Breaking News
Home / Biologia / Medusas

Medusas

PUBLICIDADE

Medusas ou geléias são a principal forma não susceptível de pólipos de indivíduos do filo Cnidaria. Eles são tipificados como livre-natação de animais marinhos constituídas de uma campainha em formato de guarda-chuva gelatinosas anterior e posterior tentáculos. O sino pode pulsar para locomoção, enquanto tentáculos urticantes podem ser usados para capturar presas.

As Medusas são encontradas em todos os oceanos, desde a superfície até o fundo do mar.

Algumas medusas habitam água doce.

Grande, muitas vezes coloridas, água-viva são comuns nas zonas costeiras em todo o mundo.

As medusa vaguearam os mares por pelo menos 500 milhões de anos e, possivelmente, 700.000 mil anos ou mais, tornando-o o mais antigo dos animais de vários órgãos.

GELATINAS MORTAIS

Medusas
Medusa

Elas não têm cérebro, coração, nem pulmões ou ossos. Parecem mais um punhado de gelatina, com longos cordões pendurados. Mas as medusas devem ser as campeãs de adaptação e resistência. Povoam os mares com o mesmo formato e metabolismo de seus ancestrais, surgidos no período Cambriano, há cerca de 700 miihões de anos.

Naquela época remota, apareciam por aqui os primeiros animaìs multi-celulares. As medusas surgiram justamente no início da era de especialização, quando as células começaram a dividir seus papéis.

Algumas células voltaram-se à digestão, outras, à reprodução ou à locomoção, organizando-se em órgãos e sistemas determinados.

O principal segredo do recorde de sobrevivência das medusas está ao longo de seus tentáculos: eles contêm minúsculos arpôes carregados de veneno.

A mesma artilharia pesada usada para caçar pequenos peixes e plânctons serve de defesa contra seus raros predadores: alguns peixes, baleias, caranguejos e tartarugas marinhas. Estas são imunes às ferroadas mortais devido à queratina a proteína que forma a carapaça desses animais e protege também sua boca e esôfago.

Medusas
Medusa

Algumas espécies mais evoluídas matam mais gente que os tubarões, que fazem cerca de cinco mortes por ano, no mundo todo. Parece pouco, mas comparando o aspecto ameaçador do famoso “assassino dos mares” com as aparentemente inofensivas medusas, o dado é de assustar.

A mesma simplicidade que intriga nas medusas faz delas um interessante e útil objeto de estudo para a ciência: por causa da pequena variedade de células, são cobaias ideais para se analisar o comportamento dos organismos em condições extraordinárias. Foi assim que 2.500 medusas acabaram se transformando em astronautas, em 1991.

Acomodadas em tanques com água marinha, elas deram um passeio de nove dias em órbita da Terra, a bordo do ônibus espacial americano Columbia. Os biólogos e médicos acreditam que, estudando os efeitos da falta de gravidade sobre os processos de reproduçào, locomoçâo e desenvolvimento desses animais, estarão dando um grande passo na descoberta de respostas para questões fundamentais referentes à adaptação do homem à vida no espaço.

Em terra, especialistas em farmacologia marinha pesquisam as substâncias produzidas por essas criaturas. Alguns tipos, por exem-plo, liberam uma fotoprotefna que, quando entra em contato com o cálcio, as deixa luminosas. Essa substância, chamada equorina, já é usada em pesquisas biomédicas, para se detectar o papel do cálcio em alguns processos fisiológicos, como a contraçáo muscular.”

Medusas
Medusa

Alheias aos interesses da pesquisa científica e livres das paredes dos tanques, na liberdade do mar, as medusas levam uma vida bem mais pacata. Essas verdadeiras bolhas d’água (95% de seu organismo é composto por nada além de água salgada) limitam-se a boiar ao sabor das correntes frias, à espera de um bom petisco que caia ao alcance de seus longos braços.

Com seu apetite, são capazes de engolir enormes quantidades de água e alimento. E, mesmo quando não agúentam mais comer, continuam matando, o que tem um efei-to devastador sobre a vida marinha. Uma Aurél’ia, por exemplo, o tipo mais comum de medusa, medindo apenas 25 centímetros de diâmetro, pode abater até dez filhotes de salmão por hora.

Agua-má. chora-vinagre, cansação ou mãe-d’água – as medusas são conhecidas no mundo inteiro, com os mais diversos apelidos. Os biólogos já catalogaram cerca de 9.000 espécies, desde as mais simples, chamadas hidromedusas, até as cifomedusas, bem maiores e um pouco mais complexas. O tamanho pode variar de alguns centímetros a mais de 2 metros de diâmetro, com tentáculos de até 30 metros de comprimento.

Como tudo nelas, o sistema neurológico é surpreendentemente simples mas eficaz. Uma rede de neurônios cobre a camada externa do corpo gelatinoso. Apesar de não possuir órgãos, algumas cifomedusas, mais evoluidas, têm células que percebem a luz e um primitivo sistema de equilíbrio, que as mantêm na posiçáo correta, quando levadas pelas correntes .

Medusas
Medusa

Para se locomover, as medusas contam com um anel de poderosos músculos, na borda do sino, ou seja, do corpo. A cada vez que esses músculos se contraem, expulsam a água do interior do sino, numa propulsão “a jato”. Com os músculos relaxados, o sino se abre novamente, dando estabilidade. Mas nem sempre elas têm força para lutar contra as correntes. Nesse caso, podem chegar às centenas ou aos milhares em qualquer praia.

O maior trabaiho que uma medusa tem na vida é nascer. Os óvulos liberados pela fêmea são fertilizados pelo macho, no mar. Em algumas espécies, a mãe retém o embrião, como se estivesse grávida, até que o ovo se transforme em larva. A partir daí, a sobrevivência do filhote fica por sua própria conta.

Comem de tudo, têm raríssimos inimigos e gastam pouquíssima energia para se reproduzir – as medusas têm tudo a favor pa ra uma longa vida. É justamente por estar perfeitamente adaptadas a seu meio ambiente, que elas não precisaram evoluir quase nada ao longo de quase um milhâo de anos e provaveimente não vão mudar, nos próximos milênios.

Medusas
Medusa

Fonte: www.geocities.com

Medusas

As medusas têm sido tradicionalmente consideradas simples e primitivas. Quando se observa uma medusa num aquário, não é difícil perceber porquê.

A medusa tal como os seus familiares (a anémonas e o coral) parece um animal desprovido de muitos acessórios. Não tem cabeça, sem parte da frente ou de trás, sem lado esquerdo ou direito, sem pernas ou barbatanas. Ela não tem coração. O seu intestino, em vez de um tubo, é uma bolsa cega, pelo que a sua boca serve também como orifício retal. Em vez de um cérebro, ela tem uma rede difusa de nervos.

Um peixe ou um camarão pode-se deslocar rapidamente nadando de forma determinada; uma medusa desloca-se de forma preguiçosa através de impulsos lentos.

Mas novas pesquisas fizeram os cientistas perceber que eles têm subestimado a medusa e seus parentes – conhecidos como cnidários. Por baixo do seu exterior aparentemente simples reside uma notável coleção de genes sofisticados, incluindo muitos que deram origem à anatomia complexa dos seres humanos.

Muito para sua surpresa, os cientistas descobriram que alguns genes activados nos embriões eram quase idênticos aos genes que determinavam o eixo cabeça-cauda dos bilatérios, que inclui os seres humanos. Mais surpreendentemente, os genes activam-se no mesmo padrão cabeça-cauda dos bilatérios.

Estudos adicionais mostraram que os cnidários utilizavam outros genes do kit de genes dos bilatérios. Os mesmos genes que conferem o padrão de frente-trás dos embriões dos bilatérios, por exemplo, foram produzidos em lados opostos do embrião da anémona.

As descobertas levaram estes cientistas a perguntarem-se por que razão os cnidários um conjunto tão complexo de genes de construção corporal se os seus órgãos acabam por se formar assim tão simples. Eles concluíram que os cnidários podem ser mais complicados do que parecem, particularmente no que diz respeitos aos seus sistemas nervosos.

De certa forma, os cnidários são um modelo melhor para a biologia humana do que as moscas da fruta. Por muito estranho que pareça, observar uma medusa num aquário é muito como nos olharmos ao espelho.

Reprodução

As Medusas reproduzem tanto sexualmente como assexuadamente.

Medusas
Medusa

Fonte: www.nytimes.com

Medusas

Medusas
Medusas

Elas não tem cérebro, coração nem pulmões ou ossos. Parecem mais um punhado de gelatina, com longos cordões pendurados, mas as medusas devem ser as campeãs de adaptação e resistência. Povoam os mares com o mesmo formato e metabolismo de seus ancestrais, surgidos no período cambriano, há cerca de 700 milhões de anos.

O principal segredo de seu recorde de sobrevivência estão em seus tentáculos, que possuem arpões carregados de veneno. A mesma artilharia pesada usada para caçar pequenos peixes e pancton serve de defesa contra seus raros predadores.

Alguns peixes, baleias, caranguejos e tartarugas marinhas.

Essas são imunes as ferroadas mortais devido á proteína queratina, que forma a carapaça destes animais, protegendo também sua boca e esôfago. Algumas espécies matam mais gente que os tubarões. Algumas outras liberam uma fotoproteína que quando entra em contato com o cálcio, as deixa luminosas. São bolhas de água. 95% de seu organismo é composto por nada além de água salgada. Mesmo quando não agüentam mais comer continuam matando.

Uma Aurélia, o tipo mais comum, medindo apenas 25cm de diâmetro, pode abater até 10 filhotes de salmão por hora. Para se locomoverem, contam com 1 anel de poderosos músculos.

A cada vez que se contraem, expulsam água do interior do sino, numa propulsão a jato, mas nem sempre têm força para lutarem com concorrentes. Comem de tudo, têm raríssimos inimigos e gastam pouquíssima energia para se reproduzir.

Fonte: pt.shvoong.com

Medusas

Medusa (também conhecido como geléias e geléias do mar) são animais desossados que flutuam livremente pelo mundo oceanos.

Apesar das águas-vivas existirem em nossos oceanos em todo o mundo são particularmente proeminentes em áreas costeiras.

Medusa pode ser encontradas em todas as formas e tamanhos a partir de apenas alguns centímetros de diâmetro a mais de um metro.

Existem são provavelmente cerca de 2.000 espécies diferentes de medusa (água-viva), sendo a mais comum as grandes, coloridas encontradas nas zonas costeiras mais quentes.

Existem quatro tipos diferentes de medusa que são classificados pela sua forma e da maneira como se comportam.

Medusas
Água-viva

Medusas
Água-viva

Medusas
Água-viva

Apesar do nome, águas-vivas não são realmente peixes mas são classificados em um grupo de seus próprios como eles são diferentes de qualquer outro animal na Terra. O corpo da água-viva é composta de uma geléia não vivo como substância chamada mesogléia. Esta geleia é rodeado por uma camada de pele que é apenas uma célula de espessura. O corpo da água-viva é composta principalmente de água, cerca de 90%, na verdade.

As Medusas também têm tentáculos ao redor da boca, que variam em comprimento, dependendo da espécie de água-viva.

As medusas usam seus tentáculos tanto para capturar e picar suas presas. Os tentáculos da água-viva são cobertos por uma pele que contém células especiais, algumas para picar, alguns que pegam e outras para furar. A água-viva é capaz de produzir essas células em uma taxa alarmante para que eles sejam efetivamente disponível para a água-viva.

Algumas picadas de medusas contêm veneno que a água-viva usa para atordoar e matar sua presa. A água-viva, encontrada nos oceanos ao redor da Austrália, tem um ferrão poderoso o suficiente para ser fatal para os seres humanos. Os longos tentáculos da água-viva é o que produz a picada.

A água-viva é um animal carnívoro e apesar da aparência, a água-viva é um predador extremamente eficiente.

As Medusas usam seus tentáculos para atordoar suas presas antes de agarrar sobre ele e trazê-lo em sua boca. Medusas presa em um tipos de animais aquáticos, como peixes pequenos, ovos e invertebrados, juntamente com qualquer outra coisa que ficar presa em seus tentáculos.

Devido ao fato de que muitas espécies de águas-vivas são transparentes, são muitas vezes difícil para os predadores de detectar. No entanto, as água-viva são andarilhos e se movem muito lentamente através da água, por vezes usando seus tentáculos para impulsioná-los junto.

As Medusas são consumidas por seres humanos, tubarões, lulas e ocasionalmente pássaros.

Medusas liberam seus óvulos e espermatozóides na água que eventualmente encontram e o ovo é fertilizado. O óvulo da água-viva se torna um embrião rapidamente e começa a se desenvolver no mundo, de água ..

Fonte: a-z-animals.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Progestina

PUBLICIDADE O termo progestina geralmente se refere a uma forma sintética do hormônio feminino progesterona, …

Pleiotropia

Pleiotropia

PUBLICIDADE O que é pleiotropia? A pleiotropia ocorre quando um gene influencia duas ou mais características …

Pinheirais

Pinheirais

PUBLICIDADE O que são pinheirais? Os pinheiros (gênero Pinus) são espécies de coníferas da família …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.