Breaking News
Home / Turismo / Castelo de Praga

Castelo de Praga

A Zona do Castelo (Hradcany)

PUBLICIDADE

Ao oeste do Castelo, sobre a colina, estende-se a zona residencial de Hradcany, a cidade que surgiu a começos do século XIV a partir de uma série de mosteiros e igrejas. Tantos acontecimentos históricos numa zona tão pequena convertem ao Castelo em todo um desafio.

Os pitorescos arredores do Castelo de Praga, com suas insuperáveis vistas da parte antiga e a Malá Strana são um estupendo lugar para passear.

Os dois edifícios mais destacados de Praga, o Castelo de Praga, Pranhský herade e a Catedral de São Vito, Katedrála Svatého Víta, encontram-se em Hradcany.

Começando pela Nerudova ulice, que se estende umas centenas de metros ao sul do Castelo de Praga em direção leste-oeste, subindo a escada guardada por duas estátuas de santos, chega-se à Loretánská ulice, desde a parte posterior pode-se contemplar uma privilegiada panorâmica das cúpulas e torres barrocas de São Nicolás e a Malá Strana.

Próximo dali encontra-se o Strahovsky Kláster, o mosteiro de Strahov. Fundado em 1140 pela Ordem Premonstratense, foi convertido no Museu da Literatura Nacional, Památník Národního Písemnictví Museu da Literatura Nacional.

O edifício de maior interesse é a Biblioteca de Strahov, que guarda uma coleção de primitivos manuscritos checos, o Novo Testamento de Strahov (século X) e as obras do célebre astrônomo dinamarquês Ticho Brahe. Também é digna de se visitar a Sala Filosófica.

Na Loretánské Namestí encontra-se a Igreja de Loreto, de estilo barroco. A elaborada fachada, com sua voluminosa torre, foi construída em 1720 por Kiliam Ignaz Dientzenhofer.

O mais espetacular de tudo é a pequena exposição que está na planta superior, onde se guardam os tesouros religiosos oferendados a Maria em agradecimento pelos favores recebidos, incluindo uma custodia incrustada com 65.000 brilhantes.

Cruzando a rua chega-se ao Cernínský Palác, Palácio Chernin, com suas 29 semi-colunas que alberga o Ministério de Assuntos Exteriores. Durante a II Guerra Mundial, foi a sede do protetorado do III Reich.

Ao final de Loretánské Namestí, pode-se passear até a zona conhecida como Novy Svet, que significa Novo Mundo apesar de que este bairro é um claro exemplo de estilo da velha Europa. Novy Svet é uma pitoresca rua com casas com fachadas do séculos XVII e XVIII que albergaram em outros tempos aos habitantes mais pobres de Praga.

Na atualidade muitas de estas casas têm sido convertidas em atelie de artistas. Ao final desta rua, no número 1, chamada “Da torneira dourada”, foi lugar de residência do astrônomo da Corte, Ticho Brahe.

O Palácio Martinic conduz à Hradcanské Namestí, a Praça Hradcanny com sua fabulosa mistura de casas barrocas e renascentistas, coroada pelo próprio Castelo. A casa que enfrente ao Palácio Martinic, no número 7, foi a residência de Mozart.

O Arcibiskupský Palác, Palácio Episcopal, de estilo barroco, só se abre ao público na Quinta feira Santa. A esquerda do Palácio Arcebispal existe um passadiço que conduz à Národní Galérie, Galeria Nacional, situada no Sternberský Palác, Palácio Sternberg, que foi acabado em 1707.

A Galeria Nacional expõe uma maravilhosa coleção de arte. No primeiro piso se exibe uma coleção de ícones e outras mostras de arte sacro, que datam desde o século III até o XIV.

Subindo pelo outro trecho de escadas à direita, encontra-se a jóia desta pinacoteca, toda uma sala repleta de pinturas de Cranach, além de uma variedade de obras de Holbein, Durero, Brueghel, Vam Dyck, Canaletto e Rubens, até chegar a Picasso, Matisse, Chagall e Kokoschka.

Ao outro lado da praça, frente à galeria, destaca o belo grafite do Schwarzenberg-Palác, Palácio Schwarzenberg. O edifício foi construído para a família Lobkowitz entre 1545 e 1563. Na atualidade é a sede do Museu Militar, um dos maiores de seu gênero em Europa.

Castelo de Praga

Castelo de Praga
Castelo de Praga

Apesar de sua monolítica presença, o Castelo de Praga esconde uma série de edifícios levantados entre os séculos X e XX unidos por pátios interiores. As construções mais importantes são a Catedral de São Vito, claramente visível lançando-se sobre os muros do castelo, e o Palácio Real, residência oficial de reis e presidentes e onde ainda radica o centro do poder político na República Checa.

Trás flanquear a grade de Ferro forjado, custodiada por soldados e pela feroz Batalha de Titães, copia do original de Ignaz Platzer de 1770, chega-se ao Primero Patio, První nádvorí.

Este pátio é um dos últimos acrescentados no castelo, foi encarregado pela Imperatriz Habsburgo Maria Teresa e projetado pelo arquiteto da Corte Nicolò Pacassi a mediados do século XVIII. Atualmente faz parte do complexo de escritórios da Presidência. Contemplar a Porta de Matías, Matyásova Brána é um prazer.

Construída em 1614, o pórtico de pedra se lançava imponente diante dos fossos e pontes que rodeavam o Castelo. Baixo os Habsburgo o pórtico sobreviveu ao ser incorporado como relevo no palácio.

Ao traspassar a porta podem-se ver os salões cerimoniais de mármore branco a ambos lados que conduzem aos salões de recepção do presidente da República Checa. estes salões não estão abertos ao público.

O Segundo Pátio foi a principal vítima dos intentos que realizou Pacassi para dotar de classicismo à fortaleza. Salvo pela vista das agulhas da Catedral de São Vito, que se lançam sobre o Palácio, é muito pouco o que pode contemplar-se desde aqui.

Edificado a finais do século XVI e começos do XVII, este pátio formava parte de um programa de reconstrução anterior, encarregado por Rodolfo II baixo cujo reinado Praga gozou de um auge cultural sem precedentes.

Uma vez que a corte de Praga foi estabelecida, o Imperador se rodeou de alguns dos melhores artesãos, artistas e científicos da época, entre os que se encontravam os brilhantes astrônomos João Kepler e Ticho Brahe.

Rodolfo II reuniu uma enorme coleção de arte, instrumentos e moedas, da que se conserva uma pequena parte na Hradní Galerie, Galeria do Castelo, à esquerda do segundo pátio.

Além de obras de artistas de fama mundial como Tiziano, Rubens e Tintoretto, podem-se contemplar as obras mais insólitas de pintores como Hans vom Aachem e Bartolomé Spranger e dos pintores barrocos da Bohemia Jam Kupecký e Petr Brandl.

O passadiço que conduz à entrada da galeria é a entrada norte do Castelo que conduz para o exterior através de um formoso passeio conhecido como Jelení Príkop, o Fosso do Cervo.

O segundo pátio alberga também os Relicários de Carlos IV que encontram-se dentro da Kaple Svatého Kríze, a Capela da Santa Cruz. Entre estes se incluem bustos de prata de estilo gótico dos principais santos da Bohemia e uma coleção de ossos e roupas de diversos santos.

No Terceiro Pátio chama a atenção as graciosas torres da Catedral de São Vito. Esta catedral gótica, que encontra-se entre as mais belas da Europa, têm uma história longa e complexa, que começa no século X e estende-se até 1929.

Sua majestosa fachada ocidental lembra a Notre Dame de Paris, Embora aqui trata-se de estilo neogótico do século XIX. As seis vitros que se vem à esquerda e direita e o grande adorno circular que está detrás são autênticas obras de arte.

Cruzando a porta à direita encontra-se a Capela de São Wenceslao, minuciosamente decorada. Esta capela, de forma quadrada, com um túmulo do século XIV no qual descansam os restos do Santo, é o coração da parte antiga da Catedral.

Wenceslao, o rei bom que se lembra nas cantigas, foi um cristão convicto numa época de paganismo generalizado. No ano 925, sendo Príncipe da Bohemia, fundou uma igreja dedicada a São Vito neste lugar.

Mas Boleslao, irmão do príncipe, estava impaciente por ficar com o poder e quatro anos mais tarde armou uma emboscada a Wenceslao, perto de uma igreja ao norte de Praga. Wenceslao foi enterrado nesta igreja e a seu túmulo lhe atribuíram tantos milagres que não tardou em converter-se em centro de adoração do povo.

Em 931 Boleslao se viu por fim obrigado a render honores a sua irmão e ordenou que seus restos fossem transladados à igreja de São Vito. Pouco depois, Wensceslao foi canonizado.

O edifício circular da Catedral foi substituída por uma basílica românica a finais do século XI. As obras se levaram a cabo sobre o edifício existente em 1344 por iniciativa do homem que posteriormente se converteria em Carlos IV.

A pequena porta que está na parte detrás da capela conduz à Câmara da coroa onde se custodiam as jóias de coroação dos reis bohemios. Permanece fechada baixo sete chaves que guardam sete pessoas diferentes pelo que não se abre ao público.

No mesmo lateral, perto da parte traseira da Capela de Wenceslao, uma pequena caixa de coleta marca a entrada à Cripta, muito interessante principalmente pela informação que oferece sobre a história da Catedral. A medida que descende pelas escadas se ve à direita a parte da antiga basílica românica.

Um pouco mais distante, numa abertura à esquerda, estão os restos do edifício circular.

O Oratório Real foi utilizado pelos reis e seus familiares para ouvir missa. Construído em 1493, é um exemplo perfeito do gótico tardio, adornado em sua parte externa por um enramado de pedra. Este oratório está ligado com o palácio por um passadiço elevado que pode ver-se desde o exterior.

As guerras husitas do século XV puseram fim à primeira fase da construção da Catedral. Durante o corto período de paz, antes de que começara a Guerra dos Trinta anos, se havia descartado a idéia de acabar a edificação devido à falta de fundos.

A Catedral se cerrou com um muro que se construiu frente à capela de São Wenceslao.

O contraste entre o frio e escuro interior da Catedral e as coloridas fachadas de Pacassi do terceiro pátio é surpreendente. As limpas linhas do pátio são obra de Plecnik Josip dos anos trinta, o pavimentado também de Plecnik tinha por objetivo cobrir um submundo de ruas e muros que datavam do século IX até o XII, e que foram descobertos quando se finalizaram os trabalhos da Catedral.

Plecnik acrescentou algumas características ecléticas para chamar a atenção. Uma coluna de granito para comemorar aos caídos na Guerra Mundial, um pedestal de mármore preto para a estátua gótica de São Jorge e a peculiar bola dourada que coroa a Fonte da Águia e marca a entrada ao Královsky Palác, Palácio Real.

No interior do Palácio Real existem dois pontos principais de interesse. O primeiro é o Vladislavský Sál, salão de Ladislao, o maior espaço interior gótico que existe em Europa central.

Esta enorme sala foi completada em 1493 por Benedict Ried, que foi para o gótico tardio da Bohemia o que Peter Parlér foi para sua versão mais primitiva.

A sala produz uma sensação de espaço e de luz suavizada pelas linhas dos tetos abovedados belamente rematados pelas janelas ovaladas do começo do Renascimento, um estilo que começava a abrir-se passo por Europa central Em seus dias de auge, nesta sala se celebravam torneios, mercados festivos, banquetes e coroações. Em tempos mais recentes, serviu de marco para a investidura de presidentes, desde o comunista Klement Gottwald em 1948 até Václav Havel em 1990.

O segundo ponto de interesse é a Chancelaria da Bohemia. Esta sala foi construída pelo mesmo Benedict Ried, apenas dez anos depois de que foi acabada a sala, mas mostra uma influência renascentista muito mais forte. Passando pelo portal renascentista se acede à última câmara da Chancelaria.

Esta sala foi o cenário da Segunda Defenestração de Praga que teve lugar em 1618, acontecimento que marcou o inicio da rebelião Bohemia que desembocaria na Guerra dos Trinta Anos.

A saída ao pátio do Palácio está na Sala de Ladislao. Antes de sair, se devem visitar outras estâncias como a Capela de Todos os Santos, a Câmara do Conselho, onde os nobres da Bohemia se reuniam com o rei numa espécie de Parlamento e a Escada do Cavaleiro, pela que entravam os reis quando assistiam aos torneios.

Antes de sair do Palácio Real se deve visitar a Jirské Namestí, Praça de São Jorge, em cujo flanco oriental se eleva a Basílica de São Jorge, Bazilika Svatého Jirí, de estilo românico. Esta igreja foi construída no século X por ordem do Príncipe Vratislav, pai do Príncipe Wenceslao. Seu exterior foi remodelado a começos da época barroca, embora sua surpreendente cor avermelhado é o mesmo que apresentava originalmente no século X.

O interior, não obstante, depois de uma importante renovação, apresenta um aspecto similar ao que tinha no século XII e é o monumento românico melhor conservado da República Checa. O efeito é à vez austero e plácido, o quente amarelo dourado dos muros de pedra e as pequenas janelas de triplo arco exalam uma sensação de permanente harmonia.

Junto à basílica encontra-se o antigo Kláster Svatého Jirí, o Convento de São Jorge, sede da coleção de arte antiga da Galeria Nacional Checa.

Este museu têm uma coleção de arte checa desde a Idade Media que inclui estátuas religiosas, ícones e trípticos, além de outros temas mais mundanos da escola manierista e a voluptuosa obra dos pintores da corte de Rodolfo II.

Baixando pela Avenida de São Jorge se desemboca na Zlatá Ulicka, Avenida Dourada com uma encantadora coleção de diminutas casas antigas pintadas em vivas cores e telhados altos e inclinados que se apertam contra a muralha do forte.

Segundo a lenda, aqui se alojava o grupo internacional de alquimistas que Rodolfo II trajo a sua corte para que fabricaram oro. A realidade é menos romântica, estas casas foram construídas no século XVI para os guardiães do Castelo, que completavam seus ingressos com a produção de artesanato, fora da jurisdição dos poderosos grêmios.

A começos do século XX, a Avenida Dourada se converteu em lugar de residência de artistas e escritores pobres. Franz Kafka viveu no número 22 em 1916 e 1917.

Em Jirská Ulice se levanta o Lobkovický Palác, Palácio Lobkovitz. Desde começos do século XVII até a década dos quarenta, este edifício foi a residência da poderosa família católica Lobkovitz. Uma restauração nos anos setenta Ele devolveu ao edifício seu original aspecto barroco e na atualidade alberga uma exposição permanente sobre a história checa desde o inicio do grande Império no século IX até o levantamento nacional checo de 1848.

Também se expõe uma copia das Jóias da coroa embora as peças mais apreciadas são as bíblias iluminadas, os instrumentos musicais de época, as moedas, armas, decretos reais, quadros e estátuas.

Ao sair do Palácio Lobkovitz e do Castelo pela porta este pode-se descender pela romântica Staré Zámecké Schody, Antiga Escada do Castelo, coberta de trepadeiras, que desemboca na estação de metro Malostranská. Uma linha direta conduz até a Praça de Wenceslao, estação Mustek.

Fonte: www.rumbo.com.br

Castelo de Praga

Localizado no bairro de Hradcany, o Castelo de Praga (Prazsky Hrad) é a atração principal da cidade, e deve ver em cada lista de visitantes. Dentro dos viajantes castelo vai encontrar alguns dos melhores sites de Praga, incluindo a Catedral de São Vito, a Basílica de São Jorge e do convento, a Basílica de São Jorge, a Torre da Pólvora, o Antigo Palácio Real e da Golden Lane.

Originalmente a residência de reis da Boémia, o castelo é hoje habitado pelo presidente checo. O castelo é enorme e é, de fato, conhecido por ser o maior castelo antigo do mundo. Permitir que uma quantidade considerável de tempo para visitar esses sites, e para evitar multidões ir no início do dia.

Originalmente começou como um edifício com paredes em 970, o castelo mudou drasticamente ao longo dos anos. Ele contém quase todos os estilos arquitetônicos do milênio passado. Com sua localização no topo do Castelo de Praga oferece vistas maravilhosas sobre o Rio Vltava com a cidade velha, no fundo.

A partir daqui, os visitantes podem ver por que é apelidado de Praga a cidade das mil torres. Literalmente centenas de torres picar-se a partir de cúpulas douradas em toda a cidade.

Castelo de Praga
Castelo de Praga

Palácio Real de Praga

Palácio Real de Praga está localizado no Castelo de Praga. Sãotrês castelos superpostos, construídos cada um em uma época, onde era aresidência dos reis da Boémia entre os séculos XI e XVII.

O primeiro palácio românico foi construído por Sobeslav I em 1135 e atualmente forma as caves do palácio atual. Premysl Otakar II e Carlos IV acrescentaram depois os seus própiros palácios por cima daquele, enquanto o último andar, construído para Vladislau Jagelão contém o gótico Salão Vladislão.

Durante o período do governo dos Habsburgos, o palácio albergava gabinetes, governamentais, tribunais e a antiga Dieta Boémia – parlamento.

No interior do Palácio Real existem dois pontos principais de interesse. O primeiro é o Salão de Vladislão, o maior espaço interior gótico que existe em Europa central. Esta enorme sala foi completada em 1493 por Benedict Ried, que foi para o gótico tardio da Bohemia o que Peter Parlér foi para sua versão mais primitiva.

A sala produz uma sensação de espaço e de luz suavizada pelas linhas dos tetos abovedados belamente rematados pelas janelas ovaladas do começo do Renascimento, um estilo que começava a abrir-se passo por Europa central Em seus dias de auge, nesta sala se celebravam torneios, mercados festivos, banquetes e coroações.

Em tempos mais recentes, serviu de marco para a investidura de presidentes, desde o comunista Klement Gottwald em 1948 até Václav Klaus em 2008.

O segundo ponto de interesse é a Chancelaria da Bohemia. Esta sala foi construída pelo mesmo Benedict Ried, apenas dezaños depois de que foi acabada a sala, mas mostra uma influência renascentista muito mais forte.

Passando pelo portal renascentista se acede à última câmara da Chancelaria. Esta sala foi o cenário da Segunda Defenestração de Praga que teve lugar em 1618, acontecimento que marcou o inicio da rebelião Boémia que desembocaria na Guerra dos Trinta Anos.

Castelo de Praga
Soldados de elite da Guarda Castelo de Praga recebê-lo às portas do Castelo de Praga

O Castelo de Praga, um antigo símbolo das terras checas, é o monumento mais significativo Checa e uma das instituições culturais mais importantes da República Checa.

O Castelo de Praga foi provavelmente fundada em cerca de 880 por Prince Borivoj dos Premysl (Premyslovci). Segundo o Livro Guinness de Recordes Mundiais, o Castelo de Praga é o maior complexo de castelos coerente no mundo, com uma área de quase 70.000 m².

Um Patrimônio Mundial da UNESCO, que consiste em uma composição em grande escala de palácios e edifícios eclesiásticos de vários estilos arquitetônicos, de Roman edifícios de estilo do século 10 através de modificações gótica do século 14.

O famoso arquiteto esloveno Josip Plecnik foi responsável por extensas reformas no tempo da Primeira República (1918-1938). Desde a Revolução de Veludo, o Castelo de Praga passou por reparos significativos e contínuos e reconstruções.

Fonte: www.planetware.com

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.