Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Irlanda  Voltar

Irlanda

 

História

Na Idade da Pedra e Bronze, a Irlanda foi habitada por pictos do norte e um povo chamado Erainn no sul, o mesmo estoque, aparentemente, como em todas as ilhas antes da invasão anglo-saxão da Grã-Bretanha.

Em torno do século 4 aC, alto, de cabelos vermelhos os celtas chegaram da Gália ou Galiza. Eles dominaram os habitantes e estabeleceram uma civilização gaélica.

Até o início da Era Cristã, a Irlanda foi dividida em cinco reinos: Ulster, Connacht, Leinster, Meath, e Munster.

Saint Patrick introduziu o cristianismo em 432, e o país desenvolveu-se em um centro de aprendizagem gaélico e latim.

Os mosteiros da Irlanda, o equivalente a universidades, atraiu intelectuais, bem como o piedoso e enviou missionários para muitas partes da Europa e, alguns acreditam, a América do Norte.

Irlanda

Incursões noruegueses ao longo da costa, começaram a partir de 795, e terminou em 1014 com a derrota Nurueguesa na Batalha de Clontarf por forças sob Brian Boru.

No século 12, o papa deu a toda a Irlanda para a Coroa Inglês como um feudo papal.

Em 1171, Henrique II da Inglaterra foi reconhecido "Senhor da Irlanda", mas a regra seccional local continuou por séculos, e o controle Inglês era por toda a ilha até o século 17.

Na Batalha de Boyne (1690), o rei católico James II e seus partidários franceses foram derrotados pelo rei protestante William III (de laranja). Uma era de supremacia política e econômica protestante começou.

Pelo Ato de União (1801), Grã-Bretanha e Irlanda se tornou o "Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda." Um declínio na economia irlandesa seguido nas próximas décadas.

Irlanda

Irlanda pronúncia é uma ilha ao noroeste da Europa continental.

É a terceira maior ilha na Europa eo vigésimo maior ilha na Terra. Para o leste é a maior ilha da Grã-Bretanha , da qual está separado pelo Mar da Irlanda.

Politicamente, a Irlanda é dividida entre a República da Irlanda , que abrange pouco menos de cinco sextos da ilha, e da Irlanda do Norte , parte do Reino Unido, que abrange o restante e está localizado no nordeste da ilha.

A população da Irlanda é de aproximadamente 6,4 milhões. Pouco menos de 4,6 milhões vivem na República da Irlanda e um pouco menos de 1,8 milhões vivem na Irlanda do Norte.

A população de 2011 da República da Irlanda foi estimada em 4.581.269 e que a Irlanda do Norte em 2010 foi estimada em 1.799.392.

Relativamente baixas montanhas circundantes geografia uma central simples resumem Irlanda com vários rios navegáveis interiores que se estendem.

A ilha tem uma vegetação exuberante, um produto de seu clima ameno, mas mutável oceânica, o que evita extremos de temperatura.

Florestas espessas cobriram a ilha até o século 17.

Hoje, é uma das áreas mais desmatadas na Europa.

Há 26 existentes de mamíferos de espécies nativas para a Irlanda.

A invasão normanda na Idade Média deu lugar a um gaélico ressurgimento no século 13. Mais de 60 anos de guerra intermitente em 1500 levou ao domínio Inglês depois de 1603.

Na década de 1690, um sistema de protestante regra Inglês foi projetado para materialmente desvantagem a maioria católica e protestantes dissidentes, e foi estendida durante o século 18.

Em 1801, a Irlanda tornou-se uma parte do Reino Unido.

A guerra de independência no início do século 20 levou à divisão da ilha , criando o Estado Livre da Irlanda , que se tornou cada vez mais soberano ao longo das décadas seguintes.

Irlanda do Norte permaneceu como parte do Reino Unido e viu muita agitação civil do final dos anos 1960 até os anos 1990. Isso diminuiu após um acordo político em 1998.

Em 1973, ambas as partes da Irlanda aderiu à Comunidade Económica Europeia.

Cultura irlandesa tem tido uma influência significativa sobre outras culturas, particularmente nas áreas de literatura e, em menor grau, ciência e educação.

A forte cultura indígena existe, como expresso, por exemplo através de jogos gaélicos, música irlandesa e da língua irlandesa, ao lado de integrar a cultura ocidental, como a música contemporânea e teatro, e uma cultura com muito em comum com a Grã-Bretanha, como expresso por meio do esporte, tais como de futebol, rúgbi, corrida de cavalos, e de golfe, bem como o idioma Inglês.

Geografia

A Irlanda está situado no Oceano Atlântico, e separada da Grã-Bretanha pelo Mar da Irlanda.

Metade do tamanho de Arkansas, que ocupa toda a ilha, exceto para os seis municípios que compõem a Irlanda do Norte.

Irlanda se assemelha a uma bacia, uma planície central cercadas por montanhas, exceto na região de Dublin.

As montanhas são baixas, com o pico mais alto, Carrantuohill em County Kerry, subindo para 3.415 pés (1.041 m).

O principal rio é o de Shannon, que começa na região centro-norte, corre para o sul e sudoeste por cerca de 240 milhas (386 km), e deságua no Atlântico.

Governo

República

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Irlanda

IRLANDA, OBRA DE ARTE DA NATUREZA

Irlanda é um país pequeno de grandes castelos e misteriosos lagos. O verde das campinas e o cinzento do céu oferecem à paisagem uma frescura sem igual.

De caráter aberto e generoso os irlandeses mantém o seu aspecto elegante e alegre que fará sentir-se em sua própria casa.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

É a mais ocidental das Ilhas Britânicas. Está situada ao oeste da ilha da Gran Bretanha, da qual está separada pelo canal de São Jorge, o Mar de Irlanda e o Canal do Norte. Limita-se ao nordeste com o Mar da Escocia e a leste com o Mar da Irlanda.

As ilhas espalham-se ao longo das costas irlandesas. Costumam ser fascinantes e em qualquer caso curiosas. Destacam-se as ilhas de Cape Clear, Sherkin, Dursey, Aarinish, Skelling Michael, Blasket, Ilhas de Aran, Inishbofin, Clare, Inishmurray, Arranmore, Tory, Irelands Eyes, Dalkey e Saltee.

FLORA E FAUNA

Os lagos e rios estão cheios de diferentes espécies como o salmão e a truta, enquanto que em terra habitam numerosas espécies mamíferas inclusive a lebre. Na ilha vivem numerosas aves migratórias e sobre tudo na costa, um paraíso ornitológico. Na ilha existem cinco parques nacionais e setenta e cinco reservas naturais.

História

Um País de Lendas

Irlanda é um país mágico e por isso a sua história tem algo de lenda. No princípio, e segundo as lendas que percorrem sobre tudo as vilas do país, o irlandês conta que as suas terras estavam habitadas por pequenos duendes dos bosques que agora só alguns podem ver. Em um tom mais real, apareceram os celtas por volta do século VI A.C.

Durante muito tempo e antes da chegada de São Patricio, criaram-se aldeias que permaneceram independentes. O cristianismo e o latim assim como a escritura romana e os mosteiros formaram parte do sentir desta terra. Com a chegada dos Vikings fundaram-se os primeiros assentamentos e o primeiro núcleo, que atualmente é a capital.

No século XI esta população submeteu-se aos irlandeses. Posteriormente, os anglo-normandos tentaram invadir a ilha sob o comando do reis de Leinster. No século XII os invasores tomam a melhor parte do território e ao chegar Enrique II a ilha está submetida como colônia britânica.

Os gaélicos lutam sem descanso pela sua independência e detêm aos ingleses. Embora as duas culturas misturam-se, sempre ficam as leis irlandesas.

De novo a casa Tudor e Enrique VIII tentarão submeter aos irlandeses. Após duras lutas e revoltas, o território irlandês fica submetido à Coroa Britânica no século XVI.

Um século mais tarde um grupo de presbiterianos escoceses instalam-se no UIster agravando a situação. Durante uma época seguem as revoltas e os camponeses irlandeses sofrem as consequências mais terríveis. O bloqueio e as duras leis sociais continuam até que em 1779 as leis de Gardiner permitem por fim o livre comércio e a ilha experimenta uma época de desenvolvimento.

Estranha Diáspora

Por aquela época chegam as idéias da Revolução Francesa, mas de novo são caladas as vozes e suprime-se o parlamento irlandês.

Nessa altura, na Inglaterra triunfa a Revolução Industrial, enquanto os camponeses irlandeses vivem na miséria doente pela praga da batata. Muitos fogem à América. As terras abandonadas são ocupadas por novos colonos britânicos.

A idéia de liberdade chega aos Estados Unidos com o Movimento Feniano. Aparecem diversos movimentos nacionalistas e finalmente Irlanda tem um Parlamento próprio. As lutas acabam por reforçar-se, aparecendo o IRA, o Exército Militar Irlandês.

Em 1920 uma lei dividiu à Irlanda em duas partes. Em 1921 estabeleceu o estado livre de Irlanda. Belfast rejeita formar parte do estado livre irlandês até instalar a guerra entre as duas partes, situação que prevalesce até os nossos dias.

Arte e Cultura

Música

Os grupos de música irlandesa tradicional são muito populares. Utilizam instrumentos como o bodhran, pipas, flautas e outros elementos da tradição celta. Mas além da música tradicional na Irlanda também há música rock muito popular, lembremos a Van Morrison, Enya, Sinead O'Connor, Bob Geldof, U2, e The Cranberries.

Literatura

A literatura é uma das artes nas que mais têm salientado os irlandeses, os quais têm dado nomes tão importantes como Oscar Wilde, George Bemard Shaw, James Joyce. Samuel Beckett, e mais recentemente Roddy Doyle com a obra Paddy Clarke Ha Ha Ha e também Seamus Heaney, originário do Hulster que foi nomeado para o Prêmio Nobel em 1995.

Arquitetura

Irlanda tem numerosos lugares arqueológicos, cavernas pré-históricas, ruinas de mosteiros e fortalezas que contam uma rica história arquitetônica.

Locais Turísticos

Percorreremos Irlanda de Norte a Sul. Primeiro visitaremos as duas cidades mais importantes e a ilha para transladarmos logo aos famosos seis condados.

Destes pontos se podem fazer uma série de excursões organizadas do máximo interesse. Depois partiremos para Irlanda do Sul, famosa pelos seus castelos e hotéis e as suas maravilhosas paisagens naturais.

IRLANDA DO NORTE

BELFAST

A cidade nasceu como um forte rodeado de colinas sobre o rio Lagan. Na Idade Média desenvolveu-se uma pequena vila em torno ao forte e no princípio do século XVII os habitantes foram expulsos, onde assentaram os protestantes escoceses e ingleses, enviados pela Coroa Inglesa visando repovoar a região.

Muitos anos mais tarde tornou-se um importante produtor de linho e barcos. Com mais de 400 mil habitantes, a cidade tem o tamanho ideal para passear de um a outro monumento da cidade. O rosto desta cidade, no centro, é o da Rainha Vitória.

Todas as estruturas importantes levam a marca da era vitoriana.

A Prefeitura é o edifício mais impressionante de Belfast. Está construido com pedra de Portland e a cúpula é de bronze. No seu interior aloja um grande mural que representa a evolução industrial da cidade.

Albert Memorial. Trata-se de uma torre com relógio situada na parte mais próxima ao rio. A sua característica tem-lhe valido o nome da "Torre inclinada de Belfast".

Catedral de Belfast. Encontra-se em Lower Donegall Street. É uma construção de estilo romântico irlandês finalizada em 1904 que contém no seu interior um belo mosaico que representa o desembarco de São Patricio em Saul.

Escritórios do Porto. Este edifício tem no interior uma interessante coleção de pintura, escultura e cristal serigrafado de temas relativos à história marítima da cidade.

Zoo. Está situado na estrada de Antrim, em um parque sobre uma colina de onde divisa-se a cidade e o lago.

Grande Opera House. Este encantador teatro rococó foi desenhado pelo conhecido arquiteto Frank Matcham e o seu interior está profusamente decorado em tons dourados e castanhos.

Museu Folclórico do Ulster. Situado a uns 14 quilômetros da cidade. A casa solarengo aloja coleções de objetos históricos e um salão de chá. Também há uma granja com uma vacaria por frente de uma igreja.

LONDONDERRY

A cidade primitiva levanta-se à beira do rio Foyle e as suas antigas ruas formam a zona comercial e de negócios mais importante da cidade. A outra parte, a zona moderna, é muito maior e extende-se a ambos lados do rio.

O mais interessante para visitar é:

As Muralhas. A maior parte delas pode-se percorrer com um acesso ao Magazine Gate. Delas contempla-se uma maravilhosa vista da antiga cidade.

The Guildhall. Trata-se de um imponente edifício gótico do século passado mas a princípios do nosso século sofreu um desastroso incêndio que destruiu todo o interior. Após a reconstrução podem-se admirar os belos panéis de carvalho, o mármore e os cristais das suas decorações.

Catedral de São Columbano. É um dos edifícios mais antigos da cidade velha. Trata-se de uma catedral construida em 1633.

Ruas do Centro. Muitas ruas da cidade são empinadas e rústicas com exemplos de arquitetura vitoriana e georgiana.

OS SEIS CONDADOS

CONDADO DE A TRIM

É famoso pelas suas falesias e paisagens selvagens sem pavimentar. A estrada costeira aberta ao tráfico em meados do século, permite o acesso aos turistas para admirar as maravilhosas vistas e os lugares a beira dela.

As Canhadas de Atrim. São nove as famosas canhadas desta localidade. O conselho para o visitante é ir devagar para observar as maravilhas da paisagem.

The Giant's Causeway. É talvez a mais famosa de todas as maravilhas naturais de Irlanda.

Carrick-a-Rede Rope Bridge. Famosa pela ponte entre duas falésias.

Carrickfergus Castle. Um dos castelos medievais melhor conservado de Irlanda.

CONDADO DE ARMAGH

Onde poderá visitar muitas catedrais acima das colinas.

CONDADO DE DOWN

Você poderá percorrer uma vez ali as montanhas de Moume, a Península de Ards e visitar a Tumba de São Patricio.

CONDADO DE FERMANAGH

À beira do lago Erne poderá visitar uma formosa fábrica de cerâmica e desfrutar da navegação e da pesca.

CONDADO DE LONDODERRY

Famoso pelos seus enegrecidos pescados.

CONDADO DE TYRONE

Aqui encontrará um dos famosos parques que descrevem a vida rural do UIster.

CENTRO DE IRLANDA

DUBLIN

Pequena e compacta, a cidade está dividida em dois pelo rio Liffey. Na parte oeste da cidade acha-se o Phoenix Park, um parque municipal de 800 hectares de extensão. Na parte leste encontra-se a ponte O'Connell Bridge.

O City Center, centro da cidade, ocupa uma extensão de dois quilômetros. Ambos lados do centro agrupam-se várias ruas de centros comerciais onde realizar todo tipo de compras.

Definitivamente Dublín é uma cidade para passear. Assim pode deter-se em igrejas e catedrais como a de São Patrick que data do ano 1190. Igualmente poderá entrar na Igreja de St Micham, do século XVII, porém, sua torre foi construida no século XII. O mais interessante é a sua cripta na qual, pelas condições ali existentes, os cadáveres não descompoem-se.

Em respeito aos museus e galerias, destaca o Museu Nacional de Irlanda e a Galeria Nacional, a maior galeria de arte da Irlanda, conta com obras de Rubens, Miguel Angel e Tiziano, entre outras.

Na cidade existem uma série de edifícios importantes de enorme interesse como o Castelo de Dublín e o Banco de Irlanda.

Passear por esta cidade é uma atividade relaxante pois está rodeada de parques naturais e de um Jardim Botânico. O Phoenix Park, é reconhecido como o pulmão de Dublín. Trata-se de uma grande extensão de céspede de quase 800 hectares.

Assim mesmo pode visitar a fábrica de cerveja Guiness e o Museu Histórico da Prisião de Kilmainham.

À caminho para o sul da capital pode fazer numeráveis excursões de um dia de duração.

SUL DE IRLANDA

Já estamos dispostos ao longo caminho pelos campos de Irlanda, de caminho entre Dublín e Arklow a desfrutar da imensa maravilha espesa de folhagem que encontra-se nas Wicklow Mountains, em uma região conhecida como "O Jardim de Irlanda".

Dentro do condado de Wicklow podemos visitar Powerscourt e a mansão de granito construida no século XVIII. Imensos jardins italianos e japoneses assim como a enorme cascata e os salões de chá.

Neste mesmo condado encontramos o vale de dois lagos, como chama-se Glendalough. A beleza das ruinas do mosteiro ali situado vale a pena um dia de nossa estadia neste país.

Avondale é uma pequena localidade rodeada de bosques, lugar de nascimento de Charles Stewar Parnell. Finalmente pararemos em Cork, conhecida como "Cima do Sol". A segunda cidade mais importante de Irlanda, nesta localidade sentirá um agradável bem estar físico e espiritual sobre tudo se visitar a pousada encima de uma alta colina com mais de 200 anos de antiguidade.

A cidade é famosa pela celebração do Festival Internacional de Cinema. Os lagos da zona são uma das atrações mais importantes para o turismo.

Outras cidades do sul dignas de visitar são Wex Fox e Water Ford, com uma zona costeira de falésias degrande beleza.

Ao oeste encontra-se Galway, conhecida pela baia do mesmo nome. A catedral do mesmo nome e as corridas de cavalos são as mais interessantes da capital do condado. O castelo de Linch, uma elegante mansão de pedra e as beiras do rio Corrib será o fim do percurso.

Nas ilhas de Arán, às quais poderá aceder em lancha, poderá observar uma preciosa paisagem marinha com o sabor medieval típico de toda a Irlanda.

GASTRONOMIA

A rainha da cozinha irlandesa é claramente a batata. Assada, no forno, simplesmente cozida e alinhada com perejil ou acompanhada com cebolas pode-se comer ao longo de todo país.

O peixe é outro dos manjares autênticos deste país marítimo. Salmão, truta ou lagosta, podem ser degustadas e preparadas de mil maneiras.

Os pequenos almoços suculentos á base de hidratos de carbono e proteínas, para apanhar energia e seguir a costume, são algo ao que não poderá renunciar. Não há que esquecer os ricos pratos de carne e frango sazonados com todo tipo de especiarias, para qualquer paladar.

BEBIDA

Inevitavelmente a cerveja em todas as suas variedades e sabores, é a bebida por excelência. Guiness é a marca nacional.

Compras

Levar um bom souvenir do país é a melhor maneira para lembrar as suas férias no país onde "sempre chove".

Não deixe de adquirir um fabuloso jersey de Aran, o melhor no que diz respeito ao artesanato local. Os seus desenhos imitam as paredes de pedra das casas dos pescadores. Também pode levar-se mármore verde e originais colares de turba.

A lã, o cobre e a roupa de cavalheiro são as adquisições que não poderá renunciar antes de partir. Mas deixe-se seduzir pela rica variedade de tecidos de lã, chales, bonés, prata, cristalaria, bordados, antiguidades, salmão enegrecido, ou por uma boa quantidade de cerveja irlandesa.

As melhores lojas encontrará em Dublín.

Pode visitar dois dos grandes armazéns da capital: Brow Thomas e Switzer.

População e Costumes

Habitado por 4 milhões de irlandeses, o país da cerveja preta aloja por atrás de suas fronteiras os homens mais amáveis da Europa. Embora em um princípio o caráter irlandês não desborde generosidade e simpatia, ao longo do primeiro dia de estadia você tomará conta que ali seguramente vai fazer mais de um bom amigo.

Descendentes do povo celta, as ruas das cidades e vilas estão cheias de homens ruivos e de aspecto saudável e sobre tudo de enormes corpos para alojar, segundo o seu costume, imensas quantidades de cerveja nas tabernas, onde os mais velhos, em ocasiões reunem-se para contar velhas histórias, sobretudo nas vilas. A maior parte dos habitantes vive nas cidades e falam inglês.

ENTRETENIMENTO

A excursões da capital às diferentes localidades será um dos passatempos mais divertidos. Também poderá praticar todo tipo de esportes náuticos, sobretudo se as suas férias coincidem com o verão.

Se gosta da pesca, Irlanda é o paraíso dos pescadores. Se preferir conhecer os vestigios da cultura medieval, não ficará desiludido e diariamente poderá percorrer grande quantidade de castelos em qualquer das localidades da sua escolha.

As corridas de cavalos e a saída noturna em alguns pubs, teatros e clubes de moda completarão os seus desejos de diversão. Porém, Irlanda oferece excelentes alternativas e possibilidades para quem gosta do golfe, da equitação do senderismo, dos cruzeiros em barco ou do cicloturismo.

Lembre-se que também poderá aprender inglês, em algum dos Em umerosos cursos que organizam no país. Outras possibilidades são a prática do windsurf, esquí náutico, submarinismoou parapente.

Se ficar dentro do seu orçamento, poderá alugar castelos para dar festas ou simplesmente para passar um fim de semana genial. Assim mesmo pode passar um tempo das suas férias em alguma granja e ocupar-se dos animais domésticos e dos produtos da terra.

FESTIVIDADES

Os dias festivos oficiais são o 1 de janeiro Ano Novo, 17 de março Dia de São Patrício, Sexta-feira Santa, Segunda-feira de Páscoa, primeiro e última segunda feira de maio May Holiday, 12 de julho Dia de Orangeman, primeira segunda feira de agosto Dia de Agosto, última segunda feira de outubro Dia de Octubre, 25 de dezembro Natale e o 26 de dezembro São Estevão.

Transportes

Avião

Irlanda está ligada com os outros países através da sua linha de vôo nacional Air Lingus. No interior existem vôos entre Dublín e Belfast, Cork Galway e Shannon, inclusive pode-se voar s Ilhas Aran.

Barco

Há muitos serviços de navegação. É bom saber que existem transbordadores que admiten carros.

Alguns deles reduzem muito o percurso, ligando as duas beiras do estuário de dois rios: o primeiro no rio Shannon e o segundo no rio Suir, entre Ballyhac e Passage.

Trens

As distâncias são curtas em Irlanda e as viagens em trem são confortáveis e divertidas. A rede de caminhos-de-ferro chama-se larnod Eireann. É muito eficiente. Existem trens rápidos e outros mais vagarosos. Pode-se adquirir bonos para vários dias.

Ônibus

A rede de ônibus é muito extensa. O serviço cobre o norte assim como o sul da Irlanda. Os veículos são confortáveis e modernos.

Carro

Conduz-se pela esquerda, o limite de velocidade é de 45 km/h nas zonas urbanas, 90 km/h nas estradas e 105 km/h nas auto-estradas. Em algumas cidades é necessário adquirir uma licença especial para estacionar o carro no centro.

A sinalização geralmente está bem feita e os sinais costumam estar escritos nas duas línguas: inglês e gaélico. Porém, a Irlanda está adotando o sistema métrico decimal pelo que os velhos letreiros (preto sobre fundo branco) são sempre em milhas, salvo quando levam as letras "km". Os novos letreiros (brancos sobre fundo verde) são sempre em quilômetros.

Bicicleta

A bicicleta é uma escolha muito popular para percorrer o país. Embora as distâncias são curtas há muitas costas.

Fonte: www.genteviajera.es

Irlanda

Nome Oficial: Poblacht Na h'Éireann / Republic of Ireland (República da Irlanda)
Capital da Irlanda: Dublin
Área: 70.273 km² (117º maior)
População: 4,148 milhões (2005)
Idiomas Oficiais: Gaélico irlandês e inglês
Moeda: Euro
Nacionalidade: Irlandesa
Principal Cidade: Dublin, Cork, Limerick
Cias aéreas: Aer Lingus EL 053 Cityjet WX 689
Clima: marinho
Fuso horário (UTC): 0 (+1)

Pontos turísticos

Galway

Com atmosfera festiva, há restaurantes e bares para todos os gostos musicais e gastronômicos. O charme fica por conta das casas coloridas de um só piso.

Calçada dos Gigantes

Formações rochosas que caem da montanha da Costa de Antrim e penetram no Atlântico Norte como uma escadaria em que degraus têm a forma de imensos hexágonos. Formada a partir da lava de um vulcão, diz a lenda que foi construída pelo gigante Finn Mac cool para alcançar sua amada na Escócia.

Waterford

Fundada em 853 pelos vikings, os povos que por aqui passaram deixaram marcos históricos, como a Torre Reginald, originalmente construída por vikings e reerguida pelos normandos e o Castelo de Waterford, do século XV, localizado numa ilha, possui verdadeira arquitetura irlandesa, tendo sido transformado em hotel de luxo.

Próximo à cidade, alguns vilarejos possuem características típicas irlandesas, como é o caso de Kilkenny, Dunmore East, Glendalough e Wicklow.

Fonte: www.geomade.com.br

Irlanda

Irlanda é um país da Europa Ocidental e membro da União Europeia.

A capital é Baile Atha Cliath / Dublin.

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo).

A língua nacional é o Irlandês, a outra língua oficial é o Inglês.

Tribos Celtas chegaram à ilha entre 600-150 aC. As invasões dos Vikings que começaram no final do século 8 foram finalmente terminadas quando o Rei Brian Boru derrotou os Dinamarqueses em 1014.

As invasões Inglesas começaram no século 12 e forjaram mais de sete séculos de luta Anglo-Irlandêsa marcada por ferozes rebeliões e duras repressões.

Uma fracassada Rebelião da Segunda-feira de Páscoa em 1916 desencadeou vários anos de guerra de guerrilha que em 1921 resultou na independência do Reino Unido para 26 condados do sul; seis municípios do Norte (Ulster) permaneceram parte do Reino Unido.

Em 1949, a Irlanda retirou-se da Comunidade Britânica; ela aderiu à Comunidade Europeia em 1973. Os governos Irlandeses têm buscado a unificação pacífica da Irlanda e têm cooperado com a Inglaterra contra os grupos terroristas.

Um acordo de paz na Irlanda do Norte está a ser gradualmente implementado, apesar de algumas dificuldades. Em 2006, os governos Irlandês e Britânico desenvolveram e começaram a implementar o Acordo de St. Andrews, com base no Acordo da Sexta-Feira Santa aprovado em 1998.

A ilha da Irlanda, uma terra de grande beleza natural, forma a fronteira oeste do território Eurasiano. Sua característica mais notável natural é seu verde, o que lhe deu o título da Ilha Esmeralda.

A Irlanda teve uma longa história e muitas vezes trágica. Por mais de 700 anos, o povo lutou contra a opressão, a fome e a doença. Apesar destas dificuldades, os Irlandeses têm feito grandes contribuições para o mundo, incluindo uma extraordinária riqueza da grande literatura.

Tantos Irlandeses têm emigrado que hoje, cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo afirmam a ascendência Irlandesa, incluindo 35 milhões somente nos Estados Unidos. Bons tempos vieram na década de 1990, quando a Irlanda foi apelidada de "Tigre Celta" pelo seu crescimento economico espetacular.

Na virada do milênio, muitos Irlandeses disseram que seu país saltara do século 19 direto para o século 21. Infelizmente, dentro de uma década, a crise financeira global trouxe uma inversão dramática da fortuna econômica da Irlanda.

Terra

A Irlanda se assemelha a um disco voador, com uma fértil planície central e um aro de colinas e montanhas baixas. A mais famosa das serras são as Reeks do Macgillycuddy, onde o pico mais alto da Irlanda, o Carrantuohill, sobe 3.400 pés (1.040 metros) acima do nível do mar.

Em todos os lugares a costa Irlandesa é quebrada por recortes. A costa oeste é um lugar de grandeza selvagem, com penhascos quebrados por misteriosas enseadas e baías.

A Irlanda Central é uma região de prados, pântanos, lagos, e muitos rios tortuosos. A turfa cobre grande parte da superfície da ilha. Estas turfeiras são uma mistura de musgos, urze, e outros materiais que, por causa do solo e condições climáticas especiais, tornaram-se comprimidas e carbonizadas ao longo dos séculos.

A turfa é cortada e seca para ser utilizada como combustível em casas e na indústria. Quando as turfeiras são limpas, a terra estará sendo feita utilizável para o plantio. Cerca de 25% da Irlanda é cultivada e 25% está ocupada por turfeiras, pântanos, montanhas e lagos.

O resto é pasto, onde os cavalos mundialmente famosos da Irlanda e o gado pastam.

Rios e lagos

Atravessando a ilha está o grande Rio Shannon, o rio mais longo das Ilhas Britânicas. Por mais de 200 milhas (320 km), o Shannon serenamente segue o seu caminho através das belas paisagens da Irlanda, alargando fora em lugares para formar lagos espetaculares, como o Lago Allen, o Lago Ree, e o Largo Derg.

Clima

Irlanda é tão ao norte que se esperaria invernos rigorosos. Na verdade, o clima é relativamente ameno o ano todo. A Deriva do Atlântico Norte traz as águas quentes da Corrente do Golfo para a costa do norte da Europa.

Ao mesmo tempo, por causa dos ventos do oeste do Atlântico, ela traz a chuva que com o clima ameno faz a Irlanda tão intensamente verde. No oeste tanto quanto 80 polegadas (200 cm) de chuva cai em um ano, enquanto que no leste ela pode ser de apenas 30 polegadas (80 cm).

População

A Irlanda é um país de mais de 4,6 milhões de pessoas. Os Irlandeses são predominantemente do estoque Celta, que estiveram durante muitos séculos sob o domínio Inglês. Em 1922, 26 municípios majoritariamente Católicos tornaram-se independentes da Grã-Bretanha, enquanto os municípios nortistas principalmente Protestantes garantiram um parlamento próprio, sujeito ao Parlamento do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.

John Millington Synge (1871-1909), um dramaturgo Irlandês, disse: "É em um lugar solitário, você tem que estar falando com alguém ...." E os Irlandeses realmente gostam de falar - a qualquer momento, a qualquer pessoa, em qualquer lugar.

As palavras fluem melodiosamente, rios de palavras cheias de humor e cor. Mas a sagacidade, o humor, e o calor Irlandeses são misturados com uma sensação de fatalismo e uma profunda reverência para a religião.

A Constituição Irlandesa separa a Igreja e o Estado, mas reconhece a "posição especial" da Igreja Católica Romana. A força dos sentimentos religiosos tradicionais foi evidente em uma longa batalha legislativa sobre o divórcio, que foi legalizado somente em 1995 - mas a dissolução de um casamento é ainda muito mais difícil na Irlanda do que em outros lugares.

Como em muitos países onde a Revolução Industrial chegou tarde, o modo de vida rural é muito diferente do que a vida nos centros industriais. No entanto, em todos os lugares da Irlanda a vida familiar está perto, e há grande devoção aos pais.

Na Irlanda rural particularmente, o pub é o clube social do homem, onde ele pode ter a encorpada famosa cerveja preta Irlandesa, e desfrutar da companhia de seus vizinhos. Mas rural ou urbano, as formas Irlandesas tradicionais estão mudando com os tempos.

A conversa nos bares locais agora muitas vezes gira em torno de oportunidades de investimentos e de notícias da bolsa de valores.

Os Irlandeses são entusiastas apaixonados de esportes. Tradicionalmente, eles sempre caçavam e pescavam. Eles amam cavalos e as corridas de cavalos são um grande esporte nacional. O Derby Irlandês é uma das corridas mais famosas do mundo, e apostar nos Sweepstakes Nacionais, realizados para o benefício dos hospitais Irlandêses, é praticamente uma indústria nacional.

Entre os esportes mais populares está o antigo jogo de arremesso - um tipo de hóquei de campo jogado com um bastão curvo e uma bola de couro de pequeno porte. O jogo consiste em duas equipes de 15 jogadores, que necessitam de grande força, habilidade e timing.

O futebol, o rugby, o futebol Gaélico (uma combinação de futebol e rugby), o golfe, o boliche, e a vela também são populares.

Céad míle fáilte ("cem mil boas vindas") é a saudação tradicional Irlandesa e os Irlandeses são famosos por sua hospitalidade. Os visitantes são convidados a vir para uma bebida ou uma refeição.

Linguagem e Aprendizagem

O Irlandês (ou Gaélico), uma das mais antigas línguas da Europa, era a conversação dos Celtas na Irlanda. Seu uso começou a declinar no início dos 1800s.

Quando o governo Irlandês foi criado em 1922, grandes esforços foram feitos para reviver o Irlandês. O ensino do Irlandês foi tornado obrigatório em todas as escolas, e ele tornou-se a língua do ensino nas faculdades de professores.

Na Constituição Irlandesa de 1937, o Irlandês foi declarado a "primeira língua oficial" da Irlanda, o Inglês a segunda. Recentemente, a orientação de reviver o Irlandês tem sido bastante bem sucedida, e a difícil linguagem é reconhecida como uma das línguas oficiais da União Europeia (UE).

A educação é gratuita e obrigatória para todas as crianças entre as idades dos 6 aos 15 anos. Desde 1970, o governo Irlandês tem investido fortemente na educação, e hoje, muito mais crianças continuam seus estudos além do nível secundário.

Esta política se traduziu na florescente economia atual. Há quatro universidades - a Universidade de Dublin (que também é chamada de Trinity College); a Universidade Nacional, com faculdades em Dublin, Maynooth (Kildare), Cork e Galway; a Universidade da Cidade de Dublin; e a Universidade de Limerick. Dublin tem duas ótimas escolas de tecnologia, onde arquitetos e engenheiros são treinados.

E em Dublin e Cork estão bem-conhecidas escolas de música e arte. O Museu Nacional da Irlanda está localizado em Dublin, assim como a Galeria Nacional da Irlanda. O Museu de James Joyce tem relíquias do autor mundialmente famoso.

Literatura Irlandesa

Muito antes de qualquer escola existir na Irlanda, havia uma grande tradição oral nativa. A mais antiga literatura conhecida da Irlanda remonta aos séculos 8 e 9, quando os cantores-poetas, ou bardos, recitavam os romances, ou sagas, de seus heróis.

O Ciclo de Ulster conta a história do grande herói Cuchulain. A coleção de contos conhecida como o Ciclo Fenian lida com as façanhas de Finn Mac Cool e seu bando de guerreiros, os Fianna.

Os poetas recebiam o patrocínio dos reis na antiga sociedade Gaélica. Eles escreviam poemas da côrte honrando os seus reis, mas também registravam a história e tratavam do direito e da medicina.

Durante os anos difíceis da guerra, as canções da Irlanda tornaram-se canções tristes. Os poetas, proibidos de cantar abertamente seu amor pela Irlanda, dirigiam-se ao invés à uma rainha mítica, Cathleen Ní Houlihan, um dos nomes poéticos para a Irlanda.

Alguma poesia ainda é escrita em Irlandês na nova Irlanda, mas é sua escrita em Inglês que tem feito famosa a literatura Irlandesa em todo o mundo. Jonathan Swift, decano da Catedral de St. Patrick durante a primeira metade do século 18, foi o primeiro de uma longa linha do que tem sido chamado escritores Anglo-Irlandêses.

As Viagens de Gulliver é lida hoje como uma fantasia deliciosa, mas ela foi escrita, assim como muitas das obras de Swift, como uma sátira amarga sobre o governo Inglês na Irlanda, bem como sobre a humanidade em geral.

Outras grandes figuras literárias Irlandêsas do século 18 escreveram e viveram na Inglaterra. Elas incluíram Oliver Goldsmith, o poeta, romancista e dramaturgo; Edmund Burke, o filósofo político; Richard Brinsley Sheridan, dramaturgo; e Richard Steele, ensaísta.

Possivelmente o mais conhecido escritor Irlandês do século 19 foi o poeta, romancista e dramaturgo Oscar Wilde.

O século 20 veio a ser conhecido como o período do renascimento literário Irlandês. A luta pela independência despertou o interesse no passado Irlandês, e antigas sagas foram reavivadas.

O maior poeta da Irlanda moderna, William Butler Yeats, foi inspirado pelos velhos contos e movido pelo heroísmo da luta pela independência. Juntamente com Lady Augusta Gregory, em 1897, Yeats ajudou a fundar o Teatro Nacional da Irlanda em Dublin. Ele é famoso em todo o mundo como o Teatro Abbey, o lar dos Atores Abbey.

Yeats influenciou John Synge para retornar do exterior para escrever em sua Irlanda natal. A capacidade de Synge para registrar a poesia da fala dos camponeses e de escrever muito bem sobre os pobres de forma honesta é melhor ilustrada por sua peça O Playboy do Mundo Ocidental.

Outro dramaturgo famoso, Sean O'Casey, também escreveu para o Teatro Abbey.

O dramaturgo mais-conhecido da Irlanda, George Bernard Shaw, viveu e escreveu na Inglaterra. Candida, Arms and the Man, César e Cleópatra, Man e Superman, Major Barbara, Pygmalião, e outras peças são sobre problemas sociais contemporâneos e brilham com o humor e a sátira Irlandeses.

O escritor que é freqüentemente chamado de a maior figura literária do século 20, James Joyce, também viveu e escreveu no exterior, mas sua obra foi sobre a sua Irlanda natal. Ulysses, seu romance mais famoso, é sobre um dia em Dublin, 16 de Junho de 1904. Joyce vividamente registra tudo que seus três personagens principais fazem, pensam, e sentem durante aquele dia e noite.

Onde quer que os livros sejam lidos, os escritores Irlandeses do século 20 são bem-conhecidos. Liam O'Flaherty, Sean O'Faolain, Frank O'Connor, Samuel Beckett, e Brendan Behan são apenas alguns desses autores Irlandeses de renome mundial.

Mais recentemente, Frank McCourt, um professor de 66-anos de idade, que nunca tinha escrito um livro, ganhou imensa popularidade com seu livro de memórias da infância Irlandesa, As Cinzas de Ângela, que ganhou um Prêmio Pulitzer em 1997.

Cidades

Dublin

Dublin, o coração da Irlanda, está localizada em uma larga baía de areia sobre o Mar da Irlanda. Na distância você pode ver as encostas cobertas de urzes das colinas de Wicklow. Uma cidade antiga, Dublin foi mencionada pela primeira vez pelo geógrafo Ptolomeu de Alexandria em 140.

É uma cidade onde grande parte da história da Irlanda tem ocorrido, e muitos dos seus edifícios abrigam as cicatrizes das batalhas. Algumas das melhores estruturas, como a Casa da Alfândega e os Edifícios dos Quatro Tribunais, foram destruídos durante o conflito da década de 1920, mas têm sido restaurados.

Os museus estão cheios de tesouros do passado. No Trinity College está o grande Livro de Kells, o manuscrito Celta de 340-páginas iluminado dos quatro livros do Novo Testamento. Belamente pintado e inscrito por monges do século 9, ele é considerado por muitos como o manuscrito mais bonito que existe.

A antiga casa do parlamento (agora o Banco da Irlanda), o Teatro Abbey, igrejas famosas, elegantes casas de estilo Georgiano, e grandes parques e jardins ornam a cidade. O Parque Phoenix, com sua pista de corridas e famoso jardim zoológico, é um dos maiores e mais finos parques públicos fechados do mundo.

Dublin era uma cidade de grande elegância no século 18 e ao mesmo tempo foi considerada segunda somente a Londres. Após o Ato de União em 1800, quando o velho parlamento de Dublin deixou de existir, a cidade aos poucos entrou em decadência. Muitas das magníficas casas Georgianas se tornaram cortiços, e o brilho e o glamour da vida começaram a desaparecer.

Desde que Dublin tornou-se a sede do governo novamente em 1922, ela tem de fato ampliado em uma nova maneira. Agora ela se tornou um próspero complexo industrial, com tudo o que isso envolve em fábricas, supermercados e prédios de escritórios. No entanto, uma sombra da velha elegância ainda assombra as ruas e praças, tais como a Harcourt Street, a Praça Merrion e o Verde de Santo Estêvão.

Cork

No sul está Cork, a segunda cidade da República da Irlanda. Ela tem menos de 25% da população de Dublin, mas, também teve um grande papel nas lutas da década de 1920. A parte mais antiga da cidade é cercada pelos dois canais do Rio Lee.

A beleza de Cork é aumentada pelas palmeiras, azaléias e bambus que florescem lá e pelas colinas que formam o pano de fundo para as velhas ruas. Perto de Cork está o lendário Castelo Blarney, onde o visitante deve dobrar para trás para chegar à fábula da Pedra Blarney e, portanto, adquirir o poder da eloqüência.

Killarney

A oeste de Cork está Killarney, conhecida por centenas de anos como uma das maiores áreas de beleza natural a serem encontradas em qualquer lugar. Killarney, onde "a longa luz treluz entre os lagos e as cataratas selvagens saltam em glória", é apenas uma das magníficas paradas no Anel de Kerry, um círculo de 110 milhas (175 km) que engloba lagos com ilhas misteriosas, montanhas com cataratas chocantes, florestas silenciosas, vales sonolentos, e passagens de montanhas bem como abadias e castelos históricos.

Limerick

Perto de Shannon, no sudoeste da Irlanda, está Limerick, uma vez conhecida por sua tecelagem de rendas. É também um outro centro de grande beleza natural.

Perto estão colinas áridas com estranhas flores do Ártico e do Mediterrâneo existindo lado a lado. E no litoral estão os espetaculares Penhascos do Moher, subindo 700 pés (210 metros) e se estendendo ao longo do Oceano Atlântico batendo.

Galway

No oeste da Irlanda está Galway, uma outra cidade antiga, com ruas sinuosas, casas antigas e amplo cais. Perto de Galway estão interessantes restos arqueológicos e muitas estranhas correntes subterrâneas sob a gramada planície calcária.

Outras cidades

No sudeste está Waterford, um antigo porto, famoso por seus artigos de vidro, e Wexford, onde o Festival de Ópera traz visitantes a cada outono para ouvir obras raras vezes executadas.

Economia

Houve muitas mudanças na Irlanda moderna, com a indústria e os serviços deslocando a agricultura como a mais importante fonte de renda. Embora alguns 40% da população seja rural, apenas 6 por cento da força de trabalho atua na agricultura.

A elevada precipitação e a temperatura moderada tornam a Irlanda uma das melhores gramas em crescimento dos países do mundo. Como resultado a maioria da terra é dedicada a pasto. Gado e leite representam cerca de 85 por cento de toda a produção agrícola.

Ovinos, suínos, e os famosos cavalos da Irlanda são também muito importantes. As principais culturas do campo são a cevada, aveia, batata, trigo e beterraba.

O governo tem feito muito para promover a agricultura progressiva, para desenvolver melhores linhagens de gado, e para aumentar o tamanho médio das fazendas com programas de reforma agrária. Há grandes fazendas dedicadas aos cavalos e à pecuária e produção leiteira.

Uma parte substancial da indústria da Irlanda tem sido relacionada à transformação dos produtos agrícolas em comida, bebida e artigos de couro. As novas indústrias baseadas no processamento de matérias-primas importadas incluem o refino de petróleo, a construção naval e a fabricação de vestuário, têxteis, produtos químicos e máquinas.

O país também tem uma indústria de software bem desenvolvida.

As exportações Irlandesas tradicionais são bem conhecidas. O cristal de Waterford tem sido admirado por muitos anos. O whiskey, a cerveja, a farinha de aveia, e os presuntos Irlandeses são vendidos em muitos países, assim como as roupas e outros produtos.

Para grande parte do século 20, a maior preocupação da Irlanda foi o desenvolvimento industrial, com o objetivo de recuperar o atraso com os mais avançados países Europeus, elevando o padrão de vida, empregando os jovens, e contendo o fluxo da emigração.

Um novo capítulo na história da Irlanda abriu em 1973, quando a Irlanda, juntamente com a Grã-Bretanha e a Dinamarca, juntou-se à Comunidade Economica Europeia, conhecida então como o Mercado Comum.

Os membros desta organização em expansão - que foi renomeada a União Europeia em 1991 - habilitaram a Irlanda construir e melhorar as suas redes de comunicação e ampliar os laços econômicos com outros países. Ao mesmo tempo, os líderes Irlandeses começaram a apoiar a educação, percebendo que o maior patrimônio da nação é a sua juventude.

Em certo sentido, a Irlanda é um país muito jovem, com mais da metade da sua população com idade inferior a 25 anos. O terceiro fator importante na evolução recente foi a crescente ênfase colocada na mais recente economia da alta-tecnologia.

A Irlanda entrou no século 21 como um país confiante e robusto, com produto interno bruto per capita maior do que o Reino Unido e a França. Ela também teve uma baixa taxa de desemprego e um fluxo constante de investidores estrangeiros.

Dublin tornou-se um dos principais centros financeiros da Europa. E o boom da construção na cidade não foi capaz de manter o ritmo com a demanda sempre crescente de espaço de escritórios.

Iniciando em 2006, o mercado imobiliário começou a abrandar, seguido pela indústria da construção. Em 2008, essas tendências aceleraram rapidamente, minando os bancos que tinham financiado estes setores. A economia Irlandesa já estava se contraindo acentuadamente quando a crise financeira global começou.

O governo tentou escorar o setor bancário, garantindo os depósitos e nacionalizando as grandes instituições.

Nesse meio tempo, no entanto, a Irlanda tinha entrado numa das piores recessões na Europa. A economia encolheu 7,1 por cento durante 2009, e o desemprego atingiu 12,5 por cento em Dezembro daquele ano.

Ao mesmo tempo, o déficit orçamentário foi aumentando à medida que o governo injetava mais dinheiro nos bancos. Uma sucessão de orçamentos introduziu cortes nos serviços sociais, bem como nos salários dos trabalhadores do governo.

Mas o déficit ainda cresceu, o que, por sua vez, elevou o custo dos empréstimos. Finalmente, em Novembro de 2010, o governo Irlandês relutantemente aceitou um pacote de empréstimos da União Europeia. Mas foi forçado a concordar com cortes ainda mais severos nos gastos públicos.

Economia - visão geral:

A Irlanda é uma pequena e moderna economia, dependente do comércio. Irlanda estava entre o grupo inicial de 12 nações da UE, que começou a circular o euro em 1 de Janeiro de 2002.

Crescimento médio do PIB de 6% em 1995-2007, mas a atividade econômica caiu acentuadamente desde o início da crise financeira mundial, com o PIB a cair mais de 3% em 2008, quase 7% em 2009, e menos de 1% em 2010.

A Irlanda entrou em uma recessão em 2008 pela primeira vez em mais de uma década, com o colapso posterior de sua propriedade doméstica e mercados de construção. Os preços dos imóveis subiram mais rapidamente na Irlanda na década até 2007 do que em qualquer outra economia desenvolvida.

Desde o seu pico de 2007, os preços médios de casas caíram 47%. Na esteira do colapso do setor da construção e da desaceleração das despesas de consumo e o investimento das empresas, o setor exportador, dominado por multinacionais estrangeiras, tornou-se um componente-chave da economia da Irlanda.

A agricultura, uma vez que o setor mais importante, agora é tolhida por indústria e serviços. Em 2008, o governo COWEN mudou-se para garantir todos os depósitos bancários, recapitalizar o sistema bancário, e estabelecer parcialmente fundos públicos de capital de risco em resposta à crise econômica do país.

Em 2009, os esforços contínuos para estabilizar o setor bancário, o Governo Irlandês criou a Agência Nacional de Gestão de Ativos (NAMA) para adquirir a propriedade problema comercial e empréstimos para o desenvolvimento de bancos Irlandeses.

Confrontado com receitas drasticamente reduzidas e um déficit orçamentário crescente, o Governo Irlandês apresentou o primeiro de uma série de orçamentos draconianos em 2009. Além de todo o bordo cortes nos gastos, o orçamento de 2009 incluíram reduções salariais para todos os funcionários públicos.

Estas medidas não foram suficientes. Em 2010, o déficit orçamental atingiu 32,4% do PIB - o maior déficit do mundo, como uma porcentagem do PIB - por causa do apoio adicional do governo para o setor bancário.

No final de 2010, o Governo COWEN ex concordou com um pacote de empréstimo de 112 bilhões de dólares da UE e do FMI para ajudar Dublin aumentar ainda mais a capitalização de seu setor bancário e evitar o calote em sua dívida soberana.

Desde que entrou no cargo em Março de 2011, o governo KENNY intensificou as medidas de austeridade para tentar cumprir as metas de déficit no âmbito do programa da Irlanda UE-FMI. Irlanda obteve um crescimento moderado de 1,4% em 2011 e reduziu o déficit orçamentário para 9,1% do PIB.

Embora a recuperação desacelerou em 2012 por causa da demanda mais fraca da UE para exportações Irlandesas, Dublin conseguiu cortar o déficit para cerca de 8,5% do PIB.

História

Primeiros habitantes

Caçadores e pescadores, cujo nome e raça não conhecemos, vieram para a Irlanda cerca de 6000 aC, mas eles deixaram poucos vestígios de sua existência.

Depois de 3000 aC, durante a Idade da Pedra, a agricultura foi introduzida, e as pessoas desta era deixaram para trás túmulos construídos com pedras tão grandes que a lenda diz que eles foram construídos por gigantes.

Os Celtas de língua Irlandesa podem ter aparecido na Irlanda pelos meados do século 4. Eles vieram do continente, conquistaram as tribos primitivas na ilha, e estabeleceram uma civilização complexa.

Haviam sete pequenos reinos tribais, onde cada rei governava rodeado por legisladores, soldados, poetas e músicos. O alto rei, o Ard Rí, cuja sede era em Tara, no reino do Condado de Meath, governava sobre todos os reis.

A cada três anos, ele presidia a Feis de Tara, uma grande assembléia para a música, direito, jogos e concursos literários. Esta sociedade altamente desenvolvida continuou ininterrupta durante 1.000 anos, porque a Irlanda, na orla da Europa, escapou à invasão Romana.

A Idade de Ouro

O Cristianismo chegou à Irlanda em 432, com a vinda de Saint Patrick. Patrick era um escravo na Irlanda que escapou, pode ter estudado para o sacerdócio no continente, e voltou para a Irlanda como um bispo.

As pessoas foram rapidamente convertidas ao Cristianismo, e a Irlanda tornou-se conhecida por suas grande escolas monásticas. Os estudantes vinham de toda a Europa para os mosteiros, como Clonard e Clonmacnoise.

Durante um momento em que a Europa civilizada estava caindo aos invasores do norte e do leste, a Irlanda se tornou o paraíso para o aprendizado eclesiástico. Este tempo tornou-se conhecido como a idade de ouro na Irlanda.

Após o declínio de Roma, os Irlandeses estavam entre os primeiros povos Europeus a produzir uma literatura em sua língua nativa, o Irlandês.

Estes dias terminaram quando os Vikings, marinheiros do norte da Europa, invadiram os mosteiros defendidos durante os séculos 9 e 10. Eles estabeleceram colônias na costa da Irlanda e em Dublin, Cork, Waterford, Limerick, e outros lugares, e permaneceram no controle por muitos anos.

Seu poder foi finalmente quebrado em 1014, na batalha de Clontarf, perto de Dublin. O Alto Rei Brian Boru derrotou os Dinamarqueses nesta batalha, mas foi morto no momento da vitória. Nenhum alto rei de força semelhante o sucedeu.

O país dividido não era páreo para os cavaleiros Normandos que vieram para a Irlanda em 1170. Os Normandos, então, foram submetidos ao Rei Inglês, Henry II.

Governo Inglês

Por 750 anos os chefes Gaelicos tentaram continuar a sua luta contra os Inglêses, mas gradualmente os governantes Inglêses apertaram seu aperto. Em 1366 os repressivos estatutos de Kilkenny foram passados para manter os Inglêses e Irlandêses distantes.

Tornou-se ilegal para os Inglêses casar com Irlandesas ou para qualquer um falar o Irlandês, usar vestido ou costumes Irlandeses, ou empregar músicos ou contadores de histórias Irlandesas.

Henrique VIII (1491-1547) foi o primeiro monarca Inglês a adicionar "Rei da Irlanda" ao seu título. Ele começou a política de tentar impor a Reforma Protestante sobre os Irlandeses. Sucessivos governantes Inglêses continuaram a privar os Irlandêses de suas terras.

A Rainha Mary "plantou" dois condados medianos com colonos Inglêses. A Rainha Elizabeth I tomou a terra no sudoeste da Irlanda e deu-a a Sir Walter Raleigh (1552? -1618), que trouxe a batata para a Irlanda.

Os Irlandeses resistiram fortemente, e houve muitos encontros sangrentos, mas seu destino foi determinado por centenas de anos pela sua derrota na batalha de Kinsale em 1601. Oliver Cromwell (1599-1658), o líder Puritano da Inglaterra, esmagou cruelmente todos os vestígios da resistência Irlandesa. Seu exército devastou grande parte do país e massacrou milhares de pessoas.

Muitos soldados foram exilados para a França e a Espanha, e muitos homens e mulheres para as Índias Ocidentais e a Virgínia. Cromwell preencheu o país com colonos Inglêses.

Em 11 anos a população Irlandesa foi reduzida para menos da metade do número que tinha sido quando Cromwell veio para a Irlanda.

Três quartos de toda a terra Irlandesa passaram para proprietários Protestantes, muitos deles vivendo no exterior. Mas a única plantação Inglêsa que acabou por ser bem sucedida foi a plantação do Ulster, estabelecida depois da batalha de Kinsale.

No final do século 17 a Irlanda foi a cena da luta entre William III (Guilherme de Orange), um Protestante, e James II, um Católico, pela Coroa Britânica. William foi o vencedor na batalha de Boyne em 1690.

Porque os Católicos Irlandeses se opuseram a William, o Parlamento Inglês aprovou as Leis Penais de 1695, que assumiram que todos os Católicos eram um inimigo da Inglaterra. Os Católicos Irlandeses foram proibidos de votar, de exercer cargos públicos, ou de reter posições militares, civis, jurídicas, ou de ensino.

As escolas Católicas foram abolidas. Mais terra foi confiscada, e nenhum Católico Irlandês foi autorizado a possuir um cavalo de qualquer valor. As Leis Penais, que reduziram os Irlandeses à terrível pobreza, foram finalmente revogadas em 1829, mas dificuldades ainda maiores estavam reservadas para a Irlanda.

A Fome

Os momentos mais terríveis nestes longos anos infelizes para a Irlanda começaram em 1845. A fome, que durou 4 anos, foi causada por um fungo que atacou as plantações de batata e assim eliminou o abastecimento de alimentos básicos.

Seria difícil exagerar o sofrimento dos Irlandeses durante estes anos. Mesmo antes da fome, muitas vezes as pessoas passavam fome entre o final da velha colheita da batata e o momento em que as novas plantas estavam prontas.

A maioria dos agricultores eram arrendatários que cultivavam lotes minúsculos pertencentes a proprietários ausentes.

A fome tornou difícil e até impossível para os agricultores pagarem o aluguel, então a quebra da safra causou às pessoas perderem não só sua fonte de alimento, mas também as suas casas. Os senhorios despejavam os inquilinos e muitas vezes queimavam suas casas para limpar a terra para pastagem, uma vez que eles achavam mais rentável usar a terra para o gado de pastagem criado para exportação.

Milhares de homens, mulheres e crianças, vestidos com trapos, percorriam as estradas lamacentas durante o clima frio e chuvoso, em busca de comida e abrigo. Muitas vezes, eles viviam em valas. Uma epidemia adicionou ao horror.

Pelo menos 1.000.000 de Irlandeses morreram de fome e doença. Outros 1.000.000 emigraram para a América do Norte. Estes emigrantes viajavam em pobres navios de carga, que se tornaram conhecidos como navios-caixão porque muitas pessoas morreram no caminho.

Governo Doméstico

O espírito de independência na Irlanda tinha sido despertado pelas revoluções Francesa e Americana. Uma rebelião em 1798 foi colocada abaixo, e em 1800, a Irlanda e a Grã-Bretanha estavam unidas pelo Ato da União.

No século 19, Daniel O'Connell e Charles Stewart Parnell se tornaram líderes do movimento Governo Doméstico. Através dos esforços de O'Connell, as Leis Penais foram revogadas e os Católicos foram admitidos ao Parlamento. Ambos os líderes, no entanto, não conseguiram ganhar o governo doméstico para a Irlanda.

Durante a Primeira Guerra Mundial, muitos Irlandeses se juntaram ao exército Britânico para lutar contra a Alemanha, mas outros se juntaram aos Voluntários Irlandeses. Este grupo foi o braço militar de um partido político, o Sinn Fein ("nós mesmos"), que foi formado em 1904.

Os Voluntários e o Exército Cidadão tentaram capturar Dublin na Segunda-feira de Páscoa de 1916. Eles chamavam a si próprios o Exército Republicano Irlandês (IRA) e levantaram a bandeira verde, branco e laranja sobre os Correios de Dublin. Após cerca de uma semana, eles tiveram que se render aos Britânicos. Muitos de seus líderes foram executados.

Até 1921, uma guerra de guerrilha amarga foi travada na Irlanda. O IRA combateu sem batalhas campais, mas eles foram muito bem sucedidos em ataques rápidos e assédio. Os atos da represália Britânicos foram duros.

O Rei George V interveio, e um acordo foi elaborado pelo qual 26 dos 32 condados da Irlanda se tornaram um estado de auto-governo livre na Commonwealth Britânica. Seis condados da província nortista do Ulster permaneceram uma parte do Reino Unido.

Mesmo que o tratado foi aceito pelo Dáil Éireann (Câmara dos Deputados), nenhuma paz imediata se seguiu. Eamon de Valera liderou as forças contrárias ao tratado, e uma guerra civil começou. Em 1923, a paz foi restaurada com a derrota dos que se opunham ao tratado.

Em 1926, de Valera fundou um novo partido, o Fianna Fáil (Guerreiros do Destino). Quando o Fianna Fáil e de Valera chegaram ao poder em 1932, eles aboliram o juramento de fidelidade à Coroa Britânica e outras cláusulas restritivas do tratado de paz. Em 1937, uma nova Constituição foi aprovada.

Ela declarou a Irlanda ser um Estado soberano, independente e democrático. No ano seguinte, a Grã-Bretanha desistiu de suas bases navais na Irlanda. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Irlanda permaneceu neutra.

Em 1948, o governo Irlandês anunciou que "a descrição do Estado deve ser a República da Irlanda", e, assim, a moderna Irlanda nasceu.

Irlanda Moderna

Uma nova geração política chegou ao poder no início dos anos 1960s. Ela enfrentou o futuro com auto-confiança e demandas por reformas. As mudanças dentro da Igreja Católica, uma imprensa livre, a televisão, e o crescimento das indústrias, a vida na cidade e o turismo ajudaram a criar uma atitude mais progressista, que continuou até o século 21.

Os novos líderes se voltaram contra o velho isolamento auto-imposto da Irlanda. Eles começaram a desempenhar um papel importante nas Nações Unidas, particularmente no âmbito do Comité Especial da ONU sobre Operações de Paz.

Em 1973, a Irlanda também juntou-se ao precursor da União Europeia (UE), então conhecida como a Comunidade Economica Europeia, ou Mercado Comum, e cada vez mais se aproveitou dos vastos mercados da "Eurolândia".

Este foi o início de um crescimento espetacular e do "milagre Irlandês" da década de 1990. O apoio do governo à educação e a ênfase na economia de alta tecnologia transformaram a Irlanda de um dos países mais pobres da Europa em um dos mais ricos. O país estava crescendo e os jovens já não estavam emigrando, confiantes em que o futuro lhes pertencia.

A controvérsia sobre a possível reunificação das partes norte e sul da ilha parecia ter sido resolvida em Maio de 1998, quando as negociações entre os governos Irlandês e Britânico e todas as facções políticas da Irlanda do Norte produziram o Acordo de Belfast (Acordo da Sexta-Feira Santa). Demorou quase dez anos antes de este acordo trazer a verdadeira paz à Irlanda do Norte.

Pela maioria da história moderna da Irlanda, o Fianna Fáil (Partido Republicano) tem estado no poder. De Dezembro de 1994, o país foi governado por uma coalizão de três partidos de centro-esquerda. Em Junho de 1997 e Maio 2002, o Fianna Fáil voltou a vencer as eleições.

Seu líder, Bertie Ahern, foi o primeiro-ministro de 1997 a Maio de 2008, quando renunciou por causa de alegações de corrupção. Ele foi substituído por Brian Cowen, a quem caiu a sorte de lidar com as crises financeira e economica que estouraram a bolha de otimismo do país.

Em Dezembro de 1990, a primeira mulher presidente da Irlanda, Mary Robinson, assumiu o cargo. Ela foi sucedida em 1997 por Mary McAleese, o primeiro presidente da Irlanda, da Irlanda do Norte. McAleese foi reeleita em 2004.

A Irlanda foi obrigada por lei a submeter o Tratado de Lisboa, um acordo de reestruturação da UE, para aprovação pelo seu eleitorado. Em um referendo de Junho de 2008, os eleitores Irlandeses rejeitaram o tratado, jogando o seu futuro em dúvida.

O início da crise financeira e economica global, bem como algumas revisões ao tratado negociadas pelo governo Irlandês, ajudaram os eleitores a mudar de opinião. Eles aprovaram o tratado em um segundo referendo, realizado em Outubro de 2009. Ele entrou em vigor em 1 de Dezembro de 2009.

A crise financeira e economica que começou em 2008 derrubou o governo de Cowen. Depois de aceitar o pacote de empréstimo da União Europeia em Novembro de 2010, ele convocou eleições antecipadas, que tiveram lugar no final de Fevereiro de 2011.

O partido Fianna Fáil sofreu uma derrota esmagadora, vindo em terceiro lugar, atrás do partido de centro-direita Gael Artes e do Partido Trabalhista. A líder do Fine Gael Enda Kenny tornou-se a nova primero-ministro da Irlanda. Nas eleições de Outubro de 2011, Michael D. Higgins, um veterano político do Partido Trabalhista e poeta, foi eleito para suceder McAleese como presidente.

Governo

O chefe de Estado é o presidente, eleito para um mandato de sete anos por todos os cidadãos maiores de 18 anos. Ele ou ela podem servir a dois mandatos.

O Oireachtas (parlamento) consiste em duas casas. O Dáil Éireann tem 166 membros eleitos por representação proporcional, que garante a representação de cada minoria substancial. O Seanad Éireann (Senado) tem 66 membros. A cabeça real do governo é o taoiseach (primeiro-ministro), que é nomeado pelo Dáil Éireann e nomeado pelo presidente.

Fotos

Irlanda
Construído em 1729, o Banco da Irlanda, em Dublin edifício era o lar original do Parlamento irlandês. 
Após a Lei 1801 de União, que aboliu o Parlamento irlandês e colocou a Irlanda sob o comando direto de Londres, o edifício foi vendido para o Bank of Ireland em 1803

Irlanda
Cristo Igreja foi construída no local de uma igreja Viking que remonta a 1038 AD. 
A construção da igreja atual foi iniciada em 1172 por Strongbow, um barão normando e conquistador de Dublin para a coroa Inglês. 
É atualmente a sede da Igreja protestante da Irlanda

Irlanda
Castelo de Dublin foi a sede do governo britânico na Irlanda por sete séculos, até 1922, é agora utilizado principalmente para Irlanda e UE fins governamentais. A Torre anotar datas de 1208 dC

Irlanda
O Correio Geral, em Dublin, construído entre 1814 e 1818 pelos britânicos como um centro de comunicações, foi o cenário da Revolta de Páscoa irlandês contra a ocupação britânica de 24-30 abril 1916

Irlanda
O Rio Liffey em Dublin divide a cidade em "Northside" e "Southside". 
Ela flui 125 km (78 milhas) a partir das montanhas de Wicklow no mar da Irlanda

Irlanda
O quadrilátero no Trinity College, em Dublin. O colégio foi fundado em 1592 pela rainha Elizabeth I

Irlanda
Castelo Blarney, perto de Cork, foi construído no século 15 e abriga a Pedra da Eloquência famoso (a Pedra Blarney). 
Ele tem uma enorme torre quadrada com um parapeito maciço, e uma torre de vigia. O castelo era o reduto dos McCarthys

Thomas Fitzgerald

Irlanda

Para uma ilha relativamente pequena, a Irlanda oferece uma variedade extraordinariamente grande de campo e litoral.

Um ambiente ecologicamente limpo também tem ar puro, água limpa e trechos rurais intocados.

Pura diversão é algo absolutamente imprescindível para umas férias na Irlanda.

Informações gerais

Capital: Dublin 
População: 3.9 milhões 
Idioma: Inglês 
Moeda: Euro (EUR)

Irlanda
Irlanda

Características do país:

Cultura e História

Irlanda tem uma história rica cuja evidência está espalhada por todos os lugares, inclusive nas ruínas de antigos monumentos e castelos, alguns dos quais são mais antigos que as pirâmides. O passado do país permanece fazendo parte da consciência do dia a dia e da criatividade do povo.

Capital, Litoral e Campo

O charme georgiano de Dublin pode ser desfrutado em caminhadas por uma cidade pequena o suficiente para ser apreciada sem se cansar. Ao norte da cidade há alguns dos locais históricos mais importantes do país, ao oeste estão as planícies de Kildare e ao sul as montanhas Wicklow.

Vales Fluviais ao Sul

A extremidade sudeste da Irlanda é uma terra de praias arenosas e campos a perder de vista. O condado de Wexford tem resorts à beira-mar com praias extensas ao passo que Kilkenny é uma cidade medieval com lindos edifícios a serem explorados. Em Waterford, há uma famosa fábrica de cristais que merece uma visita. O sudeste é uma apresentação ideal das belezas mais suaves da Irlanda.

Litoral Sul e o Reino

As montanhas e penínsulas da costa sul e sudoeste oferecem uma paisagem de tirar o fôlego. Passeios por Killarney e seus lagos, o Anel de Kerry e a Península de Dingle ilustram sua grandiosidade. Cork, a segunda cidade da Irlanda, é a terra da cerveja Murphy's e hospeda o mundialmente famoso Festival de Jazz.

Oeste e o Atlântico

Limerick e Galway são as principais cidades da Costa Oeste da Irlanda. Esta última ganhou fama por seu Encontro Anual de Corrida e pelo Festival de Ostras, e a primeira ficou famosa como guardiã do poderoso Rio Shannon.

Fora dos limites da cidade de Galway está Connemara, singularmente típica do litoral oriental com suas terras pedregosas, montanhas, rios e pântanos. Burren, em Co. Clare, é rica em sua flora e monumentos pré-históricos.

Donegal, na costa noroeste, é um dos lugares menos poluídos da Europa e tem excelentes campos de golfe para quem pratica esse esporte. Mais ao sul está Sligo, cidade natal de Yeats, onde os nomes de lugares e cidades e lindas localidades nos lembram das peças e poemas do poeta.

A Grande Bacia de Shannon

Começando como uma piscina nas colinas de Co. Cavan, o Shannon flui por três grandes lagos antes de se encontrar com o Atlântico a umas 230 milhas ao sul. A bacia do Shannon não tem nenhuma indústria pesada e pelo rio não passa transporte comercial. Empresas que contratam cruzeiros fornecem barcos e instalações ao lado do rio para o número cada vez maior de visitantes.

Fonte: portugues.eurail.com

Irlanda

Dados Históricos

Esta é a partir do século IV aC que ondas sucessivas, as primeiras pessoas chegaram em celtophones da ilha da Irlanda. Celtas impuseram sua cultura e língua para as pessoas que os precederam. Isolado em sua ilha celtas escaparam da conquista romana, e invasões anglo-saxões.

A religião católica foi introduzida na Irlanda do século V, que deu a oportunidade de familiarizar-se com alfabeto latino irlandês, como haviam anteriormente usado o alfabeto grego. Os grandes mosteiros irlandeses tornaram-se centros de formação educacional e cultural também acredita que o maior deles poderia ter funcionado como cidades para dar origem a uma vasta literatura irlandesa.

Entre os séculos VII e IX, que era a idade de ouro da vida intelectual e religiosa irlandesa foi intensa, que ganhou a Irlanda a ser chamado de "ilha de Saint e estudiosos". Irlandês é uma língua falada desde o ano 350 aC. Esta linguagem foi transmitida pelos Bardos, Druidas e monges.

Foi a primeira língua europeia após Latina, que permaneceu por três séculos, o mais importante do Ocidente.

As invasões iniciais

Em seguida, a Irlanda tinha várias ocupações durante a sua história: primeiro Vikings norueguês que se estabeleceu definitivamente a partir de 840, e os dinamarqueses no século XI, os normandos, no século XII, com o Inglês no décimo sexto século. Com exceção do Inglês, os invasores deixaram poucos vestígios na língua irlandesa, como todos eles eventualmente não assimilar o irlandês. No entanto, isto não foi o caso para o Inglês.

Encorajado pelo Papa Adriano IV (1154-1159), o único papa da história Inglês, o rei Henrique II da Inglaterra (1133 - 1189) pisou na Irlanda, onde, no Sínodo de Cashel (1172) ele forçou a Irlanda a apresentar à autoridade da Igreja Católica Romana e, assim, pôr fim às práticas do cristianismo céltico.

O Tratado de Windsor em 1175 teve o efeito de reconhecer a suserania do rei da Inglaterra sobre a Irlanda. Este foi o início de um longo período de conflito entre a Irlanda ea Inglaterra. Naquela época, a monarquia foi Inglês ainda é anglo-normanda. Henry II era Duque da Normandia, Conde de Anjou e Maine, ele se casou com Eleanor da Aquitânia em Poitiers, uma ex-rainha da França. Henri II decidiu manter o domínio da Coroa, Waterford, Wexford e Dublin, que se tornou a sede da colônia, eo castelo se o símbolo de dominação Inglês.

Toda a ilha foi dividida entre anglo-normando senhores, que trouxe uma administração centralizada, sistema judicial e uma economia baseada em dinheiro.

Linguisticamente, a chegada dos anglo-normandos também introduziu outros idiomas na ilha: Primeiro, Norman francês e galês e Inglês. Irlanda resistiu facilmente para Inglês, exceto na costa leste, incluindo Dublin e sua região, chamado de Pale ("cerca" significado), a região só ficou totalmente sob o controle do rei da Inglaterra . Por sua parte, os senhores anglo-normando foram gradualmente fundidas na sociedade irlandesa, adotando seus costumes e língua irlandesa.

Algumas famílias anglo-normandos celtisèrent mesmo seus nomes, como o de Bourg, que se tornou William Mac. Isto alarmou o tribunal Inglês que acusou os senhores da anglo-normanda de ser "degenerados Inglês."

O Tratado de Kilkenny de 1366, escrito em francês normando, tentou impedir a assimilação de Inglês: proibiu a falar Inglês irlandês se casar com uma irlandesa manter bardos e poetas irlandeses, para criar o filho em famílias irlandesas, vender cavalos e armaduras Irlanda e da Irlanda para vestir trajes. Por causa da Guerra dos Cem Anos (1337-1453) e da Guerra das Rosas (1455-1485), os reis Inglês aplicado faz muito pouco novas diretrizes, mesmo que permaneceu em vigor até 1613.

É por isso que as grandes famílias da Irlanda - a O'Donnell, O'Neill, O'Connor, O'Brien, O'Farrell, Mac Carthy, etc. - Conseguiu manter a sua influência, enquanto os bispos irlandeses continuaram a ser, apesar das proibições de inglês.

As políticas de assimilação com o Tudor

A chegada de Tudor em 1454 mudou completamente a situação na Irlanda. Os três principais monarcas eram reis Henrique VII (1485-1509), Henry VIII (1509-1547) e da Rainha Elizabeth I (1558-1603), que transformou radicalmente o reino da Inglaterra. Mas foi Henrique VIII suprimida impulsos cruelmente insubordinação por ser nomeado "Rei da Irlanda".

A conquista militar iniciada por Henrique VIII teve o efeito de destruir qualquer Celtic autoridade e promover a expropriação de toda a terra arável para dar para o Inglês. A riqueza foi então deixada nas mãos do Inglês e do desenvolvimento econômico e social.

A linguagem da escola tornou-se Inglês, língua irlandesa proibida. No entanto, na vida cotidiana, a língua irlandesa permaneceu a única língua usada na Irlanda.

Rainha Elizabeth I continuou o trabalho de aportuguesamento e fundou a Universidade Protestante do Trinity College, onde os católicos foram excluídos em Dublin em 1591. A fim de superar a última resistência, Elizabeth enviou 17.000 homens da Irlanda que se tornou um país totalmente ocupado.

No início do século XVII, os colonos ingleses e escoceses que colonizaram Ulster se tornou um bastião do anglicanismo e do idioma Inglês na Irlanda. Língua e cultura gaélica foram seriamente ameaçado, a ponto de o poeta John Davies (1569-1626) poderia escrever em 1612:

Pensamos e esperamos que a próxima geração da linguagem e do coração, e de outra forma se tornar Inglês portanto, não há diferença entre nós e nenhuma distinção, exceto o mar da Irlanda.

Embora o Tratado de 1366 Kilkenny foi abolida em 1613, a política de anglicização foi inflexível. Repressão de Oliver Cromwell em 1649 foi implacável, enquanto a "pacificação" só terminou em 1653. Católicos irlandeses foram deportados aos milhares em condados de Clare e Connacht.

Leis penais aprovadas entre 1695 e 1727 foram dirigidos contra os católicos que se encontravam excluídos do exército do governo e das profissões, não foram ainda autorizados a educar os seus filhos em irlandês. No entanto, o irlandês conseguiu resistir ao Inglês.

Então, a situação mudou rapidamente como a Inglaterra trouxe milhares de colonos ingleses na Irlanda, especialmente no norte (Ulster). A repressão britânica foi seguido por uma nova distribuição de terra para Inglês, o que criou uma situação complexa na competição rivalidades religiosas, colocando a religião católica, anglicana e presbiteriana.

A língua irlandesa ainda era falado por toda a ilha, mas muitos irlandeses não se atreveu a utilização em público. No entanto, a Igreja Católica da Irlanda considerado como um obstáculo para o progresso do protestantismo na Irlanda e incentivado seu ensino.

A autonomia legislativa

Após ser completamente dominado e explorado pela Inglaterra, Irlanda conquistou sua independência legislação em 1782-1783 como "nação protestante" livre com dois parlamentos, um em Dublin e um em Belfast.

Ato Declaratório de 1719, que as leis adotadas em Londres aplicada na Irlanda, foi revogada por Londres. Várias leis impediu os católicos Inglês para participar nos assuntos econômicos e políticos.

Católicos irlandeses dominado por um parlamento protestante se rebelaram contra a Inglaterra. Durante o século XVIII, as transferências de língua inglesa a se espalhar nas cidades de penetrar mais lentamente em áreas rurais e ao longo de um eixo geral leste-oeste.

Parece que 45% da população irlandesa falou durante o último trimestre do século XVIII, e esse percentual diminuiu para menos de 30% em meados do século XIX. O declínio da língua irlandesa estava correndo depois.

Ato de União

Em 1800, o Parlamento de Westminster aprovou a Lei de União com a Irlanda, que se formou, portanto, um Reino Unido, com a Grã-Bretanha. Agora, as leis tiveram de ser aprovada no Parlamento em Westminster. Deputados irlandeses na Câmara participou minoria, e sem poder, a adoção de leis que se aplicam a Irlanda. Em geral, os membros do Reino Unido aprovou, na noite em bloco, sem exame, especialmente quando eram leis repressivas, a fim de restringir, suspender ou retirar as liberdades individuais, incluindo todos os habitantes da Unidos estavam ainda a beneficiar. Inglês tornou-se a única língua do poder político, administração, justiça, negócios, etc.

O governo britânico proibiu os professores católicos de ensino em escolas irlandesas. Dada a impossibilidade de encontrar mestres, os britânicos foram forçados a reconsiderar, mas as escolas irlandesas e escolas católicas protestantes não foram Inglês com o mesmo tratamento em termos de subsídios.

O Conselho Nacional de Educação (Conselho de Educação Nacional) foi composta principalmente por protestantes, enquanto a maioria esmagadora da população era católica. É o Conselho que teve a mão superior nos livros didáticos, que foram quase sempre escritos por anglicanos ingleses protestantes ou presbiterianos.

Alunos irlandeses aprendi, por exemplo, que certas doutrinas do catolicismo caiu de paganismo. No ensino de história, qualquer referência ao passado da Irlanda foi eliminada. Esperava-se que os irlandeses se sentem um profundo respeito pela história da Inglaterra que dependiam para tudo.

Em um livro de geografia, os alunos podem ler:

Para o leste da Irlanda é a Grã-Bretanha, onde a vida da rainha, muitos dos que vivem na Irlanda nasceram na Inglaterra, falamos a mesma língua e somos chamados a uma mesma nação. [Citado por Pierre Joannon, História da Irlanda e da Irlanda, p. 221.]

Ele não era muito melhor nas universidades. Assim, Sir John Pentland Mahaffy (1839-1919), reitor (espécie de principal) do Trinity College Dublin, abertamente professou sua antipapist opiniões, espalhando sua aversão à língua irlandesa e história, e amontoou sarcasmo alguém s 'tentou reviver costumes gaélico de um mundo desaparecido.

Sob a influência do sistema de ensino, aportuguesamento progrediu lentamente. Todos empurrou o irlandês gaélico para trocar sua velha para o idioma Inglês associadas com a modernidade. Em 1841, na véspera da Grande Fome, 50% dos irlandeses oito milhões ainda falava irlandês.

Em seguida, um milhão a um milhão e meio irlandês morreram de fome e doença, enquanto um milhão e meio de outros foram forçados a abandonar a sua terra natal. O sangramento era considerável, e Irlanda nunca perdoou Inglaterra este desastre sem precedentes.

Uma década depois, o progresso tem sido anglicized pois mais de 80% dos irlandeses não falar mais do Inglês, e 12% se tornaram bilíngüe e 8% falaram até mesmo como irlandês. Em 1851, o Gaeltacht foi estabelecido que a maior parte da costa oeste da ilha da Irlanda, e as partes sul.

Deve ser dito que o Inglês tinha praticado genocídio bastante sucesso: fomes, massacres, deportação, a escravidão, etc. Sobreviventes de massacres e fome que não emigraram para assimilar, a fim de sobreviver.

Censos falam por si: 8,1 milhões em 1841, contra 3,4 milhões em 1891.

Aqui é um testemunho do historiador Donal McCartney em O Despertar da Democracia: Irlanda 1800-1870 publicado apenas em 1987:

A aquisição do idioma Inglês era geralmente visto como uma vitória para a sofisticação urbana de atraso rural, bunda moradores urbanos em campanha de terra, a terra rica de pântanos e montanhas rochosas, o economia comercial dos portos orientais de vilas de pescadores no Ocidente. [Citado por Pierre Joannon, História da Irlanda e da Irlanda, p. 223.]

Rejeição da prática irlandês e Inglês teimoso vai ilustrar assimilação Inglês dos irlandeses colonizado. Despojados de sua língua, o irlandês viria uma vez mais para a religião, o que daria um poder considerável para os representantes da Igreja Católica.

Em 1856, Friedrich Engels (1820-1895), filósofo alemão e amigo de Karl Marx visitou a Irlanda com sua esposa, Mary Burns, de origem irlandesa. O caráter colonial da situação irlandesa tinha chocado.

Em uma carta a Marx, datado de 23 de maio de 1856, ele escreveu:

Você pode assistir a Irlanda como a primeira colônia de Inglês como uma colônia, por causa de sua proximidade, ainda é governada pelo sistema antigo e estamos conscientes de que a chamada liberdade de cidadãos britânicos tem opressão base das colônias. Em qualquer país eu vi tantos policiais, e de aparência sinistra gendarme prussiano encontrou sua expressão mais perfeita neste policiais armados com fuzis, baionetas e algemas.

Alguns anos mais tarde, Marx escreveu a Engels: "Em nenhum outro país da Europa, dominação estrangeira tomou a forma de expropriação direta dos povos indígenas." Além disso, este resultado seria o ponto focal do pensamento de Karl Marx sobre a Irlanda subjugação imperialista da Irlanda prevê que o proletariado Inglês, e da emancipação do último não é possível antes da libertação da Irlanda.

É por isso que, ao longo do século XIX, o movimento de independência da Irlanda intensificada e endurecido.

Assim, Thomas Osborne Davis (1814-1845), um poeta irlandês e revolucionário, escreveu em 1840 uma nação mais uma vez:

Um povo sem a sua linguagem é apenas metade de uma nação. Uma nação deve manter a sua linguagem mais do que seus territórios. É uma barreira fortes de fronteira mais seguras e mais importante e rios. Perder sua língua nativa e aprender do exterior, esta é a pior marca de conquista: é a alma que é carregado com correntes. [Citado por Pierre Joannon, História da Irlanda e da Irlanda, p. 249.]

Thomas Davis não parecem exigir a substituição completa do irlandês para Inglês, ele queria que o bilinguismo em que o Inglês teria permanecido o veículo de comércio, enquanto o irlandês manter seu papel como um veículo para a nação irlandesa. Mas isso não é o que aconteceu.

O Inglês levou tudo: enquanto falantes de irlandês foram esmagadoramente semelhante, um movimento para a preservação do irlandês se tornou a organização mais influente é a Liga gaélico (Gaelic), criado em 1893 . Os defensores da liga prônèrent retorno da vida social irlandesa, em vez de apenas tentar preservar. A importância do movimento de restauração foi linguística considerável na medida em que ele foi, então, juntou-se na luta pela independência política.

Mas a guerra anglo-irlandesa continuou 1917-1922.

O governo provisório estabelecido na Irlanda instituiu um Ministério da língua nacional e elaborou uma estratégia para reverter o processo de assimilação para o Inglês: é necessário para restaurar irlandês como língua nacional.

A partição da ilha da Irlanda

Home Rule foi promulgada em 18 de setembro de 1914, mas a sua execução foi suspensa até o fim das hostilidades, ou em 1920.

Constituía, portanto, dois parlamentos Londres "religiosos" na Irlanda: um em anglo-protestante maioria na província de Ulster (capital Belfast), o outro predominantemente anglo-católico, o resto do Irlanda (capital: Dublin). Tanto a Irlanda, do Norte e do Sul, teve que jurar fidelidade à coroa da Inglaterra, como eles ainda eram parte do Reino Unido. Em outras palavras, o Tratado Anglo-Irlandês foi concedido o estatuto de "estados livres" em 26 dos 32 condados da Irlanda ou qualquer católico do sul.

Os outros seis municípios, localizados na Irlanda do Norte, cujos cidadãos eram protestantes, permaneceram dentro do Reino Unido.

Home Rule foi uma lei de partição, ou o nome que lhe deram às vezes: Lei de Partição. Mas a pontuação foi realizada temporariamente. Ele também pediu que o governo britânico estabeleceu um sistema de proteção contra as minorias religiosas. Para este efeito, o artigo 5 º da Lei de Governo da Irlanda de 23 de dezembro de 1920 proíbe legislaturas favor irlandesa uma religião em detrimento da outra. De fato, a minoria protestante foi protegido na Irlanda (do Sul), mas não o ulstérienne minoria católica.

Assim, para o norte, alguns 430.000 católicos, que representam um terço da população, ficaram sujeitos aos caprichos dos protestantes, enquanto que no sul, sobre 325.000 protestantes, o que representa 10% da população tinha poder de veto.

Apesar do viés do Governo da Irlanda Act em seu favor, os protestantes unionistas parecia mal satisfeito porque eles não querem um partitionist regime que não tinha pedido, eles queriam fazer parte da Inglaterra. C e foi o movimento "de volta para Westminster."

Os sindicalistas também acreditava que os protestantes do Sul foram entregues para o corpo e alma nacionalistas irlandeses. Na verdade, a divisão da Irlanda foi o cúmulo da ironia, porque ninguém queria ou nacionalistas irlandeses que queriam a independência completa da ilha, nem sindicalistas protestantes que queriam manter o união entre as duas ilhas das Ilhas Britânicas, ou até mesmo os líderes britânicos viu a partição como um expediente temporário.

No entanto, o governo britânico havia planejado um regime de subordinação em relação à Irlanda. Seção 75 da Lei de Governo da Irlanda afirmou estabelecendo formalmente parlamentos Irlanda abolida nem diminuída ou autoridade do Parlamento do Reino Unido, o que pode restringir, ampliar ou excluir a área de autonomia de ambos Irlanda.

Artigo 75

Poupar para a suprema autoridade do Parlamento do Reino Unido.

Não obstante a criação dos Parlamentos do Sul e Irlanda do Norte, ou o Parlamento da Irlanda, ou qualquer coisa contida nesta Lei, a autoridade suprema do Parlamento do Reino Unido permanece inalterado e não diminuído sobre as pessoas, matérias, e as coisas na Irlanda e cada quinhão.

Artigo 75

Para salvar a suprema autoridade do Parlamento do Reino Unido

Não obstante a criação do Parlamento do Sul da Irlanda e da Irlanda do Norte, ou do Parlamento da Irlanda, ou de qualquer disposição contida nesta Lei, a autoridade suprema do Parlamento do Reino Unido para os cidadãos ser afetado ou diminuído sobre questões e temas na Irlanda e em cada uma de suas partes.

Se o sistema parlamentar britânico foi positivo para a Inglaterra, ele não tem sido o caso para a Irlanda, também dividido em termos de religião, sociedade, política e economia. Duas comunidades entraram em choque, enquanto ignorando totalmente cada motivada pelo medo do Outro, o sinal externo desse confronto continua a ser a religião, um católico, o protestante outra.

Sindicalistas protestantes que controlavam o Legislativo Irlanda do Norte permaneceu firmes defensores da integridade do Reino Unido. Como o Sul da Irlanda, eles permaneceram católicos nacionalistas partidários de uma Irlanda unida. Obviamente, os seis municípios que foram destacadas do resto dos protestantes unionistas da Irlanda permitiu a esculpir uma maioria confortável na Irlanda do Norte.

Consequentemente, a Irlanda do Norte, foi transformado em estado protestante festa. Além disso, a delimitação dos círculos eleitorais foi feito para que o Partido Unionista viu-se concedida a maioria dos assentos nos conselhos locais para cima.

Independência

Em 1937, a Irlanda Católica do Sul declarou sua independência unilateralmente e tomou o nome oficial de República da Irlanda, ambas as línguas, em seguida, tornou-se irlandês e Inglês. A Lei do Ato da República da Irlanda (República da Irlanda) 1948 aboliu definitivamente qualquer vínculo constitucional com o Reino Unido. Mas Northern Ireland, principalmente protestante, continuou a ser parte do Reino Unido. No momento da declaração de independência, apenas 2% dos irlandeses ainda falou bilíngüe irlandês enquanto 98% dos outros já não falava Inglês.

Durante os anos sessenta, os irlandeses começaram campanhas "désanglicisation" tomando como modelo Cymdeithas ano laith Gymraeg ("Sociedade para a língua galesa"). Um dos slogans mais comuns foi "baixo Béarla presente '" ("Abaixo o Inglês"), enquanto muitos sinais em Inglês estavam sujas de verde (a cor da Irlanda). A campanha teve grande sucesso, tanto que o governo criou uma emissora de rádio oficial só irlandês Raidio Gaeltachta (1972).

Desde então, o governo tem desenvolvido várias medidas para promover a língua irlandesa, mas os resultados ainda são aguardados. Hoje, a Irlanda é um dos idiomas minoritários da Europa, possivelmente extinção. Como explicar tal situação?

O estado irlandês

Depois de mais de meio século de independência, quase toda a população da República da Irlanda ainda falam Inglês como sua primeira língua, a assimilação não foi interrompido. Menos de 2% da população irlandesa falar irlandês (ao ser bilingue) como língua materna, o que corresponde à proporção de celtophones antes da independência.

Além disso, celtophones ainda residem em seis condados Gaeltacht (o celtophonie), ao longo do lado oeste da costa: os condados de Donegal, Galway, Kerry, Cork e parte dos municípios de Waterford e Wexford . Em suma, em um caso como no outro, nada parece ter mudado na Irlanda antes e depois da independência! Mas algo mudou.

Quase um terço de toda a reivindicação da Irlanda para falar irlandês como segunda língua e dizem apoiar todas as formas que contribuem para a promoção da língua nacional. Em outras palavras, a língua irlandesa evoluiu de infantário para menos de 2% da população na segunda língua por mais de 40% da população.

Esta é a Constituição de 1948 da República da Irlanda, que definiu o status da língua irlandesa e voltou a oficialidade personagem. Essa restrição constitucional devido a uma vontade política para impedir o desaparecimento dos irlandeses, que desapareceu em 1948, parecia inevitável sem a disposição do artigo 8, que afirmou que "a língua irlandesa como língua nacional, é primeira língua oficial "e que" o idioma Inglês é reconhecida como segunda língua oficial. "

Na realidade, era simplesmente impossível declarar a única língua irlandesa oficial da República, uma vez que uma quantidade pequena da população (1,1%) ainda estava falando a língua celta. O novo Estado fez questão de anunciar a natureza simbólica da precedência dos irlandeses (1,2%) para Inglês pensamento (95%) e inverter o curso da história irlandesa ressuscitar, uma língua extinção, associando-o com o poder de um Estado.

É que a Irlanda foi capaz de fazer com os irlandeses que o Estado de Israel tem feito com o hebraico? De qualquer forma, a República da Irlanda é o único Estado da União Europeia que tem como primeira línguas minoritárias oficiais de linguagem.

No entanto, o Parlamento irlandês (Oireachtas) aprovou 14 julho de 2003, o projeto de lei sobre a igualdade das línguas oficiais. A lei é chamado de Línguas Oficiais Act de 2003 , especificamente Idiomas Oficiais Lei 2003 (Inglês) ou Acht nd dTeangacha Oifigiúla (irlandês).

Esta lei tem a intenção de estabelecer uma base jurídica para as duas línguas oficiais, irlandeses e Inglês. Neste sentido, garante aos cidadãos o direito de ser servido em ambas as línguas, determina um limite para o uso da língua irlandesa e criar uma comissão para supervisionar a implementação da lei.

Esta lei foi considerado necessário porque os outros métodos utilizados até agora falharam; ações nos 90 anos não tiveram sucesso. É por isso que, pelo menos, para fornecer uma base legal para a prestação de serviços em irlandês, o governo não acredita fornecer um serviço satisfatório.

A lei estipula que o Estado é o grande responsável pela proteção da língua irlandesa.

Lei da língua teve que atender a três requisitos principais se você quiser que a política linguagem é bem sucedido:

1) a publicação de panfletos e formulários do governo em irlandês ou bilingue
2) os serviços de especialistas em línguas para servir a comunidade de língua irlandesa;
3) serviços adaptados às necessidades específicas, tais como estruturas e instituições em áreas como a educação, mídia e planejamento de linguagem.

O objetivo seria especialmente apoiar de maneira concreta o desenvolvimento da linguagem e não apenas simbólica. No entanto, a lei não exige que ninguém a falar irlandês, porque é de incentivos. Além disso, prevê a criação do cargo de Comissário de Línguas Oficiais (mediador) para lidar com as reclamações do público sobre os serviços em irlandês. Além disso, um sistema apropriado de penas é esperado.

A política de língua irlandesa

A política da língua da República da Irlanda visa reintroduzir formal e legalmente a língua nacional irlandês em áreas onde havia sido deposto por mais de três séculos. No entanto, o governo irlandês teve que levar em conta o fato de que o irlandês é a língua de uma pequena parte da população e quase todos os cidadãos só falam Inglês.

Além disso, a política da língua não pode ignorar que o irlandês é a primeira língua oficial do estado, que é o caráter simbólico e identidade da língua irlandesa.

Estatuto das línguas

Caráter simbólico dos irlandeses já estava consagrado no artigo 8 º da Constituição de 1948, como uma "língua nacional" e "primeira língua oficial" Inglês é reconhecida como uma "segunda língua".

Artigo 8 º

1) O irlandês como língua nacional é a primeira língua oficial.

2) Inglês é reconhecida como segunda língua oficial.

3) No entanto, a utilização exclusiva de um dos idiomas acima mencionados podem ser fornecidos em uma ou mais motivos de serviço, tanto no estado inteiro, em uma das suas partes.

Seção 2 das Línguas Oficiais Lei de 2003, nos mesmos termos:

Artigo 2 º

[...]

"As línguas oficiais" significa que o irlandês (a língua nacional e primeira língua oficial) e Inglês (segunda língua), conforme previsto no artigo 8 º da Constituição;

A língua da legislatura

O artigo 254 da Lei de Constituição de 1948 previa a utilização de dois idiomas oficiais do Parlamento.

As leis devem ser redigidos e promulgados em irlandês e Inglês, de acordo com o artigo 25 da Constituição:

Artigo 25

[...]

4.3) Cada projeto será assinado pelo presidente, no texto em que foi adotado ou será considerado como tendo sido aprovada por ambas as Câmaras do Parlamento, se uma lei for aprovada como está ou considerada como tendo sido adotado nas duas línguas oficiais, o presidente assina o texto do projeto em cada língua.

4.4) Quando o presidente assina o texto de um projeto de lei em uma língua oficial, uma tradução oficial deve ser publicado na língua oficial.

4.5) Logo que possível após a assinatura e promulgação de um projeto de lei, o texto do último, assinado pelo presidente ou se o presidente assinou o texto em ambas as línguas oficiais, os dois textos devem ser registrados na Secretaria do Tribunal Supremo e do texto ou texto e gravou constituem uma prova da autenticidade das disposições da referida lei.

Em caso de qualquer conflito entre as versões irlandesas e Inglês, o texto irlandês deve prevalecer:

Artigo 25

4.6) Em caso de conflito entre o texto de uma lei registrado sob esta seção em ambas as línguas oficiais, o texto da língua nacional deve prevalecer.

Na Lei sobre línguas oficiais , é o artigo 6 e 7 de prever a utilização de ambas as línguas no Parlamento:

Artigo 6 º

Utilização das línguas oficiais nas Câmaras do Parlamento

1) Qualquer membro de qualquer das Câmaras dos Oireachtas tem o direito de usar o idioma oficial em qualquer discussão de quaisquer outros processos na Casa ou uma comissão desta Casa, uma comissão conjunta de ambas as Casas, ou um sub-comité de tal comitê ou comissão conjunta.

2) Uma pessoa que aparece antes ou Casa dos Oireachtas ou por uma comissão ou por uma comissão conjunta ou subcomissão, como mencionado acima, tem o direito de usar o idioma oficial.

3) Um relatório oficial sobre as deliberações e Casas de outros procedimentos do Oireachtas deve ser publicado em todas as línguas oficiais, além do fato de que as contribuições de indivíduos (oral ou escrita) em um ou outra língua não pode ser publicado na língua utilizada pelo autor.

Artigo 7 º

Atos dos Oireachtas

Assim que possível após a aprovação de qualquer promulgação das Oireachtas, que o texto deve ser impresso e publicado simultaneamente em cada idioma oficial.

As duas línguas oficiais, irlandeses e Inglês são aceites nos debates parlamentares, mas dado que o irlandês é uma minoria MPS segundo uma linguagem simples, o Inglês é claramente predominante em ambas as Casas dos Oireachtas.

Seção 18 da Lei dos Idiomas Oficiais fornece requisitos linguísticos para a eleição dos membros do Senado a partir da lista de candidatos:

A rtigo 18

Senado

7.1) Antes de cada eleição geral de membros do Senado são eleitos a partir de listas de candidatos, cinco grupos de candidatos devem ser fornecidos de acordo com as disposições previstas na lei contendo respectivamente os nomes de pessoas que tenham conhecimento e experiência prática de interesses e os seguintes serviços, a saber:

i) a língua ea cultura nacional, literatura, artes, educação e interesses profissionais, podem ser definidas em lei, de acordo com a lei para fins de lista de candidatos;

Finalmente, não há tradução simultânea em ambas as Casas do Parlamento. Isso significa que os deputados e senadores devem, pelo menos teoricamente, saber as duas línguas. Na verdade, a Irish são tão pouco usada que o problema raramente ocorre. Todos falam Inglês, e apenas uma minoria inclui irlandês. Basta esperar educadamente como o celtophone Parlamentar - certamente um nacionalista - terminou seu discurso para seguir em frente! No entanto, as duas versões da lei deve ser publicado simultaneamente.

Os tribunais

Em todos os tribunais do país, os idiomas irlandês e Inglês são permitidos.

Artigo 8 º da Lei Línguas Oficiais inclui medidas para usar um ou outro dos dois idiomas oficiais (opcional):

Artigo 8 º

Administração da justiça

1) Qualquer pessoa pode usar o idioma oficial de qualquer contestação ou qualquer documento emitido por um tribunal.

2) O tribunal de um processo, antes disso, deve assegurar que qualquer pessoa que aparece ou é ouvido provas na língua oficial da sua escolha e, portanto, ele não vai estar em desvantagem por não ser ouvido em o outro idioma oficial.

3) A fim de garantir que ninguém está em desvantagem, como mencionado acima, o tribunal pode pedir para tomar as medidas que considerar adequadas, para ser a interpretação simultânea ou consecutiva de processos língua oficial judicial para outro.

[...]

A justiça deve ser prestado em Inglês (para ser entendido) e irlandeses (a primeira língua do Estado). Na realidade, é extremamente raro para um julgamento ocorre inteiramente em irlandês. Se uma testemunha ou réu pede ao tribunal o direito de usar irlandês, é obrigatório para cumprir com o seu pedido, mesmo que esta aplicação pode causar atrasos às vezes considerável em lidar com o caso, é particularmente o caso quando um juiz ou um advogado de uma das partes não falam fluentemente irlandês. O tribunal não oferece intérpretes oficiais nunca.

Na verdade, o julgamento só ocorra na Irlanda geralmente envolvem um nacionalista militante que deseja usar algumas palavras em irlandês para mostrar a identidade de sua personagem. Então, todo mundo vai para o Inglês.

No entanto, há uma lei favorecendo advogados que pretendam prosseguir a sua carreira usando os irlandeses os praticantes Act (irlandês) 2008.

Administração do governo

O Local Government Act de 2001 e as Línguas Oficiais Lei de 2003 que regula a utilização das línguas na administração. O direito do público de utilizar irlandês ao abordar autoridades públicas é constitucionalmente protegido. Capítulo III (artigos 9 º a 19) da Lei de Idiomas Oficial é dedicado ao bilinguismo na administração pública.

Artigo 9 º afirma que:

Artigo 9 º

[...]

2) Quando uma pessoa se comunica por escrito ou por correio eletrônico em uma linguagem oficial com um órgão público, ele deve responder na mesma língua.

3) Quando um organismo público se comunica por escrito ou por e-mail com o público em geral ou de uma classe de público para fornecer informações, a organização deve assegurar que a comunicação está na Irlanda ou em Inglês e irlandesa.

Seção 10 da Lei especifica os documentos apresentados ao bilinguismo escreveu:

Artigo 10

Obrigação dos órgãos públicos de publicar certos documentos em ambas as línguas oficiais simultaneamente

Não obstante qualquer decreto, os seguintes documentos emitidos por um organismo público ou sob a sua autoridade (que não seja um organismo, organização ou grupo nos termos da regulamentação prescrito para os fins do parágrafo (b) do parágrafo 1 (5) do primeiro anexo) devem ser publicados pela organização em cada uma das línguas oficiais simultaneamente.

(A) qualquer documento com propostas de políticas públicas

(B) qualquer relatório anual

(C) qualquer declaração financeira ou conta auditada

(D) qualquer estratégia de comunicação a ser elaborado nos termos do artigo 5 º da Lei de Gestão Pública, em 1997, e

(E) qualquer documento de uma classe ou descrição prescrito por um tempo determinado, com a anuência do Ministro das Finanças e todos os outros (se houver) Ministro do Governo como o Ministro das Finanças considera adequado, tendo em conta funções do Ministro outro, sendo um documento de uma classe ou descrição, na opinião do ministro, é de interesse público.

Entendemos por isso que qualquer administração pública deve ser policiais bilíngües para também passar um proficiência na Irlanda, pelo menos, esse era o caso até 1999. Em anos recentes, o controlo da Irlanda, no entanto, é necessária apenas para um pequeno número de posições no serviço público. A obrigação de conhecer os irlandeses para as organizações que estão diretamente envolvidos na política da língua nas escolas Gaeltacht irlandeses e os meios de comunicação.

Agora, o governo exige que todos os serviços administrativos a presença de pelo menos um celtophone oficial (língua irlandesa).

Comunicações orais geralmente são em Inglês e raramente em documentos irlandeses, e escrita são geralmente bilíngüe (irlandês e Inglês). Serviços governamentais bilíngües é mais simbólico do que o necessário para a maioria da população, porque, na verdade, o Inglês é usado quase exclusivamente em todas as áreas de governo e em todos os níveis de governo, e parece que há não igualdade real de acesso a serviços, o local de celtophones (falantes de língua irlandesa). Podemos mesmo dizer que a insistência de um cidadão de exigir dos órgãos do governo irlandês poderia mesmo levar a longos atrasos no processamento do seu arquivo.

Em exibição pública e do governo de papelaria, a Lei dos Idiomas Oficiais permite que o ministro responsável pela aplicação da lei para intervir com a regulação, onde o bilinguismo é necessário:

Artigo 9 º

Obrigação dos órgãos públicos para usar a língua oficial de papel oficial

1) O Ministro pode, por regulamentos determinam que o verbal (ao vivo ou gravado) feito por um organismo público, os cabeçalhos dos artigos de papelaria utilizado por um organismo público, o conteúdo eo layout de qualquer monitor ou anúncio de um tal organização são, como estipulado em irlandês ou Inglês e irlandês, e disposições diferentes podem ser promulgada em classes de organismos, anúncios verbais, artigos de papelaria, cartazes ou anúncios diferentes.

Para satisfazer os requisitos de direito constitucional, as inscrições em edifícios do governo são, em sua maioria bilíngüe. No que diz respeito aos edifícios municipais e sinais de trânsito, as normas nacionais são definidos pela lei, mas a aplicação dela é deixada para os municípios ("autoridades locais"). Todas as inscrições devem ser bilíngüe, no caso de edifícios municipais, nomes de ruas e nomes de lugares, o uso de palavras em inglês no lugar sobre as palavras irlandeses. Os sinais de trânsito são bilíngües, exceto em Gaeltacht onde os irlandeses são monolingue. Além disso, os regulamentos não são sempre rigorosamente aplicadas, como alguns municípios têm Inglês rosto resolutamente monolíngüe. Na publicidade comercial, o bilinguismo é cada vez mais comum, mesmo em grandes cidades como Galway.

O Comissário de Línguas Oficiais

Além disso, o Capítulo IV ( . arte 20-30 ), prevê a criação do cargo de Comissário de Línguas Oficiais: coimisiéir anos teanga. Mais especificamente, a lei cria um serviço do Comissário de Línguas Oficiais (Oifig Choimisinéir fez dTeangacha Oifigiúla) eo titular do serviço, conhecido como o Comissário Idiomas (Um Teanga Coimisinéir) é designado como o Comissário.

As funções do Comissário são os seguintes:

1) fiscalizar o cumprimento das disposições da lei em órgãos públicos;
2) tomar as medidas necessárias para assegurar o cumprimento por órgãos públicos;
3) investigar;
4) fornecer aconselhamento ou outra assistência para o público sobre os direitos linguísticos.

O Conselho da língua gaélica

Em 1978, o Parlamento aprovou a Lei sobre o Conselho da língua gaélica ou nd Bord Gaeilge lei. De acordo com o artigo 3 º da Lei, a principal função do Conselho de Administração (Bord na Gaeilge) é "promover a língua irlandesa, e em particular a sua utilização como uma língua viva e meios habituais de comunicação." Conselho tem as funções gerais do desenvolvimento, revisão, coordenação e assistência medidas e procedimentos para a Irlanda. Ele também pode aconselhar um ministro do governo em qualquer questão relativa à Irlanda e informar, auxiliar e cooperar com um Departamento de Estado, um órgão estatutário ou qualquer outro organismo em relação a esta questão.

A educação

Este é o Departamento de Educação e Ciência (Ministério da Educação e Ciência), que é o órgão responsável pelo controle e financiamento do sistema de ensino na Irlanda. Educação é regido pela Lei de Educação de 1998 (Lei de Educação n º. 51 de 1998). O Conselho Nacional de Currículo e Avaliação (Conselho Nacional de Currículo e Avaliação) foi desenvolvido em 1999 um programa para a escola primária (currículo da escola primária). Há dois programas, um em Inglês e um em irlandês (gaélico). O currículo em Inglês (Inglês Curriculum) é projetado para fornecer às crianças a aprendizagem de línguas, que integra a linguagem oral, leitura e escrita. Como o gaélico currículo (Gaeilge Curriculum), é apresentada em duas seções separadas. A primeira seção está prevista para o ensino médio English (Inglês-médio) com um programa concebido para ajudar os alunos a desenvolver a competência em comunicação em irlandês e desenvolver sua identidade cultural. A segunda seção é reservada para as escolas em escolas Gaeltacht e todo-irlandês (all-irlandês). Nessas escolas o currículo irlandês é destinado aos estudantes de desenvolver um maior domínio da língua nacional. São os pais que decidem que tipo de escola que enviar seus filhos. Eles podem até escolher uma escola particular, uma escola religiosa, uma escola multicultural ou uma escola não-confessional.

A escola pública, se irlandês ou Inglês, deve contribuir para a realização da política nacional e os objetivos da extensão do bilinguismo na sociedade irlandesa e, em particular, a realização de um mais grande uso da língua irlandesa na escola e na comunidade, como previsto no artigo 6 º da Lei da Educação de 1998:

Seção 6

Cada pessoa na implementação de objetos ato desta Lei deverá ter em conta os seguintes objetos na prossecução dos Oireachtas Qual promulgou esta Lei:

(A) para dar efeito prático aos direitos constitucionais das crianças, incluindo as crianças que têm uma deficiência ou outras necessidades educativas especiais que têm necessidades, como narra a educação, [...]

(H) para contribuir para a realização das políticas educativas nacionais e objetivos;

(I) para contribuir para a realização da política nacional e objetiva em relação à extensão do bi-linguismo na sociedade irlandesa e em especial a realização de uma maior utilização da língua irlandesa na escola e na comunidade;

(J) para contribuir para o serviço do irlandês como língua comunidade primária em áreas Gaeltacht;

(K) para promover as necessidades culturais e linguísticas dos alunos tendo em conta as escolhas de seus pais;

Artigo 6 º

Qualquer pessoa afetada pela execução dos objetivos da presente lei devem cumprir os seguintes objetivos em que o Oireachtas promulgou esta Lei:

(A) dar efeito prático aos direitos constitucionais das crianças, incluindo as crianças que têm uma deficiência ou com outros necessidades educativas especiais, como eles se relacionam com a educação, [...]

(H) Contribuir para a realização da política nacional e metas de educação:

(I) Contribuir para a concretização da política nacional e os objetivos da extensão do bilinguismo na sociedade irlandesa e, em particular, a realização de uma maior utilização da língua irlandesa na escola e na comunidade;

(J) contribuir para a manutenção do irlandês como língua comunidade primária nos distritos Gaeltacht;

(K) Promover linguísticas e culturais necessidades dos alunos, de acordo com a escolha de seus pais;

Todas as escolas primárias "Inglês" deve ensinar Inglês e Irlandês, no primeiro ano, e até ao final da escola primária. Alguns alunos podem obter uma isenção para aprender irlandeses são aqueles que passaram um tempo significativo no exterior ou que tenham dificuldades de aprendizagem. Inglês é a língua de ensino em todos os níveis, exceto no Gaeltacht. Note-se que o Inglês é a língua materna de praticamente todos os alunos e irlandês é ensinado como segunda língua. No entanto, o Ministério da Educação adotou medidas específicas (menos de Inglês) em celtophones Gaeltacht distritos (celtophones os seis condados), onde a língua irlandesa é a segunda língua, Inglês. Além disso, o governo irlandês sempre praticou políticas preferenciais nos municípios Gaeltacht porque é onde jogo o futuro da língua nacional. É por isso que na educação primária é apenas Gaeltacht em irlandês. Mas este tipo de educação também está disponível no resto do país.

Oficialmente, nenhuma língua estrangeira é ensinada no nível primário, mas um número crescente de escolas primárias oferecem programas que ensinam a língua estrangeira. Desde 1997, algumas línguas estrangeiras são ensinadas na 5 ª e 6 ª série: francês, alemão, espanhol ou italiano.

No ensino médio, o ensino do irlandês como uma segunda língua torna-se opcional, ele pode ser substituído pelo francês, alemão ou qualquer outra língua. No entanto, quase três quartos dos usuários atuais do irlandês participou de uma educação pós-primária e quase a metade deles frequentou a nível do ensino superior em Portugal.

Assim, todas as crianças continuam a aprender escola irlandês Irish primário e às vezes além. Embora muitas crianças passam até 13 anos de aprendizado irlandês, é claro que o currículo não costuma produzir usuários ativos muito competentes em irlandês.

Nas universidades, os cursos geralmente são ministrados em Inglês, mas alguns professores podem dar aos seus cursos na Irlanda, incluindo na Universidade de Galway.

No verão de 1999, o Ministro da Educação aboliu teste obrigatório de irlandeses professores do ensino secundário, este teste foi introduzido em 1921. Agora, os professores que não precisam usar irlandês em seu trabalho são isentos desta revisão, o que significa que os candidatos para o ensino secundário na Grã-Bretanha, Irlanda do Norte ou em outro lugar agora ocupam cargos na República da Irlanda. Esta medida, que não tem, necessariamente, aumentou o uso do gaélico desde 1921, tem sido bem acolhida pelos sindicatos como "bastante razoável".

Bibliografia

ABALAIN, Hervé História. Das línguas celtas, Lucon (França), Jean-Paul Grisserot Publishing, 1998, 128 p.
DAVIS, Richard. Movimento Jovem da Irlanda, Dublin, Gill e Macmillan, 1987, 300 p.
E UROMOSAÏC. Irlandês na Irlanda, Barcelona, Instituto Catalão sociolingüística, 1999
EURYDICE. "O Sistema de Educação na Irlanda" em Eurydice, a Rede de Informação sobre Educação na Europa, Eurybase 1997, 3 KB, 25 de março de 1998
Hagège, Claude. Sopro de linguagem, Paris, Editions Odile Jacob, et al. "Opus", 1994, 288 p.
Joannon, Pierre História. Da Irlanda e da Irlanda, Paris, Editions Perrin, 2006, 688 p.
Leclerc, Jacques idioma. Ea sociedade, Laval, Mondia Editor, et al. "Synthesis", 1992, 708 p.
MACKEY, William F. "O irredentismo lingüístico: um estudo de base" em Multilinguismo: as normas, as circunstâncias, as estratégias, Paris, L'Harmattan, 1979, p. 257-283.
MURRAY, Vera. "Irish Spring" na notícia, Rio de Janeiro, vol. 23, N ° 9, 1 de Junho de 1998, p. 82-88.
Yacoub, Joseph. "Irlanda" em Minorias do mundo, Paris, 1998, Desclée de Brouwer, p. 332-337.

Fonte: www.tlfq.ulaval.ca

Irlanda

Nome Oficial: Irlanda (Irish: Éire)

População: 4,5 milhões (ONU, 2011)

Capital: Dublin

Área: 70.182 km ² (27.097 milhas quadradas)

Principais idiomas: inglês, irlandês

Principal religião: Cristianismo

Expectativa de vida: 78 anos (homens) e 83 anos (mulheres) (ONU)

Unidade monetária: 1 euro = 100 centavos

Principais exportações: máquinas e equipamentos, produtos químicos, produtos alimentares

RNB per capita: EUA $ 38580 (World Bank, 2011)

Domínio da Internet:. Isto

Código de discagem internacional: 353

Perfil

Irlanda
Dublin

Irlanda emergiram do conflito que marcou seu nascimento como um estado independente para se tornar uma das histórias de sucesso econômico da Europa na última década do século XX.

Tempo sob o domínio Inglês ou britânico, a Irlanda perdeu metade de sua população nas décadas após a Grande Fome da década de 1840 até a morte e emigração.

Após a Primeira Guerra Mundial, a independência do Reino Unido só foi conseguido à custa de uma guerra civil e partição. Irlanda do Norte continua a fazer parte da Grã-Bretanha.

Depois que o país aderiu à Comunidade Europeia, em 1973, foi transformada de uma sociedade predominantemente agrícola para uma economia moderna de alta tecnologia.

Durante séculos, o domínio britânico na Irlanda deu origem a distúrbios que finalmente acabaram em violência com a Revolta de Páscoa de 1916, quando a independência foi proclamada. A subida foi esmagado e muitos de seus líderes executados, mas a luta pela independência continuou através de uma guerra Anglo-Irish sangrento de 1919-1921.

Foi em 1922 que 26 condados da Irlanda ganhou a independência de Londres, depois de negociações que levaram a outros seis municípios, parte da província de Ulster, permanecendo no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte. Partição foi seguido por um ano de guerra civil.

As relações entre Dublin e Londres permaneceu tensa durante muitos anos depois. Irlanda do Norte viu décadas de conflitos violentos entre aqueles campanha de uma Irlanda unida e aqueles que desejam permanecer no Reino Unido.

Em um esforço sem precedentes e concertada para resolver a situação, os governos da Irlanda e do Reino Unido trabalharam em conjunto nas negociações que levaram ao acordo de Sexta-Feira Santa sobre o futuro da Irlanda do Norte em 1998.

Crescer para rebentar

A economia da Irlanda começou a crescer rapidamente na década de 1990, impulsionado pelo investimento estrangeiro. Isso atraiu uma onda de incomers a um país onde, tradicionalmente, a emigração em massa tinha sido a norma.

O boom que ganhou a Irlanda o apelido de "Tigre Celta" vacilou quando o país entrou em recessão, na esteira da crise financeira global de 2008.

O boom imobiliário tem sido alimentada por empréstimos maciça dos bancos, e quando este desabou - e os credores foram incapazes de pagar - o sistema bancário irlandês foi mergulhado em crise.

A economia irlandesa sofreu uma das recessões mais profundas da zona do euro, com a sua economia encolher 10% em 2009.

Em novembro de 2010, a Irlanda ea UE acordaram um pacote de resgate financeiro no valor de 85 bilhões de euros, encerrando semanas de especulações sobre um resgate.

Irlanda
A ponte balanço sobre o Rio Liffey em Dublin foi inaugurado em 2009

Uma cronologia dos principais eventos:

1914 - Surto da I Guerra Mundial adia implementação de nova legislação casa regra que teria restaurado o parlamento de Dublin após séculos de conflitos mais domínio britânico na Irlanda.

1916 - Nacionalistas fase Revolta de Páscoa, aproveitando a General Post Office em Dublin e proclamar uma república independente irlandesa. A subida é esmagada pelos britânicos que executam seus líderes, incluindo todos os sete signatários da declaração da república. Opinião pública irlandesa está indignado.

1919 - Liderados por Eamonn De Valera, o nacionalista movimento Sinn Fein ("Nós mesmos") define-se um conjunto de Dublin, o Dail Eireann, que novamente proclama a independência irlandesa. Uma campanha de guerrilha pelo Exército Republicano Irlandês, ou IRA, contra as forças britânicas começa com pesadas baixas de ambos os lados.

1920 - O parlamento britânico passa o Governo da Irlanda Lei que estabelece um parlamento para os seis condados da Irlanda do Norte, e outro para o resto da Irlanda.

O Estado Livre Irlandês

1921 - Tratado Anglo-Irlandês estabelece o Estado Livre, um domínio independente da coroa britânica com plena autonomia interna, direitos, particionado da Irlanda do Norte, que continua a fazer parte do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.

1922 - O parlamento de Dublin ratificar o tratado, apesar da oposição de De Valera e outros. Guerra civil eclode e centenas são mortos.

1923 - Estado Livre irlandês junta-se à Liga das Nações.

1927 - De Valera entra parlamento no chefe do partido Fianna nova falha.

1932 - De Valera torna-se chefe de governo após a administração anterior não consegue lidar com as dificuldades econômicas. De Valera introduz várias medidas para eliminar a influência britânica no Estado Livre Irlandês.

Da Irlanda para a República da Irlanda

1937 - Novas eleições. Os eleitores retornar De Valera e também aprovar uma nova constituição que abole o Estado Livre da Irlanda e proclama Eire (gaélico para a Irlanda) como um soberano, estado, independente e democrática.

1938 - Douglas Hyde se torna o primeiro presidente do Eire. De Valera é primeiro-ministro.

1939 - Surto de Segunda Guerra Mundial. Eire permanece neutra, mas muitos cidadãos irlandeses se juntar às forças aliadas.

1948 - De Valera perde a eleição em meio a dificuldades econômicas. John Costello torna-se primeiro-ministro à frente de uma ampla coalizão de partidos que não Fianna Fail. Parlamento passa a República da Irlanda conta.

1949 - Na Páscoa segunda-feira, o aniversário do levante de 1916, torna-se a Irlanda República da Irlanda e deixa a Comunidade Britânica.

1955 - Irlanda junta das Nações Unidas. Ele se recusa a aderir à NATO porque a Irlanda do Norte faz parte do Reino Unido.

1959 - Sean Lemass succeeeds De Valera como Fianna Fail líder e primeiro-ministro, e lança um programa de modernização econômica que vê a Irlanda passar de uma base essencialmente agrícola e, eventualmente, aderir à Comunidade Econômica Europeia.

1969 - 1998 - Conflito na Irlanda do Norte conhecida como os problemas, que, ocasionalmente, se espalharam para a Irlanda.

Tornando-se uma sociedade moderna

1973 - A Irlanda se junta a Comunidade Econômica Europeia. Violência na Irlanda do Norte intensifica. As relações entre a Irlanda ea Grã-Bretanha estão tensas.

1980 - A Irlanda enfrenta graves problemas econômicos, com aumento da dívida e do desemprego. Três eleições são realizadas no espaço de menos de dois anos como políticos lidar com as dificuldades.

1985 - O Tratado Anglo-Irlandês é assinado. Ele dá a República da Irlanda, um papel consultivo no governo da Irlanda do Norte.

1990 - Mary Robinson se torna primeira mulher presidente da Irlanda.

1991 - Irlanda assina o Tratado da União Europeia em Maastricht e recebe uma garantia de que a sua lei anti-aborto estrito não será afetado.

1992 - Os eleitores irlandeses aprovar a flexibilização da lei do aborto. O acesso à informação é garantido, e viajar ao exterior para fazer um aborto é permitido.

Processo de paz

1993 - A Declaração de Downing Street por ministros irlandês e britânico Prime oferece palestras sobre futuro de paz na Irlanda do Norte a todas as partes se a violência renunciaram.

1997 - O divórcio torna-se legal na Irlanda sob certas circunstâncias. A lei se opõe a Igreja Católica Romana.

1998 - O Acordo de Sexta-feira Santa em um acordo político para a Irlanda do Norte é aprovada pelos eleitores em referendos na República da Irlanda e na Irlanda do Norte.

Junho de 2001 - Os eleitores irlandeses rejeitam o Tratado de Nice, em um referendo. O tratado deve ser aprovado por todos os 15 Estados membros da UE antes de a UE pode se expandir para incluir uma dezena de países candidatos da Europa Oriental.

Janeiro de 2002 - Euro substitui o punt como moeda nacional.

Março de 2002 - pequena maioria dos eleitores rejeita tentativa do governo de apertar já estritas leis anti-aborto em referendo constitucional.

Ahern reeleito

Maio de 2002 - Os eleitores re-eleito Fianna Fail do Bertie Ahern como primeiro-ministro em uma coalizão de continuar com os Democratas Progressistas. Fine Gael, principal partido da oposição, perde mais de um terço de seus assentos no parlamento.

Outubro de 2002 - Os eleitores irlandeses endossa Tratado de Nice por margem confortável no segundo referendo.

2 006 Novembro - relatório parlamentar diz que serviços de segurança britânicos conspiraram em ataques e assassinatos na Irlanda em 1970.

Dezembro de 2006 - Governo lança uma estratégia de 20 anos para criar uma sociedade, bilíngüe irlandês e de fala Inglês.

2007 Maio - Fianna Fail emerge como o maior partido nas eleições parlamentares, mas não para ganhar uma maioria absoluta.

Junho de 2007 - Bertie Ahern forma uma coalizão com os Democratas Progressistas, independentes vários e os Verdes, que entram governo pela primeira vez. Ahern torna-se o primeiro taoiseach (primeiro-ministro) para ganhar um terceiro mandato no cargo desde Eamon De Valera.

Irlanda recebe o seu primeiro prefeito negro quando nigeriano-nascido Rotimi Adebari é eleito prefeito de Portlaoise.

Cowen se torna taoiseach

2008 Maio - Bertie Ahern desce como taoiseach após uma polêmica sobre os seus assuntos financeiros. Ele é sucedido por seu vice, Brian Cowen.

Junho de 2008 - Os eleitores irlandeses rejeitar Tratado de Lisboa da UE em referendo.

Outubro de 2008 - A Irlanda se torna primeiro país da Europa ocidental a oficialmente entrar em recessão em decorrência da crise financeira global.

De fevereiro de 2009 - A taxa de desemprego chega a 11% - o mais alto desde 1996. Cerca de 100.000 pessoas participam em Dublin manifestação de protesto contra a manipulação do governo da crise econômica.

Financeiros sucessos crise

2009 Março - Irlanda perde sua classificação AAA da dívida às finanças públicas se deterioram em meio a uma profunda recessão.

Abril de 2009 - O governo anuncia seu segundo orçamento em seis meses para lidar com uma economia em rápida contração.

2009 Outubro - a Irlanda votar a favor de Lisboa da União Europeia Tratado em um novo referendo, depois de ter rejeitado em uma votação no ano anterior.

Novembro de 2009 - Um relatório condenatório critica a hierarquia da Igreja católica irlandesa para sua manipulação de alegações de abuso infantil contra 46 sacerdotes.

2010 Setembro - O custo da salvação do sistema bancário da Irlanda atingidas sobe para 45 bilhões de euros (R $ 39 bilhões), empurrando déficit orçamentário do país até cerca de um terço do PIB.

Resgate da UE

2010 Novembro - O governo concorda um pacote de resgate de 85 bilhões de euros com a UE eo FMI, em uma tentativa de enfrentar um enorme buraco nas finanças públicas da Irlanda. Como parte do pacote, o governo elabora um programa de austeridade que implica quatro anos de aumentos de impostos e cortes de gastos.

2011 Janeiro - O Parlamento aprova lei de financiamento exigido como condição de UE / FMI resgate.

2011 Fevereiro - Taoiseach Brian Cowen dissolve parlamento e chama eleição antecipada. Oposição Fine Gael vence a maioria dos lugares, mas fica aquém de uma maioria absoluta e começa negociações de coalizão.

2011 Março - O novo governo, liderado por Fine Gael líder Enda Kenny, assume o cargo. Sr. Kenny promete renegociar termos de UE / FMI resgate.

2011 Maio - A rainha Elizabeth, do Reino Unido faz uma visita oficial à Irlanda, a primeira de um monarca britânico desde a independência. Isto simboliza a nova relação entre os dois países depois do Acordo de 1998 sexta-feira Santa.

2011 Julho - A agência de classificação Moody rebaixamentos de rating da Irlanda dívida com status de lixo.

Vaticano recorda o seu embaixador na Irlanda em meio a tensão sobre a questão do abuso de crianças por padres.

2011 Outubro - Michael D Higgins do Partido Trabalhista é eleito presidente.

2011 Novembro - sucatas Governo planos anteriores administrações para decentalising o serviço público como parte de seus cortes de gastos públicos.

2011 Dezembro - Taoiseach Enda Kenny discurso à nação sobre o próximo orçamento, que inicia o processo de mover a Irlanda para um déficit de mais de 3% do PIB até 2015. Esta é apenas a sexta vez um taoiseach abordou a nação.

2012 Junho - Os eleitores irlandeses aprovar tratado da União Europeia fiscal em 60% em um referendo, assim, endossando o compromisso do governo com um programa de austeridade apoiado pela UE.

Fonte: news.bbc.co.uk

Irlanda

GEOGRAFIA

Fisicamente, Irlanda (70 280 km2) é um fragmento destacado do continente europeu. Grande parte do país é uma m menos de 150 simples, com cave é constituída por calcários do período carbonífero.

A superfície é coberta com morenas datam da idade do gelo do Pleistoceno. Em alguns lugares, essas morenas moldaram formações geológicas, como rugas cascalho (eskers) em Midlands ou os municípios centrais da Irlanda, ou centenas de pequenas colinas (drumlins) que atravessam a ilha, De Clew Bay, a oeste do país.

Geografia e solos da planície central é cercado por uma fronteira pelas montanhas pontilhadas, o mais velho dos quais estão no norte e oeste, e datam do Cambriano e Pré-Cambriano. Estes são os restos de uma cadeia que se estendia da Irlanda para a Escandinávia, através da Escócia.

Rochas quartzíticas até uma paisagem de montanha rochosa, como no Errigal (752 m) e Muckish (670 m) em Donegal, o Patrick Croagh (765 m), em Mayo, e a Twelve Bens no condado de Galway.

A camada de gelo primeiro tem muitas encostas e barrancos esculpidos leitos alguns vales, como a Baía de Killary Porto em Mayo foram inundadas pelo mar para formar fiordes.

No sul da Irlanda, uma série de paralelos arenito Devoniano dobras, separadas por vales de calcário e Carbonífero xisto, são uma continuação das estruturas hercínicos da Europa Central e Grã-Bretanha. Estes picos subir mais para o oeste, culminando com a Carrantuohill, a montanha mais alta do país (1041 m).

Lagos de Killarney, famosa por sua beleza, estão localizados nesta região. A subsidência geológica recente permitiu que o mar a invadir as partes mais baixas dos vales, a modelagem de um litoral profundamente recortado com muitos portos naturais.

No sudeste da Irlanda, dos granitos devonianos formar planaltos rolando que se estende por 129 km para o norte-leste, através dos municípios de Wexford e Wicklow, às margens do Sul Baía de Dublin. As encostas orientais de estas colinas são penetradas por profundos vales glaciais de Glendalough e Glenmalure.

Solos argilosos cobrir as planícies norte-centrais, onde o fluxo de água é insuficiente. Condições climáticas de umidade e acidez extrema levou à formação de turfeiras estender ao longo de milhares de hectares na Midlands. Peat também abrange as mais altas montanhas e vegetação moorland mantém um pastoreio de ovinos.

ECONOMIA

Irlanda não tem experimentado a Revolução Industrial e da industrialização intensiva da Grã-Bretanha no século XIX. A falta de matérias-primas como carvão e ferro fez sua economia estava em grande parte da agricultura orientada.

Apenas a área em torno de Belfast, no nordeste do país, é onde a indústria têxtil (especialmente o linho) e, especialmente, a construção naval, foi uma exceção a essa regra, de modo que, no século XIX, Belfast, de um sócio-econômica, estava mais perto de Liverpool e Glasgow, como Dublin.

A assimilação de Ulster na economia britânica industrial constituiu um fator-chave que alimentou reflexos população unionista. Para fins industriais (protestante) na região, a independência irlandesa poderia realmente resultar na perda de mercado imperial (aberto a Irlanda da União Legislativo 1800) eo colapso da indústria local, que as barreiras protecionistas que não teria deixado de impor um governo nacionalista em Dublin.

Nacionalistas teve outra leitura da situação econômica na ilha.

Segundo eles, a política agrícola da economia irlandesa foi mantida artificialmente para responder a lógica projetistas União:Irlanda, Reino Unido produtos industriais de consumo, deve especializar-se na produção de alimentos para populações urbanas da ilha vizinha.

O projeto de alguns nacionalistas, especialmente as de Sinn Féin, defendeu precisamente a industrialização progressiva do país e do desenvolvimento de uma economia equilibrada, uma condição sine qua non na sua independência.

Após a partição (e da "perda" dos municípios do Nordeste), o Sul tentou remediar a fraqueza de sua base industrial, adoptando uma política protecionista. Esta estratégia, que foi ditada em grande medida pela necessidade de a República da Irlanda para se afirmar contra a antiga potência colonial, foi finalmente abandonado em 1950, ponto de ruptura real política econômica.

A nova ortodoxia, colocada sob o signo da abertura, ouviu incentivando a criação de um imposto ambiental para atrair investimentos estrangeiros em áreas como, eletrônica e farmacêutica e equipamentos.

sSucessivos governos conduziram uma política de longo prazo para promover a educação (incentivando temas científicos e tecnológicos) e melhorar a infra-estrutura. Este setor recebeu um impulso significativo nos anos 1980, graças a fundos europeus.

Em meados de 1990 que apareceram os frutos desta estratégia. O sucesso foi tão grande que poderíamos descrever a economia da Irlanda "Tigre Celta".

Caracterizada por uma taxa de crescimento do PIB muito alta (acima da barra de 10% em 2000) ea taxa de desemprego diminuiu de forma constante (12,3% em março de 1995, 3,6% em abril de 2001), a economia irlandesa está entre os mais eficientes do mundo. PIB subiu de € 46.503.000 em 1994 para 87.677.000 em 1999, o PIB per capita de 12.968 € para 23.411 € durante o mesmo período.

Se perdeu a sua predominância passado, a agricultura continua a ser um setor importante da economia irlandesa. Em 1999, 11,8% da força de trabalho de trabalho no setor do agronegócio, que respondeu por 10% das exportações.

Mas outros setores tradicionais, como a pesca ou madeira, foram esmagados por indústrias voltadas para a produção de medicamentos ou produtos químicos, e, mais recentemente, pela "novas indústrias" TIC (computadores e telecomunicações). Assim, enquanto 6.000 pessoas estão empregadas na indústria da pesca (1999), apenas o trabalho de 20.000 em software de manufatura, incluindo a Irlanda é hoje o maior produtor do mundo.

O país também se tornou um importante centro de tele-serviços que servem a toda a Europa. Finalmente, o turismo é outra fonte de renda crescente, os turistas estrangeiros totais aumento de 3,6 milhões por ano em 1994 para 6 milhões em 1999.

Finalmente, notamos uma evolução no domínio do comércio, o que reflete mudanças nas relações que a Irlanda tem com seu vizinho britânico. Com relação às importações (2000), o Reino Unido mantém a sua posição como um parceiro preferencial (34%), muito superior ao resto da Europa (20%) e EUA (16%).

Em contraste, as exportações para o Reino Unido é o primeiro parceiro da Irlanda. Se ainda representa 22% é para outros países da União Europeia que são agora 45% das exportações irlandesas contra 14% para os Estados Unidos.

Embora a Irlanda tornou-se um farol de economias da Europa, é preciso lembrar, no entanto, cerca de 50% da produção industrial e 75% de suas exportações industriais vêm de empresas de capital estrangeiro, a situação é um tanto paradoxal dado o desejo inicial dos fundadores do Estado de ver um "irlandesa" ...

Fonte: www.europa-planet.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal