Breaking News
Home / Saúde / Disenteria

Disenteria

PUBLICIDADE

Disenteria – Definição

disenteria é um termo geral para um grupo de distúrbios gastrointestinais caracterizados por inflamação dos intestinos, particularmente do cólon.

As características incluem dor abdominal e cólicas, esforço para evacuar e passagem frequente de diarreia aquosa ou fezes contendo sangue e muco.

A palavra inglesa disenteria vem de duas palavras gregas que significam “doente” ou “ruim” e “intestino”.

Comumente, os termos “disenteria” e “diarreia” são usados como sinônimos, mas na realidade a disenteria é uma forma particularmente grave de diarreia.

A disenteria, além da liberação de fezes líquidas copiosas (como na diarreia), também é caracterizada pela liberação de sangue, muco e/ou pus junto com as fezes, e muitas vezes a defecação é particularmente dolorosa.

Disenteria – O que é

Muitas pessoas passaram férias tropicais com um problema no estômago. Eles podem ter tido disenteria, uma infecção intestinal dolorosa que geralmente é causada por bactérias ou parasitas.

disenteria é definida como diarreia na qual há sangue, pus e muco, geralmente acompanhada de dor abdominal.

Geralmente dura de 3 a 7 dias.

Existem dois tipos principais de disenteria.

primeiro tipo, disenteria amebiana ou amebíase intestinal, é causado por um parasita microscópico unicelular que vive no intestino grosso.

segundo tipo, disenteria bacilar, é causado por bactérias invasivas. Ambos os tipos de disenteria ocorrem principalmente em países quentes.

É uma doença altamente infecciosa que é causada por bactérias ou parasitas.

A falta de higiene e saneamento aumenta o risco de disenteria ao espalhar o parasita ou a bactéria que a causa através de alimentos ou água contaminados por fezes humanas infectadas, são fatores que aumentam as chances de contrair a doença.


Disenteria

disenteria é um distúrbio comum, mas potencialmente grave, do trato digestivo que ocorre em todo o mundo.

Pode ser causada por vários agentes infecciosos, desde vírus e bactérias até protozoários e vermes parasitas; também pode resultar de irritação química dos intestinos.

disenteria é um dos distúrbios gastrointestinais mais antigos conhecidos, tendo sido descrita já na Guerra do Peloponeso no século V a.C. Epidemias de disenteria eram ocorrências frequentes a bordo de veleiros, bem como em acampamentos do exército, cidades muradas e outros lugares do mundo antigo onde grandes grupos de seres humanos viviam juntos em bairros próximos com saneamento precário.

Ainda nos séculos XVIII e XIX, marinheiros e soldados eram mais propensos a morrer do “fluxo sangrento” do que de ferimentos recebidos em batalha.

Foi em 1897 que um bacilo (bactéria em forma de bastonete) foi identificado como a causa de um tipo importante de disenteria.

Disenteria – Causas

Disenteria

Os tipos mais comuns de disenteria e seus agentes causais são os seguintes:

Disenteria bacilar

A disenteria bacilar, também conhecida como shigelose, é causada por quatro espécies do gênero Shigella: S. dysenteriae, a espécie mais virulenta e com maior probabilidade de causar epidemias; S. sonnei, a espécie mais branda e a forma mais comum de Shigella encontrada nos Estados Unidos; S. boydii; e S. flexneri. S. flexneri é a espécie que causa a síndrome de Reiter, um tipo de artrite que se desenvolve como uma complicação tardia da shigelose. Cerca de 15.000 casos de shigelose são relatados ao CDC a cada ano nos Estados Unidos; no entanto, o CDC sustenta que o número real de casos anuais pode chegar a 450.000, uma vez que a doença é amplamente subnotificada. Cerca de 85 por cento dos casos nos Estados Unidos são causados por S. sonnei.

Os organismos Shigella causam a diarréia e a dor associada à disenteria, invadindo os tecidos que revestem o cólon e secretando uma enterotoxina, ou proteína prejudicial que ataca o revestimento intestinal.

Disenteria amebiana

disenteria amebiana, também chamada de amebíase intestinal e colite amebiana, é causada por um protozoário, Entamoeba histolytica. A E. histolytica, cujo nome científico significa “dissolução de tecidos”, perde apenas para o organismo que causa a malária como causa de morte do protozoário. E. histolytica geralmente entra no corpo durante o estágio de cisto do seu ciclo de vida.

Os cistos podem ser encontrados em alimentos ou água contaminados por fezes humanas. Uma vez no trato digestivo, os cistos se quebram, liberando uma forma ativa do organismo chamada trofozoíto.

Os trofozoítos invadem os tecidos que revestem o intestino, onde geralmente são excretados nas fezes do paciente. No entanto, às vezes penetram no próprio revestimento e entram na corrente sanguínea.

Se isso acontecer, os trofozoítos podem ser transportados para o fígado, pulmão ou outros órgãos. O envolvimento do fígado ou de outros órgãos às vezes é chamado de amebíase metastática.

Balantidíase, giardíase e criptosporidiose. Essas três infecções intestinais são todas causadas por protozoários, Balantidium coli, Giardia lamblia e Cryptosporidium parvum, respectivamente.

Embora a maioria das pessoas infectadas com esses protozoários não fique gravemente doente, os agentes da doença podem causar disenteria em crianças ou indivíduos imunocomprometidos. Existem cerca de 3.500 casos de criptosporidiose relatados ao CDC a cada ano nos Estados Unidos e cerca de 22.000 casos de giardíase.

Disenteria viral

disenteria viral, que às vezes é chamada de diarreia do viajante ou gastroenterite viral, é causada por várias famílias de vírus, incluindo rotavírus, calicivírus, astrovírus, norovírus e adenovírus. Existem cerca de 3,5 milhões de casos de disenteria viral em crianças nos Estados Unidos a cada ano e cerca de 23 milhões de casos a cada ano em adultos. O CDC estima que os vírus sejam responsáveis por 9,2 milhões de casos de disenteria relacionados à intoxicação alimentar nos Estados Unidos a cada ano. Enquanto a maioria dos casos de disenteria viral em lactentes é causada por rotavírus, os calicivírus são os agentes de doença mais comuns em adultos.

Disenteria causada por vermes parasitas. Tanto as infestações por tricuríase (tricuríase) quanto por vermes chatos ou vermes (esquistossomíase) podem produzir diarreia violenta e cólicas abdominais associadas à disenteria. A esquistossomose é a segunda doença tropical mais difundida depois da malária. Embora a doença seja rara nos Estados Unidos, viajantes para países onde é endêmica podem contraí-la.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que cerca de 200 milhões de pessoas em todo o mundo carregam o parasita em seus corpos, com 20 milhões com doenças graves.

Disenteria – Sintomas

Além da diarreia sanguinolenta e/ou aquosa característica e das cólicas abdominais da disenteria, os vários tipos têm perfis de sintomas um pouco diferentes:

Disenteria bacilar

Os sintomas da shigelose podem variar desde a clássica diarreia sanguinolenta e tenesmo característicos da disenteria até a passagem de diarreia não sanguinolenta que se assemelha a fezes moles causadas por outros distúrbios intestinais. A febre alta associada à shigelose começa dentro de um a três dias após a exposição ao organismo.

O paciente também pode ter dor no reto, bem como cólicas abdominais. Os sintomas agudos duram de três a sete dias, ocasionalmente por até um mês.

A disenteria bacilar pode levar a duas complicações potencialmente fatais fora do trato digestivo: bacteremia (bactérias na corrente sanguínea), que é mais provável de ocorrer em crianças desnutridas; e síndrome hemolítico-urêmica, um tipo de insuficiência renal que tem uma taxa de mortalidade acima de 50 por cento.

Disenteria amebiana

disenteria amebiana geralmente tem um início lento e gradual; a maioria dos pacientes com amebíase visita o médico após várias semanas de diarreia e fezes com sangue. A febre é incomum com amebíase, a menos que o paciente tenha desenvolvido um abscesso hepático como complicação da infecção. A complicação mais grave da disenteria amebiana, no entanto, é a colite fulminante ou necrosante, que é uma inflamação grave do cólon caracterizada por desidratação, dor abdominal intensa e risco de perfuração (ruptura) do cólon.

Disenteria causada por outros protozoários

A disenteria associada à giardíase começa cerca de 1-3 semanas após a infecção pelo organismo. É caracterizada por inchaço e flatulência fétidas, náuseas e vômitos, dores de cabeça e febre baixa.

Esses sintomas agudos geralmente duram três ou quatro dias. Os sintomas da criptosporidiose são leves na maioria dos pacientes, mas são tipicamente graves em pacientes com AIDS.

A diarreia geralmente começa entre sete e 10 dias após a exposição ao organismo e pode ser copiosa. O paciente pode ter dor no abdome superior direito, náuseas e vômitos, mas a febre é incomum.

Disenteria viral

disenteria viral tem um início relativamente rápido; os sintomas podem começar dentro de horas após a infecção. O paciente pode estar gravemente desidratado devido à diarreia, mas geralmente apresenta apenas febre baixa. A própria diarreia pode ser precedida por um a três dias de náuseas e vômitos. O abdome do paciente pode estar levemente dolorido, mas geralmente não é muito doloroso.

Disenteria causada por vermes parasitas

Os pacientes com esquistossomose intestinal geralmente têm um início gradual dos sintomas. Além da diarreia sanguinolenta e da dor abdominal, esses pacientes costumam apresentar fadiga.

Um exame do cólon do paciente geralmente revela áreas de tecido ulcerado, que é a fonte da diarreia sanguinolenta.

Disenteria – Tratamento

Os medicamentos são a principal forma de tratamento para a disenteria:

Disenteria bacilar

A disenteria causada por Shigella é geralmente tratada com antibióticos como trimetoprim-sulfametoxazol (Bactrim, Septra), ácido nalidíxico (NegGram) ou ciprofloxacina (Cipro, Ciloxan).

Como as várias espécies de Shigella estão se tornando resistentes a esses medicamentos, no entanto, o médico pode prescrever um dos medicamentos mais recentes descritos abaixo.

Pacientes com disenteria bacilar não devem receber medicamentos antidiarreicos, incluindo loperamida (Imodium), paregórico e difenolato (Lomotil), porque podem piorar a doença.

Disenteria amebiana

Os medicamentos mais comuns administrados para amebíase são furoato de dioxanida (Diloxide), iodoquinol (Diquinol, Yodoxin) e metronidazol (Flagyl).

O metronidazol não deve ser administrado a mulheres grávidas, mas a paromomicina (Humatin) pode ser usada em seu lugar.

Pacientes com sintomas muito graves podem receber dicloridrato de emetina ou desidroemetina, mas esses medicamentos devem ser interrompidos assim que os sintomas do paciente estiverem controlados.

Disenteria causada por outros protozoários

Balantidíase, giardíase e criptosporidiose são tratadas com os mesmos medicamentos da disenteria amebiana; pacientes com giardíase resistente ao tratamento podem receber albendazol (Zentel) ou furazolidona (Furoxone).

Disenteria viral

A principal preocupação no tratamento da disenteria viral, particularmente em crianças pequenas, é prevenir a desidratação.

Medicamentos anti-náusea e antidiarréia não devem ser administrados a crianças pequenas. Probióticos, incluindo Lactobacillus casei e Saccharomyces boulardii, demonstraram reduzir a duração e a gravidade da diarreia viral em crianças pequenas em 30-70%.

Disenteria causada por vermes parasitas

As infestações de vermes são geralmente tratadas com medicamentos anti-helmínticos, mais comumente mebendazol (Vermox).

A esquistossomose pode ser tratada com praziquantel (Biltricide), metrifonato (Trichlorfon) ou oxamniquine, dependendo da espécie que causa a infestação.

Os medicamentos mais recentes que foram desenvolvidos para tratar a disenteria incluem o tinidazol (Tindamax, Fasigyn), um medicamento antiprotozoário aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) em 2004 para tratar giardíase e amebíase em adultos e crianças com idade superior a três anos. Este medicamento não deve ser administrado a mulheres nos primeiros três meses de gravidez. Além disso, os adultos que tomam tinidazol não devem ingerir bebidas alcoólicas durante o uso ou por três dias após o término do tratamento. A outra nova droga é a nitazoxanida (Alinia), outro medicamento antiprotozoário que tem a vantagem de não ter o gosto amargo do metronidazol e do tinidazol.

Fonte: www.encyclopedia.com/medbroadcast.com/www.news-medical.net/needtoknow.nas.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Gangrena

PUBLICIDADE Gangrena – O que é A gangrena é uma condição perigosa e potencialmente fatal que ocorre …

Varíola do Macaco

PUBLICIDADE Varíola do Macaco – O que é A Varíola do Macaco não é uma doença nova. …

Streptococcus

PUBLICIDADE Streptococcus – O que é O Streptococcus é um tipo de bactéria. Existem vários tipos. Dois …