Breaking News
Home / Biologia / Classe Crinoidea

Classe Crinoidea

PUBLICIDADE

Classe Crinoidea é a classe mais primitiva e mais antiga e consiste nos lírios do mar.

Classe Crinoidea
Movimentação de extensão e flexão dos braços do lírio-do-mar, provocados por um
simples toque procurando captar alguma presa para alimentar-se

Os crinóides ou lírios-do-mar, talvez sejam os menos conhecidos entre os equinodermos provavelmente porque sua freqüência em nossos mares é bem menor do que a dos demais representantes.

Ocorrem em profundidades variadas sobre substratos duros comorochas e corais.

Têm cores variadas e um conjunto de braços que se assemelha a penas partindo de um cone central onde existem estruturas encarregadas de permitir que o animal se agarre ao substrato onde se encontra.

Algumas espécies têm capacidade de natação, utilizando para isso seus longos braços.

Alimentam-se basicamente do plâncton recolhido por seus braços.

Os crinóides

Classe Crinoidea
Lírio-do-mar (Comanthina) “cruzou os braços” após ter-se alimentado

Os crinóides (Lírio-do-mar) são membros de um grupo muito antigo de equinodermes sésseis pedunculados.

A maior parte destes animais, como as Comátulas, permanecem pedunculados ao longo da sua vida, sendo o seu movimento caracterizado pelo rompimento do pedúnculo e posterior arrastamento através dos seus braços.

Os Crinóides, quer estejam pedunculados ou móveis, apresentam sempre a face oral para cima, dando-lhes o anel de braços em torno da boca um aspecto de flor.

Possuem pelo menos 10 braços, mas algumas espécies têm até 40 e outras 200.

Os braços têm uma fila de projeções, as pínulas, dando-lhes o aspecto de penas de ave. Uma faixa ambulacral corre ao longo de cada braço e ramifica-se para as pínulas. Esta faixa contém pés ambulacrários dispostos em tríades que reagem à presença das mais pequenas partículas de alimento, dobrando-se para dentro, arrastando as partículas para a faixa, onde ficam presas em muco, sendo depois varridas para a boca através de cílios.

Os gâmetas desenvolvem-se em algumas das pínulas, que se rompem, lbertando os gâmetas, nas alturas da desova. As larvas que nadam livremente acabam por assentar no fundo onde desenvolvem o pudúnculo e a coroa.

Classe Crinoidea – Equinodermos

Estes equinodermos semelhantes a flores vivem desde abaixo da linha de maré baixa até profundidades abissais.

O corpo é um pequeno cálice em forma de taça, de placas calcáreas, ao qual estão presos 5 braços flexíveis que se bifurcam formando 10 ou mais extremidades estreitas. Alguns possuem um pedúnculo longo, que fixa o crinóide ao fundo do mar .

Boca e orifício retal estão presentes na superfície oral.

Alimentam-se de plâncton e de detritos, colhidos pelos tentáculos e dirigidos à boca pelos cílios.

Exemplo

Classe Crinoidea
Lírio do Mar

Classe Crinoidea – Espécies

Os Crinoidea ocorrem do Ártico à Antártica, e em todas as profundidades.

As espécies não pedunculadas vivem sobre substrato consolidado, ou são epibiontes de antozoários e algas, por exemplo.

Já os pedunculados podem ser encontrados em todos os tipos de substrato.

Classe Crinoidea
Lírio do Mar

Nessa classe encontramos animais conhecidos vulgarmente como “lírios-do-mar“.

Possuem o corpo caliciforme, munido ou não de pedúnculo. As formas pedunculadas, possuem uma haste com a qual se fixam a um suporte qualquer.

No topo do pedúnculo encontram-se peças calcárias formando o cálice no interior do qual abrigam-se as partes moles do animal.

Das margens do cálice partem os braços com numerosas ramificações laterais, chamadas pínulas que se estendem por todo o comprimento do braço.

Boca e orifício retal estão na superfície superior do disco, o orifício retal freqüentemente em um cone elevado.

Os crinóides não pedunculados são de movimentação livre isto é, são capazes de nadar. O alimento é constituído principalmente de plâncton, colhidos pelos tentáculos e dirigidos pelos cílios à boca.

Essa classe é considerada a mais primitiva dos Echinodermatas. Embora atualmente existam poucas espécies, fora muito abundante em eras geológicas remotas.

Classe Crinoidea – Lírio do Mar

Classe Crinoidea
Lírio do Mar

Classe Crinoidea
Lírio do Mar

Os membros da classe Crinoidea, que inclui os lírios-do-mar pedunculados e fixos e os crinóides apedunculados e livres, são os únicos equinodermos viventes nos quais a superfície oral está dirigida para cima. Esta condição também é verdadeira para a maioria dos equinodermos do Paleozóico.

A coroa dos crinóides pedunculados e apedunculados é composta de múltiplos braços ao redor de um forte cálice central, que é coberto por uma parede membranosa oral, o tégmen. O tégmen contém a boca no centro e o orifício retal para um lado.

A multiplicidade de braços resulta da ramificação basal de um arranjo originalmente pentâmero. Os braços possuem numerosos ramos laterais pequenos (pínulas) e a superfície oral de todos os ramos, incluindo as pínulas, contém um sulco ambulacrário ciliado.

Fortes ossículos fazem parte do pedúnculo relativamente sólido, dos cirros, dos braços e das pínulas.

Fortes ossículos também estão localizados dentro da parede do cálice.

Os lírios-do-mar sésseis podem flexionar o pedúnculo e desenrolar os braços quando estão se alimentando. Os comatulídeos se fixam com os cirros e rastejam e nadam com os braços.

Os crinóides são comedores de suspensões e os pés ambulacrários, ao entrarem em contato com o zooplâncton ou outras partículas suspensas, efetuam movimentos, levando as partículas para o sulco ambulacrário. Os cílios ambulacrários transportam as partículas envoltas em muco ao longo dos braços até a boca. Os braços são mantidos como um funil ou, quando uma corrente, como um leque circular ou plano. Os múltiplos braços e pínulas proporcionam a área necessária para este tipo de alimentação.

Os gametas são produzidos nos braços, que também são os locais de incubação, quando isto ocorre.

O desenvolvimento resulta em uma larva vitelária em forma de barril. A metamorfose ocorre após a instalação e fixação. Os comatulídeos passam por um estágio pedunculado (pentacrinóide) antes da coroa libertar-se.

Os crinóides, vulgarmente conhecidos como lírios-do-mar, possuem um esqueleto calcário maciço, e foram particularmente abundantes nos mares paleozóicos, originando bancadas espessas de calcário.

Classe Crinoidea
Lírios do Mar

Geralmente fixam-se ao fundo do mar por um pé flexível – o pedúnculo – circular ou pentagonal, formado por numerosas peças – os entroques.

No topo do pedúnculo surge o cálice, ou teca, provido de braços que filtram os alimentos da água. Após a morte, o esqueleto usualmente desmonta-se em múltiplos ossículos.

Existem desde o Câmbrico médio estando de uma forma geral representados nas rochas jurássicas da região do Baixo Mondego. Nestas são mais abundantes nas unidades do Jurássico inferior.

Lírios do Mar – Fotos

Classe Crinoidea
Lírios do mar (crinóides)

Classe Crinoidea
Lírios do mar

Classe Crinoidea
Lírios do mar

Classe Crinoidea
Lírios do mar

Fonte: www.vivaterra.org.br/www.geocities.com/educar.sc.usp.br

Veja também

Algas Dinophytas

Algas Dinophytas

PUBLICIDADE O que são algas dinophytas? As algas dinófitas, pertencem ao Filo Dinophyta e a …

Endoderma

PUBLICIDADE Definição de endoderma Endoderma ou Endoderme é a mais interna das três camadas germinativas, …

Alelos Múltiplos

PUBLICIDADE O que são alelos múltiplos? Os alelos múltiplos ou polialelia são casos em que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.