Breaking News
Home / Turismo / Praga

Praga

PUBLICIDADE

Considerada um dos mais importantes centros artísticos da Europa, é muito procurada no verão, quando os três km² de centro histórico são exclusivos para os pedestres, incluindo Hradcany, o distrito do Castelo; Mala Strana, o pequeno quarteirão; Stare Mesto, a cidade antiga; Vaclavske namesti, a praça Wenceslau e a fabulosa Ponte de Carlos. Ao redor da cidade, vários castelos e palácios podem ser visitados.

Cem Torres, Praga – a mãe das cidades, Praga mágica. Estes são apenas três títulos que a capital da República Checa com orgulho veste. Desde os primórdios do Estado Checa, tem-beens TIC centro de negócios, política e cultural natural. Esta cidade histórica e moderna é mais de 1.000 anos de idade. Tem um encanto extraordinário sobre isso que pode ser sentida em qualquer época.

Descubra os tesouros de museus e galerias de Praga

Riqueza de Praga não se liga TIC apenas em igrejas, palácios e jardins magníficos. É bem a pena explorar as obras de arte de valor inestimável aussi escondidos em TIC que são dezenas de museus e galerias.

Descubra um mundo de descobertas pré-históricas, pinturas de mestres medievais, elegante Alta estátuas barrocas, renascentistas jóias, maravilhas do século 19 técnicos, e peças de artistas contemporâneos para quem Praga é uma vitrine única para o seu trabalho.

Cada tem seu capital Museu Nacional. Praga não é excepção, e você vai encontrar o edifício neo-renascentista monumental na extremidade superior da Praça Wenceslas. O Museu Nacional é o maior complexo de museus na República Checa e possui coleção impressionante de anos Muitos campos de atuação.

Embora as TIC edifício principal está passando por ampla reforma, coleções TIC ainda pode ser explorado. Entre os Náprstek mais populares são o Museu de Culturas asiáticas, Africano e Americano, e museus dedicados ao mundo renomado compositores Antonín Dvorák e Smetana. Enquanto isso, o Museu Técnico Nacional contém vários dos tesouros da Tcheco “técnico, como o primeiro automóvel produzido aqui, aviões de combate do modelo e instrumentos astronômicos usados por Tycho Brahe.

Pinguins de incandescência com atitude e exposições

Se a arte moderna é a sua coisa, pop junto ao Museu Kampa . Esta galeria exclusiva, que está localizado no prédio Mlyny Sovovy, abriga a maior coleção de pinturas do artista de renome do mundo Frantisek Kupka.

Faça seguro para se aventurar fora do museu e ter no seu exterior, que é o lar de esculturas originais e – de todas as coisas – os pinguins na margem do Vltava que brilham no escuro. Obras contemporâneas esperam por você no progressivo DOX Centro de Arte Contemporânea, em Holešovice, que corre regularmente exposições controversos e é um grande sucesso com os visitantes.

Jóias medievais no Castelo de Praga

Você prefere jóias que são alguns séculos mais velha? Se assim for, não deixe de visitar o Castelo de Praga Galeria de Fotos, que abriga a coleção do imperador Rodolfo II (um dos maiores amantes da arte), incluindo obras de mestres como Rubens e Tizian Tal. Enquanto no castelo, você pode explorar as coleções aussi do Palácio Lobkowicz, um dos maiores da Europa.

Entre os tesouros TIC são partituras originais de Mozart com notas e Beethoven. Enquanto isso, você pode ver as obras de mestres do século 19 checos de pintura de paisagem na Galeria Municipal de Praga ‘s espaços elegantes do Chateau Troja.

Josef K e jóias medievais

Naturalmente, Praga museu dedicado TEM TIC som mais famoso. No Museu de Franz Kafka será imerso no ambiente misterioso do escritor famoso do mundo e aprender mais sobre seu trabalho e vida pessoal.

Outro famoso Checa, Alfons Mucha, que encantado o mundo com suas obras Art Nouveau na Galeria Nacional, cujas coleções estão alojados em vários edifícios, possui a maior coleção de arte visual na República Checa, você pode ver a arte medieval no Convento de St. Agnes, Barroco no Palácio Sternberg e arte moderna no Palácio Veletržní.

Desfrute de Praga com o ritmo dos pingos de chuva!

Seu férias românticas na cidade das cem torres está apenas começando, o clima é um pouco objetivo de decepção? Não há necessidade de jogar a toalha! Praga oferece inúmeros pontos onde poderá evitar a chuva, enquanto a conhecer os seus tesouros escondidos. Descubra a magia de prestigiados museus, visitar um teatro de Praga, ou para baixo para o subterrâneo misterioso.

Visitar museus e galerias é uma resposta experimentado e testado ao mau tempo. Dezenas de o ser encontrados em Praga, o Museu Nacional no topo da Praça Wenceslas Particularmente notável é.

Possui a República Checa está maiores coleções de museu, exibindo itens de todas as áreas da atividade humana. No edifício principal presente é TIC em reconstrução extensa, que culminará em 2018.

No entanto, você pode explorar a coleções aussi Náprstek no Museu de Culturas asiáticas, Africano e Americano sobre Betlemske Namesti, o Museu Smetana em Novotného Lavka, ou o Museu de Antonín Dvorák Ke Karlovu.

Você é um fã de todos os tipos de tecnologia? Se assim for, não perca a oportunidade de visitar o Museu Nacional de Técnico em Letná. Enquanto as gotas de chuva de percussão nas janelas são, você pode passear através do desenvolvimento de tesouros da ciência e tecnologia de mapeamento em terras checas, aviões históricos, incluindo único e os primeiros automóveis checos.

Do Art Nouveau à Modernidade

Se galerias são sua coisa, vale a pena visitar o Palácio Veletržní, que foi um dos primeiros edifícios de Praga funcionalistas e coleções de casas da arte do século 20 e 21. Enquanto isso, o lugar para ir para obras originais, exposições provocativas ea mistura de campos artísticos individuais é a DOX Centro de Arte Contemporânea, em Holešovice.

No curto período desde que abriu, construiu uma reputação DOX como um local fresco e criativo no mapa cultural da capital.

Subterrânea os passos do exército francês

Enquanto os pingos de chuva estão caindo, également você pode conferir a residência mística misterioso subterrâneo dos primeiros governantes da República Checa. Vysehrad é um lugar interessante em TIC próprio direito, onde pode passar longas horas a explorar.

Diretamente abaixo dela, no entanto, é possível descer em um labirinto de corredores e salas subterrâneas que foram criados no século 17 para o exército francês realizar movimentos poderiam não observadas.

Um mundo de magia

Por que não terminar um dia chuvoso com algo genuinamente especial? Visite uma performance de teatro negro, uma forma que nasceu aqui em Praga. Sucumbir a um mundo único de cores, efeitos e ilusões de ótica em alguns dos teatros de Praga Numerosas preto, como Jirí Srnec Teatro , WOW ouro Fantastika Ta .

Convide o seu paladar em uma viagem a Praga

Praga é, sem dúvida, uma cidade cosmopolita. Juntamente com a diversidade de habitantes TIC e atmosfera metropolitana geral, goza de uma ampla fileiras de restaurantes que oferecem iguarias da cozinha checa e mundo. Descubra os sabores e aromas da cidade sobre o Vltava e desfrutar experiências gastronômicas inesquecíveis em melhores restaurantes de Praga.

Árabe italiano, francês, indiano, espanhol, mexicano, armênio, bem como kosher, vegetariano e, claro Checa tradicional – as fileiras de cozinhas oferecidos por restaurantes de Praga é quase ilimitada.

Após um longo dia no centro da cidade Passado, você pode visitar um dos muitos estabelecimentos elegante que oferece serviço de primeira classe e vistas maravilhosas, ou verificar um pub tradicional Checa com equipe acolhedora e excelente cerveja. Bon appétit, ou, como dizemos em checo Silêncio dobrou!

Michelin qualidade para gourmets reais

Você pode desfrutar da gastronomia da ordem no Alcron mais alto e degustação restaurantes La Bourgeoise Bohemian, estrelas Michelin prestígio que possuem.

Outros lugares para dar o seu paladar um deleite real incluem o único Art Nouveau Restaurante Francês da Casa Municipal, o restaurante do Radisson Blu Hotel, Sansho e Sasazu , cuja tarifa está entre as mais populares na cidade. Se você está procurando um excelente local para brunch, recomendamos Villa Richter logo abaixo do Castelo de Praga, La Rotonde ou Estação.

Clássicos checos que você vai adorar

Gostaria de saborear a cozinha típica Checa? Se for assim, por que não escolher um restaurante marcado com o Specials Checa sinal, que é uma garantia de excelente comida em um ambiente agradável.

O particulares especialidades checas deverias uma tentativa em Praga? Vários molhos e carnes, aves e bolinhos assados, peixes de água doce e bolos doces são típicos da culinária local.

É a sua boca começando a água? Então por que não tentar algumas especialidades checas em restaurantes como Mlynec , Beseda Malostranská , husa Potrefena , Zátiší V e Cihelna Hergetova (que é aussi oferece vista deslumbrante da Ponte Carlos e da Cidade Velha).

A melhor cerveja da cidade

Uma cerveja ou um copo de excelente vinho da Morávia do Sul é o acompanhamento perfeito para refeições mais. Para a cerveja, visite um dos bares de Praga cervejaria, onde o “pão líquido” é fabricada em tanques de bronze. Entre os altamente recomendado é o pub mais famoso U Fleku , Pivovarsky dum Staropramen cervejaria eo Smíchov no distrito.

Descubra 10 jóias da mãe das cidades, a cidade de cem torres

Praga é a mãe das cidades, que vai afundar garras em você TIC e nunca deixar você ir. Essa é uma citação do mais famoso por ter sido pessoa nascida aqui, Franz Kafka. Ele também sucumbiu à beleza desta cidade mágica, onde passou grande parte de sua vida. Você também pode ficar a conhecer uma cidade, que as pessoas mais importantes de seu tempo já homenageou o melhor e ver o que a capital da República Checa tem para oferecer.

Coloque junto um mosaico de Praga

Sua forma é monumental. Castelo de Praga, o símbolo das terras checas, sede antigos governantes e selon o Livro Guinness dos Recordes, o maior castelo medieval do mundo. Este é um lugar que você não pode deixar para visitar quando você visitar Praga, cidade das cem torres.

Você pode terminar o seu passeio em uma das belas Palace Gardens, Onde você vai, de repente, encontrar-se em um maravilhoso mundo de plantas, fontes e pavilhões. Você pode aussi Passe um dia agradável em Petrin, onde a torre de vigia local oferece uma bela vista sobre os Muitas torres, telhados e chaminés de toda a cidade.

Não se esqueça de dar uma olhada na estátua do famoso Menino Jesus de Praga, no sopé da Colina Petrin, o que é atribuído propriedades milagrosas. Você vai achar que é um pouco afastado aqui na Igreja de Nossa Senhora da Vitória no Bairro Pequeno.

Um passeio pela história da arquitetura

Gostaria de conhecer o coração de Praga? Em seguida, partiu para a Praça da Cidade Velha, um dos quais é o mais bonito do mundo. Não muito longe daqui, então você pode fazer o seu caminho para o coração do gueto judeu fascinante envolta em lenda.

Existe um velho esconderijo romântico dentro de você? Você pode acreditar que não há lugar mais romântico do que Charles Bridge ao nascer do sol. Por outro lado, é ao pôr do sol mais bonito TIC vistos das muralhas do Vyšehrad mítica Um lugar onde você pode mergulhar nos primórdios da nacionalidade checa.

Uma cidade que bate com a vida

Praga não é apenas uma cidade de monumentos históricos, uma cidade de propósito para a vida aussi, onde a cultura é uma parte integrante de coisas.

Desfrute de uma experiência única, na forma de um concerto de música clássica na Câmara Municipal, um dos edifícios Art Nouveau mais bonitas do mundo. Você pode definir na trilha de Mozart do Teatro Estatal, esse gênio musical onde apresentou o primeiro de sua ópera Don Giovanni em pessoa.

Mitos e lendas da mágica de Praga

Ruas pavimentadas com paralelepípedos, longas sombras que se estende desde lanternas brilhantes, o vento brincando com as folhas coloridas e os contornos escuros das catedrais góticas. Isso é mágico Praga, uma cidade envolta em inúmeras lendas e mitos de TIC mil anos de história. Situado na trilha das TIC Habitantes míticas criaturas e lugares inusitados para ir que compõem o caráter único da cidade, nas margens do Vltava.

O cavalo bravo e aposta entre o demônio e um santo

Lendas ligadas à antiga sede dos príncipes checos Vyšehrad foi dito Muitos séculos. Selon deles, foi aqui Que les execução de Horymír, que queimou vários assentamentos para obter sua vingança sobre o rei e quem foi o responsável pela tomada de vidas humanas Muitos, deveria ter ocorrido.

No entanto, o último desejo do Horymír astúcia era montar sua Semik fiel cavalo. O cavalo não hesitou e com um grande salto, pulou os muros altos de Malthus Vysehrad e salvou seu dono.

Descubra um lugar misterioso, com uma atmosfera diabólica

Uma das mais conhecidas lendas Praga é aquela sobre a Faust, que fez um pacto com o diabo. Em troca de todo o prazer e conhecimento do mundo por um período de 24 anos, Fausto vendeu sua alma ao diabo.

Quando o tempo acabou, o Fausto diabo levou em linha reta através do telhado. Para o dia de hoje, segundo a lenda Que le buraco no telhado da casa de Fausto na Cidade Nova era visível por anos depois. Hoje em dia você pode ver símbolos alquímico nas paredes e afrescos que retratam a Phoenix mítico, por exemplo, ou o sistema solar.

Não há fogo como fogo

Quando você está andando pelo parque em Petrín romântico, você provavelmente não vai acreditar que uma onça altar sacrificial, que estava aqui, que é queimado sacerdotes pagãos belas jovens virgens em sacrifício aos deuses pagãos.

Durante o reinado do príncipe Boleslav, o altar foi destruído e da Igreja de São Lourenço, que ainda hoje, construído ali. A lenda conta que o dia de hoje deuses pagãos Qué le apareça aqui na forma de incêndios misteriosos. Propósito Você não precisa se preocupar, fogos de teses, alegadamente, possuem poderes mágicos e são vel para curar reumatismo mesmo.

Quem vai encontrar o tesouro?

Partiu em busca de um tesouro enorme, que é o segredo de escondido por mais belas catedrais barrocas de Praga. A chave para isso está escondido na imagem da Morte de São Xavéria na Catedral de São Nicolau no Bairro Pequeno.

Com cuidado, olhar para esta foto e você pode ser vel levar muito mais do que as memórias apenas adorável embora com você de Praga! Certamente todo mundo sabe o Tycho Brahe famoso? A lenda conta que um dos astrônomos mais importantes morreu de uma bexiga estourar quando ele era incapaz de levantar-se da mesa antes do imperador devido ao rótulo.

Uma coisa é certa. Você pode ver o seu túmulo na Catedral de Tyn na Praça da Cidade Velha.

Catedral de SS Vito, Venceslau e Adalberto

A Catedral SS Vito, Venceslau e Adalberto domina Castelo de Praga. É o maior e mais importante de lugares de Praga de culto e de um símbolo espiritual do estado checo.

A catedral gótica que vemos hoje é a terceira igreja a ser construída no local – o primeiro edifício de estar aqui foi uma rotunda românica, em seguida, veio uma basílica triple-nave, e em 1344 Charles IV ordenou trabalho para começar a construção de uma catedral gótica. Demorou quase 600 anos para ser concluída, e consagrado não fo até 1929.

A catedral plataforma de observação da torre tem com vistas deslumbrantes para a catedral, Castelo de Praga e de toda a Praga.

Real Cripta

Mesmo em frente da mão altar está o Mausoléu Real, sob o qual há a cripta real.

Capela de São Venceslau

A peça central da catedral inteira é a Capela maravilhosamente embelezado de São Venceslau habitação Túmulo de São Venceslau, padroeiro das terras checas.

Além de serviços religiosos, as coroações de reis e rainhas Checa Tomou-se aqui. As jóias da Coroa Checa são mantidos aqui aussi; Eles consistem da Coroa de São Venceslau (1346), o Cetro Real e da Orb Imperial (século 16), todas feitas de ouro puro e ricamente decorado com pedras preciosas e pérolas.

Coroa de São Venceslau

A Coroa de São Venceslau é feita de 21 e 22 quilates de ouro, pesa 2,5 kg Quase 96 e é decorada com pedras preciosas sem polimento. O rubi da coroa checa é o maior na Terra. Dos nove maiores safiras no planeta, seis são na Coroa de São Venceslau. No topo da coroa há uma cruz de safira, que é definido em um espinho disse para vir da coroa de espinhos de Cristo.

Checa Rei e Sacro Imperador Romano Carlos IV deixou a coroa feita para sua coroação. Selon lenda, aquele que coloca a coroa em sua cabeça, sem reivindicação legítima ao trono Checa Dentro de um ano vai morrer.

Fonte: www.czechtourism.com

Praga

A coluna vertebral de Praga é o Rio Vltava (Moldava) que atravessa a cidade de sul a norte com um pronunciada curva a leste. Praga estava composta originalmente por cinco cidades independentes, representadas na atualidade pelos principais bairros históricos: Hradcany, a zona do castelo, Malá Strana, o bairro Pequeno, Staré Mesto, a cidade Velha, Nové Mesto, a cidade Nova e Josefov, o bairro judeu.

Hradcany, sede da realeza checa durante séculos, têm como eixo ao Prazský Hrad, o Castelo de Praga, que domina a cidade desde o topo de uma colina ao oeste do Moldava. Entre Hradcany e a Malá Strana estende-se uma zona de vistosas mansões construídas pela nobreza dos séculos XVII e XVIII.

O Karluv Most, Ponte de Carlos, enlaça a Malá Strana com Staré Mesto. A uma poucas ruas a leste do rio encontra-se o ponto focal da Cidade Velha, Staromestské Namestí, a Praça da cidade Velha. Staré Mesto está encerrada entre a curva do Moldava e três grandes avenidas comerciais: a rua Revolucní ao leste, Na Prikope ao sudeste e Narodní trída ao sul.

Mais a frente está situado Nové Mesto, várias ruas mais ao sul encontra-se Karlovo Namestí, a praça maior da cidade. A um quilômetro aproximadamente ao sul se eleva Vysehrad, um velho castelo encavado no curso alto do rio.

Sobre um monte a leste da Praça de Wenceslao está vinohrady, numa época o bairro favorito dos aristocratas checos, mais abaixo encontram-se os bairros de Zizkov ao norte e Nusle ao sul. Na beira sul-ocidental do Moldava a leste de Hradcany situam-se velhas zonas residenciais e enormes parques. A uns quilômetros do centro em cada uma das direções, o desenvolvimento urbanístico da etapa comunista se faz evidente.

A cidade Antiga

Václavské Namestí, a Praça de Wenceslao é o centro para o transporte e é o lugar ideal para iniciar qualquer percurso da cidade Antiga (Staré Mesto). Mais que de uma praça, trata-se de uma longa avenida com uma pequena pendente.

A Václavské Namestí está rodeada em sua parte alta, no extremo sul, pelo Museu Nacional da Bohemia e em sua parte inferior pela zona comercial de pedestres de Národní trída e Na Prikope.

Foi aqui onde umas 500.000 pessoas se congregaram em 1989 para protestar contra a política do regime comunista então no poder. Uma semana de manifestações culminou com a capitulação do governo, sem que se disparara um só tiro nem se perdeu nenhuma vida, deixando via livre ao primeiro governo democrático em 40 anos, presidido pelo dramaturgo Václav Havel.

Os checos se referem a esta pacífica transição de poder como a Revolução de Terciopelo (Nezná Revoluce).

Praça de Wenceslao

Atualmente a Praça de Wenceslao é a zona urbana mais animada de Praga. No grande labirinto de arcos, ocultos desde a rua, que tem no interior dos edifícios que se vê a ambos lados pode-se desfrutar com uma estranha mistura de cafés, discotecas, sorveterias e salas de cinema, todo ele com um aspecto que têm permanecido inalterado com o passo do tempo.

A Praça de Wenceslao foi planejada por Carlos IV, em 1348, e conta com construções de interesse como o Národní Muzeum, Museu Nacional Checo, desenhado pelo arquiteto de Praga Josef Schulz e construído entre 1885 e 1890, atinge todo seu esplendor quando é iluminado por lâmpadas noturno, o Hotel Europa, situado no número 25, um edifício “art nouveau” que lembra o luxo de Praga de princípios de século com elegantes vitrais e formosos mosaicos na zona do café e do restaurante.

A visita da cidade Antiga começa no alto complexo Koruna de estilo “art decó” para a continuação girar para a direita, vindo do museu, para chegar a uma bonita zona de pedestres, denominada Na Prikope.

O nome significa literalmente “em o meio fio” e se remonta à época em que esta rua servia de fosso para separar a cidade Antiga, à esquerda, da cidade Nova, à direita. Na atualidade, Na Prikope é a principal zona comercial com pequenas lojas nas que se expõem desenhos elegantes.

Girando à esquerda para Havírská ulice, chega-se ao Stavovské Divadlo, o Teatro Estatal, construído a finais do século XVIII em estilo clássico e reaberto em 1991. Este belo teatro tem-se convertido no auge da cultura em língua checa, numa cidade que durante tanto tempo têm estado submetida à influência germânica.

É famoso porque nele se estreou a ópera “Dom Giovanni” de Mozart, em outubro de 1787, baixo a direção do próprio compositor. O público de Praga não demorou em reconhecer o gênio de Mozart, a ópera obteve aqui um êxito imediato, a diferença do que sucedeu na maioria das cidades européias.

Na Prikope termina na Namestí Republiky (Praça da República), um importante laço de comunicações da cidade Nova, com uma estação de metro, que nunca têm conseguido converter-se num espaço público importante, devido tal vez a seu ecletismo arquitetónico.

Vistos de um em uno, todos os edifícios apresentam interesse em seu próprio estilo, mas o conjunto não resulta tão atrativo. Próximo encontra-se a majestosa Prašná brána, Torre do Polvoreda com seus adornados capitéis góticos afilando sobre a praça.

A construção da torre, uma das 13 portas originais com que contava a cidade, foi iniciada baixo o reinado do Jagellóm Ladislao II, em 1475. Em aquela época, os reis da Bohemia mantinham sua residência real nas imediações, onde encontra-se atualmente a Obecní dum, a prefeitura, e esta torre estava considerada como a porta mais suntuosa de todas.

A parte mais antiga da torre é sua base. As agulhas douradas não foram acrescentadas até finais do século passado. Desde o alto se desfruta de uma surpreendente panorâmica da cidade Antiga com o castelo ao longe.

Junto à dignidade regia da Torre do Polvorín, a Obecní Dum, a prefeitura, contrasta pela seu estilo modernista que evoca o entusiasmo da classe media checa de princípios de século por imitar a Paris. A o longo do ano celebram-se alguns dos melhores concertos na esplendida Sala Smetana.

O edifício contem numerosas obras dos melhores artistas da época. Alfons Mucha, famoso pelos seus cartéis e ilustrações de estilo “art nouveau”, se encargo da decoração da sala principal do prefeito. Seus afrescos representando a história da antiga Checoslovaquia são considerados como uma obra mestra em seu gênero.

Passando pelo arco situado ao pé da Torre do Polvorím e caminhando até a elegante rua Celetná, realiza-se a primeira parte do percurso tradicional da cerimonia de coroação dos reis checos, conhecido como o Caminho Real, que desemboca no Castelo, ao outro lado do rio.

Os monarcas elegiam esta rota principalmente pela sua surpreendente entrada na Staromestské Námestí, Praça da cidade Velha, que está um pouco mais abaixo. As casas que se avistam ao longo da Celetná figuram entre as mais belas da cidade e ofereciam o marco ideal para a comitiva da coroação, a maioria das fachadas datam do século XVII ou XVIII.

A Casa Sixt, de cor rosa, em Celetná 2, apresenta uma das fachadas barrocas mais elegantes. A casa data do século XII e suas cúpulas de estilo românico permanecem ainda visíveis na bodega que há no sótão.

A Staromestské Namestí, Praça da cidade Velha, no fim da Celetná, é deslumbrante. Esta praça, que durante muito tempo foi o coração da cidade Velha, cresceu até atingir suas proporções atuais no século XII, quando o antigo mercado da cidade foi transladado para longe do rio.

Sua forma e aspecto apenas têm cambiado desde estes tempos. Durante o dia, a praça se enche de atividade, a medida que os músicos competem entre si por atrair a atenção dos viandantes.

Vale a pena volver a esta praça de noite, quando as torres da Igreja Týn, à direita segundo se entra na praça se vê majestosamente na escuridade sobre as resplandecentes fachadas barrocas.

Durante o século XV, a praça foi cenário dos conflitos entre os husitas checos e os católicos alemães. O centro das atividade dos husitas era a Igreja de Týn, Kostel Panny pred Týnem. Esta fascinante igreja gótica se vê sobre a praça desde a parte traseira de uma fileira de mansões.

A construção das torres negras da igreja, chocantes pela seu contraste com as fachadas das casas de cores que estão mais abaixo, se iniciou baixo o reinado de Jorge de Podvebrady em 1461, durante o apogeu dos husitas.

Para entrar no templo deve atravessar os portais, baixo a casa corada do número 604. Celetná 5. Apesar de que a parte exterior oferece um dos melhores exemplos do gótico praguense, em parte obra de Peter Parlér, o arquiteto da Ponte de Carlos e da Catedral de São Vito, o interior foi reconstruído ao estilo barroco no século XVII.

Antes de abandonar a igreja, vale a pena visitar ao túmulo do grande astrônomo danes Ticho Brahe, que veio a Praga como “Imperial Mathematicus” em 1599 baixo o reinado de Rodolfo II.

Um pouco mais à esquerda encontra-se o deslumbrante Palác Kinských, Palácio Kinký, de cor rosa e ocre, que data de 1765 e está considerado como um dos mais belos exemplos do barroco tardio.

Com seus abundantes adornos e estátuas, a fachada resulta sobrecarregada si se compara com o barroco austero da vizinha Casa Sixt. Este edifício em outros tempos era uma escola alemã, na qual estudou Franz Kafka durante nove anos, é na atualidade a sede da Galeria Nacional com uma magnífica coleção de artes gráficas.

Neste extremo da praça encontra-se o expressivo Monumento a Jam Hus, eleito em 1915, 500 anos depois de que Hus morrera na fogueira na cidade alemã de Constanza. Tenaz predicador que com sua habilidade para transformar as disputas doutrinais, em linguagem popular, se converteu em símbolo religioso e nacional para os checos.

Frente à Igreja de Tým encontra-se o Staromestská Radnice, a prefeitura da cidade Antiga, de estilo gótico com uma fachada majestosa. A medida que avança para o edifício se descobrem 27 cruzes brancas que aparecem não só enfrente da fachada da prefeitura.

Estas cruzes marcam o lugar no qual 27 nobres bohemios encontraram a morte nas mãos dos Habsburgo em 1621, durante os escuros dias que seguiram à derrota dos checos na Batalha da Montanha Branca.

Rodeando o edifício para a esquerda podem-se ver uma série de casas que sobressaem da praça e que foram incorporadas ao complexo posteriormente. A mais interessante é a U Minuty, o edifício da esquina à esquerda da torre do relógio, com seus motivos do Renascimento que datam do século XVI.

A impressionante torre da prefeitura de 60 metros de altura foi construída no século XIV más recebeu seu aspecto atual de estilo gótico tardio, obra do maestro Matyás Rejsek, ao redor do ano 1.500. Para contemplar uma vista insólita da cidade Antiga e de seu labirinto de ruas serpenteantes e ruas estreitas, não há mais que subir à torre.

A medida que se aproxima o momento de dar a hora, um numeroso público que se congrega baixo o relógio Astronômico da torre, construído em 1492, para contemplar um breve, e fantástico, espetáculo sacado diretamente da Idade Media.

Justo antes de que dê a hora na parte superior do relógio um esqueleto começa a dobrar um toque de defuntos enquanto repica um relógio de areia, os Doce Apostoles desfilam pelas pequenas janelas e um galo abre as asas enquanto seu canto atravessa o ar.

A hora soa cheia de solenidade. A direita do esqueleto, o temido turco inclina sua cabeça, como si estivesse avisando de outra invasão como aquelas que se sucediam nos séculos XVI e XVII. O mais destacável do interior são os artesanatos renascentistas e a sala do Concelho de estilo gótico.

Passeando em direção norte rodeando o pequeno parque que está junto a Prefeitura chega-se à Kostel svatého Mikuláse, Igreja de São Nicolás, de estilo barroco, que não deve confundir-se com a Igreja de São Nicolás da cidade Pequena, ao outro lado do rio. Ambas igrejas foram construídas no século XVIII pelo próprio maestro do barroco tardio de Praga, Kiliam Ignaz Dientzenhofer. Aqui celebram-se a diário concertos vespertinos.

A Casa Natal de Franz Kafka encontra-se justo à esquerda de São Nicolás, em U Radnice. No flanco da casa aparece uma pequena placa. Em seu lugar de nascimento tem-se aberto um pequeno museu cheio de encanto, U Radnice 5.

Continuando para o sul pela Maislova ulice, deixando a Igreja de São Nicolás a sua esquerda, se destaca à Malé Namestí, a Praça Pequena, um conjunto quase perfeito de fachadas medievais. No centro da Praça destaca a Fonte de Ferro do Renascimento, que data de 1560.

Saindo da praça pela diminuta rua Karlova, que começa na esquina sudoeste da Malé Namestí, tem-se a sensação de haver penetrado num labirinto pois o traçado desta rua parece haver sido feito para confundir ao visitante.

Atualmente, a maior parte da rua está ocupada por galerias de arte e lojas de presente. Mas os calçamentos, as estreitas ruas e os gabletes desmoronados permitem imaginar como era a vida aqui 440 anos antes.

Girando à esquerda na intercessão em forma de “T”, onde Karlova parece finalizar, frente a Ceské Muzeum Výtvarných Umení, e continuando pela muito tranqüila rua Husova chega-se a um edifício que os amantes do barroco devem visitar, o exótico Palácio Clam-Gallas, situado em Husova 20.

A porta está composta por titanes presos o que sem dúvida é uma fachada barroca muito pesada. O palácio, construído em 1713 é obra do arquiteto vienés Johanm Bernhard Fischer vom Erlach. Muito perto desta outra construção barroca, na Kostel Svatého Jiljí, a Igreja de São Gil, frente ao número 7, outro centro importante do protestantismo checo do século XVI.

Seu exterior é de um gótico soberbo, no qual não faltam os pontais e um pórtico característico enquanto que seu interior é barroco do século XVII.

Continuando por Husova trida até Na Perstýne e girando à direita se entra na diminuta Betlémská ulice. Esta rua desemboca numa tranqüila praça do mesmo nome, Betlémské Namestí, onde encontra-se a mais reverenciada de todas as igrejas husitas de Praga, a Betlémská Kaple, Capela de Belém.

A elegante e simplicidade deste templo contrasta com o variado gótico e barroco do resto da cidade. O edifício original procede de finais do século XIV e era aqui onde algumas vezes predicava o próprio João Hus, desde 1402 até sua morte em 1415.

Depois da Guerra dos Trinta Anos, a igreja caiu em mãos dos jesuítas e finalmente foi demolida em 1786. Nas escavações que se levaram a cabo depois da I Guerra Mundial se descobriu o pórtico original e três janelas, durante os anos cinqüenta se reconstruiu o templo em sua totalidade. Apesar de que é pouco o que ficou da primeira igreja, ainda pode ver-se nas paredes alguns dos ensinamentos de Hus. Betlémské nám 5.

Regressando a Na Perstýne e caminhando para a direita pode-se contemplar a parte de atrás dos edifícios do concorrido Národní Trida, Bulevar Nacional. Ao final de Martinská ulice se avista a solitária e majestosa Igreja Kostel Svatého Martina ve zdi, São Martím da Muralha.

Resulta difícil imaginar que esta igreja olvidada desempenhara em outros tempos um papel tão importante no nascimento das práticas protestantes. Margeando a igreja para a esquerda e passando baixo os arcos que sustêm um edifício de casas até chegar a Národní Trida encontra-se a Praça de Wenceslao, o ponto de partida deste percurso.

O Gueto judeu

Saindo da praça da cidade Antiga pela bonita rua Parízská, e caminhando em direção ao rio e ao Hotel intercontinental chega-se a Josefov, o Gueto judeu. Os edifícios e as casas que rodeiam a Parízská datam de finais do século XIX, e suas elegantes fachadas refletem a prosperidade da burguesia checa de aquela época.

Em numerosos lugares ficou maracada a influência do Jugendstil vienés, versão austríaca do Art Nouveau francês, com seus mosaicos, as formas geométricas e as incrustações douradas.

O ambiente festivo, sem dúvida, muda repentinamente quando se entra na zona do gueto. Aqui os edifícios são mais baixos e velhos e se respira calma. Lamentavelmente é muito pouco o que ficou do antigo gueto.

Os judeus sobreviveram a séculos de discriminação e matanças, mas dois acontecimentos não relacionados entre si, acontecidos na época moderna, têm convertido este gueto em pouco mais que uma coleção de museus, dizimando sua vila.

Em 1900, os pais da cidade determinaram que por motivos higiênicos, todo o gueto devia ser demolido e suas tortuosas ruas, pavimentadas. A este intento de remodelação urbanística unicamente sobreviveram as Sinagogas, a prefeitura e um punhado de edifícios.

O segundo acontecimento foi o holocausto. Baixo a ocupação nazi, a maioria dos judeus de Praga foram deportados e assassinado nos campos de concentração. Dos 35.000 judeus que viviam no gueto antes da guerra, e regressaram uns 1.200.

Os tesouros do gueto pertencem ao Zidovské Muzeum, Museu judeu, um complexo que inclui o Antigo cemitério judeu e as coleções das diferentes sinagogas que sobreviveram. As coleções são muito numerosas, graças, ironicamente, a Hitler, quem havia planeado abrir um museu para documentar a vida e as práticas do que ele confiava que seria um povo extinto.

O cemitério e a maioria das sinagogas estão abertos ao público. Cada sinagoga está especializada em determinados objetos. A coleção da Sinagoga Vysoká, Sinagoga Alta, apresenta ricos mantos e objetos de prata para os ritos religiosos. Rua Cervená, entrada pelo número 101.

Anexo à Sinagoga Alta, em Maislova 18, encontra-se o Zidovská Radnice, a prefeitura judia, a única prefeitura que existe fora do Estado de Israel e que na atualidade cobiça ao Centro judeu. Se cré que o edifício foi obra de Mordecai Meisel, um prestigioso dirigente judeu de finais do século XVI.

A Sinagoga Staronová, Antiga Sinagoga Nova, que está do outro lado da rua em Cervená 2, é a mais antiga de poucas existem em Europa. Foi levantada a mediados do século XIII e é também uma das obras mais importantes do gótico primitivo de Praga.

Este curioso nome evoca a lenda segundo a qual esta sinagoga foi construída sobre o lugar onde se encontrava um antigo templo judeu cujas pedras serviram para a construção da sinagoga atual.

Conta a lenda que estas pedras protegem à sinagoga do fogo e da destruição. A parte mais antiga da sinagoga é o átrio com a cúpula apoiada sobre duas colunas. O enredado do centro da nave se remonta ao século XV.

Continuando por Cervená ulice, que converte-se na pequena rua do Antigo cemitério, U Starého Hrbitova, detrás de Maislova ulice, na curva da rua encontra-se o lugar mais surpreendente deste bairro de Praga: o Antigo cemitério judeu, Starý Zidovský Hrbitov. Desde o século XIV até quase o XIX, todos os judeus que residiam em Praga encontravam sua última morada neste diminuto e melancólico recinto.

Aqui têm-se acumulado uns 12.000 túmulos, chegando a atingir até doze capas superpostas. Nada mais entrar no cemitério, à direita encontra-se a Sala de Cerimonias, Obradní sín, na qual pode ver-se uma emocionante exposição de desenhos realizados por crianças presas no campo de concentração nazi de Terezín, Theresienstadt, no norte da Bohemia.

Outro testemunho dos trágicos crimines perpetrados contra os judeus durante a II Guerra Mundial pode ver-se na sinagoga Pinkasova, Sinagoga Pinkas, um belo edifício gótico cujos alicerce se remontam ao século XI. Nas paredes do interior encontram-se escritos os nome de 77.297 judeus da Bohemia e Moravia que foram vítimas dos nazis.

Voltando a Maislova ulice por U Starého Hrbitova e girando à direita em direção à cidade Antiga uma vez más, cruzando a Siroká ulice pode-se visitar a Sinagoga Maislova, Sinagoga Maisel, situada em Maislova 10, onde se conserva a mais bela coleção de objetos para o culto do Museu judeu, que inclui capas e mantos, ponteiros de prata, roupas do sumo sacerdote e caixas de especiarias, castiçais, assim como acessórios para o laravar as levitas. Trata-se do material que os nazis confiscaram em Europa Central.

A Ponte de Carlos e Malá Strana

A Malá Strana de Praga, que significa bairro Pequeno ou cidade Pequena, não está feita para o turista metódico. Seu encanto radica nas estreitas ruas, nas súbitas aparições de arquitetura ribombaste e nas românticas vistas que surgem durante um segundo, antes de volver a desaparecer após os inclinados telhados.

O melhor momento de visitar esta zona é ao entardecer, quando uma luz tênue esconde as fachadas e brinda um mundo de uma beleza esplendida.

Inicie o percurso pelo lado da cidade Antiga do Karluv Most, a Ponte de Carlos, ao que poderá chegar a pé em uns dez minutos desde a praça da cidade Antiga. A panorâmica que se aprecia desde a ponte é acolhedora, as torres e cúpulas de Malá Strana, coroada pelas muralhas do Castelo e as altas agulhas da Catedral de São Vito, para o noroeste.

Esta vista celestial, uma das mais formosas de toda Europa, vai cambiando sutilmente sua perspectiva a medida que se avança pela ponte, guardado pelos numerosos santos barrocos que embelezam as tranqüilas pedras góticas.

De noite oferecem um espetáculo cheio de feitiço: a Catedral de São Vito iluminada num verde espectral, o Castelo num amarelo monumental e a Igreja de São Nicolás num voluptuoso tono rosa, todo ele visto através das ameaçadoras silhuetas das estátuas encurvadas e as torres góticas.

Embora seja o único que faça em Praga, não deixe de ir a ponte de Carlos pela noite. Este têm sido sempre um dos centros de atividades e de Praga. Ali pelo século X, quando os príncipes Premislitas fixaram sua residência em Praga, existia um forte ao outro lado do Vltava (Moldava), uma conexão vital numa das principais rotas comerciais da Europa.

Depois de que várias pontes de madeira e a primeira ponte de pedra fossem arrastados pelas enchentes, Carlos IV encarregou a construção da nova ponte ao arquiteto alemão Peter Parlér, que por aquelas épocas então só tinha 27 anos de idade e que foi também o autor da Catedral de São Vito.

Isto acontecia em 1357, e durante mais de 300 anos o único adorno com que contava esta ponte era uma cruz de madeira. Depois de ser derrotados pelos Habsburgos na Batalha da Montanha Branca em 1620, os checos foram submetidos a uma doble imposição: uma política, por parte do Império Austríaco, e outra espiritual, a cargo da Contra-reforma, movimento dirigido a aniquilar o protestantismo.

A ponte de Carlos se converteu no campo de Batalha na luta por conquistar a alma dos checos. As numerosas estátuas barrocas, que fizeram sua aparição a finais do século XVII, vieram simbolizar o totalitarismo do triunfo austríaco.

A Torre da ponte da cidade Antiga marca o lugar em que Parlér iniciou a construção da ponte. Os baixos-relevos destinados a seu embelezamento foram destroçados por soldados suecos em 1648, no fim da Guerra dos Trinta anos.

As esculturas que estão enfrente da praça se salvaram e continuam intactas, representam a Carlos IV, que padecia de gota, com seu filho, quem mais tarde se converteria em Wenceslao IV. Subir pelos 138 degraus até a galeria da torre compensa o esforço, pois a vista do Castelo e da parte antiga corta a respiração.

Vale a pena tomar-se o tempo necessário para contemplar alguma das estátuas enquanto se dirige para a Malá Strana. A terceira da direita, um crucifixo de latão com inscrições hebréias em oro, foi montada no lugar onde havia uma cruz de madeira que ficou destroçada na Batalha contra os suecos.

As letras em ouro da nova cruz foram financiadas, ao parecer, por um judeu que havia sido acusado de difamar a cruz. A oitava estátua à direita, de São João Nepomuceno, é a mais antiga de todas, é obra de Johanm Brokoff e data de 1683.

Os baixos-relevos de Bronze narram a história do destino do padre Nepomuceno: após negar-se a desvelar os segredos de confissão da esposa do rei Wenceslao IV foi arrojado ao rio por ordem do monarca.

De repente, segundo conta a lenda, ao redor de sua cabeça apareceram estrelas douradas. A mão esquerda, sobressaindo da ponte entre a nona e a décima estátua (esta última representa um magnífico Satanás derrotado), encontra-se a estátua de Roland.

Personagem cavalheiresco que viste a capa de armas da cidade Antiga, era a sinal de que a parte da ponte que se estendia até esse ponto do rio pertencia à cidade Antiga, antes de que Praga passara a ser uma cidade unificada em 1784.

A praça que está a seus pés é a Ilha Kampa, separada da cidade Pequena por um braço do Moldava conhecido como Certovka, o Arroio do Diabo.

Segundo a maioria dos historiadores da arte, a estátua mais valiosa é a décima segunda a mão esquerda, esta estátua cheia de dinamismo que representa a Santa Lugarda é obra de Mathias Braum e reflete o sonho desta santa cega, que Cristo lhe permite beijar suas chagas.

Um grupo não muito popular para os cidadãos de Praga é o segundo desde o fim à esquerda, obra de Ferdinand Maximiliám Broko, que data de 1714. Os santos têm aqui um papel secundário.

O interesse se centra no turco, cuja cara expressa um profundo tédio enquanto vigia aos cristãos encerrados na jaula que está ao seu lado. Quando se ergueu esta estátua, apenas 20 anos depois da segunda invasão de Viena por parte dos turcos, escandalizou aos praguenses que não tardaram em untar a estátua com barro.

Já quase no fim da ponte aparece a surpreendente conjunção das duas torres da ponte da Malá Strana, uma gótica e a outra românica. Ambas servem de marco da ostentativa Igreja barroca de São Nicolás, de longe.

De noite esta brinda uma magnífica vista. A mais baixa, a torre românica, formava parte das antigas pontes de madeira e de pedra, seu aspecto atual procede da reabilitação levada a cabo em 1591.

A torre gótica, Mostecká Vez, foi acrescentada a ponte algumas décadas depois de haver-se finalizado a construção. É aconselhável subir pelas escadas de madeira do interior da torre para poder desfrutar das vistas sobre os telhados da Malá Strana e da cidade Antiga, ao outro lado do rio.

Passando embaixo do pórtico das torres e tomando a pequena rua chamada Mostecká ulice se entra na Malá Strana, a cidade Pequena, fundada em 1257 e durante anos residência dos mercadores e artesãos que trabalhavam para a Corte.

Uma vez em Malostranské Namestí, a Praça da cidade Pequena, que na atualidade é seu núcleo do tráfico, podem-se contemplar as casas com arcos à esquerda que se remontam aos séculos XVI e XVII, e combinam os elementos barrocos com outros renascentistas.

A mão esquerda da praça encontra-se a Igreja de São Nicolás, Chrám Svatého Mikuláse. Esta igreja de dinâmicas curvas é um dos exemplos mais puros e ambiciosos do alto barroco. O célebre arquiteto Christoph Dientzenhofer iniciou a construção desta igreja jesuíta em 1704, no lugar em que se encontrava uma das igrejas husitas mais concorridas de Praga do século XV.

As obras foram continuadas por seu filho Kiliam Ignaz Dientzenhofer que foi quem construiu a cúpula e o presbitério. Anselmo Lurago finalizou o complexo em 1755, acrescentando o campanário.

A justaposição da larga e volumosa cúpula com a fina torre do campanário apresenta um dos mais surpreendentes contrastes arquitetônicos que marcam o céu de Praga. Em seu interior, resulta impossível abarcar com uma sola mirada a vasta nave em tonos rosas e verdes, todas as esquinas desbordam dinamismo.

Desde Malostranské Namestí, girando à esquerda chega-se à Nerudova ulice, que deve seu nome ao periodista e poeta checo Jam Neruda, de quem Pablo Neruda tomou seu nome artístico. Esta ladeira marcava antigamente o último trecho do Caminho Real, que recorria o rei antes de sua coroação e continua sendo a melhor maneira de chegar ao Castelo.

Neste extremo da rua é aconselhável dar um olhada ao Palácio Bretfeld de estilo rococó, situado no número 33. O edifício é mais estimado pelo seu valor histórico que por sua arquitetura. Foi aqui onde residia Mozart junto com o livretista Lorenzo da Ponte e o ancião João Jacob Casanova, na época em que estreou a ópera “Dom Juan”, em 1787.

A Malá Strana se viu de novo ligada a Mozart quando suas ruas serviram de cenário para representar a Viena do século XVIII durante a rodagem do filme “Amadeus” do diretor checo Milos Forman.

A altura dos arcos do número 13, mais ou menos frente à Kostel Panny Marie Ustavicné Pomoci u Kajetánu, Igreja de Nossa Senhora do Perpetuo Socorro e dos Teatinos, obra de Santini, se esconde um dos numerosos passadiços serpenteantes que de noite conferem à Malá Strana seu encantador aspecto fantasmagórico.

Do passadiço se sai à parte alta da rua Trziste enfrente do Schonbornský Palác, Palácio Schönborn. Franz Kafka ocupou um piso neste edifício desde março até agosto de 1917, após abandonar a rua Dourada.

Descendendo por Trziste chega-se à rua principal, Karmelitská ulice. Aqui, a sua direita, no número 25, uma discreta porta esconde a entrada ao íntimo Vrtbovský Palác, Palácio e jardins Vrtba. Os jardins Vrtba oferecem uma das melhores vistas sobre os telhados de Malá Strana. A estátua de pedra de Atlas, sobre a entrada aos jardins, é obra de Mathias Braum e data de 1720.

Caminhando ao longo da Karmelitská se atinge a acolhedora Kostel Panny Marie Vítezné, Igreja de Nossa Senhora das Vitorias, onde se custodia um dos objetos de culto mais venerados de Praga, o Prazské Jezulatko, o Menino Jesus de Praga, traído desde Espanha no século XVI.

Cruzando Karmelitská e baixando pela pequena Prokopská ulice, frente ao Palácio Vrtba encontra a que foi Igreja de São Procópio, de estilo barroco, que na atualidade têm sido convertida em bloco de moradias. Ao final da rua aparece a tranqüila Maltézské Namestí, Praça Maltesa, batizada assim em honra aos Cavaleiros da Ordem de Malta.

No centro da praça há uma escultura que representa a São João Batista, obra de Ferdinand Brokov erguida em 1715, para comemorar o fim de uma praga. Seguindo pela rua Lázenská se desemboca na Velkoprevorské Namestí, Praça do grande Priorato.

O palácio que da à praça está considerado como um dos edifícios barrocos mais acabados da Malá Strana, Embora ao albergar a embaixada de Malta permanece fechada ao público. Enfrente do palácio se lança a suntuosa fachada de cor laranja e branco do Palácio Buquoy, projetado por Giovanni Santini em 1719, sede da embaixada da França.

Frente a estes monumentos do barroco se eleva o Muro da Paz de Lennon, um peculiar monumento à resistência passiva da juventude checoslovaca contra o antigo regime comunista. Baixo o socialismo real a música rock estava oficialmente proscrita, e os estudantes adotaram ao ex Beatle como símbolo de rebeldia.

Na parte inferior da praça, uma diminuta ponte conduz ao outro lado do afluente Certovka até a Ilha Kampa. Nada mais girar a esquina da direita se desemboca nos jardins Kampa. Os bancos situados na margem esquerda do rio são um lugar muito apreciado à hora de contemplar a cidade.

Prosseguindo em direção norte para a ponte de Carlos e passando em baixo se atinge a rua U Luzického Semináre. Esta zona é conhecida como a Veneza de Praga. A casa número 1 é a posada U tÍí Pstrosu, Os Tres Avestruzes, um dos hotéis mais antigos e de maior encanto de Praga.

O proprietário do edifício original, que se remonta ao século XVI, era o provedor de plumas de avestruz da Corte. Mais abaixo, o parque Vojanovy Sady constituía os antigos jardins do Convento das Carmelitas Descalças e na atualidade faz parte do Ministério de Fazenda e nele se organizam freqüentemente exposições de escultura moderna que contrastam com as duas capelas barrocas e a estátua de São João Nepomuceno sobre um peixe, obra de Ignaz Platzer.

Há outro parque belíssimo que vale uma visita, o Zahrada Valdstejnského Paláce, os jardins de Wallenstein. Está situado junto à rua Letenská.

Fonte: www.rumbo.com.br

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.