Breaking News
Home / Biografias / Romances de uma Velha

Romances de uma Velha

Joaquim Manuel de Macedo

PERSONAGENS

PUBLICIDADE

VIOLANTE PORFÍRIO CLEMÊNCIA AUGUSTO IRENE LEOPOLDO ACROBATA POLIDORO BRAZ LAURIANO CASIMIRO TIMÓTEO MÁRIO Criado Multidão – concurso de senhoras e cavalheiros.

A ação da comédia se passa na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1869.

ATO I Chácara em um dos arrabaldes da cidade do Rio de Janeiro: Jardim espaçoso, que parece estender-se para o lado direito, onde fica em meio elegante casa, de que aparece a varanda de colunas e com escada para o jardim; ao lado esquerdo, gradil e portão de ferro, que abre para a rua; bancos de relva; perto do portão, cadeiras rústicas.

CENA I VIOLANTE, em luto aliviado trajando decentemente, mas fora da moda, e trazendo touca a antiga e óculos fixos; BRAZ, vestido com igual decência, mas sem pretensões a elegância. Vem ambos conversando para o lado do portão; logo depois CASIMIRO, no maior apuro da moda, de luvas e bengalinha, desce da varanda.

VIOLANTE – No outro tempo não era assim! por fim de contas tudo está mudado.

BRAZ – Tudo, madrinha; e para no-lo provar basta um espelho et coetera.

(Sentam-se) Como Casimiro vem chic! VIOLANTE (A Casimiro e depois de benzer-se) Estás de ponto em branco, e trazes uma gravatinha que te assenta, como a minha touca assentaria na cabeça de tua filha.

CASIMIRO – Vou dar um curto passeio e volto já para tomar café.

VIOLANTE – Vais ver a nossa vizinha? para velho tens bom gosto; mas Deus te perdoe a intenção.

BRAZ – Não apoquente o rapaz, madrinha! anda, Casimiro, aproveita a mocidade.

CASIMIRO – Também tu?…

BRAZ – Defendo a nossa causa; nascemos no mesmo ano, quando o Brasil 2 subiu a reino, descemos ou nos fizeram descer para este vale de lágrimas: 1815! meio século e mais quatro anos só! é a estação das flores! Vai ver a bela vizinha, rapaz.

VIOLANTE – Por fim de contas das três uma: ou namoras por vaidade, ou queres casar, ou pretendes seduzir.

CASIMIRO – Escolha à sua vontade qualquer das hipóteses.

BRAZ – Que suave condescendência! ouviu, madrinha? ele está por tudo; aceita a linda vizinha em todas as hipóteses.

VIOLANTE – Se namoras por vaidade, cais em cheio no grotesco: um velho namorando uma menina, o inverno rendendo finezas à primavera, é como…

BRAZ – É como um general brincando com bonecas, e um frade barbadinho dançando a polca… entretenimentos inocentes…

CASIMIRO – Então casa-me? VIOLANTE – Viúvo, com dois filhos, e tendo cinqüenta e quatro anos, se casasses com uma menina de dezoito, merecerias que a própria noiva no fim de poucos meses te desse de palmatória.

BRAZ – Et coetera, madrinha, et coetera.

CASIMIRO – Resta a sedução: arvore-me em Fanblau ou em Casanova.

VIOLANTE – É nos casasvelhas que a sedução se mostra mais perversa e imperdoável. Por fim de contas, Casimiro, toma cuidado: quem tem telhado de vidro, não atira pedradas.

CASIMIRO – Não a entendo.

BRAZ – Nem pode entender: pois se a madrinha está falando em português! VIOLANTE – Lembra-te de Clemência, que também é donzela e pobre.

CASIMIRO – Mas, graças a meus desvelos, perfeitamente educada. É capaz de pô-lo em dúvida? VIOLANTE – Sou.

BRAZ – Magnífico! CASIMIRO – E esta? Violante, você é a mais impertinente das velhas.

VIOLANTE – Clemência é boa menina por dotes que deve à natureza; tu, porém, deste-lhe uma educação que faz pena; preparaste nela uma boneca e não uma senhora, um atavio de sociedades e não um tesouro do lar doméstico; não a ornaste, afeitaste-a; e por fim de contas tomaste-a jóia falsa, resplendendo por fora, como diamante, e valor intrínseco nulo. Nem ao menos a ensinaste a amar a Deus; mas, em compensação, ela parece amar o próximo desesperadamente.

CASIMIRO – Que quer dizer, Violante? VIOLANTE – Clemência aceita a corte de quantos lha querem fazer, e sorri a todos os mancebos; é verdade que por fim de contas ela tem bonitos dentes.

CASIMIRO – Minha filha sabe ser agradável sem comprometer-se.

VIOLANTE – Cumpria que fosse mais recatada. As donzelas devem ser como as flores cultivadas em estufas.

CASIMIRO – Para irmãs de caridade? nós cultivamos essas flores ao ar livre da boa sociedade. Você é um anacronismo vivo: quer que tudo se passe como no tempo do rei.

VIOLANTE – Se dirigiu mal a filha, ao filho muito pior.

CASIMIRO – Vamos lá: que acha em Mário? VIOLANTE – É um vadio: está abandonado à mãe dos vícios, à ociosidade; aos vinte e três anos de idade Mário só se ocupa de andar trocando as pernas.

CASIMIRO – Há um ano que me empenho por obter para ele um emprego no tesouro ou na alfândega; isso, porém, hoje é tão difícil! VIOLANTE – O irmão da vizinha não é empregado público e sustenta a mãe e a 3 irmã com o seu trabalho.

BRAZ – Mas não tem a honra de sentar-se à mesa do orçamento; é um original que com a vacina do trabalho independente preservou-se da emprego mania. Casimiro é sábio. Mário deve andar trocando as pernas até que o governo lhe dê, à custa do Estado, um par de muletas.

CASIMIRO – Não os posso sofrer mais: vocês entendem-se admiravelmente: nasceram um para o outro: foi pena não se terem casado… Vejam se ainda é tempo.

VIOLANTE – Antes uma boa morte.

BRAZ – De acordo, madrinha. (Casimiro sai pelo portão).

CENA II VIOLANTE e BRAZ VIOLANTE – Por fim de contas no meu tempo não era assim.

BRAZ – A madrinha dá forte e rijo, mas há de cansar. Casimiro é incorrigível, e nesta casa toda a família padece, porque a cabeça desatina: eu já cansei de ralhar; a madrinha também há de cansar.

VIOLANTE – Não hei de; sou teimosa, cumpro meu dever, e agora tenho privilégio.

BRAZ – Privilégio? para ralhar? VIOLANTE – Sim; enquanto fui pobre, se tivesse vindo morar com eles, creio que seria bem tratada; mas a campainha das minhas censuras acabaria por aborrecê-los, e eu me curvaria à imposição de silêncio; prudente, deixei-me sempre na companhia do meu bom tio e padrinho, e hoje, e desde quatro meses rica herdeira de quinhentos contos de réis por morte desse meu segundo pai, são eles, meu irmão e sobrinhos, que moram comigo, e a velha celibatária elevou-se a irmã e tia veneranda com direito de dizer tudo quanto lhe vier à cabeça.

BRAZ – Anda por aí boa dose de injustiça: Casimiro e seus filhos nunca a esqueceram nem a desamaram.

VIOLANTE – Agora, porém, adoram-me… por fim de contas…

BRAZ – Alto lá, madrinha! fui triste enjeitado que seus pais adotaram e educaram, e a lembrança do benefício não me permite ouvir levantar aleives ao filho e aos netos de meus pais de adoção: são uns cabeças de vento, mas corações de ouro sem liga.

VIOLANTE – Sabes que os amo; não confio porém no juízo deles, e a prova é que não foi a Casimiro, e sim a ti que entreguei a administração dos meus bens e a guarda da minha riqueza.

BRAZ – Deus sabe se teve razão: só o futuro lhe poderá dizer que imenso miolo de hipocrisia e de egoísmo se esconde por baixo desta bonita casca fisionômica.

VIOLANTE – Por fim de contas farei a experiência.

BRAZ – Pois que me preferiu a seu irmão legítimo, que é um velho gaiteiro, mas homem honrado, merecia que, em minha qualidade de procurador de causas, eu aproveitasse na administração da sua fortuna a lição do epigrama de Bocage. Ah! mal pensa no que fez e ao que se expôs! a madrinha não sabe o que vai pelo mundo; a falta de dinheiro tem desenfreado a sagrada fome, sacra fames auri, que é coisa nunca vista; olhe há uma epidemia de pouca vergonha, um frenesi de viver à custa alheia, uma choleramorbus de velhacaria et coetera, et coetera, que a cidade do Rio de Janeiro está cheia de… et coetera, madrinha, et coetera.

VIOLANTE – Pões-me tonta.

BRAZ – E é para tontear! quero dizer que em caso de epidemia ninguém é 4 atacado por sua vontade: as gentes não são de ferro, e a madrinha, confiando-me a gerência da sua riqueza, expôs-me cruelmente ao contágio epidêmico.

VIOLANTE – Tens língua de serpente, Braz; mas fala-me sério: o mundo chegou deveras a tanta baixeza? BRAZ – Sim, madrinha; o mundo subiu a essas alturas.

VIOLANTE – Santo Breve! no meu tempo não era assim.

BRAZ – Era; cada época tem suas moléstias sociais; no nosso tempo de outrora havia deformidades que horrorizavam; o meu tempo de hoje é outra coisa: é uma estragação que faz gosto! à parte a epidemia reinante, de que há pouco falei, brilham os costumes com todo o esplendor da lua da civilização em quarto minguante e com todo o impulso do progresso em andar de caranguejo.

VIOLANTE – Por fim de contas…

BRAZ – As idades se confundem: salvas as exceções importunas, os meninos vão para a escola pendurados em grandes charutos, e marcam as lições com as cartinhas das namoradas; os jovens fumam ao lasquenet, instruem-se no alcazar, e ceiam em colégios noturnos; os velhos agarram-se à mocidade postiça e no furor de remoçar tropeçam no ridículo e jogam as cambalhotas, como na infância; é o mundo às avessas: não acha que tem sua graça? VIOLANTE – E as senhoras? BRAZ – São invioláveis e sagradas; para mim elas fulguram pela irresponsabilidade. Não tenho notícia de costumes censuráveis, de educação falsa, e de erros de senhoras, que não provenham da influência masculina; na vida social os homens fazem-se, as senhoras são feitas; por conseqüência, pecado de senhora, penitência ao homem. Mas… não atassalhemos a sociedade: eu gosto de dar à língua; porém, a justiça deve começar por casa: a madrinha quer cortar na pele dos seus parentes? VIOLANTE – É o teu ofício: mãos a obra! BRAZ – Que tem que dizer de Casimiro? estaria rico, se não fosse esbanjador; mas que quer? há duas paixões em moda: é pecar no sexto e ainda em outro dos mandamentos da lei de Deus, e é regra de bom gosto que, quanto mais velho, mais pecador. Como Casimiro há tantos!…

VIOLANTE – É desmoralização! aqueles que deviam ensinar com o seu exemplo…

BRAZ – E ensinam, a pecar pelo menos. Mário não cuida em outra coisa: namora, joga, extravagância, e disse: não; faz mais: passeia em cavalo de raça que é a ocupação das suas horas vagas.

VIOLANTE – E Clemência? BRAZ – Inviolável e sagrada; para que lhe deram o nome de Clemência? não tem culpa de ser muito clemente; asseguram-lhe todos que é formosa; ora, o trabalho e a fadiga são nocivos à formosura, e, portanto, ela passa os dias a limpar e a delgaçar as unhas que usa crescidas, como a imperatriz da China; o pai se ufana de vê-la realçar-se nas sociedades; é lógico pois que ela despenda com vestidos e enfeites muito mais do que o vaidoso está no caso de gastar com a filha. Eu não vejo que censurar em Clemência.

VIOLANTE – Hás de repetir tudo isso diante deles.

BRAZ – Seria a milésima edição de uma obra, de que não se tivesse vendido um só exemplar das novecentas e noventa e nove; mas vire agora a folha e leia no verso: Casimiro é um negociante modesto, porém honradíssimo; Mário é generoso e sensível; Clemência é honesta, paciente e de ótimo caráter na vida doméstica; são três anjos pelos corações que parecem três diabos pela falta de juízo.

5 VIOLANTE – Por isso ralharei até rebentar ou corrigi-los.

BRAZ – Tratarei de preparar o meu luto; porque a madrinha rebenta.

VIOLANTE – Braz, é deles que hoje me preocupo; há na vida três idades: a idade em que se vive pelos outros, a idade em que se vive com os outros, a idade em que se vive para os outros; estou nesta última: aos sessenta e dois anos chegaram-me as nozes, quando já não tenho dentes; a minha riqueza é apenas um depósito, pertencerá a vocês mais tarde.

BRAZ – Que tentação! madrinha, não repita isso, que faz calafrios… as cócegas da herança são capazes de fazer-me ir conversar com algum químico sem consciência.

VIOLANTE – Ainda não fiz testamento.

BRAZ – É o que lhe vale: declaro-me inofensivo provisoriamente.

VIOLANTE – O gracejo é de mau gosto.

BRAZ – Gracejo! o caso é muito sério e os dois animais mais sérios deste mundo são o burro e o dinheiro; creio que foi por isso que se chamou burra a arca pecuniária.

VIOLANTE (Vendo Clemência.) – Até que enfim.

CENA III VIOLANTE, BRAZ e CLEMÊNCIA, vestida com exageração da moda BRAZ – Amanheceu.

CLEMÊNCIA – Engana-se; a hora é quase do crepúsculo da tarde. (Chega ao portão.) BRAZ – Segue-se que me enganei na hora; mas não me enganei com o Sol: sinto que o crepúsculo preceda apenas ao ocaso.

CLEMÊNCIA – Não se aflija; há sóis que brilham também de noite. (Senta-se.) VIOLANTE – Modéstia até aí! Clemência, o Braz está se divertindo contigo: tu mesma, se te julgasses formosa, como o Sol, não levarias tanto tempo a enfeitar-te diante do espelho.

CLEMÊNCIA – Que erro! só as feias fogem do espelho. O toucador tem encantos!… é claro que não falo de mim; quando, porém, uma moça bela e gentil, em pé, defronte do espelho, se embevece, contemplando a sua imagem, ao mesmo tempo que com suave e preguiçoso pente alisa as ondas de seus formosos cabelos, e admira o contraste da negrura deles com o marfim de seus ombros magníficos, e sorri de indizível satisfação que ainda se exalta com o reflexo da graça do seu riso, do mimo da sua boca, da brancura e pureza de seus dentes, da flama celeste, irresistível do seu olhar… é claro que não falo de mim… criatura feliz, privilegiada, rainha de corações… oh! o tempo corre e ela o não sente… as horas passam no gozo do êxtase… da bem aventurança da consciência…oh! o espelho é tão doce!… tão embriagador!… tão feiticeiro!… titia, às vezes eu fico aí presa manhãs… tardes inteiras…

BRAZ – É claro que ela não fala de si.

CLEMÊNCIA – Só conheço um enlevo igual a esse.

VIOLANTE – Juro que não será ocupação séria.

CLEMÊNCIA – É o baile, titia.

BRAZ – Ao menos é expansiva e franca: então o baile…

CLEMÊNCIA – É a festa do amor e o triunfo da beleza; o baile é a liça ruidosa e fulgurante das senhoras que se disputam a primazia, combatendo-se com os olhos, com os sorrisos, com as graças do semblante, com a gentileza do corpo, o espírito e as prendas, com os brilhantes que ofuscam, com o bouquet, com o leque delicado que perguntam e respondem, e então… a mais bela… não falo de mim, repito; a mais bela 6 suspira surpreendida pelo fim da noite que voara, e em que ela esquecera o passado, e não pensara no futuro excitada pela música, arrebatada pela valsa, embriagada de incensos, aturdida de elogios, soberana de escravos, ídolo de admirações, ensurdecida pelos hinos, e feliz, imensamente feliz, porque a luz da sua beleza resplandeceu como a flama do incêndio, deixando o fogo em vinte ou mais corações…

VIOLANTE – Misericórdia! por fim de contas no meu tempo não era assim.

CLEMÊNCIA – Era, titia; ou no seu tempo não havia moças.

BRAZ – Mas em último caso o que dá de si o baile? CLEMÊNCIA – Dá antes de tudo o gozo do que chamam vaidade, que é a poesia da vida da moça bela e gentil. A vaidade! falem de nós os senhores que morrem por comendas, títulos, grandezas, e que põem em guerra a humanidade para serem ministros de estado só pelo gosto de trazerem ordenanças atrás dos carros: a vaidade! que seja vaidade; a nossa é menos nociva.

BRAZ – Concordo, menina, concordo, palavra de honra; mas além da satisfação da vaidade…

CLEMÊNCIA – No baile a mulher procura, e acha, ou pode achar a realização da sua única esperança de futuro, o amor, e pelo amor um marido apaixonado…

BRAZ – Bravo! um amor violento, porque desenfreia na valsa, suave, porque engoma contradanças, e cheio de fogo, porque recorre aos sorvetes, que nunca faltam no baile! VIOLANTE – Amor e marido apaixonado a compasso de música! hão de ser bons: prefiro o meu tempo, em que as donzelas se casavam pelo juízo dos pais; hoje em dia as moças casam-se pelo cálculo dos noivos, quando são ricas, ou por vento de felicidade rara, quando Deus permite.

CLEMÊNCIA – Que blasfêmia! é duvidar do poder da beleza, e descrer a influência dos anjos humanos.

BRAZ – Pois eu digo que a madrinha tem razão; a civilização e o progresso material mataram o amor, pelo menos na cidade do Rio de Janeiro; perdão… eu vou demonstrá-lo. O amor é uma espécie de sistema representativo, porque sem oposição degenera em água morna; o amor vive de desejos contrariados, de esperanças duvidosas, de saudades agridoces; tem o seu encanto no mistério, a sua força nos obstáculos, o seu brilho na adversidade; adora o segredo das negociações pendentes, como um ministro dos negócios estrangeiros; maldiz da luz e da publicidade, como um chefe de polícia, e salta por cima do direito e das leis, quando isso lhe faz conta, como o poder executivo.

CLEMÊNCIA – E depois disso…

BRAZ – A civilização e o progresso acabaram com todos esses elementos da vida do amor; para a saudade não há mais distâncias separadoras, por causa das estradas de ferro; o doce mistério de uma cartinha amorosa não se observa mais: os namorados vão ao Jornal do Commercio e escrevem para todos lerem: “C… Adoro-te sempre; hoje à tarde espera-me à janela, e me verás passar no meu cavalo baio; guarda-me a primeira valsa no baile do barão; não quero que dances com o moço de bigodes: teu louco apaixonado… E.” Já vê? o amor caiu na publicidade dos anúncios a seis vinténs por linha, e manifesta-se a pataca e meia.

CLEMÊNCIA – Está gracejando…

BRAZ – Dantes os lampiões a azeite deixavam à noite recantos escuros, onde o amante esperava ansioso o recado ou a resposta da amada; hoje veio a iluminação a gás e dissipou as sombras amigas; dantes os pais escondiam as filhas, e alguns minutos de confidência secreta eram raros favores devidos à astúcia ou ao acaso; hoje um moço e uma moça tratam do que chamam de amor, em casa, no baile, no teatro, no passeio, sem cuidados, nem cerimônias, e exatamente como dois agiotas que na praça do comércio 7 ajustam ações de uma empresa, de que eles próprios desconfiam; por conseqüência…

CLEMÊNCIA – Há de ser curiosa a conclusão! BRAZ – Por conseqüência o amor, o verdadeiro amor, privado dos seus elementos de vida e de estímulo, desertou, fugiu para longe da cidade do Rio de Janeiro, onde tomou-lhe o lugar o cálculo enfeitado pela cortesia; não há mais amantes, há calculistas; não há mais amadas, há calculadas.

CLEMÊNCIA – Então… atualmente o amor…

BRAZ – É uma operação de aritmética.

CLEMÊNCIA – A beleza, as graças, o merecimento de uma senhora….

BRAZ – São agradáveis orações incidentes no período gramatical do casamento.

CLEMÊNCIA – E a oração principal? BRAZ – O dinheiro: prova irrecusável; o Sol tem já vinte anos de idade, e ainda não conseguiu casar.

CLEMÊNCIA – Porque ainda não quis escolher.

BRAZ – Pois escolha, e se alguma lua minguante com um dote avultado lhe disputar o escolhido, verá que, apesar da luz do Sol, fica solteira.

CLEMÊNCIA – O senhor calunia a sociedade e ofende a formosura; titia, freqüente comigo os bailes e o teatro, e verá o desmentido eloqüente. .

VIOLANTE – Não… não… perguntariam e saberiam quem sou… e chegariam ao conhecimento da minha herança de quinhentos contos de réis…

CLEMÊNCIA – Que importa isso? VIOLANTE – Não quero expor-me a roubar-te os namorados.

CLEMÊNCIA (Desatando a rir) – Ah! ah! ah! BRAZ – Não ria; juro que a madrinha seria sua rival preferida por muitos.

CLEMÊNCIA (Rindo-se mais.) – Ah! ah! ah!…

BRAZ – Preferida, mostrando-se mesmo de touca e óculos, como está.

CLEMÊNCIA (Rindo cada vez mais.) – Ah! ah! ah! VIOLANTE – Estás me provocando! CLEMÊNCIA – Que extravagante idéia! BRAZ – Caso de aposta…

VIOLANTE – Braz…se não fosse o ridículo! BRAZ – Vale a pena pela lição.

VIOLANTE – Aposto.

BRAZ – Designe o seu mais ardente apaixonado! (A Clemência.) CLEMÊNCIA – Um é pouco: designarei… (Pensando.) três, não bastam? VIOLANTE – Que batalhão tem ela! CLEMÊNCIA – E quem perder a aposta? VIOLANTE – Recolher-se-á ao convento d’Ajuda por dois anos; eu farei todas as despesas perca quem perder.

CLEMÊNCIA – Aceito, reservando-me o direito de perdoar.

BRAZ (Pondo a mão no ombro de Clemência.) – Coitada da recolhida! CENA IV VIOLANTE, BRAZ, CLEMÊNCIA e MÁRIO MÁRIO – Titia! (Beija a mão a Violante.) – Senhor Braz! (Aperta a mão de Braz.) CLEMÊNCIA – Vens de má cara. (Aperta-lhe a mão.) MÁRIO – Fui a um almoço dado à Ristori; antes lá não fosse, éramos trinta os festejadores do gênio… e dos trinta vinte e nove titulares, comendadores, ou filhos de 8 barões e viscondes, de homens altamente condecorados… a única exceção fui eu…

BRAZ – Desataste a chorar.

MÁRIO – Eu tenho idéias… declarei-me republicano; era um recurso…

BRAZ – E chamam tolo ao Mário! MÁRIO – Tolo?… mas isto não deve continuar assim; é indispensável que nos enobreçamos, para que eu não torne a ser exceção, e para que Clemência case com algum titular, ou pelo menos capitalista rico.

CLEMÊNCIA – Obrigada; não preciso…

VIOLANTE – Como porém se há de improvisar a tua nobreza, cabeça de vento? nossa família foi sempre honrada, mas nem de longe tem cheiro de fidalguia; meu avô foi alfaiate, e com fama de boa tesoura…

MÁRIO – Ninguém mais se lembra dele, e a titia, em vez de recordar essa desconsolação, bem podia resolver o problema.

VIOLANTE – Como? MÁRIO – Que falta lhe fazem dez ou doze contos de réis? com eles dados ao tesouro meu pai ficava em quinze dias barão da guerra, ou barão do hospício…

BRAZ – Mas o teu republicanismo? MÁRIO – Deixei-o no almoço; a titia há de pensar na hipótese; agora tenho outros cuidados. Clemência, é imprescindível que eu depene o jardim… preciso de um cesto de flores… consentes? CLEMÊNCIA – Que há? MÁRIO – Uma atrocidade. Certa súcia, indigna quadrilha de perversos, pretende esta noite patear a mais bonita dançarina do alcaçar; é verdade que ela dança horrivelmente; mas é o mesmo: os habitués de bom gosto vão defendê-la, e haverá chuva de flores, e tempestade de murraças; não posso faltar.

CLEMÊNCIA – É parvoíce e escândalo brigar por semelhante gente.

MÁRIO – Não é da tua conta; quero um cesto de flores.

VIOLANTE – Não hás de ir.

MÁRIO – Hei de, titia; é ponto de honra. Clemência, manda depenar o jardim…

dois cestos não serão demais… até já… vou ver Hipogrifo…

CENA V VIOLANTE, BRAZ, CLEMÊNCIA, MÁRIO (que ia sair e volta), CASIMIRO, IRENE e LAURIANO; logo depois criado que traz o café, de que todos se servem BRAZ (A Mário) – Não vais ver o Hipogrifo? MÁRIO (A Braz) – Esta moça é até capaz de fazer-me esquecer o meu cavalo.

CASIMIRO – Trago para o jardim a rainha das flores. (Cumprimentos de todos.) MÁRIO (A Lauriano) – Disseram-me que o folhetim da Reforma sobre as últimas corridas do Prado saiu da sua pena? LAURIANO (A Mário) – Um rude ensaio… não entendo da matéria… desculpe o folhetim.

MÁRIO (A Lauriano) – Ao contrário, admirável! obrigadíssimo por Hipogrifo! CLEMÊNCIA (A Lauriano) – Li o seu folhetim, e gostei muito; obrigada por Mário.

CASIMIRO (A Irene) – Espanta-me que eles possam pensar em outra coisa que não seja a sua formosura! IRENE (A Casimiro) – O senhor teima em zombar de mim. (Trocando um olhar com Mário.) VIOLANTE (A Braz) – Braz, no meu tempo não era assim; por fim de contas 9 olha a cara desfrutável de Casimiro.

BRAZ (A Violante) – No seu tempo não era assim; mas era de outro modo, que vinha a dar na mesma coisa.

CLEMÊNCIA (Levando Irene pelo braço) – Dª. Irene, você passa a noite conosco? IRENE (A Clemência) – Não posso; Lauriano tem trabalho urgente, e minha mãe não permite que eu fique sem ele.

CLEMÊNCIA (A Irene) – Além da felicidade da sua companhia, só você, ficando conosco, poderia conseguir obstar uma grande imprudência…

IRENE (A Clemência) – Qual? CASIMIRO (Indo a Irene) – Protesto contra o monopólio; Clemência não tem o direito de usurpar-nos dª. Irene. (Traz Irene a sentar-se e conversa com ela.) MÁRIO (A Braz) – Não acha que meu pai está caindo no ridículo? (A Lauriano) Magnífico folhetim! venha amanhã à tarde visitar Hipogrifo.

CLEMÊNCIA (A Lauriano) – Dá-nos a sua companhia esta noite? esperamos algumas famílias amigas: o seu sacrifício será mais suave.

LAURIANO (A Clemência) – As famílias que espera serão por certo muito amáveis; mas só por quem tão cativadora me fala o sacrifício é não poder ficar.

CLEMÊNCIA (A Lauriano) – Sei que trabalha assíduo, e que hoje tem apressada tarefa, mas eu sou egoísta, e apraz-me experimentar o que mereço; demore-se aqui até a meia-noite, ainda que depois trabalhe até o romper da aurora.

LAURIANO (A Clemência) – Se eu chegasse a acreditar que o deseja! CLEMÊNCIA (A Lauriano) – Gosto de ser déspota: ordeno.

LAURIANO (A Clemência) – E o escravo obedecerá feliz.

VIOLANTE (A Braz) – O que observo me põe a cabeça à roda. (A todos.) É quase noite… porque não entramos?… (Levantam-se todos.) CLEMÊNCIA (A Irene) – Seu irmão fica; é necessário que Mário não nos deixe, esta noite haverá desordem no alcaçar, e ele quer ir…

IRENE (A Clemência) – Desordem… no alcaçar?… pois não há sempre?… (A Mário) Quando há novas corridas, sr. Mário? MÁRIO – Daqui a dois meses… V. Ex. irá ao Prado? IRENE – Desejo muito; Lauriano prometeu levar-me.

MÁRIO – Sublimizarei Hipogrifo…

IRENE (Mais baixo) – Sinto-me ditosa, porque vou passar a noite em sua casa…

MÁRIO (A Irene) – Logo esta noite… quando um ponto de honra me aparta…

IRENE (A Mário) – Ah!… perdão… não ouso pedir-lhe a preferência de algumas horas que me aditariam… sei bem que pouco valho…

CASIMIRO (A Braz) – Mário tem tomado uns modos tão inconvenientes que começa a desagradar-me… não reparas! BRAZ (A Casimiro) – Estou vendo… é claro que ele gosta da vizinha; pendor da família! IRENE (A Mário) – Se eu tivesse poder sobre o senhor, exigiria que ficasse…

MÁRIO (A Irene) – Exige de um soldado a deserção na hora da batalha! esperam-me, dª. Irene; palavra de honra que contam comigo…

CASIMIRO – Não vais hoje ao alcaçar, Mário? MÁRIO (A Braz) – Já viu esta?… (Alto.) Não, senhor; hoje passo a noite em casa: meu pai quer o meu bilhete?…

CASIMIRO – Esqueces que hoje a noite é de recepção, adoidado? MÁRIO – Ah! é verdade! mais uma razão para que eu não saia de casa.

VIOLANTE (A Braz) – Braz! Braz! por fim de contas no meu tempo não era 10 assim.

(Vão-se todos para a casa; Braz conduz Violante, Lauriano acompanha Clemência. Mário apodera-se de Irene, Casimiro de mau modo segue perto destes dois.) FIM DO PRIMEIRO ATO ATO II Passeio Público do Rio de Janeiro: ao fundo, o Outeiro dos Jacarés, tendo aos lados as escadas que dão subida para a varanda; nos planos até a frente, quanto se puder aproveitar, copiando o sítio.

CENA I VIOLANTE e BRAZ, CLEMÊNCIA e AUGUSTO, CASIMIRO e PORFÍRIO; até o fim do ato, concurso de passeadores de ambos os sexos VIOLANTE – Quero descansar aqui por alguns minutos.

CASIMIRO – Liberdade plena; subo com Porfírio ao terraço… gosto muito da vista da barra. (Segue com Porfírio.) CLEMÊNCIA – Eu vou com o sr. doutor até a ponte rústica. (Segue com Augusto.) BRAZ – Cuidado não caia, dª. Clemência: o corrimão da ponte está meio estragado.

AUGUSTO (A Clemência) – Aquilo é comigo.

CENA II VIOLANTE sentada, BRAZ em pé BRAZ – Aquele sujeito que acompanha Clemência é um dos três namorados da aposta.

VIOLANTE – Teimas em querer envolver-me em semelhante embrulhada? BRAZ – A madrinha teve sempre queda para pregar peças; ensaie esta comédia; basta que se finja disposta a casar-se, que se mostre um pouco sensível, que… et coetera… et coetera.

VIOLANTE – Por fim de contas tenho sessenta e dois anos: é inverossímil.

BRAZ – Inverossímil! com quinhentos contos e depois dos cinqüenta anos quanto mais velha mais noivos a escolher… pela regra das probabilidades…

VIOLANTE – Mas os três designados amam Clemência, apesar de pobre.

BRAZ – Não amam, namoram: a diferença é enorme.

VIOLANTE – Queres por força que eu me abaixe a parecer velha ridícula e néscia? BRAZ – Por oito dias só: verá o ensino que daremos e a confusão que irá pela casa.

VIOLANTE – E no fim? BRAZ – Haverá desengano de tolos e abatimento da vaidosa.

VIOLANTE – Braz, eu não gosto de brincar; quando, porém, me atiro à zombaria é como no tempo em que jogava o entrudo.

BRAZ – E assim é que deve ser; começaremos hoje, e aqui mesmo. (A um 11 homem que passa.) Humilde servo de V. Ex. (Cumprimentam-se.) VIOLANTE – Quem é? BRAZ – Um candidato a concordata próxima, ou a falência que deixa inteiro o quebrado: a madrinha não compreende? pois eu lho explico de modo tão lúcido que no fim da explicação ainda menos entenderá.

VIOLANTE – Ora venha mais essa.

BRAZ – Há quebrar, e quebrar; quebrar direito que deixa um homem sem serventia: é o infortúnio de banqueiros e negociantes honrados, a quem prejuízos inevitáveis e os desconcertos de muitos arrastam fatalmente para ruína imerecida: esses são uns patetas, que a sociedade castiga com o menos-cabo, porque ficam pobres; quebrar torto é outra coisa: é uma sorte de equilíbrio, em que o bom ginástico se entorta, fingindo cair para levantar-se mais direito. Entendeu? VIOLANTE – Vou percebendo, Braz.

BRAZ – Pois é a estes que me refiro; concordata quer dizer a discordância afinada entre o devedor e os credores; falência quer dizer grande sobra realizada pela mágica da rebentação; exemplo: este meu amigo deve à praça mais de quatro mil contos e calcula suavemente com o sacrifício de quinze por cento para consolação dos credores; mas pode crer que ele fica inteiro depois de quebrado, e que por isso a sociedade há de cumprimentá-lo com todo o respeito. (A um velho e uma jovem que passam.) Escravo submisso da excelentíssima!… senhor comendador, sempre a remoçar! (Cumprimentam-se.) VIOLANTE – A filha deste velho é bem bonita! BRAZ – Vinte e um anos e sua esposa há dois.

VIOLANTE – Que! BRAZ – O meu amigo comendador é menos velho do que parece; não lhe pesam os setenta anos que completou há oito dias; o santo homem é um pouco muçulmano: passando às suas quintas núpcias ao desposar aquela moça, nem por isso emendou-se dos costumes antigos; mudou de odalisca ha três meses e entretém com prodigioso luxo uma menina de dezesseis anos, comprada à miséria de seus pais. Ah! esquecia-me de prevenir a madrinha que ele conta numerosos e jovens amigos.

VIOLANTE – E a pobre mulher? BRAZ – Inviolável e sagrada: vive abençoando com ambas as mãos a odalisca, e tem um primo, doutor em medicina, que receita ao velho marido passeios freqüentes e distrações fora de casa.

VIOLANTE – Que língua envenenada! CENA III VIOLANTE, BRAZ, CLEMÊNCIA e AUGUSTO CLEMÊNCIA – A titia já viu o peixe boi? VIOLANTE – Ainda não: vens apresentar-mo? CLEMÊNCIA – O sr. Braz pode encarregar-se disso: agora vou ao terraço ver o mar.

AUGUSTO – O mar?… é a imagem da inconstância: não se espelhe no mar. (Vãose.) CENA IV VIOLANTE e BRAZ VIOLANTE – E por fim de contas Casimiro como abandona assim a filha?…

12 BRAZ – Casimiro não abandona, confia a filha; ele tem mais que fazer, e nós também; reparou que Clemência trazia na mão um ramalhetinho de violetas? VIOLANTE – Reparei…

BRAZ – Pois agora é o dr. Augusto que o traz ao peito.

VIOLANTE – É escandaloso! de dia tão claro!… no meu tempo não era assim.

BRAZ – Já sei: no seu tempo era de noite que se davam os ramalhetes; mas daqui a pouco darei ao dr. Augusto informações da madrinha; creio que logo depois um passeio pelo braço desse cavalheiro lhe fará bem, e… se a madrinha não for peca, o ramalhetinho de violetas será seu.

VIOLANTE – Isso tenta… Braz, penso que começas a desmoralizar-me.

BRAZ – Será uma vitória digna dos seus óculos e da sua touca.

VIOLANTE – Do meu dinheiro, queres dizer.

BRAZ – A palavra tem o seu pudor, disse Lamartine; eu respeito as conveniências. (Vendo passar uma moça.) Olá! temos revolução no jardim! aí vai a Acrobata.

VIOLANTE – Que é a Acrobata? BRAZ – Uma das vinte desmentidoras da moléstia da época; uma das vinte pestes que dão público testemunho da saúde perfeita da situação econômica. Brada-se por toda parte: “não há dinheiro!” oh! se há! e sobra tanto que as mãos cheias se atira no lenteiro.

VIOLANTE – Como é isso? BRAZ – Como esta mais dezenove no galarim; carros com parelhas magníficas, cada dia novo e riquíssimo vestido, pérolas, brilhantes, cinqüenta contos por ano multiplicados por vinte mil contos dados ao culto do vício torpe, afora as ceias e orgias, afora a milenária escala da lubricidade, que vai descendo até a ralé da infâmia. E não há dinheiro! mentira; prova da mentira: a Acrobata pela vigésima parte.

VIOLANTE – Então… essa desgraçada criatura…

BRAZ – Delírio de solteiros e casados, de rapazes e de velhos; a Acrobata é o tipo da unidade, porque bebe, come, sonha, deseja e exige sempre uma coisa única – dinheiro; dá caridade, porque ama sem exceção e com perfeita indiferença a todos que lhe dão – dinheiro. A Acrobata é um prodígio; madrinha, subamos à varanda, acompanhemos a Acrobata.

CENA V VIOLANTE, BRAZ, LEOPOLDO e TIMÓTEO TIMÓTEO (A Leopoldo) – O peixe boi saiu do lago para conversar com o Braz de Souza.

LEOPOLDO (A Timóteo) – Com efeito, é a velha mais horrível que tenho visto; é uma coruja monumental promovida pelo demônio a velha criatura humana.

BRAZ – Preclaríssimos amigos! (Cumprimentam-se.) TIMÓTEO – Sr. Braz! minha senhora! LEOPOLDO – Minha senhora! (A Braz) Como passou de ontem? adivinha-se…

perfeitamente ditoso.

BRAZ (Apresentando) – A sra. dª. Violante, irmã do nosso amigo Casimiro.

TIMÓTEO – Oh! minha senhora… tenho muita honra… (Fala a Violante.) LEOPOLDO (A Braz) – Mas… é um dragão de feia! BRAZ (A Leopoldo) – Não me desanimes… estou apaixonado-me; onde a vês, é solteira ainda, e herdou há quatro meses de um tio e padrinho a insignificância de quinhentos contos de réis.

13 LEOPOLDO (A Braz) – Um! meio milhão! (Olhando) reparando-se bem, não é tão feia, como à primeira vista me pareceu; os óculos e a touca dão-lhe até certa graça…

VIOLANTE – Vamos, Braz. (Cumprimenta aos dois.) BRAZ (Aos dois) – Até logo. (Indo-se com Violante.) Já deixei um iscado.

VIOLANTE (A Braz) – Quem? BRAZ (A Violante) – O de pince-nez: é dos três designados por Clemência. ( Vai-se com Violante.) CENA VI TIMÓTEO e LEOPOLDO TIMÓTEO – Ainda não vi a tua bela Clemência; mas a horrorosa tia nos garante o feliz encontro; a tia é a noite que precede a aurora.

LEOPOLDO – A noite… eu gosto da frescura da noite… porém a aurora não tarda a aparecer, e é bela como os amores…

TIMÓTEO – E leviana, inconstante, como as borboletas; olha, há mais namorados de Clemência do que candidatos ao trono de Espanha. Eu não me casava com ela.

LEOPOLDO – Nem eu; quem pensa em casamento! com uns cinqüenta contos de réis de dote seria ouro sobre azul; mas pobre, como é, afigura-se-me um banco de emissão sem fundo de reserva metálico.

TIMÓTEO – E neste maldito tempo, em que andam todos à bolina, furtando o vento.

LEOPOLDO – É verdade, não há casa sólida; a minha começou, que era a quem mais caía com o mel! mas a estagnação do comércio! os sustos e as concentrações do Banco do Brasil, que dantes consolava a gente! a casa ainda vai bem, vai muito bem; mas se eu ajeitasse uma noiva que me enchesse os olhos com o dote, eim? TIMÓTEO – Para que então perdes o teu tempo com Clemência? LEOPOLDO – Ora! ela é que o perde comigo; eu divirto-me, namoro-a pela mesma razão porque vou ao teatro, ou ao circo da Guarda-Velha. Se ao menos a tia desse a quinta parte do que possui à sobrinha! TIMÓTEO – Pois a tia é rica? LEOPOLDO – Meio milhão!… quinhentos contos de réis de herança, diz o Braz.

TIMÓTEO – Meio milhão! é caso de bater bandeiras: quinhentos contos! que senhora de bem! vale quinhentas vezes mais do que a sobrinha! LEOPOLDO – Se o Braz não mente, vale. Uma velha bem velha, se é rica, é preferível à moça mais formosa, precisamente porque é a precursora infalível da moça formosa.

TIMÓTEO – Não entendo: mas concordo pela regra da preferência.

LEOPOLDO – A moça tem longa vida diante de si e não morre nem a poder de ceias, de vigílias, de constipações, de indigestões, do diabo, e portanto significa um casamento sem probabilidade de viuvez; a uma noiva bem velha e bem rica enche-se de brilhantes, leva-se a todos os bailes e a todos os teatros, dá-se-lhe sorvetes quando o calor excita mais a transpiração, faz-se cear mayonaise, peru a Eglantine, fiambre e cabeça de porco, até que uma boa indigestão a livre dos trabalhos deste mundo, ficando o marido com o testamento que arranjou, e então ele se consola da morte da velha enfeitando-se com uma noiva moça e bonita… bem entendido, se a fortuna não lhe depara segunda velha ainda mais rica. Vamos procurar Clemência. (Vão-se) CENA VII 14 MÁRIO, POLIDORO, logo a ACROBATA e imediatamente CASIMIRO e PORFÍRIO POLIDORO – A Acrobata é bonita rapariga; mas eu prefiro o amor platônico e as emoções do lasquenet.

MÁRIO – Vai pois ver as damas dos teus baralhos, e deixa-me apanhar de surpresa a Acrobata, e na passagem tomar-lhe contas de certo logro. (Oculta-se) POLIDORO (Afastando-se) – Aí vem ela. (Para e espera) ACROBATA (A um mocinho que lhe sorri) – Cresça e apareça.

CASIMIRO (A Porfírio) – Violante e Clemência nos seguem? (Polidoro faz debalde sinais a Mário) PORFÍRIO (Olhando para trás) – Não. (Continuam os sinais de Polidoro) CASIMIRO (Quase junto da Acrobata) – Ficas esta noite em casa? ACROBATA – Isso é conforme: em todo caso não dormirei na rua.

CASIMIRO – Vai passar pelo outeiro…

ACROBATA – Queres dar-me cerveja? (Mário e Casimiro esbarram-se um com o outro) Adeus, pequeno! (Rindo-se) CASIMIRO (A Porfírio) – Evidentemente o Mário está muito desmoralizado!…

começo a suspeitar que até me espia! (Desaparece a Acrobata) MÁRIO (A Porfírio) – Meu pai está perdido: é de uma inconveniência que me vexa. (Indo-se) POLIDORO – Já tinha idade para limitar-se ao lasquenet. (Vão-se os dois) CENA VIII CASIMIRO e PORFÍRIO CASIMIRO – O tratante vai sem dúvida encontrar-se com a Acrobata; não posso, não devo seguí-la: seria indecoroso. Mas donde tira ele dinheiro, chave de ouro para abrir a porta do inferno daquele demônio? PORFÍRIO – Ah! Casimiro! estas mulheres são perversas: na gíria dessas harpias os mocetões da nossa idade têm um nome horrível, um nome com cheiro de armazém de secos e molhados.

CASIMIRO – Que nome? PORFÍRIO – Paios, a explicação tu sabes.

CASIMIRO – Mas a Acrobata é uma perdição… e demais está na moda…

confesso-me doído por ela. Aquilo é uma centopéia de encantos! PORFÍRIO – E a linda Irene? CASIMIRO – Amor de outro gênero… loucura de outra espécie…

PORFÍRIO – E ela… vai-se abrandando… pendendo… caindo? CASIMIRO – Exagera o recato: creio que é porque ainda não lhe falei em casamento.

PORFÍRIO – E que demora é essa tua? CASIMIRO – Sabes que sou o modelo dos pais: hesito em dar madrasta a meus filhos.

PORFÍRIO – Quem diz que te cases? prometer não é cumprir. Irene, rapariga pobre, depois de seduzida julgar-se-ia feliz, tendo casa e tratamento sob a proteção e os cuidados do teu amor. Eu, apesar de casado, não tive dúvida em arranjar uma dessas distrações.

CASIMIRO – E a comadre? PORFÍRIO – Consola-se com os filhos e nada lhe falta; aos cinqüenta e dois anos perdeu o direito de opor embargos: é guarda nacional da reserva.

15 CASIMIRO – Ah! Porfírio! se ela te ouvisse…

PORFÍRIO – Rufa em casa, como um tambor; por isso ando sempre por fora; tu estás em melhores condições, és viúvo; faze o que te disse, Irene é uma economia, porque te fará esquecer a Acrobata.

CASIMIRO (Suspirando) – Ah! seu eu fosse rico…

PORFÍRIO – Que farias? CASIMIRO – Tomava ambas; eu adoro o belo sexo… é o meu fraco; todavia…

pensarei no teu conselho… mas…

PORFÍRIO – Que é? CASIMIRO – E o sr. Mário eclipsou-se! PORFÍRIO – Naturalmente: ele o sol, a Acrobata a lua, tu ficas sendo terra; deuse o eclipse.

CASIMIRO – O que me espanta é a desmoralização da mocidade! PORFÍRIO – Tens razão; porque os velhos, como nós, dão aos moços o exemplo da mais austera virtude; ora viva lá! sejamos francos: são os pais que deitam a perder os filhos, tem paciência, e vamos ver as moças. (Vão-se) CENA IX VIOLANTE, BRAZ, CLEMÊNCIA, AUGUSTO e LEOPOLDO CLEMÊNCIA – Como são belos os cisnes! que colos majestosos! LEOPOLDO – Há quem tenha mais admirável pescoço.

CLEMÊNCIA – Pode-se saber quem é? LEOPOLDO – É segredo meu; mas todos os dias por mais de uma vez lho revelam.

CLEMÊNCIA – Já adivinhei; mas desconfio do revelador.

LEOPOLDO – Por que? CLEMÊNCIA – O meu espelho deixou-se corromper pela lisonja. (Conversam) BRAZ (A Violante) – O doutor já está harpoado: não perca tempo.

VIOLANTE (A Braz) – Por fim de contas vou entrar no fogo. (Alto) Clemência fica discorrendo sobre os colos dos cisnes, enquanto continuo a apreciar as reformas do Fialho.

BRAZ – Eis o meu braço madrinha.

VIOLANTE – Você nada me explica; apenas sabe maldizer do próximo: se o sr.

doutor quisesse sacrificar dez minutos à minha companhia…

AUGUSTO – Oh, minha senhora! vossa excelência me transporta com esta distinção.

CENA X BRAZ, CLEMÊNCIA e LEOPOLDO BRAZ – A madrinha cometeu dois estelionatos; um contra mim, roubando-me o seu braço, outro contra dª. Clemência, roubando-lhe o dr. Augusto.

CLEMÊNCIA – Está vendo que não posso queixar-me; minha tia somente me poupou a um embaraço de cortesia; o sr. Leopoldo vai ter a bondade de mostrar-me o viveiro de plantas de mr. Graziaux.

LEOPOLDO – Abençoada seja a minha fortuna! ( Vão-se os dois) BRAZ – Também eu abençôo a minha fortuna, que me traz dali o meu amigo Polidoro.

16 CENA XI BRAZ e POLIDORO POLIDORO – “Ela vai-se! e com ela vai minha alma!” amigo… (Saúda) que contraste! BRAZ – Entre ela que vai-se e eu que fiquei? POLIDORO – Não; eu me explico: tenho na vida duas paixões, a do amor platônico e a do lasquenet; no lasquenet, quando paro mais forte, é sempre nas damas; no passeio, no baile, cortejo por devoção a todas as senhoras.

BRAZ – Mas dª. Clemência…

POLIDORO – A essa amo, adoro; porém não me interrompa; nunca pensei que houvesse dama que me fizesse recuar de medo, e hoje… aqui mesmo… ind’á pouco…

misericórdia! sabe quem é a velha que vai pelo braço do sr. Augusto?.

BRAZ – É dama de ouros.

POLIDORO – Como dama de ouros? BRAZ – Irmã de Casimiro, minha preclara madrinha, feliz celibatária, a quem um tio legou há quatro meses a insignificante fortuna de quinhentos contos de réis.

POLIDORO – Olá!… então dª. Clemência, como sobrinha, está em perspectiva de riqueza? bem o merece: é tão bela! BRAZ – Qual! a velha é um verdadeiro tipo de avareza, complicada com a mania do casamento. Apesar de afilhado, acho-a medonha; mas meio milhão é dinheiro e já me apresentei candidato.

POLIDORO – E casa-se com ela? BRAZ – Quem me dera! a velha imagina impedimentos por ser minha madrinha, e, tomando-me por agente e procurador de seus cabedais, rejeita-me como noivo. Há dois meses que me ferve o sangue por isso! POLIDORO – É uma dama de página muito feia e verso muito bonito! quinhentos contos de réis… ah! eu já possuí cerca de cem, e em três anos perdi-os todos com as damas do baralho, e de fora do baralho; mas então eu não sabia os segredos do lasquenet! ah, meu Braz! com meio milhão e bons parceiros, em um ano pode-se ganhar nem sei quantos milhões! a sua madrinha, não digo que seja horrível… digo… na verdade, aqui para nós, não é bonita; é, porém, sublime.

BRAZ – E… “Ela vai-se: e com ela vai minha alma!” POLIDORO – Mas o senhor, que é o procurador, o fac-totum da… velha, tem as mãos sobre os quinhentos contos de réis…

BRAZ – Martírio de Tântalo! se eu não fosse afilhado! oh! antes não me tivessem batizado.

POLIDORO – E todavia o senhor não joga; não compreende as emoções do lasquenet! BRAZ – E que vem isto ao caso? POLIDORO – É o caso de cem sortes a dobrar! eu amo doidamente a encantadora dª. Clemência… mas…

BRAZ – É coisa sabida: conta-se com o casamento…

POLIDORO – Sr. Braz… a que horas pode ser procurado amanhã para negócio importante?… os amigos devem entender-se.

BRAZ – No meu escritório até às três horas da tarde.

POLIDORO – Quinhentos contos de réis… deveras? BRAZ – Palavra de honra: quinhentos contos de réis e mais alguns quebrados que não chegam a um.

POLIDORO – Que idade tem a respeitável senhora? 17 BRAZ – Está quase a completar os sessenta e três.

POLIDORO – Não é absolutamente velha; pareceu-me que roçava pelos cinqüenta; sem a touca e sem os óculos há de ganhar muito…

BRAZ – A mim se me afigura um anjo ainda mesmo de touca e óculos.

POLIDORO – Anjo de salvação é… sr. Braz, amanhã ao meio-dia em ponto irei ao seu encontro.

BRAZ – Chiton.

CENA XII BRAZ, POLIDORO, CASIMIRO e PORFÍRIO CASIMIRO (A Porfírio) – Vês? também aqui não está; seguiu a Acrobata, positivamente é um rapaz de costumes pervertidos…

PORFÍRIO (A Casimiro) – Deixa-o aproveitar o seu tempo.

CASIMIRO (A Porfírio) – Mas por que diabo há de logo aproveitá-lo com a Acrobata? BRAZ – Vejo que te aborrece o passeio: vens com fisionomia de logrado, a quem furtaram o relógio.

CASIMIRO – É isso pouco mais ou menos, mas onde estão as senhoras?… o tempo está se enfarruscando de repente.

BRAZ – Aí chega a primeira.

CENA XIII BRAZ, POLIDORO, CASIMIRO, PORFÍRIO, CLEMÊNCIA e LEOPOLDO (Escurece rapidamente: começa a retirar-se a gente que concorrera ao Passeio) CLEMÊNCIA – A titia? que é dela?…

BRAZ – Ainda não voltou; o dr. Augusto lhe está explicando as reformas do Fialho.

CASIMIRO – E o tempo vai a pior: temos aguaceiro certo.

CLEMÊNCIA – O povo começa a retirar-se: ainda bem que o nosso carro está à porta do jardim.

BRAZ – Eis a madrinha…e como vem alegre…

CENA XIV BRAZ, POLIDORO, CASIMIRO, PORFÍRIO, CLEMÊNCIA, LEOPOLDO, VIOLANTE e AUGUSTO VIOLANTE (Chegando-se a Clemência e cheirando o ramalhete de violetas) – Como é suave o perfume das violetas! gostas dele Clemência? BRAZ (A Clemência) – Que ingratidão! derrota número primeira.

CLEMÊNCIA (A Braz contrariada) – Como? não ouvi: ah! sim… mas a chuva…

(Rompe a chover; Leopoldo, Augusto e Polidoro abrem os guarda-chuvas e correm a Violante) LEOPOLDO – Minha senhora! AUGUSTO – Excelentíssima! POLIDORO – Minha senhora!… (Braz desata a rir) VIOLANTE – Basta-me um guarda-chuva! PORFÍRIO – Até mais ver! (Vai-se correndo) 18 CASIMIRO – Mas Clemência está se inundando! um guarda-chuva para a menina, senhores! BRAZ (Abrindo grande guarda-chuva inglês) – Eis aqui a barraca do Braz! (A Clemência) Está vendo? um velho amigo vale mais do que três namorados. (Multidão de ambos os sexos a fugir da chuva, uns com chapéus de chuva e outros sem eles; Violante segue enfim ao braço de Leopoldo. Polidoro também a serve, inclinando para a frente o guarda-chuva; Augusto fazia o mesmo, mas Casimiro agarra-se a ele e o conquista à força. Braz a rir leva Clemência desapontada. Corrida geral) FIM DO SEGUNDO ATO ATO III Sarau em casa de Violante; a grande varanda sobre o jardim que fica ao fundo; portas aos lados comunicando com o interior da casa; ao lado direito parece ficar o salão da dança e da música.

CENA I CASIMIRO e IRENE IRENE – Basta, senhor! não posso ouvi-lo mais; até hoje tenho tolerado lisonjas que me pareciam gracejos de um homem idoso a uma menina; nem um só instante, porém, autorizei pretensões, que, ainda mesmo sendo honestas, me causariam repugnância. Agora o senhor acaba de levar as suas impertinências até um ponto, além do qual me aviltaria com a injúria…

CASIMIRO – Calunia as minhas intenções… atenda-me, bela Irene! IRENE – Lembrou-me a tempo a pobreza, e a triste posição da minha família…

eu não devia ter entrado nesta casa… não é aqui o meu lugar… deixe-me… quero ir ver meu irmão.

CASIMIRO – É uma injustiça… protesto… não há de retirar-se… não perturbará com um desgosto esta reunião…

IRENE – Deixe-me passar… senhor…

CENA II CASIMIRO, IRENE e VIOLANTE CASIMIRO – Mana, reclamo a sua intervenção contra a nossa bela vizinha, que pretende retirar-se, supondo-se com dores de cabeça… (A Irene) por quem é! (A Violante) eu as deixo… mas você, Violante… prenda dª. Irene aqui.

CENA III IRENE e VIOLANTE VIOLANTE – Que tem, menina? IRENE – Tenho… seu irmão o disse, minha senhora… uma forte enxaqueca… eu não devia ter vindo… é castigo…

VIOLANTE – Enxaqueca! ah! eu sei o que isso é; e por fim de contas o egoísta queria obrigá-la a ficar! enxaqueca menina, vou chamar já seu irmão para conduzi-la.

Coitadinha! (Indo-se) 19 CENA IV IRENE, VIOLANTE e BRAZ BRAZ – Não vá.

VIOLANTE – Por que? BRAZ – A enxaqueca de dª. Irene é um pretexto generoso…

IRENE – Senhor! BRAZ – Não há murmurador que não seja curioso; nas reuniões e em toda parte o meu ofício é espreitar: nobre menina, eu ouvi tudo.

IRENE – Ah! BRAZ – Não curve a fronte, onde julgue o diadema da honestidade; mas não há razão nem para tanto vexame, nem para tão brava revolta.

IRENE – Não há razão? BRAZ – Madrinha, parvoíces de Casimiro! no meio de um fogo volante de juramentos de amor, o velho namorado lembrou a esta menina a humilde posição social de sua família, e a insuficiência de seus recursos, e procurou deslumbrá-la com a riqueza que ele espera partilhar com a irmã, meio milhão; explicou-se porém de modo, que dª. Irene o entendeu mal.

IRENE – Do que ouvi a um insulto é pequena a distância…

BRAZ – Está confessando que não houve insulto…

VIOLANTE – Casimiro é tão capaz de todas as asneiras, como incapaz de uma ofensa.

IRENE – Ainda assim… devo, quero retirar-me.

BRAZ – Que teimosa! escute; a senhora não pode deixar-nos; a madrinha e eu formamos aqui uma espécie de maçonaria, em que ninguém mais devia entrar; a menina porém acaba de iniciar-se à força pela dignidade com que se houve repelindo Casimiro, e agora é fato consumado, está maçônica… eis o toque… (Beija-lhe a mão) VIOLANTE – Entendo, Braz… ela há de ficar…

IRENE – É impossível… perdão, minha senhora… eu desprezo o dono desta casa.

BRAZ – Dª. Irene, o irmão da dona desta casa tem um filho…

IRENE – Sobrinho de uma senhora riquíssima, de quem será um dos herdeiros: eu o sei.

BRAZ – Meio ou muito estouvado; mas bom e elegante rapaz, a quem uma bela e ajuizada noiva pode bem fazer assentar a cabeça.

IRENE – Sim… confesso… eu o amava… amo-o talvez ainda; mas hei de vencer este amor: o pai de Mário abriu-me os olhos.

BRAZ – Já não é pequeno favor: e agora, com os olhos abertos, que vê? IRENE – Vejo o meu horizonte, e não quero sair dele; há certas flores que se amesquinham, e, em vez de vicejar, desabrocham como que em constrangimento, quando a riqueza e o luxo as cultivam por meios artificiais fora dos seus climas; as moças pobres devem ser assim. Cada qual no seu horizonte; casamentos desiguais são erros perigosos; procurarei um marido entre os artistas ou os operários laboriosos.

VIOLANTE – Menina, meu sobrinho pertence absolutamente ao seu horizonte, menos pelo juízo e pelo labor; já vê que nem mesmo a iguala.

IRENE – Agradecida; este amor foi para mim até hoje doida fantasia poética; se, porém, amanhã o sr. Mário me pedisse em casamento, eu o rejeitaria; perdão… quero meu pobre irmão… quero ir-me embora…

BRAZ – Vamos procurá-lo; aceita o meu braço? pode aceitá-lo, não é de artífice, nem de artista, mas é de arteiro et coetera…

20 IRENE – Seja o que quiser; tenha a bondade de me levar a meu irmão.

BRAZ – Iremos pelo caminho mais longo para chegar mais depressa; até já, madrinha; verei se consigo serenar este anjinho encolerizado; menina, fui amigo de seu pai… no outro tempo… (Indo-se com Irene) antes não tivesse sido, e contasse trinta anos de menos… porque em tal caso, palavra de honra, tomava a enxó de carpinteiro, ou o buril de estatuário, para viver no seu horizonte. ( Vão-se os dois) CENA V VIOLANTE e AUGUSTO AUGUSTO – Enfim, minha senhora, a fortuna, desde duas horas cruel, me depara o ensejo mais ardentemente almejado.

VIOLANTE – Para que, sr. doutor? AUGUSTO – Para assegurar a v. ex. a profunda energia do terno sentimento que me inspirou e a pureza das minhas intenções…

VIOLANTE – Eu não compreendo… e a perturbação… o vexame… seria possível, sr. doutor? AUGUSTO – A minha maior glória fora merecê-la em casamento…

VIOLANTE – A proposição me lisonjeia… mas quando penso que vou fazer sessenta e três anos daqui a dois meses.

AUGUSTO – Diana de Poitiers era bela nessa idade e Ninon de Lenclos inspirou ardente paixão aos oitenta anos.

VIOLANTE – Por fim de contas, não conheci essas senhoras…

AUGUSTO – É natural; elas floresceram em outros séculos.

VIOLANTE – Mas aposto que não usavam, como eu, de óculos e touca; ah, sr.

doutor, quando o considero tão jovem, e tão bonito, com tanto direito a ser esposo de alguma linda moça…

AUGUSTO – Não me conhece ainda; jovem, tenho já austeros costumes; aborrecem-me essas meninas, para quem a vida consiste em vaidades e loucuras; o meu belo ideal é a majestade da senhora que passou além dos limites da idade dos desvarios; excelentíssima, nós nascemos um para o outro; v. ex. é para mim o páramo da vida tranqüila, a beatificação pela serenidade; eu sou o desinteresse que assegura a dedicação, o amor que garante a felicidade, e a ciência do direito que defenderá sem ambição a sua fortuna ameaçada pelos velhacos que enchem o mundo, e dos quais sou mortal inimigo.

VIOLANTE – Eu me sinto comovida… a ventura é tão grande… tão inesperada…

AUGUSTO – (Ajoelhando-se.) – Oh! serei pois tão ditoso!… (Beijando a mão de Violante.) VIOLANTE (Suspendendo-o.) – Tenha dó da minha reputação… e dos tormentos do meu pudor; o seu pedido exige reflexão… deixe-me pensar… agora não estou em mim… mas… aqui mesmo… nesta varanda, receberá a minha resposta às duas horas da madrugada em ponto.

AUGUSTO – Que bárbaro adiamento da bem-aventurança que me sorria…

VIOLANTE – Também a mim me custa… creia; dou-lhe a mão a beijar para consolar-nos… mas depressa… que não chegue alguém…

AUGUSTO (Beijando a mão.) – Delícia! delícia! VIOLANTE – Aí vem minha sobrinha…

AUGUSTO – Até às duas horas. (Vai-se.) CENA VI 21 VIOLANTE e CLEMÊNCIA CLEMÊNCIA – Muito bem, titia! VIOLANTE – Estavas me espiando? CLEMÊNCIA – Para que? a sua aparente vitória é manifesta: há meia hora Leopoldo, que simula desdenhar-me, fez-lhe em um passeio proposição semelhante à do dr. Augusto e recebeu a mesma resposta.

VIOLANTE – Por fim de contas uma hora antes Polidoro foi o primeiro.

CLEMÊNCIA – Acredito; mas porque a titia marcou aos dois e talvez também a Polidoro o mesmo lugar e a mesma hora para a decisão?…

VIOLANTE – Para te chamar e te pedir que me aconselhasses na escolha do noivo.

CLEMÊNCIA – Estás pois resolvida a casar-se? VIOLANTE – Que pergunta! fala a verdade: no meu caso que farias?…

CLEMÊNCIA – Não sei responder, porque ainda não tenho a sua idade.

VIOLANTE – Fica pois sabendo que para a mulher o casamento é aos dez anos um brinquedo, aos quinze sonho dourado, aos vinte empenho aflitivo, aos trinta sede devoradora, aos quarenta desesperado desejo, e aos sessenta e daí por diante mais do que paixão, desatinada fúria; faze idéia, como estou entusiasmada! Clemência, em sinal de regozijo, proponho-te a anulação da nossa aposta.

CLEMÊNCIA – Rejeito esse favor, e peço outro: rogo-lhe que me conceda uma dilação.

VIOLANTE – Dilação de que? CLEMÊNCIA – Da escolha do seu noivo; se se julga invencível, dê-me oito dias e verá que reconquisto os meus três apaixonados.

VIOLANTE – Oito dias é impossível, morro por casar-me; tu não me concederias oito horas, eu cedo três dias à tua louca vaidade.

CLEMÊNCIA – Três dias?… aceito. Confio na sua palavra; mas trema, titia, porque perdeu as suas vantagens. Veja bem, que tenho três dias. (Vai-se.) VIOLANTE – Eu te daria trezentos sem receio de ser vencida. ( Vai-se) CENA VII POLIDORO e LEOPOLDO LEOPOLDO – O seu procedimento não é de amigo, parece antes verdadeira traição.

POLIDORO – Em primeiro lugar, amigos amigos, negócios à parte; em segundo, qual de nós pode mais queixar-se do outro? LEOPOLDO – Eu, que me apaixonei por dª. Violante logo que lhe fui apresentado, logo que a vi, logo, logo…

POLIDORO – E se eu lhe dissesse que por ela me apaixonei antes de tê-la visto? LEOPOLDO – É inverossímil: eis a prova da sua deslealdade comigo.

POLIDORO – Sr. Leopoldo, estamos sós; deixemo-nos de histórias; não há deslealdade, nem amor pela velha em nenhum de nós, o que ambos queremos é pescar o meio milhão.

LEOPOLDO (Batendo no ombro de Polidoro) – Maganão! como é despachado! pois sejamos amigos; embora eu não seja ambicioso, como o senhor, achando-me namorado de dª. Violante, mas respeitando os seus cálculos, proponho-lhe que abandone o seu projeto de casamento, e se eu me casar com a velha dar-lhe-ei cinco por cento do que ela teve em legado.

22 POLIDORO – Aceite a mesma proposição, tal e qual.

LEOPOLDO – Mas então o senhor é um homem intransigível!…

POLIDORO – Faço-lhe a mesma observação, tal e qual.

LEOPOLDO – Deste modo nunca nos entenderemos.

POLIDORO – Parece.

LEOPOLDO (Batendo-lhe no ombro.) – Maganão! sejamos amigos eim? transação aceitável; de nós dois o vencedor, o feliz, indenizará o outro com os tais cinco por cento, pagos oito dias depois do casamento com a velha; eim? POLIDORO – Há perfeita igualdade nas condições; salvam-se as entradas, como se diz no empate do trinta e um. Convenho. Palavra de honra? LEOPOLDO – Na praça só o escrito obriga; assinaremos um contrato bilateral feito em regra e capaz de aparecer… porque…

POLIDORO – Perfeita igualdade de condições: convenho.

LEOPOLDO – Estamos de acordo. Maganão! e como vai de esperanças? vejo bem que a velha está pendendo para o seu lado…

POLIDORO – Qual! arrepia-me quando lhe falo em amor; mas hei de teimar…

LEOPOLDO – Que diabo! então é uma fortaleza; comigo é dura e muda como um rochedo; o senhor já lhe propôs à casamento? POLIDORO – Ora! que pergunta! e o senhor? LEOPOLDO – Eu ainda não me animei.

POLIDORO – Tal e qual como eu! LEOPOLDO – Maganão!… creio que é melhor irmos dançar… mas sempre amigos..

POLIDORO – Perfeita igualdade de condições: convenho. (Vão-se.) CENA VIII VIOLANTE e LAURIANO (Ouve-se o canto de uma senhora.) VIOLANTE – Conhece aquela senhora que canta?…

LAURIANO – De nome e de pessoa; mas não tenho relações com a sua família.

VIOLANTE – Admira que a não felicite com a sua amizade; dizem-me que ela é disputada pelas mais escolhidas sociedades.

LAURIANO – Eu não freqüento as sociedades; por exceção vim aqui; sou muito pobre para subir até o mundo elegante, que custa muito caro.

VIOLANTE – Procure enriquecer depressa; o trabalho não basta para tanto; mas com o seu merecimento bem pode fazer casamento rico.

LAURIANO – As moças ricas não olham para mim… eu também não penso em amar inutilmente alguma delas…

VIOLANTE – Há casamentos de conveniência, em que uma senhora, ainda mesmo que não seja moça, pode enriquecer um mancebo, no seu caso.

LAURIANO – Na minha pobreza chegarei talvez a vender o meu relógio… que foi de meu pai; mas por certo que não venderei o meu coração.

VIOLANTE – Quem fala em venda de coração? não exagere o melindre. Por fim de contas figuro uma hipótese; sou velha e feia, não posso pretender nem pretendo ser amada; possuo porém avultada fortuna, e arreceio-me de parentes esbanjadores; se eu pois lhe dissesse: case comigo para aparar minha velhice com a sua amizade e com a sua paciência, como se fosse meu filho, e em troco da sua dedicação, do seu sacrifício, seja rico… brilhe… goze…

LAURIANO – Ainda bem que figurou uma hipótese, minha senhora, deixandome a liberdade de responder-não-sem a mágoa de ofender pessoalmente vossa 23 excelência.

VIOLANTE – E se por fim de contas não fosse hipótese? se fosse deveras?…

LAURIANO – Ah! eu o sentiria profundamente…

VIOLANTE – Não se aflija por isso; o que o senhor… nobremente…repugna, há naquele salão mais de três que desejam e aspiram…

LAURIANO – Achará por certo mais de trinta, minha senhora; mas se eu fosse capaz de oferecer-lhe um conselho…

VIOLANTE – Aconselhar-me-ia…

LAURIANO – A desprezar miseráveis exploradores da fortuna alheia…

VIOLANTE – Que exaltação de conselheiro! por fim de contas explora-se de todos os modos, e eu lhe juro que por fim de contas a tia está resolvida a casar-se, e a sobrinha ficará sem a herança com que se calcula.

LAURIANO – Minha senhora…. julga-me com injustiça…

CENA IX VIOLANTE, LAURIANO, CLEMÊNCIA, por um lado, BRAZ, por outro; BRAZ quer prevenir VIOLANTE, CLEMÊNCIA pede que não; mímica expressiva de ambos.

VIOLANTE – Sei aonde pega o carro… não é capaz de negá-lo! por fim de contas o senhor e Clemência namoram-se… Clemência deixa-se namorar por todos… e o senhor? namorava-a antes de conhecer-lhe a tia velha e rica? responda por fim de contas.

LAURIANO – Minha senhora; com efeito coube-me a honra de conhecer ao mesmo tempo a vossa excelência e a sua digna sobrinha, juntas nesta chácara; também é verdade que amo dª. Clemência, a ela não me atrevi ainda a dizê-lo; mas a vossa excelência, pois que o pergunta, declaro-o…

VIOLANTE – Por fim de contas…

LAURIANO – Mas nem jamais pensei na herança possível ou provável de dª.

Clemência, nem ela até hoje me deixou exaltar com a glória do seu amor…

VIOLANTE – Pois a herança provável foi-se: eu caso-me; e o que possuo será do marido que me aturar…

LAURIANO – Tanto melhor para mim; darei expansão ao meu amor, e a Clemência, não rica, eu pobre ousarei confessar que a amo…

BRAZ – Madrinha! eu sou fiel… atenda que a escutam…

VIOLANTE (Voltando-se) – Oh!… escutavas?… pois ele não entrou na aposta.

CLEMÊNCIA (A Lauriano.) – Obrigada!… e pobre ou rica… (Sinal de contradança dentro.) é a nossa quadrilha… vamos! (Vão-se ambos.) CENA X VIOLANTE e BRAZ BRAZ – Também este, madrinha?… olhe que caçava fora da coutada da aposta! VIOLANTE – Foi muito incivil comigo; mas hei de ensiná-los.

BRAZ – É uma família de originais; não faz idéia quanto me custou reduzir dª.

Irene a ficar; precisei recorrer à retórica sentimental; ela, porém, jura que não torna mais a esta casa.

VIOLANTE – Desconfio muito de tanto desinteresse e de tanta virtude; no meio da enchente da desmoralização, não é natural a erupção de dois milagres em uma só família.

24 BRAZ – Isso é que é natural; deviam sair iguais; porque a educação foi o molde.

VIOLANTE – Tu tens queda para estes dois…

BRAZ – Conheci-lhes o pai, que era original, como eles, e a mãe é uma santa mulher, que sabe só trabalhar e rezar. Como vão os negócios? o sarau que improvisamos dá de si? VIOLANTE – Ferve-me na cabeça uma idéia, de que talvez te ocupe depois; hoje emprazei os três pretendentes à minha mão de esposa para receberem a minha decisão às duas horas da madrugada em ponto aqui mesmo; cedi porém a Clemência três dias de dilação…

BRAZ – Foi um erro; devia tê-los negado: Clemência tem em mente algum golpe de estado.

VIOLANTE – Foi um acerto… eu te hei de dizer porque… começa a ferver-me certa idéia na cabeça.. quanto ao meu triunfo, é coisa certíssima.

BRAZ – Madrinha, a mocidade é traquinas, e como que se entende com o diabo, uma moça esperta é uma espécie de estudante de saia…

VIOLANTE – Que pode Clemência? por fim de contas está vencida.

BRAZ – Isto é como em eleições de deputados; até o lavar dos cestos há vindima. Nas eleições de deputados às vezes saem eleitos os que não tiveram votos; eu adivinho que Clemência vai fazer alguma duplicata.

VIOLANTE – Nem que faça triplicata por fim de contas.

CENA XI VIOLANTE, BRAZ, IRENE e MÁRIO que a segue.

IRENE – Oh! é perseguição que excede as conveniências… sr. Mário…

MÁRIO – Apelo para o juízo frio e insuspeito da titia e do senhor Braz que estão aqui… é um caso de consciência…

BRAZ – A madrinha é autoridade na matéria, e eu sirvo-lhe de acólito: pode falar.

MÁRIO – Confesso que estou um pouco fora de mim; mas isso mesmo é melhor para o caso, porque quando estou fora de mim, digo as coisas com franqueza…

BRAZ – A conclusão é que quando está dentro de si: etc…

MÁRIO – Titia, ao começar o sarau dª. Irene contradançou comigo, e mostrouse bela… bela é mal aplicado, bela sempre ela é, e agora mesmo apesar de enfadada…

mostrou-se branda; suave… meiga… quero dizer, eu digo tudo… mostrou-se terna.

IRENE – Senhor! MÁRIO – Que mal há nisso? eu estava terníssimo: adianta-se a noite… peço-lhe um passeio…

BRAZ – A quem? à noite? os namorados são inimigos da gramática.

MÁRIO – E dª. Irene diz-me que está fatigada: enfiei, mas dissimulei; quis conversar com ela; monossilabou-me dois minutos de má vontade e voltou-me logo o rosto; tive um ímpeto, mas contive-me; ainda há pouco enfim requeri-lhe uma valsa, note a titia, uma valsa, a pedra de toque, e sabe o que me respondeu? “não valso”; e isso com as pontinhas de uns lábios enregelados; recuei espavorido… veio-me a idéia que ela tivesse torcido algum de seus lindos pés…

BRAZ – E não torcera? MÁRIO – Eis a gravidade do caso: não torcera; e logo depois a ingrata valsava, como um anjo, com um cavalheiro que me pareceu o diabo; apelo para a titia: que pensa do fato? VIOLANTE – Que dª. Irene não quis valsar contigo, e quis valsar com outro.

25 MÁRIO – E daí? VIOLANTE – Ela estava no seu direito.

MÁRIO – Não estava: eis a gravidade do caso; eu, quando estou fora de mim, digo tudo… ela não estava no seu direito; porque… ora… eu estou fora de mim e digo tudo de uma vez… porque eu a amo, ela ama-me; por conseqüência, nós nos amamos.

IRENE – Minha senhora, não consinta que o sr. Mário abuse da minha posição…

MÁRIO – Que mal há nisso? que vexame pode haver no amor mais puro? eu o digo em alta voz: amo-a! o que lhe tenho dito cem vezes ao ouvido, repito-o, para que todos ouçam: amo-a! a senhora também já me confessou que ama-me; porque então me desfeiteou e me maltrata?…

BRAZ – Eu não supunha que os estróinas chegassem a ter eloqüência; dª. Irene, Mário tem razão, vá dançar com ele…

IRENE – Não dançarei mais esta noite.

MÁRIO – Está ouvindo? mas que fiz eu para ser tratado assim? VIOLANTE – Estás em maré de infelicidades, Mário; ainda não sabes de outra, cuja notícia já corre, e terá chegado ao conhecimento de dª. Irene; fala a verdade; esperavas um pouco que te coubesse algum dia uma parte da minha riqueza?…

MÁRIO – Sim… titia… para que mentir? tenho imaginado isso por vezes nas horas vagas.

BRAZ – Honra ao estróina! VIOLANTE – Pois não tornes a imaginar: vou casar-me.

MÁRIO – Casar-se? na sua idade?… e a quem… perdão, eu ia dizendo uma asneira; mas a titia está doida? VIOLANTE – Sinto que minha felicidade seja um infortúnio para meus parentes.

MÁRIO – Eu também sinto um pouco… é força dizê-lo; em todo caso rogo a Deus que seja feliz; mas… tornemos ao que mais importa…

BRAZ – Há então coisa que te importe mais agora?…

MÁRIO – Que pergunta! e o procedimento de dª. Irene? IRENE (A Violante.) – Não sei porque supôs que a nova do seu casamento já me tivesse chegado; eu a ignorava; v. ex., porém, é incapaz de enganar-nos; com certeza vai casar-se? VIOLANTE – Dentro de oito dias estarei casada.

IRENE – E a sua fortuna? e os seus parentes?…

VIOLANTE – A minha fortuna será para meu marido a compensação da minha velhice; os meus parentes… hão de ter paciência…

IRENE (A Mário) – Quer valsar comigo? MÁRIO – Case-se, titia! case-se! juro que seu marido não será mais rico do que eu. (Vai-se com Irene.) CENA XII VIOLANTE, BRAZ e logo CLEMÊNCIA BRAZ – Ah! quem me dera ser Mário et coetera! VIOLANTE – Acho que é fora do natural e até uma espécie de desacato haver quem ostente não dar importância à minha riqueza! BRAZ – Madrinha… receio que a sua cabeça hoje… esteja… et coetera…

CLEMÊNCIA – Duas horas menos cinco minutos: estou presente.

VIOLANTE – Vem muito cheia de si… por fim de contas.

BRAZ – Foi pena que não contemplasse na oposta o apaixonado que vale mais 26 que os três multiplicados por trezentos mil.

CLEMÊNCIA – Estava injustamente condenado nas reflexões loucas do toucador.

BRAZ – Explique-se.

CLEMÊNCIA – Por meu castigo explico-me: eu tinha medo de amá-lo, porque para marido faltava-lhe com que comprar-me brilhantes.

BRAZ – E agora? CLEMÊNCIA – Cada um tem os seus segredos, não é, titia? CENA XIII VIOLANTE, BRAZ, CLEMÊNCIA e AUGUSTO AUGUSTO – Prazo dado de amor que é tarde sempre. (Vendo Clemência.) Ah! CLEMÊNCIA – Não se incomode, sr. doutor.

AUGUSTO – No mais sério e estremecido empenho só me pode alvoroçar a dúvida do conseguimento da glória.

CLEMÊNCIA (A Braz.) – Este doutor é do direito ou do torto?…

BRAZ (A Clemência.) – Há casos em que o direito está na tortura: este é um deles.

CENA XIV VIOLANTE, BRAZ, CLEMÊNCIA, AUGUSTO e POLIDORO POLIDORO – Dois minutos antes da hora: o relógio do verdadeiro amor anda sempre adiantado. (A Braz.) Que faz aqui o dr. Augusto? BRAZ (A Polidoro.) – Também estou desconfiado: temo que a madrinha o queira tomar por advogado et coetera…

VIOLANTE (A Clemência) – Este nem caso fez da tua presença: reparaste? CLEMÊNCIA (A Violante) – Eu tenho a dilação, madrinha: lembra-se? CENA XV VIOLANTE, BRAZ, CLEMÊNCIA, AUGUSTO, POLIDORO e LEOPOLDO LEOPOLDO – Duas horas: pontualidade inglesa; às ordens de vossa excelência!… (A Polidoro) Que significa a presença do dr. Augusto? POLIDORO (A Leopoldo) – Baldo ao naipe! estou in albis.

VIOLANTE – Senhores, agradeço tanta bondade; infringindo as conveniências e os costumes da sociedade, eu os emprazei para a mesma hora e o mesmo lugar a todos três.

POLIDORO – Três! LEOPOLDO (A Augusto) – O sr. doutor também? AUGUSTO (A Leopoldo) – Admira-se?…

VIOLANTE – Eu procedi assim, não para ofendê-los, mas porque tive para mim que os senhores pensavam somente em zombar de uma velha…

AUGUSTO – Perdão… eu protesto…

LEOPOLDO – Minha senhora… reitero a minha proposição…

POLIDORO – E eu também com o coração nos lábios…

VIOLANTE – Era o que desejava muito ouvir diante do meu afilhado e de minta sobrinha: obrigada! agora, e isto é irrevogável, mais três dias para que os senhores reflitam, e para que eu também assente na minha escolha; daqui a três dias pois, no 27 domingo, os senhores terão a complacência de vir jantar conosco, e no fim do jantar dirigirei o último brinde ao preferido. (Confusão e desapontamento dos três.) BRAZ – Talvez fosse melhor fazer o brinde da preferência antes do jantar.

CLEMÊNCIA – Não, titia: os dois infelizes perderiam o apetite.

VIOLANTE – Será como disse; e até domingo reservo-me o direito de absoluto recolhimento para mais tranqüila resolver sobre a escolha.

CLEMÊNCIA – Ao menos porém até o fim do sarau…

BRAZ – Ei-lo que termina a galope.

CENA XVI VIOLANTE, BRAZ, CLEMÊNCIA, AUGUSTO, POLIDORO, LEOPOLDO, galopada geral; os pares invadem a varanda por todos os lados; LAURIANO arrebata Clemência; MÁRIO e IRENE galopam; CASIMIRO passa e volta galopando com uma jovem; ardor na dança. Augusto, Polidoro e Leopoldo cercam Violante.

BRAZ – Eu defendo a madrinha! não consinto que ela galope!…

FIM DO TERCEIRO ATO ATO IV Salão elegante, que abre ao fundo portas para a varanda, que se vê em parte; janelas ao lado esquerdo, abrindo para o jardim; portas ao lado direito.

CENA I CASIMIRO e PORFÍRIO PORFÍRIO – Isso não tem senso comum.

CASIMIRO – Digo-te que é um dever de honra, e um recurso para a felicidade da minha vida; seguindo teus conselhos, ofendi Irene, embora não ousasse deixar perceber a extrema e indigna proposição…

PORFÍRIO – Elas arrepiam-se muito no princípio, mas acabam por ceder; teima.

CASIMIRO – Não. Irene é um anjo de pureza, depois do que lhe disse, devo pedi-la em casamento; cumprirei o dever, e me farei ditoso.

PORFÍRIO – Irene tem dezoito anos; daqui a dezesseis anos terá trinta e quatro, e será ainda moça e bela; tu, então, contarás setenta, será inválido da pátria, posto fora do serviço ativo, e apesar teu contemplado na passiva.

CASIMIRO – Setenta anos!… não chego lá; quero passar em flores o resto da vida.

PORFÍRIO – Darás a Clemência madrasta dois anos mais moça.

CASIMIRO – Melhor; brincarão ambas como se fossem irmãs; elas são muito amigas; além disso… Clemência que trate de achar marido… já é tempo.

PORFÍRIO – E Mário? CASIMIRO – Conheço-lhe o caráter; é de gênio revoltoso, mas por fim obedece-me sempre; hei de convencê-lo a entrar para o seminário de S. José, os padres lazaristas deve ganhar muito.

PORFÍRIO – Estás desarrazoando.

CASIMIRO – Nunca tive tanto juízo; olha, tudo me anda às avessas: a Acrobata adoeceu de bexigas e adeus amores! é pena: o ladrão da rapariga arrebatava! a mana Violante está doida, e quer casar; adeus herança! Eu ganho suficientemente no comércio 28 para manter com decência e algum luxo a minha família; e até para capitalizar dois a três contos de réis por ano; mas a paixão pelo belo sexo traz-me sempre a bolsa rasa, e cria-me dificuldades. Irene é pois um sábio recurso; com os seus encantos me fará esquecer todas as Acrobatas, me consolará do casamento de Violante, e me tornará caseiro, circunspecto, grave, econômico e feliz; não achas? PORFÍRIO – Acho que é uma grande asneira.

CENA II CASIMIRO, PORFÍRIO, BRAZ que entra pelo fundo.

BRAZ – Qual é a asneira? são tantas! agora serão pelo menos duas.

PORFÍRIO – Que lhe importa? nós nunca podemos estar de acordo.

CASIMIRO – Ao contrário, estou certo que desta vez o Braz me apoiará.

PORFÍRIO – Entende-te pois com ele. (Indo-se) CASIMIRO – Espera: não tarda o jantar…

PORFÍRIO – Com o Braz à mesa a indigestão é infalível. (Vai-se) BRAZ – Efeito do molho, tens medo da mostarda et coetera.

CENA III CASIMIRO e BRAZ CASIMIRO – Quero os teus conselhos; prometes ouvir-me e falar-me seriamente? BRAZ – Conforme: eu canto segundo o gênero e o caráter da música.

CASIMIRO – Estou cansado de fazer loucuras impróprias da minha idade; ontem fiz a última.

BRAZ – Veremos, qual foi a última? CASIMIRO – Direi depois; faço-te uma confidência de irmão: eu amo Irene…

BRAZ – Ainda hoje? CASIMIRO – Hoje mil vezes mais.

BRAZ – Ah! de que data é a tua última loucura? CASIMIRO – De ontem; já to disse.

BRAZ – Ah! et coetera; continua.

CASIMIRO – Amo Irene, mas ontem… eis a loucura… falei-lhe de um modo de que ela justamente se ofendeu… fui insensato… grosseiro…

BRAZ – Até aí muito bem pela conclusão, e Irene? CASIMIRO – Tratou-me com o desprezo mais esmagador.

BRAZ – E tu? CASIMIRO – Choro o meu arrependimento, e adoro-a perdidamente; sem Irene continuarei a ser o que tenho sido; com Irene me corrigirei e serei feliz; e tendo-a…

des…. des… desconsiderado um pouco… entendo que o dever por um lado e o amor pelo outro me ordenam…

BRAZ – A pedi-la em casamento et coetera.

CASIMIRO – Essas tuas et coetera me apoquentam…

BRAZ – Não faças caso; é costume: porém… essa idéia de casamento na tua idade, e no teu estado…

CASIMIRO – Esquece essas circunstâncias, e, abstração feita, aconselha-me.

BRAZ – Ah! abstração feita, aprovo unanimente.

CASIMIRO – Não zombas comigo? BRAZ – De modo nenhum; postas de lado aquelas circunstâncias et coetera, 29 aprova-se por força o teu projeto.

CASIMIRO – Falas sério, Braz? BRAZ – Não vês? abstração feita…

CASIMIRO – Então… é o caso de me prestares o maior favor; Irene está arrufada… se te quisesse encarregar de falar-lhe… de convencê-la…

BRAZ – Encarrego-me, conta comigo; mas… atende, casamento de velho com menina é fazê-lo de improviso, ou falha.

CASIMIRO – Eu não me sinto velho; concordo, porém, e se fosse possível…

amanhã mesmo…

BRAZ – Amanhã é impossível, Casimiro; há muita obra a fazer; primeiro alcançar a palavra de Irene, depois obter todas as dispensas na Conceição; tomo tudo a mim; se é que não estás abusando da minha simplicidade, basta que assines os papéis que logo te darei…

CASIMIRO – És meu irmão adotivo, não deves iludir-me, não podes gracejar em tão grave assunto…

BRAZ – Sou teu irmão adotivo, lembraste-o bem; farei por tua felicidade e por tua reputação mais do que esperavas em mim.

CASIMIRO – Braz! meu Braz! BRAZ – Deixa para depois os agradecimentos; estou tomando gosto à negociação e ao serviço de que me encarregas pela mais interessante coincidência…

CASIMIRO – Que coincidência? BRAZ – No domingo a madrinha proclama o seu casamento, e no mesmo dia poderás realizar o teu; mas… tu sabes, a alma do negócio é o segredo, e neste gênero de negócios…

CASIMIRO – Principalmente; ninguém me ouvirá palavra, confio em ti, farás tudo. Quanto à coincidência… se pudesses também convencer Violante de que não lhe está bem casar-se na sua idade… de que o ridículo, a murmuração de todos… o mal que faz a seus parentes…

BRAZ – No coração de uma velha o badalo do casamento soa mais forte que o bombo em música de timbaleiros; não há esperança: lasciate ogni speranza; a velha entra por força a porta do inferno.

CASIMIRO – Aí chega ela… eu vou passear pelo jardim… Violante me irrita com a sua mania: já brigamos hoje, é melhor sair…

CENA IV BRAZ e VIOLANTE VIOLANTE(A Casimiro) – Pode voltar-me as costas quantas vezes quiser! agradeço-lhe a sua ausência…

BRAZ – Madrinha! VIOLANTE – Pois não! tenho passado o dia em uma roda-viva; que tem ele de opor-se ao meu casamento? BRAZ – Mas… eu não a julgava com tanto talento para a zombaria! tem tocado o sublime…

VIOLANTE – Por fim de contas… não tornes a falar-me assim… tenho uma idéia a ferver-me na cabeça… mandei-te chamar por isso.

BRAZ – Desde ontem à noite que a madrinha me está logogrifando com a idéia que lhe ferve na cabeça; ainda bem que me mandou chamar: às ordens! VIOLANTE – Como te direi, Braz? tu és quase meu filho, atende-me e aconselha-me; mas… não olhes para mim com esses olhos espantados… por fim de 30 contas meteste-me a brincar com fogo… por um lado só a idéia do meu casamento pôs em fúria Casimiro contra mim, e me deu a mostra do pano, e do que devo esperar destes meus parentes; por outro lado, três moços bonitos, amáveis e cada qual mais extremoso, se oferecem a proteger e aditar meus últimos anos.

BRAZ – Madrinha… o que está dizendo… por quem é… uma senhora de tanto juízo… (Mudando de tom) bravo, madrinha! admirável!… até a mim própria iludia! representa perfeitamente! VIOLANTE – Mas não há ilusão… é a idéia que me está fervendo na cabeça…

BRAZ – Estupendo! é de arrebatar! bravo, madrinha! VIOLANTE – Pior! queres fazer-me perder a paciência? principias a faltar-me ao respeito!..

BRAZ – Como?… pois não é graça, madrinha? VIOLANTE – Meu Braz, se eu não me casar, que contarei deste mundo no outro? e por fim de contas quem pode assegurar que eu não seja amada por meu marido? e ainda não amada, ele pelo menos fingirá amar-me, e há de cercar-me de cuidados para que eu lhe deixe toda minha fortuna: esse fingimento me fará feliz…

BRAZ – Et coetera… et coetera…

VIOLANTE – Não entendo.

BRAZ – Naturalmente: et coetera é grego; mas tem sua eloqüência nestes casos.

VIOLANTE – Eu não pensava nestas coisas; tu me expusestes ao fogo… criaste a hipótese… fizeste-me desejar a realidade, oferencendo-ma ou mostrando-ma de perto!…

Braz, a gente não é de ferro…

BRAZ – Ah, madrinha! a serpente não pensou que houvesse tentação para a Eva de sessenta e dois anos! sou o maior tolo do Brasil! VIOLANTE – Reprovas também?…

BRAZ – Não digo isso… mas reflita por algumas semanas antes de se decidir…

madrinha… a sua idade…

VIOLANTE – Não vem ao caso; com os anos que tenho, achei de uma vez três pretendentes à minha mão; parte deste princípio e raciocina.

BRAZ – Partindo desse princípio, não há que raciocinar: é casar et coetera.

VIOLANTE – Pretendes meter-me à bulha? BRAZ – Qual! tenho visto disparates maiores; exemplo: o do… o da… o de… não acho agora exemplo; mas sem dúvida haverá muitos; a madrinha quer casar? aprovo; conte comigo em tudo, por tudo e para tudo.

VIOLANTE – Eu contava tanto com os teus epigramas como com a tua dedicação.

Agora quero de ti um favor: preciso que até amanhã à noite, me tragas informações miúdas e completas sobre os meus três pretendentes.

BRAZ – Honradíssimos e desinteressadíssimos jovens: iguaizinhos todos três.

VIOLANTE – A tua voz tem um tom de ironia…

BRAZ – Não, senhora; apenas falei em grifo, como diz certo amigo; vá descansar, madrinha; amanhã lhe trarei o relatório das virtudes e das hipotéticas fraquezas daqueles três primores… serei leal, como sempre; vá descansar.

VIOLANTE – Sim, e preciso bem; desde ontem que não durmo… sinto uns abalos no coração…

BRAZ – Vá dormir sossegada; o seu casamento se fará et coetera… et coetera.

VIOLANTE – Tu és trigo sem joio. (Vai-se) CENA V BRAZ e CLEMÊNCIA 31 BRAZ (Acena para dentro chamando) – Psiu! psiu! CLEMÊNCIA (Dando-lhe a mão) – Como passou? BRAZ – Melhor do que merecia; falemos com algum cuidado… (Observando) CLEMÊNCIA – Que há? BRAZ – Virei de bordo e venho bater bandeiras; abandonei o partido da madrinha e passo-me para o seu; não se admire, porque isto é trivial.

CLEMÊNCIA – Na minha questão com a titia dispenso absolutamente o seu apoio.

BRAZ – Dê forte, que bem o mereço; mas o caso tornou-se grave; na sua família manifestou-se a loucura contagiosa; é para fazer medo! não me espantaria se hoje ou amanhã a senhora se dirigisse à minha casa para pedir-me em casamento.

CLEMÊNCIA – Tranqüilize-se.

BRAZ – Não posso, porque esse é o caráter da epidemia; escute, guarde segredo e auxilie-me em seu próprio interesse; seu pai incumbiu-me de pedir para ele a menina Irene em casamento.

CLEMÊNCIA – É possível?!!! vou contar a Mário.

BRAZ – Deitaria tudo a perder.

CLEMÊNCIA – Meu pai então está doido? BRAZ – Se a moléstia é reinante! CLEMÊNCIA – Tem razão… gosto de Irene; mas se meu pai ma desse por madrasta… sim… era caso de correr a sua casa a pedi-lo em casamento… é demais! BRAZ – Não se encolerize; ouça o que mais me ataranta: a madrinha, que instigada por mim fizera a famosa aposta com o único fim de castigar um pouco a sua vaidade, e de ensiná-la a conhecer a torpeza de certos homens, tomou gosto ao brinquedo e quer deveras casar-se.

CLEMÊNCIA – O senhor está gracejando.

BRAZ – O que eu estou é em brasas.

CLEMÊNCIA – Não… a titia diverte-se com os três ambiciosos, e dá-me boa lição…

BRAZ – Falo-lhe como amigo, e membro adotivo da sua família…

CLEMÊNCIA – Mas a titia quer fazer mal a todos nós, expondo-se a muito maior mal?… isso me aflige realmente.

BRAZ – Eis aí pois dois casos de loucura; sou, por felicidade, o confidente da madrinha, e o corretor da negociação casamenteira de Casimiro, mas preciso de auxiliares.

CLEMÊNCIA – Que posso eu fazer? BRAZ – Muito, conforme as circunstâncias; na questão paterna há de facilitarme hoje mesmo uma conferência com Irene; mas nem de leve indiciará que a não quer por madrasta.

CLEMÊNCIA – Convém prevenir…

BRAZ – Deseja mais um doido na história? a senhora é homeopata, espera curar pelos semelhantes.

CLEMÊNCIA – Farei o que me ordenar.

BRAZ – Quanto à madrinha, estou ainda a ver navios; velha com esperança de casamento é mais teimosa que um galo da Índia a brigar; não sei que faça; a senhora, porém, descobriu um recurso, que me pode servir.

CLEMÊNCIA – Qual! estou aniquilada…

BRAZ – Deixe-se de fingimentos; pediu uma dilatação de três dias; para que? preciso saber tudo.

CLEMÊNCIA – Apelação de condenada; mme. Dubarry com o pescoço na 32 guilhotina dizia ainda ao algoz: “un petit moment, monsieur le baourreau!” BRAZ – Desconfia de mim, não é? CLEMÊNCIA – Desconfio: só tenho um recurso, espere por ele, e vá laborando, como puder, contra a loucura da titia, se é que não veio armar-me uma cilada.

BRAZ – Não tenho direito de protestar… ao menos porém trabalhemos de acordo; eu creio… mas o meu ouvido é ótimo (Baixo) são pisadas de velha; ela pode dispor de si! se fosse pobre, vocês haviam de empurrá-la! (Baixo) não faça caso: (Alto) esta oposição é pelo receio de perder a herança, com que calculavam! (Baixo) ataqueme de rijo: (Alto) a madrinha não precisa de tutores! (Baixo) proteste.

CLEMÊNCIA – Pois que se case… sentirá as conseqüências…

BRAZ – Et coetera.

CENA VI BRAZ, CLEMÊNCIA e VIOLANTE, que viera chegando VIOLANTE – A senhora também pretende por-me impedimentos? CLEMÊNCIA – Não, senhora; case-se, e há de ver o que a espera; por mim já tive o que desejava, a dilação de três dias.

VIOLANTE – Que me importa a dilação? agora o caso é sério e nele só o Braz goza a minha plena confiança.

CLEMÊNCIA – Mas eu não prescindo da aposta.

VIOLANTE – Já ganhei-a, e vou deixar-te para tua consolação dois infelizes, como desprezados despojos do meu triunfo.

BRAZ (A Clemência) – Caráter da loucura epidêmica; não apuro as coisas.

(Alto) É o que eu dizia: a madrinha vencerá, casará, e, celebrado o casamento, haverá festa, banquete, glória, et coetera, et coetera.

VIOLANTE – Ah, meu Braz! CENA VII BRAZ, CLEMÊNCIA, VIOLANTE e MÁRIO MÁRIO – Revolução a consumar-se! CLEMÊNCIA – Que temos? MÁRIO – Sou outro, porque vou ser outro; decididamente quebrei com o meu passado: quebrei e era de razão; não era? tenho vergonha do que fui…

CLEMÊNCIA – Mário, tu nos assustas, que é que foste? MÁRIO – Um vadio, o escândalo da sociedade, um traste sem préstimo; tenho vergonha… não é de razão? o que me abriu os olhos foi o sopro de um anjo.

BRAZ – Explica-te, relâmpago! MÁRIO – Há uma hora que Irene me disse: “Juras amar-me e que me queres por esposa: em que te ocupas? qual o trabalho de que tirarás o pão para me sustentar?…” Olhei ao redor de mim e dentro de mim, por fora e por dentro achei-me no vácuo! Palavra de honra, tenho sido um vadio descomunal! não tenho? se são capazes digam em que me ocupo… digam… digam!…

BRAZ – Em trocar as pernas: é ocupação de muitos outros, como tu.

MÁRIO – Não as trocarei mais: Irene fez-me ver a verdade com a luz do amor.

BRAZ – Pois é raro que essa luz mostre assim as coisas.

MÁRIO – Virtude da fonte lucífera; as Irene também são raras o caso é que consumou-se a revolução; sou outro, porque vou ser outro, e não vendo hoje mesmo Hipogrifo, porque Irene mo proibiu.

33 BRAZ – Nisso ela errou: conservando Hipogrifo, ainda podes desencabrestar.

MÁRIO – Não tenha medo: quero estabelecer-me, trabalhar e enriquecer.

VIOLANTE – A resolução é ótima: que calculas ser?…

MÁRIO – Se eu pudesse, seria banqueiro; mas falta-me a matéria prima; não tenho riqueza… não tenho fundos…

BRAZ – Que asneira, Mário! para ser banqueiro basta o dinheiro dos outros.

MÁRIO – Quero um mister decente: arranjam-mo? vejam se mo arranjam, e cuidado comigo, que adoro os extremos; olhem, que sou capaz de ir quebrar pedras, ou de mostrar-me puxando uma carroça d’água.

BRAZ – E não te vexarias? MÁRIO – Eu, vexar-me? chapéu desabado à cabeça, blusa a operário francês, calças grossas a ilhéu, sapatões ferrados a italiano, puxando o burro preso à carroça, erguerei orgulhoso a fronte ao passar diante das janelas de Irene, porque, vendo-me assim, Irene dirá: “É por mim!” VIOLANTE – E nós? e o nosso vexame? MÁRIO – Pois arranjem-me um mister mais decente: eu declaro que estou decidido, sou outro, porque vou ser outro, consumou-se a revolução.

BRAZ – Mas onde tens o capital para comprar dois burros pelo menos, a carroça e os barris?…

VIOLANTE – Para isso não te empresto dinheiro, não contes comigo por fim de contas.

MÁRIO – Nem eu preciso, vendo Hipogrifo: dois contos de reis… é querer.

CLEMÊNCIA – Nunca serás aguadeiro… seria um opróbrio…

MÁRIO – Opróbrio é ser vadio; arranjem-me ocupação mais decente e mais rendosa… concedo oito dias às vaidades de família…

CLEMÊNCIA – Papai trata de obter para ti um emprego público.

MÁRIO – Rejeito in limine, por duas razões: primeira, quero estar em oposição muito independente a todos os ministérios; segunda, um aguadeiro ganha mais do que os empregados públicos de escala superior.

BRAZ – Abaixo o aguadeiro! ofereço-te a administração duma pequena fazenda de café com cinqüenta escravos sob a condição de metade nos lucros.

CLEMÊNCIA – Excelente! VIOLANTE – Que fazenda é essa, Braz? suponho que não será a minha.

MÁRIO – Também não aceito.

BRAZ – Então és incontestável.

MÁRIO – Não caio nessa; fora da cidade só casado com Irene.

VOZES (Dentro) – Mário!… Mário! Mário!…

CENA VIII BRAZ, CLEMÊNCIA, VIOLANTE, MÁRIO e CASIMIRO CASIMIRO – Mário, aí estão à porta dez ou doze cavaleiros teus amigos…

bradam por ti… não ouves? VOZES (Dentro) – Mário! Mário! MÁRIO – Passeio oficial de sportemen… parece extraordinário e singular em S.

Cristóvão… (Luta interior) tentação diabólica… eu tinha dado a minha palavra! VOZES (Dentro) – Mário! Mário! MÁRIO – Hipogrifo a brilhar… vou… não vou… (Vai e volta) CASIMIRO – Há de ir… deves cumprir a tua palavra…

MÁRIO – Sou outro, porque vou ser outro… consumou-se a revolução… não 34 vou! VOZES (Dentro: batem com os açoites nas janelas) – Mário! mandrião! vem! MÁRIO (Correndo à janela) – Relache par indisposition: Hipogrifo constipou-se.

FIM DO QUARTO ATO ATO V A mesma sala do ato quarto CENA I CLEMÊNCIA e BRAZ, que chega BRAZ (Grande cumprimento) – É de mestra!… agora, aconteça o que acontecer, não vá pedir-me em casamento; porque se arrisca à negativa certa.

CLEMÊNCIA – Tão feia ou má sou eu? BRAZ – Nem feia, nem má; é porém um demoninho de arteira.

CLEMÊNCIA – Veremos nos resultados do artifício. Aqui todos guardam segredo: lembre-se que anteontem se declarou do meu partido…

BRAZ – Bati bandeiras aos seus pés, estou rendido, hoje mil vezes mais.

CLEMÊNCIA – Eu o esperava ansiosa para assegurar-me da sua discrição…

BRAZ – Beijo-lhe as mãozinhas pela dúvida.

CLEMÊNCIA – Agora… desculpe-me… devo completar o meu toilette…

BRAZ – Bata as asas e voa já ao paraíso do espelho. (Vai-se Clemência) CENA II BRAZ e CASIMIRO CASIMIRO – Braz… Braz… então?… falaste-lhe de novo?…

BRAZ – Tranqüiliza-te, Casimiro! estás que pareces desvairado! para mim são favas contadas; anteontem falei-lhe pela primeira vez e sabes já que houve trovoada e chuva; isto é, rugidos de cólera e lágrimas de dor…

CASIMIRO – Coitadinha! BRAZ – Ontem de novo ataquei a fortaleza, e, como te disse, Irene defendeu-se com reticências… monossílabos… e enfim com um “saberá mais tarde” assobiado a tremer, que me fez ficar sabendo mais cedo…

CASIMIRO – Confia talvez demais na minha felicidade…

BRAZ – Tão seguro estou de conseguir o meu fim, que, obtida a permissão da mãe e do irmão de Irene, já alcancei todas as dispensas admissíveis para o casamento… em poucos dias teremos a boda.

CASIMIRO – Excelente amigo!… mas hoje?… tornaste a falar-lhe?…

BRAZ – Não há duas horas; Irene é como todas as moças; está morrendo por casar; mas faz-se de boa para ser muito rogada; insisti na história, e ela sorriu-se vaidosa… corou… vês?… foi como se começasse dizendo; “eu…” e pontinhos: depois suspirou… vês?… foi como se acabasse dizendo: “quero” com ponto final et coetera.

CASIMIRO – Mas… como, suspirou… isso já e muito, e todavia… pode não ser coisa alguma.

BRAZ – Enganas-te: isso é sempre alguma coisa. Irene caiu no laço; juro-te que desde dois dias o seu olhar, a sua fisionomia, os seus enleios, a sua respiração muitas 35 vezes comprimida, estão denunciando noiva.

CASIMIRO – É verdade que ela ontem falou-me com uma perturbação…

BRAZ – Queres mais claro? CASIMIRO – Eu queria… o sim decisivo…

BRAZ – Também eu quis, pedi-o, e exigi-o ainda há pouco.

CASIMIRO – E ela?…

BRAZ – Quis falar… hesitou… apertou-me a mão, feliz Casimiro! e enfim, depois de muita confusão… rosas de pejo nas faces… agitação palpitante do seio, et coetera, afortunado Casimiro! ela murmurou a custo: “Poupe-me ainda… farei por chegar um pouco cedo para o banquete de dª. Violante… e lá… se nos acharmos sós… o senhor me ouvirá… e ficará contente de mim.” CASIMIRO – Oh! ela disse isso? que tu ficarias contente dela?… então é certa a minha dita, Braz! é a conseqüência…

BRAZ – Lógica, está claríssimo: o contrário fora absurdo et coetera; e por essa razão corri a esperá-la aqui; entendi-me com o irmão, que as acompanhará até a escada da varanda, e voltará depois.

CASIMIRO – Ah, meu Braz! BRAZ – Traduzo ou interpreto: desejas ouvir a minha conferência com Irene.

CASIMIRO – Se fosse possível…

BRAZ – Vaidoso! vaidoso! é uma traição que a tua noiva me agradecerá; quando ela chegar, entra no teu gabinete, e da porta entreaberta ouvirás tudo. Feliz Casimiro! eu ponho-me de sentinela. (Na janela) CASIMIRO – Muito padece quem ama! BRAZ (A janela) – Com efeito um amor assim fora de tempo deve andar aos tombos pelas rugas do coração; mas a madrinha, que é oito anos mais velha do que nós, mostrou-te o caminho do casamento…

CASIMIRO – Que doida! que velha ridícula! BRAZ – Desta vez é a madrinha que traz nos olhos a trave; mas o argueiro que está nos teus é de um tamanho colossal…

CASIMIRO – Eu sinto verdadeiro amor…

BRAZ – Também a madrinha diz que o sente; é questão de mais ou menos cabelos brancos nos dois amores… mas… Irene chega… como vem formosa! afortunado Casimiro! ao gabinete, perverso.

CASIMIRO (Entrando) – Conversa de modo que eu ouça distintamente.

BRAZ – Podes contar com isso: conversarei fortíssimo.

CENA III BRAZ, IRENE e CASIMIRO no gabinete BRAZ – Minha senhora, dou parabéns à minha fortuna, pois que a madrinha e dª. Clemência ainda estão aprimorando os seus toilettes, e Casimiro e Mário provavelmente mostrando os seus.

IRENE – A fortuna de que fala é determinada pelo cruel dever de dar-lhe contas de mim … compreendo que me cumpre falar, explicar-me, responder-lhe… mas custame…

o vexame atormenta-me…

BRAZ – Na minha qualidade de homem é evidente que tenho menos vergonha e rompo a discussão, começando pelo fim, o que é mais em regra. Casimiro a adora; a sua mão de esposa vai aditar-me… uma só palavra sua resumirá mil discursos; diga – sim – , e está acabada não, mas principiada a história, e que história? et coetera.

IRENE – Devo ser franca: o sr. Casimiro está adiantado em anos e eu sou quase 36 menina; poderia sentir por ele somente amor filial; como lhe consagrarei amor de noiva? o nosso casamento seria muito desigual, e ainda isso é o menos.

BRAZ – Caio das alturas: pois há mais?… tenha a bondade de chegar-se para mim, que sou um pouco surdo (Perto do gabinete) pois há mais? IRENE – Há: disse que ele é demasiado velho para uma noiva de dezoito anos…

tem três idades minhas.

BRAZ – Como?… esta surdez martiriza-me…

IRENE (Mais alto) – O sr. Casimiro tem três idades minhas.

BRAZ – Ah! isso é o menos: o que é o mais?…

IRENE – Pois que é necessário dizê-lo… confesso-o… eu já sou amada… e…

amo…

BRAZ – Como?…

IRENE (Mais alto) – Já sou … e amo…

BRAZ – Ah! essa circunstância… bilateral é bilateralmente grave.

IRENE – E ainda mais…

BRAZ – Mais?… então é o infinito na desgraça de Casimiro… estou caído das alturas et coetera! IRENE – Não é o infinito, mas é o impossível moral e absoluto…

BRAZ – Que ilusão a minha! e eu que contava… mas então…

IRENE – O homem por quem sou amada, aquele que amo… sr. Braz…

BRAZ – Querem ver que sou eu…

IRENE – É… Mário… o filho do sr. Casimiro…

CENA IV BRAZ, IRENE, CASIMIRO no gabinete e MÁRIO, no fundo BRAZ – Como? esta surdez é o diabo.

IRENE (Alto) – O homem por quem sou amada… aquele que amo… é Mário…

BRAZ – Mário? a atrapalhação é séria; porém…Mário é um estróina.

IRENE – Tem o mais nobre coração… é jovem e belo; eu o amo…o seu defeito era a ociosidade… ama-me porém ternamente… (Abre-se a porta do gabinete; Casimiro com os traços decompostos; Mário ao fundo entusiasmado) eu conseguirei corrigi-la… e pelo encanto… pela pureza e santidade do nosso amor levá-lo a trabalhar, a ser útil a si, à sociedade, e a esquecer entretenimentos vãos. (Casimiro sai arrebatado ao mesmo tempo que Mário avança) MÁRIO – Prova! acabo de vender Hipogrifo. (Confusão de Casimiro) IRENE – Ah! meu Deus! BRAZ (A Casimiro) – Contém-te, Mário chegou apenas a poucos momentos, e nada ouviu sobre tuas loucas pretensões… é indispensável que ele as ignore sempre.

CASIMIRO (A Braz) – Mas como está desmoralizada a mocidade! (A Irene) Minha senhora.

IRENE – Sr… Casimiro…

CASIMIRO – Peço perdão…entrei precipitado…

MÁRIO – Foi a mais feliz surpresa, meu pai.

CASIMIRO – Impertinente! sempre desassisado…

MÁRIO – Porque vendi Hipogrifo? dois contos para raiz de fortuna abençoada pelo amor de um anjo.

BRAZ – Adorável estróina, Deus te abençoe.

IRENE – Eu me confundo… e preferiria ir ver as senhoras.

CASIMIRO (A Mário) – Não compreendes que és inconveniente? 37 MÁRIO – Pois há mal no que disse?… meu pai, amo dª. Irene, ela ama-me; logo nos amamos; eu era um vadio, agora vou trabalhar; prova de juízo, vendo Hipogrifo; o que falta só é que meu pai aprove o que falta.

CASIMIRO (A Braz) – Que lição cruel, malvado! BRAZ (A Casimiro) – Deixa-te de tingir os cabelos; resigna-te à reforma de namorado et coetera, e sabe ser feliz pela felicidade de teus filhos.

CENA V BRAZ, CASIMIRO, IRENE, MÁRIO, VIOLANTE e CLEMÊNCIA VIOLANTE – Mil agradecimentos, dª. Irene, por ter vindo honrar o nosso jantar, que será o do meu noivado.

IRENE – Renovo-lhe os meus parabéns, minha senhora; e o seu noivado quando será, dª. Clemência?! espero ser convidada.

CLEMÊNCIA – Fiz dois votos: o primeiro para que nós duas tenhamos as nossas bodas no mesmo dia; o segundo, para que a titia assista a elas ainda solteira e sem noivo.

VIOLANTE – Esta pobre invejosa não passa de praguenta amalucada: a minha dita lhe tira o sono e faz delirar; em parte devo desculpá-la: o meu casamento, dª. Irene, foi resolvido pelas linhas tortas com que Deus costuma escrever direito; principiou por brinquedo de aposta, e vai acabar em coisa séria. Ah! se eu lhe contasse toda a história…

mas… bem vê que por fim de contas há no nosso sexo certas revoltas do pudor…

IRENE – Oh!… sem dúvida…

BRAZ – E com todas essas revoltas a madrinha casa-se por fim de contas et coetera! CLEMÊNCIA – Quem sabe? eu hei de ver para crer…

VIOLANTE – O que pretendes é perturbar-me o espírito com temores vãos…

ficaste vencida! CLEMÊNCIA – Confesso; mas espero ficar sem vencedora. (Impaciência de Violante) titia, a que horas devem chegar os seus três pretendentes? VIOLANTE – Às quatro horas precisas (Consulta o relógio) são apenas três…

ainda tenho de esperar um século! CLEMÊNCIA – E em uma hora transforma-se o mundo. (A Braz) Estou com medo…

BRAZ (A Clemência) – E eu não; confio muito nas misérias humanas.

CENA VI BRAZ, CASIMIRO, IRENE, MÁRIO, CLEMÊNCIA, VIOLANTE e um criado, que apresenta em uma salva de prata uma carta a Violante e retira-se VIOLANTE (A Clemência.) – Vê de quem é essa carta e o que contém.

CLEMÊNCIA (Abre e lê.) – Oh! CASIMIRO – Que é? CLEMÊNCIA (Lendo.) – “Minha senhora: cedendo, a meu pesar, a circunstâncias imperiosas, sou obrigado a desistir das minhas pretensões à mão veneranda de v. exa.; se, porém, o destino não me permite ser esposo, serei ao menos sempre de v. exa. o mais humilde criado… dr. Augusto de Melo.” CASIMIRO – E esta? VIOLANTE – É falso! Como não sei ler, a maldita invejosa abusa da minha ignorância. (Toma a carta e dá-a a Braz.) Braz, lê tu esta carta por fim de contas.

38 BRAZ (Depois de ler para si.) – Tal e qual, madrinha! E a letra e a firma são do dr. Augusto. Custa a crer… mas este… foi-se! et coetera.

VIOLANTE (Dissimulando mal.) – Por fim de contas, era esse o que menos me agradava dos três.

CLEMÊNCIA – Ah, titia!…

VIOLANTE (Com força.) – Ainda tenho dois.

CENA VII BRAZ, CASIMIRO, IRENE, MÁRIO, CLEMÊNCIA, VIOLANTE e o criado, que apresenta segunda carta a Violante e vai-se.

MÁRIO – Este criado tem cara de correio de más novas.

VIOLANTE (Confusa dá a carta a Braz.) – Lê tu, meu Braz; lê porém direito…

BRAZ (Abre a carta e lê.) – Et coetera!!! “Excelentíssima: tendo empregado três dias em refletir, como v. exa. me ordenou, cheguei à triste convicção de que me cumpre declarar com o mais profundo respeito e dor acerba que dou o dito por não dito, e sou de v. exa. o servo mais dedicado. – Leopoldo Pereira.” Li muito direito: a madrinha quer arquivar a carta? (Apresentando-a.) VIOLANTE – Deita fora esse papel sujo! CLEMÊNCIA – A titia deve ter paciência, como eu tive…

VIOLANTE – Não me fales!… ainda me ficou o melhor dos três… por fim de contas o mesmo que eu estava resolvida a preferir… (Senta-se agitada e abana-se forte.) IRENE – Mas de que modo se explica semelhante procedimento? VIOLANTE – Juro que são intrigas desta pombinha sem fel! (Mostra Clemência e abana-se muito.) Por fim de contas está fazendo muito calor!…

CENA VIII BRAZ, CASIMIRO, IRENE, MÁRIO, CLEMÊNCIA, VIOLANTE e o criado, que apresenta terceira carta a Violante e vai-se.

CASIMIRO – Terceira carta! Será possível que…

VIOLANTE (Vai dar a carta a Braz, e arrepende-se; dá-a a Irene.) – Dª. Irene, a senhora é uma santa…

MÁRIO – Apoiado, titia! VIOLANTE – Uma santa menina que não me enganará: leia, leia a senhora.

IRENE (Abre a carta e lê para si.) – Ah! É demais! Não ouso…

VIOLANTE – Leia, ainda que seja a minha sentença de morte.

IRENE (Lendo.) – “Excelentíssima senhora: tenho a honra de participar a v. exa.

que ontem fiz-me examinar por dois médicos, os quais me declararam com hipertrofia do coração, e condenado ao celibato para viver mais alguns anos que consagrarei ao amor platônico do belo sexo; assim, pois, coagido por força maior e maldizendo da minha hipertrofia, peço mil perdões a v. exa….

VIOLANTE (Arrebata e rasga a carta.) – Basta! Muito obrigada pelo seu favor: por fim de contas… (A Clemência.) foste tu que os endemoninhaste… mas por fim de contas eles são três demônios.

BRAZ – Madrinha, tudo que Deus faz é por melhor; veja que de três harpias escapou; se se casasse com algum deles sabe o que teria de sofrer?…

VIOLANTE (Encolerizada,) – O que?… O que?… O que?…

BRAZ – Teria de sofrer… et coetera, et coetera, madrinha.

CASIMIRO – E ficamos sem noivo para o banquete do noivado! 39 BRAZ – Menos essa… já temos um… (Mostrando Mário.) e eis aí outro.

CENA IX BRAZ, CASIMIRO, IRENE, MÁRIO, CLEMÊNCIA, VIOLANTE, LAURIANO e, logo depois, PORFÍRIO.

LAURIANO – Minhas senhoras! Meus senhores! (Cumprimento.) IRENE – Vens radioso de alegria…

LAURIANO – Felicitem-me! Acabo de saber que com ótima aprovação nos exames de suficiência, que fiz, estou habilitado para ensinar diversas matérias de instrução secundária e tenho já prévios ajustes para lecionar em quatro colégios: oito horas de trabalho por dia; mas é quase riqueza, e seria riqueza completa (olhando Casimiro e Clemência.) se me fosse dado reparti-la com a escolhida do meu coração…

BRAZ – Et coetera, Casimiro, et coetera! Isso é claríssimo, e cai do céu; não cai do céu dª. Clemência?…

PORFÍRIO (Arrebatado.) – Que é dele?… Que é dele?… Quero abraçá-lo.

CASIMIRO – Quem? PORFÍRIO – O capitão Jorge de Souza? Que é dele?…

BRAZ (A Clemência.) – Temo-la travada! CLEMÊNCIA (A Braz.) – Agora pouco importa.

PORFÍRIO – Mas que é do capitão? CASIMIRO – Estás doido? VIOLANTE – Que capitão, senhor?… Não sabe que o meu infeliz primo Jorge morreu há dois anos em combate no Paraguai? PORFÍRIO – Mas ressuscitou: no Paraguai muitas vezes se ressuscita; aqui está a gazetilha do Jornal do Commercio de hoje… (Mostra o jornal.) VIOLANTE – Ressuscitou! Meu primo!…

PORFÍRIO – Estão cambando?… A gazetilha diz que a notícia é dada pela família; aqui está (Lendo.): “O capitão Jorge de Souza, que todos julgavam morto, escapando ao inimigo que o tinha prisioneiro, apresentou-se aos seus bravos companheiros no mesmo dia da vitória do Campo Largo e chegou ontem a esta corte no transporte de guerra” VIOLANTE – Meu primo! Meu primo! PORFÍRIO – Mas é de pasmar! Não os entendo… a gazetilha fala na senhora…

VIOLANTE – Em mim?… Essa é boa! Eu em letra redonda por fim de contas.

PORFÍRIO – Aqui está! Diz, que conforme condição expressa do testamento de seu tio e padrinho, a senhora, sua única e universal herdeira, estava obrigada a entregar toda a herança ao filho, o capitão Jorge de Souza, se em qualquer tempo ele aparecesse vivo…

VIOLANTE – Isso é uma grande mentira; não há tal condição no testamento! PORFÍRIO – Vamos a melhor!… A gazetilha acrescenta que a senhora ontem mesmo apressou-se a fazer plena entrega da imensa fortuna que herdara, ficando em completa pobreza, mas abençoando generosa a chegada de seu primo. (Violante mede Clemência de alto abaixo.) Explique-me esta embrulhada…

CLEMÊNCIA (Abaixando os olhos.) – A titia perdoe… se a gazetilha não está bem redigida… para outra vez escreverei melhor.

PORFÍRIO – Eu fico às escuras!… Que quer dizer isto? BRAZ – Foi uma aposta que acabou sem vencedora; pois o vencedor foi somente o dinheiro, que conquistou três miseráveis, logo depois fugidos em debandada ao anúncio da pobreza.

40 PORFÍRIO – Fiquei na mesma; o Braz quando não diz et coetera é ininteligível.

VIOLANTE (A Braz.) – Meu Braz, vexame até aqui! Por fim de contas não sei onde me esconda! BRAZ (A Violante.) – Espere, que eu a salvo já. (Alto.) Basta de enganar estes pobres meninos: Clemência e Lauriano, Irene e Mário, tendes sido desde alguns dias objetos do nosso inocente divertimento; aqui não há velha noiva ridícula, nem velho com pretensões anacrônicas: ajoelhai-vos diante da tia benfeitora e do pai extremoso! MÁRIO e CLEMÊNCIA – Como?… Então?…

BRAZ – Mário, eis as dispensas necessárias para que no fim de oito dias estejas casado com dª. Irene; a assinatura de Casimiro nestes papéis esclarece tudo.

MÁRIO – Meu bom pai!… (Recebe os papéis, e vai com Irene beijar a mão de Casimiro.) CASIMIRO (A Braz.) – Obrigado, Braz, obrigado. (Aperta-lhe a mão.) BRAZ – Dª. Clemência, a madrinha nunca pensou em casar-se, quer viver, e vive para seus parentes, e ontem ordenou-me que tivesse pronto para cada um de seus dois sobrinhos um dote de cinqüenta contos de réis.

CLEMÊNCIA – Titia… escuse-me as travessuras… sempre a amei… (Beija-lhe a mão.) MÁRIO – Com o produto da venda de Hipogrifo, titia, são cinqüenta e dois contos de réis para a minha Irene; não quero porém desigualdades; cedo um conto de réis a Clemência, e beijo-lhe a mão… vem beijá-la também, Irene!…

VIOLANTE (À sobrinha e Irene, que lhe beijam a mão.) – Me deixem! BRAZ (A Violante.) – Cem contos de réis pela lição, madrinha… e negócio da China; aceite e cale-se.

VIOLANTE (A Braz.) – O que eu merecia era ir para o hospício de Pedro II; aceito e calo-me. (Alto.) E por fim de contas…

BRAZ – Et coetera… et coetera…

 

Veja também

Kim Jong-un

Kim Jong-un

PUBLICIDADE Biografia de Kim Jong-un Líder Militar e Ditador Famoso como: líder supremo da Coreia …

Angela Merkel

Angela Merkel

PUBLICIDADE Nome: Angela Merkel Ocupação: Chanceler da Alemanha Data de nascimento: 17 de julho de 1954 Educação: Universidade de …

Gilberto Freyre

PUBLICIDADE Biografia Nascimento: 15 de março de 1900, Recife, Pernambuco Falecimento: 18 de julho de 1987, Recife, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.