Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Irlanda  Voltar

Irlanda

 

IRLANDA, OBRA DE ARTE DA NATUREZA

A Irlanda é um país pequeno de grandes castelos e misteriosos lagos. O verde das campinas e o cinzento do céu oferecem à paisagem uma frescura sem igual.

De caráter aberto e generoso os irlandeses mantém o seu aspecto elegante e alegre que fará sentir-se em sua própria casa.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

É a mais ocidental das Ilhas Britânicas. Está situada ao oeste da ilha da Gran Bretanha, da qual está separada pelo canal de São Jorge, o Mar de Irlanda e o Canal do Norte. Limita-se ao nordeste com o Mar da Escocia e a leste com o Mar da Irlanda.

As ilhas espalham-se ao longo das costas irlandesas. Costumam ser fascinantes e em qualquer caso curiosas. Destacam-se as ilhas de Cape Clear, Sherkin, Dursey, Aarinish, Skelling Michael, Blasket, Ilhas de Aran, Inishbofin, Clare, Inishmurray, Arranmore, Tory, Irelands Eyes, Dalkey e Saltee.

FLORA E FAUNA

Os lagos e rios estão cheios de diferentes espécies como o salmão e a truta, enquanto que em terra habitam numerosas espécies mamíferas inclusive a lebre. Na ilha vivem numerosas aves migratórias e sobre tudo na costa, um paraíso ornitológico. Na ilha existem cinco parques nacionais e setenta e cinco reservas naturais.

História

Um País de Lendas

Irlanda é um país mágico e por isso a sua história tem algo de lenda. No princípio, e segundo as lendas que percorrem sobre tudo as vilas do país, o irlandês conta que as suas terras estavam habitadas por pequenos duendes dos bosques que agora só alguns podem ver. Em um tom mais real, apareceram os celtas por volta do século VI A.C.

Durante muito tempo e antes da chegada de São Patricio, criaram-se aldeias que permaneceram independentes. O cristianismo e o latim assim como a escritura romana e os mosteiros formaram parte do sentir desta terra. Com a chegada dos Vikings fundaram-se os primeiros assentamentos e o primeiro núcleo, que atualmente é a capital.

No século XI esta população submeteu-se aos irlandeses. Posteriormente, os anglo-normandos tentaram invadir a ilha sob o comando do reis de Leinster. No século XII os invasores tomam a melhor parte do território e ao chegar Enrique II a ilha está submetida como colônia britânica.

Os gaélicos lutam sem descanso pela sua independência e detêm aos ingleses. Embora as duas culturas misturam-se, sempre ficam as leis irlandesas. De novo a casa Tudor e Enrique VIII tentarão submeter aos irlandeses. Após duras lutas e revoltas, o território irlandês fica submetido à Coroa Britânica no século XVI.

Um século mais tarde um grupo de presbiterianos escoceses instalam-se no UIster agravando a situação. Durante uma época seguem as revoltas e os camponeses irlandeses sofrem as consequências mais terríveis. O bloqueio e as duras leis sociais continuam até que em 1779 as leis de Gardiner permitem por fim o livre comércio e a ilha experimenta uma época de desenvolvimento.

Estranha Diáspora

Por aquela época chegam as idéias da Revolução Francesa, mas de novo são caladas as vozes e suprime-se o parlamento irlandês.

Nessa altura, na Inglaterra triunfa a Revolução Industrial, enquanto os camponeses irlandeses vivem na miséria doente pela praga da batata. Muitos fogem à América. As terras abandonadas são ocupadas por novos colonos britânicos.

A idéia de liberdade chega aos Estados Unidos com o Movimento Feniano. Aparecem diversos movimentos nacionalistas e finalmente Irlanda tem um Parlamento próprio. As lutas acabam por reforçar-se, aparecendo o IRA, o Exército Militar Irlandês.

Em 1920 uma lei dividiu à Irlanda em duas partes. Em 1921 estabeleceu o estado livre de Irlanda. Belfast rejeita formar parte do estado livre irlandês até instalar a guerra entre as duas partes, situação que prevalesce até os nossos dias.

Arte e Cultura

Música

Os grupos de música irlandesa tradicional são muito populares. Utilizam instrumentos como o bodhran, pipas, flautas e outros elementos da tradição celta. Mas além da música tradicional na Irlanda também há música rock muito popular, lembremos a Van Morrison, Enya, Sinead O'Connor, Bob Geldof, U2, e The Cranberries.

Literatura

A literatura é uma das artes nas que mais têm salientado os irlandeses, os quais têm dado nomes tão importantes como Oscar Wilde, George Bemard Shaw, James Joyce. Samuel Beckett, e mais recentemente Roddy Doyle com a obra Paddy Clarke Ha Ha Ha e também Seamus Heaney, originário do Hulster que foi nomeado para o Prêmio Nobel em 1995.

Arquitetura

Irlanda tem numerosos lugares arqueológicos, cavernas pré-históricas, ruinas de mosteiros e fortalezas que contam uma rica história arquitetônica.

Locais Turísticos

Percorreremos Irlanda de Norte a Sul. Primeiro visitaremos as duas cidades mais importantes e a ilha para transladarmos logo aos famosos seis condados.

Destes pontos se podem fazer uma série de excursões organizadas do máximo interesse. Depois partiremos para Irlanda do Sul, famosa pelos seus castelos e hotéis e as suas maravilhosas paisagens naturais.

IRLANDA DO NORTE

BELFAST

A cidade nasceu como um forte rodeado de colinas sobre o rio Lagan. Na Idade Média desenvolveu-se uma pequena vila em torno ao forte e no princípio do século XVII os habitantes foram expulsos, onde assentaram os protestantes escoceses e ingleses, enviados pela Coroa Inglesa visando repovoar a região. Muitos anos mais tarde tornou-se um importante produtor de linho e barcos. Com mais de 400 mil habitantes, a cidade tem o tamanho ideal para passear de um a outro monumento da cidade. O rosto desta cidade, no centro, é o da Rainha Vitória. Todas as estruturas importantes levam a marca da era vitoriana.

A Prefeitura é o edifício mais impressionante de Belfast. Está construido com pedra de Portland e a cúpula é de bronze. No seu interior aloja um grande mural que representa a evolução industrial da cidade.

Albert Memorial. Trata-se de uma torre com relógio situada na parte mais próxima ao rio. A sua característica tem-lhe valido o nome da "Torre inclinada de Belfast".

Catedral de Belfast. Encontra-se em Lower Donegall Street. É uma construção de estilo romântico irlandês finalizada em 1904 que contém no seu interior um belo mosaico que representa o desembarco de São Patricio em Saul.

Escritórios do Porto. Este edifício tem no interior uma interessante coleção de pintura, escultura e cristal serigrafado de temas relativos à história marítima da cidade.

Zoo. Está situado na estrada de Antrim, em um parque sobre uma colina de onde divisa-se a cidade e o lago.

Grande Opera House. Este encantador teatro rococó foi desenhado pelo conhecido arquiteto Frank Matcham e o seu interior está profusamente decorado em tons dourados e castanhos.

Museu Folclórico do Ulster. Situado a uns 14 quilômetros da cidade. A casa solarengo aloja coleções de objetos históricos e um salão de chá. Também há uma granja com uma vacaria por frente de uma igreja.

LONDONDERRY

A cidade primitiva levanta-se à beira do rio Foyle e as suas antigas ruas formam a zona comercial e de negócios mais importante da cidade. A outra parte, a zona moderna, é muito maior e extende-se a ambos lados do rio.

O mais interessante para visitar é:

As Muralhas. A maior parte delas pode-se percorrer com um acesso ao Magazine Gate. Delas contempla-se uma maravilhosa vista da antiga cidade.

The Guildhall. Trata-se de um imponente edifício gótico do século passado mas a princípios do nosso século sofreu um desastroso incêndio que destruiu todo o interior. Após a reconstrução podem-se admirar os belos panéis de carvalho, o mármore e os cristais das suas decorações.

Catedral de São Columbano. É um dos edifícios mais antigos da cidade velha. Trata-se de uma catedral construida em 1633.

Ruas do Centro. Muitas ruas da cidade são empinadas e rústicas com exemplos de arquitetura vitoriana e georgiana.

OS SEIS CONDADOS

CONDADO DE A TRIM

É famoso pelas suas falesias e paisagens selvagens sem pavimentar. A estrada costeira aberta ao tráfico em meados do século, permite o acesso aos turistas para admirar as maravilhosas vistas e os lugares a beira dela.

As Canhadas de Atrim. São nove as famosas canhadas desta localidade. O conselho para o visitante é ir devagar para observar as maravilhas da paisagem.

The Giant's Causeway. É talvez a mais famosa de todas as maravilhas naturais de Irlanda.

Carrick-a-Rede Rope Bridge. Famosa pela ponte entre duas falésias.

Carrickfergus Castle. Um dos castelos medievais melhor conservado de Irlanda.

CONDADO DE ARMAGH

Onde poderá visitar muitas catedrais acima das colinas.

CONDADO DE DOWN

Você poderá percorrer uma vez ali as montanhas de Moume, a Península de Ards e visitar a Tumba de São Patricio.

CONDADO DE FERMANAGH

À beira do lago Erne poderá visitar uma formosa fábrica de cerâmica e desfrutar da navegação e da pesca.

CONDADO DE LONDODERRY

Famoso pelos seus enegrecidos pescados.

CONDADO DE TYRONE

Aqui encontrará um dos famosos parques que descrevem a vida rural do UIster.

CENTRO DE IRLANDA

DUBLIN

Pequena e compacta, a cidade está dividida em dois pelo rio Liffey. Na parte oeste da cidade acha-se o Phoenix Park, um parque municipal de 800 hectares de extensão. Na parte leste encontra-se a ponte O'Connell Bridge.

O City Center, centro da cidade, ocupa uma extensão de dois quilômetros. Ambos lados do centro agrupam-se várias ruas de centros comerciais onde realizar todo tipo de compras.

Definitivamente Dublín é uma cidade para passear. Assim pode deter-se em igrejas e catedrais como a de São Patrick que data do ano 1190. Igualmente poderá entrar na Igreja de St Micham, do século XVII, porém, sua torre foi construida no século XII. O mais interessante é a sua cripta na qual, pelas condições ali existentes, os cadáveres não descompoem-se.

Em respeito aos museus e galerias, destaca o Museu Nacional de Irlanda e a Galeria Nacional, a maior galeria de arte da Irlanda, conta com obras de Rubens, Miguel Angel e Tiziano, entre outras.

Na cidade existem uma série de edifícios importantes de enorme interesse como o Castelo de Dublín e o Banco de Irlanda.

Passear por esta cidade é uma atividade relaxante pois está rodeada de parques naturais e de um Jardim Botânico. O Phoenix Park, é reconhecido como o pulmão de Dublín. Trata-se de uma grande extensão de céspede de quase 800 hectares.

Assim mesmo pode visitar a fábrica de cerveja Guiness e o Museu Histórico da Prisião de Kilmainham.

À caminho para o sul da capital pode fazer numeráveis excursões de um dia de duração.

SUL DE IRLANDA

Já estamos dispostos ao longo caminho pelos campos de Irlanda, de caminho entre Dublín e Arklow a desfrutar da imensa maravilha espesa de folhagem que encontra-se nas Wicklow Mountains, em uma região conhecida como "O Jardim de Irlanda".

Dentro do condado de Wicklow podemos visitar Powerscourt e a mansão de granito construida no século XVIII. Imensos jardins italianos e japoneses assim como a enorme cascata e os salões de chá.

Neste mesmo condado encontramos o vale de dois lagos, como chama-se Glendalough. A beleza das ruinas do mosteiro ali situado vale a pena um dia de nossa estadia neste país.

Avondale é uma pequena localidade rodeada de bosques, lugar de nascimento de Charles Stewar Parnell. Finalmente pararemos em Cork, conhecida como "Cima do Sol". A segunda cidade mais importante de Irlanda, nesta localidade sentirá um agradável bem estar físico e espiritual sobre tudo se visitar a pousada encima de uma alta colina com mais de 200 anos de antiguidade. A cidade é famosa pela celebração do Festival Internacional de Cinema. Os lagos da zona são uma das atrações mais importantes para o turismo.

Outras cidades do sul dignas de visitar são Wex Fox e Water Ford, com uma zona costeira de falésias degrande beleza.

Ao oeste encontra-se Galway, conhecida pela baia do mesmo nome. A catedral do mesmo nome e as corridas de cavalos são as mais interessantes da capital do condado. O castelo de Linch, uma elegante mansão de pedra e as beiras do rio Corrib será o fim do percurso.

Nas ilhas de Arán, às quais poderá aceder em lancha, poderá observar uma preciosa paisagem marinha com o sabor medieval típico de toda a Irlanda.

GASTRONOMIA

A rainha da cozinha irlandesa é claramente a batata. Assada, no forno, simplesmente cozida e alinhada com perejil ou acompanhada com cebolas pode-se comer ao longo de todo país.

O peixe é outro dos manjares autênticos deste país marítimo. Salmão, truta ou lagosta, podem ser degustadas e preparadas de mil maneiras.

Os pequenos almoços suculentos á base de hidratos de carbono e proteínas, para apanhar energia e seguir a costume, são algo ao que não poderá renunciar. Não há que esquecer os ricos pratos de carne e frango sazonados com todo tipo de especiarias, para qualquer paladar.

BEBIDA

Inevitavelmente a cerveja em todas as suas variedades e sabores, é a bebida por excelência. Guiness é a marca nacional.

Compras

Levar um bom souvenir do país é a melhor maneira para lembrar as suas férias no país onde "sempre chove".

Não deixe de adquirir um fabuloso jersey de Aran, o melhor no que diz respeito ao artesanato local. Os seus desenhos imitam as paredes de pedra das casas dos pescadores. Também pode levar-se mármore verde e originais colares de turba.

A lã, o cobre e a roupa de cavalheiro são as adquisições que não poderá renunciar antes de partir. Mas deixe-se seduzir pela rica variedade de tecidos de lã, chales, bonés, prata, cristalaria, bordados, antiguidades, salmão enegrecido, ou por uma boa quantidade de cerveja irlandesa.

As melhores lojas encontrará em Dublín.

Pode visitar dois dos grandes armazéns da capital: Brow Thomas e Switzer.

População e Costumes

Habitado por 4 milhões de irlandeses, o país da cerveja preta aloja por atrás de suas fronteiras os homens mais amáveis da Europa. Embora em um princípio o caráter irlandês não desborde generosidade e simpatia, ao longo do primeiro dia de estadia você tomará conta que ali seguramente vai fazer mais de um bom amigo.

Descendentes do povo celta, as ruas das cidades e vilas estão cheias de homens ruivos e de aspecto saudável e sobre tudo de enormes corpos para alojar, segundo o seu costume, imensas quantidades de cerveja nas tabernas, onde os mais velhos, em ocasiões reunem-se para contar velhas histórias, sobretudo nas vilas. A maior parte dos habitantes vive nas cidades e falam inglês.

ENTRETENIMENTO

A excursões da capital às diferentes localidades será um dos passatempos mais divertidos. Também poderá praticar todo tipo de esportes náuticos, sobretudo se as suas férias coincidem com o verão. Se gosta da pesca, Irlanda é o paraíso dos pescadores. Se preferir conhecer os vestigios da cultura medieval, não ficará desiludido e diariamente poderá percorrer grande quantidade de castelos em qualquer das localidades da sua escolha.

As corridas de cavalos e a saída noturna em alguns pubs, teatros e clubes de moda completarão os seus desejos de diversão. Porém, Irlanda oferece excelentes alternativas e possibilidades para quem gosta do golfe, da equitação do senderismo, dos cruzeiros em barco ou do cicloturismo. Lembre-se que também poderá aprender inglês, em algum dos Em umerosos cursos que organizam no país. Outras possibilidades são a prática do windsurf, esquí náutico, submarinismoou parapente.

Se ficar dentro do seu orçamento, poderá alugar castelos para dar festas ou simplesmente para passar um fim de semana genial. Assim mesmo pode passar um tempo das suas férias em alguma granja e ocupar-se dos animais domésticos e dos produtos da terra.

FESTIVIDADES

Os dias festivos oficiais são o 1 de janeiro Ano Novo, 17 de março Dia de São Patrício, Sexta-feira Santa, Segunda-feira de Páscoa, primeiro e última segunda feira de maio May Holiday, 12 de julho Dia de Orangeman, primeira segunda feira de agosto Dia de Agosto, última segunda feira de outubro Dia de Octubre, 25 de dezembro Natale e o 26 de dezembro São Estevão.

Transportes

Avião

Irlanda está ligada com os outros países através da sua linha de vôo nacional Air Lingus. No interior existem vôos entre Dublín e Belfast, Cork Galway e Shannon, inclusive pode-se voar s Ilhas Aran.

Barco

Há muitos serviços de navegação. É bom saber que existem transbordadores que admiten carros.

Alguns deles reduzem muito o percurso, ligando as duas beiras do estuário de dois rios: o primeiro no rio Shannon e o segundo no rio Suir, entre Ballyhac e Passage.

Trens

As distâncias são curtas em Irlanda e as viagens em trem são confortáveis e divertidas. A rede de caminhos-de-ferro chama-se larnod Eireann. É muito eficiente. Existem trens rápidos e outros mais vagarosos. Pode-se adquirir bonos para vários dias.

Ônibus

A rede de ônibus é muito extensa. O serviço cobre o norte assim como o sul da Irlanda. Os veículos são confortáveis e modernos.

Carro

Conduz-se pela esquerda, o limite de velocidade é de 45 km/h nas zonas urbanas, 90 km/h nas estradas e 105 km/h nas auto-estradas. Em algumas cidades é necessário adquirir uma licença especial para estacionar o carro no centro.

A sinalização geralmente está bem feita e os sinais costumam estar escritos nas duas línguas: inglês e gaélico. Porém, a Irlanda está adotando o sistema métrico decimal pelo que os velhos letreiros (preto sobre fundo branco) são sempre em milhas, salvo quando levam as letras "km". Os novos letreiros (brancos sobre fundo verde) são sempre em quilômetros.

Bicicleta

A bicicleta é uma escolha muito popular para percorrer o país. Embora as distâncias são curtas há muitas costas.

Fonte: www.genteviajera.es

Irlanda

A história da Irlanda remonta ao século IV a.C., quando tribos celtas de origem gaulesa se estabelecem na ilha e fundam uma civilização gaélica. O cristianismo é introduzido por São Patrício no século V.

Devastada pelos vikings no século VIII, a Irlanda divide-se em vários principados rivais, o que facilita a ocupação anglo-normanda em 1166. O rei Henrique VIII consolida a dominação inglesa sobre a ilha em 1542 e introduz o protestantismo. No reinado de Elizabeth I, os católicos começam a ser excluídos da vida pública. Nos séculos XVI e XVII, os irlandeses são despojados de suas terras, que se tornam propriedade de colonos ingleses.

Ainda no século XVII, imigrantes protestantes, vindos principalmente da Escócia, colonizam grande parte do norte do país, o chamado Ulster. Em 1801, a Irlanda é integrada ao Reino Unido. Em meados do século XIX, a nação é assolada por uma grande onda de fome, que mata mais de 1 milhão de pessoas e leva 2 milhões a imigrar, a maioria para os EUA.

Independência

No início do século XX, intensifica-se a luta pela independência com a criação do movimento político Sinn Féin. A organização lidera, em 1916, o Levante da Páscoa, violentamente sufocado pelos britânicos. Em 1919, após a criação de um Parlamento independente, presidido por Éamon de Valera, é fundado o Exército Republicano Irlandês (IRA), que desencadeia uma insurreição pela independência.

Em 1922 constitui-se o Estado Livre da Irlanda, aglutinando os condados do sul, de maioria católica. O norte da ilha, o Ulster, majoritariamente protestante, permanece ligado ao Reino Unido. Como primeiro-ministro e presidente da Irlanda entre as décadas de 30 e 70, De Valera, líder do partido Fianna Fáil (Republicano), corta aos poucos os laços do Estado com a Inglaterra. Em 1949 é proclamada a República da Irlanda. O país ingressa na Comunidade Econômica Européia (atual União Européia) em 1973.

A questão do Ulster

O conflito no Ulster entre católicos (43% da população nortista) e protestantes (54%) é um dos principais focos de tensão na Europa Ocidental. No final da década de 60, a Irlanda do Norte é palco de violentos conflitos. Reivindicações da minoria católica por direitos civis fazem ressurgir o IRA. Começa a guerra civil. O governo britânico intervém militarmente em 1972 e assume as funções política e administrativa no Ulster.

O recrudescimento do terrorismo do IRA e a intransigência da maioria protestante arruínam as iniciativas de pacificação. Em 1993, Reino Unido e República da Irlanda admitem o direito da população do Ulster à autodeterminação. O governo britânico condiciona sua retirada da região à realização de plebiscito em que a população norte-irlandesa opte entre permanecer integrada ao Reino Unido ou se juntar à República da Irlanda. Esta, por sua vez, suspende da Constituição os artigos que reivindicam a posse dos condados do norte, o que na prática significa retirar apoio à luta separatista.

Negociações de paz

Em agosto de 1994, o IRA anuncia cessar-fogo. No mês seguinte, o primeiro-ministro irlandês Albert Reynolds reúne-se com os líderes católicos norte-irlandeses do partido Sinn Féin, braço político do IRA. Esse encontro histórico é anunciado como a abertura de uma era de negociações em busca da paz.

Em novembro, Reynolds renuncia e é substituído por John Bruton, do Partido Fine Gael (da Irlanda Unida). A coalizão no poder é ampliada com a Esquerda Democrática. No final de 1994 e início de 1995, o país liberta 15 prisioneiros condenados por envolvimento com o IRA. Bruton prossegue as conversações com o Reino Unido sobre um tratado de paz para o Ulster.

Fim do cessar-fogo

Em fevereiro de 1996, após 17 meses de trégua, o IRA explode uma bomba em Londres, matando duas pessoas e ferindo cem. No mesmo mês, outras três bombas explodem na capital britânica.

Nas eleições do Ulster, em maio, o Sinn Féin obtém sua maior votação - 15,7% dos votos - e assegura 17 cadeiras na Assembléia de 110 membros para discutir o processo de paz na região. Sua participação, porém, é condicionada à renovação do cessar-fogo, que o IRA se recusa a garantir. Em junho, quando as conversações de paz se reiniciam, 200 pessoas ficam feridas na explosão de um carro-bomba em Manchester, no norte da Inglaterra.

Trégua retomada

A vitória do Partido Trabalhista britânico, nas eleições parlamentares de 1997 no Reino Unido, traz força às conversações de paz. Em agosto, o IRA anuncia novo cessar-fogo e, em setembro, as negociações recomeçam com a presença do Sinn Féin e do novo primeiro-ministro da República da Irlanda, Bertie Ahern, líder do bloco de centro-direita eleito em junho.

Em outubro, o primeiro-ministro Tony Blair vai ao Ulster e tem um encontro com Gerry Adams, o primeiro entre um chefe de governo britânico e um líder do Sinn Féin. No mesmo mês, a presidenta da República da Irlanda, Mary Robinson, renuncia para assumir a chefia da Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos. A candidata do centro-direitista Fianna Fáil, Mary McAleese, é eleita para o cargo.

Acordo de paz

Após 30 anos de conflito, mais de 3.500 mortes e 22 meses de conversações, em abril de 1998 é assinado em Belfast (capital da Irlanda do Norte) um acordo de paz entre católicos e protestantes norte-irlandeses, com a participação dos governos do Reino Unido e da República da Irlanda. Entre os pontos do acordo - aprovado em referendo pela população da Irlanda do Norte (com 71,1% dos votos) e da Irlanda (94,3%) - estão a formação de uma Assembléia (Parlamento) independente no Ulster, libertação de presos políticos e deposição de armas pelos vários grupos guerrilheiros.

Em outubro, os líderes dos dois maiores partidos da Irlanda do Norte, o protestante David Trimble e o católico John Hume, ganham o Prêmio Nobel da Paz pelos esforços para acabar com o conflito. O presidente do Sinn Féin, Gerry Adams, que também participou das negociações de paz, não é incluído na premiação.

Fonte: members.fortunecity.co.uk

Irlanda

"O verde das campinas e o cinzento do céu oferecem à paisagem uma frescura sem igual. "

Irlanda (em irlandês Éire e em inglês Ireland) é a terceira maior ilha da Europa. Situa-se no Oceano Atlântico e está politicamente dividida entre a República da Irlanda (oficialmente denominada Irlanda), um Estado que cobre cinco sextos (cerca de 85%) da ilha e a Irlanda do Norte, parte do Reino Unido, que configura a sexta parte mais a nordeste da ilha.

A população da ilha é de aproximadamente 5,8 milhões de habitantes; 4,1 milhões na República da Irlanda e 1,7 milhão na Irlanda do Norte.

Diversão

A excursões da capital às diferentes localidades pode ser um dos passatempos mais divertidos. Também poderá praticar todo tipo de esportes náuticos, sobretudo se as suas férias coincidem com o verão. Se gosta da pesca, Irlanda é o paraíso dos pescadores. Se preferir conhecer os vestigios da cultura medieval, não ficará desiludido e diariamente poderá percorrer grande quantidade de castelos em qualquer das localidades da sua escolha.

Transporte

Dublin é servida por um único aeroporto, que fica aproximadamente 10km ao norte da cidade. A companhia aérea de baixo custo Ryanair voa de Dublin para muitas outras cidades da Europa. Você pôde também considerar fazer uma escala em Londres porque a rota Londres-Dublin é bem servida de vôos regulares.

A única estação de ônibus, Busáras, serve ao país inteiro e fica ao lado da estação de trem de Connolly. Há, entretanto, algumas companhias de ônibus privadas que operam fora do centro de cidade. Kavanaghstp tem um bom serviço para Limerick e Waterford.

Aluguel de Carros

Conduz-se pela esquerda, o limite de velocidade é de 45 km/h nas zonas urbanas, 90 km/h nas estradas e 105 km/h nas auto-estradas. Em algumas cidades é necessário adquirir uma licença especial para estacionar o carro no centro.

A sinalização geralmente está bem feita e os sinais costumam estar escritos nas duas línguas: inglês e gaélico.

Dinheiro

Euro converteu-se na moeda de curso oficial na Irlanda.Existem notas de maior valor: de 500 euros, 200 euros, 100 euros e 50 euros e circulam, também, notas de menor valor: de 20 euros, 10 euros e 5 euros.

O cambio de moeda pode-se realizar tanto nos bancos como nos escritórios de cambio situados em aeroportos, estações, hotéis e em numerosos lugares.

Capital Dublin

Dublin é a capital e a cidade mais importante da República da Irlanda. Está à altura de muitas cidades grandes da Europa em termos de vibração, vida noturna e atrações turísticas, e é o ponto de entrada mais popular para visitantes internacionais na Irlanda. Dublin é desproporcionalmente grande para o tamanho do país; quase um terço da população irlandesa vive na grande Dublin. O centro, entretanto, é relativamente pequeno e pode ser explorado a pé, com a maioria da população vivendo nos subúrbios.

Idioma

Irlanda é oficialmente bilingüe. Os idiomas são o gaélico e o inglês.

Clima

O clima é relativamente temperado. Em janeiro e fevereiro, as temperaturas médias oscilam entre 4 e 7 graus centígrados. As temperaturas máximas médias de julho e agosto oscilam entre os 17 e 20 graus. O mar ao redor da Irlanda. é surpreendentemente quente devido à influência da corrente do golfo. Em Irlanda chove com frequência.

Fonte: www.souturista.com.br

Irlanda

Nome Oficial: Poblacht Na h'Éireann / Republic of Ireland (República da Irlanda)

Capital da Irlanda: Dublin

Área: 70.273 km² (117º maior)

População: 4,148 milhões (2005)

Idiomas Oficiais: Gaélico irlandês e inglês

Moeda: Euro

Nacionalidade: Irlandesa

Principal Cidade: Dublin, Cork, Limerick

Cias aéreas: Aer Lingus EL 053 Cityjet WX 689

Clima: marinho

Fuso horário (UTC): 0 (+1)

Pontos turísticos

Galway

Com atmosfera festiva, há restaurantes e bares para todos os gostos musicais e gastronômicos. O charme fica por conta das casas coloridas de um só piso.

Calçada dos Gigantes

Formações rochosas que caem da montanha da Costa de Antrim e penetram no Atlântico Norte como uma escadaria em que degraus têm a forma de imensos hexágonos. Formada a partir da lava de um vulcão, diz a lenda que foi construída pelo gigante Finn Mac cool para alcançar sua amada na Escócia.

Waterford

Fundada em 853 pelos vikings, os povos que por aqui passaram deixaram marcos históricos, como a Torre Reginald, originalmente construída por vikings e reerguida pelos normandos e o Castelo de Waterford, do século XV, localizado numa ilha, possui verdadeira arquitetura irlandesa, tendo sido transformado em hotel de luxo. Próximo à cidade, alguns vilarejos possuem características típicas irlandesas, como é o caso de Kilkenny, Dunmore East, Glendalough e Wicklow.

Fonte: www.geomade.com.br

Irlanda

Nome oficial: República da Irlanda (Poblacht Na h'Éireann/Republic of Ireland).

Nacionalidade: irlandesa.

Data nacional: 17 de março (Dia de São Patrício, padroeiro do país).

Capital: Dublin.

Cidades principais: Dublin (952.700), Cork (180.000), Limerick (79.100), Galway (57.400), Waterford (44.200) (1996).

Idioma: irlandês e inglês (oficiais), gaélico.

Religião: cristianismo 94,3% (católicos 91,6%, Igreja Anglicana Irlandesa 2,3%, presbiterianos 0,4%), outras 5,7% (1991).

Geografia

Localização: oeste da Europa.
Hora local: +3h.
Área: 70.285 km2.
Clima: temperado oceânico.
Área de floresta: 6 mil km2 (1995).

População

Total: 3,7 milhões (2000), sendo irlandeses 93,7%, ingleses 3,6% (do Reino Unido ou do País de Gales), ingleses 1% (da Irlanda do Norte), americanos 0,4%, escoceses 0,4%, outros 0,9% (1996).
Densidade: 52,64 hab./km2.
População urbana: 59% (1998).
Crescimento demográfico: 0,7% ao ano (1995-2000).
Fecundidade: 1,9 filho por mulher (1995-2000).
Expectativa de vida M/F: 74/79 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil: 7 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: menor do que 5% (2000).
IDH (0-1): 0,907 (1998).

Política

Forma de governo: República com forma mista de governo.
Divisão administrativa: 26 condados.
Principais partidos: Republicano (Fianna Fáil-FF), da Irlanda Unida (Fine Gael-FG), Trabalhista (LP), Sinn Féin.
Legislativo: bicameral - Senado, com 60 membros (11 indicados pelo primeiro-ministro e 49 eleitos por voto indireto); Casa dos Representantes, com 166 membros eleitos por voto direto. Ambos com mandato de 5 anos.
Constituição em vigor: 1937.

Economia

Moeda: Euro.
PIB: US$ 81,9 bilhões (1998).
PIB agropecuária: 5,1% (1998).
PIB indústria: 37,6% (1998).
PIB serviços: 57,3% (1998).
Crescimento do PIB: 7,7% ao ano (1990-1998).
Renda per capita: US$ 18.710 (1998).
Força de trabalho: 2 milhões (1998).
Agricultura: trigo, cevada, beterraba, batata.
Pecuária: bovinos, ovinos, suínos.
Pesca: 329,5 mil t (1997).
Mineração: chumbo, zinco, turfa.
Indústria: produtos eletrônicos.
Exportações: US$ 63,8 bilhões (1998).
Importações: US$ 44,3 bilhões (1998).
Principais parceiros comerciais: Reino Unido, EUA, Alemanha, França.

Defesa

Efetivo total: 11,5 mil (1998).
Gastos: US$ 780 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

voltar 1234avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal