Breaking News
Home / Turismo / Política da Áustria

Política da Áustria

O sistema político

PUBLICIDADE

A Áustria é uma república parlamentar e da democracia.

Segunda República Austríaca nasceu 27 de abril de 1945, data da primeira formação de um governo provisório por Karl Renner (SPÖ), enquanto nós ainda estavam lutando em muitas partes da Áustria. Este governo foi reconhecido em outubro de 1945 pelos Aliados. As primeiras eleições para o retorno à democracia teve lugar 25 de novembro de 1945. Áustria permaneceu ocupada pelos Aliados para uma década. Não foi até 1955 que recuperou a sua soberania.

A Constituição

É a de 1920, promulgada a Primeira República e alterado em 1929. Ao contrário da Alemanha, a Áustria não ter uma nova Constituição após a queda do nazismo. Com base na idéia de que eles eram os “primeiras vítimas” do nazismo, os austríacos queria enfatizar a continuidade institucional do regime republicano na Áustria.

O executivo

É assegurado pelo Presidente da República, o chanceler e seu governo.

A legislatura

A assembleia Federal (Bundesversammlung) é composto por duas câmaras:

O Conselho Nacional (Nationalrat): 183 deputados eleitos por cinco anos por sufrágio universal direto (proporcional ao nível nacional).Este quarto investe e censura do governo. Composição da Assembleia (eleito em setembro de 2008): 57 SPÖ, ÖVP 51, 34 FPÖ, BZÖ 21, 20 verdes.

A assembleia eleita em outubro de 2006: 68 SPÖ, ÖVP 66, 21 FPÖ, 21 verde, sete BZÖ. E em novembro de 2002: 79 ÖVP, SPÖ 69, 19 FPÖ, 16 verde.

A SPO ganhou 57 assentos, 51 OVP assentos, o FPÖ 34 assentos, o BZÖ, 21 lugares e os Verdes 20 lugares. Participação subiu para 78,8%.

Outubro de 2008, Barbara Prammer (SPÖ) foi re-eleito presidente do Nationalrat, o segundo presidente é Michael Spindelegger (OVP) eo terceiro Martin Graf (FPÖ).

– Conselho Federal (Bundesrat): 64 membros eleitos pelas dietas provinciais para 5 ou 6 anos, dependendo das províncias. A Constituição concede-lhe poderes menores do que o Conselho Nacional. Ele tem pouca influência.Desde outubro de 2005, a maioria está à esquerda (pela primeira vez desde 1945).

Eleições

“Um sistema eleitoral proporcional aplica-se em três níveis. Eleitores têm uma voz que atribuem a uma lista partidária, mas também pode ser atribuído em parte a preferência de voz lista para um candidato determinado tanto no círculo eleitoral regional no distrito de Terra. Os assentos são atribuídos primeiro em 43 distritos regionais e grupos de nove estados e, finalmente, a nível federal. Para ser capaz de entrar no Conselho Nacional deve ter ganhado uma sede regional ou recebeu 4% dos votos válidos em todo o território da Áustria. “(Da Assessoria de Imprensa 2000 brochura da Embaixada)

As mulheres têm o direito de votar desde 1919. Em março de 2007, o direito de voto foi estendido de 16 anos (Áustria é o único país da Europa, neste caso).

Há também instrumentos de democracia direta, ou seja, referendos, consultas populares e iniciativas populares, através do qual os cidadãos têm a oportunidade de participar diretamente na política. Apenas dois referendos realizados até agora, ou seja, em 1978, sobre o funcionamento do Zwentendorf nuclear e 1994 sobre a adesão à UE. Iniciativas populares estão ocorrendo com mais frequência, a tendência é para cima.

Próximas eleições: Fall 2010

O Judiciário

Um Tribunal Constitucional (Verfassunsgerichtshof) assegurar a conformidade das leis com a Lei Básica.

“Drift preocupante enfraquecimento da justiça. Alguns dias atrás, o editor do influente Kronen Zeitung foi conselheiro para os tribunais austríacos, citando o “mal estar e medo de que existem hoje no tribunal do país.” As pressões mais espetaculares novas a justiça do caso em questão “espiões da polícia”, um grande escândalo em que está envolvido um grande número de quadros do FPÖ, incluindo Jörg Haider e seu ex-advogado, Dieter Böhmdorfer, hoje Hoje, o ministro da Justiça. Um policial aposentado, um ex-membro do sindicato FPÖ polícia, acusando-os em um livro publicado em 2000 para a compra de, durante anos, os policiais “amigos” informações secretas sobre diferentes pessoas (artistas, intelectuais, políticos, alguns trabalhadores migrantes …).

O livro teve o efeito de uma bomba, a polícia procedeu a ataques múltiplos, uma investigação criminal foi iniciada contra 23 suspeitos, a imprensa falou nisso por meses. E desde então? Nada, ou quase. Dos 23 casos, o juiz (que reporta ao Ministro da Justiça) decidiu classificar 19 sem resposta, incluindo Haider.

Os quatro suspeitos restantes, é improvável que um dia vai encontrar-se diante de um tribunal.

“(Trecho de um artigo de Pierre Daum, Libération, 5 de fevereiro de 2002)

O plano é desafiado

O FPÖ apela para uma terceira república cujas características seria um poder presidencial forte, contando com práticas plebiscitárias, diante de um Parlamento poderes diminuídos.

Fonte: www.bibliomonde.com

Política da Áustria

Governo e Política

Áustria tem sido um modelo de estabilidade desde que a democracia foi restaurada em 1945. Em contraste com o período entre guerras, quando domésticos rivalidades políticas e de intervenção estrangeira trouxe o sistema de governo estabelecido pela Constituição de 1920 a um impasse, após a Segunda Guerra Mundial este restabelecida a democracia parlamentar funcionou sem problemas no que veio a ser chamado de a Segunda República.

Para a maior parte do período pós-guerra, política austríaca apareceu única em muitos aspectos para observadores externos. Entre 1945 e 1966, o país foi governado pela coligação chamada grande dos dois principais partidos, o Partido Popular Austríaco (Österreichische Volkspartei – ÖVP) e do Partido Socialista da Áustria (Sozialistische Partei Österreichs – SPÖ).

(Em 1991, o nome do partido último foi alterado para o Partido Social-Democrata da Áustria [Sozialdemokratische Partei Österreichs – SPÖ].) Este arranjo apelou aos políticos da Áustria e as pessoas, principalmente porque simbolizava a reconciliação entre os grupos sociais que lutaram uma breve guerra civil antes da absorção (Anschluss) da Áustria pela Alemanha nazista em 1938.

O co-regência do ÖVP e SPÖ levou à sistemática de divisão de cargos políticos e postos de serviço civil, conhecido na Áustria como Proporz. ambém beneficiar deste acordo foram as principais organizações econômicas e profissionais que estavam alinhados com os dois maiores partidos.

Às vezes, o sistema político da Áustria parecia impermeável à mudança, mas em meados da década de 1980, tornou-se claro que as tendências de longo alcance social e econômico foram começando a afetar a política do país.

O domínio do ÖVP e SPÖ foi desafiado pelo ressurgimento do Partido da Liberdade da Áustria (Freiheitliche Partei Österreichs – FPÖ), liderado por Jörg Haider, um populista de direita jovem que apelou para o sentimento nacionalista alemão.

Depois de coalizão do FPÖ de curta duração com o SPÖ entre 1983 e 1986, continuou a atrair um número crescente de eleitores.

Na eleição nacional de 1990, o FPÖ conquistou 16,6 por cento dos votos, estabelecendo-se como um novo poder no Nationalrat.

No início de 1993, no entanto, alguns membros do FPÖ retirou-o e formou seu próprio partido, o Fórum Liberal (Das Liberale Forum), uma ameaça potencial para o futuro político de Haider. A preocupação com as questões ambientais também afetou o processo político austríaco, como evidenciado pela entrada de Green partidos políticos no parlamento em 1986.

Padrões anteriores de governo, que girava quase exclusivamente em torno de chegar a um acordo entre o ÖVP eo SPÖ, foram substituídos por uma atmosfera mais controversa, roda livre onde as vozes mais são ouvidos.

Enquanto o processo político passou por mudanças graduais, mas distintas, uma variedade de escândalos durante a década de 1980 trouxe a Áustria a atenção do mundo. O mais conhecido envolvidos Kurt Waldheim, eleito presidente em 1986.

Pouco depois de sua eleição, uma polêmica afiada internacional irrompeu sobre se ele tinha sido envolvido nas atrocidades nazistas na Iugoslávia durante a Segunda Guerra Mundial.

Apesar de uma investigação exaustiva não encontrou nenhuma evidência de que Waldheim participavam de atrocidades, o seu método de lidar com o caso desapontado muitos austríacos e observadores estrangeiros.

As fortes emoções desencadeadas dentro Áustria por este assunto mostrou que a geração mais velha ainda está relutante em discutir o papel do país na era nazista.

Grandes mudanças no cenário político da Áustria abriu perspectivas de uma nova base para a sua política externa. A base da diplomacia austríaca, no período do pós-guerra tem sido o seu compromisso com a neutralidade permanente.

A fim de conseguir a remoção de forças de ocupação soviéticas, o governo austríaco em 1955 se comprometeu a nunca participar de uma aliança militar ou para permitir o estacionamento de tropas estrangeiras em seu solo.

A partir daí, a Áustria seguiu uma política de neutralidade ativa, que inclui a participação em inúmeros Unidos operações de paz das Nações. Durante o período da Guerra Fria, a Áustria foi um defensor consistente de détente entre os Estados Unidos ea União Soviética.

Ao final de 1980, um número crescente de políticos haviam concluído que o país deveria examinar de perto a questão da existência ou não de adesão à Comunidade Europeia.

Depois de um prolongado debate sobre os méritos de adesão, o governo austríaco apresentou um pedido de entrada formal no verão de 1989. A partir do final de 1993, um número substancial de cidadãos austríacos ainda tinha sérias reservas sobre a adesão à organização, que em novembro de 1993 veio a ser conhecido como a União Europeia.

A associação teria de ser aprovada em um referendo popular. Seja qual for o resultado da votação, a desintegração do comunismo na Europa Oriental e da dissolução da União Soviética, levantou a questão de se a neutralidade deveria – ou poderia – continuar a ser o princípio orientador da política externa austríaca.

Quadro Constitucional

A Áustria é uma democracia parlamentar, do tipo que existe na maior parte da Europa Ocidental. A base jurídica para o sistema austríaco de governo é a constituição de 1920, que foi alterado em 1929 e várias vezes depois disso.

A Constituição de 1920 proporcionou uma transição da Áustria-Hungria (também visto como o Império Austro-Húngaro) para uma república democrática federal em que a lei emana do povo.

A Constituição foi suspensa 1934-1938 durante os governos autoritários de Engelbert Dollfuss e Kurt von Schuschnigg e novamente durante as Anschluss que foi forçado a Áustria por Adolf Hitler de 1938 a 1945. Desde 1945, quando a Segunda República foi proclamada, a Áustria tem sido governada pela constituição 1920, alterada.

Poderes executivo, legislativo e judiciário do governo foram estabelecidos pela Constituição de 1920, com o poder executivo subordinado ao Poder Legislativo.

A presidência federal, conforme estabelecido pela Constituição 1920 foi um escritório de fraca política cuja titular foi eleito por uma sessão conjunta do Legislativo bicameral, a Bundesversammlung (Assembleia Federal).

As emendas constitucionais de 1929 aumentou o papel político do presidente, concedendo-lhe o poder formal de nomear ou destituir o chanceler e, por recomendação do chanceler, o gabinete. As alterações também desde 1929 que o direito de eleger o presidente ser tirado da legislatura e dado ao povo.

Sistema político da Áustria é federal na natureza, refletindo o fato de que o país é composto por nove províncias. Embora o artigo 15 da Constituição estabelece que as províncias terá jurisdição sobre todos os assuntos não explicitamente reservados para o governo federal, o federalismo austríaco é fraco e subdesenvolvido.

As áreas do direito reservados para as províncias são poucos em número e relativamente sem importância. Entre as áreas em que o governo federal é quase exclusivamente responsável são assuntos externos, segurança nacional, justiça, finanças, direito civil e penal, matéria de polícia e de educação.

Em outras áreas do direito, as províncias são chamados a aprovar uma legislação de execução para as questões já decididas em nível federal. Este processo, conhecido como administração federal indireta, aplica-se a áreas como eleições, Polícia Rodoviária, e assuntos de habitação.

Outras leis são feitas e administradas a nível provincial, mas dentro das diretrizes estabelecidas pelo governo federal. Estas dizem respeito a bem-estar social, a reforma agrária, ea administração provincial.

Áreas onde as províncias têm autoridade primária incluem assuntos municipais (por exemplo, remoção de lixo e os principais aspectos de zoneamento), pré-escolar e jardim de infância, as leis de construção, controle de fogo, e de turismo.

A Constituição não inclui um projeto de lei de direitos como tal, mas não garantem a igualdade perante a lei e mais garantias de que não haverá discriminação por causa de nascimento, sexo, estado civil, classe ou religião.

Os direitos individuais são ainda definidos pela inclusão na Constituição do artigo final, o que levanta algumas mais velhas leis austríacas para o posto de direito constitucional. Entre elas está a Lei Básica de dezembro de 1867, que estabelece a igualdade perante a lei, a inviolabilidade da propriedade, ea liberdade de reunião, culto, expressão e.

Leis promulgadas em 1862 conjunto de direitos individuais por diante em relação a liberdade pessoal e do lar. Estes direitos incluem não sendo realizada sem um mandado e, exceto em circunstâncias incomuns, não permitindo casas a ser pesquisado sem um mandado.

Algumas restrições são colocadas sobre a liberdade de expressão e de associação. Autoridades apropriadas deve ser informado quando uma nova associação é formada. Funcionários então tem seis semanas para se opor à sua formação, se o grupo é pensado para ser ilegal ou uma ameaça potencial para a república.

Desde a Segunda República foi estabelecida em 1945, os cuidados foram tomados para garantir que as leis sobre os indivíduos estão de acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948.

Emendas à Constituição podem ser feitas através de leis designadas leis constitucionais ou de disposições constitucionais, se a alteração é parte de uma outra lei.

Passagem de uma emenda requer uma maioria de dois terços na presença de pelo menos metade dos membros do (Conselho Nacional) Nationalrat, casa baixa do parlamento.

Leis constitucionais ou disposições são acompanhados por um referendo nacional apenas se solicitado por um terço dos deputados ou Nationalrat ou o Bundesrat (Conselho Federal), a casa do parlamento superior.

Em 1984, uma emenda constitucional, desde que as alterações mudando a divisão de responsabilidades entre o governo federal e as províncias exigem a aprovação de dois terços do Conselho Federal, bem como dois terços do Nationalrat.

Além da constituição alterada, duas leis – um tratado e uma lei constitucional – são particularmente importantes para o desenvolvimento constitucional da Áustria porque dizem respeito a status internacional do país e reafirmar os direitos do povo básicas.

Em abril de 1955, um impasse sobre a restauração da plena soberania à Áustria foi finalmente quebrado quando a União Soviética concordou em retirar sua insistência de que uma solução para a questão da Áustria estar ligada à conclusão de um tratado de paz com a Alemanha.

Isso pavimentou o caminho para a assinatura do Tratado de Estado em maio de 1955 por quatro potências (Grã-Bretanha, França, União Soviética e Estados Unidos) e na Áustria. O tratado estabeleceu fronteiras da Áustria, como as existentes em 1 de janeiro de 1938, e proibiu a união econômica ou política com a Alemanha.

Direitos de um governo democrático e eleições livres foram garantidos, eo documento reiterou garantias dos direitos e liberdades fundamentais, incluindo a igualdade de direitos para as minorias. Especificamente mencionados nesta categoria foram eslovenos e croatas.

A segunda lei de importância constitucional é a Lei Constitucional Federal de 26 de outubro de 1955, sobre a neutralidade da Áustria. A lei declarada neutralidade permanente do país e proibiu de entrar em alianças militares ou permitir que países estrangeiros para estabelecer bases militares dentro das fronteiras da Áustria.

Fonte: countrystudies.us

Política da Áustria

O sistema político da Segunda República da Áustria é organizado por uma constituição formada pela Lei Constitucional Federal (Bundesverfassungsgesetz) e outros textos.

A Áustria é uma república governo, composto por nove Länder, a Capital Federal Viena. Ele é organizado de acordo com o princípio da separação de poderes e uma democracia de representação para o sistema parlamentar.

Princípios da Constituição austríaca

Democracia
República : Habsburgo Lei de 3 de abril de 1919
Separação de poderes
Direitos Humanos desde 1867

Federalismo:

Conselho Federal (Áustria);
Bundesländer.

Estado de Direito

Superior:

Tribunal Constitucional (VfGH)
Tribunal Administrativo (VwGH)
Supremo Tribunal (OGH)

Neutralidade

Neutralidade austríaca desde 1955
Tratado do Estado Austríaco

Instituições da Segunda República

Constituição Federal: Constituição Federal da Áustria
Federal Presidente: Presidente Federal no Hofburg , Lista de Presidentes federal da Áustria .

Poder Executivo

Chanceler: Chanceler, Lista de Chanceleres da Áustria
Governo Federal: Governo Federal (Áustria)
Federal Exército: Bundesheer.

Legislativo

O Parlamento austríaco tem duas câmaras:

Conselho Nacional (que é a câmara baixa ) Lista de legislaturas austríacos;
Conselho Federal ( Senado ), cujos poderes são inferiores aos do Conselho Nacional.

A Assembleia Federal é formado pela reunião das duas câmaras.

Judiciário

Tribunais Superiores: Tribunal Constitucional (VfGH), Tribunal Administrativo (VwGH) Supremo Tribunal (OGH)

Fonte: fr.wikipedia.org

Política da Áustria

Governo e Política na Áustria é quase uma escultura de paz e estabilidade desde o início da democracia, em 1945. Os anos seguintes ao período de guerra e revoltas na Áustria, a tensão política existente, inimizades nacionais e interferência alienígena quase imobilizada as atividades do governo austríaco que derivou seus poderes e autoridades da Constituição de 1920.

Foi somente após a Segunda Guerra Mundial que a democracia parlamentar viu seu re-estabelecimento e começou a operar suavemente como sempre.

A Áustria é uma república democrática federal que funciona de forma eficiente em função do Executivo Legislativo e Judiciário. Poderes Executivo, principalmente, descansar com o Governo, na Áustria, e também exerce os poderes legislativos com a ajuda e participação de ambas as Casas do Parlamento.

O Poder Judiciário no entanto, é um organismo autônomo, responsável nem para o Executivo nem o Legislativo por suas ações.

O chefe executivo do Governo austríaco é chamado de “Bunderprasident” ou o Presidente da República, que é eleito pelo povo para um mandato de dois anos no cargo. Ele, por sua vez, nomeia outros ministros sobre a base das recomendações presidenciais.

A unidade Legislativa do Governo austríaco compreende o Parlamento bicameral. É Conselho Nacional com 183 membros, é eleito para um mandato de quatro anos, por meio de representação proporcional. O Poder Judiciário está comprometido em oferecer solução amigável para diversos problemas legais que aparecem em curso de condução do governo.

Política na Áustria são administrados por diversos partidos políticos que atuam como os principais pilares da estrutura política do país, as atividades e estabilidade.

Foi depois da II Guerra Mundial que toda a nação austríaca gostava de estabilidade política e esta tendência de sucesso ainda está em andamento.

Abaixo mencionados são alguns partidos políticos de renome envolvidos seriamente na Política, na Áustria:

Partido Social Democrata da Áustria

Partido Popular Austríaco

Os Verdes – A Alternativa Verde

Partido da Liberdade da Áustria

Aliança para o Futuro da Áustria

Fórum Liberal

Partido da Esquerda Socialista

Initiativ

Lista de Stark

Governo e Política na Áustria é altamente capaz de executar a administração do país de forma eficiente. É devido à proficiência e competência do Governo e Política na Áustria que o país tem uma condição política estável, desde o reinado de guerras e de tumultos populares no passado.

Fonte: www.mapsofworld.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.