Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Padre José de Anchieta  Voltar

Padre José de Anchieta

 

Biografia do Padre José de Anchieta

Nasceu na ilha de Tenerife, uma das ilhas Canárias dominadas pela Espanha no final do século XV, a 19 de março de 1534, dia de São José, motivo de seu nome. Filho de próspera família, tendo por pais Juan de Anchieta e Mência de Clavijo y Llarena, teve a oportunidade de estudar desde a mais tenra idade, provavelmente com os dominicanos. Aos quatorze anos iniciou seus estudos em Coimbra, no renomado Colégio de Artes, orgulho do rei Dom João III.

Padre José de Anchieta

Lá recebeu uma educação renascentista, principalmente filológica e literária.

Com 17 anos de idade ingressou na Companhia de Jesus, ordem fundada por Inácio de Loyola em 1539 e aprovada por meio da bula Regimini Militantis Eclesiae em 1540, pelo papa Paulo III. No ano de 1553, no final de seu noviciado, fez seus primeiros votos como jesuíta. Assim, acabavam seus temores de não poder permanecer na Ordem por ter sido acometido de uma doença ósteo-articular logo após seu ingresso.

Aconselhado pelos médicos de que os ares do Novo Mundo seriam benéficos para sua recuperação, foi enviado em missão para o domínio português na América.

Veio ao Brasil com a segunda leva de jesuítas, junto com a esquadra de Duarte da Costa, segundo governador-geral do Brasil. Em 1554 participou da fundação do colégio da vila de São Paulo de Piratininga, núcleo da futura cidade que receberia o nome de São Paulo, onde também foi professor. Exerceu o cargo de provincial entre os anos de 1577 a 1587.

Escreveu cartas, sermões, poesias, a gramática da língua mais falada na costa brasileira (o tupi) e peças de teatro, tendo sido o representante do Teatro Jesuítico no Brasil.

Sua obra pode ser considerada como a primeira manifestação literária em terras brasileiras. Contribuiu, dessa maneira, para a formação do que viria a ser a cultura brasileira.

De toda a sua obra, destacam-se a Gramática da língua mais falada na costa do Brasil, De Gestis Mendi de Saa, Poema da Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus, Teatro de Anchieta e Cartas de Anchieta.

A coleção de Obras Completas do Pe. José de Anchieta é dividida sob três temáticas: poesia, prosa e obras sobre Anchieta; a publicação prevê um total de 17 volumes.

Padre José de Anchieta

José de Anchieta faleceu na cidade de Reritiba (atual Anchieta) na Capitania do Espírito Santo, em 9 de junho de 1597. Graças ao seu papel ativo no primeiro século de colonização do Brasil, José de Anchieta ganhou vários títulos, tais como: “apóstolo do Novo Mundo”, “fundador da cidade de São Paulo”, “curador de almas e corpos”, “carismático”, “santo”, entre outros.

Assim, teve uma imagem construída de maneira heroicizada por seus biógrafos, já nos anos que se seguiram à sua morte.

As três primeiras biografias escritas em língua portuguesa foram: Breve relação da vida e morte do Padre José de Anchieta, de Quirício Caxa (1988), escrita em 1598, um ano após a morte de Anchieta, Vida do Padre José de Anchieta da Companhia de Jesus, escrita em 1607 por Pero Rodrigues (1988) e Vida do Venerável Padre José de Anchieta, de Simão de Vasconcelos(1953), escrita em 1672. As obras coevas, escritas por padres jesuítas, serviram ao longo processo que levou à beatificação de Anchieta em 1980.

Uma biografia contemporânea deve ser consultada: Anchieta, o apóstolo do Brasil, de Hélio Abranches Viotti (1980). Os dois maiores estudiosos de Anchieta foram os padres jesuítas Armando Cardoso (1997) e Murillo Moutinho (1999).

Este último publicou uma obra imprescindível para os estudos sobre o jesuíta: Bibliografia para o IV Centenário da Morte do Beato José de Anchieta: 1597-1997.

Junto com outros padres que, em oposição à Contra-Reforma, tinham a catequese como objetivo. Este movimento influenciou o teatro e a poesia, e acabou resultando na melhor produção literária do Quinhentismo brasileiro.

Das suas contribuições culturais para o nosso país, podemos citar as poesias em verso medieval (destaque: Poema à Virgem), os que misturavam características religiosas e indigenas, a primeira gramática do tupi-guarani (a cartilha dos nativos), além da fundação de um colégio.

De acordo com o crítico Eduardo Portella, o trabalho de José de Anchieta deve ser entendido como uma manifestação da cultura medieval no Brasil, por conta de sua poesia simples e didática, da métrica e do ritmo por ele usados.

Além de Auto da Pregação Universal, Anchieta é considerado como sendo o autor de Na Festa de São Lourenço, também chamada de Mistério de Jesus e de outros autos.

Fonte: www.sampa.art.br

Padre José de Anchieta

1533-1597

O padre José de Anchieta nasceu em São Cristóvão no ano de 1533, e faleceu em Iriritiba no Espírito Santo no dia 9 de julho do ano de 1597, foi o primeiro missionário a vir para o Brasil. Quando chegou, Anchieta tinha 20 anos. Veio na comitiva de D. Duarte da Costa, segundo Governador Geral.

No ano de 1554 Anchieta fundou o terceiro Colégio do Brasil, e no dia 25 de agosto foi celebrada a primeira missa no Colégio. Este lugar recebeu o nome de São Paulo; Anchieta construiu também um seminário de orientação perto do colégio.

José de Anchieta deu aulas de castelhano, latim, doutrina crista e a língua brasílica, lia e escrevia o idioma Tupi com muita facilidade, escreveu livros em Tupi, foi intérprete junto aos índios tamóios que estavam em batalha contra os portugueses. Nessa época Anchieta escreveu um poema dedicado a Virgem Maria, no ano de 1567 na expulsão dos Franceses que moravam no Rio de Janeiro Anchieta ajudou Estácio de Sá.

Para os índios era médico e sacerdote, cuidava das pessoas doentes e das feridas, da espiritualidade dos Índios.

Anchieta recebeu um preparo grande e um conhecimento elevado na Europa, na sua catequese usando teatro e da poesia, porque era mais fácil para aprender, merecidamente foi chamado de Apóstolo do Brasil; obras que escreveu: Poema em Louvor a Virgem Maria, Arte da Gramática da Lingua mais Conhecida na Costa do Brasil, e outras obras como História do Brasil. Seu nome completo é José de Anchieta.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Padre José de Anchieta

09 de Junho

A vida do Padre José de Anchieta
Um dos fundadores de São Paulo!

A família de José de Anchieta era de guerreiros aguerridos. Um de seus irmãos defendeu o estandarte de Tércios de Flandres, que lutavam até a morte pela unidade religiosa nos campos da Espanha. Outro, missionário, adentrou pelas terras ao norte do Rio Grande, hoje território norte-americano, e seu primo o antecedeu nas missões jesuíticas ao Brasil. José, por tradição, era destinado a ser soldado. Mas seu pai, vendo o menino acanhado e versejando poesias em latim já aos nove anos de idade, reconheceu que ele não manifestava a mínima aptidão para a carreira militar.

Decidiu matriculá-lo no Colégio das Artes da Companhia de Jesus em Portugal. A disciplina e a noção do dever dos jesuítas - Inácio de Loyola, o fundador da Companhia, era, ele sim, um militar - deveria bastar à formação do garoto. Não sendo soldado de armas, José de Anchieta seria soldado da fé. O garoto não frustaria os anseios de seu pai. Pregando em terras distantes, onde os relatos de seus milagres se multiplicaram, ele ainda pode vir a ser canonizado. Seria a culminação de um percurso religioso que começou aos 14 anos, quando foi para o colégio em Coimbra.

Tinha tanta facilidade em compor versos em latim quanto problemas por sua fraca saúde, que necessitava sempre de cuidados. Alguns biógrafos dizem que sofria de dores na coluna vertebral, já andava arqueado. Outros garantem que uma escada da biblioteca do colégio caiu-lhe nas costas e, com o correr dos anos, as conseqüências do acidente o deixaram quase corcunda.

Foi para aliviar tantos padecimentos que seus superiores conjeturaram sob a viabilidade de mandá-lo para um clima ameno - o das Índias brasílicas, como era conhecido o Brasil. Servir a Deus no Novo Mundo era sonho dos jovens religiosos da Companhia de Jesus e José aceitou a ordem com a determinação dos que cumprem uma missão divina.

Tinha dezenove anos de idade quando chegou a Salvador, na Bahia, depois de dois meses de viagem, em 13 de julho de 1553. Ficou ali por pouquíssimo tempo. Manoel da Nóbrega, vice-provincial da Capitania de São Vicente, onde se encontrava a pequena aldeia de Piratininga, precisava de sua ajuda.

Ele sabia da sua competência em ler e escrever, e os jesuítas necessitavam urgentemente de tradutores e intérpretes para falar o tupi, língua dos índios do litoral brasileiro. Mais dois meses de viagem o aguardavam para chegar da Bahia ao planalto paulista. Um percurso que, mais do que a travessia do Atlântico em um galeão, fundou uma nova etapa na vida de José: a da aventura. Violentas tempestades sacudiram sua embarcação na altura de Abrolhos e o barco, com a s velas rotas e os mastros partidos, encalhou perto do litoral do Espírito Santo.

A nau que o acompanhava perdeu-se nas vagas e foi com seus destroços que a tripulação pôde consertar os estragos e retomar a viagem. Mas, antes que isso ocorresse, o pânico tomou conta dos passageiros - na praia, poderiam estar esperando os índios tamoios, conhecidos antropófagos.

Destemido, Anchieta desceu à terra junto com os marinheiros, à procura de mantimentos. Foi seu primeiro contato com os índios. Não se sabe muito bem o que aconteceu, já que os biógrafos não entram em detalhes, mas é certo que ninguém no barco foi molestado.

Depois do sobressalto, ao desembarcar, o pesadelo apenas começava. Para chegar do mar à aldeia de Piratininga, cerca de mil metros acima, em um planalto, José tinha de percorrer o que foi chamado por seus biógrafos como "o pior caminho do mundo" : uma picada em meio à Mata Atlântica, que Anchieta fez muitas vezes à pé, pois cavalgar danificava sua coluna.

Era verão, época das chuvas, calor e, principalmente, mosquitos. Sua visão das terras de São Vicente e Piratininga, foi relatada em carta aos seus superiores. Dizia ele das onças: "Essas (malhadas ou pintadas) encontram-se em qualquer parte (...) São boas para comer, o que fizemos algumas vezes". Dos jacarés: "Também há lagartos nos rios, que se chamam jacarés, de extraordinário tamanho de modo a poder engolir um homem" . Ou sobre as jararacas: "São muito comuns nos campos, bosques e até nas próprias casas, nas quais as encontramos tantas vezes" .

José fala ainda dos mosquitos que "sugando o sangue, dão terríveis ferroadas", das poderosas tempestades tropicais e inundações de dezembro. Apesar dos transtornos, a luxuriante beleza da Serra do Mar deve tê-lo impressionado, pois escreveu, anos depois, um tratado sobre as espécies animais e vegetais que poderiam ser encontradas no Brasil, numa iniciativa pouco comum entre os jesuítas.

Mas seu tema principal foram mesmos os índios" : Toda essa costa marítima, de Pernambuco até além de São Vicente, é habitada por índios que, sem exceção, comem carne humana; nisso sentem tanto prazer e doçura que freqüentemente percorrem mais de 300 milhas quando vão à guerra.

E, se cativarem quatro ou cinco dos inimigos, regressam com grandes vozearias, festas e copiosíssimos vinhos que fabricam com raízes e os comem de maneira que não perdem nem sequer a menor unha". Anchieta se chocaria, como outros cronistas da época, com a liberdade sexual dos indígenas: "... as mulheres andam nuas e não sabem negarem-se a ninguém, mas até elas mesmas cometem e importunam os homens, jogando-se com eles nas redes, porque têm por honra dormir com os cristãos". Apesar do espanto, em pouco tempo, José aprendeu a conhecer as particularidades da terra e da gente de seu novo lar.

A Europa renascentista do séculos 16 fica para trás, já que Anchieta nunca voltaria a rever o Velho Mundo. Um mês depois de sua chegada, em 25 de janeiro de 1554, foi inaugurado o colégio jesuíta da Vila de Piratininga, data hoje comemorada como fundação de São Paulo.

Escreveu Anchieta: "Celebramos em paupérrima e estreitíssima casinha a primeira missa, no dia da conversão do apóstolo São Paulo, e por isso dedicamos a ele nossa casa". Ali moravam treze jesuítas que tinham a seu cargo duas aldeias de índios com quase mil pessoas. O local tinha apenas 14 passos de comprimento e 10 de largura, incluindo escola, despensa, cozinha, refeitório e dormitório. Em resumo, era minúsculo.

Época de austeridade, tanto no espaço quanto nas vestes, as batinas de Anchieta eram feitas com as velas imprestáveis dos navios. Ele só dormia quatro a cinco horas por noite, pronto para se levantar se fosse preciso. Ensinava gramática em três classes diferentes, subia e descia montanhas para batizar ou catequizar e freqüentemente jejuava. Sua prontidão para levantar no caso de um imprevisto fazia sentido. Ele viu Piratininga ser atacada pelos tupis numa encarniçada luta que durou dois dias. Enquanto as mulheres e crianças se recolheram à igreja em vigília permanente, os jesuítas cuidavam dos mortos e feridos com ervas medicinais indígenas plantadas ao lado das cercar do Colégio.

Mas, com a ajuda dos índios convertidos, a vila resistiu e os tupis acabaram fugindo. Foram esses sustos eventuais, a aldeia de Piratininga florescia. José se aplicava em escrever divertidas peças de teatro que encenava para os índios e a formular a gramática da "língua mais usada na costa do Brasil", o tupi-guarani, que seria publicada em Coimbra, em 1595. Era a primeira gramática desde os gregos antigos, escrita por um ocidental, que não se baseava nas regras do latim. Naquela época, não passava pela cabeça dos colonizadores portugueses serem eles os intrusos e invasores das terras indígenas. Os jesuítas estavam ali para salvar aqueles homens da barbárie e reintegrá-los ao reino de Deus.

Foi essa missão que o levou, junto com Manoel da Nóbrega, à experiência talvez mais dramática e definitiva de sua vida. Aos 30 anos, Anchieta rumou para Iperoig, hoje Ubatuba, em São Paulo, para negociar com os bravios tamoios, aliados dos franceses. Os índios, defendendo seu território, atacavam as aldeias portuguesas do litoral e os prisioneiros eram simplesmente devorados. Ele passou dois meses numa choça de palha tentando a paz e uma troca de reféns. Quando as negociações chegavam a um impasse, as ameaças de morte começavam. Finalmente Manoel da Nóbrega, doente e coberto de chagas, seguiu para o Rio para enviar os prisioneiros. José se candidatou a ficar como refém.

O cativeiro foi uma dura prova para Anchieta. Ali, além de fome, frio e humilhações, pode ter passado pelo crivo da maior tentação: a da carne. Aos prisioneiros que iam ser devorados, os tamoios tinham por costume oferecer a mais bela jovem da tribo. O jesuíta havia feito o voto de castidade, ainda em Coimbra, aos 17 anos.

E seus biógrafos dizem que ele foi fiel a vida inteira. Talvez para fugir das tentações, José escreveu na areia de Iperoig as principais estrofes dos 5 786 versos de um poema em latim contando a história de Maria. E ganhou, aos poucos, a admiração dos tamoios por sua coragem e estranhos costumes, Quando eles ameaçavam devorá-lo, José retrucava com suavidade: "Ainda não é chegado o momento". E dizia a si mesmo, como contou depois, que primeiro deveria terminar o poema à virgem. Outros relatos asseguram que sua facilidade em levitar e a proximidade com os pássaros, que o rodeavam constantemente, teria assustado os tamoios, que o libertaram finalmente, depois de assegurar a paz. Anchieta, humilde, minimizava seus feitos. Quando lhe fizeram notar que os pássaros o cercavam, ele respondeu que eles também costumava voar sobre dejetos. Talvez tenha sido essa subserviente simplicidade que lhe rendeu tamanho respeito entre os índios.

Quando morreu, em 9 de julho de 1597, aos 63 anos, na aldeia de Reritiba (hoje Anchieta), no Espírito Santo, por ele fundada, os índios disputaram com os portugueses a honra de carregar seu corpo até a Igreja de São Tiago. Anchieta perambulou pelo litoral paulista, catequizando índios, batizando e ensinando. Reza a lenda que ele costumava abrigar-se para dormir numa pedra, conhecida como "cama de Anchieta" em Itanhaém. São numerosos os testemunhos de sua levitação durante êxtases místicos. Afirmam também que multiplicou alimentos, que comandava os peixes no mar. Já em 1617, o jesuíta Pêro Rodrigues foi nomeado para escrever sua biografia. Como muitos dos relatos eram apenas de testemunhas oculares e Roma precisaria de provas de um milagre de primeira ordem, para incluir Anchieta entre seus 2500 santos, o processo se arrastou durante séculos. Só em 1980 José foi honrado com a beatificação.

CRONOLOGIA DA VIDA DE JOSÉ DE ANCHIETA

1534 - Nasceu em San Cristobal de Laguna, Tenerife, Ilhas Canárias (Espanha) - 19 de março

1548 - Coimbra, Portugal - Matrícula na Universidade de Coimbra para aperfeiçoamento da língua latina

1549 - Coimbra, Portugal - Início de estudos eclesiásticos na Companhia de Jesus 1551 - Coimbra, Portugal - Ingresso como noviço na Companhia de Jesus

1553 - Brasil - Por conselho médico, em companhia do 2°. governador-geral, Duarte da Costa, desembarca na Capitania da Bahia - Início de estudos da língua dos indígenas - Segue para a Capitania de São Vicente

1554 - São Paulo do Campo de Piratininga [São Paulo] - Professor de latim, professor de índios e mamelucos; professor dos noviços que entraram para a Companhia de Jesus no Brasil - Participa, com outros jesuítas da fundação do Colégio dos Jesuítas, núcleo da cidade de São Paulo.

1563 - Ubatuba SP - Participa com o Padre Manoel da Nóbrega do Armistício de Iperoig, pacificando os índios (Confederação dos Tamoios) - Iperoig [Praia de Iperoígue, Ubatuba] SP

1563 a 1595 - São Paulo SP, Rio de Janeiro e Espírito Santo - Autor de poesia, teatro (em verso), prosa informativa e histórica.

1569 - Reritiba [Anchieta] ES - Reitor do Colégio de Jesus

1565 - Bahia

1566 - Rio de Janeiro RJ

1567 - Bahia

1569 - Reritiba [Anchieta] ES

1569 a 1577 - São Vicente SP

1577 a 1568 - Rio de Janeiro RJ

1586 a 1597 - Reritiba [Anchieta] ES

1597 - Reritiba, atual Anchieta ES - Morre em 9 de junho

Fonte: www.spmetropole.com

Padre José de Anchieta

09 de Junho

José de Anchieta nasceu no dia 19 de março de 1534, em São Cristóvão de Laguna, Tenerife, uma das ilhas do arquipélago das Canárias. Em 1548, Anchieta chegou ao Colégio das Artes e com 17 anos ingressou no noviciado.

Após estudar em Coimbra, Portugal, ingressou na Companhia de Jesus em 1551.

Em julho de 1553 deixou Portugal e veio para o Brasil na comitiva de Duarte da Costa, com o intuito de catequizar os índios.

Em 1554, fundou, com Manuel da Nóbrega, um colégio em Piratininga.

Padre José de Anchieta

Aos poucos se formou um povoado ao redor do colégio, batizado por José de Anchieta como São Paulo. Algum tempo depois, é enviado a São Vicente, onde aprendeu a língua tupi.

José de Anchieta escreveu inúmeros autos, cartas e poesias de cunho religioso.

Além disso, resultante do seu trabalho de catequese, escreveu Arte da gramática da língua mais usada na costa do Brasil, primeira gramática da língua tupi-guarani.

A poesia escrita por José Anchieta está impregnada de conceitos morais, espirituais e pedagógicos. Por isso, sua linguagem é simples, apesar de ser escrita em redondilhas menores (cinco sílabas poéticas).

Em 1563, foi refém, durante cinco meses, dos índios tamoios.

Nesse período escreveu o poema em latim "De Beata Virgine Dei Matre Maria" e vários autos religiosos.

Já doente muda-se para o Espírito Santo, onde morreu aos 63 anos, na cidade de Reritiba, atual Anchieta.

Em 1980, foi beatificado pelo papa João Paulo II.

Fonte: www2.portoalegre.rs.gov.br

Padre José de Anchieta

09 de Junho

A história do Brasil dos primeiros tempos está, inegavelmente, muito ligada aos missionários, entre os quais, pe. José de Anchieta.

Espanhol, nascido em Tenerife em 19 de março de 1534, entrou na Companhia de Jesus em 1551 e enviado para o Brasil em 1553.

Tinha sérios problemas de saúde, sobretudo na coluna, que o fazia levemente corcunda e o impedia de cavalgar nas intermináveis peregrinações pelas terras brasileiras.

Contudo, esses sofrimentos não o desanimaram em sua missão.

Anchieta, mais que outros, marcou os aspectos religiosos, literários e políticos do início do Brasil.

Ajudou a fundar o colégio de Piratininga, embrião da cidade de São Paulo, e a casa de misericórdia em Niterói.

Iniciou aldeamentos que se tornaram cidades, como a atual Anchieta, Guarapari e São Mateus, no Espírito Santo.

Foi professor, catequizador, pacificador dos índios, estudou e aprendeu em poucos meses a língua tupi, organizando a gramática e um dicionário; foi mestre em várias artes e profissões ensinadas aos índios.

Teve um papel fundamental na pacificação dos tamoios, dos quais ficou prisioneiro voluntário por uma longa temporada, durante a qual escreveu o famoso poema a Nossa Senhora, redigido primeiramente nas areias de Itanhaém, em São Paulo.

Incentivava os portugueses a tratarem os índios não como conquistados e escravos, mas a integrá-los, incentivando até os casamentos entre os dois povos. Sua área de trabalho se estendia de Pernambuco até São Paulo. Seus últimos anos transcorreram em Vila Velha, ES, onde faleceu em 1597, com 63 anos.

Se, como personagem do seu tempo pode ter tido algumas ações discutíveis numa mentalidade moderna, não se pode negar que José de Anchieta era de uma santidade heróica que se revelava através de suas cartas e de seus atos.

Em primeiro lugar, o amor aos índios, num tempo em que nas universidades européias se discutia se índios e negros teriam uma alma.

Ele os tratava como irmãos em Cristo, com todas as conseqüências que essa definição podia trazer concretamente; defendia-os dos vexames dos conquistadores, curava os doentes, criou escolas para órfãos, merecendo, pela sua ação pastoral e social, o título de "Apóstolos dos Índios" e exemplo celebrado de educador.

Sua espiritualidade revela uma alma pura e simples, totalmente devotada ao amor ao próximo, embasado no amor a Cristo. Escrevia, ainda seminarista, durante sua viagem para o Brasil: "Senhor, que meu coração seja grande de zelo missionário.

Grande como estas vagas revoltas que balançam o nosso barco". Demonstrava claramente seu amor aos índios e aos irmãos menos afortunados, colocando-se a serviço deles.

Hoje, diríamos que favoreceu a promoção humana.

Toda a sua odisséia de missionário, de sofredor e pacificador, encontra-se em versos entremeados aos louvores à Virgem Maria, compostos quando prisioneiro voluntário entre os tamoios e correndo sérios perigos.

Fonte: www.pime.org.br

Padre José de Anchieta

09 de Junho

(San Cristobal de Laguna, Tenerife, Ilhas Canárias, Espanha 1534 - Reritiba, atual Anchieta ES 1597)

Fez estudos eclesiásticos na Companhia de Jesus em Coimbra, Portugal, em 1549. Entrou para a Companhia de Jesus em 1551 e, dois anos depois, veio para o Brasil, com o objetivo de catequizar os índios. Em 1554 fundou o Colégio dos Jesuítas, que daria origem ao povoado de São Paulo do Campo de Piratininga [São Paulo] SP.

Foi professor de latim, professor de índios e mamelucos e também professor dos noviços que entraram para a Companhia de Jesus no Brasil.

Entre 1563 e 1595 viveu em São Paulo SP, Rio de Janeiro RJ e Espírito Santo ES, e escreveu poesia, teatro em verso, prosa informativa e histórica.

Em 1595 foi publicada em Lisboa, Portugal a Arte de Gramática da Língua mais Usada na Costa do Brasil, primeira gramática da língua tupi.

Em 1663, também em Lisboa, ocorreu a publicação póstuma do poema De Beata Virgine Dei Maria (O Poema da Virgem), no livro Crônica da Companhia de Jesus do Estado do Brasil, de Simão de Vasconcelos.

As poesias de Anchieta estão entre as primeiras manifestações literárias brasileiras. Inicialmente escritas em castelhano, sua língua natal, são depois produzidas em português e, finalmente, em tupi.

Seus poemas são de temática religiosa e exprimem visão de mundo medieval.

Fonte: www.itaucultural.org.br

Padre José de Anchieta

09 de Junho

Apóstolo no Brasil, também conhecido como Beato Anchieta. Estuda em Coimbra a partir de 1548 e ali se torna jesuíta em 1551.

Em Maio de 1553 é enviado para o Brasil, onde começa por ensinar Latim no Colégio de Piratininga.

Este Colégio é mudado em Janeiro de 1554 para um novo local, com o nome de Colégio de S. Paulo, o qual vem a ser considerado o núcleo da atual cidade de S. Paulo.

Neste local, hoje designado como Pátio do Colégio, encontra-se também a Capela de Anchieta, igreja erguida não só pelo Pe. Anchieta mas também pelo Pe. Manuel da Nóbrega, igreja esta que vem a desabar em 1896.

Entretanto, uma réplica desta igreja é construída.

Ali, pode hoje admirar-se esta nova igreja, assim como a Casa de Anchieta com objetos e imagens que, supõe-se, são pertença do beato.

Os alunos do Colégio são os filhos dos portugueses e os jovens religiosos da sua ordem, mas também os índios.

O Pe. Anchieta começa a estudar a língua indígena, compõe uma gramática e um vocabulário tupi, escreve também em tupi um opúsculo para os confessores e outro para assistir aos moribundos.

Para além destas obras, dedica-se também a escrever cantos piedosos, diálogos e autos segundo o estilo de Gil Vicente, e, por isso, é considerado o iniciador do teatro (Mysterios da Fe, dispostos a modo de diálogo em benefício dos índios é um exemplo das 12 peças de que há testemunho) e da poesia (De Beata Virgine Dei Matre Maria) no Brasil.

De destacar também as suas cartas para Portugal e Roma, importantes pelas informações que contêm sobre a fauna, a flora e a itiologia brasileira.

Com Manuel da Nóbrega, contribui para a paz entre os portugueses e várias tribos índias, nomeadamente a mais feroz: a dos Tamoios.

Em Março de 1565 entra na Baía de Guanabara com o capitão-mor Estácio de Sá, onde estabelecem os fundamentos do que viria a ser a cidade de S. Sebastião do Rio de Janeiro.

Recebe as ordens sacras no final desse mês de Março na Baía, hoje cidade de Salvador.

De novo no Rio, em 1567 vai para S. Vicente como superior das casas da capitania, a de S. Vicente e a de S. Paulo, onde permanece até 1577, data em que é nomeado provincial do Brasil.

Em 1589 é já superior de Espírito Santo, onde fica até morrer.

O Pe. Anchieta acaba beatificado em Junho de 1980 pelo papa João Paulo II, beatificação esta, ao que parece, que a perseguição do marquês de Pombal aos jesuítas impede até então.

Fonte: www.vidaslusofonas.pt

Padre José de Anchieta

09 de junho

José de Anchieta nasceu em 1534, em Tenerife, nas Ilhas Canárias. Ainda garoto, ingressou na Companhia de Jesus, onde desenvolveu uma profunda formação cultural e religiosa.

Desde cedo manifestou pendores literários, tendo sido poeta reconhecido em Coimbra. Escreveu contos, sermões e textos dramáticos. Expressava-se em latim, português, espanhol e tupi.

Padre José de Anchieta
Padre José de Anchieta

Chegou ao Brasil em 1553, na comitiva do governador-geral Duarte da Costa, e em 1554, ao lado do Padre Manoel da Nóbrega, fundou a vila de São Paulo, tendo, inclusive, participado ativamente da sua defesa quando da invasão dos índios tamoios, logo após a fundação. Participou, também, da expulsão dos franceses do Rio de Janeiro, em 1567.

É de sua autoria a primeira gramática da língua tupi, publicada em Coimbra em 1595.

José de Anchieta morreu em 9 de junho de 1597, em Reritiba (hoje Anchieta), no estado do Espírito Santo. Tinha 63 anos, 25 dos quais vividos no Brasil.

Fonte: www.brazilsite.com.br

Padre José de Anchieta

09 de Junho

Nome

Padre José de Anchieta

Local e data de nascimento

São Cristóvão da Laguna - Tenerife nas Ilhas Canárias - Espanha,19 de março de 1534.

Local e data da Morte

Reritiba atual Cidade de Anchieta - ES-Brasil ,9 de junho de 1597.

Filho de João Lopes de Anchieta, um revolucionário que tomou parte na Revolta dos Comuneiros contra o Imperador Carlos V, na Espanha; e um grande devoto da Virgem Maria. Sua mãe chamava-se Mência Dias de Clavijo y Larena, natural das Ilhas Canárias, filha de ex-judeus.

Padre José de Anchieta
Esta é a casa onde Anchieta nasceu que é conhecida como "Casa Verdugo" na ilha de Tenerife

Anchieta tinha, por parte do pai, a ascendência nobre da família dos Anchieta Bascos do norte da Espanha, também conhecido como País Basco até hoje; e pelo avô materno, Sebastião de Larena, um "cristão novo" (judeu convertido) do Reino de Castela.

Sua ascendência judaica foi determinante para o enviarem para estudar em Portugal e não na Espanha, onde a Inquisição era mais rigorosa. Anchieta viveu com os pais até os 14 anos, depois mudou-se para Coimbra - Portugal, onde foi estudar filosofia no Colégio das Artes, anexo à Universidade de Coimbra. Da família de 12 irmãos, teve além dele, mais dois sacerdotes: O Padre Pedro Nuñez e Padre Melchior.

Muito jovem, Anchieta aprendeu a ler e a escrever ainda na ilha de Tenerife, além de noções básicas do latim. Freqüentou a universidade de Coimbra, onde aperfeiçoou seu latim, estudou dialética e filosofia, o que lhe facilitou o ingresso na Companhia de Jesus, recém fundada por Inácio de Loyola, um parente distante da família Anchieta (aos 17 anos).

Entre os jesuítas sua primeira atividade era ajudar na celebração de missas, e ele chegava a ajudar em mais de 10 missas por dia, trabalhando mais de 16 horas. Porém, tanta dedicação causou-lhe alguns problemas de saúde, que se agravaram e se transformaram em constantes dores nas juntas e ossos do corpo, principalmente na coluna. Imaginando que as dores eram provas divinas, o padre dedicava-se ainda mais ao trabalho.

O resultado foram dores por lesões permanentes que o acompanharam por toda a vida. Por essas dores ele se interessou em embarcar para o Brasil,devido ao fato de o clima ser mais ameno que o da Europa.

Chegou ao Brasil em 1553, junto com outros padres que se opunham a Contra-reforma religiosa na Europa, que tinham em mente a idéia de catequizar os habitantes das novas terras descobertas. Ele veio na esquadra de Dom Duarte da Costa, Segundo Governador Geral do Brasil. Junto com ele, vieram mais 6 padres jesuítas, todos doentes.

Não encontrou a cura para seus males e dores, mas se dedicou a catequizar os índios brasileiros e para isso, foi viver no meio deles, aprende com o Padre Auspicueta as primeiras palavras do Abanheenga, língua geral dos índios tupis e guaranis, aprendendo seus idiomas, seus costumes e lendas.

Ele foi o primeiro a perceber que existia uma raiz comum nos diversos idiomas indígenas falados em nossa terra. Ele, é que consagrou o termo "tupi", para designar a essa raiz comum entre os idiomas indígenas. a partir desse entendimento, ele elaborou a gramática da língua e assim ficou mais fácil compreendera os diversos ramos lingüísticos.

Ele escreveu muitas cartas que servem de estudo do seu período histórico no Brasil, que servem de referência até hoje e escreveu o livro Arte de Gramática da Língua Mais usada na Costa do Brasil.

Padre José de Anchieta
Capa do livro Arte de Gramática da Língua Mais usada na Costa do Brasil escrito pelo Padre José de Anchieta

O fenômeno da catequese da feita pelos religiosos aos povos indígenas é muito criticada pelos especialistas, visto que ela foi acabando lentamente com a cultura desses povos.

Ensinava latim português e latim para os índios, cuidava dos feridos, dava conselhos, escrevia poesias e autos em vários idiomas, inclusive o "tupi"; assim conquistou a confiança dos nativos. Ele é considerado por muitos como o fundador do teatro brasileiro, ele se inspirava nos autos do português Gil Vicente (foto abaixo a esquerda), nas festas, recepções e comemorações dos indígenas. Muitos consideram seu trabalho lírico, melhor que a do mestre Gil Vicente que o inspirou.

Padre José de Anchieta
Gil Vicente

O Estilo de verso utilizado por Anchieta, é a "redondilha maior", versos de no máximo 7 sílabas e as estrofes são de 5 sílabas ou quintilha. As vezes ele se utilizava da "redondilha menor", versos ligeiros de 5 sílabas.

Parece complicado, mas na época era uma forma muito popular de forma poética. A novidade de Anchieta era que na abertura e na finalização dos autos, ele se utilizava de danças, musica e canto, que corresponderia as cerimônias indígenas, ele se utilizava também passos de dança de origem espanhola e portuguesa além das indígenas, mas como o seu "público" aqui no Brasil era variado, compostos de portugueses degredados, índios e padres, seus autos faziam o maior sucesso.

A foto a direita a baixo que eu sempre tive curiosidade em saber porque era tão utilizada quando eu era pequeno nos trabalhos escolares, é uma alusão a composição do Poema à Virgem Maria "De Beata Virgine Dei Matre Maria", que ele teria escrito na areia., durante um período de 5 meses em que foi mantido prisioneiro dos indios tamoyos em Ubatuba, São Paulo.

Ele andou bastante por onde são os Estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e em 1554, por ordem do Padre Manuel da Nóbrega começou a construir o Colégio de São Paulo, que daria origem à cidade de São Paulo.

Em 1555, no dia 25 de janeiro, foi rezada a primeira missa da fundação. Ali, Anchieta abrigou 13 padres jesuítas e vários alunos, praticamente todos indígenas.

O local recebeu o nome de São Paulo, que era o santo cuja festa a Igreja comemorava naquele dia.

Padre José de Anchieta
Colégio de São Paulo

Em 1567, com a morte do Padre Manuel da Nóbrega, é nomeado Provincial do Brasil, o cargo mais alto da Companhia de Jesus. Como Provincial, viajou todo o Brasil orientando os trabalhos da Companhia de Jesus no Brasil.

Padre José de Anchieta
Morte de Estácio de Sá em 20 de fevereiro de 1567, quadro de Antonio Parreiras.
José de Anchieta ministrando os últimos Sacramentos a Estácio de Sá, ferido no rosto por uma flecha envenenada, sentado de cabelos brancos, Mem de Sá, o indígena em pé é Araribóia, na entrada segurando uma cruz está Manoel da Nóbrega.

O cortejo fúnebre por ocasião da morte do Padre Anchieta,foi acompanhado por mais de 3.000 índios, num percurso de 90 quilômetros, de Reritiba até Vitória - ES.

José de Anchieta ministrando os últimos Sacramentos a Estácio de Sá, ferido no rosto por uma flecha envenenada, sentado de cabelos brancos, Mem de Sá, o indígena em pé é Araribóia, na entrada segurando uma cruz está Manoel da Nóbrega.

Padre José de Anchieta
Cerimônia de Beatificação do Padre José de Anchieta, na Basílica de São Pedro - Vaticano pelo Papa João Paulo II

Foi beatificado, ou seja, hoje o correto é chamá-lo de Beato José de Anchieta pelo Papa João Paulo II, no dia 22 junho de 1980, sem provas de seus milagres. O processo de beatificação já se arrastava por mais de 300 anos, a despeito do fato do "milagre" das "três almas salvas" onde em único dia ele conseguiu converter ao cristianismo um homem a morte (o índio Diogo em Santos - SP), um velho e um menino deficiente mental...

Fonte: www.bairrodocatete.com.br

Padre José de Anchieta

09 de Junho

1534-1597

José de Anchieta, o mais importante dos jesuítas que estiveram no Brasil, nasceu na ilha de Tenerife, uma das ilhas Canárias, em 19 de março de 1534. Após estudar em Coimbra, Portugal, ingressa na Companhia de Jesus em 1551.

Padre José de Anchieta
Padre José de Anchieta

Dois anos depois, ainda noviço, vem para o Brasil na comitiva de Duarte da Costa, segundo governador geral, com o intuito de catequizar os índios.

Em 25 de janeiro de 1554, funda, com Manuel da Nóbrega, um colégio em Piratininga.

Aos poucos se forma um povoado ao redor do colégio, batizado por José de Anchieta como São Paulo.

Algum tempo depois, é enviado a São Vicente, onde aprendeu a língua tupi.

Em 1563, foi refém, durante cinco meses, dos índios tamoios.

Nesse período escreve o poema em latim "De Beata Virgine Dei Matre Maria" e vários autos religiosos.

Já doente muda-se para o Espírito Santo, onde morre aos 63 anos, na cidade de Reritiba, atual Anchieta. Em 1980, foi beatificado pelo papa João Paulo II.

José de Anchieta escreveu um número muito grande de autos, cartas e poesias de cunho religioso.

Além disso, resultante do seu trabalho de catequese, escreveu Arte da gramática da língua mais usada na costa do Brasil, primeira gramática da língua tupi-guarani.

A poesia escrita por José Anchieta está impregnada de conceitos morais, espirituais e pedagógicos. Por isso, sua linguagem é simples, apesar de ser escrita em redondilhas menores (cinco sílabas poéticas).

Os vários autos de Anchieta têm um valor literário muito menor do que sua poesia.

De caráter extritamente pedagógico, esses autos foram escritos em português e em tupi, dependendo do grau de compreensão do publico a ser catequizado.

Além disso, esses autos, ainda presos modelo medieval deixado por Gil Vicente, misturam a moral religiosa católica aso costumes dos índios e se materializam nas figuras de anjos ou demônios, pólos do Bem e do Mal.

Fonte: www.mundocultural.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal