Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Barragem de Cahora Bassa

Barragem de Cahora Bassa

PUBLICIDADE

Construída por portugueses na década de 70, a barragem de Cahora Bassa é ainda uma das mais importantes de toda a África. Assinalável é também o potencial de desenvolvimento do turismo cinegético e de natureza na região, que tem atraído, sobretudo, gente dos países vizinhos. Visitar a barragem é, por si mesmo, uma razão para a viagem à província de Tete.

O ZAMBEZE AGRILHOADO

Barragem de Cahora Bassa
Albufeira de Cahora Bassa

São sete da manhã em Tete. Amanheceu há pouco mais de duas horas, mas a temperatura sobe com firmeza a caminho dos trinta graus. Depois, lá mais para o meio do dia, há-de tocar os quarenta ou mais.

O clima da província é conhecido pelos seus rigores de canícula tropical, e os ecossistemas locais reflectem, naturalmente, essa condição: as florestas de embondeiros são um dos paradigmas paisagísticos da província de Tete.

A estrada para o Songo segue para norte, correndo na margem da grande esteira de água do Zambeze. De um e outro lado, durante os cento e cinquenta quilómetros que nos separam da zona montanhosa de Cahora Bassa, avistaremos sucessivamente aldeias com espigueiros circulares e um ou mais embondeiros carregados de folhagem verde-escuro, acácias na flor de Dezembro, mangueiras carregadas de mangas, cabritos e cabritos que parecem crescer como cogumelos do chão, ribeiros vazios em cujos leitos correram já, há poucos dias, as primeiras águas do verão austral.

Muito perto do Songo, a povoação que nasceu e cresceu com a construção da barragem, a estrada torna-se mais e mais sinuosa e subimos a pique, enquanto o horizonte se vai enchendo de recortes montanhosos e a vegetação se torna mais heterogénea. Nas machambas à volta da vila, e mesmo no espaço urbano, o clima temperado da região revela-se nas variadas árvores de fruto – com a surpresa, por exemplo, de romãnzeiras a reinar em quintais que são um pouco como pequenos jardins botânicos.

CAHORA BASSA , ONDE O TRABALHO

Barragem de Cahora Bassa
Barragem de Cahora Bassa

Talvez Capelo e Ivens tenham passado por ali perto, quase no final da sua travessia africana, de costa a costa. Entraram no que é actualmente território moçambicano pelo Zumbo, povoado fronteiriço que tem o Zimbabué do outro lado da linha e ao qual hoje se chega melhor navegando ao longo dos mais de duzentos e cinquenta quilómetros da imensa albufeira de Cahora Bassa. A visão do Zambeze e das suas águas impetuosas, correndo entre fraguedos de respeito, mereceu mais do que uma passagem do diário de viagem dos dois exploradores.

Numa delas, por contraste, deixam uma imagem concisa da impressão que o grande rio lhes causou: “A nossos pés corria um rio, que, açoitado por brisa fresca, encrespava ligeiramente a superfície da água, deslizando de manso para o meio-dia. Era o Aruangoa. À mão direita, um outro lençol de água de mais avultadas proporções, resplendia à luz do sol, deslizando rápido por entre as serras e campinas que o marginam. Era o Zambeze”.

O local é realmente singular e terá sido Gago Coutinho, ao sobrevoar a região nos anos 20, quem primeiro assinalou as extraordinárias características da garganta. No final da década de 50 foi delineado um projecto de desenvolvimento e exploração dos recursos do Vale do Zambeze, que abrangia vários sectores – agrícola, mineiro, silvícola, energético. As obras de construção da barragem, dirigidas pelo engenheiro Fernando Braz de Oliveira, foram lançadas em 1969 e concluídas ainda antes da independência de Moçambique.

A zona das gargantas onde o Zambeze se encontra agora agrilhoado, e onde está implantada a barragem, era já – muito antes da passagem da dupla de viajantes portugueses e de Livingstone se ter desiludido quanto à integral navegabilidade do rio – referenciada pelas populações locais devido ao obstáculo intransponível dos rápidos. O nome de Cahora Bassa tem justamente a ver com isso: significa “acabou o trabalho”. Para os barcos e para os carregadores que subiam o Zambeze no tempo colonial era impossível continuar mais além.

O complexo hidroeléctrico, o segundo mais importante de África, é constituído por uma barragem em abóbada de dupla curvatura, com 164 metros de altura e 300 de altura, e oito comportas. A conduta forçada tem quase dez metros de diâmetro e 172 de comprimento. Para se chegar à central, percorre-se um túnel, em declive, de 1600 metros de comprimento.

É aí que estão os cinco geradores actualmente instalados, capazes de debitarem uma potência máxima de 2075 MW. O potencial de produção (que poderá ser ampliado numa segunda fase) contempla não só o abastecimento de energia eléctrica a Moçambique como também aos vizinhos Zimbabué e África do Sul (e, futuramente, o Malawi).

O país de Mandela é, aliás, o principal cliente da energia produzida – à volta de 50% – e esteve, desde sempre, interessado no destino do aproveitamento, cujas linhas de transporte (mais de mil quilómetros) foram alvo de sucessivos actos de sabotagem durante a guerra civil moçambicana, nos anos 80.

TIGRES AQUÁTICOS EM CAHORA BASSA

Um embondeiro na berma da estrada, região de Tete, Moçambique
Um embondeiro na berma da estrada, região de Tete, Moçambique

Para além da barragem, o Songo pouco mais tem a oferecer ao viajante – salvo um relativo refrigério, comparado com o clima da província, onde as temperaturas sobem frequentemente até aos cinquenta graus.

Mas cabe lembrar que a região fez parte outrora do mítico reino do Monomotapa, cuja capital se localizava largas centenas de quilómetros para oeste, onde é hoje o Zimbabué. E no centro do Songo podemos ver vestígios arqueológicos (uma plataforma granítica e restos de muralhas e uma torre) desse tempo, fragmentos de estruturas que terão pertencido a uma povoação erguida naquela época.

O estilo e as datações efectuadas confirmam que não é coincidência a semelhança dessas estruturas com as “dagas” que encontramos nas ruínas arqueológicas (as maiores da África subsariana) do chamado “Great Zimbabwe”, um recinto classificado pela UNESCO que se situa a trezentos quilómetros ao sul de Harare.

A albufeira de Cahora Bassa converteu-se também num recurso para várias actividades económicas, entre as quais o turismo, e à semelhança do que acontece noutras paragens moçambicanas, deve-se a sul-africanos parte significativa do que tem sido feito.

Neste caso, há ainda alguns recém-chegados da antiga província de Cecil Rhodes que se dedicam à exploração piscícola da albufeira, exportando depois o fruto da pescaria para o Zimbabué, actualmente a braços com uma séria penúria alimentar.

Mas o imenso lago formado pela água retida pela barragem atraiu igualmente projectos de cariz lúdico, como o Ugezi Tiger Lodge, situado na margem da albufeira e rodeado de embondeiros.

Dois anos depois do fim da guerra civil, as instalações começaram a tomar forma (no estilo sul-africano que combina com harmonia madeira e pedra) e a oferta turística destinada a um nicho muito especial alcançou um sucesso evidente.

O que atrai, sobretudo, os turistas sul-africanos são as jornadas de pesca desportiva na albufeira.

O peixe tigre, autóctone do Zambeze, é a espécie mais desejada pelos pescadores. As fotos afixadas nos painéis onde os hóspedes deixam as suas impressões dão uma ideia da luta que proporcionam aos aficionados da actividade.

Os pesos médios rondam os seis ou sete quilos, mas já foram capturados exemplares de muito maior respeito, com mais de quinze quilos. Não admira, pois, que lá arribem aficionados da pesca vindos de bem mais longe, nomeadamente de alguns países da União Europeia.

Fonte: www.almadeviajante.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+