Breaking News
Home / Turismo / Hino Nacional da Suíça

Hino Nacional da Suíça

PUBLICIDADE

O “Cântico Suíço” ou o “Salmo suíço“é o Hino Nacional da Suíça.

O Hino Nacional Suíço chama-se “Schweizerpsalm” (Salmo Suíço). A canção foi composta pelo padre e compositor Alberik Zwyssig em 1841 na cidade de Zug.

Recebeu a tarefa de musicar um texto patriótico escrito por Leonhard Widmer, jornalista e poeta, amigo e conhecido de Zurique. Para isso então, escolheu uma passagem musical da missa; o salmo “Diligam te Domine” (Eu Vos quero amar, Senhor), já havia sido composto em 1835 para uma festividade do mosteiro de Wettingen, onde era mestre de capela.

Sua divulgação como canção pátria deu-se somente em 1843 durante a festa acadêmica em virtude da junção de Zurique à Liga Suíça.

No mesmo ano foi apresentada nas festividades da canção em Zurique e bem aceita pelo público. Através de corais masculinos o “Salmo Suíço” tornou-se rapidamente popular e logo foi traduzido para as outras línguas do país, fazendo parte das festividades nacionais.

O parlamento, porém, recusou por várias vezes a tentativa de promulgar a canção como hino oficial do país, alegando que o hino nacional não deveria ser imposto por decreto, mas escolhido livremente pelo povo através do seu uso regular.

Na verdade, já existia nas ocasiões de governo e militares uma música tão popular quanto o “Salmo Suíço”: chamava-se “Heil dir, Helvetia!” (Salve, Helvécia!) e era altamente difundido. Apesar da letra autêntica, a melodia de “Salve, Helvécia!” era a mesma do hino britânico “Deus Salve o Rei”.

Durante o século 20, com a intensificação dos contatos internacionais, por muitas vezes houve situações difíceis, quando por exemplo, o hino britânico era seguido do então hino suíço.

Em 1961 o parlamento decidiu que o “Salmo Suíço” era uma criação suíça legítima e que deveria valer como hino nacional provisoriamente. Após 3 anos de testes o hino foi aceito por 12 cantões e sete pediram por mais tempo de testes e menos do que seis o rejeitaram. Mesmo assim, em 1965, o “Salmo Suíço” foi declarado como hino nacional, desta vez sendo permanente.

A ratificação final aconteceu em 1981, quando se estabeleceu definitivamente que o “Salmo Suíço” seria o então hino nacional da Confederação Suíça, alegando-se ser “uma canção puramente suíça, íntegra, festiva, assim como a maioria dos cidadãos desejam em um hino”.

História

O Dia Nacional da Suíça está relacionado com o Pacto Federal dos Waldstätten (“cantões florestais”), concluído em princípios de agosto de 1291. É o primeiro pacto escrito de que há registro, mas hoje se sabe que não foi essa a primeira aliança entre as três comunidades envolvidas – Uri, Schwytz e Unterwald – os mais antigos cantões da Suíça.

Este pacto foi quase ignorado durante séculos e a criação de uma festa nacional nunca foi considerada. É evidente que sempre houve festas e cerimônias patrióticas.

Em agosto de 1805, por exemplo, realizou-se a primeira “Festa Suíça dos Pastores” nos campos de Unsprunnen.

Vieram espectadores de todas as regiões da Confederação, bem como do estrangeiro, para assistir às diversas competições: tiro ao alvo, trompa alpina, luta “à la culotte” (luta tipicamente suíça) e lançamento de pedra.

Porém, foi unicamente no século XIX que se manifestou a vontade de “oficializar” uma verdadeira festa nacional, celebrada ao mesmo tempo em toda a Confederação.

Em 1889/90, com a aproximação do 600º aniversário do Pacto, o Governo e o Parlamento decidiram finalmente que a fundação da Confederação seria festejada em 1º de agosto.

Desde então, esta celebração é organizada anualmente pelos municípios com a colaboração das comunidades locais. Mas durante muito tempo ainda, esta data continuou a ser um dia de trabalho em muitos cantões pois a festa é, por tradição, uma festa noturna. Ao cair da noite, o espetáculo é constituído pelas fogueiras acesas nos cumes, nas cidades e aldeias, e pelos fogos de artifício, muitas vezes organizados a título privado. Alguns discursos, exibições de bandas e o toque dos sinos das igrejas completam o programa.

Letra: Leonhard Widmer (Alemão), Charles Chatelanat (francês), Camillo Valsangiacomo (italiano), e Gion Antoni Bühler (Ladinish)

Música por: Alberik Zwyssig

Hino Nacional (em alemão)

Schweizer Landeshymne (Schweizerpsalm)

1. Strophe

Trittst im Morgenrot daher,
Seh’ich dich im Strahlenmeer,
Dich, du Hocherhabener, Herrlicher!
Wenn der Alpenfirn sich rötet,
Betet, freie Schweizer, betet!
Eure fromme Seele ahnt
Gott im hehren Vaterland,
Gott, den Herrn, im hehren Vaterland.

2. Strophe

Kommst im Abendglühn daher,
Find’ich dich im Sternenheer,
Dich, du Menschenfreundlicher, Liebender!
In des Himmels lichten Räumen
Kann ich froh und selig träumen!
Denn die fromme Seele ahnt
Gott im hehren Vaterland,
Gott, den Herrn, im hehren Vaterland.

3. Strophe

Ziehst im Nebelflor daher,
Such’ich dich im Wolkenmeer,
Dich, du Unergründlicher, Ewiger!
Aus dem grauen Luftgebilde
Tritt die Sonne klar und milde,
Und die fromme Seele ahnt
Gott im hehren Vaterland,
Gott, den Herrn, im hehren Vaterland.

4. Strophe

Fährst im wilden Sturm daher,
Bist du selbst uns Hort und Wehr,
Du, allmächtig Waltender, Rettender!
In Gewitternacht und Grauen
Lasst uns kindlich ihm vertrauen!
Ja, die fromme Seele ahnt,
Gott im hehren Vaterland,
Gott, den Herrn, im hehren Vaterland

Hino Nacional (em francês)

Hymne national suisse (Cantique suisse)

1e strophe

Sur nos monts, quand le soleil
Annonce un brillant réveil,
Et prédit d’un plus beau jour le retour,
Les beautés de la patrie
Parlent à l’âme attendrie;
Au ciel montent plus joyeux
Les accents d’un coeur pieux,
Les accents émus d’un coeur pieux.

2e strophe

Lorsqu’un doux rayon du soir
Joue encore dans le bois noir,
Le coeur se sent plus heureux près de Dieu.
Loin des vains bruits de la plaine,
L’âme en paix est plus sereine,
Au ciel montent plus joyeux
Les accents d’un coeur pieux,
Les accents émus d’un coeur pieux

3e strophe

Lorsque dans la sombre nuit
La foudre éclate avec bruit,
Notre coeur presse encore le Dieu fort;
Dans l’orage et la détresse
Il est notre forteresse;
Offrons-lui des coeurs pieux:
Dieu nous bénira des cieux,
Dieu nous bénira du haut des cieux.

4e strophe

Des grands monts vient le secours;
Suisse, espère en Dieu toujours!
Garde la foi des aïeux, Vis comme eux!
Sur l’autel de la patrie
Mets tes biens, ton coeur, ta vie!
C’est le trésor précieux
Que Dieu bénira des cieux,
Que Dieu bénira du haut des cieux

Tradução do Inglês

1. Quando os céus de manhã crescer vermelho
E sobre seu esplendor derramado,
Tu, ó Senhor, apareceu em sua luz.
Quando o brilho Alpes brilhante com esplendor,
Ore a Deus, a Ele se entregar,
Para você sentir e compreender,
Para você sentir e compreender,
Que ele habita nesta terra.
Que ele habita nesta terra.

2. Na Tu és sol quase
E, além do céu estrelado,
Tu, ó Pai amoroso, sempre perto
Quando para o céu nós estamos partindo,
Thou’lt alegria e felicidade se dar,
Para nós sentimos e compreendemos
Para nós sentimos e compreendemos
Tu que habitas nesta terra.
Tu que habitas nesta terra.

3. Quando nuvens escuras amortalhar os montes
E névoa cinzenta enche o vale,
Ainda não és escondido de Teus filhos.
Pierce a escuridão em que se acovardam
Com o poder de Teu sol de limpeza
Então vamos sentir e entender
Então vamos sentir e entender
Deus que habita nesta terra.
Deus que habita nesta terra.

4. Para nós na tempestade selvagem que vem,
Você mesmo nos dar resistência e fortaleza,
Você, que rege todo-poderoso, socorro!
Durante horror e noites de tempestades
Vamos infantil confiar nEle!
Sim, nós sentimos e compreendemos;
Sim, nós sentimos e compreendemos;
Deus que habita nesta terra.
Deus que habita nesta terra.

Hino Nacional da Suíça

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.