Breaking News
Home / Obras Literárias / Meus Olhos – Junqueira Freire

Meus Olhos – Junqueira Freire

Junqueira Freire

PUBLICIDADE

Que vês nos meus olhos,
que tanto te espantam?
Que mostram de estranho,
que assim te quebrantam?

Um monstro as pupilas
no fundo terão?
Espelhos no inferno
as alvas serão?

Serão os meus olhos
um quadro de horror?
Demônios, ou fúrias
de imenso terror?

Serão — quais fantasmas
de arábicos sonhos?
Que têm os meus olhos,
que são tão medonhos?

Mentira! — Meus olhos
medonhos não são!
Meus olhos — somente —
têm nova expressão.

Exprimem a luz
que os céus alumia:
— a luz dos mistérios
da sã poesia.

Que são os meus olhos,
que ainda te espantam?
— São deuses que inspiram!
São anjos que cantam!

Veja também

O Soldado e a Trombeta

Fábula de Esopo por Olavo Bilac PUBLICIDADE Um velho soldado Um dia por terra A …

O Credo – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Crê no Dever e na Virtude! É um combate insano e rude …

O Remédio – Olavo Bilac

PUBLICIDADE A Amelinha está doente, Chora, tem febre, delira; Em casa, está toda gente Aflita, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.