Breaking News
Home / Meio Ambiente / Competição Ecológica

Competição Ecológica

PUBLICIDADE

Competição Ecológica – O que é

competição ecológica é a luta entre dois organismos pelos mesmos recursos dentro de um ambiente.

Os recursos são componentes do ambiente que são necessários para a sobrevivência e reprodução, como comida, água, abrigo, luz, território e substrato.

Membros da mesma espécie também podem competir por parceiros.

A competição entre membros de espécies diferentes é chamada de competição intraespecífica, enquanto a competição entre membros da mesma espécie é chamada de competição interespecífica.

Como os membros da mesma espécie ocupam o mesmo nicho ecológico, suas necessidades são quase idênticas e, portanto, a competição interespecífica tende a ser mais intensa do que a competição intraespecífica.

A competição ecológica ajuda a manter a estrutura da comunidade e a diversidade de espécies dentro dos ecossistemas.

O conceito de exclusão competitiva também está sendo usado para melhorar as práticas agrícolas.

Competição Ecológica – Organismos

A interação de pelo menos dois organismos ou espécies de modo que, para cada um, as taxas de nascimento ou crescimento sejam diminuídas e a taxa de mortalidade aumentada pela presença de outros organismos ou espécies.

competição ecológica é o conflito que surge entre dois ou mais organismos ou espécies por recursos ambientais idênticos.

Essa competição é reconhecida como uma das forças mais importantes na estruturação das comunidades ecológicas, e o interesse pela competição levou a um dos primeiros axiomas da ecologia moderna, ou seja, o princípio da exclusão competitiva.

O princípio sugere que, em situações em que o crescimento e a reprodução de duas espécies são limitados em recursos, apenas uma espécie pode sobreviver por recurso.

Pelo que os organismos competem?

Os organismos competem pelos recursos de que precisam para sobreviver – ar, água, comida e espaço.

Em áreas onde estes são suficientes, os organismos vivem em co-existência confortável, e em áreas onde os recursos são abundantes, o ecossistema possui alta riqueza de espécies (diversidade).

Quanto mais generalista for um organismo, maiores as chances de coexistir com seus coespecíficos (outros membros da mesma espécie) e outros táxons.

Animais e plantas que têm requisitos específicos de história de vida, como pássaros que nidificam em cavidades, plantas com requisitos de solo ph-específicos ou animais com comportamentos alimentares obrigatórios, têm mais dificuldade em competir.

Esses recursos podem ser fatores limitantes para onde os organismos são distribuídos, e a competição por eles pode ser acirrada.

Definição de Competição em Biologia

Competição Ecológica

Competição em biologia é um termo que descreve como os organismos vivos buscam recursos direta ou indiretamente.

A competição pode ocorrer dentro de uma espécie ou entre espécies diferentes. Os muitos tipos de competição incluem tudo, desde cães brigando por um osso até veados no cio travando chifres em uma luta até a morte.

Mesmo bactérias microscópicas competem vigorosamente por meio de vários mecanismos, como explorar um recurso específico necessário para os competidores ou usar funções metabólicas para tornar o ambiente externo inadequado para outras espécies bacterianas.

Exemplos de competição são onipresentes no mundo natural. Espécies invasoras competitivas, como percevejos, besouros khapra, brocas de cinzas verdes, mostarda de alho, carpa asiática, mexilhões-zebra e besouros asiáticos podem dizimar espécies nativas e prejudicar gravemente o ecossistema. Os cientistas estimam que o líquen produz mais de 500 compostos bioquímicos que matam micróbios, controlam a luz e suprimem o crescimento das plantas.

A competição na ecologia comunitária sustenta a vida e fortalece o pool genético. Concorrentes melhores são mais propensos a sobreviver e transmitir suas características genéticas vantajosas aos descendentes.

Se uma característica é favorável ou desfavorável depende das condições ambientais.

Por exemplo, os cascos são melhores adaptações do que os dedos para correr em pastagens abertas.

Competição Ecológica – Tipos

Um conceito fundamental em ecologia é o princípio da exclusão competitiva. Isso afirma que duas espécies com nichos ecológicos semelhantes não podem existir simpatricamente (no mesmo ambiente).

Um sempre competirá com o outro, de modo que as espécies mais competitivas permanecerão e a subordinada se adaptará ou será excluída (por emigração ou extinção).

Embora a competição no mundo natural seja eminente, nem sempre acontece da mesma maneira.

competição interespecífica é quando diferentes animais que vivem na mesma área geográfica (espécies simpátricas) competem pelo mesmo conjunto de recursos, principalmente alimentos e espaço.

competição intraespecífica é quando diferentes espécies competem entre si, geralmente por requisitos mais específicos, como parceiros e locais de nidificação/toca.

A competição direta ocorre quando os indivíduos competem entre si diretamente pelo mesmo recurso, ou seja: dois alces-touro lutando pelo acesso a uma única fêmea.

A competição indireta ocorre quando os organismos usam o mesmo recurso, mas não necessariamente interagem uns com os outros – por exemplo, guepardos diurnos e leopardos noturnos usando o mesmo poço em uma savana de pastagem. A competição por interferência ocorre quando há um deslocamento deliberado de indivíduos pelo seu concorrente.

Os indivíduos menos competitivos são forçados a ir a outros lugares para encontrar recursos. Estudos mostraram, no entanto, que se os animais mais competitivos partirem, os indivíduos deslocados retornarão.

A competição de exploração é mais sutil. Isso ocorre quando a sobrevivência ou reprodução de uma espécie é suprimida devido à presença de um forte competidor. Não há deslocamento real, pois a pressão competitiva se manifesta por meio de uma redução na capacidade de um indivíduo sobreviver e se reproduzir.

Competição Ecológica – História

Competição Ecológica

competição em um sentido ecológico é a luta entre indivíduos por recursos ambientais.

Os recursos incluem qualquer coisa encontrada no ambiente que seja necessária para o crescimento e reprodução, como comida, abrigo, água, luz e substrato ou território. Para indivíduos da mesma espécie, os recursos também podem incluir parceiros.

Os recursos são diferentes das condições ambientais porque os recursos têm o potencial de se tornarem escassos.

As condições ambientais incluem componentes do ambiente que afetam o crescimento e a reprodução dos organismos, mas são compartilhados de forma idêntica entre todos os membros de um ecossistema.

Tais condições incluem temperatura, salinidade e pH.

Um fator importante que afeta a disponibilidade de recursos em um ecossistema é a densidade de indivíduos, ou o número de organismos que vivem em uma determinada área.

Se mais indivíduos vivem em uma determinada área, os recursos são esgotados mais rapidamente e a competição ecológica por esses recursos limitados se intensifica. Por outro lado, as condições ambientais não são afetadas pela densidade. Independentemente do número de indivíduos que vivem em uma área, a temperatura do ar ou a salinidade da água será a mesma. Os recursos são, portanto, referidos como fatores ecológicos dependentes da densidade, enquanto as condições ambientais são chamadas de fatores independentes da densidade.

A intensidade da competição ecológica depende muito dos recursos exigidos pelos indivíduos em um ecossistema. Por exemplo, se duas espécies diferentes de pássaros comem apenas um único tipo de baga, a competição por essa baga será intensa. No entanto, se as duas espécies de aves comem um certo tipo de baga, mas uma espécie também come nozes locais e a outra espécie também come certas sementes, a competição pela baga não será tão grande.

A soma das necessidades de recursos e as condições ambientais adequadas de um indivíduo representam seu nicho ecológico. Indivíduos da mesma espécie têm essencialmente os mesmos requisitos de recursos e, portanto, ocupam nichos ecológicos idênticos. Como resultado, a competição entre membros da mesma espécie, também chamada de competição interespecífica, é geralmente mais acirrada do que a competição entre membros de espécies diferentes, que é chamada de competição intraespecífica.

Em 1934, o ecologista russo Georgii F. Gause (1910-1986) realizou experimentos clássicos que levaram ao desenvolvimento do princípio da exclusão competitiva, também conhecido como lei de Gause.

Gause cultivou duas espécies de protozoários intimamente relacionados, Paramecium caudatum e Paramecium aurelia, fornecendo-lhes uma fonte de alimento controlada.

Quando as duas espécies foram cultivadas separadamente, elas se multiplicaram exponencialmente como previsto pelas equações teóricas de divisão celular. No entanto, quando as duas espécies foram cultivadas juntas na mesma fonte de alimento, apenas uma espécie sobreviveu. A outra espécie foi eliminada.

O princípio de exclusão competitiva de Gause afirma que se existe um recurso limitante no ambiente e duas espécies dependem desse recurso, apenas uma das espécies sobreviverá.

O outro se extinguirá no meio ambiente ou desenvolverá adaptações evolutivas que o deslocarão para um nicho ecológico diferente.

A competição ecológica, portanto, pode atuar como um mecanismo para impulsionar a adaptação evolutiva.

Um dos exemplos mais famosos de adaptação evolutiva impulsionada pela competição por recursos é o dos tentilhões de Darwin. Existem pelo menos 13 espécies de tentilhões nas Ilhas Galapogos.

Os cientistas acreditam que todas as espécies evoluíram de uma espécie ancestral. Como os recursos alimentares nas ilhas são limitados, a competição entre os membros das espécies ancestrais levou os indivíduos a consumir alimentos que não eram ideais.

Essa pressão competitiva favoreceu indivíduos com formato de bico que podiam comer os alimentos pelos quais a competição não era tão intensa.

Esses indivíduos acabaram se tornando espécies totalmente diferentes do ancestral original. Com o tempo, mais de uma dúzia de espécies de tentilhões foram estabelecidas por causa da competição ecológica.

Em 1935, o ecologista britânico Arthur Tansley (1871-1955) realizou experimentos com uma planta chamada Gálio, também conhecida como colchonete. Tansley plantou duas espécies, uma nativa de solo alcalino e outra encontrada em um solo mais básico. Quando plantadas sozinhas, ambas as espécies podem crescer no tipo de solo alcalino ou básico. No entanto, quando plantadas juntas, a planta em seu solo nativo sempre cresceu muito maior do que a planta em solo não nativo. Tansley percebeu que a planta nativa era capaz de obter recursos de forma mais eficaz do que a planta cultivada em condições não nativas.

Tansley supôs que a competição tem amplos efeitos na estrutura da comunidade. Em particular, a presença ou ausência de um competidor pode desempenhar um grande papel na determinação do tamanho, tamanho da população e saúde de outros organismos no ambiente.

Competição Ecológica – Impactos e problemas

competição ecológica afeta a estrutura da comunidade em um ecossistema e coloca pressão evolutiva no desenvolvimento de adaptações em uma população. Como resultado, mudanças nas forças competitivas em um ambiente podem afetar não apenas o ecossistema como um todo, mas também a história evolutiva de uma espécie.

À medida que o impacto humano no meio ambiente se torna cada vez mais intenso, a atividade humana criou inúmeras condições nas quais as relações competitivas existentes são rompidas, alterando a estrutura do ecossistema. Um tipo importante de ruptura nas relações competitivas em um ecossistema é a imigração de espécies não nativas ou invasoras.

Uma segunda interrupção resulta da remoção de um concorrente, como ocorre em situações de caça excessiva ou sobrepesca.

Uma espécie invasora ou exótica é uma espécie que estabelece uma população em um local em que não é nativa. Devido ao aumento das viagens em todo o mundo, não apenas humanos, mas sementes, larvas, plantas e animais são rapidamente transportados por longas distâncias. Em sistemas aquáticos, navios cargueiros carregam água de lastro em seus porões.

Eles abastecem nos portos de partida e depois liberam a água nos portos de destino. A água de lastro contém muitas espécies de microrganismos, moluscos, caranguejos e até peixes, que são liberados em novos locais.

Em 1982, um animal gelatinoso chamado ctenóforo, semelhante a uma água-viva, foi lançado na água de lastro das águas dos Estados Unidos para o Mar Negro.

O ctenóforo competiu por alimento na forma de plâncton microscópico com as espécies nativas de peixes. Como o ctenóforo não tinha predadores naturais no Mar Negro, sua população explodiu.

Seguindo a lei de exclusão completa de Gause, as populações de peixes despencaram. Isso não apenas interrompeu a estrutura do ecossistema e a diversidade de espécies no Mar Negro, mas também devastou a pesca comercial na região.

As espécies invasoras e sua capacidade de exercer forte pressão competitiva sobre os ecossistemas locais não é um evento isolado. O mexilhão zebra é uma espécie exótica para os Grandes Lagos.

Cresce em altas densidades e causa sérios danos às estruturas aquáticas, como tubulações, docas e fundos de barcos. Por filtrar vorazmente algas microscópicas da água, as populações de peixes, mariscos e mexilhões nativos que competem pelos mesmos recursos alimentares diminuíram severamente. Na Flórida, anoles marrons exóticos de Cuba substituíram anoles verdes nativos em grande parte de seu habitat.

O aguapé azul, nativo da América do Sul, foi plantado nos Estados Unidos como flor decorativa. Agora é uma planta incômoda em todos os cursos d’água da Flórida, competindo por espaço e nutrientes com a flora local. Existem estimativas que a maioria dos ecossistemas do mundo contém de 10 a 30% de espécies exóticas.

Embora nem todas essas espécies resultem em interações competitivas que afetam a estrutura da comunidade, quando essas interações ocorrem, quase sempre resultam em perda de estabilidade da comunidade e diminuição da diversidade biológica.

Uma segunda maneira pela qual a atividade humana pode influenciar as relações competitivas dentro de um ecossistema é pela remoção de um concorrente. Por exemplo, no oceano da Antártida, a cadeia alimentar é baseada no pequeno crustáceo parecido com um camarão chamado krill. Antes do envolvimento humano, as baleias eram o maior consumidor de krill no ecossistema.

A partir de meados da década de 1850, as baleias foram caçadas regularmente nas águas antárticas, dizimando as populações de baleias de barbatanas. Durante esse período, as populações de outros competidores de krill, focas, pinguins e baleias menores cresceram enormemente. Em 1996, foram postas em prática restrições à caça de grandes baleias de barbatana. No entanto, devido ao aumento da pressão competitiva por comida, as baleias de barbatana não restabeleceram os tamanhos populacionais anteriores.

A ideia de competição ecológica, especificamente o princípio da exclusão competitiva, tem sido utilizada para melhorar as práticas agrícolas.

Os criadores de frango estão preocupados com a disseminação do patógeno Salmonella. Esse patógeno não apenas ameaça a saúde das galinhas, mas também pode ser transmitido aos seres humanos e causar doenças.

As galinhas geralmente recebem doses significativas de antibióticos para evitar o crescimento de bactérias patogênicas em seus intestinos.

Mas essa prática tem sido criticada porque os humanos que comem frango ingerem secundariamente os antibióticos. Usando a ideia de exclusão competitiva, os agricultores começaram a introduzir uma bactéria não patogênica nos intestinos de galinhas recém-nascidas que se liga ao substrato no qual a Salmonella normalmente cresceria.

Ao competir por espaço com os patógenos, as populações de bactérias exóticas inofensivas exclue

m o crescimento de bactérias causadoras de doenças.

A exclusão competitiva também está sendo avaliada como um meio de prevenir o crescimento de outros patógenos bacterianos, como Campylobacter e Escherichia coli.

Fonte: www.encyclopedia.com/www.accessscience.com/untamedscience.com/bio.libretexts.org/

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Desequilíbrio ambiental

PUBLICIDADE Desequilíbrio ambiental – O que é O desequilíbrio ambiental é uma das questões ambientais que mais …

Comensalismo

PUBLICIDADE O comensalismo pode implicar a palavra comunidade, e isso é verdade, porque o comensalismo apresenta duas …

Codominância

PUBLICIDADE Codominância – Definição A codominância ocorre quando duas versões diferentes – também conhecidas como “alelos” – …