Breaking News
Home / Meio Ambiente / Comensalismo

Comensalismo

PUBLICIDADE

comensalismo pode implicar a palavra comunidade, e isso é verdade, porque o comensalismo apresenta duas criaturas ou espécies de organismos vivendo em conjunto. No entanto, a natureza particular dos benefícios para cada espécie distingue o comensalismo de outros tipos de comunidades ou arranjos de vida que os organismos podem ter.

Compreender o comensalismo e seu lugar nas categorias de relações simbióticas é muito importante para nossa compreensão da ecologia.

Na ecologia de comunidades, no entanto, o comensalismo é definido como uma relação na qual uma espécie se beneficia e a outra não se beneficia, mas também não é prejudicada.

comensalismo leva a benefícios para um organismo e neutralidade para o outro.

Comensalismo – O que é

comensalismo é um tipo de simbiose.

simbiose refere-se a qualquer interação de longo prazo que dois organismos têm um com o outro.

Simbiose é um termo que abrange a ampla gama de relações comunais que organismos e diferentes espécies podem ter quando vivem, dentro ou perto uns dos outros.

Se ambas as espécies se beneficiam, a simbiose é denominada mutualismo. Quando uma espécie se beneficia, mas a outra é prejudicada, a simbiose é denominada parasitismo.

Uma hiena e um leão que brigam e nunca mais se veem não se qualificam para viver em simbiose porque sua interação não é de longo prazo. No entanto, um leão e uma hiena que regularmente entram em contato e competem por presas teriam uma relação simbiótica porque sua interação é contínua.

No comensalismo, um organismo se beneficia do relacionamento e o outro não é beneficiado nem prejudicado – o efeito do relacionamento sobre ele é neutro. O termo foi cunhado em 1876 pelo zoólogo belga Pierre-Joseph van Beneden.

A palavra “comensalismo” vem da palavra latina commensalis que significa “compartilhar uma mesa”.

Na biologia, o comensalismo é uma relação única entre duas espécies em que uma espécie extrai comida, abrigo ou transporte da outra sem prejudicá-la.

A duração da interação entre duas espécies varia de curta a longa. É uma espécie de relação simbiótica; entretanto, um dos sócios não é beneficiado nem prejudicado.

O parceiro que recebe o benefício é conhecido como comensal, enquanto o outro é conhecido como a espécie hospedeira. A palavra “comensalismo” foi descrita pela primeira vez pelo zoólogo e paleontólogo Pierre-Joseph van Beneden, que usou esse termo para descrever o comportamento dos catadores de seguir predadores para se alimentar dos restos de animais mortos.

O exemplo mais simples de comensalismo é um pássaro fazendo um ninho em uma árvore. A árvore fornece abrigo e proteção para a ave sem ser significativamente prejudicada ou afetada pela ave.

Outro exemplo típico são as garças bovinas (pássaros) que se alimentam dos insetos provocados pela alimentação do gado. As garças bovinas obtêm sua comida sem perturbar o gado.

Orquídeas e samambaias são epífitas que crescem em outras plantas.

A copa das plantas altas ajuda essas epífitas a crescerem, apoiando as epífitas de várias maneiras. As epífitas não apenas obtêm suporte dessas plantas, mas também são expostas à luz solar e aos polinizadores.

No entanto, eles não extraem alimentos da planta hospedeira e, portanto, a planta hospedeira não é afetada pelas orquídeas e samambaias. No entanto, orquídeas e samambaias recebem o apoio tão necessário da planta hospedeira.

Anêmonas do mar e peixes-palhaço coloridos também exibem comensalismo. O peixe-palhaço se abriga na anêmona do mar para se proteger dos predadores. No processo de adaptação, os peixes-palhaço desenvolvem um revestimento mucoso em torno de si, permitindo-lhes refugiar-se na anêmona-do-mar sem afetar seus ferrões. Além disso, os peixes-palhaço se alimentam dos restos da última refeição das anêmonas do mar, mantendo-as limpas.

Peixe-palhaço e anêmona do mar

As cracas são crustáceos imóveis. No entanto, as larvas desses crustáceos se prendem às baleias ou conchas onde essas larvas crescem e florescem. Além disso, as cracas se alimentam dos plânctons enquanto as baleias estão se movendo. Assim, as cracas crescem e prosperam nas superfícies das baleias e se movem de um lugar para outro sem afetar a baleia ou concha hospedeira.

Outro crustáceo, o camarão imperador, compartilha uma relação comensal com os pepinos-do-mar. Os camarões imperadores são leves e são encontrados no mar indo-pacífico.

Esses camarões ficam presos aos pepinos do mar para se protegerem dos predadores e do transporte.

Os caranguejos eremitas residem dentro das conchas dos caracóis mortos. Os caracóis permanecem inalterados pelo comensal enquanto o comensal consegue um lugar para residir sem afetar o hospedeiro.

Comensalismo – Significado

comensalismo é um tipo de relação simbiótica comumente encontrada na natureza que beneficia uma parte sem prejudicar a outra.

As espécies que se beneficiam da relação são conhecidas como comensais e muitas vezes ganham alimento, abrigo ou transporte da espécie hospedeira. Muitas vezes, em tal relação, o comensal é uma espécie menor que se beneficia de uma espécie hospedeira maior.

Comensalismo – Tipos

Todos os tipos de comensalismo exigem que um organismo se beneficie do relacionamento e o outro não seja afetado, mas dentro desses parâmetros.

Existem três tipos principais de comensalismo:

Inquilinismo: No inquilinismo, um organismo serve como lar permanente para outro organismo. Um exemplo é um pica-pau perfurando uma cavidade em um cacto saguaro para usar como local de nidificação. Os benefícios do pica-pau; o cacto não é afetado.

Metabiose: A metabiose é quando um organismo (muitas vezes falecido) cria um ambiente para outro organismo, como bactérias que crescem nos restos de um animal morto. O animal morto, por estar morto, não pode ser prejudicado ou beneficiado, mas a bactéria ganha um habitat e uma fonte de alimento.

Foresia: Foresia é quando um organismo usa o outro para o transporte. Cracas se prendendo a baleias é um exemplo. As cracas recebem uma carona para novos locais de alimentação e reprodução, enquanto as baleias provavelmente nem notam as cracas.

Quais são algumas características que vemos repetidamente no comensalismo e nos relacionamentos comensais?

Comensalismo

Assim como no parasitismo, o organismo que se beneficia (conhecido como comensal) tende a ser significativamente menor que seu hospedeiro (o hospedeiro é o organismo que não muda ou recebe apenas mudanças neutras devido à relação simbiótica).

Isso faz sentido porque um organismo muito grande pode inevitavelmente incomodar ou prejudicar o hospedeiro se estiver vivendo nele ou ao seu redor.

Um comensal menor pode ser mais facilmente ignorado do que um maior.

comensalismo pode variar em seu tempo e intensidade, como qualquer outra relação simbiótica. Alguns comensais têm relacionamentos de longo prazo ou mesmo ao longo da vida com seus anfitriões, enquanto outros têm relacionamentos transitórios e de curta duração. Alguns comensais podem obter benefícios extremos de seus hospedeiros, enquanto outros podem ter benefícios fracos e menores.

Bactérias intestinais comensais

Os seres humanos têm o que é chamado de microbiota intestinal, que é uma comunidade de bactérias e micróbios que vivem em nosso intestino e controlam e modulam certos processos químicos lá.

Outra função muito importante do nosso microbioma intestinal é afastar outras bactérias, especialmente bactérias patogênicas, que gostariam de se agarrar e causar infecções gastrointestinais, com sintomas como náusea, vômito e diarreia. Se nossas bactérias intestinais naturais estão presentes, colonizando nossos intestinos, não há muito espaço ou oportunidade para as bactérias patogênicas se estabelecerem.

Algumas pessoas ficam doentes com problemas estomacais depois de tomar antibióticos. Esse aparente paradoxo ocorre porque os antibióticos mataram as bactérias “boas” de seu microbioma intestinal, dando espaço para as bactérias patogênicas se estabelecerem e causarem infecção.

No entanto, com todas essas atividades importantes que nossas bactérias intestinais nos ajudam a regular e manter, permanece um debate sobre a classificação real do microbioma intestinal.

Nosso relacionamento com nossas bactérias intestinais é um exemplo de comensalismo ou é um exemplo de mutualismo? Obviamente, nós, humanos, nos beneficiamos tremendamente de nosso microbioma intestinal, mas as bactérias também se beneficiam dessa simbiose? Ou eles são meramente neutros, nem prejudicados nem ajudados por isso?

Até agora, a maioria dos cientistas não delineou benefícios claros e específicos para as bactérias que surgem delas morando em nossos intestinos, então nosso microbioma intestinal é mais frequentemente considerado um exemplo de comensalismo do que mutualismo. Ainda assim, alguns cientistas pensam que os micróbios se beneficiam de nosso ambiente úmido e quente e dos produtos alimentícios que consumimos e digerimos.

Fonte: www.prepscholar.com/www.biologyonline.com/www.safeopedia.com/www.studysmarter.co.uk

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Desequilíbrio ambiental

PUBLICIDADE Desequilíbrio ambiental – O que é O desequilíbrio ambiental é uma das questões ambientais que mais …

Competição Ecológica

PUBLICIDADE Competição Ecológica – O que é A competição ecológica é a luta entre dois organismos pelos …

Codominância

PUBLICIDADE Codominância – Definição A codominância ocorre quando duas versões diferentes – também conhecidas como “alelos” – …