Breaking News
Home / Turismo / Myanmar

Myanmar

 

História

Muitos pequenos reinos (Pyu, Seg, Pagan) lutou ao longo dos séculos, o destaque central, simples e política.

De 1826 a 1889, a colônia britânica de Bengala que os protegia e conquistou o país, anexado ao Império das Índias.

Eles fizeram uma colônia separada em 1937, recapturado após a ocupação japonesa (1942-1945).

U Nu, um dos arquitetos da independência em 1948, o primeiro-ministro até 1962, foi derrubado pelo general Ne Win.

O regime militar, apesar de sua estabilidade, não foi capaz de resolver o problema das divisões étnicas de guerra civil latente (guerrilheiros comunistas no norte e sul do país) e desenvolvimento econômico.

Myanmar

Em 1989, Aung San Suu Kyi, co-fundador da Liga Nacional para a Democracia, foi preso.

No ano seguinte, o seu partido (LND) vence as eleições para trazer o primeiro-ministro.

A junta militar se recusa a votar-se e cancela os resultados eleitorais.

Detenção, a prisão, ela recebeu inúmeros prêmios, incluindo o Prêmio Nobel da Paz. Desde 1995, apesar de um estado de saúde se deteriorando, a prisão da oposição birmanesa é regularmente renovado a cada ano.

Geografia e clima

A República da União de Mianmar (União de Myanmar), também conhecido pelo seu antigo nome Birmânia são os estados ocidentais do Sudeste. O país é banhado pelo Mar de Andaman, no sul e na Baía de Bengala, ao sul-oeste. Faz fronteira com a Índia, o Bangladesh, a oeste, a China, ao norte, Laos e Tailândia para o leste.

Em forma de ferradura ao redor montanhas uma depressão central, o território consiste em três conjuntos:

As colinas ocidentais e do norte subindo para 5.000 metros

Chan o vasto planalto no leste, baixo (1.000 metros)

Da planície central, onde a rede converge Hidrográfica.

A monção está presente a partir de meados de junho até o final de outubro, com chuvas freqüentes e pesados no sul do país, mas ela quase não chove em Mandalay e Bagan.

A estação seca de outubro a janeiro, as temperaturas são montanha, às vezes agradável fresco perto do lago Inle. Esta é provavelmente a melhor época para visitar.

De fevereiro a maio, é bom, mas muito quente (40 ° em média).

Regiões

Podemos considerar que o país é composto por três regiões: o centro (onde reside o mongol-tibetana e Birmânia), montanhas dispositivos (ocupada por muitas das minorias étnicas), e da costa com suas inúmeras ilhas.

Grandes cidades

A capital foi em 2004, Yangon cidade (ou Rangon) de cerca de 5 milhões.

Agora é Pyinmana que parece ser uma capital administrativa, onde o governo. A escolha parece ser estratégico ele está localizado no interior, cerca de 400 km do mar, em uma área estreita cercada por montanhas. Esta cidade é muito distante da artéria, Irrawaddi fluvial do país.

Mandalay é a segunda maior cidade.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Myanmar

História

MYANMAR (BIRMANIA)

Os primeiros povoados da zona foram os Mons quem inclusive expandiram sua influência até Tailândia. Posteriormente chegaram as migrações burmesas quem se impuseram desde o norte até a terceira parte do território.

O Rei Anawrahta assumiu o trono de Pagan em 1404 e começou a época dourada do império introduzindo o budismo e o alfabeto burmés. Hoje em dia, Myanmar é 90% budista. O segundo império Myanmar se fundou no século XVI pelo Rei Bayinnaung, o terceiro, no ano de 1572 pelo Rei Alaungpaya.

Foi durante o regime do Rei Koungbaung quando os britânicos invadiram o país convertendo-lhe em uma colônia do império depois de uma sucessão de afrontamentos que duraram desde 1824 até 1885.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Myanmar foi ocupada pelos Japoneses desde 1942 até sua libertação em 1945 pelas forças aliadas. A instalação do governo independente se levantou em 4 de janeiro de 1948. A Constituição vigente na atualidade data de 1974 e organiza o Estado no Poder Legislativo, Assembléia e Conselho de Estado.

Um Conselho de Ministros é responsável da administração pública. O único partido político legal é o Programa Socialista, ainda que existam também várias organizações clandestinas. Na atualidade o chefe de estado e do governo é o general Than Shwe.

Myanmar
Shwezigon Pagoda, lugar famoso, antiga cidade de Bagan, Myanmar

MYANMAR (BIRMANIA), TERRA DE OURO

Encravada na zona meridional da Ásia, Myanmar é o nome que utilizam os habitantes para descrever seu lar, ao que os britânicos chamavam Burma, Birmânia em português. Desde 1989 se há reivindicado seu nome e assim se lhe denomina a esta zona também conhecida como a "Terra do Ouro" por suas riquezas naturais e a generosidade do seu clima.

Esta nação divide suas fronteiras com diversos países asiáticos, coisa que há definido em muito as características da sua cultura. Ao igual que o resto de seus vizinhos, em Myanmar se combinam a herança chinesa e hindu junto com outras raças e crenças que ainda que em menos grau, também contribuem na formação da multi-culturalidade do país.

Percorrer as ruas e as paisagens do interior é uma experiência difícil de descrever. Um dos circuitos que não poderá perder-se é a viagem em barco por Ayeyarwadi.

Birmânia dispõe de 8.000 quilômetros de rede fluvial, número que se reduz na época seca. Os trechos mais estáveis encontram-se entre o delta e Myitkyina, o canal Twante entre o Ayeyarwadi e Yangon, o canal Chindwin e, por sua posição, o Ayeyarwadi, entre o mar e bem mais em cima de Mandalay. Este trecho geográfico e histórico atravessa uma terra antiquíssima, cheia de historia e espiritualidade.

Porém Myanmar é também o país dos templos como Shwedagon em Yangon; Kyaikpun e Shwethalyaung em Bago; Shwenandaw Kyaung e Míngun em Mandalay; e, numerosos em Bagán. Poderá admirar sua herança colonial em Maymyo na parte antiga de Yangon. Observar a cultura de suas gentes nos povos do Lago Ingle, Kalaw e pequenas localidades da Meseta Shan, como Pwe Hla.

Visitar covas budistas em Pindaya e Peik Chin Myaung, em Maymyo. Desfrutar da praia em Ngapali, em Sandoway, e para despedir-se, adquirir algo do se artesanato ou assistir aos espetáculos de baile e música. Isto é tudo o que oferece Myanmar, um atrativo e rico território quase desconhecido porém cheio de encantos para o viajante.

Alfândega e Documentação

Passaporte em vigor com validez de no mínimo 3meses e imprescindível visto (com validade para 30 dias) e passagem de saída. Existem certas zonas que não podem ser visitadas e a Oficina de Turismo (MTT) tenta controlar os percursos. Podem introduzir no país livremente 200 cigarros ou meia libra de tabaco picado, uma garrafa pequena de bebidas alcoólicas e um vidro de perfume.

Clima

Clima que varia dependendo da zona: equatorial em zonas costeiras e tropical monzônico no interior. As chuvas aparecem de junho a outubro. O índice de umidade é bastante alto durante todo o ano.

Equipamentos de Viagem

Se recomenda levar roupa de algodão e calçado cômodo, capa de chuva, roupa de agasalho e repelente contra os insetos. Lembre-se de tirar os sapatos ao entrar nos templos.

Idioma

O idioma oficial é o birmano. Também se fala inglês.

Religião

A maioria da população é budista (90%). Existe uma minoria de muçulmanos (3%).

Eletricidade

A tensão elétrica é de 220/240 voltz a 50 Hz.

Emergência, Saúde e Policiamento

Imprescindível a vacina contra a febre amarela. É recomendável a vacina contra a tífus, a profilaxia antimalária, não beber água da torneira, não comer alimentos sem ferver e não tomar banhos em águas paradas.

É aconselhável levar uma caixa de primeiro socorros bem preparada com analgésicos, antitetânicos, antidiarréias, antibióticos, anti-sépticos repelentes para insetos, cremes contra picadas ou alergias, gaze, tesouras, pinças, termômetro e seringas hipodérmicas.

É recomendável viajar com o seguro médico e de assistência. Para emergências médicas ou policiais se aconselha pedir ajuda as recepções dos hotéis ou nos consulados ou embaixadas mais próximo.

Correios e Telefonia

As comunicações são muito deficientes. Alguns incluso aconselham tomar precauções a respeito, sobretudo porque é muito difícil encontrar um meio confiável; os serviços de telefones são insuficientes enquanto que os aerogramas tem uma melhor trajetória. Para telefonar a Myanmar deve-se marcar 00-95, seguido do prefixo da cidade e do número de abonado. Prefixo de Yangon 1.

Fotografia

Preciso levar o material suficiente e necessário, especialmente se pensa levar câmaras de fotografia e vídeo. É recomendável perguntar sempre antes de fazer uma fotografia a algum nativo. Normalmente não lhes incomoda, porém sempre é preferível prevenir. Está proibido fazer fotografias em aeroportos, trens, estações, pontes ou instalações militares. 1'

Horário Comercial

As lojas abrem geralmente de 10 da manhã a 7 da noite. É normal que abram também nos feriados. Os bancos abrem somente de manhã, inclusive aos sábados.

Gorjetas

Não é costume do país dar gorjetas a quem prestam serviços, isso inclui aos turistas. O que acontece normalmente é que o guia turístico costuma pedir uma colaboração para o motorista do veículo onde estão sendo transladados. Este importe é normalmente repartido entre ambos, assim que fica a critério do cliente.

Apesar de tudo, lhe aconselhamos deixar gorjeta, já que esta é um dos principais ingressos dos prestadores de serviços.

Taxas e Impostos

Existe uma taxa de aeroporto tanto para os vôos nacionais como internacionais.

Localização Geográficas

Myanmar se localiza ao sul do continente asiático. Limita ao norte com China, ao sul como Oceânico Índico, ao leste com China, Laos e Tailândia, ao sudoeste com o Golfo de Bengala e ao noroeste com Índia e Bangladesh. Tem uma extensão de 676.522 quilômetros quadrados com 2.080 quilômetros de comprimento e 800 quilômetros de largura.

Tem uma enorme costa que rodeia uma grande parte do país com uma extensão de 3.000 km. O interior do país está marcado por grandes rios e extensas planícies. As montanhas se levantam ao leste, ao longo da fronteira com Tailândia e também em direção ao norte, onde pode-se alcançar o extremo leste do Himalaya.

Flora e Fauna

O país está coberto de exuberantes vegetações que combinam sua existência entre as montanhas e os lagos. Na zona costeira, a vegetação adquire características tropicais devido a situação geográfica. Existem também zonas desérticas que quebram a perspectiva geral dando à paisagem um aroma especial. As plantações são particularmente de algodão e arroz.

A fauna selvagem está composta por felinos de diversas espécies como leopardos, gatos selvagens e tigres. Também existe uma ampla diversidade de aves silvestres, diversos tipos de gado e macacos selvagens.

Arte e Cultura

A religião é sem duvida o principal suporte da cultura e arte birmanos. Se afirma que existiram no país mais de 5.000 monumentos entre templos, pagodes e mosteiros. O passar do tempo e as construções de madeira não deixaram vestígios desta herança, porém deixaram nos costumes populares. Os santuários mais antigos datam do século X, o mais conhecido é o Nat Hlaung Kyaung que está dedicado a Vishnu e é uma das poucas edificações hindus que permanecem, pois a maioria são templos budistas.

Existem dois tipos de monumentos: a estupa, destinada a conservação de relíquias e é de forma circular com terraço quadrado e escadarias dirigida por um campanário; e os templos consagrados a Buda que estão construídos sobre nascimentos quadrados ou circulares, cujo centro está um compacto núcleo de alvenaria oco com forma de arco na que se sobressai a imagem do Buda. Os monumentos de Pagan estão construídos por ladrilhos e pedras, recobertos em estuco, com pedras e janelas em forma de arcos.

A influência indiana Pala se deixa entrever nas esculturas tanto de argila como de bronze e nas pinturas que adornam os templos. Os originais eram muito simples, porém com o passar do tempo começaram a apresentar mais exuberância e um grande colorido, com o agrupamento de personagens em paralelo.

Fonte: www.rumbo.com.br

Myanmar

Birmânia (desde 1989, oficialmente chamada Myanmar) é um país do Sudeste Asiático.

A capital é Yangon [Rangoon].

A principal religião é o Budismo.

A língua nacional é o Birmanês, minorias étnicas falam sua própria língua.

A Grã-Bretanha conquistou a Birmânia durante um período de 62 anos (1824-1886) e a incorporou em seu Império Indiano. A Birmânia foi administrada como uma província da Índia até 1937 quando se tornou uma independente, auto-governada colônia; a independência da Comunidade foi alcançada em 1948.

O General Ne Win dominou o governo de 1962 a 1988, primeiro como governador militar, depois como auto-nomeado presidente, e mais tarde como chefão político. Em Setembro de 1988, os militares depuseram Ne Win e estabeleceram uma nova junta governante. Apesar das eleições legislativas multipartidárias em 1990 que resultaram no principal partido da oposição - a Liga Nacional para a Democracia (NLD) - ganhando uma vitória esmagadora, a junta militar se recusou a entregar o poder.

A líder da NLD e Nobel da Paz AUNG SAN SUU KYI, que estêve sob prisão domiciliar de 1989 a 1995 e de 2000 a 2002, foi presa em Maio de 2003 e posteriormente transferida para prisão domiciliar. Depois de a junta no poder em Agosto de 2007 inesperadamente aumentar os preços de combustível, dezenas de milhares de Birmaneses marcharam em protesto, liderados por ativistas pró-democracia e monges Budistas.

No final de Setembro de 2007, o governo suprimiu brutalmente os protestos, matando pelo menos 13 pessoas e prendendo milhares de participantes nas manifestações. Desde então, o regime continua a invadir casas e mosteiros e prender pessoas suspeitas de participarem nos protestos pró-democracia. A Birmânia no início de Maio de 2008 foi atingida pelo Ciclone Nargis, que deixou mais de 138.000 mortos e dezenas de milhares de feridos e desabrigados.

Apesar dessa tragédia, a junta prosseguiu com o seu referendo constitucional de Maio, a primeira votação na Birmânia desde 1990. As eleições legislativas realizadas em Novembro de 2010, consideradas falhas por muitos na comunidade internacional, viram o Partido da União Solidariedade e Desenvolvimento ganhar mais de 75% dos assentos.

O Parlamento foi convocado em Janeiro de 2011 e selecionou o ex-Primeiro Ministro Thein Sein como presidente. A grande maioria de nível-nacional nomeada por Thein Sein são antigos ou atuais oficiais militares.

O povo de Myanmar, tradicionalmente conhecido como Burma, chama seu país a Terra Dourada. O nome pode vir do costume de decorar os pagodes Budistas de Myanmar com folha de ouro, o que os faz brilhar na luz do sol. O termo pode também referir-se ao brilho dourado da abundante cultura de arroz de Mianmar pouco antes da colheita, pois Myanmar planta arroz suficiente para exportar grandes quantidades do grão.

Ou pode se referir ao fato de que o Sol brilha durante muitos meses do ano. Seja qual for a razão, é um nome apropriado. Pois Myanmar - que em si significa "rápida e forte" - é um país que é bem dotado de terras férteis, grandes florestas ricas em madeiras valiosas, e recursos minerais importantes.

Desde a sua independência em 1948, no entanto, Myanmar tem sido incapaz de traduzir essas bênçãos em força econômica. Uma razão é a guerra crônica entre o governo central e os grupos insurgentes que querem mais autonomia para as minorias étnicas. Outra razão é a liderança excentrica e errática, especialmente durante as três décadas que o General Ne Win dominou o governo da nação, direta ou indiretamente.

Como resultado, Myanmar entrou no século 21 como uma das nações mais pobres e menos desenvolvidas do mundo. Politicamente, ela enfrenta o desafio de satisfazer o desejo longamente suprimido da mídia de Myanmar por uma maior voz nos assuntos da nação.

As esperanças do país por reformas também estão impedidas pela falta de assistência internacional. A assumpção do controle pelos militares em 1988 e sua anulação das eleições livres de 1990 resultou na retirada da maior parte da ajuda.

Em 2005, o governo secreto militar começou a mover da capital de Myanmar desde o porto de Yangon para Naypyidaw, uma nova cidade em uma área remota e montanhosa a cerca de 300 milhas (460 km) para o norte; ele disse que a transferência foi por razões estratégicas. A nova capital foi intocada por um ciclone que atingiu o Delta do Irrawaddy em 2008, causando milhares de mortes e destruição em massa.

Terra

Quase tão grande quanto o Texas (EUA), Myanmar é a maior nação do continente do Sudeste Asiático. Em um mapa, ela assemelha-se a uma pipa em forma de diamante completa com sua cauda. O longo litoral do país enfrenta o Golfo de Bengala e o Mar de Andaman, que fazem parte do Oceano Índico.

Os vizinhos de Myanmar são a Índia e Bangladesh, a oeste, e a China, a Tailândia e o Laos para o norte e leste. Picos cobertos de neve das montanhas do Himalaia, no extremo norte, elevando-se para mais de 15.000 pés (4.600 m), marcam as fronteiras de Myanmar com a Índia e a China. O mais elevado desses picos dentro das fronteiras de Myanmar é o Hkakabo Razi (19.296 pés; 5.881 m).

Cadeias de montanhas se estendem ao longo dos lados ocidental e oriental do país, como os dois braços de um V invertido. No oeste, a cadeia montanhosa Arakan, estendendo-se em uma série de cumes conhecidos como as colinas Naga, Chin, e Lushai, formam a fronteira com a Índia.

Esta área é pouco povoada e tem pouca terra adequada para a agricultura. A oeste das Montanhas Arakan, ao longo da Baía de Bengala, está uma estreita faixa de terra irrigada por rios e riachos que descem das montanhas. Esta área contém algumas das mais ricas terras agrícolas do país.

O Planalto Shan (também chamado de Shan Highlands), o braço oriental do V invertido, se estende para o sul na serra de Tenasserim. Esses planaltos e montanhas servem como uma linha divisória entre Myanmar e a Tailândia. A grande bacia central de Myanmar situa-se entre o Planalto Shan e as Montanhas Arakan.

Esta área de planície é drenada por importantes sistemas de norte a sul dos rios de Mianmar, o Irrawaddy e seus afluentes, incluindo o Chindwin, o Sittang, e o curso inferior do Salween. Este vasto delta é o centro da principail atividade econômica de Myanmar -a produção de arroz.

Localizada perto do equador, Myanmar tem um clima tropical de monções. A precipitação anual varia de cerca de 200 polegadas (500 cm) perto da costa a uma mera 30 polegadas (77 cm) na central "zona seca".

As temperaturas anuais no sul de Myanmar são em média, de cerca de 80 °F (27 °C) e são ligeiramente mais frias nas planícies do norte. Durante a quente temporada de Março a Maio, as temperaturas no centro de Myanmar também crescem acima de 100 °F (38 °C).

Economia

A agricultura, incluindo a silvicultura, é central para a economia de Myanmar, empregando cerca de 65 por cento dos trabalhadores do país. Além de arroz, o rico solo de Myanmar produz grãos, algodão, tabaco, cana, amendoim, gergelim e leguminosas (ervilhas, feijões, lentilhas). As florestas cobrem quase três quintos da terra. A produção de madeira, particularmente a teca, é uma grande indústria. Ela tornou-se o principal produto de exportação de Myanmar em 1985.

Os recursos minerais são abundantes. Myanmar minera chumbo, zinco, cobre, tungstênio, ouro, prata, estanho, pedras preciosas, e jade, e produz uma quantidade considerável de petróleo, carvão e gás natural. Diferente da pesca, a mineração e a madeireira, a indústria é limitada em Myanmar.

As fábricas produzem cimento, têxtil, fertilizantes, azulejo, juta, produtos farmacêuticos e siderúrgicos, e há um número de plantas de processamento de produtos alimentares, madeira e minerais. Os artesãos de Myanmar são notáveis por suas excelentes esculturas de madeira e de marfim, tecelagem de seda e jóias artesanais.

Durante a década de 1960, o governo assumiu o controle de todas as indústrias importantes. Embora a agricultura não foi nacionalizada, a distribuição de produtos agrícolas foi. As reformas instituídas no início dos 1990s, desde então, pararam, e algumas delas têm sido rescindidas.

Hoje, apesar dos recursos de Myanmar, o seu povo está entre os mais pobres da Ásia. O trabalho escravo e a desnutrição são comuns. Os esforços externos para incitar o governo a atender às necessidades domésticas têm falhado.

Apesar de um boom de energia, a maioria das pessoas não têm energia. Em vez disso, os poços estão sendo afundados; novos gasodutos estão sendo construídos, e portos estão sendo modernizados para o transporte de petróleo e gás natural para a China, Índia e Tailândia.

Visão Geral

A Birmânia, um país rico em recursos, sofre de controles governamentais generalizados, ineficiência das políticas econômicas, corrupção e pobreza rural. Apesar da emergência da Birmânia como um exportador de gás natural, condições sócio-econômicas se deterioraram sob a má gestão do regime anterior.

Aproximadamente 32% da população vive na pobreza e na Birmânia é o país mais pobre do sudeste asiático. O clima de negócios é amplamente visto como opaco, corrupta e altamente ineficiente. Riqueza do país ricos em recursos naturais está concentrada nas mãos de um grupo de elite de líderes militares e parceiros de negócios.

Em 2010-11, a transferência de bens do Estado - especialmente propriedade real - para as famílias de militares, sob o pretexto de uma política de privatização ainda aumentaram o fosso entre a elite econômica e do público. A economia sofre de graves desequilíbrios macroeconômicos - incluindo várias taxas de câmbio oficiais que supervalorizam o kyat birmanês, déficits fiscais, falta de crédito comercial ainda mais distorcido por um regime de taxa de não-mercado de juros, inflação imprevisível, não confiáveis de dados econômicos, e uma incapacidade de conciliar o nacional contas.

Clima da Birmânia mau investimento - incluindo Estado de Direito fraco - dificulta a entrada de investimento estrangeiro, nos últimos anos, os investidores estrangeiros têm se esquivado de quase todos os setores, exceto para o gás natural, geração de energia, madeira e mineração. A exploração dos recursos naturais não beneficia a população em geral.

Os setores mais produtivos continuará a ser em indústrias extractivas - especialmente petróleo e gás, mineração e madeira - com os dois últimos causando degradação ambiental significativo. Outras áreas, tais como manufatura, turismo e serviços, a luta em face da pouca infra-estrutura, políticas comerciais imprevisíveis, não desenvolvidas recursos humanos (o resultado de saúde negligenciada e os sistemas de ensino), a corrupção endêmica, e acesso inadequado à capital para investimento. Os bancos privados ainda operam sob apertadas restrições nacionais e internacionais, limitando o acesso do setor privado ao crédito.

Durante a década passada nos Estados Unidos, a União Europeia eo Canadá impuseram sanções financeiras e econômicas sobre a Birmânia. Sanções dos EUA proibidas transações financeiras com mais entidades birmaneses, impôs proibições de viagem em líderes birmaneses militares e civis e outros assuntos ligados ao regime no poder, e proibiu as importações de produtos birmaneses.

Estas sanções afetou a indústria do país roupa jovem, isolado do setor bancário lutando, e elevou os custos de fazer negócios com empresas da Birmânia, em particular as ligadas a líderes do regime birmanês. Muitas dessas sanções estão sendo levantadas, em resposta à nova liberalização que está ocorrendo na Birmânia. Remessas de trabalhadores no exterior birmaneses - que forneceram apoio financeiro significativo para as suas famílias - têm impulsionado o Ministério das Finanças para licenciar bancos nacionais para realizar operações no exterior.

Em 2011, o governo tomou passos iniciais para a reforma e abertura da economia, baixando os impostos de exportação, a flexibilização das restrições sobre seu setor financeiro, e estender a mão a organizações internacionais de assistência. Apesar de o governo birmanês tem boas relações econômicas com seus vizinhos, melhorias significativas na governação econômica, o clima de negócios, ea situação política são necessários para promover o investimento estrangeiro sério.

População

Myanmar tem uma população de mais de 53 milhões. A grande maioria das pessoas falam o Myanmar (ou Birmanês), a língua do povo (Burman) de Myanmar, o grupo étnico que compõe cerca de 68 por cento da população. Outras línguas são faladas pelos membros dos outros principais grupos étnicos, incluindo os Shan, Karen, Rakhine, Mon, Chin, Kachin, e os povos Kayah.

O Inglês é falado como segunda língua e é ensinado desde o ensino fundamental para cima. Cerca de 5 por cento das pessoas de Myanmar falam os idiomas Chinês ou Indiano, como Hindi, Tamil, ou Urdu. O alfabeto de Myanmar é baseado em scripts tirado de línguas Indianas, particularmente o Pali, que é usado para escrever os textos Budistas de Myanmar.

Cerca de 90 por cento das pessoas praticam o Budismo Theravada, uma forma primitiva da religião que é predominante no sudeste da Ásia continental. O animismo - a crença tradicional em bons e maus espíritos, também é praticado, assim como o Cristianismo, o Islamismo, e o Hinduísmo.

Primeiras Migrações

Não está claro quem foram os habitantes originais de Myanmar. As migrações em Myanmar da Ásia Central começaram, pelo menos, 2.000 anos atrás. Primeiro veio o povo do filão Mon-Khmer, que se fixou no delta e áreas de Tenasserim e propagou o Budismo e outros elementos de sua cultura ao longo de Myanmar.

No início dos primeiros séculos A.D., os povos Tibeto-Myanmar começaram a chegar na área. Estas chegadas mais recentes incluíram os Pyu, os Myanmar, os Chin e, muito mais tarde, os Kachin.

O terceiro grande grupo de imigrantes foi o Shan-Tailandês, que uma vez dominou um reino do sul da China chamado Nanchao. O ramo principal dos povos Shan-Tailandeses são aqueles que povoaram a Tailândia, o Laos, e o estado Shan da Birmânia. Eles foram expulsos de seu reino na China durante as conquistas Mongol durante os 1100s e os 1200s. Myanmar tem também pequenos grupos de povos montanheses, geralmente relacionados com os Mon-Khmer, os Tibeto-Myanmar, e os Shan-Tailandêses.

Os vários grupos étnicos de Myanmar podem ser distinguidos principalmente por sua vestimenta e a fala. Os homens e mulheres de Myanmar usam um lungi, ou saia, enquanto um homem Shan veste largas calças sem bainhas. Há também variações nos sapatos e no cobrir a cabeça, nos métodos de amarrar os laços, nos estilos das jóias e nas cores e desenhos dos tecidos usados pelos diferentes grupos. Uma pessoa de Myanmar de Tavoy Mergui ou do sul, por exemplo, tem um sotaque bem diferente de alguém que vive em Mandalay, na parte central do país.

Modo de Vida

Na sua vida quotidiana, a maioria de Myanmar se agarra aos valores e costumes tradicionais. Em ambas as áreas rurais e as cidades, os de Myanmar preferem usar roupas tradicionais ao invés de roupas do estilo ocidental. Eletrodomésticos modernos, rádios e cinemas são agora encontrados nas cidades, mas a maioria de Myanmar vive sem acesso a eles.

Automóveis, caminhões, bicicletas e motos são encontrados em todas as estradas, mas a média rural de Myanmar ou anda ou viaja de carro de boi. Apesar de alguns agricultores trabalharem seus campos com tratores modernos, a maioria depende de arados puxados por búfalos e bois. Os elefantes são muitas vezes utilizados para transportar cargas pesadas, particularmente na indústria madeireira.

Cerca de uma em cada três pessoas de Myanmar vive em aldeias agrícolas de pequeno porte, principalmente nos vales dos rios e nas planícies aluviais do delta menor de Myanmar. Uma típica família de Myanmar vive em uma casa de bambu elevada sobre pilotis.

Geralmente a família come e relaxa em uma longa varanda fora. A maioria dos homens e mulheres vestem jaquetas curtas, saias e sandálias abertas. Muitas vezes os homens usam bandanas coloridas feitas de pano.

Além do cultivo das culturas, a vida nas áreas rurais centra em torno da família, que inclui tios, tias e primos. As crianças são ensinadas a mostrar "respeito", o que em Myanmar é um ritual importante que envolve maneiras corretas e cumprimentos e o uso de formas próprias de comunicação.

Por exemplo, dirigir-se a uma pessoa idosa ou àquele que tem um status elevado como U, um título de respeito que significa "senhor" ou "tio" (como no caso de U Thant, ex-secretário-geral das Nações Unidas). Uma ocasião importante na vida de cada criança do sexo masculino Budista é a cerimônia Shinbyu, que marca a prontidão de um menino para se tornar um Budista moralmente responsável. Após a cerimônia, o rapaz entra no mosteiro local para uma estadia curta.

Em geral, as mulheres têm um status de igualdade com os homens em Myanmar. Elas operam quase todas as bancas de bazar e lojas nos mercados locais. No entanto, as mulheres em cargos de alto escalão são raridades, embora as mulheres têm governado Myanmar e agora são ativas na política e nas profissões.

Educação

A educação é altamente valorizada em Myanmar. Uma das funções tradicionais dos monges é estudar as escrituras Budistas. Outro dever é ensinar as crianças, e, antes da independência, em 1948, a educação mais elementar era fornecida pelas escolas dos mosteiros Budistas. Desde a independência, o governo de Myanmar estendeu a educação pública em todo o país.

Apesar de apenas quatro anos serem obrigatórios, cerca de dois terços das pessoas de Myanmar são alfabetizadas. As universidades do país foram fechadas pela maioria do período de 1988 a 2000, para esmagar um levante pró-democracia. Ainda assim, geralmente faculdades de baixo custo e a educação profissional estão disponíveis.

Cidades

Yangon

Um em cada quatro de Myanmar vivem em cerca de 50 cidades, apenas algumas das quais são grandes áreas urbanas. Yangon (Rangoon), a capital tradicional, é a maior cidade, com uma população de cerca de 4 milhões. Localizada no Rio Yangon, é o principal porto do país, um centro-chave industrial e comercial, e o núcleo do transporte e da rede de comunicações de Myanmar. A cidade sofreu danos generalizados a partir do Ciclone Nargis, em 2008.

Mandalay

A segunda-maior cidade de Myanmar é Mandalay, que está situada às margens do Rio Irrawaddy. Mandalay é um ativo porto e centro comercial, com vários mercados ocupados. A cidade velha, o centro da cultura tradicional de Myanmar, contém muitos edifícios antigos e pagodes.

História e Governo

A história de Myanmar como uma nação unificada começou durante o século 11 A.D., quando o Rei Anawratha fundou a primeira dinastia de Myanmar em Pagan, uma cidade às margens do Rio Irrawaddy. Anawratha governou de 1044-1077. Durante os próximos dois séculos, Myanmar conquistou a maioria dos outros povos na área e absorveu sua cultura, que incluiu o Budismo Theravada.

Pagan tornou-se uma cidade magnífica, um centro cultural comparável ao de Atenas durante a Idade de Ouro da Grécia. Bibliotecas e seminários foram criados, belos templos Budistas foram construídos, e Myanmar desenvolveu-se em uma sociedade Budista firmemente enraizada, que permanece até hoje.

No final dos 1200s, exércitos Mongóis liderados por Kublai Khan invadiram Myanmar. O reino de Myanmar foi dividido em facções em guerra, e a dinastia Pagan entrou em colapso. O declínio da nação foi apenas temporário, no entanto. Ao final dos anos 1400s, uma nova dinastia de Myanmar conhecida como Toungoo - nomeada para uma de suas capitais, tinha chegado ao poder. Sob o Rei Bayinnaung, que governou de 1551-1581, os Myanmar mais uma vez unificaram e até estenderam seu reino. A dinastia foi derrubada depois de uma revolta dos Mon em 1740.

A dinastia Konbaung, a terceira e última, foi fundada pelo Rei Alaungpaya (governou de 1752-1760), que derrotou os Mon e restabeleceu a autoridade real sobre toda a Birmânia, como era então chamada Myanmar. Durante a década de 1760, a nova dinastia derrotou os Siameses (Tailandêses) e repeliu as invasões Chinesas. De 1782 a 1820, o poder político e militar do país estava no auge. Os Birmaneses empurraram para o oeste à Assam e Manipur.

Mas para o oeste a expansão trouxe o conflito do país com os Britânicos na Índia, e três guerras Anglo-Birmanesas foram travadas durante o século 19. Após a última delas, em 1885, os Ingleses conquistaram o que restou do Reino de Burma e anexaram-no como uma província da Índia. Mais tarde, em 1937, a Birmânia tornou-se uma colônia separada dentro do Império Britânico.

Durante a Segunda Guerra Mundial, forças Japonesas invadiram e ocuparam o país, e muito do que foi devastado. Depois que os Japoneses foram expulsos em 1945, os nacionalistas Birmaneses, liderados por Aung San, continuaram seus esforços para conquistar a independência para seu país.

Os nacionalistas foram bem sucedidos, apesar de Aung San e seis membros do gabinete serem assassinados em 1947. Em 4 de Janeiro de 1948, a Grã Bretanha concedeu a independência completa à Birmânia. Uma nova Constituição, aprovada quatro meses antes, previa uma democracia parlamentar de estilo Britânico, em que a nação começou a se desenvolver em um estado socialista democrático.

Ascensão de Ne Win ao Poder

Durante seus primeiros anos, a nova República da União da Birmânia foi atacada por vários grupos rebeldes, incluindo Comunistas e guerrilheiros que pressionaram minoritários e demandas regionais para a independência. Em meio a uma crise política em 1958, o chefe do exército, o General Ne Win, entrou em cena e realizou um governo interino até 1960, quando o governo eletivo retornou. Dois anos mais tarde, ele tomou o poder em um golpe.

Ne Win colocou todas as grandes indústrias nas mãos do governo. A maioria das pessoas técnicas e comerciais do país, Indianos e Chineses, foram expulsos.

Em 1974, uma nova Constituição foi adotada, e Ne Win - não mais no exército, assumiu a presidência. Embora o governo de partido único fosse constitucionalmente eleito, era uma ditadura.

A incompetência e a corrupção sufocaram o crescimento econômico, e alguns especialistas acreditavam que o mercado negro - fornecido por produtos contrabandeados das nações vizinhas - cresceu para se tornar maior do que a economia regular. Eventualmente, muitas das principais exportações do país, incluindo o arroz, a madeira de teca, e a borracha, seriam contrabandeados para fora do país, como seria metade da oferta mundial de ópio ilegal. A nação tornou-se isolada do investimento estrangeiro que a sua economia desesperadamente necessitava.

Em 1981, Ne Win deixou a Presidência, mas manteve sua força remanescendo chefe do Partido Socialista do Programa Birmanês, o único partido legal. Sob os novos líderes, a nação tentou ampliar seus contatos com as nações estrangeiras. Em 1987, em uma tentativa de paralisar o mercado negro, o governo fez as notas de maior denominação sem valor.

Este ato precipitou tumultos generalizados durante a primavera e o verão de 1988. Soldados e policiais atiraram nos manifestantes, matando milhares. Em Julho de 1988, Ne Win (que morreria em 2002) assumiu a responsabilidade pelos distúrbios e renunciou a seu posto como chefe do partido.

Uma revolta em todo o país seguiu a sua nomeação de um protegido como presidente do partido e presidente do país. Depois que outro governo foi incapaz de travar os protestos pró-democracia, o exército assumiu em Setembro de 1988 e declarou a lei marcial.

O General Saw Maung, chefe da junta que chamou-se o Conselho da Restauração da Ordem e da Lei (SLORC), prometeu eleições multipartidárias. Em Junho de 1989, o SLORC substituiu a grafia nativa para o nome do país e para aquelas de muitas cidades. A Birmânia tornou-se Myanmar; Rangoon tornou-se Yangon.

O SLORC também colocou sob prisão domiciliar a líder da oposição Aung San Suu Kyi, filha do líder da independência Aung San. No entanto, em Maio de 1990 sua Liga Nacional pela Democracia (LND) obteve uma vitória arrebatadora nas primeiras eleições livres do país desde 1962. O SLORC se recusou a entregar o poder e intensificou a repressão contra a oposição.

Em 1992, Saw Maung renunciou ao cargo de chefe do SLORC. Seu sucessor, o General Than Shwe, levantou a lei marcial e assinou acordos de paz com a maioria dos grupos rebeldes étnicos. Myanmar foi admitido na Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) em 1997. Mais tarde naquele ano, o SLORC foi substituído por um Conselho de Estado e de Desenvolvimento.

Desenvolvimentos recentes

Aung San Suu Kyi, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 1991, foi liberada em Maio de 2002, mas foi presa novamente em Maio de 2003. No outono de 2007, como as condições econômicas continuavam a se deteriorar, os monges Budistas lideraram os maiores protestos desde as revoltas estudantis de 1988.

Mais uma vez, os militares reprimiram brutalmente, atacando e prendendo os manifestantes.

O governo foi lento para lidar com o impacto de um ciclone devastador que atingiu o Delta do Irrawaddy em 2-3 de Maio de 2008. Ele também rejeitou a maior parte da assistência internacional oferecida. Cerca de 2,5 milhões de pessoas ficaram desabrigadas pelo Ciclone Nargis; milhares foram afetadas pela doença, fome, e exposição. Os agricultores perderam sementes, animais de tração, e a pecuária. Estimativas oficiais colocam o número de mortos em alguns 78.000, com outros 56.000 desaparecidos. Os sobreviventes na área que havia sido a tigela de arroz do país foram em grande parte deixados para se defenderem sozinhos.

Apesar do caos criado pelo ciclone, o governo avançou um referendo sobre uma nova Constituição que prolongava o regime militar. O documento foi elaborado sem a participação da oposição pró-democracia. Ele foi unanimemente aprovado em uma votação amplamente vista como fraudulenta. A nova Constituição reservou um quarto dos assentos parlamentares nas duas casas para os militares e proibiu a ainda detida Suu Kyi do mandato.

A prisão domiciliar de Suu Kyi foi prorrogada por 18 meses em Agosto de 2009, depois que ela foi julgada e condenada por violar seus termos. Ela foi finalmente liberada em Novembro de 2010, seis dias depois que o país realizou novas eleições legislativas. Seu partido tinha sido legalmente dissolvido e não pôde participar nas eleições. No entanto, ela continuou a ser uma poderosa força política com muitos adeptos.

As eleições de 2010 foram amplamente consideradas uma farsa, e os militares mantiveram a sua posição no governo sob o disfarce de um novo presidente civil.

O Partido da União Solidariedade e Desenvolvimento obteve quase 80 por cento das cadeiras disputadas nas duas casas superior e inferior. Além disso, 25 por cento de todos os lugares foram reservados para os militares. O novo órgão elegeu rapidamente Thein Sein, um ex-militar, como novo presidente de Myanmar.

Myanmar
A antiga cidade de Bagan está localizado no Mandalay Divisão e é o lar de mais de 2.000 pagodes e templos. A maioria dos edifícios foram construídos durante os séculos 11 a 13, quando Bagan era a capital do Império birmanês

Myanmar
Htilominlo Templo em Bagan foi concluída por volta do ano 1218, durante o reinado do rei Nantaungmya, que tem a fama de ser o local onde o rei foi escolhido como príncipe herdeiro. O templo de três andares sobe para 46 m (150 pés) e é construído de tijolo vermelho

Myanmar
Uma estátua dourada de Buda sentado em um dos pagodes muitos Bagan

Frank N. Trager

Fonte: Internet Nations

Myanmar

Resumo histórico

Política interna

Já enfraquecido durante a Segunda Guerra Mundial, a influência da Grã-Bretanha sobre a Birmânia termina com a proclamação da independência, em 1948.

Vida política do país é dominado por U Nu eo fascismo Liga para a liberdade das pessoas que exercem repressivas, incluindo a localização dos comunistas e Karen, uma minoria católica.

Um golpe militar de caça U Nu, em 1962. Seu sucessor, o general Ne Win, adotou um modelo socialista de desenvolvimento que terá um impacto negativo sobre a economia de Mianmar, é o nome do país em 1989. Uma mudança para o liberalismo é realizada posteriormente.

Sob pressão da opinião pública, as tímidas reformas democráticas são adotadas na década de 90, mas o país é governado pelo poder essencialmente autoritário e militar. Mianmar também continua atormentada por instabilidade política e uma recuperação econômica que é difícil. Desde 07 novembro de 2005, a nova capital Naypyidaw e não é mais Rangoon.

Política externa

Ao contrário de outras ex-colônias britânicas, o país não se juntar às fileiras da Commonwealth após sua declaração de independência em 1948.

Sob U Nu, ele opta, em vez de neutralismo no lugar das superpotências. Relações comerciais significativas são estabelecidas entre o governo e os seus vizinhos asiáticos. Mas lapsos de democracia e do comércio de drogas é feito de Mianmar também são alvo de muitas reclamações na cena internacional. O regime no final de 1990 e século XXI cedo, no entanto, beneficiar do apoio político da China, um dos seus poucos aliados.

Cronologia desde 1948

Eventos selecionados referem-se à situação interna ou questões internacionais que tiveram um impacto direto sobre a governação do país.

04 janeiro de 1948

Proclamação da Independência da União da Birmânia.

Um ano após a assinatura de um acordo em Londres, a União da Birmânia tornou-se independente do Reino Unido. O novo país, no entanto, se recusa a se juntar à Comunidade Britânica.

17 de abril de 1955

Abertura de uma conferência internacional em Bandung.

Cerca de 2000 delegados e observadores de 29 países da Ásia e da África se reuniram em Bandung, na Indonésia, para participar de uma conferência onde eles discutem seus problemas comuns e da ameaça à paz mundial.

01 de setembro de 1961

Abrindo uma conferência dos países não-alinhados em Belgrado.

Presidente iugoslavo Josip Broz, Tito disse, é uma importante conferência de representantes de 24 países não-alinhados em Belgrado. A flexibilização das tensões entre as superpotências está no coração deste encontro, que dura cinco dias.

03 de novembro de 1961

Juramentos de U Thant como secretário-geral das Nações Unidas.

Após a morte do Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Dag Hammarskjöld, a Assembleia Geral confiou o restante de seu mandato em birmanês U Thant. Após este curto interino, U Thant ser confirmado no cargo em 1962, antes de ser reconduzido para um segundo mandato em 1966.

02 de março de 1962

Derrubada do governo de U Nu na Birmânia (Myanmar).

Problemas de segurança interna, a unidade nacional, desenvolvimento econômico e dissensão dentro do Partido da União em poder empurrar o general Ne Win para orquestrar um golpe militar e derrubar o governo do primeiro-ministro U Nu.

08 de agosto de 1967

Criação da Associação da Ásia do Sudeste.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros dos cinco países do Sudeste Asiático assinaram a Declaração de Bangkok que institui a Associação do Sudeste Asiático (ASEAN). Criado no contexto da Guerra Fria, a aliança econômica, política e cultural criado para aliviar as tensões entre os países da Ásia.

18 de setembro de 1988

Derrubada do governo por Maung Maung Birmânia (Myanmar).

Enquanto as negociações entre o regime ea oposição Maung Maung estão à beira do sucesso, o general Saw Maung, Chefe do Estado Maior das Forças Armadas e ministro da Defesa da Birmânia, orquestra um golpe de Estado e tomou o poder.

17 setembro, 2007

Manifestações precoces de monges budistas em Mianmar.

Monges budistas de Mianmar foram às ruas para demonstrar pacificamente. Eles exigem um pedido de desculpas da repressão brutal do governo cometido contra eles e exigir melhor controle da inflação, o que prejudica a economia do país.

02 de maio de 2008

Ciclone na Birmânia (Myanmar).

De 2 a 03 de maio de 2008, um furacão de categoria 3, chamado Nargis toca a costa sul da Birmânia. Este desastre natural, o maior da história do país, tem sérias conseqüências sobre o ser humano, econômico e político.

13 de novembro de 2010

Aung San Suu Kyi na Birmânia (Myanmar).

O Prêmio Nobel da Paz em 1991, Aung San Suu Kyi é libertada depois de passar os últimos sete anos sob prisão domiciliar. Este evento acontece poucos dias depois de uma polêmica eleição que resultou na vitória do partido apoiado pela junta.

01 de abril de 2012

Eleição de Aung San Suu Kyi à Assembleia do Povo da Birmânia (Myanmar).

Um ano e meio depois de sua prisão, Aung San Suu Kyi, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 1991, foi eleito para a Assembléia do Povo de Burma por-eleições. Este evento segue as aberturas democráticas exibidos pelo governo birmanês nos últimos meses.

Fonte: perspective.usherbrooke.ca

Myanmar

Capital: Naypyidaw (desde Março de 2007)
População: 46,2 milhões
Língua Oficial: birmanês
O grupo majoritário: birmanês (75%)
Grupos minoritários: uma centena de línguas, incluindo Shan (11%), o Arakan (6%), a Karen (5%), a segunda-feira (3%), o Kachin (2,5%), o queixo, o Karenni, o Lahu, o Rohingya, etc.
Sistema Político: República Federal da 7 estados e 7 províncias; partido regime militar.

Localização

Birmânia ou Myanmar (Birmânia: Myanma Pyidaungzu Naingngandaw) é um país localizado no sudeste da Ásia, na península da Indochina.

Este país, com uma área de 678,500 km ² (França: 547 030 km ²), é delimitada a norte pela Região Autônoma do Tibete (China), a leste pela China, Laos e Tailândia, a sul pelo Mar de Andaman e do Golfo da Tailândia, e a oeste pelo Oceano Índico, a Baía de Bengala, Bangladesh e Índia.

Até fevereiro de 2006, a capital do estado de Rangoon estava no Sul, mas desde novembro de 2005, e Pyinmana é alterado durante a inauguração oficial em 27 de Março de 2007, em Naypyidaw, localizado no centro do país.

Forma a Birmânia, em princípio, uma união federal - daí o nome até 1989 da União da Birmânia, e da União de Myanmar - consiste em sete estados povoado teoricamente não birmanesa Norte (Arakan Estado, Estado Chin, Kachin State, Estado de Karen, Kayah Estado, Shan Estado e da Môn Estado) e sete províncias ou "divisões" administrativas habitada por birmanês sul (Rangoon Divisão, Divisão de Irrawaddy, Mandalay Divisão, Divisão de Sagaing, Tenasserim Divisão, Divisão de Magway e Pegu Divisão).

Dados Históricos

A história da Birmânia sempre foi marcada por influências culturais e religiosas da Índia, mas também pelas guerras e repressão sangrenta. O primeiro unificado birmanês Império foi fundada no século XI pelo seg Depois, no século XIII, o reino seg caiu para exércitos mongóis.

Parte da Birmânia então sofre Shans dominação, então, novamente a de Mons. Mencionado sob o nome de Mianmar (o "país das maravilhas") nos escritos de Marco Polo, no século XIII, o país era então chamado o nome do povo Bamar Bamar.

No início do século XIX, o britânico desencadeou a primeira guerra anglo-birmanesa (1824-1826), que lhes deu o controle de uma parte da Birmânia. Eles mudaram o nome da Bamar na Birmânia, que os franceses traduzir mais tarde Birmânia. Depois de uma segunda guerra anglo-birmanesa (1852-1855), toda a Birmânia foi anexada em 1886 e declarada como uma província do Império Indiano, não sem ter massacrado populações inteiras.

Colonização: os britânicos

Os britânicos começaram a colonizar o país militarmente impor a lei ea ordem, administrar a justiça de forma rápida, eliminando a religião e língua dos povos indígenas para promover o idioma Inglês apenas. Os moradores reagiram mal à colonização britânica desajeitada. Era a colonial capital de Pyinmana, localizada no centro do país, o que permitiu aos britânicos para melhor controlar a região.

A resistência foi organizada e, depois de meio século de colonização, os movimentos nacionalistas surgiram em todo o país, de tal forma que, durante a Segunda Guerra Mundial, os britânicos rapidamente perdeu o controle da Birmânia em favor dos japoneses. Finalmente, após a guerra, a Birmânia declarou sua independência em 4 de janeiro de 1948, e se recusou a fazer parte da Commonwealth.

Após a independência

Após a independência, a União da Birmânia desfrutava de relativa prosperidade, perturbado apenas pelas exigências incessantes da Karen e Shan. Em 1962, o general Ne Win tomou o poder após um golpe de Estado e estabeleceu forte regime centralizador, ele se recusou a minorias o direito de secessão.

Política do partido no poder, que foi contratado no "caminho birmanesa para o socialismo" levou a uma catástrofe econômica sem precedentes e foi acompanhada por uma diminuição drástica do liberdades pessoais.

Os principais setores da economia foram nacionalizados. A nova Constituição de 1974 transferiu o partido socialista regra Conselho Militar Revolucionário para a Assembléia Popular liderada pelo general Ne Win e outros ex-líderes militares.

Em 1988, um novo golpe militar ocorrido e lei marcial foi introduzida em resposta a repressões sangrentas. A partir desse momento, o Conselho de Estado para a restauração da lei e da ordem (SLORC) foi posto em prática e renomeou o país Myanmar sob o nome (o "país maravilhoso"). Em 1989, o país adotou o nome de União de Mianmar.

As eleições parlamentares maio 1990 viu uma vitória esmagadora para o partido de oposição, a Liga Nacional para a Democracia, liderada por Aung San Suu Kyi (filha de Aung San, um dos heróis da Independência), mas o SLORC se recusou a realizar a convenção da Assembleia do Povo e prosseguiu a sua política de repressão e de limpeza étnica.

Um estado repressivo

Uma vez que os poderes de exercícios militares cheios na Birmânia, o Comandante-em-Chefe das Forças Armadas (Tatmadaw) exercer o poder legislativo e executivo, com a ajuda de uma Assembleia Constituinte de 485 membros eleitos em princípio. O tribunal o mais importante é o Conselho da Magistratura do povo, já que todos os tribunais civis foram suspensas.

A junta amordaça os meios de comunicação, os jornalistas estrangeiros presos e proibiu qualquer expressão dissidente. Aung San Suu Kyi, líder da Liga Nacional para a Democracia e Nobel da Paz em 1991, ainda está sob prisão domiciliar depois de ser preso. O sangue suprimir SLORC (10 000 mortes em 1988, milhares de) manifestações em favor da democracia.

A comunidade internacional reconhece a violação dos direitos humanos na Birmânia e adoptar sanções econômicas contra o país.

Os jornalistas estrangeiros enfrentam dificuldades crescentes: restrições sobre as condições de concessão de vistos, confisco de seus equipamentos no local, seus filmes ou gravações, sem contar as numerosas expulsões. SLORC mantém arquivos de jornalistas estrangeiros o visto negado se o seu caso não é "satisfatório".

Quanto jornalistas birmaneses considerado "antipatriótica" para escrever "artigos tendenciosos com base em acusações falsas", eles estão sendo mantidos na prisão de Insein em Rangum, lugar conhecido pelas péssimas condições de lá e onde a tortura é uma prática comum. Para a imprensa internacional, a Birmânia agora é administrado por um narcodictature real.

A nova capital

A cidade de Rangoon, com seus 5,3 milhões de habitantes, como uma metrópole habitada por birmanês e minorias étnicas. A maioria da população é hostil ao regime militar que governou o país. É por isso que, a fim de garantir a sua segurança e sua parte traseira, o governo começou em novembro de 2005 para mover os escritórios do governo central em Rangoon ao Pyinmana antiga capital britânica.

Esta cidade de cerca de 85.000 habitantes, está localizada cerca de 380 km ao norte de Yangon, em uma área estreita cercada por montanhas. Assim, os militares se protege colocando população "livre" de Rangoon ela teme. Fortificações subterrâneas lá já foram construídas.

A nova capital também tem a vantagem de a junta militar a ser localizado mais próximo às fronteiras da China e Tailândia, que são, como se sabe, o principal apoio externo. Além disso, em caso de perigo, os membros do plano poderia escapar rapidamente a um ou outro destes países.

No entanto, a circulação de capitais ainda é um exercício muito caro, especialmente para um país pobre como Myanmar. Para minimizar os custos, apenas os ministérios principais (Interior, Defesa, Relações Exteriores, Transportes, Energia, Agricultura, informação, etc.) E do próprio governo são transferidos Pyinmana.

A transferência da capital também permite a reciclagem de dinheiro sujo do tráfico de drogas através da compra e venda de terrenos, construção de edifícios, aeroporto, etc. No caso em que a junta militar perderiam o seu poder a um governo civil e democrático, é provável que Rangoon iria retornar para a capital, para coincidir com a tradição histórica. A transferência da capital foi concluído em 2006. Durante a inauguração, 27 de março de 2007, o nome foi mudado para Pyinmana Naypyidaw, que significa "cidade real".

Em 2011, a junta militar foi oficialmente substituído por um governo civil liderado por um de seus ex-membros. No entanto, o peso do militar a ser predominante.

Fonte: www.tlfq.ulaval.ca

Myanmar

Myanmar (ou Birmânia) é um país misterioso e fascinante. Os incríveis templos de Bagan, os cruzeiros no rio Irrawaddy a partir de Mandalay, as montanhas do Shan, a capital Yangon, as praias de Ngapali, os trekking em torno de Kalaw, o maravilhoso Lago Inle, a ponte de U'Bein, em Amarapura, ou as ilhas do mar Andaman são algumas das atrações que se podem encontrar em viagens a Myanmar. Um destino surpreendente no sudeste Asiático.

Myanmar, rumo à liberdade

Myanmar
Myanmar

Numa altura em que os holofotes mediáticos se acenderam em Myanmar (antiga Birmânia), levamo-lo ao coração de um país extraordinário cujo povo, afável e hospitaleiro, anseia por dias de maior liberdade. De Yangon a Kalaw, de Mandalay a Ngapali, deBagan a Mrauk U, aqui fica o retrato de Myanmar, um estado em ebulição.

Myanmar, rumo à liberdade

Raras vezes se terá falado tanto sobre Myanmar, nos media e nas organizações internacionais, como nos últimos meses. Dezassete anos depois de uma junta militar ter rejeitado os resultados de umas eleições em que a oposição, liderada pela Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, venceu por larga margem, e de ter instaurado um regime repressivo ditatorial no país, o povo, surpreendentemente liderado por milhares de monges birmaneses - comunidade respeitada e normalmente recatada -, parece ter agora força para afrontar o regime militar. O statu quo birmanês estará, finalmente, em causa.

Tal como as imagens de Max Stahl no cemitério de Santa Cruz, em Díli, representaram um ponto de viragem no processo de autodeterminação de Timor-Leste, a presença de jornalistas em Myanmar e o poder das suas imagens não deixarão de contribuir para que as mudanças desejadas pelo povo se venham a concretizar tão breve quanto possível.

Qualquer que seja o desfecho a longo prazo desta rebelião silenciosa, saiba o que poderá encontrar num estado que já foi Birmânia, que agora é Myanmar, e que, independentemente do que vier a ser chamado no futuro, bem merece o apreço dos viajantes.

Viajámos pela antiga capital Yangon, percorremos em silêncio os incríveis templos de Bagan, fomos ao encontro das minorias étnicas nas montanhas em redor de Kalaw, admirámos a destreza dos pescadores do lago Inle, aventurámo-nos por zonas tão remotas como Mrauk U, procurámos o luxo possível de uma “estância turística” em Ngapali, conversámos com a resistência em Mandalay, atravessámos a excêntrica ponte de U Bein e admirámos com deferência a Pedra Dourada de Kyaiktiyo, próximo de Bago.

Eis um retrato de um país de extraordinária beleza, com um povo pobre mas afável e hospitaleiro, numa viagem - quem sabe! - rumo à liberdade. FMG

Yangon, cidade dourada

Myanmar
Vista do centro de Yangon, antiga capital de Myanmar

Não há muitas cidades onde se regressa sem encontrar diferenças.

Yangonantiga capital de Myanmar, foi uma destas raridades, um lugar onde, seis anos mais tarde, me pareceu não se ter passado nada: as ruas continuavam sem iluminação, os buracos dos passeios cada vez maiores, os cortes de energia igualmente frequentes. Talvez por isso os generais decidiram construir uma nova capital de raiz, mais a Norte, em vez de melhorar a cidade - e a vida dos seus habitantes.

Yangon é muito mais do que uma cidade decadente e de trânsito caótico: a fusão de birmaneses, indianos e chineses e a profusão de templos, como o magnífico Shwedagon ou o Sule, transformam Yangon numa cidade localmente cosmopolita e com um sólido número de monumentos absolutamente únicos na sua riqueza e espetacularidade.

Para a população local, profundamente budista, é normal sair da confusão das ruas e fazer uns momentos de prece, antes ou depois do trabalho, ou mesmo gozar apenas de uns instantes de repouso à sombra, entrando num dos pátios circulares que rodeiam estes gigantescos templos em forma de sino cobertos de folha de ouro.

A atmosfera é mágica: dezenas de pessoas rodam no sentido dos ponteiros do relógio em torno da paya, o pagode central, e os ruídos da cidade desaparecem para só se ouvir o roçar das roupas dos que se prostram em oração, o tilintar das folhas de ouro presas no topo.

O cheiro do incenso e o brilho ofuscante do ouro espalham-se pela cidade, iluminando no sentido mais material as almas sofredoras dos birmaneses, há mais de quarenta anos debaixo de uma violenta ditadura militar: o Shwedagon, provavelmente o templo mais visitado do país, tem quase sessenta metros de altura, uma boa parte em ouro maciço e milhares de diamantes no topo. Um tesouro no coração da cidade.

Bagan, pérola de Myanmar

Bagan é, indiscutivelmente, a região mais visitada de Myanmar, e os motivos para tal sucesso ultrapassam os dois mil. Do alto de uma carroça puxada por um cavalo percorro, sozinho, as ruas de areia solta que serpenteiam por entre os templos de Bagan.

São mais de dois milhares de templos que pintalgam a paisagem, espraiados ao longo das margens do rio Ayeyarwady por uma área de quarenta quilómetros quadrados.

Nos templos mais imponentes, elegantes, bem preservados e sagrados, como Shwezigon ou Ananda, encontram-se porventura demasiados forasteiros para uma visita que se deseja recatada, mas muitos outros templos de menor dimensão merecem a atenção do viajante. Inclusive os que não têm sequer a honra de figurar nos mapas da região.

Ao segundo dia, escolho a bicicleta como meio de transporte e sigo ao sabor da brisa vespertina, em busca do silêncio, da paz, do melhor que Bagan tem para oferecer. Pedalo para longe dos aglomerados de turistas e vejo um templo despido de gente. Outro mais pequeno, apenas com um vendedor de pinturas de areia. Outro. E outro.

O sol ameaça pôr-se quando o cansaço já aperta. Paro a bicicleta, olho para o cimo de um minúsculo templo sem nome, entro. Um birmanês aparece e indica umas escadas frias e escuras que conduzem ao terraço de pedra. Diz que o templo se chama Tayok Pye. Partilhamos um cigarro, a leveza do encontro inesperado, o silêncio. E assim me deixo ficar, olhando a bola alaranjada que se esconde lentamente atrás do horizonte. Em paz.

Lago Inle, parado no tempo

O lago é uma bela extensão de água azul presa entre montanhas, de onde sai um labirinto de canais debruados a casas lacustres, polvilhado de ilhotas flutuantes onde cada família faz nascer flores e legumes. Um espelho liso e líquido, imperturbável, do qual dependem milhares de pessoas.

Os ofícios mais importantes são a agricultura, a pesca e os charutos.

Tudo feito com extrema graciosidade: os pescadores dançam um estranho balé com o remo dos seus barcos achatados, segurando-o com um braço e uma perna e girando sobre si próprios, enquanto desenrolam o fio de pesca na água ou fazem mergulhar uma rede cônica até ao fundo do lago; em quiosques e pequenas fábricas artesanais, mulheres de gestos delicados enrolam os famosos charutos com pouco tabaco e muitas ervas aromáticas - e fumam enquanto dão de mamar aos filhos. As ilhas cultivadas, assim como alguns templos lacustres, alcançam-se de barco a motor ou a remo, que nem mulheres nem crianças desdenham conduzir.

Nos mercados mais próximos, como o de Nyaungshwe, homens e mulheres com a cara besuntada de tanaka, uma pasta feita com água e madeira de sândalo, vendem os produtos da terra, os charutos, misteriosas folhas verdes, lagartas gordas já cozidas, bolinhos com um nauseabundo cheiro a peixe seco e muitos outros produtos essenciais - pelo menos por aqui. Os turistas vão chegando e ficando, enfeitiçados pela beleza e placidez do lago, pelo estilo de vida simples e milenar.

Kalaw, trekking nas montanhas

Localizada numa das mais fascinantes regiões de Myanmar - a província do Shan -, Kalaw proporciona um contato estreito com as pequenas montanhas birmanesas e com as minorias étnicas que nelas habitam. E o ideal é, sem dúvida, fazê-lo a pé.

Parto em direcção às regiões montanhosas que abraçam Kalaw na companhia de um guia de origem indiana e conhecedor dos dialetos falados pelas diversas tribos da província. Numa paisagem dominada por arrozais, búfalos trabalhadores e uma floresta relativamente densa, sigo por caminhos de terra batida atravessando povoados habitados por gentes Pa-O, Palaung e Dhanu. São aglomerados de casas rudimentares que servem de abrigo a gente simultaneamente risonha e tímida, humilde e hospitaleira.

Pernoito numa casa escolhida pelo guia, que serve também de intérprete nas conversas entre mim e os amabilíssimos anfitriões. O chão é a mesa e a cama; as janelas são um retângulo aberto nas paredes de bambu; a casa de banho é um cubículo pestilento, lá fora. Mas o convívio com a família Dhanu vale por todo o desconforto. Ao final do segundo dia de caminhada, atravesso a linha de caminho-de-ferro e nada tarda chega-se novamente a Kalaw. Bem a tempo do mercado de rua de Kalaw, animado e colorido, que se realiza a cada cinco dias. Amanhã lá estarei.

Kyaiktiyo, de ouro e de fé

Se a fé movesse montanhas, Myanmar seria, sem dúvida, um dos países mais planos do mundo: não têm conta os lugares de adoração espalhados pelo território, profusamente decorados com folha de ouro, incensados e visitados diariamente por centenas ou milhares de pessoas.

Um dos mais sagrados é a Pedra Dourada de Kyaiktiyo, que a tradição diz estar equilibrada sobre um cabelo de Buda e que só ele a impede de se despenhar do penhasco improvável onde se equilibra. Verdade ou não, o penedo redondo é uma visão impressionante a qualquer hora do dia, não só pela sua posição instável como por reluzir de ouro.

Os peregrinos, entre os quais muitos monges, vão chegando a partir de meio da manhã em camiões, e ficam por ali todo o dia, rezando, conversando e fazendo uma sesta à sombra antes de partir. Filas de monjas vestidas de cor-de-rosa e monges mais velhos com as suas túnicas cor de açafrão rezam em coro - mas só os homens têm o direito de se aproximar do rochedo para o ritual da oferta de pequenos quadradinhos de folha de ouro, que materializam as suas orações quando pressionados contra a Pedra Cada Vez Mais Dourada.

O calor e as orações cantadas pelos monges parecem ondular por todo o recinto, uma plataforma panorâmica sobranceira à paisagem verde e tropical de onde saem penachos de fumo que assinalam pequenas aldeias.

Ngapali, diz que é uma espécie de resort

Não será o ponto mais forte de Myanmar, é certo, mas nem por isso deixa de valer a pena percorrer o extenso litoral do país em busca de paisagens que inspirem o dolce fare niente típico de um resort de praia. É preciso, apenas, tempo e despojamento em relação aos padrões de conforto normalmente exigíveis quando o assunto é férias na praia.

Escolho Ngapali, fora da rota tradicional do turismo de “mochila às costas”, como destino de praia temporário. Fica a um dia de viagem de Bagan, ou a quase nada de avião. Por uma vez, decido voar.

Chego a Ngapali e encontro uma praia imaculada, uma linha de areia fina com três quilómetros de extensão limitada por várias filas de palmeiras, com resorts e bungalows bem cuidados e agradáveis a espreitarem pelas folhagens. No areal da praia, juntas de bois auxiliam os pescadores do mar Andaman, mulheres calcorreiam a beira-mar com toros de madeira à cabeça e não há vendedores ambulantes a exasperarem os viajantes. Nas proximidades, existe um campo de golfe para os forasteiros amantes da modalidade.

Dizem-me que são cada vez mais os turistas que chegam a Ngapali em busca deste exotismo primitivo, do luxo sem luxos e a preços em conta - ainda que elevados para os padrões birmaneses. Quem sabe, aliás, se Ngapali não se transformará num dos próximos destinos da moda do mar Andaman.

Mrauk U, tesouro tropical

Esta era a “cidade do Arracão” dos relatos portugueses do séc. XVI. Os seus magníficos templos, espalhados por numerosas colinas baixas que se erguem cobertas de palmeiras, datam da época em que estes navegavam por aqui.

Foram construídos por vários soberanos, durante as épocas de opulência, e hoje ainda podemos visitar cerca de setenta, escurecidos pelo tempo e recheados de imagens de Buda. Um dos mais imponentes é o Shittaung, espécie de fortaleza no cimo de uma pequena colina que dizem ter sido construído para celebrar a vitória frente a um ataque dos portugueses, em 1535. O nome significa Templo das Oitenta Mil Imagens, as recolhidas pelo rei Minbin nos territórios budistas conquistados, e foi durante muito tempo a residência do sumo-sacerdote arracanês.

Mas mais do que proporcionar uma viagem ao passado, a viagem de cinco dias entre Yangon e Mrauk U, por terra e por mar, com uma deliciosa paragem na ilha de Kyaukpyu, é uma amostra real do país profundo: um povo de modos aristocráticos e delicados, generoso mesmo na pobreza; um clima intenso, quase sempre quente e húmido (à excepção das montanhas); aldeias de casas construídas com materiais oferecidos pela natureza - madeira e folhas de palmeira, caniços, estacas enterradas na lama dos rios. Arrozais e floresta, rios opacos e amarelados.

E por fim Mrauk U: as mesmas vidas simples entre monumentos majestosos.

Mandalay, berço da resistência

É a segunda maior cidade do país e está longe de ser a mais bonita das urbes birmanesas, mas alberga a mais famosa e subversiva trupe de comediantes de Myanmar, Além disso, em seu redor existem pérolas arquitetônicas como a ponte U Bein, em Amarapura, ou o Pagode de Mingun.

Já a tarde vai alta quando chego a Amarapura. À minha frente, os 1.200 metros de toros de madeira da ponte U Bein, sobre o lago Taungthaman, absorvem as cores quentes de um entardecer sublime. Um punhado de monges aguarda por uma oportunidade para praticarem o seu inglês com os ocasionais forasteiros.

Mulheres atravessam a ponte com sacos, cestos e bilhas à cabeça, indiferentes à beleza que emana do movimento das suas silhuetas no cimo da ponte.

Não muito longe, fica a cidade histórica de Mingun, nas margens do rio Ayeyarwady. Um pequeno barco a motor leva-me até lá. A vida das comunidades que ali habitam gira toda em torno do rio. Ele é a sua banheira, a torneira de água, o frigorífico natural onde “guardam” o peixe que consomem, a lavandaria, até o esgoto. Quando chego a Mingun, aonde fui com o objetivo de ver um curioso pagode, avisto uma montanha com uma porta. Literalmente. Lá dentro, o templo escavado nas rochas, o monte, a mãe Terra. Uma visão surpreendente.

Regresso a Mandalay para assistir a um espetáculo dos comediantes Moustache Brothers.

Já foram detidos por “fomentar a desunião do país”, receberam a visita da Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, continuam a fazer rir com as suas metáforas políticas, lutam para que chegue um dia muito especial: “Nunca desistiremos. A democracia há-de chegar a Myanmar”, dizem-me. Terá chegado, finalmente, a hora?

Quando ir

A melhor época para visitar Myanmar (Birmânia) é o Inverno, entre Outubro e Fevereiro, para escapar à estação quente que antecede a monção de Junho - Setembro.

Gastronomia

À excepção dos restaurantes de hotel, é difícil recomendar restaurantes e garantir que se encontram abertos ano após ano. O melhor é entrar nos restaurantes populares que encontrar e espreitar a comida.

Ao contrário da vizinha tailandesa, esta não é nada de entusiasmar: é quase sempre composta por arroz e caris variados, geralmente de galinha, peixe e camarão - o camarão é usado como tempero para quase tudo. Sopa de massa com peixe (mohinga) é o pequeno-almoço tradicional, mas qualquer pensão lhe arranja um pequeno-almoço europeu. Uma refeição normal pode ir de 1 a 10 euros.

Outras Informações

A União de Myanmar (antiga Birmânia) situa-se entre a Tailândia e o Bangladesh, a China, a Índia e o Laos. Abriu lentamente as portas ao turismo, primeiro com o monopólio do estado e agora com pequenas pensões e restaurantes familiares que ajudam a economia local.

Desaconselhamos o uso dos serviços da empresa turística MTT, assim como da companhia aérea Myanmar Airways, que pertencem ao estado, a menos que goste da ideia de financiar uma das mais violentas e longas ditaduras asiáticas; a prémio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, em prisão domiciliária desde que ganhou as únicas eleições livres, em 1990, chegou mesmo a desaconselhar a visita de turistas para “castigar” a junta militar que controla o país há décadas.

O custo de vida é muito baixo. Aconselha-se levar notas de Euros de pequenas quantias; 1 Euro vale cerca de 9.000 kyats, a moeda local. Deve levar dinheiro para toda a viagem, porque não há Multibancos e nem todos os bancos fazem câmbio - mas há sempre alguém numa loja ou hotel que o pode ajudar.

A língua estrangeira mais falada é o inglês, e grande parte das pessoas nas cidades sabe dizer algumas palavras. Em termos gerais de alimentação, transportes e dormidas, Myanmar não é um país a aconselhar ao viajante independente muito preocupado com o conforto. Deve beber água engarrafada e evitar comida crua ou fruta por descascar, mas não é exigida nenhuma vacina.

Fonte: www.almadeviajante.com

Myanmar

Myanmar (Birmania)

Iniciaremos o percurso na capital, Yangon, para percorrer depois uma zona norte, as regiões de Mandalay, Bagán e a zona do Lago Ingle. Por último visitaremos alguns lugares na costa birmana.

Yangon (Rangoon)

É a capital do país e está situada nas margens do rio Hlaing a 30 quilômetros da costa. Suas ruas largas ainda conservam a arquitetura de suas edificações características da colonização britânica. De noite, a vida se torna mais divertida na cidade e nos bares e restaurantes fazem gala de suas melhores especialidades.

Um dos atrativos mais importantes de Yangon, aparte do seu casco colonial, sem dúvida é o Pagode de Shwdagon que data do século XV e mede quase 100 metros de altura. O budismo considera este lugar como um dos mais destacados centros sagrados.

É impressionante a recoberta de lâminas de ouro com que se decorou a construção, Shwe significa dourado, além de contar com uma valiosa coleção de jóias e pedras preciosas que pertenceram a reis e nobres do país. 2.500 anos de antigüidade há dado margem a coleção de 8.000 lâminas de ouro, 5.000 diamantes e outras 2.000 pedras preciosas.

Outros pagodes importantes são: o Pagode de Sule, que encontra-se no centro da cidade; o Pagode Kada Aye, construída para recolher ao sexto sínodo budista e para comemorar o 2.500 aniversário da "Iluminação de Buda"; e o Pagode Botataung que foi reconstruída na sua totalidade depois da Segunda Guerra Mundial e é conhecida pelas reformas no teto que estão compostas de espelhos.

O Museu Nacional encontra-se na rua Pansodan (Phayre) e guarda verdadeiras peças de coleção. Está composto de três andares e é no primeiro andar onde encontra-se as relíquias reais e os tesouros arqueológicos.

Arredores da Capital

Pegu (Bago) encontra-se a 80 quilômetros ao nordeste na linha do trem de Mandalay. É a antiga capital medieval e se considera o berço da civilização mon. O colorido mercado é um atrativo especial da zona. Também encontra-se os Pagodes de Shewmawdaw, de arquitetura siamesa, e a de Kyaitpun que chama a atenção pelos quatro Budas sentados de costas e outras figuras representativas.

Syriam é uma importante cidade industrial e se há convertido no centro de comércio internacional para as classes populares da região. Ali pode-se tomar uma embarcação desde Yangon que atravessa o rio Pegu para apreciar as ruínas portuguesas e o Pagode Kyaik Khauk situada sobre uma colina com uma estopa dourada que se pode reconhecer desde longe.

A 160 quilômetros da capital está Kyaikhtiyo. Para visitar sua famosa e o legendário Pagode na Pedra Dourada, (Kyaik-Hit-Yo) deverá ascender 11 quilômetros de montanha, apesar que também se pode ir em carro. Segundo a tradição, somente um fio de cabelo de Buda separa este imenso penhasco do precipício que se abre a seus pés.

A pedra está revestida com lâminas de ouro sobrepostas, depositadas durante séculos de peregrinações. Para fazer suas oferendas, os fiéis fazem uma subida de umas quatros horas. Este é um dos lugares mais sagrados do Myanmar.

A região de Mandalay

Mandalay foi a última capital de Myanmar antes da invasão britânica e por isto tem uma vital importância como centro cultural. É a segunda cidade mais povoada do país e o meio de transporte mais comum da zona são os trishaws e as carroças. Suas zonas desérticas constituem uma paisagem de inigualável beleza.

É chamada "a dos brancos templos e embarrados arrozais pintados pelo rio Ayeyarwady". De cor branco é o Pagode de Kuthodaw, que conta com 729 monumentos de mármore alinhados, lápidas que recebem a escritura do canon budista como uma Bíblia petrificada. O negro monastério de madeira Shwe Nandaw Eyaung, construído quase de uma peça, é uma das mais originais amostras de arquitetura birmania em madeira.

O Palácio Real é também uma bela e impressionante amostra da arquitetura de madeira. Foi incendiada durante a Segunda Guerra Mundial, como muitos outros monumentos. Outro exemplo deste estilo é também o Shwenandaw Kyaung, antigo palácio do rei Mindon, hoje convertido em mosteiro.

Desde a colina de Mandalay se obtêm as melhores vistas da cidade. A seus pés está o Pagode Kyauktawgy, também da época do rei Mindon, com um Buda de mármore em seu interior. Se necessitaram 10.000 homens durante 13 dias para instalar no templo. Ao sul da cidade, outro pagode, a de Mahamuni.

Arredores de Mandalay

Uma das antigas capitais, hoje retiro de budistas, que se encontram nos arredores de Mandalay é Sagaing. Próximo está o Pagode Kaunghmudaw.

Outra velha capital é Amarapura, conhecida por sua indústria de seda, o mais interessante para ver é o Pagode Kyautawgyi, ao lado da ponte U Bein.

Também histórica é Inwa, na que destaca o Mosteiro Okkyaung. De sua parte, Ava¸ junto a ponte do mesmo nome, é famosa por seu Mosteiro Maha Aungmye Bonzan. A maior pagode da zona está em Monywa, sobre o rio Chindwin, e se chama Thanboddhay, se diz que chegou a ter 582.357 imagens de Buda. Aqui tem que visitar as covas Pho Win Taung.

Cruzando o rio Ayeyarwady desde Mandalay, se chega a Mingun. Ali tem que visitar uma inacabado pagode e a campana gigante. E por último Pyin-U-Lwin (Maymya), situada a 1.100 metros sobre o nível do mar, que conserva sua velha estação britânica. As ruínas de Sri-Sshetra merecem uma visita.

A seguinte parada no caminho a Bagan é Myingyan. Desde ali se pode ascender a Pakkoku e alugar um bote, se deseja percorrer o caminho pelo rio.

Arredores de Bagan

A proximidade do rio Ayeyarwady permitiu o desenvolvimento de uma importante civilização agrícola em torno a Bagan. Desde 1975, a UNESCO impulsa um ambicioso programa de restauração dos principais monumentos, em que participam centenares de trabalhadores locais.

A cidade de Bagan é um tesouro arquitetônico, conhecido por seus numeroso templos. A antiga capital birmana tem mais de um milênio de antigüidade, como confirmam suas ruínas, a 190 quilômetros ao sul de Mandalay, um dos lugares arqueológicos mais importantes de Ásia.

Entre as mais de duas mil pagodes, destaca por sua elegância Dhammayangyi, por sua altura Thatbyinnyu, e por sua beleza a de Ananda, um santuário em que se encontram diversas imagens de Buda, e ao que se chega atravessando diversas galerias centricas. Ananda tomou seu nome de um discípulo favorito de Buda, guia do budismo em Birmânia.

O pagode de Shwezigon tem valor por ser o primeiro monumento construído com os nascentes esguichos de ouro do rei Anawraahta. O pagode contêm um calefator de influência mon. Outro templo importante é o de Sulamani, construído em 1174 pelo rei Narapatisithu. Possui relevos e estátuas de caráter tântrico em cor branco azulado escuro. Porém o mais comovedor é a fachada.

Arredores de Bagan

Ao sul de Bagan, perto da localidade de Myinkaba, está o Templo de Manuha.

A uns setenta quilômetros ao sudeste de Bagan se eleva o emblemático Monte Popa, que surgiu logo após que um terremoto sacudisse a parte central da antiga Birmânia. As cinzas e a lava vulcânica converteram sua ladeiras em uma terra muito fértil e cheia de exuberante vegetação. O nome provêm do sânscrito e significa "flor". Neste lugar um grupo de sacerdotes praticam o beijo da morte, uma cerimônia na que as religiosas se beijam com cobras reais.

Taungmyo ou "Cidade do Sul" é conhecida por suas indústrias artesanais de algodão e seda. Ali se podem conhecer o Pagode de Patodawgyi com uma estupa em forma de campana que se levanta sobre cinco terraços.

Bagaya Kyaung aloja um dos maiores mosteiros do país e nele se congregam mais de 700 monges dando-lhe um semblante de recolhimento e veneração a edificação.

Em Pyay, além da cidade e dos templos, há que visitar ao antigo recinto arqueológico de Sri Ksetra.

O Lago Taungthaman na zona sul tem a particularidade de que se seca no inverno e provêm de terra fértil para o cultivo. Pode-se cruzar a Ponte U Bein de madeira de teca que cruza a paisagem com pequenas zonas de descanso para os visitantes. Também se pode visitar o Forte Thabyedan de estilo europeu.

Podem-se percorrer desde aqui também as zonas de Sagaing, que foi a capital do reino Shan onde se encontraram os Pagodes Htypayon, Hgadatgyi, e Kaunghmudaw na que se crê que guarda o "Dente de Buda de Kandy"; e Mingoun, a antiga capital real na que se ascende em barca desde o rio.

A Meseta Shan e o Lago Ingle

Ao nordeste de Myanmar se situa o Lago Ingle, rodeado de colinas e onde florescem as orquídeas. É admirável a beleza com que se deixa flutuar em suas águas nenúfares e jacintos flutuantes. Em suas margens vivem os Intha, "Homens do Lago", que cultivam vegetais sobre ilhas flutuantes e remam com as pernas.

Um espetáculo impressionante e cheio de misticismo. A população Intha tem idealizado uma forma original de cultivo, que aproveita a vegetação lacustre para criar verdadeiros hortos flutuantes sobre a água. Na atualidade a comunidade está formada por umas 70.000 pessoas, instaladas nas aldeias e ilhas do lago e vivem sobre este com suas casas construídas em cima de pilotes, seus cultivos flutuantes e sua atividade pesqueira.

Os Intha praticam formas peculiares de pesca e agricultura, esta se realiza sobre ilhas vegetais de um metro de grossura, que flutuam sobre a água.

Por esta zona encontra-se Heho que é onde está o aeroporto e é a verdadeira porta de acesso a zona. Também situa-se neste ponto Taunggyi, a capital Shan, que domina o lago e conta com vários picos. O mais sobressalente são o Taunggyi ou "Grande Montanha". Perto encontra-se um colorido mercado popular e o Museu Regional.

No mercado aquático de Ywana que se celebra cada cinco dias, os campesinos chegam com suas barcas, para vender suas verduras e hortaliças. Um circuito recomendável em barca passar pelos jardins flutuantes e o Mosteiro de Kyang Phaung Daw U, o lugar mais sagrado do estado de Shan. Não muito distante existe um centro termal onde se pode desfrutar em piscinas comunitárias. Também não podemos esquecer o Santuário dos Nat, acessível unicamente em canoa.

Encontra-se perto de Nanthe entre grandes comércios, porque a tradição impede cortar árvores.

Paya Kyaunkpygyi alberga um gigantesco Buda sentado de mais de 700 anos, rodeado de leões e estupas de ladrilhos e estuco.

Kyaung Nga Phe é um mosteiro de madeira construído sobre pilotes, quatro anos antes do palácio de Mandalay.

Pindaya é uma pequena localidade onde as casas se construíram ao longo da colina. Ali encontra-se a Caverna de Pindaya onde se guardam numerosa imagens de Buda que foram depositando ao longo da história da população. Ao noroeste encontra-se as covas neolíticas de Ye-ngan das que se diz que foram lugares de fabricação de armas. Não muito longe está Kalaw, uma antiga estação britânica.

Na parte leste do estado de Shan está Kyaing Tonge, famosa por suas paisagens e suas, tribos das montanhas. Entre os lugares para ver destacam o Pagode de Naung-Tong, o Mosteiro de Sunn-Taung, e Loi-mwe ou a montanha mística .

Yaing Tong se abriu nesta década ao turismo. Encontra-se perto da fronteira com China.

A Costa de Myanmar

O estado de Arakan encontra-se no Golfo de Bengala. Uma vez ali seguimos rumo norte pela costa até Sittwe e próximo a este último encontra-se Mrauk-U, a antiga cidade do reino Rakhine do século XV. É famosa por seus templos antigos que exibem curiosas pinturas de influência indiana sobre seus muros.

Entre os lugares que se podem visitar está o Templo de Shittaung-paya, que conta com imagens de Buda e releves interessantes; o templo-fortaleza Htaukkan-thein, em que são remarcáveis as esculturas de pedra; as covas do templo de Andaw-thein, cheias de motivos florais; Sakya-man-aung, e o Museu Arqueológico.

Também podemos tomar um barco até Sandoway. Ali se pode desfrutar da praia de Ngapali, a mais bonita do país. São 3 quilômetros de areia e um mar ideal para nadar.

Em Kyaiktiyo, cerca de Kyaikto está o Pagode Balancing. Na costa sul está Pathein, perto da capital.

Fonte: www.rumbo.com.br

Myanmar

Nome oficial: União de Mianmar (Pyidaungsu Myanma Naingngandaw).
Nacionalidade: birmanesa.
Data nacional: 4 de janeiro (Independência).
Capital: Yangun (ex-Rangum).
Cidades principais: Yangun (2.513.023), Mandaly (532.949), Mawlamyine (219.961) (1983).
Idioma: birmanês (oficial), dialetos regionais.
Religião: budismo 89,1%, cristianismo 4,9%, islamismo 3,8%, outras 2,2% (1990).

Geografia

Localização: sudeste da Ásia. 
Área: 678.033 km2. 
Clima: tropical com chuvas de monções. 
Área de floresta: 272 mil km2 (1995).

População

Total: 45,6 milhões (2000), sendo birmaneses 69%, chans 9%, karen 6%, raquines 5%, outros 11% (1996). 
Densidade: 67,25 hab./km2. 
População urbana: 27% (1998). 
População rural: 73% (1998).
Crescimento demográfico: 1,2% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade: 2,4 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 58,5/62 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil: 79 por mil nascimentos (1995-2000). 
Analfabetismo: 15,3% (2000). 
IDH (0-1): 0,585 (1998).

Política

Forma de governo: ditadura militar desde 1988. 
Divisão administrativa: 7 divisões e 7 estados. 
Principais partidos: Liga Nacional pela Democracia (LND), Liga Chan de Nacionalidades pela Democracia, Liga Arakan (Raquine) pela Democracia (na ilegalidade). 
Legislativo: suspenso desde 1988. O Parlamento eleito em 1990 não foi instalado. 
Constituição em vigor: suspensa em 1988.

Economia

Moeda: kiat.
PIB agropecuária: 53% (1998). 
PIB indústria: 9% (1998). 
PIB serviços: 38% (1998). 
Crescimento do PIB: 6,3% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita: US$ 760 ou menos (1998). 
Força de trabalho: 24 milhões (1998). 
Agricultura: arroz, semente de gergelim, leguminosas, feijão. 
Pecuária: bovinos, búfalos, suínos, aves. 
Pesca: 917,7 mil t (1997). 
Mineração: gás natural, petróleo, estanho, zinco. 
Indústria: alimentícia, bebidas, materiais de construção (cimento), fertilizantes, refino de petróleo, têxtil. 
Exportações: US$ 1,1 bilhão (1998). 
Importações: US$ 2,7 bilhões (1998). 
Principais parceiros comerciais: Cingapura, China, Malásia, Índia, EUA, Japão.

Defesa

Efetivo total: 349,6 mil (1998). 
Gastos: US$ 2,1 bilhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Check Also

Félix Emile Taunay

Félix Emile Taunay

Nascimento: 1 de março de 1795, Montmorency, França. Falecimento: 10 de abril de 1881, Rio …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 1 =