séculos, e divididos em quatro livros básicos, Rigveda, Yajurveda, Samaveda e Atharvaveda, e complementados por compilações de comentários: Brahmanas, Aranyakas e Upanishads. Com o tempo, crenças não arianas foram incluídas nos sistemas religiosos e estabeleceu-se a divisão social em castas, que exerceu influência determinante no futuro desenvolvimento da Índia. Com o passar dos séculos, as quatro castas básicas subdividiram-se em milhares de outras. Ao longo dos séculos VI e V a.C., os principados converteram-se em monarquias e o comércio prosperou.

Desenvolveram-se duas grandes religiões que buscavam a salvação individual: o budismo, pelo ascetismo e a negação do desejo, e o jainismo, pela mortificação pessoal. Rejeitadas pelos brâmanes, as duas religiões foram propagadas pelos comerciantes e revolucionaram o meio intelectual do país. Gautama Buda e Vardhamana Jnatriputra Mahavira, fundadores do budismo e do jainismo, são as principais figuras da época.

Ao longo do milênio seguinte, o jainismo e o budismo difundiram-se largamente. As artes e o pensamento alcançaram grande esplendor, e a sociedade hierarquizou-se cada vez mais com a criação de milhares de castas; no nível inferior extremo ficavam os párias, ou intocáveis. Essa civilização complexa estendeu-se, nos impérios Mauria, de 321 a 185 a.C., e Gupta, de 320 a 540 da era cristã, até o Nepal, Himalaia, Tibet, Sião (atual Tailândia), Indonésia, Sri Lanka e o reduto dravídico do Deccan.

Sob o domínio de Ciro o Grande e Dario I, os Persas anexaram a região do Indo. Em 326 a.C., Alexandre o Grande dirigiu uma expedição que ocupou o Punjab e o Sind e anexou diversos reinos hindus. Candragupta Mauria, fundador do império Mauria, expulsou os gregos e tornou-se senhor de Mágada.

Seu filho Bindusara e seu neto Açoka, o "rei monge", ampliaram e consolidaram o império, que se estendeu por toda a Índia. Açoka, o mais famoso dos imperadores indianos, foi budista fervoroso. A história de seu reinado consta da literatura sânscrita e está gravada em rochas e pilares espalhados pelo domínio.

Com sua morte, o império entrou em desintegração, e em 185 a.C. o comandante-chefe das forças armadas, Pusyamitra Sunga, assassinou o último imperador mauria e fundou a dinastia Sunga. À queda do império Mauria seguiram-se diversas invasões estrangeiras. No início do século II a.C. chegou Demétrio II, do reino grego de Bactria, sucedido por Menandro. A reação local confinou a presença grega ao Punjab.

Com a morte de Menandro, o maior dos reis indo-gregos, o poderio helênico enfraqueceu-se e caiu sob os ataques dos citas, originários da Ásia central. Os citas associaram-se aos partas e mais tarde a eles se submeteram. O mais famoso soberano parta, Gondofares, reinou de 19 a 45 da era cristã.

Citas e partos foram derrotados pelos kushans, provenientes da Ásia central e os mais poderosos invasores da época. Seu principal soberano foi Kanishka, fundador da segunda dinastia, que viveu no século I da era cristã e difundiu a doutrina budista pelo continente asiático.

Seguiu-se um período obscuro da história política do país, em que as dinastias locais combateram a ocupação estrangeira. Os andhras dominaram o Deccan; o sul permaneceu sob o domínio tâmil; e no norte os bharasivas derrotaram os kushans.

O império indiano ressurgiu com a fundação da dinastia Gupta por Candragupta I no ano de 320. Seu filho e sucessor Samudragupta, que reinou de 330 a 380, ampliou e consolidou o império, que conheceu seu apogeu sob Candragupta II.

Seu reinado marcou a idade de ouro da literatura sânscrita. O império Gupta terminou no final do século V, embora a família continuasse a governar por muitos séculos com autoridade reduzida. Seu fim foi determinado pela invasão dos hunos brancos ou neftalitas, que conquistaram a maior parte do país. A dissolução do império Gupta, considerado o período da Índia clássica, conduziu idade média indiana, na qual o país dividiu-se em centenas de estados independentes.

Essa época, que se prolongou até o século XIII, caracterizou-se pelo triunfo dos guerreiros e o declínio dos comerciantes e pela perseguição aos fiéis do jainismo e do budismo. Os brâmanes recuperaram sua antiga autoridade religiosa e impuseram o hinduísmo sincrético que se formara com o tempo a partir de elementos védicos e pós-védicos, não arianos e por uma multiplicidade de cultos, práticas particulares e preceitos de pureza, não-violência e vegetarianismo, tomados do jainismo e do budismo.

O hinduísmo culminou na coexistência de três deuses máximos: Brahma, o criador do mundo, Vishnu, o conservador, e Shiva, o destruidor. Mais do que uma religião, o hinduísmo é uma ordem social e, sobretudo, o fundamento da civilização indiana, a tal ponto que conserva sua vitalidade na Índia contemporânea. O islamismo entrou no país a partir da conquista de Sind, no século VI, e da fundação posterior de colônias mercantis na costa de Malabar, mas não logrou o domínio global do subcontinente.

Fonte: www.nomismatike.hpg.ig.com.br

Índia

É na Índia que está uma das mais antigas e surpreendentes civilizações do mundo. Sua cultura é altamente diversificada e complexa.

A Índia é um dos países que mais produz riqueza no mundo, no entanto, grande parcela da população não consegue fazer uso dessa riqueza.

Alguns dados:

Capital: Nova Delhi.

Cidade mais populosa: Bombaim.

É o 7.º maior país do mundo em área.

É o segundo país mais populoso do mundo. Possuía 1.132.446.000 habitantes em 2008 (estimativa).

PIB (Banco Mundial – 2008): US$ 1,217 trilhão – é o 12.° maior do mundo.

Indicadores sociais:

IDH (2007) 0,612 (134.º) – médio.

Esper. de vida 64,7 anos (139.º).

Mort. infantil 55‰ nasc. (143.º).

Alfabetização 61% (147.º).

Himalaia

O Himalaia é uma cordilheira ou cadeia (conjunto de altas montanhas). É considerada a maior do mundo. Ela está sendo ainda formada desde que o território que hoje é a Índia colidiu com a Ásia há milhões de anos em função dos movimentos tectônicos da Terra. Suas montanhas chegam a mais de 8 mil metros de altitude, sendo o monte Everest a mais alta do mundo.

Condição feminina

Uma parte das mulheres ainda sofre algum tipo de violência por parte dos homens. O “dote” seria o principal motivo, apesar de sua proibição desde 1961. O “dote” é o pagamento que a família da mulher recém casada tem que fazer ao marido.

Quando esse pagamento é interrompido ou é totalmente quitado, a mulher sofre algum tipo de violência. É importante lembrar que a maior parte das mulheres indianas não sofre essa violência. Segundo o censo de 2001, nascem apenas 927 mulheres para cada 1000 homens. Em outros países, a estatística média é de 1050 mulheres para cada 1000 homens.

Contraste social

A foto aérea acima é de uma parte de Nova Delhi. Ela reflete uma sociedade indiana desigual. Pode-se identificar a área da foto cuja disposição das construções denuncia a existência da pobreza (número 1). Já as áreas mais privilegiadas há menos construções e mais espaço para a circulação de pessoas e veículos, além de lugares para o lazer (número 2).

Os insuficientes investimentos que os governos indianos fizeram e fazem em vários setores da sociedade e na infra-estrutura teve como consequência o deficiente atendimento à crescente população indiana, na qual a maioria possui uma qualidade de vida ruim. Ao lado deste quadro problemático, há uma menor parcela da população que possui uma boa qualidade de vida.

Desenvolvimento

A Índia se industrializou recentemente tornando-se um dos NIC’s (Novos Países Industrializados) junto ao Brasil, China, México, África do Sul, entre outros.

Tornou-se um importante centro de serviços relacionados com tecnologias de informação.É a maior produtora de softwares do mundo.

Cultura e cotidiano

É muito comum o indiano que migra para outro país trabalhar no ramo do comércio. Isso porque a Índia já possui uma tradição nesse setor há milhares de anos.

Seu comércio era uma das atividades mais cobiçadas por outras civilizações.

O seu trânsito é, em muitos casos, caótico, principalmente nas grandes cidades. Nestas é comum os motoristas de veículos buzinarem bastante, o que gera uma considerável poluição sonora. Apesar da existência de leis de trânsito, podemos encontrar veículos transportando um número de pessoas e cargas muito acima da capacidade que eles realmente possuem.

A religião predominante na Índia é o hinduísmo. Como é politeísta, centenas de deuses são cultuados.

Três são as suas principais divindades: Brahma, o Criador, Vishnu, o Preservador e Shiva, o Transformador.

O hinduísmo é uma das mais antigas religiões do mundo. Por isso, existe uma grande variação de rituais, vestimentas, cultos, costumes. O Khumba Mela é o seu principal festival e o maior religioso do mundo, chegando a reunir mais de 50 milhões de pessoas numa única cidade.

Acontece a cada três anos. As diversas formas de vida na Terra são profundamente respeitadas, por isso, a maior parte dos hinduístas não consome carne. Vários animais são venerados como a vaca e o elefante. Seus seguidores acreditam na reencarnação como forma de iluminação e praticam a meditação para a evolução espiritual.

Fonte: profgiovani.com

Índia

Viajar para a Índia é um marco na vida da gente, assim começa toda história de quem visitou a Índia.É um lugar com grandes contrastes, onde beleza e pobreza convivem numa sociedade tão peculiar que é impossível a comparação com o mundo ocidental. Por isso a Índia é tão mágica e desperta tantos encantos e fascinação aos que escolhem este país como destino.

Para compreender melhor todo o contexto da vida dos indianos é necessário conhecer sua história, sua geografia, arte e como a religião e a política tem atingido fortemente a vida de seus habitantes.

Com uma população absoluta superior a 1 bilhão de habitantes, a Índia é o segundo país mais populoso do mundo. É também bem povoado, pois apresenta uma população relativa de 250 hab/km2. Sua distribuição demográfica, no entanto, é irregular e seu rápido crescimento demográfico tem acentuado essa irregularidade.

Em função do tipo de agricultura milenarmente praticado (hoje, quase 70% da população ativa está no campo), as maiores concentrações estão nas regiões de maior pluviosidade. As áreas mais vazias estão ao norte, devido as grandes altitudes, e a oeste, devido ao clima árido.

Embora as taxas de natalidade da população indiana venham caindo - graças s intensas campanhas de controle de natalidade - o crescimento vegetativo é positivo, situando-se em torno de 2% , pois as taxas de mortalidade têm se reduzido com maior regularidade. Assim, embora a população urbana seja pequena (menos de 30% do total), concentra-se fortemente, formando diversas cidades com mais de 1 milhão de habitantes.

O PNB per capita da população indiana é de apenas 300 dólares, situação agravada pela sua má distribuição. Como reflexo disso, o analfabetismo atinge 64% da população e a expectativa de vida situa-se em apenas 55 anos.

Outra característica da Índia é seu problema linguístico. A língua mais falada é o hindu, usada por 37% da população, mas há ainda 16 outras línguas oficiais, além de cerca de 1.630 dialetos em uso.

As Castas

As primeiras referências históricas sobre a existência de castas se encontram em um livro sagrado hindu, chamado Manu, possivelmente escrito entre 600 e 250 a.C. Define-se casta como um grupo social hereditário, no qual a condição do indivíduo passa de pai para filho, endógamo, pois ele só pode casar-se com pessoas de seu próprio grupo. Estão predeterminados também sua profissão, hábitos alimentares, vestuário, etc., levando à formação de uma sociedade estática.

Originalmente, as castas eram apenas quatro: os brâmanes (religiosos e nobres), os xatrias (guerreiros), os vaixias (camponeses e comerciantes) e os sudras (escravos). À margem dessa estrutura social havia os párias, sem casta ou intocáveis, hoje chamados de haridchans ou haryans. Com o passar do tempo, tem havido centenas de subdivisões, que não param de se multiplicar.

Desde sempre, os párias são condenados aos trabalhos mais degradantes e mal pagos, apesar da luta de Gandhi, após a independência, e de inúmeras leis criadas na tentativa de eliminar ou amenizar os problemas que o sistema de castas acarreta. Todavia, essas leis revelam-se impotentes diante da tradição, e o sistema subsiste.

O sistema de castas é a base do hinduísmo.

A religião se torna, então, um poderoso elemento social disciplinador e apaziguador: virtude e resignação são as palavras-chave na postura moral do indivíduo.

O hinduísmo é considerado a religião mais antiga do mundo. Não tem uma organização estrutural (igreja, padres, etc.) nem um livro sagrado, como a Bíblia do cristianismo ou o Corão do islamismo, sendo praticado de formas diferentes em regiões distintas. Caracteriza-se pelo politeísmo - são adorados mais de 240.000 deuses - mas as principais divindades são Brama (espírito da criação, ser inalcançável), Siva e Vishnu, formando uma trindade em torno da qual se agrupam os outros deuses.

Os seguidores do hinduísmo crêem na imortalidade da alma, no ciclo reencarnatório, que visa a libertação dela, e na fusão final com Deus, através da purificação, do culto e da prática religiosa. Segundo o Karma de cada indivíduo (o caminho rumo à perfeição), o homem tem muitas vidas, e seus sofrimentos correspondem aos obstáculos desse caminho.

Ascetismo e disciplina e a prática da ioga são meios de purificar o corpo, na busca da pureza da alma. Devem ser seguidas também normas ligadas à alimentação, celebrações, peregrinações. etc

A Região apresenta um relevo muito simples, composto por três divisões fundamentais. Ao norte encontra-se a Cordilheira do Himalaia ("país das neves", em sânscrito), que reúne cerca de 40 montanhas com mais de 7.500 m de altitude; por isso, é conhecida como o "teto do mundo".Entre essas montanhas, destaca-se o Everest, situado entre o Nepal e a China, ponto culminante do globo, com 8.882 m.

Aos pés do Himalaia estende-se a planície Indo-gangética, de formação sedimentar aluvional recente, com solos férteis. Mais ao sul, ocupando metade da Índia, localiza-se o planalto do Decã, de formação antiga e cristalina, responsável por fartos recursos minerais, como ferro e manganês. Na parte ocidental, esse planalto tem escarpas mais elevadas, chamadas de Gates, onde nascem vários rios que correm para o Oriente (Godavari e Krishna, por exemplo).

Mesmo para quem já foi quatro vezes. Quando começo a mostrar as fotos e falar dos lugares sempre sinto uma pequena frustração pois não consigo transmitir o que é essencial nessa viagem. O que conta não é a mala cheia de presentes, roupas e artigos que custam tão barato lá, nem os dez rolos de filmes que usamos para registrar os lugares onde passamos. O que conta de verdade são as coisas que vivenciamos nesse país, são os limites interiores com os quais somos obrigados a nos confrontar e a invariável comparação que fazemos entre o modo de vida deles e o nosso.

Sempre digo às pessoas que viajam comigo para tentarem olhar a cultura indiana com olhos isentos dos conceitos da nossa própria cultura. Essa é a forma ideal de se abordar e compreender outros povos. Claro que não é fácil, mas a gente tenta. Todos reconhecem que o padrão de vida na Índia e Nepal está muito aquém do nosso.

Quase ninguém tem geladeira, video-cassete ou chuveiro elétrico em casa e poucos deles almejam esses itens essenciais para nós. Aliás, eles não desejam muito além da comida de todo dia e um espaço qualquer onde se possa dormir. É aí que começo a questionar a nossa vida estressada e cheia de ansiedade onde queremos ter carro do ano, uma casa maior, apartamento na praia, casa no campo, TV a cabo, computador, Internet, etc. Acho justo ter tudo isso, mas será que vale a pena gastar todo nosso tempo e nossa vida lutando para conseguir essas coisa e, depois, para mantê-las?

O trânsito é uma loucura. Andar pela Paulista as seis da tarde é uma maravilha comparado com a quantidade de veículos e o movimento caótico dos mesmos pelas ruas das grandes cidades indianas. Mas raramente se vê um motorista reclamando, brigando ou xingando. Eles continuam dirigindo calmamente em meio àquela balburdia.

Nas lojas, todo mundo quer vender e temos que barganhar muito para comprar por um preço justo. Sempre achei que os vendedores indianos são os mais ávidos do mundo. Esse ano passei por uma experiência que me fez repensar esse conceito.

Estava barganhando com um jovem vendedor até que ele chegou num preço de apenas vinte rúpias (o dinheiro indiano) a mais do que eu queria pagar. Aceitei, contei as notas que tinha no bolso e dei a ele. Meio de brincadeira, mostrei as duas notas amassadas que haviam sobrado e disse-lhe que elas não eram o suficiente para pagar o jantar. O rosto dele ficou pálido e imediatamente ele me devolveu as vinte rúpias.

Eu fiquei sem-graça e disse que era brincadeira mas ele insistiu para que eu ficasse com o dinheiro. Só depois de garantir ele que eu tinha mais dinheiro no hotel e que não ficaria sem jantar é que ele aceitou de volta as vinte rúpias. Dinheiro é só dinheiro, mesmo para um vendedor. O meu jantar era mais importante para ele do que o seu próprio lucro.

Mesmo caminhar pelas ruas pode ser uma experiência única. Ao olhar pessoas tão diferentes de mim, fico imaginando como elas vivem, o que pensam, como são na intimidade de suas casas e chego à conclusão de que, apesar das diferenças da superfície, no fundo somos todos muito semelhantes e estamos sempre aprendendo uns com os outros. Essa percepção me curou do complexo de inferioridade que, como bom brasileiro, sempre senti diante dos europeus ou americanos. Gente é sempre gente, não importa a roupa que vestem ou a língua que falem.

Como explicar o que se sente ao meditar silenciosamente às margens do sagrado rio Ganges? Ou descansar debaixo de uma árvore no parque onde Buddha fez seu primeiro sermão? Voar de balão rodeado pelos picos nevados dos Himalaias é uma sensação indescritível. A gente se sente dono do mundo, com total liberdade para ir onde quiser e ser apenas aquilo que somos.

É como se todas as mesquinharias da nossa vida cotidiana se dissolvessem diante da grandiosidade daquelas montanhas. Nada mais resta além do silêncio e da certeza de ser uma pessoa abençoada pelos deuses e privilegiada por poder experimentar isso tudo.

E, quietinho dentro do balão, enquanto uma lágrima rola disfarçadamente pelo rosto, a gente agradece ao Grande Mistério por tanta beleza e por essa maravilhosa dádiva que é a vida.

Fonte: www.revistaturismo.com.br

Índia

A Civilização Indiana

Origens

Índia éum país de condições climáticas variadas, por sua extensão e o contraste entre as neves eternas do Himalaia e a selva tórrida. Na parte norte, a Índia possui os mais altos picos do mundo, onde se formam os rios Induse Ganges, e seu afluentes. A irregularidade desses rios provoca inundações súbitas e catastróficas nas terras férteis da Península.

Graças a essa fertilidade, os primeiros povos a ocupar a península foram agricultores. A partir de 1500 a.C., a região foi invadida por povos de origem ariana, vindos do Irã. Esta invasão trouxe o idioma sânscrito, a religião védica e os elementos que formaram a cultura histórica da Índia.

No séc. VI a.C., novas invasões atingiram o nordeste da península: os aquêmidas, sob o comando de Ciro (559-29) e depois Dario (521-485). Durante dois séculos a região ficou sob domínio persa. Daí, a influência mesopotâmicanas esculturas indianas.

O fim do domínio persa foi provocado pela invasão dos exércitos de Alexandre, o Grande (326-25), que trouxe elementos da cultura helenística.

Além dos invasores, a facilidade de acesso pelos desfiladeiros do Indus, facilitarmo acesso de comerciantes. Desde o terceiro milênio a.C., verifica-se um intenso comércio entre a Índia e o Oriente Médio, intensificado a partir da era Cristã.

Períodos História Arte
Pré-Ariano
300 a 1400 a.C
Civilização urbana.
Relações com os sumerianos, localidades importantes: Harappa e Mohenjo-Daro
Arte realista.
Arquitetura desenvolvida cerâmica.
Pintura mural.
Indo-Ariano
1400 a.C a 770 d.C
Invasão ariana. Poder centralizado.
Dinastias: Maurya, Sunga, Kanya, Satavahana, Gupta e Paliava.
Budismo e janinismo.
Invasão de gregos, kushanas, citas e hunos.
Apogeu sob os Gupta
Arte baseada na observação da natureza..
Desenvolvimento a arquitetura e da escultura 
Ourivesaria
(Afrescos).
Medieval 770 a 1200 A índia se divide em uma séria de reinos: Pala, Sena e Pratihara (norte); Chandella, Rashtrakuta e Chalukya (centro); Chola, Kerala e Pandya (sul) Arte mística.
Profusão de ornamentos nos templos.
Desenvolvimento da pintura
Indu Mulçumano 
1200 a 1818
Invasão e dominação Mulçumana.
Sultanato principal em Delhi.
Em 1526 invasão mogol.
Império Moghul (mogol) até 1818
Fusão entre arte hindu e muçulmana.
Desenvolvimento da pintura e iluminara.
Relevos
Contemporâneo
a partir de 1818
Dominação inglesa.
Independência em 1947
Influencia ocidental progressiva

Sanchi, Índia: Grande Stupa (séc. II a.C –I d.C.)

A região budista de Sanchiéfamosa por suas esculturas.

Há3 stupasprincipais, a primeira éa mais característica; a decoração dos 4 portais (torama) éuma referência da arte indiana.

Todos os elementos clássicos da stupaestão lá: a cerca de separação entre o sagrado e o secular; os 4 portões sagrados (toranas); o simbolismo das escadas que levam ao topo dos terraços.

Índia
Stupa

A arquitetura mais antiga que ainda hoje existe na Índia deve-se aos Budistas, uma seita religiosa fundada no século VII a.C. As obras budistas mais importantes foram as stupas.

Começaram como montes funerários mas, depois dos restos incinerados de Buda (483 a.C.) e dosseus discípulos terem sido depositados no seu interior, foram transformadas em relicários, em honra de Buda, e dos seus ensinamentos. Atésurgir a imagem de Buda, elas foram o principal local de culto.

Índia
Stupa e Torana

As stupastambém se destinavam a assinalar locais sagrados ou a comemorar acontecimentos religiosos.

Uma forma arquitetônica que estava associada era o stambha(coluna monumental isolada). Junto às grandes stupase àfrente das chatyaimportantes havia sempre uma ou duas destas colunas.

Índia
Torana: Portão Sagrado

Índia: Chaityade Karli (Deca, II a.C)

As obras mais sagradas da Índia budista eram recintos denominados chaitya. Eram uma espécie de templo de culto coletivo e são comparáveis –em planta e em função –às igrejas românicas e góticas. Entretanto, ao contrário das igrejas, as chaityasão predominantemente grutas, talhadas na rocha com malhetese cinzéis de ferro.

As chaityasmais antigas que chegaram aos nossos dias datam do século II a.C., e épossível que tenham sofrido influência das grutas da Pérsia e da Ásia Menor.

Continuaram sendo construídas durante cerca de 500 anos.

Índia: Chaityade Karli(Deca)

A forma da stupa, com o caminho àvolta para a pradakshina, conferiu àchaityauma extremidade quase circular que corresponde àabside das igrejas cristãs.

Chaitya

A chaityaconsiste num espaço principal com uma nave central separada das naves laterais por duas fileiras de colunas. Uma stupavotiva talhada na rocha, também denominada chaitya, éo principal foco religioso.

Java: Templo de Borodur (séc. VIII a IX)

O fascínio deste templo reside em diversos aspectos: suas dimensões; as esculturas em pedra; os terraços que significam os estágios da purificação.

O conjunto éuma imagem do caminho da alma atéo Nirvana.

Para chegar ao ápice, nenhum peregrino pode duvidar de sua féou mentir, esperando eternamente pelo mistério da existência.

Java: Templo de Borodur (séc. VIII a IX)

Os peregrinos passam por seus corredores pelos nove estágios da autoabnegação, rumo àiluminação; são 4 terraços fechados quadrados e três círculos abertos concêntricos. 72 stupasem forma de sino e 72 budassentados sobre uma espécie de banheira.

A Stupa

Índia

Origens

Índia

Índia: Mahabalipuram (Madras, séc. XVII)

Índia
Mahabalipuram (Madras, séc. XVII)

Os grandes conjuntos de templos dravidianoseram basicamente uma vasta clausura murada, tendo quatro pontos cardeais gopuras e no centro um santuário.

A área quadrilátera continha diversos edifícios arranjados, aparentemente, sem normas especiais e com clausura e tanques para as abluções rituais dos hindus.

No centro, um grande pátio para os assistentes das procissões religiosas; e quase uma cidade com os seu labirinto de pátios e colunatas.

Índia

Índia: Mahabalipuram–Templo da Praia (Madras, séc. VIII)

Índia
Templo da Praia - Índia

Este templo é formado por uma construção quadrangular recoberta de zimbórios poligonais.

Um número crescente de pavimentos éinterpolado entre o corpo principal e o cume do telhado.

Índia

Índia: Incursão ao Ganges (Mahabalipuram: Madras, séc. VIII)

Índia

O rio, disfarçado de homem-serpente, éo centro da composição; todos os outros elementos, homem em prece e animais, para ele convergem.

O movimento centrífugo, dáàobra uma feição unificadora, mas cada figura tem características próprias e a massa de detalhes individuais ésurpreendente.

Índia: Templo de Surya (Konarak, séc. XIII)

Índia

O imenso templo do nordeste indiano, construído no reinado de Narashima-Deva(1238 –1264).

Dedicado ao deus-sol Suryatem a forma de gigantesca carruagem puxada por sete cavalos do sol.

A base édecorada com doze rodas de 3m de diâmetro.

Índia: Templo Hinduistade Hoysalesvara – (HaledibMysore, séc. XIV)

Índia

Khmer: AngkorWat (séc. XII)

Índia

Na disposição dos espaços reflete os elementos cósmicos, tal como nos templos hindus.

O relacionamento entre o celestial e o terrestre acentua o elo místico entre o homem e Deus.

Consiste numa imensa pirâmide em 3 pavimentos, sustentando 5 torres ligadas por galerias cobertas e cercadas por um valado.

O blocos apresentam o equilíbrio rítmico do conjunto.

Afeganistão (antiga Gandhara): Cabeça de Buda (Hadda, séc. IV-V)

Índia
Cabeça de Buda (Hadda, séc. IV-V) estuque com traços de pigmento, 29cm

Os romanos eram um povo prosaico e pouco se importavam com deuses fantasiosos.

Contudo, seus métodos pictóricos de narrar as façanha; de um herói provaram ser de grande valor para as religiões que entraram em contato com seu vasto império.

Durante os primeiros séculos depois de Cristo, a arte helenística e romana desalojou drasticamente as artes dos reinos orientais, atémesmo em seus anteriores baluartes. A arte da escultura florescera na Índia muito antes de essa influência helenística ter chegado ao país; mas foi na região fronteiriça de Gandharaque a figura do Buda surgiu pela primeira vez nos relevos que passaram a constituir o modelo para a arte budista posterior.

A arte grega e romana, que tinha ensinado o homem a visualizar deuses e heróis com belas formas, também ajudou os indianos a criar uma imagem do seu salvador. A bela cabeça do Buda, com sua expressão de profundo repouso, também foi feita na região fronteiriça de Gandhara.

Afeganistão (antiga Gandhara): Gautamadeixando sua casa (LouriyanTangai, séc. II)

Índia
Gautama(Buda) deixando sua casa (LouriyanTangai, séc. II) xixtopreto, 48 x 54 cm: Museu Indiano, Calcutá

Mesmo na distante Índia, o modo romano de contar uma história e glorificar um herói foi adotado por artistas que se propuseram a tarefa de ilustrar a saga de uma conquista pacífica: a história do Buda.

A figura representa o episódio da lenda do Buda designado como A Grande Renúncia.

O jovem príncipe Gautamaestádeixando o palácio dos pais a fim de se fazer eremita na floresta.

Dirige-se nos seguintes termos ao seu cavalo favorito, Kanthaka:

"Meu querido Kanthaka, carrega-me uma vez mais somente por esta noite.Quando me tiver tornado o Buda com a tua ajuda, trarei a salvação ao mundo de deuses e homens."

Se Kanthakativesse apenas relinchado ou feito algum ruído com os cascos, a cidade teria acordado e a partida do príncipe seria descoberta. Por isso os deuses lhe abafavam a voz e colocavam as mãos sob os cascos do animal sempre que este dava um passo.

Mãe e Filho (Orissa, séc. VIII-IX)

Índia
Mãe e Filho (Hadda, séc. VIII -IX) arenito, 40cm

Estátua típica do período medieval do norte da Índia. Éde pequenas proporções, como todas as esculturas da decoração mural dos templos de Orissa.

Painel esculpido em Charretes de Cortejo (séc. XVII)

Índia

O deus Vishnu, segundo membro da trindade Hindu, era representado como uma das encarnações (avatar) das 10 com que ele desce à Terra.

À esquerda, ela aparece como Krishna, rei-serpente, origem de uma mística baseada na adoração confiante.

Àdireita, Vishnuaparece sob forma de animal, o javali vahara, imerso na água para resgatar a terra inundada.

BIBLIOGRAFIA

BAUMGART, Fritz.Breve História da Arte. Martins Fontes.
BENÉVOLO, Leonardo. História da Cidade. Perspectiva.
GOMBRICH, E. H. A História da Arte. LTC, Rio de Janeiro, 1999.
GRUBE, ErnstJ. O Mundo da Arte.Mundo Islâmico.JANSON, H. W.História Geral da Arte. São Paulo. Martins Fontes, 1993.
NUTTGENS, Patrick. TheStoryofArchitecture. Phaidon. Londres, 1997.
RUSSEL, Bertrand. História do Pensamento Ocidental. Ediouro.VILLALBA, Antônio Castro. Historia de laConstruccónArquitetónica. UPC –UniversidatPolitècnicade Catalunya. 
VERLAGSGESELLSCHAFT, Köneman.História da Arquitetura. Da Antigüidade aos Nossos Dias. Colônia, 2000.

Fonte: www.histeo.dec.ufms.br

Índia

Centro da Índia

RAJASTHAN

Rajastham é conhecido como a Terra de Reis. Habitado pelos rajput, este território desértico com paisagens rochosas e onduladas dunas, conta com formosos palácios rodeados de jardins, lagos e perus reais, podendo percorrer nos lombos de elefantes belamente adornados.

Jaipur

A capital do estado é Jaipur, a cidade rosa que deve seu nome a cor da areia calcária com que construiram-se os edifícios da cidade antiga. O desenho agradável desta vila deve-se ao maharaja Jai Sigh II, que iniciou a construção em 1728 e conseguiu que seu arquiteto Vidyadhar Chakravarty misturasse com certos estilos tão diversos como o hindu, jaina, mongol e persa.

A cidade antiga conserva parte da muralha e está dividida por amplas avenidas de mais de 30 m. de largura em nove bairros retangulares que simbolizam as nove partes do universo. Passeando por suas ruas aprecia-se o maravilhoso encanto dos edifícios laranjas e rosas, seus moradores vestidos com brilhantes roupas e lugares tão formosos como o Hawa Mahal, Palácio dos Ventos, de cinco andares de altura com janelas talhadas semi-octogonais, o Palácio da Cidade, residência da família real de Jaipur, recinto lotado de palácios, jardins e outros edifícios entre os que destaca o Chandra Mahal, de sete andares de altura em cujo interior fica o Museu do Haharaja Sawai Mam Singh II no que pode-se contemplar tapetes, esmaltes, armas, pinturas com miniaturas, canhões e roupas de marajá, o Jantar Mantar o Observatório, com um relógio de sol de 30 m. de altura e outros instrumentos astronômicos de grande interesse, o Museu Central e os Jardins Ram Niwas que contém um pequeno zoo com uma criação de crocodilos e outras espécies. Tendo oportunidade não perca o Festival de elefantes que é celebrado no mês de março, onde pode-se contemplar estes animais em procissão formosamente enfeitados.

Arredores de Jaipur

Nos arredores de Jaipur pode-se visitar Amber, antiga capital das tribos Mina, na que pode-se ver (uma vez percorrido o trajeto de elefante), o palácio-fortaleza que destaca-se a Sala de Audiências Públicas; o Templo de Kali; as dependências do marajá, a Sala da Vitória e o Palácio dos Espelhos cujos muros estão decorados com pequenos espelhos.

Galta com formosos templos e fontes sagradas, o Forte Nahargarh desde o que pode-se admirar formosas paisagens, o Forte Jaigarth com seus depósitos de água, sua zona residêncial e o teatro de títeres.

Um pouco mais longe encontram-se Alwar com importantes restos históricos procedentes dos princípios do século XVIII e Bharatpur onde está situada uma importante reserva de aves com mais de 328 espécies registradas, Deeg com suas fortificações e palácios, Dholpur com o jardim do imperador Babul, o Lago Mach Kund, artificial, e a Reserva Nacional de Sariska onde pode-se contemplar touros azuis, veados moteados, queixadas, sambares, porém sobretudo, tigres, já que nesta reserva é onde desenvolve-se o Projeto Tigre.

Destacam também nesta zona norte Shekhavati com formosas mansões chamadas "havelis" que também pode-se ver em Nawalgarh, Fathepur e Ramgarh e Churu com uma arquitetura muito bela.

Bikaner

Bikaner está situada no centro de uma região desértica. Destacam as esculturas do Lalbagh Palace e a Sala de Audiências de sua Fortaleza.

A 28 quilômetros levanta-se o Templo de Karni Mata no que venera-se os ratos e onde estes animais correm a vontade em grande número.

Kishangarh

Kishangarh tem formosos palácios e lagos como o Palácio da Cidade, o Phool Majal e o Palácio de Pajhela com uma importante coleção de pinturas da escola desta cidade.

Nos arredores pode-se ver os Cenotáfios de Karkeri, em mármore, o Templo de Krishna, o Palácio Runpangarh, a Fortaleza de Kuchaman, ainda habitada, o Lago salgado de Sambhar e as canteiras de Makrana.

Ajmer

Ajmer, a uns 135quilômetros de Jaipur, é um oásis que encontra-se às márgens do lago artificial Ana Sagar. É um importante centro de peregrinação já que é o lugar santo muçulmano mais apreciado da Índia. Todo dia preparam-se mais de 6.000 quilos de arroz com leite que reparte-se entre os visitantes do Santuário de Dargah, onde encontra-se o túmulo do santo Khwaja Muin-ud-din Chishti.

Também são interessantes a Mesquita Adhai-din-ka-johnpra, o Palácio de Akbar sede do Museu com uma estupenda coleção de esculturas e o Templo Nasiyan, jainista.

Pushkar

A 14 quilômetros fica Pushkar, lugar de peregrinação hindu que convém visitar em outubro ou novembro durante a Feira do Gado na que são os principais protagonistas os camelos chegando a alcançar os 50.000 membros desta espécie.

Não muito longe encontra-se o Parque Nacional Ranthambhor que conta com 42 tigres salvos pelo Projeto Tigre; Chaksu, com um templo dedicado à deusa da varíola e Tonk, com formosas mansões de estilo colonial, entre as que destaca a Sunheri Kothi, cujo interior está cheio de vidros coloridos e espelhos.

Kota

Para o sul do estado os principais lugares de interesse são Kota, Bundi e Jhalawar. Kota é um importante centro militar e industrial no que merecem ser visitados o Palácio e o Forte, impressionante complexo arquitetônico que conta com numerosos edifícios os quais situam-se o Museo do Governo com uma coleção de ídolos de pedra e o Museu Rao Madho Singh com uma coleção de armas, tecidos e afrescos, realmente magnífica.

Nos arredores de Kota encontra-se o conjunto arquitetônico de Bardoli com restos de numerosos templos, Jhalara-Patam com um impressionante Templo do Sol do século X, Jhalawar cujos templos contam com formosas esculturas e a Reserva de Dara onde pode-se contemplar ursos, leões e cervos.

Bundi

Bundi, a 39 quilômetros de Kota, conserva ainda um ar medieval que aprecia-se sobretudo no Forte Taragarh e o Palácio. O conhecido como Forte Estrela conta com depósitos talhados na rocha de grande tamanho e um famoso canhão instalado na maior de suas aldeias, a Bhim Burj. No Palácio pode-se admirar formosos afrescos e pinturas, embora sua deterioração avança com rapidez. É muito formoso tambén o Nawai Sagar, lago artificial, cujo centro fica um templo dedicado a Varuna, deus ário da água.

Udaipur

Udaipur é a cidade mais romântica do Rajasthán com formosas fortalezas e belos palácios. Percorrer a parte antiga é toda uma delícia; pode-se começar pelo Lago Pichola em cuja márgem oriental está situado o Palácio da Cidade, o maior complexo arquitetônico do estado todo. Este complexo conta com numerosos edificios, o setor principal é a sede de um museu que inclui o Mor Chowk, com mosaicos de perus reais, o Manak Mahal com figuras de cristal e porcelana, o Krishna Vilas no que expõe miniaturas e o Moti Mahal com trabalhos com espelhos, entre outros.

A escassa distância levanta-se no Templo Jagdish de estilo ário- indiano e o Museu Bhartiya Lok Kala com uma atrativa mostra de artes populares que inclui máscaras, instrumentos musicais, vestes, bonecas e títeres. Resulta realmente formoso percorrer de canoa as ilhas do lago com seus palácios, hoje convertidos em hotéis.

Nos arredores de Udaipur pode-se visitar Eklingi com suas formosos templos, Nathdwara onde pode-se adquirir pinturas sobre tela muito originais e de boa qualidade, o Lago Rajsamand coberto por arcos enfeitados e o Lago Jaisamad, o maior lago artificial da Ásia, que conta com palácios de verão e uma reserva natural.

Três Fortalezas

Neste estado destacam três fortalezas com fama de não ter sido nunca tomadas pelo inimigo: Kumbhalgarh está rodeada por treze montanhas e conta com umas muralhas de 12 quilômetros de perímetro e com templos, palácios, canalizações de água e jardins, além de uma reserva natural, na que pode-se ver panteras, ursos, antílopes entre outras espécies. Mandalgarh, construido pelo rana Kumbla. Chittorgarh atualmente reduzido a ruinas nas que ainda pode-se apreciar os diferentes palácios e torres.

Ranakpur

Para o noroeste de Udaipur levanta-se o complexo jainista de Ranakpur formado por impressionantes templos. O principal é o Templo das Quatro Caras, Chaumukha que conta com 29 salas sustentadas por 1.444 colunas todas diferentes. Estes templos não podem ser visitados de pés calçados e nem com artigos de pele.

Jodhpur

No oeste de Rajasthán destacam Jodhpur, a segunda cidade em importância depois de Jaipur, que é a porta de entrada ao Deserto de Thar. A cidade antiga está rodeada por uma muralha de 10 quilômetros onde abrem-se oito portas. Dentro desta parte antiga levanta-se a 120 m. de altura o Forte Meherangarh que conta com diferentes edifícios entre os que destacam entre outros o Palácio da Pérola, o do Prazer e o da Flor nos que expõe-se diferentes peças da realeza indiana como cadeiras de elefentes, pinturas em miniatura, instrumentos musicais, armamento raiput, palanquines, berços, vestimentas e móveis. Também vale a pena visitar o Jaswant Thanda, monumento comemorativo em mármore branco, a Torre do Relógio, os Jardins Umaid, o Palácio Umaid Bhawan, residência do marajá Umaid Singh que atualmente é um hotel, não deixe de passear pelos bazares.

Arredores de Jodhpur

Nos arredores de Jodhpur são interessantes Mandore com amplos jardins e cenotáfios dos governadores de Jaipur e Osian, oásis no Deserto de Thar lotado de perus reais que transitam entre os templos Hindus e jainas. Muito formoso também é o Lago e Palácio de Baisamand onde pode-se contemplar uma reserva de aves. Nagaur, a 90 quilômetros de Jodhpur, tem uma fortaleza-palácio convertido em hotel e em fevereiro celebra-se uma feira de gado na que realizam-se corridas de camelos.

Jaisalmer

O percurso por Rajastham finda em Jaisalmer. Esta cidade conta com uma fortaleza que está situada em pleno deserto e parece sacada de uma lenda antiga, sobretudo, quando os raios do sol refletem-se na pedra pelo que tem recebido o sobrenome da Cidade Dourada. Nesta vila pode-se admirar também as havelis, residências do estilo colonial de grande beleza entre as que destacam a Patwon ki Haveli e a Salim Singh ki Haveli, templos jainistas e o Tanque de Gadi Sagar que mantinha água à cidade.

Não deixe de visitar o bosque petrificado de Aakal, a 17quilômetros de Jaisalmer e Lodurva, antiga capital dos Bhatti.

Leste da Índia

BIHAR

Bihar encontra-se na zona setentrional da Planície do Ganges. Embora seja um dos estados menos desenvolvidos da Índia é famoso, porque nele cresceram jainismo e especialmente, o budismo.

Patna

Patna, capital de Bihar, é uma cidade agradávelque para passear é uma delícia, enquanto contemplam-se o Golghar, imenso paiol de 25 m. de altura que apenas tem sido utilizado como armazém de grão à que pode-se chegar por uma escada proporcionando uma panorâmica muito formosa e um eco fabuloso, o Museu Municipal com uma boa coleção de restos arqueológicos, Kumrahar, para o sul da cidade é, na realidade, a escavação de Pataliputra, a antiga capital de Ashoka do século III a.C. da que conservam-se a sala da assembléia e os restos do mosteiro budista Anand Bihar, Har Mandir, templo sij muito antigo com um museu desta crença e a Biblioteca Oriental Khudabaksh fundada em 1900 com uma excelente mostra de manuscritos árabes e persas, pinturas mongóis e jóias como um Alcorão escrito em um livro de 2.5 cm. de largura e os únicos livros conservados após o saque da Universidade moura de Córdoba.

Na parte moderna da cidade pode-se caminhar pelo Maidan, espaço verde que divide a cidade em dois, visitar Bankipur bairro com edificios coloniais como a Residência do governador, a Escola de Mulheres ou o Palácio do Marajá e cruzar a Ponte Mahatma Gandhi, uma das maiores do mundo.

Arredores de Patna

Nos arredores de Patna encontram-se Vaisali, uma das primeiras repúblicas asiáticas e Madhubani conhecida por sua pintura popular. Também perto levantam-se vários monumentos mongóis de importância como o Choti Dargah e o Bari Dargah, todos dois situados em Maner, o Mausoléu do Imperador Shar Shah construido no centro de um tanque de 300 m. de diâmetro, situado em Sasaram e o Ram Rekha Ghat que conserva uma pegada de Rama em Buxar.

Nalanda

Nalanda foi um importante centro budista, onde desde o século V até o 1199, ano em que foi saqueada e incendiada pelos muçulmanos. Lá funcionava a Sri Mahavhara Arya Bhikshu Sanghasya, a Universidadee monástica que contava com 10.000 monges, 2.000 professores, entre eles Buda e Mahavira e uns 10.000 alunos do mundo todo. Na atualidade pode-se contemplar suas amplas ruinas entre as que destacam a Grande Estufa à que rodeam outras estufas votivas e o Museu Arqueológico. Em 1951 criou-se o Centro de Investigação Nava Nalanda Mahavira sobre o budismo e a literatura pali.

Rajgir

Rajgir é uma cidade sagrada tanto para budistas como para jainistas já que Buda residiu nela durante doze anos e Mahavira, o último jain tirthankara foi professor durante 14 anos. Na atualidade as ruinas estão bastante acabadas mas pode-se dar um agradável passeio pelo Venuvana, o jardim dos bambus, onde habitavam Buda e seus discípulos como tanque Karanda onde banhava-se o deus, e que hoje conta com um pequeno zoo e um templo thai.

Também em Rajgir pode-se ver o Nipponzam Myohoji, um templo japones onde pode-se comer deliciosa comida nipona, os templos da Colina Vaibhara com 22 mananciais de água quente, a Grota Pippla e a Saptapani, na que celebrou-se o primeiro conselho budista; a Colina Grdhrakuta onde Buda pronunciou a maioria de suas palestras e o Vishwa Shanti Stupa, edificado pelos budistas japoneses em homenagem à paz do mundo.

Gaya

Gaya é um importante lugar de peregrinação já que acredita-se que Vishnú concedeu à esta cidade o poder de liberar os homems do pecado. Bodhgaya é o lugar onde Buda encontrou a iluminação sob uma figueira, a Árvore Bodhi, que na atualidade vive só o galho que foi trasplantado de Sri Lanka. No lugar onde permaneceu sentado o deus encontra-se o Vajrasana, o trono do diamante. Do lado da árvore iluminada Ashoka levantou o Templo Mahabodhi em cujo centro levanta-se uma impressionante imagen dourada de Buda e que tem sido restaurado em múltiples ocasiões. É curioso o Museu com diferentes ídolos de pedra. Pavapuri é sagrado para os jainistas já que o Jalmandir assinala o lugar onde foi incinerado Mahavira no 477 a.C.

O Sul de Bihar

O sul de Bihar é principalmente industrial. As cidades mais interessantes são Chotanagpur onde habitam grande variedades de tribos; Ranchi com mansões coloniais e um templo fortificado do XVII; e Jamshedpur, famosa pela siderurgia e seus espaços verdes.

A montanha de Parasnath considera-se um lugar ideal para alcançar o nirvana, conta com numerosos templos jainas entre os que destacam o de Samosavan, Bhomia Baba e Parasvanath.

Norte da Índia

Esta região berço de grandes impérios passados, tem conseguido reunir o mais moderno com o mais antigo. É uma região de contrastes de grande beleza.

NOVA DELHI

Delhi é a capital da Índia desde 1912 e a terceira cidade mais povoada do país. Dividida em dois, a parte antiga e a moderna, nesta cidade pode-se admirar fortes, palácios, túmulos e templos dos mais variados estilos, junto a edifícios governamentais de estilo colonial, indústrias modernas, comércios de todo tipo e zonas residenciais com todas as comodidades.

Orientar-se nesta extensa cidade não é difícil, a parte mais interessante está situada a márgem oeste do rio Yamuna, ali encontram-se a antiga Delhi e a Nova Delhi.

A Delhi Antiga é uma cidade murada do século XVII. Inicia-se o percurso desde um dos monumentos mais antigos, o complexo de Qutab Minar, cuja construção iniciou-se em 1199. Este complexo caracteriza-se por combinar estilos hindus com elementos islâmicos. Su alminar, o mais alto do mundo, alcança uma altura de 72,.5 metros, dispostos em cinco andares de diâmetro decrescentes. Ao pé do alminar encontra-se a Porta Alai Darwaza, de tijolos vermelhos e amarelos, que era a entrada da mesquita. Também aqui encontra-se o túmulo do Sultão Iltutamish e o mausoléu de Imam Zamin.

Perto deste complexo encontram-se outras mostras das construções islâmicas como o Alai Darwaza, portão de areia calcária vermelha construido em 1310 e os restos da Mesquita de Quwwatu'l Islão construida com materiais procedentes de 27 templos hindus que foram desmanchados com esta finalidade. Junto a esta mesquita levanta-se a Coluna de Ferro, de sete metros de altura, realmente curiosa já que os cientistas ainda não têm encontrado explicação para a pureza deste ferro, que não oxida durante 2.000 anos.

Para o oeste de Qutb Minar fica a cidade de Mehrauli além de visitar monumentos importantes como o Túmulo de Adham Khan, de areia calcária vermelha, a Cisterna de Shamsi e o Mausoléu ode Jamali, com teto de brilhantes coloridos, pode-se passear pelo tumultuado e extenso bazar tradicional.

De Mehrauli à outra das cidades de Delhi, a terceira, Tughlaqabad. Murada com 13 portões, conta com um lago artificial, cujo centro encontra-se o túmulo do primeiro soberano tughluq.

Jahanpanah quarta cidade que tem como principais monumentos a Mesquita dos Khirki construida em 1380, a elevada plataforma Bijai Mandal e a Mesquita Begampuri, com uma impressionante fachada e numerosas cúpulas.

Atravessando a segunda cidade, Siri, em direção norte, chega-se ao Túmulo de mizam-ud-din Aulia, onde além do altar do santo com um tanque de água, encontram-se outras sepulturas de interesse. Muito perto fica o Mausoléu de Hazrat Inayat Khan santo sufi moderno, que às sextas pela noite atuam cantores qawali.

Para o leste encontra-se o Mausoléu de Humayun construido pela esposa entre 1557 e 1565. Este mausoléu ajardinado, desproporcionalmente sob planta octogonal e com dupla elevação de cúpulas, serviu de modelo para o Taj Mahal. Para o norte deste mausoléu levanta-se Purana Quila forte antigo encravado, na original cidade de Delhi com sólidos muros e três grandes portões que contam além, com uma torre octogonal, Sher Mandal de dois andares, onde Humayun foi capturado e torturado até a morte. No lado sul da fortaleza encontra-se o Zoo cujo máximo atrativo é um tigre branco.

A Porta da Índia é um arco de triunfo construido em pedra de 42 m. de altura no que figuram os nomes de 90.000 soldados do exército indiano, que morreram durante a I Guerra Mundial. Junto à Porta encontra-se a residência oficial do presidente da Índia, o Rashtrapati Bhavan. Este edificio conta com 340 quartos e um formoso jardim de estilo mongol ocupando no total uma superfície de 130 hectares. Perto dos jardins ficam o Museu de Arte Moderna, onde pode-se contemplar retratos de Tagore, Shergil e Roy junto a outras mostras de arte indiana, o Museu Nacional com uma excelente mostra de bronzes, terracotas e talhas de madeira da época Maurya, assim como miniaturas, murais e vestes de diferentes tribos indianas e o Museu dos Artesanatos onde expõem-se telas, cerâmicas e objetos em metal e madeira. Este museu faz parte do complexo "Vida nos Povos" onde pode-se percorrer a Índia rural sem sair da capital do país.

Junto ao Centro Internacional da Índia pode-se passear pelos Jardins Lodi, podendo admirar vários mausoléus hindo-muçulmanos e o Mausoléu Safdarjang, uma das últimas mostras da arquitetura mongol.

No extremo norte de Nova Delhi encontra-se Connaught Place, o centro financeiro e turístico da cidade.

Junto à comércios, escritórios, hotéis e restaurantes destacam os barracos onde pode-se adquirir os mais variados produtos. Desde a Praça pode-se passear por Parliament Street até Jantar Mantar, edificios cor salmão que foram um importante observatório astronômico, onde pode-se contemplar o relógio do sol conhecido como o Príncipe das Esferas. Perto em Lowe Ridge, situa-se o Templo Lakshmi Narayan templo moderno construido em 1938 pelo industrial Birla em homenagem à Vishnu e sua esposa Laxmi, deusa da abundância.

Resulta muito animada também Shahjahanabad, a última cidade histórica, com estreitas ruas e portas muito formosas, como as de Cachemira, Delhi, Turkmam e Ajmeri. A rua principal desta cidade, Chandni Chowk é na realidade um animado e colorido bazar onde pode-se adquirir produtos tradicionais; tem fama os de prata, artesanato e os deliciosos doces.

Dali a Red Fort, a Fortaleza Vermelha, cujos muros de areia calcária vermelha extendem-se ao longo de doisquilômetros. Sua construção iniciou-se em 1638 e findou em 1648 sendo uma construção tipicamente indiana cheia de jardins e pavilhões onde apresenta-se uma agradável paz. Todas as noites recriam-se momentos da história da Índia, através de um impressionante espetáculo de luz e som. O acesso principal ao forte é a Porta de Lahore, que conduz à uma Praça porticada cheia de pequenos comércios.

Entre Chandni Chauk e o Forte Rolho destacam três edificios religiosos, o Lal Mandir de culto jainista, o Gauri-Sanckar que homenageia Shiva e o Sij Gurdwara levantado em homenagem a Tegh Bhadur, guru sij assassinado por negar-se abraçar o Islão.

Alinhados frente ao rio Yamuna levantam-se os palácios, a maioria de mármore. O Diwan-i-Am, Salão de Audiências Públicas, era o lugar onde o imperador escutava os problemas dos súditos. No Diwan-i-Khas Salão de Audiências Privadas encontrava-se o Trono do Peru Real de ouro maciço com incrustações de pedras preciosas, que foi transladado ao Irã por Nadir Shah em 1739. Os Banhos Reais contam com três salas coroadas por cúpulas com uma fonte no centro. A Mesquita da Pérola, Moti Masjid, está construida na totalidade em mármore. Também são interessantes o Rang Mahal, palácio pintado e o Nahri-Bahisht, com formosos jardins.

Se os palácios resultam impressionantes não é menos Jami Masijd, a Grande Mesquita. Iniciada sua construção em 1644 por Shah Jaham é a maior da Índia, com uma capacidade para 25.000 pessoas. Consta de três portas de grande tamanho, quatro mirantes e dois minaretes de 40 m. de altura, listados alternando areia calcária vermelha e mármore branco. Os não muçulmanos não podem chegar até ela de 12:.30 ás 14.00 horas, e as mulheres devem ir acompanhadas por "parentes masculinos responsáveis". Perto encontra-se o Sansad Bhavan, o Parlamento, que conta com uma coluna circular de 171 metros de diâmetro.

São também de interesse a Igreja de São Jaime com esculturas artísticas, o Túmulo da Princesa Roshanara rodeada de jardins, o Raj Ghat formoso parque onde encontra-se uma plataforma de mármore preto, que indica o lugar onde o Mahatma Gandhi foi incinerado, após seu assassinato e onde também foram incinerados Pandit Nehru e Indira Gandhi. Todas às sextas-feiras tem lugar uma cerimônia comemorativa. Metcalfe Ho se, construida como residência britânica em 1835, a Feroz Shah Kotla palácio-fortaleza que levanta a Coluna Ashoka de 13 metros de altura onde estão inscritos seus edictos, o Museumehru onde pode-se contemplar objetos e documentos pessoais do primeiro ministro e durante a temporada turística realiza-se um espetáculo de luz e som sobre sua vida e o movimento independentista, a Casa do Tíbet com uma mostra de objetos cerimôniais cedidos pelo Dalai Lama, o Museu Internacional de Bonecas com 6.000 bonecas de 85 países diferentes e a Casa de Culto Bahai onde crentes de qualquer religião podem orar neste edificio em forma de flor de lótus, rodeado de tanques e jardins que resultam especialmente formosos ao anoitecer.

Oeste da Índia

MAHARASHTRA

Este estado de grande tamanho e numerosa povoação, tem em sua capital, Bombai, o centro vital aliás, o resto da zona possui interessantes atrativos.

Bombai

Situada na costa oeste, Bombai é o principal motor da ecomomia indiana. É uma cidade moderna, rica e industrializada onde habitam todo tipo de grupos étnicos e religiões.

Costuma-se começar o percurso pela cidade na Porta da Índia, inaugurada em 1924, um arco do triunfo de basalto amarelo com enfeites muçulmanos no que reune-se a povoação na tarde-noite. Está situada no Afrango Bunder desde onde saem as lanchas para visitar Elephanta Ilhand. Detrás desta zona encontram-se a Igreja de St. John, conhecida também como a Igreja Memorial de Afganistão já que construiu-se em memória dos mortos, durante a primeira guerra britânica contra Afganistão, o Museu Príncipe de Gais no que pode-se ver arqueologia, pinturas, miniaturas, baixo-relevos e imágens de Buda e que contém a Jehangir Art Gallery com exposições de arte moderna, a Universidade, com sua Torre do Relógio de 80 m. de altura e o Tribunal Supremo de estilo inglês temprano. Não deixe de passear no entardecer por Sassoon Dock, quando os barcos pesqueiros chegam no porto, é um espetáculo muito formoso.

O centro financiero de Bombai encontra-se em Flora Fontain, chamada hoje a Praça dos Mártires. Perto está a Catedral de Santo Thomas inaugurada em 1718. Em volta do Hornimam Circle pode-se contemplar vários edifícios de interesse como a Casa da Moeda com fachada jônica, a Prefeitura e as ruinas do Castelo da cidade.

Para passear é ideal Marine Drive, construido em 1920 acima de terra desecada, onde encontra-se o Aquário Taraporewala com peixes de água doce e salgada e Chowpatty Beach, a praia da cidade onde pode-se desfrutar com diversos espetáculos nas ruas.

São também interessantes Mani Bhavan, a casa onde viveu de 1917 a 1934 o Mahatman Gandhi, Malabar Hill o antigo quartel general do governo britânico, o Walkeshwar, templo hindu centro de peregrinações e cujo cume encontram-se os Jardins Suspensos, as Torres do Silêncio nas que os parsis deixam seus mortos para serem devorados pelos urubus, o Parque Kamala Nehru no que crianças encenam o poema "O Sapato da Anciã", o Templo Jainista de mármore e decorado com espelhos, o Templo Mahalaxmio mais antigo da cidade, o Hipódrono e os Jardins Vitória nos que encontra-se o Zoo e o Vitória and Albert Museum.

Arredores de Bombai

Nos arredores de Bombai destacam Elephanta Ilhand onde levantam-se quatro templos escavados em grutas; Kanheri e suas grutas budistas; o Parque nacional de Krshnagiri Upavam e praias como Juhu, Mãori e Aksa.

Puné

Puné está situada a 170 quilômetros de Bombai e foi capital do Império Mahrata além da sede de numerosos novimentos reformistas Hindus.

Destacam nesta cidade o Museu Rajá Kelkar onde expõe-se uma coleção privada na que pode-se contemplar uma curiosa mostra dos mais diversos objetos como portas esculpidas de diferentes palácios, cerâmicas, lâmpadas de azeite, miniaturas, descasca-nozes de latão e correntes de latão entre outros, o Palácio do Aga Khan, antiga prisão situada em um palácio com arcos italianos, o Mausoléu de Shinde, o Templo de Pataishwar, escavado na rocha, o Mausoléu de Mahadhi, o Templo de Parvati, o mais famoso da cidade e o santuário muçulmanos Qamarali Darves com sua pedra de levitação.

Arredores de Puné

Nos arredores de Puné pode-se visitar a Fortaleza do Leão, a Rajdah, Torna, Purander e Shivneri, todas estas fortalezas devem-se a Shivaji; as estações de montanha de Lonavala, Khandala, Mahableshwar e Panchgani, todas elas em formosos paradas naturais e Matheran, pequena vila de grande encanto onde não pode entrar carro.

Kolhapur

Kolhapur é chamada também a Benarés do Sul por ser um importante centro de peregrinação. Seus máximos atrativos são o Palácio do Maharajá que acolhe o Museu Shahaji Chhatrapati no que expõe exóticos pertences dos marajás desde vestes até cinzeiros passando por lâmpadas de pé de pata de avestruz, o Templo de Mahalkshmi, do século X e o Templo de Kotiteerth situado no centro de um lago.

Nos arredores destaca Panhala com um forte e grutas-templo budistas; Ratnagiri onde pode-se degustar deliciosos mangas; o balneário de Ganpatipule e Sholapur com sua prefeitura belamente decorada.

Aurangabad

De influência muçulmana, Aurangabad conta com abundantes monumentos do estilo mongol como o Bibi ka Mapbara, uma cópia não muito afortunada do Taj Mahal, ou o Sunehri Mahal, palácio dourado. Também, em torno da cidade, encontram-se 12 grutas cavadas nos séculos III e XI.

Ellora

Ellora conta com 34 grutas nas que estão cavados templos de três religiões diferentes, budista, brahamânica e jainistas com mais de 10 séculos de antigüidade. Destacam a quinta, esculpida como um mosteiro de enormes dimensões e a décima, o Santuário de Sutarki-Jhopari, cabana do carpinteiro, na que pode-se contemplar uma colossal estátua de Buda situada na frente de uma grande estufa do grupo budista. Das brahmânicas, a 15 chamada Dasavatara, a caverna das dez transformações, de dois andares com formosos relevos, a 16, o Templo de Kailasha, a mais famosa do conjunto, com 32 m. de altura e 1.700 m. quadrados de área conta no interior com um liga e maravilhosas esculturas e a 29, Dumar Lena com outro liga. A gruta jainista mais conhecida é a 32, Indra, também de dois andares de altura localizada no Templo de Kailasha.

Ajanta

De maior antigüidade que as de Ellora, as 30 Grutas de Ajanta são budistas, cinco são templos e 24 mosteiros. No seu interior pode-se contemplar magníficas pinturas e esculturas que representam a vida de Buda. Destacam a 1, com uma colossal figura de Buda e pinturas de mulheres, a 2 que conta com pinturas no teto, a 9 cuja entrada está franqueada por dois Budas, a 10, a mais antiga e de maior tamanho, a 16 e a 17, onde podem contemplar-se as pinturas mais formosas do complexo e a 26 com excelentes esculturas.

OUTROS LUGARES DE INTERESSE NESTA ZONA

Nagpur é famosa por suas laranjas e por ser o lugar escolhido pelos dirigentes indianos para passar o inverno.

Ramtek conta com vários templos de 600 anos de antigüidade.

Wardha é o lugar eleito por Gandhi em 1933 para fundar o Povo de Serviço e no Centro de Ciência para os Povos, Magam Sangrahalaya, explica-se a filosofía de Gandhi para desenvolver a ecomomia rural.

Em Sevagram pode-se visitar o ashram do Mathama.

Nagzira conta com um atrativo zoo com duas grandes reservas aquáticas e no Parque nacional de Nawegaon pode-se contemplar estes animais no seu habitat natural.

Chandrapur destaca-se pela fortaleza e numerosos templos e desta cidade chega-se ao Parque Natural de Tadoba famoso pelos crocodilos e por ser considerado sagrado pelas tribos locais.

Após ultrapassar uma espessa selva com todo tipo de animais chega-se a Chikalda, a estação de montanha mais apreciada da região.

Nasik é uma cidade santa com numerosos ghats e 2.000 templos. A cada 12 anos celebra-se nesta vila o Sinhastha Mela à que acodem milhares de peregrinos. Sagrado é também o Templo de Trimbakeshwar.

Shirdi é outro lugar de peregrinação, nesta ocasião do culto muçulmano.

Para desfrutar de praias formosas e tranquilas tem que visitar Kihim, Murud e Ganapathipule.

GOA

Neste estado misturam-se as culturas latinas e indianas em um entorno paradisíaco de praias e sol. Se poder, visite este estado durante seus carnavais, são magníficos.

Pajim

Pajim, capital de Goa, centra sua vida em volta da Praça Largo da Igreja, a Praça da Igreja, na que está situada a Igreja da Imaculada Conceição de estilo barroco. Passear por esta cidade é uma delícia, as ruas são tranquilas e as casas estão pintadas de diferentes cores. Além da Igreja destacam-se como monumentos o prédio do Secretariado, antiga residência do vice-rei e a Fortaleza Águada, que em nossos dias é uma cadeia.

Margao

A segunda cidade em importância de Goa é Margao com enormes mansões construidas pelos grandes coronéis. Vasco da Gama é um importante centro industrial, Marmagoa é o porto de Goa e um dos portos naturais mais belos da Índia e Mapusa conta com um mercado tradicional muito curioso.

Antiga Goa

Visitar a Antiga Goa é submergir-se na Goa, da dominação portuguesa do século XVI. Se percorrer os 8 quilômetros desta vila pode-se contemplar a Catedral de Santa Catarina, a maior igreja cristã da Ásia, de estilo barroco, muito formosa, a Igreja de São Francisco de Assís, com sólidos contrafortes e teto de estuque em cuja decoração misturam-se motivos indianos e europeus, a Basílica do Bom Jesus, onde conservam-se as relíquias de São Francisco Xavier, em um túmulo italiano de alabastro e mármore florentino, a Igreja de São Caetano, cópia pequena de São Pedro de Roma, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário com murais indianos, o Templo de Mangesh dedicado a Shiva, o Shanta Durga que rende culto a Parvati e o Templo Nagesh.

As praias e ruas de Goa são excelentes, areias finas e águas transparentes como as de Candolim, Calangute, Anjuna, Vagator situada ao pé da fortaleza Chapora, Siridao famosa por suas conchas, Colva de areias prateadas e Betul, onde pode-se comer os maravilhosos mexilhões de Goa e outros deliciosos moluscos.

GUJARAT

Este estado costeiro tem sabido unificar os avanços modernos, com as tradições oferecendo um espetáculo quanto menos surpreendente.

Ahmedabad

A principal cidade de Gujarat é Ahmedabad conhecida como o "Manchester do Oriente" por sua industria têxtil. Na fortificada cidade antiga encontram-se os principais edificios oficiais: a Teen Darwaja, a porta tríplece, a Jami Masij que sustenta-se graças a 260 colunas, Manek Chowk onde pode-se adquirir tecidos de brilhantes cores e jóias de prata, Doishiwada-ni-Pol bairro composto de formosas havelis, a Mesquita de Sidi Saiyad com suas janelas talhadas em pedra, o Dada Harini Vav, o Poço Escada, poço construido em 1499 com uma escada que baixa até o fundo e a Mesquita de Sidi Bashir e os Minaretes Trémulos; quando movimentam-se as paredes do interior de um dos minaretes o outro faz a mesma coisa.

Para conhecer o verdadeiro ambiente da cidade é imprescindível percorrer o Bazar Khamassa aos domingos pela manhã, onde pode-se encontrar qualquer objeto que puder imaginar, e visitar durante o entardecer o Museu Vechaar Utensil no que pode-se contemplar utensílios de metal, bronze e latão e findar com um jantar típico do estado no Restaurante Vishalla desfrutando também com música popular ou um teatro de títeres.

São de interesse também o Museu Calico da Indústria Têxtil com tecidos de diferentes períodos históricos, o Museu Mehta de Miniaturas, o Shreias Folk no que pode-se contemplar diferentes mostras de tradições populares, o ashram de Gandhi chamado o Hridey Kunj lotado de objetos pessoais do Mathama, a Universidade Gujarat Vidyapith centro da vida cultural e a Khadi Gramudyog Bhandar, loja na que pode-se adquirir tecidos feitos à mão seguindo os ensinamentos de Gandhi, seu fundador.

Arredores de Ahmadabad

Nos arredores de Ahmadabad encontra-se no Templo do Sol de Modhera situado no centro de um tanque; Kaccha, distrito desértico coberto de sal cuja principal cidade, Bhuj, conta com um palácio, cujas paredes de mármore estão cobertas de espelhos e uma excelente cerâmica que pode adquirir-se nos taieres, onde modela-se; Banni, povoado de cabanas redondas que bordeam um grande pátio; Bhujodi habitada por tecedores que vendem seus formosos trabalhos a bom preço; Jammargar, cidade fortificada e o Palácio Lakhota em Kotho.

Outros lugares de interesse dentro de Gujarat são Dwarka, cidade fundada por Krishna há 5.000 anos com o Templo de Dwarkadish e sua agulha cônica de 50 m. de altura com o máximo atrativo; Porbandar, cidade natalícia de Gandhi; Somnath, templo no que pode-se escutar os cimbais durante a oração; o monte Shatrunjaya no que levantam-se 863 templos jainistas; Hawa Mahal, residência de estupendos escultores; Chitravara famosa pela confecção de chais de senhora; Sulat conhecida pela talha de diamantes e a fabricação de fio de ouro; e Baroda, cidade na que junto a um complexo petrolífero levantam-se antigos monumentos como o Palácio Laksmi Vilas.

O SUL DA ÍNDIA

TAMIL NADU

Este estado tem desenvolvido uma cultura própria que pode contemplar-se ao longo de seu território, tanto nos monumentos como no artesanato, música e dança. As paisagens naturais são extraordinariamente belas e suas cidades formosas.

Madrás

Madrás é a quarta cidade mais importante da Índia e a porta de entrada para conhecer o estado de Tamil Nadu. Esta vila conta com uma importante comunidade cristã e a cultura tamul desenvolve-se tanto em sua cozinha, principalmente vegetariana, sua língua ou o cinema que está muito promovido nesta cidade.

A influência britânica deixa-se sentir em Madrás em lugares como o Secretariado, sede do governo do estado, a Assembléia Legislativa, a Igreja de Santa Maria, a mais antiga de culto anglicano da Índia, o Museu de São Jorge com uma mostra de objetos pertencentes à Companhia das Índias Orientais, a Sala Rajaji da antiga casa de Governo de estilo neo-clássico, a Catedral de São Jorge consagrada em 1816, a Feitoria de Gelo em onde armazenava-se o gelo importado da América, a Igreja de Santo Tomás construida no lugar onde foi martirizado o santo e a Sociedade Teosófica com livros de todas as religiões.

São também interessantes os dos Parques Zoológicos da cidade, Guindy Deer e Snake onde pode-se contemplar numerosas espécies de répteis, a Marinha praia de areia branca com um aquário, a Universidade com edificios de estilo indo-islâmico, Mylapore bairro hindu com templos, residências brahamânicas e mercados animados.

Para desfrutar como arte devem-se visitar o Museu do Teatro e o de Belas Artes com coleções de história natural, antigüidades e esculturas de Buda, situados no mesmo edifício que o Museu do Estado de Madrás, a Galería do Bronze com uma excelente mostra de bronzes da dinastia Chola, a Academia de Música com um estupendo programa do inverno, Kalakshetra, escola onde aprende-se as artes indianas e Cholamandalam, vila povoada por artistas modernos indianos que expõem nas ruas.

Pondichery

Ao longo da história Pondichery esteve habitada por franceses, holandeses e britânicos que viviam em um lado do canal que divide a cidade, na chamada cidade branca, enquanto que os indianos habitavam o outro lado, na cidade preta.

Destacam a Raj Nivas, residência do sub-governador, a Igreja do Sagrado Coração, gótica, ambas situadas em volta do Parque do Governo, onde também levantam-se outros edificios oficiais e o Bairro Francês com passeios marítimos que lembram da Costa Azul.

Nos arredores de Pondichery pode-se visitar o Ashram Sri Aurobindo no que habitou o famoso filósofo hindu, Auroville desenhada por Roger Auger para integrar o entorno no modo de vida de seus moradores e Arikamedu onde tem-se descoberto restos arqueológicos greco-romanos.

Outros Lugares de Interesse em Tamil Nadu

As estações de montanha Kodaikanal e Ootacamund situadas a 2.500 m. de altura; Chidambaram, templo dedicado ao deus da dança que é honrrado no mês de dezembro por dançarinos que interpretam a dança cósmica; Mandurai, onde durante as festas de Shiva tem lugar a grande gala naval no tanque de Vandiyur, os lugares sagrados onde honrram-se os elementos da matéria: Templo de Ekamranatha, terra, Tiruanaikka, água, Arunachaisvara, fogo e Kalahasti ar. Os templos rupestres escavados nas rochas mais importantes encontram-se em Mamallapuram.

Os principais lugares onde se cultiva a cultura tamul são Vijayamangalam, Tingalur, Sembattur, Chettipatti e Kalugumalai.

Dos centros antigos escavados na rocha conservam-se em bom estado os de Mangulam e Sittannavasal. Mostras próprias dos muçulmanos tamules, estão situados em Arcot, Valikandapuram e Vellore.

Kanchipuram

Kanchipuram, antiga capital dos Pallavas e os Chola, conta com mais de 150 templos entre os que destacam Kailashanatha, do 725, Vishnú Vaikuntaperumal, do 750, o de Shiva Ekambareshwara composto por mandapas, tanques e esculturas, e Brihadesvara de 13 andares em forma de pirâmide é o de maior tamanho dentro dos templos antigos da Índia. São interessantes também o Museu Arqueológico e o Museu Tanjore com esculturas chola em bronze.

Arredores de Kanchipuram

Nos arredores de Kanchipuram destacam Tiruchirappalli com um animado mercado; o Templo de Madurai, templo- cidade com ruas, tanques e lojas que rodeiam o templo principal; Chidambaram com um complexo arquitetônico em volta do templo dedicado ao dançarino cósmico Shiva Nataraja e o Templo de Ramanathaswamy que conta com a passagem mais comprida do mundo.

ANDHRA PRADESH

Andhra Pradesh carateriza-se por suas três zonas bem diferenciadas: planícies férteis na costa, montanhas arborizadas e vales áridos ao sudoeste. Antigo lar dos reinados de Andhra tem a telugu como língua oficial e principal centro de sua cultura.

Hyderabad

Hyderabad, capital do estado, é em nossos dias uma cidade moderna com uma parte antiga muito interessante. Charminar é um dos símbolos da vila. Este santuário de grande tamanho tem quatro andares de altura e junto aos elevados alminares aparecem outros em miniatura, todos eles belamente enfeitados. De lado levanta-se a impressionante Mesquita Mecca Masijd, uma das maiores do mundo. Por volta destes edificios acontece um animado bazar, onde pode-se adquirir livros em urdu, pérolas de rio e outros muitos objetos. É muito curioso o Museu Nacional com uma excelente coleção de antigüidades e outras mostras originais como miniaturas extraídas de diferentes corais. Em Hyderabad-Secunderabad encontram-se a maioria dos edifícios de influência britânica sede dos escritórios do governo. Golkonda, a cidade fortificada, conta em seu interior com cenotáfios, funerárias, palácios e mausoléus da família real Qutb Shahai.

Arredores de Hyderabad

Nos arredores de Hyderabad pode-se visitar Mukhaligam com um grupo de templos construidos pelos Reis Gangas; o Templo de Srikurmam que contém um ídolo com forma de homem-tartaruga; Salihundam com estufas búdicas; os templos de Biccavolu e Masulipatnam; Vijayawada cheia de templos rupestres; e Amaravati importante local budista.

São também interessantes Warangal onde levanta-se uma impressionante fortaleza com quatro portas; o Templo de Hanumankonda construido com blocos de granito; o Templo de Ramappa cujas esculturas representam formosas dançarinas; o Templo do Deus Bhadrachalam, os templos de mavabrahama e Kurnool; osTemplos de Attirala, cholas; Tirupati centro de peregrinação multitudinar e Chandagiri Mahal e a Fortaleza.

Nagarjunakonda

Nagarjunakonda é um ativo centro de escavações dos restos da antiga capital dos Ikshavakus. A febril atividade responde à necesidade de transladar os restos a uma ilha, na que está sendo reconstruida no tamanho natural, já que esta zona vai ficar coberta pela água da presa Nargajunasagar. São interessantes também os restos arqueológicos de Amaravati, Gudinallam, Chezerla e Pitigayakula.

KARNATAKA

Karnataka é, geologicamente, uma das zonas mais antigas da terra. Conta com paisagens muito diferenciados, a árida Meseta do Decán, os elevados cumes dos Ghats e a exuberante vegetação de Malnad. Este estado está habitado por gentes muito diferentes com cultura próprias que oferecem um mosaico étnico muito atrativo.

Bangalore

Bangalore, capital do estado, é principalmente uma cidade industrial e comercial com uma apreciável influência britânica. Porém, seus máximos atrativos encontram-se nos arredores, onde as paisagens são extraordinariamente belas como nos montes Nandi e o Parque Nacional Bannarghatta no que habitam búfalos, queixadas, elefantes, panteras, cervos moqueados, ursos preguiças, numerosos macacos e centenas de aves de diferentes espécies.

Mysore

Mysore é famosa por seu jazmim de intenso perfume que impregna as ruas desta cidade. Também é conhecida por suas talhas em madeira de sândalo e suas sedas.

Em seus arredores pode-se visitar Shrirangapattam, lugar onde morreu o "Tigre de Mysore" e onde levanta-se o Daria Daulat, palácio de verão do sultão rodeado por um formoso jardim, o Templo de Somnathpur em cujo pátio exterior estão esculpidos passagens do Ramaiana e do Mahabharata, os templos de Badami e Aihole, cavados na rocha, os de Belur e Halebid, excelentes mostras da arquitetura exterior, a Gomateswara, impressionante escultura de 17 m. e meio situada em uma colina de 120 m. de altitude, Hampi com umas excelentes ruinas medievais entre as que destaca o Templo de Virupaksha.

Bjapur e Gulbarga

São dignas de visitar-se também Bjapur com a mesquita Gol Gumbad cujo cúpula pode-se comparar a de São Pedro de Roma e Gulbarga que conta com a impressionante Jami Masjid de 35.000 m. quadrados de superfície.

Como paisagens naturais de excepcional beleza destacam as Cascatas de Jog, os Lagos do Sharavati, o Lago Krishnaraja Sagar, onde confluem os rios Hemavati e Kaveri e as praias de Karwar, Thandrabail e Sulatkal.

Se tem oportunidade não perca as kambala, carreiras de búfalos. São um espetáculo único no mundo.

KERALA

Kerala é terra de coqueiros, plantações de café e chá, cultivos de pimientão e árvores da borracha. Todo se aproveita neste estado no que os contrastes são seu maior encanto.

Trivandrum, capital do estado, é uma moderna cidade que conta com aeroporto internacional e que está ligada com o resto das cidades importantes do país por uma boa rede de trens e ônibus. Sua principal atração é o Templo de Sri Padmanabhaswany levantando em homenagem a Vishnú.

Esta industrializada capital e as principais cidades como Cochin, Quilon, Kottayam, Trichur, Calicut e Cannanore contrastam fortemente com as zonas rurais onde é pacífica e vive-se de acordo a um profundo sentimento religioso que percebe-se em templos austeros, como os de Kathakali, Ettumãoor e Irinjalkuda.

Para desfrutar de formosas paisagens naturais tem que visitar a Praia de Kovalam, a Reserva Periyar Game, onde pode-se contemplar tigres, elefantes, búfalos, leopardos e várias espécies de macacos e as Ilhas Lakshadweep, 27 ilhas coralinas das que somente 10 estão habitadas e onde pode-se praticar a pesca em entornos paradisíacos, mergulho, diferentes esportes aquáticos sempre que não seja época de monções ou simplesmente desfrutar com um cruzeiro ou nadar em praias de sonho

Por último não deixe de assistir alguma representação teatral já que este estado é famoso por sua arte popular e folclórica, e nem de assistir a algum festival dos muitos que celebram-se nos que os elefantes ricamente ataviados colocam uma nota pitoresca realmente original.

Fonte: www.rumbo.com.br

 

 

Check Also

Figuras Geométricas Planas

As figuras geométricas que tem todos os pontos no mesmo plano são denominadas figuras geométricas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =