Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Obras Literárias / Eu Sou a Vida, Eu Não Sou a Morte

Eu Sou a Vida, Eu Não Sou a Morte

PUBLICIDADE

Clique nos links abaixo para navegar no capítulo desejado:

Qorpo Santo

Comédia em dois atos

Personagens

Lindo

Linda

Rapaz

Manuelinha, filha de Linda

ATO PRIMEIRO

Lindo e Linda

LINDA – (cantando)

Se não tiveres cuidado,

Algum Cão danado

Te há de matar;

Te há d’estraçalhar!

LINDO –

Eu sou vida;

Eu não sou morte!

E esta minha sorte;

É esta minha lida!

LINDA –

Ind’assim, toma sentido!

Vê que é tudo fingido;

Não creias algum louvor:

Sabei: – Te trará dor!d

LINDO –

Se desrespeitará

A vida minha?

A desse, asinha,

– Ao ar voará!

LINDA –

Não te fies, meu Lindinho,

Dos que te fazem carinho,

Crê que te devoram

Os lobos; e não coram!

LINDO –

Sabei, ó Lindinha:

Os que me maltratam

A si se matam:

Tu ouve; Anjinha!?

LINDA – Meu Lindo, tu sabes quanto te amo! Quanto te adoro! Sim, meu querido
amigo, quem melhor conhece do que tu o amor que neste peito mortal, mas animado
por esta alma (pondo a mão na testa) imortal, te consagro!? Ninguém,
certamente. (Pegando-lhe na mão.) Adoças-me pois sempre com
tuas palavras; com teus afetos; com teu amor ainda que fingido! Sim, meu querido
amigo, bafeja-me sempre com o aroma de tuas palavras; com o perfume de tuas
expressões! Sim, meu querido, lembra-te que hei sido baixel, sempre
batido das tempestades, que por cinco ou seis vezes quase há soçobrado;
mas que por graça Divina ainda viaja nos mares tempestuosos da vida!

LINDO – Ah! minha adorada prenda, tu que foste a oferenda que me fez o Criador,
em dias do mais belo amor, que pedes? Como pedes àquele que tanto te
ama; mais que à própria cama?

LINDA – Há! há! há! meu queridinho; quanto me deste;
quanto me felicitaste com as maviosas expressões desses teus bofes,
ou pulmões – envoltórios dos corações!

LINDO – Estimo muito. E eu não sabia que tu tinhas o dom de adivinhar
que sempre que vou apalpar, sinto bater neste peito – pancadas de ambos os
lados; isto é, do esquerdo e direito. O que por certo convence que
neste vácuo estreito abrigo dois grãos corações.

LINDA – Há! há! há! Eu não digo (à parte)
que este figo me foi enviado por cão danado? Quer me fazer crer que
tem dois corações. (A ele:) Amiguinho, ainda não sabes
de uma cousa. Queres saber? Eu vô-la digo Hem? não responde!

LINDO – O que é; o que é, então!!?

LINDA – Ora o que há de ser! Ê que tu tens dois corações
dentro do peito, eu tenho duas cabeças por fora dos largos seios.

LINDO – Tu és o diabo! Ninguém pode contigo! És tripa
que nunca se enche, por mais que dentro se lhe bote. És vasilha que
não chocalha. És… o que eu não quero dizer, porque
não quero que se saiba.

LINDA – Pois já que me fazes comparações tão
sublimes, eu também vou te fazer uma de que muito te deves agradar.
Sabes qual é, não? Pois eu te digo: és o diabo em figura
de homem! És… és… (atirando com as mãos e caminhando
de um para outro lado) és… és! és! E então,
que mais queres!? Quero comparações mais bonitas; mais finas;
delicadas; e elevadas; ao contrário, ficaremos – figadais inimigos.
Tem entendido, Sr. Sultãozinho? Pois se não tiver entendido,
entenda!

LINDO – Bem. Vou fazer-lhe as mais mimosas que à minha imaginação
abundante, crescente, e algumas vezes até demente – ocorrem! Lá
vai uma: A Sra. é pêra que não se come!

LINDA – Essa não presta!

LINDO – (batendo na testa) É preciso arrancar desta cabeça,
ainda que seja com – algum gancho de ferro – uma comparação
que satisfaça a esta mulher; ao contrário é capaz de…

LINDA – E não se demore muito com as suas reflexões! Quero
a comédia.

LINDO – Qual comédia, nem comédia! O que me comprometi a fazer-lhe
foi comparação bonita; e não comédia. Espere,
portanto. (Torna a bater na cabeça, mais no crânio. À
parte:) Já que da testa não sai, vejamos se tiro do crânio!
Ah! sim; agora aparece uma; e que bela; que interessante; que agradável;
que bonita; que delicada; que mimosa – é a comparação
que vou fazer da Sra. D. Linda! ~ mesmo tão linda como ela! Tão
formosa, como a flor mais mimosa! Tão rica, como a jorrosa bica! Tão
fina, como a ignota si na! Tão… tão… tão… Quer
mais? Quer melhor? não lhe dou; não lhe faço; não
quero! (A correr em roda dela:) Não lhe dou; não lhe faço;
não lhe dou; não lhe faço; não quero; não
posso; já disse. (Repete duas vezes esta última negativa.)

LINDA – Este menino é o diabinho em figura humana! Dança,
salta, pula, brinca… Faz o diabo! Sim, se não é o diabo em
pessoa, há ocasiões em que parece o demônio; enfim, o
que terá ele naquela cabeça!? (Lindo medita em pé e com
uma mão encostada no rosto.) Pensa horas inteiras, e nada diz! Fala
como o mais falador, e nada expressa! Come como um cavador, e nada obra! Enfim,
é o ente mais extraordinário que meus olhos têm visto,
que minhas mãos têm apalpado, que meu coração tem
amado!

LINDO – Senhora: vou me embora (Voltando-se rapidamente para ela, com aspecto
muito triste, e salpicado de indignação:) Vou; vou, sim! Não
a quero mais ver; não sou mais seu!

LINDA – (com sentimento) Cruel! Tirano! Suíço! Lagarto! Bicho
feio! Mau! Onde queres ir? Por que não te casas, inda que seja com
uma negra quitandeira?

LINDO – Também eu direi; Cruel! Ingrata! Má! Feia! Por que
não te ligas ainda que seja a um preto cangueiro?

(Entra um rapaz todo paramentado, bengala, 6culos, etc.)

O RAPAZ – (para um, e depois para a outra) Vivam, madamas; mais que todos!

LINDO – (pondo-lhe as mãos, e empurrando) O que quer pois aqui!?
Não sabe que esta mulher é minha esposa!?

O RAPAZ – Dispense, eu não sabia! (Voltando-se para Linda:) Mas Sra.,
parece-me…

LINDA – O que mais?! Não ouviu já ele dizer que sou mulher
dele!? O que mais quer agora? Agora fique solteiro, e vá casar com
uma enxada! Não quer acreditar que não há direito; que
ninguém faz caso de papéis borrados; que isso são letras
mortas; que o que serve, o que vale, o que dá direito – é
a aquisição da mulher!? Que quem se pega com uma, essa tem,
e tudo o que lhe pertence! Sofra agora no isolamento, e na obscuridade! Seja
solitário! Viva para Deus! Ou meta-se num convento, se quiser companhia.
Não vá mais à reunião de outros homens.

O RAPAZ (muito admirado) Esta mulher está doida! Casou comigo o ano
passado, foram padrinhos Trico e Trica; e agora fala esta linguagem! Está;
está! Não tem dúvida!

LINDO – Já lhe disse (muito formalizado) que fiz esta conquista!
Agora o que quer?! Conquistei – é minha! Foi meu gosto: portanto, safe-se,
senão o mato com este estoque! (Pega em uma bengala e arranca um palmo
de ferro.)

LINDA – Não precisa tanto, Lindo! Deixai-o cá comigo… Eu
basto para nos deixar tranqüilos!

O RAPAZ – O Sr. tem estoque, pois eu tenho punhal e revólver! (Mete
a mão na algibeira da calça, puxa e aponta um revólver.)
Agora, de duas uma: ou Linda é minha, e triunfa o Direito, a Natureza,
a Religião ou é tua, e vence a barbaria, a natureza em seu estado
brutal, e a irreligião!

LINDA – (para o rapaz) Mas eu o não quero mais; já o mandei
para o leilão três vezes! Já o vendi em particular quinze!
Já o aluguei oito! E já o libertei, seguramente por dez vezes!
Não quero nem vê-lo, quanto mais tê-lo!

(O rapaz, gaguejando, querendo falar, e sem poder.)

LINDA – Até a voz de sabiá, lhe tiraram! Até o canto
de gaturama, lhe roubaram! E ainda quer se meter comigo!

O RAPAZ – (fazendo trinta mil caretas para falar, e sem poder; ultimamente,
desprende as seguintes palavras:) Ah! Mulher! mulher! diabo! diabo! (Atira-se
a ela, o revólver cai no chão; passa a derramar lágrimas,
com os braços nos ombros dela, por espaço de cinco minutos.)

LINDO – (querendo levantar o revólver, que estava perto do pé
do rapaz; este dá-lhe um couce na cara.) Safa! Pensei que a mulher
já o tinha matado com o abraço, metendo-lhe nas entranhas todo
o veneno da mais venenosa cascavel; e ele ainda dá ares de vida, e
de força, pregando~me na cara a estampa de seus finos pés! –
um morto que vive! Bem dizia certo médico que era capaz de conservar
vivo um cavalo depois de morto, por espaço de oito meses, sempre a
andar; e creio que até a rinchar! – Demo! (Atirando com a bengala.)
Não quero mais armas!

O RAPAZ E LINDA – (desprendem-se dos braços um do outro; desce então
uma espécie de véu, de nuvens, sobre os dois. Lindo quer abrigar-se
também, e não pode: chora; lamenta; pragueja. Levanta-se rapidamente
a nuvem, torna a descer sobre os três; mas separando aquele. Ouve-se
de repente uma grande trovoada; vêem-se relâmpagos; todos tremem,
querem fugir, não podem. Gritam:) Punição Divina! (E
caem prostrados de joelhos.)

SEGUNDO ATO

Cena Primeira

(Uma jovem vestida de negro com uma menina por diante. Atravessa um cavalheiro.)

A JOVEM – (para este) Senhor! Senhor! por quem sois, dizei-me onde está
o meu marido, ou meu esposo, o meu amigo! (O cavalheiro embuçado numa
capa desembuçando-se) Esquecestes que ainda ontem aqui o assassinastes
com os horrores de tuas crueldades!?

ELE – Mulher! tu me conheces! Sabes quem sou, ou não sabes? (À
parte:) Pérfida, cruel, ingrata! Vê seu marido diante de si,
e apresenta-se a ele vestida de negro, luto que botou por sua morte.

ELA – (afastando-o com as mãos, como querendo fugir) Quem sois vós,
ingrato, que assim me falais!?

ELE – Ainda perguntas. (Sacudindo a cabeça.) Ainda respondes. Quem
sou eu? Desconheces o Lindo, teu afetuoso consorte, e ainda perguntas?!

ELA – Tirano! Foge de minha presença! Desprezaste os meus conselhos,
não quiseste ouvir-me, e queixas-te. Bárbaro! Cruel! Eu não
te disse que te não fiasses de pessoa Alguma! Por que te fiaste!?

ELE – E tu, Maga Circe: para que me iludiste! Para que me disseste que eras
solteira, quando é certo eras casada com o mais belo rapaz!?

ELA – Eu… eu… não disse: mas você… não ignorava;
bem sabia que eu era mulher de seu primo! Ignorava? Penso que não!
Para que me botou fora! Para que me procurou?

ELE – Não sei onde estou, não sei onde me acho, não
sei o que faça. Esta mulher (atirando-se, como para agarrá-la)
é o demo em pessoa; é o ente mais admirável que eu tenho
conhecido! É capaz de tudo! Já não digo de revolucionar
uma província, de pôr em armas e mesmo de destruir um Império!
Mas de revolucionar o mundo, de fazer, de converter os grãos em terras
e as terras em águas; de, se tal tentasse, fazer do globo que habitamos
– peteca!

ELA – É muito exagerado. Que atrevido conceito de mim forma! Que
audácia! Nem ao menos quer ver que fala diante de uma filha de nove
a dez anos!

ELE – Que fazeis por estas paragens, onde não vos é mais dado
vir, porque já vos não pertencem?!

ELA – (com ar satírico e mordaz) Procuro-vos, cruel.

ELE – Sim: procuras-me para de novo cravar-me o punhal da traição!
És bem má… és muito má!

A MENINA – Papai! (Aproximando-se dele.) Que tem? Está doente? Me
conte: – o que lhe aconteceu? O que foi? Diga, Papai) diga, diga! Eu o curo,
se estiver doente. E se não estiver, a Mamãe há de curar!

ELE – (tomando a menina nos braços; abraçando-a e beijando-a)
Minha querida filha! Quanto adoçam a minha existência tuas ternas
e maravilhosas palavras! Quanto transformam os furores de meu coração,
as doçuras de tuas meigas expressões. [Para ambas:] Quanto apraz-me
ver-vos! [Para a menina:] Ah! sim! Tu és o fruto de um amor.. . Sim,
és! Tua mãe, sem que eu soubesse, depois casou; procurou juntar-se
a mim… iludia-me! Mas, querida filha, sinto uma dor neste peito. (Desprendendo-se
da filha.) Este coração parece traspassado de dor. Esta alma,
repassada de amargura. Este corpo, um composto de martírios! Céus…
(Arrancando os cabelos) eu tremo! Vacilo!…

ELA – Célebre cousa! Quem havia de supor que este pobre homem havia
de ficar no mais deplorável estado! Seu juízo é nenhum!
Sua vista… não tem; é cego! Seus ouvidos, não têm
tímpanos; já não são outra cousa mais que dois
formidáveis buracos! Que hei de eu fazer dele!?

(Entra o Rapaz armado, vestido de militar, e com a mão no punho da
espada)

O RAPAZ – Hoje decidiremos (à parte) quem é o marido desta
mulher, embora esta filha fosse fabricada pelo meu rival. (Desembainha a espada
e pergunta para o rival:) A quem pertence esta mulher? A ti que a roubaste…
que lhe deste esta filha? Ou a mim que depois com ela liguei-me pelo sangue;
pelas Leis civis e eclesiásticas, ou de Deus e dos homens!? Fala! Responde!
Ao contrário, varo-te com esta espada!

LINDO – Ela quis; e como a vontade é livre, não podeis ter
sobre ela mais direito algum!

O RAPAZ – Em tal caso… e se ela amanhã disser que não quer?
E se o mesmo fizer no dia seguinte para com outro? Onde está a ordem,
a estabilidade em tudo que pode convir às famílias e aos Estados!?
Onde iríamos parar com tais doutrinas!? O que seria de nós?
de todos!?

LINDO – Não sei. O que sei é que as vontades são livres;
e que por isso cada qual faz o que quer!

O RAPAZ – Pois como as vontades são livres e cada qual faz o que
quer; como não há leis, ordem, moral, religião!… Eu
também farei o que quero! E porque esta mulher não me pode pertencer
enquanto tu existires – varo-te com esta espada! (Atravessando-o com a espada;
há aparência de sangue.) Jorra o teu sangue em borbotões.
Exausto o corpo, exausta a vida! E com ela todas as tuas futuras pretensões
e ambições! Morre (gritando e arrancando a espada), cruel! e
a tua morte será um novo exemplo – para os Governos; e para todos os
que ignoram que as espadas se cingem; que as bandas se atam; que os galões
se pregam; não para calcar, mas para defender a honra, o brio, a dignidade,
e o interesse das Famílias! A honra, o brio, a dignidade, a integridade
Nacional!

(Lindo cai sobre um cotovelo; a mulher cobre-se com um véu e fica
como se estivesse morta; a menina olha admirada para tão triste espetáculo.)

O RAPAZ (voltando-se para a mãe e a filha) De hoje em diante, Senhora,
quer queiras, quer não, serás minha mulher, consorte, esposa!
~ tu, minha querida menina, continuarás a ser a mimosa dos meus olhos,
a flor que aromatiza; a santa que me diviniza! Eis como Deus ajuda a quem
trabalha! Depois de milhares de trabalhos, incômodos, perdas e perigos!
Depois de centenas de furtos; roubos; e as mais negras atrocidades! Depois
de uma infinidade de insultos; penas; crueldades; o que não pude vencer,
ou fazer triunfar com a pena, razões, discursos, acabo de fazê-lo
com a espada!

(Estende esta; e assim deve terminar o Segundo Ato; e mesmo findar a comédia,
que mais parece – Tragédia.)

Maio 16 de 1866.

Por José Joaquin de Campos Leão Qorpo-Santo.

*

Já se vê pois que a mulher era casada, foi antes deflorada,
depois roubada ao marido pelo deflorador, etc.; que passado algum tempo encontrou-se
e juntou-se a este; que o marido sentou praça como oficial; e finalmente
que para reaver sua legítima mulher, foi-lhe mister dar a morte física
ao seu primeiro amigo, ou roubador.

São portanto as figuras que nela entram:

Lindo, roubador.

Linda, mulher roubada.

Rapaz ou Japegão, legítimo marido.

Manuelinha, filha.

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+