Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Andorra  Voltar

Andorra

PERTO DO CEÚ

Um espaço inaudito, coberto de um silencio que apenas se rompe pelo som de uma ave ou do vento que joga entre as árvores, um panorama amplio, impactante com a luz que se desliza sobre a neve, uma terra onde o homem se vê reduzido a seu máximo tamanho, onde o desafio é constante e a eternidade parece estar presente. Este é a paisagem do principado de Andorra, resguardado entre as montanhas, milenário e calado, mas permanente e forte.

Andorra é um território pequeno, sua singular beleza é cenário de tantas fantasias e de múltiplas possibilidades. E é que ser pequeno não significa carecer de uma grande tradição é uma história cheia de fatos significativos. Pequena que se agiganta quando se despega com força o leque de possibilidades de emoções e entretenimento que oferece Andorra. Más ala da espessa neve que cobre o pirineo andorrano de novembro a abril e que constitui o principal patrimônio deste paraíso, o país tem muitas mais propostas em onde é fácil extraviar-se entre a dimensão do tempo e esquecer que se vive no século XX.

Andorra é um convite a descobrir todo um mundo recluso em uns quantos quilômetros, cheio de encantos naturais que não deixam de surpreender tanto aos espíritos mais aventureiros, como às almas que procuram equilíbrio com a natureza ou àqueles que anseiam a experiência de vanguarda de domesticar à montanha. Igrejas românicas e monumentos históricos construídos em pedra cinzas e disseminados ao longo do território, o reflexo mais puro de tempos passados, modernas estações de esqui, excitantes excursões a pie, a cavalo ou em bicicleta por paradas que se voltam inesquecíveis, interessantes museus, atrativos centros esportivos e de descanso, deliciosa gastronomia, inumeráveis lojas, hotéis e serviços impecáveis. Em uma palavra, um mundo surpreendente e atrativo.

Se trata pois, de uma nação que guarda uma especial magia entre o transito de hoje e o de ontem, para converter-se em um labirinto de caminhos e possibilidades em meio de paisagens inimagináveis e cativadoras, sem essa sensação de vertigem e desesperação que envolve aos viajantes dos grandes países. Andorra é, sem más, a entrada ao céu.

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

As dos fronteiras com que conta o território de Andorra são pas da Casa pelo lado francês, e a Farga de Moles pelo lado espanhol. Os cidadãos europeus de estados membros da CEE, só requiserem seu Documento Nacional de Identidade para ingressar ao principado; por sua parte, o resto dos cidadãos do mundo precisa de seu passaporte sem necessidade de visto.

Os direitos alfandegários variam segundo a idade das pessoas e podem-se exportar até 1 kg. de café ou 400 gramas de extratos, 200 g. de te ú 80 g. de extratos, 5 kg. de carne, 5 kg, de açúcar e doces, 4 kg. de queixo, 1 kg. de manteiga, 6 kg. de leite fresca, 3 kg. de leite condensada e 2,5 kg. de leite em polvo sempre que todo isto não ultrapassa uma quantidade de Euros.

Respeito ao álcool e o tabaco unicamente se permite sua exportação a pessoas maiores de 17 anos e nas seguintes quantidades: 1,5 litros de licores de mais de 221, 3 litros de licores de menos de 221ou de vinhos espumosos, 5 litros de vinhos de mesa, 300 cigarros ó 150 puros de menos de 3 g. ó 75 puros de mais de 3 g. ó 400 g. de mordida e tabaco para pipa. Enquanto a outros produtos está permitido levar 75 g. de perfumes e 375 ml. de colônias e uma média de produtos industriais que não excedam o valor de uma determinada quantidade de Euros. Se as quantidades que se exportam não ultrapassam os limites e características marcados pela alfândega andorrana, não há necessidade de declará-lo. Em caso contrário há que passar pela alfândega de Andorra. Recorde que as quantidades e valores podem variar.

CLIMA

O clima do principado é de montanha, seco e frio. Apesar da imensa quantidade de neve que recebe, a umidade não é demasiada e a insolação é boa, de tal maneira que pode-se desfrutar muito bem da própria neve.

A abundância de água em seus rios e lagos ao chegar o desgelo, fazem do verão uma época quente mas não agonizante que se desfruta tanto como o inverno.

Os ventos são moderados, excetuando algumas zonas de montanha na temporada fim do inverno.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

Si se viaja nos meses de verão é aconselhável levar prendas de algodão e algum abrigo leve. Em outono é recomendável um capa de chuva, enquanto que em inverno há que ir bem abrigado. Si pensa esquiar não olvide as óculos de sol e um bom protetor solar. A roupa casual está bem vista.

IDIOMA

O idioma oficial do principado é o catalã. Descendente do lemosím e o provenzal que se desenvolve-lo além dos pirineos, os habitantes desta nação lhe acolheram como língua oficial. Não obstante, a maior parte da cidade fala com soltura tanto o castelhano como o francês.

ELETRICIDADE

A corrente elétrica é de 220 volts, a 50 Hz. igual à que utiliza-se na Espanha, França e resto da Europa.

MOEDA E CÂMBIO

Andorra é um país que não conta com moeda própria.

No dia 1 de Janeiro do ano 2002, o Euro converteu-se na moeda de curso oficial e comunitária de doze Países da Europa: Espanha, Alemanha, Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Luxemburgo e Portugal.

As notas são iguais para os doze Países e distinguem-se entre si pela sua cor e tamanho.

Existem notas de maior valor: de 500 euros, 200 euros, 100 euros e 50 euros e circulam, também, notas de menor valor: de 20 euros, 10 euros e 5 euros.

Estas notas têm incorporados elementos de segurança avançados, os quais permitem, fácilmente, comprovar a sua veracidade, como uma marca de água, um holograma, uma linha de segurança, tinta de cor variável, impressão em relevo e uma banda iridescente que brilha e muda ligeiramente de cor sob uma luz intensa.

Além disso, puseram-se em circulação oito moedas que têm uma face comúm e uma face nacional, desenhada por cada País. Todas as moedas se consideram válidas nos doze Países da zona do euro. Há moedas de 2 euros,  1 euro, de 50 cêntimos,  20 cêntimos,  10 cêntimos, 5 cêntimos, 2 cêntimos e 1 cêntimo. Cada uma delas com um diâmetro, peso, cor, composição e espessura diferente para uma mais fácil identificação.

O cambio de outras moedas convém realizá-lo antes de ingressar ao principado, já seja em França ou na Espanha. já no interior, pode cambiar sua moeda nos bancos que abrem de 9:00 a 13:00 e de 15:00 a 17:00 h. de segunda-feira a sexta-feira. Sábados de 9:00 a 12:00 h.

CORREIOS E TELEFONIA

O serviço no interior do país é gratuito, fato surpreendente nestes tempos. O correio exterior se serve do serviço postal espanhol e francês que emitem selos especiais para Andorra, além de gerir sua correspondência. Não terá dificuldade alguma em encontrar escritórios de correios pois estão bem disseminadas e sinaladas ao longo do território.

En quanto aos telefones, o principado é um lugar muito bem comunicado. Conta com um bom número de cabinas e telefones de serviço público. Para chamar a Andorra há que marcar 00-376, mais o número de assinante.

FOTOGRAFIA

Em Andorra encontrará todo o material fotográfico que necessite. Não olvide que é um dos países da Europa com preços relativamente vantajosos no que respeita a material fotográfico e de vídeo.

HORÁRIO COMERCIAL

Os grandes armazéns contam com horários amplios e atrativos: abrem de 9:00 a 19:00 ó 21:00 h. Todos os dias da semana. Os estabelecimentos menores acostumam abrir de 9:00 a 13:00 h. E de 16:00 a 19:00 ó 20:00 h. todos os dias. As escritórios públicas estão abertas de 9:00 a 17:00 h. de segunda-feira a sexta-feira.

Durante os meses de outubro e novembro alguns restaurantes, hotéis e lojas acostumam fechar para renovasse, descansar e preparar-se para a temporada invernal. Se viaja em esses meses, consulte, previamente, a apertura de aqueles lugares que lhe interessam para que não corra o risco de encontrá-los fechados.

GORJETAS

A gorjeta é facultativa e lhe aconselhamos dá-la si se está satisfeito com o serviço recebido.

TAXAS E IMPOSTOS

No existem taxas nem impostos em Andorra.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Encavada entre dois gigantes da história da tradição Européia, Espanha e França, Andorra é um pequeno país de escassos 468 Km2 de superfície. Seu território, entretanto, se caracteriza por uma singular variedade entre as montanhas que o rodeia, as águas que o atravessam presenteando prodígio da vida e o vale onde os habitantes deste lugar confluem para construir ao principado de Andorra. Não há espaço para a simplicidade ou a carência visual neste pequeno território europeu.

Encontrando-se no coração dos pirineos, sua altitude atinge os 2.946 metros em Alto de Comapedrosa, em tanto que a zona mais baixa ronda os 840 m. Na confluência do rio Valira e o rio Runer. Trata-se pois de um terreno bastante alto, com descidas e declínio variados e espaços intermináveis, ao menos visualmente, montanhas, ladeiras e picos nevados por onde o sol adquire uma forma distinta.

O rio Valira, de águas claras e limpas, atravessa o principado. Como característica peculiar pode sinalar-se que forma uma espécie de "Y" que divide geograficamente o país. Cada vertente desta torrente aquática, por vezes menos densa e veloz, adquire um nome próprio ao acrescentar o ponto cardeal para o qual corre; desta forma, se lhe conhece como Valira do Norte, de Oriente e o grande Valira. As ramificações que possui não são demasiadas; o importante é que todas as águas que cruzam Andorra vem do mesmo rio, fato pouco conhecido em países de superfícies maiores.

Seis lagos servem de recipiente às neves que durante o verão se convertem em águas doces e frescas ao baixar das montanhas. Vários estanys conformam também a bem dotada hidrografia andorrana. Trata-se de antigos glaciares que, ao longo dos séculos, vieram desgelando até converter-se em lagos pequenos, com características próprias. Neles a pesca de pequenas espécies, assim como a paz que oferecem pela quietude de suas águas, resultam de o mais atrativo.

Apesar da neve invernal, o clima do principado tende a ser pouco úmido. A chuva não é freqüente e a umidade se evapora com rapidez. Durante o verão o clima costuma ser bastante agradável em tanto que no inverno, pese à neve, a insolação que sua brancura provoca é suficiente para que o calor permaneça e resulte menos frio que outras zonas pirenaicas. Tal vez por ele é que se trate de uma zona tão desejada pelo turismo pois oferece as vantagens do inverno e o verão sem muitas de suas desvantagens habituais.

Com segurança é essa pequenez territorial o que dota a Andorra de tantos benefícios geográficos e culturais. Em seu interior, encontram-se sete comunidades chamadas paroquias que resultam muito mais pequenas.

Trata-se de administrações geopolíticas que apesar de seu escasso tamanho possuem características próprias: Andorra la vella, que além do mais é capital, A Massana, Ordino, Canillo, Encamp, Escaldes Engordany e Sant Julià de Lòria. Em conjunto, encontram-se habitadas por algo mais de 64.000 habitantes, muitos que não são andorranos más europeus que viram neste espaço um paraíso onde trabalhar e viver comodamente.

A localização geográfica de Andorra garante, através de seus vizinhos imediatos, uma excelente comunicação com toda Europa, de tal maneira que resulta acessível ao turismo e ao transito.

FLORA E FAUNA

A geografia do principado, quase cheia de montanhas, oferece surpresas interessantes ao momento de adentrar-se e descobrir a fauna e flora da região. A grandalla, a flor mais representativa de Andorra, apenas conta com seis delicadas pétalas. De talo alargado e ao centro uma coroa amarela, a grandalla, ou narciso de montanha, abunda nas ladeiras das paisagens andorranos. Cada uma de suas seis pétalas tem-se identificado com as originais seis paroquias do país. A delicadeza com que sobrevive esta espécie floral surpreende, especialmente si se considera a dureza que a paisagem montanhoso reflete.

E embora a grandalla é a rainha deste espaço, convive com mais de 1.100 espécies de plantas entre lírios, campânulas, margaridas selvagens, rododendros, cravos de pastor, rosas, violetas e alguns tipos de loto nos estanques e lagos da região entre muitas outras flores. Além de estas variedades florais, Andorra conta com espécies menos frágil e mais práticas como o aipo selvagem, as raízes de regaliz, ahicorias entre muitas outras.

Se as flores e pequenas espécies invadem o espirito estético, os grandes exemplares de pinos, abedules, hayas, carvalhos, encinos, chopos e abetos cobrem as ladeiras e planícies andorranas. O aroma a madeira e ervas se mistura, se enreda e permanece ainda quando se cobrem de neve.

Em relação à fauna, os rebecos e a raposa caminharam por estas paisagens, convertendo-se no símbolo animal representativo desta terra. Sendo uma espécie de cabra de montanha, similar em muitos elementos a um veado ou cerbatillo, o rebeco caminha por todo o vale. O javali e a raposa são outros dos mamíferos comuns nos vales do principado. Os ursos e os lobos, espécies autóctones de estas latitudes e hábitat, se acham quase extintos. Hasta faz pouco tempo, a caça era livre, mas o clamor ecológico, tem levado a proteger a estas espécies.

Por outra parte, existe uma grande variedade e quantidade de coelhos, lebres, esquilos, martas e mamíferos pequenos que vivem nos troncos das árvores ou em pequenos buracos na terra.

enquanto a aves, podem-se ver algumas espécies de águias e falcões, assim como urubus e milanos. Os bosques são território de numerosas espécies de pássaros selvagens como o cuco, o urogalho, o búho real, e o faisão.

Por sua parte, no rio Valira e nos múltiplos afluentes, nos lagos e estancos, convivem espécies como a truta fario, a truta assalmonada e a nutria, entre outras variedades.

A paisagem tão equilibrada do território andorrano deve grande parte de sua beleza às espécies de flora e fauna que a compõe. Sem dúvida, é um dos lugares onde a natureza por si só é o bastante atrativa como para que o visitante queira permanecer em esse lugar até o fim do tempo.

LOCAIS TURÍSTICOS

No paraíso andorrano, convivem sete diminutas comunidades chamadas paróquias. Cada uma de elas, apesar de sua escassa superfície, garante um espaço de grande interesse para o visitante, cheio de encantos naturais. Sem trair a sua tradição, os andorranos souberam coadunar os avanços da modernidade e as atrações turísticas mais assediadas em nosso século para oferecer ao viajante um mundo surpreendente e atrativo. As sete paróquias de Andorra conservaram seus antigos monumentos históricos, enquanto se dedicam a construir, manter e renovar suas estações de esqui, seus museus, seus clubes e centros esportivos e sociais, assim como suas lojas.

As paróquias apesar de serem similares pelas suas características geográficas, suas casas de montanha, suas igrejas românicas como eixo das cidades e povoados, diferem bastante em sua oferta de lugares para conhecer e em seu estilo de vida. Realizaremos um breve percurso por estas comunidades iniciando em Andorra la vella para continuar por A Massana, Ordino, Canillo, Encamp, Escaldes-Engordany e Sant Julià de Lòira, conhecendo-as no sentido dos ponteiros do relógio.

ANDORRA LA VELLA

Andorra la vella é a capital política do país, por tanto, é a paróquia e cidade de maior importância. Seus aproximadamente 22.000 habitantes, concentrados em sua maioria na capital, convivem tranqüilamente com os visitantes através de suas ruas, comércios e lugares de interesse. Seu singular nome provém de haver iniciado como uma pequena vila pois Vella, em aqueles tempos, significava vila. Na atual idade se confunde o término porque Vella em catalão significa velha. O território desta paróquia localiza-se no centro geográfico do país, pelo que iniciamos seu percurso por ela. Dadas as condições da comunicação terrestre no principado, que confluem na Capital, o mais provável é que quem o visite ou o atravesse chegue primeiro a esta comarca e inclusive que volte a ela antes de abandonar o principado.

Geograficamente trata-se de um vale, banhado pelo Valira e rodeado de escarpadas montanhas, que atingem altitudes entre os 1.040 e os 2.334 metros. A maior parte do território da paróquia está coberto de bosques ou de verdes prados que antigamente deram pé a uma atividade ganadeira e uma agricultura suficientes para a sobrevivência. Na atual idade, o crescimento demográfico tem limitado as atividades primarias e quase só permanece o cultivo do tabaco, o mais importante da Europa, em meio das atividades turísticas, industriais e comerciais.

Seguindo fiel à tradição reservada e tranqüila deste povoado de montanha, a capital andorrana é um lugar ideal para experimentar a estranha e pouco freqüente combinação que brinda uma capital nacional, moderna e transitada, com o estilo de vida relaxado da montanha. Possivelmente o maior atrativo que ofereça seja o movimento cultural característico das capitais Européias, não só pelos eventos de alto nível que promove a prefeitura com singular freqüência, sino também pela magia do trânsito entre França e Espanha, pela confluência de histórias, por essa herança cultural tão antiga que adquire dimensões próprias e matizadas de modernidade em uma dimensão única. Os esforços da prefeitura por consolidar em Andorra um centro de cultura de primeira ordem vão dando frutos. Pouco a pouco, o espirito do principado vai passando de ser um paraíso fiscal, comercial e esportivo, a um território com um importante patrimônio socio-cultural, próprio do século XX.

A vida na capital do principado gira em torno à Avenida príncipe Benlloch, eixo central do trânsito veicular e humano. Ao longo desta rua se aglutinam as principais casas comerciais, a prefeitura ou Comú, escritório de correios e vários monumentos importantes (a avenida cambia de nome em diferentes trechos e se converte tanto na Avenida Meritxell como na Avenida Dr. Mitjavila). Também nas entranhas deste caminho se geram, quase todos os dias, engarrafamentos importantes. Sendo um território tão minúsculo, e ao mesmo tempo, um lugar de trânsito para o próprio país e para seus vizinhos galos e ibéricos, o espaço se volta em ocasiões escasso para tantos veículos e pessoas. Para os andorranos, o caos vial só tem o significado de que o mundo segue reconhecendo em Andorra um lugar agradável para passar uns dias, para comprar e divertir-se. Más além da rua e do automóvel, se faz presente de imediato o espirito tranqüilo da montanha.

Do passado e a tradição histórica, convém olhar bairro Antigo da cidade, conformado por casas de dois ou três andares, construídas em pedra grisácea, a maior parte de elas com balcões em madeira ou ferro, desenhos variados e portas imponentes de madeira. Destacam algumas por sua exuberância e tamanho, pertencentes a antigos nobres andorranos. No centro do bairro Antigo, a Igreja paroquial de Sant Esteve, testemunha do nascimento e crescimento da cidade desde o século XII. Com características românicas, se conservam intactos os muros exteriores assim como algumas partes do interior (em o século XIX foi motivo de uma restauração e modernização que tratou de conservar as características românicas na decoração e no novo campanário, peça que teve de construir-se por completo a causa de hver sido derrubada por um raio).

Uma sombria estrutura de 1580, com seus muros de pedra que refletem os anos transcorridos, acolhe à que se conhece como a Casa de Vall. Trata-se de uma construção que acolhe na atual idade o parlamento, o Governo e os Tribunais de Justiça. Sobre a porta principal pode-se observar o Escudo do principado. O interior é um espaço político que se impõe com sua seriedade. A planta baixa corresponde ao Tribunal de Corts e suas dependências. O primeiro piso possui uma câmara retangular, sede das reuniões do Conselho Geral na qual destacam os assentos em madeira talhada de altos respaldos, a mesa de madeira, onde têm lugar as discussões entre os conselheiros e um armário de madeira talhada que contem os documentos oficiais do país; conta com sete fechaduras que só podem abrir-se quando os sete Conselheiros Maiores, um de cada paróquia, decidem abrir a qual corresponde a sua responsabilidade. Na mesma primeira planta localiza-se a Sala Nobre ou dos passos perdidos, que antigamente foi o comedor; nela podem-se observar pinturas murais do século XVI; a um lado, a antiga cozinha conserva seu piso de pedra, os azulejos e alguns dos utensílios da época em que se construiu. A segunda planta contém como mostra uma das habitações onde antigamente dormiam os conselheiros. O resto da segunda planta corresponde ao Museu postal, onde podem-se ver mostras filatélicas tanto de Espanha como da França, assim como da própria Andorra.

Devido ao interesse da própria cidade do principado por acrescentar a imagem do país além de suas montanhas e lojas, a prefeitura construiu em 1989 o moderno e funcional Centro de Congressos e Exposições. Trata-se de um complexo arquitetônico de estilo modernista, com janelas, fontes e jardins. Conta com a mais sofisticada tecnologia. No relativo a comunicações, segurança e iluminação, convertendo-o em um dos melhores centros de convenções europeus em beneficio do turismo de negócios e a cultura. Sua localização é absolutamente centrica, justo ao lado da tradicional praça do povo, antigo centro cultural de Andorra. Uma das principais características deste espaço é a versatilidade de seu desenho ao momento de aproveitar seus recursos pois seus 1.000 metros quadrados de superfície podem amoldar-se perfeitamente às necessidades dos eventos que se realizem conformando até sete salas. Conta com serviços centrais de telefone, fax, fotocopiadora, instalações próprias para a exposição de materiais e objetos, uma cafeteria, assim como uma estética e funcional Sala de atos com lotação para 430 pessoas.

É tal seu êxito e uso, que são escassos os dias do ano em que não se encontre em seu interior algum evento atrativo. Existe um boletim informativo que pode-se adquirir no escritório de turismo onde aparece publicado o calendário de eventos. Em um primeiro golpe de vista, este Centro de Congressos se capta como a suma do esforço humano por conviver com a natureza sem renunciar à comodidade alcançada na presente era.

OUTROS PONTOS DE INTERESSE DE ANDORRA LA VELLA

Uns poucos quilômetros para o sudoeste de Andorra la Vella localiza-se Santa Coloma, uma cidade que tem atingido grande modernidade e que resulta muito atrativa pelos seus comércios e a variedade de serviços oferecidos ao ramo da industria automobilística.

Situada a 1.036 metros de altitude, tem-se convertido no resguardo de um dos melhores tesouros artísticos do principado: a Igreja Românica de Santa Coloma, a mais antiga do país, construída no século IX e conservada de forma quase íntegra. Sumamente simples, chama a atenção por sua nave retangular com um teto similar aos das pagodas orientais que tem-se conservado com sua original e primitiva estrutura de madeira. O campanário possui quatro trechos, diferença significativa com o resto das igrejas românicas que só possuem três. Destacam as pequenas janelas duplas e em estilo lombardo e, na parte superior, a esculpida figura humana e alguns restos de policromia que ornamentavam o lugar. No interior pode-se ver um arco de ferradura mozárabe que aponta para um teto simples e vazio que antigamente esteve decorado pelos frescos do mestre de Santa Coloma, mesmos que foram entregados ao Museu prusiano de Cultura de Berlim. Como único sobrevivente original, a imagem românica da Virgem e o menino Jesus com suas características próprias do século XIII. Um retábulo maior, de estilo barroco, culmina a ornamentação da nave central em um de suas laterais.

Outro dos pequenos povoados próximos a Andorra la vella é o Collet de Sant Vicenç d'Enclar, assentado em um pequeno pedaço de montanhas de 1.200 metros de altitude com abundante vegetação. Se chega a este lugar seguindo o caminho que parte de Santa Coloma da rua Borroms e embora a escalada custa um pouco, vale a pena pela esplendida beleza de sua panorâmica e pelo acesso às ruínas de um antigo Castelo Medieval, assim como pelo encontro com a Igreja Românica de Sant Vicenç, que guarda grande similitude com a igreja de Santa Coloma.

Os arredores da paróquia de Andorra contam com atrativos picos que podem escalar-se sem representar alto risco. Durante o verão, se organizam excursões para ascender à montanha a passo tranqüilo e gozar da vista que o panorama oferece.

A MASSANA

A Massana é a quarta das paróquias do principado, no relativo a sua configuração histórica. Situada para o oeste, compartindo fronteira com Espanha, conta apenas com 64 metros quadrados de superfície. Território recheado de bosques, é a zona de maior atrativo, com relação à flora e a fauna pois em suas terras encontram-se espécies de pelagem chamativa. Pequeníssimos lagos, muito mais estanques naturais chamados isards, conservam em suas águas um bom número de trutas e outras variedades de peixes.

Os principais núcleos urbanos que a compõem são pal, Sispony, Anyós, Arinsal, Erts, L'Aldosa e desde logo A Massana. Pequenas cidades com um encanto excepcional onde a diversão pode vir em forma natural, na contemplação de suas paisagens, na exploração de suas enredadas montanhas, assim como na visita a seus pitorescos monumentos, a convivência com suas tradições ou a aventura do esqui.

Sendo a capital da comarca, A Massana é uma cidade que conserva com encanto suas antigas construções. Destaca a Igreja de Sant Iscle e Santa Victoria, construção românica que sofreu importantes reformas nos séculos XVII e XVIII. Sua maior herança é uma coleção de retábulos de estilo barroco que se conservam no interior.

A ponte de San Antoni, nas beira da cidade, é um elemento que esconde incógnitas para os andorranos. Unindo duas grandes paredes naturais de pedra, a ponte permite superar a dificuldade de cruzar desfiladeiro sobre o rio Valira para entrar e sair da cidade. Se crê que esta obra de engenharia é de origem medieval por suas características e os dados arrecadados, entretanto, não existem provas fidedignas de isso e se conserva o mistério do seu construtor, sua idade e sua fortaleza.

Nas proximidades da ponte, a Capela de San Antoni da Grella, é testemunha da história deste povoado. Hoje em dia São Antoni se converteu no patrono da comarca e no dia 17 de janeiro se lhe homenageia. Por último, a sala de Llar, uma construção mais recente que oferece ao público eventos culturais e artísticos ao longo do ano. Qualquer que seja a época em que visite Andorra, encontrará em A Massana algum evento interessante que admirar nesta sala.

ESCÁS

Seguindo o caminho que nasce frente à Igreja paroquial de Sant Iscle e Santa Victoria, se acede a uma série de degraus de pedra que ficam às espaldas da cidade. A través deles chega-se ao Valle de les Claperes e, posteriormente a Escás, pequena aldeia que surpreende por suas conservadas mansões senhoriais de diversos estilos palacianos.

PAL

Pal é um vila da comunidade que encontra-se a 1.500 metros de altitude. Seu maior encanto provém de uma visão global de sua paisagem equilibrada entre o urbanismo e a natureza em onde se localiza. Suas casas foram conservadas quase uniformemente com suas fachadas de pedra, telhados de pizarra, portas e janelas em madeira. Sobressaindo por sua tamanho, a Igreja de São Climent de pal chama a atenção por seu original campanário de três pisos, com pequenas janelas duplas. Trata-se de uma peça surgida no estilo românico que, como todas, tem sofrido modificações ao longo do tempo. Destacam, ademais, os frescos góticos e barrocos que guardam em seu interior, assim como a talha românica em madeira policromada de Nuestra Senhora de pal. Especial interesse por seu significado e simplicidade recebem as rejas que rodeiam ao presbitério. Um passeio pela estrada que leva a pal permite encontrar o porto de Cabas. Em este lugar, além de um paisagem encantador, pode-se apreciar uma peça escultórica de Dennis Oppenheim.

ARINSAL

Outra aldeia distinguida da paróquia de A Massana é Arinsal.

Se orgulhesse de possuir o pico mais alto no território andorrano: Comapedrosa, com 2.946 metros. Durante o verão, é uma zona muito visitada pelo reto que representa subir a seus picos e contemplar a imponente visão dos pirineos. A menor altitude localiza-se o Refugio de Comapedrosa, um remanso de paz, tranqüilidade e boa vista que recebe a centos de turistas ao ano. Com a companhia perene do Estany de lhes Truites, a um lado de sua construção, se converte em um lugar inolvidável para quem o visita.

Duas igrejas dão sobriedade a este paraíso pirenaico: a Igreja paroquial de Santo André, legado do século XVII, conserva um retábulo barroco e a Igreja do Campanar, provavelmente do século XII, com rasgos românicos e uma ermita medieval descoberta em 1970.

ERTS

Seguindo o caminho para A Massana surge Erts, um pequeno povoado onde é imprescindível visitar a Igreja de Santa Roma. Caracterizada pelo espirito do século XIX, de estilo retangular e ornamentação simples, se mantém com fidelidade a sua origem pouco pretensioso que, em meio de uma torrente de construções opulentas, como costumam ser as peças religiosas, reluz por sua originalidade. Seu interior revela a existência primaria de uma estrutura românica do século XI, onde podem-se ver um conjunto de pinturas murais, possivelmente medievais.

SIPONY E L´ALDOSA

Sispony é outro povoado que tem-se esforçado por conservar suas casas de pedra, sua unidade e seu sentido hospitaleiro. Sua antiga igreja, dedicada a São João Evangelista, patrono da aldeia, tem sido restaurada recentemente pelo que seu atrativo pode-se apreciar com plenitude.

L'Aldosa é outro pequeno povoado que oferece um atrativo panorama. Se acede a ele através da estrada que une A Massana com Ordino e seu principal atrativo é o Estádio que conta com espetaculares instalações para os amantes do esporte.

ANYÓS

Transitando pela estrada A Massana-Escaldes, atravessando os modernos túneis que se incrustam nas montanhas graníticas da zona, de pronto, quase como expulsado para o infinito, aparece Anyós. De menor altitude, pois apenas atinge os 1.300 metros sobre uma colina sulcada pelo rio Valira, esta encantadora aldeia oferece belas casas de pedra e telhados de pisara parando sobre a pendente de uma montanha. Na parte superior está a Igreja Românica de São Cristóvão. Trata-se de um original templo quase cúbico, coroado por um pequeno campanário de estrutura quadrada e arremates de aço. Do século XII, sua maior tesouro, além da engenhosa posição em que foi construída, é a coleção de frescos góticos do século XIII e os retábulos renascentistas do século XVI.

Entre os atrativos que o presente século lhe tem dado a esta espetacular aldeia extraviada nos pirineos, é o Centro Desportivo de Anyós, que conta com instalações modernas e muito visitadas para o esporte, a saúde e a estética. Durante todo o ano, o centro encontra-se cheio de pessoas que procuram relaxação ou curas através de suas diversas clínicas.

ORDINO

Um espaço aristocrático, quase exclusivo, compreende a terceira paróquia: Ordino. Pode-se dizer que é elegante desde sua geografia, ao estar atravessada pelos fortes causes do Valira do Norte, em meio de maciços e rigorosos picos com formosas e senhoriais mansões. Por qualquer lado que se mire, a impressão inicial de Ordino revela seu carater superior, aristocrático e poderoso e sua geografia é como um cavaleiro armado disposto a defender seu território.

Até poucas décadas, esta comunidade refugiava à nobreza do principado, a seus tesouros e histórias. Logo tem ido modernizando-se e entrando no ritmo deste século. Ordino tem conjugado seu passado com os benefícios da modernidade e como resultado, pode-se desfrutar de uma comunidade encantadora e inesquecível, de uma mirada que mistura a delicadeza da herança cultural francesa com o forte e permanente carater herdado do espanhol. Por outro lado, as recentes tendências para a proteção ecológica tem encontrado aqui um apoio que se manifesta em fenômenos concretos e que garante a possibilidade de suas propostas. Conhecedores do importante patrimônio que a natureza lhes tem encomendado, os habitantes de Ordino tem comprometido em sua conservação e desfrute sem prejudicar o seu equilíbrio natural.

O parte antiga da cidade, de apenas 1.200 habitantes, oferece uma panorâmica acizentada por suas construções de pedra, madeira e ferro. Pequenas ruazinhas permitem transitar com calma por este lugar. Destaca a praça Maior, centro tradicional de reuniões e vida, a cujo extremo aparece a Igreja paroquial de Santo Cornelio e Santa Cebriá. Construída entre os séculos XI e XII, de estilo românico e com reformas no renascimento, o maior tesouro da paroquia é a imagem talhada em madeira policromada da Virgem do Remédio, sendo a peça religiosa mais antiga do principado ao remontar-se ao século XI. Conserva, ademais, retábulos originais do barroco do século XVII e dos altares pequenos, dedicados aos cabeças de família do principado Rossell e plandolit. Ao seu redor, as barras de ferro maciço representam um trabalho muito cuidado e posterior que contrasta com a simplicidade de sua estrutura.

O Edifício do Comú de Ordino tem sido a sede do poder político durante longo tempo. A diferença de outras paróquias, a prefeitura tem-se conservado em seu edifício original, possivelmente pelo carater senhorial da comunidade. Em sua fachada, encontram-se talhadas em pedra as armas tradicionais da paroquia e incluso, em um de seus muros, ainda pode-se ver a argola à que pendurava aos réus condenados ao escárnio público.

O Auditório Nacional, em um espaço sóbrio e ao mesmo tempo delicado, é o centro das atividade artísticas e culturais da atual idade. Situado em um edifício construído em 1930 com o propósito de albergar animais dissecados, se converteu com apoio da prefeitura em um auditório em 1991. Trata-se de um edifício retangular, rodeado de jardins bem cuidados, em cujo centro está uma formosa cúpula.

Outro monumento que reúne a beleza aristocrática do passado com o encanto prático e brilhante do presente é a Casa Museu Areny plandolit. Nela se recopila e guarda a história de uma das principais famílias do principado, os Areny plandolit. O Museu está dividido em dois andares abertos ao público. No primeiro, podem-se admirar as bodegas, com suas barricas e instrumentos para a elaboração do vinho e o aceite no século XIX, o antigo talher de ferreria onde podem-se admirar as peças fabricadas e os instrumentos de trabalho e as cavalarias, que oferecem um percurso pela evolução das selas de montar, as ferramentas de doma e peças para a equitação. O segundo planta oferece a visão da aparentemente tranqüila vida aristocrática. Corresponde à sala, com suas peças de esgrima, caça e boxeio, o comedor, a cozinha, com seus utensílios em bronze, madeira e porcelana, a biblioteca e a capela particular, com peças ornamentais, um tocador higiênico e elegante. Os dormitórios valem menção especial por sua abundância espacial e sua simplicidade. Nas paredes abundam os quadros que narram a história da família e suas amigos. Também, e como uma verdadeira jóia por sua rareza, aparece um antigo e primitivo laboratório fotográfico de finais do século XIX. A impressionante e luxuosa beleza do Museu se complementa com uns maravilhosos jardins, rodeados de uma imponente peça de ferreria.

Ao abandonar Ordino pode-se admirar o Castelo Medieval de A Meca, fortificada obra do século XIII que se esconde entre a espessura do bosque.

SORNÀS

Fazendo um percurso pela paróquia, pode-se aceder a Sornàs, a só um quilômetro da capital. Trata-se de um diminuto povoado que conserva interessantes desenhos pré-históricos e um núcleo de três casas e uma humilde capela medieval que sobrevivem ao passo do tempo.

SÃO MARTÍ DA CORTINADA

São Martí da Cortinada é outro espaço ordinense que vale a pena conhecer. Se trata de uma cidade um pouco maior que Sornàs, com uma série de casas em pedra e onde pode admirar-se Cam pal, a casa mais antiga de Andorra. Apesar de que encontra-se quase em ruínas, sua beleza derruída se escorre pelo seu original balcão sustenido por formas losangulares dando fé de um passado glorioso. Muito cerca, a antiga carpintaria do mesmo nome, atual mente em restauração, onde pode observar a forma em que se trabalhava a madeira no século XVIII.

Nos extremos da aldeia, surge com sua maravilhosa beleza a Igreja de Sant Martí da Cortinada, peça românica do século XII que encontrou continuidade nas reformas do século XVII. A atual fachada conserva seu estilo românico original, tanto que seu campanário de estrutura quadrada, possui bordes retilíneos e remates com pontas que lhe permitiram sua conservação em um ambiente repleto de umidade. As reformas do século XVII, consistentes na ampliação da nave central, deixaram ocultos os frescos românicos do abside, que representam a São Martín, São Bricio e São Sebastián, assim como cenas da vida popular. O trabalho de ferraria das capelas interiores é impressionante por seu complicado entrelaçado e sua vigorosa fortaleza. Detalhes especiais são um pequeno altar circular no que se celebravam bodas e batismos e os bancos de madeira do interior, elaborados a mão no século XVII. Um deles contem uma estranha e original gaveta secreta para guardar objetos próprios da paróquia, que possui uma estrutura mecânica que lhe permite variar a posição do respaldo para permanecer sentado ou para rezar.

Frente à Igreja, o cemitério paroquial com lápidas representativas de cada um dos defuntos e, no fim do caminho da Igreja, se encontra um antigo moinho movido pelas águas do rio, chamado Molí de pal, quase intacto.

ARANS

Um quilômetro depois de A Cortinada localiza-se Arans, espaço convertido em subúrbio da estação de esqui de Ordino Arcalis que conserva em meio de suas casas modernas, algumas antigas mansões. Seu principal atrativo reside em sua famosa grota repleta de estalactites e estalagmites, paraíso para os amantes da geologia.

LLORTS

Para coroar esta paisagem peculiar e serena, aparece Llorts, pequena aldeia situada sobre uma ladeira nas beira do rio Valira. Destaca uma encantadora capela de fachada encalada, altar barroco e exterior gradeado com peças de ferro forjado. A visão de suas casinhas tradicionais de montanha e sua capela, se impõe a presença de uma mansão com três pisos de altura e três torres verticais que contrastam com o povoado e a paisagem. Llorts contagia sua magia e se converte em uma paisagem inesquecível.

O SERRAT

O Serrat é o último povoado de Ordino que encontra-se no percurso para a estação de Ordino Arcalis. Embora não possui grandes peças arquitetônicas, conta com uma vista inacreditável e invejável, assim como com uma boa dotação de hotéis e restaurantes para passar uma relaxante velada.

CANILLO

A primeira paróquia consolidada por antigüidade é Canillo. Sua privilegiada localização de alta montanha, ultrapassando os 1.800 metros a dotam de um clima frio e seco, de uma constante relação com o sol e de uma paisagem invejável. Conformada para o século IX, seu caráter de primogênita lhe converteu no centro das atividade do principado durante muito tempo.

Ao longo do seu desenvolvimento, esta comarca de escassos 120 Km quadrados, tem-se convertido em uma zona de tradição ganadeira e agrícola, de uma beleza digna de fotografia com suas casas de montanha em pedra e madeira e sua tranqüilidade em um eco constante e cúmplice com a natureza.

Em seu seio encontra-se o povoado de Meritxell, em onde se erige o Santuário de Nostra Senoyra de Meritxell, patrona de Andorra e desde o qual pode-se observar a Canillo e a Encamp. Em suas origens o templo foi românico, posteriormente recebeu acréscimos góticos e renascentistas, especialmente em suas pinturas e retábulos. Porém, em 1972 um incêndio destruiu quase a totalidade do templo e suas riquezas, motivo pelo que se encomendou ao arquiteto Ricard Bofill a edificação de um novo santuário. Em pleno século XX, surge uma peça de arquitetura moderna impressionante por sua amplitude, seu traço e sua estética que combina o estilo moderno com elementos tradicionais mudéjares e renascentistas e que dista muito da original e simples obra primitiva.

Canillo, a capital da paróquia, oferece como atrativo um conjunto de antigos monumentos que contrastam com o mais moderno legado do século XX em seu palácio de Gelo de Andorra. A Igreja de Sant Joan de Caselles é um exemplo do legado lombardo e do estilo românico.

Porém, existem rasgos particulares nela que ultrapassam ao românico puro: uma nave central mais alta e extensa de o habitual, um campanário autônomo comunicado com à igreja mediante um passadiço, assim como uma maior ornamentação nas arcadas do campanário. No interior, um pequeno museu oferece originais peças, entre as que destaca o Cristo Crucificado elaborado em estuco e uma pintura mural da cena da crucifixão. As posteriores modificações sofridas por este templo, revelam um acréscimo renascentista do século XVI e se refletem em uma coleção atrativa de pinturas e móveis de aquela época.

Próxima da Igreja, um antigo cemitério dos séculos XI e XII, assim como casas antigas que sobrevivem entre as ladeiras e que se mantém como testemunhas de uma história concluída.

A Igreja paroquial de Sant Serní, um pouco mais moderna possui uma torre estilizada que sobressai por encima das outras construções. Sant Serní se remonta ao estilo românico e ao século XI, entretanto, foi modificada e rejuvelhecida durante o Renascimento, dando por resultado uma imagem mais moderna e um passado menos definível. Em seu interior distingue-se o retábulo maior de estilo renascentista.

Em meio deste paisagem pode-se aceder ao famoso palácio de Gelo de Andorra. Trata-se de um centro esportivo, cultural e social muito acreditado em toda Europa. O enorme edifício de 8.000 metros quadrados oferece um paraíso de modernidade, ócio, diversão e saúde. Em seu interior, uma grande pista de gelo, uma piscina climatizada a 28 graus centígrados totalmente coberta, um equipado ginásio, uma sauna, pistas de tênis e salas de squash. Por outra parte, o palácio de gelo conta com um pequeno auditório para 160 pessoas, bar restaurante, boutique, sala de jogos, cinema e um salão mirante. Em seu interior, qualquer que seja a temporada do ano, encontrará exposições ou eventos culturais e artísticos que representam um ponto de interesse.

Os Arredores de Canillo

Nos arredores da capital, a aldeia de prats, que conta com o único monumento de estilo gótico existente em Andorra: a Igreja de Sant Miguel.

Embora de origem românico, possui um exterior com bastantes características góticas. No caminho entre Canillo e prats, encontra-se uma talla românica conhecida como a Cruz dos Sete braços; sua história se remonta a tempos antigos que converteram esta peça em um símbolo popular. Originalmente contava com oito braços, só que um deles, ao parecer, foi mutilado por um disparo que lhe custou a vida a um jovem e que fez desaparecer o braço.

RANSOL

Ransol é outra pequena aldeia que conta com um importante monumento: uma ermita românica, recentemente restaurada e que exerce um especial domínio sobre o resto da aldeia, com suas casas de montanha e seus picos de formas caprichosas. Próxima desta aldeia, no caminho para Tartel, encontra-se uma formação de cimento muito atrativa para os alpinistas e os aspirantes a ser; conhecida como o Rocódromo, o lugar ideal para provar a fortaleza pessoal antes de decidir-se a passar uns dias nas estações de esqui e alpinismo.

ENCAMP

Se trata da segunda paroquia tanto em extensão como em antigüidade. Situada quase no centro geográfico do principado, conta com uma privilegiada situação no coração pirenaico; altas montanhas em seu território que atingem os 2.000 metros no seu centro de atividade, com seus 1.260 metros e um clima seco mediterrâneo, é um lugar ideal para os esportes ao ar livre e o treinamento prévio ao assenso à alta montanha. A presença de um grande número de lagos, entre os quais se destacam os de Engolasters, Ilha e Montmalús, a convertem em um lugar ideal para a pesca e lhe brindam um adequado suporte enquanto às necessidades básicas. A presença de antigos estanys, espécie de círculos glaciares pré-históricos, garantem uma paisagem mítica e uma oportunidade à diversão e à cultura da geologia. Por último, os limites de Encamp roçam, após passar grandes maciços montanhosos, as fronteiras espanhola e francesa, convertendo-a assim em uma das comarcas mais relevantes política e administrativamente.

ENCAMP

A capital, Encamp, é uma pequena e pitoresca cidade de escassos sete mil habitantes. Encravada em um pequeno vale, suas casinhas frágeis em aparência e fortes em história com construções de arraigo e modernos centros de atividade e popular, sobressaem em meio do impressionante entorno.

O Edifício del Comú, sede da prefeitura, é talvez a peça mais modernista desta cidade. De estruturas geométricas, consolidado através da pedra forte e cristal, compõe uma grande construção de cor azul escuro que se destaca entre os edifícios históricos que lhe circundam. Por outro lado, a Casa Comuna de Encamp representa um contato com a modernidade através da sua estrutura de cristal, aço e o enorme cristal-espelho que reflete contentemente uma parte deste paisagem montanhoso. Por sua parte, a Igreja paroquial de Santa Eulalia possui um rústico campanário de mais de 23 metros desde onde pode-se gozar de uma esplêndida vista.

Entre os lugares de maior interesse, destaca-se o Museu Nacional do Automóvel, que oferece um percurso do automobilismo desde 1894 até 1950 através de 80 carros, 50 motocicletas e mais de 100 bicicletas. Podem-se apreciar, ademais, as peças originais que compunham aos antigos carros e veículos aqui expostos.

A peça mais adorável do museu é uma coleção de carros em miniatura, elaborados em porcelana e ferro, verdadeiras peças de antologia (Horário: de terça-feira a sábado de 10:00 a 13:00 h. E de 16:00 a 19:00 h. Os domingos só pelas manhãs).

LA MOSQUERA

La Mosquera é um diminuto povoado no margem esquerda do rio Valira e seu maior atrativo é a Igreja de Sant Miquel da Mosquera, construção de estilo românico do século XII. Conta com um precioso retábulo muito a tono com o lugar, natural, antigo e formoso.

LES BONS E VILA

Situada sobre uma espécie de terraço retirada contra uma grande muralha montanhosa, Les Bons distingue-se por sua Igreja de Sant Romá, a construção mais antiga, consagrada em 1163. De estilo românico, a nave central encontra-se dividida em três partes por arcos torais que sustêm a uma cúpula de canhão. Entre suas peças mais importantes estão as réplicas dos frescos pintados pelo mestre de Santa Coloma, seu retábulo renascentista e seu Cristo Barroco. Por fora, a Igreja mantém o encanto e a harmonia com Les Bons, ao permanecer em seu estado original.

Vila emerge na comarca de Encamp para oferecer sua harmoniosa visão elevada por sua Capela de Sant Romá, de aspecto mais primitivo e tosco que a de Les Bons.

ELS CORTALS

Como um povoado fantasma perdido entre as mágica e surrealistas paisagens, aparece Els Cortals, uma aldeia desenhada na distância que só adquire vida durante a época de colheita dos campos de tabaco que a rodeiam. A Capela Românica de Sant Jaindae dels Cortals, vigia o tempo no que a vida parece extinguir-se nesta zona.

PAS DE LA CASA

Sem lugar de dúvidas, entre os maiores atrativos da paroquia de Encamp encontra-se a recente, moderna e funcional cidade de Pas de la Casa. Dedicada fundamentalmente à promoção do esqui, esta comunidade encontra-se encravada em uma espécie de meseta alta, rodeada de neves constantes. Seu nome provém de uma antiga cabana situada no mesmo lugar onde hoje se erige a cidade.

Entre os lugares que mais destacam em pas da Casa, está A Igreja de Sant pere del Pas de la Casa, de estilo modernista e consagrada em 1985. A duas águas, coberta por um teto em azul cobalto vibrante e chamativo por seu contraste com a pedra gris, a igreja é o centro de atração na panorâmica geralizada da cidade.

ESCALDES - ENGORDANY

Escaldes-Engordany foi a última paroquia que se conformo no principado de Andorra. Anteriormente pertencente à paroquia de Andorra la vella, entretanto, o crescimento econômico e demográfico de ambas obrigou a sua separação em 1978. Em realidade, Escaldes-Engordany, apenas está conformada pelo antigo povoado de Les Escaldes e o mais novo de Engordany. Cabe sinalar que a divisão política de ambas paroquias é imperceptível no natural paisagem que envolve a ambas.

ESCALDES

Escaldes deve seu nome às águas sulfurosas que abundam na região, águas que brotam em meio de sua parte antiga ou em lugares mais distante e que atingem até 60 ºC de temperatura, convertendo-se no principal atrativo turístico da zona com seus balneários e saunas. Engordany é um território menos agreste, literalmente unido a Escaldes, na ladeira do monte de Paderm e nas cercanias do lago Engolasters.

O mais importante dos atrativos da paroquia é o Balneário Termolúdico de Caldeia, o maior centro desta espécie em Europa. Conta com 6.000 m2. de superfície, repletos de cascatas naturais, géisers, spas, saunas, salas de beleza, salões de recreio, etc.

A beleza da natureza que encerra, há que somar o impressionante desenho arquitetônico que a compõe: uma peça modernista de espelho, cristais e ornamentos em aço, com elementos piramidais que apontam para o céu. Em meio desse ambiente montanhoso, recheado de branca neve grande parte do ano, o Balneário causa impacto por sua perfeita frialdade exterior, com a fortaleza e funcionalidade que só sua estrutura emana. No interior, a saúde e a relaxamento se impõem em tanto que o frio do exterior não tem convite. centenas de pessoas acudem a Caldea a recuperar sua saúde, a melhorar sua forma ou a encontrar um estado de relaxamento e tranqüilidade que escasseia cada vez mais nas grandes cidades Européias. Fazendo uma combinação dos avanços tecnológicos mais modernos, mas retomando a sabedoria das antigas crenças populares, se combinam neste lugar os tratamentos com plantas e frutas aromáticas, sauna e bronzeado artificial entre muitos outros. Existem múltiplas oportunidades para que o visitante aproveite da relaxamento que as águas termais oferecem e deseje voltar a este lugar com freqüência, algumas de elas consistem em passes por dois ou três horas e inclusive por um dia.

Dentro dos lugares de interesse tradicionais, encontra-se a Igreja de Sant Jaume, construída recentemente, mas respeitando o estilo românico que predomina em Andorra.

Seguindo o caminho para o lago, se acede a planície onde localiza-se a Igreja de Sant Miquel d'Engolasters, templo românico do que destaca especialmente sua torre de três pisos. No interior se encontrou antanho coberto por uns formosos frescos românicos executados pelo mestre de Santa Coloma, mesmos que foram trasladados ao Museu de Arte de Catalunha, em Barcelona. Porém, se fizeram copias exatas dos murais originais. Por último, enquanto a peças eclesiásticas, convém visitar a antiga e prerromânica Igreja de Sant Romà dels Vilars, que resulta surpreendente por sua simplicidade e austeridade, considerando-se um dos primeiros antecedentes do românico.

Enquanto a lugares atrativos não religiosos, destaca o Museu de Maquetas de Arte Românico, situado no coração de Engordany. Conta com 25 peças que representam às igrejas, palácios ou lugares mais relevantes do principado de Andorra, elaboradas pelo pintor, escultor e maquetista Josep Colomer e que causam impacto por sua fidelidade, realismo e beleza.

De grande classe e magníficas peças, o Museu Josep Viladomat é uma homenagem ao brilhante escultor catalão de nascimento e andarrono por adoção. Más de 140 peças de diferentes épocas, materiais e conceitos compõem a exposição permanente.

O percurso por Escaldes-Engordany pode culminar com uma visita ao Lago de Engolasters, próximo ao templo de Sant Miquel. Trata-se de um pequeno lago que destaca por suavidade de suas águas prateadas e pela moldura cerrada que lhe proporcionam os bosques que lhe rodeiam. Nascido de uma velha lenda, o lago da vida a uma paisagem capaz de comover a qualquer, proporcionando uma calma e paz pouco comum.

SANT JULIÀ DE LÒIRA

A última paróquia que descreveremos é Sant Julià de Lòria. Trata-se da entrada ao principado para quem provém de A Seu d'Urgell, Espanha. Sua localização para o sudoeste lhe aproxima mais com o acento e espirito catalão que com o francês. Anteriormente se chamava Laurèdia e conta com algo mais de 7.000 habitantes. É das zonas geográficas de menor altitude dentro do principado pois apenas ronda os 900 metros. Não deixa de surpreender essa espécie de distancia na qual encontram-se a paróquia com os limites do rio Valira por um lado e por outro a cadeia montanhosa conhecida como A Senyoreta, sobre a qual existe uma abundante vegetação, assim como algumas populações que descreveremos mais adiante.

Existem evidencias que sinalizam a primitiva ocupação deste território pelo homem. Peças de artesanato e moedas ibéricas e romanas permitem saber que desde os séculos II a.C. já se habitava este espaço. Se crê que se utilizou como centro de refugio para aqueles antigos habitantes da península ibérica e os litorais mediterrâneos.

Também há suficientes evidencias arqueológicas como para sinalar que trata-se da paróquia mais antigamente ocupada na Idade Media: as populações de Aubinyà e Juberri, no coração de La Senyoreta assim testemunham. Porém, a capital, Santa Julià de Lòria, é ligeiramente mais jovem. Colocada sobre um espaço que topa com a dureza do maciço do Coll da Manyiga, a cidade tem-se expandido lateralmente, entre o espesso bosque.

A Igreja de Sant Julià e Sant Germá é possivelmente o monumento que mais se destaca na capital. De estilo românico com sua alta torre que contem o campanário, o mais destacado é a escultura em madeira da Virgem Maria, também românica, de 68 centímetros com um colorido delicado, simples e atrativo.

Por sua parte, a Ponte da Margineda, construída para cruzar um cause do rio Valira, é um exemplo puro da engenharia medieval que aproveitando ao máximo a natureza. Na atual idade encontra-se um pouco deteriorado pela vegetação que lhe tem invadido e que impede, ao menos de longe, dar-se conta da pedra que o compõe e que lhe tem mantido em seu lugar por tantos séculos.

Do século XX destaca o Centro Cultural e de Congressos que oferece a alternativa ao turismo cultural e de negócios. A diferença de outros centros de congressos, este tem cuidado da aparência exterior guarde mais harmonia com o encanto clássico que a pedra acizentada e acre lhe tem presenteado a Andorra.

Sua imensa estrutura retangular é quase unidimensional, é um homenagem à mesma pedra com que encontram-se realizadas a maior parte das igrejas românicas do país. Sua localização junto à praça da Germandat, é uma espécie de continuidade dessa parede tapetada com pedras da mesma cor que as paredes do edifício. Dois auditórios amplamente reconhecidos, o Claror e o Rocafort, contam com o melhor das telecomunicações e se convertem em sede de eventos culturais de toda índole.

NAGOL

Na capital da paróquia, partindo da praça Laurèdia, nasce a estrada que leva a Nagol, uma pequena aldeia com só três casas em conjunto, que possui e custodia um dos monumentos românicos mais importantes de Andorra: a Igreja de Sant Cerní de Nagol, consagrada no ano 1055. Uma de suas peculiaridades é que, á diferença da maioria, encontra-se estrategicamente construída sobre uma colina para vigiar o entorno. Sua estrutura segue a linha românica de nave central retangular, escassamente ornamentada, mas no século XVII recebeu a construção de uma nova nave acrescentada, com forma similar, embora mais pequena.

Carece da clássica torre do campanário alta e esbelta que identifica ao resto das igrejas andorranas e apenas possui um pequeno espaço semicircular ao fundo e uma fachada ligeiramente elevada e plana desde onde está o sino. O interior guarda retábulos muito especiais, uma cruz processional do século XII e uns originais frescos românicos que representam aos personagens celestiais com um sentido mais humano, acrescentando-lhes características como barbas, cabelos e gestos que regularmente não se lhes conferem aos personagens divinos.

AIXOVALL Y BIXESARRI

Aixovall é outro pitoresco povoado da região de Sant Julià de Lòria. Seu encanto radica em esse ar de montanha e nas típicas casas que o conformam. Conta com bons hotéis para fazer um descanso. Muito perto, Bixesarri, uma aldeia que alegra a vista com suas casinhas de estilo e construção similar e uniforme, de consistência pétrea e a base de pedras superpostos. Aqui mesmo poderá visitar a mansão conhecida como A Casa de Pedro, que guarda um mobiliário antigo muito atrativo.

GASTRONOMIA

Em este território, onde impera a força da montanha, se vive o encontro entre dos gastronomia quase soberbas: a herança espanhola, especialmente catalã, aporta sabores, cheiros e texturas fortes e salgadas enquanto que a francesa, especialmente provenzal, é a fonte de algumas das maravilhas da comida andorrana.

Trata-se de uma combinação que por si só garante uma boa mesa.

Tratando-se de um povoado das picos, onde abundaram as espécies favoritas da caça como o cervo, o sarro, o esquilo e o coelho, grande parte dos pratos característicos têm como fonte principal a carne de algum destes animais. Por outra parte, as escassas mas abundantes matas que possui o país, lhe garantiza uma boa dotação de ovelhas das que se derivam pratos a base de vitela, em tanto que o porco é outra fonte bastante recorrida. Por sua parte, a riqueza de seus rios e lagos tem na truta um bom expoente da comida andorrana.

Com o aumento no turismo, o país tem-se preocupado por melhorar notavelmente suas instalações e ofertas gastronômicas, modernizando suas cozinhas e restaurantes. Porém, tem-se cuidado de não perder seu natural encanto e de conservar as "bordas" ou casas de montanha, onde antanho procuravam refugio e alimentos os viajantes e os desportistas que se aventuravam para as picos. Ao mesmo tempo, se incorporaram os melhores e mais variados elementos da cozinha internacional.

Desta forma, a oferta em lugares onde comer é extensa. Este pequeno paraíso nos regala a comodidade de uma boa mesa com menus clássicos e econômicos para quem não deseja complicar-se muito a vida, assim como pratos originais e finos, pedidos à carta, acompanhados de um bom vinho e pão, para quem gosta de provar e inovar sua própria dieta. Ou bem, comidas rápidas e internacionalmente aceitadas como a pizza, o frango frito, os hamburgues ou as comidas típicas de montanha, como pão e queijo de cabra no interior de uma casa de pedra, com o encanto do passado. Qualquer que seja o gosto do visitante e seu orçamento, existe a segurança de que em Andorra encontrará uma boa mesa.

Como entrada, é aconselhável uma escudella, que não é outra coisa que um cozido de legumes propícios com o sabor do principado. As lentilhas e o arroz, cozidos de diversas maneiras e combinados geralmente com carnes ou frutos do mar, são outra opção que vale a pena provar. Por sua parte, os caracois "a llauna" constituem uma gostosa refinada que contrastam com sua própria simplicidade. Alguns caldos similares ao cozido espanhol gozam de boa reputação e são também um bom princípio, mas existe também a possibilidade de encantar-se pelas saladas e massas italianas cozidas à catalã, ou inclusive uma deliciosa paella com acento pirenaico.

Os queijos andorranos, são tão bons como outros, o jamóm serrano, de muito boa qualidade e um bom pão, que os há de muitos tipos, podem ser outra forma de iniciar a comida si se deseja algo mais forte.

Entre os pratos principais que mais destacam estão as rostes ao mel, espécie de fatias de porco refogadas em mel e vinagre que adquirem um sabor agridoce e uma textura maravilhosamente suave que as converte em um prato muito popular. As costelas na pedra, costelas de cordeiro fritas em gordura de porco, temperada com alho, sobre uma pedra aquecida no fogo, constituem outra mostra mais desta gastronomia. As chuletas de boi vitela assada à brasa são habituais e seguras, pois seu sabor não se altera com muitos condimentos. Por outra parte, o cabrito ao forno é outro prato típico que convém provar, assim como o porco, preparado ao forno, onde adquire um delicioso sabor. O cuscuz, o cassulet e o civet de viado e de javali, são pratos muito andorranos que destacam por seu sabor, carnes e apresentação.

A perdiz à vinagrenta é a favorita entre os pratos a base de aves. Tem um sabor ligeiramente ácido que se combina muito bem com a suavidade da carne. Não pode-se abandonar Andorra sem ter provado este prato. O pato é também outra ave muito popular e o encontrará combinado com setas, legumes, porco, coelho com algumas frutas, como é o caso do pato com cerejas e pinhões.

O coelho é outro dos elementos dos que usam a gastronomia andorrana. O encontrará assado ao forno e acompanhado de cogumelos ou legumes, ou bem cozidas de outras formas. Um dos rasgos mais característicos desta cozinha é a mistura de dois tipos de carne e em ele o coelho é um dos favoritos por sua suavidade e nobreza. Pode-se encontrar combinado com o porco, boi ou pato.

Com relação a peixes, a cozinha do principado tem agradáveis e deliciosas surpresas. A truta, o principal produto pesqueiro do território, se apresenta ao forno, assada, em caldos, combinada com verduras e especiarias, banhada por champanhe, vinho, com salsas ao estilo francês ou simplesmente frita. Pode pedir uma truta à andorrana ou também uma truta à molinera, formas muito típicas de faze-la. Outro dos peixes mais utilizados é o bacalhau, que apesar de ser produto de mar, se consume bastante. Sua preparação varia tanto como no caso da truta, destacando o gratinado com almejas e o assado com pimentos. O salmão, a sepia e a merluza são outras fontes dos pratos do lugar e se lhes cozinha de diferentes maneiras que vão desde o mais simples até a mistura com vinho e verduras exóticas. Se seu gosto e seu orçamento lhe permite, a lubina e o caviar também têm um lugar nesta terra onde uma extensa gama de restaurantes atendem aos mais variados paladares.

Por sua parte, os frutos do mar, apesar de não serem característicos do lugar, também estão presentes neste pequeno país pirenaico. Em muitos restaurantes encontrará brochetas de mariscos, coquetel, cigalas, mariscos e camarão, preparadas de maneira sempre original. Por último, o polvo à feira é um prato amplamente reconhecido em algumas paroquias andorinhas.

No relativo as sobremesas, a variedade é igualmente imensa. Abundam a mousse, de diversos sabores e os crepes doces. Como contrapartida, de herança ibérica, lhe aconselhamos que prove as rabanadas, pão banhado em mel e nata. A coca catalã se transforma em Andorra na coca masegada, deliciosa massa sem levedura feita com farinha de trigo, ovos, sal, açúcar, moscatel e aguardente. A pastelaria é igualmente maravilhosa, colocando empenho na combinação de sabores doces e ácidos. São peculiares a torta de limão, a de maçã e algumas tortas de chocolate. Os damascos são outras sobremesas que lhe cativará.

Trata-se da pele seca do pêssego, fervida com vinho e açúcar, o que lhe da um sabor suave e atrativo e que, ao combinar-se com a textura do pêssego, se convertem em um verdadeiro prazer ao paladar. E si de frutas se trata, as saladas de frutos secos, combinadas com alguns molhos ou cremes, resultam algo muito da zona, além de ser muito refrescantes. Por sua parte, as maçãs assadas, que muitas vezes acompanham a pratos como o pato ou o coelho, costumam ser uma boa escolha.

Por outro lado, existem, ademais, uma grande variedade, quantidade e qualidade de restaurantes de comida internacional. Predominam as especialidades italianas, com suas pastas e pizzas, seguidas das francesas, que tratam de apegar-se com rigor à gastronomia gala. Porém, e pese ao tamanho tão pequeno do país, em Andorra podem-se encontrar restaurantes de comida árabe, hindu ou portuguesa, especialmente na capital.

Pode-se afirmar que a oferta gastronômica que o principado brinda é mais que suficiente, esbarrando no brilhante no relativo a sabor, variedade e qualidade. Os preços são tão variados como os mesmos pratos e com segurança o viajante encontrará um lugar onde comer a seu gosto e de acorde com seu orçamento.

Bebidas

Os vinhos não são característicos da região, lógico que em território tão alto não caberia a possibilidade do cultivo da videira. Ainda assim, é possível encontrar vinhos das melhores marcas e qualidades na maior parte dos restaurantes do principado, principalmente espanhóis e franceses. A cerveja, por sua parte, também encontra-se com facilidade para acompanhar algumas delicias gastronômicas.

COMPRAS

De uma viagem ficam as recordações, os bons momentos mesclados com as incomodidade padecidas, o impacto de uma nova e diferente paisagem que se pensavam inexistentes e de cuja realidade tem-se sido testemunha. Ficam também os objetos com os que materializamos nossas viagens, estes dias nos que tem-se vivido ao amparo da extrapolação do cotidiano. Tal vez por ele é que uma grande parte dos viajantes freqüentemente considerem as compras dentro de uma travessia como o momento em que se coroa a viajem, como si o comprado fosse o troféu para levar a casa, para mostrar aos amigos. Nossas compras se convertem em objetos totémicos que, em companhia das fotos e as palavras, nos permitem reviver o feitiço de uma terra, de uns costumes, de uma experiência e, por tanto, de um troço de vida que tem-se guardado na maleta da história de cada um de nós.

Se bem Andorra é um território pequeno, sua singular beleza é cenário de tantas fantasias que resulta imperativo fazer abundância de uma presente tangível. Se a isto se soma a imensa oferta que o mercado do principado oferece, a tentação resulta quase irresistível. Durante anos tem-se considerado a Andorra como um paraíso para o comércio. A isenção de muitas das taxas que gravam os produtos em outros países, ou sua notável diminuição, é a causa principal de sua grande oferta e êxito comercial. Más de 4.000 estabelecimentos, dos mais diversos gêneros, conformam a frota que da a bem vinda às ilusões congeladas dos viajantes.

Além de seus baixos preços, as lojas destacam por sua cortesia, comodidade, atenção em vários idiomas, amplio horário de abertura, aceitação de várias moedas e cartões de crédito, assim como a beleza de suas vitrines que se conjugam com a formosa paisagem andarrona.

Nem sempre se acude a Andorra bem preparado para as surpresas infinitas que depara; talvez pensando que seu tamanho não garante tantas emoções e oportunidades. Porém, não há necessidade de deixá-lo "para depois" pois sem muito procurar encontra-se o necessário para deixar-se levar pelas tentações do principado.

A oferta enquanto a compras vai desde os produtos alimentícios, especialmente os defumados, o tabaco em diversas apresentações, a roupa, o calçado, os artigos esportivos, perfumarias, joalheiras, ópticas, artigos eletrônicos e recentemente os artigos do mundo da informática. Como um rasgo peculiar, os colecionadores podem encontrar em Andorra variadas e surtidas lojas dedicadas ao modelismo e às miniaturas, em onde podem-se adquirir verdadeiras peças de arte por seu delicado e singular trabalho.

Como artigos que não deve deixar de comprar estão os relacionados com a fotografia e o vídeo, pois neste território convergem as melhores marcas do mundo, com suas peças mais revolucionarias e a preços muito atrativos.

Os artigos de pele são outra fonte de tentação, pois além de sua beleza oferecem preços muito mais baixos que no resto da Europa.

A moda é um negócio que se nutre bem em Andorra: para homens, mulheres e crianças há grandes e pequenas boutiques que se encarregam de estar ao dia no que se leva na temporada, reunindo uma qualidade elevada a preços muito competentes.

A maioria das paroquias do principado se nutrem fortemente da derrama econômica que gera o comércio como conseqüência do turismo. A isso se deve que a onde quiser que vá dentro dos menos de 500 Km quadrados de superfície andorrana, se encontra com surpreendentes lojas que lhe oferecem alguma classe de produto que desejará levar-se a casa. Porém, ao menos no relativo a compras, Andorra la vella se queda com a melhor exposição de lojas, estabelecimentos e bazares.

Entre o mais sobressaliente, destaca o Mercado do Diamante. Trata-se de um estabelecimento capitalino de grande impacto por sua arquitetura vanguardista de seu desenho exterior. Com respeito ao interior, descobrirá uma coleção de diamantes e pedras preciosas, exclusivas para Andorra. O estabelecimento conta, ademais, com uma galeria de arte onde se expõem as peças de joalheria mais extraordinárias que se podem conceber na atual idade, como as de Bernd Munsteiner e philipp Bécker. Apesar de sua imponente elegância, conta com peças de diversos valores, sempre da melhor qualidade, que se adaptam quase a todos os bolsos.

Os bazares, mercadinhos populares que gozam de grande auge em todo o mundo, oferecem no principado uma fonte mais de emoção e ilusão. Entre os mais populares e atrativos encontram-se os de Encamp, onde convém dar uma olhada aos bazares de Faxamar, palleres e Orrivell nos quais pode-se encontrar o mais variado e inusitado.

Os artigos esportivos, especialmente para esquiar são quase tão freqüentes como a comida em um país que vive de suas montanhas e seu turismo esportivo. De igual maneira, os relacionados com o alpinismo, o senderismo e a bicicleta de montanha. Inumeráveis lojas os oferecem, muito oportunamente, para os amadores e para os principiantes que se aventuram a deslizar-se pelas montanhas pirenaicas. Tanto como o esqui, os artigos de pesca esportiva encontram-se em muitos lugares e lojas especializadas.

A estação invernal Pas de la Casa tem-se convertido em um inevitável centro de mercado. Aqui poderá encontrar artigos esportivos e de esqui em grande quantidade e qualidade. Por sua parte, as boutiques exclusivas deste lugar representam uma boa oportunidade para curiosear e adquirir alguma roupa interessante em caso de que assim se deseje.

Se em cada viagem as compras representam esse momento de delicia em que se pensa no lar e nos seres queridos, em Andorra é uma atividade e que se envolve em sua própria bruma e se converte em uma verdadeira delicia graças a sua variada gama de possibilidades. A emoção de correr detrás de uma oferta, de comparar os preços com os do próprio país, não tem rival com Andorra. Ao margem das muitas oportunidades de diversão, emoção e ação que brinda o principado, ir de lojas resulta uma experiência tão intensa como o esqui em pista difícil, a pesca nos estanys ou os percursos em bicicleta pelas montanhas. Não há que perder-se-lo.

FESTIVIDADES

A festa no pequeno principado é perpetua e está garantida a diversão e a alegria durante todo o ano.

Janeiro é um mês muito significativo para os habitantes de Andorra. O dia 1 é a celebração de ano Novo. A tradição dos reis Magos está presente o dia 6. Um dia antes, em todas as paroquias realizam-se vistosas cavalgatas. A festa não conclui porque o dia 7, a paróquia de Sant Julià de Lòria, se enfeita para celebrar a seu patrono San Julián, em uma grande festa popular. O dia 17 celebra-se a Festa de San Antonio, patrono da paróquia de A Massana, com a participação de todo o povo, com leilões e com a tradicional comida da scudella. A finais de janeiro tem lugar a celebração de São Antonio Abad, patrono dos animais. Em este dia se instalam mercadinhos nas aforas dos templos, onde podem-se comprar coisas interessantes.

Em fevereiro têm lugar os Carnavais. Aproveitando a alegria que se desperta nestes dias, os Festivais de Teatro em Sant Julià de Lòria e de Música e Dança em Andorra la vella, se apresentam para prolongar-se até o mês de março.

Em março, o dia 14, se comemora a Constituição, com fechamento obrigatório dos estabelecimentos, exceto de aqueles relacionados com o turismo. As festas de Semana Santa, cujo calendário varia entre março e abril, têm em um alto significado. Se planeja suas férias em essa temporada, tenha em consideração que ao menos na quinta-feira e sexta-feira santo a maior parte das lojas, bancos e museus encontram-se fechados.

Ao término da Semana Maior, a celebração da páscoa de Ressurreição é uma festa popular, cujos protagonistas são os jovens: os fadrins e fadrines (solteiros e solteiras), em grupos onde paqueram em procura de um par, caminham desde a cidade para os campos para comer pratos típicos, bailar e cantar uma espécie de coplas de conteúdo jocoso chamadas caramelles.

O 23 de abril, se comemora o Dia de São Jorge, que em algumas zonas se considera o patrono da amizade. É comum o intercâmbio de flores e presentes entre os amigos.

O 1 de maio os andorranos se sumam ao mundial Dia do Trabalho, em tanto que a última segunda-feira desse mês se reserva para a celebração da Segunda-feira de pentecostes. Este mês encontra-se recheado de eventos culturais que abarcam a música, a dança, o teatro e a pintura. É célebre o Concurso de pintura Rápida de A Massana, cujos triunfadores expõem em junho suas obras. Durante este mês, a Feira da Flor e a planta, conhecida como ANDOFLORA, tem lugar em A Massana. Ali se expõem e vendem os especímenes mais extraordinários de flores da zona e de outras partes do mundo. Por sua parte, a província de Sant Julià de Lòria organiza, em maio, um Festival de Teatro com temas medievais e lendários.

Junho é um mês em que a música e o teatro se rejuvenescem na interpretação dos novos valores nos festivais que organiza a província de Sant Julià de Lòria.

Porém, a parte mais atrativa deste mês é a Festa de São Juan Evangelista que inicia o 23 de junho com quermesses populares em toda Andorra. No dia 24 a primeira hora, a festa contínua, com jogos, representações, comidas e alegria.

O verão também chega a Andorra com um cambio na forma de diversão. Julho destaca por seu afamado Festival Internacional de Jazz que organiza a paróquia de Escaldes-Engordany durante a primeira quinzena do mês. São duas semanas nas que se apresenta o melhor deste gênero de todo o mundo.

Ao longo do mês de julho, numerosas aldeias andorranas celebram sua festa maior, com seus cantos e bailes folclóricos, seu colorido e o melhor de sua gastronomia. Para fechar o mês, no último domingo, inicia a Festa Maior de Sant Julià de Lòria, uma das paroquias que conserva com maior empenho suas tradições. Na segunda-feira seguinte tem lugar o Baile da Marratxa, uma dança que representa a união dos dois Copríncipes com as seis paroquias originais que componham Andorra. As ruas se decoram com bandeirinhas com os cores de Andorra e a gente acude a presenciar esta dança de grande significação patriótica.

Se tem instituído que unicamente esse dia e em esse lugar se leve a cabo A Marratxa, originaria do 1278.

Agosto é outro mês de muitas atividade em numerosos acampamentos de verão recebem a crianças e jovens dispostos a desfrutar de umas encantadoras férias.

Na província de Encamp, que celebra sua festa maior, se levanta um mercado de artesanato muito interessante. Ordino, a mais aristocrática da paroquias, homenageia aos cães com o Festival de cães de Caça, onde pode-se apreciar uma mostra dos melhores exemplares do mundo. Também nesta província, a festa de benção do gado reúne à cidade e oferece uma singular ocasião para conhecer as tradições do país.

Por sua parte, em Andorra la vella, celebra-se a Dança do Contrapàs, o primeiro domingo de agosto, iniciando assim as festas próprias de sua paróquia. A esta dança se convida a todos os que o desejem para formar um corpo de baile tão grande como seja possível. A celebração da Festa Maior capitalina tem grande variedade de oportunidades; nela pode ver-se folclore, dança, música e teatro, com a presença de bonecos gigantes, movidos com hastes de madeira e vestidos ao estilo da Idade Media. Pode aproveitar-se o Mercado Medieval, cuidadosamente ambientado, que os comerciantes e a prefeitura montam. Os bailes típicos como a sardana, se executam na praça do pueblo ao longo destes dias, cujas noites encontram-se matizadas de modernidade com concertos de rock ou música contemporânea.

O 15 de agosto, em todo o país se comemora a Assunção, que obriga a manter fechados os estabelecimentos não turísticos. Santa Coloma, na paróquia de Andorra la vella, deixa para os dias 24, 25 e 26 de agosto sua Festa Maior, de características similares à capitalina.

Para os amantes da música, em conjunção com a Generalitat de Catalunya, o principado organiza o prestigioso Curso de Música Antigua, onde se reúnem estudantes procedentes de mais de 25 países do mundo.

Durante setembro tem lugar o Dia da Virgem de Meritxell, patrona de Andorra, festa que celebra-se no dia 8 e que se considera como a Festa Nacional. Em essa primeira semana de setembro, Ordino recebe em seu magnífico Auditório ao Festival de Música Clássica, que reúne a um seleto grupo de artistas. Canillo nos surpreende com seu Concurso Anual de cães pastores que atraí a criadores de estas raças. Por sua parte, a Feria Internacional da Joalheria, em Sant Julià de Lòria, é um evento que mostra peças de grande beleza e valor.

O frio de outubro se enreda com as celebrações da Feria de Andorra la vella, que apresenta sua mostra ganadeira, agrícola e de artesanato. Ordino é sede do Concurso e Mostra Anual de Fotografia, da Exposição de Micologia e da cada vez mais concorrida Mostra Gastronômica Andorrana.

Nos meses de novembro e dezembro acostumam organizar-se numerosos e variados eventos de tipo cultural e artístico. É tradicional, o 22 de novembro, o Concerto de Santa Cecília, patrona da música, executado pela Orquestra Nacional de Câmara de Andorra.

Por sua parte dezembro se vê colmado de eventos artesanais, infantis e da clássica mostra coral de cantigas das temporadas natalinas. O 24 realiza-se em todas as paroquias o Desfile de papá Noel e à saída da Missa de Galo se costuma beber chocolate e vinho fervido acompanhado da tradicional cocada. A Noite de Reveilon, o baile e a alegria ajudam a terminar um ano e dar-lhe a boa vinda a outro nos muitos centros noturnos do principado.

Eventos Desportivos

Janeiro: o Campeonato de esqui Infantil de Ordino.

Março: mês dedicado ao ciclismo e o alpinismo, destacando o Cross Internacional dos vales, a Competição Internacional de Snow Bike de Soldeu-EL Tarter e a Copa da Europa.

Abril: o Trial Indoor, uma oportunidade para admirar os esportes de montanha.

Maio: o Rally em Rampa e o Campeonato de Bridge.

Junho: o Concurso de pesca e a Travessia de verão de Ordino, o tiro com Arco na estação de Soldeu-O Tarter, a Media Maratona, o Torneio Aberto de xadrez e a Concentração Internacional de Clássicos Desportivos.

Julho: o Torneio Internacional de Judo, a Avalanche Cup, competição de bicicleta todo-terreno em Soldeu-O Tarter, os Campeonatos de petanca e o Campeonato de Voley-Praia em Sant Julià de Lória.

Setembro: o Campeonato de Tiradas ao pato no campo de tiro de La Rabassa.

Outubro: o Campeonato Europeu de Trial, a Mostra Automobilística de Minis, o Campeonato Internacional de pesca de Engolasters e a Feria dos Deportes de inverno do palácio de gelo, em Canillo.

Dezembro: as Competições de Esqui, o Troféu Andros de Automobilismo, o Torneio Aberto de Tênis, no polidesportivo de A Massana, assim como numerosas festas organizadas pelas estações de esqui, com vinho e chocolate de boa vinda.

TRANSPORTES

A singular extensão do principado provoca uma estranha situação enquanto ao que a transporte se refere. Por uma parte trata-se de um território perfeitamente comunicado por qualquer meio conhecido; por outra, no interior de seu espaço geográfico tão pequeno e acidentado, é obrigada a limitação de certos meios assim como a infra-estrutura que o governo e a empresa privada oferecem. O estranho é que chegar a Andorra está garantindo si tem-se em conta que seus países vizinhos, França e Espanha, lhe brindam um suporte invejável, eficiente, cômodo e seguro a tal grau que pode resultar mais simples o trânsito pelo principado que inclusive por algumas cidades mais habitadas da Europa.

Em seu interior, o país encontra-se quase livre das cicatrizes que deixam os caminhos e o progresso ao longo do tempo. Como em uma terra virgem, o viajante deve procurar seu rumo e seus meios más, ao mesmo tempo e á diferença de outros territórios, com a certeza de que encontrará um caminho adequado, seguro e rápido. Trata-se pois de uma nação que guarda uma especial magia entre o trânsito de hoje e o de ontem, que se converte em um labirinto com seus caminhos em meio de paisagens inimagináveis e cativadoras sem essa sensação de vértigo e desesperação que envolve aos viajantes dos grandes países.

Avião

As pequenas dimensões do principado, somadas ao acidentado do terreno, não permitem pensar na possibilidade da existência de um aeroporto. É possível que a moderna engenharia logra-se uma série de pistas adequadas e suficientes para a recepção de vôos regulares, que com afanes turísticos se consolidaram aeródromos com os excelentes rasgos da qualidade andorrana; entretanto, talvez por tradição ou talvez por clemência com a história e a natureza, a idéia de aceder por via aérea a este paraíso montanhoso, guardião de riquezas medievais e de um ambiente tão puro e natural, resultaria um contraste difícil de assimilar tanto para o visitante como para os próprios andorranos.

Apesar desta carência, os viajantes podem aceder ao país através dos aeroportos espanhóis de Gerona e Barcelona, em tanto que pelo lado francês pode-se fazer por Toulouse. Os três aeroportos contam com uma ampla freqüência de vôos nacionais e internacionais que permitem estabelecer as mais variadas rotas e, por tanto, garantem o acesso ao principado desde qualquer lugar do mundo. De todos, é o de Barcelona o que encontra-se mais equipado e comunicado, sendo o mais utilizado tanto pelos andorranos como pelos estrangeiros.

Trens

Andorra pode orgulhecer-se de não haver sido marcada pelos cabos das linhas de ferroviárias que deixam um saldo doloroso nas cidades, os bosques e as montanhas. O som do comboio não tem-se escutado ainda nos vales e picos desta terra. O estranho é que apesar de esto, não trata-se de um território inacessível, perdido nas profundidades da incomodidade e o olvido.

Com o comboio acontece o mesmo que com o avião: pode-se tomar até Barcelona, fazer conexões até cidades como puigcerdà, em Catalunya, e logo transbordar em ônibus ou automóvel até o principado.

Ônibus

O encanto resguardado de Andorra tem sucumbido perante o ônibus. Na capital, Andorra la vella, tem-se construído em 1993 uma moderna e equipada estação de ônibus que recebe aos viajantes procedentes de todas partes. As principais linhas, com trajetos quase todos os dias, são de Barcelona e oferecem saídas constantes, cômodas e econômicas. Por outro lado, puigcerdà conta com serviços regulares ao principado. Por sua parte, as francesas Aix-les-Termes e Tour de Carol, são povoados fronteiriços que dispõem de linhas para o percurso para Andorra la vella.

Desde Madrid, ao igual que de Algeciras, Cartagena e Murcia, partem serviços diários até o principado. Por sua parte, Galicia oferece saídas os terça-feira e quinta-feira em um serviço que se detêm em porrinho, Vigo, pontevedra, Soutelo, Carballino, Orense, Xinzo de Limia, Verín, puebla de Sanabria, Benavente, Tordesillas, Valladolid, palencia, Burgos, Logronho e Tudela, em tanto que o percurso à inversa realiza-se os quinta-feira e domingos.

No seno do território andorrano, as linhas de ônibus são o melhor meio para mover-se pelo país si não tem-se automóvel. A maior parte dos serviços que enlaçam às sete paroquias que compõem Andorra, partem e retornam da capital, fato natural si se consideram as dimensões do principado.

Carro

Sem deixar lugar a dúvidas, o automóvel é o melhor meio para conhecer este paraíso montanhoso. As estradas encontram-se em muito bom estado, além de ser seguras e econômicas. Em realidade trata-se de uma só estrada principal que segue um traçado similar ao do Río Valira, formando uma espécie de "Y". dela se derivam caminhos secundários para cada uma das paroquias e Estações de Esqui. Os percursos são curtos dadas as dimensões do país; ademais, a paisagem é esplendida, convertendo o traslado em um momento tão espetacular e valioso como a chegada ao destino final. Como inconveniente tem que, nas cidades, especialmente em Andorra la vella, o tráfico se volta insuportável e é necessário resignar-se de antemão a passar bom tempo preso nos engarrafamentos que constituem o cotidiano de estas cidades colapsadas pelo importante fluxo de carros.

O uso do taxi como meio alternativo encontra-se bastante desenvolvido no principado. Si se viaja em grupos pequenos, é factível e rentável alugar um taxi para fazer os traslados de uma cidade ou aldeia a outra. Dentro de Andorra existem companhias de taxis que se encarregam de promover estes serviços. Por sua parte, Barcelona, Lleida e Andalucia oferecem um serviço especial para estas circunstancias que incluem em suas tarifas o viagem Espanha-Andorra com a vantagem de que os viajantes podem, dentro de certos limites, definir os horários e paragens de acordo a suas particulares necessidades.

Fonte: www.rumbo.com.br

Andorra

Capital: Andorra La Vella ALV

Idioma: espanhol

Moeda: franco francês e peseta espanhola

Clima: mediterrâneo

Fuso horário (UTC): +1 (+2)

Pontos turísticos

Andorra la Vella

Espremida entre a Espanha e a França, são somente algumas poucas centenas de quilômetros de paisagem montanhosa e meandros de rios.

Possui cenário fantástico dos Pirineus e uma das melhores zonas de esqui.

Fonte: www.geomade.com.br

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal