Breaking News
Home / Química / Adenosina

Adenosina

PUBLICIDADE

A adenosina é um nucleosídeo que ocorre naturalmente em todas as células do corpo.

A adenosina ou seus derivados desempenham muitos papéis biológicos importantes, além de serem componentes do DNA e do RNA.

A adenosina em si é um neurotransmissor.

O que é adenosina?

A adenosina é um composto orgânico de ocorrência natural que é importante para a bioquímica de organismos vivos, incluindo seres humanos.

Também ajuda a regular a excitação e o sono e a proteger as células contra danos.

Além disso, é um componente de várias moléculas maiores e relacionadas, com funções importantes, como mensagens intracelulares e fornecimento de energia para o metabolismo.

Na medicina, às vezes também é administrado por via intravenosa para tratar problemas cardíacos.

Sua fórmula química é: C10H13N5O4.

É um tipo de produto químico chamado nucleosídeo purina, um termo que descreve sua estrutura molecular.

Os compostos de purina são compostos de duas estruturas de átomos em forma de anel, chamadas anéis aromáticos, que têm uma estabilidade química incomumente alta.

Um nucleosídeo é um composto no qual um composto chamado nucleobase, ou simplesmente uma base, está ligado a uma molécula de ribose (C5H10O5) ou desoxirribose (C5H10O4), ambos açúcares simples ou monossacarídeos.

A adenosina consiste em ribose combinada com a purina adenina (C5H5N5).

A quantidade da substância no corpo aumenta gradualmente durante as horas de vigília.

Devido ao seu efeito inibitório no sistema nervoso, isso eventualmente começa a causar sonolência e, finalmente, o sono, momento em que a quantidade de substâncias químicas no corpo começa a cair novamente.

Parte do motivo da eficácia da cafeína (C8H10N4O2) como estimulante é que a cafeína pode se ligar aos mesmos receptores nas células e interferir nos efeitos normais dos altos níveis de adenosina.

Os níveis de adenosina na corrente sanguínea também aumentam significativamente em áreas que sofrem de inflamação ou suprimento sanguíneo ou de oxigênio restrito, onde o produto químico ajuda a diminuir a inflamação e evitar danos às células.

Vários produtos químicos importantes no corpo são compostos de adenosina combinada com um ou mais grupos fosfato.

O monofosfato de adenosina (C10H14N5O7P) é um tipo de produto químico chamado segundo mensageiro, que transmite mensagens químicas do exterior de sua célula para o interior.

O trifosfato de adenosina (C10H16N5O13P3), ou ATP, é uma importante fonte de energia química para o corpo e alimenta muitos processos metabólicos com a energia liberada quando as ligações químicas se quebram.

O difosfato de adenosina (C10H15N5O10P2) é produzido pela decomposição do ATP e pode ser reciclado para produzir mais ATP com a energia produzida pelos alimentos nos animais ou pela fotossíntese nas plantas.

Também tem usos médicos. Quando injetado na corrente sanguínea, diminui a frequência cardíaca devido a seus efeitos elétricos no nó atrioventricular, que regula os batimentos cardíacos e inibe a liberação do neurotransmissor norepinefrina. Também faz com que o tecido muscular liso ao redor das artérias relaxe e se dilate.

A adenosina é usada pelos médicos para identificar bloqueios nas artérias ou anormalidades nos batimentos cardíacos.

Também pode ser um tratamento eficaz para alguns casos de batimentos cardíacos anormalmente acelerados ou taquicardia.

O que é trifosfato de adenosina?

O trifosfato de adenosina (ATP) é um nucleotídeo, um tipo de molécula que compõe o ácido desoxirribonucleico (DNA) e o ácido ribonucleico (RNA), os blocos de construção do material genético.

Quando não faz parte de uma molécula de RNA ou DNA, o ATP serve para transportar energia química dentro das células para vários fins metabólicos.

Alguns mecanismos pelos quais o ATP é essencial são a síntese de compostos químicos como proteínas, motilidade ou movimento celular e divisão celular.

O trifosfato de adenosina é feito de outros nucleotídeos, difosfato de adenosina ou monofosfato de adenosina e, quando participa de funções metabólicas, reverte para esses precursores.

Esta substância consiste em adenosina, composta da nucleobase adenina e um açúcar ribose em anexo, e três fosfatos, os fosfatos alfa, beta e gama. Nas plantas, é criado através da fotossíntese, que usa a luz solar como fonte de energia e converte dióxido de carbono em açúcar.

Nos animais, o ATP é criado através da respiração celular, que normalmente usa oxigênio para converter glicose em dióxido de carbono e água.

A respiração celular também pode ocorrer na ausência de oxigênio, caso em que é chamada glicólise ou respiração anaeróbica e o produto é ácido pirúvico.

O trifosfato de adenosina é energia armazenada. Torna-se ativo quando decomposto por hidrólise, a inserção de moléculas de água entre suas ligações químicas. A hidrólise resulta em um dos fosfatos do ATP se desprendendo, liberando energia.

O ATP é a fonte de energia mais importante para atividades intracelulares. É responsável pela maioria das reações anabólicas, nas quais moléculas precursoras são unidas em moléculas maiores.

Alguns exemplos incluem montagem de proteínas; montagem de alguns dos componentes do DNA e RNA; e a síntese de gorduras e polissacarídeos, um grupo de carboidratos.

Também é responsável pelo transporte ativo, no qual os materiais são bombeados para dentro ou para fora das células através da membrana celular.

Também ajuda a manter o volume ideal de fluido dentro da célula e ajuda a enviar sinais entre as células. A transmissão de informações através do sistema nervoso e a contração dos músculos também dependem do ATP.

O espancamento dos flagelos e cílios também é realizado pelo trifosfato de adenosina. Essas ações têm muitas funções, incluindo o movimento de alimentos através do trato digestivo e a motilidade dos espermatozoides.

O ATP também é responsável pela bioluminescência, a capacidade de alguns organismos, como vaga-lume e peixe-pescador, de emitir luz.

Qual é a função do trifosfato de adenosina?

O trifosfato de adenosina, ou ATP, funciona como a principal fonte de energia da célula. É freqüentemente chamada de unidade molecular da moeda, porque pode reter e liberar energia quando uma célula exige.

A estrutura do ATP é simples e otimizada para máxima eficiência, uma molécula de adenosina mais três grupos fosfato.

A energia é mantida e liberada nas ligações que mantêm os grupos fosfato entre si e com a molécula de adenosina. Uma liberação de energia pela remoção de um grupo fosfato produz ADP, ou adenosina difosfato, e a remoção de outro grupo fosfato produz AMP, adenosina monofosfato.

AMP, ADP e ATP são moléculas ricas em energia, mas em geral o ATP é preferido em relação às outras duas.

O trifosfato de adenosina é necessário para qualquer processo celular que envolva o movimento ativo de outra molécula.

Osmose, por exemplo, não requer ATP porque a água flui naturalmente de um estado altamente concentrado para um estado menos concentrado. A atividade de motores moleculares em certos tipos de células, por outro lado, requer a energia armazenada no ATP. Como nenhuma criatura viva depende completamente de processos naturais passivos, todas as criaturas precisam de ATP para administrar suas células.

Nem todos os organismos fabricam a mesma quantidade de trifosfato de adenosina, apesar de ser uma molécula essencial para a vida. O ATP é geralmente gerado através da respiração, que envolve a extração de energia de uma fonte externa, geralmente um açúcar comum chamado glicose.

Organismos que usam respiração anaeróbica, como algumas bactérias, geram aproximadamente 2 ATP por molécula de glicose. Aqueles que usam respiração aeróbica, como os humanos, geram entre 32 e 36 ATP por molécula. A respiração aeróbica é mais complicada, mas mais eficiente, daí seu alto rendimento de ATP.

O componente adenosina do trifosfato de adenosina é na verdade composto de duas moléculas separadas, a saber, um açúcar chamado ribose e uma base chamada adenina.

A adenina ligada à ribose cria uma estrutura chamada nucleosídeo, que é diferente dos nucleotídeos da adenina encontrados no RNA e no DNA. Um nucleosídeo é dois terços de um nucleotídeo.

Os nucleotídeos também contêm um grupo fosfato adicional, essencial para formar cadeias longas, como visto no RNA e no DNA. Ao contrário dos nucleotídeos, os nucleosídeos não podem se unir sozinhos e, por essa lógica, as moléculas de ATP não podem formar cadeias.

Trilhões de moléculas de adenosina trifosfato são produzidos todos os dias no corpo humano, e o corpo pode produzir mais do que seu peso em ATP em menos de 24 horas. Isso não causa ganho de peso ou danos corporais, porque a maioria das moléculas de ATP é criada e usada em uma fração de segundo. Ao longo da vida de um organismo, o ATP é a força motriz que mantém o corpo funcionando.

As mitocôndrias geram adenosina trifosfato (ATP), uma fonte de energia química

Fonte: www.news-medical.net/www.healio.com/pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/www.wisegeek.org/www.sciencedirect.com/www.ncbi.nlm.nih.gov/www.drugbank.ca

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Processo de contato

PUBLICIDADE O processo de contato é um método catalítico para produzir ácido sulfúrico a partir de dióxido …

Química Bioinorgânica

PUBLICIDADE A química bioinorgânica é o estudo das estruturas e funções biológicas das substâncias biológicas inorgânicas, ou …

Cinética Química

PUBLICIDADE A cinética química nos diz a velocidade com que as espécies químicas se transformam em novas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.