Breaking News
Home / Biologia / Sapo, Rã e Perereca

Sapo, Rã e Perereca

PUBLICIDADE

A designação popular sapos, tem duas conotações. Uma que se refere aos anuros em geral (incluindo os três) e outra que diz respeito aos anuros que possuem pele bastante rugosa.

Possuem a pele rugosa e os membros posteriores mais curtos que os demais anuros, bem como uma concentração de glândulas de veneno nas laterais da cabeça (glândulas paratóides).

As rãs são popularmente conhecidas como anuros bastante ligados à água e bons nadadores. São animais de pele lisa e apreciados quanto a sua carne.

Geralmente tem membranas bem desenvolvidas nos membros posteriores para natação.

As pererecas também possuem a pele mais lisa que os sapos, como as rãs. Seus membros são bastante desenvolvidos e adaptados a grandes saltos.

Apresentam nas pontas dos dedos expansões em forma de disco que promovem adesão. São por isso capazes de caminhar em superfícies verticais, o que convém a seu hábito arborícola.

Sapo, Rã e Perereca – Qual a diferença

 é a denominação popular dada no Brasil aos animais da classe dos anfíbios, ordem Anura ou Salientia (vagarosos), família Leptodactyladae(dedos terminados em pontas), gênero Leptodactillus.

São comestíveis e muito apreciadas pelo seu paladar. Como todo nome vulgar é regional, no Brasil a rã é denominada jia, na Espanha rana, nos Estados Unidos e Inglaterra frog e na França grennouille.

A primeira pessoa que escreveu sobre a  foi um cientista chamado Lineu, em 1758 seguido posteriormente por um outro cientista chamado Berg.

A denominação científica Leptodactyllus ocellatus, dada por Lineu em seus estudos, pode parecer dispensável para um leigo mas, se formos verificar, a mesma é chamada de rã-manteiga em Minas Gerais, rã-paulistinha no Rio de Janeiro, caçote na Bahia e yui na Argentina. Sapos, popularmente denominados no Brasil, pertencem à classe dos anfíbios, ordem Anura, geralmente da família Bufonidae.

Na Inglaterra são chamados de toad. Possuem pele rugosa, com glândulas de veneno na região dorsal do corpo, atrás do ouvido, e pernas mais curtas que as das rãs.

Podem se afastar da água e suportam melhor que as rãs a vida em regiões secas. Em geral não se assustam com a presença humana. Não são comestíveis, devido às glândulas de veneno. Perereca (popular), designa no Brasil os animais da classe dos anfíbios, ordem Anura, família Hylidae.

Na Inglaterra a chamam de perereca. Geralmente são pequenos de pernas finas e longas, possuem discos adesivos, tipo ventosas, nas pontas dos dedos, o que lhes permite subir em árvores ou paredes.

Não são comestíveis.

Sapos e Rãs

Não há distinção científica entre sapos e rãs.

Sapos e rãs pertencem à ordem Anura, mas são encontrados em famílias diferentes. Os “sapos verdadeiros” constituem a família Bufonidae, que inclui 580 espécies.

No entanto, sapos e rãs têm características específicas que os definem.

Por exemplo, as rãs são principalmente aquáticas; a maioria dos sapos vive na terra (mas perto da água). As rãs têm dentes; sapos, não. Sapos de ambos os sexos têm um ovário rudimentar chamado órgão do licitante.

As rãs também costumam ser mais compridas do que os sapos.

Além disso, as rãs têm pele lisa e viscosa; sapos têm pele seca e acidentada. As saliências, no entanto, não são verrugas, e uma pessoa não pode ter verrugas ao manusear um sapo. No entanto, os sapos têm glândulas atrás dos olhos que podem secretar uma toxina leitosa em chamas.

As rãs são anfíbios conhecidos por suas habilidades de salto, sons de coaxar, olhos esbugalhados e pele viscosa. Eles vivem em todo o mundo e estão entre os animais mais diversos do mundo, com mais de 6.000 espécies.

As rãs superam substancialmente os dois outros grupos de anfíbios – salamandras e cecílias.

Os cecilianos parecem vermes grandes ou cobras escorregadias. Eles não têm braços ou pernas e vivem no subsolo em uma rede de túneis.

Tamanho e aparência

Algumas rãs têm pele tóxica. Algumas rãs sul-americanas são tão tóxicas que uma gota de suas secreções de pele pode matar um ser humano adulto.

Sapos venenosos geralmente têm cores brilhantes para avisar os predadores de que sua pele é tóxica. A camuflagem é outra técnica de sobrevivência.

Muitos sapos têm a pele manchada de verde ou marrom para ajudá-los a se misturar com o ambiente.

Como existem tantos tipos de sapos, um tamanho não serve para todos. O maior sapo é o sapo Golias, que tem 30 centímetros de comprimento e pesa 3 quilos.

O sapo diabo de Madagascar, agora extinto, já teve o título de maior sapo. Ele tinha 41 cm de comprimento e pesava 4,5 kg.

O menor sapo é o sapo dourado, que tem apenas 1 cm de comprimento e apenas 200 gramas. Isso é do tamanho de uma moeda de dez centavos.

Habitat

As rãs precisam estar em áreas com uma fonte de água para se reproduzir, mas além disso, elas são encontradas em todos os continentes, exceto na Antártica e em quase todos os ambientes.

O sapo venenoso vive nas florestas tropicais da América do Sul e Central. As rãs-leopardo do norte vivem nas áreas do norte da América do Norte em pântanos e pastagens.

perereca de olhos verdes vive nas florestas tropicais cobertas de musgo de Queensland, Austrália. A rã da chuva do deserto vive exclusivamente na Namíbia e na África do Sul, ao longo da costa em dunas de areia.

Dieta

Freqüentemente, os sapos comem qualquer coisa viva que caiba em suas bocas. Isso inclui insetos, aranhas, vermes, lesmas, larvas e até peixes pequenos. Para pegar uma presa, suas línguas pegajosas saem de suas bocas e puxam a presa para dentro da boca do sapo. Este movimento é tão rápido que muitas vezes a presa não tem chance de escapar. A língua de uma rã pode voltar à boca em 15/100 de segundo.

Sapos e rãs ajudam a manter a população mundial de insetos sob controle. Seu apetite por insetos costuma ser bastante útil, mas às vezes pode levar ao desastre. Por exemplo, em 1935, sapos-cururus de Porto Rico foram introduzidos na Austrália para matar os besouros-da-cana. No entanto, os sapos-cururus, que podem crescer tão grandes quanto um prato, preferem comer sapos nativos, pequenos marsupiais e cobras. Os 102 sapos originais se espalharam pelo continente e cresceram em número para mais de 1,5 bilhão. Hoje, os sapos-cururus conquistaram mais de 1 milhão de quilômetros quadrados da Austrália. Isso é equivalente a uma área ligeiramente maior do que os estados do Texas e Oklahoma juntos.

Sapo, Rã e Perereca – Resumo

Os sapos geralmente têm pernas longas que são boas para pular, pele lisa e úmida e almofadas especiais nos dedos dos pés que os ajudam a escalar. Os sapos, por outro lado, são mais pesados com pernas mais curtas e geralmente têm a pele mais seca, geralmente com inchaços que parecem verrucosos. As rãs têm maior probabilidade de viver na água ou perto delas do que os sapos. A palavra “sapo” pode incluir sapos e rãs, pois algumas rãs podem não viver perto da água e alguns sapos têm pele lisa.

Quando você olha para um sapo ou rã, você percebe que ele não parece ter pescoço. Praticamente falando, isso é verdade.

A maioria das espécies de sapos e rãs tem olhos grandes e protuberantes para que possam ver na maioria das direções. Eles também podem pular para olhar em outra direção.

Mas eles não podem virar a cabeça como nós, já que seu pescoço é quase inexistente.

As rãs e sapos adultos têm dois esquemas de cores principais. Cada um sinaliza uma técnica de sobrevivência diferente. Aqueles com cores brilhantes (como sapos venenosos) anunciam sua presença e avisam predadores em potencial que sua pele é tóxica. Aqueles com manchas verdes ou marrons são camuflados para que os predadores tenham dificuldade em encontrá-los.

Algumas espécies empregam ambas as estratégias, como o sapo de barriga de fogo oriental, que é verde na parte superior, mas vermelho na parte inferior. Quando perturbados, esses sapos se curvam para cima para exibir sua barriga vermelha e alertar os predadores sobre sua pele tóxica.

Os sapos também possuem técnicas de sobrevivência adicionais. Se um predador está atrás de um sapo, o sapo pode se inflar e parecer grande demais para engolir.

A maioria dos sapos também pode secretar uma toxina leitosa ardente de uma glândula, chamada de glândula parotóide, atrás de seus olhos!

A maioria dos sapos e rãs são ótimos para pular de qualquer maneira. Músculos poderosos nas patas traseiras de um sapo dão-lhe distância enquanto se empurra de qualquer superfície de onde salta. Geralmente, quanto mais longas são as patas traseiras do sapo, mais longe ele pode pular. Pular é uma ótima maneira de escapar do perigo rapidamente. Alguns sapos preferem caminhar ou correr em vez de pular, especialmente aqueles que vivem em pastagens, e os sapos aquáticos usam suas habilidades de natação para fugir rapidamente.

Sapo, Rã e Perereca – Fotos

Sapo

Sapo

Perereca

Fonte: www.anfibios.hpg.ig.com.br/www.animalnet.com.br/www.livescience.com/www.woodlandtrust.org.uk

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Estrogênio

PUBLICIDADE Estrogênio – Definição O estrogênio é um dos dois principais hormônios sexuais das mulheres. O outro …

Axônio

PUBLICIDADE Definição de Axônio Um axônio é uma fibra longa de uma célula nervosa (um neurônio) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.