Breaking News
Home / Automóveis / História da Tucker

História da Tucker

Preston Tucker

PUBLICIDADE

Nome completo: Preston Thomas Tucker

Nascimento: 21 de setembro de 1903.

Morte: 26 de dezembro de 1956 (53 anos).

Nacionalidade: Estados Unidos.

Tucker Torpedo

O Tucker 48 Sedan (também chamado Tucker Torpedo) é um automóvel de passageiros à frente de seu tempo, desenvolvido pelo empresário americano Preston Tucker e fabricado em Chicago em 1948.

Ela tem um corpo sedan com quatro portas, e foram feitas apenas 51 unidades, antes de a empresa foi fechada por acusações de fraude.

O automóvel 48 Tucker, fruto da imaginação de Preston Thomas Tucker e projetado pelo renomado estilista Alex Tremulis, representa uma das últimas tentativas feitas por um fabricante de automóveis independente para entrar no negócio de carros de alto volume.

Preston Tucker foi uma das figuras mais reconhecidas da década de 1940, com controversas enigmáticas em relação a seu automóvel homônimo.

Seu carro foi saudado como “o primeiro carro completamente novo em 50 anos.” De fato, a publicidade prometeu que era “o carro que você estava esperando.”

No entanto, muitos críticos menos cortesia viu o carro como uma fraude e um sonho.

Muitas inovações do Tucker foram e continuam a ser cercada de polêmica.

Na falta antes de ter a chance de ter sucesso, ele morreu em meio a má imprensa e escândalo financeiro depois de apenas cinquenta e um de unidades foram montadas.

História da Tucker
A Tucker no Museu Auto Blackhawk

História

Após a Segunda Guerra Mundial, os empresários como Henry J. Kaiser e Preston Tucker viu uma oportunidade para entrar no mercado automotivo.

O governo dos Estados Unidos sofreu um corte abastecer suas fábricas e deu prioridade às empresas empresários independentes, em vez de grandes empresas que já tiveram grandes benefícios por Guerra como a produção contrastistas.

Studebaker foi o primeiro, com um modelo inteiramente novo de pós-guerra. Mas Tucker seguido um rumo diferente, projetando um carro seguro com características inovadoras e um design moderno e elegante. Suas especificações incluem um motor traseiro como Porsche (ou seja, de seis cilindros opostos), freios a disco, o ar frio e de injeção de combustível, a localização de todos os instrumentos no volante, e um painel acolchoado.

O famoso designer Alex Tremulis, que já havia trabalhado para Auburn / Cord / Duesenberg, foi contratado em 24 de dezembro de 1946, apenas seis dias antes do fim do projeto.

A 31 de dezembro de 1946, Tucker aprovou o projeto, o Tucker Torpedo.

Tucker também contratou outra empresa para realizar um modelo alternativo, mas apenas levou lanternas traseiras que tinham uma forma horizontal e que são o modelo final.

Design inovador

Os componentes mecânicos foram inovadores. O caixilho perímetro deu ao veículo uma proteção contra colisão. A caixa de direção atrás do eixo dianteiro para proteger o condutor em uma colisão frontal, mas muitas inovações foram negligenciadas. Rodas de magnésio, freios a disco, faróis reguláveis e conversor de torque da transmissão não passou do papel.

No entanto, o motor do carro novo entrou em produção por um longo período.

Foi um boxer de seis cilindros digite 589 pol³ (9,7 L) do motor, de 150 hp (112 kW) de potência máxima. Teve câmaras de combustão hemisféricas e válvulas de injeção de combustível na cabeça operado por óleo pressurizado em vez da árvore de cames. Esses recursos foram pioneiros na indústria automobilística em 1948, mas para fazer avançar o desenvolvimento do motor, foram problemas. O trem de válvulas do motor mostrou problemático. O cabo do motor e transmissão foram montados em subtramas, cada um dos quais puderam ser removidos em minutos com apenas soltar seis parafusos, outra visão de Tucker permitindo melhores tempos nas viaturas de serviço quando você exigir a desmontagem do motor .

O carro final tinha apenas 1.524 milímetros (60 polegadas) de altura, mas tinha um grande espaço interior. Destacando sua terceira luz endereçável, apelidado de “olho Ciclopes” para uso em curvas.

O sonho de Preston

Um engenheiro visionário e ingênuo ou um homem de negócios mal sucedido?

Preston T. Tucker nasceu em Capac, no estado de Michigan, nos Estados Unidos em 21 de setembro de 1903. Começou a trabalhar como contínuo na sede da Cadillac Motor Company. Sua audácia natural ele colocou em prática na polícia que atuava nos arredores de Detroit. Depois de casado, aceitou o cargo de vendedor numa concessionária de Memphis, no Tenessee, chamada Mitchell Dulian. Vinte anos mais tarde, o mesmo Dulian seria diretor comercial da Tucker Corporation.

História da Tucker
Carroceria de plástico ou alumínio e teto de vidro compunham o projeto original, mas foram logo descartados

Em 1933 já era diretor comercial da Pierce-Arrow e, mais tarde, proprietário de uma concessonária Packard em Indianápolis. Nesses anos todos nunca deixou de elaborar seus planos industriais. Em 1940 fundou em Ypsilanti, Michigan, a Tucker Aviation Corporation, que fabricava tanques, aviões e canhões para a Segunda Guerra Mundial.

Com o final do conflito em 1945, ele realizou seu grande sonho: construir um automóvel seguro, rápido, baixo, longo, aerodinâmico.

Nascia o projeto do Tucker Torpedo.

Originalmente o teto seria de vidro, a carroceria de plástico ou alumínio e o chassi de aço tubular. O motor de 150 cv, colocado transversalmente na parte traseira, seria capaz de levar o carro a 210 km/h. A transmissão seria por conversores de torque.

História da Tucker
Depois de 15 anos idealizando, Tucker construiu o Torpedo: obsessão por segurança

Continuando a revolução, um motor hidráulico acionaria os limpadores de pára-brisa e os vidros, e os pára-lamas dianteiros se moveriam com as rodas para que os faróis iluminassem a parte interna das curvas. Os faróis teriam tampas comandadas por células fotoelétricas, para fecharem de dia e abrirem à noite. Dizem que Tucker trabalhou e idealizou este automóvel por 15 anos.

A idéia dos pára-lamas móveis foi abandonada e o projeto final deu origem a um enorme sedã de quatro portas com carroceria fastback. Tucker era obcecado por segurança. O carro tinha maçanetas recuados para dentro das portas, o espelho interno era de plástico flexível e estava colocado num suporte pouco resistente e o interior era todo acolchoado. O pára-brisa ficava encaixado sobre uma espuma de borracha, de modo a ser projetado para fora quando uma pressão de 6,8 atmosferas fosse aplicada sobre ele pela parte de dentro.

História da Tucker
O farol central movia-se para iluminar o caminho nas curvas. Atrás, a grade de refrigeração do motor de 9,6 litros, depois substituído por um de helicóptero

Os cintos de segurança foram testados e discutidos. Os executivos do departamento de vendas disseram que, se eles fossem acessórios originais, poderiam sugerir que o carro era perigoso. Tucker não gostou nem um pouco, mas aderiu à idéia a contragosto.

Ainda como excentricidade, o velocímetro ficaria sobre o capô do motor. Esta idéia foi abandonada, pois o interior do carro estava muito simples — e, sempre que se abria o capô, alguns metros de fio do cabo de velocímetro vinham junto.

O motor que estava sendo desenvolvido era um seis-cilindros horizontais de 9,6 litros. Tinha bloco de alumínio fundido e um mecanismo hidráulico para as válvulas. Os cilindros eram alimentados por injeção de gasolina. Com uma taxa de compressão de 6:1, o motor rendia uma potência de 150 cv, ideal para a transmissão por conversor de torque. Atingia 80 km/h com apenas 500 rpm. Foi concebido para ter altíssima durabilidade.

 

História da Tucker
As primeiras unidades revelaram excelente desempenho, com máxima de 190 km/h, mas a transmissão por conversores de torque não permitia dar ré

Todas estas inovações custavam muito dinheiro, e este começou a faltar. Mas o carro foi apresentado a 5.000 pessoas em 19 de julho de 1947. Era um modelo marrom, com suspensão independente, freios a disco e capaz de atingir 210 km/h.

As encomendas chegaram a 300.000 unidades. Foram levantados ao todo 28 milhões de dólares para garantir o projeto. Os testes nas rodovias começaram e o desempenho realmente era muito bom, pois os carros de polícia mais velozes da época comiam poeira. Na pista oval de Indianápolis o Torpedo entrava nas curvas a 170 km/h e atingia perto de 190 km/h nas retas. Fazia de 0 a 100 km/h em 10 segundos. Espantoso para a época.

Havia um problema: ele realmente andava muito bem, mas só para a frente. A transmissão por conversor de torque não permitia ao carro de 4,9 metros dar marcha a ré. O motor também tinha problemas de partida, pois as válvulas ficavam fechadas até a pressão de óleo aumentar.

História da Tucker

História da Tucker

História da Tucker

História da Tucker
Interior menos agressivo em colisões visava a segurança. O velocímetro quase foi montado no capô. O segundo motor, de 5,8 litros, desenvolvia os mesmos 150 cv do primeiro

Tucker foi obrigado a optar por outro motor e outra transmissão. O novo era de um helicóptero Bell, de 5,8 litros, seis cilindros horizontais e também 150 cv. Tinha refrigeração a ar, que logo foi transformada para água pelo fato do consumidor americano não estar acostumado com este recurso. Também foi adotada uma transmissão manual de quatro marchas, usada no Cord de antes da Segunda Guerra.

Tudo isso alterou o projeto original e elevou muito os custos. Em 1949 Preston Tucker pediu ajuda ao governo americano para salvar sua fábrica e seu sonho, pois os problemas financeiros eram enormes. Em 3 de março daquele ano a fábrica fechou suas portas. Dentro, apenas 49 carros construídos de forma artesanal e o protótipo original.

História da Tucker
O sonho de Tucker acabou em 1949, com o fechamento da fábrica. Seis anos depois morreria o criador de um mito da indústria norte-americana

Foi processado por fraudar acionistas e concessionários. Embora julgado inocente, o carro já havia conquistado fama de fraude e tudo na fábrica foi vendido. Tentou construir no Brasil um carro econômico com desenho esportivo, que seria chamado de Carioca, com soluções já testadas no Torpedo.

Um Tucker andou em exibição nas ruas do Rio de Janeiro e de São Paulo em 1947, como maneira de angariar acionistas. Mas não conseguiu financiamento e o projeto não saiu do papel. Preston Tucker morreu de câncer em 1955, no Rio de Janeiro, justamente quando tentava levar adiante seu projeto. Deixou à posteridade seu monumento.

Fonte: www.thehenryford.org/www2.uol.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Cadillac Self-Starter

Cadillac Self-Starter, Construção, Sistema, Motor, Arranque, Partida, Elétrica, Dispositivo, Inovação, História, Cadillac Self-Starter

História da Cadillac

História da Cadillac, Carro, Marca, Modelos, Fabricação, Motor, Empresa, Construção, Logo, Veículos, Automóveis, História da Cadillac

Aero Willys

Aero Willys, Carros, Brasil, Versão, Veículos, Velocidade, Modelo, Características, Linha, História, Fotos, Aero Willys

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.