Breaking News
Home / Turismo / Polônia

Polônia

História

PUBLICIDADE

A História da Polônia está enraizada na chegada dos eslavos, que deram origem a uma liquidação permanente e desenvolvimento histórico em terras polonesas.

Durante a dinastia Piast o cristianismo foi adotado em 966 e a monarquia medieval estabelecida.

A dinastia Jagiellon neste período trouxe laços estreitos com o Grão-Ducado da Lituânia, o desenvolvimento cultural e a expansão territorial, culminando com a criação da República das Duas Nações em 1569.

Polônia

A Commonwealth em sua fase inicial constituiu uma continuação da prosperidade Jagiellon, com seu notável desenvolvimento de uma democracia sofisticada e nobre.

A partir de meados do século 17, o enorme estado entrou num período de declínio causado por guerras devastadoras e deterioração do sistema do país e de seu governo.

Significativas reformas internas foram introduzidos durante a última parte do século 18, mas o processo de reforma não foi autorizado a correr o seu curso, como o Império Russo, o Reino da Prússia e da Áustria Monarquia de Habsburgo através de uma série de invasões e divisórias rescindiu a existência independente do Commonwealth em 1795.

Desde então e até 1918 não havia estado independente polonês.

Os poloneses haviam se envolvido de forma intermitente na resistência armada até 1864.

Após o fracasso do último levante, a nação preservava a sua identidade através de esforços educacionais e do programa chamado ” trabalho orgânico “para a modernização da economia e da sociedade.

A oportunidade para a liberdade só apareceu após a I Guerra Mundial, quando as potências imperiais de particionamento foram derrotados pela guerra e pela revolução.

A Segunda República Polonesa foi criada e existiu de 1918 a 1939.

Foi destruído pela Alemanha nazista e pela União Soviética por sua invasão da Polônia no início da Segunda Guerra Mundial.

Milhões de cidadãos poloneses pereceram no curso da ocupação nazista.

O governo polonês no exílio manteve o funcionamento através das muitas formações militares poloneses sobre os ocidentais e orientais frentes os poloneses contribuíram para a vitória de Allied. Forças da Alemanha nazista foram obrigadas a recuar da Polônia como o Exército Soviético Vermelho avançado, o que levou à criação do República Popular da Polônia.

O país localização geográfica foi deslocada para o oeste e a Polônia existia como estado Soviética satélite.

Polônia em grande parte perdeu sua tradicional personagem multi-étnica e o sistema comunista foi imposto.

Ao final de 1980 Solidariedade, um movimento de reforma polonês, tornou-se crucial para causar uma transição pacífica de um Estado comunista para o capitalista do sistema e democracia parlamentar. Este processo resultou na criação do moderno Estado polonês.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Polônia

Localização Geográfica

A Polônia está situada na Europa Central, às margens do Mar Báltico. Quanto à superfície (312.685 km²), ocupa o nono lugar na Europa. De norte a sul, a sua extensão é de 649 km, enquanto de leste a oeste – 689 km. A capital da Polônia é Varsóvia.

A extensão total da fronteira estatal atinge 3.505 km. A oeste, a fronteira com a Alemanha passa ao longo dos rios Oder e Nysa Luzycka, e alcança o comprimento de 467 km.

A fronteira setentrional é constituída, em grande parte, pelo litoral do Mar Báltico (440 km), com duas baías de maior proporção:da Pomerânia e de Gdansk.

Os demais 210 quilômetros da fronteira setentrional são constituídos pelo enclave russo: Distrito de Kaliningrado. A leste, a Polônia limita-se com a Lituânia (104 km), Belarus (418 km) e Ucrânia (535 km); ao sul, as cadeias montanhosas dos Sudetos e Cárpatos separam a Polônia da República Checa (790 km) e da Eslováquia (541 km).

Quase toda a fronteira da Polônia com a Ucrânia e Belarus forma, a partir de 01 de maio de 2004, a fronteira leste da UE.

Mais de 90% da superfície da Polônia é constituída por planícies cortadas por uma densa rede de rios e riachos. As terras férteis, o clima favorável e a boa localização, fizeram com que, desde há séculos, a Polônia fosse importante produtor de artigos agrícolas. Já no século treze, funcionava nessa região um sistema extraordinariamente eficaz de venda de produtos agrários.

O seu transporte era feito por balsas de madeira que desciam os rios (sobretudo o Vístula, o rio mais extenso da Polônia), até Gdansk, cidade portuária no litoral do Mar Báltico, e, adiante, para outros países europeus.

Grande parte da superfície da Polônia é constituída por florestas, formando um dos maiores complexos desse gênero na Europa. Junto à fronteira com a Belarus, encontra-se a Floresta de Bialowieza, que constitui fragmento de verdadeira floresta, única na Europa. Essa floresta é habitada por inúmeros gêneros de animais, entre os quais podemos encontrar o auroque, conhecido também como bisão europeu, que aí vive em liberdade.

Apesar da decidida predominância das planícies (a média de altitude acima do nível do mar é de 173 m), a paisagem da Polônia é bastante diversificada.

Influências na configuração da superfície tiveram, sobretudo, as glaciações sucessivas. A esse fenômeno deve-se a formação das admiráveis regiões lacustres na parte norte do país (as maiores são: Região Lacustre da Mazúria e da Pomerânia), as quais atraem, na época do verão, um amplo eixo de turistas, tanto da Polônia como de outros países.

Indo para o sul da Polônia, o panorama modifica-se de planície para planalto, e, a seguir, para montanhas.

As maiores cadeias de montanhas são os Sudetos e Cárpatos, incluindo entre essas os Tratas, com o mais alto pico da Polônia:Rysy (2.499 m acima do nível do mar).

No inverno, os poloneses vão para as montanhas para praticarem os esportes de inverno; contudo, no verão, as trilhas turísticas atraem os adeptos das excursões montanhesas, a pé ou em bicicletas.

Clima

Na Polônia, predomina o clima temperado. Traço característico do clima polonês é a grande variabilidade do tempo, dia a dia e ano a ano. Essas mudanças são provocadas pelo encontro de influências de massas quentes e úmidas do ar marítimo do ocidente, com massas frias e secas do ar do fundo do continente euro-asiático.

Em geral, no norte e da parte oeste do país, predomina o clima marítimo temperado, com invernos úmidos e suaves, e verões frios, com intensas quedas pluviais.

Na parte leste do país, contudo, sublinha-se o aspecto continental do clima, com invernos severos e verões mais quentes e mais secos.

As áreas mais quentes na Polônia estão localizadas no sudoeste (Planície da Silésia) e no sudeste do país (parte ocidental da Depressão de Sandomierz). A região mais fria na Polônia é a de Suwalki, situada na região nordeste do país, conhecida como pólo extremo polonês do inverno.

Os invernos na Polônia são, principalmente, frescos e relativamente secos, embora sejam registrados também invernos gelados, quando a temperatura cai para baixo de 10ºC negativos. Em janeiro, a temperatura média oscila entre -1ºC, a oeste, e -4,5°C, a leste, e -5,5°C, no nordeste. Contudo, os verões são, antes, suaves, apresentando freqüentes quedas pluviais e tempestades.

As temperaturas médias de julho atingem 17°C, no litoral, e 20°C, no sul.

As maiores quantidades de quedas pluviais ocorrem nas montanhas e nos planaltos. O máximo de quedas incide nos meses de verão.

População e idioma

A população da Polônia, em 31.12.2003, era de 38.190,6 mil, o que a coloca no 29° lugar no mundo (0,6% do número da população da Terra) e no 7° lugar na Europa (5,3% da população do continente) e 6° na União Européia (mais de 8,4% dos habitantes da UE-25). A densidade da população é de 122 pessoas por km2.

A parte predominante da população (61,5%) vive nas cidades.

A maior delas é a capital: Varsóvia, que conta 1.689,6 mil habitantes (4,4% do total da população do país).

Outras cidades maiores são: Lódz (779,1 mil), Cracóvia (757,7 mil), Wroclaw (637,5 mil), Poznan (574,1 mil), Gdansk (461,0 mil), Szczecin (414,0 mil), Bydgoszcz (370,2 mil), Lublin (356,6 mil), Katowice (322,3 mil).

Os homens constituem 48,4% da sociedade polonesa, enquanto as mulheres 51,6%. A média de vida para os homens atinge 70,5 anos, enquanto para as mulheres 78,9 anos.

A Polônia é um país bastante homogêneo do ponto de vista de nacionalidade. As minorias nacionais constituem menos de 2% do total dos habitantes da Polônia.

As minorias nacionais mais numerosas são: alemães, ciganos, ucranianos e bielorrussos; encontram-se também judeus, lituanos, eslovacos e outros. Na Polônia, a decidida maioria é constituída por católicos (cerca de 90%).

O idioma oficial é o polonês.

POLONIA, FUSÃO DE ARTE E NATUREZA

Polônia é um precioso paraíso ainda por descobrir. Neste formoso país pode-se desfrutar tanto de cidades cheias de arte e encanto como de paisagens naturais únicos.

Polônia é natureza, dezenove Parques Nacionais, noventa Parques Naturais e mais de mil Reservas fazem da Polônia um dos recantos mais puros e virgens da Europa.

Pode-se desfrutar com paisagens únicos, com espécies de animais em liberdade (como os búfalos), com o inacreditável espetáculo que oferecem milhares de aves sulcando os limpos céus da Polônia, com lugares únicos (como o da mina de sal ainda em exploração com galerias subterrâneas que conduzem a capelas escavadas no sal com esculturas impressionantes), ou bem, com travessias em barcos que navegam pelo Canal Elbalski.

Fundindo-se com este impressionante desdobramento natural, as cidades polonesas constituem verdadeiras peças de arte nas que o viajante pode submergir e se deixar levar pelo encanto de palácios, castelos, fortalezas, igrejas, sinagogas, museus, praças, jardins, parques e ruas cheias de vida onde pode-se desfrutar com a excelente gastronomia polonesa ou bem, com as múltiples atividades culturais que nelas se celebram, em especial a música; não em vão Polônia é a pátria natal de Chopin, o célebre compositor romântico, que com suas notas deleita o espírito de todos os visitantes.

A estes atrativos deve-se unir o alegre caráter dos polonês, acolhedores, hospitaleiros e divertidos, especialmente durante suas celebrações populares. A fusão de todos estes elementos fazem que Polônia seja um destino inesquecível.

Localização Geográfica

Situada no centro da Europa, Polônia ocupa uma extensão de 312.677 km². Têm fronteiras ao norte com o Mar Báltico, ao nordeste com Lituania e a região russa de Kaliningrado, ao oeste com Alemanha, ao leste com Bielorrusia e Ucrania e ao sul com a República Checa e Eslovaquia.

O território polonês têm sido modelado pela ação dos glaciares pelo que o país conta com numerosas depressões separadas por colinas de escassa altitude.

Desde a costa estende-se uma grande planície que vá ascendendo em altitude para o sul, onde se atingem os 2.000 m. Como cordilheira mais importante destacam os Cárpatos Orientais e Ocidentais (em onde encontra-se a cume mais elevada do país, o Rysy com 2.499 m) e Os Tatras. Os Sudetes também configuram este aspecto geográfico.

A costa do Mar Báltico é baixa e arenosa e estende-se ao longo de 524 quilômetros incluindo a zona costeira da Mierzeja Helska. Em suas proximidades abundam as lagoas e os lagos interiores separados do litoral por dunas.

Na costa distinguem-se o Golfo de Danzig ao noroeste, a Península Hel e as desembocaduras dos rios Oder e Vístula.

A rede fluvial polonesa é composta pelo Vístula como rio principal com seus afluentes o Bug e o San, entre outros, o Oder, o Warta, o Obra e o Notec, todos eles navegáveis em parte, unidos entre si por uma complicada rede de canais.

Os lagos são abundantes no país, sobre tudo na Região de Masuria, onde ocupam o 12 % do solo desta zona. Em total são uns 9.300 lagos entre os que destacam o Sniardwy, o Mamry e o Jeziorak.

Flora e Fauna

A existência de 19 Parques Nacionais, 90 Parques Naturais e mais de mil Reservas Naturais fazem da Polônia um verdadeiro paraíso natural. Nestes parques podem-se contemplar 11.000 espécies diferentes de animais, entre os que se incluem 8.500 espécies de insetos.

A flora polonesa é considerada como uma maravilhosa selva virgem, a mais extensa da Europa. Podem-se admirar bosques com árvores de mais de 42 m de altura, tilos, pinos e abetos que podem elevar-se até os 50 m; pântanos com sua especial flora, juncos, musgos e líquenes; dunas movediças cujo avanço destrui árvores e arbustos mas que após haver passado crescem em esses terrenos pinos e camarinas; bosques frondosos como os das montanhas de Bieszczady, haias nas colinas da Pomerânia, azinheiras na zona de Mazuria, pradarias de flores selvagens e o abeto vermelho nas colinas de Lysa Góra que também abunda nos Sudetes e Cárpatos.

A fauna da Polônia é também muito diversa. Podem-se contemplar em seu hábitat natural, especialmente na Selva de Bialowieza, a impressionantes bisontes.

Se calcula que vivem perto de 550 exemplares, os únicos da Europa em liberdade. Os machos podem atingir uma tonelada de peso e até dois metros de altitura na garupa. Destacam, ademais, cervos, alces, muflones, javalis, ursos pardos, lobos e numerosas aves. Na zona de Bieszczady podem-se admirar ursos pardos, lobos, linces e gatos selvagens, entre outros muitos. Não pode-se esquecer aos tarpanes, cavalos de pequeno tamanho que têm vivido em liberdade até o século XVII e descendem dos cavalos selvagens que viviam no Período Glacial nos bosques de todo Europa.

Nas represas de Biebrza existem 235 espécies de aves algumas delas muito especiais como a Capela media ou os Philomachus pugnax de formoso plumagem, enquanto que os lagos Lebsko, Gardno, Dolgie Wielkie e Dolgie Male acolhem em sua superfície de 9.800 hectares mais de 200 espécies de aves que aninham nestas antigas Baias separadas do mar por uma língua de terra. Em efeito em Polônia têm-se detectado 400 espécies diferentes de aves, como cisnes (que podem chegar a atingir os 22 kg de peso), patos, cormoranes, cegonhas negras, falcões, águias, etc.

História

Os primeiros habitantes do território polonês foram as tribos eslavas que habitavam as margens dos rios Oder e Vístula. O primeiro rei do que se tem noticias fidedignas é Mieszko I (960-992), pertencente Dinastia dos Piast que se converteu ao cristianismo fundando o bispado de Poznam e reinou sobre Pormenia, a grande e Pequena Polônia, Mazovia e Silesia.

Estes territórios foram ampliados com Moravia, Lusacia e Misnia por seu filho Boleslao I. Ao norte deste, se organizam uma série de lutas civis por parte de seus descendentes para conseguir o poder, debilitando monarquia e fortalecendo à nobreza, dominada de novo pelo rei Casimiro III em 1340.

Expansão do Império Polonês e sua decadência

Com o rei Ladislao se unem os territórios poloneses formando o império polonês -lituano que chegava desde Prusia até o Mar Negro e desde Silesia até as proximidades de Moscú. Seus descendentes começam as lutas por conservar e aumentar o império.

Ladislao II vence à Ordem Teutônica de Tannenberg em 1410, Ladislao III morre defendendo-o do avanço otomano e seu irmão Casimiro IV se impõe à Ordem Teutônica anexionando Pomerânia e Danzig. Ivan III conquista Novgorod e parte da Rutenia Lituânia.

Depois começa o deterioro do império com os reinados de Juan-Alberto e Alexandre I, que fracassam em suas campanhas no exterior. Estas derrotas são aproveitadas pela nobreza que têm visto aumentar seu poder econômico graças ao feito de haver conseguido uma saída ao mar, forçando o passo a uma monarquia constitucional através do reconhecimento dos Direitos da Dieta (consentimento comum para a votação de reis, recrutamento de tropas e arrecadação de impostos). Os camponeses vivem num sistema de servidão.

Em 1569 Segismundo II logra que Lituania aceite a união de Lublín, entre território lituano e polonês. Com sua morte se impõe a eleição do rei de acordo ao voto individual de toda a nobreza. A partir deste momento a Contra-reforma se inicia com Estebam Bathory e, sobre tudo, com Segismundo III Vasa, que com suas lutas contra Suécia e Rússia faz perder a importância da Polônia em Europa Central. A partir desse momento, depois de continua Batalhas e guerras, se perde boa parte do território.

Em 1673 João Sobieski é nomeado rei da Polônia, que derrota dez anos depois aos turcos que sitiavam Viena. Porém e apesar de recuperar Podolia e Ucrania, a decadência já havia começado e Rússia e Áustria intervinham cada vez mais nas decisões políticas. A sucessão de Augusto II como rei provoca a Guerra de Sucessão polonesa que durará desde 1731 até 1738.

Em 1772 o território polonês se reparte, Prusia se anexiona a Prusia Real, Rússia a Lituania a leste do Duna e Áustria a Galitzia. Em 1792 se produz um novo reparto, Prusia consegue Danzig, Torum e a grande Polônia, enquanto que Rússia, Minks, Volinia e Podolia.

Se iniciam os levantamentos que são sufocados por Prusia e Rússia. estes dois, junto a Áustria, se repartem finalmente o resto do território provocando a destruição da Polônia.

Reconstrução

Em 1807 Napoleão forma o Ducado de Varsóvia que desaparece sete anos depois. Em 1815 Alexandre I funda o Reino da Polônia com um governo autônomo com uma nova constituição em união com Rússia. Em 1830 se produz uma sublevação que é sufocada abolindo-se a recente constituição.

Novos levantamentos que fracassam se sucedem em 1846, 1848 e 1863.

Porém, a peculiaridade do povo polonês consegue certos reconhecimentos por Áustria no estatuto de 1861 e de Rússia em 1905 que concede certas reformas: a representação dos poloneses na Duma, ensino em língua polonesa e liberdade de consciência. Pilsudski começa a organizar sociedades que serão o futuro exército polonês em contra de Rússia.

Assim, durante a Primeira Guerra Mundial, estas sociedades convertidas em legiões ao mando do próprio Pilsudski lutam contra Rússia junto aos Impérios Centrais. Em 1917 Áustria e Alemanha criam o estado polonês unido a estas potências.

O Tratado de Versalles reconhece ao Estado Polaco cujo território compõe-se pela Pequena Polônia, Mazovia, Kuyavia, grande Polônia e parte da Pomerânia polonesa. Ao firmar a paz com Rússia se unem Volinia, Galitzia Oriental e a Lituania central.

A tensão se acrescenta no período de entre guerras pelo passo livre que unia Polônia com a cidade livre de Danzing, provocando o começo da Segunda Guerra Mundial quando os poloneses se negam a cumprir as exigências alemãs sobre este passo.

O 1º de setembro de 1939 o exército alemão invade o território polonês sem previa declaração de guerra chegando a ocupar toda Polônia.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial em 1945, a Conferencia de Yalta fixa as novas fronteiras da Polônia e surge um governo comunista dirigido por Bierut.

Em 1947 se vota a Constituição da República Popular polonesa que é substituída por uma nova constituição em 1952 trocando a presidência do Estado por um Conselho. Em 1956 se produz a primeira insurreição em contra do governo comunista provocada pela importância da Igreja Católica e pelo descontento do povo.

Em 1964, à norte de Alexander Zawadaki, é designado presidente do Conselho Edward Ochab que demite quatro anos depois por problemas de saúde sendo substituído pelo marechal Mariam Spychalski.

Solidariedade e a Polônia Democrática

Em 1970 demitem Spychalski como presidente do Conselho (lhe sucedendo Josef Cyrankiewicz) e Gomulka, chefe de governo, posto que ocupava desde 1956, sucedendo-lhe Edward Gierek. Três anos depois começa uma política de aproximações com o Vaticano.

Em 1976 se inicia um novo período de greves em protesta pela subida dos alimentos e a Constituição é emendada pela pressão exercida por grupos católicos e intelectuais.

Em 1979 o Papa polonês João Paulo II visita o país convocando importantes multidões. Um ano depois, o Sindicato Solidariedade dirigido por Lech Waisa é reconhecido pelo governo e uma nova onda de greves chega ao país conseguindo a demissão de Gierek que é substituído por Stanislaw Kania.

Em 1981 o líder do governo, o general Wojciech Jaruzelski rechaça a petição do Sindicato Solidariedade para a celebração de eleições livres impondo a lei marcial e predendo aos líderes sindicais.

Em 1983 o Papa João Paulo II visita de novo o país, enquanto que Lech Waisa obtém o Prêmio Nobel da Paz estando ainda encarcelado embora pouco depois uma amnistia libera aos presos políticos.

Em julho desse mesmo ano de se declara o estado de emergência no país após reformar a Constituição. Um ano depois se permite a presença de imagens católicas nas salas de aula das escolas públicas.

No dia 7 de fevereiro de 1985 a Corte de Justiça de Torum declara culpáveis a três ex-membros da policia e ao Coronel Adam Pietruszka do assassinado do sacerdote partidário de Solidariedade, Jerzy Popieluszka. Em novembro desse mesmo ano Jaruzelski demite como primeiro ministro para converti-se em Presidente do Conselho de Estado.

Em 1987 o Papa realiza sua terceira visita a seu país natal e o 30 de novembro desse ano o povo polonês vota nas primeiras eleições populares a favor de reformas econômicas e a democratização da Polônia.

No 16 de fevereiro de 1989 o Governo reconhece como legal ao Sindicato Solidariedade, reunido-se o 5 de abril para começar as reformas políticas e econômicas do país. A 17 de maio o Parlamento aprova a legalização da Igreja Católica e no 4 de junho Solidariedade vence nas eleições frente aos candidatos oficiais.

No dia 18 de junho, na segunda volta das eleições, os candidatos do Sindicato voltam a ganhar com uma grande maioria. O 19 de julho Jaruzelski é eleito presidente executivo e o 19 de agosto aceita um governo de coalizão dirigido pelo Solidariedade.

No 24 de agosto é nomeado primeiro ministro Tadeusz Mazowiecki.

Em 19 de setembro de 1990 Jaruzelski renuncia a seu cargo e em 9 de dezembro Waisa gana as eleições presidenciais.

Um ano depois, o 5 de junho, o Parlamento confirma como Primeiro Ministro a Waldermar Pawlak, alheio totalmente a Solidariedade, que será reeleito em outubro de 1993. Nestes momentos o atual presidente é Aleksander Kwasniewski.

Arte e Cultura

Polônia oferece inumeráveis mostras artísticas e culturais de grande interesse e qualidade.

Influências estrangeiras

A arte polonesa contém diferentes estilos provenientes dos povos que têm passado pelo território ao longo da história, assim como a arte nativa, desenvolvida sobre tudo, nas zonas compreendidas entre o Odra e o Bug e o Mar Báltico e os Cárpatos.

A adoção do cristianismo por parte dos poloneses conseguiu que a arte e a cultura se separassem das influências otomanas-caloríngeas e passará a adotar os estilos latinos, pré-romano, românico, gótico, renascimento, maneirismo, barroco, rococó, etc. Estilos que podem-se contemplar tanto em arquitetura, escultura, pintura e literatura.

A rota dos castelos do Wawel cracóviano é um bom exemplo, Wisnicz, gótico tardio, Lublin, no qual a GESTAPO instalou suas masmorras ou Pieskowa Sakla perto de Cracóvia são uma maravilha.

Além desta influência latina pode-se perceber a procedente dos habitantes da zona oriental, lituanos, romênos, bielorrusos, armenios, tártaros e inclusive turcos.

Arte Polonesa

Além de admirar mostras que coincidem com outros países europeus, Polônia soube desenvolver uma arte própria em base à tradição, o clima e materiais empregados. As construções em madeira são um excelente exemplo pois têm-se mantendo até o século XX salpicando a paisagem de igrejas paroquiais (como a igreja de Debno).

A madeira se mesclou com a alvenaria conseguindo construções originais como as casas habitadas pelos burgueses de Wisnic que já não se conservam ou a Sinagoga de Wolpa de 1781.

Já em nosso século estes materiais voltam a conjugar-se no estilo Zakopane que une o Liberty europeu com os estilos montanheses do Tatras que pode contemplar-se em Vila Pod Jodlami em Zakopaneou no ático polonês, coberta especial dos edifícios de Cracóvia.

Em escultura destacam-se as obras de Jam Szczepkowski, em grafismo e pintura as de Wladyslawou Jam Matejko, obras que refletem com grande realismo a história polonesa, as de Zofia Struyenska e as obras costumbristas do século XIX de Jam Matejko, Juliusz Kossak e Jozef Brandt.

A princípios do século XX aparece o Modernismo conhecido também como Período da Jovem Polônia, distinguindo-se o pré-impresionismo de Aleksander Gierymski, o expresionismo de Jozef Pankiewicz, Wladyslaw Podkowinski e Olga Boznanska e, em especial, a obra pictórica, literária e teatral de Stanislaw Wyspianski.

Esta autonomia com respeito às influências estrangeiras se mantém no naturalismo de Jaceck Malczewski com obras de um formoso colorido, no simbolismo de Witold Wojtkiewicz que conjuga o mundo infantil com a angustia da existência humana e no paisagismo nostálgico de Jam Stanistawski, León Wyczolkowsky e Ferdynand Ruszczyc.

No período de entre guerras sobressaem os Formistas como Witkiwicz com obras pictóricas, teatrais e filosóficas e os Construtivistas como Henryk Stazewski, Katarzyna Kobro e Wladyslaw Strzeminski a quem se deve a fundação do Museu de Arte Moderna de Lodz.

Ao finalizar a guerra, a etapa socialista impõe uma arte rígida cujas normas não são seguidas por alguns artistas como Alina Szapocznikow em escultura, Tadeusz Kantor e Józef Szajna em artes plásticas e teatro, Jam Lenica, Henryk Tomaszewski e Stanislav Mlodozeniec em cartelismo e Magdalena Abakanowicz em tecidos.

Outras manifestações culturais

Não pode-se falar de arte polonesa sem mencionar ao célebre compositor Frederic Chopin, nascido em uma antiga mansão de Zelazowa Wola em 1810 e falecido em Paris em 1849. Sua obra, basicamente composta para piano, segue os cânones do romantismo Chopin compôs sonatas, concertos para piano e orquestra, prelúdios, baladas, polonesas, valses, mazurkas e fantasias que podem escutar-se nos numerosos concertos que se oferecem em toda Polônia durante todo o ano, assim como no Concurso de Piano Frederic Chopin organizado em Varsóvia cada cinco anos e no Festival Chopiniano Internacional de caráter anual que celebra-se em Dusniki-Zdrój (balneário da baixa Silesia).

Além de Chopin, outros muitos artistas poloneses têm conseguido fama mundial como os compositores Krizystof Penderecki e Henri Mikolaj Gorecki, cineastas como Andrzej Wajda e Krysztof Kieslowski com seu “Decálogo”, artistas plásticos como Magdalena Agakanowicz e Franciszek Starowieyski e escritores tão importantes como Czeslaw Milosz, Prêmio Nobel de Literatura em 1980 e Wislawa Szymborska, Prêmio Nobel de Literatura de 1997.

Festivais Artísticos

Atualmente a cultura em Polônia segue surgindo com força, onde destacam-se as companhias dramáticas como o Teatro Stary de Cracóvia, o Centro Arte Studio em Varsóvia, o Teatro Polaco da Dança (onde pode-se contemplar ao fascinante Ballet de Poznan) ou as inesquecíveis representações do Teatro Stanislaw Ignacy Witkiewicz de Zakopane que une a arte dramático com as belas artes.

São também de interesse, entre outros muitos, o Concurso Internacional de Violino Enrique Wieniawski que têm lugar cada cinco anos em Poznan, o Festival Internacional de Oratórios e Cantatas Wratislavia Cantans em setembro em Wroclaw, o Festival Mundial de Coros Polonacos de julho em Koszalin, onde se rememora aos milhões de poloneses que vivem fora de seu país e o Festival Internacional do Folclore Montanhês de Zakopane em agosto, onde pode-se desfrutar com um verdadeiro espelho das costumes do país com seu música, trajes regionais e danças coristas e animadas. Não pode-se esquecer o Festival Internacional Jazz Jamboree no qual se dão cita os melhores intérpretes de todo o mundo.

Além e durante todo o ano realizam-se festivais de cinema, teatro, gravados, cartazes, música, dança e outras muitas atividades que demonstram que Polônia é um país vivo com uma oferta cultural impressionante.

PRINCIPAIS MUSEUS E GALERIAS

VARSÓVIA

Castelo Real

Nas 73 salas de exposição deste palácio habitado por reis e dirigentes políticos do país pode-se contemplar mobiliário e objetos de arte diversos muito interessantes. Pl Zamkowy No 4. Tel 31-91-99.

Palácio de Wilanów

Filial do Museu Nacional no qual se expõem obras de arte, mobília, tapetes, cerâmica, vidro e ourivesaria. Ulica Solec No 61. Tel 42-26-06.

Lazienki

Filial do Museu Nacional com uma interessante coleção. Ulica Agrykola No 1.

Museu do Quartel de Wilanów

Filial do Museu Nacional onde pode-se admirar a mostra de cartazes de artistas poloneses Ulica Wiertniczca No 1. Tel 42-26-06.

Museu Arqueológico

Ulica Dluga No 52.

Museu da Arquidiocese de Varsóvia

Uliza Solec No 61.

Museu Etnográfico

Ulica Kredytowa No 1.

Museu da Caricatura

Ulica Kozia No 11.

Museu da Sociedade Federico Chopin

Ulica Okólnik No 1.

CRACÓVIA

Coleção Nacional de Arte de Wawel

Excelente coleção. Wawel No 5.

Museu Nacional

Subdividido em diversos departamentos que compõe uma excelente mostra artística:

Galeria de Pintura e Escultura Polonesas do século XIX. Sukiennice, Ryanek Glowny.

Coleção dos Czartoryski. Podem-se admirar obras tão importantes como “A Dama do Arminho” de Leonardo da Vinciou “Paisagem com o bom Samaritano” de Rembrandt, entre outros muitos. Ulica Sw Jana No 19.

Museu Stanislaw Wyspianski. Ulica Kanonicza No 9.

Museu Arqueológico

Ulica Posiska No 3.

Museu Regional da Jovem Polônia “Rydiowka”

Ulica K. Tetmajera No 28.

Gastronomia

A gastronomia polonesa é baseada em pratos de preparação simples mas de sabores muito agradáveis. O clima frio do país favorece uma cozinha contundente na qual as carnes e as batatas são ingredientes essenciais.

As comidas se desfrutam como acontecimentos sociais ou familiares, são abundantes, de mais de três pratos e se aproveitam para charlar pelo que a sobremesa com os cafés e licores costumam alargar-se, sobre tudo nos dias festivos e as grandes celebrações.

Nos restaurantes, cafés e bares (abundantes em todo o país), pode-se provar a gastronomia típica da Polônia, assim como comida internacional, francesa, italiana, espanhola, grega, china, japonesa, etc. e como no, as populares hamburguesas, pizzas, frango frito, saladas, sanduíches, etc.

Para escolher um restaurante de qualidade com um serviço esmerado nada melhor que procurar nas portas o distintivo da “Frigideira de Prata” que unicamente ostentam os melhores estabelecimentos e que têm-se participado num concurso que realiza-se todos os anos.

Embora os preços são mais elevados a cozinha é excelente. Também pode-se picar algo na ruas e nos bares onde além de desfrutar com uma boa cerveja pode-se encontrar em ocasiões algum prato simples.

O regime de comidas diário costuma ser abundante, o almoço e o jantar não sofrem variação, se tomam vários pratos mais sobremesa, ao igual que o café da manhã que é também forte.

Na primeira refeição do dia os poloneses costumam comer ovos duros, presunto york, queijo, sucos de laranja, limão ou pomelo, acompanhado de café ou chá.

Tanto no almoço como no jantar se degustam como primeiro prato, pratos frios nos que pode-se encontrar, presunto, queijo e inclusive caviar. A continuação se costuma servir uma sopa, as mais populares são barszcz, de caldo de beterraba, choldnik, de beterraba fria que se serve sobre tudo no verão (ambas podem ir acompanhadas de almôndegas de carne ou creme ácido), a sopa fria pode levar pedaços de hinojo e pepino, zurek, sopa de farinha com pedaços de salchichas, grzybowa, a base de champinhon, krupnik, de verduras com sêmola de cereais ou a flaki, de tripa de porco e de vitela com verduras.

Um dos pratos mais típicos é o bigos, repolho cosido e choucrut picado com diferentes tipos de carne que em sua modalidade de sopa leva cebola, couve flor branca, solve ácida, pedaços de carne de porco, toucinho e creme fresco. Simplesmente deliciosa.

Como segundo prato a carne é um elemento essencial, sobre tudo a de porco e de vaca. Destacam as chuletas de porco, o golabki, folhas de repolho recheadas de carne picada com salsa de tomate ou setas, o pierogi, tortas bem recheadas de carne, requeijão picante ou repolho de setas, o golonka, joelho de porco salgado, cozido e depois passado pelo forno, o kotlet, rolos de carne de porco, frango ou boi recheados de queijo e manteiga, zrazy, carne de novilho cortada em pedaços e os kolduny, almôndegas de carne. estes pratos costumam ir acompanhados de batatas fritas ou cozidas, cenouras, ervilha, pepinos, tomates, champinhon ou outras verduras.

O peixe mais apreciado é a carpa (karp) à polonesa, preparada com passas, mel, castanhas e um molho com pão de especiarias alfajores. Na zona do Báltico o peixe mais popular é o arenque, preparado de diferentes formas, bem assado, salgado ou com molho de nata agria.

Os poloneses são amantes do queijo. Comem como aperitivo, sobremesa, no café da manhã ou na preparação de pratos.

Para finalizar as abundantes comidas se degustam frutas do tempo, sorvetes, tortas e bolos preparados com fruta, creme ou sementes de amapola. A mais apreciada é a torta malakow que têm como ingredientes a manteiga, açúcar, ovos, castanhas e nata fresca.

Bebidas

Para beber durante as comidas se bebe água e, sobre tudo, cerveja nacional como a Zywiec, de boa qualidade. Polônia não produz vinhos más pode-se encontrar excelentes caldos importados de Bulgária, Hungria, França, Itália e Espanha os preços são elevados.

Depois de comer nada melhor que uma xícara de café que se serve turca, quer dizer muito forte e em copo ou bem um chá com limão. Para finalizar uma cálice de licor do país, quer dizer, vodka, de excelente qualidade.

Se toma muito frio seguido de um copo de água e um pedacinho de pão. Provavelmente a Vodka Zubrowka seja a melhor do mundo. Se você é de paladares fortes, pode beber aguardentes de mais de 60 graus nas zonas de montanha ou wisniak, uma espécie de conhac a base de guindas mas mais suave e que resulta muito agradável.

Compras

Polônia oferece uma rica variedade de objetos que fazem as delicias de qualquer bom comprador. A artesanato polonesa é muito apreciada por seu esmerado trabalho, pela sua magnífica qualidade e pelos seus baixos preços.

A lista de artigos pode ser infinita, desde objetos de arte passando por antigüidades, roupa, tecidos, jóias, cristal, artigos de pele até produtos alimentícios e bebidas.

As compras podem-se realizar tanto em lojas, galerias, grandes armazéns, mercados pelas ruas. Os horários comerciais variam dependendo do estabelecimento.

Os supermercados costumam permanecer abertas de 6 da manhã às 18:00 h em dias úteis e aos sábados de 7 a 13:00 h, enquanto que os comércios de bem de consumo e serviços abrem de 10 ou 11 da manhã, e fecham a seis ou sete da tarde.

Os mercados não têm um horário fixo más o habitual é que exponham seus artigos pela manhã.

São muito famosos as peças em madeira talhada como formosas caixas de todos os tamanhos, baús, cabeceiros de cama, mesas, portas, cadeiras, piteiras, suporte para livros, jogos de xadrez, esculturas, “matiushkas” (formosas bonecas de diferentes tamanhos que se introduzem umas em outras de brilhantes cores), etc. Todos eles com um original desenho e um excelente acabado.

Se a madeira talhada é famosa não o é menos os tecidos (com o tradicional desenho de listas ou com outros desenhos) como as manterias de linho com formosos bordados, camisas, faldas, vestidos, jalecos, roupa de cama, almofadas e tapetes. Menção especial merecemos tapetes de elegantes desenhos confeccionadas a mão em telhares que podem ser do século passado e os encaixes de tricô e croché.

Também são muito apreciados os artigos em couro como maletas, pastas, bolsas, cintos, calçado, carteiras e piteiras. Se distinguem especialmente os desenhos típicos e originais da zona dos Tatras.

A porcelana e a cerâmica da Polônia é muito formosa e pode-se comprar desde jarras, pratos, floreiros, copos, luminárias, cuja técnica vem do século XVII.

Todos eles realizados em cerâmica não esmaltada, envidraçada, pintada com esmaltes decorada com diversos desenhos.

Os trabalhos em vidro são de boa qualidade com elegantes desenhos e preços razoáveis. Destacam as pinturas sobre vidro e as cristaleiras talhadas a mão, peças únicas.

As jóias polonesas são conhecidas internacionalmente pelos seus inovadores desenhos em anéis, colares, broches, brincos, braceletes, alguns realizados em âmbar e prata. Também é muito apreciada a produção em Ferro forjado. Resultam muito apreciados também os utensílios de cozinha com motivos tradicionais e os Presépios de Cracóvia, peças de uma formosa tradição.

Em Polônia podem-se adquirir antigüidades tanto em lojas especializadas como nos numerosos rastros. Recuerde que nestes últimos não oferecem garantia pelo que é aconselhável asegurar-se que o que está comprando responde a suas expectativas tanto ao valor da peça como o preço que se paga por ella.

No relativo a cultura, a oferta é muito interessante: livros de autores nacionais e estrangeiros em vários idiomas, música clássica e popular reproduzida em Cd, discos em vinil, livros antigos, álbuns de arte de excepcional qualidade assim como belos quadros.

Por último, No relativo a produtos comestíveis, aconselhamos que deixe um espaço em sua bagagem para as especiarias polonesas, postres a base de sementes de amapola, queixos e para algumas garrafas do bom vodka. Lembre-se que Polônia é o berço deste licor.

População e Costumes

Os poloneses são um povo que têm fama de hospitaleiro.

Durante toda sua história Polônia têm visto passar pela seu território numerosos moradores que, em maior ou menor medida, que se assentaram em ele: judeus (que chegaram a ser muito importantes, com o Holocausto mingou consideravelmente a vila hebrea), lituanos, ucranianos, bielorrusos, alemães, italianos, franceses, mas sobre tudo, eslavos. Esta mistura de culturas têm configurado o atual mosaico polonês confiríndo-le uma unidade sólida que têm sabido absorver as melhores características de cada etnia.

A religião católica é vivida com grande devoção pela maioria da vila polonesa e isto se percebeu notavelmente na sociedade. Convém respeitar as normas deste credo, em especial, durante as visitas a igrejas e demais templos religiosos.

São cultos, amante da arte, em especial da música clássica, não em vão Polônia é a pátria de Chopin. A mortalidade infantil resulta muito baixa, a medicina é avançada e o índice de alfabetização é de um 99 %.

Os anciãos e os crianças são tratados com especial mimo e os matrimônios são uma importante instituição, núcleo da sociedade polonesa. Tios, primos, avôs e demais parentela conformam um círculo de estreitas relações que se abrem para seus vizinhos, amigos e conhecidos.

A solidariedade é um rasgo característico dos poloneses e, de fato, assim se chamou o sindicato que promoveu a volta à democracia em Polônia. Quando se sofre um problema os poloneses se unem para soluciona-lo, sobre tudo a nível familiar.

Os poloneses são galantes, educados, expressivos e muito naturais. Cada qual se comporta como é e as risas costumam ressonar com freqüência nas ruas polonesas. São também muito divertidos, amantes das festas, das bromas e dos bailes, pelo que suas festas resultam especialmente coristas e agradáveis para os visitantes.

Entretenimento

Polônia oferece um amplio abanico de atividade para desfrutar do tempo livre. O país conta com excelentes praias de águas não muito profundas e quentes que fazem as delicias dos banhistas de todas as idades nas costas arenosas do Mar Báltico, nas que também podem-se praticar esportes náuticos como remo, vela ou windsurfing.

Para os amantes do risco o descenso em canoa pelo rio Czarna Hancza é toda uma experiência, assim como o raffting no desfiladeiro do rio Dunajec com suas torrentes e saltos de água considerados como Reserva Natural desde faz 60 anos.

Nos Lagos de Masuria pode-se realizar um cruzeiro, que pode durar cinco dias, desfrutando com os paisagens deste magnífico entorno. Nesta mesma zona também podem-se praticar diversos esporte aquáticos, assim como rotas em bicicleta, que costumam durar entre oito e quinze dias. Uma experiência cansativa mas muito emocionante.

No pantano do rio Biebrza, que, segundo a lenda, devia percorrer-se sobre um Pegasú, o mistico cavalo alado pois era o único que não afundava na turba, são um verdadeiro paraíso para os amantes da observação da fauna, especialmente das aves aquáticas.

Por outro lado, na margem vermelha pode-se ver em liberdade a alces, lobos e outros muitos animais selvagens além de 235 espécies diferentes de aves. É conveniente extremar a precaução à hora de realizar fotos ou gravar em vídeo, para não afundar no lodo, apesar de tudo estes safaris fotográficos são extremadamente gratificante.

Também são muito interessantes as dunas movediças de Leba e os frondosos bosques de Bieszczady onde ainda pode-se contemplar o urso pardo. Em definitiva, qualquer visita aos 19 Parques Nacionais, 90 Parques Naturais e mais de mil Reservas Naturais resulta uma experiência incomparável.

Os Sudestes e Cárpatos oferecem um marco incomparável para os que desejam desfrutar com o esqui. No inverno pode-se esquiar em Zakopane, o centro montanhoso mais famoso da Polônia, que conta com cinco teleféricos, dois funiculares e dois com cabinas que partem de Zakopane.

Para quem gosta do senderismo ou trekking, nada melhor que as verdes colinas dos Bieszczadyou a Selva Bialowieska onde ainda podem-se contemplar em liberdade aos bisontes, exemplares únicos em Europa que vivem em liberdade.

Em toda Polônia podem-se praticar outros esportes como a equitação (em cavalos árabes criados neste país desde faz 180 anos ou nos pequenos pôneis, que durante muito tempo têm vivido em liberdade), tênis, golfou tiro ao disco entre outros. Todas estas atividade podem-se praticar em instalações bem preparadas e a preços econômicos.

A caça e a pesca vão além da prática do esporte pois as paradas nos que se praticam são realmente formosos. Do 15 de agosto ao 15 de outubro é temporada de patos, do 11 de setembro ao 21 de outubro perdizes, o 1 de outubro se abre a temporada do faisão e o 15 desse mesmo mês a da lebre.

Durante todo o ano, no interior dos bosques, podem-se caçar animais como cabras, cervos, bisontes, alces, javalis, muflones, gamos, lobos e linces. A pesca não se fica atrás pois os rios limpos da Polônia são um bom lugar para pescar com vara ou com molinete.

Podem-se obter lucios, anguilas, percas, albures e carpas nos Lagos de Masuria e o rio Biebrzaou bem, trutas e tímalos nos rios de Pomerânia. É conveniente informar-se previamente dos períodos de proibição e os tamanhos mínimos estabelecidos.

Para relaxar-se depois do esporte ou de um cansativo dia nada melhor que os deliciosos banhos termais que encontram-se em numerosos lugares por todo o território nacional. Onze destes banhos contam com instalações e pessoas especializadas.

Banhar-se ou nadar nas enormes piscinas destes lugares de encanto é um prazer. Tenha em conta que, ademais, estará submetendo-se a um excelente tratamento contra enfermidades ginecológicas, reumáticas, dos órgãos locomotores e digestivas.

Como experiências originais aconselhamos realizar uma travessia pelo Canal Elblaski, que enlaça Elbalg com Ostróda ao longo de mais de 62 quilômetros. O curioso deste percurso é que a maior parte do trajeto os barcos o realizam por terra através de plataformas que fazem avançar às embarcações através de energia hidráulica, de uma travessia de 11 horas, só 15 minutos correspondem às 2 eclusas, quer dizer, meia hora.

Este engenhoso trecho foi desenhado por um holandês, A. Steenke e começou a funcionar em 1860. Outra experiência inolvidável é a visita à mina de sal gema de Wieliczka que se explora desde faz 700 anos. Baixando por suas galerias subterrâneas se poderão contemplar capelas esculpidas na roca salina com formosas esculturas, únicas no mundo.

Este fenômeno natural têm sido incluído na Lista do patrimônio Natural e Cultural Mundial. Algo mais simples, mas não por ele menos fascinante, são os viagens em ciuchcie, trens de pequeno tamanho que passam por via estreita e que conduzem a paradisíacos paradas naturais.

Polônia é sinônimo de música, não em vão é a pátria de Chopin. Pôr todo o país pode-se desfrutar muito com os numerosos concertos, sem esquecer o rico folclore que se manifesta na música, nos trajes e danças e que conseguem um ambiente animado e corista.

Polônia oferece também um amplio abanico de ofertas culturais como teatros, clássicos e modernistas, cinema tanto de diretores poloneses como internacionais, museus de grande qualidade e circos.

Pode-se jogar em casinos muito elegantes, os espetáculos das salas de festas e as discotecas, assim como um bom jantar num magnífico restaurante desfrutando dos manjares da cozinha polonesa ou um bom café ao ar livre contemplando o ir e vir de seus habitantes, são outras das possibilidades para distrair o espírito.

Festividades

As festas polonesas são muito animadas, as ruas se adornam e as pessoas mostram suas melhores roupas. A música e a dança são elementos sempre presente.

Sem lugar de dúvidas os dias festivos são imemoráveis para conhecer e desfrutar com os polonês.

As festividades oficiais em Polônia começam a 1 de janeiro com a celebração do Ano Novo, comemorando a chegada do Ano com bailes e comidas especiais nos que se reúnem familiares e amigos.

Durante os Carnavais podem-se ver disfarçar de todo tipo em bailes e desfiles. É o momento de divertir-se antes da chegada do recolhimento que exigem as celebrações da Semana Santa. Se vive com intensa devoção em todo o país, não se deve esquecer que a maioria dos poloneses são católicos.

É especialmente impressionante em Kalwaria Zebrzydowska onde os camponeses representam o Via Cruz. Segunda-feira de Páscoa é muito popular em numerosos lugares a tradicional aspersão com água.

O 1 de maio, ao igual que em numerosos países de todo o mundo, se comemora o Dia do Trabalho com diferentes manifestações festivas. O 3 desse mesmo mês celebra-se o Aniversário da Constituição, a Festa Nacional por excelência da Polônia, na qual se organizam ferias, bailes, fogos artificiais e discursos institucionais.

Em junho destaca o Corpus Christi com procissões nas que se honra a custodia como representação do Corpo de Cristo. Também é muito popular a Assunção com a peregrinação a Jasna Gora em Czestochowa a qual chegam gentes de todo o país.

No 1 de novembro os cemitérios de toda Polônia se enchem de flores no Dia de Todos os Santos. Os poloneses visitam os túmulos de seus familiares e amigos num emocionante homenagem no qual podem-se ver as chamas e fumaças das fogueiras que evocam antigos ritos pagãos.

No 11 desse mesmo mês se comemora a Festa Nacional da Independência da Polônia, dia no qual os polonês saem às ruas, previamente adornadas, para desfrutar dos diferentes eventos festivos.

No 25 de dezembro as famílias e amigos se reúnem para celebrar o Natal com comidas especiais, enquanto que no 26, dia São Esteban, as risas dos crianças inundam as casas pois os presentes têm feito sua aparição.

Durante estas festas oficiais comércios, organismos institucionais e museus permanecem fechados.

Também são muito populares, na noite de São João do 23 ao 24 de junho, o lançamento de coroas com velas ao rio para dar a bem vinda ao verão; as Matrimônios e nascimentos, sobre tudo nos povos; os papéis recortados de Kurpie e as canções medievais das igrejas de todo o país.

Os principais festivais que se celebram durante todo o ano em todos os rincões do país são:

Primavera Musical, cada cinco anos em Poznan.

Festival de Órgão (abril), nas igrejas de Cracóvia, no verão na catedral de Kamiem Pormorski, na igreja da Virgem de Koszalin, na catedral de Frombork e nas abadias de Oliwa e Tyniec.

Festival Internacional da Música (maio), no palácio Potocki em Lancut.

Recitais Chopinianos (de maio a setembro), em Zelazowa Wola.

Festival de Jazz de Odra (maio), em Wroclaw.

Festival Internacional de Curta-metragens (maio e junho), em Cracóvia.

Feria Internacional do livro (maio), em Varsóvia.

Festival da Canção polonesa (junho), em Opole.

Festival de Arias e Canções Jam Kcepura (junho), em Krynica.

Festival Internacional do Cartaz (de junho a agosto), em Varsóvia.

Festival Internacional das Artes Gráficas (de junho a setembro), em Cracóvia.

Festival Internacional de Canto Coral (julho), em Miedzyzdroje.

Música Antiga da Europa Oriental (julho), cada três anos em Bydgoszcz.

Festival Mundial da Canção Polonesa dos Poloneses no Estrangeiro (julho), cada três anos em Koszalin.

Festival Internacional Chopiniano (agosto), em Duszniki Zdroj.

Vratislavia Canta (setembro), em Wroclaw.

Festival Internacional de Coros e Danças (setembro), em Zielona Góra.

Concurso Internacional de Chopin (outubro), cada cinco anos em Varsóvia.

Festival Internacional de Jazz Jamboree (outubro), em Varsóvia.

Trienal Internacional do Tecido (outubro), em Lodz.

Encontro Internacional de Ballet Moderno (novembro), em Cracóvia.

Transportes

Avião

As principais companhias aéreas oferecem vôos diretos a Polônia desde quase todos os países europeus com bastante freqüência.

A companhia aérea polonesa LOT oferece, além de vôos internacionais, as melhores conexões nacionais. As agências de LOT na Espanha encontram-se em Torre de Madri, Princesa 1, 16º andar, escritório 12, 28028 Madri.

O principal aeroporto da Polônia encontra-se na capital, Varsóvia, o Warszawa-Okecie que encontra-se a 10 quilômetros da cidade. Existe um serviço de ônibus que une este aeroporto com o centro (os horários estão ajustados à chegada e saída dos vôos).

Além deste aeroporto, Polônia conta com outros situados nas principais vilas como Cracóvia, Krakow-Balice, Gdansk, Katowice, Poznan, Szczecinou Wroclaw. estes aeroportos têm conexões entre si com vôos nacionais. Todos dispõem de um serviço de ônibus que enlaçam o centro da cidade.

Barco

A Polska Zegluga, Companhia de Navegação polonesa do Báltico, oferece um serviço regular de ferreis que unem Polônia com Alemanha sempre que o tempo o permita. nestas embarcações pode-se embarcar os veículos particulares.

Também existem outras conexões para Ystade e Oxelösund a 120 quilômetros de Estocolmo (Suécia), com Helsinki (Finlândia) e com as cidades alemãs de Travemünde e Roenne. É conveniente realizar as reservas com antecedência.

Trem

Polônia conta com uma boa rede de vias férreas que se estende ao longo de 26.862 quilômetros fiscalizada pela Companhia polonesa de Ferrocarril do Estado, a PKP.

A estação internacional de ferrocarril encontra-se na capital, Varsóvia, a Estação Central situada no centro da cidade. Existem carros de primeira e segunda. É conveniente reservar os bilhetes com antecedência, ter em conta que os atrasos são habituais, que o viagem em primeira é 50% mais caro que em segunda e que os trens expresso cobram um suplemento.

Porém, as tarifas são bastante econômicas. Pode-se adquirir um “Polrailpass” que permite viajar em todos os trens da rede polonesa em períodos que variam desde os oito aos 31 dias.

Carro

Polônia conta com numerosos pontos fronteiriços pelos que pode-se aceder ao interior do país em carro tanto por Alemanha como pela República Checa, Eslovaquia, Ucrânia, Bielorrusia, Lituânia e Rússia.

As estradas polonesas se dividem em nacionais e províncias e também conta com duas estradas que unem a fronteira alemã de Bademeusel com Cracóvia e Szczecim com Berlim. Tanto a estrada como a sinalização são excelentes, unicamente se recomenda ter cuidado com os passos a nível e os animais e veículos agrícolas.

A o longo da rede de estradas existem numerosos postos de gasolina sinalizadas com as letras “PN” que costumam permanecer abertas de seis da manhã a dez da noite os dias úteis e de sete a cinco aos domingos.

Os preços do carburante costumam ser mais reduzidos que no resto da Europa e deve-se ter em conta que os segunda-feira costumam acabar os depósitos dos postos de gasolina, pelo que convém contar com reservas para esse dia.

Para conduzir por Polônia é preciso ter a carteira de motorista, a licença de circulação do carro, Carta Verde e um seguro de responsabilidade civil que pode-se adquirir nos diferentes pontos fronteiriços.

A velocidade máxima permitida é de 90 km/h em estrada e 60 km/h em vilas. O cinto de segurança é obrigatório tanto na cidade como em estrada e está proibido conduzir havendo do ingerido álcool inclusive de baixo grau.

Nas cidades há que extremar as precauções com os bondes e ônibus públicos que sempre têm preferencia. Em numerosas cidades o tráfico costuma estar proibido no centro e não existe estacionamento nestas zonas.

Em caso de defeito no carro ou acidente pode-se solicitar ajuda à Federação polonesa de Automobilismo, a “PZM”, nos numerosos postos de auxilio que existem nas estradas ou bem, chamando ao 981.

Podem-se alugar veículos com ou sem motorista nas principais cidades onde existem agências das empresas de aluguel mais conhecidas.

Transporte Público

Nas cidades o transporte público conta com serviço de bonde, trolebus e ônibus fiscalizado pela prefeitrua pelo que os preços não são elevados, más se vai utiliza-lo a freqüentemente é preferível adquirir bônus para vários percursos ou vários dias. O metrô ainda se está construindo em Varsóvia, funcionando somente uma linha.

Os Taxis são muito numerosos tanto no centro como nos arredores das cidades. Podem-se solicitar por telefone marcando o 919. As tarifas não são elevadas e é preciso deixar gorjeta.

Fonte: www.genteviajera.es

Polônia

Grande língua: Polaco
Principal religião: Cristianismo
Expectativa de vida: 72 anos (homens), 81 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 zloty = 100 groszy
Principais exportações: máquinas e equipamentos de transporte, alimentos, produtos químicos
RNB per capita: EUA $ 12.480 (Banco Mundial, 2011)
Domínio da Internet:. Pl
Código de discagem internacional: 48

Perfil

Uma nação com uma orgulhosa herança cultural, Polônia pode traçar suas raízes mais de 1.000 anos. Posicionada no centro da Europa, que conheceu tempos turbulentos e violento.

Houve períodos de independência, bem como os períodos de dominação por outros países. Vários milhões de pessoas, metade deles judeus, morreu na Segunda Guerra Mundial.

Uma nova era começou quando a Polônia se tornou membro da UE em Maio de 2004, cinco anos depois de entrar para a Otan e 15 anos após o fim do regime comunista.

Foi o local de nascimento do ex-bloco soviético primeira oficialmente reconhecida movimento de massas independente política quando atinge o estaleiro de Gdansk em agosto de 1980 levou a um acordo com as autoridades sobre a criação do sindicato Solidariedade.

Os brotos de liberdade política foram pisoteados novamente 16 meses depois, quando o líder comunista Wojciech Jaruzelski declarou a lei marcial. Mas o movimento para a mudança era irreversível. Eleições no verão de 1989 marcou o início de governo da Europa Oriental pós-comunista primeiro.

A presença no Vaticano de papa polonês João Paulo II foi uma influência importante no movimento Solidariedade durante os anos 1980. A Igreja Católica Romana continua sendo uma força muito potente na vida polaca.

Nos anos entre o fim do comunismo e da adesão à UE poder, na Polônia alternado entre a centro-direita e centro-esquerda. Sucessivos governos enfrentou acusações sleaze.

Nas eleições de 2010, a vitória do centro-direita Civic platfrom viu primeiro-ministro Donald Tusk se tornar o primeiro líder polonês para ser re-eleito desde o fim do comunismo.

Sucesso

Polônia fez grandes progressos econômicos desde a queda do comunismo, e especialmente desde a adesão à UE. Em 2009, quando todas as grandes economias europeias foram contratação por causa da crise de crédito, a Polônia foi o único país da Europa a experimentar o crescimento econômico.

Não foi marcada sucesso na criação de uma economia de mercado e atrair investimento estrangeiro. A Alemanha é agora parceiro da Polônia maior de negociação.

Houve um movimento em massa de trabalhadores para a Europa Ocidental nos anos após a Polônia aderiu à União Europeia, mas o êxodo abrandou após a crise econômica mundial pegou.

Polónia ainda tem um enorme setor agrícola – a agricultura é responsável por cerca de 60% da área terrestre do país total – mas o setor continua a ser prejudicada pela ineficiência, problemas estruturais e falta de investimento.

Perfil de Varsóvia no cenário internacional foi criado por seu apoio às campanhas militares norte-americanas no Iraque e no Afeganistão.

Tropas de paz poloneses servido no centro-sul do Iraque, de 2003 até 2008, eo país também contribuiu um contingente considerável para a força de paz da Otan no Afeganistão.

Polônia
Polônia tem conhecido períodos de independência, bem como os períodos de dominação por outros países

Uma cronologia dos principais eventos:

966 – Duque Mieszko I, o fundador historicamente reconhecida do estado polonês, adota o cristianismo católico.

1025 – Boleslau I proclama o Reino da Polônia.

1569 – Polônia sinais União de Lublin com o Grão-Ducado da Lituânia para criar a Comunidade Polaco-Lituana, uma grande potência na Europa incomum para o seu parlamento poderoso de nobres e reis seus eleitos.

1772 – A Commonwealth é submetido à primeira das três partições principais por seus vizinhos Prússia, Rússia e Áustria na sequência de uma revolta anti-russo.

1791-1793 – Um programa de reforma política e social culmina na Constituição 03 de maio de 1791, que promete direitos civis para a população urbana e camponesa da Commonwealth. Rússia invade para evitar a mudança liberal. Prússia também envia tropas, e os dois poderes realizar uma segunda partição em 1793.

Independência perdida

1794-1795 – reformadores liderar uma insurreição armada contra os poderes de particionamento. Após o fracasso da Commonwealth finalmente está dividido entre Prússia, Rússia e Áustria. Polônia independente desaparece do mapa da Europa.

1807 – Napoleão cria o Ducado de Varsóvia como um Estado cliente para conseguir apoio polonês para sua causa.

1815 – O Congresso de Viena cria um Reino garupa da Polônia, governada pela Rússia.

1830-1831 – revolta militar em protesto contra a erosão russa de autonomia política do Reino e as liberdades civis.

1863-1864 – Outra revolta contra o domínio russo é derrotado e Reino anexada à Rússia.

1864-1914 – O movimento nacional polonês na Rússia, Prússia e Áustria se concentra no fortalecimento da base através dos partidos educação, cultura e política.

Independência restaurada

1918 – Estado independente polonês restaurado após o fim da Primeira Guerra Mundial marechal Jozef Pilsudski torna-se chefe de Estado.

1920 – Exército Vermelho soviético ofensiva repelidos.

1926 – Pilsudski encena um golpe militar. Seguem-se nove anos de governo autocrático.

1932 – Polônia conclui não-agressão pacto com a União Soviética.

1934 – Polônia assina pacto de 10 anos semelhante com a Alemanha nazista.

1935 – Pilsudski morre. O regime militar continua.

Invasão e subjugação

1939 – Alemanha nazista invade a Polônia. A partir da Segunda Guerra Mundial como o Reino Unido declara guerra à Alemanha em resposta à invasão. A União Soviética invade a partir do leste. A Alemanha ea União Soviética dividir a Polônia entre si e tratar cidadãos poloneses com extrema brutalidade. Alemanha começa a perseguição sistemática da grande população judaica.

1940 – polícia secreta soviética realizar massacre sistemático de cerca de 22 mil oficiais do exército polonês, profissionais e servidores públicos, principalmente em uma floresta perto de Katyn na região russa de Smolensk. A União Soviética atribuiu o crime aos nazistas até reconhecendo a responsabilidade no final de 1980.

1941 – Os alemães começam a construir campos de concentração na Polônia. Seus nomes – Auschwitz, Treblinka, Majdanek – tornou sinônimo com o Holocausto.

1943 – Varsóvia revolta do gueto contra tentativas alemãs para transportar os habitantes restantes judeus para campos de concentração. Resistência dura cerca de quatro semanas antes do gueto é incendiada. Os alemães anunciar a captura de mais de 50.000 judeus.

1944 – As forças da resistência polonesa assumir o controle de Varsóvia em agosto. Os alemães recapturar a cidade em outubro e queimá-lo para o chão.

1945 – Forças soviéticas capturar Varsóvia em janeiro. Todas as forças alemãs são conduzidos da Polônia em março. Fronteiras da Polônia são definidas pelo pós-guerra Potsdam conferência; Polônia perde território para a União Soviética, mas ganha alguma da Alemanha.

Comunista regra

1947 – A Polônia torna-se uma República Popular comunista soviético após prazo das eleições, sob a liderança stalinista do Boleslaw Bierut.

1955 – Polônia junta-se ao Soviética prazo aliança militar do Pacto de Varsóvia.

1956 – Mais de 50 pessoas morreram em tumultos em Poznan sobre demandas por maior liberdade. Liberal líder comunista Wladislaw Gomulka assume.

1970 – motins dos preços dos alimentos em Gdansk. Os protestos são reprimidos, centenas são mortos. Edward Gierek torna-se líder do partido.

1970 – Polônia goza de relativa prosperidade econômica com base em empréstimos estrangeiros. Sucessivos presidentes dos EUA Nixon, Ford e Carter visita a Polônia.

1978 – Karol Wojtyla, o cardeal de Cracóvia, eleito Papa.

1980 – Distúrbios no estaleiro de Gdansk levar ao surgimento do sindicato Solidariedade sob Lech Walesa.

1981 – A lei marcial imposta. Muitos dos líderes do Solidariedade, incluindo Walesa, são presos.

1983 – A lei marcial levantada.

Sucesso para a Solidariedade

1989 – Mesa Redonda conversações entre Solidariedade, os comunistas e da Igreja Católica. Parcialmente eleições livres ver o sucesso generalizado de Solidariedade, que ajuda a governo de coalizão formulário.

1990 – Walesa eleito presidente da Polônia. As reformas de mercado, incluindo a privatização em larga escala, são lançados.

1992 – As tropas soviéticas começam a sair da Polônia.

1993 – Reformada comunistas entra governo de coalizão. Eles se comprometem a continuar as reformas de mercado.

1994 – Polônia junta parceria da OTAN para a Paz.

1995 – Aleksander Kwasniewski, um ex-comunista, por pouco bate Lech Walesa para se tornar presidente.

1997 – parlamento polonês adota uma nova Constituição. Eleição geral é ganho pelo agrupamento de Solidariedade AWS. Jerzy Buzek forma um governo de coalizão.

A aderir à UE

1998 – A UE abre negociações sobre a adesão da Polônia.

1999 – Polônia junta da NATO.

2000 – Aleksander Kwasniewski reeleito como presidente.

2001 – Polônia permite a cidadãos de aplicar para ver os arquivos mantidos sobre eles pela polícia secreta durante a era comunista.

Outubro de 2001 – nova coalizão entre a Aliança da Esquerda Democrática (SLD) e os Camponeses “partido do governo formulários com SLD líder Leszek Miller como primeiro-ministro.

De dezembro de 2002 – Cimeira da UE em Copenhague formalmente convida Polônia para participar em 2004.

Março de 2003 – Partido polonês Camponeses ejetado coalizão governista sobre a falha para votar com o governo em impostos. Leszek Miller continua como PM no governo de minoria.

Junho de 2003 – Pólos voto no referendo a favor da adesão da UE.

UE era amanhece

2004 Maio – Polônia é um dos 10 novos estados para aderir à UE.

O primeiro-ministro Miller abandona. O ex-ministro das Finanças, Marek Belka lhe sucede.

De setembro de 2005 – Lei Conservador e Partido da Justiça vem em primeiro lugar nas eleições gerais.

Outubro de 2005 – Lei e Justiça Lech Kaczynski candidato ganha a eleição presidencial.

Governo minoritário liderado por Kazimierz Marcinkiewicz da Lei e da Justiça jurado dentro

Maio de 2006 – Lei e Justiça partido chega a acordo de coalizão com maioria Autodefesa Partido e Liga das Famílias Polacas.

Julho de 2006 – Kazimierz Marcinkiewicz renuncia como primeiro-ministro. Irmão gêmeo do presidente Lech Kaczynski, Jaroslaw, torna-se primeiro-ministro.

2007 Janeiro – Recém-nomeado arcebispo de Varsóvia Stanislaw Wielgus renuncia mais revelações sobre sua cooperação com a polícia secreta sob o regime comunista.

Abril de 2007 – Promotores fazer acusações contra o ex-líder comunista General Jaruzelski sobre seu papel na introdução da lei marcial em 1981.

Outubro de 2007 – Liberal, pró-UE partido Plataforma Cívica vence eleições legislativas antecipadas após colapso do governo de coalizão.

Defesa acordo com EUA

Fevereiro de 2008 – As forjas governo um acordo com os EUA, em princípio, para hospedar um controverso sistema de defesa antimísseis americano.

De setembro de 2008 – último líder da Polônia comunista, o general Wojciech Jaruzelski, vai a julgamento em conexão com a imposição da lei marcial em 1981.

2009 Maio – O FMI aprova linha de crédito de um ano para a Polônia de US $ 20,6 bilhões para ajudar a enfrentar a crise econômica global.

Abril de 2010 – O presidente Lech Kaczynski e muitos outros altos funcionários são mortos em um acidente de avião quando estava a caminho de uma cerimônia na Rússia marcando o 70 º aniversário do massacre de Katyn durante a Segunda Guerra Mundial.

2010 Julho – Assembleia Nacional e presidente em exercício Bronislaw Komorowski, da Plataforma Cívica de centro-direita vence ex-primeiro-ministro Jaroslaw Kaczynski no segundo turno das eleições presidenciais.

EUA secretária de Estado Hillary Clinton supervisiona acordo alterado para a estação de mísseis de defesa dos EUA base de escudo na Polônia.

Dezembro de 2010 – Nigéria-nascido John Abraham Godson torna-se o primeiro membro negro do parlamento polonês.

2011 Janeiro – aviação da Rússia autoridade culpou erro do piloto polaco para a acidente aéreo de Smolensk em que o presidente Lech Kaczynski e muitos outros funcionários foram mortos em abril de 2010.

2011 Julho – Polônia assume presidência rotativa da UE pela primeira vez desde que aderiu ao bloco em 2004.

2011 Outubro – de centro-direita o primeiro-ministro Donald Tusk, do partido Plataforma Cívica vence eleições parlamentares.

2012 Janeiro – Um tribunal dá-comunista era ministro do Interior, Czeslaw Kiszczak dois anos de pena de prisão suspensa na sua ausência, por seu papel na repressão a lei marcial em 1981. Ele foi condenado à revelia. Líder do Partido Comunista Stanislaw Kania do tempo é absolvido.

Fonte: news.bbc.co.uk

Polônia

Nome oficial: República da Polônia
Capital: Varsóvia
Forma de governo: república multipartidária unitário com duas casas legislativas
Língua oficial: Polonês
Religião oficial: nenhum
Unidade monetária: zloty (ZL)
Área total (sq mi): 120726
Área total (km ²): 312679
A expectativa de vida ao nascer:

Masculino: (2010) 72,1 anos
Feminino: (2010) 80,6 anos

Polônia, país da Europa central. Polônia está localizada em um cruzamento geográfico que liga as terras florestais do noroeste da Europa para as rotas marítimas do Oceano Atlântico e as férteis planícies da fronteira Eurásia.

Agora delimitada por sete países, a Polônia tem aumentado e diminuído ao longo dos séculos, fustigado pelas forças da história regional.

No início da Idade Média, pequenos principados da Polônia e municípios foram subjugados por sucessivas ondas de invasores, dos alemães e bálticos para mongóis. Em meados dos anos 1500, unido a Polônia foi o maior estado na Europa e, talvez, a nação mais poderosa do continente. No entanto, dois séculos e meio mais tarde, durante as partições da Polônia (1772-1918), desapareceu, dividida entre os impérios rivais da Rússia, Prússia e Áustria.

Mesmo em um momento de crise nacional, no entanto, a cultura polonesa permaneceu forte, na verdade, ele ainda floresceu, se, por vezes, longe de casa.

Polonês ideais revolucionários, realizadas por tais patriotas ilustres como Kazimierz Pulaski e Tadeusz Kosciuszko , informou aos da Revolução Americana. A Constituição polaca de 1791, a mais antiga da Europa, por sua vez, incorporou os ideais das revoluções americana e francesa.

Pólos mais tarde se estabeleceram em grande número nos Estados Unidos, Canadá, Argentina e Austrália e levou a sua cultura com eles. Ao mesmo tempo, os artistas poloneses do período romântico, como pianista Frédéric Chopin e poeta Adam Mickiewicz , foram levando luzes no continente europeu no século 19.

Seguindo seu exemplo, os intelectuais poloneses, músicos, cineastas, escritores e continuar a enriquecer artes do mundo e letras.

Restaurado como nação em 1918, mas devastada por duas guerras mundiais, a Polônia sofreu tremendamente ao longo do século 20. II Guerra Mundial foi particularmente prejudicial, como população historicamente forte da Polônia judaica foi quase totalmente aniquilado no Holocausto.

Milhões de poloneses não-judeus também morreram, vítimas de mais de partição e conquista. Com a queda do Terceiro Reich, Polônia efetivamente perdeu sua independência, uma vez mais, tornando-se um estado satélite comunista da União Soviética.

Quase meio século de governo totalitário seguido, embora não sem desafios fortes por parte dos trabalhadores da Polônia, que, apoiados por uma igreja católica dissidente, chamado os fracassos econômicos do sistema soviético em questão.

No final de 1970, a partir dos estaleiros navais de Gdansk, os trabalhadores formaram um movimento nacional chamado Solidariedade (Solidarnosc). Apesar da prisão de liderança do Solidariedade, seus jornais mantido publicação, espalhando os seus valores e da agenda em todo o país.

Em maio de 1989, o governo polonês caiu, junto com os regimes comunistas na Europa de Leste, começando rápida transformação da Polônia em uma democracia.

Essa transformação não foi sem dificuldades, como o vencedor do Prêmio Nobel poeta Wislawa Szymborska escreveu uma década mais tarde:

Cheguei à conclusão paradoxal de que alguns trabalhadores tinham muito mais fácil na República Popular da Polônia. Eles não têm de fingir. Eles não tem que ser educado, se não sentir como ele. Eles não têm de suprimir a sua exaustão, tédio, irritação. Eles não têm para esconder a sua falta de interesse em problemas de outras pessoas. Eles não têm de fingir que sua volta não foi matá-los quando sua volta era de fato matando. Se eles trabalhavam em uma loja, eles não têm para tentar obter os seus clientes a comprar as coisas, já que os produtos sempre desapareceu antes das linhas fez.

Na virada do século 21, a Polônia era uma democracia baseada no mercado, abundante em produtos de todos os tipos e um membro de ambos OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) ea União Europeia (UE), aliado mais forte com a Europa Ocidental do que com Europa Oriental, mas, como sempre, diretamente entre eles.

Uma terra de beleza impressionante, a Polônia é pontuada por grandes florestas e rios, grandes planícies e montanhas altas. Varsóvia (Warszawa), a capital do país, combina modernos edifícios com arquitetura histórica, a maioria dos quais foi fortemente danificada durante a Segunda Guerra Mundial, mas desde então tem sido fielmente restaurada em um dos esforços de reconstrução mais profundas da história europeia.

Outras cidades de interesse histórico e cultural incluem Poznan, a sede do bispado primeiro da Polônia; Gdansk, um dos portos mais ativos no Mar Báltico ocupado, e Cracóvia, um centro histórico de artes e educação e na casa do Papa João Paulo II , que personificava a luta de seu país polonês de independência e paz em tempos modernos.

Terra

Polônia está no centro físico do continente europeu, aproximadamente entre as latitudes 49 ° e 55 ° N e longitudes 14 ° e 24 ° E. irregular de forma circular, é limitado a norte pelo Mar Báltico, ao nordeste da Rússia e da Lituânia, e ao leste pela Bielorrússia e Ucrânia.

Ao sul da fronteira segue o divisor de águas do Beskid (Beskidy), dos Cárpatos (Karpaty), e (Sudety) Sudetos montanhas, que a Polônia separado da Eslováquia e da República Checa, enquanto a oeste do Neisse (Nysa Luzycka) e Oder ( Odra) rios definir a fronteira com a Alemanha.

Suas fronteiras atuais, que se estende por 2.198 milhas (3.538 km), foram tiradas em 1945. Exceto por suas regiões montanhosas do sul, o país é composto quase inteiramente de terras baixas dentro do Norte Planície Europeia.

Paisagem

A paisagem natural da Polônia pode ser dividido amplamente em três grupos: as planícies, os planaltos e as montanhas.

Os extremos orientais da Polônia apresentam características comuns para a Europa Oriental, mas o resto do país está ligada à Europa Ocidental pela estrutura, clima, eo personagem de sua vegetação.

As características de várzea predominam: a elevação média de todo o país é de apenas 568 pés (173 metros) acima do nível do mar, enquanto que mais de três quartos da terra encontra-se abaixo de 650 pés (198 metros).

A paisagem da Polônia foi formada pelas ações de geleiras da Idade do Gelo, que avançou e recuou sobre a parte norte do país várias vezes durante o Pleistoceno (de cerca de 2,6 milhão de 11.700 anos atrás).

As grandes extensões e muitas vezes monótono das planícies polonesas, parte do Norte Europeu Plain, são compostas de depósitos geológicos recentes que se encontram sobre uma vasta bacia estrutural.

Na parte sul do país, pelo contrário, mais velhos e mais diversas formações geológicas estão expostos.

O arco montanhoso do Cárpatos , que data do Paleogeno montanha de construção e períodos Neógeno (de cerca de 65 a 2600 mil anos atrás), domina a topografia.

Ao redor da borda norte dos Cárpatos mentir uma série de bacias estruturais, separando o cinturão montanha adequada de uma massa muito mais velho estrutural, ou foreland, que aparece nos padrões de relevo da região, como o Maciço da Boêmia , a dos sudetos , ea Pequena-Polônia Uplands (Wyzyna Malopolska).

A estrutura de alívio pode ser dividido, mais especificamente, em uma série de zonas-leste-oeste de tendências.

Ao norte estão os pântanos e dunas da costa do Mar Báltico, a sul delas é uma faixa de terreno moreias com milhares de lagos, o limite sul do que marca o limite da camada de gelo passado.

A terceira zona é constituída por planícies centrais, cuja mínima alívio foi criado por fluxos de emissão das geleiras. Esta zona é o coração polonês, o lugar da agricultura em locais onde loess foi depositado sobre os depósitos relativamente inférteis fluvioglacial.

A quarta zona é composta de montanhas mais velhas e terras altas do sul, embora limitadas em extensão, oferece um cenário espetacular. Ao longo da fronteira sul do país são os intervalos de Sudetos e Cárpatos e suas colinas.

A planície costeira

Os bálticos costeiras trechos lisos no norte da Polônia entre Alemanha e Rússia, formando uma região de baixa altitude construída de sedimentos diversos. É em grande parte ocupado pela antiga província de Pomerânia (Pomorze), cujo nome significa “junto ao mar.”

O mal recuada Báltico costa foi formada pela ação das ondas após o recuo da camada de gelo ea elevação do nível do mar. O Pomeranian (Pomorska) Bay, no oeste e no Golfo de Gdansk no leste são as duas entradas principais.

Na parte sul da antiga, duas ilhas bloquear a Lagoa Szczecinski (Zalew Szczecinski), em que os rio Oder descargas suas águas. No Golfo de Gdansk, o Vístula (Wisla) Rio forma um grande delta. Bancos de areia, em que os ventos criaram grandes dunas, linha de grande parte da costa, separando os lagos e lagoas costeiras do mar.

Os principais centros urbanos são os portos de Szczecin (alemão: Stettin) na parte inferior do Oder e Gdansk (alemão: Danzig) e Gdynia , no leste. A parte central da Planície Costeira do Báltico é escassamente povoada, há apenas pequenos portos de pesca, dos quais Kolobrzeg é o mais importante, ea paisagem é de uma beleza desolada.

A região dos lagos e planícies centrais

O cinto imediatamente ao sul da planície costeira é uma paisagem variada, com lagos e colinas de origem glacial.

Vales de rios largos dividir a região em três partes: a Lakeland Pomeranian (Pojezierze Pomorskie), o Masúria (Mazurskie) Lakeland , a leste do Vístula inferior, eo Grande Polônia (Wielkopolskie) Lakeland .

Os assentamentos maiores e principais rotas de comunicação de esta mentira na zona e ao longo dos vales dos rios, o restante da área é mais arborizado e pouco povoada. Apenas a parte leste da Grande Polônia Lakeland tem uma agricultura desenvolvida.

As planícies extensas centrais conter recursos de socorro isoladas moldadas pelas mais antigas glaciações, mas seu caráter é geralmente plana e monótona. Os lagos postglacial há muito que foi preenchido, e máscaras outwash glaciais os canais de água de degelo pouco desenvolvidos vale.

As bacias dos principais rios dividir a área em o (Slaska) Silésia Várzea, que fica no Oder superior, a sul da Grande Polônia Várzea, que fica no meio do rio Warta bacia; eo Mazovian (Mazowiecka) e Podlasian (Podlaska) planícies, que se encontram na bacia do Vístula meio.

Baixa Silésia e Grande Polônia são importantes áreas agrícolas, porém muitas partes das planícies centrais também têm grandes centros industriais. Varsóvia , a capital, situada nas margens do Vístula meio, é o mais proeminente.

Clima

Variados tipos de massas de ar se chocam sobre a Polônia, influenciando o caráter de ambos tempo e clima. Os principais elementos envolvidos são massas de ar oceânicas do oeste, o ar frio polar da Escandinávia e Rússia, e ar quente, subtropical do sul.

Uma série de depressões barométricas se move para o leste ao longo da frente polar durante todo o ano, dividindo o subtropical do ar mais frio e trazendo para a Polônia, como para outras partes do norte da Europa, dias nublados, úmidos.

No inverno, o ar polar continental, muitas vezes torna-se dominante, trazendo tempo, crisp gelado, ainda com ar mais frio do Ártico seguindo seu rastro. Quente, seco, ar-continental subtropical traz frequentemente dias agradáveis no final do verão e no outono.

O clima geral da Polônia tem uma transição e altamente variável de caractere entre tipos marítimas e continentais.

Seis estações podem ser claramente distinguidos: um inverno de neve de um a três meses, um início da primavera de um ou dois meses, com a alternância de condições de inverno e primaveril; uma mola predominantemente ensolarado, um verão quente, com muita chuva e sol, um sol, Outono quente, e um período de, nebuloso úmido significa a aproximação do inverno.

Sol atinge o seu máximo ao longo do Báltico no verão e no inverno os Cárpatos, ea média anual de temperaturas variam de 46 ° F (8 ° C) nas planícies do sudoeste a 44 ° F (7 ° C) no frio nordeste. O clima das montanhas é determinada pela altitude.

A precipitação média anual é de cerca de 24 polegadas (610 mm), mas nas montanhas a figura se aproxima de 31-47 polegadas (787 a 1.194 milímetros), caindo para cerca de 18 polegadas (457 mm) nas planícies centrais. No inverno, a neve faz cerca de metade do total de precipitação nas planícies e quase tudo nas montanhas.

A vida vegetal e animal

Vegetação

A vegetação da Polônia que se desenvolveu desde a última Idade do Gelo é constituído de alguns 2.250 espécies de plantas, 630 de sementes musgos, 200 hepáticas, líquenes, 1200 e 1500 fungos. Holarctic elementos (ou seja, aqueles que pertencem ao cinto temperada do hemisfério Norte) são dominantes entre as plantas com sementes.

Os limites do nordeste de certas árvores, nomeadamente faia, abeto, ea variedade de carvalho conhecido como pedunculate gerência através do território polonês. Há poucas espécies endêmicas, o lariço polonês (Larix Polonica) e da bétula Ojców (oycoviensis Betula) são dois exemplos.

Algumas relíquias de vegetação de tundra foram preservados nas turfeiras e montanhas. Mais de um quarto do país é arborizado, com a maioria de lado como propriedade pública.

Polônia está na zona de florestas mistas, mas no sudeste um fragmento da floresta estepe-se intromete zona de vegetação. No nordeste há porções do leste europeu subtaiga, com abeto como um componente característico. Nas montanhas da vegetação, como o clima, é determinada pela elevação. Madeiras de abeto e faia dar lugar ao abeto dos bosques superiores, que em desbotamento vez em subalpine, alpino, e neve linha de vegetação.

Animais selvagens

Vida da Polônia animal pertence à província zoogeográficas Europeia-Oeste da Sibéria, em si, parte da sub-região Palearctic, e está intimamente ligada com a cobertura vegetal. Entre a fauna de vertebrados são cerca de 400 espécies, incluindo muitos tipos de mamíferos e mais de 200 pássaros nativos.

Veados e porcos selvagens percorrem as matas; alces habitam as florestas de coníferas do nordeste, e roedores estepe, como o Gopher tigrado, vivem no sul. Wildcats vive nas florestas de montanha, e as camurças e marmotas são encontrados nos mais altos níveis.

Os ursos pardos vivem nas montanhas dos Cárpatos. O bisonte europeu, ou wisent, que perambulavam amplamente em todo o continente, mas foi extinta na guerra selvagem seguinte eu, mais uma vez percorre o grande Bialowieza (bielorrusso: Belovezhskaya) Floresta em parques nacionais em ambos os lados da fronteira polaco-bielorrussa, tendo sido reintroduzida usando zoológico animais de raça.

O ambiente

Industrialização rápida, após a Segunda Guerra Mundial na Polônia, assim como na vizinha República Checa, Eslováquia e Alemanha Oriental, gravemente poluídas muitas áreas do país.

No final do século 20, a Academia de Ciências da Polônia havia descrito a Polônia como um dos países mais poluídos do mundo.

Alta Silésia e Cracóvia, em particular, sofreu alguns dos mais altos níveis de poluição atmosférica e das águas subterrâneas na Europa. Diversas áreas da região central da Polônia, onde o cimento é produzido e carvão marrom (lenhite) é queimado, também foram contaminados pela poluição do ar.

Principais rios do país, continuam muito poluído por efluentes industriais e urbanos, e as cidades da Polônia e cidades maiores são as principais fontes de poluição. Níveis muito mais elevados de doença respiratória, gravidez anormal, e mortalidade infantil foram relatados em áreas de degradação ambiental.

Poluição também reduziu a produção agrícola e crescimento das árvores prejudicados em muitas das florestas no Sudetos e Cárpatos ocidentais.

Os problemas de degradação ambiental não foram oficialmente reconhecidos até o início de 1970 e não foram abordadas até que o movimento Solidariedade começou agitando no início de 1980.

Redução significativa na emissão de poluentes ocorreu, no entanto, como uma conseqüência da rápida queda da produção industrial no início de 1990, após o abandono do comunismo e da introdução de reformas econômicas.

Ao longo da década, o governo implementou políticas antipoluição, como o fechamento das plantas industriais mais nocivos.

Idiomas

A língua oficial do país, polonês (juntamente com outras línguas Lekhitic e checo, eslovaco, e superior e inferior Sorábio ), pertence ao ramo eslavo ocidental de línguas eslavas . Ele tem vários dialetos que correspondem no essencial para as divisões tribais antigas, a mais significativa delas (em termos de número de falantes) são polonês Grande (falado no noroeste), Little polonês (falado no sudeste), Mazovian , e Silésia (Slezanie). Partes Mazovian algumas características com Kashubian , cujos restantes oradores número apenas alguns milhares, que é uma pequena porcentagem dos cassubianos étnicos do país.

Em outros lugares, o idioma polonês tem sido influenciado pelo contato com línguas estrangeiras. Na Silésia o inimitável regionais patois contém uma mistura de elementos de poloneses e alemães. Depois de 1945, como resultado da educação de massa e migrações em massa, padrão polonês tornou-se muito mais homogênea, embora dialetos regionais persistem.

Nos territórios oeste e norte, reassentados na segunda metade do século 20, em grande medida pelos poloneses da União Soviética, a geração mais velha chegou a falar uma linguagem característica das províncias do leste.

Um pequeno número de pessoas também falam da Bielorrússia, variedades ucraniano e alemão, bem como vários de romani.

Polonesa literário desenvolvido desde o período medieval, na base dos dialetos da Grande Polônia e Pequena-Polônia.

Por volta do século 19 polonês estava bem estabelecida como veículo literário e como a língua dominante do discurso comum na Polônia, apesar das tentativas das potências de particionamento para germanizar ou russificar da população.

Na verdade, o oposto aconteceu, ea língua polonesa tornou-se a pedra de toque principal da identidade nacional.

Religião

A esmagadora maioria da população polonesa é católica romana , e um grande número são católicos praticantes. Embora o país não reivindica nenhuma religião oficial, a Polônia é um dos países mais católicos de maneira uniforme em todo o mundo, e a Igreja Católica na Polônia goza de prestígio social e influência política.

Após a Segunda Guerra Mundial, durante a era comunista, todas as instituições religiosas tornou-se sujeito ao controle do Estado. Na prática, a Igreja Católica Romana empunhava uma medida plena de independência, em parte através da pura força dos fiéis e em parte porque em todos os assuntos importantes que respondeu ao papa em Roma e não para o governo em Varsóvia.

Os opositores ao comunismo na Polônia foram muito encorajados pela eleição em 1978 do arcebispo de Cracóvia, Karol Wojtyla Cardeal, como o Papa João Paulo II , o papa não-italiano pela primeira vez desde o século 16.

As minorias religiosas, embora incentivado pelas políticas anti-católicos do estado comunista, eram pouco visíveis, exceto em áreas locais.

A influência da Igreja Católica tornou-se ainda maior após a queda do comunismo na Polônia, em 1989, e isso levou a sua maior participação nas escolas estaduais e para a substituição da lei do país o aborto liberal, em 1993, com a legislação mais restritiva.

O Polish National Catholic Church, um ramo cismático do catolicismo romano, nunca ganhou apoio popular, apesar de advocacia governo forte após a Segunda Guerra Mundial. Dois redutos protestantes permanecem na Polônia, que os luteranos polacos em Masuria e os evangélicos (Confissão de Augsburgo) em Cieszyn , Silésia.

Um Autocéfala igreja polonesa Ortodoxa está parcialmente relacionada com a pequena minoria bielorrussa, e uma comunidade ucraniana Uniata sobrevive em distritos do sudeste.

No último trimestre do século 20, carismáticos e outros movimentos de renovação chegou à Polônia.

A Constituição de 1997 garante a liberdade religiosa. A Polônia tem comunidades residuais de judeus poloneses, cuja sinagogas e atividades religiosas foram oficialmente sancionada pelo governo comunista.

Há quase um número igual de muçulmanos na Polônia, localizadas principalmente no leste, perto de Bialystok.

Pequenos grupos cristãos representam seitas fundamentalistas, como os adventistas do sétimo dia e Testemunhas de Jeová operar em algumas cidades.

Economia

Antes da Segunda Guerra Mundial, a Polônia era uma economia de livre mercado, com base em grande parte da agricultura, mas com alguns centros importantes de produção e de mineração.

Após o início do regime comunista em 1940, o país desenvolveu uma cada vez mais industrial, estatal economia de comando baseado no modelo soviético. Operou-se dentro da estrutura rígida de Comecon (Conselho de Assistência Econômica Mútua), uma organização de países do bloco de Leste, dominado pela União Soviética.

Desde meados dos anos 1970, a economia polaca lutou com crescimento limitado, em grande parte como resultado de uma infra-estrutura antiquada industrial, os subsídios governamentais que mascarados produção ineficiente, e os salários que estavam artificialmente elevado em relação à produtividade.

No final de 1980 um défice orçamental inchaço e hiperinflação trouxe sobre a crise econômica. Com a queda do comunismo eo desaparecimento do Comecon, a economia polaca tornou-se cada vez mais envolvidos no mercado orientado para a economia global, para o qual foi mal adaptados.

Para tentar alcançar a estabilidade econômica, o governo pós-comunista introduziu uma abordagem conhecida como “terapia de choque”, que procurou tanto para controlar a inflação e acelerar a transição da Polônia para uma economia de mercado.

Como parte desse plano, o governo congelou os salários, controle de preços removidos, eliminados os subsídios para as empresas estatais, e permitiu grande empresa privada.

Como resultado, na saída do início de 1990 industrial e do produto interno bruto (PIB) caiu significativamente (produção agrícola também caiu, embora em grande parte devido à seca). O desemprego cresceu, afetando até um em sete poloneses.

A inflação, no entanto, começou a cair, de 250 por cento em 1990 para 10 por cento em 2000. Produção e PIB também registrou reviravoltas dramáticas, com um crescimento médio anual do PIB de cerca de 4 por cento de 1990 a 2000.

Equilíbrio da Polônia de pagamentos melhorou (em parte como resultado do perdão da dívida), eo país desenvolveu uma das principais economias do antigo bloco de Leste, bem como um dos que mais cresce na Europa.

O desemprego, que havia sido elevado no início da década, se endireitou no final de 1990, caindo para níveis semelhantes aos da Europa Ocidental em 1997-98 (ou seja, para cerca de 10 por cento).

A percentagem de pessoas desempregadas, no entanto, subiu mais uma vez no início do século 21, subindo acima de 18 por cento em 2003, quando uma desaceleração da economia polaca foi acelerado por uma desaceleração econômica mundial.

Privatização de algumas das grandes indústrias da Polônia provou ser um processo lento. Sob o comunismo os principais ramos da indústria, serviços e comércio foram detidas diretamente pelo Estado.

Houve, no entanto, um setor surpreendentemente grande de auto-emprego legal, e pequenas empresas privadas, incluindo-oficinas, serviços e restaurantes, proliferaram. Além disso, cerca de três quartos das terras agrícolas da Polônia manteve propriedade privada.

Uma campanha de coletivização governo iniciado em 1949 foi abandonado em 1956. Após a queda do comunismo, a indústria ea agricultura tornou-se cada vez mais privatizado.

Ao início de 1990, mais de metade da economia polonesa era de propriedade privada, enquanto que mais de quatro quintos das lojas poloneses foram de propriedade privada.

A privatização de empresas maiores, foi mais complicado. Alguns destes foram transformadas em sociedades por ações e de responsabilidade limitada.

Para distribuir a propriedade em si, o Programa de Privatização missa foi introduzida em 1994, que criou 15 fundos de investimento nacionais (NIF) para servir como sociedades anônimas para mais de 500 empresas de grande e médio porte que foram privatizadas.

Poloneses foram capazes de comprar ações desses fundos a um preço nominal. Listada na Bolsa de Varsóvia, os NIF composto por uma ampla gama de empresas, e não apenas as empresas ou grupos de empresas, e isso permitiu que os cidadãos possuem um interesse diversificado nas principais indústrias poloneses.

Em 2001, mais de 6.800 empresas estatais tinha sido envolvido no processo de privatização, o setor privado foi responsável por mais de 70 por cento do PIB.

Desenvolvimento sob o governo comunista sublinhou a natureza sem classes e da sociedade proletária, no entanto, a elite do Partido desfrutou de uma série de privilégios disponível para trabalhadores comuns.

No pós-comunista na Polônia, como empresas privadas proliferaram, um pequeno número de pessoas tornaram-se ricos, e uma classe média composta de empresários e profissionais urbanas surgiram.

No entanto, muitas pessoas, em particular os de renda fixa, sofreram fortes quedas em seu padrão de vida. Crime, uso de drogas e corrupção também aumentou, mas tais problemas não são incomuns no resto da Europa.

Além disso, uma maior riqueza foi encontrada em províncias ocidentais próximos Alemanha do que nos distritos do leste perto de Belarus e Ucrânia.

Como ele fez a transição para a privada propriedade e da economia de mercado, a Polônia tornou-se cada vez mais envolvidos com organizações internacionais econômicas e políticas. Em 1991, juntou-se ao Conselho da Europa , em 1995, tornou-se membro da Organização Mundial do Comércio e, em 1996, entrou para a Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento .

Ela ganhou a adesão plena na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), em 1999, junto com a Hungria ea República Checa. Um membro associado da União Europeia (UE) desde 1994, na Polônia ascendeu a adesão plena em 2004.

Educação

Escolas de todos os tipos e em todos os níveis são livres, o sistema de ensino é padrão, e atendimento de etária de 7 a 18 anos é obrigatório. O sistema, reformada em 1999, inclui creche, primária (seis graus), e escolas secundárias.

Existem dois níveis de escolas secundárias, o gimnazjum (notas 7 a 9) ea liceum (dois a quatro anos adicionais). Vários tipos de escolas de nível superior secundárias oferecem formação profissional, formação técnica e educação preparatória para a faculdade geral.

Em geral, todas as escolas estão sujeitas ao Ministério da Educação Nacional, mas as escolas e faculdades médicas estão sujeitas ao Ministério da Previdência da Saúde e Social, colégios militares para o Ministério da Defesa Nacional, e as escolas superiores de arte para o Ministério da Cultura e Artes.

Um número considerável de escolas particulares de todos os níveis (incluindo faculdades) surgiu na década de 1980 e 90.

Universidades proeminentes incluem a Universidade de Varsóvia (fundada 1818), a Universidade Jagiellonian (1364), em Cracóvia, Adam Mickiewicz University (1919) em Poznan, e na Universidade Católica de Lublin (1918; 1945-1989 universidade o único privado na União Soviética bloco).

A maior instituição acadêmica é da Academia Polonesa de Ciências, que tem numerosos institutos de pesquisa e representa aprendizagem polonês no exterior.

Fonte: www.britannica.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.