Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Irlanda do Norte

Irlanda do Norte

PUBLICIDADE

Irlanda do Norte é hoje um dos quatro países do Reino Unido, (embora também é descrito por fontes oficiais como uma província ou de uma região, situado no norte-leste do ilha da Irlanda, tendo sido criado como uma entidade legal separada em 3 de maio de 1921, sob o Governo da Irlanda atuaram até 1920.

Irlanda do Norte

A nova automia da Irlanda do Norte foi formada a partir de seis dos nove condados de Ulster: quatro municípios com unionistas maiorias, e Fermanagh e Tyrone, duas dos cinco condados do Ulster que tiveram a maiorias nacionalistas.

Nos sindicalistas grande parte, pelo menos no Nordeste, com o apoio da sua criação enquanto os nacionalistas foram contrários.

Posteriormente, em 6 de dezembro de 1922, toda a ilha da Irlanda se tornou independente domínio conhecido como o Estado Livre da Irlanda , mas a Irlanda do Norte exerceu imediatamente o seu direito de optar por sair do novo domínio.

A província de Ulster inclui municípios Derry, Antrim, Tyrone, Fermanagh, Armagh e Down.

Irlanda do Norte foi criado pelo Tratado de 1921. O norte é a casa da costa recortada de Antrim, enquanto o central e ocidental consiste de lagos e montanhas verdes.

Autenticidade e história são as palavras-chave desta região a paisagem de beleza inigualável e rica herança cultural.

A beleza da Irlanda do Norte está indissociavelmente ligada sua história trágica, rica cultura e seu povo cuja simpatia é tão lendária.

Mas é também, com suas montanhas escarpadas, lagos e campos costa excelente, perfeito para os fãs de esportes aquáticos, caminhadas, ciclismo, escalada ou vela.

Além disso, muitos festivais, feiras de cavalos, castelos e elegante Irlanda do Norte são todas as atividades emocionantes culturais.

A Irlanda do Norte é composta por seis municípios paisagens e patrimônio variada: Antrim , Armagh, de Down , Fermanagh, Londonderry e Tyrone e duas grandes cidades, Belfast e da capital Londonderry.

Geografia

Irlanda do Norte é composta por 26 distritos, derivados dos bairros de Belfast e Londonderry e dos condados de Antrim, Armagh, Down, Fermanagh, Londonderry e Tyrone.

Juntos, eles são comumente chamados de Ulster, que o território não inclui toda a província antiga de Ulster. Ele é um pouco maior do que Connecticut.

Por Colégio São Francisco

A Irlanda do Norte é uma parte do Reino Unido.

A capital é Belfast.

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo e Protestantismo).

A língua oficial é o Inglês.

Há uma grande polêmica entre a maioria Protestante Britânica, e a minoria Católica Irlandesa. Quando a Irlanda se separou do Reino Unido em 1921, a Irlanda do Norte permaneceu Britânica. O país é uma entidade democrática parlamentar, atualmente sob a administração do governo Britânico.

Irlanda do Norte é composta por seis municípios que já pertenceram à antiga província Irlandesa do Ulster. Ela não faz parte da República da Irlanda de hoje, no entanto. Ela é uma das quatro unidades constituintes do Reino Unido.

A população é em grande parte de descendencia Escócia-Inglêsa. Mas uma minoria significativa reivindica a herança Irlandesa. Por muitos anos, as diferenças religiosas e as desigualdades políticas entre os dois grupos têm causado hostilidades que, muitas vezes irromperam em violência.

No entanto, um acordo de partilha de poder, assinado em 1998, tem ajudado as duas facções lentamente a superar sua desconfiança.

Terra

A Irlanda do Norte ocupa o canto nordeste da ilha da Irlanda. Aproximadamente do tamanho de Connecticut (EUA), a Irlanda do Norte abrange cerca de 5.452 milhas quadradas (14.121 km quadrados). Ela inclui a Ilha Rathlin e várias pequenas ilhotas no Mar da Irlanda.

O Canal do Norte do Mar da Irlanda flui ao longo das costas leste e do norte da Irlanda do Norte. A República da Irlanda compartilha sua fronteira terrestre no sul e oeste.

Apesar de seu tamanho modesto, a Irlanda do Norte abrange uma variedade de paisagens, desde montanhas escarpadas a vales suaves, de praias de areia para vastos pântanos. O Reino Unido tem designado aproximadamente dois terços da costa da Irlanda do Norte e sua arborizada Glens de Antrim como protegidas “Áreas de Beleza Natural Excepcional”.

A famosa Calçada dos Gigantes está na frente da costa norte da província. Ela é composta por cerca de 40.000 colunas de basalto, os topos quebrados das quais formam os “trampolins” levando para o mar.

Um anel de montanhas e colinas rodeia a planície central da Irlanda do Norte. As Montanhas Antrim se estendem ao longo do litoral nordestino. As Montanhas Sperrin ficam no oeste. No sudeste, as Montanhas Mourne sobem a cerca de 3.000 pés (900 m) em Slieve Donard, o pico mais alto da província. No seu centro está o Lago Neagh. Sua área de 153 milhas quadradas (396 km quadrados) torna-o o maior lago do Reino Unido.

Outros lagos como geleiras ficam no sudoeste. Eles incluem as metades superior e inferior do Lago Erne. As enseadas oceânicas principais incluem o Lago Foyle, na costa norte; o Lago Belfast, na costa leste; e, ao sul, o Lago Strangford. Inúmeros córregos da montanha descarregam em três dos principais rios da Irlanda do Norte – o Foyle, o Bann, e o Lagan.

O Bann, que nasce nas Montanhas Mourne, flui em duas direções. Sua metade “superior” drena para o interior até o Lago Neagh. Sua metade “inferior” flui norte para o mar.

Clima

A Irlanda do Norte goza o ano todo de clima ameno. Ela tem invernos frios e verões confortáveis. As temperaturas médias variam de 40 °F (4 °C) em Janeiro a 59 °F (15 °C), em Julho. Ventos úmidos do oceano entregam uma abundância de chuvas, com média de mais de 45 polegadas (1.140 mm) nas colinas e montanhas e cerca de 30 polegadas (760 mm) nas planícies.

Vida Vegetal e Animal

O terreno geralmente plano da Irlanda do Norte e a depressão central tornam lenta a drenagem da água. Isso cria vastas áreas de pastagem molhada, turfeira, e pântano. Como em toda a Irlanda, o norte perdeu a maior parte de sua superfície à exploração madeireira no século 17.

Programas de reflorestamento continuam a expandir suas florestas nativas isoladas de carvalho, freixo, sorveira, amieiro, vidoeiro, e espinheiro. Uma distintiva orquídea Irlandesa (Spiranthes stricta) cresce no vale do Rio Bann.

O isolamento da Irlanda do continente Europeu e sua glaciação durante a última Era Glacial têm limitado a sua variedade de animais. O lagarto vivíparo e as tartarugas marinhas são os seus únicos répteis (não há cobras na Irlanda).

O sapo comum e o liso newt são os seus únicos anfíbios. Os mamíferos nativos incluem a raposa, o texugo, a lontra, a lebre Irlandesa, o arminho, a marta do pinho, o rato da madeira, o veado, e o musaranho-pigmeu.

Muitos tipos de baleias e golfinhos passam pelas águas ao largo da costa Irlandesa. Os pássaros distintivos incluem o gaio, o tit carvão, e o dipper. Uma abundância de peixes de água doce habitam os córregos e rios numerosos.

População

Mais de 99 por cento da população da Irlanda do Norte descende de uma mistura de Celtas, Anglo-saxões, Escandinavos, e tribos Normandas que se estabeleceram na Grã-Bretanha e na Irlanda mais de 1.000 anos atrás.

Apesar desta uniformidade étnica, a população do país continua dividida. Há aqueles que se identificam como Católicos Irlandeses e os que tem sua ascendência de Protestantes Escoceses e Inglêses, que lá se estabeleceram nos séculos 16 e 17.

No século passado, essa divisão tem sido menos sobre religião do que acerca de desejos opostos para o futuro da Irlanda do Norte. A maioria dos Protestantes Escoceses-Inglêses – também conhecidos como Legalistas ou Unionistas – favorecem permanecer parte do Reino Unido.

A maioria Católica Irlandesa – também conhecida como Nacionalistas ou Republicanos, quer que a Irlanda do Norte se torne parte da República da Irlanda.

No momento da criação da Irlanda do Norte em 1921, os Protestantes representavam mais de 60 por cento da população. Os Católicos representavam cerca de 33 por cento. Desde aquela época, o segmento Católico da população aumentou para mais de 44 por cento. E os Protestantes diminuíram para cerca de 56 por cento. Os Católicos são esperados para serem a maioria em 2025.

As minorias étnicas representam menos de 1 por cento da população. Eles incluem cerca de 4.000 pessoas de língua Asiática e cerca de 1.500 cada um da Índia, Paquistão, África e de países de língua Árabe.

Os itinerantes “Irlandêses Viajantes” númeram cerca de 25.000. Eles falam uma língua chamada Shelta. Ela é vagamente baseada no Irlandês, com elementos de Inglês e Romani.

Apesar de uma taxa de natalidade mais elevada do que a do resto do Reino Unido, a população da Irlanda do Norte cresce lentamente.

Este é o resultado da emigração continuada para a Grã-Bretanha, a República da Irlanda, os Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia.

O Inglês é a língua oficial da Irlanda do Norte.

Artes e Educação

As vibrantes artes populares da Irlanda do Norte correm ao longo de duas veias distintas: Escocesas e Irlandesas. Elas incluem a narrativa tradicional, cantar e dançar ao som de antigos instrumentos como o violino, a flauta, o pífano, tambores de mão e gaitas de foles.

Os desfiles políticos continuam a ser uma ruidosa tradição do verão. As bandas Protestantes desfilam em meados de Julho para comemorar o Dia Orange. O menor número de Católicos desfila em Agosto.

A Irlanda do Norte compartilha da grande tradição da literatura Irlandesa, que se estende de volta à seus antigos mitos Celtas, especialmente os 100 contos do Ciclo do Ulster. Eles descrevem os heróis das regiões do norte da Irlanda a partir do século 2º para o 4º século.

Em 1995, o poeta nativo Seamus Heaney ganhou o Prêmio Nobel de Literatura. As instituições culturais nacionais incluem a Opera da Irlanda do Norte, a Belfast Philharmonic Society (um grupo de coral líder), e a Orquestra do Ulster.

Educação

A Irlanda do Norte oferece educação gratuita para crianças dos 4 aos 18 anos. Todas as crianças são obrigadas a assistir pelo menos até aos 16 anos. Como sua população, o sistema escolar da Irlanda do Norte tende a ser dividido em linhas Católicas e Protestantes.

Os conselhos locais de educação e os pais estão trabalhando juntos para estabelecer um número crescente de “escolas integradas” com a participação de crianças de ambas as comunidades. Também está crescendo o número de escolas “meio-Irlandesas”. Elas conduzem todas as suas aulas em Gaélico Irlandês.

A Irlanda do Norte tem duas universidades: a Universidade da Rainha, em Belfast; e a Universidade do Ulster, com campus em Belfast, Coleraine, Jordanstown e Londonderry.

Cidades

Quase metade da população da Irlanda do Norte vive em pequenas cidades e áreas rurais. O resto vive dentro ou ao redor das duas grandes cidades que dominam a província.

Belfast é a capital e a maior cidade da Irlanda do Norte. Tem uma população de cerca de 276.000 (estimativa de 2008), refletindo uma queda acentuada do seu pico de 445.000 em 1951.

Grande parte da perda populacional foi devido à violência política e às rigorosas medidas de segurança que tornaram a vida ali extremamente difícil há décadas.

Na última década, no entanto, a cidade tem desfrutado de um longo período de calma e de crescimento.

Esta bela cidade fica em um meio círculo de colinas e penhascos ao redor da embocadura do Rio Lagan, onde ele deságua no Lago Belfast e no Mar da Irlanda. O porto de Belfast há muito tempo reinou como uma das capitais da construção naval do mundo.

Ele foi o berço de muitos grandes transatlânticos, incluindo o malfadado Titanic. As docas de Belfast continuam sendo a fonte de riqueza, orgulho e personalidade da cidade. Belfast também é o centro da indústria do linho da Irlanda do Norte.

As docas e margens dos rios de Belfast possuem muitos hotéis de luxo, centros de conferência, e prédios de apartamentos. Restaurantes e teatros alinham a animada “Milha Dourada” da cidade. Ela estende-se desde a sua Grande Casa da Opera à sua zona universitária. Na periferia leste da cidade está Stormont, o ponto de encontro para a Assembleia da Irlanda do Norte.

Londonderry, ou “Derry”, com uma população de aproximadamente 84.000 (estimativa de 2002), fica a 95 milhas (153 km) noroeste de Belfast, abrangendo o Rio Foyle, perto da cabeça de Lago Foyle.

Sua história traça para a fundação do mosteiro Derry, no século 6; os colonos Inglêses acrescentaram o prefixo “London” no início do século 17. Como Belfast, Londonderry cresceu em um grande centro da construção naval e têxtil no século 18.

E como Belfast, ela suportou a violência política nas décadas de 1970 e 1980. O coração da cidade permanece dentro de um conjunto de antigas paredes inteiras, famosas por suportar dois grandes ataques do século 17.

Outras cidades populosas da Irlanda do Norte estão todas dentro de 30 milhas (48 km) de Belfast. Em ordem de tamanho, elas incluem Newtownabbey, Bangor, e Lisburn.

Economia

Pequenas fazendas familiares cobrem cerca de dois terços da Irlanda do Norte. A maioria produzem forragem para o gado, especialmente vacas leiteiras.

Cevada e batatas crescem em grande parte do resto. Frotas de pesca locais colhem o arenque e peixes brancos no Mar da Irlanda, e salmão, truta e pollan nos lagos de água doce.

As indústrias de longa data da Irlanda do Norte incluem a construção naval, a fabricação de aviões, e a fabricação de têxteis e corda. Estas indústrias diminuíram substancialmente durante a segunda metade do século 20, causando desemprego generalizado e a emigração.

Nos últimos anos, a economia da Irlanda do Norte tornou-se cada vez mais focada em tecnologia da informação e em serviços, tais como programação de computador, investimento financeiro e turismo.

Assim, o número total de empregos cresceu, apesar do declínio na manufatura. O Reino Unido e a União Europeia continuam a enviar ajuda financeira considerável para a Irlanda do Norte para ajudar a estimular o seu crescimento econômico.

História

Cerca de 9.000 anos atrás, os povos da Idade da Pedra viveram no que é agora a Irlanda do Norte. Cerca de 2.750 anos atrás, as tribos Celtas chegaram com a sua religião Druida e ferramentas e armas da Idade do Ferro.

Missionários introduziram o Cristianismo na Irlanda, cerca de 1.600 anos atrás. O mais famoso destes – São Patricio – estabeleceu missões na Irlanda do Norte. Os Vikings Escandinavos tomaram o controle da Irlanda em 840; os Irlandeses os expulsaram em 1041.

Quando Henry II da Inglaterra invadiu nos anos 1100s, ele deixou a maior parte do que hoje é a Irlanda do Norte, então conhecida como “Ulster”, para os Irlandeses.

As sementes da desunião entre o Ulster e o resto da Irlanda foram semeadas no início dos 1600s. Por séculos, os grandes clãs Irlandeses dos O’Neill e dos O’Donnell governaram o norte. A Inglaterra controlava o resto da ilha.

Então, em 1601, O’Neill e O’Donnell marcharam para o sul para se juntar a um exército invasor Espanhol. Derrotados, os dois príncipes Irlandêses partiram para a Europa com a maioria dos seus apoiantes.

O governo Inglês, em seguida, “plantou” o abandonado Ulster dos príncipes com colonos Inglêses e Escocêses.

Cerca de 50 anos mais tarde, os Irlandeses nativos levantaram em rebelião contra a Inglaterra Protestante do Rei William de Orange e apoiaram o retorno do exilado rei Católico James II. Os dois reis e seus exércitos poderosos lutaram sua guerra na Irlanda.

Suas batalhas famosas incluíram o fracassado Cêrco de Derry de James em 1689, que durou 105 dias e matou milhares. No ano seguinte, William derrotou James na Batalha de Boyne. Cada 12 de Julho os “Orangemen” Legalistas da Irlanda do Norte ainda comemoram a vitória com ruidosos desfiles políticos.

Na sequência de uma rebelião mal sucedida da Irlanda em 1800, um Ato de União dissolveu o Parlamento da Irlanda e criou o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda. Do século 19 ao 20, a população predominantemente Católica da Irlanda apoiou a sua independência. Mas a maioria Legalista Protestante no norte se opôs à formação de um estado Irlandês, em que se tornaria uma pequena minoria.

Em 1912, os Legalistas organizaram voluntários armados em oposição à independência. Com a Irlanda à beira da guerra civil, o governo Britânico decidiu excluir o Ulster das negociações por uma Irlanda livre.

A Primeira Guerra Mundial adiou todo o progresso em direção à independência até 1920, quando o Home Rule Bill criou parlamentos separados para o Ulster e a Irlanda do sul. Os nacionalistas Irlandeses rejeitaram este acordo, porque não lhes concedia a independência total.

No ano seguinte, eles negociaram a criação do Estado Livre da Irlanda no sul, deixando o norte pró-Britânico como uma província do Reino Unido.

Os Legalistas Protestantes assumiram o controle completo e imediato do governo da Irlanda do Norte. Eles aprovaram leis que excluíam os Católicos das posições de poder, os impedia de se mudar para bairros tradicionalmente Protestantes, e negava-lhes o acesso a empregos favoráveis.

Ao final dos anos 1960s, isso levou a um movimento de direitos civis Católicos. As manifestações inicialmente pacíficas do movimento provocaram ataques de grupos de milícias Legalistas. As tropas Britânicas chegaram para manter a ordem em 1969.

Mas as hostilidades aumentaram quando os Nacionalistas lançaram sua própria milícia, o Exército Republicano Irlandês (IRA). Os “Problemas” tinham começado.

Em 1972, o governo Britânico suspendeu o Parlamento da Irlanda do Norte e impôs o governo direto Britânico. Nos anos seguintes, a espiral de violência incluiu ataques terroristas do IRA contra alvos na Inglaterra, bem como na Irlanda do Norte. O mais infame incluiu a “Sexta-feira Sangrenta”: 21 de Julho de 1972, quando bombas do IRA em Belfast mataram nove pessoas. (Avisos do IRA tinham limpado a maioria das áreas de pessoas antes das bombas explodirem).

Em 1985 e novamente em 1995, os governos do Reino Unido e da República da Irlanda se comprometeram a cooperar na busca de uma solução pacífica para o conflito. Negociações secretas levaram a um cessar-fogo entre o IRA e as milícias Legalistas em 1994. Mas novos ataques quebraram a paz.

Em 1997, o ex-senador dos EUA George Mitchell liderou negociações de paz frescas. Pela primeira vez, estas incluíram representantes de todas as facções políticas da Irlanda do Norte, bem como os governos do Reino Unido e da República da Irlanda.

O Presidente dos Estados Unidos Bill Clinton deu apoio crucial para as negociações. O resultante Acordo de Belfast (Acordo da Sexta-Feira Santa) de Abril de 1998 reconheceu a importância da eliminação das armas de todas as milícias.

Também pôs em prática um governo de partilha de poder que representava todos os cidadãos da Irlanda do Norte e garantia o livre acesso ao emprego e à habitação. O acordo dava a todos os cidadãos da Irlanda do Norte a opção de reivindicar a cidadania Irlandesa ou Britânica, ou ambas.

Ele também dava o direito à maioria de escolher se a Irlanda do Norte permaneceria parte do Reino Unido ou se se tornaria parte da República da Irlanda no futuro.

Mais tarde, naquele ano, o Prêmio Nobel da Paz foi concedido aos arquitetos chefes do acordo – o líder Unionista David Trimble e o líder Nacionalista John Hume.

Mas os Problemas ainda não tinham terminado. Em Agosto de 1998, um grupo de milícia separatista que se autodenominava o IRA Real detonou uma bomba na cidade de Omagh. A explosão matou 29 pessoas – marcando a pior atrocidade única desde o início dos Problemas em 1969.

Ao longo de mais de 30 anos, o número de mortos da violência ultrapassou 3.600 pessoas, incluindo mais de 1.230 civis Católicos, cerca de 700 civis Protestantes, mais de 500 membros da milícia, e 1.000 soldados Britânicos e da polícia Irlandesa.

Os Britânicos mais uma vez impuseram o governo direto sobre a Irlanda do Norte em Outubro de 2002. Três anos depois, o IRA abandonou suas armas. Em 2005, o IRA declarou formalmente que não iria mais usar a violência para promover sua causa.

Em Maio de 2007, a Grã-Bretanha encerrou sua administração direta da Irlanda do Norte, e um novo arranjo de divisão de poder entre os líderes da Irlanda do Norte começou. Ian Paisley, líder veterano Protestante, foi empossado como primeiro ministro e Martin McGuinness como vice-primeiro-ministro do governo executivo da Irlanda do Norte.

Paisley liderou o partido dominante entre os Protestantes da Irlanda do Norte até a sua aposentadoria em Maio de 2008, quando foi sucedido por Peter Robinson. McGuinness é o vice-chefe do republicano e maioritariamente Católico partido Sinn Fein.

Esta cooperação muito aguardada é um sinal esperançoso de que a violência pode acabar e a paz possa prevalecer na Irlanda do Norte.

Governo

Os representantes eleitos da Irlanda do Norte representam a própria Assembleia e o Parlamento Britânico. Os governos locais consistem de 26 municipalidades locais. Os moradores de cada municipalidade elegem um conselho de governo, e cada conselho executivo escolhe um prefeito.

 

Locais Turísticos

Cidade de Derry

Em 546, São Columba fundou um mosteiro (como fez a Glencolmcille , Co. Donegal) perto do Boyne e nomeado “Dora”.

Em 1613, os britânicos decidiram fazer uma “plantação”*, que será chamado de Londonderry. Os irlandeses chamam de Derry. A cidade velha é cercada por muralhas (s construído no início do século XVII), muito bem preservada atingindo 9 m de espessura. Em 1689, eles resistiram ao cerco de Derry, que durou 105 dias. Protestantes sitiados pelas tropas do rei católico Jacques II, resistiu até a chegada do Inglês.

Após o Tratado Anglo-Irlandês de 1921, Derry era uma cidade da Irlanda do Norte, com uma maioria católica. Esta foi a causa de muitas doenças. É também os protestantes em Derry discriminèrent católicos da maneira mais flagrante. É a partir de 1968 que foram organizadas marchas pacíficas para os direitos dos católicos.

Foi neste momento (60-70), que foram os maiores problemas e levar para os trágicos acontecimentos de domingo 30 de janeiro, 1972: o domingo sangrento.

Naquele dia, o exército britânico dispararam sobre um equilíbrio demonstração Católica 14 mortos e muitos feridos. Este ato vai levar a um período de violência e retaliação, que durou até 1976 e do aperto do governo Inglês em decisões relativas à Irlanda º rd.

Mais de 3.000 pessoas morreram durante este período … A pesquisa realizada no momento da Bloody Sunday conclui a legitimidade das ações do Exército britânico. Este levantamento foi recentemente reaberto … O dever de memória, há um museu em Derry recontando eventos … Ele está localizado na rua principal da cidade velha, perto do “diamante” ….

Há câmeras e torres de vigilância ao redor da cidade, os portões da cidade antiga também estão equipados com estes dispositivos … monitoramento é implementado em várias celebrações que marcam a história de Derry ou Irlanda do Norte … Para o 30 º aniversário do Domingo Sangrento em janeiro de 2002 ea vinda do primeiro-ministro irlandês, havia uma segurança impressionante … Neste momento, as imagens são ilhas inut, elas estão gravadas na minha cabeça … atmosfera um tem precedência sobre tudo …

A cidade é cortada pelo rio Foyle e está assim dividida naturalmente em duas partes.

Para o oeste, um católico e irlandês: o Bogside (que foi proibido no exército britânico 1969-1972) e outro protestante e Inglês: Waterside.

Nessas duas áreas, os afrescos recordar a história e participação de cada um. Nós sentimos a atmosfera é um pouco complicado.

A Irlanda tem uma longa história, rica e variada.

Algumas referências:

cerca de 7000 aC. Os primeiros homens chegaram à Irlanda por uma vinculação calçada Irlanda para a Escócia.
De 4500 a 2500 aC Desenvolvimento da agricultura e construção. A maioria dos irlandeses data megálitos deste período (“Cairns” Newgrange, Knowth …).
2000-500 aC Idade do Bronze ea aparência de determinado cultura irlandesa (armas avançadas, fortes anel …).
Entre 500 e 100 aC Várias ondas de invasores celtas.
De 432 A era do cristianismo. Saint Patrick, manuscritos iluminados (Livro do Livro de Kells Durrow), o desenvolvimento de monástica (Glendalough, cruzes célticas …).
795 Invasão Viking primeiro. Fundada postos comerciais que se tornam verdadeiras cidades (Waterford, Wexford …).
1014 Batalha de Clontarf: Brian Boru derrota o Vikings.
XII a XVI Anglo período de Norman. Senhores feudais e rivalidades entre irlandeses e Norman Anglo.
XVII XVIII Rivalidade católicos / protestantes.
1800 O Ato de União: Irlanda torna-se “legalmente” Inglês.
1828 Daniel O’Connell fica Católica emancipação.
1844-1848 Fome: 1 milhão de mortos, 2,5 milhão de emigrantes.
1870 Criação da Home Rule Party (autonomia).
1905 Criação do Sinn Fein (Nós só).
1914 A autonomia ganhou quase suspenso pelo início da Primeira Guerra Mundial.
1916 Fracasso do levante pela independência da Irlanda.
1921 Tratado proclamar o Estado Livre Irlandês.
1922 Os termos do Tratado de não cumprir os irlandeses. Este é o início de uma guerra civil que durou um ano.
1949 Depois de um período de desordem, a República da Irlanda foi proclamada.
1973 Entrada da República da Irlanda, no CEE.
1990 Mary Robinson foi a primeira mulher eleita Presidente da República. Mary McAleese sucedê-lo em 1997.
1995 Legalização do divórcio na sequência de um referendo.
Março 2002 A lei sobre o aborto após o referendo não é passado.
2003 O primeiro presidente da Irlanda por parte da União Europeia
2004 Miss Mundo é irlandês
Jun 2004 O MEP primeiro de “Sinn Fein” eleito.
No início de 2005 O governo da Irlanda do Norte decide mudar as notas de moeda em circulação no Ulster. Para evitar que seus fundos de uso do IRA escondido.
Julho 2005 O braço armado do IRA declara o fim da luta armada contra o Reino Unido. Movimentos militares de norte irlandês (UFF) eles seguem?

Albergues

Belfast: a pousada Arca.

Isto é bem localizado: 2 passos da Universidade de Queen e 10-12 minutos do centro da cidade.

Ele é limpo e funcional. A pequena cozinha e dormitórios pequenos fazem atmosfera íntima da pousada.

Derry Independent Hostel: 44 Grande São Tiago, 028 71377989. A AJ muito bom no centro de Derry. Intimista e decorado com milhares de descobertas e gestores que levaram muitos objetos durante suas várias viagens Leste, Turquia, Síria … Acesso à internet (muito significativo, porque na medida em que AJ não é geralmente barato!). Confortáveis salas de TV. Churrascos são realizadas de abril a setembro de 3 €.

Dunluce Castle

É a maior praia na Irlanda: Benone Strand se estende 10 km e fronteiras uma torre Martello (construído durante as Guerras Napoleônicas). A costa liquidação se estende até Castelo Dunluce.

Esta fortaleza do século XVI era o reduto dos senhores MacDonnell de Antrim. Este castelo é o maior edifício de seu tipo a ser realizada na Irlanda do Norte. Durante uma tempestade, o penhasco desmoronou levando a cozinha …

Ao longo da costa são outros dois castelos menos bem conservados (e castelo Dunserevick Kinbane castelo).

Calçada dos Gigantes

Calçada dos Gigantes é o marco mais famoso da Irlanda do Norte.

Curiosidade geológica como 3 pia avançada no mar: pequeno, médio e gigante calçada.

Este conjunto de 37.000 colunas de basalto, a maioria hexagonais, semelhantes s células de uma colmeia (honeycomb) estendem-se desde a base das arribas até ao mar.

A história

Diz a lenda que o gigante Finn MacCool construída no chão tem que ser capaz de trazer sua namorada da ilha escocesa de Staffa. ele também queria se livrar do gigante escocês Benandonner. Mas quando viu o tamanho do gigante, ele preferiu usar o artifício.

Com a ajuda de sua esposa, Finn MacCool convidou Benandonner Irlanda e se disfarçou como um bebê. Quando o gigante escocês viu o tamanho do bebê, ele estava apavorado só de imaginar os ombros de seu pai. Benandonner fugiu Escócia e destruiu o piso para o pai do MacCool enorme não pode atravessar o mar para o desafio …

A formação do piso vir o arrefecimento brusco da lava, que promoveu a cristalização. O mesmo fenômeno é visível na Islândia (meu próximo destino).

As falésias estão perto do chão mostram uma intensa atividade geológica. Rocha avermelhada formada ao longo de um longo período de clima temperado. Seu bronzeado é devido a uma elevada concentração de ferro.

Old Bushmills Distillery

O princípio da destilação foi introduzido na Irlanda por volta do ano 1000 por monges vindos da Ásia. O irlandês começou a destilar. Destilação em County Antrim de volta ao século XIII. A destilaria localizada em Bushmills (Co. Antrim) é o mais antigo ainda em operação no mundo (1608).

Apesar dos alambiques de proibição e do estabelecimento de um sistema de licenciamento pelo Inglês no século XVII, apesar da queda na demanda durante a grande fome eo movimento de temperança, no século XIX, o uísque foi capaz de resistir e se torna agora uma mercadoria valorizada.

Belfast

Em Belfast (400 000 habitantes), as diferenças entre irlandeses católicos e protestantes ingleses são simbolizados pelo número de “murais” que pode ser visto na zona norte em torno de Shankill Road e Falls, mas também no oeste a cidade … Para o leste e oeste do rio Lagan estão as docas e estaleiros foram a potência econômica do século XVII Belfast. Este é o estaleiro de Belfast que o Titanic foi construído.

* Jacques primeiro percebeu que para restaurar a ordem que tinha que encontrar alguma coisa. Em seguida, ele criou as plantações programa expropriados a tensão irlandês. Suas terras foram dadas aos colonos ingleses e escoceses protestantes.Houve um número significativo destas plantações localizadas principalmente no norte da Irlanda.Estes foram defendidos por guarnições.

 

Língua: Dialeto irlandês (o galego) e o inglês

Preços: Seguem muito o padrão inglês – todas as grandes cadeias de lojas e supermercados que há na Inglaterra, há aqui também – e a política de preços não se modifica.

Clima: O mesmo descrito na Irlanda, com a diferença que chove mais durante o verão e o outono.

Belfast

Esta cidade era marcada pela confusão entre católico e protestantes e é o berço do I.R.A. (exército revolucionário irlandês). Não há motivos para alarme se você pensa visitá-la. Só lembre-se de poupar a sua visão política dos fatos e deixe as críticas guardados somente com você.

Evite tirar fotografia de lugares ou coisas pertencentes à força policial ou militar e por fim, vista a camisa de turista ( preferencialmente à do Brasil) e exponha a sua máquina fotográfica ou outra coisa que o identifique como apenas um inofensivo turista.

Quando alguém faz referência à Irlanda, logo surgem várias dúvidas, como, por exemplo:

Qual Irlanda? A do Norte ou a “outra”?

Existe uma “Irlanda do Sul”?

Qual é a ligação entre a Irlanda do Norte e a Inglaterra?

Qual delas é o Eire? Qual é o Ulster?

Por que existe um conflito entre católicos e protestantes?

Essas são apenas algumas das questões que pretendemos responder com este pequeno texto. Vamos começar apresentando algumas das características das “duas Irlandas”.

A ilha da Irlanda está localizada a oeste da Europa e é formada por 32 condados. A Irlanda (não existe uma “Irlanda do Sul”) é composta por 26 condados. Os outros seis formam a Irlanda do Norte.

Irlanda do Norte é uma província britânica, isto é, permanece vinculada ao Reino Unido, e localiza-se no nordeste da ilha da Irlanda. A sua área total é de cerca de 14 mil quilômetros quadrados (aproximadamente 1/6 da área total da ilha).

A “duas Irlandas” são também conhecidas por outros nomes: a Irlanda é o Eire, e a Irlanda do Norte é o Ulster, nome derivado da palavra celta Uilad, denominação de um povo que vivia na região desde o século I a.C.

CATÓLICOS E PROTESTANTES NA IRLANDA DO NORTE

A população total da Irlanda do Norte é de cerca de 1,6 milhão de habitantes. Assim como na Irlanda (aproximadamente 02% de católicos), a região do Ulster também era predominantemente católica, mas a população protestante se tornou majoritária com a migração de escoceses e ingleses a partir do século XVII.

Os católicos querem a reunificação com a Irlanda. Atualmente, 50,6% da população é composta por protestantes e 38,4% são católicos.

O SURGIMENTO DA INLANDA DO NORTE

No ano de 1801, a Irlanda foi anexada à Grã-Bretanha. Ao longo do século XIX e logo no início do século XX, desenvolveu-se um processo de resistência contra o domínio britânico. Nos primeiros anos do século XX, foi fundado o partido separatista Sinn Fein (“Nós mesmos”).

A partir de 1919, com a fundação do IRA (Exército Republicano Irlandês), o conflito se intensificou e se tornou mais violento. Dois anos depois, uma grande revolta separatista irrompeu em Dublin, capital da Irlanda.

Em 1922, o governo britânico e o Sinn Fein, “braço político do IRA”, assinaram um tratado que estabeleceu o Estado Livre da Irlanda, ligado à Coroa britânica, mas com um governo autônomo.

A região do Ulster (Irlanda do Norte) não foi incluída no tratado, porque, enquanto a maioria protestante defendia a unidade com a Grã-Bretanha, a minoria católica continuou a exigir a unificação do país. Em 1949, o Estado Livre da Irlanda rompeu os laços com o Reino Unido e proclamou a república.

A partir de 1922, a Irlanda do Norte, que permaneceu ligada ao Reino Unido, passou a ser governada por um Parlamento sediado em Belfast, sempre dominado pelos protestantes.

No final dos anos 60, o IRA deu início a ações terroristas na Irlanda do Norte e, posteriormente, no Reino Unido. Em 1969, o Exército britânico foi enviado para Belfast. Nessa mesma época, surgiram diversos grupos paramilitares protestantes.

O conflito entre católicos e protestantes assumiu proporções de uma guerra civil. Com a escalada da violência, o governo britânico assumiu a administração da Província em 1972. Desde então, houve várias tentativas de devolver a administração a um governo formado por protestantes e católicos. Todas fracassaram.

A DIFÍCIL BUSCA DA PAZ

Em 1993, os governos do Reino Unido e da Irlanda assinaram uma declaração conjunta, na qual foram lançadas as bases do atual processo de paz. Nessa mesma ocasião, Londres declarou que aceitaria a reunificação das “duas Irlandas” se a maioria da população quisesse e se o IRA abandonasse a luta armada contra a ocupação britânica na Irlanda do Norte.

Em 1994, o IRA e os unionistas declararam o cessar-fogo. Um ano depois, Londres suspendeu o isolamento político do Sinn Fein, que vigorou durante 23 anos, mas o partido rompeu as negociações porque foi exigido que o IRA entregasse as armas.

Em 1996, o IRA rompeu o cessar-fogo com um atentado em Londres; uma bomba explodiu no centro financeiro da cidade, matando duas pessoas e ferindo mais de cem. Nos meses de junho, julho e outubro desse mesmo ano, o IRA recrudesceu em suas ações, realizando violentos atentados à bomba.

Em junho, cerca de duzentas pessoas ficaram feridas em conseqüência da explosão de um carro-bomba em Manchester (norte da Inglaterra); em julho, um carro-bomba destruiu a fachada de um hotel na cidade de Enniskillen, a sudoeste da Irlanda do Norte, ferindo 40 pessoas; em outubro, militantes do IRA explodiram uma bomba contra o quartel-general das forças britânicas na Irlanda do Norte.

Em 1997, Gerry Adams e Martin McGuiness, líderes do Sinn Fein, foram eleitos para o Parlamento britânico. Entretanto, num gesto que simbolizou a luta pela reunificação com a República da Irlanda, recusaram-se a prestar juramento à rainha.

Nesse ano o fato que mais deu esperanças a todos aqueles que lutam pela paz foi o anúncio de um novo cessar-fogo feito pelo IRA.

O anúncio provocou algumas reações positivas: em setembro de 1997, o Sinn Fein foi aceito em negociações multipartidárias; no mês seguinte, Tony Blair se encontrou com Adams, na primeira reunião entre um premiê britânico e um líder republicano desde o início da década de 20.

Entretanto, houve um recuo no processo de paz em fevereiro de 1998. O Sinn Fein foi impedido de participar das negociações após o assassinato de dois protestantes.

Durante os meses de março e abril de 1998, Tony Blair recebeu Adams em sua residência oficial e, nesse período, um acordo de paz foi elaborado.

O ACORDO DE PAZ

A paz para o conflito entre protestantes e católicos na Irlanda do Norte sempre foi difícil porque os unionistas protestantes, maioria na Irlanda do Norte, querem que a região continue uma província do Reino Unido, enquanto que os nacionalistas católicos da Irlanda do Norte querem a reunificação com a República da Irlanda, um País de maioria católica.

Os principais “pontos” do acordo de paz são os seguintes:

A Irlanda do Norte continua sendo parte do Reino Unido, a não ser que a maior parte da população do País e da República da Irlanda opte pela unificação

Uma assembléia de 108 membros será eleita a cada cinco anos para discutir assuntos como o desenvolvimento econômico e a área de saúde

Um conselho ministerial atuará em áreas de interesse comum entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda

Um gabinete de 12 membros deve ser estabelecido para representar a comunidade irlandesa

Protestantes e católicos prometem um desarmamento em dois anos, a partir de junho de 1998.

A principal inovação proposta pelo acordo (“Acordo da Sexta-Feira Santa”) é a criação de uma assembléia de parlamentares para a Irlanda do Norte. Eleita pela população, a instituição dará para a região uma independência mínima do Reino Unido, como já têm hoje a Escócia e o País de Gales. O acordo também acaba com a reivindicação constitucional da República da Irlanda sobre a Irlanda do Norte.

Esses “pontos” foram levados à apreciação da população da Irlanda do Norte e da República da Irlanda através de um referendo. O “sim” venceu com uma ampla margem. Um dos momentos mais marcantes da campanha pelo “sim” foi o show da banda irlandesa Ash.

O evento juntou no mesmo palco o vocalista da banda U2, Bono Vox, e os líderes dos dois principais partidos unionistas rivais – John Hume, do Partido Social Democrata e Trabalhista, e David Trimble, do Partido Unionista do Ulster – que fizeram um apelo para aprovação do acordo de paz.

OS AVANÇOS E OS RECUOS DO PROCESSO DE PAZ

O acordo, de abril de 1998, tem como objetivo principal o restabelecimentos das bases para a devolução da autonomia política à Irlanda do Norte. Foram estabelecidos itens que deveriam ser cumpridos pelos partidos representantes de católicos e protestantes dentro de um cronograma previamente discutido.

Até julho de 1999, alguns dos “pontos” do acordo já haviam sido cumpridos, como, por exemplo, a libertação dos presos políticos, o início da colaboração entre os governos de Belfaste e Dublin e a criação de Parlamento e Executivo locais.

Entretanto, o principal item do “Acordo da Sexta-Feira”, o da deposição das armas pelo IRA até maio de 2000, gerou um impasse que ameaça o processo de paz. O Partido Unionista do Ulster, maior grupo político da Irlanda do Norte e representante dos interesses dos protestantes, afirmou que o Sinn Fein não poderia fazer parte do governo, caso não garantisse que o IRA deporia as armas dentro do prazo estabelecido.

O primeiro-ministro Tony Blair propôs que o IRA, através do Sinn Fein, elaborasse um calendário para a deposição de armas, iniciando-se em julho de 1999 e encerrando-se em maio do ano 2000.

Por outro lado, o IRA afirmou que não existem garantias de que os outros grupos paramilitares irão também realizar o desarmamento e ameaçou retomar a luta armada. O IRA também acusou o governo britânico de falta de vontade política para confrontar o veto dos unionistas, considerados, pelos membros do IRA, “delegados do poder imperial de Londres”.

Em setembro de 1999, foi realizada a primeira de uma série de reuniões para que se fizesse uma revisão completa do “Acordo de Sexta-Feira”, que enfrenta a sua maior crise desde sua assinatura, em abril de 1998.

De fato, o amplo arsenal do IRA é o motivo principal do impasse no atual processo de paz. A polícia da Irlanda do Norte acredita que o IRA possui hoje, quase três toneladas de explosivos plásticos e mais de mil metralhadoras. O arsenal do IRA também é composto de detonadores, lança-mísseis, lança-foguetes e pistolas.

Caso o IRA aceite a elaboração de um calendário para a deposição das armas, o Sinn Fein será aceito no governo do Ulster e o governo inglês autorizará a devolução da autonomia política para a região.

Mas, se o IRA não assumir o compromisso do desarmamento, o Sinn Fein não poderá ocupar suas duas vagas no novo gabinete e a violência poderá alcançar níveis nunca vistos na região.

Habitantes

 

Cerca da metade do 1,7 milhão de habitantes da Irlanda do Norte vive na região litorânea leste, cujo principal centro é a capital, Belfast.

A Irlanda do Norte está a apenas 21 km distante da Escócia, entre os pontos geográficos mais próximos, e tem 488 km de fronteira com a República da Irlanda.

Segundo dados do final dos anos 90, 54% da população se dizia protestante, enquanto que 42% eram católicos.

A maior parte dos protestantes é descendente de colonizadores escoceses ou ingleses, que migraram para as partes norte e leste da Irlanda; eles são britânicos por sua origem cultural e estão comprometidos, por tradição, a permanecer parte integrante do Reino Unido.

A população católica é, em sua maior parte irlandesa por fatores culturais e históricos e a maioria deste grupo está a favor da unificação com a República da Irlanda. A Irlanda do Norte tem uma população mais jovem e proporcionalmente mais crianças e menor número de pensionistas que em qualquer outra região do Reino Unido.

Governo

Sob um sistema de administração direta, o Parlamento Britânico aprova todas as leis que vigoram na Irlanda do Norte. As instituições governamentais da Irlanda do Norte são controladas pelo Secretário de Estado para Irlanda do Norte (cargo equivalente ao de Ministro de Estado) e sua equipe.

18 MPs (Membros do Parlamento) são eleitos para a Câmara dos Comuns britânica. Nas eleições gerais mais recentes, realizadas em junho de 2001, o Partido Unionista Ulster (UUP) conquistou 6 cadeiras, o Partido Trabalhista e Social Democrático (SD&LP) 3, o Socialista-Republicano SinnFein 4 (os membros eleitos do SinnFein não assumiram suas cadeiras) e o Unionista Democrata (DUP) 5.

O Partido da Aliança, oferecendo uma alternativa aos unionistas e nacionalistas, recebeu 8% dos votos, mas não conseguiu eleger representantes. A Irlanda do Norte elege três dos 87 membros britânicos do Parlamento Europeu.

Já há alguns anos, os governos britânico e irlandês têm desempenhado trabalhos conjuntos no intuito de restabelecer a paz na Irlanda do Norte, fazendo novas concessões políticas que possam ser aceitas por ambas as comunidades da Província.

No dia 10 de abril de 1998, conversações multipartidárias resultaram na assinatura do Acordo da Sexta-feira de Páscoa. No dia 22 de maio, eleições foram realizadas em ambas as partes da Irlanda, credenciando o Acordo.

Os principais itens do Acordo são: com relação às questões constitucionais, os governos britânico e irlandês chegaram a um acordo formal sobre seus pontos de divergência por meio da aceitação do princípio do consentimento, o qual reconhece que a Irlanda do Norte é parte integrante do Reino Unido e deverá permanecer nesta situação enquanto a maioria da população residente assim desejar; também afirma que, se a população da Irlanda do Norte vier a consentir formalmente com a unificação, o governo britânico elaborará propostas, mediante consultas com a República da Irlanda, com o intuito de tornar este desejo realidade.

Uma nova Assembléia democraticamente eleita, constituída de 108 membros, deverá ser formada e terá plenos poderes legislativos e executivos atualmente desempenhados pelas seis instituições governamentais da Irlanda do Norte.

Estabelecer-se-á um Conselho Ministerial Norte/Sul que reunirá os órgãos executivos da Irlanda do Norte e da República da Irlanda para discutir assuntos de interesse mútuo. Um Conselho Britânico-Irlandês deverá ser estabelecido para aproximar os dois governos. Um novo Acordo Britânico-Irlandês deverá ser firmado para substituir o Acordo de 1985 de mesmo nome, especificando os novos entendimentos compartilhados sobre as questões constitucionais.

Eleições para a nova Assembléia foram realizadas em 25 de junho de 1998.

A distribuição de votos por partido foi: 28 representantes eleitos pelo UUP, 24 pelo SDLP, 20 pelo DUP, 18 pelo SinnFein, 6 pelo Aliança, 5 pelo Unionista do Reino Unido e 7 representantes eleitos pelos demais partidos. A Assembléia teve sua primeira sessão realizada em julho de 1998.

Deste então, os partidos têm discutido meios para implementação do Acordo da Sexta-feira de Páscoa e para a devolução de poderes para a administração da Irlanda do Norte.

No dia 2 de julho de 1999, os governos britânico e irlandês assinaram uma declaração conjunta, denominada “TheWay Forward”, elaborado para orientar a criação de um poder executivo e o desarmamento da região até o maio de 2000.

Entretanto, em fevereiro de 2000 o Secretário de Estado para a Irlanda do Norte suspendeu a operação de devolução dos poderes devido a falta de progressos significativos no desarmamento de armas ilegais – uma condição necessária para cumprir o Acordo de Sexta-feira de Páscoa até 2001.

Após uma série de conversações, decidiu-se restabelecer os poderes devolvidos à Assembléia e ao Poder Executivo da Irlanda do Norte em maio de 2000.

 

A HISTÓRIA DO CONFLITO NA IRLANDA DO NORTE ATUAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS

INTRODUÇÃO

Sociedade irlandesa é marcado por uma divisão histórica religiosa. Ulster encontrado desde 10 de abril de 1998 a sua autonomia e igualitarismo digna de um país defender os direitos humanos. Mas para chegar lá, a marcha foi longa.

Nesta região de 1,57 milhões de pessoas, 54% protestantes e 42% católicos, a guerra civil durou muitas décadas. Além do fato de que os objetivos da guerra da independência, é principalmente uma batalha de rétablissemznt cahtoliques de seus direitos civis. Esta luta tem sido ao longo dos últimos trinta anos, 3.168 mortos e 32.500 feridos.

Para explicar as razões para essa oposição entre católicos e protestantes, que deveria primeiro vez que olhamos para a história do conflito comunal. Vamos ver em uma segunda vez que o acordo histórico de 10 de Abril de 1998, com a perspectiva de paz na Irlanda do Norte, no longo prazo. Finalmente, vamos examinar o papel que a Comunidade Europeia tem um conflito.

I – A história de um conflito comum

1.1. Supremacia protestante data do Batalha de Boyne

A partir do século XVI, a Irlanda perdeu gradualmente a sua independência e tornou-se uma possessão britânica. Luta na cabeça do reino entre Jacques II (católico) e Guilherme de Orange (protestante) da Holanda e na graça de anglicanos ingleses desde que o rei Henrique VIII.

Chegada ao trono do último, em 1688, forçando Jacques II a fugir para a França. Ele voltou para a Irlanda março 1689 para lutar com seu exército de quase 10 mil Inglês enviado pelo Guillaume. Os dois exércitos convergir para o vale do Boyne em 1 de Julho de 1690. Evitando a derrota pouco, Jacques II deve novamente fugir para o exílio, deixando os restos de seu exército. Esta batalha histórica elimina definitivamente o trono.

Posteriormente, o Parlamento irlandês aprovou uma série de leis para oprimir e privar os católicos de todo o poder: proibição de porte de armas, aquisição ou herança de terras, enviando seus filhos para a continente para dar-lhes uma educação católica.

Durante a segunda metade do século XVIII, as classes proprietárias e os comerciantes, cuja prosperidade foi hábitos de crescimento são mais caros, enquanto que a maioria dos católicos se torna mais pobre.

1.2. A rebelião de Tom Wolfe

A queda da monarquia na França depois de 1789, excita a imaginação de protestantes e católicos irlandeses que acreditam em formas mais democráticas de governo. O líder desta oposição crescente é um jovem advogado, Theobald Wolfe Tone, que quer deixar cair as barreiras religiosas e políticas que se interpõem no caminho de o caminho para uma verdadeira Irlanda unida. É a inspiração de um movimento de massas que foi chamada Sociedade da United irlandeses.

Em 1793, uma lei importante foi aprovada em favor dos católicos. Dá-lhes o direito de voto na mesma base como protestantes e perceber elegíveis para todas as outras funções que não as funções supremos do país.

Esta concessão empurra Tom Wolfe para exigir reformas mais profundas. Seu movimento é mais revolucionário como católicos, desespero de ver impor reformas constitucionais, juntar suas fileiras.

Em 1795, várias escaramuças entre bandos armados de agricultores católicos e protestantes no sul do Ulster, representam uma grave ameaça aos projetos Wolfe Tone esperava que a cooperação entre os dois grupos. Destes confrontos nasceu Orangemen Corporation, uma organização paramilitar empenhada em preservar a supremacia protestante.

Depois de uma onda de repressão que culminou coincide com a prisão de vários membros proeminentes da Irlandeses Unidos em Dublin Tom Wolfe e encorajar seus partidários a iniciar uma rebelião em 1798.

Esta não é uma luta religiosa, mas uma luta, a fim de estabelecer uma nova ordem política e socila. As forças do governo ajudados pelo Orangemen, esmagar a revolta com ferocidade. Um esquadrão britânico Tom Wolfe intercepta e 3000 soldados franceses que voltaram para a Irlanda. Condenado à morte, Wolfe Tone cometeu suicídio na prisão.

1.3. O Ato de União

Em 1 de janeiro de 1801, o Ato de União entrou em vigor e tornou-Bretanha e Irlanda um único estado, o Reino Unido, Irlanda, dando uma representação de 100 membros para o Parlamento Imperial.

O Ato de União ia ser o político, econômico, social e religioso da Irlanda no coração da política britânica e os problemas irlandeses como os membros irlandeses do Parlamento, ajudou a derrubar muitos departamentos todos Ao longo do século XIX.

O sindicato, no entanto, não traz paz.

Além dessas lutas políticas, os irlandeses terão de enfrentar a grande fome entre 1845 e 1848. No total, mais de 750.000 homens, mulheres e crianças irlandesas sucumbem aos efeitos da fome e mais de um milhão de emigrados.

Em 1868, o primeiro-ministro William Ewart Gladstone, recém-chegado ao poder, começou uma “missão de pacificar a Irlanda” voto pela desestabilização da Igreja da Irlanda (anglicana) em 1869.

1.4. Home Rule

Até o início do século XX, o governo britânico levou a Irlanda na mente autoritária, às vezes, às vezes conciliatória, na esperança de desviar a Home Rule aborígene. Esta expressão popularizada por Isaac Butt, um advogado de Dublin eleito para o Parlamento britânico em 1871 para assumir a cabeça da “Liga Home Rule”, você poderia ouvir um Parlamento Federal e um executivo separado para a Irlanda subordinado ao Parlamento, em Londres. Bunda era um nacionalista moderado e constitucional, cujo partido ganhou mais de 50 assentos em Westminster em 1874.

1.5. Um novo século marcou o renascimento do nacionalismo

Como a probabilidade de o Home Rule parecia desaparecer, muitos jovens revolucionários irlandeses aderiram a organizações que adoravam Tom Wolfe.

Os mais importantes foram:

O Sinn Fein, fundada por Arthur Griffith, em 1905, para promover o “Irish Irlanda” unida e livre da exploração econômica pelos britânicos.

Republicano Irlandês PARTIDO SOCIALISTA (Republicano Irlandês Partido Socialista), liderada por James Connolly, que era tanto socialista e separatista.

A Irmandade Republicana Irlandesa (Irish Republican Brotherhood).

A partir de 1910 e depois de duas eleições gerais, o Ministério Asquith (liberal) percebe que ele precisa do apoio do partido irlandês John juntou Redmond. Ele apresenta ao Parlamento de Westminster, depois de longas discussões, um projeto de lei sobre Home Rule.

Durante este período, os voluntários Ulster (protestantes) começou a armar-se. Em 1913, uma série de conflitos laborais em Dublin está causando confrontos violentos entre a polícia e grevistas e incentivar Connolly e seu vice, James Larkyn para fundar o Exército Cidadão irlandês para proteger os trabalhadores contra cassetetes.

Para responder ao movimento dos Voluntários do Ulster, os nacionalistas formaram os voluntários irlandeses.

Este é o terceiro projeto de lei sobre Home Rule, que foi aprovada em 1914. No entanto, o Ministério Asquith difere aplicação até o fim da Primeira Guerra Mundial. Exército e desafiador, o protestante do Ulster goza de uma política de descanso.

Mas seus líderes, Sir Edward Carson e James Craig, já agora transformado o Unionista do Ulster governo Conselho provisório pronto para funcionar assim que o Home Rule entrar em vigor.

Desvio de energias para o benefício do esforço de guerra britânico apressar o desfecho da revolução irlandesa. Os voluntários irlandeses, não de conteúdo para comemorar as vitórias alemãs, acelerar a sua campanha contra o recrutamento. Um de seus líderes, Sir Roger Casement foi para a Alemanha a fim de buscar ajuda militar.

1.6. The Rising Páscoa eo triunfo do Sinn Fein

Medo de recrutamento e fervor para a causa de uma rebelião que purificar a nação empurrando Pearse sangue, Connolly e Casement e insurreição nacionalista outro preparar para a Primavera de 1916.

O IRB tinha tão infiltrada os voluntários irlandeses de Eoin MacNeill como um dos líderes dos Voluntários Irlandeses, ouvir sobre o levante na data antiga. Ele promulgada em encomendas vão cancelar manobras Voluntários decretadas por Pearse na Páscoa domingo, 23 de abril, 1916.

Depois de uma batalha feroz, os rebeldes proclamaram a República da Irlanda feira de Páscoa. Ocupando vários cargos estratégicos na capital, eles estão à beira de tomar o castelo de Dublin. Durante cinco dias, até 29 de abril, quando Pearse deu a ordem para se render, os Voluntários e do Exército Cidadão resistir numericamente superiores forças britânicas.

A revolta é principalmente o trabalho do proletariado e da pequena burguesia, liderado por uma elite intelectual. Ele também marca o fim de uma era de problemas agrários e agitação constitucional por parte da burguesia católica, apoiado pela hierarquia irlandesa.

No local, o público é primeiro horrorizado com esta rebelião, mas precipitando o julgamento ea execução de Pearse e 14 outros líderes, as autoridades britânicas alienar muitos nacionalistas moderados.

Centenas de insurgentes foram deportados na Inglaterra e no País de Gales. Casement, julgado por traição, foi enforcado e milhares de recrutas estão secretamente ingressar nas fileiras do Sinn Fein.

Eleição de 1918, o Sinn Fein obteve uma vitória retumbante. 73 de seus candidatos são eleitos. Eles se recusam a ir sentar-se no Parlamento de Westminster.

Eamon De Valera, recém-eleito presidente do governo provisório, escapou da prisão em abril de 1919 e conseguiu vencer o América para buscar o apoio de emigrantes irlandeses.

1.7. Uma guerra Anglo-Irish levando à criação da República da Irlanda

O armistício, que em novembro de 1918, pôs fim à Primeira Guerra Mundial, não traz a paz na Irlanda.

Quando os britânicos tentaram abolir o governo provisório, a luta armada irrompeu entre o Exército Republicano Irlandês (IRA, braço militar do Sinn Fein) e da Royal Irish Constabulary (polícia oficial do governo, reforçado pela exército regular e algumas unidades auxiliares. dos dois lados, brutal guerrilha marca represálias em que a distinção entre os mortos no calor da batalha e assassinato a sangue frio não leva muito tempo para apagar

Por seu lado, Michael Collins, membro do Sinn Fein, realiza uma campanha de terror contra os inimigos de seu partido. As atrocidades cometidas entre 1919 e 1921 opinião émeuvent público, tanto na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos e não há pressão sobre o Ministério da Lloyd George para pôr fim às hostilidades.

Conversações oficiais entre o Sinn Fein e membros do governo em Londres a partir de julho de 1921. Depois de cinco meses de árduas negociações, 6 de dezembro de 1921, Griffith e Collins, os dois principais representantes do Sinn Fein, aceite os termos do Tratado que institui a Downing Street Irish Free State, modelado no Domínio do Canadá e pagar lealdade à coroa britânica. Os seis condados da Irlanda do Norte são temporariamente excluídos do tratado, ratificado pelo Parlamento irlandês 06 de janeiro de 1922.

Apesar disso, os membros do Sinn Fein são divididos: os moderados estão satisfeitos com a situação de 1921 e concorda em permanecer no partido extremista britânica Commonwealth de Eamon De Valera permanecem intransigentes e continuar a lutar por uma república independente da Irlanda.

Sua agitação fins terroristas maio 1923. Mas, nove anos depois, De Valera chegou ao poder, o partido que fundou recentemente, o Fianna Fáil, de ganhar uma maioria parlamentar.

Ele diz que a Irlanda, “Eire” é um parceiro soberano e independente, em relação a sua política externa com os países do Império Britânico, declaração unilateral de que a Grã-Bretanha não vai aceitar nem repelir formalmente.

O fato de que Constituion De Valera voto 01 de julho de 1937 estabelece três ramos:

O Parlamento, composto por uma Câmara dos Deputados, o Dail (147 membros eleitos por sufrágio universal) e um Senado (60 membros, representando os interesses profissionais).

O presidente do Estado é eleito por sufrágio universal

O Primeiro-Ministro, chefe de governo é nomeado pelo Presidente sobre a proposta do Dail.

Chefe de governo sem interrupção desde 1932, De Valera permanece no poder até 1948. Durante a Segunda Guerra Mundial de 1939-1945, ele se abstém da Irlanda para se juntar ao esforço de guerra da Grã-Bretanha e seus domínios e se aplica a manter estrita neutralidade em Eire.

Em 2 de dezembro de 1948, o Dail aprova lei abolindo relações com a Coroa Britânica e da República foi oficialmente proclamada em 17 de abril de 1949.

1.8. Um conflito esbarrado na guerra urbana

Os anos 60 marcaram um curso e fazer a diferença. Com efeito, durante esses anos, o mundo parece saber alguma “revolucionário” social (eventos nos Estados Unidos, com Martin Luther King, trabalhador e protestos estudantis na França). Esses movimentos irão facilitar a conscientização para a discriminação social e política enfrentada pelos católicos na Irlanda do Norte.

A partir de outubro de 1968, os católicos irão substituir governo proibições e organizar protestos contra as injustiças cometidas pelo Estado contra eles. Isso levou a confrontos entre manifestantes e muitos policiais.

Com o passar dos meses, o IRA, que foi formalmente dissolvida em 1962, foi reorganizada e tornou-se progressivamente como uma católicos força popular. É a partir dos anos 70 que o IRA é verdadeiramente operacional e iniciou sua luta armada na Irlanda do Norte e Inglaterra.

Legalistas (protestantes na Irlanda do Norte) decidiu organizar manifestações contra-depois de outubro de 68. O confronto se torna a regra e emboscadas armadas estão se tornando mais freqüentes.

Diante da incapacidade das autoridades para restaurar a ordem, Londres é, em agosto de 1969, a decisão de enviar o exército britânico na Irlanda do Norte. Inicialmente sua missão é proteger os ataques das minorias católicas protestantes. Mas a rápida escalada da violência retornará o exército republicano contra os católicos.

Em 1971 é criado o internamento. Esta lei permite encarcerar supostos membros do IRA, sem julgamento.

Irlanda do Norte
Alguns dos cartazes mais famosos do IRA

Em 1972, Derry, 13 manifestantes foram mortos a tiros por soldados britânicos enquanto eles estavam participando de uma marcha proibida pelos direitos civis. Este dia é chamado de “Bloody Sunday” ou Bloody Sunday. A opinião pública é forte e violento anti-britânica varreu o país. Foi durante este período que o IRA retomou sua campanha de atentados na Grã-Bretanha.

Este último, assim como a República da Irlanda eo Ulster partidos moderados vai buscar soluções para o conflito. Isto leva ao acordo Sunningdale (1973) e com o Acordo Hillsborough (1985). Infelizmente, os esforços de paz falhar, condenado por facções extremistas unionistas e nacionalistas.

Na verdade, os unionistas excluir a partilha do poder e do olho direito, enquanto nacionalistas irlandeses recusam manter a pontuação. Em 1986, o Sinn Fein põe fim à sua política de paz e abstencionista procura repor a política de circuitos normais.

Irlanda do Norte
Gerry Adams, líder do Sinn Fein

De 1993 a 1996, cessar-fogo, tanto do lado do IRA que o lado protestante, estão no local e realizar discussões. Depois de retomar a luta armada, em 1996, o IRA restaurado uma trégua enquanto os paramilitares protestantes afirmam ter renunciado à violência.

Um acordo é assinado 10 de abril de 1998, pondo fim a quase 30 anos de luta.

II – A HISTÓRIA DE COMPROMISSO 10 de abril de 1998

2.1. O acordo de “sexta-feira”

Este acordo é um marco na evolução da situação na Irlanda do Norte e em diversas áreas:

Os principais partidos em conflito concordam agora levar sua luta pacífica e através de instituições democráticas.

A Irlanda do Norte encontrou meios de se governar a si mesmo por meio de instituições reformadas para garantir o tratamento justo para ambas as comunidades.

As autoridades irlandesas na Irlanda do Norte e tem um fórum de consulta e desenvolver políticas comuns.

Os governos de Dublin e Londres accepent, portanto, para coordenar suas políticas para a Irlanda do Norte.

No geral, o acordo representa um compromisso: o abandono da luta armada pelos nacionalistas, em troca de uma maior integração entre as duas partes da ilha pelos legalistas.

O acordo de paz foi encontrado um apoio significativo das pessoas que recebeu apoio em referendo em ambas as partes da ilha lous de 71% dos eleitores na Irlanda do Norte (94% Dem. Irlanda).

2.2. As principais instituições nascidas deste acordo

ASSEMBLEIA: Irlanda do Norte Assembleia tem 108 assentos, cujos membros são eleitos por representação proporcional. A Assembleia ea competência Executivo em seis áreas: agricultura, educação, meio ambiente, desenvolvimento econômico, segurança saúde, finanças e social. Outras áreas, como a justiça ea polícia, pode ser delegada por Londres depois. A montagem e seu executivo são governados por muitas regras para garantir a participação dos partidos que representam as duas principais opções (Católica / Nacionalista e protestantes / Legalista) e para evitar que as decisões importantes podem ser tomadas sem a aprovação dos representantes de duas tendências.

NORTE SUL MINISTERIAL DO CONSELHO: ele une as autoridades da Irlanda do Norte ea República da Irlanda, com o objetivo de promover a consulta, cooperação e ação conjunta sobre questões de interesse mútuo dentro de suas áreas de competência.

Conferência Governamental britânico-irlandês: este mecanismo consultivo composto por representantes dos governos do Reino Unido e da República da Irlanda para promover a cooperação bilateral entre os dois governos, incluindo questões de segurança relativas à Irlanda North. As autoridades da Irlanda do Norte pode ser consultado ou convidado a participar nas reuniões da Conferência.

2.3. Passos leais e do bombardeio de Omagh

O acordo de paz de Abril de 98 acaba de ter seu primeiro fruto com as eleições para a Assembléia da Irlanda do Norte, é testado por uma série de incidentes violentos. Há, antes de tudo, no início de julho, dispara uma dúzia de igrejas Católica (atribuído à milícia LVF) e alguns lugares de culto protestantes, então o confronto andando leal Drumcree e, finalmente, ataca um grupo dissidente do IRA. No entanto, as ações de nacionalistas radicais e legalistas não descarrilar o processo de paz.

O desafio colocado pela leais marchas organizadas principalmente pela Ordem de Orange era previsível. O número de etapas, muitas vezes chega a mais de 3000 por ano, sendo a grande maioria marchas leais.

Alguns deles são particularmente contreversées porque coincide com a comemoração dos protestantes militares vitórias mais católicos do século 17 e passou para áreas católicas para o desespero dos moradores que o vêem como uma forma de violência ou opressão simbólico.

Para evitar tensões e tumultos em torno desses passos, o governo britânico criou uma comissão março 1997 desfiles (Comissão Desfiles), que começou a operar em 1998. Ela foi capaz de reduzir o risco de confronto para os legalistas várias etapas.

No entanto, apesar das determinações da comissão e os esforços de mediação do David Trimble (representando o ramo protestante), ele mesmo um membro da Ordem de Orange, Orange tentou no início de julho de 1998 para forçar a sua marcha de Drumcree igreja do outro lado da rua de uma Portadown maioria católica, berço da ordem protestante.

Desafiando as autoridades pensou em repetir seus feitos de 1996 e 1997, quando seus membros marcharam nesta área sob a proteção de policiais e militares reprimiram os protestos contra-nacionalistas. Mas este ano, as forças de segurança encontraram Orangemen pronto para bloqueá-los em seu caminho.

O assento situtation que resultou rapidamente degenerou em violência em toda a província e que culminou com a morte de três irmãos Quinn, três crianças católicas mortos no incêndio de sua casa localizada em um predominantemente protestante.

A Ordem de Orange era bonita dissociar-se da violência e da morte de três jovens católicos, o desafio da campanha de acordos de paz encontrados em contaminado.

Lado nacionalista, Outono de 1997 viu a criação da “Real IRA”, composta de dissidentes que se opõem à estratégia de paz do Sinn Fein e do cessar-fogo do IRA (Medida Provisória). O grupo tem entre 70 e 175 membros, incluindo um núcleo de 30 veteranos com experiência de bomba do IRA.

Seu líder, Michael McKevitt, é o antigo mordomo do arsenal do IRA. O RIRA é suspeito de ter cometido os ataques terroristas 9 (antes de agosto de Omagh 15, 1998) em um piégiée argamassa ou de carro.

Os membros do grupo já visitou Trípoli, na primavera de 98 a avaliar a possibilidade de abrigo ou apoio das autoridades líbias, que contribuíram no passado para armar o IRA. Enquanto o Real IRA conduz a política pior, parece que a magnitude do bombardeamento Omagh (28 mortos e 220 feridos) não foi pretendido ou desejado.

Pela primeira vez, o Sinn Fein tem condenou o ataque pelos nacionalistas. Após o massacre, o IRA Real como outra facção radical, o Exército de Libertação Nacional Irlandês declarou um cessar-fogo.

2.4. Desarmamento e da libertação de prisioneiros, dois temas espinhosos

As negociações de paz têm feito grandes avanços com este acordo. Apesar disso, o desarmamento de grupos paramilitares ainda não está realmente começou.

O IRA, o maior desses grupos, se recusa a desarmar, porque ela disse que o acordo de paz não é suficiente para estabelecer os fundamentos de uma solução duradoura para o conflito. Essa visão também é expressa pela visão do Sinn Fein que o desarmamento do IRA dependem desmilitarização da Irlanda do Norte (retirada das tropas britânicas) e reforma da polícia na Irlanda do Norte.

Milícias leais são para sua parte da recusa do IRA de adiar a proibição de armas.

O acordo de paz de Abril de 98 também criou uma comissão para examinar a rápida libertação de prisioneiros paramilitares detidos na Irlanda e na Grã-Bretanha. Apenas os presos ligados a grupos que mantêm um cessar-fogo total e inequívoco são elegíveis para a liberação dentro de 2 anos.

Apesar da relutância dos partidos protestantes que tentam vincular desarmamento para a rápida libertação de prisioneiros (ver a existência do arsenal do IRA), as autoridades irlandesas e britânicas decidiram avançar . É graças a isso que mais de 200 prisioneiros do IRA (provisória), a UDA / UFF e da UVF foram liberados logo após a implementação do acordo.

2.5. Paz no papel para uma paz real

O acordo de paz, um referendo sobre o acordo e as eleições para a Assembleia da Irlanda do Norte mostram a determinação da maioria da população da Irlanda do Norte para estabelecer a paz real. No entanto, o caminho ainda é longo antes de estabelecer uma paz estável e duradoura.

No curto prazo, não está claro que as novas instituições funcionam corretamente porque o fosso ainda existente entre o puro nacionalista Sinn Fein e os sindicalistas de todos os matizes.

No médio e longo prazo, ainda há muito a ser feito para mudar as atitudes e as instituições criadas por décadas de conflito comunal. Sob o acordo de paz, a polícia (Royal Ulster Constabulary) e do sistema de justiça na Irlanda do Norte foram reformadas para refletir melhor a composição da população do Norte de irlandiase e cumprir um ideal de tratamento justo e imparcial populações. O problema está na dificuldade de desarmar o IRA.

III – IRLANDA DO NORTE FRENTE DA COMUNIDADE EUROPEIA

O novo contexto internacional do início dos anos 90 que é tanto désintégrtion da URSS e da Iugoslávia (que abriu perspectivas de mudanças de fronteira) e os progressos na criação da União Europeia, são pendia a esperança de que uma solução para a situação da Irlanda do Norte poderia ser encontrado.

3.1. A atitude dos partidos nacionalistas contra a Europa de Maastricht

Os católicos representam pouco menos de 40% do eleitorado da Irlanda do Norte.

Eles são divididos em três principais partidos políticos:

A maioria apoia o “Partido Social Democrata e do trabalho” (SDLP), um partido considerado geralmente como a voz de um nacionalismo constitucional, pois promove a idéia de uma Irlanda unida através de um consenso democrático.

Entre um quarto e um terço do eleitorado apoia o católico Sinn Fein, a ala política do Exército Irlandês Provisório (IRA).

10% concordaram com o Partido da Aliança, moderado e não-sectária, que, ao contrário dos outros dois partidos que apoiam a união com a Grã-Bretanha.

O SDLP suporta, assim como o Partido da Aliança, a integração europeia. No entanto, o Sinn Fein é hostil. O partido é o mais forte SDLP Europeia que vê uma solução na Irlanda do Norte através da Commuanuté Europeia.

À primeira vista, parece difícil de aceitar do partido nacionalista irlandês de integração europeia, dada a ênfase que traditonnellement nacionalistas irlandeses sobre o ideal de uma Irlanda plenamente soberano e independente.

Também considerada uma perspectiva histórica, a atitude atual do SDLP e inspiração constitucionalista outro nacionalista partes para essa integração representa uma mudança significativa na postion.

No entanto, todos os católicos não são pró-européenns. Para o Sinn Fein, a integração europeia é um obstáculo para a realização de uma Irlanda soberano e independente, sua política apliquant tradicional de neutralidade.

3.2. Europa: uma velha esperança para os católicos na Irlanda do Norte

Em geral, a classe política na Irlanda do Sul da Europa muito mais considerado como um fator na redução da dependência da Irlanda em relação ao Bratagne Grande como uma solução para Divisão do país. Os sindicalistas liberais na Irlanda do Norte esperava em início dos anos 70 que a adesão à Comunidade Europeia (1973) causam uma rápida modernização da economia na Irlanda do Norte.

Apesar de profundas diferenças políticas que separam um unionista nacionalista constitucional liberal, existe um acordo entre as correntes de influência que a Comunidade Europeia sobre a questão irlandesa, e mais especificamente uma crença de que a adesão à Comunidade aproximar as duas partes da Irlanda.

Em fevereiro de 1983, o Parlamento Europeu decidiu que uma investigação deve ser realizada pela política Commissioon de negócios sobre os problemas econômicos e políticos da Irlanda do Norte. Esta decisão perturba no momento que o governo britânico, que denunciou a investigação como uma ingerência nos assuntos internos do Reino Unido.

3.3. Quando a Europa vem

O Haagerup relatório, o nome de seu relator, é um documento equilibrado, tanto na sua análise do conflito nas propostas conservadoras que faz. No entanto, alguns aspectos do relatório são profundamente sentida pelos unionistas.

Não só a Irlanda do Norte é chamado de “bizarrices constitucional”, mas o relatório recomenda a criação politicamente, legalmente ou não co-responsabilidades anglo-irlandês em áreas específicas. O relatório é discutido no Parlamento Europeu, em Março de 1984. Uma resolução que aprova as conclusões e recomendações foi aprovada por 124 votos contra e 63 abstenções 3.

Posteriormente, a Irlanda do Norte receberá fundos europeus. Esta situação reforça a posição do politicamente nationalsieme constitucional. De fato, durante os anos 80, torna-se claro que o Parlamento Europeu é um fórum ideal para promover os interesses do nacionalismo constitucional.

Há concordância entre o ideal de uma Irlanda unida através de meios pacíficos e mais amplo, eliminação das fronteiras e divisões na Europa.

3.4. Europa como uma solução?

A marca de 90, como vimos anteriormente, o início de discussões sérias. O SDLP propõe que a Irlanda do Norte é governada por um comitê executivo, modelados sem a cópia para ser a Comissão Europeia. Ele também propõe a criação de um parlamento modelado no Parlamento Europeu.

Outros partidos políticos da Irlanda do Norte a adotar uma atitude negativa em relação ao plano do SDLP. Segundo algumas fontes, o governo britânico também foi desfavorável a estas propostas. O problema está nos olhos de toda a instituição fundamental da Comunidade Europeia e do Conselho de Ministros que não há equivalente real deste organismo no plano.

Por outro lado, a base para discussões na Irlanda do Norte sobre a influência potencial da dimensão europeia, havia a suposição de que os desenvolvimentos na Europa rogneraient o poder do Estado-nação como um módulo de soberania territorial. Sinn Fein nesta área tem um lugar especial.

Seu documento de política, publicado em 1992, contém apenas uma breve referência à dimensão europeia da Irlanda do Norte. Ele prefere se concentrar na Alemanha réunificaiton, observando que a separação da Irlanda era “tão irregular na jurisprudência internacional.”

No total, o impacto da dimensão europeia tem muitas variáveis inter-relacionadas, seria absurdo prever a sua influência sobre o curso futuro do conflito na Irlanda do Norte.

Duas coisas são certas: primeiro, a maioria dos católicos na Irlanda do Norte vê agora que a Europa tem um papel significativo a desempenhar na resolução do conflito, por outro lado, a evolução da integração europeia têm beneficiado o SDLP, pró-europeu, e consolidou a sua influência na comunidade católica.

CONCLUSÃO

Em última análise, pelos acordos finais poderiam acreditar que um fim ao conflito na Irlanda do Norte. A questão é complicada e requer uma resposta medida devido a eventos recentes.

Em primeiro lugar, é difícil de apagar décadas de luta, conflito ou ódio amargo. A sua duração, o conflito é transmitido de geração em geração. O futuro está nas mãos hoje não dos irlandeses, mas seus filhos e talvez netos.

Por outro lado, cada um dos lados acusa o outro de qualquer nova crise política e manter as suas posições. Desconfiança e divisões também são visíveis dentro de cada clã, extremistas criticando as concessões feitas pelos moderados.

A situação política na província britânica permanece sempre complicado. No entanto, podemos ser otimistas sobre o futuro, tendo em conta a evolução do relacionamento entre as partes desde os 70 anos que melhoraram de forma constante. Paz na Irlanda do Norte é viável no curto prazo, embora permaneça para construir.

Fonte:Internet Nations/boldeire.free.fr/www.geocities.com/www.britishembassy.gov.uk/ membres.multimania.fr

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+