Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / São Marinho

São Marinho

PUBLICIDADE

As origens de datas de San Marino, segundo a lenda, um santo eremita chamado Marino, pedreiro nasceu na Dalmácia que, em 301, tinha deixado Rimini, onde trabalhou para resolver no Monte Titano, onde tornou-se um apóstolo da religião cristã, uma comunidade religiosa formada em torno de seu eremitério, um castelo foi construído, em seguida, uma cidade e uma república é mostrado na San Marino eremita jardim e cavou na cama rocha.

São Marinho

história de San Marino , um pequeno Estado, muitas vezes descrita como “a mais antiga república do mundo,” tem suas raízes noséculo IV, sob o Império Romano. Os fatos que cercam o nascimento da cidade são principalmente mito e lenda , mas, no entanto, passa autêntico.

República pertencia ao Exarcado de Ravenna e o reino franco-Lombard, na Idade Média.

Ele adquiriu suas liberdades municipais e conclui no meio do século XIII uma aliança amigável com as contagens de Monfeltro e Urbino: é este fato que Ia República tinha de manter sua existência independente.

Quando o Papa Urbano III tomou posse em 1631, o ducado de Urbino e incorporados nos Estados da Igreja, ele reconheceu a independência da República de San Marino e deu-lhe a liberdade para importar costumes em seus domínios.

Em 1779, o cardeal Alberoni ameaçava a existência da República pequeno que é defendido vigorosamente.

Em 1797, Bonaparte tornou-se interessado em San Marino e ofereceu-lhe um engrandecimento territorial, ela teve a sabedoria de recusar, depois de Napoleão, quando ele reorganizou Itália Recusou-se a destruir o Estado pequeno e disse, “Mantenha-o como uma república modelo.”

Após a restauração, San Marino permaneceu um Estado livre, sob a proteção do papado. Em 1849, Garibaldi fugiu para San Marino com o resto do seu exército de outros refugiados políticos Estados da Igreja começou também a ser protegida e do governo papal não poderia obter a extradição.

Também em junho de 1851, 800 austríacos e 200 gendarmes entraram o Papa no território da República.

Desde então, San Marino não tem nenhum fato real sobre ele: em 1859 e 1860, ele manteve a neutralidade absoluta em assuntos italianos, como a sua independência e as instituições republicanas não eram eles não contestada. Em 1862, foi assinado um tratado de união aduaneira e amizade com a Itália.

No século XX, notamos simplesmente neutralidade mantida pela República durante as duas guerras mundiais. No segundo, ele recebeu 100.000 refugiados das áreas circunvizinhas. San Marino entrou no Conselho da Europa em 1988 e entrou para a ONU, em 1992.

San Marino (San Marino)

San Marino (San Marino), quinto menor estado da Europa (61 km 2), é a ex- República do mundo.

Suas origens remontam a 301 e sua constituição atual, no século XIV.

Durante a conquista de Napoleão na Itália do norte, Capitão Regente Antonio Onofrio conseguiu negociar com Bonaparte , não só a independência da República, mas também não expandir suas fronteiras. Com essa sabedoria, em 1814, o Congresso de Viena , confirmou a existência de San Marino.

Após a queda da República Romana , em 1849, Garibaldi e os seus apoiantes, encurralado pelas tropas austríaco , francês , espanhol e napolitano , devido a sua salvação à benevolência de São Marino, com quem eles fugiram. Retaliação austríaco foram então evitou graças à intervenção do jovial Napoleão III .

No início da República , com o seu apoio para Garibaldi , escaparam do Risorgimento e da unificação da Itália com Luigi Cibrario tanto Ministro Victor Emmanuel II e plenipotenciário de San Marino no tratado com o Reino da Itália em 1862.

De 1978 a 1986, durante a Guerra Fria, San Marino apresentou a distinção de ser o único estado na Europa Ocidental liderado por um governo comunista.

República de São Marino

Oficialmente República de San Marino, a república (1995 pop est. 28.119), 24 sq mi (61,2 km ²), nos Apeninos perto do Mar Adriático, SW de Rimini, N Itália central.

É a menor república do mundo, e afirma ser mais antigo estado da Europa atual. A capital é San Marino (1988 pop est 4140.); Serravalle é a única cidade outro.

Segundo a tradição, Marino, um canteiro cristã da Dalmácia, se refugiou (cento quarto cedo.) No Monte. Titano (2.300 ft/701 m), a principal característica geográfica da atual San Marino.

Pela cento meados de quinta, uma comunidade foi formada, por causa de sua localização relativamente inacessível e sua pobreza, ele conseguiu, com algumas interrupções breves, em manter sua independência. Em 1631 sua independência foi reconhecida pelo papado.

Em 1849, San Marino deu refúgio a Garibaldi, o patriota italiano e soldado. Itália e San Marino assinaram um tratado de amizade e de cooperação econômica em 1862 (renovado e ampliado várias vezes).

Voluntários de San Marino servido com os italianos na Primeira Guerra Mundial e II; aviões aliados bombardearam a república em 1944.

Após um período de regime comunista (1947-1957), uma coalizão de democratas-cristãos e social-democratas chegaram ao poder.

Em 1973, os social-democratas deixou a coalizão e foram substituídos pelos Socialistas eo Movimento minúsculo para Liberdades estatutárias. Em 1960, as mulheres receberam o direito de voto, e em 1973 eles receberam o direito de ocupar cargos públicos.

A coalizão de esquerda liderada pelos comunistas governou 1978-1986, momento em que os comunistas se juntou com os democratas-cristãos para formar um novo governo.

A coalizão foi reeleito em 1988. O Partido Comunista mudou seu nome em 1990 para o Partido Democrático Progressista e continuou em coligação com os democratas-cristãos. Em 1992, os democratas-cristãos formaram uma nova coalizão com os socialistas, que permaneceu no poder após as eleições de 1993 e 1998.

San Marino tornou-se membro das Nações Unidas em 1992. De todos os pequenos países europeus, a sobrevivência SM é o mais surpreendente. Além da Cidade do Vaticano (cujo desenvolvimento seguido um curso diferente), é a única que está completamente cercada por um outro país.

Diversos tratados de amizade foram assinados com a Itália desde a unificação deste último, mas SM orgulhosamente afirma a sua independência sempre que possível.

Fonte: colegiossaofrancisco.com.br

São Marinho

São Marinho é um país do Sul da Europa.

A capital é San Marino.

A principal religião é o Cristianismo.

A língua principal é o Italiano.

O terceiro menor país da Europa (depois da Santa Sé e de Monaco), San Marino também afirma ser a mais antiga república do mundo. Segundo a tradição, ele foi fundado por um pedreiro Cristão chamado Marinus em A.D. 301.

A política externa de San Marino está alinhada com a da Itália; as tendências sociais e políticas da República também acompanham de perto as de seu vizinho maior, a Itália.

Fundada cerca de 1.700 anos atrás, San Marino é a mais antiga república da Europa. Ela é também uma das mais ínfimas, ocupando apenas 24 milhas quadradas (61 km quadrados).

Na verdade, San Marino é o terceiro-menor estado independente da Europa, depois de Mônaco e do Vaticano.

Terra

O território aproximadamente retangular de San Marino orna sobre o Monte Titano, uma massa erodida de calcário com uma elevação de 2.421 pés (738 m).

Ele é cercado por todos os lados pelo interior do centro-norte da Itália. Duas correntes, o Ausa (Aussa) e o Marano, fluem através de San Marino e drenam no Mar Adriático para o nordeste.

Seu clima é temperado: as temperaturas variam de 19 °F (-7 °C), no inverno a 80 °F (27 °C) no verão.

História e População

San Marino tem suas origens em 301 dC. Um pedreiro Cristão chamado Marinus diz-se que fundou a nação para escapar da perseguição religiosa. A atual San Marino detém Marinus como seu santo padroeiro, e honra-o a cada 3 de Setembro.

A república expandiu lentamente pelas encostas da montanha, e agora inclui parte do fundo do vale. Os líderes de San Marino vieram para ver a pequenez de sua casa como uma virtude. Em 1797, San Marino mesmo recusou uma oferta de território adicional de Napoleão I.

O tamanho minúsculo do país e sua pobreza relativa, foi fundamentado, o fez um alvo improvável para a conquista.

Assim como o Monte Titano provê segurança para Marinus, a república tem repetidamente dado refúgio a exilados e refugiados. Durante as batalhas que antecederam a unificação da Itália em 1861, Giuseppe Garibaldi e alguns de seus seguidores se esconderam brevemente em San Marino. San Marino permaneceu neutro durante a Segunda Guerra Mundial.

Governo

Em 1862, San Marino e a Itália assinaram um tratado de amizade. As duas nações têm uma união aduaneira. San Marino usa o idioma e a moeda Italianos. No entanto, San Marino tem um governo totalmente independente. Os chefes de governo são dois capitães-regentes que presidem ao Grande e Geral Conselho de 60-membros por um período de seis meses.

Os mesmos representantes não poderão ser reeleitos para o cargo até três anos se passarem. Os capitães devem aceitar o cargo para o qual forem eleitos ou sua cidadania e posses serão tomadas deles.

A pequena república, com o seu amor de leis medievais e cerimônias, surpreendeu o mundo em 1945, quando votou em um governo Comunista. O único governo Comunista na Europa Ocidental ficou no poder por 12 anos, embora sem fazendas coletivas ou o controle do estado.

Desde 1957, o governo de San Marino tem-se movido ao longo de caminhos democráticos. Em 1992, San Marino ganhou a associação às Nações Unidas (ONU).

Economia

Hoje, a economia de San Marino é baseada na sua renda do turismo, agricultura, e uma variedade de produtos. Os visitantes acorrem a San Marino das partes nas proximidades da Itália por automóvel, helicóptero, e ônibus.

As antigas ruas estreitas da capital possuem muitos locais fascinantes: torres de edifícios medievais; a Igreja de São Francisco do século 14; o Palácio do Governo, e o museu no Palácio Valloni. Outra atração é a chance de enviar cartões postais pelo correio tendo selos da bela San Marino. As altamente valorizadas postagens anualmente acrescentam fundos consideráveis aos rendimentos da república.

A agricultura e a pecuária são as principais fontes de renda. As encostas de San Marino são cobertas de vinhas e prados onde o gado pasta. As fábricas de San Marino produzem uma variedade de itens para exportação, incluindo cerâmicas, construção de pedra, e têxteis. Poucos Sanmarineses ainda praticam o artesanato da lapidação de São Marinus, mas muitos honram o seu sonho de liberdade e independência.

Economia – visão geral:

A economia de San Marino depende fortemente de seu turismo e bancos, assim como na fabricação e exportação de cerâmica, roupas, tecidos, móveis, tintas, bebidas, telhas, e vinho. O nível per capita de produção e padrão de vida são comparáveis aos das regiões mais prósperas da Itália, que abastece grande parte dos alimentos San Marino consome.

Os benefícios de economia de investimento estrangeiro devido às suas relativamente baixos impostos corporativos e impostos baixos sobre os ganhos de juros.

San Marino enfrentou recentemente aumentou a pressão internacional para melhorar a cooperação com as autoridades fiscais estrangeiras e transparência no seu próprio setor bancário, que gera cerca de um quinto das receitas do país” s fiscais. Implementação Itália” s, em outubro de 2009, de uma anistia fiscal para repatriar recursos mantidos no exterior não tributadas resultou em saídas financeiras San Marino para a Itália no valor de mais de US $ 4,5 bilhões.

Tais saídas, combinadas com um escândalo de lavagem de dinheiro na maior instituição de San Marino” financeira e da desaceleração econômica mundial, contribuíram para uma profunda recessão, um déficit orçamentário crescente, e maiores níveis de dívida.

A produção industrial diminuiu, especialmente no setor têxtil, e as exportações foram prejudicadas pela crise na Itália, que responde por 90% da San Marino” s mercado de exportação. O governo adotou medidas para combater a crise econômica, incluindo crédito subsidiado para as empresas.

San Marino também continua a trabalhar no sentido de harmonizar as suas leis fiscais com os membros da UE e padrões internacionais.

Em setembro de 2009, a OCDE removido San Marino de sua lista de paraísos fiscais que ainda têm de implementar plenamente as normas fiscais globais, e em 2010 San Marino assinaram acordos fiscais troca de informações com a maioria dos grandes países.

San Marino” s governo continua a trabalhar com a Itália para ratificar um acordo de troca de informação financeira, visto por empresas e investidores como crucial para fortalecer a relação econômica entre os dois países.

Charles Ré

Fonte: Internet Nations

São Marinho

História

Na República de San Marino o culto do Santo, ao qual a lenda atribui o mérito da fundação da República, é difuso e muito vivo.

E é exatamente a lenda que nos transmite a figura deste britador que veio da cidade de Arbe, na Dalmacia, e subiu o Monte Titano para fundar uma pequena comunidade de cristãos perseguidos por causa da sua fé pelo Imperador Diocleciano.

Contudo, sabe-se que a zona foi habitada na pré-história, mas é só a partir da Idade Média que temos noticias certas sobre a existência de um Cenóbio, de uma igreja rural, um Castelo, ou seja elementos que convergem sobre o fado que no cume do Monte Titano havia uma comunidade organizada.

Enquanto a autoridade do Império se ia abrandando e quando ainda não se tinha imposto o poder temporal do Papado, emergiu, aqui como em outras cidades de Itália, a vontade dos cidadãos de se darem uma forma de governo. Eis a Comuna.

E enquanto todas as cidades italianas dedicavam a sua liberdade a um Santo, a pequena comunidade do Monte Titano, lembrando a figura lendária do britador Marino, chamou-se “Terra de San Marino”, depois “Comuna de San Marino” e enfim “República de San Marino”.

São estas as origens do corpo social que entregou o seu autogoverno a uma assembléia de chefes de família à qual se deu o nome de “Arengo”, presidido por um Reitor. A esta assembléia, no culto da paz e da concórdia, deve-se a definição das primeiras leis, os Estatutos, inspirados em princípios democráticos.

Enquanto o corpo social crescia, para compartilhar a responsabilidade do executivo, junto ao Reitor nomeou-se um Capitão Defensor. Todavia, foi só em 1243 que se nomearam os dois primeiros Cônsules, ou seja os Capitães Regentes, que se sucederam ao poder cada seis meses sem interrupções até aos nossos dias, confirmando a validade e a eficácia das instituições, sobretudo a dos Capitães Regentes.

É graças à sabedoria que inspirou a antiga Comuna de San Marino que o corpo social soube encarar situações perigosas e consolidar a sua autonomia.

Os acontecimentos foram complexos e difíceis, e os resultados foram às vezes incertos, mas o amor da liberdade contribuiu a preservar o patrimônio da autonomia de que gozada a Comuna. Foram significativas as contendas entre os Bispos de Montefeltro que exigiam impostos, mas no fim os cidadãos de San Marino prevaleceram e conseguiram a emancipação política e administrativa.

Os cidadãos de San Marino não foram imbeles, mas sim defenderam as muralhas da sua cidade com as suas lendárias bestas e participaram nas lutas ao lado de Montefeltro e de Urbino, partidários do partido gibelino.

Na Idade Média, o território de San Marino estendia-se a breve distancia do Monte Titano e ficou assim até 1463, quando entrou na aliança contra Sigismondo Pandolfo Malatesta, Senhor de Rimini. A guerra foi vitoriosa e a San Marino, para recompensara sua participação na guerra, o Papa Pio 11 Piccolomini atribuiu- lhe os Castelos de Fiorentino, Montegiardino e Serravalle.

O Castelo de Faetano entrou a formar parte do território de San Marino por decisão espontânea. A partir de 1463, o território ficou sem variações.

A República de San Marino foi ocupada militarmente duas vezes, mas só durante poucos meses, em 1503 por Cesare Borgia “II Valentino” e em 1739 pelo Cardinal Giulio Alberoni, De Borgia pôde livrar-se graças à morte do tirano.

Do Cardeal Alberoni soube livrar-se graças a desobediência civil perante a injustiça e enviando clandestinamente mensagens para obter justiça ao Sumo Pontífice, o qual reconheceu o direito de San Marino e restabeleceu a sua independência.

Em 1797, Napoleão ofereceu a extensão do território, presentes e amizade à República de San Marino. Os cidadãos agradeceram pela honra das dádivas, porém rejeitaram com instintiva sabedoria o alargamento territorial “satisfeitos com as suas fronteiras”.

Em 1861, Lincoln demonstrou a sua simpatia e amizade para com San Marino escrevendo, entre outras coisas, aos Capitães Regentes ” … Embora o Vosso Domínio seja pequeno, o Vosso Estado é um dos mais honrados de toda a história… “.

San Marino ostenta uma tradição de hospitalidade excepcional em todas as épocas. De fato, nesta terra de liberdade nunca se recusou o direito de asilo e a ajuda aos perseguidos pela má sorte e pela tirania, quaisquer fossem as suas idéias e as suas condições.

Indicaremos dois exemplos, entre os muitos que se poderiam citar: Giuseppe Garibaldi, em 1849, circundado por três exercites depois da queda da República Romana, foi hospedado e encontrou uma salvação inesperada.

Durante a última guerra, San Marino hospedou mais de 1 00.000 refugiados.

Hoje em dia a República de San Marino, independente, democrática e neutral, continua a viver fiel às suas antigas tradições e cada vez mais sensível às exigências do progresso.

Clima

O clima é temperado, com atenuação das pontas máximas invernais e estivais.

Temperaturas em graus centígrados:

Média anual 10

Inverno de 10 a -2

Primavera de 12 a 24

Verão de 20 a 30 com raras pontas máximas de 36

Outono de 20 a 10

Como Chegar

Ligações por estrada com as cidades européias continentais, com terminal em Rimini onde se encontra a saída da auto-estrada Adriática (Estação Rimini Sul) na Estrada Nacional Rimini-San Marino, de trem com terminal na Estação dos Caminhos de Ferro de Rimini com serviço de autocarros de carreira para San Marino, de avião com terminal nos aeroportos mais próximos de Rimini-Miramare, de Forli e de Bolonha.

De San Marino pode-se facilmente aproximar-se das principais cidades italianas, por estar a 24 km. de Rimini, 135 km. de Bolonha, 70 km. de Ravenna, 330 km. de Milão, 350 km. de Roma, 150 km. de Ancona e 74 km. de Forli.

De San Marino é possível viajar de carro facilmente, para excursões, a sugestivas localidades da Romagna e das Marche, como os castelos de Verrucchio e São Leo, e é possível ir para a praia no Mar Adriático (19 km. de Dogana).

Como Vestir-se

Roupas ligeiras durante o Verão e vestuário de meia estação em Primavera e Outono.

Aconselham-se sapatos de salto baixo para as visitas turísticas e vestidos adequados para entrar nas igrejas.

Demografia

San Marino tem uma população de 25.921 habitantes, repartidos na seguinte maneira:

San Marino Cittá – 4.40

Borgo Maggiore – 5.424

Domagnano – 2.296

Acquaviva – 1.297

Montegiardino – 722

Serravalle – 8.166

Faetano – 909

ChiesaNuova – 873

Fiorentino – 1.833

Esportes

Tênis, basquete, ginástica, ciclismo, equitação, tiro com espingarda, tiro ao alvo, caça, pesca, natação, etc. O Centro Desportivo de Serravalle com equipamentos modernos, numerosos campos de tênis e de futebol localizados em toda a República, um campo para golfe, uma nova piscina, permitem desempenhar atividades com grande conforto.

FESTIVIDADES OFICIAIS

1 de Janeiro – Dia de Ano Novo

6 de Janeiro – Dia dos Reis Magos

5 de Fevereiro – Aniversário da Libertação da República da ocupação do Cardeal Alberoni

5 de Fevereiro – Festa de Santa Ágata,

Semana Santa (três dias com data variável)

25 de Março – Aniversário do Arengo

1 de Abril – Cerimônia de investidura dos Capitães Regentes

1 de Maio – Festa do Trabalho

Corpus Domini (data variável)

28 de Julho – Queda do Fascismo

15 de Agosto – Festa da Assunção

3 de Setembro – Festa de San Marino e Fundação da República

1 de Outubro – Cerimônia de Investidura dos Capitães Regentes

1 de Novembro – Todos os Santos

2 de Novembro – Comemoração dos Defuntos

8 de Dezembro – Festa da imaculada Conceição

24, 25, 26 de Dezembro – Festa do Natal

31 de Dezembro – Fim do Ano.

Geografia

San Marino não possui recursos mineiros.

Uma grande parte do seu território está ocupada por terrenos cultivados e bosques, embora aumentem cada vez mais as zonas urbanizadas.

A agricultura, a criação de gado ovino e o trabalho das pedras, extraídas das pedreiras do Monte Titano, foram no passado as principais atividades econômicas da pequena República. A partir dos anos ’60, como em outros lugares, começou-se a abandonar progressivamente o campo e foi rápido e difuso o desenvolvimento industrial, artesanal e comercial, também como conseqüência direta do acelerado fluxo de turistas.

A superfície agrícola é atualmente cultivada com cereais, vinhedos e árvores de fruta; há também criações de gado bovino e suíno. Cerâmicas, azulejos, móveis, doces e licores, vernizes, tecidos e produtos têxteis são os produtos mais importantes de uma série de empresas médias e pequenas quer industriais quer artesanais.

Geografia Física

O território de San Marino (61 km²) tem a forma dum quadrilátero irregular e a maior parte da sua superfície está ocupada por colinas, com o Monte Titano no centro (lat. 43°51’06” – long. teste de Greenwich 12°26’56 ” – altitude 750 metros e distância em linha de ar 10 km. do Mar Adriático).

Está rodeado por toda a extensão das suas fronteiras por duas regiões italianas, ou seja a Emilia Romagna a Noroeste e Marche- Montefeltro a Sudoeste.

Língua Nacional

A língua nacional é o Italiano. Contudo, a grande afluência de turistas e as extensas relações internacionais fizeram com que todos os cidadãos que tenham por trabalho o contato com o público, falem pelo menos um idioma estrangeiro – Francês, Inglês ou Alemão.

É muito difuso, sobretudo entre os mais idosos, um vivaz dialeto similar ao da Romagna, que, porém, apresenta também características da fronteiriça região das Marche.

Moeda

A partir de 1 Janeiro de 2002, ao lado dos dos Estados que aderiram às moedas revolução epocal euros circulam com os símbolos da República de San Marino.

Esta não é uma contingência sorte e, menos ainda, para as autoridades de concessão automática e benevolente continentais ou monetárias da própria União Europeia.

O euro “San Marino” é o resultado do trabalho político e diplomático que tem se desdobrado nos últimos anos e levou a decisão do Conselho da União Europeia em si, que, no final de 1998, o nosso país tem reconhecido o direito de usar o «euro como sua moeda oficial e conceder o estatuto de curso legal às notas e moedas de euro.

Com a aprovação, então, as medidas internas necessárias para sua transição para o novo regime monetário – em particular a Lei sobre o euro em Dezembro de 1998 – San Marino tem alcançado o objetivo de ser capaz de seguir sua cunhagem e estabelecer relações com o Banco Central Europeu.

Ao mesmo tempo, foi mantido neutralidade introdução da moeda comum, a continuidade dos instrumentos e relações jurídicas, total transparência e informação adequada.

Mesmo assim, sem dúvida, o advento da moeda única tem sido uma profunda transformação para o sistema internacional inteira monetária, mesmo porque o dólar – a moeda de escolha até recentemente – é acompanhada por um uniforme que é comum a mais de 300 milhões de pessoas.

“Uma idéia ótima econômica, mas também a maior idéia política do século 20.” É para que Romano Prodi saudou, San Marino, a chegada do euro. Não é nenhum segredo, na verdade, que a moeda única exige uma série de conseqüências na política econômica, a harmonização das contas, o comportamento das pessoas, a estratégia de empresas, instituições de segurança social, as decisões em fiscal “, para que, pouco a pouco, através de uma ou até mesmo várias gerações, tudo inevitavelmente decisão política de enorme importância.”

Também como parte das obrigações relacionadas com a introdução do euro, 29 de novembro de 2000, foi assinado uma convenção monetária entre San Marino e da Itália, que interveio em nome da Europa, que foi consagrado em nossa país “o direito de usar, a partir de 1 Janeiro de 1999, o euro como sua moeda oficial” e de emitir moedas de San Marino, em euro. A República, por sua parte, com efeitos a 1 de Janeiro de 2002, deu o estatuto de curso legal às notas e moedas de euro.

De Sammarinese moedas de euro têm, entre outras coisas, o mesmo concurso legal de os dos Estados-Membros da União Europeia que adoptaram o euro e poderá ser emitida, com efeitos a partir de 1 Janeiro de 2002, a um máximo anual de 1944. 000, sujeito a revisão a cada dois anos com o procedimento administrativo.

A Convenção também permite que a República de continuar a fornecer as moedas de ouro e moedas de coleção em euros se em linha com as diretrizes estabelecidas pelo CEE.

O Que Comer e Beber

Ótimos são os primeiros pratos a base de massa feita em casa: tortellini, passatelli, tagliatelle, lasanhas no forno, ravioli, canelloni, strozzapreti, cappelletti no caldo, etc.

Entre os segundos pratos, preferivelmente a base de carne: coelho no forno, frango “alla diavola”, codornizes em salmoura, saltimbocca, etc.

Sobremesas. tarte de San Marino, cacciatello (sobremesa a base de leite, açúcar e ovos), bustrengo.

Vinhos: “moscato” de San Marino, “biancale”, “sangiovese” de ótima produção local, Grilet.

O que Comprar

Uma produção típica do artesanato de San Marino é a cerâmica, cujos artigos podem comprar se em numerosas lojas.

Um interesse notável existe, para os selos e as moedas de San Marino, que se podem pedir diretamente à Azienda Filatelica e Numismatica di Stato, na capital.

Existe também uma extensa produção de vinhos e licores, entre os mais conhecidos o “moscato” e o “mistrà” (similar ao anis, mas mais seco). É conveniente a compra de licores tanto de San Marino como estrangeiros, dos quais há uma grande escolha, de cartas, cigarros, objetos de ourivesaria, lembranças, etc.

Organização Judicial

Administração da justiça, por razões de caráter histórico, está confiada a “Forensi”, ou seja cidadãos que não são de San Marino.

A única excepção são os Juizes Conciliadores, ou seja os juizes exclusivamente competentes no civil e para questões cujo valor não supere os 25 milhões de liras.

Os Juizes civis são: o Comissário da lei (de I instância), o Juiz das Apelações Civis, o Conselho dos XII quando as sentenças de I e II grau não sejam conformes.

Os Juizes penais são: o Comissário da lei de instrução (juiz de I instância); o Comissário da Lei que decide em primeira instância, o Comissário da lei Juiz para a Execussão Penal e o Juiz das Apelações para as causas penais.

A Organização judicial de San Marino em âmbito penal prevê só dois graus de jurisdição.

Nos processos penais, os interesses do Estado estão representados pelo Procurador do Fisco.

O conjunto de todos os Juizes Civis e Penais forma o Conselho Judicial da jurisdição ordinária. Esse organismo, presidido pelo Deputado à justiça, é o órgão de autogoverno da Magistratura, A administração da justiça administrativa é confiada ao juiz Administrativo de I grau, contra as suas sentenças é possível recorrer ao Juiz Administrativo de Apelação.

Quando as sentenças de I e II grau não são conformes, é possível recorrer em III instância ao Conselho dos XII.

Em 1975 entrou em vigor um novo Código Penal, a matéria civil está regulamentada pelo Direito Comum, os Estatutos de 1600 e as leis sucessivas adicionais ou de modificação, Durante os últimos quarenta anos, cuidou-se particularmente da legislação social.

Organização Militar e da Polícia

A República de San Marino, embora seja um estado neutral cuja vocação de paz está universalmente reconhecida, dispõe de Corpos Militares Uniformados voluntários, representativos da independência do Estado (não existe serviço militar obrigatório, mas todos cidadãos de 1 6 a 55 anos podem ser alistados, em contingências especiais, para defender o Estado), e mais pormenorizadamente:

A Companhia Uniformada das Milícias participa nas Cerimonias Oficiais e colabora no serviço de ordem nas contingências especiais.

A Guarda de Honra, conhecida também como Guarda Nobre, é um corpo especial decorativo e de guarda dos Capitães Regentes e do Conselho Grande e Geral.

A Guarda da Rocca tem em dotação as artilharias, presta o seu serviço no Palácio Público e nos quartéis fronteiriços.

A Gendarmaria é o corpo de policia que tem que vigiar e defender a ordem no Pais.

O Corpo da Policia Civil, integrado por cidadãos de San Marino, ocupa-se do controlo, da proteção e prevenção em âmbito comercial, turístico, e de circulação nas estradas.

Organização Política e Administrativa

A antiga instituição do Arengo (originariamente a reunião de todos os chefes de família) delegou sucessivamente o seu poder ao Conselho Grande Geral e hoje em dia o Arengo é o próprio corpo eleitoral. Durante o Arengo, que é convocado atualmente dois vezes por ano (o domingo sucessivo à tomada de posse do cargo por parte dos Capitães Regentes), os cidadãos de San Marino têm a faculdade de apresentar propostas e petições de interesse público ao Conselho Grande Geral.

O poder legislativo é exercido pelo Conselho Grande Geral, que está integrado por 68 membros eleitos pelos cidadãos cada 5 anos, Em particular, aprova as propostas e nomeia os Capitães Regentes, Chefes de Estado e do Executivo, os quais exercem o seu cargo durante 6 meses (a cerimônia de investidura dos Capitães Regentes dá-se o dia 1 de Abril e o dia 1 de Outubro de cada ano).

O poder executivo está a cargo do “Congresso de Estado”, integrado por três Secretários (Secretário de Estado para os Assuntos Exteriores e Políticos – Secretário de Estado para os Assuntos Interiores e Proteção Civil – Secretário de Estado das Finanças, Orçamento e Programação, Informação e Relações com a Entidade Autônoma de Estado Filatélica e Numismática), e por sete Deputados, chefes dos seguintes ministérios: Educação Pública, Cultura, Universidade e justiça – Território, Meio Ambiente e Agricultura e Relações com a entidade Autônoma de Estado da Produção – Saúde e Segurança Social – Comércio, Relações com as juntas do Castelo e Relações com a Entidade Autônoma de Estado para os Serviços, Comunicações, Transportes, Turismo e Desporto – Indústria e Artesanato – Trabalho e Cooperação. O território de San Marino está dividido em nove Castelos que correspondem às antigas freguesias da República, Cada Castelo é administrado por uma Junta presidida por um Capitão, que se elege cada cinco anos. O Conselho dos XII, eleito pelo Conselho Grande e Geral para a duração da legislatura, é um órgão judicial e de justiça admitistrava com funções de tribunal de III instância. Os “Sindaci” do Governo representam o Estado no juízo e nas atas e em questões de natureza financeira ou patrimonial.

Principais Atrativos Turísticos

Monumentos, Museus, obras de arte, lugares turísticos: o centro histórico da cidade de San Marino é todo ele um monumento, ..uma fortaleza medieval conservada durante os séculos para a maravilha da posteridade”.

À margem do Monte Titano levantam-se as três fantásticas fortalezas, ainda hoje unidas por muralhas e caminhos para a fortaleza de baixo, cercada por tríplices muralhas, intercalados por várias portas e muitos baluartes e torreões, Dentro das muralhas, as estradas, as praças, os edifícios, as igrejas, as casas medievais totalmente de pedra mantêm o aspecto austero e sugestivo do passado. Depois das três fortalezas – a Guaita, a Cesta e o Montale – objeto de visita irrenunciável para os turistas (sobretudo a segunda que é também a sede do Museu das Armas Antigas), apontamos para os principais lugares por visitar., Palácio Público, Basílica e Igreja de São Pedro onde se encontram os restos dos Santos Marino e Leo, Igreja de São Francisco com anexada Pinacoteca-Museu; Igreja de São Quirino ou dos Capuchos, Exposição do Artesanato de San Marino.

Há que assinalar também vários museus privados: Coleção Maranello Rosso, Museu das Armas Modernas, Museu dos Automóveis Antigos, Museu das Ceras, Museu das Curiosidades, Reptilarium-Aquarium.

Nos oito Castelos distribuídos no território nos arredores da montanha – Acquaviva, Borgo Maggiore, Chiesanuova, Domagnano, Faetano, Fiorentino, Montegiardino, Serravalle – assinalam-se os seguintes lugares: a Rocea (Fortaleza) “Malatestiana” de Serravalle, o moderno Santuário de Borgo Maggiore desenhado pelo arquiteto de Florença Michelucci, o Museu Postal Filatélico e Numismático (Borgo Maggiore, atualmente fechado por trabalhos de remodelação), a Igreja e o Mosteiro de Valdragone, a fortaleza de Pennarossa, igrejas, ruínas antigas e curiosidades diversas em todos os Castelos.

Os atrativos do Meio Ambiente natural: Monte Titano, colinas, bosques de pinheiros de Montecerreto, Parque Natural de Montecchio, Parque Ausa de Dogana, Parque laiala de Serravalle, Percurso da Saúde em Domagnano), reservas de caça e pesca.

Religião Oficial

Católica

Fonte: Consulado da República de San Marino

São Marinho

Capital: San Marino
Idioma: italiano
Moeda: euro
Clima: mediterrâneo
Fuso horário (UTC): +1 (+2)

Pontos turísticos

San Marino

Com apenas 61 km², é um dos menores países do mundo, só perdendo para Nauru.

Embora com alguns vinhedos e pequeno rebanhos de ovelhas, sua atividade se destaca na economia.

Com um castelo fortificado no Monte Titano, a cidade baixa se enquadra numa paisagem de arquitetura medieval, e não muito longe dali, se encontra a cidade resort de Rimini.

Fonte: www.geomade.com.br

São Marinho

Landlocked San Marino é um dos menores países do mundo. Cercado pela Itália, é um eco de uma época em que cidades-estados proliferaram em toda a Europa.

Monte Titano, parte da gama Apeninos, domina a paisagem de San Marino. Três fortalezas defensivas pousar em pistas de Titano, olhando para fora da costa do Adriático.

San Marino é dito ser a mais antiga república do mundo sobreviver.

A tradição diz que o país foi fundado no século IV dC por um pedreiro devoto cristão chamado Marinus, que se refugiou lá e montar uma pequena comunidade.

Seu isolamento robusto ajudou o enclave de desenvolver e manter sua independência.

Uma amizade 1862 e tratado de cooperação com a Itália, que já foi revista e ampliada, reforçada independência San Marino.

Turismo domina a economia do km 61 quadrado (23,6 quilômetros quadrados) república, que acolhe mais de três milhões de visitantes a cada ano.

Selos e moedas – intensamente procurados por colecionadores – são importantes fontes de receita.

Como um dos paraísos fiscais da Europa, San Marino tem tradicionalmente atraído um grande fluxo de dinheiro de não residentes, mas na esteira da crise financeira global de 2008-9 esse status vem cada vez mais sob ameaça, e da república se comprometeu a fazer seu sistema bancário mais transparente.

São Marinho
Monte Titano domina a paisagem de San Marino

AD 301 – Segundo a tradição, San Marino é fundada por Marinus, um pedreiro cristão em busca de refúgio da perseguição religiosa no Monte Titano.

1243 – O primeiro Capitães Regent – atuando como chefes de Estado comuns – são nomeados.

1463 – O Papa concede as cidades de Fiorentino, Montegiardino e Serravalle a San Marino. A cidade de Faetano une a república em 1464, definindo as suas atuais fronteiras.

1503 – Cesare Borgia ocupa San Marino por vários meses até a sua morte.

1599 – Constituição de San Marino, que prevê um governo parlamentar, é definida no Estatuto de 1600.

1631 – Papado reconhece a independência de San Marino.

1739 – As forças Cardeal Alberoni ocupam San Marino. Mas depois de uma campanha disobendience civil e apela para o Vaticano, o papa restabelece a independência de San Marino.

1797 – Napoleão invade a Itália, mas respeita os direitos de San Marino.

Independência reconhecida

1815 – Congresso de Viena, que segue as Guerras Napoleônicas, reconhece a independência de San Marino.

1849 – San Marino dá refúgio das forças austríacas para soldado italiano e nacionalista, Garibaldi.

1862 – San Marino sinais união aduaneira e tratado de amizade e cooperação com a Itália.

1940-1945 – Segunda Guerra Mundial: Neutro San Marino abriga cerca de 100 mil refugiados da vizinha partes da Itália.

1988 – San Marino junta-se ao Conselho da Europa.

1992 – San Marino junta das Nações Unidas.

Status de paraíso fiscal

2002 – San Marino tratado sinais com a OCDE para uma maior transparência no setor bancário e tributação, como um resultado do qual ele é removido da lista da OCDE lista negra de paraísos fiscais e colocado na “lista cinza” (constituído por países que se comprometeram a cumprir com as regras de intercâmbio de informações fiscais, mas ainda têm de fazê-lo).

De julho de 2008 – A ONU acrescenta centro histórico de San Marino e Monte Titano à sua Lista do Patrimônio Mundial de sítios protegidos.

De novembro de 2008 – Centro-direita vence eleição coalizão parlamentar.

Abril de 2009 – Líderes do G20 concordam em medidas mais duras contra os paraísos fiscais, em resposta à crise financeira global.

2009 Maio – Cinco altos executivos no maior banco de San Marino e mais antiga instituição financeira, a Cassa di Risparmio, são presos por suspeita de lavagem de dinheiro.

De julho de 2009 – Em um esforço para combater a evasão fiscal, a Itália anuncia uma anistia fiscal para repatriar seus cidadãos que ativos mantidos em contas no exterior.

De agosto de 2009 – San Marino governo diz que está tomando medidas para garantir o país está em conformidade com as regras da OCDE sobre a transparência financeira, de modo a ser removido da “lista cinza” de paraíso fiscal.

Fonte: news.bbc.co.uk

São Marinho

Origens históricas

Durante a AD 257 anos o imperador Diocleciano emitiu um decreto solicitando a reconstrução dos muros da cidade de Rimini, que foram destruídas por Demóstenes, Rei do Liburnians.

Entre os cortadores de pedra e gravadores que vieram de toda a Europa, eram dois, que veio da Dalmácia (e, especificamente, da Ilha de Rab agora Croácia), e estavam destinados a ser lembrado ao longo da história: Marino e Leo.

Não é certo se eles vieram em busca de emprego ou estavam fugindo de algumas perseguições religiosas. Pouco depois de sua chegada ao território Rimini, eles foram enviados para o Monte Titano para extrair e processar vários tipos de pedra, eles permaneceram lá durante três longos anos.

Mais tarde, os dois companheiros decidiram seguir caminhos separados: Leão decidiu permanecer no Monte Feliciano (também chamado Monte Feretrio ou Feltro), cavando um celular na rocha e construção, com seus companheiros de viagem, um pequeno oratório em honra de Deus. O assentamento, fundado, mais tarde na história assumir o nome de San Leo.

Marino, em vez disso, decidiu voltar para Rimini e lá permaneceu por 12 anos e 3 meses, como narrado em epígrafes. Durante este período, ele continuou a professar a sua fé e levar uma vida de penitência. Mais tarde, ele se retirou para o Monte Titano, onde fundou uma pequena comunidade de cristãos.

Durante este período, no Monte Titano, diz-se que Marino milagres realizados, tais como, a cura de um pecador dálmata possuído pelo diabo (que foi perturbada pela santidade de Marinho). A mulher tentou contornar ele, afirmando ser sua esposa legítima. Ou, o tempo que ele é dito ter domado um urso.

O milagre mais importante, porém, foi o encontro com Verissimo, filho da mulher nobre e viúva, Felicissima (ou Felicity), proprietário do território do Monte Titano. Verissimo disputou a permanência de Marinho em seu território e Marino, prevendo as intenções ameaçadoras do jovem, orou a Divina Providência por ajuda.

Nesse exato momento Verissimo caiu paralisado em suas pernas e braços. A mãe, em seu desespero, correu para o Santo para pedir-lhe perdão e oferecer-lhe qualquer coisa que ele desejar. O Santo respondeu que não tinha outro desejo senão sua conversão e batismo e um lote de terra para descansar.

Felicissima aceito e para expressar seu apreço e agradecimento, doou Monte Titano para Marino e todos os seus descendentes. Veríssimo foi curada e todos os 53 membros da família foram convertidos ao cristianismo!

Marino, diácono ordenado pelo Bispo de Rimini, continuou sua vida de meditação e oração e, em 03 de setembro de talvez o ano 366, ele morreu. Esta data é celebrada solenemente na República.

Esta é a síntese do que está contido nos escritos de santos e mártires por um anonimus do século XII sobre San Marino (“Vita Sancti Marini”) – a Vida de San Marino. É difícil determinar a diferença entre a verdade ea lenda, no entanto, com certeza, sabemos que Demosthene, Rei do Libernians, nunca existiu e que, se Diocleciano ordenou que os muros da cidade de Rimini a ser reconstruída, que não estava em do ano 257.

Estudos mais específicos hoje a vida de São Marino em algum momento entre 500 e 700 dC. Também é possível que a história da vida do Santo foi, pelo menos em parte, falsificados, a fim de defender o patrimônio territorial do Mosteiro de San Marino a partir das tentativas de reivindicar o território pelo Bispo de Rimini, Placito Feretrano ( pergaminho de 885 dC, onde pela primeira vez o nome de San Marino tem uma referência territorial específica).

É certo que o território estava habitado, mesmo em tempos pré-históricos, no entanto, é apenas durante a Idade Média que temos a prova da existência de uma comunidade organizada. Qualquer que seja a verdade pode ser, a lenda é certamente a verdadeira expressão do forte desejo de independência dos habitantes de Monte Titano e confirma a sugestiva imagem de “a antiga terra da liberdade”.

Território

No coração da Itália, na fronteira entre a Emilia Romagna e Marche Regiões, a República de San Marino tem uma extensão total de apenas61.196 quilômetros quadrados. É o menor país terceiro na Europa, imediatamente após Mônaco e Vaticano.

Monte Titano com seus três picos salientes é o símbolo do País, que marca o início da seção Tuscan-Romagna dos Apeninos e, com seus 749 metros sobre o nível do mar, é o ponto mais alto do país. Com efeito, a montagem tem uma configuração incomum em comparação com o território envolvente, que é predominantemente montanhoso. Na verdade, é uma grande rocha calcária arenoso, residual da fragmentação de uma grande placa submarino mais de vinte milhões de anos atrás.

Outros fragmentos formados montagens que hoje são chamados de: Della Verna, Simoncello, Fumaiolo, San Leo.

Alguns córregos da montanha, começando no Monte Titano, junte-se os principais rios que fluem em todo o território de San Marino, entre eles: o Marano e os rios Marecchia que, após cerca de 20 quilômetros, o fluxo para o Mar Adriático: o Marano em Riccione e Marecchia em Rimini. O ponto mais baixo no País é Falciano, Município de Serravalle, que fica a apenas 55 metros acima do nível do mar.

Os limites

A República de San Marino fronteiras em duas regiões italianas: Marche no sul e no oeste (província de Pesaro / Urbino) e Emilia Romagna no norte e no leste (Província de Rimini).

O comprimento total de sua fronteira com a Itália é de 39 km.

Clima

clima é temperado, normalmente, tipicamente mediterrâneo, como é da flora que, em altitudes mais elevadas é particularmente densa.

Ventos sopram do norte-nordeste durante os meses de inverno e do sul-sudoeste durante o verão.

Entre as plantas arbóreas, encontramos oliveiras, pinheiros, abetos, carvalhos, faias, choupos e olmos.

Inúmeros mamíferos estão presentes, tais como toupeiras, ouriços, raposas, texugos, martas, doninhas e lebres.

Geologia

O território é um solo argiloso, área montanhosa com promontórios de pedra calcária e dissecada por três bacias hidrográficas:

torrente Ausa, que deságua no Mar Adriático em Rimini,

torrente Marano, que flui para o Mar Adriático em Riccione,

San Marino torrente que alimenta o rio Marecchia.

Demografia

A população residente no território de San Marino é de aproximadamente 30 mil, para ser exato, 29,615. A densidade populacional por quilômetro é 494 habitantes (em 2007). Com a diminuição do número de cidadãos que emigraram, em 2007, a população aumentou em 1,22%. A população residente também inclui muitos italianos – cerca de 10%.

Muitos cidadãos de San Marino residem no exterior e, geração após geração têm mantido a sua cidadania e direito de voto. Eles são, na verdade, mais de 12.000: 7.768 residem em países europeus, 4.451 nas Américas, 10 na África e 14 na Oceania.

O maior número de cidadãos de San Marino que residem no exterior podem ser encontradas nos seguintes países: Itália (5724), França (1.881), Estados Unidos (2.910) e Argentina (1.489). Além disso, em Itália, França, Bélgica, Estados Unidos e Argentina, existem 24 Grupos de Cidadãos Estrangeiros Residentes, que a partir de 1979, gozam de um estatuto jurídico autônomo. A maior comunidade, com um ou mais membros mil, está em Detroit.

Somando-se todos os dados, os cidadãos de San Marino, residentes e não residentes, são aproximadamente 45 mil.

Fonte: www.sanmarinosite.com

São Marinho

San Marino é uma pequena república da Europa, encravada na Itália.

No século XII, San Marino já tinha uma configuração política, e devido ao isolamento geográfico conseguiu manter-se independente, apesar da rivalidade.

Quando Napoleão invadiu a Itália, respeitou a independência da república de San Marino e chegou a propor a extensão de seu território em 1797.

A república adotou o regime fascista, em consonância com a política italiana, e em 1944 foi invadida por refugiados alemães.

Recuperada a independência, San Marino foi governado por uma coalizão de comunistas e socialistas até 1957.

Capital: San Marino

Língua: Italiano

Religião: Cristianismo

Moeda: Euro

Gentilico: São-Marinense

Fonte: www.mundodasbandeiras.com.br

São Marinho

 

Esta é a mais antiga república do mundo e está localizado nas encostas do Monte Titano entre Marche e Emilia-Romagna, diretamente apoiado a costa do Adriático e do famoso Romagna Riviera. O topo de três torres, o símbolo de San Marino, os visitantes podem desfrutar de uma vista panorâmica incrível que se abre para o mar de um lado e as colinas de Montefeltro outro.

A posição estratégica permitiu este pequeno estado para se tornar o destino de milhares de visitantes durante todo o ano.

O centro histórico da República de San Marino desenvolve em torno de suas três torres e é caracterizada por estradas que ir para cima e para baixo continuamente e usar os visitantes a descobrir os recantos e evocativas, enquanto navega na ruas estreitas e prédios antigos.

Não perca a oportunidade de visitar a grande Piazza della Liberta (Praça da Liberdade), onde fica um dos outros símbolos de San Marino, o Palácio Público (Palais Pública) ou Palazzo del Governo (Palácio do Governo) construção gótica que data do final do século XIX, que tem ameias muito distintas.

Aqueles que adoram fazer compras pode fazer um passeio divertido no centro histórico, no meio de pequenas lojas, cuja concentração é muito alta, a venda de lembranças e objetos de todos os tipos.

Os dias medievais famosos “Medievali Giornate” representam uma das oportunidades mais interessantes para visitar San Marino, é réévocations acontecimento histórico durante o verão e transformar o centro histórico em um pátio do medieval que acolhe senhoras e figurinos cavaleiros, legiões de soldados e lojas de artesanato muito antigas, bares e restaurantes também oferecem a oportunidade de menus medievais.

Não perca o desempenho da bandeira vacila e os mestres da besta que exibem sugestivo em Cava dei Balestrieri (Archers carreira), um dos lugares mais característicos de San Marino, onde o você pode sentar e admirar o belo espetáculo.

São Marinho

O continente europeu é muito dividido politicamente. A grande quantidade de países no mapa político leva-o a ser comparado a uma colcha de retalhos.

Alguns países apresentam razoável extensão territorial, como é o caso da Rússia, Alemanha e a França.

Outros apresentam reduzidas dimensões, a ponto das suas configurações territoriais até desaparecerem nos mapas didáticos:são os micro-países, ou países-selo.

Somados, eles são menores que a cidade de São Paulo e um pouco maiores que o Rio. Atravessar um deles, em alguns casos, pode levar apenas alguns minutos – a pé. Mesmo assim, quase todos têm lugar na ONU, moeda própria ou forças armadas. São países independentes, porém minúsculos, encravados nas montanhas da Europa ou cercados de água por todos os lados.

Ser um micropaís cria algumas vantagens. Tendo normalmente população pequena e poucos gastos, quatro dos dez menores têm renda per capita superior a US$ 10 mil (no Brasil, ela gira em torno de US$ 5 mil por ano).

Algumas fontes de renda são peculiares: selos postais e moedas comemorativas, por exemplo.

A explicação: são tão pequenos que atraem a atenção de colecionadores.

E, além de interesse, atraem também certa “solidariedade”.

A Itália, por exemplo, de alguma forma ajuda dois desses países – o Vaticano e San Marino, a república mais antiga do mundo. Os italianos são responsáveis pela defesa e pela moeda deles.

San Marino, a menor e mais antiga república do mundo, encravada nos belos apeninos, é tão pequeno que não pode abrigar um autódromo. Por isso, seu GP de Fórmula 1 acontece lá perto, em Ímola, na Itália.

Os “microeuropeus” são uma herança do tempo em que o continente era dividido em uma infinidade de reinos, ducados e condados. Liechtenstein, por exemplo, é o último remanescente dos principados do Sacro Império Romano-germânico. Lá, o príncipe ainda tem poder real – mas muito menos charme do que a família real de Mônaco, a realeza mais badalada depois da britânica.

A cidade de Monte Carlo é residência preferida de dez entre dez milionários do planeta, e o cassino, ao lado do turismo, é uma das mais importantes fontes de renda. A corrida de Fórmula 1 mais charmosa do planeta acontece em suas famosas ruas estreitas.

Mais sóbrio, o Vaticano é o que sobrou do grande território controlado pela Igreja no século passado. Apesar de ser o menor de todos, seu líder – o papa – é sempre um dos homens mais influentes do mundo.

O Vaticano inteiro foi declarado patrimônio universal pela Unesco em 1984; a Basílica de São Pedro é a maior igreja do mundo.

Malta, no Mar Mediterrâneo, foi o primeiro país do Ocidente a adotar o catolicismo: o apóstolo Paulo lá chegou após naufragar, e aproveitou para fazer alí uma das suas grandes obras: expandir o cristianismo para o resto do Império Romano.

Na Europa, seis deles apresentam essa configuração: Principado de Andorra, Principado de Liechtenstein, Malta, Principado de Mônaco, San Marino e Vaticano.

É considerado micro-país aquele que apresenta uma extensão territorial inferior a 1000 km2

Devido às suas reduzidas dimensões territoriais e populacionais, estes países se associam, através de tratados diplomáticos, com seus vizinhos maiores, transferindo à estes funções como relações diplomáticas internacionais, relações econômicas e até a própria defesa.

A maior fonte de renda da absoluta maioria deles está ligada às atividades terciárias como turismo, financeiras, etc., sendo praticamente inexistente o setor secundário (indústrias) de porte.

No entanto, alguns deles são sedes de grandes empresas multinacionais que se aproveitam dos baixos impostos cobrados, dinamizando a economia através de suas propriedades vistosas e pelo pagamento de taxas e impostos aos cofres dos governos.

As atividades bancárias também são grande fonte de divisas. O Vaticano possui o poderoso Banco do Vaticano; empréstimos, serviços bancários, etc., resultam em fabulosa renda ao pequeno Estado.

O Principado de Liechtenstein também possui sistema bancário semelhante aos dos paraísos fiscais, o que resulta em grandes lucros para os cofres do Estado.

Uma característica política da maioria dos países-selo é o sistema de governo: Os principados de Mônaco e Liechtenstein e Andorra são monarquias; o Vaticano também é considerado uma monarquia eclesiástica; Malta e San Marino são repúblicas.

Uma característica curiosa sobre esses países é o apelido que receberam na comunidade internacional: Países-Selo.

Esse apelido originou-se de uma atividade ligada ao turismo: a emissão de selos especiais com os mais variados temas. São produzidos em tiragem limitada e destinada à colecionadores, o que os valoriza muito. Ao lado das tiragens limitadas, existe uma profusão de edições de selos finamente elaborados, também destinados aos turistas colecionadores de lembranças.

Fonte: geomundo.com.br

São Marinho

Capital: San Marino
População: 31.887 (est. 2011)
Língua oficial: Italiano
O grupo majoritário: San Marino e Emilia Romagna (83%)
Grupos minoritários: linguagens italianos e imigrantes
Sistema político: República

República de São Marino (oficialmente: Repubblica di San Marino, também Serenissima Repubblica di San Marino) é um país muito pequeno de 61 km ², equivalente à ilha de Guernsey no Canal. San Marino é 6,7 vezes menor do que o Principado de Andorra (Principado de Mônaco, mas é ainda menor, com 2,5 km ²).

Localizado no sul da Europa, a pequena república é totalmente fechado nas províncias italianas de Emilia-Romagna ou “Emilia Romagna” (n º 8) e Marche ou “On” (n º 11).

No entanto, a República de San Marino é um Estado soberano, em princípio, o mesmo que a República Italiana e da República Francesa.

O poder executivo é exercido pelo Congresso de Estado (“Congresso di Stato”), liderado por dois Capitães Regent (“Capitani Reggenti”), eleitos para um mandato de seis meses.

Estes são os chefes de Estado e simultaneamente levando o Congresso de Estado: mandatos que variam de 1 de abril a 1 de outubro e vice-versa.

O poder legislativo é exercido pelo Conselho Grande e Geral (“Consiglio Generale Grande e”), cujos 60 membros são eleitos pelos cidadãos a cada cinco anos. Há também o Conselho dos Doze (“Consiglio dei XII”), o mais alto tribunal da República, cujos membros são nomeados pelo Conselho Grande e Geral para a duração da legislatura.

A República de San Marino é um membro das Nações Unidas, UNESCO, Conselho da Europa, o Fundo Monetário Internacional, a Organização Mundial de Saúde, etc.

O território de San Marino nove municípios italiano chamado “castelli” ou francês “castellanies”, uma antiga divisão administrativa herdada da Idade Média.

Naquela época, a mansão descreveu a terra em que o mestre do castelo foi exercício dos seus direitos comuns. O castelo era o que hoje seria a capital da mansão, que foi administrado por um senhor.

Em San Marino, castelli retomar os limites territoriais dos bairros antigos. Cada castello tem um conselho (o “Giunta” a “Junta”) eleitos pelos habitantes, que é presidido por um capitão (Capitano) eleitos a cada cinco anos.

A Castelli (castellanies) são as seguintes: Acquaviva (1765 hab.), Chiesa Nuova (1023), Domagnano (2824), Faetano (1118), Fiorentino (2212), Borgo Maggiore (6110), San Marino (4424), Montegiardino (807) e Serravalle (622).

Dados Históricos

A República de San Marino parece um caso único de sobrevivência através do séculos uma das comunas medievais que floresceram na Itália, San Marino, mas escapou unificação italiana. Agora é um Estado soberano, como por administrativo, jurídico e diplomático.

A Constituição que rege a República de San Marino data de 1600. O poder executivo é exercido pelo Conselho de Estado, dividido em 10 departamentos, é presidido por dois capitães Regent, eleito a cada seis meses.

O poder legislativo é investido em um grande conselho de 60 membros eleitos a cada cinco anos por sufrágio universal. San Marino é dividido em nove autoridades locais, cada um com seu próprio conselho local (Giunta di Castello), responsável por questões administrativas relacionadas com a comunidade local.

São Marinho
Monte Titano

Ela atribui a fundação da República de San Marino, em Marino (“Marinho”). A lenda diz que São Marin, um pedreiro antigo da ilha de Rab, na Dalmácia, fundou uma comunidade cristã no Monte Titano (“Titan”), em 301 para escapar da perseguição do imperador Diocleciano.

San Marino se aposentou com São Leão montanha perto de Rimini e tornou-se um eremita. Ele foi nomeado diácono pelo bispo de Rimini e morreu em 395 (muito antiga!). Não se sabe o que diz lenda verdadeira extensão, mas há de fato um mosteiro situado no Monte Titano (739 metros).

A pequena comunidade cristã, fundada por São Marino fortificado na Idade Média para se proteger de ataques húngaros, sarracenos e normandos.

Então, por causa de sua relativa inacessibilidade e sua pobreza, a região conseguiu, com algumas interrupções breves, em manter a sua independência foi respeitado a República de San Marino foi ocupado militarmente duas vezes, mas apenas por alguns meses: No 1503 por Cesare Borgia, disse Valentin, e em 1739 pelo cardeal Giulio Alberoni.

San Marino estabelece seus estatutos municipais e tomou o nome da república em outubro de 1600, que seria a mais antiga constituição escrita ainda em vigor. A pequena república conseguiu, contra todas as probabilidades, para resistir aos invasores e permaneceu um “porto seguro”.

Em 1797, Napoleão propôs à República para expandir seu território, mas os cidadãos se recusaram a oferta e, em 1815, o Congresso de Viena reconheceu a integridade das fronteiras de San Marino.

A independência da pequena república foi garantida por um tratado de amizade com a Itália, que foi assinado em 22 de Março de 1862, e revisto em 1939 e 1971, quando San Marino uma união aduaneira com a Itália.

Fonte: www.tlfq.ulaval.ca

São Marinho

 

São Marinho ou San Marino, utilizando o italiano, é uma minúscula (apenas 60 quilômetros quadrados) e muito antiga república, encravada na Itália, perto da cidade costeira de Rimini na costa do Mar Adriático.

Segundo a tradição, a origem do país remonta ao século IV, quando São Marino e um grupo de discípulos se refugiaram no monte Titã para escapar a perseguições. Por volta do século XII, San Marino já tinha uma configuração política, com seus estatutos e cônsules, e devido ao isolamento geográfico conseguiu manter-se independente, apesar da rivalidade entre nobres e bispos vizinhos.

Em meados do século XV, San Marino era uma república regida por um conselho de sessenta membros. No século XVI, foi ocupada temporariamente por César Bórgia. Tentativas de anexação aos Estados Pontifícios, no século XVIII, marcaram o declínio da república.

Quando Napoleão invadiu a Itália, respeitou a independência da república de San Marino e chegou a propor a extensão de seu território em 1797. Mais tarde, o Congresso de Viena (1815), ao final das guerras napoleônicas, reconheceu a soberania do país.

Durante o movimento de unificação da Itália, San Marino ofereceu asilo a revolucionários, entre os quais Giuseppe Garibaldi. Depois que a Itália se unificou, uma série de tratados — o primeiro deles em 1862 — confirmou sua independência.

A república adotou o regime fascista, em consonância com a política italiana, e em 1944 foi invadida por refugiados alemães, bombardeada e ocupada pelas forças aliadas.

Recuperada a independência, San Marino foi governado por uma coalizão de comunistas e socialistas até 1957, quando chegou ao poder uma aliança entre o Partido Democrático Cristão e o Partido da Democracia Socialista.

Em 1978, comunistas e socialistas voltaram ao governo, no qual se mantiveram depois das eleições de 1983. Em julho de 1986, a crise política resultante de um escândalo financeiro que envolveu socialistas levou à formação de uma nova coalizão entre democrata-cristãos e comunistas.

Em 1990, o Partido Comunista passou a se chamar Partido Democrático Progressista. Dois anos depois, os democrata-cristãos aceitaram formar um governo de coalizão com os socialistas e decidiram não fazer novas alianças com os progressistas, devido à derrocada do comunismo na Europa.

A constituição de San Marino tem origem nos estatutos de 1600 e estabelece a forma parlamentar de governo. Com sessenta membros, o Grande e Geral Conselho (Parlamento) é presidido por dois capitães-regentes que são chefes de estado por um prazo de seis meses.

O poder executivo é exercido pelo Congresso de Estado, formado de dez conselheiros escolhidos entre os membros do Grande e Geral Conselho.

Selos e moedas trazem renda para Economia de San Marino

A Economia de San Marino tem um renda per capita aproximada de 24.054 Euros, sendo que mais de 50% do Produto Interno Bruto vem da indústria de turismo, que atrai aproximadamente 3 milhões de turistas por ano. Uma das fontes de renda mais altas do turismo é a venda de moedas e de selos históricos.

Em 1894, San Marino emitiu seus primeiros selos comemorativos, que produzem um ótimo rendimento para o Governo da República de San Marino. Cerca de 10 escritórios de San Marino vendem selos e moedas para colecionadores, inclusive de ouro.

Produção de alimentos, criação de gado e indústrias manufatureiras

As atividades econômicas tradicionais em San Marino são colheitas de frutas, verduras, legumes e grãos, além do cultivo de carneiro, de gado, de suínos e de produção de pedras para construção civil. Além da indústria do turismo, San Marino extrai renda da indústria, de operações bancárias e da manufatura (além de exportação) de cerâmicas, de telhas, de móveis, de roupas, de pintura de telas e de vinhos.

O padrão de vida de San Marino é parecido com o da Itália, porém a taxa de desemprego é a mais baixa da Europa e o país não possui endividamento.

Fonte: www.soeconomia.com.br

São Marinho

A República de San Marino foi fundada em 301 d C e é a mais antiga república européia. Um enclave situado no centro de Itália, a 15 km da Riviera Romagna, a República fica a 700 metros acima do nível do mar no Monte Titano, um destaque que dá o primeiro indício da presença das Montanhas Centrais Apeninos.

A cada ano a República de San Marino é visitada por milhões de turistas de Itália e de todo o mundo.

A maioria dos visitantes ficam em hotéis da Riviera nas proximidades: Rimini, Riccione, Cattolica, Milano Marittima e Cesenatico.

San Marino é um extraordinário exemplo de independência e atividade internacional intensa. Reconhecido por todas as organizações mundiais principais, a República de San Marino pode gabar-se de uma indiscutível superioridade sobre temas relativos à liberdade, paz e os direitos universais do homem. Seus sistemas jurídicos e administrativos formam a base da forma mais ampla de governo mundial, ou seja, uma democracia.

San Marino vale bem a pena a visita! Há muitas atrações depois de atravessar a fronteira! Shopping, paisagens, gastronomia, numismática filatelia, celebrações, eventos, monumentos, museus, obras de arte e pontos turísticos típicos. Entrando no País é simples, já que, para fins de turismo, o passaporte nãoé exigido.

Apenas a 24 km da cidade Riviera de Rimini, Riccione, Cattolica, Cesenatico e Milano Marittima, o centro histórico da República de San Marino é, em toda a parte, um monumento vivo. Um patrimônio da humanidade.

O ponto de vista das Torres é incrível: um terraço com uma vista soberba sobre a Romagna Costa de um lado e da antiga República, do outro. Por toda a ilha de pedestres, caminhando pelas ruas estreitas, pelas praças e em torno das igrejas e milhares de lojas e boutiques, fazer compras é um prazer. É fácil de fazer compras em San Marino.

Tudo é uma pechincha! A primeira parada é instintivamente para lembranças. Então, talvez com a emoção dos belos cenários, uma jóia, um produto típico artesanal, cerâmica, roupas de marca, perfumes.

São Marinho
Costa Adriática

São Marinho (em italiano San Marino) é uma pequena e muito antiga república da Europa, encravada na Itália, perto da cidade costeira de Rímini na costa do Mar Adriático.

História de São Marinho

Segundo a tradição, a origem do país remonta ao século IV, quando Marinus e um grupo de discípulos se refugiaram no Monte Titano para escapar de perseguições.

Por volta do século XII, São Marinho já tinha uma configuração política, com seus estatutos e cônsules, e devido ao isolamento geográfico conseguiu manter-se independente, apesar da rivalidade entre nobres e bispos vizinhos.

Em meados do século XV, São Marinho era uma república regida por um conselho de sessenta membros. No século XVI, foi ocupada temporariamente por César Bórgia. Tentativas de anexação aos Estados Pontifícios, no século XVIII, marcaram o declínio da república.

Quando Napoleão invadiu a Itália, respeitou a independência da república de São Marinho e chegou a propor a extensão de seu território em 1797. Mais tarde, o Congresso de Viena (1815), ao final das guerras napoleônicas, reconheceu a soberania do país.

Durante o movimento de unificação da Itália, São Marinho ofereceu asilo a revolucionários, entre os quais Giuseppe Garibaldi. Depois que a Itália se unificou, uma série de tratados — o primeiro deles em 1862 — confirmou sua independência.

A república adotou o regime fascista, em consonância com a política italiana, e em 1944 foi invadida por refugiados alemães, bombardeada e ocupada pelas forças aliadas. Recuperada a independência, São Marinho foi governado por uma coalizão de comunistas e socialistas até 1957, quando chegou ao poder uma aliança entre o Partido Democrático Cristão e o Partido da Democracia Socialista. Em 1978, comunistas e socialistas voltaram ao governo, no qual se mantiveram depois das eleições de 1983.

Em julho de 1986, a crise política resultante de um escândalo financeiro que envolveu socialistas levou à formação de uma nova coalizão entre democrata-cristãos e comunistas. Em 1990, o Partido Comunista passou a se chamar Partido Democrático Progressista. Dois anos depois, os democrata-cristãos aceitaram formar um governo de coalizão com os socialistas e decidiram não fazer novas alianças com os progressistas, devido à derrocada do comunismo na Europa.

Política de São Marinho

A constituição de São Marinho tem origem nos estatutos de 1600 e estabelece a forma parlamentar de governo. Com sessenta membros, o Grande e Geral Conselho (Parlamento) é presidido por dois capitães-regentes que são chefes de estado por um prazo de seis meses.

O poder executivo é exercido pelo Congresso de Estado, formado de dez conselheiros escolhidos entre os membros do Grande e Geral Conselho.

Municípios de São Marinho

São Marinho encontra-se dividido em nove municípios ou castelli, que são:

Acquaviva

Borgo Maggiore

Chiesanuova

Domagnano

Faetano

Fiorentino

Montegiardino

Cidade de São Marinho

Serravalle

Geografia de São Marinho

São Marinho é um pequeno país localizado no sul da Europa, um enclave no centro da Itália. Está situado entre as regiões de Emília-Romanha e Marche. Até a independência de Nauru em 1968, São Marinho era o menor Estado republicano do mundo.

Seu território é montanhoso, incrustado no Monte Titano, ramificação oriental dos Apeninos. O Pico de la Rocca (749 m) é o ponto mais alto do país. São Marinho tem um clima mediterrâneo.

Economia de São Marinho

São Marinho tem uma das maiores rendas per capita da Europa. O turismo é a principal fonte de renda do país, por sua proximidade com o porto de Rimini, no mar Adriático.

Outras fontes de renda são os bancos, produtos eletrônicos e cerâmicas. Cultivam-se vinhas e cereais e criam-se ovinos nos campos.

Demografia de São Marinho

Composição étnica: samarinenses, italianos e outros

Religião: Catolicismo. 90%

Idiomas: italiano (oficial) e dialeto emiliano-romanholo.

São Marinho
São Marinho, subdividido em seus nove castelli

Fonte: www.sanmarinosite.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+