Breaking News
Home / Biologia / Celenterados

Celenterados

PUBLICIDADE

Celenterados – O que é

Celenterados são sésseis (sedentários) e apresentam simetria. As partes do corpo estão dispostas simetricamente em torno de um ponto central.

Filo Coelenterata é um grupo de organismos aquáticos ou marinhos e um membro do reino animal. Eles geralmente são encontrados presos às rochas no fundo do mar.

Estes são o grupo multicelular e mais simples de animais invertebrados, encontrados em colônias ou solitariamente.

Celenterados é um animal primitivo, aquático, que pertence ao grupo das águas-vivas, corais e anêmonas do mar.

Eles normalmente têm um corpo em forma de tubo ou copo com uma única abertura anelada com tentáculos que carregam células urticantes (nematocistos).

Celenterados têm uma fisiologia relativamente simples, que inclui um saco de geléia que tem seus órgãos internos. Eles são encontrados em águas marinhas, mas alguns vivem em água salobra ou mesmo água doce.

As medusas e caravelas são encontradas em todos os mares. Vivem em águas claras, quentes e não muito profundas. No Brasil são encontradas do maranhão até Alagoas e do sul da Bahia até Santa Catarina.

Os sintomas causados por medusas e caravelas depende, principalmente, da região geográfica. As dos Oceano Pacífico são as mais conhecidas e apresentam um veneno mais ativo.

Filo Celenterado

Esses são animais tipicamente invertebrados, que apresentam uma organização de tecidos de nível muito simples. São animais aquáticos e são encontrados principalmente em ambientes marinhos, presos às rochas do fundo do oceano. Algumas espécies também são encontradas em habitats de água doce. Os celenterados podem ser encontrados solitariamente ou em colônias.

Você pode encontrá-los sedentários ou nadando livremente.

Os celenterados podem ser chamados de o grupo animal mais simples que possui tecidos verdadeiros e possui o celenterado característico ou a cavidade gastrovascular.

Os celenterados (Filo Coelenterata ou Cnidaria) inclui: medusas, anêmonas, corais e hidras.

O filo é caracterizado por um corpo gelatinoso, tentáculos e células urticantes chamadas nemadocistos.

A maioria das espécies é encontrada em águas marinhas, mas algumas ocorrem em água salobra ou mesmo doce.

Os celenterados podem ser sésseis ou nadadores livres, dependendo da espécie e/ou estágio do ciclo de vida. Os métodos padrão de introdução incluem incrustação de navios ou transporte em água de lastro de navios oceânicos.

Os impactos potenciais incluem competição com espécies nativas por substrato ou alimento adequado, efeitos negativos sobre os organismos aos quais se fixam, utilizando espécies nativas como fonte de alimento e “enxameação”, onde milhares de medusas se aglomeram em uma área e podem afetar a fauna local.

Celenterados -Cnidario

Etimologicamente, a palavra cnidário vem do grego (knidos, “urticante”).

Cnidário é sinônimo de celenterado.

O mesmo ocorre com o vocábulo celenterado (do grego koilos, “oco”, e enteron, “intestino”). São Eumetazoários (com tecidos), diploblásticos, com simetria radial.

Neste filo se enquadram os animais mais inferiores dentre os que já possuem tecidos bem definidos com alguma organização de sistemas. Eles possuem um esboço de sistema nervoso difuso (uma rede de células nervosas pelo corpo) e gônadas, isto é, órgãos produtores de gametas. Também possuem células epitélio-musculares de cuja contração resultam os movimentos rápidos do corpo.

A estrutura do corpo de um celenterado é formada por duas camadas de células: a epiderme (camada de revestimento externo) e a gastroderme (camada de revestimento interno). Entre as duas, situa-se a mesogléia, uma fina lâmina acelular, gelatinosa, constituída de substâncias segregadas pelas células das duas camadas citadas. Na epiderme, distinguem-se as células epitélio-musculares, as células intersticiais, as células sensitivas e os cnidoblastos.

Estes últimos são células especializadas para a defesa, contendo uma pequena cápsula ? o nematocisto ? capaz de projetar um estilete canaliculado (acúleo) e injetar uma substância paralisante ou irritante (actinotoxina) na pele do animal que lhe toque na superfície.

Na mesogléia, logo abaixo da epiderme, localizam-se ramificações das células nervosas, que não se assemelham funcionalmente aos dendritos e axônios dos neurônios ou células nervosas desenvolvidas dos animais mais evoluídos.

Essas células nervosas fazem contato direto com os prolongamentos das células sensitivas e com as fibras contráteis das células epitélio-musculares.

Dessa forma, surge um mecanismo sensitivo-neuromotor: as células sensitivas recebem estímulos, as células nervosas conduzem os impulsos e as fibras contráteis reagem com a contração e os movimentos do corpo.

A gastroderme também possui diversos tipos de célula: células sensitivas, células flageladas, células intersticiais, células glandulares e células epitélio-digestivas.

As células glandulares produzem enzimas digestivas que são lançadas na cavidade central ou cavidade gastrovascular, contribuindo para a digestão extracelular.

Contudo, as células flageladas captam alimentos não digeridos ou parcialmente digeridos e os transferem às células epitélio-digestivas da gastroderme, em cujos vacúolos ocorre também a digestão intracelular.

Lembre-se de que os poríferos fazem somente digestão intracelular. Já os celenterados realizam digestão intracelular e extracelular. Os animais mais evoluídos fazem habitualmente só a digestão extracelular.

Veja nisso uma evidência da Evolução.

Os celenterados ou cnidários podem ser vistos como pólipos ou como medusas. Estas últimas têm aspecto de cúpula transparente, são flutuantes e se deslocam mais facilmente.

Os pólipos vivem preferentemente fixos às rochas e, salvo raras exceções, têm deslocamentos lentos. Muitas espécies de cnidários reproduzem-se por metagênese ou alternância de gerações, passando por uma fase sexuada de medusa e por uma fase assexuada de pólipo.

Assim se reproduz a Aurelia aurita. Outros celenterados só se reproduzem sexuadamente. E outros, ainda, nunca passam pela fase de medusa, só existindo na forma de pólipos.

Os corais e a anêmona-do-mar estão neste caso.

Cnidaria

Cnidaria

O filo Coelenterata é dividido em três classes:

Classe Hydrozoa: A forma predominante é a de pólipos, ainda que em muitas espécies ocorra também a forma de medusas. As medusas são pequenas e dotadas de véu. Exemplo: Hydra sp., Chlorohydra sp., Bougainvillia sp., Obelia sp., Physalia sp.
Classe Scyphozoa: 
Predominam as medusas. Medusas sem véu. As dimensões variam de poucos centímetros a vários metros. A fase pólipo é passageira. Exemplos: Tamoya sp., Aurelia sp. (água-viva).
Classe Anthozoa:
 Exclusivamente pólipos. Reprodução habitualmente sexuada, à custa de gametas formados em gônadas masculinas e femininas, na parede do corpo. Em alguns casos, entretanto, pode-se observar a divisão assexuada, por brotamento, no pólipo. Exemplos: Coralllium rubrum (coral vermelho), Pennatula sp. (coral branco), Actinia sp. (anêmona-do-mar).

Características gerais do filo celenterado

Reino: Animalia
Habitat: aquático, principalmente marinho.
Hábito: solitário ou colonial. Cada indivíduo é conhecido como zoóide.
Simetria: radialmente simétrica
Grau de organização: grau de organização do tecido.
Camada germinativa: diploblástica, ectoderme externa e endoderme interna. Mesogloea separa essas duas camadas
O corpo tem uma única abertura chamada hipostomo circundada por tentáculos sensoriais.
Célomo: cavidade gastrovascular ou celenteron.
Nematocisto: órgão de captura e paralisação da oração, presente nos tentáculos
Nutrição: holozóica
A digestão é intracelular e extracelular.
A respiração e a excreção são realizadas por difusão simples.
Sistema circulatório: ausente
Sistema nervoso: mal desenvolver
Muitas formas exibem polimorfismo, ou seja. Pólipo e medusa
Os pólipos são sésseis, estágio assexuado
Medusa são natação livre, estágio sexual
Metagênese: geração polipóide assexuada alternada com geração medusoide sexual
Reprodução: Assexuada: por brotamento; Sexual: por fusão dos gâmetas
Fertilização: interna ou externa
Desenvolvimento: indireto com estágio larval

História dos Celenterados

Representação do tipos de Celenterados

Aristóteles conhecia as qualidades picantes dos celenterados e considerava esses organismos intermediários entre as plantas e os animais e os denominou Acalephae ou Cnidae (gr.: akalephe = urtiga; cnidos = fio).

Eles foram incluídos por muito tempo no Zoophyta (gr., Zoon = animal; phyton = planta) junto com várias formas de esponjas a ascídias.

A natureza animal dos celenterados foi estabelecida por Peyssonel (1723) e Trembley (1744). Linnaeus, Lamarck e Cuvier agruparam os celenterados sob Radiata, que incluiu os equinodermos também por causa de sua simetria. Finalmente, Leuckart (1847) separou os celenterados dos equinodermos e criou um filo separado Coelenterata (gr., Koilos = cavidade; enteron – intestino).

No entanto, os celenterados de Leuckart também incluíam as esponjas e os ctenóforos.

Hatschek (1888) dividiu Coelenterata de Leuckart em três filos distintos – Spongiaria (Porifera), Cnidaria (Coelenterata) e Ctenophora.

Os celenterados ou cnidários se distinguem das esponjas por serem “animais de tecido” (Metazoa) que possuem cavidades digestivas distintas.

Os celenterados diferem dos ctenóforos por serem primariamente radiais em simetria, por possuírem nematocistos, por terem um estágio de pólipo e por se reproduzirem assexuadamente e sexualmente.

Coelenterata ou Cnidaria são animais diploblásticos radialmente simétricos com apenas epiderme e gastroderme, entre essas duas camadas está uma mesogloea gelatinosa que é originalmente menos estruturada, mas em formas mais altas, torna-se fibrosa e tem amebócitos errantes.

A epiderme e a gastroderme estão em duas camadas, cada uma composta por uma variedade de células que mostram uma divisão de trabalho, as células formam tecidos corporais mal organizados.

Todas as funções do corpo são realizadas pelos tecidos e nunca pelos órgãos.

O corpo radialmente simétrico possui um eixo oral-aboral, existe um único celentério ou cavidade gastro vascular que possui apenas uma abertura, a boca. A boca é usada tanto para ingestão quanto para egestão.

Não há celoma. Eles carregam tentáculos e nematocistos. O sistema nervoso é uma rede nervosa primitiva. Eles podem ter um exoesqueleto e, em alguns, existe um endoesqueleto.

Há uma larva de planula ciliada oval durante o desenvolvimento. Os celenterados incluem cerca de 9.000 espécies vivas e existem muitas formas fósseis conhecidas que datam do período Ordoviciano.

Exceto por algumas espécies de formas de água doce, quase todos os Coelenterata são marinhos. Eles incluem hidras, águas-vivas, anêmonas-do-mar e corais. O filo é dividido em três classes, a saber, Hydrozoa, Scyphozoa e Anthozoa.

Fonte: nas.er.usgs.gov/www.onlinebiologynotes.com/byjus.com/www.toppr.com/www.biologydiscussion.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.