Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Emmanuel Kant - Página 4  Voltar

EMMANUEL KANT

Ética

O que Kant chama "razão prática" não se trata da razão encaminhada a determinar a essência das coisas, aquilo que as coisas são, mas da razão aplicada à ação, à prática, à moral. "Fundamentos da Metafísica dos Costumes" (1785) e a "Crítica da Razão Prática" (1788), são suas obras mais importantes nesse terreno.

A "Crítica da Razão Prática" não fala de uma intuição sensível, de formas de sensibilidade, nem tem, - na terminologia de Kant, - uma "Estética Transcendental", porque, enquanto as funções de conhecimento têm como fundamento a sensibilidade espaço-temporal, a faculdade prática e a atividade moral opõem-se a toda determinação sensível. O tempo é uma forma aplicável a fenômenos, aplicável a objetos a conhecer. A alma humana, a consciência humana moral, a vontade livre, são alheias ao espaço e ao tempo. O elemento sensível no comportamento moral não pode ser pressuposto mas, ao contrário, deve ser deduzido da racionalidade pura.

Dever racional: Na "Metafísica da Ética" (1797) Kant descreveu seu sistema ético, o qual está baseado em uma crença de que a razão é a autoridade final para a moralidade. A moral não poderia ter fundamento em observação dos costumes, ou em qualquer fórmula empírica. Não sendo conhecimento, despida, portanto, de tudo que seja empírico, "a moral é concebida como independente de todos os impulsos e tendências naturais ou sensíveis"... a moral "seria estabelecida pela razão" como reguladora da ação. Ações de qualquer tipo, ele acreditava, precisam partir de um sentido de dever ditado pela razão, e nenhuma ação realizada por interesse ou somente por obediência a lei ou costume pode ser considerada como moral.

Mandamentos. Kant descreveu duas classes de mandamentos dados pela razão. Todo ato, no mo mento de iniciar-se aparece à consciência moral sob a forma de uma dessas duas classes, ou de um desses dois tipos, de mandamentos que ele chama "imperativos hipotéticos" e "imperativos categóricos". Ele distingue os imperativos categóricos dos imperativos hipotéticos do seguinte modo. O imperativo hipotético dita um dado curso de ação para se chegar a um fim específico; o imperativo categórico dita o curso da ação que precisa ser seguida devido a sua correção e necessidade.

Imperativo hipotético. Os imperativos hipotéticos estão subordinados a uma condição: correspondem a ações como meio de evitar tal ou qual castigo, ou para obter tal ou qual recompensa. Enunciam um mandamento subordinado a determinadas condições (se queres sarar, toma o remédio), enquanto o imperativo categórico é inteiramente desvinculado de qualquer condição.

Imperativo categórico. Como é formulado o imperativo categórico? O imperativo categórico é a base da moralidade e foi colocado por Kant nessas palavras: "Aja como se a máxima de sua ação fosse para tornar-se pela sua vontade uma lei natural geral" o que é o mesmo que: "Age de tal maneira que o motivo que te levou a agir possa ser convertido em lei universal" ou ainda "Age de maneira que possas querer que o motivo que te levou a agir seja uma lei universal".

Com respeito aos juízos morais, as coisas não são nem boas nem más, são indiferentes ao bem e ao mal. Os qualificativos morais não correspondem, igualmente, àquilo que o homem faz efetivamente, mas sim, estritamente, àquilo que ele quer fazer. Esta postulação com respeito aos juízos morais conduz à conclusão de que a única coisa que verdadeiramente pode ser boa ou má é a vontade humana.

É importante aqui a noção de uma vontade santa a que se refere Kant. Para uma vontade desse tipo não haveria distinção entre razão e inclinação. Um ser possuído de uma vontade santa sempre agiria da forma que devia agir. Não teria, no entanto, o conceito de dever e de obrigação moral, os quais somente entram quando a razão e o desejo se encontram em oposição. Então a vida moral é uma luta contínua na qual a moralidade aparece para o delinqüente potencial na forma de uma lei que exige ser obedecida por si mesma, uma lei cujos comandos não são lançados por uma autoridade alheia mas representa a voz da razão, que o sujeito moral pode reconhecer como sua própria.

Então, para que cumpra integralmente a lei moral, é preciso que o domínio da vontade livre sobre a vontade psicológica determinada seja cada vez mais íntegro e completo. Kant chama santo a um homem que dominou por completo, aqui, na experiência, toda determinação moral oriunda dos fenômenos concretos, físicos, fisiológicos, psicológicos, para sujeita-la à lei moral.

Liberdade: A condição preliminar para que seja possível apenas a razão determinar a ação é a liberdade, o que leva a conceber a liberdade como postulado necessário da vida moral, ou seja, o seu a priori. O eu se põe como sujeito cognoscente, ao qual está afeto o processo do conhecimento, e esse mesmo eu é também consciência moral e refere-se a si mesmo, não como sujeito cognoscente, mas como eu ativo, que tem vontade, como "agente". A vida moral somente é possível, para Kant, na medida em que a razão estabeleça, por si só, aquilo que se deva obedecer no terreno da conduta.

As idéias éticas de Kant são um resultado lógico de sua crença na liberdade fundamental do indivíduo como afirmada na sua "Crítica da Razão Prática" (1788). Esta liberdade ele não olhava como a liberdade sem leis da anarquia, mas mais como a liberdade de autogoverno, a liberdade para obedecer conscientemente as leis do universo como reveladas pela razão.

A vontade é autônoma quando dá a si mesma sua própria lei; é heterônoma se recebe passivamente a lei. Se a vontade é autônoma, isto implica no postulado da liberdade da vontade. Como poderia ser a vontade meritória, boa ou má, se estivesse sujeita à lei de causas e efeitos, à determinação natural dos fenômenos?

De outra parte, Kant concebe a liberdade da vontade de duas maneiras. Considerada como um fenômeno que se efetua no mundo sensível dos fenômenos, onde cada uma de nossas ações tem suas causas e está integralmente determinada (Vontade psicológica) a vontade não é absolutamente livre. No mundo inteligível manifesta-se a vontade livre, que não está sob aspectos de causa, de determinação, mas sob o aspecto do dever. Visa a prática do bem. Este é o efeito possível da liberdade, do ponto de vista moral, segundo Kant.

Kant faz distinção entre as máximas e as leis morais. As primeiras, as máximas, seriam subjetivas, contendo uma condição considerada pelo sujeito como válida somente para sua vontade, condição de alcançar sua felicidade pessoal, e portanto sua vontade está condicionada. As leis morais, ao contrário, seriam objetivas, contendo uma condição válida para a vontade de qualquer ser racional. Ambas derivam puramente da razão, mas apenas a vontade determinada apenas pela forma da lei e, por conseqüência independente de todo estímulo empírico é livre.

Imortalidade. O primeiro postulado com que Kant inaugura sua metafísica, extraindo-a da ética, é esse postulado da liberdade. O segundo é o da imortalidade. De onde deduz a imortalidade?

Se a vontade humana é livre, existe um mundo inteligível, não sujeito às formas de espaço, ao tempo nem às categorias. Se nosso eu, como pessoa moral, não está sujeito a espaço, tempo e categorias, não tem sentido para ele falar de uma vida mais ou menos longa, mais ou menos curta. O limite de tempo deixa de interessar.

Essa conclusão simples pela imortalidade vai abrir caminho para o fundamento da moral. Pois, que motivo teria alguém para seguir uma lei moral? A resposta só pode ser encontrada admitindo-se a primazia da razão prática, mediante a fé moral na imortalidade da alma e a existência de Deus, que ressurgem, assim, no sistema kantiano, como postulados da "razão pura prática". A fé moral na imortalidade da alma é necessária para que se conceba uma vida supra-sensível na qual a virtude possa receber seu prêmio.

Prêmio? Neste ponto existe um impasse, uma antinomia: por uma lado o desejo de felicidade deve ser a causa motora para a máxima da virtude ("sede virtuosos para que possais alcançar a felicidade") mas isto é contrário à pureza exigida pela lei moral (que não admite qualquer interesse); por outro lado, a virtude deveria ser garantia de felicidade, o que, neste mundo, não acontece. Então não haveria motivo algum para a moralidade. Teria que ser um gosto por obedecer a lei em si mesma, sem qualquer proveito. Poder-se-ia dizer que o respeito pela lei não é apenas um motor da vontade, mas a própria moralidade, considerada subjetivamente como motivo.

Kant faz distinção entre o bem e o agradável. O bem independe de todo conteúdo empírico. O bem é função da lei moral, não deve, pois, ser determinado antes da lei moral, mas só depois dela e mediante ela.

Política

Utopia: Em seu tratado "Paz perpétua" (1795) Kant advogava o estabelecimento de uma federação mundial de estados republicanos. Acreditava que a felicidade de cada indivíduo deveria ser, com propriedade, olhada como um fim em si mesma e que o mundo progredia na direção de uma sociedade ideal na qual a razão haveria de "levar cada legislador a fazer suas leis de tal modo que elas poderiam ter emergido da vontade unida do povo inteiro, e olhar cada assunto, tanto quanto ele quisesse ser um cidadão, na base de se ele estava de acordo com essa vontade".

Estética

A Estética é reconhecida como uma disciplina dentro da filosofia. O termo foi usado por Baumgartem em "Reflexões sobre a Poesia" (1735) e de então tornou-se parte permanente do vocabulário filosófico.

Além de conhecer, e da liberdade de agir conforme o bem ou o mal, Kant reconhece ainda no homem a faculdade de julgar. Ele indaga se essa faculdade também possui princípios a priori, ou seja, formas universais e necessárias de subordinação do mundo natural à razão ou espírito humano. Constituem a faculdade de julgar dois tipos de juízos: o determinante e o reflexionante.

O sentimento de prazer e desprazer constitui a fonte do juízo reflexionante, que concilia a faculdade de conhecer com a faculdade de desejar, na medida em que subordina um conteúdo representativo (algo conhecido) a um fim desejado. Os juízos reflexionantes são de dois tipos: os estéticos e os teleológicos.

A "Crítica do juízo" (1790) Kant dividiu-a em duas partes: A "Crítica do juízo estético" e a "Crítica do juízo teleológico". Nessa obra, considerada um de seus trabalhos mais originais e instrutivos, ele analisa, na primeira parte, uma teoria do belo, compreendendo a faculdade de julgar a finalidade formal, que chama também finalidade subjetiva, por meio do sentimento de prazer ou desprazer, e na segunda, a aparência de finalidade na natureza, a faculdade de julgar a finalidade real, objetiva, da natureza mediante o intelecto e a razão. Na primeira parte, após uma introdução em que discute "finalidade lógica", ele analisa os juízos que atribuem beleza a alguma coisa.

O juízo estético tem por objeto o sentimento do belo e do sublime. Nos juízos estéticos, o objeto é relacionado com um fim subjetivo, ou seja, com o sentimento de eficácia sentido pelo homem diante desse objeto.

O belo. Do agradável e do útil Kant diz que tem como condição "uma correspondência entre o objeto e um interesse meramente individual e contingente, ou puramente racional. Ao contrário, no sentimento do belo, não ocorre esse tipo de condicionamento. O que importa no sentimento do belo é apenas a forma da representação, na qual se realiza a plena harmonia entre as funções cognoscitiva, sensível e intelectual.

A explicação está no fato de que, quando uma pessoa contempla um objeto e o acha belo, há uma certa harmonia entre sua imaginação e seu entendimento, do qual ela fica consciente devido ao imediato deleite que ela tem no objeto.

Segundo Kant, a harmonia entre as funções cognoscitiva, sensível e intelectual é inteiramente independente do conteúdo empírico da representação e dos condicionamentos individuais, e portanto o sentimento do belo resultante é apriorístico e, como tal, fundamenta a validez universal e necessária dos juízos estéticos.

Tais juízos, de acordo com ele, diferentemente de mera expressão de gosto, pretendem uma validade geral, mas não podem nem por isso ser considerados cognitivos porque fundam-se na sensibilidade, não sobre argumentos. A imaginação se apodera do objeto e no entanto não está restrita a nenhum conceito definido; ao mesmo tempo a pessoa pode imputar o deleite que sente também aos outros porque ele salta do jogo livre de suas faculdades cognitivas, que são as mesma em todos os homens. Por isso Kant estava particularmente preocupado com a exigência que as pessoas fazem pela universalidade do juízo do belo para explicar e sustentar o alto prestígio da artes. É uma exigência comparável à que é feita pela moralidade que, sem essa exigência de universalidade, parece que estaria ameaçada de desintegração.

O sublime.Como sublime Kant entende "um estado subjetivo determinado por um objeto cuja infinidade se alcança com o pensamento, mas não se pode captar pela intuição sensível. "O sublime, tanto quanto o belo, é fonte de sentimento de prazer e é universal".

Juízos teleológicos. Nos juízos teleológicos, o objeto é considerado segundo as exigências da razão, como correspondendo a uma finalidade objetiva (se serve para isto ou aquilo); adaptando-se aquelas exigências, suscita um sentimento de prazer. Na segunda parte da sua "Crítica do Juízo", Kant voltou a considerar a finalidade na natureza como ela é colocada pela existência nos corpos orgânicos de coisas das quais as partes são reciprocamente meios e fins umas para as outras. Ao tratar com esses corpos, alguém não pode contentar-se meramente com princípios mecânicos.

No entanto, se o mecanismo é abandonado e a noção de finalidade ou fim da natureza é tomado literalmente, isto parece implicar que as coisas às quais se aplica precisam ser o trabalho de um arquiteto sobrenatural, mas isto significariam uma passagem do sensível para o supra-sensível, um passo que na sua primeira "Crítica" ele considerou ser impossível.

Kant responde a essa objeção admitindo que a linguagem teleológica não pode ser evitada na descrição dos fenômenos naturais mas ela precisa ser entendida como significando apenas que os organismos precisam ser considerados "como se" eles tivessem sido o produto de um projeto, de um designe, o que de modo algum é a mesma coisa que dizer que eles foram assim deliberadamente produzidos.

Obras

É comum distinguirem-se dois períodos da atividade literária de Kant. O primeiro, o período pré-crítico, se estende de 1747 a 1781, a data do marco Kritik der reinen Vernunft; o segundo, o período crítico, se estende de 1781 a 1784.

O Período Pré-crítico. O primeiro livro de Kant, publicado em 1747, intitulava-se Gedanken von der wahren Schatzung der lebendigen Kräfte (Pensamentos sobre a verdadeira avaliação das forças vivas). Em 1775 ele publicou sua dissertação de doutorado, De Igne (Sobre o fogo), e o trabalho Principiorum Primorum Cognitionis Metaphysicae Nova Dilucidatio (Nova explanação sobre os primeiros princípios do conhecimento metafísico), com o qual ele qualificou-se para a posição de "Privatdozent". Além desses, nos quais ele expôs e defendeu a filosofia corrente de Wolff, discípulo de Leibniz, ele publicou outros tratados nos quais ele aplicou aquela filosofia a problemas de matemática e física. Em 1770 apareceu o trabalho De Mundi Sensibilis adque Intelligibilis Formis et Principiis (sobre as formas e princípios do Mundo sensível e inteligível) no qual ele mostra pela primeira vez uma tendência a adotar um sistema independente de filosofia. Os anos de 1770 a 1780 foram gastos, como o próprio Kant nos diz, na preparação do "Crítica da Razão Pura".

Período Crítico. Neste período entre a nomeação e sua aposentadoria pouco antes de sua morte, - geralmente chamado seu período das críticas, porque foi quando escreveu suas duas grandes críticas, - ele publicou uma surpreendente série de trabalhos originais sobre uma grande variedade de tópicos, nos quais ele elaborou e ampliou sua filosofia.

Apesar de ter escrito sobre inúmeros tópicos, filosóficos ou não, a fama de Kant repousa grandemente com seu tratamento da metafísica em seu monumental Kritik der reinen Vernunft (Crítica da Razão Pura), sobre o conhecimento, o qual aparece em 1781, quando contava 57 anos. Uma segunda edição foi publicada em 1787. A "Crítica da Razão Pura" foi o resultado de 10 anos de pensamento e meditação. Ainda assim, no entanto, Kant publicou a 1a. edição bastante relutantemente, após muitos adiamentos, porque ainda que convencido da verdade da sua doutrina, ele estava inseguro sobre a forma da exposição.

Em 1785 apareceu o Grundlegung zur Metaphysik der Sitten (Fundamentos para a Metafísica da Ética). Então veio uma sucessão de trabalhos críticos, o mais importante dos quais são Kritik der praktischen Vernunft (Crítica da Razão Prática), sobre a moral; Kritik der Urtheilskraft (Crítica do Juízo), sobre a estética, 1790, e Religion innerhalb der Grenzen der blossen Vernunft (A religião dentro dos limites da simples razão), 1793.

Outras obras: Além de seus trabalho em filosofia, Kant escreveu alguns tratados em vários assuntos científicos, muitos no campo da geografia física. Seu trabalho científico mais importante foi uma "História Natural Geral e Teoria dos Céus" (1755), no qual ele postula a hipótese da formação do universo a partir do giro de uma nébula, uma hipótese que depois foi desenvolvida independentemente por Pierre de la Place.

Estilo literário. Seu estilo copiava muito o dos manuais que ele era obrigado a seguir em suas aulas, por força dos regulamentos universitários, e esses textos, no caso os de Wolff e Baumgartem, eram massantes, cheios de jargão técnico, divisões artificiais e esquemáticas com grandes pretensões de serem completos. Seguindo tais modelos, o estilo de Kant tornou-se também artificial, rígido e de difícil leitura. Veio depois a lamentar que seus interpretes e críticos de seus trabalhos o estivessem interpretando mal.

Influências

Immanuel Kant foi o mais eminente pensador do Iluminismo e um dos grandes filósofos de todos os tempos. Em sua filosofia se somaram os novos rumos que haviam começado com o Racionalismo de René Descartes, que vai até Leibniz, e o Empirismo, de Francis Bacon, que vai até Hume. Ele iniciou uma nova era no desenvolvimento do pensamento filosófico. Seu trabalho abrangente e sistemático em teoria do conhecimento, ética e estética influenciou toda a filosofia subseqüente, especialmente as várias escolas alemãs do Kantismo e Idealismo.

Kant e o Marxismo: Kant teve uma influencia maior que a de qualquer outro filósofo dos tempos modernos. A filosofia de Kant, particularmente como desenvolvida pelo filósofo alemão G.W.F. Hegel, foi a base na qual a estrutura do Marxismo foi construída: o método dialético, usado por ambos Hegel e Karl Marx, foi uma expansão do método de raciocínio por "antinomias" que Kant usou.

Outras influências: O filósofo alemão Johann Gottlieb Fichte (1762-1814), aluno de Kant, rejeitou a divisão do mundo em partes objetiva e subjetiva do seu mestre e desenvolveu uma filosofia idealista que também teve grande influência nos socialistas do século XIX. Um dos sucessores de Kant na Universidade de Königsberg, J. F. Herbart, incorporou algumas das idéias de Kant no seu sistema de pedagogia.

Com sua teoria do conhecimento, Kant encerra um período que tinha começado com Descartes e abre um novo período para a filosofia, que é o período do desenvolvimento do Idealismo Transcendental, nome com que ficou conhecida sua filosofia.

Rubem Queiroz Cobra
Doutor em Geologia e bacharel em Filosofia

Fonte: www.cobra.pages.nom.br

EMMANUEL KANT

Filósofo alemão. A vida de Kant não tem nada de extraordinário e bem pode dizer-se que encarna as virtudes (e talvez o aborrecimento) de uma vida integralmente dedicada ao estudo e ao ensino. Homem piedoso e de profunda religiosidade, que se revela na sua obra, é sóbrio de costumes, de vida metódica, benévolo e provinciano (só uma vez na sua vida deixa a sua Königsberg natal, e não mais de 12 km).

Profundamente imbuído dos ideais do Iluminismo, experimenta profunda simpatia pelos ideais da Revolução Francesa e da independência americana. É pacifista convencido, antimilitarista e alheio a qualquer forma de patriotismo exclusivista.

A exigência da clarificação do pensamento kantiano é tal que apenas a partir dessa postura se tem capacidade para examinar o seu sentido e alcance nos campos da teoria do conhecimento e da filosofia da ciência. Kant está intelectualmente situado numa encruzilhada, a partir da qual elabora diversas interpretações da razão, ponto de partida do pensamento moderno de onde se determinam a) a acção moral, b) o trabalho científico, c) a ordenação da sociedade, e d) o projecto histórico em que a sociedade se encontra.

Não é possível redigir-se aqui uma exposição do sistema filosófico de Kant, coisa que requer todo um volume. Basta assinalar que o grande objectivo de Kant é determinar as leis e os limites do intelecto humano para ousar enfrentar, por um lado, o dogmatismo arrogante daqueles que sobrestimam o poder da mente humana e, por outro lado, o absurdo cepticismo daqueles que o subestimam. «Apenas deste modo [ou seja, por meio de uma crítica que determine as leis e os limites da razão humana] poderão arrancar-se as raízes do materialismo, do fatalismo e do ateísmo.» E propõe-se, com isso, «pôr fim a toda a futura objecção sobre a moralidade e a religião, apresentando as mais claras provas da ignorância dos seus adversários».

Quanto ao seu sistema filosófico, o mesmo sugere um paralelo com Copérnico. Kant imagina para a filosofia o mesmo que imagina Copérnico para a astronomia. Assim como Copérnico determina a importância relativa e a verdadeira posição da Terra no sistema solar, Kant determina os limites e a verdadeira posição do intelecto humano relativamente aos objectos do seu conhecimento. E do mesmo modo que Copérnico demonstra que muitos dos movimentos aparentes dos corpos celestes não são reais, mas que se devem ao movimento da Terra, Kant mostra que muitos fenómenos do pensamento requerem explicação, mas não atribuindo-os, como muitos filósofos, a causas externas independentes, mas às leis essenciais que regulam os próprios movimentos do pensamento.

Kant encarna a razão ilustrada. Expressa com clareza e exactidão o carácter autónomo da razão tal como a concebem os iluministas. O iluminismo é o facto que leva o homem a deixar a menoridade; menoridade de que ele mesmo é culpado. A referida menoridade consiste na incapacidade para se servir do próprio entendimento sem a direcção de outro. A própria pessoa é culpada dessa menoridade se a causa da mesma não reside num defeito do entendimento, mas na falta de ânimo e de decisão para se servir dele com independência, sem a condução de outro. Sapere aude, «atreve-te a servir-te do teu próprio entendimento»: tal é a divisa do iluminismo.

Quanto aos limites da razão, são impostos pela sua própria natureza. A razão é uma e a mesma para todos os povos, homens, culturas e épocas, e tem uma essência ou natureza fixa que se desenvolve no tempo, mas sempre segundo a sua própria essência.

Por outro lado, a razão iluminista é crítica (contra os preconceitos, contra a tradição, contra a autoridade não racional, contra a superstição). Assim compreendida, não é uma mera negação de certas dimensões da realidade e da vida, ou de questões como a legalidade política, a religião ou a história, mas a recusa de um modo de as entender que se opõe à ideia de clarificação racional. A razão ilustrada é, além do mais, tolerante. Como dizia Voltaire, a tolerância é o património da razão.

A razão tem uma natureza própria e, além disso, é o instrumento ou meio de conhecer como interpretar o mundo e exercer a crítica. A razão iluminista é analítica no sentido em que é 1) capacidade de adquirir conhecimentos da experiência e 2) capacidade de analisar o empírico tentando compreender, numa aliança entre o empírico e o racional, a lei que governa.

Em termos gerais, o pensamento kantiano é uma tentativa original e vigorosa de superar e sintetizar as duas correntes filosóficas fundamentais da modernidade: o racionalismo e o empirismo. Mas a obra de Kant vai mais além, e nela entrecruzam-se todas as correntes que constituem a trama do pensamento do século xviii. É, pois, o filósofo mais representativo deste período.

O criticismo de Kant é uma filosofia que tenta responder a três perguntas básicas: Que posso saber?, Que hei-de fazer?, Que posso esperar?

Que posso saber? Para o conhecimento universal e necessário ser possível, e dado que não pode provir da experiência, é preciso que os objectos do conhecimento se determinem na natureza do sujeito pensante, e não ao contrário. A Crítica da Razão Pura de Kant leva a cabo esta revolução do método e mostra como o entendimento, ao legislar sobre a sensibilidade e a imaginação, torna possível uma física a priori. Mas, se a natureza está submetida ao determinismo, pode o homem ser livre? Kant leva a cabo a revolução copernicana no terreno prático postulando a existência de uma alma livre animada por uma vontade autónoma.

Que hei-de fazer? «Actua estritamente segundo a máxima que faz que possas desejar simultaneamente que se converta numa lei universal.»

Que posso esperar? Para a espécie humana, o reino da liberdade garantido por uma constituição política. Para o indivíduo, o progresso da sua virtude e um melhor conhecimento do outro e de si mesmo através da arte.

No que se refere ao idealismo, a filosofia kantiana lega aos seus sucessores três grandes problemas: 1) a sua concepção do idealismo como idealismo transcendental; 2) a oposição entre a razão teórica e a razão prática, e 3) o problema da coisa em si.

A filosofia posterior a Kant assume até às suas últimas consequências a razão crítica. Os filósofos esforçam-se por desenvolver as teses kantianas na linha da razão prática. Tanto o idealismo subjectivo de Fichte como o idealismo objectivo de Schelling são tentativas muito meritórias nessa linha. Mas a superação do kantismo não se consegue até à formulação do sistema de Hegel.

As obras de Kant costumam distribuir-se por três períodos, denominados pré-crítico, crítico e pós-crítico. O primeiro momento corresponde à sua filosofia dogmática, à sua aceitação da metafísica racionalista, na peugada de Leibniz e de Wolff. No segundo período escreve as suas obras mais conhecidas e influentes: Crítica da Razão Pura, Crítica da Razão Prática e a Crítica do Juízo. Além destas grandes obras, Kant publica diversos estudos e opúsculos. Pelo vigor e originalidade do seu pensamento e pela sua influência sobre o pensamento filosófico, Kant é justamente considerado um dos filósofos mais notáveis da cultura ocidental.

Fonte: www.vidaslusofonas.pt

EMMANUEL KANT

Immanuel Kant de Königsberg (1724-1808 d.C.)

Immanuel Kant, filósofo alemão (Königsberg, Prússia Oriental, atual Kaliningrado, Rússia 1724 - id. 1804)

Professor, nunca deixou sua cidade natal. Escreveu um Ensaio para introduzir em filosofia o conceito de grandeza negativa (1763), depois uma Dissertação sobre a forma e os princípios do mundo sensível e do mundo inteligível (1770). Suas pesquisas conduziram-no à interrogação sobre "os limites da sensibilidade e da razão". Em 1781, publicou a Crítica da razão pura e, em 1785, Fundamentos da metafísica dos costumes. Revisou então sua primeira crítica e depois escreveu Primeiros princípios metafísicos da ciência da natureza (1786), Crítica da razão prática (1788), Crítica do juízo (1790), A religião nos limites da simples razão (1793). Em 1797, publicou Metafísica dos costumes. A filosofia crítica kantiana tenta responder às questões: "Que podemos conhecer?"; "Que podemos fazer?"; "Que podemos esperar?"; e remete a razão ao centro do mundo, como Copérnico remetia o Sol ao centro do sistema planetário - procedimento qualificado de "revolução copernicana". Para que um conhecimento universal e necessário (ou seja, aquele que não é derivado da experiência) seja possível, é preciso, que os objetos do conhecimento sejam regulados pela natureza do sujeito pensante e não o inverso. A Crítica da razão pura realiza esta revolução metodológica e mostra como o entendimento, legislando sobre a sensibilidade e a imaginação, torna possível uma física a priori. Mas, se a natureza está submetida ao determinismo, pode o homem ser livre? É postulando a existência de uma alma livre animada por uma vontade autônoma que Kant põem em movimento a revolução copernicana no domínio prático.

Que devemos fazer? Agir unicamente conforme a máxima que pergunta o que ocorreria se todos fizessem o mesmo, ou seja. se tal ação se tornasse uma lei universal. Que podemos esperar? Para a espécie humana, o reino da liberdade garantido por uma constituição política; para o indivíduo, a saída da menoridade, através da razão.

Fonte: www.geocities.com

EMMANUEL KANT

Immanuel Kant

(Filósofo alemão)

22/4/1724, Königsberg, Prússia (atual Kaliningrad, Rússia)
12/2/1804, Königsberg, Prússia (atual Kaliningrad, Rússia)

"Age de maneira tal que a máxima de tua ação sempre possa valer como princípio de uma lei universal." Assim o filósofo Immanuel Kant formulou o "imperativo categórico". Ao buscar fundamentar na razão os princípios gerais da ação humana, Kant elaborou as bases de toda a ética moderna.

Immanuel Kant era filho de um pequeno artesão e passou toda a vida em sua pequena cidade natal, Königsberg.

Estudou no Colégio Fredericianum e na Universidade de Königsberg. Em 1755, doutorou-se em filosofia. Depois de alguns anos trabalhando como preceptor para filhos de famílias abastadas, passou a dar aulas privadas na universidade. Em 1770, tornou-se catedrático em matemática e lógica na Universidade de Königsberg.

Kant era conhecido por ser um homem metódico e de saúde frágil. Não se casou nem teve filhos, dedicando toda sua vida à elaboração de uma das obras mais importantes da história da filosofia.

Ao estudar a questão do conhecimento, investigando seus limites, suas possibilidades e suas aplicações, Kant elaborou sua obra capital, a "Crítica da Razão Pura", publicada em 1781.

O filósofo também se ocupou do problema da moral. A "Crítica da Razão Prática", publicada em 1788, discute os princípios da ação moral, a ação do homem em relação aos outros e a conquista da felicidade.

Kant tornou-se um filósofo respeitado e conhecido. Contudo, devido a suas idéias sobre religião, foi proibido de escrever ou dar aulas sobre assuntos religiosos pelo rei Frederico Guilherme II, da Prússia, em 1792.

Cinco anos depois, com a morte do rei, Kant viu-se desobrigado de obedecer à censura, publicando um sumário de suas idéias religiosas em 1798.

Além de obras sobre o conhecimento, a moral e a religião, Kant escreveu várias obras sobre estética, sendo a mais importante a "Crítica da Faculdade de Julgar".

Kant faleceu em 1804, de uma doença degenerativa, dois meses antes de completar 80 anos.

Fonte: www.netsaber.com.br

EMMANUEL KANT

Emmanuel Kant
Emmanuel Kant

Filósofo alemão (22/4/1724-12/2/1804). Nasce em Königsberg, região leste da antiga Prússia. Aos 16 anos, ingressa no curso de teologia da universidade de sua cidade natal. Escreve os primeiros ensaios em 1755, influenciado pelos tratados de física de Newton e pelo racionalismo do filósofo Leibniz.

A partir de 1760 distancia-se dessa corrente e declara-se seguidor da moral filosófica de Rousseau. Em 1770 torna-se professor de lógica da Universidade de Königsberg e enfrenta dificuldades para expor suas idéias em razão da oposição do luteranismo ortodoxo.


Sua principal obra, Crítica da Razão Pura (1781), aborda a oposição entre racionalismo e empirismo. Kant mostra que o conhecimento do mundo exterior é fruto tanto da experiência (posição empirista) como dos conceitos metafísicos (o racionalismo).

Entre 1788 e 1790 escreve Crítica da Razão Prática e Crítica do Juízo, sobre a teoria do conhecimento. Influencia a geração de filósofos que o sucede, com a Escola do Kantismo e Idealismo. Morre em Königsberg, cidade de onde nunca saiu.

Fonte: www.algosobre.com.br

voltar 12345avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal