Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Eslováquia

Eslováquia

História

PUBLICIDADE

De 11 até o início do século 20, a atual Eslováquia estava sob domínio húngaro. O renascimento nacional eslovaco foi iniciado no século 19 por intelectuais que procuram reviver a língua eslovaca e cultura.

A formação da República da Checoslováquia, em 1918, após a Segunda Guerra Mundial, satisfez as aspirações comuns de tchecos e eslovacos para a independência do Império Habsburgo.

Eslováquia

Embora a Tchecoslováquia fosse o país centro-leste europeu apenas para permanecer uma democracia parlamentar entre 1918-1938, foi atormentado com problemas de minorias, a mais importante das quais grande parte da população envolvidas do país alemãofoi envolvida.

Em 1938, os Aliados concluiram o acordo de Munique, que forçou a Tchecoslováquia a ceder a região predominantemente alemã conhecida como Sudetos para a Alemanha.

Então, em março de 1939 Alemanha invadiu o que restava da Boêmia e Morávia e estabeleceu um protetorado alemão.

Eslováquia já havia declarado sua independência em 14 de março de 1939, e tornou-se um Estado fantoche nazista alemão liderado por Jozef Tiso.

Em 29 de agosto de 1944, 60 mil soldados eslovacos organizados se levantaram contra os nazistas e o regime Tiso, no que ficou conhecido como a Revolta Nacional Eslovaco. Embora finalmente mal sucedido, este ato de resistência tornou-se um importante marco histórico para os eslovacos. No final da Segunda Guerra Mundial, tropas soviéticas invadiram toda a da Eslováquia, Moravia, e grande parte da Bohemia.

Reunido após a guerra, os checos e eslovacos realizou eleições em 1946.

Na Eslováquia, o Partido Democrata ganhou as eleições, mas o Partido Comunista da Checoslováquia ganhou 38% do voto total na Tchecoslováquia e o poder eventualmente apreendidos, em fevereiro de 1948.

As próximas quatro décadas foram caracterizadas por rigoroso regime comunista, interrompido apenas brevemente em 1968, quando Alexander Dubcek, um eslovaco, tornou-se líder do partido.

Dubcek propôs reformas políticas, sociais e econômicas em seu esforço para fazer o “socialismo com face humana”, uma realidade.

A preocupação entre os governos do Pacto de Varsóvia que Dubcek tinha ido longe demais levou à invasão e ocupação da Checoslováquia em 21 de agosto de 1968, pela União Soviética, húngaro, búlgaro, soldados da Alemanha Oriental, e polaco. Dubcek foi removido como líder do partido e substituído por outro eslovaco, Gustav Husak, em abril de 1969.

Os anos 1970 e 1980, ficou conhecido como o período de “normalização”, em que os apologistas da invasão soviética impedido em 1968, o melhor que podiam, qualquer oposição ao seu regime conservador.

A vida política, social e econômica estagnou. Porque o centro do movimento de reforma tinha sido em Praga, a normalização foi menos duramente sentida na Eslováquia. De fato, a República Eslovaca viu comparativamente elevado crescimento econômico nos anos 1970 e 1980 em relação à República Checa.

Os anos 1970 foram também caracterizadas pelo desenvolvimento de um movimento dissidente, especialmente na República Checa.

Em primeiro de janeiro, de 1977, mais de 250 ativistas de direitos humanos assinaram um manifesto chamado Carta 77, que criticou o governo por não cumprir as suas obrigações de direitos humanos.

Em 17 de novembro de 1989, uma série de protestos públicos conhecida como a “Revolução de Veludo” começou e levou à queda do regime comunista na Tchecoslováquia.

Um governo de transição foi formado em dezembro de 1989, e as primeiras eleições livres na Tchecoslováquia desde 1948 ocorreu em junho de 1990.

Em 1992, as negociações sobre a nova constituição federal e o impasse sobre a questão da autonomia da Eslováquia, na segunda metade de 1992, foi alcançado um acordo para dividir pacificamente a Tchecoslováquia.

Em 1 de janeiro de 1993, a República Checa e a República Eslovaca foram simultaneamente e pacificamente fundada. Ambos os estados atingidos reconhecimento imediato de os EUA e seus vizinhos europeus.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

Eslováquia

ESLOVÁQUIA, JOVEM PAÍS

O país mais jovem da Europa emergiu de sua sociedade de 74 anos, com a antiga Checoslováquia no dia 1 de Janeiro de 1993. Embora só tenha a metade da superfície e a população da República Checa, a estratégica posição da Eslováquia, como ponte entre Hungria, Ucrânia, Áustria lhe assegura um posto importante na Europa pós-comunista.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Eslováquia está situada literalmente no coração da Europa. Medições científicas mostram que o centro geográfico da Europa situa-se na montanha chamada Krahule, perto da cidade histórica de Kremnica, na Eslováquia Central.

O país cobre um área de 49.039 quilômetros quadrados, e encontra-se entre os paralelos 17 e 23 e os 47 e 50 graus de longitude. Eslováquia limita ao Oeste com a República Checa (265 quilômetros), ao Sudoeste com Áustria (127 quilômetros), ao Sudeste com Hungria (679 quilômetros), ao Norte com Polônia (597 quilômetros) e ao leste com Ucrânia (98 quilômetros).

As principais cidades são: Bratislava (440.000 habitantes), Kosice (240.000), Zilina (97.000), Nitra (87.127), Presov (92.687), Banska Bystrica (84.741 e Trnava (71.369).

FLORA E FAUNA

A riqueza botânica está relacionada com a fauna, que representa perto de 25 mil espécies.

Aos mais interessantes redutos cenozóicos e glaciares da fauna pertecem: a camurça e a marmota montanhosas e muitos pássaros e insetos. Na Europa quase não existem cotos de caça tão abundantes, como na Eslováquia.

Muito comum é o urso (700 exemplares), o lince, a marta, o lobo. A vezes encontram-se a lontra e o visão europeus, a águia dourada e o falcão. Abundam também os cervos, corços e queixadas. Na cota e Topolcianky vive o bisão europeu, nas planícies da tartaruga lagunera. Ultimamente reaparecem o castor e o anta nórdica.

História

No século IX as tribos checa e eslovaca – provenientes de diferentes lugares da Europa – formam o grande Império de Morávia, após haver colonizado por volta do século VI, as regiões de Boêmia e Eslováquia, respectivamente. No século X os húngaros fizeram-se com parte do império, o qual permaneceriam até 1918.

Em 1515, a Reforma chega a Eslováquia, fazendo-a sonhar com maior autonomia, até que os turcos chegam em 1530, e não são expulsos, até após, cem anos de luta.

No século XIX germina a semente do descontentamento espalhado, desde as aulas da Universidade de Bratilsva, e os eslovacos levantam-se contra a submissão húngara. A revolução é esmagada, mas a vontade de lograr a autonomia cresce.

Como conseqüência disto e perante o progressivo processo de “marginalização” da cultura da região, intelectuais checos (submetidos por Áustria) e eslovacos reavivam, com propósitos políticos a antiga idéia de uma só tribo checo-eslovaca. Após a derrota de Áustria-Hungria na Primera Guerra Mundial, Eslováquia e Boêmia formam a república Checoslovaca.

Após numerosos ataques, durante a Segunda Guerra Mundial, a Segunda República Checoslovaca se estabelece em 1948, sob controle comunista, e instituções administrativas centralizadas, em Praga.

Com a queda do muro de Berlim os ânimos nacionalistas eslovacos tornaram a exacerbar-se, concluindo as conversações entre checos e eslovacos, com a dissolução pacífica da antiga Checoslováquia, no dia 1 de janeiro de 1993.

Arte e Cultura

O desenvolvimento da cultura na Eslováquia tem seguido o padrão de crescimento global de outras culturas da Europa Central, embora possua marcos específicos, devido a circunstâncias geográficas e históricas.

Tem mudado conforme, as eras e períodos mais prolongados. É parte integral dos movimentos sociais e processos culturais europeus a grande escala (cultura pré-morávia, Idade Média e Idade Moderna).

Um marco essencial da cultura centro européia, foi o diferente grau de influência de poderosas esferas culturais, principalmente, Bizâncio, durante o começo da história nacional eslovaca, e Ocidente (Roma) e sobretudo Alemanha a partir do século X.

A vitória da influência ocidental manifestou-se sobretudo, nas áreas da linguagem (o latim, como o idioma oficial do estado feudal) e a arte (estilos romano, gótico, renascentista, barroco e clássico). A cultura nacional eslovaca desenvolveu-se misturada, com outras culturas nacionais (alemã, húngara, checa), absorvendo parte de seus valores e estímulos e provendo-as com alguns dos seus próprios.

GASTRONOMIA

Como na República Checa, uma das especialidades mais típicas da cozinha eslovaca são os bunhuelos, que também são o alimento mais econômico, que o turista poderá encontrar. Entre os bunhuelos mais populares estão os bryndzove halusky, feitos com queijo de ovelha frito e bacom frito.

A sopa mais conhecida é a kapustnica, um rico caldo ao que agrega-se repolho, presunto defumado, salchichas, cogumelos e maçãs. Um tira gosto muito habitual é o sunkova rolka cherenovou, que consta de uma fatia de presunto com creme temperada, com diversas ervas. As sobremesas mais típicas são as crepes (palacinky), especialmente as de chocolate.

Bebidas

Com a divisão do país, Eslováquia conservou os dois terços dos vinhedos da antiga república. O vinho eslovaco é de boa qualidade e muito barato. Existem também, excelentes vinhos espumosos. Encontrará além, as principais bebidas da Europa.

Compras

Entre o melhor que o turista pode adquirir na Eslováquia encontra-se, a joalheria, artigos de pele, bordados, encaixes, tecidos especiais, sapatos, discos de música clássica, antigüidades nos locais Tuzex, assim como, grande quantidade de pequenas lembranças.

Os mercados de fim de semana são os melhores lugares para prover-se de produtos típicos da região.

População e Costumes

Eslováquia tem uma população de 5.404.000 habitantes, dos quais 85.6% são eslovacos, 10.7% húngaros, 1.5% ciganos e 1% checos. Os 600.000 eslovacos de etnia húngara vivem principalmente, no sul e leste do país, e viram garantidos seus direitos, como minoria na Constitução de 1992, embora o antagonismo histórico entre húngaros e eslovacos.

A maioria da população é católica, o luteranismo é a segunda religão mais praticada, e uma significativa parte da população do leste do país é grega-ortodoxa.

Existem outros grupos religiosos de menor importância numérica, entre os que destaca a comunidade judia.

ENTRETENIMENTO

Eslováquia oferece magníficas e variadas ofertas para o desfrute da natureza. É um dos principais destinos dos amantes do montanhismo, que concentram-se especialmente, em Mala Fatra, Vysoke Tatry e Slovensky raj. Para o rafting, a melhor opção é o rio Dunajec no Parque Nacional de Pieniny, onde também pode-se praticar o montanhismo.

Para o esquiador esperto, Eslováquia oferece algumas das melhores estações de esqui da Europa, e a preços muito competitivos. A temporada de esqui vai desde dezembro a abril no Vysoke Tatry e Malá Fatra. É difícil encontrar equipamentos de esqui de grande qualidade, embora possa alugar as marcas locais a preços acessíveis.

O ciclismo é outra das atividades que propõe a paisagem eslovaca, pois contém algumas das melhores rotas em Europa do Leste, com estradas despovoadas de uma grande beleza paisagística.

FESTIVIDADES

As festas oficiais são: Ano Novo, Reis do Oriente, Sexta e Segunda de Páscoa, Dia do Trabalho, Dia da Liberação (8 de Maio), o Dia de Cirilio e Metodio (5 de Julho), a Assunção da Virgem, o dia SNP (29 de Agosto), Dia da Constituição (1 de Setembro), Todos os Santos e Natal.

Transportes

Avião

As linhas aéreas checoslovacas (CSA) voam desde Bratislava a Praga, várias vezes ao dia, com conexões às principais cidades da Europa e do mundo.

Desde Praga voa também diáriamente, a Poprad-Tatry e Kosice. Nos dias da semana há também vôos entre Bratislava e Kosice.

A outra conexão internacional é Budapest, desde onde partem vários trens para cobrir os 215 quilômetros, que a separam da capital eslovaca: o Hungaria, o Balt-Orient, o Pannonia e o Metropol.

Todas as linhas aéreas importantes do mundo têm vôos diretos a Bratislava ou com escala em Praga.

Barco

Eslováquia não tem saída para o mar

Trem

Desde Viena a Bratislava há um serviço quatro vezes ao dia. Existem também, numerosos trajetos que unem cidades alemãs com Bratislava via Praga.

No interior do país, a Rede de Estradas de Ferro Eslovaca (Zeleznice Slovenskej republiky, ZSR), proporciona um eficiente serviço, a preços econômicos às principais cidades: Kosice (445 quilômetros), Tremscim (123 quilômetros), Zilina (203 quilômetros) Poprad-Tatry (344 quilômetros) e Spisska Nova Ves (370 quilômetros).

Por Terra

Há um ônibus várias vezes por dia desde Viena a Bratislva. Outras linhas unem durante todo o ano a capital eslovaca com Amsterdã, Bruxelas e outras capitais européias. No interior, o serviço de ônibus é mais caro que o do trem e no final da semana reduz bastante o número de viagens.

Nas principais cidades encontrará alternativas de transporte público. Atenção aos táxis, que costumam aproveitar-se do estrangeiro.

Fonte: www.rumbo.com.br

Eslováquia

Ano de adesão à União Europeia: 2004

Sistema político: República

Capital: Bratislava

Superfície: 49 000 km²

População: 5,4 milhões de habitantes

Moeda: coroa eslovaca

Língua oficial da UE falada no país: Eslovaco

Eslováquia
Bratislava

Eslováquia
Bratislava

República Eslovaca acedeu à independência em Janeiro de 1993, após a cisão da Checoslováquia em duas Repúblicas independentes.

O Rio Danúbio liga a Eslováquia, situada no coração da Europa Central, aos países vizinhos. A atração natural mais famosa são os picos de Tatra, apreciados pelas suas paisagens e pelas infraestruturas para a prática de esquis. As terras da planície do Danúbio formam uma região fértil para a produção de trigo, centeio, batata, beterraba sacarina, fruta, tabaco e vinha.

O Presidente da República, eleito por sufrágio universal direto, por um mandato de cinco anos, dispõe de poderes limitados. O Parlamento unicamaral é composto por 150 membros eleitos por um mandato de quatro anos.

A população é composta por 86% de eslovacos, constituindo os húngaros, a principal minoria étnica.

As fortificações existentes no cimo de muitas colinas são testemunho de uma longa história de invasões. Bratislava, onde, no passado, eram coroados os reis da Hungria, tem um importante patrimônio arquitetônico medieval e barroco.

Os principais pratos tradicionais são os bolinhos de batata com queijo de cabra e a sopa de couve com salsicha.

Entre os eslovacos mais conhecidos contam-se Štefan Banic que inventou o pára-quedas em 1913, o fundador da arte pop, Andy Warhol, ou Andrej Varchola, cujos pais eram originários do Leste da Eslováquia, sem esquecer a célebre orquestra Slovenská Filharmônia, criada em 1949.

Fonte: europa.eu

Eslováquia

Eslováquia é um país na Europa Central.

A capital é Bratislava.

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo).

A língua nacional é o Eslovaco. A outra língua oficial é o Húngaro.

A Eslováquia tem uma substancial minoria ativa Húngara. As raízes da Eslováquia podem ser traçadas ao estado do século 9 da Grande Morávia. Posteriormente, os Eslovacos passaram a fazer parte do Reino da Hungria, onde permaneceram pelos próximos 1.000 anos.

Após a formação da dupla monarquia Austro-Húngara em 1867, as políticas da linguagem e da educação favorecendo o uso do Húngaro (Magiarização) resultaram em um fortalecimento do nacionalismo Eslovaco e um cultivo dos laços culturais com os intimamente relacionados Tchecos, que eram governados de per si pelos Austríacos.

Após a dissolução do Império Austro-Húngaro no final da Primeira Guerra Mundial, os Eslovacos juntaram-se aos Tchecos para formar a Checoslováquia. Após o caos da Segunda Guerra Mundial, a Checoslováquia se tornou uma nação Comunista dentro da Europa Oriental Soviético-dominada.

A influência Soviética entrou em colapso em 1989 e a Checoslováquia, mais uma vez tornou-se livre. Os Eslovacos e os Tchecos concordaram em separar-se pacificamente em 1 de Janeiro de 1993. A Eslováquia juntou-se tanto à NATO e à UE na Primavera de 2004 e à zona do euro em 1 de Janeiro de 2009.

A Eslováquia é um pequeno país Eslavo no coração da Europa. Para a maioria do século 20 ela foi a parte menos populosa e menos desenvolvida da Checoslováquia. A união com os Tchecos foi inicialmente proposta pelos próprios Eslovacos. Mas desde o início ela era um casamento de parceiros desiguais. O anseio pela independência nacional resultou na dissolução da Checoslováquia em 1 de Janeiro de 1993.

Terra

A Eslováquia fronteira a Polônia ao norte; a Ucrânia ao leste; a Hungria e a Áustria ao sul; e a República Tcheca a oeste. É um belo país montanhoso, com picos elevados nos Altos Tatras dos Montes Cárpatos. No centro da Eslováquia se estende outra cordilheira, os Baixos Tatras. Eles são conhecidos por suas muitas pistas de esqui.

A parte sul da Eslováquia, ao longo da fronteira com a Hungria, é uma planície fértil. Um clima geralmente ameno torna possível o cultivo de culturas como pimentão, melão e girassóis.

O maior rio da Eslováquia é o Danúbio. Ele faz fronteira com a Hungria e liga o país com o Mar Negro. Os principais afluentes do Danúbio são o Váh e o Hron.

População

A Eslováquia tem uma população de cerca de 5 milhões. Destes, cerca de 86% são Eslovacos étnicos, descendentes das tribos Eslavas que se instalaram na região durante os séculos 5 e 6. A língua Eslovaca foi codificada apenas no século 19.

Ela é muito semelhante ao Tcheco e pertence ao grupo Eslavo ocidental (juntamente com Polonês). Uma grande minoria Húngara (cerca de 10 por cento) vive no sul da Eslováquia. Os Romani (Ciganos) representam quase 2 por cento da população.

A Eslováquia fazia parte da Hungria até 1918. Mas contatos estreitos entre Tchecos e Eslovacos já haviam se desenvolvido durante o renascimento nacionalista do século 19. Após a formação da República da Checoslováquia em 1918, no entanto, as diferenças entre as formas de vida e sistemas econômicos entre Tchecos e Eslovacos causaram problemas.

Os Tchecos construíram escolas Eslovacas, comunicações e muitas instituições. Mas eles negligenciaram a economia.

Após a tomada Comunista em 1948, os velhos ressentimentos Eslovacos foram durante décadas emudecidos pelas políticas repressivas do regime Comunista. A maioria dos Tchecos nem sequer tinham conhecimento desses sentimentos.

Eles tendiam a ver seus compatriotas do leste como “Tchecos que esperavam falar Eslovaco”. Apesar da alegria inicial sobre a queda do antigo regime no final de 1989, uma forte recuperação do nacionalismo Eslovaco logo se desenvolveu. Isto levou rapidamente à separação das duas nações.

Nos últimos anos, têm havido graves tensões entre a Eslováquia e a Hungria sobre o antigo tratamento de sua minoria Húngara. Uma lei Eslovaca de 2009 requeria o uso da língua Eslovaca em todas as transações do governo. A população Húngara da Eslováquia e o governo da Hungria criticaram a lei pela sua segmentação das minorias étnicas.

Religião

Tradicionalmente, a Eslováquia rural tem sido fortemente Católica Romana. Pequenas igrejas Protestantes têm tipicamente atraído os Eslovacos que se sentiam mais perto da cultura Tcheca.

Educação

Quando a Eslováquia tornou-se parte da Checoslováquia, o nível educacional da maioria de seus habitantes era baixo. As autoridades Húngaras tinham sistematicamente suprimido a cultura Eslovaca durante anos e, no final do século 19, até mesmo se envolvido em fortes “magiarizações”.

A principal instituição da cultura Eslovaca, a Associação Eslovaca, que tinha sido fundada em 1863, foi suspensa em 1875.

Depois de 1918, os níveis educacionais em toda a Checoslováquia tornaram-se gradualmente comparáveis, e a atual Eslováquia tem um sistema de ensino bem desenvolvido, com 14 instituições de ensino superior.

Por causa de maiores oportunidades econômicas e culturais, um grande número de Eslovacos sempre gravitaram em torno da República Tcheca. Existem milhares de casamentos mistos, e Tchecos e Eslovacos permanecem em condições muito amigáveis, apesar da cisão da Checoslováquia. O leste da Eslováquia, em torno da cidade de Košice, é a região mais pró-Tcheca.

Bratislava

Situada às margens do Danúbio, a capital da Eslováquia é um porto fluvial líder. É uma cidade antiga, mencionada em fontes escritas como no século 10. Ela foi parte da Hungria até 1918, e, de 1526 a 1784, serviu como a capital Húngara.

Outras cidades

A segunda-maior cidade da Eslováquia é Košice, um centro industrial e um assento de três universidades. Trnava data do século 13, e mais tarde foi um importante centro de comércio.

Economia

Historicamente, a Eslováquia tem sido uma região pobre e em grande parte subdesenvolvida. Entre 1867 e 1914, mais de 500.000 Eslovacos emigraram, a maioria deles para os Estados Unidos.

Durante a era Comunista, empresas industriais mamute foram construídas, produzindo principalmente aço e vários tipos de armamentos. Para a primeira década da independência, havia relativamente pouco progresso economico, mas em 2002 o governo liderado por Mikulás Dzurinda começou a introduzir extensas reformas economicas.

Uma taxa de tributação fixa de 19 por cento foi introduzida; a segurança social foi reformada, e as práticas de contratação e demissão foram muito liberalizadas. Dentro de alguns anos, o país – apelidado de tigre Central Europeu – tornou-se um ímã para os investidores estrangeiros. O desemprego caiu consideravelmente, e a taxa de crescimento econômico disparou.

Em 1 de Janeiro de 2009, a Eslováquia introduziu o euro, o 16º país Europeu a fazê-lo. Ao mesmo tempo, no entanto, a sua economia de exportação-orientada começou a contrair sob o impacto da desaceleração econômica global.

Esta situação foi agravada por três semanas de desligamento do fornecimento de gás natural. A disputa de preços entre a Rússia e a Ucrânia levou ao fechamento de um gasoduto no início de 2010. Muitas empresas na Eslováquia foram forçadas a encerrar por falta de calor.

Por 2010, a economia Eslovaca havia retomado o crescimento, a um ritmo mais rápido do que seus vizinhos. No entanto, os gastos para combater a recessão tinham estressado o déficit nacional. Como resultado, em Outubro de 2010, um governo recém-eleito propôs impostos mais altos e cortes nos gastos públicos para reduzir o déficit.

Economia – visão geral:

A Slovakia realizou importantes reformas economicas desde a sua separação da República Checa em 1993. As reformas da tributação, saúde, de pensões e de bem-estar social ajudou a Eslováquia consolidar o seu orçamento e entrar na pista para aderir à UE em 2004, após um período de relativa estagnação no início de 1990 e meados de e para adoptar o euro em Janeiro de 2009.

Grandes privatizações são quase completo, o setor bancário é quase inteiramente nas mãos de estrangeiros, e que o governo tem ajudado a facilitar um boom de investimentos estrangeiros com políticas de negócios amigáveis.

Crescimento econômico da Eslováquia superou as expectativas em 2001-08, apesar de uma desaceleração geral europeu. O investimento estrangeiro direto (IED), especialmente nos setores automotivo e eletrônico, alimentado grande parte do crescimento até 2008.

Mão de obra barata e qualificada, impostos baixos, nenhum imposto de dividendos, um código do trabalho relativamente liberal e uma localização geográfica favorável são as principais vantagens da Eslováquia para os investidores estrangeiros.

A economia contraiu 5% em 2009, principalmente como resultado de entradas de IDE menores e redução da procura de exportações da Eslováquia antes de se recuperar em 2010-11, mas o crescimento abrandou em 2012 devido ao enfraquecimento da demanda externa.

O governo do primeiro-ministro Robert Fico, em 2012, aumentos de impostos implementados na maior remunerados pessoas físicas e jurídicas, efetivamente demolição imposto fixo da Eslováquia para ajudar a cumprir as metas do défice orçamental de 4,9% do PIB em 2012 e de 3% do PIB em 2013.

Governo

A Eslováquia tem um parlamento unicameral de 150-membros e uma presidência cerimonial. O atual presidente, Ivan Gašparovic, foi eleito para um segundo mandato em Abril de 2009.

História

O Danúbio formava a fronteira setentrional do Império Romano, e as legiões Romanas, ocasionalmente, entravam na atual Eslováquia. No século 9, a Eslováquia foi uma parte da Grande Morávia, o primeiro estado Eslavo importante na Europa Central.

Os Magiares chegaram no século 10, e, a partir do século seguinte, a Eslováquia foi parte da Hungria, geralmente conhecida como Alta Hungria. Os contatos com Tchecos e Morávios para o oeste eram esporádicos; durante as guerras Hussitas do século 15, por exemplo, grande parte da Eslováquia veio sob a influência dos líderes Hussitas.

No século 19, os intelectuais Eslovacos codificaram a linguagem, organizaram as associações nacionais da Eslováquia, e começaram a longa busca das liberdades políticas. Durante a Primeira Guerra Mundial, um jovem general e astrônomo Eslovaco, M. R. Štefánik, juntamente com os líderes Tchecos T. G. Masaryk e Eduard Benes, se propuseram a criar um novo estado de Tchecos e Eslovacos.

Suporte importante para esse objetivo veio da comunidade Eslovaca nos Estados Unidos. O Acordo de Pittsburgh de Maio de 1918 confirmou a decisão de formar um estado comum de Tchecos e Eslovacos, a ser chamado Checo-Slováquia (para indicar que era uma união de duas nações). Mais tarde, porém, o governo da Tchecoslováquia adotou a visão de que havia uma nação da Checoslováquia.

Apesar das muitas melhorias durante o período entre guerras, a Eslováquia permaneceu na posição de sócio minoritário, e muitos nacionalistas Eslovacos tornaram-se ardentemente anti-Tchecos. Estas atitudes culminaram com a criação de um Estado separado da Eslováquia em 1939 após a invasão Nazista da Boêmia e da Moravia. Um vassalo Nazista, o Estado era independente apenas no nome.

Após a guerra, a Checoslováquia foi reconstituída, e a “questão da Eslováquia” foi submersa pelo regime Comunista. A Constituição de 1960, proclamando a Tchecoslováquia uma república socialista, ainda mais reforçou o governo central de Praga.

A insatisfação Eslovaca então se tornou um dos fatores que conduziram à vida curta da “Primavera de Praga”, um período de liberalização em 1968. Um nome indelevelmente ligado com esses oito meses é o de Alexander Dubcek, um sofisticado Comunista da Eslováquia que se tornou o líder do Partido Comunista da Checoslováquia, em Janeiro de 1968.

A federalização da lei, aprovada em Janeiro de 1969, foi a única reforma da Primavera de Praga que sobreviveu à ocupação Soviética de Agosto de 1968. A Checoslováquia, assim, se tornou uma república federal.

A Eslováquia Independente

Dificuldades econômicas na transformação pós-Comunista da Checoslováquia levaram à elevada taxa de desemprego na Eslováquia, o que por sua vez alimentou o sentimento anti-Tcheco. O líder populista Vladimír Meciar então negociou a divisão da Checoslováquia.

O “divórcio de veludo” ocorreu em 1 de Janeiro de 1993, e muitos Eslovacos – particularmente a intelligentsia – lamentaram profundamente ele. As maneiras cada vez mais autocráticas de Meciar levaram ao seu afastamento em 1994, embora ele recuperasse seu posto no final daquele ano.

Ele ficou no poder até 1998, quando seu partido perdeu para uma coalizão de centro-direita chamada de Coalizão Democrática Eslovaca (SDK). Ela era liderada por MikulᚠDzurinda. O novo governo promoveu reformas econômicas e melhorou muito a posição internacional do país.

Em 2002, Dzurinda, liderando um partido agora chamado União Cristã e Democrata Eslovaca (SDKÚ), foi reeleito e formou uma nova coalizão.

Em 2004, a Eslováquia aderiu à OTAN e à União Europeia (UE). Enquanto isso, grandes reformas econômicas, elogiadas pelo Banco Mundial e outras organizações financeiras internacionais, retornaram a Eslováquia em uma das nações pós-Comunistas de mais rápido crescimento.

As reformas que ajudaram a virar a economia também trouxeram dificuldades para muitos trabalhadores. Como resultado, nas eleições legislativas de 2006, o partido da Social Democracia – SMER de Robert Fico ganhou o controle do governo prometendo melhorar os programas sociais.

Na verdade, o governo de Fico fez poucas mudanças nas políticas econômicas e do bem-estar até o início da desaceleração econômica de 2008-09. Nesse ponto, ele introduziu programas para estimular a economia.

As eleições parlamentares de 2010 trouxeram ao poder uma coalizão de centro-direita liderada por Iveta Radicová, o novo chefe do SDKÚ. (Este último era agora conhecido como SDKÚ-DS na sequência de uma fusão com outro partido em 2006).

Em Outubro de 2011, o Parlamento rejeitou inicialmente um acordo para ampliar o fundo de resgate da zona do euro para os membros à beira do calote em sua dívida, principalmente a Grécia. Mas, em seguida, ele aprovou-a, tornando-se o último membro da zona do euro a fazê-lo.

Eslováquia
A paisagem eslovaca, com as montanhas Tatra visíveis à distância

Eslováquia
O edifício do Parlamento em Bratislava

Eslováquia
Castelo de Bratislava é uma das estruturas mais importantes na sua cidade homônima.
O exterior foi recentemente repintado em cor branca

Irina Rybacek

Edward W. Walker, Ph.D.

Fonte: Internet Nations

Eslováquia

Nome completo: República Eslovaca

População: 5,5 milhões (ONU, 2011)

Capital: Bratislava

Área: 49.033 km ² (18.932 milhas quadradas)

Grande língua: eslovaco

Principal religião: Cristianismo

Expectativa de vida: 72 anos (homens), 80 anos (mulheres) (ONU)

Unidade monetária: 1 euro = 100 centavos

Principais exportações: produtos manufaturados, máquinas e equipamentos de transporte

RNB per capita: EUA 16070 dólares (Banco Mundial, 2011)

Domínio da Internet:. Sk

Código de discagem internacional: 421

Perfil

Mesmo no coração da Europa e com uma história entrelaçada com a de seus vizinhos, a Eslováquia tem orgulhosamente preservada a sua própria língua e tradições culturais distintas.

Era parte da Tchecoslováquia até o “divórcio de veludo”, em janeiro de 1993.

Tendo desacoplado-se de seu vizinho ocidental, na Eslováquia no primeiro lutou para provar a si mesmo como uma democracia independente, mas com o tempo do vigésimo aniversário do “divórcio de veludo” em janeiro de 2013, ele passou a ser visto como um dos maiores sucessos da Europa histórias.

Os cinco primeiros anos após a independência foram marcados por relações frias com a União Europeia e da Otan, como resultado de preocupações com credenciais democráticas a liderança Eslovaca.

Houve crescente críticas internacionais à falta de respeito pelos direitos das minorias e do processo democrático demonstrado pelo primeiro-ministro autoritário, Vladimir Meciar. Sob Vladimir Meciar, a dívida pública do país inchou e ele foi afastado por investidores estrangeiros.

Eslováquia
O icônico Monte Krivan um lugar de destaque na cultura popular Eslovaca

Ele liderou uma série de governos de coalizão seguem políticas nacionalistas e populistas, até outubro de 1998, quando uma aliança de liberais, centristas, esquerdistas e húngaros étnicos depôs, formando uma nova coalizão com Mikulas Dzurinda como primeiro-ministro.

Sob o Sr. Dzurinda, a Eslováquia passou por uma completa mudança de direção. Seu governo avançou com um programa de reformas económicas e foi recompensado com um aumento do investimento estrangeiro. Ele também tentou melhorar a situação das minorias.

Comunidade étnica húngara da Eslováquia constitui cerca de um décimo da população do país, ea situação desta minoria substancial tem sido uma fonte de tensão entre a Eslováquia ea Hungria.

O governo do Sr. Dzurinda de supervisionou a entrada da Eslováquia na UE e Otan em 2004, mas as medidas de austeridade que introduziu tornou impopular entre os eleitores, e em 2006, foi substituído por uma coalizão de centro-esquerda liderada por Robert Fico.

O governo do Sr. Fico contou com o apoio do Partido Nacional Eslovaco, e seu governo foi marcado pela controvérsia sobre o tratamento da minoria húngara.

Ele perdeu a eleição de 2010 parlamentar, mas voltou para um segundo mandato como primeiro-ministro, depois de vencer a eleição de 2012.

A Eslováquia também tem uma população cigana significativa, que sofre desproporcionalmente elevados níveis de pobreza e privação social.

Os Benes pós-guerra decretos, que pediu a expulsão de 3 milhões de alemães étnicos e 600.000 húngaros étnicos do então Tchecoslováquia eo confisco de seus bens, continuam a ser uma questão sensível nas relações com os vizinhos.

Eslováquia
Castelo de Bratislava é um dos marcos da capital e torres sobre o rio Danúbio

A cronologia dos principais acontecimentos:

Janeiro de 1993 – Independência da Tchecoslováquia após racha. Parlamento elege Michal Kovac do Movimento para uma Eslováquia Democrática presidente (MDS). Vladimir Meciar, também do MDS, é primeiro-ministro no governo de coalizão.

Março de 1994 – nova coalizão liderada por Jozef Moravcik da União Democrata da Eslováquia formados após voto de não-confiança no governo Meciar.

Dezembro de 1994 – Meciar lidera outra coalizão após as eleições novas.

Março de 1995 – Tratado de Amizade e Cooperação assinado com a Hungria, garantindo a fronteira existente e os direitos das minorias étnicas.

1995 novembro – Nova lei restringindo o uso oficial de qualquer outra língua que não Eslovaca dá origem a condenação internacional.

1998 Março – impasse constitucional como Presidente Kovac termina prazo e Parlamento não chegarem a acordo sobre um sucessor. O primeiro-ministro Meciar assume poderes presidenciais, provocando manifestações de protesto e condenação da UE. Ele aproveita a oportunidade para descartar quase metade do país, embaixadores e derrubar várias decisões Kovac.

Junho de 1998 – Decisão de iniciar o primeiro reator na usina nuclear Mochovce não muito longe de fronteira austríaca irrita Viena.

Integração europeia

1998 Setembro / Outubro – Meciar perde eleições premiership seguintes. Mikulas Dzurinda, cabeças nova coalizão, compromete-se a reforçar a democracia e colocar a Eslováquia volta no caminho para a integração europeia.

De janeiro de 1999 – O Parlamento termina quase um ano de crise constitucional, passando uma nova lei que permite a presidente a ser eleito diretamente pelo povo.

1999 Maio – Pro-ocidental candidato Rudolf Schuster país ganha primeiras eleições presidenciais diretas.

Julho de 1999 – O Parlamento aprova lei para melhorar a situação das línguas minoritárias.

2001 Fevereiro – Parlamento aprova profundas mudanças na Constituição do país, um passo fundamental para ganhar a adesão à UE e da Otan. A nova Constituição descentraliza o poder na Eslováquia, aumenta a autoridade do escritório de auditoria do Estado, reforça a independência do Poder Judiciário e dá maior reconhecimento dos direitos das minorias.

Janeiro de 2002 – Oito novos parlamentos regionais criadas ao abrigo da constituição alterada, um dos principais requisitos para entrada na UE.

Setembro de 2002 – Mikulas Dzurinda ganha segundo mandato como primeiro-ministro em um governo de coalizão de centro-direita.

De dezembro de 2002 – Cimeira da UE em Copenhague formalmente convida a Eslováquia a participar em 2004.

Maio de 2003 – eslovacos votar em referendo a favor da adesão à UE. O comparecimento às urnas é um pouco mais de 50 por cento exigido.

Fevereiro de 2004 – A polícia e as tropas trazido para acabar tumultos por Romany população protestando contra os cortes em benefícios em partes do leste da Eslováquia.

Março de 2004 – Eslováquia admitiu à Otan.

Abril de 2004 – Ivan Gasparovic eleito presidente, derrotando o ex-primeiro-ministro Meciar em segundo turno de votação.

Adesão à UE

2004 Maio – Eslováquia é um dos 10 novos estados para aderir à UE.

Maio de 2005 – O Parlamento ratifica Constituição da UE.

Novembro de 2005 – Eslováquia junta Europeia Mecanismo de Taxa de Câmbio, um passo significativo no caminho da adesão à zona euro.

Janeiro de 2006 – avião militar eslovaco cai na Hungria, matando 42 pessoas.

Abril de 2006 – Inundações como bancos rajadas Danúbio.

Tribunal intervém para acabar com a greve dos médicos e enfermeiros sobre pagar e sell-offs no setor da saúde.

Junho-Julho de 2006 – de esquerda líder da oposição, Robert Fico, torna-se primeiro-ministro em um governo de coalizão com o Movimento Vladimir Meciar para uma Eslováquia Democrática e um partido de direita.

Outubro de 2006 – Robert Fico anuncia retirada das tropas da Eslováquia no Iraque até o final de 2007.

Novembro de 2007 – Escândalo envolvendo negócios de terras leva à demissão de ministro da Agricultura Miroslav JURENA e mergulha a coligação de três partidos em crise.

Polícia apreende urânio enriquecido que poderia ser usado para uma” bomba” suja e prender dois húngaros e um ucraniano.

De dezembro de 2007 – Eslováquia retira suas últimas tropas do Iraque.

Entrada do euro

De julho de 2008 – UE dá aprovação formal para a Eslováquia a adoptar o euro em Janeiro de 2009.

2009 Janeiro – Eslováquia adota o euro.

Abril de 2009 – Ivan Gasparovic se torna presidente eslovaco primeiro a ganhar a reeleição, derrotando centro-direita challenger Iveta Radicová na segunda rodada de votação.

De julho de 2009 – Eslovaca Parlamento aprova lei nova linguagem que permite multas a serem impostas para a utilização de uma língua minoritária em prédios do governo. Hungria condena nova lei, dizendo que ela discrimina minoria húngara da Eslováquia.

Março de 2010 – O presidente Gasparovic vetos lei patriotismo controverso que deve entrar em vigor em 1 de Abril. A lei exigiria escolas para exibir símbolos de soberania Eslovaca, em cada sala de aula e para tocar o hino nacional a cada manhã.

2010 Maio – Eslováquia protestos na decisão do parlamento húngaro para permitir que os húngaros étnicos que vivem no exterior para aplicar para a cidadania húngara. Ele revida ameaçando retirar qualquer eslovaco que se aplica a dupla nacionalidade de sua nacionalidade eslovaca.

2010 Julho – Iveta Radicová do partido SDKÚ-DS nomeado primeiro-ministro à frente de um governo de quatro partidos de centro-direita após as eleições parlamentares em junho.

2011 Outubro – coalizão de governo desmorona quando uma das partes se recusa quatro regem a apoiar a ratificação Eslovaca de um fundo de resgate da zona do euro expandida.

Dois dias depois, o Parlamento ratifica o plano de resgate da zona do euro depois que o governo se compromete a realizar uma eleição geral antecipada em março 2012.

2011 Dezembro – escuta serviço secreto vazaram relata apelidado de “os arquivos de gorila” ponto a negócios obscuros entre os políticos de centro-direita e um grupo financeiro local.

2012 Março – esquerdista Smer partido da oposição, liderada pelo ex-primeiro-ministro Robert Fico, vence vitória esmagadora nas eleições gerais, tendo mais de metade dos assentos no parlamento.

Fonte: news.bbc.co.uk

Eslováquia

Eslováquia tornou-se numa nação independente em 1 de Janeiro de 1993, após a divisão pacífica da Checoeslováquia na sequência do fim da Guerra Fria e da queda do Muro de Berlim.

Eslováquia ocupa uma superfície de 49.036 km2 e tem uma população de 5.380.000 habitantes. A capital é Bratislava. A língua oficial é eslovaco e a moeda é a coroa eslovaca, pelo menos até integração no Euro.

O país é montanhoso e as estâncias de Inverno nas Montanhas Ore e Carpathian estão a crescer em popularidade. Além do turismo, também a agricultura e a industria são atividades essenciais.

O território é dominado pelas Montanhas Ore na região central e pelas Carpathian na fronteira norte com a República Checa e Polônia. O pico mais elevado do país é o Monte Gerlachovsky Stit com 2.655 m, nos Cárpatos.

O Rio Danúbio é um fator fundamental na sua passagem pela capital Bratislava.

História

Século VII

Os eslovacos expulsam os Celtas que habitavam o espaço do seu atual território.

Século IX

A Eslováquia passa a fazer parte da Grande Morávia, que inclui áreas que pertencem atualmente à Polônia, Hungria e República Checa. O Império Morávio desfez-se no século X e os eslovacos são subjugados pelos húngaros.

Em 1536, são integrados no Império Romano-Germânico, governado pelos Habsburgos, que se transforma posteriormente no Império Austro-Húngaro.

1918

A derrota do Império Austro-Húngaro na Primeira Guerra Mundial (1914/18) possibilitou a declaração de independência dos eslavos e checos, que se unem em 1918 para formar a Checoslováquia. A Constituição do novo Estado não contemplava, no entanto, a proposta dos eslovacos de um Estado Federal que lhes salvaguardasse a autonomia eslovaca.

1938

Em Outubro, quando o acordo de Munique cede à Alemanha as áreas da Checoslováquia de população alemã (os Sudetas), os nacionalistas eslovacos proclamam um Governo autônomo, com sede em Bratislava.

1939

Em Março, a Alemanha invade as regiões checas. A Eslováquia forma então um país separado, sob a tutela alemã e com um regime pró-nazi, chefiado pelo bispo católico Josef Tiso.

1945

Com a derrota nazista da II Guerra Mundial, o exército soviético, incluindo contingentes checoslovacos, liberta o País. Os eslovacos concordam então em recriar a Checoslováquia com base na absoluta igualdade entre os dois povos.

1948

Com os comunistas no poder, a Eslováquia volta a ser submetida a um Estado centralizado sob a hegemonia checa e, a partir daí, torna-se um estado-satélite de Moscovo.

1955

A Checoslováquia torna-se membro do Pacto de Varsóvia. O regime comunista silencia as reivindicações de autonomia, que só voltam ao de cima com as reformas liberalizantes do secretário geral do Partido comunista, Alexandre Dubcek, um eslavo.

1968 – A Invasão soviética põe fim a essse período, denominado “Primavera de Praga”.

1989

Checos e eslovacos participam na Revolução de Veludo, assim chamada pela maneira suave como decorreram o derrube do regime e o restabelecimento da democracia.

1990

Os principais líderes da Eslováquia começam a reivindicar mais autonomia. A Assembleia Federal altera o nome do país para República Federal Checa e Eslovaca e Vaclav Havel é eleito para um segundo mandado de dois anos. As tensões relativamente à questão da autoridade do Governo federal sobre os Governos das duas regiões continuam.

1992

Vladimir Meciar, um partidário da separação, vence as eleições e é interpretado como um voto pelo fim da Checoslováquia.

Independência

1993

No dia 1 de Janeiro, é criada a República da Eslováquia, independente pela primeira vez havia treze séculos. Economicamente, as coisas foram mais duras para a Eslováquia, país com menos recursos.

A República Checa e a Eslováquia assinaram acordos que estabelecem uma união aduaneira, bem como uma total liberdade de circulação de capitais e bens.

Fonte: mundofred.home.sapo.pt

Eslováquia

História

Dentro da ramo indo-europeu de povos ( que hoje habita todo velho continente, península indica e porções diversas da Ásia ), existe um grupo numeroso chamado eslavo.

Os eslavos aparecem no cenário da história, no começo de nossa era, inclusos no contexto das grandes migrações de povos. Inicialmente ocupam extensas faixas de terra entre o mar Negro e as florestas situadas além das estepes ucranianas.

Depois, iniciam fluxos migratórios que os conduzem ao litoral dos mares Báltico, Adriático, Egeu e aos maciços alpinos. Entre os séculos IV e VI, os eslavos começam a fundar pequenos estados efêmeros nos territórios hoje compreendidos pela Ucrânia, Bielo-Rússia, Rússia, Tcheco e Eslováquia, Polônia, Eslovênia, Macêdonia, Croácia, Sérvia, parte da Alemanha, Hungria, sul da Áustria, norte da Albânia e invadem a Grécia.

Comprimidos entre os Impérios Franco e Bizantino, os eslavos formam o primeiro grande estado oriental, conhecido como Rus Kyivana por volta do século IX.

Há diversas teorias a esse respeito; a mais difundida, narrada pela Crônica de Nestor dá conta do fato de que guerreiros nórdicos da Escandinávia, conhecidos sob o nome de varegues, teriam penetrado pelos grandes rios até a costa do mar Negro, e em simbiose com a população local, teriam fundado o Estado Kyiviano, cuja capital era a cidade de Kyiv, antigo centro do reino dos Kazares, cuja extensão territorial ia dos Montes Cárpatos ao norte do Cáucaso.

Em breve, a população da Rus Kyivana integra o reino de Oleg ( 879- 914 ), que alarga as fronteiras de seu estado até o rio Don, a leste, sob a influência da cultura bizantina, Sviatosláv, o conquistador ( 964 -972 )chega a ameaçar com suas tropas, a cidade de Constantinopla. Volodymyr, o grande ( 979 – 1015 ), desposa a irmã do imperador bizantino, Anna e converte-se ao cristianismo, que se torna a religião oficial do estado.

A obra de Volodymyr tem continuidade durante o reinado do filho, Iarosláv, o sábio ( 1019 -1054 ),que transforma Kyiv numa grande metrópole, constrói igrejas, funda bibliotecas e estabelece a RússkaPravda, primeiro código de leis do mundo eslavo.

O cristianismo triunfa sob o reinado de Volodymyr, mas o príncipe considerava importante a existência de padres que falassem seu idioma e Bizâncio não os podia fornecer, fato que os conduz à formação de uma igreja nacional, com clero autônomo.

O Estado Kyiviano torna-se um dos centros cultuais mais importantes da época. O reinado de Iarosláv dá lugar a um período de grande instabilidade dentro da RusKyivana, ameaçada por povos nômades das estepes. Outras populações eslavas começam então, aglutinar-se em torno de Polótzk, mais ao norte, que se tornaria o centro histórico da nação bielo-russa, e em torno de Suzdal, futuro centro histórico da nação russa.

A partir da segunda metade do século XI, com a invasão mongol, dá-se início ao deslocamento da vida cultural da Ucrânia para oeste, nas regiões conhecidas como Galícia e Volynia.

A Galícia, um principado autônomo, cuja capital Khalitch tem um elevado desenvolvimento durante o período de Iarosláv Osmomysl (1152-1187), contudo as dissidências entre a nobreza local, tiveram como conseqüência a anexação da Galícia pelo principado da Volynia, cujo apogeu ocorre sob o reinado de Danilo ( 1205-1264 ), Rei da Galícia-Volynia. Danilo torna-se um importante monarca europeu, mas o avanço tártaro-mongol coloca os ucranianos sob tutela asiática.

No final do século XIV, os ucranianos se livram do julgo mongol, mas suas terras são divididas: a Lituânia ocupa a Volynia e Kyiv; a Polônia anexa a Galícia, que se libertaria da tutela polonesa somente em 1772, com a divisão da Polônia, quando foi atribuída Áustria.

A Volynia e o restante das terras ucranianas, após as disputas entre poloneses e lituanos, integrou a Polônia até o final do século XVIII, quando então passou ao domínio do império russo e, em 1921 pelo tratado de Riga, foi novamente dividida entre russos e poloneses, retornando ao domínio Soviético em 1945.

Com a União de Lublin em 1569, os poloneses anexam todas as terras ucranianas, submetendo-as a um acelerado processo de polonização sem sequer se importar com a defesa dos ucranianos das sucessivas invasões asiáticas.

Diante disso, o povo ucraniano começa a retirar-se para as estepes do baixo Dnipró, organizando em 1552 uma fortaleza que seria conhecida pelo nome de Zaporojka Sitch, sob a liderança de Ostap Dachkévytch e Dymytri Baida-Vychnevétzky.

O Estado cossaco era quem organizava incursões militares em defesa do povo ucraniano, e em 1648, sob a chefia do hetman Bohdan Khmelnytzki, os ucranianos derrotam os poloneses e conseguem estabelecer sua independência, que no entanto teria curta duração.

Em 1654 Khmelnytzki conclui com a Rússia o tratado de Pereiasláv, que deveria avalizar a independência ucraniana. O tzar russo, no entanto, traindo o acordo, assina com os poloneses, em 1667, um tratado que resulta em nova partilha das terras ucranianas.

A liquidação do Estado ucraniano, seria realizada durante o reinado de Catarina ( 1729-1796 ), que expande o império russo e coloca os ucranianos, dominados antes pela Polônia, sob o domínio russo-austríaco.

O movimento nacionalista ucraniano continua a desenvolver-se, e com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, num cenário de grande devastação, em março de 1917,os ucranianos formam um Parlamento próprio dirigido por Mykhailo Hruchevsky ( 1866-1934 ).

Em 23 de junho de 1917, a Ucrânia proclama sua independência, sendo presidida por Hruchevsky, tendo como primeiro-ministro Volodymyr Vinnichenko ( 1880-1951 ) e Simon Petliúra (1879-1926), comandante das Forças Armadas.

Em 1918 as populações ucranianas do império austro-húngaro (Galícia, Bucovyna, Bessarábia e Transcarpáthia ), conseguem autonomia e formam a República Autônoma Ocidental, que em 22 de janeiro de 1919 se une a República Popular da Ucrânia.

Após o armistício de outubro de 1919 ( final da Primeira Guerra Mundial ), o império austro-húngaro é liqüidado e as terras da República Ocidental Ucraniana são divididas entre Polônia, Romênia e Tcheco-Eslováquia.

Através do tratado de Riga em 1921, a independência da Ucrânia Central acaba sendo anulada, porque Khristian Rakovsky, representando o governo comunista ucraniano de Kyiv, que venceram os nacionalistas em 1921, concorda em ingressar na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas em 1924.

Em setembro de 1938, a Alemanha nazista invade a Tcheco-Eslováquia e Hungria, também fascista, e anexa em 1939 a Ucrânia Carpática, assim com exceção de Kholm e alguns distritos ao sul na Polônia (ocupada pelos alemães) e da Ucrânia Carpática ( ocupada pelos húngaros), todos os ucranianos passam para a tutela soviética já que a Romênia cedeu a Moscou a Bukovina e a Bessarábia.

A luta dos nacionalistas continua nas terras ocupadas pela Polônia, Romênia, Tcheco-Eslováquia e na república soviética; a Organização dos Militares Ucranianos, chefiada pelo coronel Ewhen Konovaletz ( 1891-1938 ), é formada, na sua maioria de jovens guerrilheiros.

Em 1938 tem início a Segunda Guerra Mundial e a Hungria, associada Alemanha, invade a Ucrânia Transcarpáthia, em 1939 a URSS, junto com a Alemanha, invadem a Polônia e anexam a Galícia República Socialista Soviética da Ucrânia; a Romênia devolve a Bessarábia e Bukovyna que também passam a fazer parte da República ucraniana e as populações não ucranianas dessas regiões formam a República de Moldova.

Em 1941,a Alemanha invade a URSS, sendo a República ucraniana a primeira a ser ocupada, e em 30 de junho de 1941 a Organização dos Nacionalistas Ucranianos proclama a independência em Lviv. No dia seguinte, todo o governo e os líderes Stepan Bandera e Jaroslav Stetskó, são presos e, sem julgamento, enviados ao campo de concentração de Buchenwald onde permanecem até 1945.

O OUN (Organização dos Nacionalistas Ucranianos), organiza resistência sob o comando do general Roman Chuchévych ( Tarás Chuprynka ) e luta ao mesmo tempo contra dois ocupantes, a Alemanha fascista e a Rússia comunista.

A luta continua até 1951, 6 anos após o término da Segunda Guerra Mundial.

A repressão é muito forte; centenas de milhares de ucranianos são enviados para os gulags de Sibéria, poucos conseguem sobreviver e o processo de russificação continua até os anos 80, quando surge no final da década, a nova política de perestróika na URSS.

Os sentimentos nacionalistas são reacesos e em 1990 o parlamento comunista da Ucrânia, proclama a soberania.

Em 24 de agosto de 1991, com o fracasso do golpe promovido pela linha dura do Partido Comunista contra Gorbatchev, a Ucrânia se desliga da URSS e declara sua independência, que aprovada em plebiscito pela população, obteve reconhecimento internacional.

Das primeiras eleições gerais para presidente, em dezembro de 1991, saiu vitorioso Leonid Kravchuk. Em 1994 é eleito o ex-primeiro-ministro Leonid Kuchma.

A nova constituição, aprovada em 1996, estabelece que o poder executivo que é exercido pelo presidente, eleito diretamente por voto universal para um mandato de 5 anos, com possibilidade de reeleição.

O congresso ( Verhovna Rada ), é composto de 450 deputados eleitos por votos distritais para um mandato de 4 anos.

Fonte: www.ucrania.org.br

Eslováquia

Eslováquia na Pré-História (antes do século 6)

A arqueologia tem demonstrado a existência do homem no território da Eslováquia desde o Paleolítico Médio Era (200,000-35,000 BC). Museu em Poprad apresenta um achado original de Gánovce – um casting travertino do crânio de um homem de Neanderthal. Exibido no Museu Nacional Eslovaco em Bratislava é a “Morávia Vênus”, uma escultura fascinante mais de 22.800 anos de idade.

Na Idade do Bronze (1,900-700 BC) do território da Eslováquia foi um importante centro europeu de produção de bronze. Para este período é atribuída a arquitetura de pedra mais antiga conhecida na Eslováquia, os bastiões redondos, paredes e casas da Idade doFerro (700-500 aC), exibem a influência da civilização grega da região do Mar Negro, e da cultura etrusca do sul.

As primeiras moedas na Eslováquia foram feitas pelos Celtas que entrou na região do oeste no século V aC, como se expandiram aqui eles encontraram os dácios vindos do sudeste.

Pouco antes do nascimento de Cristo, o Império Romano se espalhou para o Danúbio, ao norte da qual foram liquidados os alemães que criaram o primeiro estado conhecido no território da Eslováquia, a Vannianum Regnum. Guarnições foram mantidos na Eslováquia, e os romanos construíram fortalezas e assentamentos. Durante quatro séculos, a Eslováquia foi a fronteira entre o “civilizado” e “bárbaras” elementos do antigo, Celtic, Dacian e culturas alemãs.

Na era das migrações de povos (5-6 século dC) os gauleses e os lombardos passaram pela Eslováquia em seu caminho para o norte da Itália. Das planícies do Danúbio, os hunos nômades ameaçado ocidental e sul da Europa durante o século quinto.

Grande Morávia

Eslavos pertencem aos habitantes mais antigos da Europa, que se tornou o étnico dominante no território da Eslováquia no século 5.

Mapa de eslavos no século 5

Eslováquia
Mapa de eslavos no século 5

Eles viviam em uma espécie de simbiose com os ávaros que vêm para a mesma região um pouco mais tarde. Eles participaram de expedições conjuntas contra os francos, lombardos, bizantinos, embora os eslavos foram reprimidos pelos ávaros – Nos eslavos do século 6 e 7 sofreram invasões de avaros.

Na verdade, as escaramuças entre os ávaros e eslavos, desde a ocasião para o desenvolvimento da organização primeiro estado importante entre os eslavos ocidentais, o Império de Samo – depois de uma bem sucedida insurreição contra a eslava Khaganate Avar em 623. Samo, um comprador franco, unidos eslavos, lutou contra ávaros e governou o território por 35 anos.

Mapa do Império de Samo

Eslováquia
Mapa do Império de Samo

Depois de sua morte, no ano 658, não existem documentos escritos sobre este império – o mais provável colapso. Só depois de um séculos e meio (no início do século 9), os relatórios francos revelar a existência de um estado ainda mais na região – o principado de Nitra ( Nitra como a capital), que foi governada pelo Príncipe Pribina.

No início da terceira década do século IX Pribina foi expulso por Mojmir, um príncipe da vizinha Morávia. Através desta união da Morávia Velha e os principados Nitra desenvolveu Grande Morávia. Estado Morávia Grande surgiu por volta do ano 830, quando Mojmir unificou as tribos eslavas resolvido norte do Danúbio e ampliou a supremacia da Morávia sobre eles.

Império da Morávia Grande abrangia as terras da moderna Eslováquia e Morávia, bem como partes da Hungria e da Áustria. Por um curto período de tempo as terras da Boémia, na parte sul da Polônia e Lusatia, hoje parte da Alemanha, também pertencia a ele.

Mapa da Grande Morávia no século 9

Eslováquia 
Mapa da Grande Morávia no século 9

Cartas, crônicas e achados arqueológicos do período da Grande Morávia fornecer informações sobre os grandes estruturas de pedra da Morávia e da floração de artesanato, ferro e outros metais de trabalhadores, bem como de vidro decisores hábil em várias técnicas como o demonstram os colares, brincos notáveis, botões eles produzido.

Grande Moravia foi um parceiro de igualdade com seu vizinho do oeste, o Império Franco. Eles mantiveram vivas contatos comerciais e culturais. Mas o confronto militar entre eles, também desenvolvido e chamado por diante as tentativas dos governantes do Império Franco para estender sua esfera de influência para o leste.

Isso também influenciou a iniciativa mais significativa cultural da era da Grande Morávia – a aceitação do cristianismo.

Cristianismo primeiro penetrou no território da Eslováquia desde o Império Franco já durante a era antes do surgimento do Império da Grande Morávia.

Em 828 ou 829 Príncipe Pribina tinha uma igreja de pedra em Nitra consagrada pelo arcebispo de Salzburgo. Mas o sucessor Mojmir de – príncipe Rastislav desejava libertar-se da influência da Igreja dos francos e fortalecer a sua própria independência, então ele virou-se para o imperador bizantino com um pedido para enviar sacerdotes, que espalhados cristianismo na Grande Morávia e educação das línguas eslavas .

Em 863 Constantino irmãos e Método chefiou uma missão na Morávia, a convite do Príncipe Rastislav. A partir do alfabeto grego pequeno Constantino planejou o mais antigo eslavo caligrafia – alfabeto (Hlaholithic) Glagolitic. Junto com eles Metódio traduziu livros litúrgicos e parte da Bíblia em língua eslava Igreja Velha.

Eles também estabeleceram uma organização eclesiástica e fundou um centro de formação teológica – que estavam ensinando jovens sacerdotes, que substituíram os padres estrangeiros.

Papa Adriano II aprovou o uso de língua eslava como língua litúrgica e em 870 Método consagrado como um arcebispo em Roma. No entanto, após a morte do método, a utilização da liturgia eslava foi encerrado em Moravia grande, devido à pressão dos francos e, como resultado, ou a decisão de Svatopluk.

Mas o método ‘s alunos, que foram forçados ao exílio na Bulgária e Macedônia, continuou a cultivar a liturgia eslava e antiga língua eslava.

Mais tarde, a cultura russa velho cristão foi elaborado a partir desta primavera.

Efeitos de Constantino e Metódio na Grande Morávia teve uma grande importância cultural e política.

Difundir o cristianismo e educação na língua que todos entenderam era algo novo. Língua eslava exaltado ao nível de linguagens culturais, como o latim eo grego esse tempo.

Após Rastislav, seu sobrinho Svatopluk começou a governar Grande Morávia e desde 871 tornou-se monarca relativamente independente do Império da Morávia Grande. Sob o governo de Svatopluk Grande Morávia alcançado a maior expansão territorial, mas depois de sua morte, ocorreu um declínio gradual no país.

O Império foi dividido entre os filhos de Svatopluk: Mojmir II. e Svatopluk II. Governante principal deveria ter sido Mojmir II., Mas havia conflitos entre os dois filhos. Grande Moravia foi enfraquecida por guerras com seus vizinhos e por causa das invasões de tribos nômades – húngaros (magiares). Mojmir II. não foi capaz de manter a integridade ea independência do império e por volta do ano 907, o Império da Morávia Grande desmoronou.

Mesmo se existisse apenas para 70 anos, o Império da Morávia Grande ainda é considerado para ser uma parte mais importante da consciência histórica dos eslovacos. Constantino, canonizado sob o nome de Cirilo, e método são considerados santos nacionais.

Desde a era do romantismo, os príncipes Pribina, Mojmir, Rastislav e Svatopluk foram os heróis dos poemas épicos, prosa e obras dramáticas. Muitos artistas criativos e músicos foram inspirados por sua atividade, fazendo arte Morávia Grande.

Mapa dos eslavos ocidentais no século 9 e 10

Eslováquia 
Mapa dos eslavos ocidentais no século 9 e 10

Hungria medieval (10 – século 15)

No início do século 10, a população eslava obteve sob a influência do estado de formulação da Hungria. Após sua derrota amarga na Europa Ocidental, migrante e ofensivo húngaros gradualmente tive que mudar para forma domesticada de vida e começou a dedicar a organização de seu estado, sob a liderança da dinastia Árpád.

Explorando a tradição viva da Grande Morávia, eles criaram um novo estado na bacia dos Cárpatos – Hungria. Dos habitantes eslavos tomaram sobre os métodos de cultivo do solo, aprendeu ofícios diversos e, pelo menos em parte, a organização de um Estado. A linguagem Ugro-Finlandês Húngaro absorvido muitas palavras eslovacos ligadas à agricultura, habitação, vida espiritual e administração do Estado.

Santo Estêvão (Stephen I.) da família Arpád se tornou o organizador significativa do estado húngaro eo primeiro rei (1000 – 1038), ele criou centralizado, organizado e administrado de maneira uniforme estado. Do seu reinado, a Hungria foi um estado forte.

Naquela época, o território da Eslováquia formado um principado concedido aos membros mais jovens da família Arpád. Até o final do século XI, tornou-se, há cerca de mil anos, uma parte integrante e os mais desenvolvidos da Hungria.

Processo exato da inclusão do atual território da Eslováquia no Estado húngaro não é examinado por falta de fontes.

Mapa da Hungria medieval no século 11

Eslováquia 
Mapa da Hungria medieval no século 11

Durante o 11 º séculos 15 a região experimentou um momento de crescimento econômico e avanço cultural. A quantidade de terra arável aumentou, a economia melhorou, assim como o artesanato, comércio e mineração. As cidades obtido liberdades e privilégios do governante ou das autoridades seculares ou eclesiásticos.

Uma coisa que atingiu o desenvolvimento do estado húngaro, foi a invasão de tártaros / mongóis em 1241 e 1242. Tatar tropas saqueadas, completamente saqueados sudoeste da Eslováquia e devastou o país húngaro. Depois de tártaros deixou o país, a fome completou a miséria. Somente bem fortificados castelos resistiu às invasões tártaros.

Mapa da Invasão Mongol em 1241

Eslováquia 
Mapa da Invasão Mongol em 1241

Depois disso, o rei Béla IV. Começou a construir uma rede de castelos góticos em todo o país. As cidades cresceram, numerosos castelos e estradas foram construídas e que o ritmo de assentamento na região acelerou.

A convite dos governantes e os colonos proprietários vieram do exterior, principalmente da Alemanha. Eles trouxeram novas forças civilizatórias com eles. Alguns deles foram gradualmente assimilados enquanto outros criados relativamente compactas regiões alemãs que foram preservadas até o século XX.

Mapa da Hungria medieval no século 13

Eslováquia
Mapa da Hungria medieval no século 13

As cidades tornaram-se centros de prosperidade econômica. Alguns deles se tornaram ricos, como resultado do comércio de longa distância ao longo da rota de comércio Danúbio entre oeste e leste ( Bratislava , Trnava ), outros, na rota de comércio entre o Mar Negro e no Mar Báltico, tinha contatos com a Transilvânia ea Polônia (Kežmarok , Košice , Levoca).

Especialmente importante para a Hungria foram as cidades mineiras numerosos e aldeias na Eslováquia desde a mineração representou um ramo tradicionalmente importantes da economia. Sua idade de ouro pode ser rastreada até a hegemonia do de Anjou, no século XIV, quando os metais preciosos da Eslováquia prevaleceu nos mercados europeus.

Mineração de prata, principalmente na região de Banská Štiavnica e ouro das minas Kremnica representavam cerca de um quarto da produção destes metais de minas europeus. Durante os séculos XV e XVI, a Eslováquia foi novamente o maior produtor mundial mais importante e exportador de cobre.

De 1335 procurados moedas de ouro foram atingidas em Kremnica – o Ducat Kremnica (Dukat Kremnický). A hortelã tem operado até o presente como a mais antiga da Europa.

Desenvolvimento econômico estabelecido o lugar para uma vida espiritual rica e artística. Ainda hoje, a terra da Eslováquia ricamente documentos medievais, rotundas românicas e igrejas, castelos e fortalezas, bem como jóias das igrejas góticas em Bratislava, Košice, Bardejov, Levoca e Prešov, esculturas da Madonna, pinturas de painéis de altar e pinturas de parede, excepcionalmente numerosos em Spiš e Germer. É possível considerar o altar gótico, criado pelo Mestre Paulo para a igreja de St. James, em Levoca, único entre os significantes, monumentos de arte gótica.

No século 13 o poder das grandes famílias aristocráticas aumentou. Matúš CAK foi um dos magnatas mais poderosos do território da Eslováquia. Ele era o verdadeiro governante do atual território da Eslováquia e agiu como um regulador independente. Matúš CAK,cuja sede foi Trencín Castelo , foi chamado de “O mestre de Rio Váh e Montanhas Tatra “.

O último monarca da dinastia Árpád Andrew III. morreu de repente (o mais provável é que ele foi envenenado) em 1301 e sua morte começou-se a anarquia no país. Assim, no século 14, foi novamente um período de anarquia e brigas sobre o trono, continuou Até o ano 1491, quando o rei Vladislas Jagellonský fechado o acordo com os Habsburgos, em que se Jagiellonian ou clã Habsburgo morrem na cauda do sexo masculino, ao trono, em todos os países irão reverter para o segundo clã.

O papel da educação aumentou significativamente no século 14 e 15. Cidades importantes mantido escolas, mas para o estudo universitário, no entanto, era necessário viajar para o exterior, especialmente para a Itália (Padova, Bologna), para Paris ou, depois de meados do século XIV, para Praga e Viena, ou, mais tarde ainda, a Cracóvia.

Em 1467, a universidade começou a instrução, em Bratislava, o Istropolitana Academia, fundada, de acordo com o modelo da Universidade de Bolonha pelo Rei Mathias Corvinus Hunyadi, um propagador das novas idéias do humanismo renascentista na Hungria.

Mesmo se a universidade logo fechada, a sua existência, no entanto, mostra o desenvolvimento da região, que tentou manter o ritmo com as regiões mais civilizadas da Europa.

Esta tendência favorável de desenvolvimento foi enfraquecida no final do século XV, por várias circunstâncias negativas, especialmente a expansão do Império Osman (Otomano).

Monarquia dos Habsburgo (16 – século 18)

Em 1516, Louis II., Filho Vladislas tornou-se o rei. No ano de 1521 um exército turco conquistou Belgrado, que abriu o caminho para a Hungria. Jovem rei Louis decidiu enfrentar o perigo turco, mas a guerra contra os turcos acabou em matança desastrosa na batalha de Mohács em 29 de agosto de 1526.

Jovem rei Luís foi morto na batalha, a derrota dos húngaros teve consequências abrangentes para todo o desenvolvimento histórico na Europa Central. Turcos conquistaram a maior parte do país e da ocupação de longo prazo turco do Estado húngaro começou. Ao mesmo tempo, era o início da criação do Império Habsburgo na Europa Central.

De acordo com o contrato celebrado entre Vladislas e Habsburgo Maximiliano, Ferdinand von Habsburg tornou-se o rei da Hungria, mas ele teve que dividir seu poder com o Ján Duque Zapolský. Além disso, os turcos envolvidos na controvérsia.

O resultado foi a divisão da Hungria em três partes. A Hungria real foi reduzido a Eslováquia, parte da Croácia e uma estreita faixa de terra situada apenas a leste da fronteira com a Áustria. Os Habsburgos, uma nova dinastia, sentou-se no trono húngaro e Hungria incorporados em sua multi-nacional Império Europeu central.

Eslováquia (excluindo a parte leste) tornou-se uma parte essencial da Hungria dos Habsburgos. Ao longo de sua região sul de uma linha defensiva ea fronteira entre os mundos cristão e islâmico foi elaborado.

O significado da Eslováquia aumentou durante este período Bratislava Em 1536 tornou-se a capital da Hungria, foi a sede dos escritórios centrais administrativos;.. Estava sentado ao parlamento até 1848, e durante três séculos, os reis da Hungria foram coroados lá. A sede do Arcebispo de Esztergom, que foi ocupada pelos turcos, foi transferido para Trnava. Em 1635, uma universidade jesuíta abriu nesta cidade. Mais uma vez Košice tornou-se um centro para a administração da parte oriental da Hungria e não o governante também fundou uma universidade em 1657.

Séculos 16 e 17 foram os mais sangrentos séculos em toda a história da Eslováquia. Muitas áreas da Eslováquia foram literalmente devastada. Houve ameaça constante da invasão turca, porque o grupo Eslovaca étnica foi nas imediações dos turcos. A proximidade dos turcos efetuado um atraso da economia.

Guerra, cross boarder-ataques, pilhagens, incêndios, tendo como reféns cativos ou como escravos tornou-se a forma habitual de vida na região por 150 anos.

As cidades mantido guarnições substanciais de tropas. Os mercenários mal pagos dos Habsburgos, entre eles, talvez membros de quase todos os povos europeus, por vezes causado danos maiores do que o inimigo turco ou os rebeldes nobres. Vida na Hungria, durante os séculos XVI e XVII foi complicada por conflitos de longo prazo e as lutas pelo poder.

Uma das razões para a derrota da Hungria pelos turcos foi a relutância da nobreza (aristocracia húngara), para dar-se uma parte de seus privilégios e de respeitar a autoridade central. Os Habsburgos, que se juntou com um cetro de Bohemia, o território austríaco e Hungria, buscou legitimar sua autoridade, citando a necessidade de defender a Europa central a partir da expansão dos turcos.

Sua política foi muitas vezes dirigida para limitar os privilégios da nobreza húngara e da independência do Estado húngaro e, ao mesmo tempo, para o reforço do poder dos Habsburgos central. A insatisfação da nobreza húngara, muitas vezes desenvolvido em oposição aberta e uma recusa de lealdade aos Habsburgos.

A todo o século XVII foi marcado por levantes contra os Habsburgos. Seus líderes Bocskay (1604-1606), Bethlen (1619-1629), George I. Rákóczi (1643-1645), George II. Rákóczi (1648-1660), Thököly (1678-1687) muitas vezes foram ajudados pelos turcos.

Além da defesa de privilégios nobres e a resistência ao absolutismo estes levantes foram causadas também por profundas controvérsias religiosas. A Reforma penetrou Eslováquia já durante a primeira metade do s 1520. Porque ele também legitimou a secularização dos bens da igreja, que atraiu uma maior proporção da nobreza.

Na Eslováquia, o movimento luterano foi mais difundida, enquanto o calvinismo se espalhou principalmente entre os húngaros. Até o final do século XVI independente igreja luterana foi estabelecida. No século seguinte, no entanto, o movimento recatholization era tão intensa que, até o início do século XX, apenas 16 por cento da população eslovaca eram luteranos.

Em 1618, quando a revolta anti-Habsburgo eclodiu em Praga, nobres húngaros se levantaram também. Em 1678 jovem aristocrataImrich descontentes Thököly organizados. Em um tempo muito curto, ele conseguiu ocupar a totalidade da Eslováquia Oriental e Central.

Sultão turco prometeu a coroa da Hungria para Thököly se ele está de acordo com ele. Thököly acariciou dentro Na guerra, em 1683, os turcos foram derrotados, primeiro em Viena e depois na Hungria.

O mais sangrento acordo com os insurgentes aconteceram em Prešov , o ator principal era o general Antonio Caraffa. Vinte e quatro rebeldes foram executados.

Eles cortaram suas mãos primeiro, depois as cabeças e depois, eles colocaram partes de seus corpos nos ganchos e pendurou-os em torno das estradas para o castelo como um aviso.

Após sua derrota em Viena, de 1683, o exército turco foi empurrado para fora da Hungria.

Mapa da Hungria em 1683

Eslováquia
Mapa da Hungria em 1683

século 18 é chamado como o século iluminado. Em 1711, também a última revolta maior e de Ferencz II. Rakoczy foi derrotado. O país ofereceu uma imagem muito triste, mas em condições pacíficas que foi capaz de se recuperar com velocidade notável.

O crescimento da população na Eslováquia era tão alta que os eslovacos migraram para o sul despovoado da Hungria. A diáspora Eslovaca e comunidades foram preservados até os dias de hoje no norte e no sul da Hungria, Sérvia e Romênia.

Novo imperador Carlos VI. Queria impedir a luta pelo poder para a coroa, assim, em 1713, ele emitiu a sanção pragmática. Permitiu que também fêmea descendente poderia entrar trono, se a dinastia morre na cauda masculina. Sanção pragmática abriu um caminho para o trono para a filha de Carlos VI. – Maria Teresa.

No ano de 1740 Maria Teresa tornou-se uma imperatriz. Com uma assistência de assessores, ela lançou uma reforma de todo o país, com vista a centralizar o Estado, mas também para modernizar e trazê-lo para encaminhar para ocidentais monarquias européias.

Muitas das reformas estavam de acordo com as idéias iluministas que foram divulgados na Europa, da França. Topo de seus esforços de reforma era um esquema para a organização da educação, conhecido como o Índice de Educação (em 1777).

Após a morte de Maria Theresa, seu filho Joseph II. Assumiu o trono. Ele era um homem bem informado e educado, que na instrução de sua mãe estudou no espírito da iluminação. Suas reformas mais importantes foram a patente da Tolerância em 1781 ea abolição da servidão no ano de 1785. Patente alegada tolerância igualdade civil de todos os membros da fé cristã.

As reformas de Maria Teresa (1740-1780) e os de seu filho, Joseph II. (1780-1790), no espírito do Iluminismo, formaram a base de uma administração pública moderna, fiscal e sistema de transporte, o exército e as escolas. Graças a eles, as obrigações dos servos diminuiu e servidão foi finalmente abolida.

O tribunal Habsburgo apoiou o estabelecimento de manufatura e educação primária e secundária reformada. Em 1763 Maria Teresa estabelecido em Banská Štiavnica a faculdade para a formação de mineração, fundição e especialistas florestais, a Academia de Mineração e Florestas.Em 1781, o Édito de Tolerância de José II. aumentou os direitos dos protestantes e, na verdade, terminou a era da Contra-Reforma na Hungria.

Revival Nacional ea Revolução (1787 – 1848 – 1861)

Até o final do século 18 até a região da Europa Central foi afetada pelas idéias, que eram mais totalmente desenvolvida durante o século seguinte, a igualdade dos cidadãos e da consciência nacional.

Na vida pública e cultura da Hungria língua latina tinha mantido uma posição dominante por um longo tempo. Mas ambos os governantes do Iluminismo, Maria Teresa e José II, tentou fortalecer a monarquia por implementar o uso da língua alemã. A nobreza húngara, no entanto, repudiou a política de José II e do uso do alemão e tentou substituí-lo com o húngaro.

Opressão Nacional (1866 – 1914)

Acordo entre a Áustria e Hungria, em 1866, trouxe uma política magiarização forte, o que resultou em fechamento de três escolas de gramática eslovacos nos 1874 anos – 1875 pelo governo e culminou em 06 de abril de 1875, quando a instituição eslovaca cultural foi revogada. Emigração no exterior (para EUA e Canadá) tornou-se um fenômeno de massa nas áreas do norte da Eslováquia, no final do século.

Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918)

O império Austro-Húngaro desmoronou na I Guerra Mundial. Ao final da Primeira Guerra Mundial, a Eslováquia tornou-se parte da República da Checoslováquia.

Época entre as Grandes Guerras – Primeiro Tchecoslováquia (1918 – 1939)

Em 1918, a Tchecoslováquia foi criada, com o presidente americano Woodrow Wilson como um importante defensor do novo país.

II Guerra Mundial (1939 – 1945)

A primeira República Eslovaca (1939-1945) foi reconhecido por mais de 25 estados. Mas a sua independência foi muito limitado por sua dependência forte, econômica, militar e política na Alemanha. O regime político do Estado eslovaco era uma ditadura autoritária com um partido e ideologia.

Comunismo e restaurado Tchecoslováquia (1946 – 1989)

O líder dos democráticos, de estilo ocidental reformas, conhecido como a Primavera de Praga de 1968, foi primeiro secretário do Partido Comunista da Checoslováquia, Alexander Dubcek – um eslovaco! Os soviéticos enviou tanques para reprimir o movimento de reforma e Tchecoslováquia voltou ao estilo soviético governo.

Revolução de Veludo (Novembro de 1989)

Em 1989, a era soviética terminou com a Revolução de Veludo, e Tchecoslováquia se tornou um estado democrático.

Democrática Eslováquia (desde 1 de Janeiro de 1993)

Os países seguiram caminhos separados em 1993, no que é chamado de divórcio de veludo e Eslováquia foi finalmente independente. Em meados de 2004, a Eslováquia tornou-se membro tanto da União Europeia e da NATO.

Capital da Eslováquia: Bratislava

Bratislava é a cidade mais cosmopolita, acessível para americanos e outros visitantes ocidentais. Cheio de locais históricos ea energia de uma grande população de estudantes, Bratislava tem os melhores restaurantes, cafés e entretenimento – incluindo cultura high-brow, como óperas e sinfonias, música folclórica e dança e cultura pop internacional.

Como o capital, é o ponto de partida lógico. Também faz sentido do ponto de vista do transporte, se você chegar por via aérea a partir de os EUA ou parar na Eslováquia em um cruzeiro no rio Danúbio ou outra turnê da Europa Central.

Política interna

Sistema político

A Eslováquia entrou em existência em 1 de janeiro de 1993 como um dos estados sucessores da República Federativa Checa e República Eslovaca. A República Eslovaca é uma democracia parlamentar com autônomos legislativo, executivo e judicial.

A Constituição garante a todos a igualdade dos cidadãos perante a lei, sem respeito ao gênero, religião, raça, nacionalidade, condição social ou convicções políticas. Órgãos do Estado só pode agir com base na Constituição, dentro dos seus limites, e na medida e na forma definida em lei.

Tratados internacionais de direitos humanos e de outros acordos básicos que foram ratificados pela República Eslovaca, e promulgado na forma estabelecida por lei, têm precedência sobre as leis próprias da Eslováquia, desde que assegurar maiores direitos e liberdades constitucionais.

O sistema político da República Eslovaca é uma democracia parlamentar (com ministership principal) com autônomos legislativo, executivo e judicial.

Conselho Nacional da República Eslovaca é um parlamento unicameral, e sob a Constituição é o órgão supremo exercício do poder legislativo na República Eslovaca, é a mais alta autoridade legislativa do estado.

O Conselho Nacional tem 150 membros, eleitos por quatro anos, em termos de eleições diretas com votos secretos. Pelo menos 5% do total de votos é necessário para um partido para entrar no Parlamento. O sistema de eleições é a representação proporcional – partes de lugares atribuídos no Parlamento, de acordo com a percentagem de votos que recebem nas eleições parlamentares.

O governo é composto por ministros escolhidos pelos partidos políticos que formaram uma coalizão (geralmente mais de 75 membros do parlamento).

O Governo da República Eslovaca é o órgão supremo de exercício do poder executivo. Ele consiste de primeiro-ministro, vice-ministros e ministros Prime. O Governo é formado com base em eleições parlamentares. O Primeiro-Ministro é nomeado e recordada pelo Presidente da República Eslovaca.

Após o conselho do Primeiro-Ministro, o Presidente nomeia e recorda outros membros do Governo e concede comissões para exercer funções departamentais.

O Governo é responsável coletivamente ao Parlamento para o exercício dos poderes governamentais, que podem assumir um voto de não-confiança a qualquer momento.

O Presidente da República Eslovaca é o mais alto representante constitucional (Chefe de Estado) no país e que ele / ela é eleito por eleições diretas. Sua função é, no entanto, mais formal, o verdadeiro poder do governo está nas mãos do primeiro-ministro e, em parte, nas mãos do presidente do Parlamento (Presidente do Conselho Nacional).

De acordo com a lei constitucional aprovada em 14 de janeiro de 1999 o presidente é eleito por voto popular em um sistema eleitoral de dois turnos. A mesma pessoa pode ser eleito presidente para um máximo de dois períodos consecutivos de cinco anos-termos.

presidente do Conselho Nacional da República Eslovaca é eleito ou recolhidos por voto secreto, com o consentimento da maioria absoluta de todos os membros do Parlamento. O presidente é responsável exclusivamente ao Conselho Nacional da República Eslovaca.

Tribunal Constitucional da República da Eslováquia é um órgão judicial independente encarregado de proteger constitucionalidade na República Eslovaca.

O Tribunal é composto por 10 juízes nomeados pelo presidente, por um período de 7 anos dos 20 candidatos propostos a ele pelo Parlamento.

O Tribunal é dirigido por um Presidente, que é nomeado de entre os juízes do Tribunal Constitucional pelo Presidente da República Eslovaca.

Economia

Eslováquia é um país jovem, no coração da Europa, que pacificamente separado da República Checa em 1993. Desde 1998, o governo eslovaco tem-se centrado na estabilização macroeconômica, reformas estruturais e integrar a Eslováquia em organizações europeias e multilaterais.

Como a economia que mais cresce na Europa Central, e como uma União Europeia (UE) e membro da NATO, a Eslováquia é hoje um dos locais mais atraentes de investimento na região.

Como resultado do alargamento da UE de 2004, a Eslováquia, com os seus negócios e orientados para o investimento ambiente econômico, é agora uma parte do maior mercado do mundo comum composto por mais de 450 milhões de consumidores. Essa é uma das razões pelas quais norte-americanos – relações de negócio e de investimento Eslovaca atualmente estão florescendo.

A Eslováquia é agora uma democracia verdadeiramente transformado liberal ea economia de mercado, com a legislação totalmente harmonizado com a UE.

As principais fontes de crescimento da Eslováquia são a sua força de trabalho qualificada e instruída, baixa tributação e legislação empresarial e de investimento progressivo.

Tanto o ambiente de investimento e da situação macroeconômica têm vindo a melhorar desde 1998, quando um governo reformista foi formado. Durante seu primeiro mandato, o novo gabinete conseguiu privatizar a maioria das empresas anteriormente estatal, com o exemplo mais proeminente é a compra EUA Steel de uma planta de aço de grandes dimensões na região leste do país.

Depois de vencer a reeleição em 2002, o governo de centro-direita implementadas reformas ambiciosas no sistema fiscal, com um plano corporativo taxa de imposto, individual e de IVA de 19%, que também aboliu os impostos sobre dividendos, mantendo um déficit de orçamento relativamente baixo.

O governo profundamente reformada a cuidados de saúde, de segurança social e de pensões. Novas leis para ajuda de horas extras e sazonal tornar o código da Eslováquia trabalho entre os mais flexíveis na Europa.

Grandes empresas multinacionais estão gravitando para a Eslováquia por causa de sua baixa produção e os custos trabalhistas, forte apoio do governo, força de trabalho altamente qualificada, localização estratégica e ambiente cultural rico.

O país ganhou recentemente duas competições grande investimento – PSA Peugeot-Citroën e Hyundai-Kia, e está pronto para mais. FMI recente e relatórios da OCDE louvar Eslovaca política econômica altamente.

De acordo com as principais agências de classificação, os fundamentos da Eslováquia crédito melhoraram consideravelmente ao longo dos últimos anos, como as exportações crescendo reduziram o déficit em conta corrente, enquanto o governo tem feito progressos consideráveis na aplicação da reforma das finanças públicas e reduzir o déficit orçamentário.

Empresas norte-americanas que buscam expandir seus negócios e atividades de investimento na Europa deve considerar que existem 120 empresas norte-americanas já residentes na Eslováquia. Muitas dessas empresas, juntamente com outros investidores estrangeiros, que recentemente expandiu suas operações na Eslováquia com base nos resultados positivos que alcançaram.

Eslováquia também pode servir como um trampolim para aqueles que desejam fazer negócios com a Rússia, a Ucrânia e outros mercados, a leste e sul.

Em termos de qualidade de vida, o Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas classifica Eslováquia 39, ao lado de seus vizinhos europeus, no entanto, os custos de vida são apenas 41% da média da UE. Além disso, a Eslováquia é um país de povo acolhedor e hospitaleiro, cidades históricas e castelos, belas florestas e montanhas, culinária saborosa e boa cerveja e de vinho.

Fonte: www.slovak-republic.org

Eslováquia

Os eslovacos em História

A área agora constituindo Eslováquia foi povoada por tribos eslavas no cento quinta-sexto. AD No século 9. Eslováquia fazia parte do grande império da Morávia , sob cujos governantes cristianismo foi introduzido pelos Santos Cirilo e Metódio .

Da conquista Magyar da Eslováquia no início do 10 cent. até 1918, a Eslováquia foi, em geral sob o governo húngaro. Assentamentos alemães e judeus em data cidades eslovaca desde a Idade Média, a maioria dos eslovacos permaneceu camponeses no campo, embora alguns burgueses se tornou.

Czech-Slovak contatos, quebrados após o fim do Império da Morávia, foram restaurados pela cento 14;. Ea 15 do século hussita movimento na Boêmia desfrutou influência na Eslováquia.

Após a vitória Turco Otomano em Mohács em 1526 sobre Luís II da Hungria e Boêmia, Eslováquia, juntamente com Hungria ocidental, caiu sob o domínio dos Habsburgos. Assim, escapou dominação turca, mas se tornou um reduto de grandes nobres húngaros, que possuíam a maior parte da terra e os eslovacos tratada com desprezo.

Eslováquia, no entanto, desempenhou um importante papel político, com Bratislava servindo como a capital dos Habsburgos, até que toda a Hungria foi finalmente libertado da turcos no cento tarde 17o. Eslováquia também gostava de tolerância mais religioso do que a maior parte do império Habsburgo, e protestantismo prosperou.

No século 18. Maria Teresa e José II perseguido liberdade religiosa e da reforma social na Eslováquia, mas germanização grandemente intensificada. Essa política estimulou um renascimento nacional eslovaco, que cresceu de forma constante no cento 19.

O clero católico, que constituíram o único corpo considerável de intelectuais eslovacos, exerceu a principal liderança do movimento nacionalista. L’udovít Stur se tornou o pai da língua eslovaca literário moderno.

Durante as revoluções anti-Habsburgo de 1848, Stur juntou representantes checos em um congresso pan-eslavos em Praga. Também em 1848, os eslovacos formulou um conjunto de exigências para o aumento dos direitos políticos e linguística.

Alguns confrontos entre eslovacos e húngaros ocorreu, e magiarização diminuído temporariamente, mas depois o Ausgleich que institui a dupla monarquia austro-húngara em 1867, magiarização novamente intensificado, assim, ainda mais intensificação do nacionalismo eslovaco.

Imigração em larga escala (1900-1910) dos camponeses sem terra eslovacos para a América deu o apoio movimento Eslovaca independência considerável nos Estados Unidos durante a Primeira Guerra Mundial, durante a qual os eslovacos e outras nacionalidades do império Habsburgo agitado para a liberdade.

O nascimento da Tchecoslováquia

A chamada Declaração de Pittsburgh, assinado pelo Checa e Eslovaca patriotas maio de 1918, previa uma República Unida da Checoslováquia, em que a Eslováquia teria reter ampla autonomia, com suas próprias instituições governamentais e língua oficial.

Em 30 de outubro o Conselho Nacional Eslovaco proclamou formalmente a independência da Hungria e incorporação Tchecoslováquia. Limites da Nova República, criado em 1920 pelo Tratado de Trianon, abrangeu áreas onde mais de um milhão de húngaros viveram.

Hungria, por sua vez, continuou a reclamar, pelo menos parte da Eslováquia, enquanto um partido de Pessoas grandes eslovacos, liderada por Dom Andrej Hlinka, acusou o governo da Checoslováquia de negar à Eslováquia, os direitos autônomos prometeu.

De fato, a partir de 1918 até 1938, a Eslováquia segurou o status de uma província simples, embora a língua eslovaca era oficial dentro de seus limites.

O problema minoria foi complicado pela religião: a maioria dos eslovacos eram católicos, enquanto o governo de Praga era nitidamente anticlerical.

Monsenhor Hlinka e seu sucessor como líder do Partido Popular Eslovaco, padre Jozef Tiso, exigiu plena autonomia para a Eslováquia em uma base de igualdade completa, tanto para checos e eslovacos.

Após o Pacto de Munique de 1938, a Eslováquia tornou-se um estado autônomo dentro reorganizada Tchecoslováquia-Eslováquia, com Tiso Pai como Eslovaca premier. Ao mesmo tempo, uma grande parte da S Eslováquia foi cedida para a Hungria e alguns distritos do norte para a Polônia.

Quando o governo de Praga demitido (março de 1939) Tiso como premier, ele apelou para Adolf Hitler, que usou este recurso como um pretexto para fazer Boêmia, Morávia, Silésia e um protetorado alemão.

Eslováquia tornou-se um Estado nominalmente independente sob proteção alemã e regra Tiso de partido único. Tiso permitiu tropas alemãs para ocupar Eslováquia, em agosto de 1939, e na II Guerra Mundial como aliado da Alemanha.

Um movimento subterrâneo eslovaco ganhou força, no entanto, e poderosamente ajudado as tropas soviéticas que expulsaram os alemães da Eslováquia no final de 1944.

A vitória dos Aliados em 1945 restaurado Eslováquia ao seu status territorial antes do Pacto de Munique, e da Constituição de 1948 reconheceu a Eslováquia como um dos estados constituintes de um Tchecoslováquia restabelecida; outro estado foi composta da Boêmia, Morávia, e uma pequena parte da Silésia . A Constituição também estabeleceu órgãos governamentais separadas para a Eslováquia.

A ascensão e queda do comunismo

A adesão, em 1948, de um governo comunista na Tchecoslováquia reviveu o velho antagonismo entre checos e eslovacos. O clero católico na Eslováquia, militantemente contrários ao comunismo, foi perseguido, e que o governo eslovaco veio totalmente sob o controle do partido comunista da Checoslováquia, que começou a transferir a autoridade de Bratislava a Praga.

Em 1960, uma nova Constituição seriamente reduzida autonomia da Eslováquia. O regime comunista liberal de Alexander Dubcek , que chegou ao poder em 1967, respondeu ao descontentamento eslovaco por federalização promissor da Tchecoslováquia.

Apesar da invasão (1968) da Tchecoslováquia pela União Soviética, a nova República Federal Socialista entrou em funções em 1 de janeiro de 1969, o constituinte Checa e Eslováquia recebeu autonomia sobre assuntos locais, com o governo federal responsável pelas relações exteriores, defesa e finanças.

A queda do regime comunista no final de 1989 reviveu unidade da Eslováquia para a autonomia. Insatisfeito com sua condição de minoria no governo federal, muitos eslovacos chamado para uma confederação de República Checa e República Eslovaca, enquanto outros defenderam a independência completa.

Um Eslováquia Independente

Em 1992, como reformas de livre mercado trouxeram nos problemas econômicos e insatisfação generalizada, os nacionalistas liderados por Eslovaca premier Vladimir Meciar chegou ao poder. Uma constituição para uma Eslováquia independente foi aprovado e em 1 de janeiro de 1993, o país tornou-se independente.

Uma base ineficiente e obsoleto industrial, o aumento da inflação e alto desemprego estão entre os problemas enfrentados pela república. Meciar foi deposto em março de 1994, e Jozef Moravcik se tornou primeiro-ministro. Após as eleições em outubro de 1994, Meciar voltou ao poder à frente de um governo de coalizão.

Um impasse continua entre Meciar e presidente eslovaco Michal Kovac prejudicado os esforços da Eslováquia para ganhar credibilidade no exterior e fazer parte da comunidade ocidental. O governo Meciar foi criticado por sua manipulação da privatização de empresas estatais e de seu apoio a polêmica legislação, incluindo uma lei tornando Eslovaca a única língua oficial.

Ineficiente da Eslováquia, base de defesa orientada industrial contratou, eo país não recebeu necessário investimento estrangeiro. Ao longo de Kovac foi em março de 1998, um parlamento dividido foi incapaz de nomear um sucessor, a Constituição foi alterada para permitir a eleição direta do presidente.

O governo Meciar foi derrotado em setembro de 1998, por uma coalizão de quatro partidos de centro-direita, e MikulᚠDzurinda tornou-se primeiro-ministro.

Meciar concorreu à presidência em 1999, mas foi derrotado por Rudolf Schuster, que se comprometeram a orientar um curso mais pró-europeu. Governo de Dzurinda reformulado os sistemas de bem-estar social e de impostos e trabalhou para atrair o investimento estrangeiro, a economia posteriormente experimentado um crescimento significativo. Coalizão de Dzurinda manteve o poder após as eleições de 2002 parlamentares.

Eslováquia tornou-se membro da NATO em março de 2004, e da União Europeia em Maio. Em abril, Ivan Gašparovic foi eleito como sucessor de Schuster.

Meciar novamente montada uma campanha para a Presidência e ganhou o primeiro turno de votação, mas foi derrotado no segundo turno. Em junho de 2006, as eleições parlamentares do Smer partido de esquerda [direção], liderado por Robert Fico, ganhou o maior número de lugares, e no mês seguinte

Fico tornou-se primeiro-ministro de um governo de coalizão que incluía partido Meciar eo nacionalista de extrema-direita festa. O país adotou o euro em 2009. Presidente Gašparovic foi devolvido ao cargo em abril de 2009, após um segundo turno.

Em junho de 2010, as eleições parlamentares resultou em um aumento de partes Smer de o voto, mas uma coalizão de partidos conservadores garantiu uma maioria dos assentos e formou um governo. Iveta Radicová tornou-se primeiro-ministro, ela foi a primeira mulher a ocupar o cargo.

Divisões da coalizão sobre o fundo de resgate da zona do euro levou à queda do governo em outubro de 2011 (embora o resgate foi então aprovada com apoio da oposição). Eleições antecipadas foram convocadas para março de 2012; Smer conquistou a maioria dos assentos, e Fico novamente tornou primeiro-ministro.

Economia

Fazendas, vinhas, pomares e pastagens para a forma de ações a base da economia S Eslováquia. As principais culturas são o trigo, a cevada, batata, beterraba, lúpulo e frutas. Suínos, bovinos e aves são levantadas.

A parte montanhosa da Eslováquia tem vastas florestas e pastagens, utilizadas para pastoreio de ovinos intensivo, e é rica em recursos minerais, incluindo carvão, de alto grau de minério de ferro, cobre, manganês, chumbo e zinco.

Há também inúmeras nascentes de água mineral, nomeadamente a Piest’Any, e muitos resorts populares. Eslováquia sofreu considerável de industrialização e urbanização desde a Segunda Guerra Mundial.

Suas indústrias produzem metais e produtos de metal, alimentos e bebidas, petróleo, eletricidade e gás, coque, combustível nuclear, produtos químicos, fibras sintéticas, máquinas, papel, cerâmica, automóveis, têxteis, instrumentos elétricos e ópticos e de produtos de borracha. As exportações incluem veículos, máquinas, equipamentos elétricos, metais, produtos químicos, minerais e plásticos.

Os principais produtos importados são máquinas, equipamentos, transporte, bens manufaturados, combustíveis e produtos químicos. Seus principais parceiros comerciais são a Alemanha, a República Checa, Áustria, Itália e Polônia.

Governo

Eslováquia é governada sob a Constituição de 1992, conforme alterada.

O presidente, que é o chefe de Estado, é eleito por voto popular para um mandato de cinco anos e é elegível para um segundo mandato.

O primeiro-ministro, que é o chefe de governo, é nomeado pelo presidente com a aprovação do Legislativo, como é o gabinete. A legislatura unicameral, o Conselho Nacional, tem 150 membros que são popularmente eleitos por representação proporcional para mandatos de quatro anos. Administrativamente, o país é dividido em oito regiões.

Fonte: www.infoplease.com

Eslováquia

História

A história da Eslováquia pode ser definida como a história da Europa Central, mas esta história tem um papel fundamental em Bratislava, a capital, uma cidade que tem absorvendo toda a cultura do seu meio ambiente, os costumes, a riqueza e o desenvolvimento ao longo dos vários anos e séculos.

Na Eslováquia, os primeiros assentamentos conhecidos datam do Neolítico, cerca de 5000 anos antes de Cristo, mas não foi até cerca de 200 anos antes de Cristo quando Boios, uma tribo celta conhecida, se assentou no local, dando origem ao núcleo populacional da região, nomeadamente em Bratislava, o mesmo local onde anos mais tarde, no Século I antes de Cristo os Romanos vieram e assentaram na região, e importaram a produção do vinho.

Após os romanos, e após várias disputas, foram os eslavos que vieram para a região e assentaram-se nela, que institui o Império de Samo no século VII. No Século IX à proliferação de castelos na região foi importante, com os castelos de Bratislava, ou como Devín maiores expoentes.

Durante o século X, parte da Eslováquia, a zona da capital, passou a fazer parte do Reino da Hungria, uma situação que o fez tornar-se numa das cidades mais importantes e mais prósperas da região, levando a um maior desenvolvimento econômico e um elevado estatuto político. Bratislava, no décimo terceiro século começou a ter privilégios políticos e logo depois foi declarada Cidade Real.

Com o país sob dominação Húngara, a região de Bratislava fundamentalmente, os otomanos atacaram a cidade no Século XVI, mas sem sucessos de conquista, mas, conquistaram parte da Hungria, que passou a capital da Hungria para Bratislava.

Nos termos do Império Austro-Húngaro, Bratislava foi uma cidade muito próspera durante o século XVIII, uma cidade em que o reinado de Maria Teresa da Áustria se tornou a maior cidade da região, construíram palácios, mosteiros e igrejas, passou a ser a capital da cultura, da política e da economia de toda a região da Eslováquia, do Império Austro-Húngaro e na República Checa.

Tudo começou a mudar anos mais tarde, quando o capital foi transferida para Viena e Bratislava foi a cidade na qual o o movimento independentista eslovaco começou a germinar, foi o século XVIII, e na cidade de Bratislava, com o resto da Eslováquia começou um processo de adaptação e de um percurso para a independência.

O século XIX começou com atividades importantes na Eslováquia, e não foi em vão, no início do século XIX, foi assinado na capital, em Bratislava, o Tratado de Pressburg entre a França e a Áustria, mas anos mais tarde, o Carillo de Devin foi destruído pelos franceses, era 1809, e em 1811 um incêndio destruiu o Castelo de Bratislava. Foi um golpe duro para o patrimônio da cidade e do país, mas ambos foram reconstruídos.

No século XX, após a I Guerra Mundial a República Checa e Eslováquia se uniram em 1918, e nasceu a Checoslováquia, uma situação aparentemente inabalável até 1993, embora em cidades como Bratislava, oscilações e as turbulência foram contínuas. Em 1938 a Alemanha Nazi foi novamente separada da República Checa, da Eslováquia e em Bratislava o regime de Hitler expandiu-se as suas garras. Em 1945, os alemães abandonaram a cidade após a chegada dos soviéticos.

Após a II Guerra Mundial, a República Checa e a Eslováquia voltaram a fundar a Checoslováquia, o país tornou-se parte da Cortina de Ferro. Durante a II Guerra Mundial Checoslováquia viveu numerosos episódios de libertação do comunismo, tais como tentativas, como a Primavera de Praga em 1968, por exemplo, Bratislava, que atualmente é a capital da Eslováquia, foi durante essa época, um importante bastião anticomunista.

Em 1993, forma-se a república da Eslováquia, após a dissolução na bélica de Checoslováquia, desde então, a Eslováquia tem sido um país que tem vindo a desenvolver a passos largos.

Fonte: eslovaquia.costasur.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+