Breaking News
Home / Obras Literárias / Plena Nudez – Raimundo Correia

Plena Nudez – Raimundo Correia

Raimundo Correia

PUBLICIDADE

Eu amo os gregos tipos de escultura;
Pagãs nuas no mármore entalhadas;
Não nessas produções que a estufa escura
Das modas cria, tortas e enfezadas.

Quero em pleno espendor, viço e frescura
Os corpos nus; as linhas onduladas
Livres: da carne exuberante e pura
Todas as saliências e destacadas…

Não quero, a Vênus opulente e bela
De luxuriantes formas, entrevê-la
De transparentes túnicas através:

Quero vê-la, sem pejo, sem receios,
Os braços nus, o dorso nu, os seios
Nus… toda nua, da cabeça aos pés

Vai-se a primeira pomba despertada…
Vai-se outra mais… mais outra… enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Das modas cria, tortas e enfezadas.

E à tarde, quando a rígida mortada
Sopra, aos pombais, de novo, elas, serenas,
Ruflando as asas, sacudindo as penas
Voltam todas em bando e em revoadas…

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais,

No Azul da adolescência as asas soltam,
fogem… Mas aos pombais as pomba voltam
E eles aos corações não voltam mais…

 

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.