Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Niassa

Niassa

UM SONHO LÁ NO ALTO

PUBLICIDADE

Em todo o país a natureza encarregou-se de recortar para os olhos do Homem a beleza caprichosa de uma paisagem ora amena ou agreste, ora tímida e impetuosa.

A Província do Niassa parece ser a síntese desta explosão da natureza, onde as forças telúricas desenharam nos momentos cruciais da criação um rosto inconfundível.

Atravessado por auríferos rios de leito estreito mas caudaloso correndo por entre montanhas rochosas mas normalmente bastante arborizados, o Niassa é uma espécie de cadinho onde se mistura a riqueza singular do seu solo e subsolo, com a majestosa dignidade da sua geografia humana.

Par quem sobe estas montanhas que emolduram quase toda a Província vindo do Sul ou do litoral distante de Cabo Delgado, há algo de surpreendentemente belo que o espera ao chegar aos limites nacionais deste território.

Deslumbrante, depara-se aos olhos do caminhante um mar nunca imaginado, um mar de águas doces, bonançoso, e que só nos dias de tempestade perde o azul do céu transformando-se na cor da lama do início do mundo.

É o lago Niassa, espantoso mar interior que faz fronteira entre Moçambique, Malawi e Tanzânia. Porém, ao contrário de uma fronteira ele é sobretudo um grande caminho de água por onde, milenarmente, homens de toda aquela zona se comunicam e ali vão também ganhar o pão-peixe de cada dia.

De fato, falar do Niassa é ter nos olhos este lago-mar que chega a ter marés. É sentir nos pés a macieza das suas areias a fazer esquecer as caminhadas difíceis pelas montanhas que tocam o céu.

Mas falar do Niassa é também referir a grande encruzilhada humana, é falar dos Nianjas, Ajauas e Macuas, povos bantu que para aqui emigraram e fazem agora um caldeamento rico de cultura com as línguas, suas tradições, seus ritos, sua arte.

Das canoas do lago, cuja técnica de construção se perde na memória-mão da história, ao entrançado fino mas consistente dos característicos cestos cilíndricos de Lichinga e Metangula, há toda uma antropologia cultural a preservar e que enriquece o país.

Milho, feijão, mandioca, batata rena, batata doce, horticulas são as principais produções agrícolas que aqui se cultivam em abundância.

Nos últimos anos foram também introduzidos árvores de fruto da europa como a macieira, a pereira, a cerejeira e outras espécies que o clima frio e seco desta província favorece. O trigo é outra cultura introduzida neste chão riquíssimo do Niassa.

Não se pode falar do solo sem se falar de imediato no seu subsolo ainda não explorado, mas cujos estudos mostram riquezas que podem transformar o Niassa numa das Províncias mais desenvolvidos do país. Ferro, carvão, ouro são alguns dos muitos minerais que estão à espera de uma exploração imediata.

E tudo isso precisa de homens e mulheres, de jovens trabalhadores, Acontece, porém, que o Niassa é a Província menos povoada do país.

Nos seus 119 mil quilômetros quadrados de superfície (não incluindo a superfície do lago) vivem pouco mais de 500 mil pessoas, número este que certamente ficou ainda mais reduzido devido à guerra que provocou muitos mortos e fugas maciças para os países vizinhos.

O Niassa é assim um convite cheio de promessas para um povoamento interno, para uma sedentarização urgente de milhares e milhares de pessoas dispostas ao desenvolvimento.

Servida por uma linha de caminho de ferro que a liga à Província de Nampula e ao bem situado porto de Nacala, o Niassa tem por isso e para já uma forma de escoamento rápida e barata dos seus produtos tanto para o mercado interno como para todo o mundo.

Explosão de sorrisos que uma terra úbere despoleta em cada rosto humano sedento de fraternidade. Estas mulheres e homens, velhos e jovens confraternizam em Metangula, vila à beira-lago, um ponto de encontro nos caminhos de terra e deste mar de águas doces.

O Niassa inteiro é uma promessa de riqueza, de bem estar, é um convite à sedentarização, ao amanho da terra, à colheita dos frutos dos montes, à pesca no lago-mar. É um convite ao desenvolvimento num clima privilegiado de altitude, onde o que é tropical coabita com o que exige mais frio e menos humidade. Por isto esta explosão de sorrisos tem no Niassa um significado mais profundo.

Por uma semântica de comunicação escrita e icónica a que a imprensa moçambicana não é alheia, a palavra cultura passou a significar quase que exclusivamente conto-e-dança.

Contudo, todos nós sabemos que o canto e dança são algumas das múltiplas formas de cultura do Homem. Ter cultura, fazer e produzir cultura são modalidades, formas de complementaridade que dão mais vida ao espírito de um povo, de um país.

Entre estas crianças de uma escola dos arredores de Lichinga (capital do Niassa) que aprendem o segredo das letras como forma de comunicação escrita, e estas mulheres de Metangula que se exprimem artisticamente com uma dança típica da região do lago, há na verdade um elo de ligação cultural que enriquece e que não é antagónico ao progresso do povo deste país.

Niassa

O homem da bicicleta desce calmo o declive suave de um dos montes da periferia de Lichinga. Acontece que ele não é apenas o transportador da cestaria que emoldura a sua ginga; é o próprio artesão destes cestos e peneiras que agora vai vender num dos mercados da capital do Niassa. Nianjas, Ajauas e Macuas desta Província nortenha de Moçambique produzem um artesanato utilitário muito característico e bem demarcado de outras regiões do país.

Por exemplo, os típicos cestos cilíndricos são oriundos desta região do lago e distinguem-se pela palha fina mas resistente, capazes de aguentar por muito tempo as diversas atividades para que são utilizados.

Mãos rudes tecem com delicadeza esta cestaria singular ensinada de geração em geração numa arte de séculos.

Aqui ainda não há moinho de vento ou o triturador manual para transformar os grãos em farinha. Nesta aldeia do Niassa a alguns quilômetros de Lichinga, é o milenar pilão que resolve esta necessidade alimentar, E, tal como em quase todo o país, onde as tradições da divisão de trabalho entre homens e mulheres se mantêm ainda como há centenas de anos, é a mulher que pila o grão para a farinha da casa.

O farelo que sobra, servirá para os galináceos ou mesmo para a produção de uma cerveja tradicional. Da farinha bem pilada fazem-se as papas para as crianças ou a conhecida xima, farinha cozida que serve de prato de base para o molho de couves, carne ou peixe, molho esse que aqui, tal como em todo o país, se chama caril. Com pequenos investimentos e melhorias técnicas, o Niassa poderia ser um grande produtor de cereais.

Niassa

Com as mãos se faz a casa, o celeiro, a canoa. Com as mãos se sedimento o conhecimento que veio dos avós e se prolonga pelos netos para que dentro da casa não chova e o calor não incomode. Para isso escolhe-se a madeira própria, a palha de cobertura ideal também para que o bicho daninho não se aninhe para incomodar o descanso dos Homens

Na tradição das etnias desta Província do País, sobretudo entre Nianjas e Ajauas, são os homens que constroem a casa, são os homens que cavam o tronco para as almadias, são os homens que vão à caça. E há um ritual próprio que acompanha cada um destes empreendimentos.

Conhecer a cultura destes povos é penetrar nestes rituais seculares, onde permanece viva a memória do nome e do fazer das coisas, o segredo de certos comportamentos aparentemente estranhos ou sem sentido para quem não entende ou, infelizmente, não quer mesmo entender um pouco que seja da antropologia cultural dos povos.

A Província do Niassa é um extenso território carente de uma rede diversificada de vias de comunicação, sobretudo rodoviárias.

Possui um excelente aeroporto e à sua capital chega uma das mais longas linhas de Caminhos de Ferro do País que, partindo do Porto de Nacala, serve também a Província de Nampula e o interland vizinho, nomeadamente o Malawi.

A linha férrea, que vinda do Sul rasga o território da Província até à sua capital no Centro Nordeste, mostra que o Niassa tem possibilidades de desenvolver a sua agricultura, a sua pesca, a sua extração mineira na certeza do escoamento desses produtos quer para o interior do país quer para o estrangeiro.

A vida no Niassa ocidental está intrinsecamente ligada ao lago. Esta grande massa de água interior que também banha as costas do Malawi e da Tanzânia tem a sorte de não estar poluída e se configurar ainda como nos primórdios da sua formação.

Do lado moçambicano, o lago Niassa é por ora um simples lugar de lazer, uma fonte de água e, economicamente, apenas um espaço útil para a pesca artesanal.

Com poucos meios de transporte marítimos modernos para a população ribeirinha, são ainda as velhas almadias que cumprem a função de transportadores e de pesqueiros.

Desde que se respeite o ecossistema e a despoluição das suas águas, há todo um processo de desenvolvimento económico que se pode iniciar com sucesso ao longo destas dezenas e dezenas de quilômetros de costa lacustre.

Singularmente bonito e acolhedor, mesmo quando se transforma em oceano furioso nos dias de tempestade, o lago Niassa é bem um sonho lã no alto à espera que mãos e inteligência humanas concretizem esse sonho lindo em bela riqueza coletiva.

A um antropólogo talvez pudéssemos perguntar por que razão são, preferencialmente, os instrumentos de sopro que proliferam nas orquestras tradicionais do Niassa ocidental e oriental.

Embora tenham também outro tipo de instrumentos são estas cabaças secas e eximiamente perfuradas que dão som musical aos anseios artísticos orquestrais destes homens ricos de uma tradição que também inclui o canto e a dança.

Terão sido a abundância destas cabaças e o ar pleno das montanhas os principais motivadores para a expansão deste tipo de trompete?

Há quem diga, pelo contrário, que ele surge em resultado de um outro instrumento de sopro comum em todo o país e feito à base de um chifre animal e que na Província vizinha de Cabo Delgado é muito utilizado com o nome de Lipala-panda.

Seja como for a música é uma componente muito importante na cultura tradicional de todas as etnias que povoam a Província de Niassa.

Niassa

Esta bela mulher do Niassa parece estar a dizer: Quando me visto, visto-me bem. Vou buscar o que mais brilha em mim no sentido da minha beleza. E os meus cordões, estes que vocês estão a ver, uns aqui feitos pela mão dos nossos artistas, outros comprados nas lojas da terra, não são apenas voltas para enfeitar meu pescoço e colorir de desejo o meu peito.

Estes cordões são também amuletos que me protegem do mau olhado, que me dão mais força e sorte onde quer que seja que eu vã. Com estes amuletos não há mulher ciumenta que me faça mal, mas também não há homem que, se eu quiser, resista aos meus encantos.

O meu lenço joga com o brilho destes brincos e no meu pulso giram pulseiras de missanga a condizer com estes cordões que trago ao pescoço.

Escolhi um vestido florido para conviver com o meu corpo e, assim, tudo em mim fica harmonioso. Estou agora com o meu rosto um tanto sério, mas digam lá: Estou bonita, não estou?!

Niassa

Olhar fundo para este rosto é ver a juventude que brota do coração do Niassa a amanhecer. Embora pouco habitado, ou melhor, por ser pouco habitado o Niassa é uma terra promissora para os jovens que aqui nascem ou que para aqui queiram vir viver.

Que mundos habitam esta mente cujo olhar nos transmite surpresa por ser alvo de um clic indiscreto, mas também consciência de que em si há algo de diferente, de belo? Se observarmos melhor, podemos sentir bem no fundo das pupilas a pureza de um olhar jovem onde tudo de bom se mistura com muitas interrogações.

Niassa

Das montanhas do Niassa ou à beira do seu lago nascem estes olhares de futuro como um botão de sorriso abrindo-se em flor.

As margens moçambicanas do lago Niassa são recortadas por formas mais caprichosas e belas do que se possa imaginar. Desenhadas por istmos, pequenas ilhas, enseadas, mini-baías, as acolhedoras águas doces do Niassa convidam a um passeio repousante nos dias calmos e agradáveis que o clima do Niassa oferece durante muitos dias no ano.

Esta imagem obtida em Metangula é bem o exemplo do que acabámos de afirmar. Quem resistiria a um passeio, mesmo de canoa tradicional, nestas águas serenas e acolhedoras? Para além do grande potencial turístico que este lago oferece e que só espera empresários audazes, este autêntico mar interior é também um tremendo ecossistema aberto ao estudo das espécies únicas de peixes que aqui vivem e da flora que aqui se reproduz. Um autêntico paraíso para os biólogos!

Nas linhas do rosto se podem ler todos os caminhos de uma vida, diz a sabedoria popular. Outros sim, na maneira como uma casa é construída, no material que nela se aplica, se pode ler a geografia física e económica de um território, a própria geografia humana que o habita.

Portanto, temos aqui um rosto e uma casa espalhando ideias deste mundo de montanhas e de água, de vida dura mas de maneira alguma miserável. São faces de olhos que também nos perscrutam, pois neles está a indagação das coisas e uma alma de vontade intrínseca de progresso, de ir mais longe na melhoria e beleza do que é nosso.

Não há dúvida que Homens e Natureza são inseparáveis e interdependentes e só a compreensão profunda desta realidade poderá dar alento suficiente à sobrevivência do mundo e das espécies sem excepção.

Em qualquer aldeia do país são as crianças que, na sua pureza irrequieta, dão animação a estes lugares normalmente silenciosos, silêncio esse só cortado de longe em longe pelo chamamento de uma mãe ou pelo pau-de-pilão esfarelando o grão de milho para a farinha. A única grande excepção ruidosa é nos dias de festa quando o som dos tambores enche de vibrações esta atmosfera normalmente sossegada.

Tal como em tantas outras aldeias do país, estas crianças do Niassa também têm os seus jogos, as suas brincadeiras, cujo ensino-aprendizagem, que se processa de pai para filho, de mãe para filha, se perde nos caminhos ancestrais de cada etnia.

Seja para testar a resistência física, seja para mostrar a destreza ou a capacidade de inteligência de cada um dos participantes, os jogos infantis são vários e todos eles interessantes e animados.

Nestas crianças do Niassa, como em todas as outras suas iguais, energiza-se o dinamismo milenar que exercita os Homens para a vida, para o trabalho criativo, reprodutor de cultura.

Niassa

Como é que se organizam as aldeias humanas, estas pequenas localidades que depois se desenvolvem transformando-se em vilas e mais tarde em cidades?

Esta imagem de uma aldeia do distrito de Metangula, junto ao lago Niassa, é bem elucidativa de um dos muitos outros fatores que contribuem para a organização-disposição-localização das casos numa aldeia nascente.

Se por um lado, deseja-se uma casa com quintal grande para uma pequena machamba individual, pois as grandes estão normalmente afastadas e são tradicionalmente de carácter coletivo, também a paisagem que rodeia e que a vista pode alcançar quando se estende a esteira ou se põe o banco na varanda para descansar, é um fator que conta nesta disposição habitacional.

Daqui compreendermos melhor esta aldeia espreguiçando-se em fila como querendo ter uma nesga de lago para cada olhar faminto de beleza.

Niassa

O Niassa são também estes contrastes naturais, estas montanhas erguendo-se majestosas e enigmáticas sobre os planaltos e vales luxuriantes.

Um dia os jovens desta Província – território agora subdesenvolvido e pouco povoado – vestirão seus fatos de alpinistas e escalarão estas montanhas decifrando-lhes os enigmas, afugentando os fantasmas; trajarão os seus uniformes de mergulhadores e revelarão os mistérios do fundo do lago, a espectacular visão do princípio das coisas.

Um dia um teleférico levará turistas da montanha para o lago e vice-versa, um lago eternamente não poluído no testemunho de que pode haver desenvolvimento sem destruição da natureza. Nesse dia, esta montanha de pedra ainda aqui estará e será o retrato deste tempo em que escrevemos a palavra Niassa com letras abertas ao progresso.

Fonte: www.geocities.com

Niassa

Localiza-se no planalto de Lichinga rodeado por extensas matas de verdejantes pinheiros.

O planalto é parte do “Rift Valley” africano que abrange os Grandes Lagos africanos e o declive que vai de Djibouti até ao lago Niassa.

Caracterização Geral

Superfície: 122.176 km²

Limites

Norte: Tanzânia
Sul: Nampula e Zambézia
Oeste: Lago Niassa e Malawi
Leste: Cabo Delgado.

Densidade Populacional: 6 habs/ km²

Etnias representativas Macua, Ajaua e Nianja.

Principais produções

– Algodão
– Sorgo
– Madeiras
– Pedras semi- preciosas.

Faz fronteira com a República da Tanzânia e comporta em si a maior reserva faunística do país, com a sua elevada população de elefantes e animais bravios.

O lago Niassa, com as suas águas tranquilas e transparentes, propícias a inesquecíveis atividades de pesca desportiva, mergulho, passeios de barco ou de canoa, é outro dos grandes atrativos da província.

Fonte: www.visitmozambique.net

Niassa

Niassa

É a maior Província de Moçambique, com locais de extraordinária beleza e onde ainda se podem encontrar áreas cobertas de selva natural.

O Lago Niassa, o terceiro maior de África, e o Malawi delimitam a província a Oeste, enquanto a Este faz fronteira com a província de Cabo Delgado, a Norte com a Tanzânia e a Sul com as províncias de Nampula e Zambézia.

O principal centro urbano é Lichinga, localizada no planalto com o mesmo nome na parte ocidental da Província não muito distante do Lago Niassa.

Fonte: www.turismomocambique.co.mz

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+