Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  África do Sul  Voltar

África do Sul

 

O povo de San foram os primeiros colonizadores, as tribos Khoikhoi e de língua bantu seguido.

O holandês East India Company desembarcaram os primeiros colonizadores europeus no Cabo da Boa Esperança em 1652, o lançamento de uma colônia que até o final do século 18 eram apenas cerca de 15.000.

Conhecido como bôeres ou africânderes, e falando um dialeto holandês conhecido como Português, os colonos já em 1795 tentou estabelecer uma república independente.

África do Sul
África do Sul

Depois de ocupar a Colônia do Cabo, naquele ano, a Grã-Bretanha tomou posse permanente, em 1815, no final das Guerras Napoleônicas, trazendo 5.000 colonos. Aportuguesamento do governo e do.

A libertação dos escravos, em 1833, levou cerca de 12.000 Afrikaners para fazer a "grande jornada" norte e leste em território tribal Africano, onde estabeleceram as repúblicas do Transvaal e do Estado Livre de Orange.

A descoberta de diamantes e ouro em 1867, nove anos depois trouxe um afluxo de "forasteiros" nas repúblicas e estimulou Colônia do Cabo o primeiro-ministro Cecil Rhodes para traçar anexação.

O Esquema de Rhodes de provocar um "forasteiro" rebelião, para que um partido armado sob Leander Starr Jameson montaria para o resgate, acabou falhando em 1895, forçando Rhodes a renunciar.

O que expansionistas britânicos chamaram a guerra "inevitável" com os Boers eclodiu em 11 de outubro de 1899.

A derrota dos Boers em 1902 levaram, em 1910, para a União da África do Sul, composta por quatro províncias, as duas ex-repúblicas, e no Cabo de idade e colônias de Natal. Louis Botha, Boer, tornou-se o primeiro-ministro. Organizado atividade política entre os africanos começou com a criação do Congresso Nacional Africano em 1912.

Independência da África do Sul é manchada por Apartheid

Jan Smuts Christiaan trouxe a nação na Segunda Guerra Mundial ao lado dos Aliados contra a oposição nacionalista, e África do Sul se tornou um membro fundador da Organização das Nações Unidas em 1945, mas ele se recusou a assinar a Declaração Universal dos Direitos Humanos. -Apartheid racial separação dominadas por políticas internas, enquanto os nacionalistas ganharam poder e impôs restrições maiores sobre Bantus (africanos negros), asiáticos e mestiços (na África do Sul o termo significava qualquer pessoa não-branca). Eleitores negros foram removidos a partir dos rolos de votantes em 1936. Durante o próximo meio século, a população não-branca da África do Sul foi forçado a sair de áreas designadas brancos. Áreas do grupo Atos de 1950 e 1986 forçou cerca de 1,5 milhões de africanos para se deslocar de cidades para cidades rurais, onde viviam em extrema pobreza sob as leis repressivas.

África do Sul declarou-se uma república em 1961 e cortou seus laços com a comunidade, que opôs fortemente às políticas racistas do país. A supremacia branca Partido Nacional, que chegara ao poder em 1948, continuaria a sua regra para as próximas três décadas.

Em 1960, 70 manifestantes negros foram mortos durante uma manifestação pacífica em Sharpesville. O Congresso Nacional Africano (ANC), a organização antiapartheid principal, foi banido naquele ano, e, em 1964, seu líder, Nelson Mandela, foi condenado à prisão perpétua. Protestos negros contra o apartheid se tornou mais forte e mais violento. Em 1976, uma rebelião na área de negros de Soweto se espalhou para outras cidades negras, e deixou 600 mortos. A partir dos anos 1960, a oposição internacional ao apartheid intensificou. A ONU impôs sanções, e muitos países desfez suas participações Sul Africano.

Aderência do apartheid na África do Sul começou a ceder quando FW de Klerk substituiu PW Botha como presidente em 1989. De Klerk retirou a proibição do CNA e lançou o seu líder, Nelson Mandela, depois de 27 anos de prisão. O Partido da Liberdade Inkatha, um grupo de oposição negra liderado por Mangosuthu Buthelezi, que era visto como colaborar com o sistema de apartheid, frequentemente entrou em choque com o ANC durante este período.

Apartheid é abolida; Mandela torna-se presidente

Em 1991, um fórum multirracial liderada por De Klerk e Mandela, a Convenção para uma África do Sul Democrática (CODESA), começou a trabalhar em uma nova Constituição. Em 1993, uma constituição provisória foi aprovada, que desmantelou o apartheid e previa uma democracia multirracial com a regra da maioria. A transição pacífica da África do Sul a partir de uma das sociedades mais repressivas do mundo em uma democracia é uma das histórias do século 20 mais notável sucesso. Mandela e De Klerk foram conjuntamente premiado com o Prêmio Nobel da Paz em 1993.

A eleição de 1994, uma primeira do país multirracial, resultou em uma grande vitória para Mandela e sua ANC. O novo governo inclui seis ministros do Partido Nacional e três do Partido da Liberdade Inkatha. Uma nova constituição nacional foi aprovado e adoptado em Maio de 1996.

Em 1997, a Comissão de Verdade e Reconciliação, presidida por Desmond Tutu, começaram as audiências relativas a violações de direitos humanos entre 1960 e 1993. A comissão prometeu anistia para aqueles que confessaram seus crimes sob o regime do apartheid. Em 1998, FW de Klerk, PW Botha, e os líderes do ANC apareceu perante a comissão, ea nação continuou a lutar com seu processo esclarecido, mas muitas vezes dolorosa e divisionista de recuperação nacional.

Mbeki assume o lugar de Mandela

Nelson Mandela, cujo mandato como presidente cimentou a sua reputação como um dos estadistas mais clarividentes e magnânima do mundo, se aposentou em 1999. Em 2 de junho de 1999, Thabo Mbeki, o presidente pragmática deputado e líder do ANC, foi eleito presidente em um deslizamento de terra, já tendo assumido muitas das responsabilidades que regem Mandela.

Em seu primeiro mandato, Mbeki lutou com uma economia em declínio e uma taxa de criminalidade dispararam. África do Sul, o país com o maior número de pessoas HIV positivas no mundo (6,5 milhões em 2005), tem sido prejudicada no combate epidemia de vistas polêmicos seu presidente. Mbeki negou a relação entre HIV e SIDA e afirmou que o Ocidente tem exagerado a epidemia para aumentar os lucros da droga. A comunidade internacional, bem como a maioria dos líderes sul-Africano, incluindo Nelson Mandela e Desmond Tutu, condenaram a posição de Mbeki. Em 2006, 60 cientistas internacionais chamado políticas do governo "desastrosa e pseudo-científica".

Como esperado, em 15 de abril de 2004, o Congresso Nacional Africano venceu a eleição geral da África do Sul em um deslizamento de terra, levando cerca de 70% dos votos, e Thabo Mbeki foi empossado para um segundo mandato.

Em dezembro de 2007, Nacional Africano Comitê delegados escolheu Jacob Zuma como seu líder, afastando Mbeki, que tinha estado no controle do partido nos últimos dez anos. Zuma foi absolvido de acusações de estupro em 2006. No final de dezembro, o Ministério Público reabriu as acusações de corrupção contra Zuma e ordenou-lhe que enfrentar um julgamento por "várias acusações de extorsão, lavagem de dinheiro, corrupção e fraude." Ele foi acusado de aceitar mais de 440.000 dólares em subornos em troca de ajudar um amigo, Schabir Shaik, seguro $ 5 bilhões em um negócio de armas e contratos governamentais. Os advogados de Zuma acusou Mbeki de tentar sabotar a carreira política de Zuma. Um juiz da Alta Corte rejeitou as acusações de corrupção contra Zuma, em setembro de 2008, dizendo que o governo mishandled a acusação. O juiz também criticou o presidente Mbeki para tentar influenciar o julgamento de Zuma.

Motlanthe serve como presidente "interino" e a oposição ao ANC cresce

Sob a pressão de líderes do Congresso Nacional Africano (ANC), Mbeki anunciou que deixaria o cargo poucos dias depois de Zuma foi inocentado. Enquanto líder do partido, citado suposta interferência de Mbeki no caso de corrupção contra Zuma, renúncia de Mbeki culminou vários anos de lutas internas amarga entre Zuma e Mbeki, o que levou a discórdia no ANC. Em 25 de setembro, o Parlamento elegeu Kgalema Motlanthe, um líder operário que foi preso durante o apartheid, como presidente. Zuma deve ser um membro do Parlamento antes que ele possa ser eleito presidente. As eleições parlamentares são esperados no início de 2009.

Em seu primeiro dia como presidente, Motlanthe agiu para se mover além da resistência de Mbeki à utilização de métodos modernos e eficazes, como os medicamentos antirretroviral, para enfrentar sua crise da AIDS através da substituição de saúde da África do Sul-ministro, Manto Tshabalala-Msimang, que sugeriu que o alho, limão suco, e beterraba pode curar a Aids, com Barbara Hogan. "A era da negação terminou", disse ela. Mais de 5,7 milhões de sul-africanos são soropositivos, o maior número de qualquer país no mundo.

Em novembro, cerca de 6.400 membros dissidentes do ANC realizou uma convenção em Joanesburgo e decidiram formar um novo partido que vai desafiar a liderança do ANC. Os delegados, muitos dos quais apoiaram o ex-presidente Mbeki, expressou sua insatisfação com a liderança do partido, chamando-o de corrupto, autoritário e "podre". Em dezembro, o novo partido, o Congresso do Povo (COPE), selecionado ex-ministro da Defesa Mosiuoa Lekota como seu presidente.

Zuma assume a presidência

Supremo Sul-Africano do Tribunal reintegrado acusações de corrupção contra Zuma em janeiro de 2009, dizendo que um tribunal inferior tinha "ultrapassado" a sua autoridade para afastar as acusações. No entanto, autoridades judiciárias do país retirou todas as acusações contra Zuma, em abril, cerca de duas semanas antes das eleições nacionais, citando "o abuso intolerável" por investigadores que eram leais ao ex-presidente Mbeki.

Na eleição geral de abril, o partido no poder, o Congresso Nacional Africano, ganhou apoio maciço, tendo 65,9% dos votos, pouco menos de uma maioria de dois terços, o que é necessário para mudar a Constituição. Parlamento eleito presidente Zuma, em maio.

Geografia

África do Sul, no extremo sul do continente, faz fronteira com o Oceano Atlântico, a oeste e pelo Oceano Índico, a sul e leste. Seus vizinhos são Namíbia, no noroeste, Zimbabwe e Botswana, no norte, e em Moçambique e Suazilândia no nordeste. O reino do Lesoto forma um enclave na parte sudeste da África do Sul, que ocupa uma área quase três vezes maior do que na Califórnia.

O ponto mais ao sul da África é Cabo Agulhas, situado na província de Western Cape cerca de 100 milhas (161 km) a sudeste do Cabo da Boa Esperança.

Governo

República.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

África do Sul

Nome completo: República da África do Sul
Capital:
Pretória, Bloemfontein e Cidade do Cabo
Maior cidade:
Joanesburgo
Área:
1,22 milhões de quilômetros quadrados (470.693 milhas quadradas)
Idioma:
africâner, inglês e línguas tribais
Principais idiomas:
11 línguas oficiais, incluindo Inglês, Afrikaans, Sesotho, Setswana, Xhosa e Zulu
Principal religião:
Cristianismo, Islamismo, crenças indígenas
Moeda:
rand sul-africano
Clima:
mediterrâneo, árido, polar de altitude e savana
Fuso horário (UTC):
+2

Dos vastos desertos da costa oeste às densas florestas subtropicais da costa leste, a África do Sul é conhecida pelos seus extraordinários contrastes cênicos.

O país abrange regiões litorâneas, montanhas, rios, lagos, lagoas, desertos semi-áridos, imensa, de savanas e caatingas. Esta riqueza fenomenal de ambientes naturais sustenta uma variedade incalculável de flora e fauna.

São mais de 290 espécies de animais, desde o minúsculo musaranho pigmeu até o enorme e imponente elefante africano.

O país ainda conta com 800 espécies de aves e numerosas espécies de plantas. Estas atrações naturais privilegiadas em um país de infra-estrutura turística altamente avançada – com excelentes hotéis e atendimento eficiente e acolhedor proporcionam um incomparável destino turístico.

A África do Sul é o país mais meridional da África, limitado a norte pela Namíbia, por Botswana e pelo Zimbábue, a leste por Moçambique e pela Suazilândia, a leste e a sul pelo Oceano Índico e a oeste pelo Oceano Atlântico, e rodeando por completo o Lesoto.

As três capitais são: Pretória, Cidade do Cabo e Bloemfontein.

PETRÓIA: Capital administrativa
CAPE TOWN:
Capital legislativa
CAPITAL JURIDICA:
Bloemfontein

História da África do Sul, e também a Cronologia da História da África do Sul. Os primeiros navegadores europeus, portugueses principalmente, chegaram à África do Sul no século XV. Diogo Cão alcançou a costa sul-africana em 1485 e em 1488 foi a vez de Bartolomeu Dias.

A História do país, propriamente dita, começa no século XVII com a ocupação permanente da região do Cabo da Boa Esperança pelos holandeses. Em 1909, a união das colônias britânicas de Cabo, Natal, Transval e Orange River origina a nação da África do Sul.

De 1948 a 1993/1994, a estrutura política e social é baseada no Apartheid, o sistema legalizado de discriminação racial que manteve o domínio da minoria branca nos campos político, econômico e social.

Em 1983, é adotada uma nova Constituição que garante uma política de direitos limitados às minorias asiáticas, mas continua a excluir os negros do exercício dos direitos políticos e civis. A maioria negra, portanto, não tem direito de voto nem representação parlamentar. O partido branco dominante, durante a era do Apartheid, é o Partido Nacional, enquanto a principal organização política negra é o Congresso Nacional Africano (ANC), que durante quase cinqüenta anos foi considerado ilegal.

Mais tarde, em 1990, sob a liderança do presidente F. W. de Klerk, o Governo sul-africano começa a desmantelar o sistema do Apartheid, libertando Nelson Mandela, líder do ANC, e aceitando legalizar esta organização, bem como outras anti-Apartheid.

Os passos seguintes no sentido da união nacional são dados em 1991. A abertura das negociações entre os representantes de todas as comunidades, com o objetivo de elaborar uma Constituição democrática, marca o fim de uma época na África do Sul.

Em 1993, o Governo e a oposição negra acordam nos mecanismos que garantam a transição para um sistema político não discriminatório. É criado um comitê executivo intermediário, com maioria negra, para supervisionar as primeiras eleições multipartidárias e multirraciais, e é criado, também, um organismo que fica encarregado de elaborar uma Constituição que garanta o fim do Apartheid.

Em Abril de 1994 fazem-se eleições multirraciais para o novo Parlamento. O ANC ganha as eleições e Nelson Mandela, formando um Governo de unidade nacional, torna-se o primeiro Presidente sul-africano negro. Em 2004, ano em que Thabo Mbeki completou cinco anos como sucessor de Nelson Mandela, o Presidente da República da África do Sul prometeu acabar com toda a violência de caráter político que ainda possa existir no país.

História

Ir de encontro a África do Sul, conhecer sua história, a vida de seus habitantes, seus hábitos e costumes, sua cultura, o modo de ser do povo. Com a sua capital administrativa, a cidade de pretória é a sede do governo.

A África do Sul, com uma população de cerca de 40 milhões de habitantes, está situado ao sul do continente africano, banhado pelos oceano Índico e o atlântico, possui suas principais cidade, a capital , Pretória, a cidade de Johannesburgo, a cidade do Cabo, junto ao mar, a cidade de Durban, voltada para o oceano Índico.

Com belas praias, e como referência turística a Sun City, que vem a ser um grande centro turístico, que recebe turistas de todo o mundo, com uma completa infra estrutura, movimentada o ano inteiro, devido aos investimentos na área do turismo, proporcionando um salto no desenvolvimento turístico da África do Sul, assim como a Copa de 2010, que abrirá as portas para o mundo.

Serão turistas de todas as nacionalidades visitando este país, assim como será vista por milhões de telespectadores, acompanhando os jogos pela televisão, para este grande evento esperado.

O idioma na África do Sul é o inglês, o africâner, entre outros, porém o inglês é o predominante, devido a antiga colonização que ocorreu junto a este país pela Inglaterra.

A África do Sul, é caracterizada pelas suas planícies desérticas, possui áreas montanhosas, e também com vegetação florestal, com sua variedade de flora, assim como rica em sua fauna, onde os turistas em seus roteiros turísticos participam de safarias, percorrendo o interior da África do Sul. Para saber em relação as estações do ano, o período do verão entre novembro e vai até o mês de março, já o inverno tem a duração a partir do mês de maio, vai até agosto.

O clima é predominantemente temperado, com diferenças em algumas partes do país, em determinadas regiões da África do Sul, tem-se junto ao litoral, no extremo sul, junto a cidade do Cabo um clima com característica de mediterrâneo.

Resumo

Os Holandeses colonizaram a África do Sul em 1652 pelo Cabo da Boa Esperança. No século XIX houve competições pelas terras entre Clãs Bantos provocando conflitos sangrentos e gerando varias nações.

Entre 1795 e 1806 os britânicos ocuparam a região do Cabo, comprando-a mais tarde, com isso, os Africanos ficaram com receio provocando assim o grande Trek.

Em 1843 os britânicos transformaram o território bôer de Natal em possessão britânica. Depois desse acontecimento os africânderes abandonaram o Natal e se dirigiram para o oeste e para o norte onde fundaram o estado Livre de Orange e a republica Transvoal.

No ano de 1856, Natal tornou-se colônia Britânica, e em 1872 a colônia do Cabo ganhou o regime autogoverno. Em 1867 os britânicos descobriram diamantes retomando seu expansionismo, declarando a Basutolandia (atual Lesoto) protetorado da coroa.

A relação entre Cabo e Bôeres acabou em 1899 iniciando a guerra dos Boêres.

Em 1961, foi adotado oficialmente a dominação de República da África do Sul.

Fonte: www.geocities.com

África do Sul

POPULAÇÃO E COSTUMES

África do Sul está formada por comunidades tradicionais e desenvolvidas, povos de origem nativa e européia ou asiática com idiomas e valores espirituais e estéticos diferentes. África do Sul tem três capitais Bloemfoutein, O Cabo e Pretória.

África do Sul é um país rico em culturas.

A população total é de 42.446.0000 habitantes, segundo um censo realizado em 1997, composta de uma variedade de raças: pretos, brancos, índios e mestiços.

As principais etnias são:

Aborígenes bosquimanos do oeste, um povo que vive da caça
Khorkhoin, também bosquimanos dedicados ao pastoreio
Pretos, chegados em sucessivas ondas do norte, dividem-se em nguni (zulúes), sotho-tswana, os tsonga e os venda
Brancos:
composto por holandeses, alemães e franceses (depois seriam "afrikaners")
Mestiços, escravos da África Ocidental, Madagascar, Índia, Indonésia e Malásia; e por último os Asiáticos.

Fazem apenas três séculos os bosquimanos, cujo nome significa "homens da selva", viviam espalhados pela África Austral, nas selvas, sendo nômades por natureza. Depois foram afastados para o norte e por fim confinados a viver no Deserto do Kalahari e as imediações, mas após criar-se o Parque Nacional Kalahari Gemsbook têm sido condenados a vagar de um lado para outro em procura de trabalho e comida. Perto de 2.000 seguem em seu estado natural, os outros cem mil têm sido sedentarizados. Os bosquimanos vivem em África do Sul em Kagga Kamma, perto do deserto do Karoo, próximo a cidade do Cabo, onde tiveram que se adaptar a novas formas de vida.

GASTRONOMIA

A comida sul africana é do estilo inglês. Destacam as carnes e os mariscos. Produzem bons vinhos tintos e brancos além de vinhos doces. Destacam os sosaties, brochetas de carne, bobotie, carne com molho ao curry, bredies, diversas caçarolas de verduras e lagostas.

COMPRAS

O mais interessante são os diamantes. Nas cidades pode-se comprar qualquer cosa. Os produtos mais procurados são carteiras de crocodrilo, diamantes e outras pedras preciosas. Para comprar alta confecção há numerosas boutiques. Existem também lojas de antigüidades com móveis do estilo inglês e holandês e numerosos objetos de joalheria, mapas antigos e outras curiosidades.

Os artesãos fabricam também joalharia antiga de filigrana, saris de seda e ornamentos orientais. Os mercados são lugares ideais para procurar artesanato africano e elegantes artigos étnicos. Outro dos produtos interessantes são as conchas marinhas que podem-se comprar nos barracos do lado da praia.

ENTRETENIMENTO

África do Sul é um lugar cheio de surpresas. Como entretenimento pode-se desfrutar de magníficos paisagens, relaxar sob o sol em esplêndidas praias. Os excursionistas podem desfrutar ao ar livre e admirar a beleza natural, seguir os senderos da montanha e escalar cumes.

Conta com numerosos parques e reservas de animais. Muitos deles organizam safaris, uma forma de estar em contato com a natureza. Algunas reservas têm serviço de veículos de terreno. O mais recomendável é realizar um safari fotográfico.

Os lugares de entretenimento são de um alto nível. Pode-se escolher cuzinha internacional em hotéis de categoria ou ir a um pequeno restaurante; degustará a comida chinesa, japonesa, francesa, italiana, mexicana e indiana, e também a comida típica sul africana.

FESTIVIDADES

Festejam as festas cristãs protestantes além de celebrar algumas festas civis como são os dias: 6 de Abril, o Dia dos Fundadores; o 1 de Maio, o Dia do Trabalho; o 31 de Maio, Dia da República; 10 de Outubro, Dia de Kruger; 16 de Dezembro, Dia do Voto.

No mês de julho celebra-se o Festival Nacional de Arte, a feira anual de arte mais importante do país. Celebra-se também o Festival Nacional de Estudantes de Teatro.

TRANSPORTES

Avião: África do Sul conta com três aeroportos internacionais (Johanesburgo, Durbam e cidade do Cabo), além de outros aeroportos principais. Suas linhas aéreas africanas oferecem uma ampla rede de serviços aéreos entre as principais cidades do mundo. A Linha Aérea nacional é South Africam Airways.
Barco:
99% de todas as importações e exportações entre África do Sul e países não africanos é feita via marítima. Todos os portos têm conexões de trem e estradas para o interior do país.
Trem:
Igual que a rede viária, a rede de ferro também é de boa qualidade. Tem uns dos melhores trens do mundo.
Ônibus:
Entre as cidades e povoados há ônibus. Existe um serviço de ônibus de luxo para turistas.
Carro:
O sistema vial é de alta qualidade. A rede viária liga os principais centros urbanos e outros países. Possui 200.000 quilômetros de caminhos primários; 45.000 de caminhos asfaltados e 240.000 de terciários.
Transporte Público:
Existem ônibus nas principais cidades e que cobrem os principais bairros. Há também pequenos mini-ônibus ou combis. Nos aeroportos pode-se pegar facilmente táxi, pode solicitá-los por telefone ou pegá-los nas paradas oficiais ou na rua.

Fonte: www.rumbo.com.br

África do Sul

A África do Sul é um país da África Austral.

A capital administrativa é Pretória.

A principal religião é o Cristianismo.

As principais línguas são o Inglês, Africâner, Zulu, Xhosa e outras línguas Africanas.

Comerciantes Holandeses desembarcaram na ponta sul da atual África do Sul em 1652 e estabeleceram um ponto de paragem na rota das especiarias entre a Holanda e o Extremo Oriente, fundando a cidade de Cape Town. Depois que os Ingleses controlaram a área do Cabo da Boa Esperança em 1806, muitos dos colonos Holandeses (Boers) seguiram norte para fundar suas próprias repúblicas. As descobertas de diamantes (1867) e do ouro (1886) estimularam a riqueza e a imigração e intensificaram a subjugação dos habitantes nativos. Os Boers resistiram às invasões Britânicas, mas foram derrotados na Guerra dos Bôeres (1899-1902); no entanto, os Britânicos e os Afrikaners, como os Boers tornaram-se conhecidos, governaram em conjunto começando em 1910 sob a União da África do Sul, que se tornou uma república em 1961 depois de um referendo só de brancos. Em 1948, o Partido Nacional foi eleito ao poder e instituiu uma política de apartheid - o desenvolvimento separado das raças - que favorecia a minoria branca em detrimento da maioria negra.

O Congresso Nacional Africano (ANC) liderou a oposição ao apartheid e muitos líderes do ANC, como Nelson Mandela, passaram décadas em prisões da África do Sul.

Protestos internos e insurgência, assim como boicotes por parte de alguns países e instituições ocidentais, levaram à eventual vontade do regime para negociar uma transição pacífica para o governo da maioria. As primeiras eleições multi-raciais em 1994 puseram fim ao apartheid e introduziram a regra da maioria sob um governo liderado pelo ANC. A África do Sul desde então tem lutado para resolver os desequilíbrios da era do apartheid na habitação condigna, na educação e na saúde. As lutas internas no ANC, que têm crescido nos últimos anos, vieram à tona em Setembro de 2008 quando o Presidente Thabo Mbeki renunciou, e Kgalema Motlanthe, o Secretário-Geral do partido, sucedeu-o como presidente interino. Jacob Zuma tornou-se presidente após o ANC ganhar as eleições gerais de Abril de 2009. Em Janeiro de 2011, a África do Sul assumiu um assento não-permanente no Conselho de Segurança da ONU para o período 2011-12.

A República da África do Sul juntou-se à lista de países com governos eleitos democraticamente em Abril de 1994. Nelson Mandela, o líder do Congresso Nacional Africano (ANC), foi empossado como presidente do estado e chefe do provisório Governo da Unidade Nacional da nação em Maio daquele ano.

Assim terminaram três séculos de controle branco e 46 anos de domínio do Partido Nacional, que tinha segregado a maioria negra da África do Sul sob o sistema de separação racial conhecido como apartheid. O apartheid discriminava os negros e pessoas de outras raças e mestiços em favor dos brancos. Ele dava aos brancos mais direitos à propriedade, educação, habitação e empregos. Ele proibia os negros de votar. E ele limitava as pessoas de descendência Asiática e mestiça à uma câmara separada no parlamento.

Os governos pós-apartheid da África do Sul têm guiado o país por uma ampla transição pacífica para a democracia. Mas o país ainda está lutando para superar o legado do apartheid. A economia da África do Sul é a mais desenvolvida da África. Mas o país tem muitas pessoas pobres. Além disso, ele é um dos países mais afetados pela pandemia do HIV/AIDS.

Terra

A África do Sul está localizada no extremo sul do continente Africano. Ela é limitada a nordeste pela Suazilândia e Moçambique; no norte pela Botswana e o Zimbabwe; e ao sul com a Namíbia, que governou até 1990. A pequena nação do Lesoto está completamente rodeada pela África do Sul.

O Alto Planalto

Grande parte da África do Sul é um planalto levemente ondulado subindo para entre 4.000 e 6.000 pés (1.220 e 1.830 m) acima do nível do mar. Afloramentos isolados de granito de rocha (kopjes) e áreas montanhosas como os Soutpansberg crescem acima da estepe. A seção mais ao norte, o Bushveld, é coberta por savanas tropicais e arbustos.

A parte central e maior, o Highveld, contém uma abundância de minerais - ouro, diamantes, carvão, platina e minério de ferro - e algumas das fazendas mais prósperas e cidades movimentadas da Africa do Sul. Seu limite norte é uma crista leste-oeste de montes chamada de Witwatersrand ("crista da água branca"), onde o ouro foi descoberto em 1886 e continua a ser minado. Em direção ao sudoeste o planalto é principalmente de estepes áridas com gramíneas curtas. Entre o Highveld e a costa da Província do Cabo Ocidental estão os matos secos do Grande e do Pequeno Karroos e uma série de longas e estreitas cadeias de montanhas incluindo o Langeberg e o Swartberg.

A Grande Escarpa e as Regiões Costeiras

O alto planalto interior é separado das regiões costeiras estreitas pelas Drakensberg ("montanhas do dragão") e sua escarpada e às vezes compassada face leste conhecida como a Grande Escarpa. Uma série de picos, incluindo o Castelo do Champagne e o Mont-aux-Sources, crescem para mais de 10.000 pés (3.000 m). Aqui as neves do inverno pesado não são incomuns, e as chuvas são pesadas. Uma estreita planície com colinas se estende ao longo da costa do Oceano Índico de KwaZulu/Natal para o Cabo da Boa Esperança. Surgindo atrás de Cape Town está a Montanha da Mesa (cerca de 3.550 pés; 1.085 m). Esta isolada montanha de topo achatado está frequentemente coberta de nuvens. A costa ocidental é uma extensão escassamente povoada do Deserto da Namibia.

Rios

A África do Sul carece de rios navegáveis, embora tenha muitos rios corredeiras que caem sobre a Grande Escarpa. Algumas dessas geram eletricidade e irrigam o açúcar, sisal e algodão na província de KwaZulu/Natal, e o abacaxi e fazendas de frutas cítricas na Província do Cabo Oriental. Dois grandes rios drenam o planalto Sul-Africano, o Orange e o Limpopo. O Orange, maior rio da África do Sul, nasce no Drakensberg e flui oeste para o Atlântico. Ele é acompanhado por seu principal afluente, o Vaal, próximo a Kimberley. O Limpopo serve de fronteira com Botswana e o Zimbabwe antes de desaguar no Oceano Índico através de Moçambique.

Clima

Porque a África do Sul fica ao sul do equador, os meses de inverno são Junho, Julho e Agosto. No inverno, o planalto é fresco e ensolarado durante o dia; as temperaturas noturnas, por vezes, caem abaixo de zero. O verão no planalto é quente, mas raramente fica muito quente por causa da altitude. A maioria das chuvas no planalto caem como trovoadas durante o verão. As secas podem ser mais frequentes, prolongadas e severas.

A Província do Cabo Ocidental tem um clima Mediterrâneo. O inverno é frio e chuvoso, e os verões são quentes, ensolarados, e geralmente secos. As condições do deserto se estendem ao longo da costa Atlântica ao norte de Cape Town, onde a Corrente de Benguela mantém as temperaturas amenas. Ao longo da costa leste, a corrente quente do Oceano Índico ajuda a criar um clima subtropical. Aqui os verões são quentes e úmidos, e os invernos são suaves e agradáveis - não muito diferente do sul da Flórida. A maioria da chuva cai no verão.

Cidades

A África do Sul tem algumas das cidades maiores e mais modernas do continente. Johannesburgo, Cape Town, e outras têm arranha-céus impressionantes, edifícios de apartamentos altíssimos, indústrias modernas, e subúrbios extensivos para as classes ricas e média.

O país também tem algumas das piores favelas da África, e uma característica associada com a época do apartheid - vastas vilas lotadas construídas para abrigar os trabalhadores industriais não-brancos da cidade. Como parte de uma mistura do núcleo das cidades outrora brancas com suas áreas não-brancas ao redor no início do século 21, Durban tornou-se parte do novo município de eThekwini, Bloemfontein parte de Mangaung, East London parte de Buffalo City, Germiston parte de Ekurhuleni, Pietermaritzburg parte de Msunduzi, Port Elizabeth parte de Nelson Mandela, e Pretória parte de Tshwane.

Joanesburgo e o seu município satélite, Soweto, são parte da maior aglomeração urbana da África do Sul, conhecida como Witwatersrand, ou o Rand. É o centro manufatureiro, da mineração e comercial do país. O centro de Joanesburgo tem escritórios modernos, centros de convenções, hotéis, arranha-céus, e lojas de departamento. A cidade é a sede da bolsa de valores da África do Sul e da South African Broadcasting Corporation, e a casa da Universidade de Witwatersrand.

Cape Town, a cidade mais antiga da África do Sul, está localizada no sopé da Montanha da Mesa defrontando a Baía da Mesa e o Oceano Atlântico. Nas encostas da montanha está o Groote Schuur Estate, que Cecil Rhodes, o ex-primeiro ministro da Colônia do Cabo, deixou para o país. A propriedade inclui a Universidade de Cape Town; o Hospital de Groote Schuur, onde o primeiro transplante de coração humano do mundo foi realizado; e a casa do presidente quando o Parlamento está em sessão. Cape Town é a capital legislativa da África do Sul. Os edifícios do Parlamento ficam no centro da cidade, em frente ao histórico Jardim Botânico fundado por Jan van Riebeeck em 1652. O transporte marítimo, a manufatura e o turismo são as indústrias importantes.

Pretória, capital administrativa do país, tornou-se parte do município de Tshwane. Seus escritórios do governo são dominados pelos Union Buildings, que estão em jardins terraços em uma colina com vista para a cidade. O Monumento Voortrekker, erguido em 1949 e em pé de destaque na outra colina, lembra a conquista e a dominação Boer.

Durban, agora parte do município de eThekwini, é o maior porto da África do Sul e um grande centro manufatureiro, educacional e comercial. Suas principais indústrias incluem o refino de petróleo, abastecimento de carvão, a pesca, e o reparo de comboios ferroviários. As praias, o surf, e o clima subtropical de Durban atraem muitos turistas. Durban tem uma das maiores comunidades Indianas fora da Ásia.

Bloemfontein é a capital judicial da África do Sul. É também um importante centro industrial e comercial, a capital da Free State Province (antigo Estado Livre de Orange), e a casa da Universidade do Estado Livre. Ela foi absorvida pelo município maior de Mangaung em 2000. Outras cidades principais são os portos de East London (em Buffalo City), Port Elizabeth (hoje Nelson Mandela), e Richards Bay, e Kimberley, mundialmente famosa por seus diamantes.

População

A África do Sul é um país de quase 50 milhões de pessoas. A sua população é multirracial e multicultural. Cerca de 80% dos habitantes são Africanos negros, 10% são de origem Europeia; 9% são misturados Africanos e outras raças; e os restantes são Asiáticos, principalmente da extração Indiana.

A maioria dos negros Sul-africanos falam uma das principais línguas Bantu. A língua mais falada é o Zulu. Ela é seguida pelo Xhosa, Africâner, Sotho, Inglês, Sepedi e Setswana. Todas estão entre as onze línguas oficiais do país. Embora as línguas Bantu estão relacionadas, há diferenças entre elas. O Zulu e o Xhosa estão intimamente relacionados, como o são o Sotho e o Setswana.

Os Nguni primeiro estabeleceram-se na costa leste entre o Drakensberg e o Oceano Índico já em 1500, muito antes dos colonos brancos chegarem. O segundo-maior grupo negro Africano é o Sotho, composto pelos Lebowanos, Pedi, Tswana e Basotho. Os Sotho predominam no planalto interior. Os menores grupos de língua Bantu são os Venda e os Shangaan-Tsonga. Historicamente, havia muita rivalidade entre esses grupos, e o nacionalismo étnico e a lealdade continuam fortes. A maioria dos negros são Cristãos, pertencentes à mesma denominação dos Europeus e à várias seitas separatistas. Uma minoria significativa segue várias religiões indígenas tribais.

Quase metade dos negros da África do Sul vivem em áreas rurais, muitas vezes em situação de pobreza, sem água potável, eletricidade ou empregos. Os mais pobres são agricultores de subsistência, que podem possuir algum gado (de preferência de vacas) e cultivar milho (mealies) e outros vegetais. Não é incomum para as mulheres e crianças andarem vários quilômetros a cada dia para buscar água e lenha. Os Africanos rurais tendem a viver em pequenas aldeias e em propriedades rurais dispersas.

O desemprego entre os negros é muito alto. Ao longo dos anos, os negros têm sido atraídos pela necessidade de trabalhar em fazendas de proprietários brancos e nas minas, fábricas e casas dos Europeus. Na era do apartheid, eles eram obrigados a viver em bairros segregados. Homens solteiros e homens separados de suas famílias eram abrigados em albergues.

Os Sul-africanos brancos também são multiculturais e multilingues. Cêrca de 57% dos brancos Sul-africanos são Afrikaners, descendentes dos colonos originais que chegaram com a Companhia Holandesa das Índias Orientais em 1652 e se estabeleceram em torno de Cape Town. Sua língua, o Afrikaans, é derivado do Holandês. Sua fé dominante é a Igreja Reformada Holandesa.

O segundo-maior grupo branco é de fundo Inglês. Os Inglêses começaram a entrar na África do Sul após a região ficar sob controle Britânico em 1814. Mas não foi até o final do século 19, após a descoberta dos diamantes e do ouro, que um grande número de Inglêses chegaram. Historicamente, a maioria tem vivido nas cidades, trabalhando na mineração, na manufatura e no comércio. Por muitos anos, eles têm desfrutado os mais altos padrões de vida na África do Sul. Muitos dos oradores Inglêses pertencem à igeja Anglicana ou outras igrejas Protestantes e à Igreja Católica Romana.

Muitas pessoas de descendencia Indiana vivem em KwaZulu/Natal. Cerca de 70% deles são Hindus. O resto são de maioria Muçulmana. Os Indianos foram trazidos para a África do Sul pelos colonizadores Britânicos no final dos 1800s para trabalhar como trabalhadores contratados nas fazendas de açúcar de Natal. Hoje a maioria vive nas cidades e trabalham no comércio, nas finanças e na manufatura.

Educação e Saúde

Sob o apartheid, havia educação separada para cada grupo racial, e os brancos apreciavam as melhores instalações de ensino em todos os níveis. Os gastos com educação per-capita para os negros eram apenas 33% do que para os brancos, e muitos negros não freqüentavam a escola. O analfabetismo é maior nas áreas rurais, onde as escolas estão sub-financiadas, mal-equipadas, e inadequadamente providas de professores. Nas áreas urbanas, os boicotes de escola anti-aparthaid deixaram uma geração inteira de jovens negros sem educação. A educação gratuita e obrigatória para todos é um objetivo principal do governo. O país tem várias universidades pendentes, incluindo as Universidades de Cape Town, Stellenbosch, Pretoria, e Witwatersrand.

A África do Sul tem várias instalações médicas de classe mundial, que antes eram reservadas para os brancos. A taxa de mortalidade infantil dos negros é mais de seis vezes maior do que a dos brancos, e o governo está fazendo esforços enormes para prestar cuidados de saúde gratuitos para os negros. Mas o sistema de saúde está sendo desafiado pela epidemia da AIDS, que mata milhares de pessoas a cada ano.

Economia

A África do Sul é uma terra de contrastes econômicos. Cidades modernas e a agricultura coexistem lado a lado com favelas rurais e a agricultura de subsistência que pouco mudou ao longo dos séculos. No entanto, a economia da África do Sul é a mais rica e mais diversificada na África.

Serviços

Os serviços representam cerca de 66% do produto interno bruto (PIB) da África do Sul e empregam cerca do mesmo percentual de trabalhadores da nação. (O PIB é o valor de mercado total de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante um período de tempo, normalmente um ano). Os empregos de serviço incluem profissões como bancário, direito, serviços médicos, vendas, finanças e governo.

Manufatura e Mineração

A manufatura e a mineração respondem por cerca de 30% do PIB e empregam cerca de 25% dos trabalhadores da África do Sul. A manufatura inclui maquinaria, têxteis, produtos químicos, fertilizantes e alimentos. Grande parte da produção industrial do país é comercializada no mercado interno. Pretória-Witwatersrand-Vereeniging é o coração industrial do país. Outros centros fabris importantes são Cape Town, Durban, East London e Port Elizabeth - todos portos do litoral. Richards Bay foi desenvolvido ao norte de Durban, em meados dos anos 1970s para lidar com o rápido crescimento da produção industrial no Rand.

Os diamantes foram descobertos perto do Rio Orange nos 1860s e o ouro no Witwatersrand duas décadas depois. A África do Sul é o maior produtor mundial de platina, cromo, e ouro.

As cidades do Witwatersrand de Joanesburgo, Krugersdorp, e Springs continuam a ser as principais fontes de ouro, apesar de serem agora super-exploradas por minas em torno de Welkom, na Província do Estado Livre. As minas de ouro, como outras operações de mineração, são muito dependentes de trabalhadores negros migrantes das áreas rurais e dos estados vizinhos.

Os diamantes são encontrados em veios vulcânicos chamados kimberlitos e em depósitos fluviais conhecidos como aluviais. Os primeiros diamantes descobertos na África do Sul foram depósitos aluviais perto das margens do Rio Orange em Hopetown em 1867. Um veio de diamantes encontrado em Kimberley logo após detonou uma corrida de diamantes liderada por caçadores de fortunas Britânicos. O caos prevaleceu até Cecil John Rhodes organizar as minas em um grupo altamente rentável a que ele deu o nome de De Beers.

Agricultura

O setor agrícola - uma vez a maior parte da economia - é uma das partes menores hoje. No entanto, a produção agrícola da África do Sul continua a ser importante para os mercados interno e de exportação. Os principais produtos são o milho, aves, gado, frutas, cana de açúcar, e hortaliças. As principais exportações agrícolas são normalmente o açúcar e os citrus e outras frutas para a Europa, e o milho para os estados vizinhos Africanos.

O milho (alimento básico para os Africanos rurais) é tanto uma cultura comercial e de subsistência. Grandes fazendas de milho são encontradas nos arredores de Joanesburgo e na Província do Estado Livre. O trigo é outro cultivo comercial importante. Há enormes estados de açúcar, sisal, e propriedades de algodão em KwaZulu/Natal; abacaxi e fazendas de citrus perto de Port Elizabeth e East London; e vinhas e pomares de fruta perto de Cape Town.

A agricultura é severamente limitada pela luz, pela precipitação variável ao longo dos dois terços ocidentais do país, e pela terra montanhosa e solos erodidos no leste mais úmido. Os Karroos e o planalto do sudoeste são demasiados secos para nada, mas a criação de ovelhas.

A África do Sul tem 3 milhões de ovinos, a maioria dos quais são criados para a lã. Ela tem quase 14 milhões de bovinos, principalmente no norte e no leste. Os negros Africanos têm tradicionalmente criaado gado de prestígio e para puxar carroças e arados, ao invés de alimentos. O sobrepastoreio e a erosão do solo são problemas comuns nas áreas uma vez atribuídas à população negra da África do Sul.

Energia

A África do Sul é afortunada de ter os maiores depósitos de carvão na África. Estes depósitos estão localizados em Witbank, uma curta distância a leste de Joanesburgo, com os altos-fornos em Pretória.

A maior parte do carvão é queimada para produzir eletricidade, mas uma parte é transformada em óleo em Sasolburg na Província do Estado Livre, e alguma parte é exportada para a África Oriental através de Richards Bay. A África do Sul produz um pouco de petróleo e depende principalmente dos combustíveis fósseis, incluindo petróleo e carvão, para a energia. Ela também gera energia nuclear e está aumentando o percentual de energia fornecida por fontes renováveis.

A África do Sul tem sido o maior gerador de eletricidade do continente. No entanto, a crescente demanda doméstica tem contribuído para a falta de energia elétrica e, às vezes, tem causado a África do Sul de suspender as exportações de energia para seus vizinhos.

Comércio

A África do Sul negocia com diversos países. Ela exporta ouro, diamantes, platina, outros metais e minerais, e máquinas e equipamentos. A China, Estados Unidos, Japão e Alemanha estão entre os principais compradores das exportações da África do Sul. As importações do país incluem máquinas e equipamentos, produtos químicos, produtos petrolíferos, instrumentos científicos, e generos alimentícios. Entre as principais fontes destes produtos estão a China, a Alemanha e os Estados Unidos.

A república tem sido um importante fornecedor de bens para os seus vizinhos do sul da África por muitos anos. Agora que o apartheid foi desmontado e todas as sanções economicas impostas pelas Nações Unidas foram suspensas, o comércio e os investimentos se expandiram para o norte para a Nigéria, o Quênia e em outros lugares.

Transporte

A África do Sul tem sistemas de transporte que servem eficazmente as suas necessidades domésticas e habilitam-na ao comércio e interação com o resto da África.

Da comunicação

O sistema de telefonia da África do Sul é o mais moderno na África. Mais de 4 milhões de Sul-africanos usam a Internet.

Economia - visão geral:

A África do Sul é um mercado emergente de renda média com uma oferta abundante de recursos naturais; bem-desenvolvidos setores financeiro, jurídico, de comunicações, de energia e transportes; uma bolsa que é a 18º maior no mundo; e uma moderna infra-estrutura de apoio e distribuição relativamente eficientes de bens aos grandes centros urbanos em toda a região. O crescimento foi robusto 2004-2007 como a África do Sul colheu os benefícios da estabilidade macroeconômica e um boom global das commodities, mas começou a desacelerar no segundo semestre de 2007 devido a uma crise de energia elétrica e de impacto da crise global financeiro subsequente "dos preços das commodities e da demanda. PIB caiu quase 2% em 2009, mas se recuperou em 2010-12. O desemprego continua alto, em cerca de um quarto da força de trabalho e infra-estrutura ultrapassada tem restringido o crescimento. Estado fornecedor de energia Eskom encontrou problemas com plantas de envelhecimento e de demanda de eletricidade reunião necessitando de "redução de carga" cortes em 2007 e 2008 para os residentes e empresas nas principais cidades. Problemas econômicos permanecem da era do apartheid - especialmente a pobreza, a falta de poder econômico entre os grupos desfavorecidos, e uma escassez de transporte público. Política econômica da África do Sul se concentra em controle da inflação, no entanto, o país teve déficits orçamentários significativos que dificultam a sua capacidade de lidar com a pressão problemas econômicos. O atual governo deve lidar com o impacto da crise global e está enfrentando crescente pressão de grupos de interesse especiais para usar empresas estatais para oferecer serviços básicos de baixa renda áreas e aumentar o crescimento do emprego.

História

Pouco se sabe sobre a pré-história do que é hoje a África do Sul, mas os restos dos primeiros seres humanos que datam do último período Paleolítico foram encontrados no Highveld em Sterkfontein. Cerca de 2.000 anos atrás, pequenos grupos de caçadores-coletores San e Khoikhoi (pastores nômades de gado), entraram a partir do norte. Eles foram forçados ao sul e oeste no Deserto de Kalahari e nos Karroos por povos de língua Bantu migrando para o sul da África Centro-Oriental. Por volta de 1500, os Xhosa tinham alcançado o Rio do Peixe Grande no que é hoje a Província do Cabo Oriental. Ondas do povo Bantu entraram a partir do norte, em busca de pastos, água e terras agrícolas através do planalto interior e ao longo da costa leste.

Em 1488 o navegador Português Bartholomeu Dias se tornou o primeiro Europeu a dobrar o Cabo da Boa Esperança e navegar no Oceano Índico. Dias foi seguido em 1497-98 por Vasco da Gama, que navegou em torno do Cabo e para Natal. Os Portuguêses nunca construíram assentamentos permanentes, mas eles parariam por comida e água em seu caminho para a África Oriental e a Índia. Em 1652 a Companhia das Indias Orientais Holandesas decidiu estabelecer um posto de abastecimento em Table Bay, sob a liderança de Jan van Riebeeck.

Van Riebeeck construiu um forte e plantou hortas e criou gado para alimentar os seus marinheiros em sua longa viagem às Índias Orientais. Ele também negociou com os Khoikhoi, deu terra aos seus empregados, e trouxe Malaios e Africanos negros da África Ocidental e Oriental como escravos. Os colonos moveram-se gradualmente ao interior para fazenda e comércio, e fundaram a cidade de Stellenbosch em 1675. Em 1689 cerca de 200 refugiados Franceses Huguenotes chegaram. Eles casaram-se com os colonizadores Holandeses e estabeleceram uma indústria de vinho. Pelo início do século 18, os Holandeses tinham cruzado com seus escravos Khoikhoi, Malaio, e Bantu para criar o que mais tarde ficou conhecido como os Mestiços do Cabo.

Quando os Europeus cresceram em número, eles começaram a afastar-se da Cidade do Cabo e do controle da Companhia das Índias Orientais. Quanto mais longe eles viajavam, mais eles entravam em conflito com os Xhosa sobre a terra, água, e a propriedade do gado. Os Holandeses (chamados Boers da palavra Holandesa para "agricultor") procuraram estabelecer o Rio do Peixe Grande como a fronteira entre eles e os Xhosa. Os Britânicos substituiram os Holandêses no Cabo de 1795-1803, e novamente de 1806-1814. O Congresso de Viena (1815) confirmou formalmente a possessão Britânica do Cabo. Em 1820 cerca de 5.000 colonos Britânicos receberam pequenas fazendas perto do Rio do Peixe Grande para formar um tampão contra os avanços dos Xhosa.

Os Boers se ressentiram da ocupação Britânica e da introdução das instituições, idioma e cultura Britanicos. Eles particularmente não gostavam da oposição Britânica à escravidão. Assim, entre 1835 e 1843, cerca de 12.000 Boers empacotaram suas carroças de boi e, armados com pistolas e Bíblias, caminharam para o interior no que é conhecida como a Grande Viagem. Sob líderes como Andries Potgieter e Piet Retief (que foi assassinado em 1838 junto com outros 70 Boers pelo chefe Zulu Dingaan), eles finalmente estabeleceram repúblicas independentes, incluindo o Estado Livre de Orange e a República do Transvaal. A Grã-Bretanha anexou Natal em 1843. Assim, os Britânicos controlavam a zona costeira, e os Boers controlavam o interior. As hostilidades entre os Boers e os Britânicos culminaram na Guerra Anglo-Boer de 1899-1902. Em Maio de 1902, os Boers finalmente se renderam aos Britânicos.

A Grã-Bretanha concedeu aos estados Boer o auto-governo, e em 1910 o Estado Livre de Orange, o Transvaal, e as colônias Britânicas de Cabo da Boa Esperança e de Natal formaram a União Sul-Africana. Entre as duas guerras mundiais, a economia da África do Sul foi reforçada e diversificada. Centenas de milhares de Africanos negros vieram para as cidades em busca de trabalho, competindo, por vezes, com os Europeus, particularmente os Afrikaners pobres. As relações raciais se deterioraram.

Em 1948 o Partido Nacional, liderado por Daniel F. Malan, chegou ao poder. Sob sua orientação o país embarcou em uma política de apartheid, ou a separação das raças. O Partido Nacional venceu todas as sucessivas eleições gerais até 1994, e seus governos fortemente reforçaram o controle branco do país. Em 1960, a minoria branca votou por retirar seu país do controle Britânico. Em 31 de Maio de 1961, a República da África do Sul foi estabelecida.

Em 1958, sob a liderança de Hendrik Verwoerd, o Partido Nacional estabeleceu as bases para criar 10 "pátrias independentes" para os negros Africanos. Essas terras representavam cerca de 13% da área total da África do Sul e foram localizadas em regiões que possuíam pouco em termos de solo rico, água, minerais, ou outros recursos. Todos os negros Sul-africanos, mesmo aqueles que tinham vivido nas cidades "brancas" por anos, se tornaram cidadãos da pátria do seu grupo étnico particular. Quatro dessas pátrias - Transkei, em 1976; Bophuthatswana, em 1977; Venda em 1979; e Ciskei em 1981, foram concedidas com a independência pelo governo Sul-Africano. Nenhum outro país reconheceu sua independência. As terras natais foram formalmente reintegradas na África do Sul em 1994.

Em 1984 uma nova constituição entrou em vigor, que proveu alguma representação política de mestiços e Asiáticos. Os negros ainda eram negados de direitos políticos nacionais, embora pudessem escolher as autoridades locais em sua terra natal. A partir de 1984 violentas manifestações contra o apartheid varreram muitas cidades negras, fazendo com que o governo declarasse o estado de emergência em 1986. Posteriormente, o governo começou a aliviar algumas restrições do apartheid. O ritmo da mudança acelerou após F. W. de Klerk tornar-se o presidente em 1989.

Em 1990, o estado de emergência foi suspenso - exceto em Natal, onde a violência entre os apoiantes do Congresso Nacional Africano (ANC) e do Zulu-baseado Partido da Liberdade Inkatha (IFP) continuou. Naquele ano, o ANC e outros grupos banidos foram legalizados. Muitos presos nacionalistas negros, incluindo o líder do ANC Nelson Mandela (que tinha estado na prisão desde 1964), foram liberados. Em 1991 as principais leis que sustentavam o apartheid, que havia sido amplamente condenado dentro e fora da África do Sul, foram revogadas. Isso incluía as leis que especificavam onde os negros podiam viver.

Em Setembro de 1993, o Parlamento estabeleceu um Conselho Executivo de Transição com uma maioria negra para trabalhar com o governo de De Klerk, até que eleições democráticas pudessem ser realizadas. A reação internacional a este movimento foi positiva; a pedido de Mandela, a ONU suspendeu todas as sanções econômicas restantes contra a África do Sul. Dentro do país, no entanto, a Constituição provisória que aboliu as terras natais e criou um forte sistema federal com nove províncias teve a oposição do IFP (que temia a dominação do ANC), por muitos líderes das terras natais que relutavam em ceder o poder, e por aqueles que buscavam a criação de uma pátria separada Afrikaner. Antes das eleições, a violência se espalhou.

Quando as primeiras eleições multirraciais da África do Sul foram realizadas de 26 a 28 de Abril de 1994, quase 20 milhões de eleitores permaneceram pacientemente por horas em longas filas para depositar seus votos históricos. O ANC de Nelson Mandela capturou 252 assentos na Assembleia Nacional de 400 lugares, que o elegeu presidente. Os outros dois principais partidos eram o Partido Nacional com 82 assentos, e o IFP com 43 assentos. O ANC ganhou a maioria em sete províncias; o Partido Nacional ganhou o Cabo Norte; e o IFP ganhou KwaZulu/Natal.

Os Sul-africanos estavam orgulhosos da transição pacífica de seu país para a democracia. Por suas contribuições para essa transição, De Klerk e Mandela compartilharam o Prêmio Nobel da Paz de 1993. O Partido Nacional (mais tarde Novo Partido Nacional) se retirou do governo de coalizão de Mandela em 1996 e tornou-se a oposição oficial, um papel assumido pelo Partido Democrata em 1999. Thabo Mbeki, que sucedeu Mandela como chefe do ANC em 1997, tornou-se presidente da África do Sul após as eleições de 1999, em que o ANC capturou 266 assentos. Ele ganhou um segundo mandato em 2004, quando o ANC ganhou 279 assentos, uma maioria absoluta em 7 das 9 legislaturas provinciais, e o maior número de lugares em KwaZulu/Natal e em Cabo do Oeste.

Um dos desafios enfrentados por Mbeki foi a deterioração da situação econômica e política no vizinho Zimbabwe. Um influxo de refugiados do Zimbabwe contribuiu para uma onda de violência por parte de Sul-africanos pobres contra os estrangeiros em 2008. Pela primeira vez desde o fim do apartheid em 1994, as tropas foram destacadas para conter os distúrbios. Enquanto isso, o ex-líder guerrilheiro Jacob Zuma tinha derrotado Mbeki em um concurso pela liderança do ANC em Dezembro de 2007.

O Mbeki cada vez mais impopular formalmente renunciou à presidência em 25 de Setembro de 2008. Quando novas eleições foram realizadas em Abril de 2009, o ANC ganhou a maioria das cadeiras no legislativo nacional e 8 das 9 legislaturas provinciais. A nova Assembleia Nacional elegeu Zuma presidente em 6 de Maio. A África do Sul orgulhosamente exibiu-se em 2010, quando foi bem-sucedida em hospedar o evento esportivo mais assistido do mundo, a Copa do Mundo, também conhecida como a Copa do Mundo de Futebol.

Governo

A República da África do Sul é um estado democrático dividido em 9 províncias, cada uma com uma legislatura dirigida por um conselho executivo. A Constituição provisória aprovada em 1993 previa um governo de unidade nacional dirigido por um presidente do estado escolhido pelo legislativo nacional.

A nova Constituição aprovada em 1996 substituiu o Senado com um Conselho Nacional de Províncias, com 10 membros de cada província. Ela concede ao partido vencedor mais da metade dos assentos na Câmara legislativa, ou Assembleia Nacional, e o poder de escolher o presidente, que seleciona o gabinete. A Constituição também inclui uma Declaração de Direitos garantindo a igualdade racial e a habitação, água, comida, educação e cuidados de saúde adequados para todos os cidadãos.

Alan C. G. Best

Fonte: Internet Nations

África do Sul

A República da África do Sul é colocado à margem da África negra como sua localização geográfica do sul de economias desenvolvidas em toda a África e, especialmente, pelos efeitos remanescentes de uma organização social baseada na segregação racial, apartheid - "desenvolvimento separado" - que há muito tempo sab a autoridade do poder da minoria branca: a mudança política é muito recente para esta construção econômica e social, mas também geográfica apagada.

HISTÓRIA

Os primeiros habitantes da África do Sul não foram negróide populações de caçadores-coletores San e Khoi, também agricultores, que muitas vezes agrupadas como os bosquímanos e hotentotes.

A migração bantu chegou ao Transvaal, no início da era cristã e continuou em direção ao sul, principalmente ao longo da costa leste: no século XIV ou XV, a população negra cobria aproximadamente a mesma área agora . A descoberta e colonização da região pelos europeus abriu a era de coabitação difícil.

O acordo europeu

Em 1487, a expedição Português de Bartolomeu Dias chegou ao Cabo da Boa Esperança, então chamado de Cabo das Tormentas. Em 1652, o holandês Jan van Riebeeck estabeleceu o contador primeiro europeu na África do Sul, Table Bay (Cidade do Cabo hoje), para servir como um ponto de parada para os navios da Companhia das Índias Orientais. A revogação do Édito de Nantes em 1685 provocou uma emigração francês huguenote. Sua chegada coincidiu com o início da escravização dos negros, enquanto os europeus, impulsionada pela falta de terra, ganhando o país.

Os colonos holandeses (bôeres mais tarde chamados, um fazendeiro significado palavra holandesa ou africânderes, que falam africâner) e são implantados no Oriente, onde enfrentam o Bantu. A guerra eclodiu em 1779 (a Guerra Kaffir), perto do rio Great Fish entre holandeses e Xhosa, que continuou seu movimento em direção ao sul.

Uma parte dos colonos holandeses foi rapidamente entrar em conflito com o Inglês, a quem o Congresso de Viena, em 1815, atribuiu a Colônia do Cabo. Os Boers acusá-los de uma política vista como muito favorável aos negros, incluindo a abolição da escravatura, em 1833. Para preservar seu modo de vida, essa fração amorça irreconciliável de 1834 a circulação dentro do país, a Grande Marcha, eles se aproximaram do Êxodo bíblico. Sem dificuldade em áreas despovoadas do interior penetrantes por zulus expedições de guerra, eles correram para eles na região de Natal, mas conseguiu controlar o interior e formar as repúblicas independentes do Estado Livre Laranja (1854) e Transvaal (1852), uma espécie de patriarcas pastoral, a infra-estrutura mais básica.

No final do século XIX, a descoberta de minas de ouro e diamante atrai imigrantes nessas repúblicas, incluindo a British, em direção ao interior do país, onde surgem conflitos sobre a posse da terra. Paul Kruger, presidente do Transvaal, se opõe reivindicações britânicas na região, incluindo Cecil Rhodes, primeiro-ministro da Colônia do Cabo e criador do Sul África britânica Empresa (1889), que procurou controlar o Transvaal. O fracasso da invasão britânica de Dr. Jameson, em 1896, só agravou uma crescente tensão. Em 1899 a guerra começou Boer Transvaal, que, depois de uma campanha de extrema dureza, foi concluída em 1902 por uma vitória britânica e do desaparecimento de repúblicas independentes.

O nascimento de uma nação

A União da África do Sul, um domínio britânico, foi formado em 1909 pela combinação das ex-colônias britânicas do Cabo e Natal e as duas repúblicas bôeres derrotado. Sua participação na Primeira Guerra Mundial teve um parceiro que recebeu o reconhecimento internacional em 1920 um mandato da Liga das Nações para administrar o alemão Sul África Ocidental, que ela entregou a uma quinta província. Neste contexto, o Afrikaner derrotado militarmente, economicamente dominada pela minoria anglófona, aproveitado-se para a conquista do poder político. Os primeiros governos formados por uma aliança de Inglês e Afrikaner Boer moderada teve que enfrentar uma opinião hostil à Grã-Bretanha e da oposição de "brancos pobres" que exigiam privilégios econômicos e sociais por causa de sua raça. O Governo do Partido Sul-Africano de General Smuts teve de reprimir e militarmente, em 1922, a greve dos mineiros brancos exigindo que seus empregos qualificados são reservados. O Partido Unido da Barry Hertzog, chegou ao poder em 1924 representou a melhor base do Afrikaner e reforçou a barra de cores. A crise econômica da década de 1930, muito rude, levou a uma aproximação entre estas duas forças políticas, que não poderia parar o surgimento de uma força mais radical político, o Partido Nacional Dr. Malan.

O regime do apartheid

Chegou ao poder em 1948, o Partido Nacional começou a sistematizar uma política de apartheid ou "desenvolvimento separado", dando política de conteúdo geográfico estrito de discriminação racial apareceu desde o início.

A Lei de Terras de 1913, já limitada a 13% das áreas do país onde os negros podiam possuir terra: "reservas" definidos para cada "tribo" ou "nação" constituía uma espécie de ferradura na periferia do país o norte (incluindo Tswana) e, especialmente, para o leste (Zulu, Xhosa ...). Embora menos severamente afetados por esta política, asiáticos e Métis perdeu muito de seus benefícios escassos. O Grupo Areas Act de 1950 foi especialmente a eliminação de "pontos negros" resultantes de compras feitas por negros antes de 1913. Nós comprometeu-se a expulsar "terra branca", o "excedente" de negros e posseiros, arrendatários, para promover a modernização da agricultura europeia entre 1960 e 1983, cerca de 2,6 milhões de negros foram expulsos rural "branco" e voltou para a reserva, onde o Bantu Self-Government Act de 1959 - através da organização de um sistema de auto-governo reservas - a preparação da instituição de bantustões.

Estes devem, eventualmente, tornar-se politicamente independente, embora eles não são economicamente viáveis: quatro deles (Transkei, Bophutatswana, Venda e Ciskei) recebeu, entre 1976 e 1981 que a independência não reconhece a comunidade internacional.

Estrangeiros em seu próprio país, os negros eram mais difíceis de viver em cidades, onde procurou minimizar o seu número: só quem poderia vir aqui para justificar um contrato de trabalho: a passagem, passaporte interior preto imposta em 1923, permitiu o controle de migração. A segregação racial foi sistematizado em bairros despejos, preço múltiplas e destruição e construção de cidades para as pessoas de cor. Nós tentamos, sem sucesso, criar indústrias ao longo bantustões, mas muitos trabalhadores tiveram que trabalhar nas cidades brancas, enquanto que residem em reserva no deslocamento grande.

A oposição ao regime do apartheid foi quebrado: em 1950, o Partido Comunista, multirracial, era proibido. O Congresso Nacional Africano (ANC) eo Congresso Pan-africanista foram, em 1960, depois de manifestações contra o sistema de passes, que culminou com o massacre de Sharpeville. Os líderes do ANC, incluindo Nelson Mandela foi condenado à prisão perpétua em 1964. África do Sul se separou do resto do mundo em 1961, ela deixou a Commonwealth, contra o apartheid, e da República (República Sul-Africano) foi proclamada em 31 de maio.

Questionando o regime do apartheid do apartheid tentou ser um "verniz protetor" no sul da África, apoiando a branca da Rodésia do Sul, que havia declarado sua independência em 1965, colocando pressão sobre os pequenos Estados Africano dependente (Lesoto, Suazilândia, Malawi), apoiando o regime de Salazar Português em sua luta contra os movimentos separatistas, então, após a "Revolução dos Cravos" e da independência de Angola e Moçambique (1975), encorajando UNITA ea RENAMO guerrilheiros. Esta política de aumento da doença na África do Sul sem apartheid permitindo ser um "verniz de proteção."

Sob a pressão das grandes potências e na ação dos movimentos de independência em 1980, a maioria negra ganhou o poder político na Rodésia, atual Zimbábue, sul da África Ocidental tornou-se independente em 1990 sob o nome de Namíbia. Violência na África Lusófona, descontrolado, acabou prejudicando a África do Sul em si.

O lézarda regime do apartheid é realmente muito rápido. Refugiados líderes negros fora não conseguiram implementar a luta armada no país boicote de produtos da África do Sul não tem sido muito eficaz, mas o regime do apartheid, eventualmente, sofrer de sanções bancárias internacionais. Acima de tudo, a ascensão da política protesto irracionalidade econômica interna do apartheid obrigou o regime a mudanças que não poderia ter outro termo que chegou ao poder da maioria negra. Ocorrido violentos confrontos em 1976 em Soweto e outros municípios, causando 400 mortes. A oposição interna no seio da sociedade civil, a estruturação da Frente Democrática Unida (UDF), organizador da desobediência civil. Sob a pressão da força de oposição, o governo de PW Botha (1978-1989) legalizou os sindicatos negros, em 1979, autorizou os partidos políticos multirraciais em 1985, aboliu a lei que proíbe o casamento.

Este novo regime não foi suficiente para parar o movimento de protesto dos negros contra o apartheid, o estabelecimento do estado de emergência (Setembro de 1984-Junho de 1986) poderia ser mais eficaz. Para preservar o essencial, o presidente Botha tinha feito com o "apartheid mesquinho" liberalizar a instalação de negros na cidade, e tentar associar com grupos políticos e Métis asiáticos, que, em 1987, beneficiaram Casa do Parlamento. Para dividir os negros, ele apoiou o Partido da Liberdade Inkatha de Mangosuthu Buthelezi, Zulu de base tribal. Estas medidas meia-não conhecer a pessoa e, portanto, aumentar a desordem, PW Botha teve em 1989 demitiu-se da presidência em favor de Frederik Willem de Klerk.

Discurso de Nelson Mandela em Soweto depois de sua libertação (1990) Isto, para preservar a presença branca na África do Sul, e com o apoio das grandes potências e instituições financeiras internacionais, a escolha foi uma negociação difícil com ANC, que foi legalizado em 1990, lançando seu carismático líder, Nelson Mandela. Em 1991, o apartheid foi oficialmente abolido pelo Parlamento.

Apesar dos violentos confrontos entre o ANC eo Inkatha, apoiados secretamente por uma fração da polícia, apesar da resistência dos extremistas brancos fundos, o processo político foi para a sua execução: uma nova Constituição, foi interino adoptada em Dezembro de 1993 por um referendo em que apenas os brancos estavam envolvidos.

As primeiras eleições multirraciais em Abril de 1994, que o Inkatha finalmente concordou em participar, garantiu a vitória do ANC, com 60% dos votos. O Partido Nacional de FW De Klerk afirmou-se como a segunda força no país (20%), não só reunindo a maioria dos brancos, mas também índios, Métis e Inkatha, e manteve o controle de Natal, Zululand . Em 9 de maio, os 400 membros do novo Parlamento usava Nelson Mandela para a presidência da, República Thabo Mbeki e De Klerk FW tornou-se vice-presidentes. Partido Nacional e Inkatha entrou em um governo de coalizão. Após as eleições gerais de Junho de 1999, o Congresso Nacional Africano (ANC) recolheu mais de 66% dos votos, ou 266 dos 400 lugares na Assembleia Nacional, eo sucessor designado de Nelson Mandela, Thabo Mbeki, foi eleito chefe de Estado pelo Parlamento recém-constituído.

GEOGRAFIA

Localizado quase inteiramente ao sul do Trópico de Capricórnio, a África do Sul é banhado pelo Oceano Índico, a leste, eo Oceano Atlântico ao longo de sua fachada ocidental. Ele fica ao lado da Namíbia , o Botswana no Zimbabwe , a Moçambique e Suazilândia , no norte, e circunda completamente o Lesoto. Rio Limpopo, que forma a fronteira com o Botswana e Zimbabwe, a Cabo das Agulhas, África do Sul tem uma grande diversidade ecológica. Planaltos interiores de grandes dimensões são separadas por uma escarpa grandes planícies costeiras, particularmente forte no Leste.

O Sul Africano costa estende-se 2.955 quilômetros. Para o leste, é dominado pela "Escarpa Grande" e formaram planícies estreitas e colinas do Piemonte suficiente perfurados. No Ocidente, as áreas planas alargar esmalte. No Sul, devido ao oeste-leste cadeia dos Apalaches do Cabo, alternando cristas quartzíticas e depressões nas margas, o litoral é particularmente dividido em baías e promontórios. O Drakensberg, o maior maciço domina a costa oriental. Inverno nevado, eleva-se a mais de 3200 m, perto da fronteira do Lesoto. Suas fronteiras separando as planícies costeiras íngremes dos planaltos Natal interior de Veld alta que contêm a maior parte da riqueza mineral da África do Sul.

O Karroo Grande, grande piscina composta de semi-árido planation no embasamento cristalino dominado por relevos residuais e Mesas (planaltos basálticos) separados canais Cabo Drakensberg. Noroeste, na fronteira com o Botswana através da parte sul do deserto do Kalahari.

Hidrografia

No Sul Africano rio é navegável. As bacias do Orange e seus principais afluentes, o Vaal e Caledon, cobrindo a maior parte do planalto interior. Rios das encostas orientais são curtos e, portanto, mal e fornecida irregularmente. A escassez de água levou à construção de instalações de grande porte. A partir de 1948 começou o desenvolvimento da bacia de Orange, para irrigar terras no Médio Veld e desviar parte da água para além da linha de pomares de citros para o Grande Peixes e domingos, as piscinas são muito estreitas.

Ainda mais importante é o trabalho em andamento: as águas do Alto Lesoto desviados para alimentar os grandes centros urbanos Rand industriais e agrícolas.

ECONOMIA

A descoberta de diamantes perto de Kimberley, na província do Cabo de britânico em 1867, e ouro no Witwatersrand, em 1885, a República Boer do Transvaal contribuiu de forma independente para formar África do Sul e transformar um país agricultores, branco ou preto, em um estado industrial moderno, governada até 1994 por uma minoria branca, mas dependente do trabalho dos negros.

Agricultura e Pescas

Apesar da área limitada de terra arável (12% da área total), a África do Sul é quase auto-suficiente em alimentos.

No entanto, isso é extremamente desigual: em agricultura comercial "terra branca", até recentemente, pesadamente subsidiado, opõe-se a agricultura de subsistência à base de milho nas terras estendeu muito pouco (13% dos países), que cobrir apenas 55% das necessidades alimentares do país. As principais culturas de cereais são o milho no Veld trigo, na mesma região, no Cabo Ocidental. A diversidade de áreas agrícolas em outras produções. A região do Cabo é original por seu clima mediterrânico é o país de vinhas e pomares de frutas temperadas com médias fazendas, formadas por agrupamento de pequenos lotes de origem. No Cabo Oriental, as fazendas também são de tamanho moderado, especializada em frutas cítricas e pecuária leiteira. Natal é a área de cana-de-açúcar.

No centro, adicione sementes oleaginosas de cereais de produção (amendoim, girassol) e engorda de gado de leite e cidades próximas. A fronteira da agricultura é branco ao norte, na Baixa Veld, norte e oeste. Norte, cresceu a produção de frutas (frutas cítricas, frutas tropicais) e se sobrepõe a fronteira de Moçambique.

Da Laranja hidráulica estenderam milho para o oeste e prados irrigados. Metade ocidental grande da área é a agricultura extensiva de gado, mas também ovelhas merino e karakul (estes fornecem astracã), sem esquecer o avestruz exótico. A crescente urbanização da população branca multiplica em muitas partes fazendas centrais e abandonado, apesar de despejos realizados pelo regime do apartheid, os negros são mais propensos que os brancos nas áreas de agricultura brancas próprios. A pesca é importante em Cape Town e Durban e alimenta a produção de farinha de peixe especialmente significativo.

Recursos minerais e energia

A exploração de minerais e energia fornece cerca de 68% das receitas de exportação na África do Sul. Maior produtor de ouro (474 toneladas em 1998 - Bacia de Witwatersrand) e maior produtor de cromo (38 milhões de toneladas de metal), África do Sul também é responsável por quase 70% de platina do mundo.

Além disso, está entre os principais produtores de pedras preciosas (principalmente diamantes), urânio, vanádio (maior exportador), antimônio, amianto, níquel, titânio e manganês. Em contraste, os depósitos de ferro são relativamente modestos, bauxite é quase inexistente e, especialmente, a falta de óleo.

África do Sul teve de realizar uma política energética ainda mais original que as sanções contra o regime do apartheid, em grande medida impediu a importação de petróleo. O porão da África do Sul, principalmente em Natal e Transvaal, concentra quase 60% das reservas de carvão na África.

O carvão, o que coloca a África do Sul no quarto maior produtor, fornecendo cerca de 80% das necessidades de energia primária: 19 dos 27 grandes usinas são alimentadas com o combustível e carvão é convertido em óleo. A central nuclear de Koeberg, na província do Cabo, está ativo desde 1984 este local é devido à distância da região carbonífera. Estima-se que a África do Sul concentra cerca de 70% da eletricidade gerada no continente Africano.

Indústria

África do Sul já começou o desenvolvimento industrial cedo para atender as necessidades de mineração, em 1924, uma fábrica foi criada em Pretória. Depois de 1948, o Partido Nacionalista aumentou empresas estatais, especialmente na indústria pesada, a produção de gasolina, armas. As necessidades da mina também desempenham um papel importante na progressão da engenharia pesada, eléctrica e eletrônica, ou de computador, e em segundo lugar, no processamento de minerais. A indústria de bens de consumo (alimentos, têxteis, vestuário, carros ...) é muito variada, mas sofre de baixa produtividade, falta de concorrência internacional durante o período de sanções ea estreiteza do mercado interno, maioria negra, com poder de compra limitado, mesmo que seja mais forte do que em outros países da África Negra.

Mais da metade da produção está concentrada no VOP, ao sul da antiga província de Transvaal. Cidades portuárias, Cidade do Cabo, Durban, Port Elizabeth e East London por cerca de 25% do valor da produção industrial. Na década de 1970, o governo incentivou a descentralização industrial, portos e complexos industriais polivalentes estão localizados em Richards Bay, Bay Saldanha e Natal, a noroeste da Cidade do Cabo, contra a industrialização pela borda ou o dentro das terras tinha dado apenas resultados limitados.

Comércio

As principais exportações são de ouro, diamantes e outros metais ou produtos de metal. África do Sul ainda produz 23% do ouro do mundo (474 t). Os produtos da mina é de 68% das exportações em valor (contra 4% para os produtos agrícolas). Equipamentos de produtos químicos, máquinas e transporte também são fontes de divisas.

África do Sul também chama a serviços de recursos: comercialização de diamantes do mundo, o tráfego de trânsito, Lesoto, Botsuana e Suazilândia, mas também para a Zâmbia, República Democrática do Congo, Malawi e Zimbabwe.

Fonte: www.afrique-planete.com

África do Sul

Situada no extremo sul do continente africano, cercada de um lado pelo Oceano Atlântico e do outro pelo Oceano Índico, a República da África do Sul impressiona, primeiramente, por sua vasta área, que ocupa 1.223.410 quilômetros quadrados, ou seja, cinco vezes maior que a Grã-Bretanha e duas vezes maior que a França; porém, essa não é sua principal característica, quando considerados seu fantástico relevo geográfico, sua fauna e flora surpreendentes e, sobretudo, sua população.

O relevo sul-africano é marcado predominantemente pela cadeia montanhosa Drakensberg que, com picos que excedem 3.000 metros, provoca, juntamente com as correntes oceânicas, uma grande variação no clima, que vai desde o temperado até o desértico, passando, inclusive, pelo tropical em algumas regiões, surpreendendo, assim, os visitantes, que esperam sempre encontrar temperaturas escaldantes!

A flora da África do Sul é muito diversificada, encontrando-se uma paisagem mediterrânea nas zonas costeiras, as florestas tropicais ao longo dos rios , as savanas no altiplano e a estepe semidesértica na região do Kalahari.

Uma das maiores preciosidades sul-africanas é sua fauna, que constitui-se de vários tipos de aves, répteis e mamíferos de pequeno, médio e grande porte, destacando-se, dentre esses, os "cinco grandes" (elefante, rinoceronte, búfalo, leão e leopardo). Para preservar essa riqueza animal, foram criadas algumas reservas provinciais e parques nacionais, sendo o Kruger National Park o principal deles.

Descoberto por navegadores portugueses no século XV, o território que constitui atualmente a África do Sul sofreu diversas influências, já que, no final do século XVI, o Cabo da Boa Esperança passou a funcionar como posto de reabastecimento para ingleses e holandeses na rota de comércio com a Ásia, resultando, assim, em sua espantosa heterogeneidade populacional, cujos principais elementos são:

1.) Bosquímanos, em vias de extinção
2.)
Bantos, que abrangem as tribos Zulu, Xhosa, N’debele, Pedi e Basotho
3.)
Afrikaners (descendentes de holandeses e alemães) e descendentes de ingleses
4.)
Colored (mestiços)
5.)
Malaios e indianos, trazidos para o país em 1.860 para a cultura dos canaviais na Província de Natal.

Por esse mesmo motivo, há nada menos do que onze idiomas oficiais, sendo o afrikaans e o inglês os principais.

Graças aos elevados investimentos estrangeiros, à abundância de mão-de-obra barata e à grande presença de riquezas minerais, a África do Sul transformou-se numa potência econômica regional, sendo um dos maiores produtores mundiais de ouro, platina, diamante e minério de ferro, além de possuir um grande parque industrial e agricultura e pecuária expressivas. Outro setor econômico em desenvolvimento é o turismo.

Cidade do Cabo

Situada na base da Montanha da Mesa e recortada pelo litoral atlântico, a Cidade do Cabo é, sem dúvida, uma das mais belas do mundo.

Com grande diversidade cultural, marcada notadamente pela colônia malaia concentrada no bairro de Bo-kaap, apresenta vida noturna intensa, sendo a cidade sul-africana mais concorrida em termos turísticos, talvez por sua localização privilegiada, que facilita a visita à Península do Cabo da Boa Esperança, às vinícolas de Stellenbosch e, ainda, à esplêndida Garden Route (Rota do Jardim). A Cidade do Cabo conta, também, com excelentes museus e boas praias, com destaque para o charmoso Waterfront.

Durban

Localizada no Oceano Índico, Durban é a mais africana das cidades sul-africanas, pois seu clima extremamente quente contribui para torná-la o retrato fiel da África na imaginação das pessoas, imagem essa enfatizada por seus impressionantes mercados de rua. Outro atrativo de Durban são as ótimas praias, que costumam ficar repletas de surfistas. Uma grande comunidade indiana se faz presente, o que favorece o enriquecimento da cultura em todos os seus aspectos, especialmente na culinária.

Johannesburgo

Para quem assistiu documentários como "Mundo Animal", ou seriados como "Daktari" e "Okavango", é muito difícil imaginar que uma cidade africana possa ostentar edifícios tão altos, e com arquitetura tão arrojada, quanto os encontrados nas grandes metrópoles européias e norte-americanas! Johannesburgo realmente conseguiu esse feito, transformando-se no coração econômico do país, a despeito dos sérios problemas de segurança, que ocasionaram um verdadeiro êxodo de sua área central; atualmente, os escritórios e lojas deslocaram-se para bairros periféricos, como Sandton e Rosebank. Ainda assim, a cidade vale a pena ser vista, porque conta com bons museus, restaurantes e shopping centers e, também, é o principal ponto de partida das rotas que levam ao Kruger National Park e Sun City.

Pretória

Capital administrativa da África do Sul, Pretória tem grande importância histórica, pois aqui residiu um de seus filhos ilustres, Paul Kruger, um dos líderes da independência da República do Transvaal. Os edifícios elegantes, as ruas arborizadas com jacarandás nativos do Brasil e os museus com acervos riquíssimos fazem de Pretória uma cidade muito atraente.

Sun City

Apesar de não ser uma cidade, o complexo turístico de Sun City merece ser lembrado, por ter reunido num centro de entretenimento vários hotéis de alto nível, inclusive o "Palace", o primeiro de categoria seis estrelas do mundo. Outros destaques da região são o Pilanesberg National Park e as fazendas de criação (leões, crocodilos e avestruzes).

O Nascimento da Nação do Arco-íris

O execrável Apartheid, que determinava a segregação de brancos e não-brancos, aqui incluídos indianos, malaios, mestiços, árabes e, especialmente, negros, perdurou por décadas, até que, finalmente, o embargo internacional e a luta do Congresso Nacional Africano - CNA, com Nelson Mandela e o Arcebispo Desmond Tutu como seus principais porta-vozes, culminaram na criação da Nação do Arco-íris, onde as individualidades culturais devem ser respeitadas e todos os cidadãos devem ser considerados da mesma forma, representando todas as cores de sua bandeira.

Fonte: revistaturismo.cidadeinternet.com.br

África do Sul

País de dois oceanos (Atlântico e Índico), três capitais (Pretória, a administrativa, Cidade do Cabo, a legislativa, e Bloemfontein, a judiciária), dos Big Five (leão, leopardo, elefante, hipopótamo e rinoceronte), da próxima Copa do Mundo...

Durban

Cosmopolita, ela mistura as culturas hindu e zulu - e se deixa levar pela influência dos turistas que circulam por ali

Dentro do Victoria Street Market, indianos vendem temperos, carnes, peixes, saris e quase tudo o que puder imaginar. Mas se o que se procura é um elixir do amor ou algum outro feitiço, aí é preciso visitar um sangoma, o tradicional curandeiro zulu. Sem problemas. Você está em Durban.

Terceiro centro urbano do país, com 3 milhões de habitantes, a cidade concentra a maioria da numerosa etnia zulu e é a maior cidade indiana fora da Índia: 1 milhão de descendentes.

Sua diversidade atrai o grosso do turismo doméstico. A 588 quilômetros de Johanesburgo, ela tem um dos trechos do litoral sul-africano mais agradáveis.

Banhadas pelo Oceano Índico, suas praias são aquecidas pelas correntes quentes vindas de Moçambique, sempre a apenas 2 ou 3 graus abaixo da temperatura ambiente.

O trecho de seis quilômetros, conhecido como Golden Mile é dividido em pontos para surfe, para bodyboard ou para fazer nada mesmo - todos protegidos por redes, para manter os tubarões afastados... O calçadão, com aquele jeito de praia turística, concentra os principais hotéis e resorts, restaurantes, bares, feirinhas de artesanato, passeios de riquixá... Uma festa.

A lembrar a passagem pioneira de Vasco da Gama em seu caminho para a Índia, o monumental relógio Da Gama, construído em 1897, domina uma das pontas do The Point and Victoria Embankment, área que reúne lojas, restaurantes, teatro, o mercado de peixe e também o uShaka Marine World . O complexo engloba um dos maiores aquários do mundo, com mais tubarões do que qualquer outro; um parque Wet'n Wild e shows de golfinhos.

Difícil, na África do Sul, é escolher o melhor roteiro: no sul, a viagem rodoviária por algumas das paisagens litorâneas mais bonitas do hemisfério, a Rota Jardim; no leste, o gosto de curry da multiétnica Durban; ou um dos melhores safáris do mundo, no Parque Kruger, já na fronteira com Moçambique, que tem savana e floresta com os bichos vivendo soltos, livres, sem medo a não ser de seus predadores.

É claro que ainda são visíveis as cicatrizes do regime de segregação racial (o apartheid), interrompido em 1994 com a primeira eleição multirracial. Após mais de uma década de experiência democrática, persistem altos índices de pobreza e criminalidade, embora o país tenha o maior PIB do continente. Mas a África do Sul vai superando essas mazelas aos poucos e tem atrativos para os turistas muito além dos estereótipos.

O viajante upscale pode se isolar em hotéis de luxo na Cidade do Cabo sem nem imaginar que a Costa Selvagem faz a delícia dos mochileiros e os safáris, a dos turistas básicos, por exemplo. Na contagem regressiva para a Copa do Mundo de 2010, o interesse pelo país tende a crescer. E muito. A África do Sul já começou a se movimentar para receber a competição e os milhões de turistas que a descobrirão como um belo destino turístico.

Rota Jardim

África do Sul
Rota Jardim - África do Sul

A rota que tem mar, florestas, dunas, cavernas, tubarões, pingüins e outras histórias.

São 309 quilômetros de viagem pela estrada costeira mais sensacional da África do Sul.

Seu nome oficial é N2, em turistiquês: Rota Jardim (do inglês Garden Route).

Até há litorais no mundo com um recorte mais bonito, como a nossa Rio-Santos, mas nenhum que misture tantas praias e paisagens inspiradoras - algumas espremidas entre lagoas, mar, dunas e florestas - com atrações tão variadas. Tem cavernas com superinfra de visitação, tem turismo de aventura, tem fazendas de ostra ou avestruz, e até mergulho com tubarões.

As florestas cheias de flores é que dão nome ao roteiro. Alugue um carro e, em Mossel Bay, zere o contador de quilometragem.

Se puder pare em outros pontos. Stellenbosch, a rota do vinho. Cabo da Boa Esperança, a curva do mundo. Table Mountain, de lá, é como se a vista fosse oferecida numa bandeja, dos novos mirantes debruçados sobre o precipício. Ilha Robben, sua vocação antilibertária vinha desde o século 17, quando foi usada como colônia penal primeiro pelos britânicos, mais tarde pelos holandeses. Depois, no auge da luta anti-apartheid, durante os anos 60/70, tornou-se uma prisão de segurança máxima onde Nelson Mandela permaneceu trancafiado por 18 anos. Após ser desativada, em 1991, a Ilha Robben foi transformada em colônia de reprodução de aves marinhas. É dali que se tem a melhor vista da Table Mountain.

Parque Kruger

São mais de 3 milhões de hectares dedicados aos parques nacionais e às reservas, entre os quais, se destaca o Kruger Park.

Quem é rei nunca perde a majestade: o legendário Kruger, um dos mais antigos parques de toda a África, continua sendo um dos lugares mais espetaculares para se observar animais selvagens. Estabelecido em 1898 pelo então presidente sul-africano Paul Kruger, foi se expandindo ao longo dos anos. Hoje, tem dois milhões de hectares, distribuídos por 350 quilômetros de comprimento e 60 quilômetros, em média, de largura. Nem cercas o separam das reservas vizinhas (Sabi Sands, Klaserie, Kapama, Timbavati e Thornybush).

E mais: em breve, outras reservas serão anexadas deixando o complexo todo com 35.000 quilômetros quadrados, área maior do que a Suíça.

Seis rios alimentam a região. Por isso a vegetação varia muito - são dezesseis diferentes zonas, pelas quais trezentas espécies de árvores e 1980 tipos de plantas distribuem-se.

Por este tapete verdejante, desfila a realeza: 147 espécies de mamíferos, mais de 500 tipos de pássaros, 114 de répteis e 49 de peixes.

É a maior diversidade de animais de todo o sul da África, coroada por búfalos, elefantes, rinocerontes, leopardos e, obviamente, reis leões - os chamados Big Five. Embora a viagem solo seja possível, o safári guiado é muito mais interessante. Não é tão fácil assim localizar animais, e o conhecimento e experiência dos guias ajudam muito.

O coração do parque fica na área onde os rios Sabie e Sand se cruzam. O sul da reserva é chamado de "O circo" - muitos turistas, bastante bicho. A área central é chamada de "O zoológico" - muita abundância de animais, com destaque aos predadores. Ao norte, muitas árvores, pequenas colinas com resquícios pré-históricos, boa quantidade de elefantes, zebras, búfalos e avestruzes. Aliás, quanto mais ao norte se vai, mais selvagem, árido e plano fica o Kruger.

Pretória

A capital da África do Sul guarda belos jardins, prédios antigos e a história de grandes líderes

Pretória é tanto a capital administrativa da África do Sul, como a capital dos jacarandás: características que definem bem a cidade. Há belas construções governamentais, rodeadas por cuidadosos jardins, e a atmosfera é muito mais tranqüila que em Johannesburgo (cinqüenta e três quilômetros ao sul).

Pretória foi assim batizada em homenagem a Andries Pretorius, herói dos Boers (Trekboers, fazendeiros pioneiros, que chegaram ao país no século dezessete, vindos principalmente da Holanda). Afrikaners até hoje se reúnem, todo dia dezesseis de dezembro, em torno do monumento Voortrekker, que comemora a vitória de seus antepassados contra os Zulus (1838). Anos atrás a cidade ganhou, porém, outro herói, e de tribo diferente. Steve Bilko, líder carismático do movimento Consciência Negra, morreu em Pretória em 1977, após três dias em coma, vítima de espancamento por policiais.

Heróis e vilões dos dias de hoje, assim como dicas culturais, são bem retratados pelo jornal Pretoria Post.

Há vários ônibus saindo de Johannesburgo rumo a Pretória. A rodoviária da capital administrativa fica próxima ao centro, e é fácil de ser localizada. Para os que preferem excursões, é muito provável que o próprio hotel organize tardes em Pretória. Se isso não for o caso, há agências que fazem o roteiro.

Fonte: viajeaqui.abril.com.br

África do Sul

"Somos um povo com muitas cores, raças, culturas, línguas e origens antigas. Assim estamos ligados uns aos outros por um milhão de fios visíveis e invisíveis." Presidente Thabo Mbeki, Discurso sobre o Estado da Nação, 9 de Fevereiro de 2001.

A África do Sul é uma terra vasta e indomada com uma diversidade natural entre os melhores preservados do continente africano.

Você ira descobrir Parques Nacionais e reservas de caça privadas. Vai admirar o seu principal tesouro que é vida selvagem.

Pode-se visitar uma aldeia cultural africana ou fazer uma visita guiada ao Soweto, onde o moderno e o antigo se fundem.

Dance ao ritmo da música dos townships, prove os pratos típicos e ouça as histórias.

Alugue um carro e viaje, conheça os famosos comboios de luxo, navegue, ande a pé, de bicicleta ou avião - todas estas opções irão estar à sua espera.

Em qualquer época do ano existem festivais de música e arte. E em todas as principais cidades e vilas existem mercados de rua repletos de arte africana assim como o Victoria and Alfred Waterfront, situado nas docas da Cidade do Cabo.

Muitos restaurantes oferecem desde os pratos típicos do dia-a-dia a outros mais requintados: caril da Índia, pratos malaios do Cabo, bifes espessos, assim como inúmeras iguarias de marisco. E depois do jantar as opções são ilimitadas.

Vida Noturna

Preferida de muitos turistas que visitam a África do Sul é a vida noturna intensa da Cidade do Cabo.

Há uma infinidade de baladas para todos os tipos e gostos em regiões especificas, como: Long Street, Loop, Wale e Orange Street.

Transporte

Não é só no clima e no futebol que lembra o Brasil, o transporte público também não é dos mais belos de se ver. Mesmo assim, as aparentes inseguras vans são confiáveis. Além, é claro, de serem bem mais baratas que os táxis, muito inflacionados.

Aluguel de Carros

Todos os condutores devem estar na posse de uma licença internacional de condução. O aluguel de veículos pode ser efetuado em qualquer dos nove maiores aeroportos ou através de um agente de viagens. Para mais informações sobre empresas de aluguel de veículos deve consultar as Páginas Amarelas ou qualquer agência de viagens.

Dinheiro

Tanto os "traveller's cheques" como as divisas estrangeiras principais podem ser cambiadas no aeroporto, bancos comerciais e hotéis mais importantes.

O American Express, o Diners Club e o Thomas Cook operam na África do Sul. As flutuações nos mercados de divisas estrangeiras refletem-se nas taxas de câmbios.

Sun City Hotel Palace - Hospedagem 6 Estrelas

Nele, a piscina tem ondas e areia, como numa praia de verdade. Os móveis foram talhados um a um, artesanalmente. A abóboda, no hall principal, buscou inspiração na Capela Sistina, do Vaticano e sua pintura, nos afrescos de Michelângelo. Ele tem 15 000 metros quadrados de tapetes exclusivos, sem nada parecido no mundo. E por aí vai a lista de maravilhas deste hotel.O The Palace ocupa uma área de 250000 metros quadrados algo como 20 Maracanãs , onde cabem amostras de florestas, piscinas, cachoeiras (inclusive a maior do mundo já feita pelo homem, com quase 12 metros de altura) e um campo de golfe com jacarés vivos em torno de alguns buracos.

The Palace dispõe de 340 espaçosas suítes e foi construído ao custo astronômico de 67,2 milhões de dólares. Curiosamente, uma diária ali custa, em média, apenas US$ 167,00 (R$ 334,00), valor similar ao que se cobra num hotel cinco estrelas brasileiro.

A bela Cidade do Cabo

Quem vive em Cape Town "Cidade do Cabo" não consegue imaginar nenhum outro lugar do mundo onde poderia morar.

Essa linda cidade litorânea que tem lugares magníficos como a Table Mountain está entre as mais bonitas do planeta. A combinação de beleza natural, vida cultural pulsante e acesso a vinícolas, lugares históricos, ambientes para esportes radicais e riquíssimas flora e fauna fazem de Cape Town uma das melhores cidades do mundo para turismo e para intercambio. Algumas pessoas dizem ser muito parecida com o Rio de Janeiro, com sua beleza natural, o jeito descontraído, as praias, e mesmo o bondinho. A Cidade do Cabo é ainda um centro de comércio internacional, como Nova York, São Francisco, Vancouver, Londres...

Você não pode perder

Em Cape Town, subir de teleférico na Table Mountain e conhecer a ilha Robben Island.
O velho alojamento dos escravos é o segundo prédio mais velho de Cape Town.
O prédio serviu inicialmente para alojar os escravos da companhia alemã do leste da Índia, e foi na sequência o primeiro prédio do correio, a primeira livraria e a suprema corte.
Jardim da Companhia Upper Adderley Str.
É o jardim mais antigo da África do Sul.
Praia de nudismo não oficial em Sandy Bay.
Parque Temático de Diversões Ratanga Junction
- localizado nos arredores de Cape Town foi inaugurado em dezembro de 1998 e custou por volta de 350 milhões de hands.

Cuidados Medicos

Algumas farmácias e hospitais dispõem de serviço de urgência 24 horas em quase todas as cidades e vilas. Os hóteis mais importantes possuem contatos com médicos e dentistas.

Para consultar os cuidados médicos nas listas telefônicas, o turista tem de ter em conta o seguinte: os Médicos encontram-se indicados na seção "Medical Practitioners".

Eletricidade

Na África do Sul, a energia eléctrica para consumo é 220/230 volts AC 50 Hz.

Os aparelhos com voltagem inferior necessitam de um transformador e os adaptadores podem ser adquiridos localmente.

Fonte: www.souturista.com.br

África do Sul

História da África do Sul

ÁFRICA DO SUL: UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA

Quando as eleições de 1994 foram realizadas, nascia, naquele momento, uma nova África do Sul.

Nelson Mandela, líder negro sul-africano que ficou preso por 27 anos ficou devido ao ideal de acabar com o apartheid, venceu a eleição. Três séculos de soberania dos brancos sobre a maoria negra da população finalmente chegavam ao fim.

Esse novo começo para o país chamado de "Rainbow Nation" - ou, como diz o Arcebispo Desmond Tutu, primeiro arcebispo negro sul-africano, "Rainbow Children of God" - significava, pela primeira vez, que todas as pessoas da África do Sul, independentemente da cor, credo ou sexo, eram iguais.

Em 1997, uma constituição inédita garantiu ao povo esses direitos.

Os 300 anos de história sul-africana que precederam essa dramática reviravolta em direção à liberdade e à democracia explicam como tudo deu tão errado em um período de tempo tão longo. Colonizadores europeus brancos de três países lutaram entre si pelo direito de controlar um território vasto que, na opinião de cada um, pertencia a eles. Na mesma época, tribos negras fizeram o mesmo. E os colonizadores ainda travaram batalhas com as tribos que atravessam seu caminho. Foi nessa época que minas de ouro e diamante foram descobertas. Os negros foram trabalhar nas minas, enquanto os brancos ficavam mais ricos.

Para que a história não pareça confusa, é necessário que se fale sobre o papel social e político da África do Sul na História Antiga do mundo.

Antropologia

O que se sabe sobre o habitante mais antigo do território que mais tarde seria chamado de África do Sul vem de teorias de antropólogos, que o chamam de hominídeo, precursor de espécies mais evoluídas como o homo habilus, homo erectus e homo sapiens. Em 1947, fósseis de hominídeos de três milhões de anos de idade foram descobertos nas cavernas Sterkenfontein Caves, perto de Krugersdorf, a oeste de Joanesburgo.

O homem moderno apareceu no cenário há três mil anos. O povo africano Khoisan, que vivia na região norte de Botsuana, abriu mão da caça para criar gado, atividade que os outros africanos já estavam aprendendo. Eles chamavam a si mesmos de Khoikhoi, o significa homens dos homens, e se referiam aos que permaneceram caçadores como San. Não havia fronteiras naquela época e os dois grupos, Khoikhoi e San, povoaram as terras.

Colonização da Região do Cabo

Em 1652, quando a Companhia das Índias holandesa se instalou permanentemente na Cidade do Cabo, a colonização não estava em primeiro plano. O navegador português Bartolomeu Dias tinha dado a volta na região do Cabo e chegado a Mossel Bay em 1488, enquanto outro explorador português, Vasco da Gama, tinha descoberto a rota para a Índia, passando pelo Cabo, em 1497. Como a Cidade do Cabo era um porto conveniente para quem vinha e ia para o ocidente, os holandeses enviaram o comandante Jan van Riebeeck para o local, onde ele se desentendeu com os Khoikhois (chamados de Hottentots pelos holandeses). Ele declarou guerra ao povo Khoikhoi e aprisionou seus líderes em Robben Island, dando ao período histórico de colonização. Mais tarde, van Riebeeck estabeleceu que os brancos eram os colonizadores, criando uma colônia de escravos, cuja maioria era de indonésios.

Os primeiros colonizadores brancos levavam suas vidas em pequenas fazendas na Cidade do Cabo, onde se alimentavam de carne e bebiam vinho. As colônias se espalharam pelas montanhas e chegaram rapidamente aos pastos secos do interior.

Com isso, aconteceu uma mudança relacionada à percepção que cada grupo tinha de si mesmo: os colonizadores decidiram se diferenciar de seus irmãos da Holanda e se autodenominaram Boers (palavra que significa fazendeiros) ou Afrikaaners (africanos). As mortes começaram a acontecer quandos os "novos" colonizadores decidiram tomar o que bem entendessem, matando os adultos dos grupos Khoikhoi e fazendo de seus filhos serventes domésticos.

Em 1688, os Hughenots, um grupo de 220 protestantes franceses que tentavam escapar da perseguição religiosa, chegaram ao território e introduziram os conhecimentos para o cultivo da uva.

A chegada dos Britânicos

Quando os holandeses fecharam a Companhia das Índias em 1795, as forças inglesas tomaram o controle da região do Cabo. Os britânicos devolveram o poder aos holandeses no breve período de 1803 a 1806, mas depois resolveram tomá-lo novamente. Uma das primeiras iniciativas do governo foi atacar o povo Xhosa, que estava enraizado dentro das áreas dos colonizadores brancos.

Quando o coronel britânico John Graham seguiu as instruções de incitar "um grau apropriado de terror" no povoado Xhosa e expulsá-lo de lá, ele foi homenageado em 1812 com uma nova cidade, chamada de Grahamstown.

As Guerras do Século 19: Luta pelo Poder

Em 1819, para colocar seu selo na região, os britânicos enviaram 4 mil colonizadores, concedendo a eles terras conhecidas como Zuurveld, às margens do rio Great Fish. A vida era cruel e sem perspectivas. Para piorar a situação, eles tiveram que pagar impostos por seus privilégios, o que causou ressentimento em relação ao regime britânico na Cidade do Cabo - o que já havia acontecido com os Boers.

Os britânicos estavam mais interessados em desafiar o estilo de vida dos Boers. Uma série de ordens foi dada para destruí-los. O Decreto 50 de 1828 aboliu o trabalho forçado e a diferença de cor em relação às leis, abrindo o caminho para a abolição da escravidão em 1834.

Os Boers, como resposta, resolveram partir para as terras além do rio Orange, que ainda estavam fora do controle britânico. Esse êxodo em massa ficou conhecido como o Great Trek.

Enquanto isso, outro tipo de revolução estava acontecendo ao norte do rio Thukela, na área que hoje representa a província de KwaZulu-Natal: a tomada do poder pelo exército do reino de Zulu. O reinado de Shaka Zulu (de 1818 a 1828) foi marcado pelas manias do déspota que até hoje intriga os historiadores. Em 1828, Shaka foi assassinado por seu irmão Dingaan, que na época negociava terras com Piet Retief, líder dos imigrantes Boers, também chamados de Voortrekkers. Dingaan ordenou o assassinato de Retief.

A Batalha de Blood River

Os Boers uniram suas forças sob o comando de Andrius Pretorius, que mais tarde originou o nome da capital da África do Sul. Os Zulus foram vencidos na Batalha de Blood River, uma questão que até hoje toca o orgulho nacionalista dos Afrikaaners. Na década de 1930, os historiadores Afrikaaners reinterpretaram a batalha como um sinal divino de que os descendentes dos Voortrekkers eram pessoas enviadas por Deus que deveriam dominar a África do Sul.

Nessa mesma época, outra guerra foi travada entre os britânicos e os Xhosas, dessa vez na divisa leste do país. O conflito foi tão longo que ficou conhecido como a Guerra dos Cem Anos. Quatro guerras em fronteiras estouraram entre 1819 e 1853, tirando milhares de vidas e deixando a tribo Xhosa arrasada por muitas gerações.

Na colônia britânica de Natal, a segregação racial foi imposta e "reservas nativas" foram estabelecidas, na mesma época em que plantações enormes de cana-de-açúcar foram feitas. A solução para mão-de-obra foi transformar os indianos em escravos, adicionando mais um grupo étnico à turbulenta mistura que já existia na região.

Em 1867, a África do Sul ainda não era considerada uma nação. Quatro colônias regidas por brancos e vários reinos de negros co-existiam. O poder britânico era dominante, mas muitas colônias grandes conseguiram achar suas fontes de poder.

A Descoberta do Ouro e do Diamante

Dizem que em 1866, o jovem Erasmus Jacobs estava brincando na fazenda de seu pai, perto de Hopetown, quando achou uma linda pedra. Um vizinho quis comprá-la, mas a família não achou que a pedra tivesse valor e acabou dando-a, em vez de vendê-la. A linda pedra de Erasmus era o diamante "Eureka", de 21,25 quilates, que causou a corrida do diamante em Kimberley. Três anos depois, o mesmo vizinho teve sorte novamente, mas dessa vez ele achou uma pedra maior, com 83,5 quilates, que mais tarde foi chamada de "Estrela da África do Sul".

Os diamantes foram encontrados em fazendas da região. O processo de escavação deu origem ao Kimberly Big Hole. Mais de 50 mil pessoas vieram do mundo todo em busca da preciosidade. As condições de vida eram horríveis, mas toda vez que a área parecia estéril, alguém encontrava outra mina vulcânica cheia de diamantes.

A propriedade dos diamantes foi motivo de brigas litigiosas. Conhecidas como Grigualand West, as minas foram reivindicadas pelo povo Khoina, que há 70 anos habitava o local. Como as minas estavam nas fronteiras, os governos do estado de Orange Free, da República Sul-Africana e de Cape Colony também queriam uma parte da riqueza. Quando os britânicos chegaram em 1880 e simplesmente anexaram a área, todos discordaram.

Kimberley, considerada o centro da indústria de diamantes, foi dominada por nomes como Cecil Rhodes, Charles Rudd e Barney Barnato, que juntos trabalharam para criar um poderoso cartel, que mais tarde foi consolidado e deu origem à De Beers Consolidated Mines. Hoje, sob o comando do grupo Oppenheimers, a De Beers domina o mercado mundial de diamantes.

Ouro nas Colinas

A corrida do ouro começou em 1886, quando George Harrison descobriu a camada Main Reef, em Witatersrand. As fazendas das redondezas foram declaradas propriedade pública e uma nova cidade, Johanesburgo, foi criada na região.

Nessa época, o norte tinha assumido o controle da África do Sul, e várias guerras marcaram a luta pelo poder. Em 1979, os Zulus derrubaram as forças britânicas em Isandiwana. Os britânicos, para reagir, derrotaram os Zulus em Ulundi, que hoje é chamada de KwaZulu-Natal.

Quando o Transvaal teve sua república proclamada, estourou a guerra Anglo-Boer, de 1880 a 1881. A segunda guerra Anglo-Boer, que resultou na derrota dos Boers, aconteceu entre 1899 e 1902.

O Século 20

O território sul-africano foi completamente dominado e os Boers e os britânicos conseguiram se conciliar. Em 1910, A União da África do Sul foi proclamada.

Durante o século 20, os Afrikaaners voltaram a dominar o país por um curto período, mas a história registra uma impressionante dificuldade político-social vivenciada pelos negros.

Os brancos começaram a se preocupar quando se depararam com a mudança demográfica dos negros: de pequena minoria nos centros urbanos na época da União, os negros passaram a ser maioria em todas as cidades principais por 40 anos. Os negros foram completamente privados dos seus direitos quando foram expulsos dos sindicatos políticos e comerciais. As leis chamadas de Pass Laws controlavam seu movimento, garantindo que os negros não saíssem das fazendas dos brancos. Graças ao conjunto de leis Land Acts, de 1913 e 1936, a maioria dos negros, que continuou vivendo em tribos, também foi proibida de comprar terras fora das reservas.

As eleições de 1943 e 1948 colocaram o Partido Nacional, composto de brancos, no poder. O partido controlou o país até as eleições de 1994.

Um Novo Mundo

Com as eleições de 1948, Hendrick Verwoerd e D.F. Malan criaram um mundo novo: o apartheid, ou "separação". Esta posição política nacional trouxe muitas leis novas. Os negros foram forçados a se sentar em bancos públicos separados, usar entradas de prédios diferentes e ter seus próprios banheiros públicos. No ano seguinte, o decreto Mixed Marriages Act proibiu casamentos entre negros e brancos.

O decreto mais cruel de todos foi o Popular Registration Act, de 1950, que exigia registros de acordo com as classificações raciais. Os negros eram obrigados a carregar um passe permanentemente, impedindo-os de entrar nas cidades.

Mais adiante, um grande número de negros foi enviado a áreas chamadas de townships - áreas de segregação racial e grande pobreza, que quanto mais longe dos olhos dos brancos, melhor.

Por 30 anos, o Partido Nacional batalhou para manter o sistema de apartheid, que pregava a censura aos meios de comunicação e a falta de liberdade de expressão. O índice de violência estava aumentando, bem como o número de protestos no país. A África do Sul se transformou em assunto de discussão internacional.

A Resistência Aumenta

A resistência contra o apartheid culminou nos anos 70, quando Steve Biko, um líder popular do Movimento da Consciência Negra, fez um discurso para estudantes negros e brancos, com a intenção de aumentar o orgulho negro e divulgar o movimento. Biko foi espancado até a morte em uma cela de prisão, mas deixou um legado muito maior do que esperava.

Outro momento horrível da história sul-africana aconteceu em 1976, quando crianças de um colégio em Soweto foram às ruas para protestar contra a imposição de que Afrikaans fosse seu idioma oficial. Centenas de crianças foram mortas por policiais que atiraram, e mais de 600 negros morreram por protestarem contra a chacina.

Nelson Mandela, que na época já estava há nove anos na prisão, tornou-se um herói do movimento, e o Arcebispo Desmond Tutu trabalhou incessantemente por uma solução pacífica. Nos anos 80, violência nas townships já havia se tornado comum. Em 1986, sanções internacionais foram impostas, causando grandes dificuldades econômicas ao país.

A estrada para a liberdade foi finalmente aberta em 1990, quando o presidente F.W. de Klerk fez um discurso significativo diante do parlamento, onde repudiou o apartheid e revogou leis que protegiam a discriminação racial.

O sinal mais simbólico de mudança permanente veio com a libertação de Nelson Mandela, em 1990. Mandela trabalhou com o presidente para mudar a cara do governo sul-africano. Em 1994, o Arcebispo Desmond Tutu liderou o processo de "Verdade e Reconciliação", ajudando a fechar antigas feridas. No mesmo ano, foram realizadas as eleições diretas, um movimento emocionante que gerou quilômetros de filas de pessoas que queriam fazer a diferença. Nelson Mandela foi eleito, e após sua aposentadoria em 1999, seu vice-presidente, Thabo Mbeki, foi eleito para seguir os seus passos.

Terceira Eleição Democrática Em 2004

Em 14 de abril de 2004, o Congresso Nacional Africano (ANC) venceu a eleição com 69,68% dos votos. A data escolhida para a Terceira Eleição Democrática da África do Sul para eleger o presidente foi 27 de abril de 2004, para coincidir com a comemoração dos 10 Anos de Liberdade. Em seu discurso, o Presidente Mbeki prometeu solenemente lutar contra a miséria como a parte central do esforço nacional para construir uma nova África do Sul. Nestes dez anos, muitos progressos já foram feitos para melhorar as condições de vida de muita gente e este compromisso ainda continua.

Fonte: www.africadosulemb.org.br

África do Sul

Nome oficial: República da África do Sul (Republic of South Africa / Republiek van Suid-Afrika).
Nacionalidade:
sul-africana.
Data nacional:
27 de abril (Dia da Liberdade).
Capitais:
Johanesburgo, Pretória e Cidade do Cabo.
Cidades principais:
Cidade do Cabo (854.616), Durban (715.669), Johanesburgo (712.507), Pretória (525.583), Port Elizabeth (303.353) (1991).
Idioma:
africâner, inglês, sepédi, sessoto, setsuana (oficiais, entre outros).
Religião:
cristianismo 66,4% (independentes reformistas católicos, metodistas, anglicanos, luteranos), hinduísmo 1,3%, islamismo 1,1%, judaísmo 0,2%, sem filiação 1,2%, outras 29,8% (1991).

GEOGRAFIA

Localização: sul da África.
Hora Local: + 5h.
Área: 1.223.201 km2.
Clima: tropical (maior parte), mediterrâneo extremo sul, árido tropical (NO), de montanha (O).
Área de floresta: 85 mil km2 (1995).

POPULAÇÃO

Total: 40,4 milhões (2000), sendo grupos étnicos autóctones 70% (zulus 20,5%, chosas 18%, pedis 9%, sotos 7%, tsuanas 6%, tsongas 3,5%, suazis 2%, nedebeles 2%, vendas 2%), europeus 12% (holandeses, alemães, franceses, ingleses), eurafricanos 13%, indianos 3%, outros 2% (1996).
Densidade: 33,03 hab./km2.
População urbana: 53% (1998).
População rural: 47% (1998).
Crescimento demográfico: 1,5% ao ano (1995-2000).
Fecundidade: 3,25 filhos por mulher (1995-2000).
Expectativa de vida M/F: 51,5/58 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil: 59 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: 14,9% (2000).
IDH (0-1): 0,697 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: República presidencialista.
Divisão administrativa: 9 províncias.
Principais partidos: Congresso Nacional Africano (CNA), Democrata (DP), da Liberdade Inkatha (IFP), Novo Nacional (NNP).
Legislativo: bicameral - Assembléia Nacional, com 350 a 400 membros eleitos por voto direto; Conselho Nacional das Províncias, com 90 membros (6 delegados permanentes e 4 especiais de cada uma das 9 províncias).
Constituição em vigor: 1997.

ECONOMIA

Moeda: rand.
PIB: US$ 133,5 bilhões (1998).
PIB agropecuária: 4% (1998).
PIB indústria: 32% (1998).
PIB serviços: 64% (1998).
Crescimento do PIB: 1,9% ao ano (1990-1998).
Renda per capita: US$ 3.310 (1998).
Força de trabalho: 16 milhões (1998).
Agricultura: milho, cana-de-açúcar, uva, outras frutas.
Pecuária: bovinos, aves, caprinos, ovinos.
Pesca: 513,6 mil t (1997).
Mineração: carvão, ouro, minério de ferro, diamante, cromita.
Indústria: química, petroquímica, carvão, alimentícia, equipamentos de transporte, siderúrgica (aço e ferro), máquinas, metalúrgica.
Exportações: US$ 28, 2 bilhões (1998).
Importações: US$ 29,9 bilhões (1998).
Parceiros comerciais: EUA, Reino Unido, Japão, Alemanha, Irã, Itália.

DEFESA

Efetivo total: 82,4 mil (1998).
Gastos: US$ 2,1 bilhões (1998)

Fonte: www.portalbrasil.net

África do Sul

História e economia da África do Sul

Período pré-colonial

A partir de estudos arqueológicos, há indicações de que a região da África do Sul é povoada por seres humanos modernos há mais de 100 mil anos. Os primeiros habitantes foram os bosquímanos, seguidos de agrupamentos tribais de negros (khoi, xhosas, zulus), que foram dispersos, a partir do século XI, pela invasão dos bantos.

Período colonial

Os navegadores portugueses chegaram ao Sul do Continente Africano pelo Cabo da Boa Esperança, rota do comércio do Oriente, por volta de 1500. Mais tarde, o local foi transformado em entreposto comercial. Já no século XVII, a África do Sul passou a ser ocupada por colonizadores holandeses, alemães e franceses. São os chamados bôeres ou africânderes, que povoam a região e criam até uma língua própria, o africânder.

Em 1652, o holandês Jan van Riebeeck fundou uma colônia na região que, posteriormente, foi ocupada por franceses, escravos malaios e malgaxes recém-libertos e cristianizados, que a expandiram. Houve uma forte miscigenação, que mais tarde acarretaria em problemas de natureza social. Os descendentes dessa minoria branca começaram a criar leis que, mais tarde, garantiram seu poder sobre a população negra.

Curiosidade

O Cabo da Boa Esperança, dobrado pela primeira vez pelo navegador português Bartolomeu Dias, na viagem de 1487-1488, foi inicialmente batizado de Cabo das Tormentas, por causa da grande dificuldade de ultrapassá-lo. Como o termo “tormenta” desencorajava os navegadores a seguirem rumos às Índias, foi rebatizado por D. João II, rei de Portugal, por Cabo da Boa Esperança por representar a esperança de uma rota alternativa e lucrativa com o oriente.

Bartolomeu Dias também acompanhou Pedro Álvares Cabral na descoberta do Brasil e morreu em uma viagem às Índias, na altura do Cabo da Boa Esperança.

Conflitos de colonização

De 1781 a 1784, a região da África do Sul esteve sob domínio da França, mas foram os ingleses, a partir de 1785, que ocupam o território mais meridional da África. Em 1806, os ingleses tomam a Cidade do Cabo, enfrentando negros e bôeres. Os choques levam os bôeres a emigrar maciçamente para o nordeste, na chamada Grande Jornada, em 1836, onde fundam duas repúblicas independentes, Transvaal (atual Pretória) e Estado Livre de Orange (atual Estado Livre). Lá, abrem guerra contra os zulus e os expulsam da região. Os britânicos expandem seus domínios, especialmente atraídos pelas jazidas de diamantes e os enfrentam na sangrenta Guerra dos Bôeres.

Curiosidade

A Guerra dos Bôeres: A corrida do ouro começou em 1886, as fazendas foram declaradas propriedade pública e uma nova cidade, Joanesburgo, foi criada na região.

Nessa época, o norte tinha assumido o controle da África do Sul, e várias guerras marcaram a luta pelo poder. Em 1979, os zulus derrubaram as forças britânicas em Isandiwana. Os britânicos, para reagir, derrotaram os Zulus em Ulundi, que hoje é chamada de KwaZulu-Natal.

Quando o Transvaal teve sua república proclamada, estourou a guerra Anglo-Boer, de 1880 a 1881. A segunda guerra Anglo-Boer, que resultou na derrota dos Boers, ocorreu entre 1899 e 1902.

Período Republicano

Em 31 de maio de 1910 nasce a União Sul-Africana, federação das antigas colônias do Cabo e de Natal e dos ex-Estados independentes de Orange e Transvaal. Através de um referendo, a União Sul-Africana transformou-se em república, quando passou a denominar-se República da África do Sul.

Por quase um século, imperou na África do Sul o regime do apartheid. Até o final do século XX, esta questão segregacional foi posta em xeque pela maioria negra. Leis que datavam de 1913 garantiam a posse de 87% do território sul-africano à minoria branca. Na resistência contra o apartheid, destacaram-se líderes como o bispo Desmond Tutu e o ativista Nelson Mandela, que inclusive esteve preso durante vários anos.

Em 1994, o arcebispo Desmond Tutu liderou o processo de “Verdade e Reconciliação” e o Congresso Nacional Africano (CNA), obteve 62,6% dos votos, em uma vitória histórica, marcada por quilômetros de filas de pessoas que queriam votar na primeira eleição direta da história. Mandela é eleito o primeiro presidente negro da República da África do Sul, pondo fim ao apartheid.

Curiosidade

Apartheid significa “separação” na língua africâner. Foi um dos regimes mais discriminatórios e cruéis, que vigorou na África do Sul de 1948 até 1990. A antiga Constituição sul-africana incluía artigos onde era clara a discriminação racial entre os cidadãos, mesmo os negros sendo maioria na população. O documento instituía que os negros não podiam ser proprietários de terras, não tinham direito de participação na política e eram obrigados a viver em zonas residenciais separadas das dos brancos. Os casamentos e relações sexuais entre pessoas de raças diferentes eram ilegais.

Para lutar contra esse regime, os negros acionaram o Congresso Nacional Africano (CNA), uma organização negra clandestina, que tinha como líder Nelson Mandela. O CNA optou pela luta armada contra o governo branco, o que fez com que Nelson Mandela fosse preso em 1963 e condenado à prisão perpétua. A partir daí, o apartheid tornou-se ainda mais forte e violento, chegando ao ponto de definir territórios tribais chamados bantustões, onde os negros eram distribuídos em grupos étnicos e ficavam confinados nessas regiões.

A partir de 1975, lentamente começaram os avanços para acabar com o apartheid. A comunidade internacional e a Organização das Nações Unidas (ONU) faziam pressão pelo fim da segregação racial. Em 1990, foi decretado oficialmente o fim do apartheid e vários líderes políticos foram libertados, entre eles Nelson Mandela, depois de 27 anos de prisão.

A partir daí, o Congresso Nacional Africano foi legalizado, De Klerk e Mandela receberam o Prêmio Nobel da Paz (1993), uma nova Constituição não racial passou a vigorar, os negros adquiriram direito ao voto e, em 1994, foram realizadas as primeiras eleições multirraciais na África do Sul. Nelson Mandela tornou-se presidente com o desafio de transformar o país numa nação mais humana e com melhores condições de vida para a maioria da população.

Economia

A África do Sul é o país mais rico da África, com cerca de 18% do PIB total africano e 45% da produção de minérios. Sua atividade industrial é a mais importante do continente. Ao longo da costa viajam quase todos os navios que transportam petróleo para o Ocidente.

Até a 1ª Guerra Mundial, a economia sul-africana baseou-se na mineração (diamantes e ouro) e na agricultura. A partir da 2ª Guerra Mundial, a indústria entrou em um processo acelerado de desenvolvimento e hoje constitui um dos setores básicos da economia.

Em 2008, o setor de serviços representou 65,3% do PIB, a indústria, 31,3% (incluindo mineração) e a agricultura, 3,4%. A África do Sul é a maior produtora mundial de ouro, platina, cromo, vanádio e manganês. É, também, grande produtora de diamante, carvão, níquel, urânio e gás natural. No ano 2000, a platina ultrapassou o ouro como a maior fonte de renda do país. A taxa de desemprego, de 21,7% em 2008, é uma das maiores do mundo. Até o ano 2000 metade da população vivia abaixo da linha de pobreza.

Fonte: www.brasil.gov.br

África do Sul

Origem Histórica do Nome África

A origem da palavra África também não é clara. Os gregos usavam o termo Líbia e os romanos utilizavam a palavra África.

Tanto num caso como noutro, referiam-se apenas à área geográfica que corresponde hoje, grosso modo, a Marrocos, Tunísia, Argélia e Líbia, área essa que diferenciavam claramente do Egipto e da Etiópia. Existem numerosas conjecturas sobre a origem do nome.

1- Há quem defenda a origem europeia do nome.

Uns dizem que vem do grego «aphriké» (sem frio). Não explicam como conciliar isso com o nome Líbia usado pelos gregos, nem com o fato de estes designarem os negros como etíopes «Aithiops» (aspecto queimado).
Quanto aos romanos, «Africus» seria o nome de um dos doze ventos mitológicos, neste caso o vento sudoeste, ou ainda o termo latino «Aprica» que significa ‘ensolarado’ que estariam na origem da designação do continente. Certo é que os romanos usavam já o termo Africa.

2- Há também a explicação da origem berbere.

De fato, no tempo dos romanos a população do norte de África era constituída por 3 grupos principais: as tribos berberes indígenas, os antigos cartagineses de origem fenícia e os colonos romanos. Assim, África seria uma adaptação romana do nome de uma dessas tribos berberes, os «Avringa» ou «Aourigha».

3- Também muito difundida, é a teoria da origem árabe.

Segundo esta hipótese, África viria do árabe «Afrigii» ou «Afridi» ou ainda «Afira» com o significado de ‘empoeirado’. Quando confrontados com o fato da presença romana anteceder vários séculos a invasão árabe, os defensores desta hipótese argumentam fragilmente que a língua berbere e o árabe têm um tronco comum, explicação esta que repõe novamente nos berberes a origem do nome. O mais provável é que os árabes tenham traduzido o nome romano.

4- O pitoresco avoluma-se quando se consideram explicações mais avulsas como por exemplo que África poderia derivar do reino bíblico de Ofir; que poderia vir do fenício «Apikt»; ou do termo também fenício «Pharikia» que significa ‘terra dos frutos’.

Fonte: insoniasoniricas.net

África do Sul

Origem Histórica do Nome África

A África é uma Península triangular ligada à Ásia pelo istmo de Suez cortado pelo canal do mesmo nome. Limitada ao Norte pelo Mar Mediterrâneo, ao Sul pelos Oceanos, Atlântico e Índico, ao Leste pelo Mar Vermelho e Oceano Índico e ao Oeste pelo Oceano Atlântico. É o segundo maior continente do mundo. É 3 vezes maior que a Europa, 4 vezes maior que o Brasil e 412 vezes maior que Portugal continental. Tem uma área de 30.27 milhões km2, perdendo apenas para o continente Asiático que tem de superfície 44.30 milhões km2.

A divisão política do continente africano compreende 53 países independentes, com uma população total estimada hoje em mais de 681 milhõesde seres humanos. Mas, a curiosidade que caracteriza este pequeno artigo,não se prende tão somente aos dados da situação geográfica do continente nemaos dados demográficos acima descritos, pois a maioria de nós já tem/temosconhecimento dos mesmos nos bancos escolares, pelo menos os que tiveram aoportunidade de ter uma instrução um pouco mais extensa.África! O que vem a significar esta palavrinha de 6 letras que naclassificação da língua portuguesa é uma palavra tónica por possuir umacento que se pronuncia com mais intensidade; trissilábica, por possuir trêssílabas e proparoxítona, por ter o acento tónico na antepenúltima sílaba?

Eis a questão!

É de extrema importância ressaltar antes de tudo que, o nome do nossocontinente não foge à regra, pois a maioria dos nomes de países que hojeconstituem o continente negro, embora oriundos de palavras genuinamentelocais, surgiu/surgiram dos primeiros contatos dos colonizadores com aspopulações autóctones.

Podemos dizer, de um mal-entendido linguístico.

O nativo, indagado alguma coisa assim: Como se chama? Como se chama estelugar? Ele, sem entender absolutamente nada, responde algo que lhe pareceuter sido perguntado, associando o som ouvido à palavra que conhece. E, oinquiridor, que também desconhece totalmente a língua do aborígene e, ávidode ter uma resposta, capta o som, balbucia a palavra e escreve de sua formao som ouvido sem mais nem menos. O que importa é algo registado!

A palavra África deriva de AVRINGA ou AFRI, nome da tribo Berbere que naantiguidade habitava o Norte do continente.Os berberes são descendentes dos antigos Númidas que habitavam a regiãochamada Numídia, entre o país de Cartago e atual Mauritânia, conquistadapelos romanos ao rei Jugurta, cuja capital era a cidade de Cirta, hojeConstantina, na Argélia.

O nome África começou a ser usado pelos romanos a partir da conquista dacidade de Cartago para designar províncias a Noroeste do Mar Mediterrâneoafricano, onde hoje situam-se a Tunísia e a Argélia. Recorda-se que Cartagofoi uma das famosas cidades de antiguidade da África.

Foi fundada no séc.VII a. C. pelos Fenícios, sob a direção da Princesa Tiriana Dido ou Elisa,filha de Muto, rei de Tiro, (atual cidade de Sur no Líbano) que após amorte do seu marido Siqueu, fugiu para a África e fundou a cidade de Cartagonuma península, perto da qual se encontra hoje a cidade de Túnis, capital daTunísia.

Em pouco tempo, Cartago tornou-se capital de uma poderosa repúblicamarítima, substituindo-se a cidade de Tiro no Ocidente. Criou colônias naSicília e na atual Espanha. Enviou navegadores ao Atlântico Norte.Entretanto, as colônias cartagineses na Sicília suscitaram vistas ambiciosasdos romanos que cultivaram uma ferrenha rivalidade que culminou com as 3guerras chamadas Púnicas.

No final da 2ª guerra púnica, os romanos conseguiram apoderar-se da bela esumptuosa cidade de Cartago, sob o comando de Cipião - o Africano, apesardos esforços empreendidos por Aníbal para impedir que os romanos apoderassemdela. Cartago restabeleceu-se dessa derrota, mas foi definitivamentedestruída na 3ª guerra púnica, por Cipião Emiliano. Reconstruída poucodepois, floresceu novamente do séc. I a VI da nossa era e foi uma verdadeiracapital da África romana. Mas, no ano 698 caiu nas mãos dos árabes e começoua decadência.

Portanto, no século XVI, com a necessidade dos Europeus de avançarem para ointerior e para o sul do continente negro, o nome África generalizou-se paratodo o continente que passou a chamar-se de "África".

A palavra África significa também: façanha, proeza, valentia, algo difícilde se realizar. Este segundo e pseudo significado, embora recheado de umcerto preconceito de um lado, de outro dignifica-nos como africanos, poismostra a nítida resistência à penetração estrangeira no interior do nossocontinente e traduz a realidade verdadeira da época. Foi dado pelosEuropeus expedicionários, principalmente os portugueses, como consequênciadas enormes dificuldades que tiveram em penetrar no interior do continente.

A resistência dos nativos causava aos estranhos e indesejáveis visitantes,baixas humanas e muitas vezes retrocediam à face das dificuldades e perigode serem dizimados pelo inimigo que eles mal conheciam e o pior de tudo,conheciam mal o seu terreno.Por isso, todos aqueles que se dispusessem a fazer parte das chamadasexpedições em África eram considerados destemidos e valorosos militares,dispostos "a fazer uma África" isto é, a mostrar sua coragem, a guerrearem, enfrentando o incerto ou inimigo desconhecido. Portanto, estavamdispostos a "meter uma lança em África", que significa dizer, levar a cabouma empresa difícil.

Fonte: didinho.no.sapo.pt

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal