Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Obras Literárias / Dois Proveitos e um Saco

Dois Proveitos e um Saco

PUBLICIDADE

 

Clique nos links abaixo para navegar no capítulo desejado:

CENA V – Amélia, Catarina
e depois Luís

CENA VI – Amélia e Boaventura

PERSONAGENS

AMÉLIA TEIXEIRA
LUÍS TEIXEIRA, seu marido
CATARINA, criada alemã
BOAVENTURA FORTUNA DA ANUNCIAÇÃO

A cena passa-se em Petrópolis, no verão de 1873.

ATO ÚNICO

Sala regularmente mobiliada

CENA I – AMÉLIA e CATARINA

AMÉLIA (Mirando-se em um espelho.) – Como achas este vestido?

CATARINA – Vai-lhe às mil maravilhas, minha ama.

AMÉLIA – Lisonjeira.

CATARINA – Somente tenho que fazer-lhe uma observação. Permite-me?

AMÉLIA – Fala.

CATARINA – Parece-me que se a cauda fosse mais pequena…

AMÉLIA – Tola, tu não sabes o que é o chique.

CATARINA – Pois olhe, não é isto o que diz o seu Antonico Mamede.

AMÉLIA – E quem é este Senhor Antonico?

CATARINA – Seu Antonico Mamede é um moço louro, que costuma
ir todos os sábados ao baile alemão. Aquilo é que é
rapaz de truz Se minha ama visse com que graça e elegância ele
dança a polca!…

AMÉLIA – Oh! atrevida! Tu queres fazer-me confidências amorosas?

CATARINA – Minha ama não namorou também ao Senhor Teixeira
antes de se casar com ele? Ainda me lembro quando aqui chegaram em novembro
do ano passado, para passarem a lua de mel. Vinham tão agarradinhos
que dir-se-ia um casal de pombos batedores. E como estava este chalé!
Era um brinco!

AMÉLIA – E os tais oito dias oficiais da lua de mel prolongaram-se
até hoje graças ao belo clima de Petrópolis. Ser condenada
a passar aqui uma vida inteira, sem ter uma distração no inverno,
contemplando, saudosa, todos os anos, esses bandos de andorinhas que voam
para a corte, apenas o arvoredo começa a perder o brilho de suas folhas
verde-negras. Ora, diz-me uma coisa. Este seu Antonico sofre do fígado?

CATARINA – Do fígado?! Que lembrança! É um rapagão
sadio como há poucos.

AMÉLIA – Olha, Catarina, quando ele te pedir a mão, manda-o
examinar atentamente por um médico e se tiver a tal víscera
estragada, casa-te, mas não venhas passar a lua de mel em Petrópolis.
Toma a receita e não te darás mal com ela. Antes de me levar
ao altar, disse-me o Senhor Teixeira: – Vamos para Petrópolis, meu
anjo; lá passaremos oito dias, respirando o ar puro dos campos, embalsamado
pelo perfume suave das flores, em um pitoresco chalé que mandei alugar
na rua de Dona Francisca. Acordaremos ao romper da aurora, ao cântico
dos passarinhos e juntos, bem juntos, como se fôramos duas almas em
um só corpo, escreveremos a página a mais feliz da nossa vida
naquele Éden de delícias. A perspectiva do quadro agradou-me.
Passar a lua de mel no campo era um requinte do bom tom, que até certo
ponto lisonjeava-me o amor próprio de moça elegante. Quando
aqui chegamos, no começo do verão, Petrópolis começava
a animar-se, e os oito dias correram velozes como um raio. Trazia as malas
cheias de luxuosas toaletes. Escusado é dizer-te que regalei-me de
arrastar sedas por estes campos. Passados os oito dias, disse-me meu marido
que dava-se perfeitamente com este clima e que havia resolvido ficar mais
dois meses. Aceitei a idéia. Aproximava-se o inverno, Petrópolis
começava a despovoar-se e o Senhor Teixeira, que se sentia cada vez
mais sadio e nutrido, foi-se deixando ficar por aqui, como se estivera no
paraíso. Em um belo dia apareceu-me ele todo expansivo e batendo-me
no rosto com aquela afabilidade que lhe é peculiar, cravou-me em cheio
no peito esta punhalada: – Amélia, dou-te a agradável notícia
de que comprei este chalé e que não sairemos mais de Petrópolis.
Quero restabelecer-me para sempre destas malditas cólicas de fígado.
Ah! o fígado do meu marido! O fígado do meu marido! (Levanta-se.)

CATARINA – Porém, o que deseja mais, minha ama? Não vive aqui
porventura tão feliz? Tem carro para passear todas as tardes ao alto
da serra, mora em uma excelente casa, meu amo a adora.

AMÉLIA – No verão. (Vai ao espelho.)

CATARINA – Está bem relacionada, todos a estimam, ouve música
aos domingos no passeio público…

AMÉLIA – No verão.

CATARINA – Vai às partidas do clube, aos bailes do hotel Bragança…

AMÉLIA – No verão! Mas no inverno, desgraçada, o que
fico aqui fazendo?

CATARINA – Come excelente manteiga fresca, magnífico pão de
cerveja, bebe bom leite e passeia.

AMÉLIA – E hei de passar aqui a minha mocidade, enquanto que outras
mais felizes do que eu dançam no Cassino, vão às corridas
do Jóquei Clube, divertem-se pelos teatros, gozam, enfim, de todos
os prazeres da corte! Se soubesses como fico, quando neste ermo leio os jornais
de maio a outubro! Nunca viste contar a história de certo sujeito que
não tendo dinheiro para comer costumava colocar-se todos os dias à
porta de um hotel e aí saboreava um pedaço de pão duro,
aspirando o perfume das iguarias que partiam da sala de jantar? Assim sou
eu quando recebo notícias da corte durante o inverno.

CATARINA – Tenha fé em Deus, minha ama. Não havemos de ficar
aqui eternamente.

AMÉLIA – Que horas são?

CATARINA – Oito horas. Vosmecê não vai buscar meu amo? Hoje
é domingo e os carros da serra devem chegar às dez.

AMÉLIA – Não; espero-o aqui. Antes de partir fizemos uma Philippina
que vai decidir da minha sorte e não quero perder a única ocasião
que tenho de mudar-me de uma vez para a corte.

CATARINA – Uma Philippina?! O que vem a ser isto, minha ama?

AMÉLIA – Eu te explico. Como sabes, Teixeira foi para o Rio a fim
de tratar de um negócio importante, não querendo levar-me, sob
pretexto de que a febre amarela lá está grassando com muita
intensidade. Anteontem, quando jantávamos, descobri por acaso, à
sobremesa, duas amêndoas unidas sob o mesmo invólucro. Comendo
uma, e entregando outra a meu marido, disse-lhe J’y pense.

CATARINA – Gypança?

AMÉLIA – J’y pense é um jogo em que as mulheres ganham sempre
e os homens perdem.

CATARINA – E em que consiste este jogo?

AMÉLIA – No seguinte: logo que Teixeira encontrar-me, se ao receber
um objeto qualquer de minhas mãos não disser imediatamente J’y
pense, terá de pagar uma prenda e o mesmo acontecerá comigo
em idênticas circunstâncias.

CATARINA – Que excelente jogo! E a senhora ganha com toda a certeza, porque
ele não tarda a chegar e (Dando-lhe uma carta.) pode meter-lhe logo
nas mãos esta carta que há pouco vieram aqui trazer.

AMÉLIA – Magnífico! (Guarda a carta.) Aposto, porém,
que não sabes quais foram as condições que estabelecemos.

CATARINA – Se meu amo perder, dá à minha ama um bonito bracelete.

AMÉLIA – Qual bracelete! Se Teixeira perder muda-se de uma vez para
a corte e se eu tiver a desgraça de ser codilhada, bordo-lhe um par
de chinelas.

CATARINA – E meu amo estará pelos autos?

AMÉLIA – Que remédio! Comprometeu a sua palavra de honra!

CATARINA – Então tome cuidado que ele há de fazer todo o possível
por ganhar.

AMÉLIA – Veremos. Logo que o carro parar no portão, vem avisar-me.
Arranja esta sala e manda preparar o almoço. (Sai.)

CENA II – Catarina e depois boaventura

CATARINA (Arrumando a sala.) – Muito sofre esta pobre moça, coitada!
Ah! Se eu tivesse a fortuna que ela possui, como não seria feliz ao
lado do meu Antonico! É verdade que eu o amo e ele me adora, mas o
ofício de fazer bengalas não dá para viver e não
há remédio senão ir dançando polcas até
que lhe sopre alguma aragem de felicidade.

BOAVENTURA (Entrando com uma mala e parasitas.) – Ora, muito bons dias.

CATARINA (Assustando-se.) – Ah! que susto!

BOAVENTURA – Não se incomode comigo. Onde está a dona da casa?
Faça o favor de guardar esta mala. Eu fico em qualquer quarto. Não
sou homem de cerimônias. Peço-lhe que tenha cuidado com as parasitas.

CATARINA – Mas quem é o senhor? O que quer?

BOAVENTURA – Sou um homem, como vê. Vim passar alguns dias em Petrópolis
e não hei de dormir no meio da rua.

CATARINA – Mas isto aqui não é hotel.

BOAVENTURA – Já sei o que vem dizer-me. Dos hotéis venho eu,
não me conta nada de novo. Que noite! Se eu lhe disser que ainda não
preguei olho até agora, talvez não acredite.

CATARINA – E o que tenho eu com isto?

BOAVENTURA – O que tem a senhora com isto?! Decididamente isto é uma
terra de egoístas! Onde está a dona da casa, quero me entender
com ela.

CATARINA – Tome a sua mala, vá-se embora, senhor.

BOAVENTURA – Sair daqui? Nem que me rachem de meio a meio.

CATARINA (Atirando a mala e as parasitas no chão.) – Eu já
lhe mostro. (Sai.)

BOAVENTURA – Não me esbandalhe as parasitas.

CENA III – Boaventra e depois Amélia

BOAVENTURA – E dizer-se que vem gente a esta terra para divertir-se! Pois
não! Que belo divertimento, Senhor Boaventura. Sair um cidadão
da corte com o sol a pino, suando por todos os poros, andar aos trambolhões
da barca para o caminho de ferro, do caminho de ferro para os carros, chegar
aqui quase ao cair das sombras, percorrer os hotéis um por um e ouvir
da boca de todos os locandeiros esta frase consoladora: – Não há
mais quartos, estão todos ocupados. Quem me mandou vir a Petrópolis!
Pois eu não podia estar agora muito a gosto no beco do Cotovelo, aspirando
o ar puro da praia de D. Manoel? Quem me mandou acreditar em caraminholas
de febre amarela?

AMÉLIA (Entrando.) – O que deseja, senhor?

BOAVENTURA – Sente-se, minha senhora, (Dando-lhe uma cadeira.) e faça
o favor de ouvir-me com toda atenção.

AMÉLIA (À parte.) – E então? Não é ele
que vem oferecer-me cadeiras em minha casa?

BOAVENTURA – Tenha a bondade de sentar-se.

AMÉLIA – Estou bem.

BOAVENTURA – Uma vez que quer ouvir-me em pé, não faça
cerimônias.

AMÉLIA – O seu comportamento não tem explicação.

BOAVENTURA – Explica-se da maneira a mais fácil possível.

Chamo-me Boaventura Fortuna da Anunciação, tenho cinqüenta
e dois anos, sou solteiro e vim para Petrópolis passar estes três
dias santos aconselhado pelos médicos.

AMÉLIA – Não tenho o prazer de conhecê-lo.

BOAVENTURA – As relações adquirem-se e é por isto que
estou me apresentando.

AMÉLIA (À parte.) – É inaudito!

BOAVENTURA – Eu bem sei que deve ser até certo ponto estranhável
este meu procedimento, mas estou certo de que a senhora no meu lugar faria
o mesmo. Faria o mesmo, sim, não se admire; porque, enfim, não
havendo mais lugares nos hotéis, é justo que se entre pela primeira
porta que se encontra aberta para pedir uma pousada.

AMÉLIA – Ah! Agora compreendo. E pensa o senhor que a minha casa é
estalagem?

BOAVENTURA – A senhora diz isto porque não imagina a balbúrdia
que vai por aí. (Mudando de tom.) É verdade, o seu nome? Como
temos de morar juntos por alguns dias, é justo que saiba desde já
com quem vou ter a honra de tratar.

AMÉLIA (À parte.) – E então?

BOAVENTURA – Tem cara de que se chama Bonifácia! Aposto que acertei.
Que sarilho, Dona Bonifácia! O Bragança está cheio como
um ovo: dorme-se ali por toda a parte, sobre os bilhares, sobre a mesa de
jantar, a de cozinha, em cima do piano, pelos corredores, na escada, até
a própria sala do baile alemão já foi transformada em
dormitório. O Du Jardin está que é uma lua cheia, o MacDowalis
vomita gente pelas janelas e portas.

AMÉLIA – Ainda tem o recurso do hotel dos Estrangeiros, senhor.

BOAVENTURA – Pois não, fresco recurso! Cansado de andar correndo Seca
e Meca, fui lá bater anteontem, às 9 horas da noite e a muito
custo consegui que dois hóspedes que lá estavam e que deviam
dormir na mesma cama, cedessem-me um lugar no meio, observando-me o dono da
casa que nada tinha que pagar por ser aquilo um obséquio que os dois
sujeitos me faziam. Instalei-me no centro e quando principiava a conciliar
o sono, começaram os companheiros das extremidades a brigar por causa
do lençol. O dito era na realidade um pouco curto! Um puxava daqui,
outro dacolá, até que afinal um deles zangado perguntou-me:
o senhor também não puxa? Eu que me achava bem acomodado e que
estava gostando do fresco, disse-lhe: – Meu caro senhor, eu não puxo
porque não paguei. Não acha que respondi bem?

AMÉLIA – Esta resposta define-o.

BOAVENTURA – Os tais companheiros não quiseram mais me receber. Ontem
dormi ao relento nos bancos da porta do hotel de

Bragança. Sabe a Senhora Dona Bonifácia o que é dormir
aqui ao relento, alumiado pelos pirilampos, ouvindo uma orquestra diabólica
de sapos? Hoje não estou disposto a passar a mesma noite e portanto
instalo-me aqui. A casa convém-me, é bastante espaçosa,
arejada, está em um belo sítio.

AMÉLIA – Ou eu estou sonhando ou o senhor é de um desfaçamento
sem igual!

BOAVENTURA – Nem uma nem outra coisa.

AMÉLIA – Quer então instalar-se aqui?

BOAVENTURA – Se não lhe der isto grande incômodo…

AMÉLIA – Ah! Essa é boa! Provavelmente há de querer
também que lhe dê carro para ir ao bois todas as tardes, um ginete
para ir à Cascatinha.

BOAVENTURA – Não, eu cá dispenso essas coisas; prefiro boa
mesa e boa cama. Mas, agora reparo, a senhora tem um vestido chibante.

AMÉLIA – Acha?

BOAVENTURA – Gosto de ver como anda esta gente por aqui! Caudas de seda e
de veludo a varrerem a lama das ruas, os homens todos enluvados com enormes
catimplórias na cabeça e alguns até de casaca com luvas
cor de papo de canário. Gosto disto. Assim é que eu entendo
viver em campo. Porém, eu estou tomando-lhe o tempo. Vá tratar
de arranjo da casa. Provavelmente ainda não almoçou e enquanto
se prepara o almoço, há de permitir-me que me entregue por alguns
momentos à leitura.

AMÉLIA (À parte.) – Estou pasma. (Boaventura senta-se, tira
um livro do bolso e lê.) O que está lendo?

BOAVENTURA – Um livro precioso.

AMÉLIA – Deveras?

BOAVENTURA – Preciosíssimo!

AMÉLIA – O que vem a ser então esse livro?

BOAVENTURA – Intitula-se: Manual prático do celibatário. É
a vigésima edição.

AMÉLIA – Deve ser uma obra interessante.

BOAVENTURA – Interessantíssima. Este livro jamais me abandona. É
o meu breviário, o meu evangelho, a cartilha por onde rezo…

AMÉLIA – Sim? Estou curiosa por saber o que ele contém.

BOAVENTURA – Nada mais nada menos que todos os meios de que uma mulher pode
lançar mão para enganar um homem.

AMÉLIA – E estão aí todos esses meios?

BOAVENTURA – Todos, todos, um por um. A este filantrópico livrinho
devo a liberdade de que gozo. Leio-o todos os dias pela manhã, em jejum,
ao meio-dia e à noite antes de me deitar.

AMÉLIA – Acho-o pequeno demais para a vastidão do assunto.

BOAVENTURA – Oh! mas isto é essência e essência muito
fina.

AMÉLIA – De maneira que não há mulher que possa hoje
enganá-lo.

BOAVENTURA – Desafio a mais pintada.

AMÉLIA (À parte.) – Este homem é um original! Oh! Que
idéia! Não há dúvida, é um presente que
o céu me envia para realizar o que pretendo. Mãos à obra.
(Alto com meiguice.) Senhor Boaventura?

BOAVENTURA – O que é, Dona Bonifácia?

AMÉLIA – Não me trate por este nome. Eu me chamo Amélia
Teixeira, a mais humilde de suas criadas.

BOAVENTURA – Oh! Minha senhora! (À parte.) Que metamorfose!

AMÉLIA – Não acha bonito o nome de Amélia?

BOAVENTURA – Encantador! Conheci uma Amélia a quem amei com todas
as veras de minha alma.

AMÉLIA – Ah! Já amou?

BOAVENTURA – Muito!

AMÉLIA – Acaso poderei saber quem era essa criatura feliz, esse ente
venturoso, com quem o senhor repartiu os tesouros de um afeto tão puro?
(Lançando um olhar lânguido.)

BOAVENTURA – Pois não, minha senhora. Era minha avó. (À
parte.) E esta! Que olhos que me deita!

AMÉLIA (Suspirando.) – Ai! Ai!

BOAVENTURA (À parte.) – Suspira para aí que comigo não
arranjas nada.

AMÉLIA – Senhor Boaventura?

BOAVENTURA – Minha senhora?…

AMÉLIA – Não conhece febre?

BOAVENTURA – Todos nós mais ou menos somos médicos. Está
doente?

AMÉLIA – Não me sinto boa.

BOAVENTURA – O que tem?

AMÉLIA – Uma dor aqui. (Aponta para o coração.)

BOAVENTURA – Isto é constipação. Tome um chá
de sabugueiro, abafe-se bem e ponha um sinapismo na sola dos pés. (À
parte.) Não me apanhas não, mas é o mesmo.

AMÉLIA – Tenha a bondade de examinar o meu pulso.

BOAVENTURA (À parte.) – E esta! (Levanta-se e examina-lhe o pulso,
à parte.) Que mão, santo Deus! (Alto.) Não é nada.
(À parte.) Cuidado, Senhor Boaventura. Faça-se firme e compenetre-se
das verdades preciosas do seu livrinho. (Senta-se e continua a ler.)

AMÉLIA (À parte.) – Está a cair no laço. (Alto.)
Chegue a sua cadeira mais para cá.

BOAVENTURA – Estou bem aqui, minha senhora.

AMÉLIA – Ora, chegue-se mais para cá, eu lhe peço.

BOAVENTURA – E que aí deste lado bate o sol…

AMÉLIA – E o senhor tem medo de queimar-se?

BOAVENTURA (À parte.) – Não há dúvida! Esta mulher
está mesmo me provocando.

AMÉLIA – Chegue a sua cadeira.

BOAVENTURA (À parte.) – Sejamos forte. (Chega a cadeira.)

AMÉLIA – Feche este livro. Vamos conversar. (Fecha o livro.)

BOAVENTURA (À parte.) – Que olhos! Parecem lanternas! Estou aqui,
estou perdido.

AMÉLIA – Dê-me a sua mão.

BOAVENTURA (Dando a mão, à parte.) – Santa Bárbara,
São Jerônimo! Que veludo!

AMÉLIA – Diga-me uma coisa. Nunca amou a mais ninguém neste
mundo, senão a sua avó?

BOAVENTURA – Se quer que lhe responda, largue-me a mão.

AMÉLIA – Por quê?

BOAVENTURA – É que estou sentindo uns arrepios como se estivesse com
sezões.

AMÉLIA – Diga. Nunca amou a ninguém?

BOAVENTURA (Terno.) – Não, porém agora sinto que se opera dentro
de mim uma revolução como jamais senti. Eu amo uns olhos negros
que me fascinaram, mas largue a minha mão pelo amor de Deus, não
me perca.

AMÉLIA (À parte, rindo-se.) – Ah! ah! ah!

BOAVENTURA – Sim, eu amo uma… amo… quero dizer… amo uma mulher, que
é a estrela do meu firmamento. (À parte.) Já não
sei o que digo. Atiro-me de joelhos aos pés dela, e está tudo
acabado.

AMÉLIA – E quem é essa mulher?

BOAVENTURA (Atirando-se de joelhos.) – Dona Amélia, tenha pena de
um desgraçado que a adora. A seus pés deposito o meu nome e
a minha fortuna!

CENA IV – Os mesmos e Catarina

CATARINA (Entrando às pressas.) – Minha ama, minha ama, meu amo chegou.
Aí vem o carro.

AMÉLIA – Jesus!

BOAVENTURA – Teu amo? Então a senhora é casada?

AMÉLIA – Sim, senhor e com um homem que é ciumento como um
Otelo!

BOAVENTURA – Mas por que não me disse isto logo!

AMÉLIA – Saia, senhor: se ele pilha-o aqui, mata-o.

BOAVENTURA – Estou arranjado! (Para Catarina.) Dá cá a minha
mala e as parasitas.

CATARINA – Ande, senhor, avie-se. (Boaventura vai a sair pela porta do fundo.)

AMÉLIA – Por aí não; vai esbarrar-se com ele.

BOAVENTURA – Quem me mandou vir a Petrópolis?!

AMÉLIA – Esconda-se ali, naquele quarto.

BOAVENTURA – E depois?

AMÉLIA – Esconda-se ali, já lhe disse. (Boaventura esconde-se
no quarto, Amélia tranca a porta e fica com a chave.)

CENA V – Amélia, Catarina e depois Luís

CATARINA – O que fazia aquele sujeito a seus pés, minha ama?

AMÉLIA – Saberás daqui a pouco.

LUÍS (Entrando com uma mala e diversos embrulhos.) Querida Amélia.
(Dá-lhe um beijo. Catarina toma a mala e os embrulhos.)

AMÉLIA – Que saudades, Luís! Estes dois dias que estiveste
na corte pareceram-me dois séculos.

LUÍS – Foi o mesmo que me aconteceu, meu anjo. Venho cheio de abraços
e beijos que te enviam tua mãe, as manas, tuas primas… É verdade,
a Lulu manda-te dizer que morreu aquele celebérrimo felpudo que lhe
deste.

AMÉLIA – O Jasmim? Coitadinho!

LUÍS – Lá ficou toda chorosa. Está inconsolável
a pobre menina. Como vai isto por aqui?

AMÉLIA – Cada vez melhor.

LUÍS – Tem subido muita gente?

AMÉLIA – Não imaginas. Anteontem vieram vinte e dois carros,
ontem outros tantos… Isto está que é um céu aberto.
Que luxo, Luís!

LUÍS – Trouxe-te duas ricas túnicas que comprei na Notre Dame.
Disse-me o caixeiro que eram as únicas que vieram.

AMÉLIA – E como deixaste o Rio?

LUÍS – Está que é uma fornalha do inferno, Amélia.
A febre amarela de mãos dadas com o calor, a bexiga, a companhia City
lmprovements e o canal do Mangue têm matado gente que é uma coisa
nunca vista. Lê o obituário e verás. Ontem fui ao Alcazar…

AMÉLIA – Ah! Tu foste ao Alcazar?

LUÍS – Mas não pude aturar mais do que o primeiro ato da peça.
Saí alagado! (Vendo Catarina, que deve estar inquieta olhando para
à porta por onde entrou Boaventura.) Mas que diabo tem esta rapariga
que está tão assustada?

CATARINA – N&atatilde;o tenho nada, não, senhor.

AMÉLIA – É que…

LUÍS – É que o quê?

AMÉLIA – É que na tua ausência deu-se aqui uma cena um
pouco desagradável…

LUÍS – Uma cena desagradável?!

AMÉLIA – Sim…

LUÍS – Mas que cena foi esta?

AMÉLIA – Não te amofines, eu te peço.

LUÍS – Fala… que estou sobre brasas.

AMÉLIA – Prometes-me que não darás escândalo?

LUÍS – Amélia, eu tremo de adivinhar.

AMÉLIA – Adeus, adeus: se começas deste modo não conseguirás
coisa alguma.

LUÍS – Anda, fala.

AMÉLIA – Introduziu-se há pouco um sedutor em minha casa…

LUÍS – Um sedutor?! Onde está ele?! Onde está este miserável?

AMÉLIA – Ajudada por Catarina e pelos escravos consegui prendê-lo
naquele quarto, a fim de que pudesse receber de tuas mãos o castigo
que merece.

LUÍS – Tu me pagarás já, patife. (Vai à porta
do quarto.)

AMÉLIA – Onde vais?

LUÍS – Sufocar o bigorrilhas.

AMÉLIA – Queres arrombar a porta?… Espera. Toma a chave.

LUÍS – Dá cá; dá cá. (Recebe a chave.)

AMÉLIA (Rindo-se.) – Ah! ah! ah!

LUÍS – E tu te ris?

AMÉLIA – J’y pense, j’y pense.

CATARINA – Ah! ah! É boa, é boa. Foi o primeiro objeto que
meu amo recebeu e portanto perdeu o jogo.

LUÍS – Ah! velhaca! Lograste-me.

AMÉLIA – Ah! ah! ah! Confessa que perdeste e que foi uma maneira engenhosa
de eu ganhar a Philippina.

LUÍS – És mulher e basta.

AMÉLIA – Lembras-te do que convencionamos?

LUÍS – Sim, levar-te-ei para a corte todos os invernos. Mas olha que
me meteste um susto!…

AMÉLIA (Para Catarina.) – Apronta o almoço. (Para Luís.)
Vai mudar de roupa.

LUÍS – Velhaca… (Sai.)

CENA VI – Amélia e Boaventura

AMÉLIA (Abrindo a porta.) – Saia, senhor.

BOAVENTURA – Já se foi?

AMÉLIA – Já.

BOAVENTURA – Não me meto em outra. Parto para a corte e não
me apanham tão cedo.

AMÉLIA – Antes de sair diga uma coisa.

BOAVENTURA – O que é, minha senhora?

AMÉLIA – Ouviu o que se acaba de passar entre mim e meu marido?

BOAVENTURA – Ouvi tudo, mas não compreendo coisa alguma.

AMÉLIA – Não me disse há pouco que naquele livro encontram-se
todos os recursos de que uma mulher pode servir-se para enganar um homem?

BOAVENTURA – Sim, senhora.

AMÉLIA – Pois acrescente lá esse meio de que uma mulher lançou
mão para enganar a dois homens. Ah! ah! ah! Boa viagem.

(Boaventura sai.)

(Cai o pano.)

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+