Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Colômbia  Voltar

Colômbia

COLOMBIA, A ORIGEM DO EL DOURADO

O lengendário país do El Dourado foi veementemente procurado por conquistadores do Novo Mundo.

A lenda teve origem na Lagoa De Guatavita, o centro cerimonial dos índios chibchas. Falavam que naquela comarca abundavam o ouro e as pedras preciosas. O mito tinha a sua base na cerimonia ritual do banho sagrado, quando o "O Zipa", o cacique cobria-se de poeira e folhas de ouro, fazendo-se levar em beliches chapados do mesmo metal. Os habitantes daqueles tempos lançavam às águas peças de ouro, esmeraldas e alimentos. Segundo reza a lenda, o fabuloso tesouro do El Dourado foi jogado no fundo da lagoa, quando os espanhóis encontravam-se por ali.

El Dourado nunca foi encontrado, porém o El Dourado, estamos convencidos, realmente não foi lançado as profundidades daquela lagoa, foi sim, esparramado por todo território da Colombia. E para descobri-lo tem que mudar a ambição do ouro, pelo desejo de descobrir a beleza das selvas, a riqueza dos rios, a grandeza das cordilheiras, a majestade dos vales, o silêncio das altas montanhas e a maravilha das selvas e costas, que constituem um verdadeiro tesouro.

Quem faz uma viagem a Colombia, faz uma viagem a muitos países. No reduzido território, o turista encontrará todas as geografias imagináveis. Encontrará a festa das rumbas permanentes e encontrará as contradições maquiavélicas tão surpreendentes no tão magnífico édem. Sem dúvidas, aqueles primeiros conquistadores não foram capazes de ver com novos olhos, onde encontrava-se o verdadeiro tesouro da Colombia. El Dourado não era ouro e esmeraldas, mas sim, uma cultura, tradição, terra, montanhas, gente, deuses, e costumes. Desejamos que passe o mesmo a voce.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Colombia encontra-se no cone sul do continente americano, ocupando uma extensão de 1.141.748 quilômetros quadrados. Tem fronteiras com o Panamá, Venezuela, Brasil, Peru e Equador, sendo o único país da América do Sul banhado pelo Atlântico e o Pacífico.

Ao leste da Colombia localizam os Planícies Orientais, enquanto ao sul o Amazonas ocupa quase a terceira parte do território nacional. A parte oeste da Colombia (cerca de 45%) é montanhosa, formada por três cordilheiras, que descem até o sul da Região do Caribe, e conhecida como Ocidental, Central e Oriental. As três unem-se na região conhecida como Nariño, ao sudoeste do país. A Cordilheira Ocidental, com mais de 1.100 quilômetros. é a mais baixa das três e vai paralelamente às costas do Pacífico. A Cordilheira Central está considerada como uma extensão da Cordilheira dos Andes, sendo a mais alta e a mais vulcânica. A Cordilheira Oriental é a maior e mais comprida, atravessando o país de norte a sul. Entre estas cordilheiras encontra-se o Vale de Cauca e o Vale de Madalena, onde correm os rios de mesmo nome, unindo-se ao norte e desembocando em Barranquilla. Além destas cadeias montanhosas encontra-se a Serra Nevada de Santa Marta, com os picos mais altos da Colombia em Simon Bolivar e Cristovão Colombo, com 5.770 metros cada.

Esta variedade geográfica faz da Colombia um país muito rico em contrastes. Em um "reduzido território" encontrará montanhas e selva, sem esquecer os 33 Parques Nacionais, os mais de cinco Santuários de Flora e Fauna e importantes Reservas Naturais, tudo um paraíso terreno.

Administrativamente a Répública da Colombia divide-se em 32 estados e o Distrito Especial de Bogotá. Cartegena (chamada Cartegena das índias, na época colonial), localiza-se ao norte da região de Bolivar, nas magníficas costas do Caribe. A região caribenha extende-se ao longo de 1.600 quilômetros, desde as densas selvas de Dáren ao oeste, na fronteira com Panamá, até o Deserto. de Guajira ao leste, fronteira com a Venezuela. A região divide-se em seis sub regiões, irrigadas por sete rios naturais únicos como a Serra Nevada de Santa Marta, com as mais altas formações montanhosas próximas ao mar. Por outro lado, na região do Caribe, localizam-se sete Parques Nacionais, como são o Parque Nacional Tayrona ou o Parque Nacional Los Katios, e os silenciosos vulcões em Arboletes, cerca de Barranquilla. Não tem que esquecer-se dos arquipélagos de Santo André e Providência, e as numerosas ilhotas situadas no Mar Caribe.

FLORA E FAUNA

Colombia é um verdadeiro édem e seus habitantes pregonizam, quando afirmam que o país possui a maior concentração de variedades de plantas e animais de todo o mundo. E não exageram, porque em Colombia está classificado cerca de 120.000 variedades de plantas e mais de de quinhentas variedades de aves. Na região Amazônica existem mais de 200 espécies de mamíferos, 600 espécies de aves, 200 classes de répteis e 600 espécies de peixes.

Sua diversa vegetação compreende a selva tropical da região amazônica, os úmidos prados do norte, os pântanos, os arbustos da região de Guajira e os mangues do litoral do Pacífico, sem esquecer das pradarias das bacias dos rios Cauca e Madalena e os bosques tropicais.

Na Colombia existem 33 Parques Nacionais, 6 Santuários de Flora e Fauna, 2 Reservas Naturais e área única, conhecida como Los Estoraques. Todos eles representam 8% do território nacional. As tendências apontam para a extensão da rede dos parques nacionais.

Neste paraíso habitam jaguares, porco do mato, veados, ocelotes, tatus. Tatu, anacondas, numerosas variedades de peixes, diversas classes de ursos, flamingos, gaivotas, urubus e centenas de espécies a mais. Por outro lado, a abundante rede fluvial e suas costas do Atlântico e Pacífico, convertem o país em uma das reservas de vida marítima mais importante do mundo.

A região do Caribe caracteriza-se pelas pantanos (terrenos alagados de água e umidade, pantanoso e com limo, um sedimento de material fino), as lagoas, excelentes pastos para o gado vacinado, além serem ótimos criadores da vida marítima. Na região cultivam diversos frutos e hortaliças como mangostino, cacau, sapoti e coco, entre outras.

Nas imediações de Cartagena, em uma área de 10 quilômetros quadrados encontra-se o Parque Nacional Ilha do Rosário, constituido por pequenas ilhas coralinas, onde a vida marítima é abundante. As mais importantes são as Ilhas do Rosário, Ilha Grande, Ilha Areia e Ilha do Tesouro, que destacam-se mais de 25 pequena ilhotas. O arrecife de coral que rodeia a Ilha do Rosário é um dos mais extensos e magníficos do Caribe colombiano, comparável ao das ilhas de Santo Andrés e Providência, situadas a 750 quilômetros das costas columbianas.

História

Época Pré-Colombiana

Antes da chegada dos espanhóis, o território colombiano estava habitado por algumas tribos que alcançaram um alto nível de desenvolvimento, que ocupavam reduzidos espaços. Sabe-se pouco delas, já que nenhuma civilização deixou monumentos espetaculares, nem duradouros. Entre as culturas mais destacadas estão a muisca, quimbaya, tayrona, tolima, calima, sinú, nariño, tumaco e guane, Os caribes, pijaos e os panches foram os mais barulhentos.

Os grupos mais importantes foram os muiscas, conhecidos também como chibchas, ao conformar o grupo mais relevante da família lingüïstica chibcha. Os muiscas habitavam as altas planícies da Cordilheira Oriental e foram célebres por sua florescente civilização, por suas riquezas, pela exploração das minas de sal e esmeraldas, e por suas amplas rotas comerciais com outras culturas. Na chegada dos espanhóis, os muiscas constituiam a cultura mais desenvolvida e ordenada da Colombia. Sem dúvidas, encontravam-se divididos em dois grandes clãs, o que favoreceu sua conquista por parte dos espanhóis.

A Conquista e a Colônia

Alonso de Ojeda e João da Cosa foram os primeiros espanhóis que pisaram em terras colombianas. A eles sucederam numerosas expedições pelo litoral, fundando-se em 1525 Santa Marta (a cidade mais antiga da Colombia) E Cartagena em 1533. A conquista dos territórios realizou-se graças as três avançadas que invadiram o país. Gonçalo Jiménez de Quezada partiu de Santa Marta para internar-se no Vale Madalena, conquistando o território Muisca e fundando Santa Fé de Bogotá a princípios de 1537. Sebastião de Belalcázar organizou uma expedição desde Equador, conquistando a pare sul do país e fundando Pasto, Popayán e Cali em sua viagem a Bogotá. A terceira expedição, comandada por Nicolas de Ferdemann, partiu das costa venezuelanas, cruzando os Planícies e chegando a Bogotá pouco depois da Audiência do Novo Reino de Granada, um tribunal instalado em Bogotá, que dependia do Vice Reinado do Peru, para acabar com as lutas pelo poder.

Em 1717 devido ao crescimento do império espanhol, criou-se uma nova divisão territorial e Bogota passou a ser a capital do novo vice reinado chamado Nova Granada. Abarcava os territórios atuais de Colombia, Panamá, Venezuela e Equador.

A Independência

Nos finais do século XVIII iniciam os movimentos independentistas. Depois de uma primeira tentativa frustrada, Simon Bolivar em companhia de Francisco de Paula Santander e José Antonio Anzoategui, reunem um novo exército de lhaneros venezuelanos, que liberam Venezuela e cruzam os Andes para entrar na Colombia. A última batalha foi em Boyacá em 1819, conseguindo a completa independência.

A Grande Colombia

Expulsos os espanhóis, celebrou-se em Angostura (Venezuela) em 1819 o congresso revolucionário que proclamaria a Grande Colombia.

O novo estadpo criado por Simon Bolivar, compreendia três regiões: Cundinamarca (Colombia e Panamá), Equador e Venezuela, com a capital em Cúcuta. A Grande Colombia não durou muito, já que entre 1829 e 1831, separariam Venezuela e Equador.

Em 1849 formalizaram dois partidos políticos da atual Colombia: o Conservador (centro) e o Liberal (federal). Sem dúvida, instala a violência e o país é testemunha de ferozes rivalidades entre os partidos, derivando em 1899 em uma guerra civil conhecida como a Guerra dos Mil Dias. Os Estado Unidos da América fomentaram um movimento seccionista no Panamá e, em 1910, obtém sua independência.

Das Guerras Civis aos Nossos Dias

Depois de um período de relativa paz, em 1948 com o assassinato de Jorge Eliecer Gaitán, um líder liberal, o país funde-se em uma nova e terrível guerra civil, entre conservadores e liberais. Depois de alguns anos de enfrentamentos, os líderes dos partidos decidem respaldar um golpe militar como o melhor meio para conservar o poder e pacificar a área rural. O golpe de Estado realizado pelo General Gustavo Rojas Pinilla durou até 1957, quando os dois partidos firmam um pacto, aprovado em um plebiscito, com o nome de Frente Nacional, com que fixa a alternativa do poder cada 4 anos, nos próximos 16 anos. Esta frente chegou a seu fim em 1974, com a vitória de Afonso Lopes Michel, que resulta eleito.

As guerrilhas têm desempenhado um papel importante na história da Colombia. Suas origens encontram-se na violência dos anos 40 e 50. Exite uma dezena de guerrilhas, cada uma com sua própria ideologia e estratégia militar. Nos últimos anos tem-se feito esforços para pacificar áreas mais conflitivas e entre eles, destaca-se a conversão do grupo guerrilheiro M-19 em partido político. Outro fator que afeta seriamente a Colombia é a droga e os cartéis, constituido em poderosas máfias. Nos princípios dos anos 80, o governo inicia a acampanha contra o narcotráfico, dando lugar a uma violência desmedida, começando uma época de atentados dirigidos aos postos militares, políticos e civis. Nos últimos anos a situação melhorou consideravelmente, graças a queda dos cabeças de diferentes cartéis do país.

Breve História de Cartegena das Índias

A região do Caribe estava habitada pelos tayronas, um dos grupos mais desenvolvidos da época pré-colombiana. Depois de sua conquista, Pedro de Heredia, funda Cartegena das Índias em 1533. A cidade desempenhou, desde sues incios, um importante papel na época da colonia, ao ser o principal porto de embarque de ouro da América e a porta de entrada para o norte da América do Sul.

Cartegena funcionava como armazém dos tesouros da Coroa, até que os galeões espanhóis pudessem embarcar e regressar a Espanha. Isto converteu-na no principal objetivo de vandalos e piratas do Caribe. No século XVI depois dos ataques de Sir Francisco Drake e Robert Baal, a Coroa decidiu converter Cartagena em um lugar impenetrável, construindo grossas muralhas em torno da cidade, fortes e baluartes. A cidade converteu-se em uma formidável praça militar forte. Sem dúvidas, e, 1697 os franceses Points e Ducasse saquearam-na totalmente. O ataque mais violento foi dirigido por Dom Blas de Lezo, um espanhol da nobreza. Este estranho personagem perdeu sua perna esquerda na batalha de Gibraltar e seu olho esquerdo em Toulon,. Porém, a desgraça acompanhava-o. na Batalha de Barcelona, perderia seu braço direito. Apesar destas amputações, Blas de Lezo defendeu Cartagena de forma valente. Os ingleses convencidos de sua vitória, gravaram nas moedas a esfígie de Lezo rendido ante Vernon. Blas saiu vitorioso e morreu pouco tempo depois.

No século XIX Cartagena foi um dos primeiros povos a proclamar sua independência em 1810, porém teve que esperar até 1821 para alcançar sual libertação definitiva. Foi centro militar de Simon Bolivar, quem batizou-a como "A Heroína". Depois da independência, a cidade converteu-se, novamente em um importante centro marítimo. A prosperidade trouxe judeus, italianos, franceses, turcos, libaneses e sírios.

Nas últimas décadas Cartagena experimentou um crescimento importante, desenvolvendo-se grandes subúrbios. Hoje é o segundo porto em importância da Colombia e um grande centro industrial especializado em petroquímica. Sem dúvidas, o desenvolvimento das novas regiões turísticas e a velha Cartagena, mudaram muito pouco, graças a proteção das muralhas, fizeram de Cartagena uma das cidades mais belas de toda a América.

Arte e Cultura

A variedade do folclore, a riqueza da arte e a diversidade do artesanato da Colombia, demonstra que o país é um grande mosaico étnico e cultural. Seu passado de raizes indígenas, espanholas e africanas, combinadas e misturadas, têm produzido uma expressão no presente muito peculiar. que percebe-se particularmente nas belas artes.

Arte Pré-columbiana

A arte pré colombiana é conhecida, pelos trabalhos em ouro das antigas culturas indígenas, considerados como os melhores do continente americano. Antes da época da conquista numerosas culturas utilizaram o ouro, curiosamente com técnicas muito parecidas, porém desenvolvendo estilos estilos muito particulares. O ouro foi utilizado na elaboração de peças de joalheria, anéis para o nariz, braceletes ou coroas, e como utensílios e oferendas para as cerimônias ritualísicas. A melhor mostra do trabalho em ouro pré- colombiano é a famosa Balsa Muisca, uma peça em folha de ouro, que representa o cacique carregado de ouro em uma barca junto aos remadores, antes de banhar-se na lagoa Guatavita. Também, são famursos os Tunjos, grandes figuras de ouro, que representam os ferozes guerreiros.

Por outro lado, destacam-se os trabalhos da cultura Tolima com seus peitorais planos, que descrevem sensíveis figuranas humanas, assim como, os poporos da cultura Quimbaya, recepientes com um longo pescoço, onde mecerava-se a folha da coca. Outras culturas como a Tayrona, os Sinú ou os Calima, deixaram excelentes trabalhos. Todos eles estão exibidos no Museu do Ouro em Bogotá, o qual possui a maior coleção do continente.

A ourivesaria pré-colombiana é muito rica em formas e estilos, o que tem dificultado sua classificação. Desenvolvida por grupos sedentários de agricultores, não somente fabicaram objetos de uso doméstico, como pratos, com alegres motivos ou vasos decorativos com diversas cores, mas também, utilizaram-na em suas cerimonias ritualísticas, como são as tumbas funerárias, com figuras antropomórficas ou de animais. As peças mais características provém da cultura muisca e tem sua melhor mostra na grande variedade de múcuras, um cântaro especial de pescoço delgado e decorado com motivos antropomóficos. Esta peça era utilizada para tarefas domésticas e cerimonias religiosas. Ainda seguem fabricando de acordo aos processos ancestrais, especialmente nas regiões rurais de Boyacá.

A diferença de outras culturas sul americanas, na Colombia não encontra-se imponentes construções ou grandes áreas arqueológicas, com excessão das grandiosas figuras da região de Santo Augostinho Ali encontra-se mais de 500 peças talhadas em pedra, representando deuses, homens e animais, que demonstram o complexo culto religioso deste grupo indígena. Sem dúvidas, as culturas pré-colombianas. Deixou um bom exemplo do que foram em outro tempo, nas centenas de peças e instrumentos de trabalho que demonstram um alto grau de desenvolvimento e elaboração.

Arquitetura

Não existem construções pré- colombianas que tenham sobrevivido ao tempo.

A razão está em que a maioria dos grupos indígenas utilizaram para a construção de suas moradias, materiais muito frágeis: madeira e fibras vegetais, unidas com folhas de palma (tradição que continua em algumas regiões do Caribe). A pedra foi utilizada em pequena escala para centros cerimoniais e somente pelos grupos mais desenvolvidos. O melhor exemplo da arquitetura pré-colombiana é a Cidade Perdida, o antigo centro dos índios Tayrona, na Serra Nevada de Santa Marta. A maioria das habitações tem desaparecido, sem dúvidas, tem permanecido as estruturas de pedra e uma complexa rede de terraços e escadarias.

Com a chegada dos espanhóis, o ladrilho e o azulejo form introduzidos para as edificações das nascentes cidades coloniais. O modelo urbano seguia um padrão ditado pela Coroa, no centro contituiam as praças maiores e ao se redor erguiam-se as igrejas os prédios governamentais. Desta forma as disposições ditadas pela Coroa inflenciou fortemente a estética de Colombia. Pretendia-se lograr um estilo arquitetônico sencível e funcional, tônica que continuou até o século XVII.

Com esta política austera, pretendia-se corregir os excessos cometidos no México. Sobre este legado espanhol, base e estrutura do neo grandino, foram sdimentados diversas influências, que deram um carácter peculiar aos edifícios,, pátios centrais e balcões.

A forte tradição católica espanhola deixou numerosas igrejas e conventos na colônia. As situadas em Tunja, sede política de Nova Granada, Cartagena, Bogotá, Popayán e Pasto, são um bom exemplo. As primeiras igrejas eram pequenas e modestas, porém nos períodos posteriores tenderam fazê-las majestosas, de dimensões monumentais e profusamente decoradas em seu interior. São a melhor mostra do antigo resplendor da colônia.

Até o século XIX predominou a arquitetura de estilo espanhol, ainda que também apreciam influências italianas, francesas ou inglesas. Na região de Antioquia desenvolveu-se uma especial decoração, concretamente gravada em portas, balcões e janelas.

A arquitetura moderna apareceu depois da Segunda Guerra Mundial, um estilo que impôs de maneira acelerada, na década dos anos sessenta. Os melhores exemplos podem ser vistos nas cidades de Bogotá e Medellín.

Pintura e Escultura

O período colonial esteve dominado por motivos religiosos, inclusive os gravados em madeira, retabolos, estátuas em madeira e altares elaborados pelos artistas locais. Pode-se apreciar em todas as igrejas daquela época e nas diversas pinacotecas do país, que contam com excelentes coleções.

O artesanato local foi introduzido, de forma pausada, as influências aportadas pelos espanhóis, entre elas o estilo mudéjar, desenvolvido na Espanha entre os séculos XII e XVI. As melhores mostras encontram-se nas igrejas de Tunja e Bogotá. Outro estilo que teve um forte marco foi a escola quitenha, que influenciou a maioria dos países andinos.

Nos princípios do século XX quando os artistas colombianos experimentaram e produziram sua arte original. Numerursos pintores e escultores iniciaram suas carreiras na década doa anos 30 e nos anos 40, e o melhor exemplo são as obras de Botero, conhecidas internacionalmente.

Música

A música forma parte, desde tempos pré- colombianos, das cerimonias religiosas, festas e reuniões. Os indígenas utilizaram somente instrumentos de vento e de percussão. Com a chegada dos espanhóis introduziram os instrumentos de corda e o mundo musical fez-se mais complexo. Temos que agregar a eles a influência da música africana, importada pelos escravos, que originou uma rica diversidade. Todos estes rítmos foram fundindo-se, provocando novos rítmos. Estas diferentes formas ortogadas a Colombia, tem gerado uma rica heterogenidade musical. Entre os rítmos mais conhecidos destacam-se a salsa, o valenato e a cumbia.

Artesanato

Depois da conquista, os índios incorporaram em seus trabalhos as técnicas espanholas, porém mantiveram seus ancestrais motivos, desenhos e modelos.

A grande variedade de plantas e materiais existentes na região, contribuiram na diversidade do artesanato, que destacam-se os trabalhos em cestaria, tecidos e a olaria. As cestas encontram-se em numerosas medidas, formas e cores. Os tecidos de grande qualidade evoluiram enormemente graças a lã de ovelha, introduzida pelos espanhóis. Sem dúvidas, permanecem os desenhos pré- colombianos e ainda em muitas regiões utilizam rudimentares tecedoras. A ourivesaria tem adaptado-se as necessidades atuais, apresentando innovadores desenhos de alta qualidade. Em algumas regiões seguem fazendo reproduções de ourivesaria pré-colombiana. A região de Boyacá é a principal fabricante de artesanato de todo país.

Locais Turísticos

Dividimos o país em 8 regiões. Iniciaremos nosso percurso por Cartagena das Índias, para continuar por outros locais turísticos do Caribe Colombiano. Daqui viajaremos até Bogotá e seus Arredores para desenvolver depois, o Noroeste Colombiano (Regiões de Antioquia, Caldas, Risaralda e Quindio). Outra região de especial interesse são as de Boyacá e Santander, onde empreenderemos outra viagem até Sudoeste, para irmos até os Planícies Orientais. Concluiremos nosso percurso por uma rápida viagem pelo Amazonas Colombiano.

CARTAGENA DAS ÍNDIAS

Com segurança seu primeiro contato será na região de Boca Grande, onde localizam-se a maioria dos hotéis. Dali à Cartagena antiga, cidade colonial, possui um bom trajeto. Sugerimos percorre-lo à pé ou em carro puchado por cavalos, ou se a urgência é impostegável, em uma simpática "chiva" ou bem em táxi.

O mais recomendável é entrar pela Porta do Relógio, conhecida também como a Boca da Ponte.

É a entrada principal e nos tempòs de colônia, tinha-se acesso a ela por uma ponte, que comunicava-se com os três bairros principaís de Cartagena: o Centro, lugar de residência da nobreza e Gestsemani, onde vivem as classes populares. O Bairro de São Diego situado mais ao norte aloja os militares, artesãos e a classe média. No século XIX nesta porta ergueu-se a torre com um relógio e um dos pontos de referência da cidade. Na frente encontra-se a estátua em homenagem ao madrilhenho Pedro Heredia, fundador da cidade.

Atravessando a muralha situa-se Praça dos Carros, o lugar onde negociava-se a compra e a venda de escravos procedentes da África negra. A praça aloja casas coloniais com belos balcões e arcos e o Portal dos Doces, como querendo esquecer o amargo sabor da escravatura. Concentram-se os vendedores de doce de coco e tamarindo, os engraxates e os padeiros, todos eles envoltos em um ambiente popular. Continuando pela muralha, a poucos passos encontra-se a Praça da Aduana, a maior do recinto e nela situa-se o Governo, a que fora a casa do fundador e sede da Real Casa da Aduana, na época da colônia. No centro ergue-se um monumento a Cristovão Colombo, que observa inexpressivamente o descorrer da vida da cidade.

Continuando pelas laterais da muralha, encontra-se o Convento e a Igreja de São Pedro Claver, construido pelos Jesuitas no século XVII. Aqui viveu e morreu o "Apóstolo dos Negros", o monje espanhol, que com seu trabalho contribuiu para emancipação dos escravos. Pode-se visitar o claustro, os quartos do santo, o jardim e o museu onde exibem-se peças pré- colombianas. Ao lado, a igreja que construiu no século XVIII, a qual destaca-se por sua fachada e a formosa cúpula. No altar maior repoussam os restos de Pedro Claver (horário: todos os dias das 8 às 17 horas).

Seguindo até o norte encontra-se a Praça de Bolivar, a antiga Praça da Inquisição, coberta por mais dos maravilhursos balcões de Cartagena. A Catedral ou Basílica menor, e que a pesar de suas numerosas restaurações, conserva sua forma original. Sua construção iniciou-se em 1575 e 11 anos mais tarde, foi parcialmente destruida durante o assalto do célebre pirata Francis Drake. Destacam-se suas enormês colunas, as laterais e o púlpito em mármore, suas contra forças que lhe dão o aspecto de uma fortaleza, e o altar maior, uma bela talha em madeira policromada, procedente de Sevilha no século XVIII.

Muito próximo e rodeada pelos principaís templos encontra-se o Palácio da Inquisição, finalizado em 1717. Desde princípios da colônia o Tribunal do Santo Ofício perseguiu os hereges, blasfêmicos, bígamos e criminais da fé. Paraxalmente, o Palácio é um das mais belas contruções da cidade, um exemplo de arquitetura colonial, que aprecia em sua fachada barroca, nos balcões e no oratório do interior. Anexo ao Palácio construiu-se um edifício como lugar de residência dos inquisitores. A construção aloja agora, o Museu Antropológico e Histórico, onde exibem-se os instrumentos de tortura, uma maquete a escala de Cartagena do século XIX, arte pré-colombiana e uma interessante coleção de mapas do Novo Reino de Granada (horário: de seguna às sextas-feiras das 8 às 11:30 horas e das 14 às 17:30 horas. Sábados e domingos das 10 às 17 horas).

O templo mais antigo da cidade é a Igreja de Santo Domingo, construida nos finais do século XVI. Sua fachada, obra manierista da arte hispalense, dos passagem a uma ampla localidade de com capelas e cruzeiros, e a Capela Maior, realizada em pedra de pedra sabão. Destaca-se seu coro, sostenido por um arco rebaixado, quase reto, apoiado em duas colunas, enquanto que no altar maior, de estilo barroco, encontra-se um legendário Cristo talhado em madeira. A torre está ligeiramente inclinada e no o exterior pode-se apreciar contra forças, que realizaram ao finalizar a obra para reforçar os muros.

Como última visita no bairro do Centro, a Casa do Marquês de Valdehoyos, um formoso casarão do começos do século XVII, que leva o nome de um personagem que negociava com escravos e diversos cereais. É um bom exemplo da arquitetura que emanava as exigências das casas de comércio com as comodidades da casa senhoril. Destacam-se seus pátios ajardinados, amplos salões, trabalhos em madeira e um mirante que esconde uma particular vista de Cartagena. Em uma parte da casa exibem-se objetos históricos e exposições itinerantes. A casa acolhe atualmente, a Secretaria do Turismo (visistas de sgundas às sextas-feiras das 8:30 às 12 horas e das 14 às 16 horas).

Na direção do antigo Bairro de São Diego encontra-se a Universidade de Cartagena, o que foi o antigo Convento de Santo Augostinho. Somente ficou o claustro, porém não desmerece a cúpula do estilo florentino e o delicado pátio interior ajardinado.

Já em pleno coração do bairro ergue-se a Igreja de Santo Toribio de Mangrovejo, iniciada no século XVII. Seu trecho está coberto de painéis de estilo mudéjar e um altar de estilo barroco em madeira e folha de ouro. Em seu interior pode-se ver uma bala de canhão que, disparada pelos homens de Vernon em 1741, caiu em seu templo sem chegarr a explodir (horário: somente das 6 ás 18 horas, segunda às sextas-feiras). Muito próximo da Igreja encontra-se a Casa de Dom Benito, uma esplêndida casa colonial muito bem conservada.

Cerca da muralha encontra-se, aquele que foi o Convento de Santa Clara, antiga prisão para os heróis da independência e que hoje, restaura-se para converte-lo em hotel.

Na Praça de São Diego, o convento do mesmo nome, aloja a Escola de Belas Artes.

Este passeio pelos bairros do Centro e de Getsemani finaliza a frente da estátua da Índia Catarina, situada junto ao baloarte de São Pedro Mártir. A imagem da "Índia", como dizem os oriundos, levanta-se esbelta como homenagem aos índios caribes, fundadores da velha Calamari. Contam que depois de muitos lances conheceu a Pedro de Heredia, que foi intérprete e conselheira. Finalizou sua vida na Espanha, onde foi levada por um filho de um conquistador.

Neste lugar a muralha corta-se no que conhece-se como o distrito de A Matuna. Esta parte da muralha foi demolida fazem umas décadas, antes de que a cidade fora declarada Patrimonio Nacional da Humanidade pela UNESCO, em 1989. O bairro de Getsemani esteve habitado pelas classes populares e portanto, sua arquitetura é mais modesta. Nela destacam-se a Igreja da Santíssima Trindade e a Igreja da Santa Ordem.

O OUTRO LADO DA MURALHAS

Fora do recinto das muralhas e sobre as colinas que dominam a cidade encontra-se o Convento da Popa do século XVII. Construido pelos Padres Augostinhos, conhecido atualmente por Convento de Nossa Senhora da Candelária. Depois da independência foi utilizado como base militar e posteriormente, abandonado até em 1964, os monjes o resgataram para recuperá-lo. Em seu interior destaca-se o Altar da Virgem da Candelária, os pátios ajardinados com arcos coloniais e o modesto Museu Eclesiástico, que aloja uma estranha talha de madeira de um bode, reprodução que adoravam os indígenas. Conta a lenda que o primeiro superior do convento arrojou uma espécie de cabra de ouro -"o cabrão" -ao que os indígenas adoravam tendo-o pelo demônio. Desde o convento divisam as melhores vistas de Cartagena e, recomendamos visitar no primeiro dia, para ter uma idéia e orientar-se perfeitamente. Aconselha-se pegar um táxi, pois o acesso à pé é cansativo. (de segunda a sábado das 8 às 18 horas e aos domingos das 8 às 16:30 horas).

A Casa de Rafael Nunes residência do poeta e antigo presidente da república, constitui uma das melhores mostras da arquitetura crioula em madeira do século XIX. Convertida em museu exibe a obra do escritor, assim como, seus objetos pessoais. Na frente da casa encontra-se a Ermita do Cabrero, que acolhe os restos do ex prsidente e sua esposa. (todos os dias das 8 às 12 horas e das 14 às 16 horas).

O bairro da Manga, na ilha de mesmo nome, acolheu no século XIX a classe média. Pode-se apreciar uma série de casas, que combinam o estilo crioulo com o árabe, que os imigrantes do Oriente Médio exportaram a estas terras.

Ao sul da cidade murada encontra-se a península em forma de "L", conhecida como Bocagrande. Aquí concentram-se a maioria dos grandes hotéis, franqueados pelas praias e avenidas, centros comerciais e centros de diversão. Constitui junto com O Laguito e Castelo Grande, o centro turístico de Cartagena.

Na frente da Porta do Relógio, onde iniciamos este passeio, sobre a Baia das Animas está a Doca dos Pégasos, que foi na época da colônia o lugar de atraque dos galeões, que recorriam ao tributo das Índias para a Coroa e que acolhe agora, barcos pesqueiros, de carga e a botes destinados a passeios turísticos (ver seção de transportes). Na Doca existem numerursos quiosques onde pode-se degustar os melhores sucos de frutas e frituras diversas.

A MURALHA E AS FORTIFICAÇÕES ESPANHOLAS

As muralhas, um dos símbolos de Cartagena planificou-se como defesa frente as possíveis desembarques provenientes do mar aberto. Sua construção iniciou-se em 1587 e os trabalhos duraram mais de dois séculos, devido as destruições que sofreram por fortes temporais, assim como, pelo ataque de piratas e vândalos.

Na construção das muralhas participaram os melhores arquitetos militares epanhóis da época e milhares de escravos negros, concluindo a obra em 1795, sob o reinado de Carlos III. Rodeavam quase toda a cidade e uniam até 23 baloartes, situados em lugares estratégicos, com merlões para os canhões e seteiras para as espingardas. Hoje pode-se ver 16 daqueles baluartes, entre os que destacam-se o de São Ignácio, São Domingo, o Forte da Tenaza (junto construiram as Bovedas), Santa Catarina (onde as muralhas separam-se do mar), São Lucas (construido sobre a lagoa do Cabrero) e São Pedro Mártir, entre outros. As muralhas encontram-se em perfeito estado e são um bom lugar para dar um passeio ao entardecer do sol.

No século XVI Felipe II, ante os constantes ataques dos bucaneros ingleses em busca do ouro das Índias, tomou a decisão de converter a Cartagena em uma cidade impenetrável.

Naquela época Cartagena era praticamente uma ilha: ao norte e a leste, o mar aberto e ao sul, uma região pantanosa, a atual Boca Grande.

Foi assim como projetaram as obras de defesa, especialmente, as muralhas e as fortificações, que controlariam os acessos a Boca Grande e Bocachica.

Das fortificações que controlavam o acesso à Baia de Cartagena tão somente ficaram o Forte de São Fernando e o Forte -bateria de São José. O primeiro situado na Ilha de Terra Bomba, em forma de ferradura e com dois baluartes unidos por uma muralha, construido em 1578 e finalizado em 1781. O segundo situado em uma ilhota, junto a Península de Barú, é uma reconstrução do ano de 1752, depois do que fora destruido no cruel ataque de Vernon.

Entre as fortificações para defender as baias, ficaram o Forte de São Sebastião do Pastellito, que acolhe hoje um restaurante, com um formoso Pátio de Armas e o Castelo de São Felipe de Barajas, construido na Serra de São Lázaro. Este castelo é uma das obras mais importantes da engenharia militar espanhola na América, iniciada em 1639 e finalizada em 1657. Inicialmente este forte de disposição triangular era de reduzidas dimensões, dispunha de 28 canhões e 24 soldados. Sem dúvidas, devido aos ataques e a sua estratégica posição foram adiando-se paliçadas e baterias, convertendo-se em um forte de complexo original desenho com tuneis e galerias (horário: todos os dias das 8 às 17 horas). Aos pés do castelo ergue-se a estátua em memória de Blas de Lezo, por sua defesa da cidade, durante o ataque ao mando de Vernon em 1741, com cerca de 24.000 homens.

ARREDORES DE CARTAGENA

Até o norte, em direção ao aeroporto, encontra-se A Boquilha, uma pequena aldeia de pescadores bordeada pelo Mar Caribe de Tesca. Suas praias são visitadas pelos habitantes de Cartagena e conta com chiringuitos que servem, os finais de semana, peixe frito e arroz com coco, entre outros pratos. Nas proximidades encontram-se Ciénaga da Virgem a que acolhe ao entardecer centenas de garças brancas. Este passeio pode completar-se com a visita a Ponta Icacos, com suas praias de finas areias e restaurantes de comidas simples.

Até o sul de Cartagena encontra-se Bocachica na Ilha de Terrabomba, uma aldeia de pescadores com encantadoras praias. Mais ao sul a Ilha de Bauru, uma importante região de desenvolvimento turístico pelas suas praias de águas cristalinas, com impressionantes fundos marítimos.

Ilha do Rosário

Um dos atrativos mais interessantes do Caribe colombiano são as Ilhas do Rosário, um conjunto de ilhas e caios coralinos, situados a uma hora e média navegação. A maior parte das ilhas são propriedade privada, onde recomendamos fazer uma visita organizada. A maioria das empresas que realizam este trajeto incluem um tour panorâmico das ilhas, a visita ao aquário na Ilha de São Martim de Pajarales, além de dispor de tempo suficiente para banhar-se nas águas de incríveis cores. Existem ilhas que oferecem alojamento em cabanas acondicionadas para pernoitar.

São Jacinto e Mompós

São Jacinto situado 115 quilômetros ao sul de Catagena, é um importante centro artesanal com interessantes preços. É conhecido por sua famosas redes. A visita pode ser feita ao meio dia e, se dispõe de mais tempo não deixe de visitar Mompós, conhecido tradicionalmente como Santa Cruz de Mompox, uma vila com personalidade singular. Situada a 248 quilômetros de Cartagena as márgens do rio Madalena e fundada em 1537, foi um importante centro de comunicações e de mercadorias até o interior do país, até o século XIX, quando o rio mudou seu rumo, perdendo sua importância como meio de comunicações. A cidade é uma jóia da arquitetura colonial, com suas casas brancas e ruas empedradas, além de suas majestosas igrejas, especialmente a da Santa Bárbara, com sua torre de estilo árabe. A Mompós pode-se chegar em pequeno avião, ônibus ou barco. A viagem vale a pena.

CARIBE COLOMBIANO

ILHAS DE SANTO ANDRES E PROVIDÊNCIA

Este arquipélago de ilhas coralinas encontram-se a 700 quilômetros das costas colombianas e é um dos destinos preferidos, pela beleza de suas praias, seus impressionantes arrecifes e águas cristalinas.

As ilhas foram antigamente colônia britânica e este passado inglês percebe-se no idioma, na religião e na arquitetura. A Ilha de Santo André tem uma extensão de 13 quilômetros de comprimento por 3 quilômetros de largura e o Povoado de Santo Andres, conhecido como O Centro, é a cidade mais importante. A melhor maneira de adentrar-se neste território é dar um passeio de automóvel pela estrada que a circunda. No interior encontra-se os setores residenciais dos nativos, sobressaindo a pequena cordilheira, onde encontra-se o povoado de A Loma, com uma igreja batista de 1874.

As praias são um excelente lugar par o descanso e para o mergulho. Destacam-se a Caverna de Morgam, uma gruta coralina comunicada com mar e através de encantadores túneis. Pax Hole, uma piscina natural e Jonhon Cay, um maravilhoso caio, onde desfruta-se da boa música e da boa comida, e as Praias de São Luis e Sound Bay.

Ilha da Providência

A Ilha da Providência, de formação vulcânica, encontra-se a 90 quilômetros ao norte de Santo Andrés e constitui um dos locais mais tranquilos do Caribe colombiano. Os arrecifes de Providência são mais extensos que os de Santo Andrés e. é um excelente local para o mergulho. Na ilha encontra-se mostras da arquitetura inglesa, que combinam com o rico colorido, onde seus habitantes decoram suas casas. As populações mais importantes são Santa Isabel, o centro administrativo, Povo Velho e Casa Baixa. Não deixe de realizar uma excursão até O Pico, a serra mais alta da ilha com 320 metros e a Ilha de Santa Catarina, unida a Providência por uma ponte e que conta com as melhores praias da região. Entre as baias de Providência destacam-se a Baia de Água Doce, a principal área turística, a Baia do Sudoeste e a Baia de Manzanillo, com suas melhores praias.

BARRANQUILLA

Barranquilla fundada originariamente com o nome de São Nicolas em 1962, possui uma panorâmica moderna e desenfadada. Capital da região do Atlântico é o porto mais importante do Caribe colombiano, destacando-se, sobretudo, por seu ruidoso e festivo Carnaval.

Entre os locais de turismo de Barraquilla sobressai a Igreja de São Nicolas de estilo gótico e o Museu de Antropologia, com uma coleção de peças pré-colombianas das culturas Calima, Tumaco, Narinho, Quimbaya e Gue, o Jardim Zoológico, o melhor do país, com mais de 300 espécies e a Igreja de Santo Antonio de Pádua do século XVII, com detalhes barrocos.

Nos arredores de Barranquilla, não deixe de visitar Galapa, um pequeno povoado de tradição artesanal e o Vulcão do Lodo o Totumo, a 50 quilômetros, sendo o maior do mundo, do seu tipo, e local onde pode tomar refrescantes banhos de lodo.

SANTA MARTA

Santa Marta, capital da região de Madalena é a cidade mais antiga de Colombia. Fundada em 1525 por Rodrigo de Bastidas, foi a primeira porta de entrada ao interior da colônia e hoje, é o terceiro porto em importância da Colombia. Santa Marta encontra-se em uma preciosa Baia e ao pé do maciço de Serra Nevada de Santa Marta, o conjunto montanhoso costeiro mais alto do mundo. Neste impressionante Parque Nacional, paraíso de flora e fauna, habitaram os Tayronas, indígenas pré-colombianos, que alcançaram um alto desenvolvimento. No meio das verdes cordilheiras encontra-se a Cidade Perdida, uma das maiores cidades pré- hispânicas, do continente. As ruinas são um labirinto de terraços, caminhos, muralhas e casas, que permanecem impassíveis, como testemunhas de um esplenderoso passado.

Em Santa Marta destacam-se a Catedral de estilo depurado e monumental do século XVII, o Museu Arqueológico Tayrona, a Antiga Casa de Aduana, com uma magnífica coleção de objetos (horário: de terças a sábados das 8 às 12 horas e das 14 às 18 horas, aos domingos das 8 às 12 horas), e a Quinta de São Pedro Alejandrino (5 quilômetros), onde viveu e morreu Simon Bolivar.

Nas imediações de Santa Marta encontra-se o Parque Nacional Tayrona, o mais popular da Colombia, por suas escondidas praias protegidas por arrecifes de coral. Podem observar alguns restos arqueológicos da cultura Tayrona em Pueblito, um antigo assentamento. O Rodadero é a praia mais popular, com numerursos complexos hoteleiros, comerciais e de entretenimento. Dispondo de tempo não deixe de acercar-se da Cienaga Grande de Santa Marta, onde pode-se realizar recorridos náuticos e a Taganga, a baia de pescadores, onde pode-se mergulhar.

BOGOTÁ E SEUS ARREDORES

Bogotá, capital da República, é a cidade mais povoada de Colombia. Assentada em um verde vale a 2.600 metros de altitude, constitui o centro mais dinâmico e importante do país. Como tantas outras cidades da América do Sul, sua arquitetura é uma mistura de estilos coloniais, crioulos e modernos, sem esquecer, extensos bairros populares, provocados por uma forte imigração.

Fundada em 1538 entre as cordilheiras, nas que sobressaem os picos de Guadalupe e Monteserrat, a cidade acolhe as principaís mostras e manifestações culturais do país. Não pode-se abandonar Bogotá sem visitar o Museu do Ouro (na Praça Santander), a mais importante do mundo em sua classe com mais de trinta peças em ouro das culturas pré-colombianas, como peitorais da cultura Tolima, poporos de Quimbaya, tunjos da cultura Muisca, figuras de Tayrona, homens pássaros do Vale do Cauca. Além, da mística peça da Balsa Muisca, origem e princípio da Lenda do El Dourado. Uma das áreas mais importantes é a chamada Salão Dourado. Sem dúvidas, o Museu do Ouro é o melhor do país e um dos principaís museus do mundo (horário: de terças-feiras aos sábados das 9 às 16:30 horas. Domingos e dias festivos das 9 às 12 horas).

Outro dos museus interessantes de Bogotá é o Museu Nacional, em um edifício chamado O Panóptico, e que mostra a história da Colombia, desde seus inícios até as expressões artísticas contemporâneas (horário: de terças -feiras aos sábados das 9 às 17 horas. Domingo das 10 às 16 horas). Distingue-se além, o Museu de Arte Moderna, com obras do século XX, e o Museu de Artes e Tradições Populares, com uma bela mostra de artesanato de todas as regiões do país, o Museu de Arte Colonial, com pinturas, móveis, livros e documentos daquela época, e o Museu de Trajes Regionais, ideal para ter uma idéia geral dos costumês das diferentes regiões do país.

A parte mais colonial de Bogotá é o distrito conhecido como A Candelária, onde encontra-se os restos da cidade original (nos últimos anos, restauraram numerosas casas). O distrito, além de algumas ruas empedradas e casas de diferentes cores, acolhe a Casa da Moeda, uma das construções coloniais mais belas, e o Teatro Colón do século XIX, aberto unicamente para concertos e óperas.

Ao oeste encontra-se a Praça de Bolivar, com uma estrutura no centro do Libertador e o Palácio da Justiça, de recente construção, depois de sofrer ao ataque do M-19 no ano de 1985. A Capela do Sagrário é a unica construção colonial nos arredores da praça. Próximo, ao sul, localiza-se a Igreja de Santa Clara, a melhor mostra da arquitetura colonial de Bogotá, construida entre 1629 e 1673. Existem utras igrejas de interesse, como são a Catedral de estilo neo clássico, a Igreja de Santo Inácio, com a melhor decoração e coleção de pintura colonial ou a Igreja de São Francisco, a mais antiga da cidade, finalizada em 1556.

Outros dos locais de interesse, a Serra de Monteserrat (3.190 m), a Praça de Touros de Santa Maria, para quem gosta desta festa e, o Jardim Botânico José Celestino Mutis, com uma rica variedade de plantas e flores (não pode esquecer que Colombia é dos principaís países exportadores de flores).

Nos Arredores de Bogotá

Próximo a Bogotá, 50 quilômetros ao norte, localiza-se Zipaquirá, famosa por suas minas de sal, que datam da época pré-colombiana. Seus habitantes construiram uma nova Catedral de Sal (a Catedral original está fechada), nas profundidades da mina, com capacidade para 10.000 pessoas e com uma altura de 25 metros (horário: terças-feiras aos domingos das 10 às 16 horas. As 12 horas há missa)

Muito próximo de Zipaquirá encontra-se Guatavita A Nova (a 75 quilômetros de Bogotá), um povoado construido na década dos anos 60, seguindo estilos coloniais e contemporâneos. De um lado encontra-se a Lagoa de Gutavita, o lugar sagrado dos Muiscas, onde celebram seus rituais de oferendas (a peça de ouro da Balsa Muisca, encontrada na Lagoa de Siecha, representa muito bem estas cerimonias religiosas).

A leste de Bogotá encontra-se o Parque Nacional de Chingaza, um espaço natural com uma riqueza vegetal que varia de acordo com a latitude. O parque conta com lagoas naturais e o embalse de Chuza, sendo o pico mais alto a Serra de São Luis, com 4.000 metros.

Em outro extremo, a 5 quilômetros ao sul da capital, destacam-se o Salto de Tequendama, uma cascata de 135 metros de queda livre, com magníficos cenários, e o Zoológico de Santa Cruz, com mais de 100 classes de espécies de mamíferos, répteis e aves.

Finalmente, a oeste de Bogotá, vale a pena visitar Fusagasugá, por seus verdes jardins e Facatativá, onde encontra-se o Parque Arquealógico Pedras de Tunja, um antigo centro Muisca de pedras naturais, nas quais ve-se diversas pinturas.

O NOROESTE COLOMBIANO

Nesta região encontra-se as regiões de Antioquia, Caldas, Risaralda e Quindío (as três últimas áreas de plantação de café) nas cordilheiras Ocidental e Central.

No leste localiza-se a região de Chocó, com selvas tropicais, que dão para o Pacífico. A região é um bom lugar para descobrir a vida rural de Colombia e para desfrutar de seus Parques Nacionais, onde pode-se praticar o trekking e as escaladas.

ANTIOQUIA

A região mais importante da região do noroeste é Antioquia, um dos mais ricos do país. Os seus habitantes são conhecidos por "paísas" e têm sua capital em Medellin, uma cidade próspera em indústria e comércio, porém também, tamentavelmente, uma das capitais da droga.

Medellin

A cidade pode ser insegura, porém seus habitantes são pessoas afáveis e abertas. Destacam-se entre seus atrativos, a Catedral Metropolitana, finalizada no século XIX, considerada uma das maiores construções em ladrilho, da América Latina, a Igreja da Candelária, com um precioso retábulo e o Jardim Botânico Joaquim Antonio Uribe, com belas orquídeas.

Quanto a museus, Medellim conta com o Museu de Antioquia, o melhor da cidade com uma importante coleção de escultura e pintura de Fernando Botero (de terças às sextas-feiras das 10 às 17:30 horas, nos sábados das 9 às 14 horas); o Museu Etnográfico Miguel Angel Builes, com uma boa coleção de peças indígenas, de diferentes regiões da Colombia (terças às sextas-feiras das 8 às 12 horas e das 14 às 17 horas); o Museu O Castelo, em um castelo de estilo gótico, propriedade de um antigo coronel e, oferece móveis e peças de diferentes partes do mundo (de segunda às sextas-feiras das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas); e o Museu Pedro Nel Gomês, na casa onde viveu o artista, com a mais importante coleção do pintor (das 8 às 12 horas e das 14 às 17 horas).

Nos Arredores de Medellin

Nas imediações de Medellin, ao norte, encontra-se a antiga capital: Santa Fé de Antioquia, o povoado mais antigo da região, fundado em 1541. Neste local de arquitetura colonial, rodeado por verdes montanhas e casas pintadas de branco e telhas vermelhas, converte-o em um local muito especial. Destaca-se a Igreja de Santa Bárbara do século XVII, de estilo barroco em pedra, a Catedral do século XIX e o modesto Museu João del Corral, que exibe uma coleção variada de peças, incluindo algumas pré-colombianas. Sem dúvida, a melhor de Santa Fé de Antioquia são suas ruas e os passeios nelas. por curiosidade, e degustar típicos pratos crioulos.

Ao sul de Medellin encontra-se o salto de água de Tequendamita a 9 quilômetros de La Ceja, um apaziguado povoado de casas com balcões, portas e janelas excelentemente decoradas. Se dispõe de tempo, pode realizar uma excursão até a região do Rio Clara, que acolhe um canhão de mesmo nome, assim como, diferentes cavernas e grutas.

ZONAS CAFETEIRAS

As zonas cafeteiras compreendidas nas regiões de Caldas, Risaralda e Quindio, produzem cerca de 50% do café da produção do país.

Caldas

Manizales, capital de Caldas fundada em1848, é uma cidade moderna na qual destaca-se sua Catedral de estilo gótico, com a torre mais alta do país e o Museu de Ouro, com uma coleção da cultura Quimbaya (horário: segunda às sextas-feiras das 8 às 11:30 horas e das 14 às 17:30 horas).

Nas imediações de Manizales situa-se o Parque Nacional dos Nevados, cujo o principal atrativo turístico é o Nevado de Ruiz (5.400 m), o vulcão que entrou em erupção em 1985, causando cerca de 20.000 vítimas e sepultando completamente a população de Armero. A região do Parque é um bom lugar para o trekking e escaladas, há diferentes nevados com são o Nevado do Quindio ou o Nevado de Santa Isabel.

Risaralda

Pereira, capital da região de Risaralda, constitui um dos centros cefeteiros mais importantes da região. A cidade fundada em 1863, oferece poucas atrações, entre elas, a estranha Estátua de Bolivar Nu, uma escultura em bronze que representa o gaudilho pelado sobre seu cavalo, a Igreja da Carmem, de estilo gótico, uma cópia da Igreja do Bom Pastor de São Sebastião, na Espanha e o Museu do Ouro, com peças da cultura Quimbaya (horário: segunda à sexta-feira das 8:30 às 11:45 horas e das 14 às 17:45 horas).

Próximo de Pereira, encontra-se nas Águas Termais de Santa Rosa, que conta com uma boa infra-estrutura para o descanso e para recuperar a saude.

A 28 quilômetros da capital da região, encontra-se Cartago, famoso por seus bordados artesanais, apreciados em todo o país. Na cidade destaca-se a Casa de Virrey, uma luxuosa mansão do século XVIII, que aloja o Conservatório de Música.

Armenia localiza-se próximo de Pereira e bem merece uma visita, para desfrutar de seu Museu Quimbaya, um dos melhores da região. Encontra-se no recente Centro Cultural e oferece uma extensa coleção de peças de ouro e cerâmica (horário: terças às sexta-feiras das 10 ás 18 horas. Sábados e domingos das 10 às 17 horas).

Chocó

Na região de Chocó destaca-se a úmida e quente capital Quibdó, onde a população é marioritariamente negra e o Parque Nacional Enseada de Utria, situado nas costas do Mar Pacífico.

BOYACÁ

Na Região de Boyacá destaca-se sua capital Tunja, uma das populações mais antigas da Colombia, a Vila de Leyva, uma preciosa cidade colonial e a Serra Nevada de Cocuy, um espaço natural ideal para os amantes do trekking.

TUNJA

Tunja, fundada no ano de 1539 por Gonzalo Suarez Rondón, ergueu-se nos antigos assentamentos de Hunza, importante centro da cultura muisca e sede de um Zipa (de um dos reinos Chibchas). Desta época pré-colombiana não ficou quase nada, sobressaindo a arquitetura colonial da cidade, restaurada recentemente. Ressaltam entre as construções do século XVI, a Casa do Fundador Súarez Rondón, próxima a praça do mesmo nome e com um trecho que acolhe únicas e incríveis pinturas prateresacas, a Casa de Dom João de Vargas, convertida em Museu, a Casa da Cultura, com exposições modestas e temporais, a Casa de Dom João CastePlanícies, convertida em biblioteca pública e a Casa do Capitão Luis Mancipe, sede de um banco, porém pode-se apreciar colunas de pedras lavradas. Quanto as igrejas, Tunja conta com belos exemplos como são a Igreja e Convento de Santa Clara A Real, o primeiro convento do antigo vice reinado, com retábulos únicos, pinturas coloniais e trabalhos em madeira, a Igreja de São Domingo, com um dos interiores mais decorados e elaborados do país, a Catedral do século XVI e a maior da cidade, com interessantes capelas laterais e a Igreja de São Francisco, com um retábulo que cativa, e uma imagem de Cristo de grande realismo. Além destas, pode-se contar outras dezenas de templos que bem valem a pena uma visita.

VILA DE LEYVA

Fundada em 1572 por Hernán Súarez de Vilalobos, Vila de Leyva é uma preciosa cidade colonial, quase intacta, declarada Monumento Nacional. Sem dúvidas, caminhar por suas ruas é transportar-se a outros tempos e reviver o passado. Aconselhamos que faça nos dias durante a semana, já que nos últimos tempos os habitantes de bogotá costumam passar os finais de semana em Leyva.

A visita pode começar na Praça Maior, o coração da vila, com uma fonte de estilo mudéjar. Na frente, a Igreja Paroquial, do ano 1608, com um impactante retábulo barroco.

No outro extremo da Praça, o Museu de Luis Alberto Acunha, com trabalhos do artista. Já fora da praça, existem três igrejas que não podem deixar de serem visitadas: a Igreja da Carmem, com afrescos e um presbitério em madeira únicos, a Igreja de Santo Augustinho, em processo de restauração e a Igreja de São Francisco.

Desfrutar da tranquilidade de Vila de Leyva e da amabilidade de seus habitantes é recomendável, fazer tranquilos passeios para ir descobrindo belas casas como a Casa da Real Fábrica de Licores (que acolherá em um futuro o Museu Colonial), o Convento de Carmem, onde encontra-se o Museu do mesmo nome, com a melhor coleção da arte sacra do país, a Casa de Antonio Narinho, antiga casa com mobiliário colonial ou a Hostaria do Moinho A Mêsopotamia, uma construção do século XVI convertida em hotel.

Arredores de Leyva

De Leyva pode-se fazer diferentes excursões a locais de certo interesse. Recomendamos que visite O Inferninho (a 2 quilômetros) jazida arqueológica Música, onde pode-se ver diferentes monolitos circulares e, o qual acreditava-se ser um observatório astronômico, o Convento de Santo Ecce Homo (a 8 quilômetros), uma formosa e impressionante construção de pedra e adobe, e o Santuário de Fauna e Flora Iguaque (a 14 quilômetros), com lagos e picos que alcançam os 3.800 metros, ideal para os amantes do trekking.

SERRA NEVADA DO COCUY

A Serra Nevada do Cocuy, na parte mais alta da Cordilheira Oriental é um dos locais naturais mais espetaculares da Colombia, já que em um espaço relativamente reduzido encontra-se vales, picos e cascatas de grande beleza. Tem acesso a ella desde Guicán, um pequeno povoado que tem convertido-se em ponto de partida. A região é ideal para o trekking e, provavelmente o melhor lugar do país para as escaladas. Distingue-se, de norte a sul, os picos de Ritacuba Negro (5.200 metros), Ritacuba Branco (5.330 metros), Pontiagudo (5, 060 metros), O Castelo (5.100 metros) ou o Púlpito do Diabo (5.120 metros). Quanto as lagoas algums delas realmente espetaculares, resultam a Lagoa da Praça, Lagoa Grande da Serra e Lagoa Grande dos Verdes.

SANTANDER

De Santander, excluimos a capital chamada Bucaramanga, convertida em uma moderna cidade industrial (sem nenhum atrativo especial para os turistas), destacando-se o povoado de Barichara, uma das vilas coloniais mais conservadas da Colombia. Como se o tempo tivesse parado, conserva suas ruas empedradas e suas modestas casas de adobe entre majestosas igrejas.

BARICHARA

O curioso nome de Barichara, procede do vocabulário indígena "Barachará", que quer dizer "lugar de descanso". A terminação é muito certa, porque na atual Barachará, o relax está garantido. Aconselha-se caminhar, de forma tranquila, fazendo paradas na Catedral, do século XVIII, na Capela de Jesus Ressucitado, próxima a um cemitério de certo interesse, na Igreja de Santa Bárbara, recentemente restaurada, na Casa de Aquileo Parra e na Casa da Cultura, com uma modesta coleção de antiguidades e fósseis.

Arredores de Barichara

De Barichara pode-se fazer excitantes excursões e se dispor de tempo, aconselha-se realizar os trajetos ao Salto de Mico, uma preciosa cascata de 50 metros de queda livre, a Gunae, antigo povoado indígena, o Canhão de Chicamocha, um espetacular acantilado ao longo do rio de mesmo nome e as numerosas cavernas da região, com a Caverna do Yeso (acesso com dificuldades).

O SUDOESTE DA COLOMBIA

Nesta região destacam-se as regiões do Vale de Cauca, Cauca, Huila e Narinho, especialmente por seus atrativos, por sua variedade cultural e geográfica e por seus importantes assentamentos arqueológicos.

VALE DE CAUCA

A Região do Vale de Cauca caracteriza-se por sua importante atividade agrícola, produzindo a prática total do açúcar do país.

Cali

Destacamos a cidade de Cali, a capital da região. Assentada em um verde vale, é apreciada por sua boa temperatura, pelo bom caráter de seus habitantes (chamados "calenhos") e pela beleza de suas mulheres. Fundada em 1536 por Sebastião de Balcazar (que avançava de Equador, depois de fundar Quito), Cali é a terceira cidade mais importante da Colombia. Nela ressalta a Igreja da Ermita de estilo neo- gótico e pintada com cores azuis pastéis, a Igreja de Santo Antonio, acima de um pequeno monte, a Igreja e Convento de São Francisco do século XVIII, com um precioso claustro e a Torre Mudejar, um dos melhores exemplos deste estilo.

Por outro lado, quanto a museus distingue-se o pequeno Museu do Ouro, que possui uma boa seleção de peças pré-colombianas (horário: segundas às sextas-feiras das 10 às 18 horas), o Museu de Arte Colonial, que acolhe uma variada seleção de peças de arte sacra (segunda à sábado das 9 às 12 horas), o Museu Arqueológico, que exibe uma boa coleção de peças pré-colombianas de diferentes culturas (segundas-feiras à sábado das 9 às 12:45 horas e das 13:45 às 18 horas), o Museu de Arte Moderna A Tertúlia, com obras contemporâneas e exposições temporais (terças-feiras à domingo das 9 às 13 horas e das 15 às 19 horas).

Depois destas visitas, nada melhor que ir a Fazenda Canasgordas, a casa colonial mais bela da cidade. Conta com diferentes objetos, móveis e peças coloniais.

Arredores de Cali

Nas proximidades de Cali encontra-se o Parque Nacional Farallones de Cali, que compreende as áreas mais altas da Cordilheira Ocidental (coroada pelo Pico Pance de 4.100 metros) onde habitam numerosas espécies de animais como macacos, ursos ou serpentes. Assim mesmo, no Vale de Cauca existem numerosas fazendas do século XVIII e XIX, entre as mais conhecidas, a Fazenda O Paraíso, convertida em museu e a Fazenda Piedechinche, um imenso casarão, provida de um "trapiche" da época.

A Região da Costa

Nas regiões costeiras localiza-se Boaventura, o porto colombiano mais importante do Pacífico e em seu entorno, os povoados de Juanchaco e Ladrilleros, pequenas vilas de pescadores encravados na Baia de Málaga. Os "calenhos" costumam passar alguns finais de semana nestas desconhecidas e apaziguáveis praias.

No Oceano Pacífico, a 55 quilômetros das costas, encontra-se Ilha Gorgona, um delicioso arquipélago, com boas praias e uma variedade de flora e fauna única no mundo. Na ilha existe somente um modesto albergue com capacidade para umas 65 pessoas.

CAUCA

A Região de Cauca distingue-se, sobretudo, por alojar o local arqueológico de Tierradentro e por contar com a cidade colonial de Popayan, entre outros atrativos naturais.

Popayan

A capital da Região de Cauca é a formosa e pacífica cidade de Popayan. Fundada por Belalcazar, é uma das poucas cidades da região que conserva um espírito colonial. A princípios dos anos 80, a cidade sofreu um tremor, que provocou danos nas principaís construções, sem dúvidas, não deixe de visitar a Igreja São Domingo, conhecida por suas maravilhosas decorações e majestoso altar e a Igreja da Ermita, a mais antiga, possui alguns afrescos do século XVI.

Quanto a museus, vale a pena o Museu de História Natural, é o melhor de sua classe em todo o país. Exibe uma extensa coleção de insetos e aves, assim como, uma mostra de ourivesaria pré-colombiana. Recomendamos dar um tranquilo e sereno passeio pelas ruas de Popayan e desfrutar da paísagem que rodeia a cidade.

Tierradentro

Um dos atrativos mais relevantes da Região de Cauca é Tierradentro, uma das mais importantes localidades arqueológicas da América do Sul. Situadas a uns 80 quilômetros de Popayan e próximo do pitoresco povoado de Santo Andres de Pisimbala, encontra-se as estranhas câmaras funerárias subterrâneas. Trata-se de aproximadamente, de 28 tumbas circulares de 2 a 7 metros de diametro que contém em urnas de cerâmicas, os restos cremados. Os trechos das tumbas estão sustentados por colunas e em seu interior apreciam-se, em bom estado, pinturas de desenhos geométricos. As tumbas encontram-se no povoado de Santo Andres de Pisimbala e nos locais chamados Segovia, O Tablon, o Alto de Santo Andres e em Aguacate, a mais distante de todas.

Ao sítio arqueológico pode-se chegar por estradas. Existe um ônibus que parte de Popayan.

HUILA

A Região de Huila merece especial atenção o Complexo Arqueológicode Santo Agustin e o Parque Nacional de Puracé.

Complexo Arqueológico de Santo Augustin

Santo Augustin, mais próximo de Popayan do que de Neiva a capital da Região de Huila, contitui o mais importante centro arqueológico de Colombia.

A região esteve habitada por uma civilização que deixou centenas de estátuas talhadas em pedra com formas humanas, de animais e outras representando divindades. Sabe-se muito pouco desta cultura, já que desapareceu antes da chegada dos espanhóis e acredita-se que foi vítima do ataque dos incas. Foi encontrado cerca de 500 talhas e as mais importantes encontram-se na região conhecida como Parque Arquealógico e na região Alto dos ídolos. A primeira delas compreende diversas pedras, que concentram-se nos locais (de norte a sul) Mêsita D, Bosque das Estrelas, MêsitaB, Mêsita A, Mêsita C, Fonte de Lavamãos (centro cerimonial) e Alto de Lavamãos (o mais antigo de Santo Augustin).

O Alto dos ídolos é a área arqueológica onde encontra-se as maiores pedras de todo o conjunto (algumas com 7 metros de altura), encontra-se a 5 quilômetros de São José de Isnos (horário: todos os dias das 8 às 16 horas).

Ao Complexo de Santo Augustin pode-se chegar por via aérea (Aeroporto de Pitalito, a 35 quilômetros) e por estradas (ônibus e automóveis).

Parque Nacional de Purace

O Parque Nacional de Purace, situado entre Popayan e Santo Augustin, aloja as áreas mais espetaculares da Cordilheira Central, com numerursos vulcões (Vulcão Purace 4.780 metros), lagoas, cascatas e paísagens espetaculares.

Na região nascem os três principaís rios da Colombia: o Madalena, o Caqueta eo Cauca.

NARINHO

A capital da Região de Narinho é a cidade de Pasto, situada em um fértil vale e ao pé do Vulcão Galeras. A cidade é famosa por sua "barniz" uma resina vegetal, utilizada na decoração de pratos, móveis e objetos diversos. Destacam-se a Igreja de São João Batista, a mais antiga da cidade do século XVII, a Igreja de Cristo Rei, com preciosas vidraçarias, o Museu do Ouro, no edifício do Banco da República, com uma excelente coleção de peças pré-colombianas (segunda a sextas-feiras das 8 às 12 horas e das 14 às 18 horas), e a Casa de Taminango, uma preciosa construção do século XVII, belamente restaurada.

Os Arredores de Pasto

O Vulcão Galeras encontra-se muito próximo de Pasto, a oeste da cidade, e pode-se subir até sua cratera situada a 4.200 metros. Por outro lado, recomendamos passar o dia na Lagoa da Cocha (chamada também Lago Guamues), a 25 quilômetros de Pasto, uma das maiores lagoas da Colombia, rodeada de montanhas com florestas.

AS PLANÍCIES ORIENTAIS

A região compreende 4 áreas (Meta, Casanare, Vichada e Arauca) e localiza-se em Caverna do Orinoco, extendendo-se até a fronteira com a Venezuela. A maior parte destas terras planas estão cobertas por pastos e seus habitantes, chamados "planeiros" dedicam-se a criação de gado.

A entrada a estas majestosas pradeiras e espaços abertos, é a cidade de Vilavicencio, centro da atividade econômica da vasta região. O rio Meta é a mais importante via de comunicação fluvial, atravessando toda a região até encontrar-se com o rio Orinoco em Porto Carrenho. Na região localizam-se locais de especial interesse como o Parque Nacional Serrania da Macarena, excelente lugar para os amantes do trekking e o Parque Nacional El Tuparro, com incríveis locais, como os Raudales Maipures, os rápidos do Orinoco.

O AMAZONAS COLOMBIANO

O Amazonas colombiano ocupa quase a terça parte do território nacional. A maior parte da região é uma densa selva, onde habitam algumas tribos indígenas. Não existem caminhos, e os rios navegáveis maais importantes são o Putumayo e o Caquetá.

Leticia

A capital da região é Leticia, assentada em uma encruzilhada de fronteiras com o Brasil e Peru e às margens do rio Amazonas. A cidade nos últimos anos, é o destino preferido pelos colombianos em busca de vida selvagem. Daqui pode-se fazer excursões em barco a diversos lugares, como pode ser a Ilha dos Micos, habitada por milhares de macacos de pés amarelos ou ao Parque Nacional Amacayacu, uma vasta superfície ao norte de Porto Narinho. As principaís tribos da região são os ticunas e os yaguas.

Porto Asis é o porto mais importante do Rio Putumayo, enquanto que Florencia, capital da Região de Caqueta é uma cidade com bastante vida.

Gastronomia

A comida da Colombia é muito regional, isto é, varia de uma região para outra. Sem dúvidas, todas elas têm sua origem na mistura entre as gastronomias indígenas e espanholas, dando como resultado a cozinha crioula.

Em todo país inclusive nos menores povoados, encontrará um bom local para comer. O almoço realiza-se entre às 12 e as 14 horas, consiste geralmente em uma sopa, seguida de um seco (arroz, carne, frango, peixe, feijão ou lentilhas e bananas fritas ou saladas) e uma sobremêsa. O jantar depois das 18 horas é basicamente idêntico ao almoço. Entre os pratos mais populares está a carne assada, arroz com frango, a "bandeija paísa" (a base de carne picada, chiriço, feijão, arroz, banana frita, ovos fritos e abacates), arepas com queijo, tomates e o sancocho de galinha, entre outros pratos.

Em Bogota distingue-se suas especialidades, o "ajiaco", uma sopa com frango, batatas de diversas classes e hortaliças, que servem com milho e alcaparras; o chocolate santaferenho, uma xícara de chocolate quente com um pedaço de queijo dentro. Na região de Boyaca a especialidade são as carnes vermelhas e o churrasco de coelho. Em Santander destaca-se as formigas culonas, preparadas fritas, a chicha de milho e a carne de cabrito. No noroeste, a região de Choco, sobressai por suas frutas e seus churrascos. Em Medellin e nas regiões cafeteiras, o mondongo e os feijões antiquenhos, feijão vermelho com banana madura, toucinho, cebola e tomate. Ao sudoeste sobressaem as carnes, as empadas de pipian e os pratos preparados com frango. A região do Amazonas caracteriza-se por ses pescados, como o gamitana e o pirarucu e o suco de cupuaçu, similar ao de guanabama. Os Planícies a especialidade é carne planeira.

Bebidas

Quanto as bebidas, o café é a principal e o que pede-se como "tinto" (uma xícara de café preto), "perico ou pintado" (café com pouco leite) e o café com leite que leva mais leite que café, e é servido em uma xícara maior. Costuma-se beber a "água de panela", que não é nada mais que açúcar sem refinar derretida em água quente, podendo colocar limão. Entr os licores destaca-se a aguardente e o rum. Em algumas regiões encontrará "guarapo" e "chica", baixa graduação, que obtem-se da fermentação de frutas ou grãos. A cerveja nacional é muito aceitável, econômica e popular.

Restaurantes em Bogota

A Fragata, C. 100, Nº 8ª-55, no edifício World Center, apartamento 12. Um dos melhores locais para comer pescados.

O Mondongo e Algo Mais, Cra. 11, Nº 97A-38. Pratos da região. Ambiente colombiano.

Casa Brava, quilômetros 4, 5 Via La Calera. Deliciosa carne com todas as suas formas. Conta com excelentes panoramas.

Dona Herta, C. 19, Nº 8-61. Boa comida em ambiente muito familiar.

Lotus Azul, C 15, Cra. 6-Para quem gosta de comida vegetariana.

A REGIÃO DO CARIBE

Em Cartagena, além de desfrutar de boas praias, sol e descanso, també desfrutará de uma rica e ampla variedade gastronômica, na qual os pratos são um espétaculo de sabores puramente caribenhos e antes de tudo, tropicais. A abundancia de pescados, moluscos e crustáceos, combinados com exóticas frutas, fazem da gastronomia caribenha uma festa de sabor.

Para começar recomendamos um bom peixe frito como o pargo ou o peixe espada, prove o arroz com chipichipi, um pequeno molusco da região, ou um sancocho de galinha, cozido local, preparado com banana verde e mandioca. Os tamales, feitos a base de milho e recheados de carne e cozidos ao vapor em folhas de banana, não estão nada mal. O sancocho de sábalo, a base de leite de coco com peixes, batatas, bananas, inhame e mandioca, é outro dos pratos mais solicitados. Não pode-se abandonar Cartagena sem haver degustado um bom prato de arroz com coco, empadas, lagostas termedor, cazuela de mariscos ou o arroz com liza, uma variedade de pescado.

Para beliscar o prato típico é a arepa de ovos, originária de Luraco (um povoado localizado entre Cartagena e Barranquilla), preparado com farinha de milho cozida e frita em forma de oblea grossa, dentro da que cuaja um ovo. Os "dedos de queijo" têm muita boa fama, junto as empadas, os camarões, carangueijos e caracóis, outros dos pratos recomendados para beliscar.

Em Cartagena encontrará numerosos postos e quiosques de pequenas ostras e refrescos, onde pode-se pedir coquitéis de mariscos, arepas, ovos de iguanos,

Carimanholas (uma pequena empada de mandioca recheada com carne de vaca e frango amassados, como um croquete) e as butifarras, vendidas pelos butifarreiros.

Os moradores do Caribe são muitos gulursos, pois as sobremêsas são encontradas em grande variedades. Prove o doce de abacaxi e coco, que vendem nos postos de panelinhas em Portal dos Doces; os doces de coco com frutas como o tamarindo, uma venda quase exclusiva das palanqueiras ou vendedores de rua; e o peto, uma sopa doce a base de leite com milho e servida em panela quente. Para terminar com tanta boa comida, nada melhor que as cocadas de ajonjoli, as balas de tamarindo, os alfajores ou o patacon pisado (banana machucada e frita).

Na região de Barranquilla e Santa Marta encontrará a maioria dos pratos que são servidos em Cartagena. As vendas mais tìpicas são as parrilhadas de pescados e mariscos e o arroz. O pargo, abundante nesta águas mornas são assados ao ar livre e acompanhados com coco, patacon pisado e mandioca. O cebiche, peixe parecido com mero e temperado ao suco de lima, é uma delícia. Um bom almoço improvisado constituem-se em algumas surcusais pelas ruas, como são os bolinhos de feijão ou os bolos de milho e angelito.

Bebidas

Quanto a bebida a cerveja nacional é muito apreciada e o rum e a aguardente nunca faltarão à mêsa. Asseguramos que ficará enganchado aos sucos de frutas, tudo uma delícia, os de maracuja, de manga, lulo, curuba, banana, laranja, mamão, melão, sandia, goiaba, guanabana, mamaoncillo, zapote ou mamaey, para citar alguns.

Restaurantes em Cartagena

Recomendamos o Bodegon da Candelária, o melhor local da cidade; O Club de Pesca, na Ilha de Manga, oferece vistas espetaculares e sua torta de coco é a melhor da cidade; Classic de Andrei, construido em torno a um aljibe, onde cultivam as lagostas a consumir e A Casa do Pescado, em Bocagrande, oferece um excelente prato de mariscos. Outros locais de prestígio são A Olla Cartagenara, O Árabe Internacional e O Tinajero de Dona Rosa no Hotel Hilton.

Restaurantes em Barranquilla e Santa Marta

A Porta de Ouro, Rua 35, Nº 41-100, Barranquilla. Um dos melhores lugares para desjejum e almoçar.

Restaurante Yarimar, Cra. 1ª Nº26-37, Santa Marta. Excelentes pratos do mar.

Compras

Sem dúvidas, o melhor lugar para fazer compras é Bogotá, por sua qualidade e preços razoáveis. Na capital encontrará todos os produtos que produz o país, especialmente a maior seleção de esmeraldas e pedras preciosas, assim como, antiguidades e ourivesária pré-colombiana. Recorde-se que pechinchar é a consignação em todo país.

O artesanato varia dependendo da região e do que deseja, porém visite Boyaca, um ponto importante para a aquisição de produtos artesanais em tecidos á mão, cestaria e ourivesaria. Em Santa Fé de Antioquia encontrará bons trabalhos em ouro, enquanto que em Pasto produzem belas peças decorativas acabadas com seu famoso barniz, uma classe especial de resina vegetal. Pitalito é famoso por sua cerâmica em miniatura.

As redes são outros dos produtos interessantes, ainda que encontram-se em todos lugares e variam de uma região a outra, desde as mais simples de Vilavicencio, na região dos Planícies, a mais decorativa e eleboradas feitas em São Jacinto. Nas regiões mais frias da região andina, produzem as conhecidas "ruanas" (ponchos) colombianas. Em alguns povoados tecem à mão e com cores naturais. A melhor seleção encontrará em Bogotá. Em Capurgana pode-se adquirir as "molas", uma roupa retangular com desenhos coloridos, feitos por índios Cuna. As cestas da região do Pacífico são interessantes e a melhor seleção encontra-se em Cali. A pele colombiana é relativamente barata e uma das melhores da América Latina. Existem artigos em todos os desenhos, medidas, estilos, classes e core. Bogotá tem o melhor sortido, porém pode encontrar uma boa seleção em outras cidades. Em Colombia encontrará todos os objetos imagináveis feitos em vime, assim como, em madeira. Não esqueça de levar um pouco do bom café deste país.

População e Costumes

A população da Colombia é o resultado do encontro das raças indígenas, branca européia e negra (de escravos trazidos da África na época da colônia. Hoje em dia, a maioria da população está constituida por mêstiços, cerca de 50% e o resto dividido entre brancos e mulatos. A raça negra representa 6%, enquanto os grupos indígenas somente 2%.

Os colombianos são por natureza alegres, bons conversadores, otimistas e nada pontuais. Nas costas caribenhas estes marcos acentuam-se mais. Na capital, os bogotanos são mais reservados, destacando-se por sua aparente serenidade e seu bom sentido de humor. Os antioquenhos, por sua vez, são considerados como bons trabalhadores, homens de empresas e maravilhursos comerciantes. O homem de Cauca e do Vale são muito criativos e interessam-se de um modo particular pelo desenvolvimento econômico de sua região. O contato pessoal em geral, estabelece de maneira fácil e sempre estão dispostos a travar novas relações. A rumba é um dos costumês mais arraigados de toda Colombia.

No território colombiano existem grupos indígenas com uma população estimada em 400.000, e mais de 50 diferentes grupos étnicos. Destaca-se os arahucos, koguis e guajiros na região do Caribe. Na fronteira com Panamá habitam os índios cuna e chocó. No litoral Pacífico encontra-se os emberá e waunana. No Amazonas os ticuna, yaguas e witoto. Na região andina destacam-se os guambianos, páez, inga e coreguaje.

A população total da Colombia é de 36.200.000, segundo dados do censo de 1997, dos quais 70% habitam as áreas urbanas e o resto as áareas rurais. A densidade demográfica é de 31 habitantes por quilômetro quadrado e a esperança de vida nos homens de 65 anos e nas mulheres de 73 anos.

ENTRETENIMENTO

Colombia não é sinônimo só de rumba e salsa. O país conta com uma rica oferta de entretenimento para todo gusto. As excelentes áreas dos Parques Nacionais como a Serra Nevada do Cocuy ou a Serra Nevada de Santa Marta, são verdadeiros paraisos para as excursões, caminhadas, rafting, ascensões ou escaladas.

Na zona do Amazonas pode-se navegar e pescar, além de realizar interessantes expedições conhecendo a selva. E para o descanso as magníficas praias no Caribe e algumas outras no Pacífico e arquipélagos, onde pode-se praticar windsurf, vela ou mergulho, são o mais recomendado.

Coincidendo com alguma festividade popular ou religiosa poderá comprovar o espírito de festa e alegria dos colombianos. Se não são as touradas (a maioria tem lugar no mês de janeiro), encontrará sempre uma Galeira aberta para desfrutar de uma briga de galos ou na zona de Los Llanos, do "coleo", qualidade de rodeio onde testam-se as habilidades dos habitantes das planícies.

As representações teatrais, funções de balet ou de música clássica, concentram-se nas três principaís cidades do país: Bogotá, Cali e Medellín.

No resto das povoações a oferta é muito reduzida e em alguns casos, nula. Aconselhamos-lhe à olhar os suplementos dominicais dos principais jornais nacionais que publicam a oferta cultural e de entretenimento.

A vida noturna em Colombia é muito ativa e existem numerosas discotecas na maioria das povoações, algumas especializadas na música caribiana e conhecidas como "salsatecas". O rumbear e um dos costumês mas próprios dos colombianos, porém, também encontrará agradaveis cafés, que oferecem ambiente bom e bares com música em vivo para quem gosta de espaços mais relaxados e menos barulhentos.

O cinema é outro dos entretenimentos dos colombianos e aalém das estereias norte-americanas, encontrará salas que mostram cinema de autor, sobre todo nas principaís cidades.

CARTAGENA E O CARIBE

Cartagena conta com excelentes lugares para comer e passar uma boa velada bebendo um drinque. Na Avenida do Arsenal, na frente da Baia das Animas concentarm-se bom número de botecos, bares e restaurantes. Recomendamos-lhe Paco’s, La Vitrola ou o Bodegón da Candelária. Se deseja é rumbear até altas horas da madrugada, na zona de Bocagrande encontrará boa quantidade de discotecas. La Escollera, Disco Bar, Nautilus, Banana Rana ou Portobello Night Club são apenas alguns dos lugares de moda.

Em Cartagena poderá testar sua sorte no Casino El Caribe, no Centro Comercial Pierino ou no Casino Royale no Hotel Caribe. Porém, se o que procura é fazer esporte, na zona poderá mergulhar nas Ilhas do Rosario ou nas Ilhas de Barlovento. Lá encontrará magníficos fundos para desfrutar dos arreecifes de coral e descobrir uma rica variedade de peixes tropicais. Alguns hotéis, nos programas de lazer oferecem cursos para novatos. Os mais avançados e com experiência devem contactar com as numerosas empresas que contam com espertos e que costumam trabalhar com grupos pequenos. Para mais informação acoda no Clube Naútico, que também dispone de tábuas para praticar surfe, além de botes, canoas e force 5.

Caso desejar, no Golf Contry Club poderá testar suas capacidades em um campo de 18 buracos. Lá mesmo tem equipamentos de alugel. Para ténis, a maioria dos hotéis disponem de locais para este esporte.

Não deixe de asistir à "Galeira da Quinta" ou a do Bosque para desfrutar de uma boa briga de galos. Nestos controvertidos espetáculos aposta-se, em ocasiões, grandes quantidades de dinheiro.

Em Santa Marta, além da oferta da cidade, aconselhamos-lhe para ir no Rodadero (à 5 quilômetros da cidade), uma das zonas de moda com hotéis, restaurantes, casinos, discotecas e clubes noturnos.

Na Ilha de São Andrés desfrutará dos melhores mergulhos para descobrir a maravilhosa fauna marítima e os impressionantes arrecifes de coral do Mar Caribe. Na Grota de Morgan, onde se fala que Henry Morgan escondeu alguns tesouros, o mergulho torna-se uma experiência única. A Ilha, também, oferece numerosas discotecas como Extasis, Las Palmas e a Atlántida para movimentar o corpo em outro sentido.

A Ilha de Providencia é melhor ainda para a prática do mergulho a causa dos arrecifes mais extensos. O inconveniente pode ser o alojamiento e a comida, que são mais caros que na Ilha de São Andrés.

FESTIVIDADES

Se algma coisa pode definir bem Colombia São as continuas "rumbas" e o espírito festivo dos habitantes. Não é apenas coisa de algumas regiões, baila-se "salsa" no país tudo e o rum não bebe-se só no Caribe. O ano começa o 1 de janeiro, quando os colombianos recobram-se da festa da noite do 31 de dezembro.

Dias feriados Oficiais

1 de Janeiro A Circuncisão e Ano Novo, 6 de janeiro Os Reis Mágicos, 19 de março, São Jose, Quinta e Sexta-Féira Santas, 1 de maio, Dia do Trabalho, maio A asecensão do Senhor, finais de maio e principios de júnho Corpus Christi, 20 de junho São Pedro e São Pablo, 20 de júlho Dia da Independência, 7 de agosto Batalha de Boyacá, 15 de agosto A Asunção de Nossa Senhora, 12 de outubro Dia da Raça, 1 de novembro Dia de Todos Santos, 11 de novembro Independência de Cartagena, 8 de dezembro Imaculada Conceição, 25 de dezembro Natal.

Principais Festivais e Eventos

Janeiro. Em Medellín os primeiros domingos do mês tem o Mercado de São Alejo, de artesanato popular à boms preços no parque Bolivar. Em Bogotá a Féria Taurina com os mais prestigiados matadores de Latino América e Espanha. Manizales organiza sua Grande Féria, com artesanatos populares, touradas e a elecção da Rainha do Café. Na cidade de Pasto destaca o Carnaval dos Brancos e Pretos que data da época da escravatura, quando os patrões pintavam-se as caras de preto enquanto os negros pintavam as suas de branco.

Fevereiro. Em Medellín acontece a Feira Taurina da Candelária. Em Barranquilla, o Carnaval libera a cidade e converte-a em uma festa sem limites. A festa começa sábado com a Batalha das Flores e finda com o simbólico enterro de Joselito Carnaval.

Abril. Em todas as povoações de Colombia celebra-se A Semana Santa. As mais impressionantes tem lugar em Popayán, Mompós, Tunja e Pamplona, com majestosas procisões. Em Bogotá celebra-se o Festival Latino Americano de Teatro, importante mostra das últimas representações teatrales de Colombia e Ibero-América. A Feira Internacional do Livro reune importantes e modestos editores do mundo todo, na capital. Em Vallepadur clebra-se o Festival da Legenda, festa no mar com puro rítmo vallenato.

Júnho. Em Bogotá celebra-se o Festival de Jazz, o mais relevante do país, com a presença de bandas nacionales e internacionais, enquanto em Nieva organiza-se o Festival Folclórico e Reinado do Bambuco.

Agosto. Em Medellín a Feira das Flores, o mais importante evento da cidade. Tem lugar o Desfile dos Silleros, onde centenas de camponeses vem carregando nas costas as caderinhas repletas de flores. Em Bogotá, a Feira Internacional para industriais e produtos de consumo.

Setembro. Em Manizales, o Festival Latino-Americano de Teatro junta o melhor teatro regional, nacional e sul-americano.

Novembro. Em São Martin tem o Festival Folclórico e Turístico do Llano.

Dezembro. Em Bogotá, Expoartesanato, o melhor lugar para comprar os artesanatos produzidos em todas as regiões de Colombia. Em Tunja, o Aguinaldo Boyacense, uma festa de mistura popular e religiosa com disfaraces, espetaculares desfiles da carroças, música e dança. Em Cali celebra-se a Feira de Cali, com desfiles, máscaras, música, teatro, touros e a maratona de concertos e bandas de salsa. Todas as povoações da Colombia celebram o Dia de Natal e a Noite Velha.

Festividades no Caribe

O ano em Cartagena começa nas praias com o Festival dos Papagaios para crianças e adultos, enfeitando o céu com múltiplas cores. Segue o Concurso de Mis Tanga, com a participação de todos seus habitantes. O mês fecha-se com as Férias Taurinas.

Fevereiro está marcado pelas festas de Nossa Senhora da Candelária, padroeira da cidade. A celebração desenvolve-se entre arraiais, cavalhadas, desfiles e a peregrinação no Cerro de La Popa. A celebração acaba com a festa gastronômica da cozinha popular da costa caribiana.

Rumbear a todo rítmo no mês de março fica asegurado com o Festival Internacional de Música do Caribe que congrega grupos musicais de tudas as ilhas caribianas e de diferentes partes do continente. Em júnho, depois do Grande Festival da Lua na Ilha de São Andres no mês de maio, Cartagena acolhe o Festival Internacional do Cinema, onde projetam-se as últimas produções do cinema de vários países. Na ihla de Providência tem lugar o Carnaval, maifestação local que destaca o folclore mais tradicional do arquipélago. Em Setembro, de novo a cidade veste de festa no dia 9, com as festas de São Pedro Claver. Depois chegará novembro, o mês mais festivo da temporada. Nele celebra-se o concurso do Rainhado Nacional da Beleza e o dia 11 comemora-se a Independência da cidade. A festa dura vários dias, ocupando a atenção de cartagenistas e turistas. Enquanto isso, na Ilha de São Andres acontece o concurso do Reinhado do Coco.

O ano finda com as festividdes de Natal e a Noite Velha, entre danças e brincadeiras à espera do novo ano.

TRANSPORTES

Avião

Colombia conta com uma rede aérea bem estruturada ligando as principais cidades do país. Existem também pequenas linhas aéreas que voam à zonas como Los Llanos e o Amazonas, unindo povoações pequenas e meias. Em termos generais, as tarifas aéreas são muito semelhantes as tarifas europeas, porém, sempre é bom perguntar pelas ofertas. Sem dúvida quanto a rapidez o avião é a melhor forma de deslocar-se pelo território colombiano. As principaís linhas aéreas do país são Avianca (a primeira aero-linha que operou em América Latina), Sam (Sociedade Aeronaútica de Medellín), Aces Intercontinental de Viação e Satena (Serviço Aéreo à Territórios Nacionais). É muito recomendável apresentar-se no

balcão três horas antes do vôo, já que os controis de seguridade são muito rigurosos.

O Aeroporto Internacional El Dorado de Bogotá, encontra-se a 13 quilômetros do centro da cidade. Por outro lado, a maioria dos aeroportos de Colombia localizam-se muito perto das cidades, podendo-se chegar em todos de ônibus urbano (inclusive a capital)

Ônibus

Ônibus é o meio mais econômico e utilizado pela maioria dos colombianos. Existem numerosas linhas que cobrem a maior parte do territorio e oferecem três tipos de serviços que mudam de qualidade e preço. O serviço normal, com unidades velhas e novas, para em tudos os povoados que encontra na rota. O serviço de primeira classe "pullman" liga, geralmente, as povoações mais longe. As unidades são novas, limpas e confortaveis. Finalmente, o serviço conhecido como "climatizado" ou "thermoking" oferece a melhor qualidade por estar equipado com banheiro, assentos reclinaveis, video e música. A maioria das cidades e povoações conta com uma terminal de ônibus. Se tem tempo suficiente, o ônibus é um bom meio para adentrar-se na idiosincrassia da Colombia (em auséncia do serviço de trem para pasageiros, desaparecido completmente, á excepção do trajeto turístico entre Bogotá e Nemocón).

As populares "Chivas", ônibus sem janela y com piso e assentos de madeira podem-se ver em algumas povoações do Caribe e em determinadas zonas de Antioquia, Nariño ou Huila. Estes particulares e entretenidos ônibus costumam ligar povoações pequenas e isoladas.

Existem também os chamados "coletivos", automóveis que tem rotas estabelecidas, porém, sem horário e que partem quando lotam os 5 ou 6 assentos.

Costumam realizar rotas que não cobrem os ônibus.

Carro

Nas principaís cidades encontram-se a maioria das agencias internacionais de alugel de carros. Com preços muito parecidos à Europa é preciso apresentar licença de dirigir internacioal e ter, no mínimo, 21 anos de idade.

Viajar de carro é um meio bom para adentrar-se em algumas zonas do país, porém, é bom avisar que os caminhos não estão muito bem sinalizados e que alguns trajetos são inseguros (pela presença da guerrilha). Nas cidades o tráfego é muito denso e caótico e o risco de choque bastante alto. Nunca deixe objetos de valor dentro do carro e estacione sempre em um "parqueado vigilado".

Á Cidade Perdida na Serra Nnevada de Santa Maria só pode-se aceder caminhando (um trekking de 6 dias, ida e volta) ou bem em helicóptero (20 minutos) partindo desde Santa Marta. Por outro lado, para chegar em Letícia e algumas outras povações do Amazonas só pode fazer-se por via aérea, ou então de barco.

Transporte Público

A maioria das povoações tem serviço de transporte público. Trata-se de ônibus (alguns muito velhos) e "busetas", pequenas combis que percorrem rotas estabelecidas. As vezes podem ser pegas em qualquer esquinha e outras nos chamados "paraderos". Na hora de subir tem que pagar o motorista ou acompanhante que vai anunciando a rota que segue o ônibus. Para descer, tem que indicar o motorista com tempo onde quer fazé-lo ("na esquinha", "no paradero", ou simplesmente "aquí").

Em algumas cidades existe o serviço chamado executivo. Neste caso os ônibus subem só um máximo de pasageiros, segundo a capacidade dos assentos.

Bogotá não conta com metro a diferença de Medellín, que recentemente estreiou uma linha.

Táxis

As principaís poovoações contam com o serviço de táxis. A maioria dispone de taxímetro, porém, em alguns casos o motorista costuma pedir mais dinhero do indicado pelo aparelho. O melhor é combinar o preço antes de iniciar o trajeto e pechinchar mesmo.

EM CARTAGENA

Avião

O Aeroporto Internacional de Cartagena de Índias encontra-se a três quilômetros da parte antiga da cidade. Receve diariamente nunmerosos vôos procedentes da América e Europa.

Barco

Quanto á passeos em bote ou lancha pelo Mar Caribe eixtem numerosas empresas que oferecem este serviço. A visita para as Ilhas del Rosario e os arrecifes de coral costuma ser feita em um dia, partindo da Doca dos Pégasos entre as 7 e as 9 horas da manhã e regressando entre as 4 e as 5 h. da tarde. Neste trajeto a maioria das embarcações costumam fazer uma parada em Praia Branca, na ilha de Baru. Algumas embarcações costumam regressar por uma parte do Canal do Dique, entre a Ilha de Baru e a parte continental.

Ônibus

Cartagena conta com uma recêm inaugurada rodoviária de ônibus de onde partem as linhas para Bogotá, Medellín, Barranquilla e outras povoações.

Carro

Em Vartagena encontrará as principais firmas de aluguel de carros. O tráfego, como na maioria das cidades da Colombia, é caótico e anárquico. Aconselhamos extremar precauções, abrir bem todos os sentidos e atender todos os sinais.

Transporte Público

A melhor forma de conhecer a Cartagena dos séculos XVI e XVII é caminhar e desfrutar das belas ruas empedradas. A maioria dos lugares de interesse concentram-se nesta zona e estão muito perto entre si, pelo que não será necessário utilizar transporte público (nesta parte da cidade).

Bocagrande é a zona onde encontram-se a maior parte dos grandes hotéis e as espaçosas avenidas. Para deslocar-se daqui para a parte antiga pode usar táxi, combinando antes o preço, ou então pegar uma das curiosas e simpáticas "chivas", ônibus de madeira sem vidro nas janelas e pintado de muitas cores. Outra forma agradavel de locomover-se entre estas duas zonas é fazé-lo em alguma das carroças pusadas por cavalos. O trajeto entre Bocagrande e a parte antiga é de aproximadamenrte uma hora e custa em volta dos 17 dolares.

Fonte: www.rumbo.com.br

Colômbia

Capital: Bogotá

Idioma: espanhol

Moeda: peso colombiano

Clima: tropical úmido e polar de altitude

Fuso horário (UTC): -5

Pontos turísticos

Cartagena

Cidade criada pelos espanhóis, conserva arquitetura colonial, com igrejas e fortes em bom estado de conservação.

San Andreas

Ilha com praias de areia branca típica da região do Caribe, se diferencia das praias do continente, que não possuem a mesma beleza natural. É um dos destinos mais procurados do país.

Amazônia

Região onde a floresta amazônica se encontra com os Andes, é um dos destinos para quem procura turismo de selva.

Fonte: www.geomade.com.br

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal