Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Bolívia  Voltar

Bolívia

 

 

HISTÓRIA

A região andina provavelmente foi habitada por mais de 20.000 anos. Começando sobre o segundo século aC, a cultura Tiwanakan desenvolvido no extremo sul do lago Titicaca. Esta cultura, centrada em torno e nomeada para a grande cidade de Tiwanaku, desenvolveu técnicas avançadas de arquitetura e agrícola antes de desaparecer por volta de 1200 dC, provavelmente por causa da seca prolongada.

Aproximadamente contemporâneo com a cultura Tiwanakan, os Moxos nas planícies do leste e do norte Mollos da atual La Paz também desenvolveu avançadas sociedades agrícolas que haviam dissipados pelo século 13 de nossa era. Em cerca de 1450, os incas de língua quíchua, entrou na área da moderna serrana Bolívia e acrescentou ao seu império. Eles controlavam a área até a conquista espanhola em 1525.

Bolívia

Durante a maior parte do período colonial espanhol, este território era chamado de "Alto Peru" ou "Charcas" e estava sob a autoridade do vice-rei de Lima.

O governo local veio das Audiência de Charcas localizados em Chuquisaca (La Plata - Sucre moderna). Minas bolivianas de prata produzida grande parte da riqueza do império espanhol, e Potosí, local do famoso Cerro Rico - "Montanha Rich", foi, por muitos anos, a maior cidade do Hemisfério Ocidental.

Como o espanhol autoridade real enfraqueceu durante as guerras napoleônicas, o sentimento contra o domínio colonial cresceu.

A independência foi proclamada em 1809, mas 16 anos de luta seguiram antes do estabelecimento da república, nomeada para Simon Bolívar, em 6 de agosto de 1825.

A independência não trouxe estabilidade. Por quase 60 anos, golpes de Estado e de curta duração constituições dominou a política boliviana. Fraqueza da Bolívia foi demonstrado durante a Guerra do Pacífico (1879-1883), quando perdeu o litoral e os campos adjacentes nitrato ricos para o Chile.

Um aumento no preço mundial de prata trazida da Bolívia uma medida de relativa prosperidade e estabilidade política no final de 1800.

Durante a primeira parte do século 20, estanho, prata substituído como fonte mais importante do país de riqueza. Uma sucessão de governos controlados pelas elites econômicas e sociais, seguido do laissez-faire políticas capitalistas através do primeiro terço do século.

Condições de vida dos povos indígenas, que constituíam a maioria da população, permaneceu deplorável. Forçados a trabalhar em condições primitivas nas minas e em estado de quase feudal em grandes propriedades, eles não tiveram acesso educação, oportunidade econômica, ou a participação política.

A derrota da Bolívia pelo Paraguai na Guerra do Chaco (1932-1935) marcou um ponto de viragem. Grande perda de vidas e território desacreditado as classes dominantes tradicionais, enquanto o serviço no exército produzido despertar de consciência política entre os povos indígenas. Desde o fim da Guerra do Chaco até a revolução de 1952, o surgimento de ideologias em conflito e as demandas de novos grupos convulsionou política boliviana.

O Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR) surgiu como um partido de base alargada. Negou sua vitória nas eleições presidenciais 1951, o MNR liderar a revolução de 1952 com sucesso. Sob o presidente Victor Paz Estenssoro, do MNR apresentou sufrágio universal, realizou uma reforma agrária radical, promoveu a educação rural, e nacionalizou minas do país maiores de estanho. Ele também cometeu muitos graves violações dos direitos humanos.

Doze anos de governo tumultuado deixou o MNR dividido. Em 1964, uma junta militar derrubou o presidente Paz Estenssoro no início do seu terceiro mandato.

A morte 1969 do presidente René Barrientos, um ex-membro da junta eleito presidente em 1966, levou a uma sucessão de governos fracos. Alarmados por desordem pública, o militar, o MNR, e outros instalados coronel (depois general) Hugo Banzer Suárez como presidente em 1971. Banzer governava com apoio MNR 1971-1974. Então, impaciente com cismas da coalizão, ele substituiu civis com membros das forças armadas e suspendeu atividades políticas. A economia cresceu de forma impressionante durante a presidência de Banzer, mas demandas por maior liberdade política minar seu apoio. Seu chamado para as eleições de 1978 mergulhou a Bolívia em tumulto uma vez.

Eleições em 1978, 1979 e 1980 não foram conclusivos e marcado por fraudes. Houve golpes, contra-golpes e governos de portaria. Em 1980, o general Luis García Meza realizou um golpe cruel e violento. Seu governo era notório por violações de direitos humanos, tráfico de entorpecentes, e má gestão econômica.

Posteriormente condenado à revelia por crimes como assassinato, Garcia Meza foi extraditado do Brasil e começou a servir uma sentença de 30 anos em 1995.

Depois de uma rebelião militar forçado a sair Garcia Meza, em 1981, outros três governos militares em 14 meses lutou com problemas crescentes da Bolívia.

Agitação obrigou o militar para convocar o Congresso eleito em 1980 e permitir que ele escolha um novo executivo-chefe.

Em outubro de 1982 - 22 anos após o final de seu primeiro mandato (1956-1960) - Hernán Siles Zuazo novamente tornou-se presidente. Tensão social grave, agravada pela má gestão econômica e liderança fraca, obrigou-o a convocar eleições antecipadas e abandonar o poder um ano antes do fim de seu mandato constitucional.

Nas eleições de 1985, o Partido de Ação Democrática Nacionalista (ADN) do general Banzer ganhou por maioria do voto popular, seguido pelo MNR ex-presidente Paz Estenssoro e Movimento ex-vice-presidente Jaime Paz Zamora, da Esquerda Revolucionária (MIR). Mas no Congresso run-off, o MIR alinhou com MNR, e Paz Estenssoro foi escolhido para um quarto mandato como presidente.

Quando ele assumiu o cargo em 1985, ele enfrentou uma crise econômica impressionante. Produção econômica e as exportações tinham vindo a diminuir há vários anos. Hiperinflação havia alcançado uma taxa anual de 24,000%. Agitação social, greves crônicas e tráfico de drogas desmarcada foram generalizadas.

Em quatro anos, a Administração Paz Estenssoro alcançaram a estabilidade econômica e social. O militar ficou fora da política, e todos os principais partidos políticos publicamente e institucionalmente comprometido com a democracia. Violações dos direitos humanos, que mal contaminados alguns governos no início da década, não eram um problema.

No entanto, suas realizações notáveis não foram vencidas sem sacrifício. O colapso dos preços do estanho em outubro de 1985, vindo assim como o governo estava se mudando para reafirmar seu controle da empresa mal administrada estado de mineração, forçou o governo a demitir mais de 20.000 mineiros. O tratamento de choque de grande sucesso que restaurado sistema financeiro da Bolívia também levou a alguma agitação e deslocamento social temporário.

Embora a lista MNR liderado por Gonzalo Sanchez de Lozada terminou em primeiro lugar nas eleições de 1989, nenhum candidato obteve a maioria dos votos populares, e assim, de acordo com a constituição, um voto do Congresso determinou que seria presidente.

O Acordo de coligação Patriótica (AP) entre ADN general Banzer e MIR Jaime Paz Zamora, os segundo e terceiro lugar, respectivamente finalistas, venceu. Paz Zamora assumiu a presidência eo MIR levou metade dos ministérios. ADN Banzer de centro-direita assumiu o controle do Conselho Nacional de Política (Conap) e os outros ministérios.

Paz Zamora era um moderado, o presidente de centro-esquerda, cujo pragmatismo político no cargo superaram as suas origens marxistas. Tendo visto a hiperinflação destrutivo do Zuazo Siles Administração, ele continuou as reformas neo-liberais econômicas iniciadas por Paz Estenssoro, codificando alguns deles.

Paz Zamora teve uma linha bastante difícil contra o terrorismo doméstico, pessoalmente ordenar a dezembro 1990 ataque a terroristas da Paz Zamora Comitê Nestor (CNPZ - nomeado depois que seu irmão, que morreu na insurgência Teoponte 1970) e autoriza o início de 1992 repressão contra a Tupac Katari Exército Guerrilheiro (EGTK).

Regime de Paz Zamora foi menos decisivo contra o tráfico de drogas. O governo quebrou uma série de redes de tráfico, mas emitiu um decreto rendição 1991 dando sentenças brandas para os maiores chefões do narcotráfico.

Além disso, sua administração foi extremamente relutante a perseguir a erradicação líquido de coca ilegal. Ele não concordou com um tratado de extradição atualizado com os EUA, apesar de dois traficantes foram extraditados para os EUA desde 1992.

Começando no início de 1994, o Congresso boliviano investigado laços pessoais Paz Zamora ao acusado maior traficante Isaac Chavarria, que posteriormente morreu na prisão enquanto aguarda julgamento. MIR-chefe adjunto Oscar Eid foi preso em conexão com laços semelhantes em 1994, ele foi considerado culpado e condenado a quatro anos de prisão em novembro de 1996. Tecnicamente ainda sob investigação, Paz Zamora tornou-se um candidato ativo presidencial em 1996.

As eleições de 1993 continuou a tradição de concursos públicos, eleições honestas e pacíficas transições democráticas de poder. O MNR derrotou a coalizão ADN / MIR por uma margem de 34% para 20%, e do MNR de Gonzalo "Goni" Sánchez de Lozada foi escolhido como presidente por uma coalizão MNR / MBL / UCS no Congresso.

Sanchez de Lozada seguiu uma agenda de reforma agressiva econômico e social. Ele se baseou fortemente em sucesso empresários que se tornaram políticos como a si mesmo e em veteranos companheiros da Paz Estenssoro Administração (durante o qual Sanchez de Lozada foi ministro do Planejamento).

A mudança mais drástica empreendido pelo Governo Sanchez Lozada foi o programa de capitalização, em que os investidores adquiriu a propriedade de 50% e de controlo de gestão das empresas públicas, como a empresa estatal de petróleo, sistema de telecomunicações, empresas de energia elétrica, e outros. As reformas e reestruturação econômica foram fortemente contestado por certos segmentos da sociedade, que instigaram freqüentes distúrbios sociais, especialmente em La Paz e do cultivo de coca de Chapare região, de 1994 a 1996.

Nas eleições de 1997, o general Hugo Banzer, líder do ADN, ganhou 22% dos votos, enquanto o candidato do MNR ganhou 18%. O general Banzer formaram uma coligação de ADN, MIR, UCS, e os partidos CONDEPA que possuem uma maioria dos assentos no Congresso boliviano. O Congresso o escolheu como presidente e ele foi inaugurado em 6 de agosto de 1997.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Bolívia

História

Época Pré-colombiana

Embora tenha-se escrito várias versões sobre a história da Bolívia antes da colonização, quase todas coincidem com os primeiros passos para a civilização agrícola dadas neste Planalto.

Desde o ano 1500 a.C. índios da língua aymara, possivelmente das montanhas do centro do Peru, atravessaram os Andes Bolivianos e ocuparam o Altiplano.

Posteriormente, no princípio de nossa era, desenvolveu-se a poderosa cultura de Tiahuanaco, que tinha sua sede religiosa e política nas costas meridionais do Lago Titicaca. Com o tempo Tiahuanaco converteu-se em uma sociedade organizada, próspera e ambiciosa e ultrapassou as fronteiras de Equador e Chile. Os restos desta cultura milenar refletem uma perfeição técnica que pode-se apreciar nas relíquias que são encontradas em diversas partes do país.

Conquista Espanhola

No final da década de 1520 as rivalidades internas começavam a cobrar seu preço no império inca porém a chegada dos espanhóis, a quem tomou-se como emissários do Deus Sol, promovendo o golpe definitivo. O inca Atahualpa foi capturado em 1532 e em 1537 os espanhóis tinham consolidado suas forças no Peru e tomaram Cuzco, sede do poder inca.

O espanhol Diego de Almagro instalou brevemente seu poder no Alto Peru, como chamava-se Bolívia. Depois Francisco Pizarro enviou seu irmão Gonzalo á cabeça de uma expedição para submeter à província meridional de Kollasuyo ou Colhao, como chamava-se antigamente. A atração era umas minas de prata exploradas no tempo dos incas. Em 1538 Pedro de Anzures fundou a localidade de A Prata como capital da província de Charcas. Esta cidade transformou-se no centro administrativo, religioso e educativo dos territórios espanhóis do leste.

Em 1548 Alonso de Mendoza fundou A Paz como posto administrativo e estratégico na Rota da Prata que ia de Potosí à Costa do Pacífico. Vinte e quatro anos mais tarde os espanhóis fundaram Cochabamba e Tarija, estabelecendo-se a estrutura urbana da Bolívia no final do século XVI.

Independência

Em 1781 tentou-se expulsar os espanhóis e restabelecer o domínio inca. Trinta anos depois Chuquisaca converteu-se no cenário das ações em favor da independência. Depois de 15 anos de guerra o general Antonio Olañeta resistiria às forças de libertação.

Em 1825, Simão Bolivar enviou uma expedição ao Alto Peru (Bolívia) ao mando do general Antonio Jose de Sucre, que derrotou Olañeta na batalha de Tumusla.

Assim no 1825 proclamou-se a independência do Alto Peru transformando-se em República de Bolívia. Bolivar converteu-se em um dos primeiros presidentes da república.

Em 1928 Andrés de Santa Cruz alcançou o poder e sob influência de antigos ideais incas, formou cuma confederação com o Peru, constituída em 1836. Chile protestou contra esta situação e o seu exército derrotou a Santa Cruz em 1839, precipitando Bolívia no caos político. A anarquia atingiu o seu ponto alge em 1841, quando três governos pegavam no poder simultâneamente.

Daquele momento adotou-se um particular sistema de governo no que uma junta de militar opôs e outra arrebatava o poder aos prescedentes. No decorrer de 164 anos de vida republicana, 189 governos têm administrado o país, dando origem ao caos econômico posterior.

Perda de Território

Em meados do século XVIII o descobrimento de ricas jazidas de guano e nitratos na região de Atacama transformou um deserto ermo e desabitado em uma zona de crescente importância econômica. Bolívia era incapaz de povoar a costa e explorar os depósitos por seus próprios meios, assim que assinou contratos principalmente com companhias chilenas.

À raiz de um agravamento, em que o governo boliviano impôs sobre os minerais, Chile ocupou a costa e Bolívia declarou-lhe a guerra. Durante a Guerra do Pacífico, Chile tomou 350 quilômetros de território costeiro, deixando Bolívia sem a saida ao mar.

Embora Chile tentou compensar Bolívia com um ferrocarril desde Antofagasta à Oruro e uma exceção de taxas portuárias sobre as exportações, os bolivianos não aceitaram esta situação e aproveitam toda oportunidade para pedir uma saida ao mar. Ainda hoje o governo usa este problema quando deseja unir o povo, por uma causa comun.

A causa dos problemas com Brasil pela borracha em 1903 Bolívia pegou de novo nas armas. Anos mais tarde, em 1932, una nova grande guerra arrastou o povo boliviano. Nesta ocasião contra o Paraguai pelo controle da região de Chaco pelo tema do petróleo.

O conflito com Paraguai influiu negativamente na economia da Bolívia, desacreditou o exército, difundiu novas idéias entre os trabalhadores urbanos e os mineiros e semeou o descontentamento entre os intelectuais iniciando um processo de fermentação social.

Tempos Modernos

Acabada a Guerra do Chaco, o atrito entre os mineiros do estanho de Oruro e seus chefes ausentes sofreu uma escala de confronto. Os radicais congregaram-se sob o estandarte do Movimento Social Revolucionário (MNR), liderado por Víctor Paz Estenssoro.

As eleições de 1951 deram a vitória a Víctor Paz e em 1952 junto com o MNR pegaram nas rédeas pela primeira vez.

As reformas sociais e econômicas foram protagonistas de aquela época junto com a participação dos índios nas decisões nacionais. No ano 1964 o general René Barrientos destituiu a Paz e começou outro período de ditadura, que colocou a Bolívia em caótica instabilidade.

Em 1982 findou o regime militar com Hernão Siles Huazo, um mal gestor do país. Ao cabo de três anos de novo voltou Victor Paz para ser presidente pela quarta vez até 1989.

A constituição boliviana diz que é preciso 50% do voto popular para chegar a ser presidente em eleições diretas, do contrário o Congresso deve tomar a decisão. Em consequência, o dereitista AND (Acão Democrática Nacionalista) fez um trato com o MIR, cujo dirigente Jaime Paz Zamora foi eleito presidente em troca dos ministeéios mais importantes à oposição. Esta coligação garantiu certa estabilidade política por um tempo, mais é dificil dizer o que se depara para o futuro.

BOLÍVIA, PERTO DO CÉU

No coração da parte sul do continente americano encontra-se Bolívia, talvez uns dos paises mais desconhecidos da América do Sul. É provavelmente um dos paises mais pobres da zona, porém a sua riqueza cultural e física convertem-no em um paraíso natural. O interesse que oferece a sua história mistura-se com as tradições indígenas mais anscestrais.

Os atrativos que possui para o turismo são de uma riqueza única: vulcões com neves perpétuas sobre desertos rochosos no Palnalto que refletem-se nas águas majestosas do lago Titicaca; uma capital considerada a mais alta do mundo protegida por imponentes montanhas; uma cultura indígena insubornável e autêntica, cheia de tesouros culturais; coloridos mercados; natureza exuberante na Amazônia, nos Yungas; impressionantes vales que formam rios generosos; faisca de prata em Potosí e inumeráveis tesouros ocultos são alguns dos alicientes que oferece Bolívia. Se você gosta das culturas autóctones, a viagen no coração dos Andes irá ser uma experiência inesquecível.

Situação e Geografia

Limitada por Peru, Brasil, Paraguai e Chile, a República da Bolívia é o mais elevado e isolado dos países da América do Sul. Com superfície de 1,2 milhões de quilômetros quadrados extende-se pela faixa mais larga da cordilheira andina e desce pelas bacias do Amazonas e no Paraná por um labirinto de tortuosas serras e vales.

O relêvo da Bolívia vai desde as altas montanhas e amplas planalto até profundos vales e extensas planícies. Seu isolamento geográfico também é a causa de ser o país com a maior população indígena do continente, circunstância que faz perdurar melhor a cultura e tradições anscestrais.

Bolívia divide-se em cinco regiões claramente diferenciadas cada uma com um interesse particular: o Planalto, os vales das terras altas, os Yungas, o Grande Chaco e as selvagens bacias amazônicas e do Paraná.

A parte ocidental da Bolívia é ocupada por duas cadeias andinas que atravessam o país todo desde Peru até Chile e Argentina. ACordilheira Ocidental eleva-se como uma muralha entre Bolívia e a costa do Pacífico. A Cordilheira Real, situada ao leste, vai para o sudeste e dirige-se ao sul atravessando o centro da Bolívia.

Planalto está fechado dentro do oval traçado pelas duas cordilheiras. A altitude da bacia vai desde os 3.500 aos 4.000 metros, superando esta altura alguns picos nevados. A fascinação do Planalto reside na imensa solidão que extende-se até a eterna barreira das montanhas que cobrem o horizonte.

Na zona norte encontra-se o Lago Titicaca, o lago mais alto navegável do mundo, com única saida pelo rio Desagüadero que desemboca no lago Poopó, no centro do Planalto.

Ao sul dos lagos o terreno torna-se mais seco e menos povoado, dando lugar a vestígios de outros dois lagos: O Salar de Uyuni e o Salar de Copaísa.

Ao leste da Cordilheira Central situan-se as terras altas, uma região de acidentados vales e serras e férteis bacias de clima moderado.

Ao norte fica encravada a Cordilheira Real, onde os Andes entram na Bacia Amazônica, atravessando Os Yungas, uma zona de transição entre as terras altas, secas e áridas, às terras baixas e úmidas.

Por causa da topografia Bolívia tem uma ampla gama de padrões climáticos, o que condiciona a flora e fauna deste país andino. Assim, dentro de suas fronteiras pode-se achar todas as zonas climáticas, desde a selva fumegante até o frio ártico.

Flora

Desertos e intimidantes montanhas nevadas misturam -se na geografia boliviana enfeitada também com terras e vales férteis mediterrâneos nos que crescem azeitonas, nozes, trigo, milho e uvas.

No sudeste da Bolívia encontram-se os chatos e quase impenetráveis chaparrais do Grande Chaco, onde o terreno fica coberto por uma maranha de árvores espinhosos e cactus.

No norte e leste do território fica a Amazônia, uma terra plana e escassamente povoada, formada principalmente por pântanos, selvas, chaparrais e bosques pluviais, que abrangem 50% da superfície total da Bolívia.

Entre o Altiplano e as terras baixas abrem-se vales cobertos de uma densa vegetação tropical, entre caminhos que descem até a selva. Nos yungas as formações vegetais extenden-se entre os 1.800 e os 3.400 metros de altura.

A folha da coca

Um dos produtos da terra boliviana que mais caracterizou sua cultura desde tempos imemoriais é a folha da coca. A deusa inca do amor estava representada com folhas de coca nas mãos.

A lenda conta que Manco Capac, filho do deus Sol, teve uma aparição mística na Ilha do Sol do Lago Titicaca e trouxe a divina folha, que acalma a fome e dá força aos fracos. No começo a coca estava destinada às famílias privilegiadas e tinha um significado religioso, porém nos tempos da conquista a sua utilização já estava difundida entre os indígenas, e os segurava durante longos períodos de trabaho esgotador em durissimas condições de escravatura.

As folhas da coca mascam-se com cinzas de outras plantas. O suco extraido produz uma sensação do bemestar, brinda um alto grau de insensibilidade à fome, fatiga e dor, e indiferença perante às penúrias e a angustia.

Os espanhóis aprenderam rapidamente que a coca era um estimulante perfeito para incrementar a eficácia dos peões indígenas e promoveram a sua utilização. Em consequência introduziram plantações comerciais no território todo.

Quando A Paz fundou-se, cresceu sua importância pelo tráfico de coca das plantações nos Yungas até as minas de Potosí. Uma plantação de coca dura 40 ou 50 anos e rende de 3 a 4 coletas no ano. A coca é o único cultivo que brinda um negócio lucrativo aos camponeses de uma economia deprimida principalmente agrícola. Atualmente cultivam-se mínimo 60.000 hectares de coca e, embora seja difícil avaliar o impacto da indústria da coca na economia boliviana, sem dúvida constitui um importante respaldo às atividades econômicas.

Fauna

No Altiplano existem condições climáticas de extrema dureza, devido à grande altitude. Esta situação favorece a conservação de uma fauna nativa original. Entre as espécies mais atraentes destacam a lama, o animal emblemático da Bolívia, e a alpaca. À primeira vista estas duas espécies resultan similares, porém a lama apresenta uma estrutura mais corpulenta que a alpaca. O condor é outro dos mitos do país, o seu vôo majestoso converte-o no símbolo dos Andes. É facil distingui-lo se considerarmos a grande envergadura das asas. Outro animal característico do país é a ema pequena, parecido ao avestruz. É um simpático animal escorregadiço, que habita na estepa de ervas duras (pajonal). Também poderá admirá-lo nos Parques e Reservas Nacionais. A vicunha, distinguida pela sua grande velocidade, tem um pêlo muito apreciado, pelo que foi perseguida em outros tempos. Agora é uma espécie protegida. Na Lagoa Vermelha, na Reserva Nacional de Fauna Eduardo Avaroa, no departamento de Potosí, poderá encontrar a parina, uma espécie de flamingo boliviano de grande beleza.

Parques Nacionais e Reservas

Desde meados do século foram criados na Bolívia áreas para a conservação do seu patrimônio ecológico. A tradição boliviana é regida por severos códigos de conservação que impedem a depredação da natureza. Existem no país 8 Parques Nacionais, uma Reserva Rural, uma Reserva Fiscal, dois Refúgios e uma Estação Biológica.

Parque Nacional de Condodiri. Encontra-se no Departamento da Paz. Protege a fauna andina da região, condores, veados, zorros e vizcachas entre outros.

Parque Nacional Cerro de Mirikiri. Está situado no cantão Caquiaviri da Província Pacajes do Departamento da Paz. O parque faz parte da propriedade agropecuária Comanche. Protege, principalmente a Puya Raimondi.

Parque Nacional Cerro de Sajama. Localizado na Província de Sajama, no Departamento de Oruro. Abrange a montanha Sajama, uma das mais altas do país. Protege vicunhas, siris, tatús e outras espécies.

Parque Nacional Mallasa. Está situado nas proximidades da cidade da Paz, e foi criado pela necessidade de conservar um lugar econômico e de utilidade na recriação.

Parque Nacional Tunari. Encontra-se na montanha do mesmo nome. Controla os leitos de água que afetam Conchabamba e protege os bosques, onde tem espécies nativas junto a outras que foram introduzidas.

Parque Nacional Isiboro-Secure. Está consierado o mais importante do país.

Parque Nacional Lagoas de Beni e Pando. Protege espécies que habitam nestas lagoas, como o yakaré e o lagarto.

Reserva Nacional Amazônica de Manuripi Heath. Encontra-se na província de Manuripi, no Departamento de Pando.

Reserva Nacional de fauna de Yura. Na província Quijaro de Potosí. Cuida à vicunha.

Reserva Fiscal Cerro Taipilla. Está na Província Nor Lípez, no departamento de Potosí. Ocupa-se de controlar a preservação da chinchila.

Refúgio de Vida Silvestre Estâncias Elsner. Situado nas Províncias Ballivián e Jacuma do departamento do Beni. Trata-se de um centro para a conservação e investigação de recursos naturais renováveis. Está dirigida e administrada pela Academia Nacional de Ciências e PRODENA.

Arte e Cultura

Arquitetura

No território boliviano os edifícios construidos depois da conquista espanhola apresentam umas características que distinguem-os dos restantes do vice- reinado.

A tradição artística indígena aparece na rica decoração que cobre o exterior dos edifícios, baseada en motivos tirados da flora e fauna. Este estilo está claramente marcado em Potosí no Templo da Companhia de Jesus, obra de índio Sebastião da Cruz.

Escultura e Pintura

Da época colonial existem numerosos retábulos caprichosamente realizados, mas também conservam-se muitas pinturas e talhas de tipo popular. O século XX trouxe à Bolívia diversas tendências modernistas e particularmente a "indianista" originária do México. Como representantes desta linha cabe destacar, o pintor Cecílio Guzmão de Rojas e a pintora Maria Núñez de Prado.

Literatura

Embora a população indígena da Bolívia não possua escrita, a cultura oral nas comunidades aymara, quechua, kalhahuaca e guaraní tem prevalecido no decorrer dos tempos. Existe uma antologia de Jesus Lara sobre a poesia quechua, que inclui algumas canções.

Na época colonial destaca Bartolomeu Arzáns Orsúa e Vela, que viveu no século XVII, com sua "História da Vila Imperial de Potosí".

Após a Independência desenvolveu-se o movimento romântico, que produziu dois escritores importantes: Julio Lucas Jaimes, criador de um estilo próprio, e Nathaniel Aguirre.

Na transição ao modernismo a figura de Adela Zamudio destacou no gênero poético. Entre os escritores modernistas assinalamos Ricardo James com sua "Justiça Índia", que denuncia a exploração indígena, Franz Tamayo e Gregorio Reynolds. Na geração realista sobressai Alcides Arguedas com sua obra "Povo Enfêrmo" e o romance "Raza de Bronze". O poeta, novelista, dramaturgo e também diplomata Adolfo Costa dos Rels, que nasceu no último período do século XX, escreveu o romance "Terras Enfetiçadas", que fala do difícil convívio entre um autoritário coronel mestiço do Chaco com seu filho educado na Europa e de idéias democráticas.

A guerra do Chaco proporcionou material para escritores como Augusto Céspedes, autor de "Sangue de Mestiços", uma coleção de histórias curtas, Costa du Rels que escreveu "Lagoa H-3" e Jesús Lara com "Repete".

Na segunda metade so século XX, destacam-se as obras de Marcelo Quiroga Santa Cruz, "Os Desabitados" e "Cerco de Penumbras" de Oscar Cerruto, Renato Prada Oropeza publica em 1969 "Os Fundadores do Alba", inspirada na luta do Che Guevara.

Entre os poetas contemporâneos destacam-se Pedro Shimose, Jaime Sáenz e Eduardo Mitre. Nos últimos tempos falou-se do romancista Arturo Vacano e sua obra "Morder em Silêncio", assim como "Barriomundo", um trabalho de Jaime Nistthauz.

Música e Dança

A tradição boliviana conjuga influências na música e dança pré-inca, espanhola, amazônica e inclusive a africana. As diferentes zonas de paisagens produzem distintos tipos de músicas, o frio dos Andes contrasta com o colorido que provocam as terras temperadas de Tarija. Os instrumentos feitos a mão dos índios produzem sons únicos, que tem sido introduzidos na música européia pela riqueza sonora. Entre os instrumentos típicos da Bolívia encontra-se o charango, similar ao bandolim, o violinho chapaco, a zamponha, baxão e quena, espécies de flautas, instrumentos de vento como a tarka e o sikuri, o erke, a cana e a camachenha da zona de Tarija. Entre os instrumentos de percussão estão a huancara e a caixa.

As danças pré-hispânicas tinham suas origens na necessidade de expressar-se. Eram bailes de celebração de guerra, fertilidade, caça, trabalho, bodas, etc. Com a chegada do espanhóis e os escravos africanos estas influências entraram em plena fusão. A dança tradicional boliviana é a "cueca". Outras danças populares são o auqui-auqui ou o huayño. No sul é famoso o festival de dança conhecido como chapaqueada, ou bailes como a roda. Entre os bailes folclóricos temos o macheteiro. No norte baila-se o carnaval e o taquirari Beniano. Durante o Carnaval dança-se na Diablada de Oruro bailes de origem africana como a morenada ou os negritos. Os Lhameros, incas, tobas, são expressões destas antigas culturas. Potosí e A Paz são lugares de origem do caporal e o tinku.

Locais Turísticos

Vamos começar o percurso por La Paz e arredores para deslocarmos logo à zona chamada Os Yungas e o Lago Titicaca na fronteira com Peru. Depois, iremos descer ao Sul do Planalto, concretamente ao departamento de Oruro. De lá visitaremos Cochabamba para prosseguir pelos departamentos de Santa Cruz, Sucre, Potosí e Tarija. Finalmente, iremos viajar pelas Terras Baixas, para findar nossa viagem com um breve percurso na Amazonia boliviana.

LA PAZ

Em um quadro incomparável de beleza entre montanhas manchadas de branco alcança-se cidade de La Paz, capital da Bolívia. La Paz é uma das cidades situadas a maior altura do mundo (3.800 m de altura por média). Nela habitam mais de um milhão de habitantes. Possui um rico patromônio cultural que faz dela uma cidade especial para quem procura desfrutar da arquitetura e os museus. As suas ruas estão enfeitadas com inumeráveis mercados de vivas cores, onde dá para apreciar o inegável sabor da cultura indígena.

La Paz extende-se ao pé do Ilhimani, um majestoso monte de mais de seis mil metros de altura. Templos, monumentos, casas grandes, edifícios antigos e modernos e esses coloridos mercados misturam-se na cidade dotando-a de um sabor peculiar.

Igrejas

Aconselhamos encarar o percurso por La Paz como um passeio, enquanto seus olhos desfrutam com a mistura entre o indígena e ao estilo autenticamente hispânico. A Catedral de Nossa Senhora de La Paz encontra-se situada na Praça Murillo. Construida no século XIX e nela poderá admirar o estilo neo-clássico. Na Praça de São Francisco situa-se pão de ouro. O estilo barroco encontraremos na fachada da Igreja de Santo Domingo, totalmente trabalhada em pedra. O edifício construído entre os séculos XVII e XVIII, e encontra-se em Yanacocha.

Templo de São Pedro foi uma igreja de indígenas que estava fora da cidade, hoje irá encontrá-lo na Praça de Sucre. Outro templo que marece a pena ser visitado é o Templo da Mercê, situado na rua Comércio com esquina Colombo. Não muito longe ergue-se aIgreja do Carmo do século XVIII, cujo interior guarda um magnífico frontal sagrado de prata. Posterior é o Templo da Recoleta, que data de 1984, cujo estilo imita ao gótico (Av. América).

Museus

Quanto aos museus, o Museu de Etnografia e Folclore encontra-se na antiga Casa do Marqués de Villaverde. Guarda um material completo de todos os grupos étnicos que conjugam-se na Bolívia. O museu conta, com programas de atividades culturais e educativas.

Museu Nacional de Arte situa-se no edifício do antigo Palácio dos Condes de Arana, que data do século XVIII. No seu interior conserva-se um rico patrimônio cultural e colonial, que destacam-se pinturas de época colonial e contemporânea e mobília diversa.

Museu Nacional de Arqueologia no Palácio Tiwanacu é rico em peças resgatadas por diversas escavações e outras adquiridas.

Outros museus da cidade são o Museu Tambo Quirquincho; o Museu de Metais Preciosos e Pré-colombianos, situado em uma bela casa do século XIV; o Museu Casa de Murilho, situado na casa que pertencera à Dom Pedro Domingo Murilho, herói da Independência; o Museu Histórico do Litoral, que descreve a guerra na que perdeu o litoral Boliviano; o Museu Costumbrista Juan de Vargas, que representa em argila fatos históricos da cidade desde a sua fundação; o Museu Nacional do Charango, que guarda instrumentos musicais nativos; e o Museu Nacional de História Natural, onde mostra-se coleções referentes às riquezas naturais, fósseis, etc.

Mercados

Entre os mercados da cidade o mais curioso é o Mercado dos Bruxos ou da Feitiçaria onde poderá adquirir diferentes ervas e sementes, elementos curativos e tradicionais da cultura Calhawaya. Localiza-se na parte velha da cidade.

Mercado Negro extende-se ao longo da rua Graneros e Eloy Salmón. Aqui pode-se encontrar de tudo, embora a procedência dos artigos resulte suspeita. O Mercado Lanza encontra-se entre a rua Figeroa e la Praça Pérez Velasco. Dedica-se à venda de produtos alimentício. Nele poderá degustar santenhas e empadas, entre as mil coisas que oferecem para ir tirando o gosto nos diferentes postos. Muito colorido é tambem o Mercado das Flores, situado ao outro lado do cemitério. E por último no Alto liga-se o Mercado da Sobrancelha, aberto quintas e domingos.

Na zona sul encontra-se o Jardim Botânico, em Cotacota, à beira de um lago artificial. O jardim inclui as principais mostras da vegetação andina.

ARREDORES DE LA PAZ

Os arredores de La Paz oferecem ao turista espetaculares paisagens. Para o sudeste extende-se os vales. Um dos mais espetaculares é o Vale da Lua, onde uma misteriosa paisagem enfeitada por um labirinto de pequenos desfiladeiros, montes e estranhas estalagmites de argila transportam o espírito a outras dimensões. Porém, de lá encontra-se a localidade de Malhasa.

Outra das rotas turísticas mais apaixonantes dos arredores o levará à Mó do Diabo nas beiras do rio Cholquepayu. Trata-se de uma formação rochosa, um vulcão já extinto. Se preferir pode viajar desde La Paz ao Canudo do Huaricuna, no caminho à Ventilha. Uma vez lá a rota do Canudo atravessando rios, gargantas e galerias vai faze-lo desfrutar de uma apaixonante aventura.

Se, por outra parte você é um amante das alturas e da neve, deve visitar ao norte de La Paz, Chacaltaya (5.300 m), onde encontra-se a pista de esqui mais alta do mundo.

No Vale de Sapahaqui encontra-se Urmiri, formoso balneário de clima temperado com uma piscina. O Vale do Zongo é outro dos espetáculos naturais que o turista não pode perder.

RUINAS DE TIAHUANACO

Sem dúvida uma das rotas turísticas mais atrativas é a que leva a Tiahuanaco, ao sudoeste de La Paz. O primeiro ponto de interesse é a localidade de Laja, onde foi fundada originalmente LaPaz por Alonso de Mendoza em 1548. Nela sobressai um formoso templo. A seguinte parada é Tambilho. Se subir a seu cume mais alto poderá ver as melhores vistas do altiplano. O seguinte alto é Tiahuanaco. O seu antigo nome, Taypicala, significa em língua aymara "pedra do centro". A cultura deste lugar é muito antiga. O povoado levanta-se acima das antigas ruinas pré-colombianas. Muitos dos templos e palácios foram descobertos durante os procesos de escavação.

Kantaita, supõe-se, foi um edifício de quatro partes orientadas aos quatro pontos cardinais, com um pátio central. Akapana ("daqui observo") era uma pirâmide com escadas que tinha um observatório astronômico acima. Tem um pequeno templo subterrâneo que afunda dois metros na terra, com um canal aos pés. Ao norte da pirâmide fica situado o Templo de Kalasasaya, construido com arenisca vermelha e andesita, onde tambem observa-se um sistema de drenajem. O acesso principal acha-se ao leste onde fica à vista uma escalinata desde aonde pode-se admirar o Monolito Ponce, uma estátua antropomorfa. Outras escadas conduzem a diferentes monolitos entre os que destacamos o famoso Freire. Um dos monumentos mais importantes deste templo é a Porta do Sol, talhada em um mesmo bloco de andesita, associada, ao que parece a idade solar. Acredita-se que era o lugar que faziam as oferendas ao Sol. Existe também, outra porta importante chamada Porta da Lua.

O antigo Palácio dos Sarcófagos chama-se Putuni. Dele conservam-se pedras da fachada e a porta de entrada. A Porta do Puma é o mais importante dos templos. As pedras que perteceram a esta construção caracterizam-se pelas enormes proporções e pela beleza com que fizeram-se os traços e orifícios. O Museu Arqueológico expõe alguns dos descobrimentos encontrados nas escavações.

OS YUNGAS

Ao noroeste de La Paz, além da Cordilheira Real, encontra-se Os Yungas, uma espetacular comarca de cerros afiados e vales fundos com exuberante vegetação e clima tropical, que alça entre os 1.000 e 3.000 metros de altura. Alguns vales comunicam-se com o Planalto mediante caminhos pré-colombianos por onde os incas transportavam seus produtos.

O camniho pré-hispânico de Takesi é uma calçada empedrada que comunica a zona altiplánica com Os Yungas atravessando a cordilheira. Está lotado de interessantes sítios arqueológicos entre paradas de grande beleza.

O caminho pré -colombiano de Choro é outra das calçadas que levam a esta zona. É também conhecido como Caminho de Coroico. A escassa presença humana concentra-se nas pequenas aldeias. O caminho começa em O Cume, o ponto culminante da estrada que vai de La Paz às terras baixas. O melhor lugar para começar o percurso é o bairro de Vila Fátima, de onde saem os ônibus e caminhões.- Desde o outeiro de Chucura domina-se ampla paisagem que inclui o rio Choro e as serras Kolini e Manquisalini.

O lugar mais popular entre os turistas é a aldeia de Coroico, trepada a uma abrupta ladeira a 1.500 metros. É um lugar perfeito para relaxar e realizar excursões pela campina de arredores. Possui um clima quente e tem numerosos balneários. Merece a pena parar próxima a aldeia de Samanha Pampa e nos povados de Achura e Choro, bons lugares para passar a noite.

Chulumani é a povoação com mais encanto da zona, sua paisagem tropical e seu clima temperado atraem a numerosos turistas. Nos arredores extende-se plantações de coca, bananeiras, laranjas, limas, abacaxi e outros cítricos.

Ao pé da montanha Illampu encontra-se Sorata, desde onde pode-se aceder à Gruta de São Pedro, perto do povoado do mesmo nome.

LAGO TITICACA

Com 180 quilômetros de comprimento e 60 de largura, o Lago Titicaca é o maior lago navegável e o mais alto do mundo. O Titicaca é o último vestígio de um antigo mar interior conhecido como Lago Ballivián, que em outro tempo cobria grande parte do Planalto.

Na beira sul do lago Titicaca assenta-se Copacabana, destino dos peregrinos de todo o país. Um dos seus maiores atrativos é a Basílica da Virgem da Candelária, construida entre os séculos XVI e XVII. O estilo arquitetônico mistura linhas barrocas com estilos renascentistas. No interior domina o barroco mestiço e as cobertas de pão de ouro. O mais destacável é o Retábulo e o Altar Maior de prata. O Calvário é um caminho de pedra que leva a uma pequena serra onde sobem os peregrinos. Ao pé do Cerro Calvário encontra-se o mirante da pedra preciosa, desde onde obtem-se belas panorámicas do lago. Também obtém-se formosas vistas desde a Forca do Inca, conjunto de rochas que serviam de observatório astronômico as antigas culturas.

No entorno de Copacabana tem uma fonte conhecida como o Banho do Inca ou Kusiyata.

Para admirar um formoso trabalho realizado na rocha tem que ir a Intinkala o O Tribunal do Inca, gigantescas pedras que serviram de pedestais a ídolos.

ILHAS DO SOL E DA LUA

No Lago Titicaca encontra-se as ilhas do Sol e da Lua, famosas por sua lenda inca e as antigas ruinas.

Na Ilha do Sol, também chamada Ilha Titicaca ou dos "Pumas Cinzas", os aymaras adoravam uma pedra sagrada com forma de puma, a rocha sagrada onde iniciou-se a lendária criação inca. Nela econtra-se o Templo do Sol e o Palácio de Picolcayna. Ao sul da ilha estão as ruinas do Piko Kaina, os restos mais famosos são as escalinatas de Yumani e as ruinas de Chincana, das que destaca-se o Palácio do Inca. Na ilha poderá beber água sagrada da Fonte da Eterna Juventude.

Na Ilha da Lua, também chamada Ilha de Coati, encontra-se o Templo das Virgens do Sol ou Inhak Uyu-Ajilahuasi. As "mamacunas" eram moças escolhidas, durante a puberdade para destiná-las a importantes missões sacerdotais. Estas jovens eram submetidas a uma rígida disciplina, devendo manter uma virgindade pérpetua. A ilha é um esplêndido observatório desde onde avista-se o vulcão Ilhampu.

AS Ilhas Huynhamarka, Pariti, Suriqui e Kalahuta são muito visitadas. Poderá acampar nelas. Perto de Suquiri encontra-se as Ilhas Incas, que estão desabitadas.

Huatacaja encontra-se às beiras do Lago Titicaca. Desde lá pode-se admirar as balsas de totora que navegam entre as modernas embarcações e veleiros de pescadores.

Uma das zonas mais belas do lago é o Estreito de Tiquina, já que em suas águas reflete-se a cordilheira dos Andes. Em suas beiras defronta-se os povoados de São Pedro e São Paulo.

O PLANALTO SUL

ORURO

É a cidade mais importante ao sul do Altiplano. A maior parte da população é indígena porém o caráter e cor da cidade nsão muito evidentes. Oruro distingue-se pelo seu Carnaval onde realiza-se a Diablada, danças que representam a eterna batalha entre bons e maus.

Seus principaís lugares de interesse são o Museu Mineralógico e Geológico, com mais de 6.000 mostras minerais; o Museu Nacional de Antropologia Eduardo López, com importante coleção de máscaras; a Casa da Cultura, situada em um edifício neo-clássico que conta com uma Pinacoteca de arte colonial e contemporâneo, uma sala dedicada à arqueologia local e um museu; oSantuário do Socavão, nas abas da serra Pé de Galo e a Portada do Beatário, belo exemplo do barroco mestiço.

Na zona Água de Castela encontra-se o Parque Zoológico, que possui interessante variedades de espécies de todas as regiões.

Entre os edifícios religiosos de Oruro é de assinalar a Igreja de São Miguel, a primeira edificada na cidade, que guarda pinturas de enorme espírito sacro.

Nos arredores da cidade irá encontrar formações petreas como A Serpente e o Condor, ao sul e o Sapo na zona norte, de grande valor místico. Numerosos pregrinos chegam perto nos dias assinalados da Capela de Chiripujio, onde tem lugar diversas cerimonias muito interessantes.

Nos arredores de Oruro encontra-se também belos centros de águas termais como Capachos, a 12 quilômetros, Obrajes, de águas com propriedades curativas ou o Lago Popoó, onde pode-se pescar. Outros pontos de interesse são a Igreja de Curahuara de Carangas, com os afrescos mais antigos da América do Sul (muito perto da fronteira com Chile) e as Pinturas Rupestres de Cala Cala.

O povoado de Chipaya encontra-se na província de Atahualpa. O mais interessante deste lugar é a sua antigüidade. A cultura do povo Chipaya remota-se aos 2.500 anos a.C., pelo menos. Conservam sua cultura e tradições, adoram a natureza e sua vida permanece inalterável com o passar do tempos, embora assistindo a um processo de trans-culturação provocado pela influência de Ocidente. A arquitetura da região é muito singular, já que na construção das moradias empregam-se folhas de cactus.

Uma das excursões mais recomendadas da zona é a visita ao Parque Nacional Sajama, que encontra-se quase na fronteira com Chile, ocupando uns 80.000 hectares.

Salar de Copaísa acolhe ao povoado de Chipaya, onde a cultura indígena do lugar é muito tradicional e sumamente interessante. Por outro lado, na localidade de Poopó está o Lago Poopó. Seu principal atrativo é a ilha de Panza, onde pode-se praticar a caça e a pesca, enquanto que, a Lagoa Vermelha, ao sul de Chiguana. Deve seu nome às cores que a vegetação produz nas águas. Existe um habitat preferido de numerosas colônias de flamingos.

DEPARTAMENTO DE COCHABAMBA

O Departamento de Cochabamba encontra-se situado no centro do território Nacional. Possui um clima quente e abrange uma extensa região de vales, uma parte que corresponde ao planos no norte e uma pequena zona de planalto. A cidade de Cochabamba foi fundada em 1574 com o nome de Vila Oropeza, mas manteve o nome atual que provém das palabras quechuas "concha" e "pampa", que significa "planície com charco".

COCHABAMBA

Com clima moderado, esta cidade de sabor colonial oferece muitos atrativos turísticos. A praça principal, Praça do 14 de Setembro,encontra-se situada em um dos passeios mais belos do país. Poderá ver a trajetória histórica da cidade desde os anos da colônia. Tem que deter-se no Palácio de Portais, que data de princípio de século. O edifício está construido em estilo renascentista francês e os jardins que rodeiam-no, imitam aos do Palácio de Versalhes. Nele tem lugar numerosas atividades culturais.

Entre os muitos edifícios religiosos que possui Cochabamba, destaca-se a Catedral, terminada no século XVI, porém reformada e ampliada em séculos posteriores; a Igreja e Convento da São Francisco, famosa pelo retabulo talhado em madeira e o púlpito, todos dois de grande beleza; o Convento de Santa Teresa, onde sobressaem as cúpulas e no interior o altar maior, quadros e estabuos, assim como, o trono (madeira, prata e ouro, que convergem nestas belas estruturas); o Hospício, que data do ano 1875, conserva uma formosa fachada com cúpulas bizantinas e quadros no interior de grande valor; a Igreja de Santo Domingo, que destaca-se pela porta central de estilo rococó e a peculiar formosura da sua fachada; e por último, a Igreja da Recoleta, com suas escuturas e imagens sumamente atrativas. Outros templos que poderá ver são os de São Jõao de Deus e o da Companhia de Jesus.

Entre os museus aconselhamos visitar o Museu Arqueológico situado na rua 25 de Maio. Neles exibem-se vestígios antigos de grande valor. Por outro lado, o Museu de História Natural e Jardim Botânico Martín Cárdenas possui uma fantástica colecão de insetos e minerais, entre outras coisas. A Casa da Cultura também ira mostrar-lhe algumas surpresas, entre elas as provenientes dos enterramentos pré-inca.

Na Colina de São Sebastião, ao sul da cidade, ergue-se um monumento as Heroínas da Coronilha, em homenagem a Batalha de 1812. Desde os cumes domina-se a cidade. E guardando a vila a grande altura alça-se a estátua do Cristo da Concórdia.

Aconselhamos a realizar uma visita aos distintos mercados da cidade, que irão dar-lhe uma idéia da variedade de produtos da região não. Não esqueça de desfrutar de um copo da chicha local (bebida baseada no milho fermentado).

Outros pontos de interesse de Cochabamba

Ao norte da cidade encontra-se o Parque Nacional Tunari, que protege os bosques da região. Este é um bom lugar para realizar excursões. Caminho à Santa Cruz encontramos um lugar sumamente atrativo, a Lagoa Angostura, ideal para a prática da pesca e da caça, assim como, para realizar esportes naúticos.

As ruinas do Inca-Rakai situam-se na Serra de Tarhuani. Ali ira encontrar os restos esta intetressante civilização. Outras ruinas incas importantes são as de Incallajta, a 134 quilômetros da cidade no Cantão de Pocona. As ruinas estão situadas entre uma fantástica paisagem de rios e quebradas. O lugar foi declarado monumento nacional em 1929.

Em Quilhacolho irá encontrar vestígios da civilizaçao aymara. Durante a colônia foi um centro comercial e artesanal de grande movimento.

Caminho à Sucre, no Vale de Cochabamba, localiza-se a cidade colonial de Totora, na Província de Carrasco. A vila possui uma interessante arquitetura.

DEPARTAMENTO DE SANTA CRUZ

A região de Santa Cruz encontra-se no oriente da Bolívia. Possui um clima variado, temperado e frio no oeste e mais quente na medida que se descende para os planos. A capital Santa Cruz da Serra, convertida no principal centro de tráfico de coca do país, conserva o sabor de um empoeirado passado misturado com uma moderna população cosmopolita.

SANTA CRUZ

O coração da cidade é a Praça 24 de Setembro. As palmeiras e as flores enfeitam este lugar. No centrro o monumento a IgnacioinWarnes, heroi Boliviano. Ao redor ligam-se o Banco do Estado, a Alcaldia Municipal, a Casa da Cultura, onde irá encontrar uma ampla mostra da arte boliviana, o edifício da Prefeitura e a tradicional Pascana onde pode-se degustar um rico café.

Um dos edifícios religiosos mais importantes da cidade fica situado também nesta praça, a Basílica Menor de São Lorenzo. Merece a pena admirar o teto do seu interior e o altar decorado em prata. O Museu da Catedral guarda interessantes elementos religiosos, muitos deles datados da época das missões. Outra igreja que poderá visitar na cidade é a pequena e singular Igreja "Viva o Senhor Jesus".

Entre os museus destacamos o Museu de História Natural, em Av. Irala. No seu interior encontra-se interessantes representações da vida natural de América do Sul.

A cidade está cheia de zonas verdes e de expansão, entre as que destacamos o Parque O Areal com o Museu Etno-Folclórico que guarda elementos de diferentes culturas da zona, o Boris Banzer com um avião histórico, o Campo Ferial, o Jardim Botânico e oParque Zoológico.

Outros pontos de interesse de Santa Cruz

Ao sul de Santa Cruz extendem-se as Dunas de O Palmar, resultado da erosão do vento, cuja duna maior é Loma Chivato. As dunas são muito visitadas já que pode-se tomar sol e banho nas águas que a rodeiam.

Se viajar para o norte a localidade mais importante é Monteiro, sendo o mais atrativo o seu mercado. Desde lá pode -se fazer excursões a Okinawa e Yapacani. Nesta última destaca sua formosa vegetação e seu rio navegável que permite praticar a caça e a pesca.

A 25 quilômetros ao leste de Santa Cruz encontra-se o Santuário da Virgem de Cotoca. Se viajar a primeiros de dezembro é possível desfrutar da sua festa padroeira, quando milhares de peregrinos vão visitá-la. Seguindo a rota merece a pena deter-se em Porto Pailas, um importante ponto turístico. Os Espelhinhos, outro belo centro turístico bastante conhecido pela sua beleza natural. Cada ano milhares de visitantes buscam este lugar para descansar.

Ao oeste da cidade de Santa Cruz localiza-se o Parque Nacional Amboró, em Boa Vista não deve perder a visita a este centro de beleza selvagem sem igual.

Samaipata

Samaipata é considerada a capital arqueológica do oriente boliviano. A natureza impressionante e a história que remota-se a tempos pré-inca estão para lugar como se o tempo nuncanão tivera passado. Desde ali pode-se viajar até as Ruinas do Forte, um monumento arqueológico lavrado em rocha arenisca que inclui figuras zoomorfas, fontes de água, bancos de diversas formas e moradias cobertas hoje, pelo mato, entre outras maravilhas. O Museu Arqueológico de Smaipata expõe objetos pré-colombianos de diferentes culturas.

A região conta com numerosos balneários e centros de águas termais. O Balneário Suruto destaca-se pela sua formosa e generosa vegetação e as frescas águas do Rio Palometitas. Águas Quentes, por outro lado, é um rio de águas termais no meio de uma belíssima paisagem.

Na zona de Valegrande, ao pé da cordilheira andina, o revolucionário Che Guevara foi executado em A Higuera e depois levado a Valegrande. Numerosos peregrinos fazem este percurso em sua honra. A zona é, com certeza, atrativa para realizar excursões a pé entre as montanhas. Camiri é o lugar onde fundou-se a gerrilha, sendo esta povoação e outras visitadas pelo Chê, parte da rota que o Governo boliviano promociona para os interessados nas façanhas do místico guerrilheiro.

DEPARTAMENTO DE SUCRE

Se algo distingue o Departamento de Sucre é sua bela cidade do mesmo nome, considerada a capital oficial de Bolívia. Fundada em 1538 hoje é uma povoação de 100.000 habitantes, que conserva o forte sabor colonial em suas igrejas e museus.

SUCRE

Entre os atrativos da cidade, encontra-se o Convento de São Felipe Neri, construído no século XVIII. Destaca-se no seu interior o claustro, diversos quadros e, acima de tudo, os terraços, onde domina-se a cidade. Outro convento à destacar é o da Recoleta, edifício colonial do século XVII. Pode-se visitar os pátios, o museu, coro e uma árvore milenar, declarada Monumento Nacional.

Do resto dos numerosos edifícios religiosos, com os que conta Sucre destaca a Igreja de São Francisco, de estilo renascentista e com o campanário que acolhe o Sino da Liberdade onde chamava-se os patriotas à revolução; a Igreja da Mercê, uma das jóias que a arquitetura hispânica deixou na América (é de ressaltar o Altar Maior) e por último a Catedral, na Praça 25 de Maio. Foi construida no século XVI em estilo renascentista e depois agregados do barroco e barroco mestiço. Destaca o relógio bi centenário, entre outras muitas maravilhas.

Os museus que podem ser visitados em Sucre são igualmente numerosos. Distinguem-se o Museu de Santa Clara e o Museu da Igreja, centrados em temas religiosos, equanto que os Museus Universitários abrangem três museus. O mais antigo é o Museu Charcas.

Não deixe de visitar o Castelo da Glorieta, construído no final do século passado onde aprecia-se uma curiosa mistura de estilos.

Outros pontos de interesse do Sucre

Um dos lugares mais pitorescos dos arredores é o povoado de Tarabuco, que tem uma história heróica. O mais destacável é o mercado do domingo.

Cordilheira dos Freires conta com paisagens ideais para realizar excursões. Recomendamos selecionar qualquer uma das rotas para descubrir-a. Dispoe de áreas e pequenos povoados onde fazer paradas para refresco e descanso. Um dos circuitos mais atrativos é o que vai desde Chataquikka à Chaunaca e daqui à cratera de Maragua. Pode- se chegar de às Termas de Taula e depois voltar à capital. Não esqueça de visitar as pinturas de Incamachay.

Outro lugar interessante é Potolo, lugar de formações rochosas onde, podem-se adquirir tecidos de variadas formas e cores.

À beira do rio Pilcomayo localiza-se o balneário de Talula, a 60 quilômetros de Sucre. A capital do mesmo nome é também conhecida como "a cidade mais alta do mundo".

POTOSÍ

Situada a 3.700 m de altitude, Potosí conserva o encanto da época de apogeu nas ruas estreitas, ou nas enfeitadas igrejas e nas suntuosas mansões com balcões.

Um dos edificios mais importantes da cidade é a Casa Real da Moeda, do século XVIII. Pedra lavrada, pedra bolão, tijolo, madeira e ferro combinam-se com harmonia na sua arquitetura, A Casa oferece ao visitante colições de móveis, tecidos, trajes regionais, selos, moedas, uma pinacoteca e exposições antropológicas muito interessantes. Possui importante arquivo histórico com documentos inéditos.

Outro dos símbolos de Potosí é a Torre da Companhia, além de ser uns dos principais monumentos religiosos da Bolívia do séculko XVIII. A Catedral, branca e dourada, representa o último exemplo de neo-classicismo. Não pode-se deixar de ser visitada a Igreja deSanto Agostinho, na que destaca a porta principal. Desde ali aconselhamos passeiar pela rua Quijarro para admirar os edificios coloniais que a caracterizam.

Outras construções emblemáticas são a Igreja de São Benito, na que destacam-se as 9 cúpulas e, no interior o retábulo e o púlpito; aIgreja de Santo Domingo, onde sobressai a elaborada porta; a Igreja de São Lorenzo, do século XVIII, considerada o mais puro exemplar da arquitetura americana; e a Igreja de São Bernardo, antigo cemitério da cidade. O último dos vestígios religiosos dos primeiros tempos da cidade é a Torre de Santa Bárbara.

Outros pontos de interesse de Potosí

Cordilheira de Kari Kari extende-se ao leste de Potosí em uma paisagem maravilhosa de montes e lagoas. Ao sul da cidade encontra-se Serra Rica e ao pés, Mina Pailaviri. Das entranhas Da Serra Rica emanava a prata, que foi exaurida durante séculos com o trabalho dos índios, brutalmente explorados, e dos escravos pretos.

Embora o esgotamento progressivo dos filões, em Potosí, tudo gira ao redor das minas. Seus mercados oferecem diversos elementos vinculados à exploração.

Chaqui é um povo colonial de formosas vistas, que conta com uma piscina de águas termais de carácter curativo.

Na rota para o leste encontra-se Betanzos, importante local arqueológico onde foram encontrados fósseis de grande valor arqueológico.

Salar De Uyuni

Na região de Uyuni a acumulação do sal, que remota-se à mais de 40.000 anos quando um gigantesco lago interior cobria completamente a comarca, forma o Salar de Uyuni. Trata-se de um enorme lago seco a quase 4.000 m de altitude, rodeado de aldeias e de ilhas espalhadas pelo enorme deserto salino. A localidade desde onde pode-se realizar diferentes excursões é Colchani. Entre os lugares à visitar ressaltamos a Ilha de Pescadores, a mais espetacular, particularmente pelos enormes cactus que crescem nela. Seguindo uma rota que vai para a fronteira argentina, iremos dar com duas localidades importantes, Tupiza e Villazón.

DEPARTAMENTO DE TARIJA

O Departamento de Tarija é rico em folclore e costumes tradicionais de grande diversidade.

TARIJA

Um dos edifícios mais destacados da capital é a Casa Dourada, fundada a princípios do século. Possui uma chamativa arquitetura na que destaca a fachada. A Catedral, perto da Praça Luis de Fuentes, ergue-se como o edifício religioso mais importante de Tarija. Data do século XVII e guarda os restos do fundador da cidade. Outros pontos em destaque são a Igreja de São Francisco do século XVII; aIgreja de São Roque, do século XIX. Não esqueça de visitar o Castelo de Moises Navajas.

Arredores de Tarija

Parque A Tablada encontra-se cruzando o rio Guadalquivir. A região de Tarija é conhecida pelos seus vinhedos, pelo que pode visitar alguns deles.

Aconselhamos ir ao Vale da Conceição.

A 7 quilômetros da cidade de Tarija localiza-se São Jacinto, uma Represa de água que constitui um dos atrativos turísticos mais importantes da região.

A 21 quilômetros da capital, Jurina oferece quedas de água que precipitam-se desde mais de 40 m. As cores provocadas pela água, a natureza e o sol são de tal intensidade, que cativam os mais descrentes. Se dispor de tempo, aconselhamos dar uma chegada aChaguaya, para admirar o Santuário da Virgem, que contitui o seu maior atrativo.

O Chaco

O Chaco oferece lugares de grande espaços, variada vegetação e uma fauna distinguida.

Encontra-se beirando com Argentina e são duas as localidades que servem como base para as diversas excursões:Yacuiba e a Vilhamontes. A zona caracteriza-se pelas suas imensas extensões de cultivo e pela possibilidade que oferece aos amantes da caça e pesca.

AS TERRAS BAIXAS DO LESTE

O terreno destas terras é em geral plano e espalhado por pequenas montanhas. Na zona, habitada por diversos grupos indígenas guaranis, distinguem-se antigas missões jesuitas. Podem ser visitadas, realizando um circuito que liga umas com as outras. O melhor ponto de partida é São Ramón com sua igreja, para depois continuar a São Xavier, a mais antiga (um dos orgulhos de São Xavier são os queijos). A seguinte parada é Conceição, uma localidade tranquila onde pode-se fazer uma parada para repor forças antes de chegar a São Ignácio, que em seu dia foi uma das missões maior e melhor organizadas da zona. Dali pode-se viajar até Santa Ana e São Miguel.

São Jose de Chiquitos, para o sul, pode ser outro ponto de base para fazer outro circuito pelas missões jesuítias. Desde São José pode-se tomar um trem que vai à Roboré, nas márgens do rio de mesmo nome. A região conta também com diferentes balneários e águas termais.

AMAZÔNIA BOLIVIANA

A diferença da Amazônia brasilera para boliviana é que esta encontra-se menos desenvolvida e povoada. Se quiser fazer um percurso por estes lugares selvagens, é indispensável uma rede, saco de dormir, recipiente de água, proteção para os carapanas e provisões para alimentar-se.

Uma das rotas mais atrativas é a que parte de Rurrenabaque, pitoresco povoado à beira do rio Beni, na selva amazônica, até São Ignácio de Moxos, uma povoação de origem jesuita que mantém tradições muito particulares. A rota inclui uma parada na Reserva deBiosfera do Beni.

Ao desejar embarcar e entrar no coração do rio Marmoré, o ponto de partida é sem dúvida Trinidad, capital do Departamento do Beni. A bacia do rio leva para o norte até Guajaramerim e ao sul até Porto Vilarroel.

Gastronomia

Para o desfrute do turista a comida boliviana é muito variada. Os pratos do Planalto abundam em féculas e carbohidratos. São típicos os chunhos ou tintas, batatas muito gostosas secadas ao frio. O satja, um caldo de frango coberto de molho de pimentões picantes ou a saltenha, empada de carne e verduras, como forma de bola, são outras das delícias nativas.

O desjejum compõe-se principalmente, de café com bolos ou pastelaria. A metade da manhã costuma-se tomar algo, escolhendo provavelmente as saltenhas para degustar nessa hora. A comida principal do dia é a do meio dia, o almoço. Que consiste em uma sopa, como entrada e um prato principal, seguido de sobremesa e café. O jantar é similar ao almoço, porém menos elaborado.

A carne é muito apreciada na Bolívia, e normalmente é acompanhada por arroz, batatas e alface; tudo isto temperado com um molho picante, llajhua, baseado em tomates e locotos… Nas terras baixas é popular a mandioca e os vegetais locais, que vêem a subsituir às batatas… A carne costuma ser de cordeiro, bode ou lhama. A carne de porco é reservada para as grandes ocasiões, enquanto que o leitão é uma especialidade de Cochabamba.

As carnes preparam-se ensopadas ou grelhadas. O frango, preferencialmente frito, é também, comum na gastrônomia boliviana. Consome-se também o peixe, a truta é típica do Planalto, do Lago Titicaca. O robalo, o dourado e o surubim são outros dos peixes que encontram-se nas águas bolivianas. Em algumas áreas, servem também de alimento partes do macaco e do jacaré.

Outras especialidades típicas são as papas recheiadas, batatas preparadas com algo de picante; a lhaucha pacenha, típica de La Paz, que contém uma massa de pão e queijo; os tomates recheados, com qualquer coisa, carne com tempero ou vegetais.

Muitos vegetais conservam-se em escabeche para durar mais e resulta também, muito populares. Irá encontrar chola, pão enrolado recheado de carne, cebola, tomate e escabeche, em numerosos postos. Assim como, choclo, espiga de milho preparada.

Bebida

As bebidas quentes típicas são o mate de coca e o api, uma bebida doce feita com milho. Porém, a bebida alcólica mais popular entre os bolivianos é a chicha, que obté-se fermentando o milho, frutas ou grãos. Refrigerentes a base de frutas, o despepitado ou mocachinchi, a orchata e as batidas são consomidos habitualmente. As cervejas locais são também apreciadas e variam segundo a origem (as das altitudes são mais espumosas). Entre os vinhos destacam-se Conceiçao São Bernardo da Fronteira ou São Pedro. Um derivado como o chamado singani é mais barato e muito apreciado.

Compras

Destacam-se os produtos artesanais elaborados com lã de alpaca, ovelha ou huanaco, com o que são tecidos os típicos chapéus andinos, luvas, cachecóis, meias, cobertas, jorongos, ponchos, ternos, capas, coletes, fitas, etc. Viajando para Bolívia, aconselhamos adquirir algumas das belas peças talhadas em madeira, e instrumentos musicais (charangos, quenas, sicus, etc), artesanato em ouro, prata ou bem as tradicionais miniaturas em cerâmica. Um chapéu típico é o morrión.

Os mercados surgem no meio de qualquer parte. Satisfazem as necessidades de fornecimento e de comunicação entre as pessoas que moram em lugares isolados, sobretudo no Planalto. Continuam baseando se na troca tanto como, no pagamento de dinheiro. As responsáveis da venda são quase sempre mulheres, que confluem em um ponto onde expõem as mercadorias, que colocam em forma de montes pequenos.

A cidade de La Paz está cheia de mercadinhos e barracas por toda parte. O mercado de artesanato oferece roupa, enquanto que no chamado "mercado negro", irá encontrar objetos domésticos. Por outro lado, no "mercado das bruxas" vai achar tudo que está relacionado com as superstições, os rituais indígenas e o sincretismo religioso.

No Planalto os domingos instalam-se mercados em Betanzos e Chaqui.

A Cancha de Cochabamba é o mercado mais vital do país. Outro ponto comercial importante é Tabuco, onde cada domingo situa-se um mercado de artesanato muito frequentado. Nele irá encontrar tecidos, lã, ajío, amuletos e diversas peças que trazem os quechuas para fazer suas trocas. Lembre-se que pechinchar é indipensável.

População e Costumes

Com 6,5 milhões de habitantes trata-se de um país super povoado. Quase 70% dos bolivianos moram no Planalto; os indígenas estão muito acostumados com as terras altas e temen pela sua saúde caso desçam para outros lugares. Entre 60 e 65 % da população é indígena, enquanto que 35% é mestiça e um insignificante 1% de raça preta, descendentes de escravos. No país habitam mais de 30 diferentes grupos étnicos, sendo os mais numerosos os quechuas, aymaras e tupi guaranis.

O espanhol é falado principalmente nas cidades (Santa Cruz, Beni, Pando, Tarija Cinti e Chichas) e no Oriente.

Os bolivianos são profundamente católicos, porém existe liberdade de culto. O folclore é um dos mais originais da América do Sul, fruto do encontro entre diferentes culturas. A música andina deu-se a conhecer mundialmente pela difusão da quena, o pinkiilho, a tarka, o sicu e outros instrumentos de vento, sem esquecer a famosa diablada de Oruro.

As danças crioulas ou mestiças surpreendem pela incorporação de elementos da Europa renascentista e dos bailes da corte. O Carnaval de Santa Cruz é o acontecimento folclórico mais importante do país.

Ainda conserva-se a indumentária tradicional da região andina. As mulheres mestiças das cidades levam uma elaborada vestimenta de rico colorido, ressaltando o mantão de manilha e o chapéu borsalino.

A população indígena, dependente em grande medida do seu próprio engenho, tem desenvolvido uma notável riqueza quanto ao artesanato.

ENTRETENIMENTO

Se alguma coisa pode definir bem à Bolívia é o fato de constituir um éden das atividades ecoturísticas, uma modalidade que consiste na participação dos próprios povos para que eles mesmos apresentem seus valores, costumes e riquezas ao visitante. Nos últimos anos editaram-se modesto número de folhetos informativos que promocionam Bolívia como a capital desta atividade ("da Amazônia aos Andes").

Para quem gosta das montanhas, Bolívia oferece cumes de mais de 6.000 metros de altura, situadas na chamada Cordilheira Real dos Andes. Trata-se de atividades de mediano e alto nível, tendo que ir bem preparado. É difícil adquirir o equipamento.

Se do que gosta é da água, no Lago Titicaca ou na zona do Amazonas poderá navegar em embarcações típicas e para os mais aventureiros nada de melhor que uma travessia pelo Salar de Uyuni, o maior do mundo. Encontra-se no departamento de Potosí, que também oferece desertos, lagoas, géisers, águas termais, fauna única, em uma palavra, um paraíso.

Para pescar, o recomendável é faze-lo na Bacia do Rio da Prata, onde encontra-se a Reserva da Biosfera Pantanal ou bem no Lago Titicaca. Na bacia do Amazonas encontra-se um dos bosques tropicais mais espetáculares do mundo, com caudalosos rios como Madre de Deus, Mamoré, Beni e Itenez.

E, quando a noite chega o mais típico é recorrer aos concertos folclóricos (nas famosas penhas) de música andina. A penha mais famosa é a de Naira de Sagárnaga, em La Paz.

O cinema oferece filmes em castelhiano e subtitulados. O teatro em La Paz tem um ambicioso programa quanto a grupos folclóricos. Quanto ao teatro, o grupo mais conhecido na Bolívia é oTeatro dos Andes.

FESTIVIDADES

Bolívia é um país em perpétua festa.

Indicamos os principais Festivais Folclóricos:

Feira Artesanal de Alasitas, 14 de Janeiro em La Paz.

Carnavais de Oruro, Santa Cruz e Tarabuco (este último no primeiro domingo de março).

Festival do Grande Poder, no mês de Junho, em La Paz.

Festa da Virgem de Urcupinha, 15 de Agosto em, Cochabamba.

Festa da Virgem de Copacabana, 15 de Agosto nas imediações do Lago Titicaca.

Dias Feriados Oficiais: 1 de Janeiro, 5 de Abril, 1 de Maio, 6 de Junho, 6 de Agosto (Dia da Independência), 1 e 2 de Novembro e 25 de Dezembro.

Transportes

Avião

Para deslocar-se pelo interior do país existem três companhias aéreas: Lloyd, TAME AEROEXPRESS. Lloyd é a única que tem serviços internacionais.

TAM (Transportes Aéreos Militares) é a segunda companhia em importância. Tem uma boa rede e cobre algumas lagoas de serviço de Lloyd Aéreo Boliviano.

A recentemente criada Aeroexpress é de interesse limitado para o turista. Embora pareça ser a mais regular só tem vôos à La Paz, Sucre, Potosñí, Mãe de Deus e Guapoté, afluentes do Amazonas.

Trem

O ferrocarril boliviano tem duas redes importantes: a Ocidental, com seu nervo central em Oruro e conexões com La Paz, Cochabamba, Sucre, Potosí, Villazón, Abaroa e Charanha; e a Oriental, com seu ponto central em Santa Cruz e linhas para Quijarro, perto de Porto Suárez. A seção ocidental está melhor organizada e é mais confiável.

Tem quatro qualidades de trem: o ferrobus, o expresso, o de passageiros ou simplesmente o trem.

Por Terra

Infelizmente, a rede de estradas da Bolívia não goza de muito boa reputação. Tem poucos caminhos pavimentados e o cascalho ocupa a maior parte da rede. Os motoristas, estes sim, percorrem-na com grande habilidade. Mas, para tranquilidade do turista, os ônibus modernos inutilizam outras estradas em melhor estado.

Transporte Público

Nas principais cidades existem uma boa rede de pequenos ônibus urbanos. Costuma-se pagar na hora de descer. Os táxis não tem taxímetro, pelo que é aconselhável combinar antes de empreender o trajeto.

Fonte: www.rumbo.com.br

Bolívia

A Bolívia é um país da América do Sul.

A capital é Sucre, a sede do governo é La Paz.

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo).

As línguas nacionais são o Espanhol, Quíchua e Aimara.

Bolívia, No final da década de 1520 , separou-se do domínio Espanhol em 1825; grande parte da sua história subsequente consistiu em uma série de quase 200 golpes e contragolpes. Governo civil democrático foi estabelecido em 1982, mas os líderes enfrentaram os difíceis problemas da profunda pobreza, a instabilidade social e a produção de drogas ilícitas. Em Dezembro de 2005, os Bolivianos elegeram o líder do Movimento ao Socialismo Evo Morales como presidente - pela maior margem de qualquer líder desde a restauração de um governo civil em 1982 - depois que ele lançou a promessa de mudança da classe tradicional política do país e de fortalecer a autonomia da maioria indígena e empobrecida da nação. No entanto, desde que assumiu o cargo, suas estratégias controversas exacerbaram as tensões raciais e econômicas entre as populações indígenas do oeste Andino e as comunidades não-indígenas das terras baixas do leste. Em Dezembro de 2009, o Presidente Morales ganhou facilmente a reeleição, e seu partido assumiu o controle do poder legislativo do governo, o que lhe permitirá continuar o seu processo de mudança.

A república da Bolívia está alojada no coração do continente da América do Sul, cortada do mar e dominada pela picos nevados da Cordilheira dos Andes.

Geograficamente, a Bolívia é muitas vezes comparada à Suíça, e como a Suíça, a Bolívia tem uma paisagem espetacular que atrai visitantes de todo o mundo.

Mas para aqueles que devem trabalhar nas minas do país, até o solo, e que habitam as cidades que estão nos altos vales das montanhas - alguns deles bem mais de 2 milhas (3 km) acima do nível do mar - a vida apresenta muitas dificuldades. Historicamente, também, a Bolívia sofreu mais do que muitos de seus vizinhos.

Sua história é marcada por períodos de caos interno e conflitos externos que resultaram na perda de seu litoral e mais da metade do seu território.

Terra

Privada por guerras de sua saída para o mar e de muito de seu território original, a Bolívia é hoje um país interior de cerca de 424.000 milhas quadradas (1.098 mil quilômetros quadrados). Ela é cercada ao norte e nordeste pelo Brasil; no sudeste pelo Paraguai; ao sul pela Argentina, e no oeste pelo Chile e o Peru.

O país está dividido em três áreas geográficas distintas: a região do Altiplano; os yungas, que são os vales mais baixos das encostas orientais dos Andes; e os llanos, que são as planícies baixas das áreas do rio.

A região do Altiplano, a mais espetacular das três áreas, fica entre duas cadeias de montanhas escarpadas, a Cordilheira Oriental e a Cordilheira Ocidental. O planalto, que se estende por cerca de 500 milhas (800 km) e tem cerca de 80 milhas (130 km) de largura, tem uma altura média de aproximadamente 12.000 pés (3.700 m) acima do nível do mar, tornando-o uma das maiores áreas densamente povoadas do mundo. A maioria das cidades do país estão no Altiplano, como está o Lago Titicaca, o maior lago da América do Sul e o lago navegável mais alto do mundo. Dividido em duas massas de água separadas por um estreito, o Titicaca mede cerca de 110 milhas (180 km) de comprimento por 35 milhas (56 km) de largura e tem mais do que 1.200 pés (360 m) de profundidade. Navios de transporte e hidroaviões freqüentemente fazem carreira em suas águas. Mas mais característicos são os barcos feitos de totora, um caniço offshore. Estas embarcações dos primeiros Incas ainda são usadas pelas pessoas nativas para a pesca e transporte.

A região sul do Altiplano, incluindo os salares, ou salinas, é na sua maior parte uma área sombria e lúgubre. Embora hajam algumas extensões agrícolas na região do Altiplano, grande parte da terra é árida, e o clima é legal. A área é rica em minerais, exceto ferro e carvão. Ovinos, bovinos, alpacas, vicunhas e lhamas, o animal sagrado dos Incas, habitam a área. O condor Andino, autóctone da região, é a mais pesada das aves de rapina voadoras do mundo.

Abaixo do Altiplano estão os vales, de 2.000 a 5.000 pés (600 a 1.500 m) acima do nível do mar. O clima nos vales é agradável e seco, com temperaturas variando entre 60 ° a 75 °F (16 ° a 24 °C). Milho, batata, cevada e açúcar são as principais culturas dos vales, e a maioria do gado da Bolívia são criados nesta área. Os semitropicais e úmidos vales mais baixos yunga são ricos em café, coca, laranjas, toronjas, bananas, e borracha. Macacos, papagaios e cobras são comuns.

Os llanos, ou planícies, se estendem desde o nível do mar à base dos yungas. Como em todas as áreas tropicais, as temperaturas nesta região tendem a ser elevadas, as chuvas são pesadas, e a vegetação é densa. Existem grandes depósitos de petróleo, borracha, uma grande variedade de madeira, e inúmeras espécies de plantas, insetos, aves e mamíferos.

Vários grandes e navegáveis rios fluem através da Bolívia. O principal rio do Altiplano é a Desaguadero. Os yungas do norte são drenados pelo Beni, Mamoré, Madre de Dios, e Guaporé; e os yungas do sul pelo Pilcomayo, o Bermejo, e o Paraguai.

As montanhas mais altas do país são os picos cobertos de neve do Ancohuma, do Illimani, e do Illampu. Os nomes de muitas montanhas Bolivianas, como o de Murarata, por exemplo, são derivados das antigas lendas nativas. A história da Murarata relata que houve uma vez um governante Inca que tinha duas montanhas favoritas. Certa manhã, apareceu entre elas uma terceira. Este pico alegou ser mais bonito que os outros. As duas montanhas originais, invejosas e ciumentas, queixaram-se ao Inca. O governante, ansioso para aplacar suas favoritas, ordenou que a cabeça do intruso fosse cortada e os restos mortais colocados no Altiplano. Assim a Murarata (que significa "cortada" em Aymara) fica no Altiplano como exemplo eterno a todos os culpados de falso orgulho. Como pode ser vista de La Paz, a montanha, de fato, muito se assemelha a um pescoço sem cabeça.

Cidades

A Bolívia é dividida em nove departamentos, cada um dividido em províncias, cantões, municípios e distritos rurais e liderado por um governador escolhido pelo presidente. Cada departamento tem uma cidade principal. As cidades principais são La Paz, Sucre, Oruro, Cochabamba, Potosí e Santa Cruz.

La Paz

A Bolívia é incomum, pois é um dos poucos países do mundo com duas capitais: La Paz, a sede real do governo, e Sucre, capital oficial e sede da Suprema Corte. Em 1548, Alonso de Mendoza fundou uma cidade que chamou Nuestra Señora de La Paz. De Mendoza escolheu uma localização espetacular no Rio Choqueyapu a uma altitude de cerca de 12.000 pés (3.700 m) na base do Illimani. Quando a cidade cresceu, o vale estreito que ocupava em sua fundação se revelou insuficiente, e logo as estradas foram se espalhando pelas laterais das montanhas circundantes.

Como resultado, La Paz é uma metrópole alta quase em forma de taça de invulgar beleza e contrastes surpreendentes. Luxuosas habitações modernas estão ao lado de umas modestas. Lhamas sobrecarregados aparecem nas ruas ao lado de automóveis último-modelo. Homens e mulheres elegantemente vestidos em trajes de negócios passeiam pelas calçadas ao lado de cholitas com chapéus amplos e bebês embalados em suas costas. Jóias da arquitetura colonial, como a Igreja de São Francisco e a vila do Marquês de Villaverde, contrastam com o olhar contemporâneo da Universidade de San Andrés e a Igreja de San Miguel. A agitada La Paz hesita com o tráfego e a azáfama da vida diária.

Sucre

Sucre, a capital legal e judicial da Bolívia, é muitas vezes referida como a cidade dos quatro nomes. Em vários momentos desde a sua fundação em 1538, Sucre tem sido conhecida como Charcas, Chuquisaca, e La Plata (como a sede do arcebispo durante o período colonial). Finalmente, em 1839, foi-lhe dado o nome que hoje ostenta, em homenagem ao primeiro presidente da república. Sucre é uma cidade ensolarada cujas casas com varandas, ruas estreitas e antigos palácios governamentais recordam as primeiras cidades coloniais do Novo Mundo. Estabelecida sobre 9.000 pés (2.700 m) nas encostas dos Andes, ela é a capital do departamento de Chuquisaca, no coração de um florescente vale montanhoso. As casas caiadas de branco brilhante dos habitantes de Sucre, muitas vezes sugerem um quinto nome para este centro agrícola, a Cidade Branca.

Oruro

Oruro é o centro da mineração da Bolívia. Quase todos os habitantes de Oruro são mineiros e suas famílias. Seu modo de vida reflete as dificuldades de viver em meio a uma paisagem fria e árida, onde os perigos de trabalhar nas minas de estanho, prata ou cobre são os principais meios de ganhar a vida miserável. Durante a semana, a vida em Oruro é tão sombria e desolada como a paisagem circundante.

Mas no dia do pagamento, o clima da cidade muda. As tabernas (bares e discotecas) permanecem abertas até as primeiras horas da manhã, e os mineiros costumam passar a noite bebendo api (uma bebida feita de milho) e comendo sajta de gallina (frango e batatas). A cidade ganha vida novamente durante o Carnaval e a Festa da Virgem de Socavon, quando grupos de mineiros, disfarçados de demônios, tomam parte na Diablada, ou dança do diabo, e dançam e desfilam nas ruas.

Cochabamba

Assim como os poetas de La Paz cantam os louvores de Illimani, então os bardos de Cochabamba comemoram Tunari, o pico de altas montanhas em cujo vale esta cidade situa-se. Os jardins e parques de Cochabamba estendem-se para os subúrbios e as fazendas de Queru-Queru e Calacala. Mas a maioria das atividades da cidade centram em torno da Praça XIV de Setembro, com seus típicos arcos Espanhóis como uma reminiscência da Plaza Mayor, em Madri. Sua catedral carrega as cicatrizes das guerras de independência, e as mulheres corajosas que defenderam a cidade têm sido imortalizadas no monumento de La Coronilla.

Os restaurantes da cidade são famosos por seu picante de pollo (um prato de frango picante), buñulos (panquecas), e a chicha tarateña (bebida de milho). Muitos dos habitantes de Cochabamba cultivam os campos do vale circundante ou trabalham em refinarias de petróleo, fábricas têxteis e fábricas. A própria cidade é o centro comercial que une o leste e o oeste da Bolívia. A adorável Cochabamba também se tornou um dos principais centros turísticos do país.

Potosí

Muitos escritores contemporâneos Bolivianos, mais notavelmente Jaime Mendoza e Adolfo Costa Du Rels, capturaram a luta diária na região da "colina de prata" do país. A cidade de Potosí é típica desta área. Durante o período colonial, Potosí era uma grande cidade de mais de 150.000 habitantes. No alto das montanhas carregadas de minério, a uma altura de quase 16 mil pés (4.900 m), Potosí foi o maior fornecedor mundial de prata. Mas os rigores do clima severo da cidade, sua inacessibilidade, e a concorrência das minas no Peru e no México, eventualmente causaram seu declínio. Em 1825, a população caiu para 8.000.

Durante as últimas décadas, Potosí tem girado ao redor. Estanho e cobre, bem como a prata, estão sendo produzidos em maior quantidade, e o comércio é crescente. Hoje, o número de habitantes é quase o mesmo que no auge da prosperidade da cidade.

Santa Cruz

Música, alegria, e uma maneira geral agradável e afável de vida aguardam o visitante à cidade de Santa Cruz. Esta é a cidade Boliviana que mais fielmente preserva sua herança Espanhola. Suas ruas são alinhadas com palmeiras, árvores do jacarandá e do curupaú; jardins e pátios Espanhóis cercam as casas. A vivacidade de Santa Cruz é caracterizada por seus poemas e canções e pela taquirari, sua dança popular. A linguagem do povo de Santa Cruz está cheia de ritmos vivazes e voleios de frase.

A única cidade principal situada nas terras baixas, Santa Cruz tem sido um grande produtor de arroz, açúcar, e café por muitos anos, e novas indústrias, tais como o refino de petróleo e a criação de gado estão se desenvolvendo em suas planícies. Nos arredores da praça principal estão a prefeitura, a universidade, a catedral, o mercado principal, e uma variedade de negócios. Quando a noite cai, as pessoas entram nas igrejas para as orações da noite ou param para um refresco nos cafés de bairro. Os ruídos do dia das ruas movimentadas desvanecem, e dos pátios e jardins vêm os sons de redes rangendo, da conversa tranqüila, e das guitarras suavemente arranhadas.

População

A alta taxa de natalidade da Bolívia, combinada com uma taxa de mortalidade em ligeiro declínio, resultou em um aumento rápido e contínuo da população. Ainda assim, os números da população exatos são difíceis de determinar porque muitas pessoas vivem em áreas remotas.

A população da Bolívia é composta de quatro grupos: povos nativos, mestiços (mistura de nativos Americanos e brancos), brancos e negros. Os povos indígenas constituem cerca de 55 por cento da população, com os grupos Quechua e Aymara sendo os maiores. Os mestiços formam o segundo-maior grupo (cerca de 30 por cento da população). Em seguida, estão os brancos, composta por criollos (descendentes de colonos Espanhóis) e imigrantes Europeus.

Embora a imigração desde o período colonial não tem sido substancial, grupos de Alemães, Italianos, Poloneses e Sírios chegaram nos séculos 19 e 20. Entre os imigrantes mais recentes estão os Japoneses, a maioria dos quais estão envolvidos no desenvolvimento da agricultura, em especial o cultivo de arroz.

De longe, o maior número de Bolivianos vivem nas regiões do Altiplano, ou planalto, e nos vales altos. O Quéchua, o Aymara, e outros dialetos nativos são amplamente falados. (Aimará, Quéchua e Espanhol são as três línguas oficiais da Bolívia). A religião predominante do país é o Catolicismo Romano. A maioria das pessoas nativas preservam algumas crenças antigas Inca, e há uma mistura de ritos indígenas e práticas Cristãs em suas cerimônias religiosas.

Para o povo nativo da região Andina, a maioria dos quais estão envolvidos na agricultura e na mineração, a vida é difícil. Durante três séculos, os povos nativos foram submetidos à servidão e opressão que os tornou taciturnos e sombrios. Hoje eles subsistem com uma dieta inadequada composta principalmente de chuño (fécula de batata seca), charqui (carne seca), e mote (um grande milho de grãos), os básicos de seus ancestrais Incas. De vez em quando, talvez em um feriado importante ou um dia de festa religiosa especial, eles podem ter acesso a carne fresca. Os ovos e aves que cultivam são usados como fontes de renda e não como alimento. Alguns povos nativos procuram alívio para as dificuldades do frio e outros pela mastigação da folha da planta da coca, um arbusto comum do qual a droga da cocaína é derivada.

A falta de higiene e a desnutrição têm sido responsáveis pela alta taxa de mortalidade entre os povos nativos. As crianças nativas crescem em comunidades rurais onde a educação é ao acaso. Na idade de 19, muitos jovens nativos são recrutados para o exército. Depois de seu serviço, alguns vão para as cidades para fazer parte da classe trabalhadora; outros retornam aos campos e minas de suas regiões. Muitos, por causa de sua exposição a um modo de vida diferente, desenvolvem um novo senso de esperança e ambição que tem levado à crescente demanda por um maior papel no filão principal da vida política e econômica da Bolivia.

As cidades e vilas da Bolívia são povoadas principalmente por mestiços e criollos. Os mestiços formam a maior parte da classe trabalhadora. Muitos tiveram a vantagem de uma educação básica. Mas seu padrão de vida muitas vezes é bastante baixo. Para essas pessoas, a vida está melhorando, no entanto, e em várias das grandes cidades da Bolívia elas agora apreciam os benefícios da compra a crédito, o seguro, contas bancárias e casa própria. Algumas mulheres ainda vestem os trajes tradicionais. Sua polleras, ou saias largas, e blusas bordadas adicionam cor às ruas da cidade.

Literatura e Artes

Muitos dos primeiros colonos da América do Sul trouxeram consigo um amor da literatura e das artes. Este amor tem suas raízes no renascimento cultural de seu país natal, a Espanha. Apesar das dificuldades de se estabelecer no Novo Mundo, eles lentamente começaram a desenvolver uma tradição literária que foi de início modelada na obra dos autores Europeus, nomeadamente os Espanhóis.

Durante o período colonial, a maioria da literatura produzida na Bolívia - e, de fato, em toda a América do Sul - consistiu em obras de viagens, crônicas, e escritos humanísticos e religiosos. Mais tarde, no período romântico do século 19, os escritores começaram a evoluir seu próprio estilo característico e individualidade. Muitos autores Bolivianos - incluindo o poeta lírico Ricardo José Bustamante, o poeta cego Adela Zamudio, e o romancista e dramaturgo Nataniel Aguirre - ganharam destaque em todo o mundo.

Não foi até o final do século 19 e início do século 20, porém, que os escritores Bolivianos começaram a procurar sua própria identidade especial em relação à sua herança nativa, sua história, sua política e seus costumes. Entre os mais conhecidos desses autores estão os historiadores Gabriel René-Moreno e Abel Alarcón. Alarcón escreveu sobre os Incas e a história do período colonial. Jaime Mendoza escreveu sobre a vida dos mineiros. Alcides Arguedas escreveu sobre os povos nativos e os criollos. Escritores posteriores, como Augusto Guzmán, foram repórteres fiéis da trágica Guerra do Chaco e seus efeitos sobre as vidas das pessoas. Críticos, ensaístas e filósofos sempre contribuíram para a rica vida literária do país.

Muitos escritores do século 20 tomaram parte ativa nos assuntos do país. Eles participaram de movimentos associados com as reformas política, agrária e social.

Entre eles numeram poetas como Jaime López Canelas, Primo Castrillo, e Beatriz Schulze Arana. Os romancistas incluem Marcelo Quiroga Santa Cruz e José Fellman Velarde. A produção dramática da Bolívia é exemplificada pelas obras dos dramaturgos Adolfo Costa Du Rels e Sergio Suárez.

Os primórdios da escultura e da arte da Bolívia voltam ao passado nativo do país. Os museus abundam em obras fascinantes da era pré-Colombiana. Durante o período colonial, a arte e a arquitetura nativa e Espanhola faziam parte integrante do projeto de igrejas, mosteiros e palácios. Muitos artistas do século 20, como Cecilio Guzmán de Rojas, confiaram pesadamente nos símbolos antigos do seu passado. Entre aqueles que conseguiram reputações fora da Bolívia estão Arturo Borda, Zoilo Linares, e María Luisa Pacheco.

A música da Bolívia é tão variada como a paisagem do país. A música das regiões dos Andes, por exemplo, tende a ser lânguida. Baseada principalmente na escala de cinco-tons, ela tem pouca relação com a música Européia. As melodias das planícies e vales, por outro lado, tendem a ser mais leves e rítmicas. Existem muitas variedades de danças e músicas. Entre as mais típicas estão a cueca, o pasillo, a huayno, o taquirari, e as cacharpayas. Alguns instrumentos de sopro - tais como o quena, o pututu, e o erque - datam de volta aos Incas. Outros, nomeadamente o charango, uma espécie de guitarra, tiveram suas origens na Espanha. Um dos compositores mais conhecidos da Bolívia é José María Velasco Maidana, que é particularmente conhecido por seu ballet Amerindia.

As festas religiosas são ricas e coloridas. Muitas têm suas origens na Espanha medieval. Elas foram levadas para a Bolívia durante o período colonial, quando as tradições nativas as influenciaram. Durante o Carnaval e outras festas religiosas, as variações da popular Diablada são realizadas. O "diabo", que lidera um desfile pelas ruas, veste um traje elaborado, incluindo uma máscara decorada com pedras, vidros, jóias e botões. Durante o Carnaval, as pessoas muitas vezes se mascaram nas cidades usando o disfarce típico de Pepino, uma espécie de bobo da corte Espanhola.

Uma festa popular Boliviana é a Feira das Alacitas. Ela ocorre em Janeiro e é celebrada mais elaboradamente em La Paz. Neste dia, os restaurantes servem plato paceño, um prato altamente temperado cujos ingredientes principais são o milho, feijão, batata e queijo frito. Ekkeko, a figura central do festival, é um boneco representando um deus nativo do lar. Os vendedores ambulantes vendem réplicas minúsculas de alimentos e utensílios domésticos, que são usados para decorar as bonecas na esperança de que seu proprietário será beneficiado com as necessidades da vida nos anos vindouros.

Economia

Variada na cultura e rica em muitos recursos naturais, a Bolívia ainda tem que cumprir as promessas de sua riqueza. Ela continua sendo uma das nações mais pobres da América Latina. Cerca de 40 por cento dos trabalhadores da Bolívia estão engajados em produzir serviços, incluindo aqueles relacionados ao governo, finanças, e comércio. Outros 40 por cento trabalham na agricultura. Eles produzem soja, café, coca, algodão, milho, arroz, cana e batatas. Menos de 20 por cento são empregados na mineração e na manufatura. Entre as principais exportações da Bolívia estão o gás natural, a soja e os produtos de soja, petróleo bruto, minério de zinco e estanho.

Economia - visão geral:

A Bolívia é um dos países mais pobres e menos desenvolvidos da América Latina. Após uma desastrosa crise econômica durante o início de 1980, as reformas estimulou o investimento privado, estimulou o crescimento econômico e reduzir as taxas de pobreza nos anos 1990. O período de 2003-05 foi caracterizado pela instabilidade política, as tensões raciais e violentos protestos contra os planos - abandonada posteriormente - para exportar recém-descobertas da Bolívia reservas de gás natural aos grandes mercados do Hemisfério Norte. Em 2005, o governo aprovou uma lei de hidrocarbonetos controverso que impôs royalties significativamente maiores e necessários, em seguida, as empresas estrangeiras que operam sob contratos de partilha de risco de entregar toda a produção para a empresa estatal de energia em troca de uma taxa de serviço predeterminado. A recessão global desacelerou o crescimento, mas a Bolívia registrou a maior taxa de crescimento na América do Sul em 2009. Durante 2010-11 aumentos nos preços de commodities mundial resultou em grandes superávits comerciais. No entanto, a falta de investimento estrangeiro em setores-chave de mineração e hidrocarbonetos e os preços mais altos dos alimentos representam desafios para a economia boliviana.

História

Na pequena cidade de Tiahuanaco, perto do Lago Titicaca estão os restos de uma antiga cultura Boliviana. Os grandes monólitos e as impressionantes ruínas da Porta do Sol são a prova silenciosa de uma antiga civilização nativa; os detalhes sobre sua origem, desenvolvimento e declínio permanecem um mistério para os arqueólogos e historiadores contemporâneos. O Império Colla que se seguiu deixou como seu legado a língua Aymara, que muitos Bolivianos ainda falam.

Foram os Incas, no entanto, que deixaram a maior marca na cultura Boliviana. A conquista Inca começou no século 13. Pelo início do século 16, o império Inca englobava a maior parte da atual Bolívia, Equador, Peru, norte do Chile, e uma pequena área da Argentina. Os Incas alcançaram um elevado grau de civilização, e os Bolivianos mantêm muitos dos seus costumes. Em sua cozinha, por exemplo, os Bolivianos usam alimentos bem conhecidos de seus antepassados Incas. A coca e o milho, amplamente cultivados durante o período Inca, são culturas importantes. O Quechua, uma língua Inca, é, juntamente com o Aymara, ainda falado.

Os Espanhóis chegaram ao Novo Mundo no início do século 16. Três homens - Francisco Pizarro, Diego de Almagro e o Padre Hernando de Luque - foram os principais responsáveis pelas expedições que navegaram para o sul do atual Panamá para explorar o continente da América do Sul. Com a fundação de Lima em 1535, os Espanhóis estabeleceram uma posição firme no continente. E o declínio do império Inca começou. A atual Bolívia formava parte do enorme vice-reinado Espanhol conhecido como Alto Peru.

A fusão das duas grandes civilizações ocorreu gradualmente. As culturas nativas foram influenciadas pelas tradições Espanholas. E os padrões comuns na religião e na língua lentamente começaram a se desenvolver. As principais cidades foram fundadas, as igrejas foram construídas, e o Catolicismo Romano foi estabelecido como a religião oficial. A Espanha era provida com minerais e muitos outros tipos de riqueza. O casamento entre os Espanhóis e os nativos teve lugar, as populações foram estabelecidas, as aduaneiras Europeias gradualmente tomaram conta, e os povos nativos foram finalmente subjugados.

Ao longo dos anos, os descendentes dos primeiros imigrantes tornaram-se cada vez mais perturbados com a perspectiva de permanecerem ligados ao trono da Espanha. O ressentimento contra o domínio Espanhol aumentou. Em 25 de Maio de 1809, uma proclamação da independência foi emitida. Em 16 de Julho, na cidade de La Paz, Pedro Domingo Murillo, um dos primeiros mártires da Bolívia, liderou uma revolta, e a longa luta pelo auto-governo começou.

Não foi até 1824, com a Batalha de Ayacucho, que a independência foi assegurada, e em 6 de Agosto de 1825, a República da Bolívia nasceu. O país teve o seu nome a partir do "Grande Libertador" Simón Bolívar, e instalou como seu primeiro presidente Antonio José de Sucre, marechal da Batalha de Ayacucho.

A realidade da criação de uma república independente não foi toda a glória. Idéias heróicas de liberdade, igualdade e fraternidade foram quase perdidas na luta desesperada pela sobrevivência. Entre 1825 e 1879, o governo mudou de mãos várias vezes. Em 1879, a desastrosa Guerra do Pacífico, colocando Peru e Bolívia contra o Chile, estourou. A trágica guerra durou cinco anos. A Bolívia perdeu muito de sua terra, incluindo toda a rica em nitrato província de Atacama (agora parte do Chile), e seu único acesso ao mar.

Após a guerra, durante a presidência de Narciso Campero, uma nova Constituição foi adotada, e um período de relativo bem-estar se seguiu.

Mas dois grandes eventos prejudicaram o progresso do país. Uma disputa com o Brasil levou à cedência do imenso território do Acre àquele país em 1903. A Bolívia recebeu em troca um pagamento de grande porte. Mas perdeu valioso território, desta vez terra rica em borracha. Em 1932, a Guerra do Chaco contra o Paraguai entrou em erupção. O conflito diz respeito à região conhecida como Chaco, uma área de enorme riqueza natural. A Bolívia perdeu grandes quantidades de terra e seu povo sofreu uma derrota psicológica que se faz sentir até hoje.

Em 1937, o Coronel Germán Busch assumiu o poder, e uma nova Constituição com reformas mais fortes na mineração foi adotada. Após a morte misteriosa de Busch em 1939 vieram quatro anos de governo militar. Os seguidores de Busch, juntamente com outros grupos dissidentes, organizaram secretamente um novo partido; em 20 de Dezembro de 1943, eles derrubaram o regime militar e levaram ao poder Gualberto Villarroel do novo Movimiento Nacionalista Revolucionario (MNR). Villarroel estendeu as reformas da mineração de Busch e ajudou o povo nativo a melhorar suas condições de vida. Mas ele foi derrubado em 1946, e os conservadores voltaram ao poder.

História recente

Em 9 de Abril de 1952, a revolução mais sangrenta e drástica na história da Bolívia começou. No seu final, o MNR, liderado por Victor Paz Estenssoro, assumiu o governo e instituiu reformas sociais e agrárias, incluindo a nacionalização das minas. O MNR manteve o poder até 1964, quando René Barrientos Ortuño e Alfredo Ovando Candia lideraram uma junta militar que mais tarde escolheu Barrientos como presidente. Depois que Barrientos foi morto em um acidente de helicóptero em 1969, os conflitos entre grupos políticos mais uma vez resultaram em discórdia e governo militar.

De 1971 a 1978, a presidência foi mantida pelo General Hugo Banzer Suárez. Quatro anos de caos político seguiram-se, e em 1982, Hernán Siles Zuazo tornou-se presidente. Protestos levaram à renúncia do Presidente Siles, em 1985. Em novas eleições realizadas naquele ano, nem Banzer, nem Paz Estenssoro, os principais candidatos, ganharam a maioria necessária. O Congresso, em seguida, selecionou Paz Estenssoro, que foi sucedido por Jaime Paz Zamora em 1989. Ambos instituíram reformas de livre-mercado.

Gonzalo Sánchez de Lozada, que se tornou presidente após a eleição de 1993, deu maior poder político para os povos nativos da Bolívia. O Congresso retornou Banzer para a presidência após as eleições inconclusivas de 1997. Ele renunciou devido a problemas de saúde em Agosto de 2001, e morreu em Maio de 2002.

O vice-presidente Jorge Quiroga terminou o mandato de Banzer.

Após as eleições de 2002 se revelarem inconclusivas, o Congresso escolheu Sánchez de Lozada para se tornar presidente. Ele foi retirado do cargo por protestos no final de 2003 e sucedido por seu vice-presidente, Carlos Mesa, que renunciou sob circunstâncias semelhantes em 2005, e foi sucedido pelo ex-presidente do Supremo Tribunal Eduardo Rogriguez. Novas eleições realizadas em Dezembro foram ganhas pelo populista Evo Morales, que se tornou o primeiro presidente Boliviano nativo da Bolívia.

Quando Morales assumiu o cargo em Janeiro de 2006, ele mudou-se rapidamente para ajudar os pobres, instituindo um programa de reforma agrária. Ele nacionalizou (colocou sob controle estatal) o setor de energia do país em Maio de 2006. No ano seguinte, ele aumentou os impostos sobre as empresas estrangeiras de mineração e assumiu o controle da maior fundição privada de estanho da Bolívia.

Como parte de seu esforço para aumentar os direitos indígenas e o controle estatal da economia, eleições especiais foram realizadas em Julho de 2006 para selecionar uma assembléia para escrever uma nova constituição. A reescrita da Constituição foi acompanhada por protestos que muitas vezes se tornaram violentos. O processo aprofundou as divisões regionais e étnicas do país.

A constituição foi aprovada em Dezembro de 2007 em uma sessão da Assembleia boicotada pela oposição e estava para ser submetida a um referendo nacional. A oposição era mais forte em quatro regiões da planície oriental da Bolívia, que contêm a maior parte dos depósitos de gás natural do país e muito do seu agronegócio. Os governadores dessas regiões rapidamente declararam sua autonomia, que os eleitores dessas regiões aprovaram em referendos não-oficiais realizados em Maio e Junho de 2008.

Morales rejeitou estes referendos não-oficiais. Em vez disso, ele realizou um referendo revogatório em 10 de Agosto para si e para todos os governadores regionais. Morales venceu com facilidade o referendo revogatório; dois dos governadores que se opunham a ele foram expulsos. Mas cinco governadores apoiando a autonomia regional permaneceram no cargo. Assim, a Bolívia permaneceu polarizada.

Após Morales concordar em servir apenas mais um mandato de cinco-anos, um referendo sobre uma nova constituição foi realizado em Janeiro de 2009. A nova Constituição foi aprovada por uma maioria de eleitores.

Novas eleições presidenciais e legislativas foram realizadas em Dezembro de 2009. Morales foi facilmente reeleito. Seu partido obteve uma maioria de dois-terços nas duas casas do Legislativo, tornando mais fácil para Morales continuar a sua agenda de reformas.

Governo

O governo Boliviano é baseado em uma nova Constituição que entrou em vigor em 2009. Um presidente, eleito para um mandato de cinco-anos, serve tanto como chefe de Estado e de governo. O poder legislativo é a Assembléia Legislativa Plurinacional. Ela é composta por duas casas, a Câmara de Senadores de 36-lugares e a Câmara dos Deputados de 130-assentos. Os membros são eleitos para mandatos de cinco-anos. Os membros do mais alto tribunal da Bolívia, o Supremo Tribunal, são eleitos pelo voto popular.

Fotos

Bolívia
La Paz, a capital administrativa da Bolívia, é a cidade mais alta do mundo de capital (3.660 m; 12.005 pés).
Foi fundada com o nome de Nuestra Señora de la Paz (Nossa Senhora da Paz) em 1548 por conquistadores espanhóis

Bolívia
Iniciada em 1835, a Catedral Metropolitana Nossa Senhora da Paz (Catedral Metropolitana de Nossa Senhora da Paz Catedral Metropolitana ou) 
em La Paz foi construído em estilo neo-clássico e não foi concluída até 1987.

Mario T. Soria

Fonte: Internet Nations

Bolívia

Nome oficial: República da Bolívia

Organização do Estado: República presidencialista

Capital: La Paz (administrativa) e Sucre (constitucional)

Área: 1.1 milhões de quilômetros quadrados

Idioma: Espanhol (oficial) e Quechua, Guarani, Aymara

Maiores cidades: Santa Cruz de la Sierra (697.000), Cochabamba (407.800), El Alto (405.500)

População: 8,2 milhões de habitantes (Julho de 2000, est.)

Unidade monetária: boliviano

Geografia e população

Bolívia está localizada ao sul da América do Sul e divide com o Brasil a sua maior fronteira. Possui fronteira, também, com o Peru, Chile, Argentina e Paraguai.

A Bolívia pode ser descrita em termos de três regiões bem definidas: o altiplano, as terras baixas tropicais e os vales semitropicais. O clima varia de acordo com a altitude – de húmido e tropical a semi-árido e frio. La Paz é a capital de maior altitude no mundo (3.600 metros). A cidade adjacente de El Alto encontra-se a 4.200 metros de altitude.

A distribuição étnica no país é de 56%-70% de população indígena e 30%-42% de população de origem européia.

Há, aproximadamente, trinta etnias indígenas: as três maiores são a Quechua, a Guarani e a Aymara. Há, ainda, pequenas minorias étnicas de origem alemã, asiática, iugoslava e do Oriente Médio.

A densidade populacional é baixa: vai de uma pessoa por quilometro quadrado no sudoeste do país até dez pessoas por quilômetro quadrado no altiplano central.

A grande maioria dos Bolivianos é católica, embora os Protestantes estejam expandindo acentuadamente. Aproximadamente a metade da população fala o espanhol como primeira língua. Os espanhóis trouxeram a sua cultura e suas tradições religiosas e artísticas para a Bolívia, o que, nas mãos dos indígenas, transformou-se em um rico e distinto estilo de arquitetura, pintura e escultura denominado ´Barroco Mestiço´.

A Bolívia possui, ademais, um rico folclore que se manifesta, entre outros eventos, no Carnaval de Oruro e de Tarabuco.

Sistema Político

Bolívia é uma República unitária e presidencialista dividida em 9 departamentos, 312 municípios e 1384 ´cantones´.

Poder Executivo: o Presidente da República é o chefe de Estado e de Governo, eleito para um mandato de cinco anos, por sufrágio direto. O Gabinete é designado pelo Presidente

O atual Presidente é o General Hugo Banzer Suárez, eleito para a gestão que vai de 1997 a 2002 e apoiado por coalizão multipartidária integrada pela ADN (Aliança Democrática Nacional) UCS (União Cívica da Solidariedade), MIR (Movimento da Esquerda Revolucionária) e NFR (Nova Força Republicana).

Poder Legislativo: o Congresso é bicameral: o Senado possui 27 cadeiras e a Câmara dos Deputados possui 130 cadeiras. Os membros do Congresso são eleitos para mandatos de cinco anos. O modelo político-eleitoral boliviano foi desenhado de modo a favorecer a formação de maiorias parlamentares e facilitar a governabilidade. A Constituição Federal estabelece que, caso nenhum dos candidatos a Presidente da República obtenha a maioria absoluta dos votos válidos, o Congresso deverá escolher, também por maioria absoluta e em votação oral e nominal, um dos dois candidatos que obtiveram o maior número de votos. O modelo possibilita a geração de maiorias estáveis e uma cultura de pactos e alianças que vêm favorecendo a continuidade institucional e a governabilidade.

Poder Judiciário: O Governo Banzer vem concedendo especial atenção à reforma do Poder Judiciário, no entendimento de que a modernização do setor é fundamental para o desenvolvimento sócio-econômico do país. A Corte Suprema é o órgão máximo do Judiciário e seus membros são designados pelo Congresso Nacional para um mandato de dez anos.

Economia – indicadores referentes a 1999

Pauta de exportação: gás natural, soja em grão, castanha, algodão, tortas e farinha de soja , óleo comestível de soja, jóias em ouro, açúcar, artigos de vestuário, zinco e prata.
Pauta de importação: 
máquinas e equipamentos, produtos químicos, gêneros alimentícios, metais e suas e manufaturas.
Principais parceiros comerciais:
 EU, Argentina, UE, Brasil.

Indicadores econômicos

PIB: US$ 24,2 bilhões. 
Exportações:
 US$ 816 milhões. 
Importações:
 US$ 2.008 bilhões (est.). 
Inflação:
 4,2% . 
Desemprego:
 11,4% (1997).

Relações Bilaterais

O relacionamento político Brasil-Bolívia não apresenta contenciosos ou fricções dignos de nota. A cooperação no plano multilateral também tem apresentado resultados muito positivos, de modo geral, no âmbito da atuação político-diplomática.

O Brasil confere, no contexto regional, importância prioritária às relações com a Bolívia, pois com ela compartilha a sua mais extensa faixa de fronteira, a dupla condição de país amazônico e platino e os benefícios da construção do gasoduto.

O Brasil é o segundo parceiro comercial da Bolívia (depois dos EUA) e é considerado por aquele país fonte privilegiada de investimentos e promissor mercado consumidor de suas riquezas minerais e insumos energéticos.

Empresas brasileiras do setor de construção civil operam na pavimentação de rodovias em diversas regiões do país. No momento, desenvolvem projetos na Bolívia a Andrade Gutiérrez, Norberto Odebrecht e Camargo Corrêa.

Na área bancária, além da relevante presença do Banco do Brasil, o Banco Real desempenha destacado papel no mercado financeiro de La Paz, tendo, em 1998, inaugurado moderna agência em Santa Cruz de la Sierra, região que hoje concentra o maior volume de investimentos de grupos empresariais brasileiros.

Os investimentos do Brasil na Bolívia aumentaram entre 1993 e 1994, decrescendo, porém, em 1995, e retomando a linha ascensional a partir de 1996.

O comércio bilateral é estruturalmente superavitário para o Brasil: as futuras importações de gás boliviano (estimadas em US$ 100 milhões anuais aproximadamente durante os primeiros anos e podendo chegar até US$ 400 milhões) poderão ajudar a reduzir tal desequilíbrio. A Bolívia é o 17o parceiro comercial individual do Brasil e o 5o no continente.

O Presidente Hugo Banzer Suárez realizou Visita de Estado ao Brasil nos dias 16 e 17 de março de 2000. Durante a Visita, os dois Presidentes – do Brasil e da Bolívia – testemunharam, no Palácio do Planalto, a assinatura de importante contrato para a ampliação do volume de importação de gás natural da Bolívia – de 18 milhões para 30 milhões de pés cúbicos ao dia até 2004. Durante a visita, o Presidente Fernando Henrique Cardoso qualificou a relação bilateral com a Bolívia como parceria estratégica.

Principais Acordos Bilaterais em vigor

Nome Data
Tratado de Petrópolis 1904
Tratado de Comércio e Navegação Fluvial 1911
Tratado de Extradição 1942
Ata de Roboré: pertencem à Ata de Roboré o Convênio de Livre Trânsito, o Convênio de Cooperação Econômica e Técnica e o Convênio de Comércio Interregional, entre outros. 1958
Acordo sobre Cooperação no Campo dos Usos Pacíficos da Energia Atômica 1970
Tratado sobre Vinculação Rodoviária 1973
Acordo sobre Cooperação Sanitária 1977
Acordo sobre Ligação Ferroviária Santa Cruz de La Sierra e Cochabamba 1973
Acordo Básico de Cooperação Técnica e Científica 1974
Acordo de Cooperação e Complementação Industrial 1974
Convênio para a Preservação, Conservação e Fiscalização dos Recursos Naturais nas Áreas de Fronteira 1998
Acordo, por troca de Notas Reversais, sobre a Compra e Venda de Gás Natural Boliviano 1992
Acordo, por Troca de Notas, para a Criação de um Mecanismo Bilateral de Consultas Políticas 1994
Memorandum de Entendimento para o Estabelecimento de Programa de Cooperação Técnica 1998
Acordo, por Troca de Notas, para a Supressão de Visto em Passaportes Diplomáticos e de Serviço 1988
Acordo, por Troca de Notas, para a Supressão de Visto em Passaportes Comuns 1995
Acordo para Isenção de Impostos Relativos a Implementação do Projeto do Gasoduto Brasil-Bolívia 1997
Acordo, por Troca de Notas, relativo à criação dos Comitês de Fronteira Brasileiro-Bolivianos 1997

Fonte: www2.mre.gov.br

Bolívia

"Toda a Bolívia é muito interessante, pobre, mas de um povo, amavel, amigavel, noites quentes em suas boates, por todo o país, é impressionamente o número de turistas, em suas cidades. "

Bolívia atrai milhares de turistas com preços baixos e fácil acesso. E é internacionalmente conhecida como "O País da Altitude" que tem a cidade sede do Governo mais alta do mundo e que possui o lago navegável mais alto do planeta que está a 3.809 metros sobre o nível do mar.

A Bolívia é uma caixa de surpresas. Um país que encanta e choca - e, por isso mesmo, é imperdível para quem ama a natureza e belas paisagens.

Vida Noturna

A vida noturna é o maior barato, com muitos barzinhos legais, muita paquera, nas principais cidades da Bolivia. A noite em La Paz, principal cidade boliviana é bem agitada e há ótimos restaurantes e bares em bairros como Sapucachi. A cidade é segura e pode-se andar pelas ruas com tranqüilidade até bem tarde.

Transporte

Para deslocar-se pelo interior do país existem três companhias aéreas. A Lloyd é a única que tem serviços internacionais.A rede de estradas da Bolívia não goza de muito boa reputação. Tem poucos caminhos pavimentados e o cascalho ocupa a maior parte da rede. Nas principais cidades existem uma boa rede de pequenos ônibus urbanos. Costuma-se pagar na hora de descer. Os táxis não tem taxímetro, pelo que é aconselhável combinar antes de ir ao destino final.

Gastronomia

Vale apena experiments as comidas típicas como as papas rechiadas, batatas preparadas com algo de picante; a lhaucha pacenha, típica de La Paz, que contém uma massa de pão e queijo; os tomates recheados, com qualquer coisa, carne com tempero ou vegetais. Irá encontrar tambem a chola, pão enrolado recheado de carne, cebola, tomate e escabeche, em numerosos postos. Assim como, choclo, espiga de milho preparada.

Moeda

A moeda oficial é o Boliviano. Existem moedas de 5, 10, 20 e 50 centavos e de 1 e 2 Boliviano. Notas de 2, 5, 10, 20 50 100 e 200 Bolivianos. É aconselhável viajar com dólares americanos. Existem várias casas de câmbio no centro de La Paz, sobretudo na Avenida Mariscal Santa Cruz, Camaho, Colón e Ayacuch

Clima

Ha uma grande variedade de climas devido à diferença de altitude dentro do território. Pode ser tropical na zona amazônica, temperado no Yunga continental na Puna e o Altiplano com muito frio, sobretudo pelas noites de inverno e inclusive ártico nas zonas mais altas. A chuva extende-se de novembro a março, em quase todo o país.

Eletricidade

A corrente elétrica é de 110/220 volts a 50Hz. As tomadas são do tipo americano sendo necessário transformadores e adaptadores.

Fonte: www.souturista.com.br

Bolívia

BOLÍVIA (América do Sul)

Geografia

País encravado nas terras da América Latina, a Bolívia está dividida em várias zonas: as terras altas a oeste, um planalto desértico (4000 metros), cercada por duas cadeias de montanhas, incluindo a Cordilheira dos Andes, a Norte de Yungas de Cordillera, uma região fértil ponto de encontro entre os Andes ea Amazônia; vales férteis no centro, entre 1800 e 2700 metros, o Chaco, uma área seca rica em petróleo, e, finalmente, é orientada para o norte e leste da área onde sentar densas florestas (Amazônia e Pantanal).

Países fronteiriços:

Norte e leste Brasil
Oeste: Peru e Chile
Sul da Argentina e do Paraguai

Independência: 21 de setembro de 1981 (UK)

Sistema político: Monarquia constitucional (o monarca britânico nomeia um governador)

Capital: La Paz, sede do governo. Capital de açúcar constitucional

Idiomas: Oficial: Espanhol.

Quechua e Aymara: Usual

Área: 1098580 quilômetro ²

População: 9.182.000 pessoas

Nacional Moeda: Boliviano (BOB)

Dia Nacional: 06 de agosto (Proclamação da Independência de 1825)

Clima

Bolívia está sujeito a um clima tropical, isto é quente e úmido. A estação seca vai de maio a novembro é a época das chuvas e (todas as) de novembro a março.

No entanto, dependendo da região, o mercúrio pode cair, principalmente nas montanhas, e um ar de carga alta umidade nas florestas a leste.

Saúde

Nenhuma vacina necessária. Atualizado Gerais vacinas recomendadas (poliomielite, tétano, difteria ...). E os termos e duração da estadia, a febre tifóide, a hepatite B ea raiva. Não beba água da torneira e comer lavado fresco.

Confira

Os amantes será um passeio para o Salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo, no sopé do vulcão Tunupa e minas de prata.

A cidade colonial de Sucre vale a pena ver: as casas brancas são charmosas e você pode visitar o museu têxtil. Perto da cidade de Samaipata significa um site pré-colombiana bonito para descobrir.

Bolívia
Cactus - Bolívia

Bolívia
A ilha de Uros

Fonte: www.continent-americain.com

Bolívia

Nome oficial: República da Bolívia (Republica de Bolivia).

Nacionalidade: boliviana.

Data nacional: 6 de agosto (Independência).

Capital: La Paz (sede do governo e administrativa), Sucre (legal).

Cidades principais: La Paz (758.141), Santa Cruz de la Sierra (914.795), Cochabamba (560.284), Alto (523.280), Oruro (202.548) (1997).

Idioma: espanhol, quíchua e aimará (oficiais).

Religião: cristianismo 98,9% (católicos 88,5%, protestantes 10,4%), outras 1,1% (1995).

Geografia

Localização: América do Sul. 
Hora local:
 -1h. 
Área:
 1.098.581 km2. 
Clima:
 equatorial (depressão amazônica), de montanha (altiplano). 
Área de floresta:
 483 mil km2 (1995). 

População

Total: 8,3 milhões (2000), sendo chuas 30%, aimarás 25%, eurameríndios 15%, europeus ibéricos 15%, outros 15% (1996).
Densidade:
 7,56 hab./km2. 
População urbana:
 61% (1998).
População rural: 
39% (1998).
Crescimento demográfico:
 2,3% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade:
 4,36 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F:
 60/63 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil:
 66 por mil nascimentos (1995-2000). 
Analfabetismo:
 14,4% (2000). 
IDH (0-1):
 0,643 (1998).

Política

Forma de governo: República presidencialista. 
Divisão administrativa:
 9 departamentos.
Principais partidos:
 Ação Democrática Nacionalista (ADN), Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), Movimento da Esquerda Revolucionária (MIR), União Cívica Solidariedade (UCS).
Legislativo:
 bicameral - Senado, com 27 membros; Câmara dos Deputados, com 130 membros. Ambos eleitos por voto direto para mandato de 4 anos.
Constituição em vigor
: 1947.

Economia

Moeda: boliviano. 
PIB:
 US$ 8,6 bilhões (1998). 
PIB agropecuária:
 15% (1998). 
PIB indústria:
 29% (1998). 
PIB serviços:
 56% (1998). 
Crescimento do PIB:
 4,2% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita:
 US$ 1.010 (1998). 
Força de trabalho:
 3 milhões (1998). 
Agricultura:
 Principalmente a soja, cana-de-açúcar, castanha e café. 
Pecuária:
 bovinos, suínos, ovinos, aves. 
Pesca:
 6,4 mil t (1997). 
Mineração:
 zinco, estanho, prata, ouro, chumbo, gás natural, petróleo. 
Indústria:
 alimentícia, refino de petróleo, bebidas, jóias. 
Exportações:
 US$ 1,1 bilhão (1998). 
Importações:
 US$ 2 bilhões (1998). 
Principais parceiros comerciais:
 EUA, Brasil, Japão, Argentina, Peru e Reino Unido.

Defesa

Efetivo total: 33,5 mil (1998). 
Gastos:
 US$ 147 milhões (1998)

Fonte: www.portalbrasil.com.br

Bolívia

"Um deserto de sal sem fim!"

O Salar de Uyuni é a maior planície salgada do mundo. Está localizado no Departamento de Potosí, no sudoeste da Bolívia, no altiplano andino, a 3.650m de altitude.

Cerca de 40.000 anos atrás, a área era parte do Lago Michin, um gigantesco lago pré-histórico. Quando o lago secou, deixou como remanescentes os atuais lagos Poopó e Uru Uru, e dois grandes desertos salgados, Coipasa (o menor) e o extenso Uyuni. O Salar de Uyuni tem aproximadamente 12.000km² de área, ou seja, é maior que o lago Titicaca, situado na fronteira entre o Peru e a Bolívia e que apresenta aproximadamente 8.300km².

Estima-se que o Salar de Uyuni contenha 10 bilhões de toneladas de sal, das quais menos de 25.000 são extraídas anualmente. Além da extração de sal, o salar também é um importante destino turístico. Seus principais pontos de visitação são o hotel de sal, desativado, e a Ilha do Pescado, com suas formações de recife e os cactos de até 10 metros de altura.

No início de novembro, quando começa o verão, é lar de três espécies sul-americanas de flamingos: o chileno, o andino e o flamingo de James. Os flamingos aparecem no verão pois é quando se inicia o período de chuvas e também quando acontece o descongelamento das geleiras nos Andes que deixa o salar coberto de água, tornando-o um imenso lago com profundidade média de 30cm.

Nesse período, ele parece um enorme espelho que se confunde no horizonte com o céu. Assim os passeios ficam restritos a algumas áreas. Entretanto, entre abril e novembro todo o salar fica acessível, pois torna-se um imenso deserto seco com uma paisagem ainda mais exótica.

"No hotel de sal tudo é feito de sal, até as mesas e cadeiras."

O salar é composto por aproximadamente 11 camadas com espessuras que variam entre 2 e 10 metros, sendo a mais externa de 10 metros. A profundidade total é estimada em 10km e é composta de uma mistura de salmoura e barro lacustre. O salar é também uma das maiores reservas de lítio do mundo, além de conter importantes quantidades de potássio, boro e magnésio

A Cidade de Uyuni foi fundada em 1889 pelo presidente boliviano Aniceto Arce. Por muito tempo antes disso, nenhum ser humano ousou ocupar as áridas terras do sudoeste boliviano. Somente na metade do século 15, os incas teriam tentado colonizar a região, mas o terreno inóspito e o clima ruim, aliados aos ataques de ferozes grupos de índios araucanos, que viram seu território ao norte do Chile sob ameaça, fizeram com que apenas fixassem a fronteira sul do seu império por ali e voltassem para Cusco.

A maioria da população de Uyuni, hoje, trabalha para o governo boliviano em postos de saúde ou do Exército, em minas ou em projetos geotérmicos, sendo que o turismo está ganhando cada vez mais importância para a sobrevivência da cidade, com várias pequenas agências de viagem organizando excursões pelas redondezas e uma hotelaria em desenvolvimento, ainda que básica.

"4x4 é fundamental por ali."

Ruas de terra, largas e de pouco movimento, sofrendo com a ação do vento, frio ou sol, dão a Uyuni uma aparência de povoado perdido no meio do nada - ou, no caso, do deserto. Com 11 mil habitantes e pouco mais de 1 Km de raio, dista 220 Km de Potosí por íngremes estradas de terra. A cidade acampa um quartel do Exército e abriga um cemitério de trens, mas é a proximidade com o fantástico Salar de Uyuni e a belíssima região da província de Sud Upez que a põe no mapa, atraindo viajantes de todo o mundo.

A avenida principal, Potosí, concentra a maior parte do comércio, inclusive o Mercado Municipal, motivo pelo qual também é conhecida como Av. dei Mercado.

Perpendicular a ela fica a Av. Arce, que parte da estação ferroviária e cruza a Plaza Arce, a praça principal, até a torre do relógio, já na esquina da Arce com a Potosí, A igreja fica em frente à torre, do outro lado da Av. Potosí, e ambas são bons referenciais, justamente no cruzamento das duas principais avenidas da cidade.

"Retrato de um lugar hostil."

Salar de Uyuni, - a 20 Km da cidade de Uyuni, é o maior da Terra, com uma área plana de 12 mil KM2, a 3.600m de altitude, recheada de puro sal. No inverno, de maio a novembro, pode-se rodar por mais de 100 Km em linha reta, deslizando em uma verdadeira mesa, plana, toda branca de sal. A tensão provocada pelas mudanças de temperatura desta crosta produz formas hexagonais no solo, como se fossem ladrilhos enormes.

Nesses meses em que está seco e ensolarado, o contraste do branco salar com o azul celestial é fascinante - e óculos escuros é essencial. Aos que viajam no período em que está alagado, a experiência pode ser ainda mais impressionante.

No verão, de dezembro a abril, as águas escorrem pelos Andes e formam um lago de 5 a 50 cm de altura sobre o chão de sal. Nesses momentos tudo o que está no céu, até a linha do horizonte, é refletido - das montanhas que emolduram o cenário, aos veículos 4x4 que desbravam o local, formando um absurdo e espetacular espelho gigante.

Tudo parece flutuar, especialmente as ilhas observadas ao longe. Mas se estiver chovendo muito (mais comum em dezembro e janeiro) o passeio pode não rolar.

0 ideal é quando há apenas um pouco de água mas já com sol (abril e maio, apesar do clima estar mudando constantemente). Não hesite em tirar os sapatos e caminhar por esta rara paisagem sul-americana.

Hotel de Sal - Paredes, piso, teto, até as camas - todo o hotel foi construido com puros blocos de sal. Na entrada, uma pequena praia de areia branquinha que parece sal. E é mesmo. Mesinhas de sal com cadeirinhas de sal ali dispostas para relaxar e tomar uma cerveja.

Esta, sem sal. Chamado Hotel de Sal Playa Bianca, fica dentro do Salar de Uyuni a cerca de 30 minutos de Colchani, e tem cinco quartos básicos com banheiros compartilhados. -Sobre as camas, uma colcha de pele de lhama completa o clima.

"Existem múmias em grutas sinistras."

Ilha del Pescado - Mais adiante, seguindo a oeste e quase no meio do Salar, encontra-se a Islã de] Pescado, um ecossistema fechado onde nascem cactus gigantes e vivem pequenos animais. Você Pode fazer caminhadas pelas trilhas da ilha e curtir uma praia de mar de sal. Na época de chuvas, quando o salar pode ficar alagado, muitos tours não vêm até aqui, chegando somente até o Hotel de Sal.

Sud Lipez - Rumando ao sul e deixando o Salar para irás, entra-se numa grande extensão de areia dourada, cercada de distantes montanhas, na região de Sud Lipez. A forte presença de sulfur (enxofre) nessas montanhas produz um efeito degradê de cores, da terra ao mostarda, como se pintadas em pastei a óleo.

É o Desierto de Siloli. Cruzá-lo é encantar-se com a vastidão de areia e as belezas das rochas esculpidas pelo vento, como a Ãrbol de Piedra, ou árvore de pedra, um monumento imperdível para parar, apreciar e fotografar. Logo a seguir, chega-se a uma impressionante lagoa de águas vermelhas que parece um caldeirão de ácido, a Laguna Colorada. A profundidade é pouca, no máximo 80cm, e a cor varia durante o dia, devido aos pigmentos das algas locais.

A Laguna abriga colônias de milhares de fiamingos das espécies Chilena, Andina e James, esta última bastante rara, em uma concentração enorme observada de uma margem à outra, sempre em bandos.

Em algumas partes, como nas proximidades do acampamento existente no local, grandes placas de gesso, bórax e sal formam estruturas parecidas com icebergs. Você pode caminhar por eles para mais uma vez ter a sensação de estar em outro mundo.

0 percurso continua rumo ao sul, passando pelo Sol de Mafiana, uma área de gêiseres, gases quentes que brotam do solo, expelindo fumaça na direção do céu.

Mais abaixo, no pé do Cerro Polques, você pode parar para tomar um banho nas Termas de Chalviri, cuja temperatura das águas. alcança os 30'C.

Prosseguindo, uma nova entrada por desertos, vendo pedras gigantescas espalhadas pela areia, como se jogadas por um gigante, as Rocas de Dalí.

Os nativos gostam de contar que o pintor catalão Salvador Dali inspirou-se nessa paisagem, e assim batizaram o local com seu nome.

"O cemitério de trens."

Já quase chegando no Chile, ao pé do Vulcão Licancabur," estende-se a Laguna Verde, a 4.400m de altitude, que fica de cor esmeralda quando o vento da manhã começa a soprar. Ligada a ela está a Laguna Bianca que muda de cor, entre azul claro e branco, também de acordo com o vento.

Com equipamento e disposição adequados, pode-se subir o Licancabur, com seus 5.868m, para encontrar uma lagoa também verde em sua cratera. Lá, antigos povos atacamenhos faziam oferendas aos deuses.

Ambas as lagunas têm águas tão geladas que chegam a inacreditáveis -20oC, sem congelar. Isso ocorre devido ao vento incessante na superfície e à presença de minerais pesados na sua composição, como enxofre e carbonato de cálcio. Nas margens da Laguna Bianca existe um acampamento que vende água e biscoitos e cobra US$3 por pessoa para quartos de três beliches.

É básico, muito frio, não tem ducha e os banheiros ficam do lado de fora. Você pode cozinhar no fogão à lenha, o que é uma ótima pedida para se esquentar, caso pretenda passar a noite. Este local é o ponto de troca ~e veículos de quem vai pro Chile .

Fonte: www.viagensmaneiras.com

Bolívia

Um país de extremos estatísticos, a Bolívia é o país sem acesso ao mar mais alto e mais isolado na América do Sul.

Ele tem a maior proporção de indígenas, que compõem cerca de dois terços da população.

Apesar de rico em recursos minerais e energéticos, a Bolívia é um dos países mais pobres da América do Sul. Ricas elites urbanas, que são em sua maioria de ascendência espanhola, tradicionalmente dominado a vida política e econômica, enquanto a maioria dos bolivianos são agricultores de baixa renda de subsistência, mineiros, pequenos comerciantes ou artesãos.

O país tem a segunda maior reserva de gás natural na América do Sul, mas já houve tensões de longa duração sobre a exploração e exportação do recurso.

Grupos indígenas dizem que o país não deve abrir mão do controle das reservas, que vêem como recurso restante da Bolívia única natural.

Antes do presidente Evo Morales chegou ao poder a consequência política da questão ajudou a derrubar dois presidentes e levou a pedidos de autonomia regional, incluindo em próspera, produtora de petróleo de Santa Cruz.

Em maio de 2006 o presidente Morales encantado os seus apoiantes, mas enviou ondas de choque através da energia do mundo, quando ele colocou a indústria de energia sob controle estatal.

Bolívia sofreu nova alteração radical em janeiro de 2009, quando eleitores apoiaram projeto presidente Morales para uma nova Constituição, que visa dar mais direitos à maioria da população indígena.

Na década de 1980 a Bolívia sofreu uma profunda recessão econômica. O mercado de estanho em colapso, com a perda de cerca de 21.000 postos de trabalho, a inflação era galopante ea moeda nacional estava em crise grave.

Embora as medidas de austeridade rígidas, a introdução de uma nova moeda e reforma tributária conseguiram conter a inflação e restaurar a confiança estrangeira, estas políticas também alargou o fosso da riqueza já enorme e gerou grande agitação social.

A Bolívia é um dos maiores produtores mundiais de coca, a matéria-prima para a cocaína. Um programa de erradicação de cultivos, embora facilitando o fluxo da ajuda dos EUA condicional, tem irritado muitos dos agricultores mais pobres da Bolívia para quem coca é muitas vezes a única fonte de renda.

Uma cronologia dos principais eventos:

1538 - Espanhol conquistar Bolívia, que passa a fazer parte do Vice-realeza de Peru.

1545 - Silver Mountain, ou Cerro Rico, descoberto em Potosí, no sudoeste, proporcionando Espanha com imensa riqueza.

Bolívia
Titicaca é o lago navegável mais alto do mundo em 3810 metros acima do nível do mar

1824 - venezuelano Simon Bolívar combatente da liberdade, após os quais a Bolívia tem o nome, liberta o país do domínio espanhol.

1825 - Bolívia torna-se independente com Simon Bolívar como seu presidente.

1836-1839 - Bolívia entra em uma federação com o Peru, mas a federação não após a derrota na guerra do Peru com o Chile.

1879-1884 - Bolívia torna-se sem litoral, depois de perder território rico em minerais, costeira do Atacama no Chile.

1903 - A Bolívia perde a província rica em borracha do Acre ao Brasil.

1920 - Rebelião pelos povos indígenas.

1923 - Revolta dos mineiros é violentamente reprimida.

1932-35 - A Bolívia perde território para o Paraguai depois de ser derrotado na Guerra do Chaco.

Golpes militares

1952 - Camponeses e mineiros derrubar o regime militar; Victor Paz Estenssoro retorna do exílio para se tornar presidente e introduz reformas sociais e econômicas, incluindo o sufrágio universal, a nacionalização das minas de estanho e redistribuição da terra, e melhora a educação ea situação dos povos indígenas.

1964 - Vice-presidente René Barrientos encena golpe militar.

1967 - EUA ajuda a suprimir revolta camponesa liderada por Ernesto "Che" Guevara, que é morto depois de ser traído por camponeses.

1969 - Vice-Presidente Siles Salinas substitui Barrientos que é morto em acidente de avião, mas é ele mesmo Salinas deposto pelo exército, que governa com maior gravidade.

1971 - Col Hugo Banzer Suarez chega ao poder depois de encenar golpe militar.

1974 - eleições Banzer adia e proibições política e atividade sindical na sequência de uma tentativa de golpe.

1980 - General Luis Garcia encena golpe após as eleições inconclusivas; países europeus e dos EUA suspender a ajuda tendo em vista as alegações de corrupção e tráfico de drogas.

1981 - General Celso Torrelio Villa substitui Garcia, que é forçado a renunciar.

1982 - Torrelio renuncia como a economia piora; mãos da junta militar o poder a uma administração civil liderada por Siles Zuazo, que lidera um governo de esquerda.

1983 - países americanos e europeus retomar a ajuda, após a introdução de medidas de austeridade.

Democracia e colapso econômico

1985 - Siles demissão na sequência de uma greve geral e uma tentativa de golpe; eleições, mas não são conclusivos; parlamento escolhe Paz Estenssoro como presidente.

Bolívia
As salinas de Uyuni são uma importante fonte do mineral, bem como uma atração turística

1986 - Vinte e um mil mineiros perdem seus empregos após o colapso do mercado de estanho.

1989 - esquerdista Jaime Paz Zamora torna-se presidente e entra de partilha de poder pacto com o ex-ditador Hugo Banzer.

1990 - Cerca de 4 milhões de hectares de floresta tropical alocados aos povos indígenas.

1993 - retira Banzer da corrida presidencial, que é vencida por Gonzalo Sánchez de Lozada.

1997 - Banzer presidente eleito.

1998 - Banzer diz a Organização das Nações Unidas que está empenhada em libertar a Bolívia de drogas antes do final de seu mandato, em 2002.

1999 - Encorajado por movimentos para processar Augusto Pinochet, ex-ditador chileno, a oposição exige inquérito sobre papel de Banzer durante a repressão dos anos 1970.

2000 - Banzer anuncia a erradicação quase total da planta de coca na região de Chapare selva.

Janeiro de 2001 - Governo declara quase metade da Bolívia como zona de catástrofe natural depois de chuvas pesadas.

Banzer morre

Agosto de 2001 - Vice-presidente Jorge Quiroga toma posse como presidente, substituindo Hugo Banzer que está sofrendo de câncer. Ele morre em Maio de 2002.

De dezembro de 2001 - Os agricultores rejeitar uma oferta do governo de US $ 900 cada um ano em troca da erradicação do cultivo de coca para produzir cocaína.

Agosto de 2002 - Gonzalo Sanchez de Lozada ganha uma vitória clara em um Congresso Nacional turno das eleições e torna-se presidente pela segunda vez. Seu rival, o representante cocaleiros, Evo Morales, lidera uma oposição fortalecida.

Fevereiro de 2003 - Mais de 30 mortos em violentos protestos contra o imposto de renda proposto. Presidente Sanchez de Lozada retirar a proposta.

Setembro-outubro de 2003 - 80 mortos, centenas de feridos em protestos alimentados pelo governo planeja exportar gás natural via Chile. Presidente Sanchez de Lozada renuncia sob pressão de protestos e é sucedido por Carlos Mesa.

Protestos de energia

Abril de 2004 - Presidente Mesa assina acordo de exportação de gás natural com a Argentina. Os oponentes dizem que referendo negócio antecipa sobre as exportações de gás prevista para julho. Manifestantes levar para ruas, a renúncia do Presidente da demanda.

Julho de 2004 - Referendo sobre a exportação de gás: Eleitores envolvimento do Estado volta maior na indústria e aprovar as exportações do recurso.

Agosto de 2004 - acordo histórico assinado para permitir que a Bolívia para exportar gás através de um porto peruano.

2005 Janeiro - preços dos combustíveis disparar em grande escala contra o governo protestos e bloqueios em Santa Cruz, maior e mais rica cidade do país, e em El Alto, perto de La Paz.

Civic e líderes de negócios em Santa Cruz empurrar para a autonomia para a província.

Março de 2005 - Presidente Mesa submete sua renúncia, culpando protestos que, segundo ele, tornaram impossível para governar. Congresso rejeita a oferta, assim como um pedido mais tarde pelo presidente para eleições antecipadas, eo Sr. Mesa permanece no cargo.

Maio de 2005 - Protestos sobre recursos energéticos trazem La Paz, e negócios com o governo, à beira da estagnação. Presidente Mesa promete uma constituição reescrita e um referendo sobre a autonomia de demandas de recursos províncias ricas.

Socialistas no poder

Junho de 2005 - Como irados protestos de rua continuam, presidente Mesa renuncia. Supremo Tribunal cabeça Eduardo Rodriguez é empossado como presidente interino.

Dezembro de 2005 - O líder socialista Evo Morales vence eleições presidenciais. Ele torna-se o primeiro indígena boliviano para tomar posse.

Maio de 2006 - questões presidente Morales de um decreto para colocar a indústria de energia sob controle estatal.

Junho de 2006 - Presidente Morales reivindica a vitória nas eleições para uma nova assembleia que vai escrever uma nova Constituição, que visa dar mais poder à maioria indígena.

Outubro de 2006 - Confrontos entre grupos rivais de mineiros de estanho deixar 16 mortos na cidade de Huanuni.

Novembro de 2006 - Terra projeto de reforma está estreitamente aprovado pelo Senado. O projeto de lei visa desapropriar até um quinto das terras da Bolívia para redistribuição para os pobres sem terra.

Nacionalização

De dezembro de 2006 - Bolívia completa seu programa de nacionalização do gás, lançado em maio, dando o controle do Estado sobre as operações de empresas estrangeiras de energia no país.

2007 Janeiro - sindicalistas pró-Morales comerciais e de produtores de coca estabelecer um governo paralelo local em Cochabamba e exigir a renúncia do governador do estado pró-autonomia. Confrontos deixam dois mortos.

Governo declara estado de emergência depois de meses de chuva pesada licença dezenas de mortos e milhares desabrigados.

Maio de 2007 - O presidente Morales lidera uma campanha de protesto depois que o corpo do futebol mundial, a Fifa, proíbe jogos internacionais em altitudes elevadas. A proibição exclui jogos internacionais em cidades como La Paz e Potosí.

De agosto de 2007 - Presidentes da Bolívia, Venezuela e Argentina assinar acordos energéticos conjuntos no valor de mais de US $ 1 bilhão.

Movimentos constitucionais

De dezembro de 2007 - O presidente Morales formalmente recebe projeto de Constituição novo e controverso que ele diz que vai promover a re-distribuição da riqueza do país e dar mais voz à maioria indígena.

De agosto de 2008 - O presidente Morales ganha 67% de voto em referendo sobre sua liderança.

De setembro de 2008 - protestos contra o governo se transformar em violência no leste e norte da Bolívia, com 30 pessoas mortas na região mais afetada, a província de Pando. O governo e oposição concordam em conversas em um esforço para resolver a crise.

Bolívia expulsa o embaixador dos EUA, acusando-o de fomentar a agitação civil. Washington retribui expulsando o embaixador boliviano.

De novembro de 2008 - Bolívia pára EUA agência de aplicação da droga de operar no país.

De janeiro de 2009 - A nova Constituição dando mais direitos à maioria indígena é aprovado em um referendo nacional, com votação mais de 60% a favor.

Abril de 2009 - Presidente Morales diz um complô para assassiná-lo foi frustrado quando a polícia matou três mercenários internacionais em um ataque a uma casa na oposição fortaleza de Santa Cruz.

2009 Maio - Ex-presidente Gonzalo Sanchez de Lozada é julgado à revelia pela morte de 60 durante protestos em 2003.

Morales reeleito

2009 Dezembro - Presidente Morales é reeleito para um segundo mandato com mais de 60% dos votos.

2010 Maio - presidente Morales nacionalização encomendas de quatro empresas de energia elétrica, dizendo que o Estado agora controlavam 80% da geração de energia do país.

Greves e manifestações contra as políticas salariais do governo.

O presidente Morales se reúne Papa, exorta-o a permitir que padres se casar.

2010 Outubro - Governo sucatas nova lei destinada a reduzir a produção de cocaína, em resposta a raiva dos cocaleiros.

Dezembro de 2010 - Milhares de bolivianos vão às ruas para protestar contra os planos do governo para aumentar o custo do combustível.

2011 Janeiro - O governo gotas planeja aumentar os preços dos combustíveis em mais de 70%.

2011 Fevereiro - aumento acentuado dos preços dos alimentos básicos e escassez de alimentos desencadear manifestações violentas.

2011 Agosto-Setembro - Os planos para construir uma grande estrada através de uma reserva de floresta tropical - um projeto do governo diz que é essencial para o desenvolvimento - desencadear protestos em massa.

2011 Outubro - Mais de 60% dos eleitores votaram inválidos na eleição para escolher os juízes de topo da Bolívia, no que é interpretado como um tapa na cara importante para o presidente Morales.

2012 Janeiro - Bolívia deixa temporariamente Convenções das Nações Unidas sobre Entorpecentes em protesto contra a classificação de coca como uma droga ilegal, os sinais de acordo com EUA e Brasil para ajudar a reduzir a produção de cocaína ilegal.

2012 Abril - O presidente Morales rescinde o contrato concedido à OEA do Brasil para construir uma estrada controverso através da floresta amazônica.

2012 Maio - presidente Morales nacionaliza espanhola REE de propriedade da empresa de energia elétrica, dizendo que não investiu o suficiente na Bolívia.

2012 - greve da Polícia junho por melhores salários vê confrontos violentos em todo país. Governo acusa grevistas de ajuste de fase para golpe de Estado, uma alegação negada por policiais. Liquidados no fim do mês com alta de 20% registrada no salário.

Fonte: news.bbc.co.uk

Bolívia

Na Bolívia, aprende-se a esperar o inesperado. Neste país, os flamingos se alimentam nos lagos vermelhos e verdes ao redor dos vulcões, onde as estruturas de pequenas pedras formam o Altiplano, e são como um bebê do gigante, e onde a queda d'água caem nos carros que passam pela estrada, e por isso é considerada uma das estradas mais perigosas.

Com cerca de mil picos com mais de 5.000m, não é nenhuma surpresa que Bolívia tenha a capital mais alta do mundo. Inclusive o aeroporto está a mais de 4.000m acima do nível do mar. A capital, está a 500m abaixo de um penhasco cercado por montanhas com seus picos cobertos por neve. Na avenida da capital acontece o mercado ao ar livre, e onde mulheres de origem indígena com seus chápeis e saias coloridas venderem de tudo que se pode imaginar, de falsificadas roupas de grife até feto seco de llamas.

Apesar disso, a maior parte do país é formado por planícies tropicais, um tapete que se alonga por toda sua extensão chegando até a fronteira com o Brasil.

Estradas tortuosas que descem os Andes chegam até as selvas, excelente e perigoso lugar para a prática de mountain biking. A via de 70km que começa em La Paz vai até o Coroico e parece uma verdadeira confusão - sem nenhuma barreira de segurança.

Uma viagem pela região demonstra que o resto da Bolívia está em outra escala. Ao norte, o Lago Titicaca é o lago navegável mais alto do mundo, já Sorata é rodeada de montanhas, onde os locais insistem ser o lugar original do Jardim do Éden. Ao sul de La Paz, está a velha cidade colonial de Potosí, com suas minas de prata, enquanto o cemitério de trens está na extremidade do Salar de Uyuni, planície de sal mais alta e maior do mundo.

Há três horas ao oeste de Santa Cruz está Amboró, um Parque Nacional que abrange três ecosistemas - a bacia do Amazonas, os contra-fortes dos Andes e a planície de Chaco, que é abrigo de milhares da espécie de insetos, pássaros e plantas. O parque possui mais borboletas do que em qualquer lugar da Terra. No remota parte ocidental, diz-se que o Parque de Noel Kempff Mercado National serviu de inspiração para Conan Doyle, em o "Mundo Perdido". O Madidi, ao norte distante, é antigo divisor de águas da Amazônia. Ademais, os alojamentos desta região oferecem os melhores exemplos de ecoturismo indígena na América Latina.

Do ancestral Tihuanaco até ao século XXI, os seres humanos deixaram a sua marca na Bolívia, como arranhões na superfície vasta deste país - deixando o mundo moderno para trás, e por cima da floresta mais alta do mundo nas encostas do vulcão Sajama, ou deslizando no silêncio abaixo do Rio Beni com apenas pirilampos como companhia.

Capital: La Paz, Sucre

Tamanho: 1,098,580 km²

População: 7.9m

Moeda: Boliviano

Idioma: Espanhol e Quechua

Visto: Não é necessário para os cidadãos do Reino Unido.

Comida: A comida boliviana varia de acordo com a altitude e a latitude. Em La Paz experimente sajta de pollo, galinha com temperos, pimenta, alho e batata, em Cochabamba experimente silpancho, pão frito com carne com ovos, arroz e bananas, e nos trópicos experimente locro, sopa de arroz feita com carne-seca.

Bebida: Singani é o rum local. Chuflay é facilmente tragável singani com 7 Up. A bebida quente de maizena, chama-se api (com cravo, canela, limão e açúcar) e bom para o café-da-manhã, especialmente no frio terrível do Altiplano.

Festivais: Os Bolivianos amam celebrar e as fiestas são parte fundamental de suas vidas. Festas realizam-se por todo país com tanta freqüência que chega e ser difícil perder alguma, mesmo até nas breves de visitas.

Fonte: www.lata.org

Bolívia

Sem saída para o mar, o território boliviano é composto de frios altiplanos nos Andes, uma vasta área de selva amazônica e a região do Chaco.

O Lago Titicaca, a 3.800m de altitude, é o corpo de água navegável comercialmente mais alto do planeta. La Paz, situada a 3.636m de altitude é a capital nacional mais alta do mundo. Seus vizinhos são o Peru e o Chile à oeste, Brasil ao norte e leste e Argentina e Paraguai ao sul. 40% da população é composta por índios quéchua e aimarás. A Bolívia é um dos países mais pobres da América Latina tendo uma economia baseada na exploração do subsolo, rico em minérios.

O cultivo da folha de coca tem sido historicamente uma das principais atividades agrícolas desse país politicamente instável, que já sofreu mais de 180 tentativas de golpe de Estado desde sua independência em 1825.

Bolívia já abrigou em seu território importantes civilizações indígenas. A conquista espanhola teve início em 1530. Nessa época, os indígenas começam a ser escravizados para trabalhar nas minas do Alto Peru, como a Bolívia era conhecida.

Depois da ocupação da Espanha por Napoleão Bonaparte, em 1808, o Alto Peru é uma das primeiras colônias espanholas a se rebelar contra a metrópole, conquistando a independência em 1825 sob a liderança de Simon Bolivar e Antonio Jose de Sucre (primeiro presidente da Bolívia, como o país passa a se chamar em homenagem ao libertador Bolivar).

Na Guerra do Pacífico (1879-1884), o país perde para o Chile seu acesso ao Oceano Pacífico. A mineração renasce no fim do século XIX. Em 1903, a Bolívia vende para o Brasil o atual estado do Acre.

Na Guerra do Chaco (1932-1935), provocada pela descoberta de petróleo, a Bolívia perde território para o Paraguai. Segue-se um período de governos militares que não conseguem resolver o problema econômico do país.

Em 1952, uma revolta popular reestabelece o poder civil, nacionaliza as minas, promove a reforma agrária e desfaz as Forças Armadas. Em 1967, tropas bolivianas com o apoio dos EUA capturam e executam Ernesto Che Guevara.

Um golpe militar havia levado o general René Barrientos ao poder em 1964, mas sua morte em 1969 mergulha o país na instabilidade política. Em 1974, o governo suspende as eleições, sindicatos, partidos políticos e decreta estado de emergência.

Em 1980, Hernán Siles Zuago é eleito presidente mas é impedido de assumir por um novo golpe. Em 1982, os militares entregam o poder ao presidente eleito dois anos antes, porém a volta da normalidade política não traz a estabilidade econômica.

As eleições de 1985 trazem de volta o ex-presidente Vitor Paz Estenssoro, que depois de impor um duro pacote econômico e enfrentar uma greve geral, manda prender dirigentes sindicais. O plano leva a uma grave recessão, mas derruba a inflação anual de 24.000%.

No ano de 1993, Gonzalo Sanchez de Lozada, autor do plano que derrubou a hiperinflação no governo Estenssoro é eleito presidente da Bolívia. O agravamento do quadro político-econômico-social leva o presidente Sanchez de Lozada a declarar, em 18/04/1995, estado de sítio. Em seguida o governo avança nas privatizações, na reforma do ensino e na descentralização regional. Em setembro é colocada a venda a YPFB, a estatal boliviana do petróleo.

Hugo Bánzer sucedeu Lozada na presidência em 1997, promovendo a extinção de boa parte da produção ilícita de coca e combatendo o tráfico. Por outro lado, como o cultivo da coca é fonte de renda para uma parcela expressiva da população, uma onda de pobreza agravou ainda mais o quadro social do país.

Em 2002, Sánchez de Lozada voltou ao poder, prometendo prosseguir com as reformas econômicas e criar empregos. Renunciou em outubro de 2003, após meses de manifestações nas quais ele era acusado de favorecer mais as empresas extranjeiras que as bolivianas nos negócios envolvendo gás natural.

Carlos Mesa, o vice, assumiu, mantendo-se popular nos dois primeiros anos de mandato. Entretando, protestos ocasionados pelo aumento do preço dos combustíveis em 2005 o levaram ao afastamento do cargo.

O ativista Evo Morales foi eleito no final de 2005, se tornando o primeiro presidente indígena da história da Bolívia. Já em seu primeiro ano de mandato, Evo Morales iniciou o processo de nacionalização na indústria energética e convocou uma assembléia para reescrever a constituição do país. Ele ainda planeja legalizar o cultivo de coca, considerado elemento da cultura boliviana.

Geografia

Localização: centro da América do Sul, a sudoeste do Brasil 
Área: 
total - 1.098.580 km² terra - 1.084.390 km² água - 14.190 km² 
Comparativo -
 aprox. 13% menor que o Pará 
Litoral: 
não tem saída para o mar. 
Fronteiras: 
Brasil - 3.423 km, Peru - 1.075 km, Chile - 860 km, Argentina - 832 km, Paraguai - 750 km 
Clima: 
varia com a altitude; de úmido e tropical a frio e semi-árido 
Elevação: 
Ponto mais baixo - 90m margem do Rio Paraguai 
Ponto mais alto: 
6.542m Nevado Sajama 
Recursos naturais:
 gás natural, petróleo, zinco, tungstênio, prata, folha-de-flândres, ferro, chumbo, ouro, madeira 
Uso da terra: 
arável 2,78%
Cultivo permanente: 
0,19%
Outros:
 97,03% (2005)

Pessoas (2006 est.)

População: 8.989.046 habitantes 
Principais cidades: 
Santa Cruz - 1.397.700; La Paz - 835.200; El Alto - 827.200; Cochabamba - 586.800; Sucre - 247.300hab. 
Índice de Desenvolvimento Humano: 
0,692 - 115º colocação no ranking mundial - 12º na América do Sul 
Faixa etária:

0-14 anos: 35% 
15-64 anos: 
60,4%
mais de 65 anos:
 4,6%

Divisão por sexo (homem/mulher):

no nascimento: 1,05 h/m 
até 15 anos: 
1,04 h/m 
15-64 anos: 
0,96 h/m 
mais de 65 anos:
 0,8 h/m 
total:
 0,98 h/m

Crescimento da população: 1,45% ao ano 
Taxa de natalidade: 
23,3‰ 
Taxa de mortalidade: 
7,53‰ 
Taxa de emigração: 
1,22‰ 
Mortalidade infantil: 
51,77‰ 
Fertilidade: 
2,85 crianças por mulher 
Expectativa de vida: 
total - 65,84 anos homens - 63,21 anos mulheres - 68,61 anos 
Grupos étnicos: 
quéchua 30%, mestizo 30%, aymara 25%, branco 15% 
Religião:
 Católica Romana 95%, protestante 5% 
Idiomas:
 espanhol, quéchua e aymara (oficiais). 87,2% da população com mais de 15 anos alfabetizada (2003 est.)

Governo

Nome oficial: República de Bolívia - (República da Bolívia) 
Organizaçao política:
 República 
Capital: 
La Paz (sede do governo), Sucre (capital oficial) 
Divisões administrativas:
 9 departamentos - Beni, Chuquisaca, Cochabamba, La Paz, Oruro, Pando, Potosi, Santa Cruz, Tarija 
Independência: 
06/08/1825 (da Espanha) 
Feriado Nacional: 
06/08 Dia da Independência 
Constituição:
 02/02/1967, revisada em 08/1994 
Chefe de Estado:
 Presidente Juan EVO MORALES Ayma (desde 22/01/2006)

Economia(2006 est.)

PIB: Oficial - USD 10,22 bilhões 
PPP
 - USD 27,21 bilhões - em paridade ao poder de compra norte-americano 
Crescimento 
- 3,3% ao ano 
Per capita (PPP) -
 USD 3.000 
Composição 1º/2º/3º setor -
 12,8% / 36,1% / 51,2% 
Inflação:
 4,3% 
Desemprego: 
7,8% em áreas urbanas
População abaixo da linha de pobreza:
 64% (2004 est.) 
Orçamento:

receita: USD 4,15 bilhões
despesa: 
USD 3,62 bilhões

Exportações: USD 3,67 bilhões - Brasil 44,2%, EUA 12,5%, Argentina 10,9%, Colômbia 7,8%, Peru 4,8% 
Principais exportações: 
gás natural, soja, petróleo, minério de zinco 
Importações:
 USD 2,93 bilhões - Brasil 21,9%, Argentina 16,7%, EUA 13,8%, Chile 6,9%, Peru 6,5% 
Principais importações: derivados de petróleo, plásticos, papel, aeronaves, comida processada, veículos 
Dívida externa: 
USD 5,92 bilhões

Transporte

Ferrovias: 3.519 km (2005) 
Rodovias: 
62.479 km (3.749 km pavimentados) - (2004) 
Hidrovias: 
10.000 km (2005) 
Oleodutos:
 gás natural 4.860 km, óleo cru 2.475 km, derivados de petróleo 1.589 km (2006) 
Aeroportos:
 1.084 (16 com pistas pavimentadas) - (2006) 
Portos: 
Puerto Aguirre

Fonte: www.geocities.com

Bolívia

Depois de um período de 1 ano (1997) vivendo, estudando, trabalhando, e viajando pela Bolívia, em '99 já de volta à sociedade brasileira, com uma vida de universitário/estagiário de relações públicas, foi neste período que escrevi este texto, com as lembranças de minha vida, que era integrada a Bolívia. O texto tem uma linguagem ingênua e típica, unindo palavras que existem no português e no espanhol. Nunca antes publicado, este texto rodou somente em mãos de professores universitários, e amigos viajantes com destino à Bolívia. Confesso que muito do que está escrito, já havia fugido de minha memória, o social, o antrofágico, e o quanto andei por lá. Por mais que haja um certo deboche em certas partes do texto, as críticas não vão contra o país, e sim a um favoritismo para com ele. Viva Bolívia!

O CONHECIDO

País da América do Sul que se limita ao N e a E com o Brasil. Ocupa uma área de 1.098km² e sua população, no início da década de 1990, era estimulada em 7.322.000 de habitantes. A capital legal (Inka) é Sucre, mas a verdadeira sede é La Paz.

Geografia

Estrutura Geológica e Relevo

A região de Oriente, a N e E, compreendendo 3/5 do território boliviano, é formada por baixas planícies aluviais e grandes pântanos, sobrepostos ao antigo escudo cristalino brasileiro, que aflora em longos trechos. No extremo S fica o Chaco boliviano, pantanoso durante a estação chuvosa e semidesértico durante os meses restantes. A NE da bacia do lago Titicaca, erguem-se montanhas extremamente altas, algumas excedendo 6.300m, e que caem abruptamente sobre as planícies.

Os Andes atingem na Bolívia sua maior largura, dividindo-se em duas cadeias paralelas, a Oriental e a Ocidental, entre as quais se estende o Altiplano. A cordilheira Oriental é formada por maciços de argilitos, arenitos e quartzitos, ou seja região extremamente seca, árida. A cordilheira Ocidental consiste em uma série de vulcões, inativos ou extintos, e suas rochas compõem-se de vastas acumulações de lavas. O Altiplano é constituído, essencialmente, por uma longa depressão estrutural, cuja fossa mais importante é ocupada pelo lago Titicaca.

Hidrografia

Os rios pertencem a três sistemas distintos, o amazônico, o platino e o do Titicaca. Muitos lagos e lagoas, alguns grandes como o Rogoaguado; ocorrem nas planícies pantanosas ao longo dos rios Beni e Mamoré.

Os rios praticamente são escassos. Não há um sistema de saneamento básico e tratamento hidrográfico no país. A mesma água em que você faz suas necessidades higiênicas pode vir a voltar pela torneira que se lava a roupa. Tendo a falta de um sistema hidrográfico (hidroelétricas com barreiras), resulta em inundações por todo o país, causando maus odores pelo acúmulo das sujeiras que são jogadas nos rios.

Em março de 2000, o Governo Federal boliviano aumentou as taxas da água potável, resultando em um conflito nacional, principalmente em Cochabamba, sendo que não há água potável na Bolívia, a água potável existente é industrializada (vindo do Brasil ou Santa Cruz de La Sierra), aqueles que obtêm sucesso financeiro compram água em galões ou garrafas, e aqueles que não têm sucesso financeiro, geralmente adquirem doenças intestinais, entre outros problemas através da água.

Clima

Embora dentro da faixa tropical, a Bolívia apresenta uma graduação térmica que varia do calor equatorial das planícies até o frio ártico das montanhas mais altas.

A gradação térmica existente na Bolívia, causa sérios problemas á saúde. Imagine um clima onde há as quatro estações do ano em um dia. Na parte da manhã um frio ártico. Na parte da tarde é um calor tropical que, agride a pele pela proximidade dos raios solares (devido a altitude do país); e já anoitecendo começa a voltar o frio ártico, chegando na madrugada terríveis baixas temperaturas de zero graus.

Quase não há chuvas, clima seco, árido. E quando chove inunda tudo, normalmente na mesma época do ano que no Brasil — mês de março. Este clima predomina em quase toda parte do país, das cordilheiras às planícies de Santa Cruz. No Chaco é o mesmo fator causado pela barreira que a cordilheira estabelece na região, curvando os ventos, gerando o mesmo clima árido. A região aonde chove mais constantemente na Bolívia é a floresta Amazônica boliviana.

Climas como este é melhor se prevenir com lips stick (manteiga de cacau americana) nos lábios. Costumes regionais do masque da folha de coca, estabiliza a temperatura do corpo. Para as roupas utilitárias, é bom sempre carregar casacos consigo, pois onde não há penetração de raios solares, o clima tende a ser frio (salas de aula, escritórios, etc.). Para aqueles que não gostam do gosto da folha de coca, o conselho seria mascar chicletes á todo momento, isto desentope os ouvidos. Porém a boca seca não tem prevenção, resseca mesmo; a sensação é de estar bêbado a todo instante, aliás, não é aconselhável beber muita cerveja em altitudes elevadas.

O clima na cidade de La Paz, é pior que nas outras cidades da Bolívia.

É a cidade que tem a altitude mais elevada. Situa-se construída nas montanhas (ao contrário das outras que são construídas em vales), não contendo áreas planas na cidade, sua geografia é: sobe ou desce. Quando chove, o odor ruim vem á tona. A água que lava a cidade, corre cordilheira abaixo com o lixo.

O amanhecer nos Altiplanos é uma grande experiência para os amantes da natureza. O sol somente aparece quando já está alto, lá pelas oito horas da manhã; antes, das seis já é claro, só que ao invés dos raios do sol virem de cima para baixo, é de baixo para cima, e refletem na neve causando efeitos óticos lindos. Estes efeitos só podem ser vistos no sertão dos Altiplanos, onde não há poluição do ar.

Flora e Fauna

A fauna é bastante semelhante á brasileira, argentina e peruana. Entre os mamíferos, os mais importantes são a preguiça, o macaco, a onça, a jaguatirica, o tapir, a lhama, o tatu e as cobras. É abundante a quantidade de jacarés, lagartos, salamandras, a floresta que é um habitat favorável. A lhama é a besta de carga das áreas altiplanas, além de fornecer lã e carne.

A flora boliviana varia da rala vegetação ártica das cordilheiras até a luxuriante floresta tropical da bacia Amazônica. O planalto é, essencialmente, uma área de pastagens, que se elevam até os limites das neves. Duas espécies importantes da zona montanhosa são a cinchona, cuja casca extrai-se o quinino, e a coca, matéria-prima para a fabricação de cocaína.

Fato interessante nos Altiplanos é a falta de insetos voadores. Quase não há moscas. Há um pouco de pernilongos e borrachudos no anoitecer, pela quebra do clima que acontece das baixas gradações, mas no geral não há insetos voadores. Para compensar, há muitas formigas das grandes e cabeçudas em todo lugar.

Chegando nos perímetros da floresta Amazônica, já volta tudo ao normal que seria para um brasileiro, muitos insetos voadores. A fronteira da floresta Amazônica tem um clima tenso. A vigília das barreiras contém desde trincheiras até helicópteros que rondam soltando bombas de efeito moral e de fumaça colorida. Os soldados não são muito gentis com os viajantes que passam por ali. Sua bagagem não é revistada normalmente (abre-se a mala e fuça, fuça), os soldados retiram as bagagens e empilham no chão e são perfuradas com uma barra grossa de ferro, rasgando tudo o quando passa. Este clima há pelo fato da floresta Amazônica ser comandada pelos narcotraficantes, que refinam a cocaína dentro da floresta.

População

A população boliviana é de intensa mestiçagem, embora o censo nacional estabeleça classificações de branco, cholo e índio. O termo branco refere-se aos ascendentes europeus, e aqueles que graça a situação econômica situam-se na classe superior; o grupo dos cholos compreende-se os mestiços de branco e índio, além dos índios que tenham dominado o espanhol (cuja o idioma é o quíchua indígena), e obteve alguma situação de ofício elevada, abandonado os costumes nativos. Os agrupamentos indígenas mais importantes são os dos aimarás e quíchuas.

A densidade demográfica é baixa: 6,7 hab/km². A população concentra-se em vales e planaltos andinos.

Nos ofícios existentes do censo nacional, são três classificações. Mas na real são duas, os Cambas e os Colhos.

A história é a seguinte: os colhos são descendentes diretos dos Inkas, que vieram dos Tiwanakus, civilização esta que já existia na região; os cambas são a mistura com outros índios tropicais, e que acabaram migrando para o sul do país, na área de Santa Cruz de La Sierra. Portanto, quem mora ao sul da Bolívia, fora das cordilheiras são cambas, e quem mora nas cordilheiras são colhos. Ambos rivais saudáveis.

Os 'brancos', descendentes de europeus aderem a esta rivalidade, gerando muito preconceito nos hábitos do povo, tanto que, nesta rivalidade entre eles, como para com os estrangeiros que por ali chegam ou passam. Há lugares na Bolívia que não aceitam a presença de brasileiros como por exemplo, restaurantes, boates, escolas, faculdades, etc. Também há lugares que não aceitam a presença de americanos, franceses, e claro, os negros são afetados nesse preconceito. Já os orientais são aceitos, pela existência em massa na região.

Nesta classificação das massas existentes na Bolívia, constata-se fatos de culturas interessantes por lá imigradas, como os russos, os checos e os cubanos.

Economia

Situados no coração do hemisfério Ocidental, os minerais bolivianos, principalmente o estanho, são considerados de importância estratégica. O estanho, tradicional produto de exportação, é responsável por cerca de um terço da receita obtida com o comércio exterior. Em primeiro lugar vem o gás natural. Apesar disso, é a agricultura que emprega a metade da força trabalhadora do país. A criação animal e as grandes florestas da Bolívia são os recursos agrícolas mais significativos, como por exemplo a batata, milho, arroz, trigo, açúcar, algodão e o café. Além do estanho, há também grandes reservas de zinco, cobre, chumbo, tungstênio, antimônio, prata e ouro.

De La Paz partem três ferrovias para portos do Pacífico: a Arica, a Antofagasta e a Guaqui. Outras ferrovias ligam Santa Cruz a Corumbá (MS), e a Yacuiba na fronteira argentina. As rodovias pavimentadas mais importantes são as que ligam La Paz a Oruro, Cochabamba e Santa Cruz. Há também os transportes aéreos que obtém conexões nacionais e internacionais.

Há certas verdades boas sobre a evolução econômica na Bolívia, uma delas são os transportes. A parte rodoviária cresce em grande alvoroço no país com a ajuda das indústrias Toyota e Honda, que investem dentro do país viabilizando um acesso fácil para as massas.

Ônibus para viagens são ótimos, realmente confortáveis, contendo televisões (de duas a três no corredor) com exibições de filmes 'piratas' lançamento, filmes que até não passam nos cinemas por lá, chegam antes na pirataria. Os ônibus contêm refrigeração interna. O 'serviço do bordo' há que se pagar pelo consumo das comidas típicas da região.

Há uma bebida chamada chicha que, caso aconteça de algum nativo lhe oferecer chicha de graça, aceite! Isto simboliza receptividade, o nativo 'foi com a sua cara', portanto não recuse a bebida. E beba até o último gole que existir no copo, pois o nativo conferirá depois.

Mas voltando aos ônibus, o melhor de todo este conforto, são os preços populares que variam desde B$18 á B$30 bolivianos, cotando no Real, moeda brasileira, saem mais ou menos uns R$5 á R$10 reais. O ruim de viajar de ônibus são as carreteiras (estradas). Há poucas pavimentadas no país, e no geral, elas correm as velhas trilhas Inkas, rodeando as cordilheiras, sentido parafuso, de um lado o paredão das montanhas e do outro um 'belíssimo' abismo. Há partes planas nas cordilheiras, onde se avistam geleiras encantadoras nos picos das montanhas e também as vastas plantações de folha de coca, são imensas. Conforme o censo nacional, são mais de 70.000 hectares ilegais existentes no país, com uma renda de mais de U$2 bilhões por ano. As plantações existentes quando se avista de longe ou na beira da estrada, são parecidas com plantações de soja. Para quem quer viajar e não se importa com conforto, há também ônibus mais baratos, desde microônibus até os mais antigos sem muita segurança, estes ônibus são muito usados pela população carente, que ligam vilarejos afastados ao centro urbano, percurso este que as linhas maiores não fazem.

Para quem dispõem de tempo para conhecer o país, é aconselhável que saindo da fronteira, em Corumbá, tome-se um trem até Santa Cruz, passe um dia ou dois na cidade para conhecer os pontos turísticos, e siga de ônibus intercalando Cochabamba a La Paz.

Os trens são um pouco caro, pois é em dólar, variando entre U$27 a U$60 dólares, um 1/3 do preço da passagem de avião para quem sai do Brasil pela fronteira. É muito mais confortável que de avião, e mais seguro que ir de ônibus. Nos trens há 2 classes, a econômica e a premier. Na econômica as cadeiras são de madeiras em conjunto, no corredor empilham bagagens que vão desde sacos enormes de sementes e seiva, até animais como porcos e galinhas. 'Ai' de você se pisar em algum saco ou chutar algum dos bichos. Esta cena típica encontrada também nos ônibus citados que vão á vilarejos. A classe premier tem ar condicionado, assentos com cama e semi-cama, vídeo e música ambiental, são incluídas refeições com o serviço do bar, banheiros, enfim. As linhas para quem sai de Corumbá ou Puerto Quijarro, são na quarta-feira e domingo, às 18h chegando em Santa Cruz às 8h20. Importante se informar sobre os horários, que geralmente são únicos, sem muitas linhas a disposição.

Interessante são as arquiteturas existentes no país, muitos contrastes que vão desde as casas feitas de barro, neoclássicas, e barrocas. Muitas casas tem em sua estrutura feita ao redor de um jardim de inverno, no geral, sobrados enormes de 2 a 3 andares. O estilo moderno aparece gritante ao meio das esculturas inkas espalhadas pelas ruas, os prédios belíssimos feitos com estrutura recoberta de vidros, com curvas incompreensíveis. Encontra-se também em beiras de estradas ou no meio do vão das cordilheiras, muros empilhados de pedras, costume dos colhos, onde oferecem pedidos feitos á Nossa Senhora de Copacabana, e conforme é a largura do muro é soma dos pedidos que variam entre saúde e o amor.

As praças graciosas, que ao seu redor, misturada aos prédios modernos, estão igrejas barrocas, contendo uma figuração interna com misturas inka. Muito comum nas cidades bolivianas. Estas praças são palcos de conflitos entre o Governo e o Povo. Nestes conflitos comuns, é aconselhável os estrangeiros ficarem bem longe do conflito. A pena para um estrangeiro pego em conflito político é ser deportado de volta para seu país de origem com antecedente criminal político.

As canchas ou as feiras livres, são constantes — 24h. Nelas encontra-se de tudo um pouco, materiais de qualidade, e até peças raras como esculturas Inkas sendo vendidas por mixarias. Materiais de utensílios pessoais, moda, materiais de construção, acessórios de carro, e bebidas. De tudo se acha nestas feiras, produtos de qualidade originais podem ser encontrados, não há somente os produtos piratarias ou falsificados nas feiras, isso é mito. O pior das feiras livres é a falta de higiene para com o manuseio das comidas. Pratos como pernil de porco tanto cru como cozido são expostos ao ar livre.

Há um costume do povo boliviano em relação ao dinheiro, é muito importante que se aprenda: o dinheiro não se deve dobrar do lado da 'cara', e sim do lado da 'coroa'. Acreditam que a nota dobrada ao 'inverso para eles' (do lado da 'cara'), é dinheiro falsificado. O dólar também, mas não se deve dobrar o dólar, e sim enrolar em 'tubinhos' do lado da 'coroa'.

Mais uma história interessante sobre a economia, é a história do Rei do Estanho - o Senhor Patiño. Se o nome é familiar, não por acaso Wall Disney se inspirou neste homem descobridor das minas de estanho na Bolívia. Patiño que já foi o homem mais rico do mundo, quando exilado nos Estados Unidos, conheceu Wall Disney, e em sua homenagem Wall Disney criou o Tio Patinhas. De tanta riqueza que este homem continha, o Governo boliviano o perseguiu até retirar boa parte de suas terras, onde estavam as minas de estanho, por isso seu exílio nos Estados Unidos. Em sua casa, aberta para visitas, contém uma mistura de estilos em sua decoração — nas paredes interiores, há afrescos enormes; no chão há mosaicos de cerâmica; na fachada da casa, há anjos esculpidos em gesso, e por volta da casa, seguem outros detalhes em gesso; os quartos, há um para cada membro da família, inclusive, o sr. Patiño dormia separado de sua mulher; engraçado, não há banheiro nos quartos e nem na casa, são separados da casa; a biblioteca particular também é separada da casa, obtém quase o mesmo tamanho da casa para abrigar a grande quantidade de livros; há um salão de jogos, sala chamada de árabe, pois têm a decoração em detalhes árabes, nela há somente uma mesa de bilhar (sem buracos), esta sala também era usada para sala de fumo; na sala de jantar, há um tapete bordado á mão, de cinco por sete metros, conta a lenda que fora feito por Miguelangelo e seus ajudantes, modelo original; as escadarias ornamentadas, com estátuas de todos os deuses mitológicos sob o andaime; nos corredores nas paredes há espelhos enormes, incluso no teto, criando dimensões infinitas; enfim a casa é bela, belíssima!

Entre as seções existentes no Centro Cultural, estão: uma Biblioteca de Referência — com mais de 70.000 livros \ uma Biblioteca Popular \ Centro de Arte Boliviana Contemporâneo — exposições de artes plásticas do século XX \ Centro de Literatura Boliviana Contemporânea — produção bibliográfica dos gêneros narrativos e poesias desde 1935 \ Centro de Ecologia \ Centro de Pediatria \ Centro de Investigação Fitocogenéticas \ e muitas outras.

Governo — Executivo, Legislativo e Judiciário

A Bolívia é um república presidencialista unitária. O presidente da República é o chefe executivo, eleito por quatro anos, pelo voto direto, ou pelo Congresso, se nenhum candidato alcançar a maioria absoluta; um ministério pelo presidente é nomeado. O legislativo é exercido pelo Senado, que compreende a vinte e sete membros (três para cada departamento), e pela Câmara dos Deputados, de cento e trinta membros, todos eleitos por mandatos de quatro anos. O judiciário compreende o Supremo Tribunal, com sede em Sucre, tribunais distritais e secundários.

A quantidade de soldados existentes nas cidades de La Paz, Sucre, Oruro e Cochabamba é impressionante. O policiamento nas ruas são feitos pelos soldados, são como nos bairros militares brasileiros, há dois soldados para cada quatro quadras dos bairros. A segurança é aplicada na Bolívia, índice de criminalidade urbana é quase zero, o problema vem da floresta, onde os traficantes se abrigam para o refinamento da coca.

Detalhe, nas eleições bolivianas não há a sujeira de papéis e a poluição sonora de palanques, tudo é na maior limpeza, não se vê cartazes grudados em postes ou muros. As formas encontradas por eles são bandeiras penduradas nas casas do partido devoto. Porém propaganda eleitoral na televisão é como em todo país — massiva e chata.

Sujeira mesmo, é o que as cholas fazem na rua, têm o costume de defecarem nas calçadas. Parece normal, porque é discreto, a chola agacha-se, transparecendo que está sentada, seus longos vestidos cobrem e disfarçam todo o movimento. E fazem ali suas necessidades, depois levantam e saem.

Educação e Saúde

A educação é dividida em três categorias — primária, secundária e universitária, e é em sua maior parte fornecida pelo Estado, embora as instituições privadas não sejam proibidas.

Apesar do índice de analfabetismo na Bolívia ser estimado em 40%, o ensino público é o melhor, e de fácil acesso. Na faculdade particular, é chegar, escolher o curso e entrar, já na faculdade federal há uma espécie de vestibular, só que é em formato de um curso anual, onde se faz de três á quatro exames para alcançar pontos necessários para entrar na faculdade, mas não há como não passar nestas provas. É só estudar o que é aplicado no curso da própria faculdade.

O DESCONHECIDO

Como diria o velho Código de Ética que, ao escrever de um país, o escritor deve pelo menos ter vivido neste local. Por isto nos textos a seguir, partem visões próprias de vivências do autor em um período exatamente de estadia estudantil e trabalhista.

A capital legal (Inka), que seria Sucre, na década de 30 até o começo dos anos 60, era muito conhecida por seus Casinos no mundo todo. Vinham grandes ricaços, pessoas normais de classe média para gastar toda sua renda familiar, assim contam entusiasmados os bolivianos quando falam de Sucre. Com a caída militar na Revolução de 52, estimulou para entrada dos moldes políticos americanos no país, levando a capital para La Paz e o declínio de Sucre com o fechamento dos Casinos.

Estrutura Geológica e Relevo

Há um vilarejo perto de Cochabamba, á uns 100km ao N, chamado Sipe Sipe (que não consta no mapa), onde situa-se um enorme vulcão, ativo. Documentos constam que não há vulcões ativos na Bolívia, mas este está. No local há uma equipe européia de profissionais franceses, ingleses e alemães que estudam os abalos do vulcão. O vilarejo de Sipe Sipe treme constantemente, as paredes das casas do local, são rachadas, inclusive o chão.

O vulcão é aproveitado por turistas para a visitação, há guias que levam até a boca do vulcão, em uma caminhada que leva em torno de 1h20 sobre rochas vulcânicas.

O Chaco (pantanal) boliviano não há turismo local. Conta a lenda que na Guerra do Chaco quando os bolivianos já sem soldados, colocaram suas crianças na linha de frente, e cruelmente os paraguaios a mutilaram; as almas destas crianças mortas assombram o Chaco boliviano, afugentando quaisquer tipo de turismo na região.

As cordilheiras, bem..., estas fazem 'jus' á todo tipo de história já contada. Uma região rica em belezas naturais tanto a do Oriente como a Ocidental. O lago Titicaca, o principal acumulador de muitas histórias fantásticas, histórias tais como a que o lago teria uma profundidade tal que, chega ao centro da terra, esta mesma história aparece no livro de Júlio Verne — "Viagem ao centro da terra", em que dois aventureiros adentram em uma gruta de uma cratera vulcânica, e no curso da viajem atravessam um lago e saem do outro lado do planeta.

Outra história do lago é que talvez exista no fundo do lago uma cidadela perdida, esta cidadela seria a civilização mais antiga da terra. Fato real esta história, pelo menos para os arqueólogos que trabalham na área tentam descobrir isto. Em expedições feitas no lago, já foram encontradas muitas peças de tapeçarias e esculturas sem cultura datadas. Estas peças podem ser encontradas expostas no Museu Nacional de Arqueologia de La Paz.

Há também perto do lago Titicaca, estações de esqui e a Porta do Sol, onde acontece todo ano a festa do Sol, acontecimento raro anual do alinhamento dos raios solares nas três pedras da Porta do Sol (uma pedra de frente a porta e duas ao fundo), refletindo um fecho de luz que atravessa a porta do Sol. Este monumento foi construído pelos Yamparas, á 1.400 anos antes de Cristo.

Outros lugares encantadores para visitação, incluídos em pacotes turísticos, como a Rota de Che Guevara (nas cidades de La Higuiera e ValleGrande [a lavanderia]), Parque Nacional Amboro, Missiões de Chiquitos, e Samaipata. Todos estes lugares, são válidos a partir do momento em que está em Santa Cruz.

Para visitar todos, levaria em torno de 5 dias, conhecendo bem todos eles.

Fonte: br.geocities.com

Bolívia

Capital: Sucre

População: 8.8 (2003), 15.7 (2050)

Superfície: 1.098.581 km²

Geografia e Ambiente

Localização e coordenadas geográficas: Situada na zona sul do Continente Americano, a Noroeste do Brasil, entre os meridianos 57º 26´ e 69º 38´ de longitude ocidental do meridiano de Greenwich e os paralelos 9º 38´ e 22º 53´ de latitude sul.

Superfície: 1.098.581 km².

Fronteiras: A Bolívia tem uma linha contínua de fronteira terrestre de 6.734 km, fazendo fronteira com cinco países do Continente Americano, a República Argentina com 832 km, a República Federativa do Brasil com 3.400 km, a República do Chile com 861 km, a República do Paraguai com 750 km e a República do Peru com 900 km.

Descrição física do território e clima: A Bolívia é um país interior, sendo aliás o único da América do Sul sem ligação ao mar (perdendo essa ligação para o Chile na Guerra do Pacífico, que se realizou entre 1879 e 1884).

Pode-se dividir em quatro regiões naturais: O Planalto, entre os dois ramos da Cordilheira dos Andes, o Ocidental e o Central e Oriental (estes já dentro da Bolívia), tem uma altitude média entre os 2.000 e os 5.000 metros acima do mar. É caracterizado pelo seu clima seco e frio.

Os Andes Centrais e Orientais possuem altitudes que variam entre os 2.000 e os 5.500 metros, com vales profundos e uma vegetação que varia entre densa nas encostas mais baixas e escassa nos picos.

Esta zona é escassamente habitada e tem uma grande amplitude térmica diária, sendo o clima frio, húmido nas encostas mais baixas e vales, e seco nos altos.

As encostas Orientais da Cordilheira dos Andes, com as Yungas e vales, têm altitudes mais baixas, sendo uma zona subtropical, com clima húmido e mais quente, e tendo uma grande densidade populacional, já que é a principal zona agrícola da Bolívia, onde se produz a maioria das suas culturas. Os Planos ou Llanos, formam as planícies tropicais de leste-norte, as regiões de floresta na zona leste-sul, e savana nas zonas centro-leste e norte.

Estas zonas caracterizam-se por ter uma criação extensiva de gado bovino. Devido às zonas alagadas, pântanos ou bañados, existe uma cultura intensiva de arroz, milho e cana-de-açúcar. O clima tropical influenciado pela Floresta Amazônica é húmido e quente.

Bolívia
Yungas da Bolívia

Rede Hidrográfica: A Bolívia tem uma extensa rede hidrográfica de lagos e lagoas. Um dos maiores lagos do Mundo, e o maior da América Latina, o Titicaca, fica na sua grande parte em território boliviano, no centro-oeste do país.

O Poopó, o segundo maior do país e o de Coiposa a sudoeste, o Concepcion, Santa Rosa e de Los Vitiones a sueste, o Huachi, o San Luis, o Rogoaguado, o Huatunas, o Rodagua e o Yusala a noroeste, são exemplos da extensa lista de lagos e lagoas pertencentes a este país.

Em termos de rios podemos definir quatro zonas hidrográficas: os que são afluentes do Rio Guaporé (que nasce no Brasil) e correm de sul para norte, como os Rios San Martin, San Joaquím, Blanco e Itonamas; aqueles que correm para o Amazonas através do Rio Madeira, dos quais se destacam o Rio Abunã, o Rio Ortho, Rio Madre de Dios, o Rio Guaporé, e os Rios Béni e Mamoré (os dois maiores do país); os rios que correm na zona sueste dos Llanos e dão origem aos Bañados, como o San Miguel, o Santa Bárbara, o San Rafael, o Outuquis (que dá origem aos Bañados de Outiquis), o Parapeti e Quimome (que dão origem aos Bañados do Izozod, os maiores do país); e por último, os Rios que correm de Norte para sul acompanhando as Cordilheiras Andinas e o Planalto, destacando-se o Rio Desaguadero (que liga os Lagos Titikaka e Popoó), e o Rio Pilcomayo, com o seu afluente Pilaya.

Elevações: A Bolívia é bastante montanhosa, sendo o seu ponto mais alto o Nevado Sajama, que se situa a 6.542 m de altura, na zona centro-oeste do país, e que fica a escassos quilómetros da fronteira chilena.

Podemos destacar outros picos com alturas superiores a 5.000 m, como o Cerro Nuevo Mundo com 6.020 m e o Cerro Soniquera com 5.855 m, na Cordilheira de Lipez.. O Cerro Caltama com 5.348 m e o Cerro Tunapa com 5.321 m, na zona de Salar ou Pântano de Uyuni. O Cerro de Huanchaca com 5.950 m, o Cerro de Tazna com 5.805m, o Chorolque com 5.614 m, o Cerro Morococala com 5.383 m e o Cerro Azanaques com 5.133 m, na Cordilheira Central dos Andes. Por fim o El Juno a 5.070m, na Cordilheira Oriental dos Andes.

Catástrofes naturais: Nas zonas alagadas ou Llanos existem cheias frequentes em Março e Abril, a altura dos degelos andinos.

Problemas ambientais: O desbaste de terras através de queimadas para fins agrícolas, e a desflorestação para fins de aproveitamento da madeira tropical, seja para exportação ou para indústria imobiliária, aliados ao pouco cuidado na gestão dos mesmos recursos, faz com que sejam os problemas que mais afetam a zona oeste-sul da Selva Amazônica, que se encontra na Bolívia.

Através de métodos artesanais de aproveitamento do cultivo do solo, com queimadas, cultivo intensivo e posterior abandono do terreno, aumenta-se a erosão e a desertificação dos solos, pois os solos tropicais e subtropicais não são ricos, mas sim a biomassa que os compõem. A baixa biodiversidade, problema que as autoridades tentam combater com algum sucesso em algumas zonas, já que foram criados os parques Nacionais, como os da Bacia do Manuripi e o Parque Natural do Huachanca.

A poluição industrial provocada pelas indústrias ao pé das grandes cidades, nomeadamente La Paz, El Alto e Oruro e a falta de cuidado no tratamento dos esgotos urbanos, fez aumentar a poluição dos rios e lagos, fazendo com que o uso da água pelas populações, tanto na agricultura como no consumo próprio, seja perigoso.

Acordos Internacionais Ambientais: Tratado da Biodiversidade; Tratado para a proteção das Mudanças Climáticas; Protocolo de Kyoto para as Mudanças Climáticas; Tratado para suster a desertificação; Tratado que protege as espécies em vias de extinção; Tratado do Mar; Tratado contra a Poluição Marítima; Tratado de Proibição dos Testes Nucleares; Tratado da Poluição dos Navios; Tratados de 1983 e 1994 para proteção da Madeira Tropical.

Cultura e Sociedade

Língua oficial: Espanhol.

Línguas e idiomas: A língua oficial espanhola é falada por toda a população, havendo uma grande percentagem de falantes do Quechua (cerca de 25% da população fala o dialeto do sul da Bolívia, e 1,5% da população fala o dialeto do norte da Bolívia) e do Aimará (cerca de 15% da população), sendo estas três, as línguas oficiais do país.

De entre as 23 restantes línguas nativas existentes, o Chiquitano, o Guarani do Este da Bolívia, o Guarayu, o Tsimané, o Guarani do Oeste da Bolívia e o Trinitário, por ordem decrescente, são as mais faladas. O Plautdietsch falado pelos cerca de 30.000 Uteristas (Filosofia religiosa de vida e de culto protestante ligada à Bíblia e de origem do sul da Alemanha), constituindo também uma minoria linguística significativa.

Taxa de literacia: 83% da população com idade de 15 anos ou superior sabe ler e escrever.

População: 8.700.000 habitantes (estimativa do PNUD da ONU para 2002).

Densidade populacional: 7 habitantes por km².

Cidades mais populosas: La Paz com 1.033.000 habitantes (1993), Santa Cruz com 767.260 habitantes (1993), Cochabamba com 448.756 habitantes, El Alto com 446.189 habitantes, Oruro com 201.831 habitantes, Sucre com 130.952 (dados de 1992) e Potosí com 130.000 habitantes são as cidades mais populosas da Bolívia.

Estrutura etária e Rácio de comparação sexual: Abaixo dos 14 anos, existe cerca de 37.8% da população, havendo 1.04 homens por cada mulher; dos 15 aos 64 anos cerca de 57.7 % da população, havendo 0.96 homem por cada mulher; acima dos 65 anos cerca de 4.5 % da população, havendo 0.82 homens por cada mulher. No total da população há 0.98 homens por cada mulher (estimativas de 2002).

Crescimento natural anual: 1.69% (estimativa de 2002).

Taxa de natalidade: 26.41 nascimentos por 1.000 habitantes (estimativa de 2002).

Taxa de mortalidade: 8.05 mortes por 1.000 habitantes (estimativa de 2002).

Taxa de mortalidade Infantil: 57.52 mortes por 1.000 nados vivos (estimativa de 2002).

Taxa de expectativa de vida: 61.86 anos para os homens e 67.1 anos para as mulheres (estimativas de 2002).

Religião: Cerca de 85% da população declara-se católica. Entre 50% a 60% da população professa a religião católica de forma praticante, 11% são protestantes evangélicos e metodistas declarados, e 4% professa outras religiões, incluindo ritos índios animistas.

Política e Governo

Independência: Desde o dia 6 de Agosto de 1825, libertando-se da conquista, ocupação e colonização de Espanha.

Nome oficial: República de Bolívia.

Capital: Sucre (Capital Constitucional e sede dos órgãos supremos judiciais);
La Paz (Sede do Governo).

Constituição: Realizada em 1947, sendo revista 3 vezes: em Fevereiro de 1967, em 1974, sendo a última aprovada em Agosto de 1994.

Caracterização generalista do sistema legal: Baseado na lei civil europeia e no sistema comum de direito europeu continental.

Divisões administrativas: 9 Departamentos – Chuquisaca, Cochabamba, Bení, La Paz., Oruru, Pando, Potosí, Santa Cruz e Tarija.

Feriados nacionais: 6 de Agosto – Dia da Independência.

Tipo de governo: República Presidencial com forte pendor presidencialista, e com muito pouca descentralização interna.

Sufrágio: A partir dos 18 anos, para os casados, sendo universal e obrigatório. A partir dos 21 anos, para os solteiros, sendo universal e obrigatório.

Poder executivo: Composto no governo central por um Presidente, que é simultaneamente chefe de estado e de governo, e um Vice-Presidente que escolhem o restante gabinete, eleitos universalmente na primeira volta, sendo eleitos em segunda volta pelo Congresso Nacional, por um período de cinco anos.

Poder legislativo: Congresso Nacional bicameral. A Câmara de Senadores é composta por 27 Senadores, sendo os seus membros eleitos nacionalmente, de forma proporcional por um mandato de 5 anos.

As últimas eleições realizadas a 30 de Junho de 2002, atribuíram 11 senadores para a coligação entre o Movimiento Nacionalista Revolucionário e o Movimiento Bolívia Livre, 7 Movimiento Al Socialismo, 5 senadores para o Movimiento Izquierda Revolucionária, 2 senadores para a Accion Democrática Nacionalista e 2 para a Nueva Fuerza Republicana.

A Câmara dos Deputados da Nação é composta por 130 deputados, sendo eleitos os seus membros nacionalmente, de forma proporcional, para um mandato de 5 anos. As últimas eleições realizadas em 30 de Junho de 2002, atribuíram deputados 36 deputados para a coligação entre o Movimiento Nacionalista Revolucionário e o Movimiento Bolívia Livre, 27 deputados para o Movimiento Al Socialismo, 26 deputados para o Movimiento Izquierda Revolucionária, 25 deputados para a Nueva Fuerza Republicana, 6 deputados para o Movimiento Indigena Pachakuti, 5 deputados para a Unión Cívica Solidaridad, 4 para a Accion Democrática Nacionalista e 1 deputado para o Partido Socialista.

Poder Judicial: Tribunal Supremo ou “Corte Suprema”, sendo os 12 juízes apontados para um período de 10 anos, pelo Congresso Nacional. Existem 9 tribunais de Distrito (um por cada um) e tribunais locais e provinciais para julgar casos menores.

Participação em Organizações Internacionais: Comunidade Andina; Concelho de Cooperação de Alfandegas; Comissão Econômica da O.N.U. para a América Latina e as Caraíbas; Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura; Grupo dos 11 ou Fórum das Nações mais devedoras da América Latina; Grupo dos 77 da O.N.U.; Branco Inter-Americano de Desenvolvimento; Agência Internacional de Energia Atómica; Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento; Organização de Aviação Civil Internacional; Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho; Associação Internacional de Desenvolvimento; Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola, Sociedade Financeira Internacional; Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho; Organização Internacional do Trabalho; Fundo Monetário Internacional; Organização Marítima Internacional, Intelsat; Organização Internacional de Polícia Criminal; Comité Olímpico Internacional; Organização Internacional das Migrações; União Internacional das Telecomunicações; Sistema Econômica Latino Americano; Associação de Integração Latino Americana; Estado Associado do Mercado Comum do Sul; Missão da Nações Unidas na República Democrática do Congo; Movimento dos Não Alinhados; Organização dos Estados Americanos; Agência para a Proibição das Armas Nucleares na América Latina e do Caribe; Organização para a Proibição das Armas Químicas; Tribunal Permanente de Arbitragem; Grupo do Rio; Organização das Nações Unidas; Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento; Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência, Educação e Saúde; Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial; Missão de Administração Interina da O.N.U. no Kosovo; União Postal Universal; Confederação Mundial do Trabalho; Federação Internacional de Uniões Comerciais; Organização Mundial de Saúde; Organização Mundial da Propriedade Intelectual; Organização Meteorologia Mundial; Organização Mundial do Turismo; Organização Mundial do Comércio.

Economia

Recursos Naturais: ouro, prata, estanho (segundo maior produtor mundial), petróleo, zinco, chumbo, cobre, tungsténio, ferro e gás natural.
Uso da Terra: 
2% da terra é arada, sendo que 1% tem colheitas permanentes; 24% da terra tem pastos permanentes; 53% são explorações florestais; 21% enquadram-se adstritos a outros usos indiferenciados (estimativas para 1993).
Principais produtos agrícolas: 
gado bovino, café, cacau, arroz, milho, cana-de-açúcar e banana (2000).
Terra Irrigada: 
1.750 km² (estimativas para 1993).
P.N.B. per capita: 
2.600 USD (1997).
Taxa de crescimento médio anual do P.N.B.:
 2% (entre o período de 1990 a 1997).
Produto Interno Bruto: 
7.977.000.000 de USD (1997).
Crescimento médio anual do P.I.B.: 
4,1% (entre o período de 1990 a 1997).
Estrutura da Produção: 
Agricultura – 16,3%; Indústria – 32,9%; Serviços – 50,8% (1997).
Estrutura da Procura:
 Consumo Público – 15,2%; Consumo Privado – 74,8%; Investimento Bruto – 18,7%; Poupança Bruta – 10,1%; Exportações – 20,6% (1997).

Transportes, Comunicações e Multimédia

Extensão dos caminhos-de-ferro: 3.691 km (1995).
Extensão e tipo de estradas: 
Total da extensão – 49.400 km; Pavimentadas – 2.500 km das quais 30 km de Auto-Estradas; Não pavimentadas – 46.900 km (1996).
Cursos de água navegáveis: 
10.000 km (2000).
Extensão e tipo de gasodutos e oleodutos:
 1.800 km dos quais são 1.649 km para Gás Natural, e 580 km para petróleo e outros produtos petrolíferos (2000).
Portos, cais e marinas: 
Não tem (país interior) no entanto a Bolívia tem acordos de livre acostagem em Portos na Argentina, Brasil, Chile e Paraguai (2000).
Marinha Mercante: 
42 barcos igual ou acima de 1.000 G.R.T. (20 de carga, 10 petroleiros, 5 de Volumes, 3 de transporte de químicos, 3 porta cabos e 1 de recipiente); Total de tonelagem de 141.017 GRT/211.058 DWT (estimativa de 2000).
Número e tipo de aeroportos, aeródromos e pistas de aviação locais: 
13 aeroportos com pistas pavimentadas, sendo que 4 tem pistas pavimentadas com comprimento acima dos 3.047 m, 3 pistas pavimentadas com comprimento entre os 2.438 m e os 3.047 m, 4 pistas pavimentadas com comprimento entre os 1.524 m e os 2437 m, 2 de pistas pavimentadas com comprimento entre os 914 m e os 1523 m e nenhum de pistas pavimentadas abaixo dos 914 m; 1.080 aeroportos com pistas não pavimentadas, sendo que nenhum tem pistas não pavimentadas com comprimento acima dos 3.047 m, 3 pistas não pavimentadas com comprimento entre os 2.438 m e os 3.047 m, 65 pistas não pavimentadas com comprimento entre os 1.524 m e os 2437 m, 212 de pistas não pavimentadas com comprimento entre os 914 m e os 1523 m e 800 de pistas não pavimentadas abaixo dos 914 m (estimativa de 2000).
Número de linhas telefônicas em uso: 
327.600 (1996).
Número de telefones móveis: 
116.000 (1997).
Indicativo internacional de telefone e fax: 
00591.
Número e tipo de jornais: 
11 jornais diários (1997).
Tiragem média dos jornais: 
55 exemplares por 1000 habitantes (1997).
Número e tipo de estações de rádio: 
321 estações de rádio transmitindo 171 em A.M., 73 em FM e 77 em onda curta (1999).
Número de aparelhos de rádio:
 5.250.000 (1997).
Número de estações de televisão:
 48 (1997).
Número de televisores: 
900.000 (1997).
Número de fornecedores de acesso à internet: 
9 (2000).
Número de utilizadores de internet: 
35.000 (2000).
Domínio internacional da internet: .
bo

Fonte: www.geolingua.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal