Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Hino Da Cabocla (Junqueira Freire)  Voltar

O HINO DA CABOCLA

Junqueira Freire

(Canção Nacional)

Sou índia, sou virgem, sou linda, sou débil,
— É quanto vós outros, ó tapes, dizeis!
Sabei, bravos tapes! — que eu sei com destreza
Cravar minhas setas no peito dos reis!

Sabei que não canto somente prazeres,
Sabei que não gemo somente de amores:
Sabei que nem sempre vagueio nos bosques,
Sabei que nem sempre me adorno de flores.

Meus lábios não beijam os lábios do amante,
Meus lábios combatem tirânicas leis;
Meus lábios são como trovões estupendos,
Que cospem coriscos na face dos reis!

Quem viu-me nas liças, quem viu-me covarde,
Aos silvos da flecha — quem viu-me escorar?
Eu sou como a onça, pequena e valente,
Eu sei os perigos da guerra afrontar!

Enchi meus carcases de agudas taquaras,
Que iguais nas florestas jamais achareis;
E dessas taquaras fatais é que pendem
As vidas infames de todos os reis.

Sou índia, não nego: — meus finos cabelos
— Qual juba ferina — bem longos que são!
Porém esse peito, que férvido pulsa,
É másculo, ó tapes! ou é de um leão!

Meu ânimo, ó tapes! — aqui vos conjuro,
— Bem cedo meu ânimo ardente vereis.
Que eu já me preparo com as setas melhores,
Que saibam cravar-se no peito dos reis!

Eu tenho cingidos na fronte, ó guerreiros,
Seis dentes de chefes de amigas coortes:
— Na paz os meus dedos desfiam amores,
Na guerra os meus dedos disparam mil mortes!

São seis as vitórias que cingem-me a testa,
— Não vedes, ó tapes? meus louros — são seis!
Quem cinge na testa seis louros de glória,
— Não teme essas tropas compradas dos reis.

As minhas façanhas espantam aos tapes,
— Invejam-me todos as altas façanhas:
Só elas são como penhascos gigantes,
Só elas são como brasílias montanhas!

Só elas não curvam-se ao mando dos homens,
Só elas inculcam despóticas leis;
Só elas humilham a fronte aos tiranos,
Só elas abalam os tronos dos reis!

Meus membros são débeis, — qual junco flexível,
Meu pé tão mimoso — dizeis — tão maneiro!
Mas pé tão mimoso — sabei que ele esmaga
O colo possante do vil estrangeiro!

Sou índia, sou virgem, sou débil, sou fraca,
— Só isso vós, tapes injustos, dizeis:
Sabei, bravos tapes! — que eu sei com destreza
Cravar minhas setas no peito dos reis.

Fonte: www.thesaurus.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal