Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Esportes / Regras da Stock Car

Regras da Stock Car

PUBLICIDADE

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL

CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR V8

REGULAMENTO DESPORTIVO

A CBA supervisionará, técnica e desportivamente, o Campeonato Brasileiro de Stock Car V8, que é promovido pela empresa Vicar Promoções Desportivas S/A e Compreenderá um (1) título de Campeão Brasileiro de Pilotos e (1) título de Campeã Brasileira de Equipes Stock Car V8:

O Campeonato consiste de corridas em autódromos ou circuitos fechados, as quais estão incluídas no Calendário de provas nacionais da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA).

Todas as partes participantes (Clubes, Organizadores, Competidores e Circuitos), comprometem-se a aplicar e observar as regulamentações que governam o Campeonato.

REGULAMENTAÇÕES

1. Os títulos que aparecem neste documento, são realizados para facilitar as referências unicamente, e não formam parte do próprio Regulamento Desportivo.

ENTENDIMENTO GERAL

2. Todos os pilotos, competidores e oficiais participantes do Campeonato comprometem-se por si próprios, e por seus empregados e agentes, a observar todas as regulamentações e adendos do Código Desportivo Internacional da FIA, o Código Desportivo Automobilístico, o Regulamento Técnico da Stock Car V8 e o presente Regulamento Desportivo.

3. O Campeonato é regido pelo CDI/FIA e o CDA/CBA.

4. Qualquer regulamentação particular de prova deve ser submetida à CBA para aprovação prévia.

CONDIÇÕES GERAIS

5. É responsabilidade dos competidores assegurar-se que todas as pessoas incluídas na sua inscrição, observem todas as obrigações referidas no CDA/CBA, nas Regulamentações Técnicas, e no Regulamento Desportivo. Se um competidor não pode estar presente num evento, ele deve nomear um representante por escrito. A pessoa encarregada desta responsabilidade durante qualquer parte de um evento, será responsável em forma conjunta com o competidor para que estes requerimentos sejam observados.

6. Todos os competidores, devem se assegurar que seus carros respeitem as condições de elegibilidade e segurança, durante todos os treinos e a corrida.

7. Todas as pessoas relacionadas de qualquer forma com um carro inscrito, ou presente por qualquer motivo na área de paddock, boxes ou pit lane, devem utilizar credenciais apropriadas durante todo o tempo e obedecendo os limites de áreas indicadas pela organização do evento. O não cumprimento do acima exposto acarretara à apreensão da credencial, retirada da pessoa da área de credenciamento, e outras sanções, a critério dos Comissários Desportivos.

LICENÇAS

8. Todos os pilotos participantes do Campeonato Brasileiro de Stock Car V8 devem possuir Licença da CBA, SUPER ”A” 2010, atendendo ainda o disposto no Art. 19.

As equipes inscritas no Campeonato Brasileiro de Stock Car V8 deverão obrigatoriamente possuir registro na CBA, válido para 2010.

EVENTOS DO CAMPEONATO

9. Os eventos estão reservados para carros de Stock Car V8 modelo JL G.09 definidos nas Regulamentações Técnicas respectivas, e que tem seu uso exclusivo nesta competição.

10. Cada Evento possuirá status de Competição Nacional, de acordo com o definido no CDA/CBA.

Os Eventos poderão possuir formatações diferenciadas que serão divulgadas através de adendos e referendadas no Regulamento Particular da etapa.

11. Um evento pode ser cancelado por motivos de segurança, independente do número de carros participantes.

CAMPEONATO BRASILEIRO

12. O campeonato será composto por 12 (doze) eventos, de acordo com o Calendário CBA.

O título do “Campeonato Brasileiro de Pilotos Stock Car V8”, Edição 2010, será definido de acordo com o seguinte critério:

12.1 Sistema de Pontuação em cada evento:

25 pontos
20 pontos
16 pontos
14 pontos
12 pontos
10 pontos
9 pontos
8 pontos
7 pontos
10º 6 pontos
11º 5 pontos
12º 4 pontos
13º 3 pontos
14º 2 pontos
15º 1 pontos

12.2 Play Off:

No término da oitava etapa, serão somados os pontos obtidos pelos Pilotos, até então, conforme artigo 12.1, descartando-se os dois piores resultados. Os dez primeiros colocados iniciarão o “Play Off”, que será composto das últimas quatro etapas.

Com a finalidade de dar destaque aos Pilotos participantes do “Play Off”, na tabela geral do Campeonato, estes pilotos terão seus pontos substituídos e iniciarão esta disputa com a pontuação abaixo:

Pontuação
1 225
2 220
3 216
4 214
5 212
6 210
7 209
8 208
9 207
10 206

Os Pilotos participantes do “Play Off” pontuarão nas quatro últimas etapas do Campeonato de acordo com o item 12.1 Sistema de Pontuação.

Critério de Desempate: Em caso de empate, o desempate será pelo maior número de primeiros lugares, persistindo o empate o maior número de segundos lugares e assim sucessivamente, com base em todos os resultados obtidos durante a temporada.

Piloto Campeão: Será declarado Campeão aquele que somar o maior número de pontos no Play Off, descartando-se o pior resultado e conforme critério de desempate acima.

Parágrafo Primeiro: Somente os dez primeiros colocados de acordo com o artigo 12.2, continuarão na disputa do título do Campeonato Brasileiro de Stock Car V8, 2010.

Parágrafo Segundo: Os demais Pilotos continuarão pontuando normalmente, sendo que o melhor colocado será declarado o décimo primeiro colocado no Campeonato, merecendo por isto um troféu especial, e assim sucessivamente. Caso o décimo primeiro colocado obtenha mais pontos nas quatro últimas corridas do que o campeão da temporada, será merecedor de um título especial de “Piloto Destaque do Campeonato”.

12.3 Equipe Campeã:

As equipes serão formadas, por no máximo dois veículos, os pontos obtidos por cada veiculo serão somados para que se obtenha o resultado de cada evento e será declarada Campeã, a equipe que somar o maior número de pontos ao final dos doze eventos do campeonato, sem descartes e de acordo com o que segue:

a) Com a finalidade de definir com antecedência a permanência ou não das equipes no Campeonato Brasileiro de Stock Car V8 2011 e facilitar a busca de patrocínios, terão direito a permanência as primeiras 14 equipes melhores classificadas na pontuação geral do Campeonato de Equipes até o nono evento, sem descartes.
b)
Cada carro da equipe pontuará, conforme pontuação do Campeonato Brasileiro de Pilotos (Ver artigo 12.1).

13. Os pilotos que finalizarem em primeiro, segundo e terceiro lugares no Campeonato e o representante da equipe Campeã, deverão estar presentes na Cerimônia de Premiação realizada pelo promotor, salvo comprovado motivo de força maior.

DA PARTICIPAÇÃO DOS PILOTOS

14. As inscrições dos pilotos em qualquer prova do Campeonato deverão ser analisadas pela CBA a qualquer momento, pelos Comissários Desportivos.

Os pilotos deverão, obrigatoriamente, possuir contrato de participação com o promotor e fornecedor de motores. Devendo estar em dia com todas as obrigações neles contidas, sob pena de ter sua inscrição rejeitada para o evento em questão.

Pilotos Convidados: A Empresa Promotora do Campeonato poderá, a seu critério, convidar pilotos, inclusive estrangeiros, para participarem de eventos do campeonato, desde que os mesmos possuam licença internacional, emitidas pelas ADN de origem, válidas para 2010. Pilotos convidados não pontuarão para o campeonato, porém farão jus ao pódio, inclusive troféus.

15. Ao se inscrever o piloto acata as determinações abaixo:

a) Que está ciente do Regulamento Desportivo/Técnico e Particular da Prova e se obriga assim, como por seus auxiliares a cumprir fielmente todos seus termos;
b)
Que aceita todas as decisões da CBA, ou de quem apresentar oficialmente decisões desta conforme Código Desportivo de Automobilismo em vigor;
c)
Que tem ciência e concorda que a CBA tem o direito de uso de sons e imagens durante os eventos, e que poderá utilizar em todo ou em parte, para fins de divulgação da categoria e do automobilismo nacional, respeitando sempre os acordos da Empresa Promotora junto aos veículos de mídia e imprensa.
d)
Que tem ciência da proibição de manifestação por parte do piloto ou equipe através de qualquer de seus membros, por qualquer meio, que venha a agredir, ofender, deixar duvidas quanto ao comportamento ou posicionamento de outros pilotos, equipes, direção de prova, comissários da prova, bem como comentários negativos sobre o desempenho ou qualidade dos produtos fornecidos tais como pneus, freios, carrocerias, motores, combustíveis, etc. O não cumprimento deste item implica na pena de suspensão ou desclassificação alem de multa de 100 (cem) up´s.
e)
Que todos seus direitos devem ser pleiteados, por escrito e dirigidos e entregues, mediante protocolo, ao diretor da prova e na ausência deste aos comissários desportivos.
f)
Que tem ciência do disposto no Código Brasileiro de Justiça Desportiva, bem como se compromete a não recorrer aos poderes públicos de qualquer decisão adotada, mas unicamente aos poderes Desportivos legalmente constituídos, sob pena das sanções previstas no CDA/CBA.

Parágrafo Único: O critério de distribuição dos boxes para o Campeonato 2010, será de acordo com o resultado do Campeonato de equipes 2009. Alterações feitas esporadicamente pela empresa promotora, visando atender as necessidades da televisão, poderão ocorrer mediante notificação prévia à CBA.

MUDANÇAS DE PILOTOS

16. O piloto que mudar de equipe não perderá os pontos já obtidos no Campeonato desde que a nova equipe seja da mesma marca.

No caso em que o piloto mude de equipe e de marca perderá os pontos obtidos até o momento da troca.

17. Após a inscrição, o piloto somente poderá participar do evento no veículo com o qual foi inscrito.

Na impossibilidade de um piloto inscrito continuar participando do evento, o mesmo poderá ser substituído por um piloto ainda não inscrito. Se esta alteração ocorrer após o inicio dos treinos classificatórios, o piloto inscrito posteriormente largará no final do grid, caso haja a aprovação dos Comissários Desportivos.

O piloto que foi substituído durante um evento, conforme permitido acima, não poderá voltar a participar do mesmo evento.

De acordo com interesse promocional, poderão existir em alguns Eventos pilotos convidados, que serão submetidos a aprovação da CBA observando o artigo 14.

18. DA INSCRIÇÃO DAS EQUIPES

No Campeonato Brasileiro de Stock Car V8, 2010, as equipes deverão obrigatoriamente, possuir Registro de Equipe fornecido pela Confederação Brasileira de Automobilismo, contrato de participação com o promotor e contrato com a empresa fornecedora dos motores.

19. NÚMERO DE CARROS E EQUIPES PARTICIPANTES

No Campeonato de 2010 será permitida a participação das 14 melhores equipes do Campeonato de Equipes 2009, mais as equipes Campeã e Vice Campeã do Campeonato Brasileiro de Stock Car 2009, e a equipe convidada, conforme parágrafo único do artigo 24 do Regulamento Desportivo de 2009, que formarão um grid máximo de 34 carros. Além destas poderá haver a participação pontual das equipes que cuidarão dos carros de pilotos convidados, conforme artigo 17.

No Campeonato de 2011 estarão elegíveis para participação, as 14 melhores equipes do Campeonato de Equipes 2010, mais as equipes Campeã e Vice Campeã do Campeonato Brasileiro de Stock Car 2010, que formarão um Grid de 32 carros.

Estas equipes receberão da empresa promotora, com cópia para a CBA, até 30/11/2010, carta convite com as informações disponíveis sobre o campeonato 2011, tais como calendário, regulamento técnico, regulamento desportivo, mídia contratada, principais custos, bolsa de premiação ofertada, etc.

O prazo para aceite exercendo o direito de participação será 20/12/2010. A partir desta data a Empresa Promotora poderá, a seu critério, convidar condicionalmente novas equipes para completar o Grid máximo, observando a ordem de classificação do campeonato Brasileiro de Equipes Stock Car 2010.

O prazo final para assinatura do contrato de participação com a Empresa Promotora será dia 28/02/2011.

No caso das equipes Campeã e vice-campeã do Campeonato de Equipes Stock Car 2010, estiverem classificadas também entre as 14 melhores Equipes da Stock Car V8 2010, seu direito de promoção passará para as equipes classificadas subseqüentes e assim sucessivamente.

Não será permitida a participação de mais de duas equipes que tenham vínculo de qualquer natureza, inclusive societária, técnica ou de espaço físico com uma mesma pessoa física.

20. NÚMERAÇÃO DOS CARROS

Cada carro possuirá um número de corrida vinculado a seu piloto. Os números são pessoais e não poderão ser alterados durante o Campeonato.

A reserva dos números usados pelos pilotos no Campeonato do ano anterior deverá ser feita até 15 (quinze) dias antes da primeira etapa, junto o promotor do evento.

Parágrafo Único: No Campeonato Brasileiro de Stock Car V8 não será permitido o uso do número 17.

21. A forma, dimensão e posicionamento dos números dos carros, devem seguir as determinadas pelo promotor, desde que estas determinações atendam ao CDA/CBA.

O Lay-out dos carros deverá seguir o definido no contrato de participação com o Promotor.

22. O nome do piloto e seu grupo sangüíneo devem aparecer na carroceria, na parte externa do cockpit e no macacão e devem ser claramente visíveis.

23. VERIFICAÇÕES DESPORTIVAS

Cada competidor deverá possuir todos os documentos requeridos pelo Artigo 8, disponíveis a qualquer momento durante o Evento.

Do Doping

A absorção de substâncias naturais ou químicas, conforme lista divulgada pela FIA, durante uma competição, é estritamente proibida.
Controles de doping poderão ser realizados durante ou ao final de cada evento, a critério das autoridades competentes.
Os infratores e aqueles que se recusaram ao controle antidoping serão punidos de acordo com as normas FIA.

24. VISTORIA TÉCNICA

A Vistoria Técnica inicial dos carros será realizada em horário e data a ser definida através do Regulamento Particular da Prova.

25. Não poderão de participar do evento os pilotos que não realizarem a vistoria técnica, exceto que sejam autorizados pelos Comissários Desportivos. Esta autorização não isenta os pilotos de outras sanções.

Parágrafo Único: Os veículos que participam do Campeonato Brasileiro de Stock Car V8, obrigatoriamente deverão possuir e apresentar um Passaporte Técnico, onde os Comissários anotarão todas as ocorrências necessárias, este passaporte será fornecido pelo Promotor e será parte integrante dos itens obrigatórios do veículo.

26. Vistorias Complementares, efetivadas pelo Comissário Técnico:

a) Verificar a elegibilidade do carro de um competidor a qualquer momento do evento;
b)
Requerer que um carro seja desmontado pelo competidor para se assegurar que as condições de elegibilidade ou conformidade estão plenamente satisfeitas;
c)
Requerer que um competidor forneça a eles as peças ou amostras que se considerem necessárias.

27. Todo carro que após haver sido aprovado pelos Comissários Técnicos for desmontado ou modificado de forma que possa afetar sua segurança ou que coloque em dúvida sua elegibilidade, ou se envolver num acidente com similares conseqüências, deve ser reapresentado para uma nova Vistoria Técnica.

28. A Direção de Prova pode requerer que qualquer carro envolvido num acidente seja parado e verificado.

29. As verificações e a Vistoria Técnica serão realizadas em local determinado e só terão acesso às pessoas autorizadas.

a) Análise de combustível: a análise comparativa do combustível será realizada de acordo com solicitação dos Comissários ou por reclamação técnica, atendendo o determinado no Regulamento Técnico do Campeonato.

Serão utilizados equipamentos definidos pela empresa fornecedora do combustível, quando verificada a desigualdade das amostras recolhidas em relação a amostra padrão do combustível fornecido, o piloto/carro será passível de penalização nas provas de classificação ou corrida, sendo o resultado do teste soberano.

TODA IRREGULARIDADE TÉCNICA CONSTATADA SERÁ INFORMADA TAMBÉM À EMPRESA PROMOTORA DO CAMPEONATO, QUE PODERÁ FAZER A DIVULGAÇÃO DO FATO ÀS DEMAIS EQUIPES OU AINDA À IMPRENSA.

LIMITAÇÃO DE USO DE PNEUS DURANTE O EVENTO

30. Quantidade e tipo de pneus:

a) A quantidade, marca, modelo e dimensões dos pneus a serem lacrados para o Campeonato e por etapa, será definida pelo promotor até 30 dias antes do primeiro evento, mediante a expedição de um documento homologado pelo CTDN/CBA, remetido as equipes.
b)
Os pneus definidos como “lacrados” são pneus que foram apresentados para lacração durante um evento do Campeonato em curso, mesmo que não tenham sido utilizados.
Somente serão lacrados pneus que efetivamente tenham a identificação do promotor como sendo do fornecedor oficial homologado.
c)
A montagem e balanceamento dos pneus deverá ser feita, obrigatoriamente, no local determinado pelo fornecedor dos pneus.
A equipe que possuir, na área do autódromo, equipamento para realizar montagem e balanceamento, será excluída do evento.
d)
Os pneus de chuva deverão atender o determinado no documento expedido pelo Promotor e Homologado pelo CTDN/CBA . A quantidade de pneus de chuva é livre.

31. O procedimento de controle de pneus será:

a) Todos os pneus utilizados durante o evento serão lacrados com a identificação da etapa(exceto os de chuva). Esta lacração será realizada em local e horário determinado através do Regulamento Particular da Prova.
b)
Durante a Vistoria Técnica inicial, cada competidor deverá apresentar todos os seus pneus que serão lacrados para o evento. Os pneus não lacrados durante a Vistoria Técnica inicial, unicamente poderão ser lacrados, em outro momento, através de solicitação por escrito, declinando o motivo, que será analisado pelos Comissários Desportivos do Evento.
c)
A qualquer momento do evento quaisquer pneus poderão ser requisitados pelos comissários para nova vistoria ou para ficarem em parque fechado.

32. PESAGEM

O peso de qualquer carro pode ser verificado durante o Evento da seguinte forma:

a) O peso do carro está determinado pelo Regulamento Técnico da Stock Car no conjunto carro + piloto.

b) Todos os pilotos inscritos no Campeonato serão pesados utilizando seu equipamento completo de corrida em cada Evento.

O piloto que não comparecer para a pesagem no horário estipulado pelo Horário Oficial do Evento, será punido da seguinte forma:

Se a irregularidade for detectada antes da classificação, o piloto deverá ser pesado e será punido com pena pecuniária de 5 Ups.
Se a irregularidade for detectada após a classificação, o piloto deverá ser pesado e estando com o peso regulamentar perderá a melhor volta e pena pecuniária de 5 Ups.
Se a irregularidade for detectada após a prova, o piloto deverá ser pesado e estando com o peso regulamentar, será acrescido 20 segundos no seu tempo de prova, e pena pecuniária de 10 Ups.

c) Após o Treino Classificatório e a Corrida.

Se o carro é pesado sem o piloto, o peso determinado no item b acima será somado ao peso do carro para obter o peso total determinado no Regulamento Técnico.

d) Caso o peso do carro seja inferior ao especificado no do Regulamento Técnico quando pesado de acordo com o determinado nos itens b) e c) acima, o carro e o piloto serão desclassificados, exceto no caso que a falta de peso seja devido à perda acidental de um componente / peça, que poderá ser resgatada da pista para pesagem.

e) Nenhum sólido, líquido, gás ou outra substância ou matéria de qualquer natureza (fora o mencionado no item d), poderá ser adicionada, colocada ou retirada do carro após o treino classificatório, super classificação e corrida.

33. COMUNICAÇÃO CARRO/BOX

Pertimida sinalização através de placas e comunicação verbal através de rádio.

34. CARRO RESERVA

É proibido o uso de carro reserva.

SEGURANÇA GERAL

35. As instruções oficiais serão dadas aos pilotos por meio de sinais, placas e bandeiras previstas no CDA/CBA.

Alem do acima citado, será obrigatório o uso do receptor de sinais luminosos, que deverá ser instalado no habitáculo, com possibilidade de perfeita visão do piloto, devidamente acomodado no banco do veiculo.

36. Os pilotos estão proibidos de dirigir seus carros em direção oposta à direção da corrida, exceto isto seja necessário para retirar o seu carro de uma posição perigosa.

37. Os pilotos quando na condução de seus carros deverão estar trajando sempre indumentária completa homologada FIA/CBA.

É obrigatório o uso do equipamento “Hans” perfeitamente ajustado ao Piloto em relação ao banco do veículo.

38. Um piloto que abandone seu carro deverá deixá-lo em lugar seguro e com o volante no lugar.

39. Os reparos do carro podem unicamente ser realizados nos Boxes.

No Grid de Largada os reparos poderão ser feitos até a placa de 5 min. e na pista, somente pelo piloto, com as ferramentas que estiverem a bordo.

40. Cada carro deverá providenciar um extintor de 10 quilos em seu Box.

41. O reabastecimento de óleo, e quaisquer outros fluídos do carro, é:

a) Permitido unicamente na área dos boxes durante os Treinos Livres e Classificatório;
b)
Proibido em qualquer parte do autódromo durante as provas de Classificação;
c)
Proibido no Grid de Largada;

Parágrafo Único: O reabastecimento de combustível só é permitido na área dos boxes durante os treinos livres, proibido durante os treinos classificatórios.

O reabastecimento de combustível, previsto no “PIT STOP”, deverá ser realizado única e exclusivamente atendendo o determinado no presente Regulamento.

42. É proibido dar marcha a ré no box.

43. A velocidade máxima permitida na área dos boxes, da linha branca da entrada até a linha branca de saída, será de 50 km/h, salvo determinação contrária visando segurança e definida no Regulamento Particular da etapa.

O excesso de velocidade no pit lane será penalizado com “drive through” ou acréscimo de 20 segundos no final da prova.

O excesso de velocidade deverá ser informado aos comissários pela cronometragem oficial e será irrecorrível.

44. É permitido, o uso de duas lanternas de chuva (luz de chuva), instaladas uma em cada canto inferior do vidro traseiro, ligadas junto com as lanternas originais do carro.

O Comissário Técnico pode verificar todas as lanternas até 5 minutos antes de ser apresentada à bandeira verde para a volta de apresentação. Não será imposta nenhuma penalidade se as lanternas se apagarem durante a Corrida, mas o mesmo poderá ser chamado para box a fim de sanar o problema.

45. Unicamente os membros de cada equipe portadores de credencias pit-Lane estão autorizados a permanecer no Pit-Lane, no Grid de largada e na Mureta de Boxes durante a Corrida.

46. Qualquer desrespeito das determinações do Código, do CDA/CBA ou deste Regulamento Desportivo em relação à disciplina e segurança, pode resultar na exclusão do carro e do piloto no referido Evento.

47. Dentro das garagens dos boxes, todos os veículos, quando com os motores ligados, deverão obrigatoriamente, usar um silencioso (abafador) colocado no cano de descarga.

TREINOS LIVRES E CLASSIFICATÓRIOS

48. Duração e Número de treinos:

48.1 As datas e os horários dos Treinos Livres Oficiais, classificatórios e Provas serão determinados através do Regulamento Particular da Prova.

Os treinos livres particulares entre os eventos são proibidos, exceto treinos coletivos, que deverão ser comunicados previamente pela empresa promotora.

Os pilotos participantes do Campeonato Brasileiro de Stock Car V8 que infringirem esta norma, usando carros participantes do Campeonato ou tecnicamente similares (uso do chassi homologado independente de alterações) não terão sua inscrição aceita para os dois próximos eventos do Campeonato além de multa de 50 UPs.

Esta punição será extensiva a todos os pilotos e carros da equipe, ou seja, a equipe não poderá substituir os pilotos penalizados por outros para participar dos eventos, visando a pontuação no Campeonato de Equipes.

Poderão ser realizados até um máximo de um (1) Treino Livre Extra, quando o Evento for realizado em:

a. Circuito utilizado pela primeira vez;
b.
Circuito cujo traçado foi modificado de forma substancial, assim definido pela CBA e;
c.
Em circunstâncias atípicas por decisão da Direção de Prova/Empresa Promotora.

49. Treinos Livres e Classificatórios.

Os treinos livres serão realizados de acordo com definido no Regulamento Particular da Etapa.

50. Será realizado um único Treino Classificatório.

O horário do Treino Classificatório será divulgado no Horário Oficial do Evento, atendendo o que segue:

Dez minutos antes do horário determinado todos os participantes deverão alinhar seus carros a 45º na frente de seu respectivo box.
Os participantes que não alinharem seus carros no horário previsto deverão solicitar autorização dos Comissários Desportivos, sob pena de não participarem do treino classificatório.

O treino classificatório será realizado em três seções:

a. Primeira seção: Vinte minutos de Box aberto com a participação de todos os concorrentes, determinando as posições do 17 ao 32 lugares no Grid;
b. Segunda seção:
Quinze minutos de Box aberto com a participação dos dezesseis primeiros colocados na primeira seção, determinando as posições do 7 ao 16 lugares no Grid.
c. Terceira seção:
Dez minutos de Box aberto com a participação dos seis primeiros colocados, sendo que a posição de largada será determinada pela a média das três melhores voltas de cada piloto nesta seção.

Parágrafo Primeiro: Durante as seções de classificação não será permitida a troca de pneus, o piloto que optar em trocar um ou mais pneus, durante a primeira ou segunda seção, será excluído do classificatório e deverá largar no final do Grid de Largada.

Parágrafo Segundo: Os seis primeiros colocados no Grid de Largada deverão largar na prova, obrigatoriamente com os pneus usados nas provas de classificação, se algum piloto optar em trocar um ou mais pneus, perderá dezesseis posições no Grid de Largada.

Paragrafo Terceiro: O Comissário Técnico, visando unicamente segurança, poderá determinar a troca de até um pneu. Esta substituição será feita por outro pneu usado da equipe, lacrado para a etapa e da escolha do Comissário.

d. O intervalo entre as seções classificatórias será de no mínimo quinze minutos.
e.
Não serão admitidos protestos ou reclamações por possíveis prejuízos ou benefícios de qualquer piloto sobre o critério regulamentar do Treino Classificatório, assim como, seu funcionamento de acordo com o presente Regulamento Desportivo, ou sobre as condições climáticas ou da pista durante todo o transcurso do referido Treino Classificatório.
f.
O intervalo entre o término do Treino Livre e o início do Treino Classificatório não será menor que 1 hora.
g.
Durante todos os Treinos Classificatórios, será adotado o procedimento de “Bandeira Azul”, os pilotos sinalizados deverão atender imediatamente, não serão admitidas mudanças de trajetórias para dificultar ultrapassagens.
Os pilotos que não atenderem ao sinal de “Bandeira Azul”, serão punidos pelos Comissários Desportivos.
h.
Durante as seções dos Treinos Classificatórios, serão permitidos reparos e adição de líquidos nos veículos (PROIBIDO REABASTECIMENTO DE COMBUSTIVEL), porem só poderão entrar na garagem com autorização dos Comissários Técnicos.
i.
Durante a terceira seção de Classificação o carro que entrar para box antes da bandeirada final, não poderá retornar à pista.
j.
Durante os Treinos Classificatórios, os Comissários Técnicos poderão efetuar as vistorias e análises que julgarem necessárias.

Parágrafo Único: As irregularidades Técnicas ou atitudes Anti-Desportivas que acontecerem durante os Treinos Classificatórios, serão punidas com a perda de todos os resultados obtidos, ficando o piloto infrator, proibido de continuar participando dos Treinos Classificatórios programados, acrescido de pena pecuniária de 50 UPs.

51. Warm-Up: Somente será realizado quando constar no Horário Oficial da Prova.

52. Se um carro apresentar problemas técnicos durante um treino livre ele poderá ser removido para os boxes, pelo resgate, ser reparado e voltar à pista.

Se um carro apresentar problemas técnicos durante a Classificação, ele deverá ser retirado pelo resgate apenas se estiver em situação de risco e colocado em um lugar seguro, de onde poderá retornar aos boxes somente ao término da seção.

53. O Diretor de Prova pode interromper o treino tantas vezes como considere ser necessário para limpar a pista ou resgatar um carro. No caso dos Treinos Livres unicamente, o Diretor de Prova, com a aprovação dos Comissários Desportivos pode declinar em prolongar o tempo do treino após uma interrupção desta forma.

Nas seções do treino Classificatório, caso o Diretor de Prova necessite paralisar o treino, a cronometragem deverá parar o cronômetro, reiniciando a contagem do tempo no momento da abertura da saída de Box. Exclusivamente nos treinos classificatórios, caso haja interrupção na sua parte final, o mesmo será reiniciado com no mínimo três minutos adicionais.

Se na opinião dos Comissários Desportivos, a paralisação foi causada deliberadamente por um determinado piloto, o mesmo perderá os tempos obtidos no treino classificatório.

54. Caso um ou mais treinos sejam interrompidos, não serão aceitos protestos pelos possíveis efeitos da interrupção na classificação do piloto admitido para largar.

DOS EVENTOS PROMOCIONAIS E FILMAGENS:

55. Todo e qualquer evento que vise promoção, divulgação, apresentação de pilotos/equipes, bem como sua filmagem, somente poderá ocorrer com autorização da empresa promotora que fica obrigado a comunicar através de seu site o dia, hora, local e participantes para todos os pilotos da categoria. Caso haja o uso da pista para treinamentos haverá punição conforme art. 48.1.

COLETIVA DE IMPRENSA

56. É obrigatória a presença dos três primeiros colocados na Coletiva de Imprensa. O local será determinado através do Regulamento Particular da Prova.

O GRID DE LARGADA

57. No final da Classificação, as posições obtidas por cada piloto serão oficialmente publicadas. Qualquer competidor cujo carro está impossibilitado de largar, por qualquer motivo, deverá informar o Diretor de Prova com a maior brevidade possível.

58. O grid das etapas será formado de acordo com a ordem dos tempos obtidos por cada piloto atendendo o determinado nas regras do treino classificatório. Caso um ou mais pilotos possuam tempos iguais, o desempate será pela ordem de obtenção dos tempos.

BRIEFING

59. O Briefing será realizado pelo Diretor de Prova em horário e local determinado no Regulamento Particular da Prova. É obrigatória a presença de todos os pilotos, sob pena de punição. Os únicos temas que serão tratados serão aqueles previamente definidos e distribuídos pelo Diretor de Provas.

Caso haja qualquer dúvida sobre a compreensão por parte de algum piloto, o mesmo deverá manter sua mão levantada até que lhe seja dada a palavra. Para melhor aproveitamento de todos não será tolerada a transgressão desta regra, sob pena de punição por parte dos comissários desportivos, presentes exclusivamente para este fim.

Quaisquer sugestões e/ou esclarecimentos, a respeito dos regulamentos, devem sempre serem dirigidas por escrito aos Comissários Desportivos.

PROCEDIMENTOS DE LARGADA

60. Alem do definido nos itens abaixo, o procedimento de largada obedecerá Adendo Específico divulgado no Regulamento Particular de cada Etapa.

As ultrapassagens na volta de apresentação, unicamente serão permitidas se um carro se demorar quando está deixando sua posição no grid e os carros que ficam atrás dele não puderem evitar ultrapassá-lo.

Este carro que se demorou a sair para a volta de apresentação, somente poderá voltar para a sua posição original se ainda existirem carros atrás dele que não tenham passado pela linha de largada/chegada, caso contrário deverá largar na última posição do grid.

61. Todo piloto que seja incapaz de largar para a volta de apresentação deverá acionar o sistema de pisca-alerta e após os restantes carros haverem cruzado a Linha, seus mecânicos podem tentar sanar o problema sob supervisão dos Comissários.

Se o carro é incapaz de largar para a volta de apresentação, ele será empurrado para o Pit Lane pelo caminho mais curto e os mecânicos podem trabalhar nele novamente.

62. A largada será lançada. Durante a largada da Corrida, a Mureta de Boxes deverá ser deixada livre de pessoas, a exceção dos Comissários autorizados.

63. Se um carro que foi incapaz de manter o ordenamento de largada durante a totalidade da volta de apresentação deverá se dirigir para o Pit Lane e largar a Corrida do Box.

64. Será imposto uma penalização por queima de largada, julgada pelos juízes de largada, que poderão também solicitar informações a cronometragem oficial do evento.

65. Se começar a chover após a placa de 5 Minutos e antes da largada da Corrida, será apresentada a bandeira vermelha na Linha. O procedimento de largada será reiniciado novamente a partir da placa de 5 minutos.

66. Se a largada da corrida é iminente (menos de 10 minutos para o horário previsto), e na opinião do Diretor de Prova, o volume de água na pista é muito grande que não se pode circular com segurança mesmo com pneus para tempo molhado; a largada poderá ser dada com o “Safety Car”, neste caso o Diretor de Provas dará esta informação por todos os recursos de comunicação que estiverem ao seu alcance.

67. Os Comissários Desportivos podem utilizar qualquer vídeo ou procedimento eletrônico para ajudar a uma decisão. Os Comissários Desportivos podem julgar acima dos Juízes de Largada. Qualquer quebra no previsto no Código e/ou CDA/CBA e/ou estas Regulamentações Desportivas em relação ao procedimento de largada, podem resultar na exclusão do carro do evento e do piloto envolvido.

A CORRIDA

68. A distância de cada corrida (desde a luz verde até a bandeira quadriculada, excluída a volta de apresentação), será definida no regulamento particular de cada prova.

O vencedor será aquele que cumprir o maior número de voltas até a bandeirada final.

A corrida não será paralisada por causa de chuva, exceto no caso que o circuito esteja obstruído ou por avaliação e decisão do diretor de prova.

Se uma corrida for paralisada e não puder ser reiniciada, será seguido o procedimento referido no CDA/CBA.

Parágrafo Único: Caso aconteça uma intervenção do Safty Car nas últimas voltas da prova, a mesma só poderá ser encerrada, no mínimo, uma volta após a retirada do Safty Car, desde que a relargada ocorra, no máximo, uma volta depois da última programada.

Na volta seguinte em que se completou o vigésimo minuto de prova, será apresentada no PSDP a informação de “BOX ABERTO”, a partir deste momento e até o final da prova, as equipes poderão realizar Pit Stop, para abastecimento (obrigatório) e troca de pneus (opcional).

Cada equipe poderá dispor de no máximo nove integrantes para a realização dos serviços (abastecimento e troca de pneus), ou seja, estes nove integrantes deverão ser os responsáveis pelos dois veículos da equipe.

Fica a critério da equipe a distribuição das funções.

Para o abastecimento, os tanques suplementares deverão ser abastecidos e lacrados pela área técnica.

Os tanques suplementares e seus componentes deverão estar de acordo com regulamentação específica que passarão a fazer parte do presente regulamento.

Para troca de pneus, será permitido o uso de, no máximo, duas máquinas pneumáticas por equipe para atender os dois veículos, sendo obrigatoriamente apenas uma de cada lado do veículo para maior segurança da operação.

Obrigatório o uso de máquinas pneumáticas modelo INGERSOLRAND 2141 IMPACT ¾.

Com exceção do rotor, que poderá ser substituído por um similar com as mesmas medidas e funções, os demais componentes das pistolas deverão permanecer originais, sendo proibido qualquer retrabalho ou troca de material.

Válvula Reguladora de pressão (manômetro): Retrabalho livre, marca e procedência livres,Quantidade máxima um manômetro por pneumática.

Mangueiras: Livre, diâmetro, marca e procedência, deverá ser adequada para alta pressão.

Soquete: Serão padronizados os fornecidos pela JL com retrabalho feito pela empresa USIMIL. É opcional o aumento do diâmetro do parafuso que fixa as molas de fixação das porcas de roda.

PROIBIDO O USO DE PULMÃO AUXILIAR

As equipes poderão realizar os serviços de abastecimento e troca de pneus simultaneamente, sendo que qualquer elemento da equipe somente poderá passar para o lado externo do veículo pela parte de trás do mesmo, respeitando ainda a sinalização de solo que demarca a área destinada a operação de sua equipe, sempre que existir.

FINAL DE CORRIDA E PARQUE FECHADO

69. O sinal de final de Corrida será dado na Linha assim que o carro líder cubra a distância total.

70. Se por qualquer motivo, o sinal de final de Corrida é dado antes que o carro líder complete o número programado de voltas, ou o tempo prescrito para ser completado, a Corrida será considerada finalizada quando o carro líder cruzar a Linha pela última vez de acordo com dados da cronometragem oficial.

Caso o final de Corrida seja retardado por qualquer motivo, a Corrida será considerada finalizada quando deveria haver finalizado de acordo com dados da cronometragem oficial.

71. Após haver recebido o sinal de final de Corrida, todos os carros deverão se dirigir pelo circuito, diretamente ao Parque Fechado, sob pena de punição pelos Comissários Desportivos.

Caso um piloto/equipe retirar seu carro do Parque Fechado, antes do tempo determinado, perderá qualquer pontuação e/ou premiação que obtivera no final da Prova.

Todo carro classificado que não possa chegar ao Parque Fechado por seus próprios meios, será conduzido pelo resgate até o mesmo.

CLASSIFICAÇÃO

72. O carro colocado em primeiro lugar será aquele que cobriu a distância programada no menor tempo. Todos os carros serão classificados tomando em conta o número de voltas completadas.

73. Não serão classificados os carros que cobrirem menos de 75% do número de voltas cobertas pelo vencedor (arredondado para baixo).

74. A classificação oficial será publicada após a Corrida, após decorridos os prazos regulamentares para recurso junto aos comissários em virtude de punições impostas. Este será o único resultado válido.

CERIMÔNIA DO PÓDIUM

75. Os pilotos que finalizaram em 1º, 2º e 3º lugar e um representante da equipe do carro vencedor e o carro vencedor, devem estar presentes na Cerimônia de Premiação no Pódio, e seguir os procedimentos especificados pelo Mestre de Cerimônias. Imediatamente após, deverão ficar disponíveis pelo período de 30 minutos para entrevistas de televisão e uma coletiva de imprensa na sala de Imprensa ou o local que assim designado.

PUBLICIDADE OBRIGATÓRIA

76. Todos os veículos e macacões dos participantes do Campeonato deverão possuir áreas reservadas para a publicidade obrigatória, conforme previsto no contrato de participação com a Empresa Promotora.

77. Na ausência e/ou mau estado de conservação de algum dos logotipos de uso obrigatório nas áreas reservadas, o carro não poderá adentrar à pista a qualquer momento do evento, sendo ainda passível da perda de qualquer premiação e/ou benefício previsto por este para o Evento onde acontecer a referida falta.

78. A publicidade conflitante será tratada separadamente com a empresa promotora.

79. É de absoluta responsabilidade dos competidores preservar em perfeito estado
os logotipos de uso obrigatório.

80. É proibido o uso da seguinte publicidade:

Política
Racismo em quaisquer de suas formas

PENALIZAÇÕES

81. As irregularidades técnicas ou desportivas serão penalizadas conforme o CDA/CBA.

O presente regulamento foi aprovado pelo Conselho Técnico Desportivo Nacional e homologado pelo Presidente da Confederação Brasileira de Automobilismo.

Rio de Janeiro, 10 de fevereiro de 2010.

Conselho Técnico Desportivo Nacional
Nestor Valduga

Presidente

Confederação Brasileira de Automobilismo
Cleyton Tadeu Correia Pinteiro
Presidente

Fonte: stockcar.globo.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Arremesso de Peso

Arremesso de Peso

PUBLICIDADE O arremesso de peso é uma prova de atletismo moderno. A pessoa impulsiona uma …

História das Olimpíadas

História das Olimpíadas

Os Jogos Olímpicos começaram em 776 a.C. em Olímpia, na Grécia antiga, e duraram por mais de mil anos.

Rivellino

Rivellino

Rivellino, Roberto, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Seleção Brasileira, Gols, Faltas, Cobrador de Faltas, Corinthians, Vida, Carreira, Rivellino

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+