Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / História do Paquistão

História do Paquistão

PUBLICIDADE

Paquistão está numa região que fez parte também da história da Índia, do Afeganistão e da Pérsia (Irã).

Até 1947 a história paquistanesa e também a história destes três povos vizinhos se superpõe.

Origem do nome

O nome Paquistão foi criado pelo nacionalista muçulmano e estudante de Cambridge Choudhary Rahmat Ali.

Ele criou a palavra e a divulgou pela primeira vez em 28 de janeiro de 1933, como um acrônimo para representar as terras ocupadas pelos muçulmanos no sul da Ásia. P de Punjab; A para as áreas afeganes da região; K de Kashmere (Caxemira); S para Sindh; tan de Baluchistan (Baluquistão); assim formando PAKSTAN.

A palavra também podia compor dois conceitos em língua persa: pak (puro) + stan (lar, terra), ou seja, Terra dos Puros.

Separação da Índia

Quando os britânicos deram independência à Índia e ao Paquistão, os dois países juntaram-se à Commonwealth.

A partilha em uma nação muçulmana (o Paquistão) e outra hindu (a Índia) deixou o Punjab e Bengala divididos entre os dois países.

Mais de 2 milhões de pessoas, de uma hora para outra, tiveram que migrar para o lado “certo” da fronteira, e estima-se que mais de 100 mil tenham morrido em conflitos nas aldeias destas duas regiões.

A partilha resultou em tensões na Cachemira que levaram à guerra Indo-Paquistanesa em 1947

Fonte: www.geocities.com

História do Paquistão

O Paquistão é um país no sul da Ásia. Urdu e Inglês são as duas línguas mais utilizadas.

Muçulmanos constituem a grande maioria da população. O Paquistão é uma república islâmica.

Capital: Islamabad

Área (km) ²: 770 880

Independência: 1947

Moeda: rupia

Política interna

De negociação anterior às partida dos ingleses e da proclamação da independência do Paquistão em 1947. O êxodo de hindus e do influxo de muçulmanos da Índia , são realizadas na violência. Após um período de instabilidade, a República Islâmica do Paquistão, proclamada em 1956, tem um ponto de viragem, com a chegada ao poder do general Muhammad Ayub Khan em 1958. O país está dividido em início dos anos 70 pelas exigências de autonomia do Paquistão Oriental.

Apesar de uma intervenção armada, levam, em 1971, para a criação de um novo estado: Bangladesh. Sob Zulfikar Ali Bhutto (1972-1979), o Paquistão adota socialista de inspiração reformas (reforma agrária, nacionalização, etc) .. Um golpe pôs fim ao seu governo. A restauração da democracia permite que a filha de Ali Bhutto , seja nazista r, dirigindo o governo (1988-1990 e 1993-1996). O aumento dos islamistas contribui no entanto para dividir o país. Em 1999, um golpe porta general Pervez Musharraf ao poder.

Em termos da organização dos poderes, é um estado federal. “O sistema político está geralmente associada a uma ditadura, a maior parte do poder está nas mãos do grupo dominante. O sistema eleitoral é do tipo mista (paralelo). O direito de voto para as mulheres foi reconhecida em 1956. O sistema partidário é geralmente associada a um sistema multipartidário.

Política externa

Com a adesão de Portugal independência “s, em 1947, uma disputa territorial opõe a Índia sobre a Caxemira. Ele fará com que um novo conflito, em 1965, e as tensões continuam até o final do século XX. No contexto da Guerra Fria, os líderes paquistaneses mostrarem seu apoio no Ocidente por se juntar à Organização do Tratado do Sudeste Asiático (SEATO) e do Pacto de Bagdá. Crescente movimento separatista no Paquistão Oriental nos anos 70, traz novos desentendimentos com a Índia que aumentam a ameaça de mais conflito generalizado. O Paquistão reconheceu formalmente a independência de Bangladesh em 1974. Após os ataques de 11 de setembro de 2001 em Nova York, laços estreitos são forjados entre os Estados Unidos eo governo do general Pervez Musharraf. Em troca de uma substancial assistência econômica, contribui mais para a luta contra os radicais islâmicos que apóiam o terrorismo s que se escondem no Afeganistão.

O país é membro de várias organizações internacionais, incluindo:

ONU: 30 set 1947
OMC: 1 de Janeiro de 1995
COI: 1948

Fonte: perspective.usherbrooke.ca

História do Paquistão

Paquistão é um país na Asia Central.

A capital é Islamabad.

A principal religião é o Islamismo.

As principais línguas são Punjan, Urdu, Pushtu e Sindh.

A Civilização do Vale, uma das mais antigas do mundo e que remonta pelo menos 5.000 anos, espalhou-se por muito do que é atualmente o Paquistão.

Durante o segundo milênio aC, remanescentes dessa cultura fundiram-se com a migração dos povos Indo-Arianos. A área sofreu sucessivas invasões nos séculos posteriores dos Persas, Gregos, Scythias, Árabes (que trouxeram o Islã), Afegãos e Turcos. O Império Mughal floresceu nos séculos 16 e 17; os Ingleses passaram a dominar a região no século 18. A separação em 1947 da Índia Britânica no estado Muçulmano do Paquistão (com as seções do Ocidente e Oriente) e a majoritariamente Hindu Índia nunca foi resolvida satisfatoriamente, e a Índia e o Paquistão travaram duas guerras – em 1947-48 e 1965 – sobre o disputado território da Caxemira. Uma terceira guerra entre estes países em 1971 – em que a Índia aproveitou a marginalização de Islamabad dos Bengalis na política Paquistanesa – resultou no Paquistão Oriental tornar-se o Estado independente de Bangladesh. Em resposta ao teste nuclear Indiano, o Paquistão realizou seu próprios testes em 1998. A disputa sobre o estado da Caxemira está em curso, mas as discussões e medidas de confiança têm ajudado os dois países começarem a trabalhar através de suas questões.

Em Fevereiro de 2008, o Paquistão realizou eleições parlamentares e, em Setembro de 2008, após a renúncia do ex-presidente Musharraf, elegeu Asif Ali Zardari à Presidência. O governo Paquistanês e os líderes militares estão lutando para controlar os rebeldes internos, muitos dos quais estão localizados em áreas tribais junto à fronteira com o Afeganistão. As relações Índia-Paquistão têm sido pedregosas desde os ataques de Mumbai de Novembro de 2008, mas ambos os países estão adotando pequenos passos para colocar as relações de volta aos trilhos.

Os líderes governamentais e militares Paquistaneses estão lutando para controlar os insurgentes domésticos, muitos dos quais estão localizados nas áreas tribais adjacentes à fronteira com o Afeganistão. Em Janeiro de 2012, o Paquistão assumiu um assento não-permanente no Conselho de Segurança da ONU para o período 2012-13.

Embora o Paquistão não existisse como nação até 1947, dentro dele estão áreas cuja história remonta meio milhão de anos para os dias em que os primeiros seres humanos aprenderam a fazer ferramentas de pedra bruta. A terra do Paquistão é repleta de restos de culturas antigas e os monumentos de civilizações passadas. Talvez a mais famosa dessas civilizações é a do Vale do Indo, que floresceu entre 2500 e 1500 aC, e cujos restos foram encontrados em Mohenjo-Daro e em Harappa.

A cultura atual do Paquistão tem a marca ousada de seu passado. Os carrinhos de brinquedo de quatro mil anos de idade escavados das ruínas de Mohenjo-Daro poderiam ser cópias dos carros de boi ainda fazendo carreira nas estradas poeirentas da província de Sind. Muitos potes usados hoje pelos povos da vila em torno de Harappa, um antigo sítio na província de Punjab, são descendentes diretos daqueles usados há 4.000 anos. Os Muçulmanos Paquistaneses ainda respondem chamadas diárias à oração, assim como seus antepassados fizeram há muitos séculos atrás, e seu modo de vida é profundamente influenciado pela lei Islâmica.

Em meio a esses locais e tradições antigas estão as cidades onde um terço de todos os Paquistaneses vivem. Suas ruas estão cheias de automóveis e com homens e mulheres correndo para o trabalho em escritórios e nas fábricas. O “ruído da democracia” – o debate caótico e cada vez mais violento da política da década de 1990, chegou a um fim abrupto com um golpe militar em 1999. Apesar da pobreza generalizada e do analfabetismo e uma das populações que mais cresce no mundo, o Paquistão está em um período dramático de rápida transição, tentando adaptar a sua cultura tradicional às demandas do desenvolvimento econômico moderno.

Terra

O Paquistão se estende 1.000 milhas (1.600 km) a partir do Mar Arábico no sul para as grandes Montanhas do Himalaia no norte. Ele é fronteiriço pelo Mar Arábico ao sul, o Irã no oeste, o Afeganistão no noroeste, a China, no norte, e a Índia no leste e sudeste. Parte da fronteira norte cobre o disputado território de Jammu e da Caxemira, que tanto a Índia como o Paquistão afirmam. O Paquistão chama a seção de auto-governo que há muito ocupa de Azad (“free”) Caxemira.

As quatro províncias do Paquistão são o Punjab, o Sind, a Fronteira Noroeste e o Baluchistão. A Fronteira Noroeste, contém várias Áreas Tribais, que as tribos Pathan (ou Pashtun) em grande parte governam por si mesmos.

Geograficamente, o Paquistão pode ser dividido em três regiões principais. Primeiro está a região do planalto norte, o local de algumas das mais altas montanhas do mundo. O Monte Kanchenjunga, a terceira-maior montanha do mundo, depois do Everest e do K2, está localizado na remota região do Himalaia de Baltistan. As montanhas escarpadas e bem arborizadas do norte são abundantes em vida selvagem – tudo, desde a majestosa ovelha Marco Polo ao ameaçado leopardo da neve.

A oeste do Rio Indus está a segunda região principal, composta do Planalto Baluchistan. Altas serras ascendem o platô e chegam a uma altura máxima de 11.290 pés (3.441 m) em Takht-i-Sulaiman. O Planalto Baluchistan é quase todo árido e estéril, embora alguns vales têm água e são cultivados. Esta região é o lar da maior floresta de zimbro do mundo.

A terceira região importante do Paquistão é a planície do Rio Indus no lado leste do rio. A planície é fértil perto do Rio Indus e de seus afluentes. Ela torna-se mais seca quando se aproxima do Deserto de Thar, no sudeste. Um segundo deserto, o Tailandês, está apenas a oeste do Rio Indus, na fronteira com as planícies férteis do Punjab. Animais selvagens, como ursos, gatos selvagens e hienas vivem na área das planícies.

O rio mais importante do Paquistão é o Indus, que nasce no Tibete e, depois que flui através das montanhas e desfiladeiros, entra nas planícies do Paquistão. O Indus, juntamente com seus afluentes, é o esteio da agricultura do Paquistão, que depende de uma extensa rede de canais de irrigação. Por causa das chuvas escassas, a montanha de neve é uma importante fonte de água para os rios que alimentam os canais.

Em 2010, no entanto, as fortes chuvas de monção causaram as piores inundações em mais de 50 anos. O Indus estendeu-se quilômetros além de suas margens, migrando para o sul do Vale do Swat no Punjab, Baluchistão e Sindh. As águas rolando destruíram milhares de lares, junto com as estradas, centrais elétricas, pontes, escolas, hospitais e outras estruturas. Elas devastaram uma área maior do que a Inglaterra, matando cerca de 1.800 pessoas. Ao todo, mais de 20 milhões de pessoas foram afetadas pelas enchentes.

Clima

O clima do Paquistão é dominado pela monção Asiática. A temporada mais quente vai de meados de Abril a meados de Julho. Ventos secos que muitas vezes carregam areia sopram o Vale do Indus, no sul, onde as temperaturas são mais elevadas. A chuva cai de forma constante a partir de meados de Julho a meados de Setembro. Chuvas de verão e a neve do inverno refrescam as montanhas e colinas do norte e oeste, onde as temperaturas de inverno abaixo do congelamento são comuns. As temperaturas nas planícies orientais também variam muito de época para época, variando de 114 °F (46 °C) em Junho para 40 °F (4 °C), em Janeiro.

População

Sete de 10 Paquistaneses vivem nas terras baixas que tocam o Rio Indus e seus afluentes, onde a água abundante ajuda a agricultura e a indústria floresce. Pouco mais de 40 por cento de todos os trabalhadores Paquistaneses são agricultores. Outros 20 por cento trabalham em mineração, manufatura e construção. O restante trabalha no setor de serviços.

Os Punjabis são o grupo étnico majoritário, formando quase metade da população, e eles dominam o governo e militares. Os Sindi são o segundo maior grupo étnico. Os Pathans são o próximo grupo maior, e eles compartilham laços linguísticos e culturais com o Afeganistão. Em seguida, vêm os Baluchi do Baluchistan, e os Muhajirs, Urdu refugiados de língua Indiana e seus descendentes.

O Islã é a religião de 95 por cento da população. Cerca de três quartos dos Muçulmanos seguem o ramo Sunita do Islã. Suas vidas são organizadas em torno dos mullahs da aldeia e dos ulemás eruditos, especialistas na lei Islâmica que julgam questões da fé e do direito.

Cerca de 20 por cento de todos os Paquistaneses pertencem ao ramo Xiita do Islã. A autoridade sob os Xiitas é como uma pirâmide, com os líderes religiosos chamados de grandes aiatolás no topo. Sunitas e Xiitas estão muitas vezes em desacordo, às vezes violentamente.

Aproximadamente 5 por cento de todos os Paquistaneses são Cristãos, Hindus, ou adeptos de outras religiões, como o Ahmadismo. Os Ahmadis chamam-se Muçulmanos, mas a lei Paquistanesa considera-os como hereges – pessoas cujas crenças partem da doutrina aceita. Os Ahmadis têm sofrido muito abuso por suas crenças.

Modo de Vida

Casas paquistanêsas

As condições de vida no Paquistão variam do insuficiente para o opulento. Os ricos proprietários de terras, industriais e outros podem viver em grandes casas confortáveis com todas as conveniências modernas, incluindo piscinas e jacuzzis. As famílias de renda-média muitas vezes vivem em apartamentos nas cidades do Paquistão, enquanto alguns têm guardado dinheiro suficiente para construir casas. Nas aldeias, as casas mais típicas são construídas de barro bem amassado ou tijolos descozidos e geralmente têm telhados planos. Muitas aldeias não recebem serviço de energia elétrica, e os moradores devem colher a sua água de poços, e não de tubos levados para a casa.

Alimentos

O pão de trigo é o alimento básico do Paquistão. O chapati, pão de trigo cozido num tandoor, ou um forno de tijolo, é consumido em praticamente todas as refeições. Os pães são complementados com carne e legumes. Os Paquistaneses bebem chá em grandes quantidades. Eles muitas vezes servem-no com leite e açúcar. Em ocasiões especiais, eles levam o sabor de cardamomo ou outras especiarias. Dahi, a forma Paquistanesa do iogurte, também é popular. Para a carne, os kabobs – espetinhos grelhados de carne, cozida ou frita, cortados em cubos e pedaços ou picados – são populares. Os Paquistaneses também comem gormas e salans, que são sautes ou guisados feitos de carnes, legumes e, às vezes ovos e peixes. Os Paquistaneses evitam a carne de porco, que é proibida pela lei religiosa Muçulmana.

Vestuário

O shawar kameez é a forma comum de se vestir para homens e mulheres. O vestuário consiste em largas calças como pijamas (shawar) e uma longa túnica (kameez).

De acordo com os princípios da modéstia Islâmica, as mulheres usam uma dupatta, um cachecol que é cruzado no peito e fica atrás das costas nos dois lados.

Muitas vezes as mulheres cobrem a cabeça com a dupatta.

Algumas mulheres são obrigadas a viver em purdah (“cortina”), onde permanecem em reclusão com outras mulheres. Quando elas saem, essas mulheres cobrem suas faces com um véu, ou com a burka, que cobre todo o corpo e permite a visão através de uma tela.

Os homens muitas vezes usam algum tipo de cocar especial na sua localidade. Nas cidades, um número considerável de homens usam roupas Européias.

Festivais

Os festivais Paquistaneses são em sua maioria de natureza religiosa. A maior oportunidade é o Id al Fitr, a “festa da quebra do jejum”. Segue-se o Ramadã, o mês Muçulmano do jejum. No início da manhã durante este feriado, a família terá um pequeno-almoço ligeiro de um espaguete fino, aletria, e doce de leite, pistache, uvas passas e tâmaras. As mesquitas em seguida, preenchem com os fiéis, todos vestindo suas roupas mais festivas. Isso é seguido por visitas a amigos e parentes, e a todos os visitantes são oferecidos doces. O outro id, ou festival, é o Id al Adha, a “festa do sacrifício”. O Id al Adha comemora a disposição de Abraão de sacrificar seu filho por ordem de Deus.

Os Paquistaneses também comemoram os feriados nacionais, como o Dia do Paquistão, uma comemoração de 23 de Março de 1956, quando o Paquistão se proclamou uma república Islâmica. Fluxos de luzes coloridas enfeitam os prédios no Dia do Paquistão, e as pessoas acendem fogos de artifício e disparam armas para o ar.

Linguagem

O Urdu, falado como primeira língua em cerca de 8 por cento da população, é uma das línguas oficiais do Paquistão. O Inglês é o outro. Cerca de metade da população fala Punjabi. Outros 12 por cento falam Sindi, e os restantes usam uma variedade de outras línguas, incluindo o Baluchi, e o Brahui. Todos, menos o Brahui (que é Dravidiano) pertencem à família das grandes línguas Indo-Européias.

Cidades do Paquistão

A mais nova e mais moderna das cidades do Paquistão é Islamabad, a capital. Muitos edifícios oficiais e as casas para os funcionários do governo central foram construídas lá. Islamabad é a localização da renomada Faisal Masjid (Mesquita Faisal), a maior mesquita do mundo, que está cenicamente localizada no sopé da montanha. Islamabad está a poucos quilômetros da antiga cidade de Rawalpindi, que serviu como capital provisória do Paquistão enquanto Islamabad estava sendo construída.

A maior cidade do Paquistão é Karachi, que data do início dos anos 1700s, quando um forte foi construído lá para proteger o comércio marítimo, que foi atraído pelo excelente porto. O porto de Karachi faz praticamente a única saída para o mar para o Paquistão e para o vizinho Afeganistão. Desde 1947, a população da cidade aumentou muito.

Karachi tem crescido em um grande centro industrial, produzindo tecidos e uma grande variedade de bens de consumo. A cidade serviu como capital do Paquistão de 1947-1959.

Uma das mais antigas cidades do Paquistão é Multan, na província do Punjab. Ela remonta a 320 aC, e já existia quando Alexandre, o Grande, invadiu a região. A cidade tem uma história ininterrupta, e houve um tempo que era famosa como um centro de aprendizagem e cultura.

Faisalabad, no Punjab, já foi chamada de Lyallpur. Uma cidade industrial moderna e um entroncamento ferroviário importante, é a casa da Universidade de Agricultura do Paquistão.

Lahore é a capital da província do Punjab e um centro industrial e comercial. É a sede da Universidade do Punjab, uma das mais antigas universidades do Paquistão, e é conhecida pelas suas consideráveis atividades educativas e culturais. Lahore tem várias mesquitas de importância histórica, a mais conhecida do que é a Badshahi Masjid, ou Mesquita Imperial, construída pelo imperador Mogul Aurangzeb em 1674.

Peshawar, na província da Fronteira Noroeste, data dos antigos tempos Budistas e Hindu. Há muito ela é de importância estratégica como porta de entrada para o subcontinente. Durante a década de 1980, cerca de 3 milhões de Afegãos, fugindo de uma guerra no seu país, encontraram refúgio em Peshawar e em outras partes da província, que permanece em grande parte não-controlada pelo governo central.

Quetta, capital da província do Baluchistan, é um oásis fértil situado entre as montanhas áridas da província. Em 1935, um terremoto demoliu a cidade, destruindo muitos edifícios de interesse histórico. O desenvolvimento dos campos de gás nas proximidades de Sui atraiu novas indústrias para a região.

Economia

A economia do Paquistão é dependente da agricultura. O algodão é a cultura mais importante, criando matérias-primas para exportação e para a próspera indústria têxtil de algodão do país. O trigo é a principal cultura alimentar. Outros grãos cultivados incluem a cevada, o milho, o arroz e o millet. Tabaco, cana e oleaginosas também são cultivados em grande escala. O Paquistão produz e exporta muitas variedades de frutas e legumes. A avicultura e a pesca estão sendo desenvolvidos.

Em 1947, quando o subcontinente foi dividido, apenas cerca de 5 por cento das indústrias de grande escala estavam localizadas nas áreas que se tornaram o Paquistão. Desde então, a indústria desenvolveu-se rapidamente. As principais indústrias são a produção de tecidos de algodão e a tecelagem de tapetes. Outras indústrias produzem papel e papelão, cimento, produtos de couro, produtos químicos e farmacêuticos, fertilizantes, açúcar, cigarros e alimentos em conserva. Os recursos minerais, muitos deles no Baluchistão, incluem o gás natural, carvão, sal, gesso, cromita, ferro, calcário, salmoura, argila, e algum petróleo.

A economia do Paquistão beirava o colapso no início do século 21, onerada por uma enorme dívida, a incapacidade do governo de cobrar impostos, e uma falta de investimento estrangeiro devido à agitação política. Em troca de seu apoio à batalha liderada pelos EUA contra o terrorismo internacional lançada no final de 2001, o Paquistão recebeu o tão necessário apoio financeiro dos Estados Unidos. Entre 2004-07, o país obteve um crescimento econômico moderado. Mas o crescimento abrandou em 2008 e 2009, em sintonia com a desaceleração econômica mundial e o desemprego aumentou. Os graves problemas fiscais continuaram em 2010, amplificados por bilhões de dólares em prejuízos decorrentes das inundações das áreas danificadas.

História

Tempos antigos

O Vale do Indus, juntamente com algumas áreas adjacentes no que é hoje o Paquistão, é um dos mais antigos berços da civilização, comparáveis às do antigo Egito, Mesopotâmia e China. Em cerca de 1700 aC, grandes massas de povos Arianos migraram do norte. Os Arianos trouxeram consigo uma nova língua, o Sânscrito, o ancestral das línguas Indo-Européias do moderno Paquistão e da Índia. Eles também trouxeram consigo seus costumes e tradições religiosas. Misturadas com um pouco da cultura Dravidiana anterior, estas tradições foram se desenvolver no Hinduísmo.

Durante o século 6 aC, o Paquistão passou a ser governado pela dinastia Aquemênida Persa. Isto foi seguido pela invasão de Alexandre o Grande na região em 327. O primeiro império para juntar quase todos os do subcontinente foi o Mauryan, que floresceu do quarto século até o século 2 aC. Seu maior governante, Asoka, que reinou durante o século 3 aC, se converteu ao Budismo.

Após a dissolução do império Mauryan, o Paquistão viu uma sucessão de governantes estabelecer-se em diferentes partes da área. Entre eles estavam os Kushan, um povo da Ásia Central; os Sassânidas, uma dinastia que governou o império Persa; em seguida, os Hunos, povo que veio das partes mais ao leste da Ásia.

A Vinda do Islã

Durante os 700s, os Árabes conquistaram Sind, no sul do Paquistão. A parte norte do Paquistão veio sob a influência Muçulmana no início dos 900s. Desde então, o Islã tem exercido grande influência sobre a vida e a cultura dos povos da região. Muitos da longa lista de vencedores e governantes eram Muçulmanos da Ásia Central.

O último império Asiático do subcontinente foi o dos Moguls, uma dinastia Muçulmana relacionada aos invasores Turcos anteriores. Os Moguls floresceram a partir dos anos 1500s aos 1700s, quando o controle do subcontinente passou para as mãos da Grã-Bretanha.

A luta pela independência

A pressão contínua sobre os Britânicos para conceder mais liberdade forçou-os a concordar em dividir o poder com as legislaturas provinciais em 1919 e com uma legislatura em grande parte nacional eleita em 1935. Ambos os planos ficaram aquém das expectativas dos dirigentes políticos do subcontinente, e os Britânicos decidiram sair do subcontinente no final da Segunda Guerra Mundial.

Quando a transferência do poder se aproximava, as divisões entre os muitos grupos étnicos e religiosos da região vieram à tona. Os Muçulmanos exigiram um estado soberano separado nas áreas onde os Muçulmanos estavam em maioria absoluta. A Grã-Bretanha concordou, e em 1947, ela particionou a Índia Britânica em linhas religiosas. As áreas predominantemente Muçulmanas – Bengala do Leste – foi renomeada Paquistão Oriental; e as quatro províncias do oeste do Paquistão – se uniram para tornarem-se o Paquistão independente, enquanto as áreas dominadas pelos Hindus formaram a Índia moderna. Tanto a Índia e o Paquistão reivindicaram a predominantemente Muçulmana Caxemira, e têm estado repetidamente em desacordo sobre a região.

O Paquistão independente

O Paquistão começou em 1947 como uma democracia parlamentar como parte da Comunidade Britânica das Nações. Os Britânicos nomearam Mohammed Ali Jinnah, que havia liderado a causa do Paquistão como chefe da Liga Muçulmana, como o primeiro governador-geral, um cargo cerimonial. Liaquat Ali Khan se tornou o primeiro primeiro-ministro. Em 1951, ambos desses líderes capazes estavam mortos.

Em 1956, o país saiu da Commonwealth para tornar-se uma república. O General Mohammed Ayub Khan estabeleceu o regime militar em 1958 e exerceu o governo como presidente até 1969, quando o tumulto pró-democracia forçou-o a renunciar. O comandante em chefe do Exército, o General Agha Mohammed Yahya Khan, impôs a lei marcial e assumiu a presidência.

A atividade política foi retomada legalmente em 1970. As eleições para a Assembleia Nacional foram ganhas por membros da Liga Awami do Leste do Paquistão, que queria que o leste tivesse maior liberdade para executar seus próprios assuntos. Yahya Khan se recusou a reconhecer os resultados das eleições.

Em 1971, o Paquistão Oriental tentou se separar do Paquistão, e a guerra civil eclodiu. As tropas enviadas a partir do Paquistão Ocidental para subjugar os distúrbios foram derrotadas quando a Índia entrou na guerra ao lado do Paquistão Oriental, que ganhou a independência como a nova nação de Bangladesh. O governo de Yahya Khan caiu, e Zulfikar Ali Bhutto, cujo Partido Popular do Paquistão (PPP) tinha saído no tôpo nas eleições de 1970 do Paquistão Ocidental, sucedeu Yahya Khan como presidente.

Uma nova constituição foi adotada em 1973, e Bhutto tornou-se o primeiro-ministro. Bhutto nacionalizou os bancos e a indústria, e sem sucesso procurou muitas outras mudanças. Após as disputadas eleições em 1977, o exército, sob o General Mohammed Zia ul-Haq, tomou o poder. Bhutto foi julgado e condenado por cumplicidade na tentativa de assassinato de um adversário político. Ele foi enforcado em 1979.

Zia, que havia assumido a presidência em 1978, suspendeu a Constituição de 1973 e governou sob lei marcial. Ele introduziu várias reformas com base na lei Islâmica. Em 1985, ele permitiu eleições sem partido para a legislatura de duas-casas e nomeou um civil como primeiro-ministro. Após a assembléia aprovar medidas para reforçar a presidência, Zia terminou a lei marcial e restaurou a Constituição de 1973. Benazir Bhutto, filha de Zulfikar Ali Bhutto, retornou do exílio como chefe de um PPP revivido em 1986. Em Agosto de 1988, Zia foi morto quando seu avião explodiu. Depois das eleições de Novembro, Benazir Bhutto tornou-se primeiro-ministro.

Bhutto lançou um enorme programa de bem-estar social, mas seu governo foi geralmente visto como ineficaz. Em 1990, o Presidente Ghulam Ishaq Khan dissolveu a Assembléia, terminando o governo de Bhutto. As eleições em Outubro foram vencidas pela Aliança Democrática Islâmica exército-apoiada, liderada por Nawaz Sharif. Khan demitiu Sharif em Abril de 1993, mas a demissão foi revertida pela Suprema Corte. A luta pelo poder entre os dois paralisou o governo, e ambos se demitiram em Julho. Bhutto retornou como primeiro-ministro em Outubro de 1993, mas ela foi demitida pelo Presidente Farooq Leghari em Novembro de 1996. Sharif se tornou primeiro-ministro após novas eleições em Fevereiro de 1997. Em Maio de 1998, depois que a Índia testou armas nucleares, o Paquistão fez o mesmo, aumentando significativamente as tensões regionais.

Como a violência política e religiosa no país crescia, o exército tomou o poder em 12 de Outubro de 1999, rejeitou a legislatura, e suspendeu a constituição.

Sharif, condenado à prisão perpétua em 2000 por seu papel no suposto complô para matar o General Pervez Musharraf, que lançou o golpe, foi mais tarde perdoado e foi para o exílio. Musharraf, que declarou-se presidente após o golpe de estado e chefe de governo em Junho de 2001, prometeu um retorno ao governo civil após a ordem ser restabelecida e a economia estabilizada. O golpe levou à suspensão do Paquistão da Comunidade das Nações de Novembro de 1999 até Maio de 2004.

No rescaldo dos ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos, o Presidente Musharraf se aliou com a batalha liderada pelos EUA contra o terrorismo internacional e apoiou a derrubada do regime Talibã no vizinho Afeganistão, um grupo que o Paquistão já tinha apoiado anteriormente. Depois de um ataque terrorista em 13 de Dezembro de 2001 contra o edifício do parlamento Indiano em Delhi por extremistas Muçulmanos com alegadas ligações ao Paquistão, a Índia e o Paquistão novamente vieram perigosamente perto de uma guerra pela Caxemira. Eles restauraram relações diplomáticas em 2003, no entanto, e lançaram negociações de paz em 2004.

Os eleitores aprovaram um controverso referendo em Abril de 2002 permitindo que Musharraf permanecesse presidente e chefe do Exército até 2007. As eleições legislativas a partir das quais Bhutto, Sharif, e muitos outros políticos estabelecidos foram banidos, foram realizadas em Outubro de 2002. O partido pró-governo (PML-Q) ganhou o maior número de assentos (77), e seu candidato, em última análise se tornou primeiro-ministro. Mas o PPP (62 lugares) capturou uma maior participação do voto popular. Uma aliança de partidos Islâmicos teve ganhos inesperados, conquistando 52 cadeiras e o controle de duas das legislaturas provinciais do Paquistão. Isso imensamente complicou a batalha contra o terrorismo e os esforços para conter as atividades dos grupos militantes religiosos na Caxemira. As eleições para a câmara alta legislativa, o Senado, tiveram lugar em Fevereiro de 2003.

No outono de 2004, o Paquistão havia capturado um número de importantes líderes da Al Qaeda e impôsto novas restrições às escolas religiosas Islâmicas que foram ditas constituir um grande campo de treinamento da Al Qaeda. No entanto, a área historicamente sem lei na fronteira do Paquistão com o Afeganistão continuou a abrigar remanescentes do Talibã e da Al Qaeda. As demandas para que Musharraf rendesse alguns dos poderes que ele tinha assumido através do referendo de 2002, levaram ao seu acordo de Dezembro 2003 para renunciar como chefe do exército até o final de 2004. Este requisito foi posteriormente anulado pelo Legislativo.

Musharraf inicialmente parecia desfrutar de amplo, senão inquieto apôio entre a maioria secular do Paquistão Muçulmano. Ele tinha confrontado os extremistas Islâmicos do Paquistão em matéria de economia, direito, religião e os direitos das mulheres, mas não a sua oposição ao governo apoiado pelos EUA no Afeganistão. Seu governo foi criticado por sua resposta ao pior terremoto do país em mais de um século em 8 de Outubro de 2005. Mais de 74.000 pessoas morreram no desastre, que foi centrado na Caxemira administrada pelos Paquistaneses.

Em fins de 2006, as incursões no Afeganistão por membros do Talibã e da Al Qaeda do Paquistão haviam se intensificado. O Paquistão negou que fosse responsável e anunciou a implantação de tropas adicionais e a colocação de cercas e minas ao longo de seu lado da fronteira. Posteriormente, nem os ataques militares nem o apaziguamento pararam as atividades militantes nas escarpadas áreas tribais do Paquitão.

A eleição de Musharraf em Outubro de 2007 para outro mandato presidencial havia sido boicotada pela oposição. Seu esforço para acabar com os desafios dos tribunais ao seu governo descartando os juízes independentes provocou uma revolta generalizada. Seus dois principais rivais, Bhutto e Sharif, regressaram ao Paquistão. Eles atraíram multidões enormes quando eles chamaram por eleições democráticas. Musharraf fez-se renunciar como chefe das forças armadas antes de ser empossado como presidente civil em Novembro. No mês seguinte, ele levantou o controverso estado de emergência que ele tinha imposto em 3 de Novembro. Eleições legislativas nacionais e provinciais haviam sido agendadas para 8 de Janeiro. Mas Bhutto foi assassinada em 27 de Dezembro, os protestos se seguiram, e as urnas foram adiadas.

Novas eleições legislativas foram realizadas em 18 de Fevereiro de 2008. O PPP venceu o maior número de assentos (87 de 272), seguido pela facção PML, que apoiou Sharif (PML-N), com 67 assentos. A facção PML apoiando Musharraf ganhou 40 lugares. Os partidos Islâmicos em geral também se saíram mal. Em Março, o PPP e o PML-N formaram um governo de coalizão. O PML-N se retirou do gabinete em Maio. Mas ele ainda geralmente apoia o governo nas votações parlamentares.

Uma questão que ambos os lados poderiam acordar era a sua oposição ao presidente. Enfrentando o possível impeachment, Musharraf renunciou em 18 de Agosto de 2008. Em 6 de Setembro as legislaturas nacionais e provinciais elegeram o viúvo de Bhutto, Asif Ali Zardari, para suceder Musharraf como presidente. A instabilidade do Paquistão permitiu que o militantes do Taleban e os militantes Islâmicos domésticos consolidassem seus santuários tribais e estendessem sua influência praticamente incontestada.

Os militantes não só encenaram ataques transfronteiras no Afeganistão, mas também ameaçaram o novo governo civil do Paquistão. Suas atividades estressaram as relações do Paquistão com o Afeganistão e os Estados Unidos. As relações entre o Paquistão e a Índia também se deterioraram após os ataques terroristas em Mumbai, na Índia, em Novembro. O governo Indiano ligou os atentados a elementos radicais no Paquistão.

Eventos recentes

Em 2009, após uma série de tréguas não trazerem a paz, o exército Paquistanês iniciou uma grande operação militar contra as forças Talibãs no distrito de Swat da Província da Fronteira Noroeste (NWFP). Os combates deslocaram cerca de 2,5 milhões de civis. Os militares, no entanto, foram relativamente bem sucedidos. Os combatentes do Taliban foram forçados a fugir das áreas povoadas. Em resposta, o Talibã realizou vários ataques em Peshawar, a capital da NWFP. Em 2010, a Província da Fronteira Noroeste foi renomeada Khyber-Pakhtunkhwa.

A campanha contra o Talibã, que incluiu os controversos ataques de drones (aviões não tripulados) dos EUA, continuou em 2010. Este esforço foi interrompido por inundações devastadoras que começaram em Julho. O desastre fez cerca de 2.000 vidas, expondo mais de 20 milhões de sem-tetos à desnutrição, riscos de epidemias e perda dos meios de subsistência. As águas da inundação rolaram abaixo de norte a sul, danificando ou destruindo cerca de 1,6 milhões de lares. Por necessidade, tanto os recursos civis e militares e de assistência externa foram desviados para os esforços de ajuda. As inundações enfraqueceram ainda mais o governo já instável, e a reconstrução deve levar muitos anos.

Em 2010, a inteligência dos EUA descobriu que Osama bin Laden, um dos fundadores da organização terrorista al-Qaeda, vivia há cinco anos na cidade Paquistanesa de Abbottabad. O governo Paquistanês tinha repetidamente negado que ele estava no país. Localizada cerca de 35 milhas (56 km) ao norte de Islamabad, Abbottabad é uma afluente cidade turística com uma grande presença militar. Em 2 de Maio de 2011, comandos dos EUA invadiram o local, matando bin Laden, um de seus filhos, e dois correiros da Al-Qaeda. O governo dos EUA não tinha informado o Paquistão antes da invasão, temendo que funcionários simpáticos pudessem alertar bin Laden.

Após o ataque, as relações entre o Paquistão e os Estados Unidos se deterioraram. O governo Paquistanês denunciou a ação militar dos EUA em solo Paquistanês, enquanto as autoridades dos EUA questionaram se elementos do exército ou do serviço de inteligência Paquistanês tinham abrigado Bin Laden.

I.H. Quereshi

Fonte: Internet Nations

História do Paquistão

O estado de maioria muçulmana do Paquistão ocupa uma área que foi o lar de alguns dos primeiros assentamentos humanos e onde duas das maiores religiões do mundo, hinduísmo e budismo, foram praticados.

O Estado moderno nasceu da partição do subcontinente indiano em 1947 e já enfrentou ambos domésticos convulsões políticas e confrontos regionais.

Criado para atender as demandas dos muçulmanos indianos para a sua própria terra natal, o Paquistão foi originalmente composta de duas partes.

A ala leste – atual Bangladesh – é sobre a Baía de Bengala fronteira com a Índia ea Birmânia. The West Wing – se estende do Himalaia até o mar da Arábia – atual Paquistão.

O desmembramento das duas alas veio em 1971, quando a ala bengali falando leste separou com ajuda da Índia.

O território disputado do norte da Caxemira tem sido o ponto de inflamação de duas das três guerras entre Índia e Paquistão – os de 1947-8 e 1965. Houve um conflito ainda mais breve, mas amarga armado depois que militantes islâmicos infiltrados Caxemira administrada pela Índia, em 1999.

História do Paquistão
Mapa do Paquistão

Domínio militar

Política civil no Paquistão nas últimas décadas tem sido manchada pela corrupção, ineficiência e confrontos entre várias instituições. Períodos alternados de governo civil e militar não têm ajudado a estabelecer a estabilidade.

Paquistão ficou sob domínio militar novamente em outubro de 1999 após a derrubada de um governo civil que havia perdido uma grande quantidade de apoio público.

O líder do golpe, general Pervez Musharraf, prometeu reviver fortunas do país, mas enfrentou desafios econômicos, bem como uma crescente polarização entre militância islâmica ea ala modernização secular da política paquistanesa.

Sob crescente pressão para reintroduzir o regime democrático, Musharraf renunciou ao posto do Exército em novembro de 2007, mas nas eleições parlamentares de Fevereiro de 2008, seus partidários foram derrotados pelo Partido Popular do Paquistão e da oposição Liga Muçulmana ex-PM Nawaz Sharif.

Os dois partidos formaram um governo de coalizão e um processo de impeachment foi lançada contra Musharraf, que renunciou em agosto de 2008. A Liga Muçulmana logo passou para a oposição, deixando o Partido do Povo para governar em coalizão com partidos menores.

Tensões fronteiriças e terror

Lugar do Paquistão no cenário mundial mudou depois do 11 de setembro de 2001 em os EUA. Caiu o seu apoio ao regime talibã no Afeganistão e foi impelido para a linha de frente na luta contra o terrorismo, tornando-se um aliado chave de Washington.

No entanto, as forças paquistanesas têm se esforçado para manter o controle sobre as regiões rebeldes tribais ao longo da fronteira com o Afeganistão, onde militantes ligados ao Taleban se tornou firmemente enraizada.

Desde 2009, o governo tem vindo a empreender uma campanha on-e off-militar para expulsar os militantes de áreas tribais.

Ele repetidamente negado americanas e afegãs alegações de que líderes da Al-Qaeda e do Taleban estavam presentes nas áreas de fronteira selvagem, ou que o seu serviço de inteligência ISI até mesmo links tiveram de grupos militantes que operam contra o governo afegão. Assim, a morte em abril de 2011, de al-Qaeda, Osama Bin-Laden, morto em uma operação dos EUA no Abbottabad, uma cidade no coração do poder militar do Paquistão, estendeu as relações com os EUA ao ponto de ruptura.

As tensões com a Índia sobre a Caxemira ressurgiram regularmente desde a partição do subcontinente, e as duas armas nucleares poderes têm em numerosas ocasiões estiveram à beira de um conflito renovado.

Índia acusa o Paquistão de não cooperar de forma adequada sobre a investigação dos ataques de extremistas de Novembro de 2008 em Mumbai, e suspendeu as negociações para melhorar as relações até maio de 2012, quando os funcionários concordaram em retomar contatos.

História do Paquistão
O Islã é a religião dominante no Paquistão

Uma cronologia dos principais eventos:

1906 – Liga Muçulmana fundada como fórum para o separatismo muçulmano indiano.

1940 – Liga Muçulmana apoia ideia de nação separada para os muçulmanos da Índia.

1947 – Estado muçulmano do Oriente e do Ocidente Paquistão criado a partir da partição da Índia no fim do domínio britânico. Centenas de milhares de pessoas morrem em violência comunal generalizada e milhões de pessoas estão desabrigadas.

1948 – Muhammed Ali Jinnah, líder fundador do Paquistão, morre. Primeira guerra com a Índia sobre disputado território da Caxemira.

Governo militar

1951 – sucessor de Jinnah Liaquat Ali Khan é assassinado.

1956 – Constituição proclama Paquistão uma república islâmica.

1958 – A lei marcial declarada e General Ayyub Khan assume.

1960 – Geral Ayyub Khan torna-se presidente.

Guerra e secessão

1965 – Segunda guerra com a Índia sobre a Caxemira.

i League, levando à crescente tensão com o Paquistão Ocidental.

1971 – O Paquistão Oriental tenta separar-se, levando à guerra civil. Índia intervém em apoio do Paquistão Oriental que eventualmente rompe a tornar-se Bangladesh.

1972 – acordo de paz com a Índia Simla define nova linha de frente na Caxemira.

1973 – Zulfiqar Ali Bhutto torna-se primeiro-ministro.

Zia se encarrega

1977 – Tumultos em erupção por acusações de fraude eleitoral por parte do Paquistão Zulfiqar Ali Bhutto Partido Popular (PPP). General Zia ul-Haq lança golpe militar.

1969 – Geral Ayyub Khan renuncia e general Yahya Khan assume.

1970 – Vitória nas eleições gerais no Paquistão Oriental para Awam separatista

1978 – General Zia se tornar presidente, lança campanha para introduzir a lei islâmica e inaugurar um sistema islâmico no Paquistão.

1979 – Zulfiqar Ali Bhutto enforcado.

1980 – EUA promete ajuda militar ao Paquistão após a intervenção soviética no Afeganistão.

1985 – lei marcial e político proibição partes levantada.

1986 – Zulfiqar Ali Bhutto, filha de Benazir retorna do exílio para liderar o PPP em campanha para novas eleições.

Agosto de 1988 – General Zia, o embaixador dos EUA e altos oficiais do exército do Paquistão morre em misterioso acidente aéreo.

História do Paquistão
Morte do general Zia em 1988 terminou 11 anos de regime militar

Ghulam Ishaq Khan assume como presidente em exercício, e mais tarde é eleito para o cargo.

Bhutto volta

1988 novembro – PPP de Benazir Bhutto vence eleição geral.

1990 – Benazir Bhutto demitido como primeiro-ministro por acusações de incompetência e corrupção.

História do Paquistão
Benazir Bhutto: Duas vezes ministro principal do Paquistão
Filha de enforcado PM Zulfiqar Ali Bhutto
Atuou como PM 1988-1990 e 1993-1996
Morreu na explosão de uma bomba em 2007, pouco depois de voltar do exílio

1991 – O primeiro-ministro Nawaz Sharif começa programa de liberalização econômica. Lei sharia islâmica formalmente incorporadas código legal.

1992 – Governo lança campanha para acabar com a violência por parte de língua urdu apoiantes do Movimento Quami Mohajir.

1993 – O presidente eo primeiro-ministro Khan Sharif tanto renunciar sob pressão dos militares. Eleição geral traz Benazir Bhutto de volta ao poder.
Política e corrupção

1996 – O presidente Leghari rejeita governo de Bhutto em meio a acusações de corrupção.

1997 – Nawaz Sharif retorna como primeiro-ministro depois de sua Liga Muçulmana do Paquistão partido ganha eleições.

1998 – O Paquistão realiza seus próprios testes nucleares depois da Índia explode vários dispositivos nucleares.

Abril de 1999 – Benazir Bhutto e seu marido condenado por corrupção e condenados a penas de prisão. Bhutto fica de fora do país.

1999 Maio  Kargil conflito: Paquistão-backed confronto forças com o exército indiano nas alturas geladas cerca de Kargil em Indian portáteis Caxemira. Mais de 1.000 pessoas são mortas em ambos os lados.

Outubro de 1999 – O general Pervez Musharraf poder seizez no golpe.

2000 Abril – Nawaz Sharif condenado a prisão perpétua em seqüestro e acusações de terrorismo sobre suas ações para evitar que o golpe de Estado de 1999.

De dezembro de 2000 – Nawaz Sharif vai para o exílio na Arábia Saudita após ser perdoado por autoridades militares.

Junho de 2001 – General Pervez Musharraf nomeia-se presidente, permanecendo chefe do exército.

De setembro de 2001 – balanços Musharraf em trás os EUA em sua luta contra o terrorismo e apóia ataques ao Afeganistão. EUA levanta algumas sanções impostas após testes nucleares do Paquistão em 1998.

Caxemira tensões

De dezembro de 2001 – Índia, Paquistão teme pontuais de guerra em grande escala por concentrar tropas ao longo da fronteira comum em meio a tensões crescentes sobre a Caxemira após ataque suicida a indiana parlamento.

2002 Janeiro – O presidente Musharraf proíbe dois grupos militantes – Lashkar-e-Toiba e Jaish-e-Mohammad – e toma medidas para conter o extremismo religioso.

De abril de 2002 – O presidente Musharraf ganha mais cinco anos no cargo em um referendo criticado como inconstitucional e falho.

Testes de mísseis

Maio de 2002 – Paquistão teste dispara três mísseis de médio alcance capazes de transportar ogivas nucleares, em meio a rumores de iminente conflito com a Índia.

Agosto de 2002 – O presidente Musharraf se concede novos poderes, incluindo o direito de demitir um parlamento eleito.

Caxemira cessar-fogo

Novembro de 2003 – Paquistão declara um cessar-fogo Caxemira, a Índia segue o exemplo.

De dezembro de 2003 – Paquistão e Índia concordam em retomar ligações aéreas diretas e para permitir o sobrevoo de cada um dos outros aviões do começo de 2004, depois de uma suspensão de dois anos.

Fevereiro de 2004 – Líder cientista nuclear Dr. Abdul Qadeer Khan admite ter vazado segredos de armas nucleares, supostamente para a Líbia, Coréia do Norte e Irã.

Junho de 2004 – Paquistão monta ofensiva militar contra a primeira suspeitos da Al-Qaeda e seus simpatizantes em áreas tribais perto da fronteira afegã. EUA começa a usar ataques aéreos para atingir os líderes da Al-Qaeda na região.

Abril de 2004 – O Parlamento aprova criação de militar liderada Conselho de Segurança Nacional, o papel institucionalização das forças armadas em assuntos civis.

2004 Maio – Paquistão readmitido Commonwealth.

Abril de 2005 – Os serviços de ônibus, a primeira em 60 anos, operar entre Muzaffarabad, na Caxemira administrada pelo Paquistão-Srinagar e em Caxemira indiana.

Agosto de 2005 – Paquistão testa seu míssil de cruzeiro com capacidade nuclear primeiro.

Terremoto da Caxemira

Outubro de 2005 – Terremoto mata dezenas de milhares de pessoas no Paquistão e Caxemira administrada.

Setembro de 2006 – Governo assina acordo de paz para acabar com o combate pró-Al-Qaeda nas áreas tribais perto Waziristão fronteira afegã.

2007 Fevereiro – Sessenta e oito passageiros são mortos por explosões de bombas e uma chama em um trem que viaja entre a capital indiana Nova Deli ea cidade paquistanesa de Lahore.

Paquistão e Índia assinam um acordo destinado a reduzir o risco de uma guerra nuclear acidental.

Musharraf metas Judiciário

Março de 2007 – O presidente Musharraf suspende Chefe de Justiça Iftikhar Mohammed Chaudhry, desencadeando uma onda de protestos por todo o país.

Julho de 2007 – Segurança tempestade forças do militante ocupada complexo da Mesquita Vermelha em Islamabad depois de um cerco de uma semana.

Supremo Tribunal repõe Chefe de Justiça Chaudhry.

Outubro de 2007 – Ex-primeira-ministra Benazir Bhutto retorna do exílio. Dezenas de pessoas morrem em um atentado suicida visando seu desfile regresso a casa em Karachi.

Exército lança ofensiva contra militantes no Waziristão do Norte. Cerca de 200 pessoas morrem nos combates.

Outubro-Novembro de 2007 – Musharraf vence eleição presidencial, mas é desafiado pelo Supremo Tribunal. Ele declara o estado de emergência, descarta Chefe de Justiça Chaudhry e nomeia novo Supremo Tribunal, o que confirma a sua reeleição.

Novembro de 2007 – Ex-PM Nawaz Sharif regressa do exílio.

Bhutto matou, Musharraf renuncia

De dezembro de 2007 – Estado de emergência levantado.

Benazir Bhutto assassinada em comício em comício de campanha em Rawalpindi.

2008 Fevereiro-Março – Partido Popular do Paquistão (PPP) candidato Yusuf Raza Gilani se torna PM na cabeça de coligação com o partido de Nawaz Sharif Liga Muçulmana após as eleições parlamentares em fevereiro.

De agosto de 2008 – O presidente Musharraf renuncia após os dois principais partidos governistas concordam em lançar um processo de impeachment contra ele. Ex-primeira-ministra Benazir Bhutto retorna do exílio. Dezenas de pessoas morrem em um atentado suicida visando seu desfile regresso a casa em Karachi.

Exército lança ofensiva contra militantes no Waziristão do Norte. Cerca de 200 pessoas morrem nos combates.

Outubro-Novembro de 2007 – Musharraf vence eleição presidencial, mas é desafiado pelo Supremo Tribunal. Ele declara o estado de emergência, descarta Chefe de Justiça Chaudhry e nomeia novo Supremo Tribunal, o que confirma a sua reeleição.

Novembro de 2007 – Ex-PM Nawaz Sharif regressa do exílio.

Bhutto matou, Musharraf renuncia

De dezembro de 2007 – Estado de emergência levantado.

Benazir Bhutto assassinada em comício em comício de campanha em Rawalpindi.

2008 Fevereiro-Março – Partido Popular do Paquistão (PPP) candidato Yusuf Raza Gilani se torna PM na cabeça de coligação com o partido de Nawaz Sharif Liga Muçulmana após as eleições parlamentares em fevereiro.

De agosto de 2008 – O presidente Musharraf renuncia após os dois principais partidos governistas concordam em lançar um processo de impeachment contra ele.

Nawaz Sharif puxa a PML-N da coalizão, acusando o PPP de quebrar sua promessa de restabelecer todos os juízes demitidos por Musharraf.

De setembro de 2008 – Partido Popular deputados eleitos do Paquistão (PPP), Asif Ali Zardari – viúvo da ex-PM assassinado Benazir Bhutto – presidente.

Atentado suicida no Hotel Marriott, em Islamabad mata 53 pessoas. Logo depois, o governo lança grande ofensiva na região tribal de Bajaur, matando mais de 1.000 militantes.

De novembro de 2008 – O governo toma emprestado bilhões de dólares do Fundo Monetário Internacional para superar a crise da dívida em espiral.

Espírito militante

De dezembro de 2008 – A Índia acusa ataques de Mumbai em novembro no Paquistão militantes baseados no Paquistão e exige tomar medidas. Islamabad nega envolvimento, mas promete colaborar com a investigação indiana.

De fevereiro de 2009 – Governo concorda em implementar a lei sharia no vale de Swat norte-ocidental em um esforço para persuadir os militantes islâmicos há de concordar em cessar-fogo permanente.

2009 Março – Depois de dias de protestos, os rendimentos do governo às demandas de reintegração de juízes demitidos pelo ex-presidente Musharraf.

2009 Abril – Swat acordo quebra depois que militantes do Talebã-ligados procurar estender seu controle. Governo lança ofensiva para tomar o controle da Swat dos militantes.

De julho de 2009 – O Tribunal Supremo absolve líder da oposição, Nawaz Sharif de seqüestro acusações datam de 1999 golpe militar, a remoção de proibição de sua execução a cargo público.

De agosto de 2009 – O líder do Taliban paquistanês, Baitullah Mehsud, é morto em ataque de drones EUA no Waziristão do Sul. Ele é sucedido por Hakimullah Mehsud.

Atentado suicida no noroeste da cidade de Peshawar mata 120 pessoas.

Novembro de 2009 – O presidente Asif Ali Zardari controle mãos do arsenal nuclear do Paquistão para PM Yousuf Raza Gilani, em aparente tentativa de aliviar a pressão política.

De janeiro de 2010 – Ataque suicida em uma partida de voleibol no noroeste mata mais de 100 pessoas.

Os esforços de reforma

Abril de 2010 – O Parlamento aprova pacote de amplas reformas constitucionais. As medidas incluem a transferência de competências-chave de funções do presidente a primeiro-ministro.

2010 Agosto – Pior inundações em 80 anos matam pelo menos 1.600 pessoas e afetam mais de 20 milhões. A resposta do governo amplamente criticado.

2010 Outubro – Rise, direcionados assassinatos políticos, atentados em centro comercial de Karachi.

2011 Janeiro – Uma campanha para reformar lei de blasfêmia do Paquistão leva ao assassinato de dois torcedores de destaque, governador do Punjab, Salman Taseer, em janeiro, e Minorias ministro Shahbaz Bhatti, em março.

2011 Março – Os primeiros-ministros da Índia e Paquistão se reúnem para assistir a um jogo de críquete, uma ocasião visto como uma oportunidade para os dois países para reparar as relações.

2011 Abril – O fundador da Al-Qaeda, Osama bin Laden, foi morto por forças especiais americanas em Abbottabad.

2011 novembro – Paquistão fecha rotas de abastecimento da Otan após um ataque da Otan em postos militares mata 25 soldados paquistaneses.

“Memogate”

2011 Dezembro – Paquistão boicotes a Conferência de Bona sobre o Afeganistão, em protesto contra o ataque da Otan em um posto de fronteira.

Presidente Zardari sofre tratamento em Dubai para um problema cardíaco. O governo está sob pressão ao longo de um memorando vazado alegando que altos funcionários procuraram a ajuda dos EUA contra um golpe militar após a morte de Osama bin Laden, em abril.

Tropas dos EUA deixam o Shamsi base aérea no Baluchistão, na esteira do ataque fronteira de Novembro, e do Paquistão bloqueia comboios americanos que entram no Afeganistão.

2012 Janeiro – Em meio à crescente tensão entre o governo e militar sobre escândalo “memogate”, chefe do Exército, general Pervez Kayani alerta para “consequências imprevisíveis” após PM Yousuf Raza Gilani, líderes militares e critica defesa sacos oficiais de topo.

Supremo Tribunal ameaça processar o primeiro-ministro Gilani por desacato ao tribunal por causa da recusa do governo de reabrir casos de corrupção contra o presidente Asif Ali Zardari e outras figuras políticas.

2012 Maio – Um painel do Senado EUA corta $ 33 milhões em ajuda ao Paquistão para a prisão de médico paquistanês Shakil Afridi que ajudou a CIA encontrar Osama Bin Laden. Dr. Afridi foi julgado por traição sob um sistema de justiça tribal para a execução de um programa de vacinação falsa para reunir informações para inteligência dos EUA.

2012 Junho – Supremo Tribunal desqualifica o primeiro-ministro Gilani do exercício de funções depois que ele se recusa a apelar contra a sentença token em linha Presidente Zardari corrupção. Parlamento aprova Água e Energia ministro Raja Pervez Ashraf como seu sucessor.

2012 Julho – Paquistão concorda em rotas de abastecimento da Otan reabrir ao Afeganistão depois dos EUA pede desculpas por matar 24 soldados paquistaneses em novembro.

2012 Setembro – clérigo muçulmano Khalid Chishti é preso por suspeita de plantio de páginas do Alcorão entre papel queimado na bolsa de uma menina cristã, que foi brevemente detido por blasfêmia depois de uma multidão enfurecida exigiu sua punição. Isso levou a fuga de cristãos de uma favela Islamabad e condenação generalizada da lei de blasfêmia em casa e no exterior. Um tribunal arquivou o processo contra a garota cristã em novembro.

2012 Outubro – Cricketer que virou político Imran Khan detém uma grande manifestação contra ataques de aviões não tripulados dos EUA na cidade de Tanque depois que as forças de segurança parar sua comitiva milhares forte de entrar nas áreas tribais na fronteira com o Afeganistão.

Atiradores talibãs ferir gravemente 14 anos, defensora dos direitos das meninas Malala Yousafzai. Senhorita Yousafzai primeiro incorridos desagrado do Taleban quando ela escreveu um diário para a BBC Urdu em 2009, após o grupo fechou escolas para meninas no vale de Swat. Eles disseram que ela tinha sido alvo, porque ela “promovido secularismo”.

2012 novembro – Taliban suicida mata pelo menos 23 pessoas em uma procissão muçulmana xiita na Rawalpindi. Mais de 62 pessoas ficaram feridas. Explosões fora de uma mesquita xiita em Karachi mata pelo menos duas pessoas, e uma bomba em Quetta deixa cinco mortos, como os xiitas marcar seu mês sagrado de Muharram.

Fonte: news.bbc.co.uk

História do Paquistão

Paquistão se estende ao longo de cada lado do rio Indus histórico, seguindo o seu curso de vales das montanhas do Himalaia até o mar da Arábia. Na fronteira com a Índia, China, Afeganistão e Irã, que está estrategicamente localizado montado as antigas rotas comerciais entre a Ásia ea Europa.

O Paquistão tem 796.095 quilômetros quadrados de território incluem uma grande variedade de paisagens, desde desertos áridos para exuberantes, vales verdes para Stark picos das montanhas.

História do Paquistão
Paquistão

Geograficamente, o Paquistão pode ser dividido em três regiões: as planícies ao longo do Indus, no sul e no leste, o planalto árido do Baluchistão, no sudoeste, e as montanhas do norte. As províncias de Punjab e Sindh, no leste e no sul, são bem irrigado pelo Indo e seus afluentes. A terra é fértil e produz a maior parte dos alimentos do Paquistão. Esta área, que inclui as cidades de Karachi, Islamabad (capital), Lahore e Rawalpindi, é a mais densamente povoada do país.

A província sudoeste de Baluchistão cobre quase todo o território do Paquistão metade. A terra é constituído de um planalto pedregoso, pouco povoada e muito seco. Fora da capital provincial de Quetta, no Baluquistão viagem é extremamente restrito.

História do Paquistão
Paquistão

Norte montanhoso do Paquistão contém o pico mais alto segundo na Terra, K2 (28.250 pés, 8.611 m), e mais de 300 geleiras.

Três grande montanha trecho faixas em toda esta parte do país: o Himalaia, os Karakorams e o Hindu Kush. Topografia da região está em constante mudança, como terremotos freqüentes ajudar as montanhas crescer a uma taxa extraordinária de 7 mm (1/4 de polegada) por ano.

Paquistão clima varia de acordo com a elevação. De abril a setembro são os meses mais agradáveis nas montanhas, embora eles trazem calor opressivo para as planícies baixas do vale do Indo, onde as temperaturas podem ultrapassar meio-dia de 40 graus Celsius (100 graus F). De dezembro a fevereiro são os meses mais frios, com temperaturas baixas cair para entre 10-25 º C (50-77 graus F) e do ar nas montanhas cai abaixo de zero. Monções chegar às áreas do sul do país no final do Verão, embora a precipitação é mínima no Baluchistão e no norte e limitado na maior parte do interior.

História e Pessoas

O Paquistão é um país relativamente nova, a região do rio Indo é conhecida como o berço da civilização. Os arqueólogos encontraram fósseis de Homo sapiens na área que datam 50.000 anos. Uma sociedade urbana conhecida como a civilização Indus desenvolveu em torno de 3000 aC, e floresceu por um período de cerca de 1.500 anos. Uma das razões para o aumento da prosperidade e da Civilização do Indo foi a sua situação certa ao longo de uma rota comercial natural entre a Ásia Central eo subcontinente indiano. Embora esta posição estimulado o surgimento de uma sociedade de comércio urbano, também incentivou a onda após onda de invasão, fazendo história do Paquistão uma tapeçaria enorme de conquistas sucessivas.

História do Paquistão
Paquistão

A primeira dessas incursões foi que dos arianos, que chegou da Ásia Central em torno de 1.700 aC, deslocando a Civilização do Indo e trazendo o hinduísmo para a região. Doze anos depois, os arianos, por sua vez cedeu aos exércitos de Ciro, o Grande, e a região do Indo se tornou uma parte de seu império persa Aquemênida. O conquistador próximo a chegar foi Alexandre, o Grande, que passaram pela passagem de Khyber, em 326 aC, construiu uma frota de navios, e navegou pelo Indo para conquistar o que é hoje o estado de Punjab. Foi no Punjab que os soldados de Alexandre recusou-se a ir mais a leste, provocando uma marcha extremamente difícil para casa através das regiões ásperas do deserto de Baluchistão, Afeganistão e Irã.

Sucessores de Alexandre, os selêucidas, sobreviveu por cerca de um século, até que se rendeu à Ashoka, imperador do grande império Maurya da Índia. Foi Ashoka que, em um ato de remorso pelo sofrimento causado por suas muitas conquistas, levou o budismo para o Paquistão (e grande parte da Ásia). O Mauryans foram sucedidos pelos Bactrians, o Saka (cita nômades), os partos, e, no século 2 dC, pelos Kushans. Kanishka, o maior dos reis Kushan, governou de Peshawar mais de um império que se estendia por grande parte da Índia. Enquanto o império Kushan diminuiu, vários reinos hindus na Índia afirmou seu poder, dividindo o território entre eles. O Islã foi introduzido no século 8 e rapidamente se espalhou por toda a região. Os governantes turcos do Afeganistão invadido o Paquistão como eles começaram a conquista da Índia. Paquistão então passou sob o controle dos sultões muçulmanos de Delhi.

No início do século 16, o Paquistão tornou-se parte do Império Mughal. Sob os imperadores Akbar, Jahangir e Shah Jahan, arte e arquitetura floresceu. No início do século 19, os sikhs consolidaram o seu poder e declarou Lahore seu capital. Dentro de algumas décadas, no entanto, os Sikhs foram derrotados na batalha pelo Inglês, e Paquistão se tornou parte do Raj britânico. Quando a Índia preparado para a independência dos britânicos em 1940, muçulmanos indianos pressionado por seu próprio estado independente, e da República do Paquistão surgiu em 14 de agosto de 1947 como uma pátria muçulmana. Infelizmente, o nascimento do Paquistão e da Índia foi marcado pelo derramamento de sangue maciço, quando a violência eclodiu entre muçulmanos e hindus migrando de um país para o outro. Cerca de 500.000 pessoas estão acreditava ter morrido.

População do Paquistão de 128 milhões é uma das mais rápido crescimento na Ásia. Os dois maiores grupos étnicos são os Punjabis, um povo indo-arianos, que dominam a vida política e empresarial, e os pashtuns, que trabalham principalmente como pastores e agricultores. As áreas do norte são o lar de muitos grupos étnicos distintos, cuja eclética herança é o resultado de casamentos entre a população local e os invasores de outras partes da Europa e Ásia. A língua oficial é o urdu e Inglês é amplamente utilizado no mundo dos negócios.

Fonte: www.geographia.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+