Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Papua Nova Guiné

Papua Nova Guiné

História

PUBLICIDADE

Evidências arqueológicas indicam que os humanos chegaram à Nova Guiné, pelo menos, 60.000 anos atrás, provavelmente por mar do sudeste da Ásia, durante um período de era do gelo, quando o mar era mais baixo e as distâncias entre as ilhas menores.

Embora as primeiras chegadas eram caçadores e coletores, os primeiros indícios mostram que pessoas conseguiram o ambiente florestal para fornecer alimentos.

Há também indicações de jardinagem ter sido praticada, ao mesmo tempo que a agricultura estava se desenvolvendo na Mesopotâmia e no Egito.

Culturas hortícolas iniciais – muitos dos quais são indígenas – incluídos bananas, cana, inhame e taros, enquanto sagu e pandanus dois geralmente exploradas culturas florestais nativas.

Culturas de hoje – batata doce e porcos – só chegaram mais tarde, mas mariscos e peixes têm sido os pilares da dietas moradores do litoral.

Papua Nova Guiné

Quando os europeus chegaram pela primeira vez, os habitantes da Nova Guiné e ilhas próximas – e ainda dependem de osso, madeira e ferramentas de pedra – tinha um sistema produtivo agrícola. Eles trocaram ao longo da costa, onde os produtos eram principalmente enfeites de cerâmica, casca, e de géneros alimentícios, e no interior, onde os produtos florestais foram trocadas por conchas e outros produtos do mar.

Os primeiros europeus a vista Nova Guiné foram, provavelmente, os navegadores portugueses e espanhóis que navegam no Pacífico Sul, no início do século 16.

Em 1526-27, Dom Jorge de Meneses acidentalmente caiu sobre a ilha principal e é creditado com nomeando-o “Papua”, uma palavra malaia para a qualidade dos cabelos crespos Melanésia.

O termo “Nova Guiné” foi aplicado para a ilha em 1545 por um espanhol, Ynigo Ortis de Retez, por causa de uma semelhança imaginária entre as ilhas “de habitantes e aqueles encontrados na costa da Guiné Africano. Embora navegadores europeus visitou as ilhas e explorado suas costas para os próximos 170 anos, pouco se sabia dos habitantes até o final do século 19.

Nova Guiné

Com a necessidade crescente da Europa para o óleo de coco, Godeffroy de Hamburgo, a maior empresa de comércio no Pacífico, começou a negociação para copra nas ilhas de Nova Guiné.

Em 1884, a Alemanha tomou formalmente posse do trimestre nordeste da ilha e colocar a sua administração nas mãos de uma empresa fretado. Em 1899, o governo imperial alemão assumiu o controle direto do território, posteriormente conhecida como Nova Guiné Alemã. Em 1914, as tropas australianas ocupado Nova Guiné Alemã, e manteve-se sob controle militar australiano até 1921.

O Governo britânico, em nome da Comunidade da Austrália, assumiu um mandato da Liga das Nações para governar o Território da Nova Guiné em 1920. Foi administrada sob esse mandato até a invasão japonesa em dezembro de 1941 provocou a suspensão da administração civil australiana.

Após a rendição dos japoneses em 1945, a administração civil de Papua, bem como da Nova Guiné foi restaurado, e sob a Papua-Nova Guiné Lei de Administração Provisória, 1945-1946, Papua e Nova Guiné foram combinados em uma união administrativa.

Papua

Em 6 de novembro de 1884, um protetorado britânico foi proclamado ao longo da costa sul da Nova Guiné (a área chamada Papua) e suas ilhas adjacentes.

O protetorado britânico chamado Nova Guiné, foi anexada total em 4 de setembro de 1888. A posse foi colocado sob a autoridade do Commonwealth da Austrália em 1902.

Após a aprovação da Lei de Papua de 1905, British Nova Guiné tornou-se o Território de Papua e administração australiana formal começou em 1906.

Papua foi administrado sob a Lei de Papua, até que foi invadida pelos japoneses em 1942 e da administração civil suspenso.

Durante a guerra, Papua era governada por uma administração militar de Port Moresby, onde o general Douglas MacArthur, ocasionalmente, fez o seu quartel-general. Como se observa, foi mais tarde juntou-se em uma união administrativa com Nova Guiné durante 1945-46 após a rendição do Japão.

Desenvolvimentos do pós-guerra

Papua e Nova Guiné Ato de 1949 aprovou formalmente a colocação de Nova Guiné sob o regime de tutela internacional e confirmou a união administrativa de Papua Nova Guiné e sob o título de “O Território de Papua e Nova Guiné.”

O ato prevê um Conselho Legislativo (criado em 1951), uma organização judiciária, um serviço público, e um sistema de governo local. A Assembleia da República substituiu o Conselho Legislativo em 1963, e da primeira Casa da Assembléia abriu em 8 de junho de 1964.

Em 1972, o nome do território foi alterado para Papua Nova Guiné.

Eleições em 1972, resultou na formação de um ministério chefiado pelo ministro Michael Somare, que se comprometeu a levar o país à auto-governo e, em seguida, para a independência. Papua Nova Guiné tornou-se auto-governo em dezembro de 1973 e alcançou a independência em 16 de setembro de 1975.

As eleições de 1977 confirmaram nacionais Michael Somare como primeiro-ministro à frente de uma coalizão liderada pelo Partido Pangu. No entanto, seu governo perdeu um voto de confiança em 1980 e foi substituído por um novo gabinete liderado por Sir Julius Chan como primeiro-ministro.

As eleições de 1982 aumentou pluralidade Pangu, e parlamento novamente escolheu Somare como primeiro-ministro.

Em novembro de 1985, o governo Somare perdeu um voto de confiança, e da maioria parlamentar eleito Paias Wingti, à frente de uma coalizão de cinco partidos, como primeiro-ministro. Uma coalizão, liderado por Wingti, foi vitorioso em eleições muito próximos em julho de 1987.

Em julho de 1988, um voto de confiança não derrubou Wingti e levou ao poder Rabbie Namaliu, que algumas semanas antes havia substituído Somare como líder do Partido Pangu.

Essas reversões de fortuna e de uma sucessão de portas giratória de primeiros-ministros continuam a caracterizar a política nacional de Papua Nova Guiné.

Um excesso de partidos políticos, governos de coalizão, lealdades partidárias inconstantes e moções de confiança na liderança todos emprestam um ar de instabilidade ao processo político. Nos termos da legislação destinada a aumentar a estabilidade, os novos governos permanecer imune não-confiança votos para os primeiros 18 meses de sua incumbência.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

Papua Nova Guiné

História

Em 1884, a Alemanha levantou sua bandeira no norte, enquanto o Reino Unido elevou sua própria no sul.

Divisão formal foi estabelecido entre o alemão Papua Nova Guiné e britânico em 1886. Papua britânico foi entregue para a Austrália em 1906.

Austrália assumiu o controle da Nova Guiné Alemã com a eclosão da Primeira Guerra Mundial. Em 1949, o Território de Confiança de Papua e Nova Guiné foi dado para a Austrália para administrar até auto-governo em 1 de dezembro de 1973. Papua Nova Guiné se tornou um Estado totalmente independente em 16 de setembro de 1975.

Após 30 anos de independência, PNG ainda enfrenta grandes desafios. HIV / AIDS está crescendo em direção proporções do Sul Africano, alimentados em parte por extraordinários níveis de violência contra as mulheres.

Graves problemas de ordem pública e impedir o investimento estrangeiro. Um serviço de baixo desempenho pública e da corrupção também atrasa o desenvolvimento. Logging leva seus efeitos sobre a floresta diminuindo.

Serviços de educação e saúde continuam fracos e são difíceis para muitos de acessar devido às comunicações precárias das estradas. Tais dificuldades de acesso também dificultam o desenvolvimento das economias rurais.

Geografia

Papua Nova-Guiné ocupa a metade oriental da ilha de Nova Guiné, bem como numerosas ilhas menores e atóis. Geografia do país é extremamente diversificado, com uma espinha de montanhas escarpadas que funcionam o comprimento da ilha formando o Highlands, (1200 – 2800m).

As planícies costeiras apresentam recifes de corais e muitas centenas de ilhas menores, com o mais notável é a Nova Bretanha, Nova Irlanda e Bougainville. Seus vizinhos são a Indonésia, a oeste, ao sul da Austrália, as Ilhas Salomão, a leste com o território de Guam EUA para o norte.

A área de terra é de aproximadamente 463,000 km ², com apenas 27% do território total habitada. Grandes variações no relevo causar uma gama extremamente diversificada de ambientes naturais.

Há 24 dormentes e 16 vulcões ativos e erupções são freqüentes. Uma série de grandes rios drenar o continente, incluindo o Rio Sepik no norte e do rio Fly no sul. Estes rios têm associado pântanos e várzeas inundadas, que cobrem grandes áreas. Quase 50% da área total do terreno é montanhoso e 20% é sazonal ou permanentemente inundadas.

Política

Política nacional são caracterizados por uma infinidade de partidos políticos, governos de coalizão, lealdades partidárias mudança e movimentos de não-confiança na liderança (muitos dos quais conseguiram).

Há instabilidade considerável de processos políticos em PNG. Nas condições atuais, os governos eleitos são a garantia de um período de carência de 18 meses após a eleição antes que eles possam ser sujeitos a votos de confiança.

Isto também se aplica aos últimos 12 meses anteriores a uma eleição geral, que são realizadas a cada cinco anos. O governo de coalizão de 2002-2007 foi o primeiro a executar a termo. As próximas eleições estão previstas para começar em 23 de junho de 2012.

As eleições foram realizadas em Junho e Julho de 2007. Um governo de coalizão foi formada pelo Partido da Aliança Nacional, com parceiros de coalizão tiradas de mais 12 partidos políticos. O líder do Partido da Aliança Nacional, Sir Michael Somare MP manteve sua posição de primeiro-ministro para um segundo mandato consecutivo.

Sir Michael foi o primeiro primeiro-ministro de PNG após ter obtido a independência em 1975 e, posteriormente, durante o período 1982-1985 e 2002 – 2011. Em 2011 Sir Michael Somare foi em Singapura, por um período de tempo prolongado, a receber tratamento médico.

Em sua ausência Rt Hon Sam Abal foi nomeado primeiro-ministro em exercício. No entanto, em 2 de agosto de 2011, Peter O’Neill, ex-membro do partido governista Somare, com sucesso, apresentou um voto de não confiança no Somare e posteriormente foi eleito como o primeiro-ministro.

Ele foi empossado em um dia mais tarde, pelo Governador Geral. Em 12 de dezembro de 2011, a nomeação de O’Neill foi trazido em dúvida após a decisão da Suprema Corte que a demissão de Somare foi ilegal.

O’Neill continua a ser reconhecida pela maioria dos deputados e do presidente como o ministro legítimo Prime.

Continua a haver uma série de desafios legais pendentes com relação à maneira em que O’Neill foi eleito e ações subseqüentes dos envolvidos.

Papua Nova Guiné está definido para ir às urnas em 23 de Junho de 2012 para um período de 14 dias. O retorno dos mandados está prevista para 27 de julho. Os resultados do processo de eleição não será conhecido após este ponto. As eleições vai ver um número estimado de 4,4 milhões os cidadãos votam para um escalonamento 3.000 candidatos a 109 distritos eleitorais.

Desde a independência, os membros foram eleitos pela primeira passado, o sistema de pós, com os vencedores freqüentemente ganhando menos de 15% dos votos.

Reformas eleitorais em 2001 introduziu o sistema de votação preferencial Limitada (LPV), uma versão do voto alternativo. As eleições nacionais em junho e julho de 2007 foram os primeiros a ser conduzida usando LPV.

Fonte: www.fco.gov.uk

Papua Nova Guiné

História

O s primeiros habitantes de Papua Nova Guiné, provavelmente migrantes do arquipélago indonésio, chegou a cerca de 50.000 anos atrás.

Esses imigrantes chegaram em várias ondas, ea terra que eles encontraram tinha um efeito notável sobre o desenvolvimento cultural. Porque terreno Nova Guiné é marcada por montanhas imponentes e território extremamente robusto, grupos populacionais diferentes desenvolvidas em isolamento virtual.

Cada grupo desenvolveu a sua própria língua e sua cultura tribal, um desenvolvimento que dá Papua Nova Guiné um dos mundiais mais diversas e fascinantes paisagens culturais.

Papua Nova Guiné
Nova Guiné Festival MAs

O primeiro contato com a ilha pelos europeus ocorreu no início do século 16, quando o explorador Português Jorge de Meneses avistado o país e chamado de Ilhas dos Papuas (Terra do Povo Fuzzy-Haired).

No entanto, não foi até meados da década de 1800 que os missionários europeus e os comerciantes começaram a se estabelecer na ilha, e mesmo esses poucos colonos limitado sua presença principalmente para as áreas acessíveis costeiras.

Ao longo das décadas seguintes, Papua Nova Guiné foi reivindicado pelos alemães, os ingleses e os holandeses, mas veio sob o controle da Austrália após a Primeira Guerra Mundial. O interior região das montanhas, que se acredita ser muito hostil para a habitação, nem sequer foi explorado até os anos 1930.

Espantosamente, os exploradores europeus em busca de ouro, em vez descoberto mais de um milhão de pessoas, vivendo em vales férteis e nas culturas que não havia mudado desde a Idade da Pedra.

Na década de 1960 havia surgido um movimento de independência significativa no país, e em 1975, após um breve período de autonomia interna, Papua Nova Guiné declarou sua independência total.

Papua Nova Guiné
Casa na ilha de Papua Nova Guiné

As pessoas podem ser divididas em quatro grupos étnicos: Nova Guiné (a partir do norte da ilha principal), papuas (do sul), Highlanders, e ilhéus. Há, no entanto, a variação cultural considerável dentro de cada um desses grupos.

Os povos da costa sul eram notórios por headhunting e canibalismo, antes da chegada dos europeus. Muitas pessoas ainda vivem em pequenas aldeias e seguir os costumes tradicionais tribais. Embora o Inglês é a língua oficial nas escolas e do governo, cerca de 800 línguas distintas são faladas nas ilhas.

Localização, geografia, clima

Papua Nova Guiné
Praia – Papua Nova Guiné

Papua Nova Guiné ocupa a metade oriental da ilha acidentada tropical da Nova Guiné (que compartilha com o território indonésia de Irian Jaya), bem como numerosas ilhas menores e atóis no Pacífico.

A parte central da ilha sobe em um cume variedade de montanhas conhecidas como Highlands, um território que é tão densamente florestada e topograficamente proibindo que os povos locais da ilha permaneceram isolados uns dos outros por milênios.

O litoral é generosamente dotado de recifes de corais, dando ao país uma reputação internacional de mergulho. Os pequenos grupos de ilhas da Papua Nova Guiné incluir o Arquipélago de Bismarck, Nova Bretanha, Nova Irlanda e nas Ilhas Salomão do Norte. Algumas destas ilhas são de origem vulcânica, com montanhas dramáticas, e todos são relativamente pouco desenvolvido.

Quase 85 por cento da ilha principal é acarpetado com floresta tropical, com vegetação que é uma combinação de espécies asiáticas e australianas. O país é também o lar de uma impressionante variedade de pássaros exóticos, incluindo praticamente todas as espécies conhecidas de aves do paraíso, e é abençoado com mais tipos de orquídeas que qualquer outro país.

Clima

Papua-Nova Guiné é tropical, como seria de esperar de um país localizado ao sul do Equador. Dezembro-março é a estação das chuvas, embora ocasionalmente chuva cai durante todo o ano.

Enquanto Port Moresby, a capital, e outras cidades da costa são muito quente nos meses de verão, as temperaturas são mais frias considerável nas Highlands. Julho, agosto e setembro são os melhores meses para trekking férias.

Papua Nova Guiné
Vulcão – Papua Nova Guiné

Papua Nova Guiné oferece uma grande variedade de férias de aventura – de caminhadas através das florestas tropicais e canoagem rios da ilha para mergulhar nos recifes de Nova Guiné e das ilhas menores.

Além do fascínio do ambiente extraordinariamente rica e variada Papua Nova Guiné natural, a ilha também tem muitas lembranças da Segunda Guerra Mundial, quando foi palco de batalhas brutais entre as forças japonesas e aliados.

Sul

Kokoda trilha: A trilha de 60 quilômetros, que vai da área de Port Moresby-se na Faixa de Stanley Owen, foi usado pela primeira vez por garimpeiros na década de 1890.

É melhor e mais notoriamente conhecido, no entanto, como o local de combates sangrentos durante a Segunda Guerra Mundial, quando as forças japonesas, que tentam invadir a Port Moresby, foram empurrados para trás ao longo da trilha pelos australianos.

Caminhando pela trilha, que começa em Cantos Owers “(cerca de 30 quilômetros de Port Moresby), leva cerca de cinco dias. O terreno é acidentado, com muitos altos e baixos entre serras e por meio de fluxos de lama.

O Highlands

A região das montanhas é composto de uma longa seqüência de vales férteis, cada um separado de seus vizinhos por imponentes montanhas. Embora as Highlands são compostas de regiões manydistinct, todos que estão bem a pena investigar, a mais fascinante delas é a área das montanhas do sul.

Descrito por primeiros visitantes como o país das maravilhas Papua, a Southern Highlands estavam entre as últimas regiões a serem exploradas, e eles ainda são o lar de algumas das culturas mais fascinantes tribais da Nova Guiné.

A área é espetacular, com vegetação exuberante, dramáticas vales de alta montanha, montanhas altíssimas, e as cabeceiras de vários rios que ruge. O maior grupo étnico são os Huli, cujo território edênico no Vale Lavani foi descoberto apenas em 1954.

Como muitos dos povos da Papua Nova Guiné, os Huli são distinguidos por suas formas únicas de adorno pessoal – neste caso, espetacular perucas de penas de moda, cabelo humano, flores, e do pêlo do cuscus marsupial.

O Rio Mendi, um local popular para rafting, também está localizado nas Southern Highlands. Viagens de dois ou três dias pode ser arranjado, mas apenas por vigas experientes, o curso inclui 30 metros de cachoeiras e corredeiras de grau cinco.

O Eastern e Western Highlands, enquanto menos remoto, mais desenvolvido, e um pouco menos topograficamente esmagadora, no entanto segurar atrações consideráveis. No Eastern Highlands reside Monte Wilhelm, a maior montanha da Papua Nova Guiné (14.880 pés).

Wilhelm escalada é relativamente fácil, ele pode ser feito em dois dias, três ou quatro, mas recomenda-se a permitir a passear amplo. A trilha começa no Kegsugl, no meio da ilha, e passa por uma floresta de musgo, lagos e cachoeiras passado, e os restos de uma Segunda Guerra Mundial-era avião bombardeiro americano.

Do topo (que normalmente é de neve), há uma vista espetacular tanto do norte e litoral sul de Nova Guiné. Também no Eastern Highlands é o Rio Wahgi, que ganhou uma reputação internacional como um dos melhores whitewater muito rafting destinos do mundo.

No Highlands Ocidental, uma pitoresca região de plantações de café e de chá, é o Baiyer Rio santuário de vida selvagem. Lar da maior população de aves do paraíso no mundo, o Rio Baiyer santuário é um habitat floresta tropical rica, com uma abundância de vida selvagem de todos os tipos.

É atravessada por um grande número de trilhas muito bem conservado, tornando-se um dos locais mais cordial para caminhadas nas montanhas.

A Costa Norte

Madang

Papua Nova Guiné
Ilha – Papua Nova Guiné

Sua cidade extremamente pitoresca é a base ideal para expedições de mergulho de todos os níveis de experiência. Os recifes de corais do Mar de Bismarck são o lar de muitas espécies raras de peixes coloridos e enguias. Especialmente fascinante são os destroços submersos de 34 aviões de combate japoneses, com armas e carga intacta.

Ilhas

De Madang, é um passeio de barco fácil para a ilha de Manam, formada por um vulcão ainda ativo. Trekkers pode caminhar até o lado sul do vulcão de 6.000 metros, mas eles não devem esperar para chegar ao cume – vapor estourando fora do topo do vulcão forma uma cobertura de nuvens quase constante.

Nova Bretanha

Esta ilha oferece uma ampla gama de atividades de fácil acesso. Rabaul, a capital, é em Simpson Harbor, conhecido por sua excelente natação e mergulho.

Trilhas em encostas cerca de Rabaul, perfeito para caminhadas de um dia, levar a uma rede de túneis e cavernas construídas pelos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial. Por meio de caminhadas na densa floresta tropical cabeça, para subdesenvolvido West New Britain. A cidade de Talasea vale a pena visitar por suas fontes termais e borbulhando buracos de lama.

Fonte: www.geographia.com

Papua Nova Guiné

Território Desconhecido

Poucos paises têm um nome tão longo e complicado quanto Papua Nova Guiné.

Quando os primeiros exploradores portugueses chegaram na ilha a chamaram “Ilhas dos Papuas”, “a ilha dos cabelo-enrolado”, que vem da palavra malaia “papuwah”.

A ilha de Nova Guiné foi dividida em três partes: a britânica, a alemã e a holandesa. Quando os australianos passaram administrar a parte britânica chamaram-na território de Papua.

Papua Nova Guiné é um paraíso de culturas milenares submersas entre a espessa vegetação, alheia ao rítmo do ocidente, e as modernas e próximas cidades.

É realmente o último canto do mundo aonde chegaram os europeus em seus percursos colonizadores. De fato, algumas partes de seu território ainda não tiveram contato com a cultura ocidental. Assim é como tem-se mantido o virginal estado natural em suas entranhas mais recônditas.

Esta mistura de tradição e modernidade, de natureza e cultura, propõe ao viajante um atrativo singular. A viagem a este canto do mundo irá por-lhe em contato com tradições fascinantes, em um espaço natural que não poderá esquecer jamais.

Alfândega e Documentação

Para ingressar a Papua Nova Guiné é necessário apresentar o passaporte e dispor de um visto. É provável que seja requerida sua passagem de saída, assim como, a demostração de posse de recursos financeiros suficientes para a estadia.

Equipamentos de Viagem

Recomenda-se levar roupa leve e especialmente para a chuva, assim como, uma roupa leve de abrigo.

Diferença de Horário

Em Papua Nova Guiné há uma diferença horária de 10 horas a mais com respeito ao GMT.

Por estar tão perto do Equador, as horas de sol são as mesmas que as horas da noite: amanhece às 6 da manhã e o sol se põe às seis da tarde.

Idioma

O idioma oficial é o inglês, embora também fala-se outros idiomas como o inglês-pidgim e o motu; este último está muito propagado na parte sul da Papua Nova Guiné e Port Moresby. O pidgim é um idioma neo-melanésio muito parecido ao que fala-se em Vanuatu e nas Ilhas Salomão. Existem também outras numerosas línguas Papuas e melanésias (perto de 750).

Religião

A maioria da população é protestante (58,4%), embora conviva com outros habitantes que professam diversas religiões como os católicos (32,8%), os anglicanos (5,4%) e os animistas (2,5%); além disso há uma minoria de cristãos nativos e budistas.

Eletricidade

A corrente elétrica é de 240 volts a 50 Hz. Alguns hotéis contam com corrente de 110 volts.

Moeda e Câmbio

A moeda oficial é o Kina, dividido em 100 toea. Kina é o nome da moeda tradicional de concha do mar utilizada anteriormente e era o indicador comum da riqueza do indivíduo. Existem notas de 2, 5, 10, 20 e 50 kinas e moedas de 1, 2, 5, 10, 20 e 50 toea e de 1 kina.

Não está muito utilizado o uso dos cartões de crédito; aliás, se são recebidas por alguns locais, especialmente os mais turísticos. Os mais aceitos são o Americam Express e a Diners Club. Não é comum a utilização de cheques de viagem, pelo que recomendamos pensar em utilizar dinheiro em efetivo.

Emergência, Saúde e Policiamento

Não existem vacinas obrigatórias para ingressar no país. É aconselhável a vacina contra a febre amarela, a profilaxia contra a malária e viajar provido de um seguro médico e de assistência. O número telefônico gratuito para ambulâncias é o 000.

O telefone do Hospital Geral de Port Moresby é o 24.81.00. Em geral os serviços médicos são bons, mas nas povoações mais longíquas podem ser escassos ou quase nulos. É aconselhável viajar tendo previsto a contratação de um seguro médico.

Correios e Telefonia

O serviço postal funciona através das escritórios, pois não há carteiros. Embora o serviço telefônico esteja limitado às principais povoações, este é bastante funcional. As conexões são automáticas e diretas entre as principais cidades. Não existem prefixos provinciais. Para ligar a Papua Nova Guiné da fora do país há que marcar 00, o indicativo do país 675 e o número do assinante (não existem prefixos de cidades).

Fotografia

É aconselhável ir provido de abundante material, pois não deixará de fazer fotografias, além de ser difícil em algumas zonas conseguir material fotográfico. Leve em conta na hora de fotografar que a luz solar é muito potente e as cores muito vivas.

Horário Comercial

Os escritórios estatais abrem às 8 horas e fecham às 16 horas. Atendem de segunda-feira à sexta-feira. O resto das escritórios tem um horário similar.

Os bancos abrem de segunda-feira a quinta-feira das 9 às 14 horas, e sexta-feira das 9 às 17 horas. Os comércios abrem de segunda-feira a sexta-feira entre às 7 e 8 horas às 17 horas. Alguns abrem aos sábados pela manhã. Os centros oficiais estão abertos entre 8 e 16 horas.

Gorjetas

Como em alguns países da zona, gorjetas serão bem recebidas, embora não é costume oferece-la.

Taxas e Impostos

Existe uma taxa de aeroporto de 10 a 15 kinas, aproximadamente. Na maioria das províncias aplica-se um imposto entre o 2 e o 7 por cento sobre os preços dos artigos. Os hotéis mais caros e certos restaurantes são os únicos locais a incluir este tipo de taxa no total da conta do consumo.

Flora e Fauna

Aproximadamente 85% de Papua Nova Guiné está coberta de extensos bosques. Das 9.000 espécies de plantas que são originárias do lugar, umas 200 são árvores que encontram-se sobretudo, nas terras baixas da selva úmida.

A ilha é popularmente conhecida sobretudo pelas 700 espécies de aves de todas as cores e tamanhos. Ai encontram seu lar 38 das 43 espécies das maravilhosas aves do paraíso que há no mundo; desde enormes pássaros, pombas coroadas do sul, até as mais pequenas, os loros pygmy.

O ambiente tropical também é própricio para a população de repteis, onde existem mais de 200 espécies, incluindo duas de crocodilos e 13 espécies de tartarugas, assim como, diferentes espécies de serpentes.

O brocho de ouro desta riqueza animal constituem os insetos, pois existem milhares de espécies incluindo as maiores borboletas do mundo, a famosa Queem Alexandra’s Bridwing. Alguns insetos como o escaravelho verde costuma ser ultilizado como enfeite, por parte dos locais e estabelecimentos em geral.

Também pode-se encontrar as seguintes espécies: a águia de Nova Guiné, o cabeção ou a tartaruga boba; o canguru arborícola de Goodfellow; o crocodilo de estuário, sub espécie biporcatus; o dugong dugong, que é a única espécie viva da família Dodongidae; o falcão imitador; a coruja dourada; a pomba de Palau; o petrel das tormentas de Markham e a tartaruga verde.

História

Provavelmente, a vida deste país seja uma das que tem maiores significados em relação a dificuldades dadas aos historiadores e antropólogos, pois muitos dos vestígios originais tem sido arrasados pela força da impetuosa natureza.

A inacreditável capacidade da exuberante vegetação tem sobrepovoado inclusive os efeitos deixado no solo pela Segunda Guerra Mundial. Ainda assim, existem dados argumentando que os primeiros habitantes da Papua chegaram provavelmente, há 30.000 anos, quando a terra da ilha ainda formava parte do continente.

Os malaios se estabeleceram para o ano 1350 na costa oeste da ilha, e os primeiros europeus chegariam no século XVI. Papua Nova Guiné, foi duas vezes batizada, e por isso seu nome é tão comprido.

Primeiro os portugueses a chamaram a “ilha dos cabelo-enrolado”, Ilhas dos Papuas, do malaio “papuwah”, depois os alemães a denominaram Nova Guiné, por parecer com a Guiné africana. Posteriormente, espanhóis holandeses, e ingleses, também tomaram parte nesta conquista.

Ao longo dos anos tem-se propiciado numerosas ondas de imigrantes provenientes das regiões asiáticas e a prova clara disto é a mistura das línguas asiáticas, com as originárias da região.

Já no século XIX, a ilha foi dividida em três partes: A ocidental ocuparam os holandeses, ao norte os alemães e ao sul os ingleses. No século XX a parte britânica foi entregue a Austrália, a qual após a I Guerra Mundial ocupou a zona alemã. Durante a II Guerra Mundial Japão ocupou a maior parte da ilha. Após as guerras européias, Austrália administra o território sob o controle da ONU.

Após uma série de processos de autonomia Papua Nova Guiné consegue a Independência em 1975 dentro do marco da Mancomunidade britânica. O Tratado do Estreito de Torres de 1978 resolve as fronteiras marítimas, e em 1987 os governos de Papua Nova Guiné e Indonésia, dona da outra parte da ilha, assinaram um acordo que delimita suas fronteiras.

Pontos Turísticos

Começaremos o nosso percurso pela zona da capital do país, na península que encontra-se na parte oriental da ilha. Realizaremos seguidamente uma viagem (no sentido contrário aos ponteiros do relógio) pelas províncias da ilha principal. Daqui viajaremos para as outras províncias nos diferentes mares em volta de Papua Nova Guiné.

A Província Central

Está composta por uma fraca zona costeira nos pés da Serra Owem Stanley a qual eleva-se até 4.000 metros de altitude. O centro desta desértica zona é Port Moresby, no coração da Província Central.

Port Moresby

É a capital do país, e está situada no Golfo de Papua, na costa do sudeste da ilha de Nova Guiné, dominada pelas montanhas e somada ao mar por uma formosa baia.

O mais surpreendente da cidade é a perfeita combinação de culturas: a nativa e a do homem branco, compartilhando o espaço e respeitando suas próprias tradições. Nela habitam aproximadamente 170.000 habitantes e sua zona central abrange perto de 30.000 quilômetros quadrados de extensão, sendo uma península cuja entrada é o Porto de Fairfax. A cidade extende-se ao longo de uma baia costeira, entre esta e as colinas que existem por trás.

“Town”, como é conhecida comumente, aloja alguns vestígios de sua história arquitetônica, embora a maior parte da fisionomia constituem os edifícios e blocos contemporâneos, dando mostra do crescente desenvolvimento.

Se quer admirar as melhores vistas de Port Moresby, Paga Hill, é o mirante favorito dos visitantes, desde onde poderá observar o panorama onde sobressaem as figuras das edificações do Pacific Place, a ANG House e o Travelodge. No fim da rua Douglas encontra-se o edifício do Banco Central de Papua Nova Guiné, cuja fachada tem sido decorada com motivos tradicionais.

Entre os edifícios mais destacados de Port Moresby encontra-se o Parlamento, cujos interiores celebrou-se a primeira sessão em 1984 da mão do Príncipe Carlos da Inglaterra. Outros lugares de interesse para o visitante são o Museu Nacional e a Galeria de Arte, muito perto. Ali exibem-se aparelhos representando a vida animal, a geografía, a história e a cultura do país.

O Paga Point situa-se no fim de uma elevada montanha e oferece formosas vistas da cidade. É um lugar de reunião popular na hora do almoço. Se está interesado em subir, pode fazer parte de um grupo, pela sua própria segurança. O prédio mais antigo de todo Moresby é a Igreja Ela United, na rua Douglas, aberta pela Sociedade Missionária de Londres em 1980.

No centro da cidade localiza-se Huanabada, um assentamento original dos motu. O nome oficial, embora menos conhecido, é Poreporena Villages.

Muito perto encontra-se o primeiro assentamento europeu no país, o Metoreai. A edificação, pertencente à Igreja Ela United, foi uma vez o quartel da Sociedade Missionária de Londres.

Nos arredores, no fim das ruas Musgrave ou Hunter pode-se chegar à Ela Beach, uma praia mais para descansar do que para tomar banho ou nadar, devido à pouca profundidade das águas. Muito perto levanta-se a Catedral Católica de Santa Maria, sobre a rua Musgrave desde onde destaca sua fachada do estilo sepik.

Mais adiante encontrará a zona de Koki, é um centro de lojas cheio de atividade. Concorre com esta zona, a famosa Boroko, um ativo centro comercial com numerosos escritórios e bancos. Na saída, pela rua de Waigani Drive poderá chegar a Gordons, uma zona provavelmente não muito turística pelo ambiente mais industrial, mas onde é imprescindível chegar se está procurando uma boa mostra de artesanato e objetos elaborados à mão. Também pode-se percorrer os arredores do Gordom Market para realizar algumas outras aquisições.

Não pode-se deixar a cidade sem dar uma volta pelos recintos da Universidade de Papua Nova Guiné e a Escola Nacional de Arte, dois centros não apenas turísticos mas culturais, os quais definem de uma maneira muito clara a vida do país.

Percursos desde Port Moresby

Desde Port Moresby até os campos de ouro de Yoda e Kokoda, extende-se uma rota usada em outros tempos pelos mineiros, beirada de serras escarpadas com estreitos e profundos barrancos de beleza indescritível. Pode-se chegar também, nas praias como Manubada Ilhand, na área de Bootless Bay ou na Idler’s Bay na Península de Napa Napa, justo ao leste de Moresby.

Muito perto encontra-se também a Ilha Lolorua conhecida também como a “Ilha Dupla” porque foi quase dividida em duas a raíz do impacto de uma bomba, durante a Segunda Guerra Mundial. Pela mesma rota situa-se Tatana Ilhand justo no meio entre Huanabada e Napa Napa. Finalmente, recomenda-se o apetecível percurso por Basilik Passage, colindante com a entrada ao porto de Port Moresby. Ali pode-se visitar os arrecifes de Nateara e Sinasi, de esplendorosa beleza.

Províncias do Golfo e Ocidental

As duas províncias ocidentais da Papua são provavelmente as menos desenvolvidas do país, sendo preciso realizar o transporte entre suas povoações de barco ou de avião, pelas intrincadas vias de comunicações.

Os habitantes destas zonas constroem suas casas sobre barrotes às beiras dos rios e ameude faz-se preciso move-las pelas mudanças contínuas nos cursos dos rios. O canibalismo teve uma importância ritual e religiosa, antes da chegada do cristianismo. Este outorga-lhe um atrativo singular.

Ao longo de todas suas costas pode-se encontrar infinidades de deltas de rios com grandes áreas de vegetação sob as saias dos Highlands. Esta região está dominada por planaltos, grandes pradarias e magníficos rios como o Fly e Strickland, correndo para o Golfo de Papua desde seus pontos de origem no interior.

Província do Golfo

Na Província do Golfo estão os rios Turama, Kikori e Vailala, os quais também desembocam no mesmo golfo. O primeiro ponto de visita é Kerema, uma pequena cidade onde se centra a atividade da área. Há limitadas facilidades para deslocar-se pelos arredores, mas vale a pena fazer o esforço para conhecer territórios como Malalalua.

Ihu é a estação principal entre a zona dos deltas e Kerema, e é o centro do projeto Purari River, adornado por suas estações virginais. Um formoso lugar para fazer uma parada é Kamina (entre Kerema e Kaintiba), rodeada de inacreditáveis vilas e povoações tradicionais. É possível percorrer a zona com um guia particular.

Kaintiba, nas montanhas atrás da costa, é o país Anga. Em suas estações naturais tem-se habilitado surpreendentes zonas para passeios a pé em volta das áreas das povoações tradicionais.

Já para o fim da zona do Golfo encontram-se as duas povoações mais importantes do país do delta ribeirinho. Nos referimos a Kikori e Baimuru. A primeira é uma das mais antigas estações em Papua e a segunda é a mais extensa da zona. Todas duas possuem pistas de aterragem para as conexões aéreas, mas também existem rotas comunicando-as por meio de balsas.

Província Ocidental

O percurso pela Província Ocidental começa por Daru, a principal cidade da zona, a qual conta também com uma pequena ilha do mesmo nome muito perto das costas. Muito próximo encontra-se Balimo uma cidade a beira do rio Aramia, a qual foi uma extendida zona missionária, que aloja hoje um importante centro cultural.

A uns quilômetros da zona, limite com Indonésia, localiza-se Bensbach, cujo principal atrativo turístico é o Bensbach Wildlife Lodge, na boca do rio Bensbach, com uma escassa população, porém grandes zonas de vida selvagem.

Nas redondezas fica Ok Tedi, uma zona mineira de crescente desenvolvimento. Também pode-se visitar os arredores do Lago Murray, o maior de toda a província e com imensa reserva de crocodilos.

A Região de Sepik

Esta região é provavelmente a mais fascinante de Papua Nova Guiné. Conta com várias ilhas, uma longa e maravilhosa costa com magníficas praias e agradáveis povoados. O rio Sepik, com seus 1.126 quilômetros é um dos mais importantes do mundo, quanto o caudal de água.

Sua exótica população determina um elo de incalculável valor se nos remontamos a suas antigas origens. Formam numerosos grupos e clãs totalmente dependentes do rio utilizando-o como uma rota comercial e como ponto simbólico de sua expressão artística.

Wewak

A principal população da região de Sepik é Wewak, um território a oferecer um atrativo turístico singular de praias de areia dourada com formosas palmeiras dispostas quase no limite do território urbano. Wewak fincado aos pés de uma formosa colina e, a principal zona comercial, encontra-se entre a zona do Hotel New Wewak e o aeroporto. Na praia situada entre o Kreer Market e o hospital pode-se divisar algumas rústicas barcaças de origem japonesa.

As Províncias de Highlands (Terras Altas)

Terras Altas Orientais

As cidades mais importantes da região são Kainantu e Goroka, nas Terras Altas Orientais, onde poderá admirar o Museu JK McArthy, o qual exibe fotografias, relíquias e toda qualidade de documentos dos contatos entre os europeus e os habitantes desta região, e o Teatro Raum Raun, o qual é também um centro cultural onde pode-se comprar artesanato. Perto de lá, terá a oportunidade de conhecer os “homens de barro” (Mude Men) os quais habitam os povoados do vale de Asaro.

Nos arredores de Goroka encontra-se o Parque Provincial do Monte Gahavisuka, oferecendo uma formosa paisagem de montanha adornado com plantas exóticas. O parque, com uma extensão de 80 hectares, aloja um jardim botânico com plantas procedentes de todas as províncias do país.

Simbu

Em Chimbu (Simbu) encontra-se Kundiawa, a capital da província. Na região poderá fazer rafting no rio Wahgi, uma das experiências mais excitantes, visitar cemitérios subterrâneos, onde descansam os restos de guerreiros ou fazer uma excursão à montanha mais alta do país, Wilhem.

Terras Altas Ocidentais

Esta província tem uma população de 300.000 habitantes e uma área de 8.288 quilômetros quadrados. Hagen, a capital, encontra-se a 445 quilômetros. de Lae e a 115 quilômetros. de Goroka. Recomenda-se visitar o centro cultural, muito interessante e o mercado dos sábados, um dos mais importantes de toda Papua, pois é ponto de reunião dos habitantes da região

Aos arredores de Hagem extendem-se plantações de café e chá. E por último visite o impressionante Baiyer River Wildlife Sanctuary.

Terras Altas do Sul

Nas Highlands do sul poderá admirar uma rica vegetação, realizar interessantes excursões espeleológicas, assim como, a oportunidade de conhecer a grande variedade de tribos e culturas que possui a região.

O grupo mais importante assenta-se em Tari, são os “homens-peruca” (Huli Wigmen), chamados assim pela maneira esquisita de enfeitar as suas cabeças com perucas feitas de cabelos, flores, penas e pelo de cus-cus. As mulheres devem doar seu cabelo aos homems para que estes elaborem as pitorescas perucas.

A tribo dos Mendi, assentada na povoação do mesmo nome entre uma espessa vegetação, conserva antigas tradições e curiosas cerimônias. Durante as mesmas consomem uma substância chamada “betel nut”, a qual leva-os a uma espécie de transe.

Ao sul de Mendi encontra-se uma estação natural de montanhas à beira de um rio, conhecido como Lago Rutubu.

Enga

O mais sobressaliente da província de Enga, menos desenvolvida que as outras, é Wabag, a capital, onde pode-se visitar o museu, o centro cultural, o lago vulcânico (à 3.000 metros de altitude), espetacular, assim como, conhecer os “pintores da areia”, uma arte típica de Enga.

Província de Mandang

Na costa oriental do norte, encontra-se esta fértil região, a qual extende-se através de acidentadas cadeas montanhosas como as Adelbert e Schrader Ranges.

Na frente da costa há numerosas ilhas, algumas delas com vulcões em atividade.

Madang, considerada como uma das cidades mais belas da zona e com uma população de 20.000 habitantes, oferece ao visitante um ambiente acolhedor.

São aconselháveis as visitas ao museu e centro cultural, onde exibe-se uma modesta coleção de estátuas, jóias e diversos instrumentos musicais; ao cemitério alemão, a seus numerosos parques e ao colorido mercado. A cidade conta com um belo porto. Uma vez ali pode-se chegar à Ilha de Kranket, a Ilha de Manam e a Ilha de Karkar.

Ao sudeste de Madang fica Balek Wildlife Sanctuary, onde pode-se desfrutar de grutas sulforosas, realizar caminhadas pelos senderos da selva ou então mergulhar nas águas de suas fontes termais.

Província de Morobe

Morobe é um vasto arco de terra que encontra-se no Golfo de Huom e trata-se de uma inóspita selva tropical impenetrável.

Lae

Lae é a segunda cidade mais importante do país e está situada na desembocadura do rio Markham, constituindo um verdadeiro paraíso tropical muito colorido, assim como, uma moderna cidade com múltiplos comércios e instituições.

No coração da cidade encontra-se o Centro de Artes Melanesas onde poderá comprar artesanato típico, como objetos de arte das ilhas Trobriands e da região do Sepik. Se você quer ver curiosos animais vá para Maus Buang e Labu Tali, ao sul da cidade, onde tem os répteis mais longevos do mundo, assim como, tartarugas gigantes com mais de dois metros de comprimento e uns 500 kg. de peso, que oferecem um assombrador espetáculo.

Arredores de Lae

Os arredores de Lae apresentam alguns lugares de interesse: Viajando para o leste encontra-se Bulolo, onde pode-se conhecer à tribo dos Anga de tradições ancestrais.

Em Wuau encontra-se o Instituto Ecológico, um museu e um zoológico aberto ao público. No Parque Nacional McAdam encontrará centenas de espécies de aves e pinheiros em extinção como os Flingkii e os Hoop.

O Vale de Aseki está habitado pela tribo do mesmo nome conhecida por uns costumes um tanto peculiares, pois cortavam as cabeças dos inimigos, para comer seus corpos após a batalha, na crença de pegarem a sua força e inteligência.

Província do Ouro

A província que extende-se ao norte da Província Central é conhecida localmente como Oro Province. Encontra-se ao norte da cadeia montanhosa central de Owem Stanley Tange. É uma bela extensão com vários pontos de interesse, entre os quais destacam Popondetta, a capital atual e desde onde pode-se ver o Monte Lamington.

Tufi é um porto construido em um belo lugar, perto do Cabo Nelson, e está rodeado por três altas montanhas: Tragalgar, Victory e Britania. Pode-se realizar excursões muito gratificantes pelos arredores dessa vila e realizar submarinismo nas impressionantes águas cristalinas.

Cabo Nelson formou-se por uma recente erupção dos três vulcões e a lavra deu origem à formação de uns magníficos fiordos, constituindo assim, um formoso espetáculo natural, sem dúvida, um dos principais atrativos turísticos da região.

A Rota do “Kikoda Trail” é uma das mais fascinantes da Papua Nova Guiné. São aproximadamente 90 quilômetros a serem percorridos entre cinco e dez dias.

Originalmente este caminho era utilizado pelos mineiros que iam desde Port Moresby até os campos de ouro de Yoda e Kokoda. Nesta rota encontram-se escarpadas serras, estreitos e profundos barrancos.

Província de Milne Bay

A região compreende um conjunto de ilhas, arrecifes de coral e atolões sobre um área de 250.000 quilômetros quadrados de oceano, ao leste do país. Estão divididas em sete grupos, e são de formação montanhosa com altos cumes. A este grupo pertecem as Ilhas Trobriand no Mar Solomão.

O principal ponto de partida da província é Alotau (a capital), no extremo ocidental de Papua Nova Guiné (antigamente a capital era Samarai). Dali pode-se realizar vôos a diferentes ilhas, como a formosa Ilha de Woodlark, dona de uma beleza paisagística sem igual, de vales e colinas habitadas por moradores de origem melanesia.

Ao sul, no Arquipélago de Lausade, encontra-se a Ilha Misima, também muito montanhosa, com numerosas minas de ouro e grutas com restos arqueológicos muito interessantes. Outras ilhas da província são Normanby, Fergusson, Panaeate ou Tagula, a mais distante.

Ilhas de Trobriand

Os pescadores destas ilhas podem considerarem-se como um perfeito exemplo dos chamados “habitantes dos mares do sul”. A beleza física dos moradores, assim como, de suas impressionantes terras combinam em uma pitoresca forma de pescar, conformando uma parada sem igual. Na principal ilha, Boyowa, nem todos os povoados têm acesso ao mar.

A cada povoado corresponde um território situado em volta de um poço, árvores frutíferas e um palmeiral. O chefe de cada comunidade costuma ser o varão mais ancião pertecente ao clã mais dominante.

Província de New Britain

New Britaim é a maior das ilhas de Papua Nova Guiné, e oferece um curioso contraste entre suas duas províncias, New Britaim Oriental e a Ocidental. A oriental termina na muito densamente povoada península de Gazelle, onde habitam as pessoas mais ricas do país, fruto da fertilidade do solo vulcânico e à precocidade do seus contatos com europeus.

Por outro lado, a Província Ocidental não chegou a contacar com os europeus há décadas, está pouco povoada e muito pouco desenvolvida.

Rabaul

Assentada em uma impressionante caldeira vulcânica, Rabaul é provavelmente uma das cidades mais belas da Papua e talvez do Pacífico. Tem enormes vulcões que dominam a cidade, o belo porto de Simpson, umas ruas e avenidas amplas e limpas, e uma população absolutamente amigável.

É também uma das cidades onde pode-se fazer mais coisas: escalar vulcões, examinar relíquias de guerra e mergulhar entre corais e barcos afundados. Tem além uma das melhores seleções de hotéis e restaurantes do país. Embora seja uma cidade relativamente grande (15.000) habitantes, é mais bem tranquila, agitada apenas pelas intermitentes sacudidas do vulcão Matupit, que a mantém em permanente estado de alerta.

Entre os lugares mais interessantes para visitar em Rabaul destacam: o Porto, que ainda serve de escala aos grandes mercadores que unem as ilhas de Papua com os grandes centros comerciais internacionais; a Roda de Moinho de Port Breton, de curioso valor histórico; o Mercado, o melhor da Papua, o mais colorido e o mais sortido; o Clube Nova Guiné, construido justamente antes da guerra, foi destruido e construido de novo, conservando intacto seu interessante estilo arquitetônico europeu e seu sentido da história; o Museu de Guerra, um pequeno museu instalado no que foi o búnker do almirante Onishi durante a guerra; as Relíquias da II Guerra Mundial, uma sucessão de túneis e grutas excavados pelos japoneses, durante a guerra; o Parque de Orquídeas, situado sobre uma colina, domina a cidade e oferece uma interessante coleção de orquídeas nativas e de variada fauna local, sobretudo loros e periquitos. Não deixe de ir ao Memorial de Guerra Japonês, o principal de seu tipo no Pacífico.

Os arredores de Rabaul são de frondosa vegetação, embora apenas exista selva virgem, pois foi erradicada em 1937, durante a ocupação da ilha. Há muitas ofertas para o entretenimento nesta zona como mergulho, snorkeling ou ascensões aos vulcões.

New Britain Ocidental

Esta zona está muito menos desenvolvida que a Oriental, e possui muito menos atrativo.

Talasea e a Península de Williamez

É uma região vulcânica de relativa atividade. O que é hoje o lago Dakataua data da grande erupção de 1884.

Abundam os géisers e águas e barros termais, e há também um par de interessantes lembranças da II Guerra Mundial: os restos de dois bombardeiros norte-americanos.

Província de Solomons

A província de North Solomons está composta pelas ilhas de Buka, Bouganville e outras de menor extensão. Os principais pontos para se conhecer deste setor são Kieta e Arawa, muito próximas entre si e todas duas na ilha de Bouganville. Ali tem-se edificado instalações hoteleiras para fazer mais prazerosa a visita às áreas agrestes dos arredores.

Na parte mais alta do centro da ilha de Bouganville encontra-se Panguna, extenso território com o buraco artificial mais comprido do mundo. No sul da ilha localiza-se Buin. Pode-se realizar um bom percurso desde Aropa até o sul de Buin, para admirar a beleza do território.

Existe um singular mais agreste caminho pela costa leste da ilha de Bougainville desde Kieta a Buka Pasage, o estreito canal que separa a ilha de Bougainville da ilha de Buka. As paisagens desta zona são simplesmente encantadoras.

A principal população da ilha de Buka é Hutjena, na zona sul-oriental, cujo porto principal vale a pena se ver: o Queem Carola Harbour.

As outras ilhas da província Solomons estão conformadas pelos territórios de Nuguria (Fead), as ilhas de Nukimanu (Tasman), Kilinailau (Carteret), as do grupo Tau (Mortlock) e as conhecidas como Greem Ilhands.

Província de New Ireland

New Ireland é uma longa e estreita ilha ao norte de New Britain. Embora seja um lugar que entrou cedo em contato com os europeus (princípios do XVII), tem-se mantido relativamente desconhecida e pouco visitada, embora o hospitaleiro caráter dos habitantes. É uma província muito tranquila e segura para o visitante.

Na costa oeste, a população de Kontu se fez famosa por um documental chamado “Os Chamadores de Tuburões”, em referência à habilidade de alguns homens desta região para chamar os tuburões com sua voz ou com pedaços de coco e, assim pegá-los facilmente.

Kavieng

Com seus 5.000 habitantes, é a principal cidade da ilha. É pequena e tranquila e não há muito que fazer nela, mas é um lugar agradável para descansar. Tem um bonito porto, e tem reputação pela pesca, especialmente em volta da ilha de Edmago, também conhecida pelas magníficas praias brancas e corais. Outras ilhas que valem a pena fazer uma excursão são New Sulamam e Lisinung. Segundo as épocas e os ventos, a zona é ideal também para a prática do surfe.

A Costa Leste de New Ireland

Está mais desenvolvida que a costa do oeste, embora isto perceba-se só onde há mais povoados agradaveis, geralmente junto aos rios. A costa está bordeada pela estrada Boluminski, uma das melhores de Papua, embora suporta um trâfego muito rápido.

A população é extremadamente amistosa, e tendo poucos visitantes, desfazem-se em atenções para estes. O lugar mais interessante na costa é Matanasoi, célebre pela sua caverna de pedra caliça e água cristalina, a qual foi utilizada pelos japoneses durante a II Guerra Mundial como suministro de água potável.

A Costa Oeste de New Ireland

Onde tem muitos rios cristalinos e tem que ter cuidado com os transbordamentos. Há uns povoados, a maioria dos quais vive da pesca e agricultura. Não há alojamento, mas dado a escassez de visitantes não é difícil encontrar uma cama livre em alguma escola, missão ou casa particular.

Província de Manus

É a província mais isolada e menos visitada de Papua. Está formada por um grupo de ilhas chamado Admiralty e por vários atolões. Manus, que dá nome à província, é a maior das Admiralty. Embora não esteja muito desenvolvida, conta com um bom sistema educativo, e por outro lado, muitos de seus habitantes falam inglês.

Manus e Ilha Os Negros

A dois graus de latitude ao sul do Equador, Manus é um lugar caloroso, úmido e tranquilo, com um interior selvagem, enquanto que Ilha Os Negros é vulcânica e mais fértil que a terra firme. A zona atrai muito pouco turista, pelo que apenas há estabelecimentos pensados para eles.

Entre os lugares para visitar destacam Lombrum, com restos da base norte-americana da II Guerra Mundial; Salamei, (em Ilha Os Negros), com uma interessante granja de crocodrilos; diversas praias, especialmente as de Salamei, Rarah Ilhand, Tulu Village e Andra Ilhand.

Finalmente Buyang, no centro da ilha, o povoado ideal para contemplar uma dança típica de Manus.

Gastronomia

Além do taro, inhame e bananas, acompanhados de arroz ou peixe, a base da alimentação do país é o sagú ou o saksak. Trata-se de um extrato de fécula que costuma ir acompanhado do suco de palmeira.

Nas Terras Altas se consome preferencialmente os kaukau, espécies de batatas doces que foram incorporadas à dieta da zona, após os espanhóis traze-las da América do Sul. Dentro dos pratos de melhor sabor, destaca o soto daging, uma deliciosa sopa de carne com especiarias.

É costume cozinhar em uns fornos construidos dentro da terra chamados mumu, para guisados de carne. Na capital encontrará uma extensa oferta de restaurantes, onde servem comidas francesas, vietnamita, chinesa, japonesa, tailandesa, indonésia, filipina e hindú.

Bebidas

Consomem-se sobretudo sucos de frutas. Porém, na capital do país pode-se beber, não sem certa dificuldade, as principais marcas das bebidas internacionais.

Embora a água é potável, é aconselhável beber só água engarrafada.

Compras

Na maioria das povoações poderá comprar artesanato. O aconselhável é dirigir-se aos centros culturais. Entre os produtos mais típicos encontram-se os bilums, bolsas típicos feitos de corda e as máscaras rituais, especialmente das Ilhas Trobriand, criadas em madeira talhada com diversos motivos e adornos de ébano.

Outros dos produtos mais solicitados são a olaria do povoado de Aibom, perto dos Lagos Chambri, os instrumentos musicais, especialmente tambores como os garamuts e os kundus, cestaria como a de Buka, tecidos com tintas naturais e algumas armas tradicionais, como flechas e lanças.

Entretenimento

Numerosas tribos irão convidá-lo a participar ou assistir a seus rituais de danças e cânticos. Não perca. Poderá também fazer numerosas excursões e ascensões, especialmente no famoso caminho de Kokoda. Para quem gosta do rafting, Papua Nova Guiné conta com excitantes rápidos, como o de Watut, perto de Bulolo e ocasionalmente no rio Waghi, na Província de Simbu.

Os amantes do submarinismo encontrarão um paraíso de águas transparentes e belos arrecifes de coral, entre as numerosas ilhas. Existem instrutores nos principais lugares. E continuando com os esportes náuticos, no país pode-se praticar desde pesca, surfing, windsurfing até navegação a vela.

Outra das atividades mais recomendadas são as excursões para descobrir e acercar-se aos misteriosos vulcões. Em Papua Nova Guiné há determinados lugares propícios para o campismo.

Festividades

Os dias festivos oficiais são o 1 de Janeiro Ano Novo, Sexta-Feira da Paixão, Segunda-Feira da Páscoa, 13 de Junho Aniversário da Rainha, 21 de Julho Dia da lembrança, 16 de Setembro Dia da Independência, 25 e 26 de Dezembro Natal. Além destes eventos “oficiais”, no país celebram-se diversos Festivais e Eventos Folclóricos de grande colorido, música e ambiente.

Cada uma das províncias de Papua tem o seu próprio dia provincial instaurado oficialmente.

O dia 22 de Fevereiro celebra-se o Dia provincial de Nova Irlanda, e o Kaveing Show. O dia 20 desse mesmo mês leva-se a cabo o Dia provincial do Ouro.

Entre junho e agosto celebram-se festas tradicionais como o Yam Harvest Festival (Trobriand Ilhands), o Port Moresby Show (meados de junho), os Dias oficiais da Província Central (meados de junho), Morobe (julho), Milne (7 de Julho), Madang (começo de agosto), Manus (agosto), Simbu (agosto), Highlands (agosto).

Também levam-se a cabo as festividades do Remembrance Day (principalmente em Port Moresby), o Rabalul Frangipani Festival, comemorando o crescimento das primeiras flores, após a erupção do Matupit o dia 23 de Julho de 1937.

No outro meio ano tem lugar festas como o Goroka Show (começo de setembro), os dias provinciais de East Sepik (16 de Setembro), Enga (outubro), Nova Bretanha do Oeste (outubro), Província do Golfo (1 de Dezembro) e Província do Oeste (6 de Dezembro).

Também festeja-se o Hiri Moale (um festival onde vêem-se aparecer canoas de comércio papuano), o Malangam Festival e o Milne Bay Show (todos estes, no dia 16 de Setembro). Finalmente, o Tolai Waragira (Rabaul) faz um convite entre outubro e novembro e é um festival de duas semanas de sing-sings e outros eventos.

População e Costumes

A população de Papua Nova Guiné beira aproximadamente os quatro milhões de habitantes e quase a terça parte se concentra nas províncias do Highland (terras altas). A taxa anual de crescimento demográfico é do 3,3% e à diferença da maioria de seus vizinhos asiáticos, a densidade é relativamente baixa, pois calcula-se uma média de seis habitantes por quilômetro quadrado.

Existem quatro grupos regionais, culturais e políticos: papuanos (ao sul), highlanders, guineanos, e ilhanders.

As autoridades dividem o povo em: papuanos, predominantemente descendentes dos primeiros habitantes chegados à ilha; melanésios, emparentados com a população do Pacífico. Os habitantes das outras ilhas estão mais perto de ser poliésios ou micronésios que dos papuanos

Em geral há uma grande diversidade de tipos físicos, desde os escuros Buka do norte de Salomão (diz-se que tem a pele mais escura da terra), até os mais claros habitantes polinésios da costa do sul de Papua. Esta amalgame particular de diversos tipos de raças mistura-se ainda mais com a crescente presença de imigrantes, entre os quais destacam os chineses, norte-americanos, australianos e britânicos.

A sociedade paupuana é individualista e competitiva na idade adulta. As unidades políticas são pequenas e as vezes reduzem-se às do povoado. Os chefes são chamados “Grandes Homens”.

Arte e Cultura

A cultura tradicional enfraqueceu-se com a chegada dos ocidentais e os missionários cristãos. Existe a crença que o cristianismo e o homem branco irão trazer riquezas em naves de carga, conhecida como o “culto dos cargueiros”.

Ao abandono de certos costumes, o povo Sepik, tribos da zona do rio Sepik, conserva uma cultura original. Estes homems têm desenvolvido um inacreditável senso artístico, baseado na luta pelo prestígio da população masculina das tribos, o qual levava-os ao combate ou à realização de obras de arte.

Os Huli constituem um dos grupos indígenas mais peculiares do país. Sua população está composta por umas 80.000 pessoas morando nos arredores do rio Tagari e seus afluentes, a uma altitude que oscila entre os mil e os dois mil metros em uma zona conformada por territórios de origem vulcânica e muito fértil.

A onda de civilização chegou de maneira brusca, mas embora pareça inacreditável, não tem realizado muito efeito sobre eles.

Exceto em algumas ilhas como as Trobriand, toda a sociedade em Papua Nova Guiné carece de um sistema de chefia ou de castas hereditárias, mas um individualismo agressivo mantém a idéia da igualdade. Existe entre os homems adultos uma constante concorrência para ganhar prestígio, julgando cada um, segundo seus logros. As unidades políticas são pequenas e geralmente estão formadas por um povoado só ou em algumas zonas das terras altas, por uma simples agrupação de idéias muito dispersa.

Os chefes ativos destas unidades políticas recebem o nome de “Grandes Homens” cujas opiniões exercem grande influência dentro da comunidade. Na realidade, o prestígio de um “Grande Homem” ou “Bigman” costuma vir das relações com outros grupos, tanto amigos quanto inimigos.

Nestas relações os Grandes Homens podem contar com o apoio incondicional de seus próprios grupos dos que são os únicos representantes. Por toda a ilha, as rivalidades não só manifiestam-se na luta entre povos, mas também nas trocas de porcos e produtos agrícolas.

Os indígenas costumam construir casas para seus espíritos. Utilizam madeira, fibras vegetais, casca e folhas da palmeira. A elaboração é complicada. Ali aparecem os espíritos de seus antepassados, considerados necessários para seu destino, para ter boas safras e sucesso em todos os terrenos.

Estas construções de mais de 20 metros de altura, dão testemunha de uma técnica arquitetônica muito elaborada. Dentro destas casas costumam ter painéis de madeira onde os espíritos dos antepassados aparecem rodeados de cálaos de enorme bico e crocodilos mostrando os dentes.

Localização Geográfica

Os territórios de Papua estão situados basicamente na metade oriental da ilha de Nova Guiné, a qual encontra-se a 4.000 quilômetros. de Auckland e a 1.274 quilômetros. de Sydney. Formando também outras 600 ilhas, cujo tamanho oscila desde os 37.736 quilômetros quadrados de Nova Bretanha, Ilhas Manus, Nova Irlanda, Trobriand, Bougainville, até as diminutivas ilhotas oceânicas.

Sua capital é Por Moresby e tem aproximadamente 152.100 habitantes, os quais vivem dos principais recursos do país, orientados à exploração de minerais como o cobre e o ouro na ilha de Bougainville.

A extensão total de Papua Nova Guiné é de 461.690 quilômetros quadrados e é o único país do Pacífico a partilhar fronteira terrestre com outra nação, neste caso com a província de Iriam Jaya (Indonésia), que ocupa a metade ocidental da ilha principal.

Os solos de Papua Nova Guiné estão cobertos por magníficos vales irrigados entre sistemas montanhosos, pelos quais percorrem centenas de rios de muito rápido curso. Entre estes destacam o Fly, Purariou Kikori, desembocando ao sul; enquanto que o Sepik, o Markham e o Ramu fazem o próprio para o norte.

No relevo de Nova Guiné descobre-se um grande sistema montanhoso que percorre por uns 2.000 quilômetros de um extremo a outro, que compreende os Montes Star, Kubor, Owem Stanley, etc. Também nas ilhas de Nova Bretanha, Nova Irlanda e Bouganville existem cadeas montanhosas de considerável altitude.

Em geral, o território está formado por montanhas e vales cobertos de rios, ilhas vulcânicas e costas de preciosas praias.

Clima

O clima é tropical e úmido ao longo de todo o ano. As temperaturas são elevadas e as chuvas quase constantes, fortes na costa mas reduzidas no interior. A precipitação média anual oscila entre 1.000 mm e 6.350 mm. A brisa modera o calor sufocante e a altitude tempera os graus. Outro detalhe particular do país é que geralmente há uma estação úmida muito comprida seguida por outra curta muito seca.

Transportes

Avião: Há várias companhias aéreas que garantem as conexões locais dentro das diferentes regiões da Papua Nova Guiné, incluindo as ilhas. As conexões entre as ilhas são realizadas Air Niugini, Talair, Douglas Airwais e MAF.

Barco: Existe uma extensa rede marítima para percorrer a região e os serviços são regulares. As principais cidades da costa estão ligadas entre si e com as ilhas mediante serviços regulares de barcos (Lutheram Shipping, Burns Philp Shipping, Pacific New Guinea Line e Coastal Shipping Company Pty Ltd

Carro: As estradas não são, em geral, muito boas embora as que ligam os centros mais importantes estejam em melhor estado. Poderá alugar um veículo através das companhias operantes no país. Em determinadas zonas é necessário utilizar veículos de terreno. Lembre que em Papua Nova Guiné circula-se pela esquerda e o limite de velocidade no país é de 50 quilômetros por hora, em territórios da cidade e de 100 quilômetros. por hora, em províncias.

Táxi

Encontrará pelas ruas com facilidade, e nos aeroportos. É conveniente acertar o preço antes de iniciar o trajeto, caso o táxi não tenha taxímetro.

Fonte: www.rumbo.com.br

Papua Nova Guiné

Nome completo: O Estado Independente de Papua Nova Guiné
População: 7,0 milhões (ONU, 2011)
Capital: Port Moresby
Área: 462.840 km ² (178.704 milhas quadradas)
Grande língua: Inglês, Tok Pisin, Hiri Motu
Grandes religiões: Cristianismo, crenças indígenas
Expectativa de vida: 61 anos (homens), 66 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 kina = 100 toea
Principais exportações: ouro, petróleo, café, cobre, óleo de palma, logs
RNB per capita: EUA $ 1480 (World Bank, 2011)
Domínio da Internet:. Pg
Código de discagem internacional: 675

Perfil

Papua Nova Guiné ocupa a parte oriental da segunda maior ilha do mundo e é presa à atividade vulcânica, terremotos e maremotos. Linguisticamente, é o país mais diversificado do mundo, com mais de 700 línguas nativas.

Cerca de 80% das pessoas Papua Nova Guiné vivem em áreas rurais, com poucas instalações ou não da vida moderna.

Muitas tribos no interior isolado montanhosa têm pouco contato um com o outro, muito menos com o mundo exterior, e viver dentro de uma economia não-monetarizada dependente da agricultura de subsistência.

Uma proporção muito pequena da terra pode sustentar culturas de rendimento, incluindo café e cacau. Florestas abundantes fornecer a matéria-prima para a indústria madeireira, que é dominado pela Malásia empresas públicas. Grupos de conservação têm criticado o impacto social e ambiental da atividade.

Depósitos minerais – incluindo ouro, cobre e níquel – são extensas, mas o terreno difícil e infra-estrutura deficiente tornar a exploração lenta. Existem importantes reservas de petróleo e gás natural eo país tem colocado suas esperanças de se tornar um exportador de energia significativa.

A luta separatista na vizinha província indonésia de Papua, anteriormente conhecida como Irian Jaya, levou a fuga de milhares de papuas em Papua-Nova Guiné a partir de meados da década de 1980. Muitos deles permanecem em campos fronteira-área da selva.

O governo de Papua Nova Guiné, disse que não vai tolerar o uso de seu território para ataques de separatistas no exército indonésio.

Papua Nova Guiné teve de lidar com as forças separatistas de seu próprio na ilha de Bougainville na década de 1990. Até 20.000 pessoas foram mortas no conflito de nove anos, que terminou em 1997.

Um acordo de paz assinado em 2001, desde o quadro para a eleição em 2005 de um governo autônomo de Bougainville.

Papua Nova Guiné tem fortes laços com seu vizinho do sul, Austrália, que administrou o território até à independência em 1975. Programa de Canberra ajuda substancial visa aliviar a pobreza e impulsionar o desenvolvimento. A Austrália também despachou policiais e funcionários públicos para apoiar os seus equivalentes locais.

A prevalência de HIV / Aids está em ascensão. Alguns especialistas temem que Papua Nova Guiné está caminhando para uma crise semelhante à da África sub-saariana.

A cronologia dos principais acontecimentos:

Século 16 – Navios da China e do comércio Império malaio com ilhéus.

1526 – Português marinheiro Jorge de Meneses é o primeiro visitante europeu. Ele cita uma das ilhas “dos Papuas Ilhas” ou “terra de fuzzy pessoas de cabelos”.

1546 – O explorador espanhol Inigo Ortiz de Retes nomeia o outro principal ilha de Nova Guiné, porque os ilhéus lembram o povo da Guiné na África.

1768 – explorador francês Louis-Antoine de Bougainville terras nas ilhas durante sua circunavegação do mundo. Dá nome a uma ilha a leste da Nova Guiné.

1873 – Port Moresby é nome de um dos exploradores Inglês vários para reivindicar a ilha da Grã-Bretanha.

Europeus, australianos assumir o controle

1884 – Grã-Bretanha estabelece um protetorado sobre Nova Guiné Sudeste, enquanto a Alemanha anexa o norte da Nova Guiné.

1906 – Controle da Nova Guiné britânica transferido para a recém-independente da Commonwealth da Austrália e renomeado Território de Papua.

1914 – As forças australianas ocupam Nova Guiné Alemã, durante a Primeira Guerra Mundial.

1921 – Depois da guerra, a Liga das Nações concede Austrália um mandato para executar da Nova Guiné alemã. Este novo território Mandated da Nova Guiné é regido totalmente separado do Território de Papua.

1933 – expedições a ouro, garimpeiros levam para o planalto. Aqui eles encontram mais de um milhão de pessoas que vivem em vales férteis, seu modo de vida aparentemente inalterado desde a Idade da Pedra.

1942 – Forças japonesas ocupam partes de ambos os territórios.

1949 Julho – Austrália estabelece uma administração conjunta sobre ambos os territórios chamados Território da Papua e Nova Guiné.

De novembro de 1951 – Um Conselho de 28 membros Legislativo estabelecida pela Austrália.

1954 Junho – levantamento aéreo revela vários vales altos previamente desconhecidas habitadas por mais de 100.000 pessoas.

1961 Março – Primeiras eleições que envolvem população indígena.

1963 Maio – ONU transfere o controle da Nova Guiné Ocidental para a Indonésia. Hoje, essa região é chamada de Papua.

1964 Junho – A Casa 64-membro da Assembléia substitui Assembleia Legislativa e pela primeira vez, representantes indígenas são eleitos para a maioria dos assentos na legislatura.

Julho de 1971 – rebatizado Papua Nova Guiné (PNG).

1973 Fevereiro – Indonésia e PNG concordar posição de Irian Jaya fronteira.

1973 Dezembro – Concedido auto-governo. Michael Somare, ministro-chefe de um governo de coalizão intercalar, é empossado como chefe do Conselho Executivo governar.

1975 Abril – nova moeda, o kina, substitui o dólar australiano.

Independência

1975 16 de setembro – Alcança a independência total da Austrália. Sir Michael Somare torna PM.

1975 – Bougainville votos do governo provincial de se separar do PNG. Somare do governo retalia suspendendo o governo provincial e reter os pagamentos ao província.

Junho-Julho de 1977 – Primeiras eleições parlamentares desde a independência.

Luta separatista

1989 Abril / Maio – Rebeldes separatistas no Bougainville começar a luta armada prolongada contra o governo. Separatista, Francis Ona, proclama “uma república de Bougainville”. O recém-formado Exército Revolucionário de Bougainville (BRA), preocupados com a destruição ambiental e infeliz que os lucros estão deixando a ilha, força o fechamento da mina de cobre de propriedade australiana Panguna.

1994 – Sir Julius Chan PM assina convênio com vários líderes separatistas Bougainville, que prevê um governo de transição em Bougainville. Líderes Exército Revolucionário de Bougainville não são signatários, eles continuam a lutar por independência total.

Abril de 1995 – O Governo de Transição Bougainville é empossado sob a liderança de Teodoro Miriong. Os três lugares reservados para a BRA permanecerá vago.

1996 – Theodore Miriong é assassinado em sua casa, no sudoeste de Bougainville. Ele é substituído por Gerard Sinato.

Fevereiro-Março de 1997 – Governo contrata mercenários de Sandline International para apoiar as tropas do governo em Bougainville, o que provocou um motim do exército e distúrbios civis. O primeiro-ministro Chan é forçado a renunciar.

De setembro de 1997 – O governo declara estado de desastre nacional depois de uma seca prolongada que teria sido causada pelo fenômeno climático El Niño. Mais de 1.000 pessoas são mortas e uma ainda mais 1,2 milhões são colocados em risco de fome.

Trégua

De outubro de 1997 – Trégua Burnham marca o fim da luta armada há dez anos por separatistas Bougainville.

De dezembro de 1997 – Os países da região estabelecem o Grupo de Acompanhamento Trégua para supervisionar o cumprimento da trégua Burnham até 30 de Abril de 1998, quando um cessar-fogo deve ser assinado. A Nova Zelândia grupo liderado também compreende as tropas da Austrália, Fiji e Vanuatu. Todos eles são desarmados.

1998 Abril – cessar-fogo permanente, assinado em Bougainville por representantes do governo e líderes separatistas. Liderada pela Austrália Grupo de Acompanhamento da Paz assume o lugar de Grupo de Acompanhamento trégua.

Julho de 1998 – três tsunamis – ondas gigantes geradas por terremotos – atingiu a costa noroeste destruindo aldeias e matando 3.000 pessoas.

1998 Agosto – Nações Unidas estabelece o Escritório das Nações Unidas política em Bougainville, a pedido do governo PNG.

1999 1 de Janeiro – Bougainville governo de reconciliação substitui o Governo de Transição Bougainville. O ex-líder rebelde Joseph Kabui e Gerard Sinato são nomeados como co-líderes.

1999 Maio – José Kabui eleito presidente da Assembleia Popular de Bougainville.

De dezembro de 1999 – John Momis empossado como governador de Bougainville.

De novembro de 2000 – As autoridades dizem que todos os 1.000 moradores do atol de Duque de York terá que ser transferido porque a ilha está afundando lentamente, devido ao aquecimento global.

Agosto de 2001 – Acordo de Paz de Bougainville, garantindo um referendo em 10 a 15 anos sobre o futuro estatuto de Bougainville político, é assinado em Arawa.

Agosto de 2002 – Sir Michael Somare eleito primeiro-ministro pela terceira vez, depois de uma eleição violenta e caótica.

Agosto de 2004 – Austrália implanta a polícia para ajudar a combater o crime desenfreado.

Maio de 2005 – Austrália retira seus oficiais de polícia depois que as regras PNG Suprema Corte que sua implantação é inconstitucional.

Bougainville ilhéus eleger seu primeiro governo autônomo. O ex-separatista rebelde Joseph Kabui se torna presidente.

Maio de 2007 – O Parlamento aprova uma lei para permitir que os casinos e os jogos de azar online. Espera-se que a atividade poderia impulsionar a economia.

De agosto de 2007 – Sir Michael Somare reeleito como primeiro-ministro.

Novembro de 2007 – Ciclone provoca inundações Guba que mata 163 e deixa mais de 13 mil deslocados nas províncias Oro e Milne.

Junho de 2008 – Bougainville Presidente Joseph Kabui morre.

De dezembro de 2008 – O ex-rebelde James Tanis eleito presidente autônoma de Bougainville.

2009 Dezembro – China assina acordo para importar gás natural liquefeito de Papua Nova Guiné.

Crise política

2011 Abril-Junho – O primeiro-ministro Michael Somare é suspenso por duas semanas por acusações de má conduta que remonta 20 anos. Ele estende a sua ausência por motivos de saúde e passa por cirurgia cardíaca em Cingapura. Em junho, a família anuncia sua aposentadoria do Campeonato Inglês e da política.

2011 Agosto – Parlamento elege Peter O’Neill como primeiro-ministro em exercício, substituindo o primeiro-ministro em exercício Sam Abal, que toma medidas legais contra o movimento.

2011 Setembro – Michael Somare retornos de Singapura e afirma que ele ainda é o primeiro-ministro, dizendo que ele não se aposentar voluntariamente.

2011 Dezembro – Standoff entre Peter O’Neill e Michael Somare continua, com duas administrações paralelas. Governador-geral Michael Ogio reconhece a eleição de Peter O’Neill, que tem o apoio da maioria dos parlamentares.

2012 Janeiro – Soldados amotinados exigem a reintegração de Sir Michael Somare como PM brevemente aproveitar o quartel-general militar em Port Moresby.

2012 Junho – Rival primeiros-ministros Peter O’Neill e Sir Michael Somare disputar eleições parlamentares, na esperança de que os resultados vão decidir quem é o responsável.

Julho-Agosto de 2012 – Sir Michael Somare aceita a derrota de seu partido na pesquisa de junho e faz oferta Peter O’Neill, para formar um governo. Parlamento aprova O’Neill como PM em agosto.

Fonte: news.bbc.co.uk

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+