Breaking News
Home / Obras Literárias / Meus Olhos – Junqueira Freire

Meus Olhos – Junqueira Freire

Junqueira Freire

PUBLICIDADE

Que vês nos meus olhos,
que tanto te espantam?
Que mostram de estranho,
que assim te quebrantam?

Um monstro as pupilas
no fundo terão?
Espelhos no inferno
as alvas serão?

Serão os meus olhos
um quadro de horror?
Demônios, ou fúrias
de imenso terror?

Serão — quais fantasmas
de arábicos sonhos?
Que têm os meus olhos,
que são tão medonhos?

Mentira! — Meus olhos
medonhos não são!
Meus olhos — somente —
têm nova expressão.

Exprimem a luz
que os céus alumia:
— a luz dos mistérios
da sã poesia.

Que são os meus olhos,
que ainda te espantam?
— São deuses que inspiram!
São anjos que cantam!

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.