Breaking News
Home / Turismo / Iraque

Iraque

 

Iraque, oficialmente a República do Iraque é um país do Oriente Médio ao norte da Península Arábica, que abrange a maior parte da extremidade noroeste da cordilheira de Zagros, a parte oriental do deserto sírio e da parte norte do deserto árabe.

Iraque, um termo que vem do persa eraq que literalmente significa "terras baixas" é às vezes chamado de Bilad ar-Rafidain, literalmente "terra dos dois rios", ou seja, Mesopotâmia , referindo-se aos rios Tigre e Eufrates.

Bagdá é a capital.

Iraque atualmente cobre uma grande parte da Mesopotâmia, um dos berços da civilização. É nas margens do Tigre, através de Bagdá, a escrita nasceu há 5000 anos.

Na época Sassânida do território do Iraque é integrado Khvarvaran a província ocidental do Império Persa.

Este território tinha sido parte do Império Otomano. Foi ocupada pelo Reino Unido depois da Primeira Guerra Mundial, e depois colocado sob um mandato da Liga das Nações. Durante o período do Mandato Britânico da Mesopotâmia, os ocupantes britânicos enfrentaram em 1920 uma violenta insurreição.

Proclamada em 1921, o Reino do Iraque ganhou a independência total em 1932.

Cobrindo uma área de 437,072 km 2, o estado fica a oeste de Irã , ao norte-leste do Jordão, a leste da Síria , a noroeste de Kuwait, nordeste a Arábia Saudita, e sul-oriental da Turquia.

Desde que chegou ao poder de Saddam Hussein , em 1979, o Iraque teve três guerras sangrentas, repressões sangrentas incluindo os de os curdos e xiitas e mais de dez anos de embargo.

Seu regime secular, fundada no final de 1960 pelo partido Baath, foi abolida com a invasão da coalizão liderada pelo Estados Unidos em 2003. Este regime, apesar de seu caráter ditatorial presente na grande maioria dos Estados do Oriente Médio parece ter sido muito popular entre a maioria dos sunitas tradicionalmente nacionalistas , mas uma minoria na população iraquiana.

O governo está atualmente liderado por Nouri al-Maliki, o chefe de uma coalizão xiita.

Em um esforço para divisão de papéis entre as três principais comunidades, o executivo é compartilhado entre três pessoas: o presidente Jalal Talabani é curdo, o primeiro-ministro é xiita eo presidente do Parlamento sunita. Cada uma dessas cabeças é cercado por dois deputados de outros dois comunidades.

No lado religioso, há duas figuras fundamentais: o grande aiatolá Ali al-Sistani e Moqtada al-Sadr, eo desaparecimento de secularismo no estado.

Iraque possui a segunda (ou terceira: com mais freqüência, o Irã afirma ter o segundo lugar), maiores reservas de petróleo, e é um membro da OPEP.

Localização

O Iraque faz fronteira com a Síria, a noroeste, a Turquia para o norte, o Irã , a leste, Jordânia para o sudoeste e Kuwait e Arábia Saudita , ao sul.

O Iraque tem uma seção estreita de litoral medir 58 km (36 milhas) no norte do Golfo Pérsico.

A capital, Bagdá está no centro-leste do país.

Dois grandes rios, o Tigre eo Eufrates , executado através do centro do Iraque, que flui de noroeste para sudeste. Estes fornecem o Iraque boa terra agrícola em contraste com o estepe e a paisagem do deserto, que cobre a maior parte da Ásia Ocidental.

Historicamente, o Iraque foi o centro do califado abássida. Iraque tem sido conhecida a oeste pelo grego topónimo " Mesopotâmia "(terra entre os rios) e tem sido o lar de contínuas sucessivas civilizações desde o sexto milênio aC.

A região entre os rios Tigre e Eufrates é muitas vezes referido como o berço da civilização e berço do escrito , direito e volante.

Em diferentes períodos de sua história, o Iraque foi o centro do indígena acadiano, Suméria Assíria, Babilônia, Caldéia, e abássidas impérios.

Ele também fez parte do Aquemênida, helenístico, Parthian, Sassânida, Romano, Rashidun Umayyad, mongol, safávida, Afsharid, e impérios otomanos, e sob controle britânico como um mandato da Liga das Nações.

As fronteiras modernas do Iraque foram em sua maioria demarcada em 1920 pela Liga das Nações, quando o Império Otomano foi dividido pelo Tratado de Sèvres.

Iraque foi colocado sob a autoridade do Reino Unido como o Mandato Britânico da Mesopotâmia.

A monarquia foi criada em 1921 e do Reino do Iraque ganhou a independência da Grã-Bretanha em 1932.

Em 1958, a monarquia foi derrubada e da República do Iraque foi criado.

Iraque foi controlado por o Partido Baath (iraquiana liderada facção) de 1968 até 2003.

Depois de uma invasão liderada por forças americanas e britânicas, o Partido Baath foi retirado do poder e o Iraque ficou sob ocupação militar por uma coalizão multinacional.

A soberania foi transferida para o Governo Provisório do Iraque em junho de 2004, que, em seguida, aprovou uma nova Constituição e uma novo Governo do Iraque foi eleito.

As tropas estrangeiras permaneceram no Iraque após o estabelecimento de um novo governo devido a uma insurreição que ocorreu logo após a invasão, a retirada em 2011.

Iraque é um país com um xiita e um grande maioria sunita minoritária. A maioria dos a população iraquiana é árabe.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Iraque

Os primeiros passos da civilização moderna, conta a história, se deram em um fértil vale entre dois rios, que os gregos batizaram como Mesopotâmia (entre dois rios), e que hoje forma parte do moderno Iraque. Lá fizeram-se as primeiras letras, as primeiras sementes. Muito mais tarde e depois de um turbulento percurso, chegou o ouro preto.

Recentemente Iraque tem vivido uma história, que conseguiu implicar meio mundo, e que tem deixado o país dos relatos contados, ao longo de mil e uma noites, em um estado de desolação, que recupera devagar. Além da aportação cultural que oferece o Iraque, seu território oferece uma paisagem única de desertos, pântanos, vales e montanhas regadas de cascatas que surpreenderão o visitante.

IRAQUE

O primeiro lugar que visitaremos no Iraque é a capital, a mística cidade dos contos árabes, Bagdá. Dali iremos fazer uma incursão pelo Sul e às cidades que debruçam-se às márgems dos rios Tigres e Eufrátes. O final da viagem consistirá em uma excursão pelo Norte e pelas Montanhas do Noroeste.

BAGDÁ

A cidade do Bagdá foi fundada por Al-Mansur, o segundo califa da dinastia Abbasida, 762 anos antes de Cristo. Durante séculos foi uma próspera cidade.

Depois da guerra com Irão e do bombardeio que os aviões de Bush realizaram em Bagdá em fevereiro de 1991, a cidade ficou bastante destruida.

O mais destacado de Bagdá são as mesquitas e os museus. A entrada aos museus costumam ser de graça, enquanto que às mesquitas poderá entrar só se for convidado.

Entre os museus destacamos o Museu Iraque, que repassa cuidadosamente a história do país; o Museu do Bagdá, que acolhe uma coleção interessante da vida da capital através dos tempos. Perto dali encontra-se a Escola Mustansiriyah, um exemplo de arquitetura Abbasida, que foi nos tempos do califa uma prestigiada Universidade.

Dominando o rio Tigres fica o Palácio Abbasida. Outra importante construção Abbasida é a Escola Murjaniya, hoje convertida em mesquita, e o lugar onde os escolares viviam, está na frente, é hoje um restaurante.

No Museu da Herança Popular, há uma interessante coleção de artigos tradicionais iraquianos, que inclui trabalhos em madeira, metal, cestas e tapetes. O Museu das Artes Pioneiras é uma construção que data de princípios do século. O lugar convida ao retiro e a paz. Está decorado com móveis tradicionais da região e em seu centro encontra-se um formoso pátio com uma fonte, a visita vale a pena.

O Centro da Arte Saddam é um belo edifício de altos tetos e paredes brancas, que acolhe interessantes coleções modernas. Também pode-se admirar curiosas exposições no Museu da Arte Moderna.

Entre as mais importantes mesquitas da cidade destaca a Mesquita Kadhimain, outras são a Mesquita do Califa, a Mesquita do Ramadam, a Mesquita Ibn Bunnieh e a Mesquita de Um Attubo l.

Perto do aeroporto Al- Muthana encontra-se o Parque Zawra com seu zoo, piscina e até um planetário.

O SUL DO IRAQUE

Uma vez abandonada Bagdá podemos viajar até Habbniya, um bonito lugar para descansar nas márgens de um grande lago, onde poderá nadar tão bem quanto em uma piscina.

Em Ctesiphon, descendo a bacia do Tigres, poderá admirar o Arco, que consta como um dos monumentos mais impressionantes do país.

Viajando para o sul, através da linha do rio Eufrátes, achamos a antiga cidade da Babilônia, que aparece na Bíblia, quando alcançou seu máximo esplendor com Nabucodonosor II, 600 anos antes de Cristo. Está considerada como uma das cidades mais formosas do mundo, com seus palácios e templos, e os Jardins Suspensos que figuram entre as Sete Maravilhas. Esta é sem dúvida uma visita obrigatória.

A cidade de Kerbala, é um importante centro de peregrinação religiosa do mundo islâmico. Em seus templos e mesquitas está a lembrança dos líderes chiítas que combateram na batalha, que teve lugar nestas terras, entre as seitas religiosas dos Chiítas e sunitas, 680 anos após Cristo. Os não muçulmanos deverão contentar-se em passear pelos jardins que rodeam os edifícios sagrados.

Seguimos viajando para o sul pela bacia do rio Eufrátes e descubrimos a cidade de Najaf; o mais interessante para ver é a mesquita que guarda o túmulo de Ali ibn Abi Talib, primeiro e genro de Mohammed e fundador da seita chiíta muçulmana.

Faremos uma parada na cidade de Nasiriya para admirar um dos lugares mais antigos do Iraque, Ur, conhecida na bíblia como a berço de Abraham. Ali encontram-se interessantes túmulos muito bem conservados e um zigurat impressionante. Destacamos assim mesmo o Museu de Nasiriya. De caminho à Basra encontra-se uma zona, digna de contemplar os Pântanos, entre o Tigres e o Eufrátes.

Uma vez em Basra, a segunda cidade em importância do país, podemos contemplar o Museu da Cidade, o Museu Naval e o Museu dos Mártires da Agressão Persa. Fora dos museus a atividade reune-se no Bazar de Ashar, com um ambiente extraordinário e rodeado de antigos edifícios dignos de admiração. Lá pode-se adquirir peças de joalheria fina.

A Ilha Simbad costumava ser um lugar encantador rodeado de jardins e restaurantes, os bombardeios converteram-na em um lugar desolado.

NORTE

MOSUL

A terceira maior cidade do país encontra-se no norte, falamos de Mosul, um importante centro comercial em tempos dos Abbasidas, por sua situação nas rotas para a Índia e Pérsia através do Mediterrâneo.

Entre os lugares mais interessantes para ver destacamos: o Museu da Cidade, que guarda a lembrança de todas as civilizações que floresceram no Iraque, desde os tempos pré-históricos até a chegada do Islão; a Casa Mosul recolhe mostras da vida tradicional da cidade; a Mesquita de Nebi Yunus, onde acredita-se foi enterrado Jonás; e a Grande Mesquita Nuriddine famosa por seus minaretes.

Existem em Mosul numerosas igrejas devido à povoação cristã que possui. Entre elas destacamos a Igreja Latina e o Relógio.

Nas redondezas do Mosul está a cidade de Nineveh famosa por suas portas históricas. Nimrud é uma das antigas cidades iraquianas mais conservadas. Outra importante cidade que destaca-se pela riqueza arquitetônica de suas construções é Hatra.

AS MONTANHAS

Para o norte do país extende-se esta zona de montanhas e férteis vales, que contrastam profundamente com o resto do país. A povoação de Arbil guarda memória dos tempos kurdos e inclusive dos povoadores neolíticos, como uma riqueza arqueológica importante. O mais interessante que para ver é o Museu e a fortaleza.

Dali podemos viajar Shaqlawa e contemplar a radiante paisagem de montanha com suas árvores frutíferas e passagens idílicas. Dali entre as montanhas descobrimos Gully Ali Beg; uma impressionante paisagem que rende a nossos pés, através de uma estreita passagem rodeada de cascatas que guardam interessantes túmulos. A cidade kurda de Dohuk é também um lugar precioso, o qual pode-se fazer excursões magníficas.

E se seguirmos viajando para o norte encontraremos com Amadiya um impressionante lugar para contemplar, com formosas cascatas e sossegados cafés onde contemplá-las. Perto da fronteira com Iraque está Zakho famosa por sua Ponte de pedra e sua paisagem estremecedora. Findaremos a excursão pelas montanhas em Sinjar, perto da fronteira com a Síria, onde encontraremos numerosos lugares de interesse religioso e cultural, assim como uma população hospitaleira e encantadora.

Gastronomia

A comida iraquiana é similar à de todos os países do Oreinte Médio e pode-se encontrar nos barracos ao longo das ruas e nos bares e restaurantes. Entre os pratos mais típicos encontra-se o doner kebab (carne de cordeiro assada) e o tabbo li, uma deliciosa salada.

Bebidas

As bebidas mais populares são os refrigerante e sucos de frutas. Embora o álcool esteja proibido, pode-se encontrar um licor, o aráque, que se obtém da destilação das tâmaras. Consome-se chá açucarado e sem leite, também café espesso e preto.

Fonte: www.rumbo.com.br

Iraque

A antiga Mesopotâmia, berço de uma das primeiras civilizações humanas, passou a se chamar Iraque ("terra baixa", "costa") depois da islamização, ocorrida no século VII. À fertilidade dos vales do Tigre e do Eufrates acrescentou-se nos tempos atuais a riqueza petrolífera do subsolo.

O Iraque é um estado independente do Oriente Médio, situado a noroeste do golfo pérsico. Limita-se ao norte com a Turquia, a leste com o Irã, a sudoeste com o golfo Pérsico, a oeste com a Síria e a Jordânia e ao sul com o Kuwait e a Arábia Saudita. Ocupa uma área de 435.052km2.

Geografia física

Os elementos fundamentais da geografia do Iraque são os vales dos rios Tigre e Eufrates. Podem-se distinguir várias regiões. O baixo Iraque, que se estende para sudeste até o golfo Pérsico, é uma área plana e pantanosa, atravessada pelos rios Tigre, Eufrates e seus afluentes.

O Iraque superior compreende os vales médios dos dois rios. Tanto essa região quanto a anterior são as mais férteis do país. A região do nordeste ou Curdistão iraquiano é montanhosa, com elevações médias de 2.440m e altitude máxima, no pico Rawanduz, de 3.658m.

O clima das planícies fluviais caracteriza-se por verões quentes e secos e invernos temperados. Na região montanhosa, o clima é acentuadamente continental, com temperaturas extremas. No deserto registram-se oscilações térmicas muito acentuadas entre o dia e a noite. Em geral, as chuvas são escassas e irregulares ao longo do ano.

A vegetação é de estepes no norte, com florestas de carvalhos, choupos e coníferas nas montanhas, e de arbustos e plantas espinhosas e resistentes seca no oeste. A fauna, muito reduzida, apresenta leopardos, antílopes, chacais, hienas e tartarugas.

População

Os árabes, junto com a população arabizada, constituem três quartos dos habitantes do Iraque. Os curdos do norte e nordeste do país são uma minoria importante e pouco integrada. Outras minorias são os turcos e os iranianos (ou persas). Cerca de noventa por cento da população se concentra nos vales do Tigre e Eufrates, especialmente no sul. Parte da população do norte e do oeste do país é nômade. Nas cidades se concentram três quintos da população.

Destacam-se a capital, Bagdá, e também Bassora, Mossul, Irbil, Kirkuk e Sulaimaniya. A população é jovem e a taxa de crescimento, elevada. A língua oficial e predominante é o árabe, mas também se falam curdo, farsi (persa) e turco.

Economia

Antes da década de 1950, a economia do Iraque se baseava exclusivamente na agricultura. A partir da revolução de 1958, os sucessivos governos conseguiram, em parte, industrializar o país mediante a aplicação de planos qüinqüenais.

O progresso obtido com a exportação de petróleo permitiu ao Iraque dedicar uma porcentagem considerável do orçamento nacional ao desenvolvimento industrial e à modernização da agricultura. Todos os bancos e companhias de seguros foram nacionalizados em 1964.

O Iraque importa diversos bens de consumo, máquinas, produtos químicos e farmacêuticos. Exporta petróleo, alimentos, papel e fertilizantes.

Agricultura e pecuária

Pode-se distinguir dois tipos de agricultura: a do norte, que depende das chuvas, e a do sul, baseada na irrigação. O Iraque é um dos principais produtores mundiais de tâmaras. Outros cultivos importantes são trigo, cevada, cana-de-açúcar, arroz e milho. A criação de gado -- ovelhas, bois, camelos e búfalos -- se pratica nas estepes de forma transumante. O país exporta lã para a Europa e animais para os países vizinhos. A pesca destina-se ao consumo interno.

Indústria e mineração

O Iraque fabrica papel, cimento, fertilizantes e açúcar, para o que montou um moderno parque industrial com auxílio tecnológico da extinta União Soviética.

Os principais campos petrolíferos localizam-se em Kirkuk, Ain Zala, noroeste de Mossul, Amara, Ratawi e Rumaila, nas planícies aluviais do sul. Desde 1967 a exploração petrolífera está a cargo da Companhia Petroleira Nacional do Iraque (Iraq National Oil Company, INOC). Outros recursos minerais são o calcário, o gesso, fosfatos e enxofre. O Brasil figura como um dos principais importadores do petróleo iraquiano.

Transportes. Rodovias e ferrovias, construídas a partir da revolução de 1958, ligam as regiões do sul, centro e norte. O transporte marítimo iraquiano faz-se através de cinco portos e a navegação fluvial no Tigre é importante.

O Iraque tem três aeroportos internacionais: Bagdá, Bassora e Mossul.

História

Sumérios, assírios e babilônios foram os principais criadores da civilização mesopotâmica em suas diversas fases de evolução. Na segunda metade do século VI a.C., Ciro II da Pérsia conquistou o território e anexou-o a seu império. A Babilônia manteve seu esplendor cultural até a conquista de Alexandre o Grande, em 331 a.C., e o posterior governo de seus sucessores, os selêucidas.

Entre os anos 141 e 129 a.C., os partos se estabeleceram no leste do Irã e estenderam sua influência à Mesopotâmia. Os romanos fracassaram na primeira tentativa de conquistar o país, entre 54 e 53 a.C., mas de 114 a 117 da era cristã o imperador Trajano tornou-o uma província de Roma. Depois de abandonado mais uma vez aos partos em 165, o Iraque voltou a ter sua região nordeste ocupada pelos romanos.

Romanos, bizantinos e persas sassânidas disputaram o controle da Mesopotâmia desde o princípio do século III até o início do século VII, quando a região foi conquistada pelos árabes.

Nos séculos seguintes, as cidades iraquianas tornaram-se importantes centros culturais do Islã, e o país se viu envolvido nos choques entre as três grandes famílias étnicas do mundo muçulmano: árabes, iranianos e turcos.

Depois do período da dinastia abássida, cujos califas se estabeleceram em Bagdá, o país foi governado pela dinastia iraniana dos buáiidas (954-1058) e pelos turcos selêucidas (1058-1258).

Depois disso, a cultura iraquiana sofreu um retrocesso com o domínio mongol. Várias dinastias ocuparam o poder até que, em 1534, o sultão otomano Suleiman I o Magnífico tomou a cidade de Bagdá, após um breve período de domínio persa na capital.

De 1638 até a primeira guerra mundial, o território iraquiano fez parte do império turco- otomano. A chamada Arábia Turca, formada predominantemente por árabes, era integrada pelos distritos ou waliatos de Bassora, Bagdá e Mossul.

Mandato britânico

A entrada da Turquia na primeira guerra mundial, em novembro de 1914, deu motivo para que o Reino Unido enviasse tropas à região de Chat-al-Arab, para proteger seus interesses petrolíferos em Abadan e assegurar o controle de Bassora. As conquistas de Bagdá, em 1917, e de Mossul, em 1918, permitiram aos britânicos estabelecer sua autoridade sobre o Iraque, que passaram a chamar de Mesopotâmia.

Em 1920 a Liga das Nações deu ao Reino Unido o mandato sobre o Iraque, e isso ocasionou uma revolta popular que obrigou os britânicos a conceder certo grau de autonomia ao país e entregar, em 1921, o trono iraquiano ao emir Faiçal, da casa hachemita do Hedjaz. Em 1932, com a admissão do Iraque na Liga das Nações, o país conquistou independência completa.

Iraque independente

Ao rei Faiçal I sucedeu seu filho Ghazi I, que governou de 1933 a 1939 e cujo reinado caracterizou-se pela instabilidade política e pela intervenção cada vez maior dos militares no governo do país. Ghazi I morreu num acidente automobilístico e foi sucedido por Faiçal II, sob a regência de Abdel Ila.

Em 1941, um golpe de estado levou ao poder o germanófilo Rashid Ali al-Gaylani, o que provocou a ocupação do Iraque por tropas britânicas até o término da segunda guerra mundial. Faiçal II foi reconduzido ao poder, mas em 1958 um golpe militar, encabeçado pelo general Abdul Karim Kassem, proclamou a república. Pouco depois, em 1961, os curdos se rebelaram. A guerra civil só terminou nove anos mais tarde, com a concessão de certa autonomia à minoria curda.

Em 1963, um golpe militar liderado pelo coronel Abdel Salam Aref implantou um regime socialista de feição nasserista (Gamal Abdel Nasser era então o presidente do Egito). Um novo golpe, em 1968, levou ao poder a ala direita do partido Baath, de caráter nacionalista e progressista.

O predomínio militar foi abalado em 1971, quando o líder baathista Saddam Hussein al-Takriti destituiu da vice-presidência o general Salek Mahdi Amas. As relações entre os partidos Baath e Comunista, até então hostis, melhoraram bastante.

Em 1972, o estado nacionalizou a Companhia Petroleira do Iraque e ratificou o tratado de amizade com a União Soviética. A aliança entre os partidos Baath e Comunista rompeu-se em 1978, quando vários dirigentes comunistas acusados de traição foram fuzilados. No ano seguinte, o general Saddam Hussein assumiu a presidência.

Em 1980, confiando numa suposta debilidade do exército iraniano, em conseqüência da deposição do Mohamed Reza xá Pahlevi, o governo do Iraque declarou guerra ao Irã para recuperar o estuário de Chat-al-Arab, cedido em parte por um acordo de 1975. Começou assim uma guerra sangrenta que só terminou em 1988.

Em agosto de 1990 o Iraque invadiu e anexou o vizinho emirato do Kuwait, o que deu ensejo a uma aliança militar que congregou 28 países, liderados pelos Estados Unidos, contra as forças comandadas por Hussein. A guerra do golfo Pérsico começou em 17 de janeiro e terminou em 28 de fevereiro de 1991, com a fragorosa derrota do exército iraquiano.

Depois da guerra, o povo iraquiano sofreu com as sanções comerciais impostas pela Organização das Nações Unidas (onu), que acusou o governo de Saddam Hussein de impedir o trabalho das equipes de inspeção encarregadas de verificar a presença de armas químicas e biológicas no país.

Instituições políticas

De acordo com a constituição provisória de 1968 e as emendas de 1970 e 1971, o poder executivo cabe ao presidente e ao Conselho do Comando Revolucionário, de composição idêntica ao do Comando Regional do partido Baath. O conselho de ministros assessora o presidente. A Assembléia Nacional, formada por 250 membros, exerce o poder legislativo. Além do Baath, funcionam o Partido Comunista e vários partidos curdos. O país divide-se em 15 províncias e três regiões autônomas.

Sociedade

Desde a revolução de 1958, diminuíram consideravelmente as diferenças econômicas e sociais e surgiu uma classe média. A Federação Geral dos Sindicatos fixou e fortaleceu a classe trabalhadora. O regime de orientação socialista privilegiou os serviços de previdência social e uma lei de 1956 concedeu amplos benefícios sociais aos velhos e doentes.

O sistema educacional, muito precário até 1921, exceto na área do ensino religioso e tradicional, foi ampliado durante a monarquia e fez grandes progressos depois de 1958. O ensino superior foi implantado com a fundação de universidades em Bagdá, Mossul, Bassora e Sulaimaniya, e de centros de formação técnica. Muitos estudantes foram enviados à Europa e aos Estados Unidos para aperfeiçoar seus estudos.

A religião majoritária é a islâmica, em duas seitas: a xiita, difundida principalmente entre os árabes, e a sunita, dos curdos, turcos e alguns grupos árabes.

Pequenas minorias professam o judaísmo e o cristianismo.

Cultura

O artesanato tradicional iraquiano, do qual os melhores exemplos são os tapetes, baseia-se no rico legado da cultura árabe. Os iraquianos, do mesmo modo que o resto dos árabes, são particularmente voltados para a literatura, tanto em prosa como em poesia. Destacaram-se os poetas Jawahiri e Nazik al-Malaaikah.

Na escultura e na pintura sobressaíram Khaled al-Rahhal, Jawad Salim, Akram Shukri e Hafidh al-Durubi. Para incentivar a atividade artística, o governo patrocina diversos grupos. O Grupo Nacional para o Teatro, o Grupo Nacional Rashid, o Grupo Folclórico e os Artistas Unidos foram criados entre 1965 e 1967 para resgatar os valores da cultura nacional.

O Ministério da Cultura supervisiona os excelentes museus históricos do país, como o Museu Iraquiano, o Museu de Mossul e a Biblioteca Nacional. Importantes centros de ensino são a Escola de Balé e Música e o Instituto de Estudos Rítmicos.

Fonte: Encyclopaedia Britannica do Brasil

Iraque

A maior parte do território iraquiano se localiza nos vales dos rios Tigre e Eufrates, os principais do Oriente Médio.

Essa região, chamada na Antiguidade de Mesopotâmia - que significa "entre rios" em grego -, abrigou algumas das mais importantes civilizações da época.

Entre os séculos VIII e IX, Bagdá foi um dos mais dinâmicos pólos culturais do mundo. No início do século XX, a descoberta de uma das maiores reservas de petróleo do Oriente Médio traz prosperidade e desenvolvimento. Apesar das terras férteis, o cultivo da tâmara é prejudicado pela alta salinidade do solo e pelo clima árido.

A antiga Mesopotâmia abriga várias civilizações a partir de 3000 a.C.: os sumérios, os acádios, os babilônios e os assírios. Conquistada por persas, gregos e romanos, torna-se o centro do Império Árabe nos séculos VIII e IX. Os árabes fundam Bagdá em 762 e introduzem a religião islâmica. Seguem-se as invasões dos mongóis e dos turcos e um longo período de decadência.

O Iraque moderno nasce em 1920, após a I Guerra Mundial, quando o Império Turco-Otomano é desmembrado. Uma decisão da Liga das Nações põe o novo país sob a tutela do Reino Unido, que instala no trono, em 1921, um monarca árabe da dinastia hachemita, Faisal Hussein.

Um irmão de Faisal, Abdullah, torna-se na mesma época o emir da Transjordânia (atual Jordânia), também sob controle britânico. Em 1932, o Iraque é admitido na Liga das Nações como Estado independente, mas os britânicos controlam seu governo e obtêm, com isso, direitos exclusivos de exploração do petróleo.

População

Iraque, pode ser considerdo como um país de porte médio, com cerca de 240.000 Km² e população de mais de 20 milhões de habitantes.

Cerca de 80% de sua população é árabe ou arabizada, mas dividida, por motivos religiosos, em dois grupos: os xiitas, que vivem na porção meridional, e os sunitas, na porção central, sendo reconhecida pelo governo a existência de duas línguas oficiais, o árabe e o curdo.

Através dos tempos, o território iraquiano foi ocupado por vários povos que migravam entre a Ásia Ocidental e a África do Norte, como os caldeus, os assírios, os judeus, os persas, os árabes, ou turcos os bizantinos, os gregos e os romanos. Etnicamente, o país deve considerar sua população mais como arabizada do que propriamente árabe.

Do mesmo modo que se encontram vestígios, entre a população arabizada, de povos anteriormente dominadores, encontram-se também minorias religiosas, sobretudo cristãos ortodoxos, e de seitas minoritárias gregas e orientais que formam grupos minoritários, daí podermos considerar os povos do Iraque como arabizados e não propriamente árabes. Arabizados porque se constituem de descendentes de vários povos que foram dominados pelos árabes, mas deram margem a uma verdadeira miscigenação.

País: República do Iraque

Capital: Bagdá

Área: 437.072 km²

População: 23.331.985 (julho de 2001)

Expectativa de vida: 66 anos (homens), 68 anos (mulheres)

Forma de governo: república presidencialista

Divisão administrativa: 15 governadorias e três regiões autônomas

Moeda: dinar iraquiano

Religião: Muçulmanos (97% -60% a 65% xiitas e 32%-37% sunitas). Cristãos ou outros (3%)

Línguas: árabe (oficial nas regiões curdas), curdo, assírio, armênio

PIB: US$ 57 bilhões (2000) - agricultutra (6%), indústria (13%), serviços (81%)

Fronteiras: Irã 1,458 km, Jordânia 181 km, Kuait 242 km, Arábia Saudita 814 km, Síria 605 km, Turquia 331 km

Religião: Muçulmanos (97% -60% a 65% xiitas e 32%-37% sunitas). Cristãos ou outros (3%)

Línguas: árabe (oficial nas regiões curdas), curdo, assírio, armênio

PIB: US$ 57 bilhões (2000) - agricultutra (6%), indústria (13%), serviços (81%)

Fronteiras: Irã 1,458 km, Jordânia 181 km, Kuait 242 km, Arábia Saudita 814 km, Síria 605 km, Turquia 331 km

Constituição: promulgada em 22 de setembro de 1968, entrou em vigor em 16 de julho de 1970 (constituição provisória); uma nova constituição foi esboçada em 1990, mas não foi adotada.

Sistema legal: baseado na lei islâmica em tribunais religiosos especiais, e no direito civil em geral.

Chefe de Estado Presidente Saddam Hussein (desde 16 de julho de 1979)

Antiguidade

Os primeiros traços da civilização humana -incluindo a invenção da roda, da matemática e da escrita- estão na região entre os rios Tigres e Eufrates, a Mesopotâmia, que praticamente compõe o Iraque moderno

Islamização

A chegada dos muçulmanos confere a Bagdá uma grande importância como centro religioso, político e científico, atraindo a cobiça de impérios vizinhos 633 - Muçulmanos derrotam os sassânidas. Apenas 11 anos após a migração do profeta Muhammad para Medina (que marca o início do calendário islâmico), a religião muçulmana já é predominante no Oriente Médio.

762 - Bagdá é fundada pelo califa Al Mansur, que empregou 100 mil homens para construí-la. Em 814, era a maior cidade do mundo

1533 - Suleiman, o Magnífico, anexa o Iraque ao Império Otomano

A dominação britânica - Sob controle europeu, surge o nacionalismo iraquiano. Com o fim do Império Otomano, os europeus traçam fronteiras artificiais, que deixam de lado as reivindicações dos curdos e dos assírios

1914-18 - O Império Otomano sai derrotado da Primeira Guerra Mundial e passa quase todo (inclusive o Iraque) para o domínio britânico

11.mar.20 - Faiçal 1º é eleito rei do Iraque por referendo

1927 - Petróleo é descoberto em Kirkuk

Independência

As revoltas árabes levam à independência do país, mas não garantem estabilidade política. Após uma série de golpes, Saddam Hussein chega ao poder e instaura uma ditadura com os opositores.

1932 - Fim do mandato britânico. O país se torna independente como monarquia

1941 - Tentativa de tomada do poder por grupo político pró-Eixo. Sob intervenção britânica, o país se torna território dos Aliados durante a Segunda Guerra Mundial

31.jul.68 - Ahmad Hassan al Baker (primo de Saddam Hussein) dissolve o governo e tira do poder os funcionários que não pertencem ao partido Baath, socialista e nacionalista

Jl.79 - Saddam Hussein (nascido em 28/04/1937) é eleito presidente pelos líderes do Baath

22.set.80 - Início da guerra Irã-Iraque

7.jun.81 - Aviões israelenses destróem o reator que permitiria a fabricação da bomba atômica

Jul.88 - Cessar-fogo com Irã

A Guerra do Golfo

A tentativa de anexar o Kuait resulta em um ataque de uma coalizão de países liderados pelos EUA, em janeiro e fevereiro de 1991. Após a libertação do Kuait, o Conselho de Segurança da ONU requisitaque o Iraque se desfaça todos os armamentos de destruição em massa e mísseis de longo alcance e que permita inspeções por parte da ONU . Sanções comerciais da ONU continuam vigorando devido ao cumprimento incompleto do Iraque de resoluções relevantes da organização.

Operação Raposa no Deserto

A ação militar que ficou conhecida como Operação Raposa do Deserto, começou no dia 17 de dezembro de 1998.

Questões internacionais

Irã e Iraque reestabelecem relações diplomáticas em 1990 mas ainda estão tentando estabelecer acordos escritos para assentar disputas de sua guerra de oito anos. Os acordos envolvem demarcação de fronteiras, prisoneiros de guerra, além de liberdade de navegação e soberania no canal Shatt al Arab.

Em novembro de 1994, o Iraque aceita formalmente as fronteiras com o Kuait demarcadas pela ONU, que tinham sido esclarecidas em três resoluções do Conselho de Segurança.

O país tem disputas a respeito de planos de desenvolvimento da Turquia para os rios Tigres e Eufrates.

Fonte: www.tendarabe.hpg.ig.com.br

Iraque

Nome oficial: República do Iraque (Al-Jumhuriya al-'Iraqiya ad-Dimuqratiya ash-Sha'abiya).

Nacionalidade: iraquiana.

Data nacional: 17 de julho (aniversário da Revolução).

Capital: Bagdá.

Cidades principais: Bagdá (4 478 000) (aglomerado urbano) (1995); Mosul (664 200), Irbil (485 968), Kirkuk (418 624), Basra (406 296) (1987).

Idioma: árabe (oficial), curdo.

Religião: islamismo 97% (xiitas 62,5%, sunitas 34,5%), cristianismo 2,7%, outras 0,3% (1994).

GEOGRAFIA

Localização: sudoeste da Ásia. 
Hora local: +6h. 
Área: 434 128 km2. 
Clima: tropical árido. 
Área de floresta: mil km2 (1995).

POPULAÇÃO

Total: 23,1 milhões (2000), sendo árabes iraquianos 80%, curdos 15%, turcomanos, sabeus, iezites e marches 5% (1996). 
Densidade: 53,21 hab./km2. 
População urbana: 71% (1998). 
População rural: 29% (1998).
Crescimento demográfico: 2,8% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade: 5,25 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 61/64 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil: 95 por mil nascimentos (1995-2000). 
Analfabetismo: 46% (1998). 
IDH (0-1): 0,583 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: República presidencialista (ditadura militar desde 1979). 
Divisão administrativa: 18 governadorias (incluindo 3 regiões autônomas). 
Principais partidos: coalizão Frente Nacional Progressista (Socialista Árabe Baath, Revolucionário do Curdistão), União Patriótica do Curdistão (PUK) (na ilegalidade). 
Legislativo: unicameral - Assembléia Nacional, com 250 membros eleitos por voto direto para mandato de 4 anos. Existe ainda um Conselho Legislativo Curdo, com 50 membros eleitos por voto direto. 
Constituição em vigor: 1970 (provisória).

ECONOMIA

Moeda: dinar iraquiano. 
PIB agropecuária: 26,1% (1991). 
PIB indústria: 10,3% (1991). 
PIB serviços: 63,6% (1991). 
Renda per capita: entre US$ 761 e US$ 3 030. 
Força de trabalho: 6 milhões (1998). 
Agricultura: tâmara, trigo, cevada, milho, beterraba, cana-de-açúcar, melão. 
Pecuária: bovinos, ovinos, aves. 
Pesca: 34,7 mil t (1997). 
Mineração: petróleo, fosforito, enxofre. 
Indústria: química, extração e refino de petróleo, carvão, petroquímica, alimentícia, têxtil, produtos minerais não metálicos. 
Exportações: US$ 4,7 bilhões (1997). 
Importações: US$ 4,3 bilhões (1997). 
Principais parceiros comerciais: EUA, Alemanha, Turquia, Reino Unido, Itália, França.

DEFESA

Efetivo total: 429 mil (1998). 
Gastos: US$ 1,4 bilhão (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Iraque

Iraque é um país na Arábia.

A capital é Bagdad [Baghdad].

A principal religião é o Islã (Xiitas e Sunitas).

A língua nacional é o Árabe, o Curdo é a língua minoritária principal.

Antigamente parte do Império Otomano, o Iraque foi ocupado pela Grã-Bretanha durante a Primeira Guerra Mundial; em 1920, ele foi declarado um mandato da Liga das Nações sob a administração do Reino Unido. Nas fases durante os próximos doze anos, o Iraque alcançou a sua independência como um reino em 1932.

Uma "república" foi proclamada em 1958, mas na realidade, uma série de homens fortes governou o país até 2003. O último foi Saddam Hussein. Disputas territoriais com o Irã conduziram a uma inconclusiva e dispendiosa guerra de oito-anos (1980-88). Em Agosto de 1990, o Iraque tomou o Kuwait, mas foi expulso pelas forças de coalizão da ONU lideradas pelos Estados Unidos durante a Guerra do Golfo de Janeiro-Fevereiro de 1991.

Na sequência da libertação do Kuwait, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (UNSC) requereu do Iraque o sucateamento de todas as armas de destruição em massa e de mísseis de longo-alcance e permitir as inspeções de verificação das Nações Unidas. O continuado descumprimento Iraquiano com as resoluções do Conselho de Segurança por um período de 12 anos levou à invasão do Iraque em Março de 2003 e a derrubada do regime de Saddam Hussein.

As forças dos Estados Unidos permaneceram no Iraque sob mandato do UNSC até 2009 e ao abrigo de um acordo bilateral de segurança posteriormente, ajudando a proporcionar segurança e apoiar ao governo eleito livremente.

Em Outubro de 2005, os Iraquianos aprovaram uma Constituição em um referendo nacional e, de acordo com este documento, elegeram um Conselho de Representantes (CoR) de 275-membros em Dezembro de 2005. Após a eleição, Ibrahim al-Jaafari foi escolhido como primeiro-ministro; ele foi substituído por Nuri al-Maliki, em Maio de 2006. O CoR aprovou a maioria dos ministros do gabinete em Maio de 2006, marcando a transição para o primeiro governo constitucional do Iraque em quase meio século.

Em 31 de Janeiro de 2009, o Iraque realizou eleições para os conselhos provinciais em todas as províncias, exceto para as três províncias que compõem o Governo Regional do Kurdistão e em-Ta'mim (província de Kirkuk). O Iraque realizou uma eleição nacional legislativa em Março de 2010 - escolhendo 325 legisladores em um COR expandido - e, após nove meses de impasse o COR aprovou o novo governo em Dezembro de 2010. Quase nove anos após o início da Segunda Guerra do Golfo no Iraque, as operações militares Norte-americanas lá terminaram em meados de Dezembro de 2011.

O Iraque foi o local de diversas grandes civilizações que floresceram há milhares de anos na Mesopotâmia, na rica planície entre os rios Tigre e Eufrates. Hoje, o Iraque não obtém a sua força a partir da fertilidade da planície, mas a partir do petróleo embaixo e ao norte dela. O Iraque moderno tem mais petróleo do que qualquer outra nação depois da Arábia Saudita.

Terra

O Iraque ocupa a porção oriental do Crescente Fértil, a área que é por vezes referida como a Mesopotâmia - a palavra Grega para "Terras Entre os Rios". A Mesopotâmia é o local lendário do bíblico Jardim do Éden. Hoje, o Iraque faz fronteira com o Kuwait, Irã, Turquia, Síria, Jordânia e Arábia Saudita. Os rios Tigre e Eufrates, que são originários da Turquia, têm influenciado fortemente a vida nessa região há milhares de anos.

O Iraque encontra-se entre o planalto do norte da Arábia e as cristas das montanhas do sudoeste do Irã e da Turquia. A maior parte das terras do Iraque forma uma passagem de planície entre a Síria e o Golfo Pérsico.

A topografia do Iraque se divide em três zonas distintas: as montanhas do norte; as planícies centrais; e o deserto do oeste, sudoeste e sul.

O Curdistão, a parte montanhosa no norte, tem picos que chegam a alturas de 9.840 pés (3.000 m). A área central situada entre os rios Tigre e Eufrates e centrada na capital, Bagdad, é a área mais cultivada e irrigada do país. Abaixo de Bagdá, as várzeas se ampliam, e os canais do rio se tornam trançados.

Eles formam grandes áreas pantanosas ao longo do Shatt al-Arab, o nome dado ao canal que os rios formam depois que eles se juntam cerca de 100 mi. (160 km) ao noroeste do Golfo Pérsico. O Shatt al-Arab é a única passagem do Iraque para o mar. As regiões desérticas são na sua maioria terrenos baldios desabitados.

As temperaturas variam, em média, de 120 °F (48 °C) em Julho e Agosto para abaixo de zero em Janeiro. As médias anuais de precipitação são de 4-7 polegadas (10-18 cm) e ocorrem principalmente de Dezembro a Abril.

População

Como em muitos países em desenvolvimento, a população do Iraque tornou-se em grande parte urbanizada durante a segunda metade do século 20.

Hoje, cerca de dois terços dos quase 30 milhões de Iraquianos vivem em áreas urbanas, muitos deles em grandes cidades como Bagdá, Basra, Mosul e Kirkuk.

Aproximadamente 75 a 80 por cento do povo Iraquiano fala Árabe e se identificam como Árabes. Eles residem principalmente nas regiões central e sul e na cidade norte de Mosul.

Cerca de 15 a 20 por cento de pessoas do país são Curdos, que vivem principalmente no norte. Os Curdos do Iraque são Muçulmanos, mas não são Árabes.

Originários da Pérsia (Irã), eles são um povo Indo-ariano com laços de parentesco com os Curdos que vivem como minorias fora do Iraque, no Irã, Turquia, Azerbaijão e Síria. Isso faz com que as suas aspirações políticas sejam uma preocupação regional.

Ferozmente independentes, os Curdos há muito tempo querem sua própria nação. Na esperança de ganhar uma maior autonomia, muitos Curdos ficaram do lado dos Iranianos durante a guerra Irã-Iraque (1980-88). Após a guerra, as tropas Iraquianas utilizaram armas químicas contra eles e destruíram muitas aldeias Curdas.

Com a derrota do Iraque na Guerra do Golfo de 1991, os Curdos novamente se levantaram contra o governo. Sua revolta foi brutalmente reprimida. Na esteira da Guerra do Iraque em 2003, os Curdos ameaçaram estabelecer sua própria nação se não lhes fossem concedidos a autonomia.

Religião

O Iraque também está dividido em linhas religiosas.

Embora mais de 95 por cento das pessoas sejam Muçulmanos, eles estão divididos em dois grandes grupos: os Sunitas e os Xiitas. Os Xiitas, que vivem principalmente no sul, representam 60 a 65 por cento da população.

A minoria Árabe Sunita, que controlava o governo a partir de 1958 - quando um golpe de Estado derrubou a monarquia do Iraque - até 2003, agora temem a perda de seu status privilegiado. A maioria dos Curdos também são Muçulmanos Sunitas, mas sua linguagem e os costumes são diferentes dos de seus vizinhos Árabes.

A divisão da comunidade Muçulmana começou após a morte do profeta Maomé em 632. Após a morte do profeta, os Muçulmanos diferiram sobre quem deveria ser reconhecido como legítimos sucessores de Maomé. Os Sunitas conseguiram ao longo dos séculos ter seus candidatos selecionados como califas, ou representantes vivos da missão profética de Muhammad. Uma vez que os Xiitas raramente alcançavam o poder político, seu sistema de crenças religiosas tornou-se um movimento de protesto político.

Um grupo de língua Turca, os Turcomanos, representam 2 ou 3 por cento da população. Os Turcomanos, que são Muçulmanos Sunitas, vivem perto dos campos de petróleo do norte em torno de Kirkuk e Arbil.

Uma parte substancial dos sulistas - talvez até 2 por cento de toda a população Iraquiana - falam Persa, a língua do Irã. Um grande número deste grupo Xiita foram expulsos do Iraque durante a Guerra Irã-Iraque (1980-88); outros fugiram quando um levante contra o governo de Saddam Hussein, após o fim da Guerra do Golfo Pérsico de 1991 fracassou. Muitos santuários religiosos Xiitas estão localizadas nas cidades Iraquianas de Karbala, Najaf e Kazimiyah. Na verdade, o Iraque, em vez de o Irã é o centro histórico dos Xiitas.

Modo de Vida

A história política do Iraque tem sido tradicionalmente dividida entre a cidade e a tribo. Em 1900, cerca de 75 por cento de todos os Iraquianos eram tribais, mas a maioria não eram nômades. Hoje, os nômades ou Beduínos, constituem menos de 2 por cento da população. A maioria das populações rurais e tribais vivem em pequenas aldeias onde a vida gira em torno da mesquita.

Habitação

As casas da aldeia são de telhado plano, retangular, e feitas de lama seca e tijolo. Normalmente existem tapetes brilhantes no chão, especialmente no norte. No sul, os pisos são mais susceptíveis de serem cobertos com esteiras de junco.

As camas ficam guardadas durante o dia, e as roupas são mantidas em armários ou baús. Em noites quentes, quando as temperaturas permanecem, por vezes, acima de 100 °F (38 °C), muitas famílias dormem nas coberturas planas de suas casas.

Alguns Árabes nômades ainda vivem em tendas. A vida tradicional nos pântanos do sul foi em grande parte destruída, quando Saddam Hussein expurgou-os para acabar com uma revolta Xiita no sul que se seguiu à Guerra do Golfo Pérsico de 1991. Após a deposição de Hussein, houve esforços para restaurar os pântanos.

As casas Árabes pantanosas são normalmente feitas de feixes de canas que são amarrados e dobrados para formar um telhado inclinado e paredes. Nas grandes cidades e vilas, a maioria das casas são construídas de concreto.

Dieta

As tâmaras - uma fonte de proteína, açúcar e gordura são um básico da dieta do Iraque, especialmente entre os pobres. Normalmente, elas são comidas com pão. Os Iraquianos também comem grandes quantidades de iogurte natural, arroz, feijão, verduras e frutas frescas. A bebida favorita no Iraque é o chá.

Mudança Social e Cultural

Virtualmente 100 por cento de todas as crianças frequentavam a escola primária em 1978, mas essa porcentagem diminuiu posteriormente. Entre 1990 e 2000, estimou-se que os gastos do governo com a educação foram reduzidos em cerca de 90 por cento. Uma das principais prioridades na esteira da Guerra do Iraque estava no retorno das crianças Iraquianas para a sala de aula. A matrícula escolar no Iraque, desde então, aumentou de forma constante.

De 1968 a 2003, o Iraque foi governado pelo Partido do Renascimento Socialista Árabe, conhecido como o Partido Baath. O Partido Baath enfatizou a secularização - uma diminuição no poder do clero sobre o governo e assuntos pessoais - e o aumento das oportunidades para as mulheres. As mulheres fizeram grandes progressos na educação.

Em 1920, poucas meninas concluíram o primeiro grau. Em 1990, as mulheres representavam cerca da metade dos alunos na escola primária, mais de 40 por cento dos estudantes nas escolas secundária e média, e cerca de 35 por cento dos estudantes universitários.

A participação feminina na força de trabalho aumentou drasticamente durante a década de 1980, quando as mulheres preencheram os homens que foram convocados para o serviço militar. Mas as mulheres ainda não são de modo algum iguais aos homens em termos de remuneração, e mantêm alguns poucos altos postos administrativos.

Embora os danos à infra-estrutura do Iraque durante a Guerra do Golfo de 1991 não foram tão grandes como se pensava inicialmente, a guerra e as sanções que se seguiram interromperam os serviços sociais. Os bombardeamentos da coligação e a sabotagem destruíram novamente os sistemas de água, de energia e de esgoto na Guerra do Iraque. Ataques insurgentes generalizados prejudicaram a distribuição dos serviços sociais pós-guerra.

Economia

O acontecimento que mudou a sorte do Iraque nos tempos modernos foi a descoberta de petróleo em 1927. O Iraque nacionalizou, ou comprou, as companhias de petróleo estrangeiras em 1972, tornando-se um dos primeiros países Árabes a controlar a sua indústria petrolífera completamente. As receitas do petróleo pagaram por quase todos os programas de desenvolvimento do Iraque.

A produção de petróleo diminuiu durante os primeiros anos da guerra com o Irã. Por 1990 o Iraque tinha quase completamente reconstruído a sua indústria petrolífera agredida, em que se baseava para cerca de 95 por cento das suas receitas de exportação. Após o Iraque invadir o Kuwait em Agosto de 1990, um boicote internacional sobre as exportações de petróleo Iraquiano foi imposto.

As refinarias do país e outras instalações de petróleo em grande parte escaparam dos danos do bombardeio da coalizão durante a Guerra do Iraque em 2003. A falta de manutenção e a sabotagem cortaram a produção, no entanto. Em meados de 2006, a produção de petróleo Iraquiano atingiu 2,5 milhões de barris por dia (bpd), o seu nível mais alto desde o início da guerra.

A saída depois declinou devido aos ataques de insurgentes e a uma falta de investimento, mas, eventualmente, recuperou-se para os níveis pré-guerra. Hoje as exportações de petróleo provêm mais de 90 por cento das receitas do governo.

Antes de 1990, o Iraque importava cerca de 70 por cento dos seus alimentos, pagos com as exportações de petróleo. Quase todas as empresas, exceto a indústria pesada e a produção de armamentos estavam em mãos privadas. A economia altamente urbanizada e industrializada do Iraque foi lenta para se recuperar da Guerra do Golfo.

Todos os cidadãos receberam rações de comida pequenas, mas pelo final dos anos 1990s, um terço das crianças Iraquianas estavam desnutridas, o desemprego era alto, e as fábricas e instalações petrolíferas que ainda continuavam a operar sofriam faltas devido ao bloqueio econômico imposto em 1990.

As sanções das Nações Unidas (ONU), que foram modificadas em 1996 para permitir que o Iraque exportasse petróleo para comprar alimentos e medicamentos, foram suspensas depois que Saddam Hussein foi derrubado do poder em 2003. Mas a violência aumentou, e a infra-estrutura do país estava em frangalhos.

Além disso, uma seca prolongada que se iniciou em 2007 teve um efeito devastador sobre a agricultura. Os níveis de água nos rios Tigre e Eufrates, usada para irrigação, foram ainda mais reduzidos por barragens construídas a montante, na Turquia e na Síria. O desemprego é alto, e muitos Iraquianos ainda dependem de ajuda alimentar para sobreviver.

Economia - visão geral:

Um ambiente de segurança e a melhora dos investimentos estrangeiros estão ajudando a estimular a atividade economica, particularmente na energia, construção e varejo. Maior desenvolvimento econômico, a longo prazo a saúde fiscal e melhorias sustentadas no padrão de vida em geral ainda dependem do governo central passando reformas políticas importantes.

Em grande parte do Iraque economia estatal é dominada pelo setor de petróleo, que fornece mais de 90% das receitas do governo e 80% das receitas em divisas. Iraque em 2012 impulsionou as exportações de petróleo para uma alta de 30 anos de 2,6 milhões de barris por dia, um aumento significativo da média do Iraque de 2,2 milhões em 2011.

As receitas do governo aumentou os preços globais de petróleo permaneceu persisently alta durante boa parte de 2012. Contratos do Iraque com grandes companhias de petróleo têm o potencial para expandir ainda mais as exportações de petróleo e de receitas, mas o Iraque terá de fazer upgrades significativos para o seu processamento de petróleo, gasodutos, e infra-estrutura de exportação para permitir que esses acordos para alcançar o seu potencial econômico.

O Iraque está fazendo um progresso lento promulgar leis e desenvolver as instituições necessárias para implementar a política econômica e as reformas políticas ainda são necessárias para amenizar as preocupações dos investidores em relação ao ambiente de negócios incerto, o que pode ter sido prejudicado pelo impasse 2012 novembro entre Bagdá e Erbil.

O governo do Iraque está ansioso para atrair o investimento estrangeiro direto suplementar, mas enfrenta uma série de obstáculos, incluindo um sistema político frágil e preocupações sobre a segurança e estabilidade social. Corrupção, infra-estrutura ultrapassada, insuficiência dos serviços essenciais, a escassez de trabalhadores qualificados, e antiquadas leis comerciais sufocar investimento e continuar a restringir o crescimento de setores privado, não petrolífero.

Em 2010, Bagdá assinou acordos com o FMI e do Banco Mundial para programas de ajuda condicionais concebidas para ajudar a fortalecer as instituições econômicas do Iraque. O Iraque está considerando um pacote de leis para estabelecer um quadro legal moderno para o setor de petróleo e um mecanismo para dividir equitativamente as receitas do petróleo dentro da nação, embora essas reformas ainda estão em negociação controversa e esporádica.

As tensões políticas e econômicas entre Bagdá e os governos locais têm levado alguns conselhos provinciais de usar os seus orçamentos de forma independente promover e facilitar o investimento a nível local. O Banco Central tem realizado com sucesso a taxa de câmbio em cerca de 1.170 dólares dinar / EUA do Iraque desde janeiro de 2009.

A inflação permaneceu sob controle desde 2006 como a segurança melhorou. No entanto, os líderes iraquianos permanecem dificuldade em traduzir os ganhos macroeconômicos em um padrão melhor de vida para a população iraquiana. O desemprego continua a ser um problema em todo o país, apesar de um setor público inchado.

Incentivar a iniciativa privada através da desregulamentação que tornaria mais fácil para os cidadãos iraquianos e investidores estrangeiros para iniciar novos negócios. Acabar com a corrupção e execução das reformas - como a reestruturação dos bancos e desenvolvimento do setor privado - seriam passos importantes nessa direção.

História

Muitas das antigas contribuições da história e cultura do Iraque ocorreram durante o tempo dos antigos Sumérios (4000-2500 aC). Os Sumérios desenvolveram a escrita, usando pictogramas que evoluíram para uma escrita padronizada conhecida como cuneiforme. Eles desenvolveram o uso da roda, técnicas de metalurgia, e uma monumental arquitetura templar. Os Sumérios também criaram os primeiros calendários precisos e os ciclos de 60 minutos e 12 horas que ainda usamos hoje para dizer o tempo.

Esta região foi um dos primeiros lugares onde um império foi estabelecido. Isso aconteceu durante o reinado dos Acádios (2400-1900 aC). O império dos Acádios foi seguido pelos impérios dos Babilônios (2000-1600 aC) e dos Assírios (953-613 aC). O Império Assírio caiu no século 7 para os Babilônios, que subiu ao poder pela segunda vez sob um forte líder, Nabucodonosor. Durante este segundo período do poder Babilônio, os Jardins Suspensos, uma das sete maravilhas do mundo antigo, foram construídos.

Os Persas capturaram o que hoje é o Iraque, em 539-538. Ele tornou-se então uma província do Império Aquemênida até que foi conquistado por Alexandre o Grande em 334-327. Vários impérios, inclusive o dos Romanos, combateram sobre a área até que o Império Persa Sassânida assumiu o controle no século 3.

A Ascensão do Islã

Os Árabes e Muçulmanos recuperaram o Iraque, em 637. O Iraque tornou-se então uma base para a conquista Árabe-muçulmana do Irã e da Ásia Central.

Durante o Califado Abássida de 750-1258, o Iraque e a sua capital, Bagdad, foram o centro da "Idade de Ouro" do Islã e dos Árabes. Em 1258, o Iraque foi conquistado e saqueado por Hulagu, um khan Mongol, ou general. Hulagu e outro Mongol, Tamerlão, que saquearam Bagdá em 1401, são dois dos nomes mais infames da história do Iraque. De 1514 a 1918, o Iraque esteve sob o domínio do Império Otomano.

História Moderna

No final da Primeira Guerra Mundial, a Liga das Nações fez do Iraque um mandato da Grã-Bretanha. Embora o Iraque tornou-se independente em 1932, ele permaneceu sob a asa da Grã-Bretanha até 1958, quando uma revolução derrubou a monarquia apoiada pelos Britânicos.

Em 1968, o Partido Baath chegou ao poder. Os Baathistas enfatizavam a unidade Árabe, o socialismo, e o secularismo. Os primórdios do governo Baathista coincidiram com grandes aumentos nos rendimentos do petróleo.

Saddam Hussein se tornou presidente do Iraque e presidente da junta militar governante em 1979. Um ano depois, ele invadiu o Irã em um esforço para obter o controle total do canal Shatt al-Arab (única saída do Iraque para o mar, que partilhava com o Irã) e para derrubar o regime revolucionário Iraniano. A guerra se arrastou por oito anos, até que um cessar-fogo foi assinado em 1988. A guerra quase faliu o Iraque.

Em Agosto de 1990, quando os países do Golfo se recusaram a forçar o preço do petróleo por menos bombeamento, Hussein invadiu e anexou o Kuwait. A reação internacional à invasão de Hussein foi rápida. A Organização das Nações Unidas (ONU) impôs um embargo contra o Iraque, e as tropas dos Estados Unidos e de outras nações desembarcaram na Arábia Saudita para bloquear movimentos mais agressivos. Curiosamente, o Iraque abruptamente normalizou as relações com o Irã, que então se manteve neutro no conflito que se seguiu.

Em 16 de Janeiro de 1991, quando Hussein não se retirou do Kuwait no prazo UN-imposto, uma força multinacional liderada pelos Estados Unidos lançou a Guerra do Golfo. O Iraque foi rapidamente expulso do Kuwait e concordou em 27-28 de Fevereiro para aceitar os termos de paz aliados.

Os esforços subseqüentes pelos Curdos e Xiitas do Iraque para derrubar Hussein falharam. Zonas de exclusão aérea foram estabelecidas sobre o norte Curdo e o sul Xiita do Iraque, e os Curdos elegeram seu próprio governo em 1992. O Iraque terminou toda a cooperação com os inspetores de armas da ONU em Novembro de 1998. Os aviões de guerra Britânicos e dos EUA continuaram a lançar ataques periódicos sobre alvos militares nas zonas de exclusão aérea. As sanções economicas da ONU permaneceram no local até meados de 2003.

Em 2002, o Presidente dos EUA George W. Bush disse que Saddam Hussein representava uma ameaça à segurança dos EUA, e devia ser removido do poder. Apesar de Bush enfrentar pressão para agir através da ONU, em vez de unilateralmente, o Congresso autorizou o uso da força em Outubro do mesmo ano, e Hussein foi deposto por uma invasão liderada pelos EUA em 2003. Em Julho de 2004, Hussein e 11 de seus assessores mais próximos foram denunciados por um tribunal especial de crimes de guerra Iraquiano em Bagdá.

Uma constituição interina foi assinada pelo Conselho de Governo Iraquiano em 8 de Marco de 2004. A ocupação militar terminou oficialmente com a transferência da soberania para um regime Iraquiano interino em 28 de Junho de 2004. Este novo governo era encabeçado por um primeiro ministro Xiita, Iyad Allawi, e tinha um presidente Sunita com deputados Xiitas e Curdos. A Autoridade Provisória da Coalizão de ocupação, em seguida, deixou de existir.

Com quase 140 mil tropas estrangeiras remanescentes no Iraque, essa transferência não conseguiu pôr fim a uma insurgência brutal que teve como alvo as forças de coalizão, os estrangeiros e Iraquianos que colaboraram com os Estados Unidos.

A coalizão trabalhou para resolver a situação através do treinamento das tropas Iraquianas para assumir a liderança na restauração da ordem. Mas ela foi acusada por muitos por mal-dirigir o período imediato pós-guerra de uma forma que contribuísse para a violência.

Eleições legislativas democráticas notáveis trouxeram cerca de 60 por cento da população às urnas em 30 de Janeiro de 2005. Um novo governo foi selecionado com o líder Curdo Jalal Talabani como presidente e o líder Xiita Ibrahim al-Jaafari como primeiro-ministro. Uma comissão constitucional escolhida pelo legislativo eleito redigiu uma nova constituição que foi aprovada pelos eleitores Iraquianos em 15 de Outubro de 2005.

Eleições democráticas para um governo permanente foram realizadas em Dezembro de 2005. Um novo primeiro-ministro, Nuri al-Maliki, foi empossado em 20 de Maio de 2006. A polícia de seu governo e as forças armadas não estavam prontas para assumir o controle do país, no entanto. Ataques insurgentes e as tensões entre Xiitas, Sunitas, e Curdos do Iraque escalaram. Saddam Hussein foi executado em 30 de Dezembro de 2006.

O nível de violência diminuiu na sequência de uma "onda" em tropas dos EUA em 2007-08, juntamente com um tênue cessar-fogo por milícias Xiitas radicais e um plano que pagava os chefes Sunitas para ajudar a manter a paz. No entanto, uma solução política para as diferenças entre os vários grupos do Iraque permaneceu uma incógnita.

A resolução das Nações Unidas que autorizava a presença militar dos EUA no Iraque expirou em 31 de Dezembro de 2008. Os Estados Unidos e o Iraque, todavia, negociaram um acordo bilateral de Estado das Forças (SoFA) para governar o futuro papel dos Estados Unidos no Iraque. O SoFA previa que todas as forças dos EUA fossem retiradas até 31 de Dezembro de 2011. Um referendo nacional sobre o acordo, inicialmente para ser realizado até 30 de Julho de 2009, não ocorreu.

Enquanto isso, ao governo Iraquiano foi dado um maior controle sobre as atividades do pessoal militar e civil dos EUA. A Grã-Bretanha e a Austrália também assinaram acordos permitindo que suas tropas permanecessem no Iraque até Julho de 2009. Por esta altura apenas três outros países (El Salvador, Estônia e Romênia) continuavam a fornecer tropas para a força multinacional no Iraque. Eles também assinaram acordos permitindo-lhes manter-se.

Em 31 de Janeiro de 2009, eleições provinciais foram realizadas em todas, menos nas três províncias Curdas-governadas (elas foram realizadas em 25 de Julho de 2009) e na disputada rica em petróleo província de Kirkuk. Elas foram muito mais pacíficas do que as primeiras eleições pós-Saddam.

Foram às urnas cerca de 51 por cento dos eleitores, o que foi menor do que o esperado. Isso se deveu em parte ao grande número de Iraquianos deslocados internamente. Os Sunitas, no entanto, faltaram em números muito maiores. Em geral, os eleitores Iraquianos aparentemente buscaram a segurança e um Estado centralizado forte o suficiente para prevenir a violência sectária. Parecia que Maliki e vários partidos seculares obtiveram ganhos significativos.

As tropas de combate dos EUA foram oficialmente retiradas das cidades Iraquianas em 30 de Junho de 2009. A última das tropas da coalizão que não as provenientes dos Estados Unidos deixou o país por 1 de Agosto.

Mais de 4 milhões de Iraquianos fugiram de suas casas como resultado da guerra. Cerca da metade tornaram-se refugiados que residem em outros países. O restante foram deslocados de suas casas, mas permaneceu no Iraque.

O governo Iraquiano informou que mais de 85 mil Iraquianos morreram violentamente entre 2004 e 2008. Esta estatística foi considerada conservadora. Ela não incluiu as mortes nos primeiros meses da invasão liderada pelos EUA. Ela também excluiu as mortes não violentas causadas pela guerra por fatores relacionados, tais como a falta de cuidados de saúde.

Enquanto muitos projetos de reconstrução foram concluídos com recursos dos EUA e as receitas do petróleo Iraquiano, outros nunca foram cumpridos ou foram mais tarde destruídos por sabotagem. O governo Iraquiano tem tido dificuldade de pessoal e de financiamento dos projetos concluídos. Como resultado, mais de 40 por cento dos Iraquianos ainda não têm acesso à água limpa. E à maioria dos hospitais faltam suprimentos médicos e cirúrgicos básicos e funcionários.

Em 7 de Março de 2010, o Iraque realizou novas eleições legislativas nacionais. A coalizão secular Iraqiyya do ex-primeiro-ministro Allawi, que incluía tanto Sunitas e Xiitas, ganhou o maior número de assentos (91 de 325). A coalizão Xiita Estado da Lei do Primeiro-ministro Malaki conquistou 89 cadeiras. Nenhum dos líderes foi capaz de formar um novo governo. Um impasse político prolongado que polarizou o país em linhas étnicas e sectárias seguiu-se. A violência nas ruas aumentou.

Em Agosto de 2010, as últimas forças de combate dos EUA se retiraram do Iraque. Por esta altura, as baixas militares dos EUA no Iraque ultrapassavam 4.400.

A retirada marcou o fim oficial da Operação Liberdade Iraquiana. Cerca de 50.000 soldados dos EUA permaneceram no Iraque, o menor número desde a invasão de 2003. Sua missão principal era treinar as tropas Iraquianas. Todas as forças dos EUA estavam para ser retiradas do Iraque até 1 de Dezembro de 2011.

O líder curdo Talabani foi reeleito presidente em Novembro de 2010. Um governo de base ampla liderado por Maliki foi aprovado pelo Legislativo em 21 de Dezembro de 2010. Allawi concordou em participar do governo como chefe de um novo conselho de políticas estratégicas. Em Fevereiro de 2011, como os protestos populares varriam grande parte do mundo Árabe e os líderes de longa-data foram expulsos ou ameaçados, Maliki disse que não buscaria um terceiro mandato como primeiro-ministro.

Robert W. Olson

Fonte: Internet Nations

Iraque

História

Mesopotâmia (atual Iraque) foi um dos grandes centros da civilização primitiva. Iraque foi um dos primeiros lugares em que a agricultura irrigada desenvolvidos.

Ele também viu o surgimento das primeiras cidades (Ur, Uruk) eo desenvolvimento da contabilidade, escrita e codificação das leis.

Ao longo dos seus 5.000 anos de história registrada, muitos estados e impérios surgiram e desapareceram no Iraque. De 550 aC até 637 dC, o Iraque era governado por impérios de origem persa (Aquemênida, parta e sassânida). Em 637 dC, no entanto, o Iraque foi conquistada pelos árabes exércitos muçulmanos.

E de 750 até a conquista mongol de 1258, Bagdá foi a capital do império abássida, um dos maiores impérios islâmicos. Sob os abássidas, o Iraque tornou-se um grande banco de aprendizagem e de civilização - muito antes da Europa na época.

De 1535 até a Primeira Guerra Mundial, o Iraque fez parte do Império Otomano. Durante a guerra, as forças britânicas expulsaram os otomanos do Iraque e tomaram o país. O Iraque permaneceu sob controle britânico até 1932, como um mandato da Liga das Nações.

Em 1968, um golpe de Estado levou o partido Baath ao poder em Bagdá. Saddam Hussein assumiu o cargo de presidente em 1979.

Durante os anos 1970, o Iraque desenvolveu-se rapidamente, com o aumento da renda do petróleo depois de 1973. Este foi um período de prosperidade com um papel crescente para as mulheres. Mas aqueles que cruzaram o regime foram violentamente reprimidos.

Em 1980, o Iraque invadiu o Irã. A guerra com o Irã, que durou até 1988, o custo dos dois países ao redor 500.000 vidas.

Para o fim da guerra, as forças de Saddam lançou a campanha Anfal contra os curdos no norte do Iraque: pelo menos 180.000 pessoas perderam a vida, em parte como resultado do uso de armas químicas contra civis em Halabja.

Iraque emergiu da guerra em graves dificuldades financeiras. Em agosto de 1990, em parte para resolver sua crise financeira, o Iraque ocupou o Kuwait. A coalizão liderada pelos EUA de forças de cerca de 30 países ejetado o Iraque do Kuwait no início de 1991.

Após a derrota do Iraque durante a guerra do Golfo, distúrbios graves eclodiu em partes do país. Uma revolta pelos xiitas no sul do país foi rapidamente esmagada por tropas leais a Saddam. Uma tentativa de fazer o mesmo a uma revolta curda no norte foi frustrada pela intervenção internacional, que estabeleceu um "porto seguro". Zonas de exclusão aérea foram postas em prática durante tanto do norte e sul do Iraque. Um Curdistão Governo Regional foi criado em 1992.

Durante a década de 1990, o Iraque foi o assunto das resoluções da ONU, durante e após a sua ocupação do Kuwait. Estas resoluções impôs sanções ao Iraque.

Uma série de resoluções da ONU preocupado armas iraquianas de destruição em massa: um regime de inspeção foi criado, com vista a encontrar e destruir essas armas. No entanto, o Iraque persistentemente obstruídas o trabalho dos inspetores da ONU. Como resultado de seu desafio à comunidade internacional, as sanções impostas ao Iraque permaneceu no lugar.

Em 19 de março de 2003, uma coalizão liderada pelo Reino Unido e os EUA iniciaram uma ação militar contra o Iraque. Em 9 de abril de 2003, Bagdá caiu às forças americanas. Iraque ficou sob o controle da Autoridade Provisória da Coalizão (CPA), que foi criado em 21 de abril.

Em julho de 2003, a CPA nomeado o Conselho de Governo iraquiano para servir como governo provisório do país (apesar de ter sido sujeito a CPA controle em uma série de maneiras). Em junho de 2004, a CPA entregou a soberania iraquiana para outro Conselho nomeou, o Governo interino iraquiano.

Nos anos seguintes, apesar de uma insurgência séria e violência sectária generalizada, o Iraque tornou-se progressivamente mais independente e mais democrático. Em janeiro de 2005, uma Assembleia Nacional de Transição (TNA) foi eleito. Em dezembro de 2005, as eleições nacionais para um novo parlamento iraquiano (Conselho de Representantes) ocorreu sob uma nova constituição (que tinha sido submetido a um referendo em outubro de 2005 e aprovado). Em maio de 2006, Nuri al-Maliki tomou posse como primeiro-ministro.

As eleições para o novo Conselho de Representantes foram realizadas em março de 2010. Após longas negociações, um governo inclusivo de unidade nacional tomou posse sob Nuri al-Maliki, em dezembro de 2010.

Iraque progressivamente retomaram o controle de segurança do país também. Começando com Muthanna província em julho de 2006, as forças da coalizão entregou o controle da segurança às autoridades iraquianas, província por província. As últimas tropas britânicas deixaram o Iraque em Maio de 2011; as últimas tropas americanas deixaram o país em dezembro do mesmo ano.

Economia

Fatos básicose conômicos

PIB: 84.000 milhões dólares (FMI World Economic Outlook)

Inflação: 5,1% (FMI World Economic Outlook)

Principais parceiros comerciais: EUA, Turquia, Síria, Índia, Itália, China, Coréia do Sul, Taiwan, Jordânia

Grandes indústrias: petróleo, produtos químicos, têxteis, materiais de construção, processamento de alimentos, fertilizantes

Durante as últimas três décadas, a economia iraquiana sofreu de militarização caro, três guerras, a intervenção estatal penetrante, e mais de uma década de sanções internacionais.

A reconstrução da economia iraquiana desde 2003 tem sido difícil e ainda há muito trabalho. Má gestão e desvio de verbas eram comuns no tempo de Saddam Hussein. O setor de petróleo foi carente de investimentos, e do regime de Saddam construiu enormes dívidas através de guerras dispendiosas com o Irã e Kuwait. Infra-estrutura, serviços públicos ea indústria sofreu, o desemprego era muito alto, e os iraquianos foram fortemente dependente do estado ração livre-alimentar.

Desde maio de 2003, houve uma recuperação significativa do pós-guerra econômica e financeira: o PIB do Iraque recuperou-se rapidamente, crescendo a 4,4% ao ano 2005-2010 (FMI Mundial Outlook).

Energia é fundamental. Iraque detém a quarta maior reserva provada de petróleo do mundo (115bn barris, 9 por cento das reservas mundiais, BP Statistical Review of World Energy 2010). No entanto suas reservas potenciais são desconhecidos e que se acredita ser o mundo segundo maior reserva depois da Arábia Saudita. Iraque tem planos muito ambiciosos para crescer as exportações de um pouco mais de 2 milhões de bpd agora para 12 milhões até 2017.

No entanto, sua alta dependência de petróleo torna a economia vulnerável a flutuações no preço do petróleo e de sabotar ataques a infra-estrutura petrolífera. O petróleo é negociado em dólares norte-americanos, de forma política de taxa de câmbio é importante, eo Banco Central conseguiu manter a estabilidade, acumular reservas e manter a inflação em níveis administráveis.

Diversificação econômica será, portanto, importante a longo prazo, ainda mais porque as despesas públicas é de 99,7% do PIB (FMI Mundial Outlook). Outros recursos naturais do Iraque poderia fornecer uma base para fazer isso. No entanto, é um ambiente profundamente difícil para empresas privadas de quebrar.

Leis antiquadas e estruturas de corrupção mais significativo significa Iraque ocupa 153 dos 183 países em termos de facilidade geral de fazer negócios no Banco Mundial "Doing Business 2010" do relatório. Border burocracia e regulação financeira prejudicar o investimento estrangeiro eo comércio, embora no ano passado, o Iraque conseguiu exportações de US $ 49b e importações de US $ 43b (CIA World Factbook).

Embora o Iraque continua a melhorar em um nível macro, as experiências dos cidadãos permanecer rígido. A prestação de serviços é casual. A geração de eletricidade tem sido a demanda meia e indústria devem se abastecer. A população é jovem e alto desemprego (as estimativas variam em torno de um terço).

A pobreza é ampla e, embora raso nacionalmente, profundo em áreas rurais. Abastecimento de água seca, desertificação e salientou continuará a minar a agricultura, e um quinto da população continua a depender do sistema de ração (ONU Avaliação Comum do País 2009).

Iraque criou um Plano Nacional de Desenvolvimento para o período 2010-2014 e um Plano Nacional de Investimento para oferecer esses serviços necessários e crescimento sustentado. Por enquanto, o setor de petróleo será a base para o crescimento e estabilidade a médio prazo e segurança é a chave para a revitalização contínua no curto prazo. Desde Iraque pode continuar a gerir a segurança e com sucesso coordenar investimentos para o desenvolvimento do petróleo deve continuar seu crescimento em direção a prosperidade a longo prazo.

Geografia

República do Iraque é delimitada a norte pela Turquia, a leste pelo Irã, ao sul-leste pelo Kuwait e do Golfo, para o sul e oeste com a Arábia Saudita e Jordânia e para o norte-oeste da Síria. A 56 km de litoral curto dá acesso ao Golfo.

O Iraque tem três distintas regiões topográficas: as terras altas do nordeste e do Curdistão montanhas, as planícies desérticas quase áridas do norte-oeste e sul, ea irrigada, cultivada pesadamente planície da Mesopotâmia ao sul de Bagdá, entre o Tigre eo Eufrates rios. Altitudes variam do nível do mar no sul-leste de 3.700 m no nordeste. Além das montanhas no norte, quase todo o Iraque é menos de 500m de altitude.

Política

As segundas eleições parlamentares desde a queda do regime de Saddam aconteceram em todo o Iraque, em março de 2010, para eleger 325 membros de um Conselho ampliado de Representantes (parlamento). Os partidos políticos e blocos de todo o espectro político e etno-sectária no Iraque tomaram parte. Apesar das tentativas de insurgentes para perturbar votação, a eleição transcorreu de forma pacífica e em geral a participação foi em torno de 64% da população.

Não houve vencedor na eleição. O bloco Iraqiyya do Dr. Iyad Allawi ganhou 91 assentos. O Estado de Direito coalizão liderada pelo primeiro-ministro em exercício, Nuri Kamal Al-Maliki, levou 89 assentos. A eleição foi seguido por um período prolongado de formação de governo com o Sr. Al-Maliki permanece como primeiro-ministro interino.

Acordo final sobre um governo permaneceu uma incógnita, sem acordo sobre a distribuição de ministérios-chave, enquanto que os principais blocos políticos manobrou para a construção de coalizões mais amplas para dar-lhes uma maioria parlamentar.

No final de 2010, o Presidente do Governo Regional do Curdistão, Massoud Barzani, lançou uma iniciativa para quebrar o impasse político. Os chamados Acordos de Erbil previa um acordo de partilha de poder entre os xiitas maior, sunita e curda blocos. Este viu o Sr. Al-Maliki, um xiita, permanecer como primeiro-ministro, enquanto Jalal Talebani, um curdo, ficou como Presidente da República. A posição influente de Speaker parlamentar foi a um sunita, o Dr. Osama Al-Nujaifi.

Após o termo do acordo Iraque / militar dos EUA, todas as tropas americanas deixaram o Iraque em 19 de dezembro de 2011.

Política iraquiana permanecem delicado no contexto de acusações de envolvimento com o terrorismo contra o vice-presidente sunita Tareq Al-Hashemi (objeto de processos judiciais em curso), e as tensões entre o primeiro-ministro Al-Maliki, e vice-primeiro-ministro Saleh Al-Mutlaq. Um diálogo nacional entre os blocos políticos está tentando resolver as diferenças políticas. O impasse político tem afetado a capacidade do parlamento e do governo se empenhar plenamente em lidar com a gama de questões prementes do Iraque, apesar de se passar um orçamento federal em fevereiro de 2012.

As próximas eleições legislativas estão marcadas para 2014.

Direitos Humanos

Iraque continua a lidar com o legado de décadas de terríveis violações dos direitos humanos sob o regime de Saddam Hussein, bem como deficiências institucionais. O contexto de segurança no qual o Iraque opera permanece um desafio. Subsistem problemas significativos, em particular com a administração da justiça e do Estado de direito. A corrupção continua generalizada. O desemprego ea falta de acesso a serviços públicos básicos continuam a afetar um grande número da população iraquiana.

Em fevereiro de 2010 o Governo do Iraque fez o seu compromisso claro para os direitos humanos no Conselho de Direitos Humanos da ONU de Revisão Periódica Universal, onde aceitou uma série de recomendações a partir do Reino Unido e em outros países. O Conselho de Ministros aprovou um Plano de Ação Nacional, que estabelece o Governo de visão do Iraque e um plano de trabalho para a implementação destas recomendações. A promoção dos direitos humanos desempenha um papel importante na nossa agenda global de estratégia de segurança para o Iraque e estamos prontos para apoiar o Governo do Iraque em tomar essas recomendações.

Nós acreditamos que é importante para o Iraque ter instituições sólidas, uma mídia livre e independente e uma sociedade civil ativa, que pode ajudar a garantir que os direitos humanos sejam respeitados no país. Em particular estamos ansiosos para a criação da Comissão Independente para os Direitos Humanos, em linha com a Universal Iraque Recomendações revisão periódica.

O Reino Unido tem financiado uma série de projetos para promover os direitos humanos no Iraque. Estes incluem o desenvolvimento e no ano passado a entrega de programas de treinamento para a polícia e funcionários das mulheres abrigo na região do Curdistão em casos de violência baseada no género. Também trabalhou com o KRG para fazer mudanças na legislação para garantir que ele leva em conta as questões das mulheres dos direitos. Esperamos trabalhar com o Governo do Iraque em 2012 para ajudar, entre outras coisas para reforçar os direitos das mulheres em todo o Iraque como um todo.

Continuamos a trabalhar em nossas prioridades definidas na nossa estratégia de programa de direitos humanos, em cooperação com a sociedade civil e o Governo do Iraque.

Fonte: www.fco.gov.uk

Iraque

Nome completo do país: República do Iraque (Al-Jumhuriyah al-Iraqiah)

Capital: Bagdá

Forma de governo: República (com governo provisório)

População: 23,1 milhões (75% urbana)

Área: 438.317 km2

Localização: Oriente Médio

Idiomas: Árabe, curdo (oficial nas regiões curdas), assírio e armênio

Povos: Árabe 75-80%, curdos 15-20%, turcomanos, assírios e outros 5%

Religião: Islamismo 96%, cristianismo 1,3% (sendo muçulmanos Shi´a 60-65%, muçulmanos sunitas 32-37%)

População Cristã: 620 mil, em declínio

Perseguição: Isolada, em crescimento

Restrições: O islamismo é a religião oficial do Estado. A constituição provisória concede liberdade de religião. Todavia, o governo restringe esse direito na prática. Desde 1981, não se permitiu o registro de igreja nova.

No século XXI

A liberdade religiosa, ainda que limitada, persistirá e o Iraque poderá vir a ser uma importante base para o ministério em todo o Oriente Médio, enquanto o regime laico permanecer no poder.

Iraque é um grande país desértico localizado no Oriente Médio.

O país pode ser dividido em quatro regiões principais: desertos a oeste, áreas montanhosas ao norte, planícies entre os rios Tigre e Eufrates e uma planície de aluvião no sudeste.

Iraque possui pouco mais de 23 milhões de habitantes e, considerando-se a taxa de crescimento atual, a população dobrará de tamanho em 2025. A maioria da população é constituída de árabes iraquianos e as minorias incluem curdos, azerbaidjanos e árabes de outras nações. O árabe é o idioma oficial.

A Mesopotâmia, região onde o Iraque está localizado hoje, já foi o centro do Oriente Médio e da civilização mundial na idade antiga. Os sumérios utilizaram as terras férteis e o abundante suprimento de água da região para desenvolver uma sociedade altamente complexa. Seus sucessores, os acádios, desenvolveram o famoso Código de Hamurabi, que era o mais completo sistema de leis da época.

Estrategicamente posicionada no coração do antigo Oriente Médio, a região foi objeto de desejo de inúmeros conquistadores estrangeiros, entre os quais incluem-se os Assírios e os Caldeus, criadores dos Jardins Suspensos da Babilônia, que foram dominados por Ciro, o Grande, em 539 a.C. Os sucessores de Ciro mantiveram a terra, mas lhe deram pouca atenção até a conquista árabe e a chegada do islamismo, no século VII.

O Iraque viveu sob o comando de vários conquistadores, entre eles os mongóis, os turcos otomanos e os ingleses, logo após a I Guerra Mundial. Os britânicos colocaram um rei no trono iraquiano, mas uma revolução militar em 1958 resultou na derrubada da monarquia, na instalação do Partido Socialista Árabe (Baath) em 1968 (quando se iniciou a era de Saddam Hussein) e na Constituição Provisória de 1970.

Na era de Saddam Hussein, a Constituição conferiu poderes legislativos e executivos ao Conselho de Comando Revolucionário, presidido pelo próprio presidente do país. Havia um parlamento chamado de Assembléia Nacional que normalmente se reunia duas vezes ao ano. O sistema político permaneceu sob o firme comando do Baath.

A partir do fim da Guerra do Golfo em 1991, a minoria curda recebeu certo grau de autonomia, mas não a independência que desejava, o que fez com que as tensões e conflitos civis persistissem.

O Iraque é mais conhecido pela produção de petróleo – correspondente a mais de um terço de sua economia –, mas a indústria e os serviços respondem por quase metade da produção econômica da nação.

O regime de Saddam Hussein empenhou-se para melhorar o padrão de vida dos iraquianos, mas desperdiçou muito de sua riqueza nas guerras. A educação era gratuita nas escolas públicas e há um grande número de universidades. No entanto, estima-se que menos de 60% dos adultos sejam alfabetizados.

Com embargo econômico contra o Iraque após a Guerra do Golfo em 1991, iniciou-se uma grande escassez de recursos de medicamentos e produtos básicos para a população. Para piorar ainda mais a situação, o número de profissionais da saúde está diminuindo, particularmente na zona rural e entre a população curda.

A Igreja, sua história

1º Século — O apóstolo Tomé, ajudado por seu discípulo Addai, evangeliza as regiões orientais da Mesopotâmia, apesar da hostilidade do império persa, cuja religião de Estado é o masdeísmo.

O cristianismo espalha-se gradualmente sem tornar-se a religião da maioria.

339-379 — Shapur II persegue os cristãos.

634 — Um exército de 18.000 árabes muçulmanos tribais sob a liderança do general Khalid ibn al Walid (apelidado de "Espada do Islã") chega ao delta do rio Eufrates, que está ocupado na época pelos sassânidas. Na época da conquista islâmica, a maioria das tribos do Iraque é cristã. 
Os cristãos decidem pagar a jizya, a taxa exigida dos não-muçulmanos que vivem em áreas dominadas por muçulmanos, para não serem mais perturbados.

750-1258 — Bagdá torna-se o centro do império islâmico Abássida. O reinado dos primeiros sete califas é lembrado no mundo árabe como o auge do passado islâmico. Um grande número de secretários nas chancelarias de Estado em Bagdá é de cristãos. A Igreja Oriental estende-se por uma grande área, da margem oriental do Eufrates ao sudeste da Ásia. Entretanto, o número de cristãos diminuiu bastante no ano 1000.

Em 1258 os mongóis destroem Bagdá e o Iraque torna-se uma negligenciada província de fronteira do império mongol. Sendo xamanistas, os mongóis consideram o islamismo o seu maior inimigo.

Inicialmente, a relação com os cristãos locais é muito boa. No final do século 13, entretanto, os mongóis se convertem ao islamismo. Timur Lenk é explicitamente hostil ao cristianismo e a diocese da Igreja Oriental é reduzida aos limites da Mesopotâmia e da área turco-iraniana.

1534-1918 — Período Otomano. O Iraque é dividido em três províncias: Bagdá, Mossul e Basra. Apesar das comunidades cristãs recuperarem a região, a porcentagem de cristãos iraquianos cai de 4,6% em 1580 para 2,2% em 1882.

1920-1932 — O Iraque passa a ser domínio britânico. Os nacionalistas começam a Grande Revolução Iraquiana. Milhares de assírios entram no território iraquiano buscando refúgio da selvageria turca. Finalmente, a Inglaterra começa a preparar o caminho para o próprio governo. Em 1921, Faisal, descendente do xerife de Meca e descendente de Maomé, torna-se rei do Iraque.

1932-1958 — O Iraque é uma monarquia independente. Os assírios pró-ingleses recusam-se a reconhecer o governo e querem estabelecer um Estado próprio. Por ordem do governo do Iraque trezentos homens, mulheres e crianças são massacrados no vilarejo assírio de Sumayyil em 1933.

1958 — Em julho de 1958, oficiais depõem a monarquia.

1968 — O partido Baath toma o poder. Nesse golpe Saddan Hussein desempenha um papel importante.

1980-1988 — Guerra Iraque e Irã, a mais longa guerra convencional do Século XX. Custa centenas de bilhões de dólares e centenas de milhares de pessoas morrem. Entre a primavera de 1987 e fevereiro de 1988, o governo iraquiano destrói 31 vilarejos assírios, incluindo 25 monastérios e igrejas.

1991 — Guerra do Golfo. Desde então, cerca de um terço dos cristãos da nação deixou o país.

2003 — Fim da era de Saddam Hussein com a invasão dos Estados Unidos e países aliados com a acusação de que Saddam Hussein teria armas de destruição em massa e apoiaria grupos terroristas.

Muito embora o cristianismo continue a conquistar novos membros, sua participação entre a população apresenta um lento declínio. Os católicos formam o maior bloco entre os cristãos, mas apresentaram queda no número de membros nas últimas duas décadas. Grupos menores como a Igreja Ortodoxa e os evangélicos independentes têm apresentado um rápido crescimento.

A Perseguição

No Iraque, os cristãos podem converter-se ao islamismo, porém os muçulmanos são proibidos de se converter ao cristianismo. Caso um muçulmano torne-se cristão, tanto ele como a pessoa que o batizou podem ser mortos.

Desde 2000, os cristãos não têm mais permissão para usar nomes cristãos ou ocidentais para seus filhos recém-nascidos. Eles podem somente registrá-los com nomes árabes ou nomes mencionados no Alcorão. Essa nova regra tem um impacto negativo sobre a comunidade cristã, já que os nomes nessa região são usados para dar identidade às pessoas.

A lei iraquiana exige que qualquer escola com 25 alunos cristãos dê ensino cristão. Para evitar esta despesa, muitos diretores deixam de aceitar alunos cristãos antes que o número chegue a 25 estudantes.

O governo laico de Saddam Hussein impunha restrições às atividades cristãs, ainda que concedendo ao cristianismo uma liberdade maior do que aquela observada nas demais nações do Oriente Médio. Ministérios de ajuda social eram permitidos, pois levavam alívio humanitário à nação. Já a distribuição de literatura foi particularmente frutífera.

Muitos acreditam que Mansour Hussein Sifer foi morto em razão de sua fé. Esse cristão de 43 anos de idade, convertido no norte do Iraque, foi morto com um tiro em abril de 1997. Mansour trabalhava em uma livraria cristã na cidade de Arbil. Com muita ousadia, ele se converteu do islamismo ao cristianismo em 1995.

Mansour foi visto com vida pela última vez por seu cunhado, quando deixou sua casa em direção à livraria naquela fatídica manhã. Por volta das 10h20, um colega de trabalho de Mansour encontrou-o já sem vida, caído sobre uma poça de sangue.

Um amigo observou: "Nós encontramos seu Novo Testamento no chão, ao seu lado. Ele sempre carregava a Palavra de Deus. Acho que ele tinha apanhado o Novo Testamento para falar de Jesus a alguém, que acabou por tirar-lhe a vida."

A jovem esposa de Mansour ficou viúva e com um garotinho para criar. Após a morte de seu marido, ela descobriu que estava grávida. Ela deu à luz o segundo filho do casal e continua a trabalhar para o Senhor.

Em novembro de 1998, a Missão Portas Abertas teve a oportunidade de encontrar-se com Ruth Hussein, no norte do Iraque, e ela compartilhou os seguintes motivos de oração:

"Eu louvo a Deus porque todas as minhas necessidades estão sendo satisfeitas. Eu realmente agradeço aos irmãos de todo o mundo que se lembraram de mim em suas orações e pelo cuidado e preocupação demonstrados por meio das cartas e cartões enviados. Também agradeço a Deus pelos meus filhos, Danny, de 1 ano, e Kevin, de 3 anos. Ore por eles e também por mim, como responsável por cuidar deles. Ore para que o Senhor me dê força e boa saúde de forma que eu seja capaz de criar meus filhos da melhor maneira possível." Após a morte de seu marido, Ruth começou a sofrer de uma doença renal.

"Gostaria ainda de pedir suas orações em favor dos cristãos responsáveis pela liderança do trabalho aqui. Eles têm sobre seus ombros a enorme responsabilidade de divulgar a Palavra de Deus. Agradeço a Deus pelos cristãos daqui que muito têm me auxiliado no cuidado e na educação de meus filhos. Eles me encorajam espiritualmente e me sustentam materialmente, aliviando meu fardo. Orem também pela minha mãe que mora comigo e me ajuda com as crianças.

"Tenho a firme esperança de que verei Mansour, meu marido, no reino de Deus. Eu acredito que vou vê-lo novamente. Então, ele poderá conhecer o Danny, o filho que ele não pôde ver em vida."

O Futuro

Por causa da forte instabilidade devido o pós-guerra de 2003, ainda não é possível fazer estimativas seguras.

Durante muito tempo, os cristãos no Iraque foram tratados como minoria privilegiada. Mas, à medida que cresce a tensão internacional e interna, a situação complica. Por um lado, os cristãos são vistos como agentes do Ocidente nos quais não se pode confiar.

Por outro, o apoio de fundamentalistas muçulmanos no país é altamente valorizado e esse apoio pode ser conseguido através de certas medidas contra os cristãos. Em algumas áreas em particular, como Mossul, grupos muçulmanos estão conseguindo mais influência.

No geral, parece que os cristãos do Iraque são atingidos duas vezes na crise atual: primeiro pelas medidas discriminatórias; segundo, pela guerra contra o país.

A maior ameaça à Igreja do Iraque é que, devido à pobreza e intranqüilidade política, os cristãos continuam emigrando para o Ocidente. Há poucas regiões do Oriente Médio onde o número de cristãos tenha caído tão dramaticamente como no Iraque.

Motivos de Oração

1. A igreja tem sido afetada pelas constantes guerras. Muitos iraquianos têm morrido sem ter ouvido as boas novas sobre Jesus Cristo. Ore pedindo o fim dos conflitos que perduram há décadas e para que as agências de auxílio humanitário desenvolvam programas de ministério que alcancem aqueles que sofrem.

2. Vamos orar para que a justiça seja feita a esses cristãos e a todo o povo. Oremos pela paz da região e que os líderes de todos os países envolvidos busquem a sabedoria do Senhor ao tomar decisões.

3. O ministério entre os curdos é particularmente perigoso. Os cristãos que vivem entre os curdos são constantemente perseguidos, ameaçados e mortos. Ore pela proteção e segurança dos evangelistas que trabalham entre os curdos.

Fonte: www.portasabertas.org.br

Iraque

Nome oficial: República do Iraque

Área: 437 072 km2

População: 31.234.000 habitantes.

Capital: Bagdá

Principais cidades: Bagdá

Línguas oficiais: árabe e curda

Moeda: Dinar iraquiano

História

As montanhas do Curdistão é um dos mais antigos centros de humanidade que fez a economia de transição da caça e coleta à agricultura sedentária. O BC milênios sétimo e sexto. JC, homens abandonam colinas e montanhas para resolver nas planícies. Aujourd’hui é sobre a Mesopotâmia como o novo Estado-nação iria estabelecer sua identidade e referências históricas.

As antigas civilizações dos milênios seguintes são marcados pela passagem de uma organização como moradores beneficiam civilizações urbanas da agricultura de irrigação excedente que poderia tornar intensivo. Esta é a era da cidade-estado.

A civilização suméria marca o terceiro milênio, onde o comércio é possível pela escrita e do uso de uma linguagem comum. Amorreus, nômades semitas do sul, fundou um novo império com centro Babilônia, Hamurabi (1793-1750) será o rei mais famoso. Mais tarde, o Norte se vinga com Assíria hegemonia, que atingiu o auge sob Assurbanipal (669-627), enquanto Nínive é a capital. Babilônia sob Nabucodonosor encontrou sua preeminência II (605-562). O Império Assírio rapidamente sucumbe. Mesopotamia está integrado no Império Aquemênida vasto.

Os esplendores do Império Abássida

O império abássida no início do século nono

A conquista da Mesopotâmia pelos árabes, a 637 AD. JC, é um marco. De 750, Bagdá é promovido capital do império abássida, que em seu pico se estende das fronteiras do norte da África, Índia e Ásia Central. Bagdá tornou-se a metrópole do mundo civilizado, incluindo Haroun al-Rashid, califa abássida, um contemporâneo de Carlos Magno e imortalizado pelas Mil e Uma Noites, é o símbolo.

O império muçulmano foi marcada pelo brilho de sua civilização urbana e expansão intelectual. Campanhas, graças a um sistema de irrigação notável, conhecida como uma época de abundância. Árabes memórias idealizadas, esta "idade de ouro" é definitivamente arruinada pelas invasões mongóis. Bagdá caiu em 1258.

Iraque, então, e por muito tempo evitou a dominação árabe. A planície da Mesopotâmia em uma recessão que o Império Otomano não será capaz de frear. Terras agrícolas tornando-se pasto para o gado nômades. Declínio demográfico, finalmente, acompanhando o declínio econômico.

O Mandato Britânico e do Iraque Hachemita

Após a Primeira Guerra Mundial e do colapso do Império Otomano, o domínio britânico, no âmbito do Acordo Sykes-Picot (1916), é aplicado para o Iraque.

Pelo San Remo (1920), a Grã-Bretanha recebeu um mandato da Liga das Nações para administrar o país.

Fronteiras são definidos sob a autoridade do poder obrigatórias: em 1925, o vilayet de Mosul está ligado a todos aqueles que já estão em Bagdá e Basra, no Iraque moderno foi formado. A Hachemita, Emir Faisal, ascendeu ao trono. A independência foi proclamada em 1932.

Sob a monarquia Hachemita, o país continua sob influência britânica, liderada por grandes famílias sunitas. Os primórdios da economia do petróleo, juntamente com um certo desenvolvimento econômico, estão provocando mudanças profundas.

Um estrato intermediário (médicos, professores, engenheiros, funcionários, diretores, intelectuais) surge como o aumento da pressão e da porta oligarquia feudal urbano para um grau muito elevado de pobreza das massas rurais. A tomada do poder por os "Oficiais Livres" no Egito (1952) tem um efeito profundo aqui. O descontentamento cresce, aguça a consciência política.

A oposição se reúne em torno de dois temas: regras democráticas na política e nacionalista recusa a cooperar com as potências ocidentais. O exército derrubou a monarquia em 1958.

Republicano e do Partido Baath do Iraque regime

Geral Kassem, o homem forte do novo regime republicano não pode resolver os problemas sociais e políticos. Em 1963, um golpe de estado permite que o ramo iraquiano da Árabe Baath Partido Socialista para tomar o poder. Depois de 1968, o partido, que está emergindo rapidamente personalidade de Saddam Hussein, tornou-se a única força motriz do país. Iraque então entra num período de profunda mudança. O Partido Baath, assegurar o controlo dos recursos petrolíferos por nacionalização, estabelece as bases para uma economia moderna e diversificada. Após a morte de Nasser (1970), o Iraque terá um papel de destaque no pan-arabismo.

Relações de Bagdá com a Síria relatos conflitantes na imagem entre os dois ramos hostis, Iraque e Síria Partido Baath. Além disso, o Iraque mostra o adversário mais determinado de Israel. Ribeirinhos do Golfo, que aspira a se tornar uma potência regional, tem sido reforçada ao longo do conflito que opõe o Irã (1980-1988). Mas a crise ea Guerra do Golfo (1990-1991) temporariamente pôr fim às ambições regionais de um país já muito isolado dentro do mundo árabe.

O embargo ocidental resultante da Guerra do Golfo, embora parcialmente levantado em 1996, após uma decisão da Organização das Nações Unidas, tem pouco efeito sobre a oligarquia dominante, mas é muito fortemente sentida por civis.

Geografia

Três dividem espaço natural grande Iraque que abrange 434.925 km2. Drenada pelo rio Tigre e Eufrates, na Mesopotâmia é limitado a noroeste pelas montanhas do Curdistão, enquanto limita o planalto desértico ao sul e oeste.

Dois domínios estruturais opor território iraquiano. A base da península Arábica, coberta com calcário, está incorporado ao longo das cadeias Zagros dobradas.

Estas montanhas, muito antes de um país de montanhas e planícies (80.000 km2), formam o Curdistão iraquiano. Com picos de mais de 2000 m para a maioria e culminando em 3607 m, estes são enormes e emaranhados terreno íngreme, vales, os solos cultivados pastagens apertado e de difícil acesso, que há muito tempo permitiu a população curda fechado economia. Borda da, Zagros planícies e colinas de Mosul e Kirkuk, o solo rico e regadas corretamente, são mais propícias para a agricultura.

Mesopotâmia é uma vasta planície aluvial de 94.000 km2, em forma pelos sistemas do Eufrates e do Tigre em um canal cuja altura não exceda 65 m. No deserto, estes dois grandes rios pode estender o Crescente Fértil para a região do Golfo. Antes de chegar ao Golfo Pérsico, do Tigre e do Eufrates, a cerca de 204 km, suas águas se misturam para formar o Shatt al-Arab.

A maior parte do território (260.000 km2) é composto de estepe e deserto planaltos ligeiramente ondulado. Sul-oeste do vale do Eufrates, na Arábia Saudita, estender os platôs de Hamad. Para o oeste, além de Bagdá entre o Tigre eo Eufrates, Jazira eles são baixos.

O Tigre eo Eufrates rios alienígena, são alimentados principalmente pela chuva que cai sobre os países território adjacente (70% na Turquia, 7% no Irã).

Economia

Em menos de um quarto de século, o Iraque, a população do país em franca expansão, foi capaz de explorar a riqueza do petróleo para transformar profundamente a economia através de grandes projetos. Mas, se a industrialização eo crescimento urbano são espetaculares, a questão agrícola continua por resolver; Iraque, como muitos países árabes, sofre de vício em comida.

Agricultura

Controle da água tem sido imperfeito. Durante a primeira metade do século XX, a evolução de maior escala são realizadas. Barragens de desvio foram construídos para fornecer canais de irrigação.

A extensão do potencial agrícola que resulta é complementada pelo uso de processos individuais: as máquinas de elevação, as rodas de água, bombas de motor.

Culturas

Áreas cultivadas, pousio excluídos mal chegar a 2,5 milhões de hectares (média 1976-1979), 20% de toda a terra arável. Os cereais são 84% das terras agrícolas. O arroz é cultivado muito pouco. Trigo e cevada, mesmo com o uso de irrigação, tem um rendimento muito baixo (7-10 t / ha). Cevada, que é mais resistente a condições de água salobra, muitas vezes prevalece na Mesopotâmia Inferior. Plantas industriais (algodão, tabaco, gergelim, girassol, cana de açúcar) ocupam áreas muito limitadas (2,5% da área agrícola), enquanto jardinagem tem se espalhado em torno das cidades.

Recursos minerais e energia

O Iraque é um país de óleo velho no Oriente Médio, e as reservas (13,6 bilhões de toneladas) são consideráveis. A primeira descoberta de "ouro negro" de 1927 na região de Kirkuk. Sua evacuação revelando produção delicada estagnou entre 3 e 4 milhões de toneladas por ano até 1947. O crescimento real é tomada ao longo de 1950.

As empresas internacionais de boicote do petróleo iraniano após sua nacionalização em 1951, em troca, eles estimulam a produção iraquiana, que vai rapidamente ultrapassar 40 milhões de toneladas. Em 1960, a expansão de campos de petróleo no norte (Kirkuk, Ain Zala), a descoberta de novas jazidas na Mesopotâmia inferior, perto do Golfo (Rumayla, Khawr al-Zubair), força de vontade, até 100 milhões de toneladas por ano, um mercado global crescente.

Portanto, o petróleo desempenha um papel vital, mas, provavelmente desproporcional economia. É a base real sobre a qual se baseia o esforço de desenvolvimento. O governo iraquiano fundou sua própria empresa, a Companhia Nacional de Petróleo do Iraque (INOC), que entra em conflito com a Iraq Petroleum Company (IPC). Iniciada em 1972, a nacionalização dos hidrocarbonetos é efetivada em 1975. Incentivado produção atingiu o pico de 170 milhões de toneladas em 1979, e desde então ela sabe flutuações.

Indústria

O dramático aumento das receitas do petróleo - $ 520 milhões em 1970, US $ 26 bilhões em 1980, 11 mil milhões em média 1981-1986 - tem proporcionado oportunidades para o Estado a intervir vigorosamente em áreas relacionadas com a modernização industrial hidrocarbonetos ea criação de indústrias petroquímicas. A indústria de refino para 16 milhões de toneladas de petróleo bruto.

A multiplicação dos equipamentos mais diversificada induz uma forte demanda por materiais de cimento e construção, a produção nacional chegou a satisfazer.

Enquanto isso, embora mais difuso, multiplicar alguns setores industriais novos: processamento de alimentos, têxteis, eletrodomésticos, ciclos de fábricas. Iraque na década de 1970 pode ser comparado a um vasto. O esforço continuado, ao que parece, durante os anos de guerra contra o Irã.

Fonte: www.asie-planete.com

Iraque

Nome completo: República do Iraque

População: 32,7 milhões (ONU, 2011)

Área: 438.317 km ² (169.235 milhas quadradas)

Capital: Bagdá

Principais idiomas: árabe, curdo

Principal religião: o Islã

Expectativa de vida: 68 anos (homens), 73 anos (mulheres) (ONU)

Unidade monetária: dinar iraquiano

Principais exportações: petróleo bruto

RNB per capita: EUA $ 2640 (World Bank, 2011)

Domínio da Internet:. Iq

Código de discagem internacional: 964

Iraque, em uma área uma vez o lar de algumas das primeiras civilizações, tornou-se um campo de batalha para as forças concorrentes após a destituição norte-americana do presidente Saddam Hussein em 2003.

O governo xiita lutou para restaurar a ordem até que uma "onda" de tropas americanas no final de 2007 começou a empurrar os insurgentes e milícias de cidades e províncias que há muito contestadas.

O país continua instável, e as disputas com a região do Curdistão autônomo sobre a cidade rica em petróleo de Kirkuk ameaçaram destruir os progressos no sentido da estabilidade política. Os insurgentes continuam a usar a violência em um esforço para minar o governo.

A campanha de 2003 para remover Saddam Hussein começou com um ataque de mísseis dos EUA em Bagdá nas primeiras horas de 20 de março. As forças americanas e britânicas invadiram desde os dias sul depois.

Apenas três semanas após o início dos combates, eles entraram em Bagdá, e pega o líder iraquiano no poder tinham murchado. A maioria da população xiita, que tinha em grande parte sido excluídos do poder, foi inicialmente eufórica.

No entanto, o otimismo gradualmente deu lugar ao desespero como grupos insurgentes - principalmente a partir de sunitas amarguradas, oficiais do exército demitidos e apoiadores do antigo regime - começaram uma campanha cada vez mais sangrenta de atentados a bomba.

Os insurgentes - com a Al-Qaeda no Iraque entre os mais violentos - civis como alvo, assim como as forças de segurança, às vezes matando centenas de pessoas em um dia. O conflito desceu guerra sectária perto em 2006-7, quando grupos de militantes xiitas contra-atacou com uma campanha de sequestros e assassinatos.

A transferência de poder a um governo interino do Iraque em junho de 2004, e sete meses depois, primeiro do Iraque eleições multipartidárias em 50 anos, o que trouxe uma coalizão esmagadora maioria xiita ao poder, não conseguiu conter a violência.

Em 2008, no entanto, um "surto" em número de soldados norte-americanos para enfrentar os insurgentes, o. Cooptação de tribos sunitas moderados na luta contra militantes e um exército melhorar iraquiano conseguiu transformar a situação em torno O número de ataques diminuiu, apesar de ataques esporádicos continuar.

Em junho de 2009 as tropas americanas se retiraram das cidades iraquianas e cidades, entregando a segurança às forças iraquianas. Em linha com o compromisso pelo presidente dos EUA Barack Obama as tropas de combate dos Estados Unidos deixou o Iraque últimos em agosto de 2010. As últimas tropas dos EUA deixou o Iraque até o final de 2011.

Berço da civilização

Ocupando os rios Tigre e Eufrates e que se estende do Golfo para as montanhas Anti-Taurus, moderno Iraque ocupa aproximadamente o que antes era antiga Mesopotâmia, um dos berços da civilização humana.

No início da Idade Média, o Iraque foi o centro do Império Islâmico, mas uma brutal invasão mongol no século 13 destruiu a sua importância. Parte do Império Otomano do século 15, ficou sob controle britânico após a I Guerra Mundial, a sua independência em 1932.

A monarquia britânica-instalado foi derrubado em 1958 e um golpe de Estado em 1968, trouxe o partido nacionalista árabe Ba'ath (Renascimento) ao poder. Petróleo fez o país rico e, quando Saddam Hussein tornou-se presidente em 1979, o petróleo composta de 95% de suas receitas em divisas.

Mas a guerra 1989-88 com o Irã ea Guerra do Golfo 1991, provocada pela invasão do Kuwait pelo Iraque, em conjunto com a imposição posterior de sanções internacionais, teve um efeito devastador sobre a economia ea sociedade.

O que restou da economia foi amplamente destruída pela invasão de 2003 ea violência subsequente. Ataques de insurgentes em infra-estrutura petrolífera do Iraque custou bilhões de dólares do país em receitas perdidas.

No norte, a comunidade curda conseguiu criar uma região autônoma própria.

Uma cronologia dos principais eventos:

1534 - 1918 - Região faz parte do Império Otomano.

1914 - 1918 - Primeira Guerra Mundial

1917 - Grã-Bretanha apreende Bagdá.

1920 - Grã-Bretanha cria estatal do Iraque com a Liga de aprovação das Nações Unidas.

1920 - Revolução Iraquiana Grande - rebelião contra o domínio britânico.

1921 - Faysal, filho de Hussein Bin Ali, o Sharif de Meca, é coroado primeiro rei do Iraque.

1932 - O Iraque torna-se um Estado independente.

1939-1945 - Segunda Guerra Mundial. Grã-Bretanha re-ocupação do Iraque.

1958 - A monarquia é derrubado por um golpe militar liderado pelo brigadeiro Abd-al-Karim Qasim e Abd-al-Salam Col Muhammad Arif. Iraque é declarado uma república.

1963 - O primeiro-ministro Qasim é derrubado em um golpe liderado pelo socialista árabe Baath Party (ASBP). Arif se torna presidente.

1963 - O governo baathista é derrubado por Arif e um grupo de oficiais.

1966 - Depois de Arif é morto em um acidente de helicóptero em 13 de abril, seu irmão mais velho, Maj-Gen Abd-al-Rahman Muhammad Arif, sucede-lhe como presidente.

1968 - Um golpe de Estado liderado baathista-derrube Arif. Conselho do Comando Revolução (CCR) assume o comando com o Gen Ahmad Hasan al-Bakr como presidente e presidente do país.

Petróleo empresa nacionalizada

1972 - O Iraque nacionaliza o Iraque Petroleum Company (IPC).

1974 - O Iraque concede uma autonomia limitada à região curda.

1979 - Saddam Hussein consegue Al-Bakr como presidente.

1980 - O pró-iraniano Dawah partido reivindica a responsabilidade por um ataque a Vice-Primeiro-Ministro, Tariq Aziz, na Universidade Mustansiriyah, Bagdá.

Guerra Irã-Iraque

1980-1988 - guerra Irã-Iraque.

1981 junho - Israel ataca um centro de pesquisa nuclear iraquiano em Tuwaythah perto de Bagdá.

Ataque químico contra curdos

Março de 1988 - O Iraque ataca curdos cidade de Halabjah com gás venenoso, matando milhares de pessoas.

1990 Março - Farzad Bazoft, um jornalista iraniano-nascido com jornal de Londres Observer, acusado de espionagem em uma instalação militar, é enforcado em Bagdá.

Iraque invade o Kuwait

1990 - O Iraque invade o Kuwait, provocando o que se torna conhecida como a primeira Guerra do Golfo. Uma campanha liderada militar maciça obriga o Iraque a retirar em fevereiro de 1991.

1991 Abril - Iraque submetido a armas programa de inspeção.

Rebelião

1991 Meados de março / início abril - Southern xiitas e populações curdas do norte - incentivados pela derrota do Iraque no Kuwait - rebelde, levando a uma repressão brutal.

1991 Abril - UN-aprovado porto seguro estabelecido no norte do Iraque para proteger os curdos. Iraque ordenou para acabar com toda a atividade militar na área.

1992 Agosto - Uma zona de exclusão aérea, que os aviões iraquianos não são autorizados a entrar, está configurado no sul do Iraque, a sul da latitude 32 graus norte.

Junho de 1993 - as forças dos EUA lançar um ataque com mísseis de cruzeiro sede da inteligência iraquiana em Bagdá, em retaliação à tentativa de assassinato do presidente dos EUA, George W. Bush, no Kuwait, em abril.

Petróleo-por-comida

1995 Abril - da Resolução 986 permite a retomada parcial das exportações de petróleo do Iraque para comprar alimentos e medicamentos (o "programa petróleo-por-comida").

Outubro de 1995 - Saddam Hussein vence um referendo que lhe permite continuar presidente por mais sete anos.

Agosto de 1996 - Após pedido de ajuda do KDP, as forças iraquianas lançam ofensiva na zona de exclusão aérea norte e capturar Irbil.

Setembro de 1996 - EUA amplia limite norte da zona de exclusão aérea sul de latitude 33 graus norte, ao sul de Bagdá.

Outubro de 1998 - O Iraque termina cooperação com a Comissão Especial da ONU para supervisionar a destruição de armas do Iraque de Destruição em Massa (UNSCOM).

Operação Raposa do Deserto

Dezembro de 1998 - Depois de funcionários da ONU são evacuados de Bagdá, os EUA eo Reino Unido, lançar uma campanha de bombardeio, "Operação Raposa do Deserto", para destruir os programas nucleares, químicas e biológicas do Iraque de armas.

1999 Fevereiro - Grande Aiatolá Sayyid Muhammad Sadiq al-Sadr, líder espiritual da comunidade xiita, é assassinado em Najaf.

Dezembro de 1999 - Resolução do CSNU 1284 cria a ONU monitoramento, verificação e inspeção da Comissão (Unmovic) para substituir a UNSCOM. Iraque rejeita a resolução.

2001 Fevereiro - Grã-Bretanha, EUA realizar bombardeios para tentar desativar ar Iraque defesa da rede. Os bombardeios têm pouco apoio internacional.
Inspetores de armas retornar

Setembro de 2002 - presidente dos EUA, George W Bush diz líderes mundiais céticos em geral da ONU para enfrentar a "grave e perigo encontro" do Iraque - ou ficar de lado como os atos dos EUA. No mesmo mês, o primeiro ministro britânico Tony Blair publica um'' espertalhão'' dossiê sobre a capacidade militar do Iraque.

Novembro de 2002 - os inspetores de armas da ONU retornar ao Iraque apoiada por uma resolução da ONU que ameaça graves consequências se o Iraque está em "violação material" de seus termos.

Março de 2003 - Chefe dos inspetores de armas relatórios Hans Blix que o Iraque tem acelerado a sua cooperação, mas diz que os inspetores precisam de mais tempo para verificar o cumprimento do Iraque.

Saddam deposto

Março de 2003 - O embaixador do Reino Unido na ONU diz que o processo diplomático no Iraque terminou; inspetores de armas evacuar; presidente dos EUA, George W Bush dá Saddam Hussein e seus filhos 48 horas para deixar o Iraque ou enfrentar a guerra.

Março de 2003 - O governo norte-americana invasão topples de Saddam Hussein, as marcas começam de anos de conflitos violentos com os diferentes grupos que competem pelo poder.

Julho de 2003 - US-nomeado Conselho do BCE se reúne pela primeira vez. Comandante das forças dos EUA diz que suas tropas enfrentam baixa intensidade guerra de guerrilha estilo.

Filhos de Saddam, Uday e Qusay mortos durante uma batalha em Mosul.

Insurgência intensifica

Agosto de 2003 - caminhão-bomba destrói a sede da ONU em Bagdá, matando o enviado da ONU Sérgio Vieira de Mello.

Carro-bomba mata 125 em Najaf, incluindo xiita aiatolá Mohammed Baqr líder al-Hakim.

2003 14 de dezembro - Saddam Hussein capturado em Tikrit.

Março de 2004 - Homens-bomba atacam xiitas festivaleiros em Kerbala e Bagdá, matando 140 pessoas.

Abril-Maio de 2004 - xiitas milícias leais ao clérigo radical Moqtada Sadr assumir as forças da coalizão.

Centenas são mortos em combate durante o cerco EUA mês de militar da cidade sunita de Falluja.

Provas fotográficas emerge de abuso de prisioneiros iraquianos por soldados dos EUA.

Soberania e eleições

Junho de 2004 - EUA soberania mãos para governo interino liderado pelo primeiro-ministro Iyad Allawi.

Agosto de 2004 - Combate em Najaf entre forças dos EUA e milícia xiita do clérigo radical Moqtada Sadr.

Novembro de 2004 - ofensiva liderada pelos EUA contra insurgentes Maior em Falluja.

2005 30 de janeiro - Alguns voto 8.000.000 nas eleições para a Assembleia Nacional de Transição. 2005 28 de fevereiro - Pelo menos 114 pessoas são mortas por um carro-bomba em Hilla, ao sul de Bagdá, no pior incidente deste tipo desde a invasão liderada pelos EUA.

Abril de 2005 - Em meio a escalada da violência, o parlamento seleciona líder curdo Jalal Talabani como presidente. Ibrahim Jaafari, um xiita, é nomeado como primeiro-ministro.

2005 Maio - Surge em carros-bomba, explosões de bombas e tiroteios: ministérios iraquianos colocar o número de civis mortos de maio, 672, acima de 364, em abril.

Junho de 2005 - Massoud Barzani é empossado como presidente regional do Curdistão iraquiano.

Agosto de 2005 - Projeto de constituição é endossado por xiitas e curdos negociadores, mas não por sunitas representantes.

Outubro de 2005 - Os eleitores aprovar uma nova Constituição, que visa criar uma democracia islâmica federal.

Dezembro de 2005 - iraquianos voto para o primeiro, o governo de termo e do parlamento desde a invasão liderada pelos EUA.

A violência sectária

De 2006 em diante fevereiro - Um ataque a bomba em um importante santuário xiita em Samarra desencadeia uma onda de violência sectária em que centenas de pessoas são mortas.

2006 22 de abril - Recém-reeleito Presidente Talabani pede compromisso Shia candidato Nouri al-Maliki para formar um novo governo, pondo fim a meses de impasse.

Maio e Junho de 2006 - Uma média de mais de 100 civis por dia são mortos em violência no Iraque, diz a ONU.

2006 7 de Junho - Al-Qaeda no Iraque, Abu Musab al-Zarqawi, foi morto em um ataque aéreo.

Novembro de 2006 - Iraque e Síria restabelecer relações diplomáticas depois de quase um quarto de século.

Mais de 200 morrem em carros-bomba na área de maioria xiita de Sadr City, em Bagdá, no pior ataque na capital desde a invasão norte-americana de 2003.

De dezembro de 2006 - O Iraque relatório do Grupo de Estudo de fazer recomendações ao presidente Bush sobre a futura política no Iraque descreve a situação como grave e se deteriorando.

Saddam executado

De dezembro de 2006 - Saddam Hussein é executado por crimes contra a humanidade.

De janeiro de 2007 - presidente dos EUA, Bush anuncia uma estratégia novo Iraque; tropas milhares mais americanos serão enviados para reforçar a segurança em Bagdá.

ONU diz que mais de 34.000 civis foram mortos na violência em 2006, a figura supera estimativas oficiais iraquianos triplo.

Fevereiro de 2007 - Uma bomba em mercado de Bagdá Sadriya mata mais de 130 pessoas. É o pior atentado único desde 2003.

Março de 2007 - Insurgentes detonar três caminhões com gás de cloro tóxico em Falluja e Ramadi, ferindo centenas.

Abril de 2007 - Atentados em Bagdá matam quase 200 pessoas no pior dia de violência desde uma unidade de segurança norte-americana começou na capital em fevereiro.

De agosto de 2007 - bombas caminhão e carro bateu duas aldeias de Yazidi curdos, matando pelo menos 250 pessoas - o mais mortal ataque desde 2003.

Líderes curdos e xiitas formar uma aliança para apoiar o governo do primeiro-ministro Maliki, mas não conseguem trazer os líderes sunitas.

Blackwater tiroteios, invasões turcas

De setembro de 2007 - A controvérsia sobre empresas de segurança privada Blackwater depois que os guardas de segurança de incêndio supostamente contra civis em Bagdá, matando 17.

Outubro de 2007 - O número de mortes violentas de civis e militares continuam a cair, assim como a frequência de ataques com foguetes.

De dezembro de 2007 - Grã-Bretanha mãos sobre a segurança da província de Basra às forças iraquianas, marcando efetivamente o fim de quase cinco anos de controle britânico no sul do Iraque.

De janeiro de 2008 - O Parlamento aprova legislação que permite ex-funcionários Baath de Saddam Hussein partido para retornar à vida pública.

De março de 2008 - O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad visita.

O primeiro-ministro Maliki repressão ordens em milícia em Basra, provocando batalhas campais com Mehdi Moqtada Sadr Exército. Centenas são mortos.

De setembro de 2008 - EUA mão forças sobre o controle da província ocidental de Anbar - uma vez que um insurgente e Al-Qaeda fortaleza - para o governo iraquiano. É a província sunita primeiro a ser devolvido para o governo xiita.

Parlamento iraquiano aprova lei eleitoral provincial. Emissão de cidade de Kirkuk contestada é reservado para as eleições podem ir em frente em outro lugar.

Pacto de segurança aprovado

De novembro de 2008 - O Parlamento aprova um pacto de segurança com os Estados Unidos em que todas as tropas dos EUA estão a sair do país até o final de 2011.

2009 Janeiro - O Iraque toma o controle da segurança em fortificada Zona Verde de Bagdá e assume mais poderes sobre as tropas estrangeiras sediadas no país. , Nouri al-Maliki recebe o movimento como "dia da soberania" do Iraque.

2009 Março - presidente dos EUA, Barack Obama anuncia a retirada da maioria das tropas norte-americanas até o final de agosto de 2010. Até 50.000 de 142.000 soldados agora não vai ficar no em 2011 para assessorar as forças iraquianas e proteger os interesses dos EUA, deixando até o final de 2011.

Junho de 2009 - As tropas dos EUA retirar das cidades no Iraque, seis anos após a invasão, tendo formalmente entregues funções de segurança para novas forças iraquianas.

Novos agrupamentos políticos

De julho de 2009 - As forças de oposição novas fazem fortes ganhos nas eleições para o Parlamento regional do Curdistão, mas o governo KDP e PUK aliança mantém uma maioria reduzida. Masoud Barzani (KDP) é reeleito na eleição presidencial.

Outubro de 2009 - Dois carros-bomba perto da Zona Verde em Bagdá matam pelo menos 155 pessoas, no pior ataque no Iraque desde abril de 2007.

2009 Dezembro - A al-Qaeda ligados Estado Islâmico do Iraque reivindica a responsabilidade por atentados suicidas em Bagdá que matam pelo menos 127 pessoas, bem como ataques, em agosto e outubro, que matou 240 pessoas.

Labaredas de tensão com o Irã como tropas iranianas brevemente ocupar um campo de petróleo em território iraquiano.

De janeiro de 2010 - A controvérsia como os candidatos com supostas ligações com o Partido Baath está banido urnas parlamentares de março. Um tribunal depois levanta a proibição, levando um atraso na campanha.

"Químico" Ali Hassan al-Majid, figura chave no governo de Saddam Hussein, é executado.

Eleições inconclusivas

2010 Março - eleições parlamentares. Nove meses antes de passar um novo governo seja aprovado.

2010 Agosto - Sete anos após a invasão liderada pelos EUA, a última brigada de combate dos EUA deixa o Iraque.

2010 Setembro - Síria e Iraque restabelecer relações diplomáticas de um ano depois de quebrar-los.

2010 Outubro - Igreja em Bagdá apreendidos por militantes. 52 pessoas mortas no que é descrito como o pior desastre única para bater os cristãos do Iraque nos tempos modernos.

2010 Novembro / Dezembro - se reúne o Parlamento após um longo atraso, re-nomeia Jalal Talabani como presidente e Nouri al-Maliki como primeiro-ministro. Um novo governo inclui todas as principais facções.

2011 Janeiro - clérigo radical xiita Moqtada Sadr retorna após quatro anos de auto-exílio no Irã.

2011 Fevereiro - as exportações de petróleo do Curdistão iraquiano currículo, em meio a uma longa disputa entre a região eo governo central sobre contratos com empresas estrangeiras.s

2011 Abril - Exército campo de invasões de exilados iranianos, matando 34. Governo diz que vai fechar acampamento de Ashraf, lar de milhares de membros do Mujahedin do Povo do Irã.

2011 Agosto - violência aumenta, com mais de 40 aparentemente coordenados ataques em todo o país em um único dia.

Retirada dos EUA

2011 Dezembro - EUA completa tropa de puxar.

Governo de unidade enfrenta desordem. Mandado de detenção europeu emitido para o vice-presidente Tariq al-Hashemi, um líder político sunita. Bloco sunita boicotes parlamento e gabinete.

2012 - Bomba e armas ataques xiitas áreas-alvo ao longo do ano, os temores de ignição de um novo conflito sectário. Cerca de 200 pessoas são mortas em janeiro, mais de 160 em junho, 113 em um único dia em julho, mais de 70 pessoas em agosto, cerca de 62 em ataques em todo o país, em setembro, e pelo menos 35 antes e durante o mês de luto xiita de Muharram em novembro.

Cerca de 200 pessoas são mortas em atentados visando muçulmanos xiitas na sequência imediata da retirada dos EUA.

2012 Março - Forte segurança para cúpula da Liga Árabe em Bagdá. É a primeira grande cúpula que será realizada no Iraque desde a queda de Saddam Hussein. Uma onda de pré-cimeira ataques mata dezenas de pessoas.

2012 Abril - As exportações de petróleo do Curdistão iraquiano parado em meio a polêmica com o governo central sobre contratos com empresas estrangeiras.

2012 Maio - Trial começa fugitivo de vice-presidente Tareq al-Hashemi, que é acusado de comandar esquadrões da morte para direcionar funcionários xiitas.

2012 Setembro - Fugitivo ex-vice-presidente Tariq al-Hashemi rejeita condenação à morte in absentia como sobre ele para a execução de esquadrões da morte como "politicamente motivada".

2012 novembro - Iraque cancela um acordo de US $ 4,2 bilhões para comprar armas da Rússia por causa de preocupações sobre a suposta corrupção dentro do governo iraquiano. A compra, assinado em outubro, teria feito a Rússia o país o segundo maior fornecedor de armas depois de os EUA. Moscou foi o principal fornecedor de armas do que Saddam Hussein.

2012 Dezembro - saúde do Presidente Talabani tem uma curva acentuada para o pior. Seu site diz que ele está em uma condição estável e sendo tratado de artérias bloqueadas. Fontes do governo dizem que ele teve um derrame e ficou em coma.

2013 Fevereiro - Cerca de 35 pessoas são mortas em dois ataques. Pelo menos 19 morreram em um atentado suicida de uma milícia anti-Al-Qaeda em Taji, ao norte de Bagdá, e pelo menos 16 pessoas morreram em um ataque a uma delegacia de polícia em Kirkuk, norte do Iraque.

Fonte: news.bbc.co.uk

Iraque

História

Iraque, que leva o nome do árabe al-Arabi Iraque, introduzido durante a conquista muçulmana do século VII. Abrange aproximadamente o território da antiga Mesopotâmia, onde surgiram as primeiras civilizações da Oriente - que a humanidade deve, entre outras coisas, a invenção da escrita.

Neste corredor formado pelas férteis vales do Tigre e do Eufrates , assentamentos humanos foram encontrados a partir do milênio IX aC Por sua vez, os sumérios, acádios (fundadores da Babilônia o Terceiro milênio aC), os assírios (fundadores de Nínive do segundo milênio aC), os elamitas (instalado Suse em 3500 aC) ocupou a zona de charneira do Meio Oriente sucessivamente invadida por pessoas provenientes da Turquia (os hititas ) ou persa (o Medes e partos ), antes de passar sob o domínio armênia e grega, e finalmente incorporada ao Império Romano.

Nome oficial: República do Iraque

Estado do oeste da Ásia aberto no Golfo Pérsico, o Iraque está delimitada a leste pelo Irão, a norte pela Turquia, a oeste com a Síria ea Jordânia, ao sul e sudeste Arábia Saudita e Kuwait.

Área: 434,000 km 2

População: 32.665.000 (2011 estimativa)

Nome de habitantes: os iraquianos

Capital: Bagdá

Idiomas: árabe e curda

Moeda: dinar iraquiano

Tipo de governo: República com um sistema parlamentar

Constituição:

Adoção: 18 de setembro de 2005

Entrada em vigor: 15 de outubro de 2005

Executivo:

Chefe de Estado: Presidente

Chefe de governo: primeiro-ministro

Legislativo: Conselho de Representantes

Iraque e dos grandes impérios muçulmanos

A conquista árabe (633-642) é crítico para a região iraquiana, que, portanto, desempenha um papel de liderança na história política e religiosa do Islã . Durante os conflitos que se seguiram à morte de Muhammad , Ali , filho do Profeta foi assassinado em território iraquiano. Nascido de veneração de Ali e seus descendentes, o xiita irá desempenhar um papel importante na região.

O primeiro império muçulmano, a dos Omíadas (661-750), que se mudaram para Damasco, tentando em vão controlar a zona de turbulência, onde as revoltas sucesso. É Iraque partes que a revolta que deu à luz o segundo império muçulmano na história, a dos abássidas , que reinaram em Bagdá até 1258. A antiga Mesopotâmia então experimentou um auge segunda, Bagdá se tornar uma próspera capital e um centro de cultura.

Rivalidades sociais e econômicas, no entanto, prejudicar o império abássida, que foi ameaçado pelos bizantinos perderam o controle dos fluxos econômicos do Extremo Oriente. Em 1055, os turcos seljúcidas tomou os territórios do Império. Dividido entre turcos e curdos - que são descendentes dos medos - O Iraque foi então conquistado pelos mongóis (1258-1259).

Arruinado, dominada por várias dinastias mongóis e turcomanos, devastado por Timur Lang (Tamerlão) em 1401, o Iraque é facilmente anexada pelos turcos safávida entre 1499 e 1508, seguida pelos sultões otomanos.

Esta regra não se, no entanto, acabar com os tumultos que o Iraque será sempre o teatro, entre nômades e sedentários minoria curda eo governo central, xiitas e sunitas, os países que sofrem os horrores da confrontos tribais, lutas internas do Império otomano, persa e as incursões constantes, desde 1790, as de Wahhabi sauditas veio para lutar xiismo professada por alguns iraquianos. No século XIX., Doente e decadente, o Império Otomano gradualmente vê a invasora West em seus limites. No leste do Império Otomano, o Iraque começou a experimentar estas novas influências.

Ocupação britânica e empurrou nacionalista

Tentativas de modernização (ferrovias, a impressão, o telégrafo, o tráfego marítimo, educação, emprego) não pode interromper o declínio inevitável do "homem doente da Europa". Em novembro de 1914, desde que a Turquia entrou na guerra ao lado da Alemanha, os britânicos desembarcaram no Iraque, para abrir uma frente militar e ocupar Bagdá, em março de 1917.

Em abril de 1920, a Grã-Bretanha recebeu um mandato da Liga das Nações (SDN) para governar o Iraque - causando, em 3 de maio de 1920, um levante liderado por um movimento de elite marcado pela Young Turks , que durou até abril de 1921.

Em 1921, o Conselho de Estado árabe, formada sob o domínio britânico, o emir nomeia Faysal ibn Husayn, filho de Sharif de Meca e um membro da poderosa família dos hashemitas , como rei do Iraque. Ele reinará até 1933. Assembléia Constituinte ratificou em março de 1924, um tratado foi assinado em Outubro de 1922 e os relatórios do poder definir de advogado e Iraque.

O novo Estado recolhe as províncias otomanas de Mosul - o Curdistão, rica em petróleo e reivindicada pela Turquia - de Basra e Bagdá. O governo central baseia-se no sunita emergente muçulmanos, cujo número é então equivalente aos xiitas, provocando muitos protestos entre eles.

Curdos (25 milhões), que teve uma certa autonomia no Império Otomano e que o Tratado de Sèvres de 1920 prometeu a criação de um Curdistão independente, agora em cinco países - Iraque, Irã e Turquia, com pequenas minorias na Síria e na Transcaucásia Soviética. Também será sempre uma força de oposição feroz contra o Estado iraquiano.

Preocupado, acima de tudo para assegurar a exploração dos recursos de petróleo no país, a Grã-Bretanha, no entanto, é a construção de um poder no Iraque estável com que pode manter relações permanentes: em 1927, a exploração do petróleo iraquiano é confiada a Iraque Petroleum Company (IPC), em junho de 1930, um novo anglo-iraquiana para o Iraque dá uma independência nominal, mantendo o controle britânico, prevista para um período de, pelo menos, 25 anos.

Esta situação agrava os sentimentos nacionalistas do Iraque, entre 1936 e 1941, tem sete golpes. Sucessor Faisal I, Ghazi I (reinou 1933-1939), morreu deixando um herdeiro quatro anos, Faisal II. O regente Abd al-Ilah (1939-1953), pró-britânico, foi inicialmente marcado por tumultos graves, culminando em 1941 com a aquisição por Rashid Ali al-Gaylani, um nacionalista pró- alemão. O britânico reagiu imediatamente com uma nova ocupação do Iraque, que, eventualmente, vem a guerra, em 1943, ao lado dos Aliados.

Apesar de algumas concessões em relação ao Tratado de 1930, a regência de Abd al-Ilah, assistida pelo presidente, Nuri al-Said, o país continua sob domínio britânico. Isto está longe de aliviar as tensões, agravadas pelo aumento de problemas sociais e econômicos, bem como a guerra árabe-israelense de 1948-1949.

Poucas medidas econômicas (criação de um Conselho de Desenvolvimento, em 1950) e políticas (federação proposta dos países do Crescente Fértil: Iraque, Síria, Líbano, Jordânia e Palestina) não são suficientes para aumentar o prestígio do poder. O Partido Comunista Iraquiano, fundada em 1934, poderoso entre os curdos e xiitas, em seguida, leva a cabeça de protestos, incluindo manifestações violentas em novembro de 1952, em Bagdá. Adesão do Iraque ao Pacto de Bagdá (1955), sob a liderança de Londres e Washington, o silêncio do governo iraquiano durante a crise de Suez , a proclamação de uma federação de duas Hachemita reinos - Iraque e Jordânia - completar irritar os sentimentos nacionalistas da população, criando a hostilidade do Egito de Nasser e da Liga Árabe.

Lutas de poder dentro da República

Cinco meses após a proclamação da iraquiano-jordaniana federação, 14 de julho de 1958, um golpe militar autoriza o Geral Abd al-Karim Kassem.

Rei Faysal, o regente Abd al-Ilah e Nuri al-Said são realizadas: a república foi proclamada. O novo sistema é rapidamente dominado por um protesto atual para os ideais de nacionalismo árabe de o Baath , um partido fundado em 1943 para a Síria por Michel Aflaq, favorável depois da fusão com o regime egípcio de Gamal Abdel Nasser e as elites sunitas seduz militares.

Abd al-Karim Kassem, garantindo a independência do país vis-à-vis o Reino Unido - revogação da Federação Árabe, o Pacto de Bagdá e da área esterlina - abordou os soviéticos e escolhido para contar com o Partido Comunista e não o arabismo, nasserista militante.

Liderados pelo coronel Abdul Salam Aref , que participou na revolução de 1958, Nasser, cujos partidos são proibidos, então violentamente contra os comunistas em março de 1959, uma revolta foi esmagada pró-Nasser.

Acusado de fomentar a agitação entre os curdos e turcomanos, em julho de 1959, em Kirkuk, os comunistas são, porém, excluídos (Punição será de pelo menos 5.000 mortos), o seu partido foi banido em 1960, enquanto o regime autoritário opção s 'aumenta, o que não impede a insurgência curda a crescer a partir de 1961, sob a liderança de Mulla Mustafa al-Barzani , nem o descontentamento popular, sempre latente, de crescer.

Após a ruptura com os comunistas, perto de xiitas e curdos, o Iraque ainda é governado por membros da minoria sunita (30% da população), perpetuamente exposta a oposição da maioria xiita (65% dos iraquianos vivendo em áreas mais carentes) ea minoria curda (20% da população, composto por sunitas e xiitas é no seu território são a riqueza do petróleo principal).

Tanto a oposição ao governo central, que defendem a década de 1960, minando a República do general Kassem. Quando, em junho de 1961, as reivindicações territoriais últimos avanço no Kuwait ricos, as relações recém-independentes com o Egito e Grã-Bretanha apodrecer, o rompimento de relações diplomáticas com o Líbano, a Jordânia e os Estados Unidos Estados terminou isolar o Iraque.

Em dezembro de 1961, o governo está em conflito direto com a Iraq Petroleum Company (IPC) e produção de peças de petróleo nacionalizado.

A presidência do advento da Aref Baath

8 de fevereiro de 1963, um golpe liderado por elementos militares unidos pela "nasserista pró-unionista" e, especialmente, os membros do Baath leva ao poder à frente do Conselho Nacional da Revolução, Abdul Salam Aref . Geral Kassem e os seus adjuntos são executados, a Constituição revogada. Os baathistas, que ocupam posições-chave, desencadeando uma repressão contra os comunistas. Ansioso para poupar o Ocidente, eles dão as reivindicações do Iraque ao Kuwait e reconhecer a autonomia da curdos março 1963.

Um acordo final sobre a questão não se desenvolver, as hostilidades recomeçaram: sob a liderança do Partido Democrático do Curdistão (KDP, criado em 1946) o Sr. al-Barzani, eles vão continuar até 1975, quase ininterrupto. Dirigé par l'armée et le Baath, l'Iraq s'ouvre alors au commerce avec l'étranger, améliore ses rapports avec l'IPC et apaise ses relations extérieures, à la faveur d'un coup d'État baassiste en Syrie (1963), avec laquelle il signe un accord militaire, peu après l'échec d'un projet d'union Iraq-Égypte-Syrie.

Mas o Baath iraquiano dividido, incapaz de levar a cabo reformas, expostos hostilidade do nasserista pró-, foi retirado do poder pelo marechal Aref (Novembro de 1963), que concentra em suas mãos a maior parte do poder. Nasser do modelo, um único partido, a União Socialista Árabe, é criado, os outros são proibidos, uma constituição interina foi promulgada, ea natureza islâmica do regime, disse.

Um cessar-fogo foi assinado em fevereiro de 1964, com os curdos, e presos políticos são libertados. O sistema cria uma companhia nacional de petróleo, nacionalizou parte do setor bancário e de seguros e assinado com o Egito, que ele se aproxima por algum tempo, um pacto militar (Maio de 1964).

Esta melhoria, no entanto, é rapidamente desafiado pela retomada das hostilidades com os curdos, os medos da burguesia, assustado com o poder da fala socialização, a demissão de seis ministros pró-nasseristas e um novo golpe de Estado ( setembro de 1965). Política do Iraque com base em alianças tribais e recomposição permanente sobre a violência endêmica, um policiamento constante, clientelismo e terror, tem lutado para encontrar o caminho para a estabilidade.

Após a morte do Marechal Aref, em 1966, seu irmão, o general Abdul Rahman Aref , substituído como chefe de Estado.

Um novo cessar-fogo com os curdos (Junho de 1966), no entanto, não termina os problemas: uma parte do exército, os comunistas, os baathistas e pró-nasseristas opor ao governo, que tenta dividir oposição, envolvendo curdos e baathistas moderados ao poder. Por ocasião da guerra árabe-israelense de 1967, o Iraque juntou-se ao pacto de defesa conjunta jordano-egípcia declara guerra a Israel, rompeu relações diplomáticas com os Estados Unidos e deter suas exportações de petróleo para a países ocidentais.

Este renascimento do nacionalismo árabe não impede a Aref Geral de serem derrubadas, 17 de julho de 1968, o Baath e recomeça o poder, o general Ahmad Hasan al-Bakr , chefe da organização militar dentro do partido, tornou-se presidente da República. Em 22 de Setembro de 1968, uma nova Constituição Interina erige socialismo em princípio.

Xiitas, uma vez fora do poder, se aproximar do Irã, como parte de um grupo de orientação religiosa: o Partido de Call islâmico.

Embora as relações com o Irã se deteriorando - afirma Shah no Shatt al-Arab expulsão do Iraque e residentes iranianos - o sistema escolhe uma orientação socialista: a oposição de direita é duramente reprimida, um pacto nacional Cooperação foi assinado em 1971, com as forças progressistas, dois comunistas para o governo (1972), o IPC foi nacionalizada, e do Partido Comunista, autorizada julho 17, 1973. Novos acordos econômicos foram assinados com a URSS (em 1969 e 1972), um apoio significativo é fornecido para os palestinos, eo Iraque está envolvido em 1973 na quarta guerra árabe-israelense , as forças egípcias ao lado.

Oposições internas e externas acabar tendo por causa do poder do general Al-Bakr. Em 1975, um conflito opõe a Turquia sobre a partilha das águas do Tigre e do Eufrates. Apesar das tentativas de reconciliação com o PDK, as hostilidades recomeçaram com a curdos , agora dividida - um novo partido, a União Progressiva curda (PUK), é apoiado pela Síria e Líbia.

Apesar das deportações, destruição de aldeias, e anistia para os curdos exilados no Irã, o general Bakr não estabilizar seu regime, também enfraquecido pela disputa xiita alimentada pela revolução iraniana de 1979, e uma relação difícil com Síria. 16 de julho de 1979, ele finalmente renunciou e deixou o local com Saddam Hussein.

O poder de Saddam Hussein


Saddam Husayn
Saddam Hussein (aqui em 1990), o Presidente da República do Irã de 1979 a 2003

Primo do general Bakr, secretário-geral do Baath, Vice-Presidente do Comando Revolucionário, o novo homem forte do regime começou seu reinado de sangue, entre 1979 e 1982, enorme expurgos no partido será de pelo menos 500 mortes, Bakr si mesmo.

Saddam Hussein se esforça para conciliar as diferentes tendências que complicam a política tradicional iraquiano: é tanto o presidente da República, comandante das forças armadas, o chefe da o Baath e seu patriarca tribo, que controla a defesa, o gabinete militar do partido, indústrias militares, a polícia política e os serviços especiais.

Junto com feroz repressão da oposição - muitas torturas, correndo o clérigo xiita Muhammad Baqir al-Sadr, a expulsão de 30 mil xiitas ao Irã - S. Prática Husayn abertura fachada democrática, alterar a Constituição, cria e organiza a Assembleia Nacional em junho de 1980, as eleições parlamentares foram ganhas pelo partido Baath e seus aliados na Frente Nacional Progressista (incluindo os comunistas são eliminados).

Preocupados com uma possível influência da revolução islâmica do Irã, em sua maioria xiitas, temendo um surto de regime frágil equilíbrio iraquiano espera encontrar no colapso de Pahlavi a oportunidade de cancelar as concessões territoriais importantes para o Irã, durante acordos de 1969 e 1975, ele também quer levar as suas pretensões na Khuzestan Iran.

Assim, ele ataca em setembro de 1980, seu vizinho, provocando uma sangrenta guerra de oito anos que vai arruinar totalmente a economia iraquiana, apesar do apoio financeiro significativo recebidos de países ocidentais e do Golfo Pérsico ( Irã-Iraque ).

Durante a guerra, os xiitas, curdos e comunistas aliado ao Irã. Aldeias curdas são maciçamente destruídas, incluindo pelo bombardeio químico, e as pessoas são deportados. Apoiado pela Turquia, que abriga 120 mil curdos iraquianos, os curdos estão tentando se reagrupar.

Os xiitas são apoiados pela Síria, que se encerra em 1982, o oleoduto de Kirkuk, que é equivalente a uma declaração de guerra. Todos os adversários, incluindo líderes religiosos, cujos líderes vivem no exílio - a maior parte em Teerã - acusados de conluio com o inimigo persa, foram brutalmente reprimidos. Eles tentam, em vão, reagrupar-se, no entanto, que o regime endurece e terror policial cresce.

As frequentes mudanças de governo e rumores de golpes refletir a instabilidade política do país, situação complicada social extremamente tenso. Xiitas e curdos ataques devastar grandes cidades do país, Basra foi destruído por mísseis iranianos em 1982 por bombardear Bagdá, na Primavera de 1985. Externamente, porém, a guerra permite a restauração das relações com o Ocidente, incluindo os Estados Unidos e os países árabes - com a exceção da Síria, Bagdá apoio da Irmandade Muçulmana síria e grupos libaneses oposição a Damasco .

Arábia Saudita e os países do Golfo ajudar maciçamente empréstimos de Bagdá, o reembolso de que será muito pesado, S. Husayn cooperar com o Egito, Jordânia e Kuwait fica ainda alugou a ilha de Bubiyan, para criar um porto de águas profundas (1988). Ele compra braços enormes, abre a grandes empresas e de investimento é muito ativo no mercado de petróleo.

O pós-Guerra do Golfo

Iraque vê derrotado as forças centrífugas que agitam desde a sua criação escapar totalmente do Estado.

Algumas semanas depois do cessar-fogo, as áreas xiitas do sul levantar: funcionários Baath e seus familiares foram massacrados, representações do governo central, atacou.

Festa em Basra, a revolta ganha Sulaimaniya, no Curdistão: Em março de 1991, duas semanas, 15 das 18 províncias do Iraque estão fora do controle do Estado.

A violenta repressão no Curdistão, como na área de pântano, habitada por xiitas, e S. Husayn vai secar para reduzir a população:ele fugiu em massa para o Irã (750 mil habitantes em 1980, contra 70.000 em 1991). Dois milhões de curdos fugiram para o Irã ea Turquia, que defende a criação de uma área de proteção internacional no Curdistão.

Em 5 de abril de 1991, o Conselho de Segurança das exigências da ONU para interromper a repressão - pelo menos 50 mil morreram no sul - e lançou uma operação aérea, o que levou à criação de uma zona de exclusão ao norte do paralelo 36 ea retirada das tropas iraquianas. 04 de junho de 1991, as tropas norte-americanas, embarque britânico, francês e holandês ajudar os curdos, que eles prometem autonomia. Em agosto de 1992, uma nova garantia ocidentais mosca zona sul do paralelo 32 (área xiita).

A oposição iraquiana, preso, torturado ou refugiados no estrangeiro são incentivados pelos Aliados para unir: 30 partes para buscar uma solução em vão democrática para a crise política, que agora afeta também os sunitas, rasgado por lutas de poder. Sucessivas purgas, incluindo o exército eo partido passou a supremacia do clã, tribo e rais da família, percebida externamente como um ditador sanguinário e megalomaníaco.

Em poucos meses, na verdade, S. Husayn aconteceu, aos olhos ocidentais, o papel de interlocutor admissível - em comparação com os aiatolás iranianos - no principal adversário da "nova ordem mundial" que tentam impor nos Estados Unidos desde o fim da URSS.

No entanto, governando pelo terror, governando um território reduzido pela metade e população prejudicada pela falta de alimentos e doenças, o ditador iraquiano é o único interlocutor possível para o Ocidente, as divisões da oposição é tal política é falha grave a emergir.

Embargo internacional e lutas

Da UNSCOM al Unmovic

Os norte-americanos se baseou em um golpe militar para livrar-se do regime de S. Husayn, ou as revoltas xiita e curda uniram forças para rais centralista Iraque.

Portanto, mantém-se em Washington para tentar "conter" S. Husayn usando a arma do embargo. As comissões de inquérito responsável pela inspeção de instalações nucleares (Agência Internacional de Energia Nuclear, da AIEA e os meios para produzir armas de destruição em massa (UNSCOM) descobriu programas muito mais avançadas do que se pensava ninguém. A o desarmamento nuclear é rapidamente percebido. outro lado, o trabalho da UNSCOM é muito mais caótica, os iraquianos tentando esconder parte de suas instalações.


Inspeção Acordo iraquianos instalações militares das Nações Unidas, 1998
Kofi Annan, Secretário Geral da ONU (1997-2006), aqui com Tariq Aziz, o ministro iraquiano dos Negócios Estrangeiros, 
com a assinatura, em Fevereiro de 1998, de um acordo sobre a inspeção de instalações militares iraquianas pelas Nações Unidas

Antes do surgimento de protestos internacionais contra as catastróficas consequências humanitárias do embargo, os Estados Unidos concordaram em Dezembro de 1996, o "petróleo contra alimentos", que permite monitorar de perto as importações e exportações do Iraque. Torna-se claro que os Estados Unidos determinar o levantamento total do embargo na queda de S. Husayn.

O ano de 1998 foi marcado por uma nova série de crises (fevereiro e queda) entre o Iraque ea UNSCOM, que culminou em dezembro, com a intervenção de quatro dias forças americanas e britânicas (Operação "Raposa do Deserto") .

O bombardeio do Iraque, na esperança de desestabilizar o regime e minar suas capacidades militares, incluindo eventual produção de armas de destruição em massa são uma dupla falha: não só o regime, mas não dá destino ainda reforçada, além disso, este processo conduz à interrupção do trabalho da UNSCOM.


Protesto contra o embargo, Bagdá, 1998
Manifestação em Bagdá, em 1998, contra o embargo contra o Iraque desde o fim da Guerra do Golfo

De Todos os paises árabes, Rússia, China e França estao preocupados com Buscar Situação e tem UMA Solução diplomática perpetuação da crise parágrafo Iraque fazer. Ellis enfrentam o inabalável ESTADOS UNIDOS parágrafo Bretanha e-Gra o embargo Manter. O enfraquecimento da coalizão permite Extensão profunda de contrabando e UMA Melhoria significativa não lote da População.

Enquanto o Governo ISSO ESTA dos EUA um determinado parágrafo Fazer Todo o Possível regime derrubar o S. Husayn: Tornar-to Quase bombardeios diarios de de Janeiro em 1999, EM nomo fazer respeito parágrafos Exclusão Aérea impostas telhas de uma Bagdá parágrafos proteger os ossos regioes xiitas curdas e. A Oposição iraquiana exilado recebeu nenhum oficial dos ESTADOS UNIDOS Apoio e Operações secretas São organizados, EM VAO, o regime derrubar.

Em dezembro de 1999, o Conselho de Segurança adotou uma resolução que estabelece uma nova agência responsável pelo desarmamento do Iraque, chamado Unmovic mais independente dos Estados Unidos que a UNSCOM. Mas Bagdá se recusa a acolher em seu território. Em 2001, estudamos a possibilidade de "sanções inteligentes" melhor alvo para acertar o regime e salvar as pessoas, mas o "petróleo contra alimentos" está finalmente renovado.

Lutas internas e resistências curda e xiita

Racionamento de comida oferece um plano formidável para controlar a população. As classes médias são completamente empobrecido e aulas de cair em desgraça. Terror, alimentado pelo medo (com base) organizou rebeliões fora redobrada. Para a propagação do crime devido à pobreza e à destruição dos valores morais, o sistema envolve em repressão agradecer que sem recorrer a punições islâmicas (amputações). Além disso, incentiva um retorno a formas tribais de organização aumenta o poder de líderes tradicionais em troca de sua fidelidade.

O líder do grupo é envolvido em corrupção e violência desenfreada (especialmente a parte do filho de ambos de Saddam). Lutas internas chegar à mesma família do ditador, mas continua a governar sem controle.

Em regiões curdas e xiitas, e não enfraquecer transtornos. No Curdistão, a organização das eleições legislativas sob supervisão internacional traz paz por alguns meses, logo quebrado pelas divisões entre as várias facções curdas, o KDP, PUK, o Partido Comunista. Turquia oferece suporte ambíguo para os curdos iraquianos e lutar - para intervir militarmente no território iraquiano, em 1995 - os curdos do Curdistão turco Trabalhadores do Curdistão (PKK). Em setembro de 1998, o KDP e PUK, assinaram um acordo em Washington que visa acabar com anos de luta. Portanto, a situação melhora consideravelmente Curdistão autônomo. Reconstrução social genuína é realizado, financiado pelo dinheiro do "petróleo contra alimentos" e contrabando.

Apesar de uma melhoria da situação humanitária desde o ano 2000, a população está esgotada, ea infra-estrutura social e econômica destruída. A mortalidade infantil e analfabetismo progresso. Secularismo oficial é abandonado e o discurso do poder a ser islamizada. O país é o sangramento continua seus diretores, que vão crescer dilúvio mundial de "requerentes de asilo".

Intervenção anglo-americana

Na busca de armas de destruição em massa

Neoconservadores americanos significa Iraque S. Husayn como uma grande ameaça para os Estados Unidos por causa de sua capacidade de produzir armas de destruição em massa.

Eles campanha para uma intervenção militar direta, mas são bem sucedidos após os ataques de 11 de setembro de 2001: o Iraque foi acusado de apoiar o terrorismo internacional. Em seu discurso de 29 de janeiro de 2002, George Walker Bush condena um "eixo do mal", incluindo o Iraque, Irã e Coréia do Norte, o que poderia fornecer os terroristas com armas de destruição em massa. Diante da ameaça militar dos EUA aceita Bagdá 17 setembro de 2002 a retomada do UNMOVIC ea AIEA em seu solo.

Resolução 1441 do Conselho de Segurança em 8 de Novembro de 2002, o novo enquadramento legal coloca: o Iraque deve incondicionalmente cooperar com os inspetores internacionais. É verdade que a questão do ônus da prova faz com que a solução pacífica impossível não demonstrar aos inspetores que o Iraque não tem armas de destruição em massa, mas o Iraque para provar, ou a credibilidade do S. Husayn é zero.

Nos meses seguintes, enquanto se prepara ação militar, os Estados Unidos ea Grã-Bretanha aumentando as acusações contra o Iraque, mesmo se eles são incapazes de fornecer provas conclusivas. França, Alemanha e Rússia têm oposição ativa diplomática para a guerra, porque não há evidência para a época que o Iraque realmente tem armas de destruição em massa. UNMOVIC ou a AIEA ou para prestar depoimento.


Queda de Saddam Hussein, no Iraque, 2003
Em 9 de abril de 2003, o regime iraquiano entrou em colapso como resultado da intervenção anglo-americana, 
muitos símbolos do poder são fundamentadas pelos iraquianos

Em 19 março, 2003, as forças americanas e britânicas lançar um ataque contra o Iraque. Eles têm uma superioridade esmagadora de fogo. Depois de dias de resistência fortes iniciais, o colapso do regime (7-8 abril), S. Husayn do subsolo. Coalizão descobre um país em ruínas, incluindo a reconstrução será difícil. Aos poucos, porém, ele marca algum sucesso com a implementação do Conselho do BCE Provisória (Julho), a restauração gradual de uma série de serviços públicos.

Em 14 de agosto de 2003, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou a Resolução 1500, que estabelece, para um período inicial de 12 meses, a Missão das Nações Unidas de Assistência para o Iraque (UNAMI).

Governos provisórios

Em 1 de setembro de 2003, um novo governo iraquiano é formado em um estritamente confessional. É responsável pela elaboração de uma constituição provisória antes das eleições. Em 16 de outubro, o Conselho de Segurança aprovou a resolução 1511 por Washington, que pede a criação de uma "força multinacional", mas recusou-se a se comprometer com uma data para a transferência de poder para os iraquianos.

No entanto, no Outono de 2003, a padronização é muito progresso: um guerrilheiro cresce em todo o país e assediar soldados da coalizão e iraquianas funcionários militares e civis. Após a captura de S. Husayn (13 de dezembro), os EUA significa o jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, um amigo próximo de Osama bin Laden, como organizador da guerrilha clandestina. Além disso, a milícia xiita Exército Mahdi do jovem radical imã Muqtada al-Sadr abertamente desafia a coalizão e do governo interino, apesar dos apelos por calma de Aiatolá Ali al-Sistani, a figura da comunidade xiita no Iraque.

Os sunitas, o Conselho de Ulemás surge representante da comunidade sunita contra a coalizão e da ameaça xiita. Os curdos, que o sonho de independência e chamada para a expansão da sua zona autônoma, são os porta-vozes de um projeto secular.

Em 8 de março de 2004, uma constituição interina foi promulgada pelo Governo Provisório. Isso torna o Islã ea democracia ambas as fontes de direito, que disputa o religioso. Iyad al-Alawi, um aperto xiita é designado pelo governo como chefe do governo provisório, o sunita Ghazi al-Yawar foi nomeado para a presidência da República.

Em 28 de junho de 2004, a coalizão transferiu formalmente o seu poder, mas durante o verão, Muqtada al-Sadr lançou uma insurreição verdadeira, duramente reprimidos pelos americanos. A. al-Sistani aproveitou a oportunidade para emergir como o verdadeiro líder da comunidade xiita.

Os guerrilheiros sunitas se recusou a participar da insurgência e tomar um terrorista de verdade para com os ataques contra civis, assassinatos e tomada de reféns estrangeiros, alguns finais de forma trágica. Em novembro, os militares dos EUA leva a ofensiva contra os guerrilheiros e sunitas currículos cidade de Falluja, em ruínas. Isso é para garantir a paz nas próximas eleições, a ser realizada por representação proporcional. A. al-Sistani líder sindical fora das listas xiitas.

Os sunitas boicotaram as eleições. Apesar da violência, as eleições foram realizadas em 30 de Janeiro de 2005, com uma forte participação xiita e curda. Listas suportados por A. al-Sistani levar a maioria. Em seguida, começar uma negociação longa e controversa para nomear um novo governo.

Embora os sunitas boicotaram maciçamente a primeira eleição depois que Saddam é um membro da comunidade - Hajem al-Hassani, o ministro cessante da indústria - que vem em 3 de Abril, a Presidência «Assembleia Nacional de Transição. 06 de abril, pela primeira vez na história do Iraque, um curdo acesso ao mais alto cargo: Jalal Talabani, secretário-geral da União Patriótica do Curdistão (PUK), é eleito Presidente da República.

Os dois vice-presidentes são designados para presidente cessante, sunita Ghazi al-Yawar, eo ministro das Finanças cessante, o xiita Adel Abdel Mahdi. Segundo o acordo entre os xiitas e os curdos, o primeiro-ministro volta a Ibrahim al-Jaafari xiita. Apesar destes desenvolvimentos políticos, o país ainda violência terrível.

Erros e "erros" do Exército dos EUA, inadequada para esse tipo de situação, contribuem para as alterações climáticas. A insegurança generalizada e da criminalidade, porque de executivos sangramento contínuo e de elite, tornar impossível qualquer recuperação real da economia.

Foi particularmente mortal, com seqüestros e assassinatos de diplomatas árabes, mostra a futilidade das esperanças de um retorno à calma. A elaboração da nova Constituição enfatiza as divisões do país. Xiitas evocar a possibilidade de criação de uma região aut ônoma onde eles são a maioria. Sunitas se opõem a qualquer federalismo.

O texto foi adoptado com atraso 28 de agosto de 2005, sem o apoio deste último. Ele inclui uma dupla referência arabismo eo Islã (a principal fonte de legislação) como identidade e oferece um alto grau de descentralização. A questão do federalismo é adiada. Ayatollah al-Sistani convocada para aprovar a Constituição, sujeito a referendo em 15 de outubro de 2005. O texto é oficialmente 78% de aprovação minoria de bloqueio sem regionais suficiente.

As eleições gerais de 15 de dezembro é o novo prazo que o primeiro julgamento de S. Husayn por crimes contra a humanidade começou. Sunitas participar da competição desta vez sem sucesso ainda afetar substancialmente os resultados. O bloco xiita-curdo mantém a sua grande maioria, mas é profundamente dividida, resultando em longas negociações para chegar a um governo.

O governo de unidade nacional de Nouri al-Maliki


Nouri al-Maliki
Primeiro-ministro iraquiano Nouri al-Maliki, fazendo campanha aqui em Bagdá, em fevereiro de 2010

Em abril de 2006, depois de seis meses de intensas negociações entre as várias facções políticas, o Parlamento é o número dois do partido Dawa ("call"), Nuri al-Maliki, o primeiro-ministro, e ao mesmo sessão, D. renovada Talabani como presidente, enquanto o presidente do Parlamento sunita está com Dawud Mashhadan al-Mahmud Tawafok Frente, ficou em terceiro lugar nas eleições de dezembro.

Em 20 de Maio, N. al-Maliki, presente na inauguração do Parlamento um governo de unidade nacional incompleta (posições estratégicas - Interior, Defesa, Segurança Nacional - titular sem resposta até 08 de junho) e promove firmeza contra a insurgência. A tarefa que o novo governo de unidade nacional é imensa. Antagonismo entre as comunidades continuam a agravar-se, especialmente a luta entre sunitas e xiitas. Nenhuma solução política parece estar a emergir.

A morte do líder da Al-Qaeda no Iraque, o jordaniano Abu Mussab al-Zarqawi, responsável pela morte de centenas de xiitas, mortos em um ataque EUA ao norte de Bagdá, é recebido com alívio pelo povo iraquiano, embora isso não significa o desaparecimento de um fim da violência. A execução de S. Husayn (30 de dezembro) não muda a situação política.

Os ex-rais foi condenado à morte pelo assassinato de xiitas, enquanto um segundo julgamento foi em suas vítimas curdos. O caso foi levado em uma comunidade em vez de servir para o estabelecimento de uma memória comum. Apesar de um aumento na criação de uma nova ordem constitucional (adopção pelo Parlamento em Outubro de lei controversa criação de um Estado federal), o país experimentou um clima de guerra civil e violência permaneceu a um nível elevado (de acordo com a ONU, mais de 34.000 civis foram mortos em 2006, e mais de 36 000 feridos).

Mais de quatro milhões de refugiados estão fora do país, incluindo grande parte da classe média. Reconstrução econômica está parado. O movimento de guerrilha sunita, estimada em menos de 10.000 combatentes, é capaz de continuamente perturbando as tropas dos EUA e do governo. Embora repudiado pelo público americano durante as eleições intercalares, a administração Bush optou por um novo esforço militar destinada a recuperar o controle da situação, contra o conselho do novo Congresso, que apela para uma rápida retirada de países.

O início de 2007 viu um novo surto de violência com pesadas baixas americanas antes do plano de segurança para o General Petraeus EUA começa a produzir efeitos. "Pacificação" de Bagdá é anunciado como fez na segunda metade de fevereiro. Em março, a violência tinha diminuído em 80% na capital, mas a mortalidade permanece elevada em todo o país (oficialmente mais de 2000 mortes).

Após meses não vejo uma diminuição significativa no número de vítimas, mas a estratégia contra a insurgência já se espalhou para províncias dominadas pelos sunitas. Os americanos estão tentando reunir seus líderes tribais na oposição aos insurgentes e milícias obter comícios notáveis sunitas. Em agosto, a coalizão de governo em Bagdá é dissolvido, os partidos sunitas estão se retirando. Outono vê uma melhora na situação da segurança. Em dezembro, o britânico ceder o controle da área de Basra para as autoridades iraquianas.

Se os americanos são bem sucedidos situação real interno continua muito difícil. Além de confrontos religiosos entre sunitas e xiitas, cada comunidade é dividida em milícias, não hesitou em lutar contra eles

A comunidade cristã, marginalizados e duramente atingidos por várias formas de violência, vê muitos de seus membros partir para o exílio e reduzido para cerca de 400 000 pessoas. Nenhum progresso substancial foi feito para determinar o futuro de relações árabe-curda, tanto na demarcação territorial (status de Kirkuk), a partilha das receitas do petróleo e do estado federal do país. Turquia interveio militarmente no Curdistão iraquiano para erradicar a presença de militantes turcos curdos que assumiu a luta armada.

O "de baathificação" é mitigado por uma nova lei aprovada em janeiro de 2008, mas uma reconciliação geral continua distante, como evidenciado pela ofensiva mortífera lançada por iniciativa do primeiro-ministro Nuri al-Maliki, em 24 de março contra a milícia atual sadrista o porto petrolífero de Basra grande.

Surpreendido pela agressividade e capacidade de milicianos xiitas para mobilizar simpatizantes em todas as grandes cidades do sul de Bagdá para o primeiro-ministro xiita deve resolver a aceitar um cessar-fogo proposto pelo Sr. al-Sadr, 30 de março de Qom, sob a liderança de Teerã. O primeiro-ministro destino desta guerra enfraqueceu inter-cidades xiitas do sul do Iraque maioria permaneceu sob controle os milicianos sadristas que se recusam a entregar as armas.

Além da violência, a corrupção desenfreada põe em risco a reconstrução do país, onde 2,8 milhão de iraquianos deslocados enfrentam problemas humanitários insolúvel. Esperança de normalização surge no entanto com o renascimento, em agosto de 2008, a exploração de campos de petróleo interrompidas durante vinte anos por causa de sanções internacionais, ea visita a Bagdá ministro das Relações Exteriores egípcio, Ahmed Aboul Gheit, o primeiro líder do egípcio desde 1990 (Outubro de 2008).

O retorno da soberania nacional

Para o fim da ocupação americana

Recuperação da soberania nacional do Iraque torna-se clara, especialmente com a assinatura de um "Acordo para a retirada das tropas estrangeiras", negociado com os Estados Unidos e obteve o fragmento de conversa por Nuri al-Maliki, antes de ser aprovado pela Assembléia Nacional do Iraque 27 de novembro de 2008.

O acordo estabelece a retirada gradual das tropas de combate americanas das cidades iraquianas tudo em 30 Junho de 2009 e a retirada de 142 mil soldados americanos no Iraque até 31 de dezembro de 2011. Mais de cinco anos após a eclosão da guerra lançada pelo governo Bush contra o regime de S. Husayn, que marca um passo importante para ambas as partes.

30 de dezembro de 2008, poucas horas antes da expiração do mandato da ONU, que estabelece o quadro jurídico para a ocupação pelas forças da coalizão internacional, foram assinados dois acordos com a Grã-Bretanha (segundo maior contingente militar após Estados Unidos, com 4.100 homens) e Austrália (980 soldados), nos termos da presença de suas tropas até à sua retirada, no verão de 2009. 1 de janeiro de 2009, o Iraque assumiu o controle da "Zona Verde" de Bagdá.

Eleições provinciais (realizada em 14 das 18 províncias) de 31 de Janeiro é um importante passo para a normalização. Os resultados parecem realmente mostram uma tendência para exceder as divisões étnicas e religiosas.

Depois de três anos de violência inter-iraquiana, mais de sete milhões de eleitores (cerca de 51% dos eleitores) participar pacificamente nas eleições. A lista do primeiro-ministro Nuri al-Maliki, "Coligação para o Estado de Direito" - uma plataforma nacionalista ("irakiste"), não-sectária - obtiver a maioria absoluta em Bagdá e lidera nas nove províncias xiitas ao diminuir o influência do Conselho Supremo Islâmico do Iraque, principal aliado de Teerã.

A pesquisa também revela o sucesso da formação e moderada secular sunita - como o Iraque Coalizão Nacional Saleh al-Mutlaq - na política também aqueles que se mobilizaram para a Lista Nacional de Iyad al-Alawi (um xiita secular e ex- chefe do governo provisório criado pelos Estados Unidos em 2004) também faz um bom desempenho.

Esta nova dinâmica política, de outra forma pacífica acalmou reforça o presidente Barack Obama anunciou logo depois de sua chegada Casa Branca, a retirada do Iraque de brigadas de combate dos EUA, eficaz 1 setembro - 31 agosto de 2010. A ameaça persistente de riscos, incluindo as tensões entre o governo de al-Maliki eo poder autônomo de Barzani sobre o status de Kirkuk, o não-pagamento de partilha equitativa dos recursos do petróleo necessário para manter em vez de 50 mil soldados norte-americanos até 31 de dezembro de 2011.

Quase seis meses depois das eleições provinciais de janeiro, os três restantes regiões que formam o Curdistão iraquiano também tem que votar 25 de julho: Presidente Barzani foi reeleito com 69,6% dos votos. Lista "Kurdistani" trazendo seu partido, o KDP eo PUK ganhou uma maioria absoluta no parlamento, com 57% dos votos, mas 59 dos 111 assentos contra 82 na reunião anterior.

A surpresa da consulta, marcada por uma taxa de participação atingindo 78,5% da pontuação vem da lista de dissidentes Goran ("mudança" em curdo), liderado pelo ex-número dois do PUK, Mustapha Nucherwan, quem fica com 23,6% dos votos, e se tornou, pela primeira vez desde as primeiras eleições, em 1992, curdos, uma força de oposição real.

A eleição 2010 geral

De acordo com a nova lei eleitoral aprovada quase por unanimidade pelo Parlamento em 6 de dezembro de 2009, depois de um acordo entre as comunidades rasgadas, e abrindo o caminho para as eleições gerais de 7 março de 2010, o número de assentos parlamentares senha 275-325; curdos são garantidos para ganhar os 41 lugares atribuídos a suas três províncias do norte, pelo menos, um terço dos assentos devem ser ocupados por mulheres, 8 lugares estão reservados para as minorias (cristãos, yazidis, eleitores Shabak, etc.) podem agora escolher seus candidatos favoritos pelo nome em listas de "aberto" e os cidadãos iraquianos no exílio ou para o exterior (cerca de dois milhões) para votar.

Este último, que contribui com mais de 62% dos eleitores (75% face a Dezembro de 2005) é bem recebido pela comunidade internacional e marca um novo passo em direção à recuperação da soberania nacional. Quatro principais blocos políticos emergem.

Ao contrário das eleições de 2005, a grande maioria, a comunidade sunita vai às urnas, o apoio à lista Al-Iraqiya dominado por secular conduzida. al-Alawi, que reuniu líderes sunitas como S. al-Mutlaq e vice-presidente Tareq al-Hashemi e por pouco antes das eleições, conquistando 91 cadeiras para a "Coligação para o Estado de Direito" O primeiro-ministro N. al-Maliki (89 lugares).

O outro bloco predominantemente xiita Aliança Nacional Iraquiana liderada por Ammar al-Hakim, líder do Conselho Supremo Islâmico do Iraque e apoiado pelos sadristas (40 membros), assim como o ex-primeiro-ministro I. al-Jaafari, ficou em terceiro, com 70 assentos. Finalmente, o curdo Kurdistani Aliança conquistou 43 lugares.

No entanto, Al-Iraqiya coalizão é diversificada e al-Alawi, que segundo a Constituição deve ser convidado a formar o governo, é descartado. Foi somente em novembro, após oito meses de paralisia, marcado pela retomada da violência - especialmente contra os cristãos com um ataque mortal na catedral de Bagdá em novembro - os diferentes movimentos e facções de chegar a um acordo sobre partilha de poder.

Após os sadristas acordo e uma parte da Al-Iraqiya, D. Talabani e N. são al-Maliki, reconduzido respectivo presidente e primeiro-ministro, enquanto o sunita Osama al-Noujaifi, Al-Iraqiya candidato é eleito presidente do Parlamento. I. Allawi recebe uma compensação na presidência de um novo "Conselho Nacional de Política Estratégica".

Um governo de coalizão - incompleta, Segurança, Defesa e Interior são provisoriamente atribuído incluindo o primeiro-ministro - é finalmente formada em dezembro, depois de as negociações finais entre os principais blocos políticos e em que Al-Iraqiya recebe um vício O primeiro-ministro (S. al-Mutlaq) e 8 dos 29 ministérios cheios.

Iraque depois que os americanos sairam

Na noite de 17 de dezembro a 18 de 2011, as últimas tropas americanas deixem o Iraque até o Kuwait na maior discrição, marcando o fim de uma presença de quase nove anos.

Apenas alguns milhares de americanos dependentes da embaixada e um punhado de instrutores militares são detidos no país. Desejado pela grande maioria dos iraquianos, a partida foi recebida com alguma apreensão quando um ataque mortal (reivindicado pelo "Estado Islâmico do Iraque", um grupo ligado à Al-Qaeda, mas os patrocinadores reais não identificado) está em Bagdá em 22 de dezembro.

Enquanto isso, as divisões superiores do ressurgir Estado: sunitas criticado por seus adversários para seu exercício pessoal de poder, o primeiro-ministro N. al-Maliki, acusou o vice-presidente T. al-Hashemi (que se refugia no Curdistão) de planejar um ataque contra sua pessoa e requerendo sua prisão e demissão do vice-primeiro-ministro S. al-Mutlaq. Al-Iraqiya bloco a que pertencem, suspender a sua participação na Assembleia Nacional, antes de ser seguido por seus representantes no governo. Estas tensões entre xiitas e sunitas vêm como a influência dos Estados Unidos - que apesar de sua retirada comprometem-se a contribuir para a estabilidade política do país - poderia ser substituído pelo de Iran.

Geografia

O ambiente natural

O Estado iraquiano, nasceu sobre as ruínas do Império Otomano após a Primeira Guerra Mundial, foi organizada em torno da bacia aluvial da Mesopotâmia e da capital Bagdá, o principal centro urbano que tinha sobrevivido séculos de equilíbrio de nômades.

Esta é uma enorme bacia de subsidência quaternário limitado a oeste (flexão delimitadora da margem direita do rio Eufrates) por sedimentos terciários do deserto da Síria, a leste pela coalescência de leques aluviais em pé da cadeia Zagros, passando a norte (Jazira iraquiano) para uma planície piedmont mais regular ao longo da Taurus. Descarga no aluvião bacia do Tigre e do Eufrates, cujo curso, muito instável, não é realmente fixo.

A bacia é de fato ainda afetado tectônicas para explicar a presença de tais setores importantes nas planícies lacustres e pantanosas, existentes na antiga Suméria, mas tem crescido significativamente nos primeiros séculos da era cristã. Para o oeste da Mesopotâmia, o território iraquiano estende em grande parte de planaltos sedimentares que estão no coração do Crescente Fértil.

O clima do planalto e da bacia mesopotâmica é semi-deserto, com chuvas raras, trazidas por depressões de inverno de origem mediterrânica que derramou sua umidade na costa do Levante, e entre 100 e 200 mm por ano vida média não pode ser baseada em irrigação.

É só no norte, no Jazira, estepe pistache em seu estado natural, a queda de precipitação (entre 200 e 400 mm) e apresenta uma banda larga de campanhas de agricultura de sequeiro, que continua em a borda do Touro montanha e Zagros, fortemente regada floresta e vegetação natural.

População

Sede de sucessivas invasões e problemas constantes entre curdos nômades e sedentários e, árabes xiitas e sunitas, incluindo o Império Otomano, a população do Iraque é uma mistura de etnias e religiões - apresenta uma lista e até mesmo alguns Turkic persa. Dos 30 milhões de pessoas no país em 2009, os curdos (20% da população, em sua maioria sunitas) e turcomanos vivem em aldeias de montanha de pequeno porte, no coração da mais fértil e mais rico petróleo, alguns deles ainda vagam pelas planícies. Preso na periferia do país, cerca de 400.000 xiitas persas descendentes invasões viver pântanos insalubres e do resto da população é agrupada no sul xiita.

Nas planícies centrais resolvido árabes sunitas, que dominavam o Estado iraquiano desde a sua independência. No entanto, a maioria das pessoas de hoje é xiita (65%), os sunitas tornaram-se uma minoria (30%). Há também uma pequena minoria cristã (5%) para ritos muito diferentes (caldeu, sírio, armênio, latim) e 2.500 judeus.

Antes da guerra Irã-Iraque de 1980-1988, 2 milhões de egípcios emigrou para o Iraque, onde tiveram uma recepção favorável, o país ainda está interessada em resolver a relativa fraqueza de seu povo, apesar de crescimento continuado da população - a necessidade de mão de obra é ainda mais óbvio que ele tem o maior da terra arável no Oriente Médio.

A população urbana tem aumentado significativamente, de entre 1968 e 1998, de 28 a 71% da população total. Bagdá província dispõe de um quarto dos iraquianos, a cidade de Basra juntos 1,5 milhões, com uma alta proporção de funcionários públicos - que, não muito tempo atrás, um milhão de soldados, agora reduzido a 500 000 incluindo 100.000 reservistas.

A Guerra Irã-Iraque, a Guerra do Golfo, o embargo ea guerra no Iraque diminuiu o crescimento populacional do país e aumentou êxodo: mais de 2 milhões de iraquianos agora vivem fora do seu país de origem na Europa ( particularmente em Londres) e ao redor do mundo. Da mesma forma, 300 mil cristãos, cerca de 475 mil fugiram do país desde 1991. No entanto, muitos imigrantes egípcios perseguiram pela Guerra do Golfo, foram realocados nos últimos anos no Iraque.

A economia tradicional de Iraque


Chatt al-Arab
As margens do Shatt al-Arab perto de Basra, no sul do Iraque

Semi-deserto país com um clima quente, o Iraque, no entanto, a bacia aluvial da Mesopotâmia (centro histórico e demográfico do país), localizada entre os rios Tigre e Eufrates, que tem crescido ao longo dos séculos, a agricultura irrigação (27% da terra arável).

Recursos agrícolas são baseadas principalmente em criação de ovinos extensiva eo cultivo de cereais (trigo, arroz, cevada), datas (que o Iraque já foi o maior exportador do mundo), especialmente nas margens do Shatt al-Arab, algodão, culturas alimentares ou de tabaco. Essas atividades, juntamente com a enorme riqueza em petróleo (10% das reservas mundiais), fez do Iraque um dos países mais prósperos da região. 1918, barragens construídas sobre os rios Tigre e Eufrates, a irrigação desenvolveu, melhorou ainda mais em 1956 (o desenvolvimento da planície mesopotâmica para lutar contra as enchentes devastadoras, a construção de novas barragens, incluindo Curdistão). No entanto, os rendimentos permanecem baixos e equipamentos, rudimentar.

Em 1958, a Reforma Agrária do general Kassem terminou os feudos grandes feudais, mas causou uma interrupção de marketing de rede e uma queda na produção: 400 mil hectares de terra na posse de fazendas coletivas não obter o efeito desejado. Iraque depois teve de importar um milhão de toneladas de grãos por ano para alimentar a população, mas quase a metade trabalhava na agricultura (40% dos ativos, 23% do produto interno bruto [PIB]).

Operado desde 1927 pelo Iraq Petroleum Company (IPC) no Curdistão (Kirkuk e em partes de Mosul), então 1953-1958, no extremo sul, seguindo a descoberta de novos depósitos, O petróleo iraquiano é excepcionalmente rico - tanto quanto 70% do território ainda é inexplorado.

No entanto, o país mediterrâneo, tem um acesso insuficiente ao mar: o óleo deve ser transportado por gasoduto para o Líbano e na Palestina em 1920, para a Síria a partir de 1952 para a Turquia Finalmente, desde 1977. Ele também é exportado a partir de 1958, no Golfo Pérsico, com o terminal petrolífero de Fao, na foz do Shatt al-Arab.

Sob acordos com o IPC em 1952, o Estado iraquiano está assegurada, em um primeiro passo, toque a metade dos lucros do petróleo. Então, sob o general Kassem, uma grande parte da produção de petróleo foi nacionalizada. Em julho de 1964, foi a vez de bancos, seguradoras, indústrias de tabaco e cimento.

Em 1965, no entanto, o governo iraquiano optou por uma economia liberal, levantou o monopólio estatal sobre as importações parou nacionalização e suprimiu trabalhadores performances em empresas nacionalizadas.

Entre 1972 e 1975, eles voltaram para a economia autoritário, ea indústria do petróleo foi, desta vez, totalmente nacionalizado. Apesar destas flutuações na política econômica, o Iraque da década de 1970 era um país próspero. Sexto maior produtor de petróleo, que exportou cerca de 168 milhões de toneladas de petróleo por ano (20% do PIB) e teve uma indústria petroquímica em Basra, um complexo siderúrgico no Shatt al-Arab, um dúzia de refinarias de petróleo, siderúrgicas e muitos uma indústria diversificada luz (refinação de açúcar, cimento, têxtil, engenharia).

O país também foi bem sucedido nas áreas de finanças, construção e serviços. Apesar compras maciças de armas, seus ativos em moeda estrangeira superaram US $ 35 bilhões e dívida não chegar a US $ 2,5 bilhões.

O fim do poder econômico

A guerra com o Irã levou ao colapso da economia iraquiana: durante o, chutèrent óleo conflito exportações dois terços - a descoberta de novos depósitos em 1988 não mudou nada - terminais de petróleo foram destruídos, produção agrícola diminuiu, apesar da privatização da terra e da economia liberal aberto.

A dívida pública tornou-se avassaladora e absorveu quase 40% das receitas do petróleo, a inflação atingiu um nível elevado, o PIB regrediu. Em 1988, o Iraque, enquanto à beira da ruína, foi de $ 60 bilhões dos quais 35 bilhões para o Kuwait e da Arábia Saudita e 15 bilhões para a França, o custo da reconstrução é, como para ele, também avaliada em US $ 60 bilhões.

Ele conseguiu, no entanto, no espaço de dois anos, para reequilibrar a sua balança comercial em relação ao PIB recuperar e retomar as exportações de petróleo. Mas a Guerra do Golfo e do embargo (um dos mais rigorosos já aplicada) completamente arruinada.

A produção agrícola e industrial entrou em colapso ea economia agora está minada por contrabando e banditismo. Iraque, forçados a importar grandes quantidades de comida, enquanto seus ativos no exterior congelados - pelo menos US $ 4,5 bilhões, com um terço em bancos árabes - também deve pagar uma compensação para o Kuwait para os danos causados em 1990.

A comida é racionada, ONGs (Organizações Não-Governamentais) supervisionar distribuições enquanto o controle das Nações Unidas toda a economia. As exportações de petróleo são limitadas a US $ 4 bilhões por ano a partir de 1996, enquanto as exigências de importação do Iraque, no estado atual de sua produção agrícola e industrial, chegaram a quase 10 bilião dólares ano.

O laço é um pouco solto em 1997: Iraque, que foi, então, voltar a importar trigo da Austrália e arroz na Tailândia, tem produzido, especialmente no Curdistão, 3,3 milhões de toneladas de trigo e 600 000 toneladas datas. Além disso, 33 contratos de petróleo foram assinados com os turcos, os franceses (Total), americanos, russos, japoneses e chineses. O embargo tem sido criticado por uma série de especialistas que se sentiram penalizados que os primeiros povos do Iraque e contribuiu para a lenta degradação da infra-estrutura do país.

No entanto, isso não impediu Saddam Hussein e sua família para aumentar seus rendimentos e construir graças arsenal militar para a proliferação de fraudes (sobretaxas impostas sobre as grandes empresas que compram o petróleo iraquiano, a direção do mercado negro países vizinhos).

No entanto, a guerra desencadeada por uma coalizão anglo-americana em 2003, seguido pela invasão do país ea queda de Saddam Hussein levou a uma situação geopolítica e econômica muito novo, a reconstrução do Iraque agora é em grande parte dependente da assistência que pode ser dado pela comunidade internacional, a evolução da política interna e da forma será discutido (incluindo os EUA), a questão da gestão dos recursos petrolíferos.

Em 2012, o Iraque tornou-se novamente o maior produtor de petróleo da OPEP em segundo. Para as exportações, incluindo o Irã Iraque antes.

Fonte: www.larousse.fr

Iraque

População: 27,5 milhões (2007 est.– CIA World Factbook)

População Rural: 33% (2004 – UNICEF)

População Urbana: 67% (2004 – UNICEF)

Densidade Demográfica: 59 hab/km² (2004 – The Economist)

PIB: US$ 40,66 bilhões (2006 – CIA World Factbook)

PIB per capita: US$ 1.900 (2006 – CIA World Factbook)

Composição do PIB (2005):

Agricultura: 7,3%
Indústria: 66,6%
Serviços: 26,1%

Valor do Comércio Exterior (2005 – CIA World Factbook):

Exportação (F.O.B): US$ 28,41 bilhões

Importação (F.O.B): US$ 21,48 bilhões

Principais Produtos de Exportação: Petróleo, gás natural, fosfato e enxofre, alimentos e animais vivos

Principais Produtos de Importação: Alimentos, medicamentos e manufaturas

Valor do Comércio com Brasil (US$ F.O.B – Fonte MDIC):

Principais Produtos da Pauta Comercial com o Brasil:

Importação (2004/2005): Açucar, carnes, leite e veículos motores

Exportação (2004/2005): Oleos e brutos de petróleo

Fonte: www2.mre.gov.br

Iraque

História

A terra ocupada pelo Estado moderno do Iraque está entre os mais histórico na Terra. Casa para a primeira civilização da humanidade Suméria, foi o pano de fundo para milhares de anos de momentosos acontecimentos humanos.

O que é atualmente o Iraque resultou do desmembramento do Império Otomano após a Primeira Guerra Mundial. Quando a França ea Grã-Bretanha dividiram o Oriente Médio, a Grã-Bretanha obteve o "Crescente Fértil", o arco de terra, incluindo o Kuwait de hoje, Iraque, Jordânia, Israel e Egito.

As fronteiras dessas nações não tinha raízes na história, mas simplesmente foram acordados pela França e pela Grã-Bretanha. Como as nações se formaram fora do Império Austro-Húngaro extinta no mesmo período, ou a queda de outros impérios coloniais 40 anos mais tarde, esta foi a causar muitos problemas.

Inicialmente, o governo do Iraque foi uma monarquia. Através dos anos 1920 e 1930, o Iraque lentamente ganhou mais independência. Havia muitas facções dentro do país competindo por poder e Iraque permaneceu politicamente instável. Uma coisa de consenso geral, entretanto, foi a insatisfação com as fronteiras nacionais que haviam sido ditadas por estrangeiros.

Desde o início do Iraque queria ter Kuwait incluído em seu território. Em 1939, o Iraque partiu para a conquista da terra pequena, que ainda era uma colônia da Grã-Bretanha. No último momento, no entanto, o rei do Iraque morreu em um acidente de carro ea invasão foi cancelada. Em 1961, quando a Grã-Bretanha concedeu a independência do Kuwait, Iraque começaram os preparativos da invasão, apenas recuando quando a Grã-Bretanha enviou tropas de volta para a região.

Em 1958, a monarquia iraquiana - da mesma família que continua a governar a vizinha Jordânia - foi derrubado e Iraque tornou-se uma república islâmica. O rei ea maioria de sua família foram mortos no golpe. No ano seguinte, houve outra tentativa de golpe, mas não conseguiu. Um dos membros do esquadrão era um jovem oficial que mais tarde se tornaria famoso.

A ascensão de Saddam Hussein

Nestes anos pós-guerra, o Iraque, como muitos de seus vizinhos, continuou a ser politicamente instável. Durante a Guerra Fria, os Estados Unidos precisavam de um aliado islâmico forte o suficiente para contrabalançar o Egito Gamal Abdel Nasser, e em 1956 os EUA começaram a enviar ajuda técnica e militar para o Iraque. Eventualmente, como o Irão do Xá emergiu como um poder, o Iraque perdeu importância.

Na década de 1970, o Iraque estava sob o regime militar por 20 anos. Até então, não importa quem era o líder oficial, o homem por trás do trono era Saddam Hussein. Em 1979, ele colocou um fim à farsa e tomou o poder exclusivo próprio, expurgando seus poucos rivais restantes.

Esse foi o ano da revolução iraniana. Com o Xá substituído por um governo radical anti-americano, os EUA de repente centrou a sua atenção sobre o Iraque.

Para a próxima década, milhares de milhões de dólares em ajuda derramado em, bem como armas. Iraque também foi dada a tecnologia para estabelecer uma rede de comunicação respeitável e base industrial.

A principal motivação americana para ajuda ao Iraque durante este período foi a Guerra Irã-Iraque, iniciada por Saddam em 1980. Embora a fronteira entre os dois países permaneceu inalterada, o custo de combate cerca de um milhão de vidas e destruiu as economias de ambos os países.

Em 1988, os EUA poderiam ter conforto em saber que o seu cliente antigo, Irã, tinha perdido a sua impressionante capacidade militar, e um regime forte e flexível surgiu em Bagdá.

Uma nova guerra irrompe

Tudo mudou em 1990. Foi nesse ano que Saddam Hussein renovada ameaça de seu país para o Kuwait. Desta vez não se tratava de território, mas o dinheiro.

A guerra Irã-Iraque foi em grande parte financiada pelo rico em petróleo do Golfo Pérsico, especialmente Kuwait. Agora que a guerra acabou, Kuwait exigiu seus empréstimos ser pago de volta. Além do mais, o preço do petróleo, que havia fornecido o Iraque com a maioria de sua renda, foi baixa. Saddam acusou o Kuwait de deliberadamente a inundar o mercado para pressionar o Iraque.

Saddam Hussein estava sob a impressão de que ele tinha uma mão livre de os EUA em lidar com suas queixas. Assim, em 2 de agosto de 1990, ele invadiu o Kuwait, suas tropas facilmente a ultrapassagem do pequeno país. A ONU condenou a ação e, em uma série de resoluções, não só impôs um bloqueio completo sobre o Iraque, mas os Estados-Membros autorizados a reverter a invasão por qualquer meio.

Os EUA levaram de lá, engajar-se em um frenesi militar e diplomática que resultou em uma força multinacional composta de vários países da OTAN, incluindo a Grã-Bretanha, França e Canadá, bem como os Estados vizinhos árabes anteriormente hostis para os EUA Mesmo antigos países do Pacto de Varsóvia enviados em unidades.

Quando o prazo da ONU para a retirada do Iraque do Kuwait expirou em 15 de janeiro de 1991, a coalizão lançou um ataque em massa no Iraque. O ar-americano forças empregadas suas mais avançadas tecnologias da Guerra Fria para destruir ar Iraque rede de defesa e, a partir de então de propriedade dos céus.

Quando a guerra começou terreno, as forças iraquianas amassado no rosto do americano marteladas. No momento em que os combates terminaram em 28 de fevereiro de 1991, não só tinha forças iraquianas foram jogados do Kuwait, tinham sido quase aniquilada. E o próprio Iraque estava morrendo de fome e em ruínas.

Alimentos por petróleo plano

Logo após o tiroteio parou, verificou-se que o Iraque passou anos secretamente tentando produzir atômicas, biológicas e químicas (ABC) armas. Ele havia usado armas químicas, o mais barato dos três, em 1988, contra uma insurreição curda. Mas as armas nucleares e biológicas são muito mais caros e difíceis de desenvolver, e não foram ainda completa.

Depois da guerra, os inspetores de armas da ONU foram enviados ao Iraque. Sua missão era localizar todos os arsenais de armas de destruição em massa, e os meios de produzi-los.

A extensão dos programas de armas, e o segredo em torno deles, deixaram os inspetores com um trabalho difícil. As inspeções se arrastou enquanto devastadores sanções políticas e econômicas continuou. Comércio com o Iraque foi proibido até que o país foi certificado como livre de armas ABC.

Iraque é parte de uma região cuja principal reside na sua riqueza óleo, em vez de na agricultura. As sanções deixaram o Iraque fome. Tudo estava em falta, especialmente alimentos e medicamentos. Estima-se que mais de um milhão de pessoas morreram como resultado das privações, muitos deles mulheres e crianças.

Como o sofrimento tornou-se claro para a ONU, o Conselho de Segurança oferecido um regime especial para o Iraque, em que ele poderia vender o seu petróleo no mercado e iria receber, em vez de dinheiro, comida e remédios. Saddam Hussein, no entanto, se recusou a aceitar o acordo. As sanções são uma potente arma política para ele. Enquanto o sofrimento continua, ele pode fazer o papel do campeão do povo iraquiano.

Saddam e do governo dos EUA agora existia em duas solidões. Saddam lamentou o sofrimento causado pelas sanções, recusando o negócio de petróleo-por-comida, e exigiu o fim das inspeções enquanto impedindo o seu progresso.

A tensão aumenta mais de inspeções

Em 27 de junho de 1993, quando o ex-presidente americano George Bush foi visitar o Kuwait, houve uma suposta tentativa em sua vida. Presidente Bill Clinton retaliou com um ataque com mísseis de cruzeiro sobre o Iraque.

E assim começou um novo ciclo de tensão entre o Iraque e os Estados Unidos. Em 1994, a elite iraquianas unidades da Guarda Republicana movido perto da fronteira com o Kuwait e as tropas dos EUA foram enviados para o Golfo Pérsico, mais uma vez. Quando se tornou claro que os americanos significou o negócio, Saddam recuou.

A partir de então a tensão girava apenas em torno das inspeções de armas da ONU.

Tornou-se um ritmo monótono: Saddam gabou, os inspetores foram impedidos, os militares americanos flexionou seu músculo, e Saddam recuou.

Finalmente, dezembro de 1999 trouxe boas notícias para o povo iraquiano, quando o Conselho de Segurança votaram para aliviar as sanções contra o país.

O novo milênio começou com uma nota promissora para o país, que abriu seu aeroporto internacional após um fechamento de 10 anos. Após uma década de ausência, o Iraque foi convidado a participar da cúpula da Liga Árabe em 2000.

No ano seguinte, o Iraque foi acusado de estar por trás das mortes de antraz de cinco americanos, o que levou presidente dos EUA, George W. Bush, no momento tenso após os 11 de setembro de 2001 ataques da Al-Qaeda, para empurrar para as inspeções de armas.

Operação Liberdade do Iraque

No final de 2002, o Iraque apresentou uma declaração de 12 mil páginas, alegando que não tinha armas proibidas e concordou em abrir o país para uma nova rodada de inspeções de armas.

Chefe de armas da ONU Hans Blix inspetor concluído em janeiro de 2003, que "o Iraque não chegar a um acordo ainda com a demanda do mundo que desistir de suas armas, e ainda tinha de cooperar plenamente na procura por eles." No entanto, um mês depois, Blix admitiu que nenhuma arma de destruição em massa havia sido encontrada no Iraque.

A administração Bush continuou a insistir no inspeções e contra o regime de Saddam Hussein, reforçada por uma resolução do Congresso dos EUA autoriza força contra o Iraque.

Secretário General Colin Powell levou o caso americano a Assembléia Geral da ONU, em audiência dramática em fevereiro de 2003. Dirigindo-se ao conselho, Powell apresentou provas acusando o Iraque de laços com a Al-Qaeda e de desenvolver armas de destruição em massa. Os EUA e as nações de apoio apresentou uma moção de apoio à ação militar contra o regime de Saddam. Ele falhou, mas os EUA, juntamente com parceiros da coalizão, como Grã-Bretanha, decidiu agir fora aprovação da ONU. Canadá decidiu não participar em qualquer ação militar.

Em 19 de março de 2003, dois dias depois de Bush advertiu Saddam deixar o Iraque ou enfrentar o exército dos EUA, a Operação Liberdade Iraquiana começou a se desenrolar. Ele terminou oficialmente em 1 de maio de 2003, quando Bush anunciou que os EUA haviam prevalecido no conflito.

Em junho de 2003, Bush disse a tropas americanas no Qatar que a invasão do Iraque foi justificada e prometeu "revelar a verdade" sobre armas iraquianas de destruição em massa. Mas um mês depois, Washington admitiu que as alegações Bush fez em seu discurso do Estado da União sobre o programa nuclear do Iraque estavam erradas, e da CIA reivindicou a responsabilidade pelo fornecimento de informações incorretas.

O Senado dos EUA mais tarde divulgou um relatório contundente dizendo pré-guerra de inteligência alegando o Iraque possuía armas de destruição em massa foi errada e exagerada.

A notícia não tem melhor para os EUA em 2004. Em abril, os militares dos EUA acusou seis soldados após fotos de soldados americanos abusando de prisioneiros iraquianos na prisão de Abu Ghraib foram publicadas. O militar britânico também começou a investigar os maus tratos a prisioneiros iraquianos. Bush emitiu um pedido de desculpas pelo abuso de prisioneiros iraquianos e prometeu uma investigação completa, enquanto Rumsfeld, como secretário de Defesa, assumiu a total responsabilidade pelos abusos.

Em aparente retaliação, um civil americano, que se identificou como Nick Berg, foi decapitado com uma faca por Abu Musab al-Zarqawi, um tenente de Osama bin Laden. Um vídeo da decapitação foi ao ar em um site com ligações al-Qaeda.

Spc. Jeremy C. Sivits foi condenado a um ano de prisão por seu papel no abuso dos prisioneiros iraquianos.

Morte de um ditador, ascensão de um governo

A queda final de Saddam Hussein começou com uma invasão em uma fazenda perto de sua cidade natal, Tikrit, em dezembro de 2003. Um desgrenhado, olhar perplexo-Saddam foi arrastado de um buraco no chão por soldados norte-americanos e em custódia.

Saddam enfrentou muitas acusações, incluindo as relacionadas com os assassinatos em massa de xiitas na cidade de Dujail, durante o início de 1980. Após um julgamento que durou vários meses, um tribunal iraquiano considerou culpado em novembro de 2006 e condenou o ex-ditador à morte.

Saddam, desafiadoramente se recusando a ter a cabeça coberta por um capuz e segurando uma cópia do Corão, caminhava para a forca em 30 de dezembro de 2006. Sua execução foi capturado em um polêmico vídeo e divulgado na internet.

Enquanto isso, uma nova era política tinha começado no Iraque durante o tempo de prisão de Saddam.

Um governo de coalizão foi formado após a invasão, mas foi só para estar no lugar temporariamente. Seu trabalho foi elaborar uma constituição e governar o país até que um de dezembro de 2005 a eleição parlamentar.

Em 22 de abril de 2006, mais de quatro meses depois das eleições, um primeiro-ministro designado foi nomeado: político xiita Nouri al-Maliki.

O atraso incomum foi causado por disputas internas entre xiitas, sunitas e curdos. A disputa entre os vários partidos políticos na origem de uma explosão de violência sectária sustentado e alguns comentaristas descreveu a luta como equivalente a uma guerra civil.

Como designar-primeiro-ministro, Maliki foi dado 30 dias para formar um governo de unidade nacional com a nomeação de um armário que incluem curdos, xiitas e sunitas. Esta foi uma estratégia para tirar o Iraque de volta da beira de uma guerra civil.

Jalal Talabani foi reeleito como presidente e Tariq al-Hashimi foi eleito como novo sunita do Iraque vice-presidente.

Aumento de tropas para combater a insurgência

Enquanto a operação militar terminou oficialmente em maio de 2003, a violência continuou a reivindicar as vidas de soldados estrangeiros e civis iraquianos.

Carros-bomba, seqüestros, tiroteios e outros ataques marcaram os anos após a invasão.

Uma insurgência, composta por várias facções, as tropas alvo da coalizão liderada pelos Estados Unidos, bem como os esforços de reconstrução do Iraque. No entanto, a insurgência não era uma unidade única e coesa.

Os lutadores puxando o gatilho e detonar as bombas - baathista legalistas, combatentes das milícias xiitas, a Al-Qaeda simpatizantes - muitas vezes tinham interesses variados, mesmo que os seus objetivos (desestabilizar a reconstrução e livrando os países de tropas estrangeiras) e os métodos mortais foram semelhantes.

Esforços da coalizão para deter o derramamento de sangue provou ser ineficaz, como o apoio à guerra nos Estados Unidos despencaram.

Enquanto grupos insurgentes continuaram a chamar para a retirada das tropas ocidentais, precisamente o oposto ocorreu. Bush, em um discurso para o povo dos Estados Unidos em janeiro de 2007, anunciou planos de sua administração para adicionar 20 mil soldados ao país.

Alguns creditado este "aumento das tropas", com o aumento da estabilidade no país, como os EUA marcou a morte 4.000 ª militar em março de 2008, o quinto aniversário da invasão.

Fonte: www.cbc.ca

Check Also

Félix Emile Taunay

Félix Emile Taunay

Nascimento: 1 de março de 1795, Montmorency, França. Falecimento: 10 de abril de 1881, Rio …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 2 =