Breaking News
Home / Obras Literárias / Prisioneiro

Prisioneiro

Vinícius de Moraes

PUBLICIDADE

Eu cerrei brandamente a janela sobre a noite quieta
E fiquei sozinho e parado, longe de tudo.
Nenhuma percepção – talvez uma leve sensação de frio no vento
E uma vaga visão de objetos boiando no vácuo dos olhos.
Nenhum movimento – distâncias infinitas em todas as coisas

No lençol branco que era outrora o grande esquecimento
No poeta que ontem era o refúgio e a Iágrima
E no misericordioso olhar de luz que sempre fora o supremo apelo.
Nenhum caminho – nem a possibilidade de um gesto desalentado
Na angústia de não ferir o desespero do espaço móvel.

Passariam as horas e nas horas o auge de cada instante de sofrimento
Passariam as horas até a hora de voltar para o amor das almas
E seguir com elas até a próxima noite.
Nenhum movimento – é preciso não despertar o sono dos que velam em espírito
É preciso esquecer que há poesia a ser colhida nas longas estradas.
Nenhum pensamento – a mobilidade será o horror de todas as noites
É preciso ser feliz na imobilidade.

Rio de Janeiro, 1935

Fonte: www.4shared.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Velhas Árvores

Olavo Bilac PUBLICIDADE Olha estas velhas árvores, — mais belas, Do que as árvores mais …

Plutão – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Negro, com os olhos em brasa, Bom, fiel e brincalhão, Era a …

O Trabalho – Olavo Bilac

Olavo Bilac PUBLICIDADE Tal como a chuva caída Fecunda a terra, no estio, Para fecundar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.