Breaking News
Home / Turismo / Martinica

Martinica

Martinica, A Flor Do Caribe

PUBLICIDADE

Se você gosta da natureza, encontrará na beleza exótica das flores silvestres que crescem no campo, assim como nas flores, florestas de bambu e na fauna e nos nossos muitos jardins botânicos uma variedade inigualável de espécies. Flores tropicais aguçam os sentidos com sua beleza espetacular. Elas têm uma fragrância única, e existe em suas formas uma exoticidade que capta a imaginação, assim como os pincéis de muitos pintores e lentes de muitos fotógrafos.

A Martinica é de fato um paraíso tropical de flores exóticas de todos os tons do arco-íris. Desde as helicônias tropicalmente pintadas com suas vivas cores em vermelho, verde e amarelo, até as Aves do Paraíso, como Torch lily, Torch Ginger e Juréias, a beleza real da rosa de porcelana em tons que vão do rosa ao vermelho, e delineadas com a cor branca, certamente nossos jardins encantarão os visitantes.

Capital: Fort-de-France

Tamanho: A Ilha cobre 1.101 km quadrados, tem 80 km de extensão e 34.5 km de largura.

Moeda: A moeda local é o Euro

Idioma: Francês e Creoulo. O inglês é falado na maioria dos hotéis, restaurantes e outros centros de ajuda ao turista. Assim mesmo, é útil ter um dicionário de francês.

Agua – Eletricidade: A agua de torneira é potavel em todos os lugares – 220 volts

Geografia

A Martinica está localizada no coração do arco das Pequenas Antilhas. Com uma área de 1 080 km2, a ilha oferece uma grande variedade de paisagens. Ao norte, o terreno montanhoso e a floresta tropical oferecem um contraste deslumbrante para as extensas praias de areia branca do sul. O famoso Monte Pelée, imponente maciço vulcânico de 1 397 m, é o ponto culminante da ilha.

Clima

Embalado pelos ventos alísios, a Martinica apresenta uma temperatura muito agradável de 26°C durante todo o ano, fazendo dela a ilha do “eterno verão”.

Duas correntes de vento que alternam entre si (leste e nordeste) esfriando a atmosfera. Esses são chamados ventos alísios, les alizés. Existe somente uma variação de 5° entre as temperaturas médias de inverno e de verão.

Moeda: A moeda local é o Euro

População e línguas

420 000 habitantes. Fort-de-France é a capital administrativa.

Fala-se o francês e o crioulo. O inglês é falado nos locais turísticos.

Moeda

Oficial é o euro. Cartões de crédito são aceitos. Há também caixas eletrônicos por toda a ilha.

Requisitos de acesso e formalidades sanitárias.

Para uma estadia inferior a 3 meses, não é necessário visto para cidadãos canadenses.

Água e eletricidade

A água da torneira é potável em todos os lugares. A voltagem é 220.

Alguns fatos históricos

Antes de 1493, os povos autóctones Arawaks e Caraïbes sucederam-se na ilha.

1502 – Cristóvão Colombo desembarcou na Martinica.

1636 – Os primeiros escravos vindos do continente africano foram levados para a ilha.

1848 – A escravidão é abolida.

1902 – O Monte Pelée entra em erupção e a cidade de Saint-Pierre é destruída.

1946 – A Martinica torna-se departamento francês. Ela é representada por 4 deputados e 2 senadores.

1982 – A Martinica tor nou-se região francesa.

Hoje, a Martinica é tanto uma região quanto um departamento da França.

Gastronomia

A gastronomia da Martinica é uma atraente combinação da cozinha francesa e a crioula com uma pitada de cozinha africana, essa mistura perfeita de temperos e aromas é de encantar o paladar. Da simples cozinha crioula, no restaurante da praia, à mais sofisticada cozinha francesa em um elegante ambiente, ou com a fusão das duas cozinhas pela nova geração de chefs talentosos, nossa gastronomia certamente estimulará seu apetite, enquanto você descobre seus novos pratos favoritos. Do crioulo “accras” (um tipo de fritura feita com bacalhau o frutos do mar) ao francês “foie gras”, a Martinica oferece uma abordagem única da culinária Caribenha em como preparar frutos do mar, ostras, porco, carne vermelha, frutas e verduras frescas. Combinado com excelentes vinhos e champanhes franceses, é o paraíso para quem tem aprecia uma boa refeição!

Martinica
Martinica

Martinica Azul

As praias da Martinica irão surpreendê-los com sua beleza e incrível diversidade. Uma gama de cores de areia variando do branco radiante ao negro prateado das praias vul-cânicas. Mais calma na costa sul do Caribe ou mais agitada na costa Atlântica, a água está na temperatura ideal durante todo o ano. A Praia das Salinas, a Baía dos Ingleses e as águas cristalinas do François são ap-enas alguns exemplos do paraíso na Terra que a Martinica oferece. Românticos a seu bel-prazer, os raios do Sol proporcionam aos visitantes momentos de pura magia. A Martinica é também o destino perfeito para es-portes aquáticos. Catamarã, jet-ski, pesca, caiaque, yole, mergulho… a escolha é sua !

Martinica Verde

O norte da Martinica oferece uma natureza exu-berante, paisagens montanhosas e selvagens, além de muitos rios e cachoeiras refrescantes. Percorra o Monte Pelée, as cadeias montanho-sas dos Pitons do Carbet, o canal do Beauregard, o Campo de Esmeralda em Morne Rouge ou o Vestígio dos Jesuítas, a melhor maneira de descobrir estes tesouros naturais é seguir uma das 30 trilhas de passeio demarcadas da ilha.

Percursos de canoa, percursos de arvorismo, itinerários fora da trilha em veículos ou passeios a cavalo: você verá pessoalmente, são muitas atividades e mui-tos locais pra explorar!

O Canto Gourmet

Por ser uma fusão culinária de diversos horizontes, a gastronomia da Martinica reflete o know-how dos franceses, a generosidade africana, os temperos delicados da Índia, e muitas outras influências do Caribe e da Europa. Estas misturas sutis de sabores e temperos irão seduzir seu paladar com sabores exóticos e refina – dos. Dos pequenos aos grandes restaurantes da alta gastronomia, a Martinica tem tudo para comquistá-lo.

A história da Martinica é marcada pelo rum, um verdadeiro símbolo da ilha. As 11 destilarias em atividade irão revelar a você seus mais belos tesouros. Ao longo da « Rota dos runs », cada produtor vai revelar os detalhes de seus runs, para você se deliciar com suas singularidades. Através do corte da cana, a escolha dos sabores, o processo de destilação, descubra uma página da história da ilha.

Branco, velho ou vintage, os runs da Martinica permanecem os únicos no mundo rotulados DOC ou “denominação de Origem Controlada”, um selo de qualidade reconhecida

Paixões da Martinica

Local de troca, de encontros e de cultura, o patrimônio histórico da Martinica é rico e diversificado. Museus, casas em ruínas espalhadas por toda a ilha contam a história e as tradições da Martinica.

Carnavais, festivais, típico « canto Natalino » da Martinica, festival do rum, semana gastronômica, vida noturna: A Martinica oferece uma variedade de eventos que irão tornar a sua estadia ainda melhor. Você também pode participar de eventos esportivos, como a Volta das Yoles, as regatas, a Volta de Ciclismo da Martinica, o Raid Transmartinique ou então a meia maratona de Fort-de-France.

Artesanato, Madras, cerâmica, cestaria, rum: você também pode desfrutar plenamente da sua estadia para comprar e levar lembranças e presentes. A Martinica tem a reputação de ser uma vitrine de Paris no coração do Caribe.

Não se esqueça de levar um bwa-lélé, pequeno bastão utilizado na culinária com um nó de ramos da árvore com o mesmo nome em uma das extremidades, com 3 ou 5 pontas e usado para léler (misturar), algumas comidas típicas da culinária da martinica, como o callalou (uma sopa de legumes e caranguejo) ou coquetéis, como o tradicional « ti-punch » (um dedo de rum, xarope de caldo de cana, açúcar e raspas de casca de limão).

Aventuras do lado escondido da Martinica

Graças à diversidade de suas paisagens, a Martinica oferece uma grande variedade de atividades e aventuras ao ar livre: caminhadas na floresta, caiaque nos misteriosos mangues, observar aves migratórias, golfinhos maliciosos, tartarugas molokoï, um dia em família no parque ecológico de diversão Aqwaland, visitando a Savane des Esclaves (reconstrução fiel do estilo de vida dos escravos), parapente, passeios à cavalo ou simplesmente um dia de lazer na praia.

A Martinica é em suma um retorno às origens, é o contato diário com uma natureza esplendorosa, é o encontro de homens e mulheres da ilha, é a experiência tão simples e tão rica de viver com o povo da Martinica, na Martinica.

Não hesite em alugar um carro e partir para a aventura! De norte a sul, as estradas estão em excelentes condições e é fácil encontrar o seu caminho.

Viver na Martinica

Você vai se surpreender com a diversidade de estabel-ecimentos e resorts oferecidos ao viajante.

Hotéis de luxo, moradias para alugar, hotéis-butique, alojamento privado, alojamento da França, apartamentos mobiliados: A Marti-nica oferece uma grande variedade para todos os bolsos! Seja qual for a forma escolhida, você vai desfrutar da hos-pitalidade e do encanto dos moradores da ilha para uma estadia que combina relaxamento e mudança de ares por completo.

10 razões para visitar a Martinica

1 – Uma mistura única da arte de viver do Caribe e da elegância francesa.
2 –
Uma população das mais calorosas
3 –
Atividades esportivas e de lazer ilimitadas
4 –
Normas de segurança européias
5 –
A baía de Fort-de-France faz parte do clube das baías mais bonitas do mundo
6 –
Uma fauna e uma flora únicas
7 –
Infra-estruturas de qualidade
8 –
Uma liberdade total de circulação pela ilha
9 –
Soluções de hospedagens para todos
10 –
Um patrimônio cultural rico e diversificado.

Fonte: www.martinica-brasil.com

Martinica

Martinica
Martinica

Colombo avistou Martinica em 1493, mas não ir a terra até que uma outra viagem em 1502. Naquela época, a ilha era habitada pelos índios Carib que já havia exterminado os aruaques. Colombo nomeou a ilha Martinica em honra de St. Martin. O francês chegou a afirmar a ilha e começar assentamento permanente lá em 1635. Eles começaram a cultivar cana-de-açúcar ea importação de escravos da África. Como as florestas foram desmatadas para dar lugar a plantações de açúcar, ferozes batalhas com os índios Carib seguiu. Com o Tratado de 1660, os caribes concordou em ocupar apenas o lado Atlântico da Martinica. Esta paz foi de curta duração, no entanto, e eles foram exterminados ou forçado a sair da ilha logo em seguida.

Em 1762, o Inglês ocuparam a ilha, mas ele retornou no ano seguinte, em troca de Canadá. Eles invadiram e segurou a ilha mais uma vez 1794-1815, quando foi devolvido ao francês. Em 1848, Victor Schoelcher, um ministro francês de possessões ultramarinas, convenceu o governo a assinar um Proclamação de Emancipação terminando com a escravidão no French West Indies. Em 8 de março de 1902, veio o desastre natural mais devastador na história do Caribe, o Mont Pelée vulcão entrou em erupção, destruindo a cidade de St. Pierre e ceifando a vida de todos, mas um de seus 30 mil habitantes. Como resultado, o capital foi movido permanentemente para Fort-de-France.

Cultura

Cultura local da Martinica é diversificada e bem desenvolvido, então não há muito para experimentar e celebrar na ilha. A bela L’Atrium desempenho centro de artes em Fort-de-France oferece teatro, dança e performances musicais em grande escala. Artistas locais apresentam em galerias por toda a ilha e alguns abrir seus ateliês (oficinas) para os visitantes.

Mais de uma dúzia de museus, cada um com uma personalidade distinta, oferecer aos visitantes uma oportunidade maravilhosa para explorar a história e patrimônio da Martinica. Os museus são pequenos, projetado para facilitar a visita, e estão espalhadas por toda a ilha. Alguns são dedicados a famosa ilha, como a imperatriz Josephine (Imperatriz), outros a eventos históricos, como a erupção do vulcão Mont Pelée e outros ainda à pré-história da Martinica, a abolição da escravatura, a produção de rum, etc

Compras

Os viajantes para Martinica irão descobrir algumas excelentes preços em perfumes franceses, cristais, jóias, moda e acessórios de grife, relógios e licores. Lembranças interessantes e itens da área incluem temperos, bonecas, artesanato feito de conchas e palha, bem como rum potentes.

Pintura e escultura de Martiniquais nativos, bem como immigrés podem ser encontradas em galerias e hotéis em toda a ilha.

A maioria das lojas, que atendem tanto aos visitantes como para os locais, estão abertos 8:30-18:00 de segunda a sexta-feira, e nas manhãs de sábado. Alguns perto para o tradicional 2-3 hora do almoço quebrar começando ao meio-dia ou às 13:00 h. Há um desconto de 20% em artigos de luxo pagos por cheques de viagem ou cartões de crédito em algumas lojas. Os viajantes vão encontrar boutiques em toda a ilha em hotéis e vilas, bem como na área da marina de Pointe-du-Bout. Há um grande e moderno centro comercial com muitas lojas e boutiques localizados perto Lamentin. O aeroporto lojas duty-free são geralmente abertos antes de partidas de avião.

Noite

Há cerca de uma dúzia de bons pequenas casas noturnas em Fort-de-France que enchem a noite com ritmos Zouk pulsantes ou jazz macio. Nos grandes hotéis, há bares de piano e tarde da noite discotecas, especialmente na área do resort Pointe-du-Bout. Alguns hotéis ao redor do recurso jantares dançantes e shows da ilha, incluindo apresentações de Les Grands Ballets de la Martinique e Les Balisiers, trupes profissionais talentosos jovens dançarinos, cantores e músicos. A idade legal para beber na ilha é de 18 anos.

Martinica tem dois cassinos, um em Pointe-du-Bout e outro em Schœlcher, perto de Fort-de-France (ambos abertos à noite 21:00-03:00 na manhã seguinte).

Eles oferecem a roleta e blackjack americano ou francês. É necessária a prova de identidade (por exemplo, passaporte válido ou carteira de motorista com foto).

Ambos os casinos cobrar uma taxa de entrada. Vestido é casual; não é necessário gravata ou paletó. Existem máquinas caça-níqueis em salões de beleza, fora das salas de jogos (sem taxa de inscrição). A idade legal para jogar é de 18 anos.

Fonte: www.caribbean-direct.com

Martinica

Origem da Ilha: Francesa

Idioma Oficial: Francês.

Martinica
Ilha da Martinica

A Martinica já se tornou famosa entre os caribenhos por sempre inspirar superlativos. Antes da chegada dos franceses à ilha, em 1635, Colombo já tinha falado sobre ela algo que passou para a história como “Esta é a melhor, mais rica, mais doce e mais charmosa ilha do mundo”.

Descoberta por Colombo em 1494, a ilha foi dominada por franceses desde 1635, e por apenas três curtos períodos de tempo teve seu território ocupado por ingleses.

Em 1946, a Martinica se tornou um departamento francês e sua estrutura política e administrativa passou a seguir os mesmos padrões dos demais departamentos do país. Em 1974, a Martinica foi elevada à condição de “região” francesa. Do norte montanhoso – com muito verde e extensas plantações de banana – às praias cercadas por corais da costa e às plantações de cana-de-açúcar ao sul; da sofisticação do Fort-de-France à simplicidade das vilas de Sainte-Luce e Trinité, a Martinica oferece grande variedade de atrações.

A capital da Ilha é Fort-de-France, uma cidade que se desenvolve em meio aos vales e à vegetação preservada da ilha, seus edifícios, a maioria deles históricos, têm as cores vibrantes dos trópicos. A agitação da capital é típica de uma cidade caribenha e cria um clima único, que mistura os sons franceses a um ritmo de vida animado e descontraído. É na capital que se concentram os melhores mercados, as melhores lojas, restaurantes e as diversões que a ilha oferece. Fora de Fort-de-France, o melhor que a Martinica oferece são belos jardins e pequenas vilas a beira-mar, algumas de interesse bastante especial como Saint-Pierre, criada no início do século, Saint Aubin, em estilo típico colonial e Pointe du Bout. Além de tudo isso, merecem destaque as belíssimas praias da Martinica, em especial a Plage des Salines.

Fonte: members.tripod.com

Martinica

Martinica
Ilha da Martinica

A Martinica, coração do Caribe

Essa ilha se situa nas Pequenas Antilhas, no coração do Caribe, entre a América do Norte e a do Sul. A Martinica faz parte dos departamentos franceses, assim como a Ilha de Guadalupe.

Para começar, resumiremos com 3 palavras a Martinica: insular, tropical e paradisíaca.

A Martinica e a culinária

Martinica rima com a produção de rum agrícola produzido a partir do suco da cana, ao contrário do rum industrial produzido a partir do bagaço. Combina também com o prato Colombo, um dos mais tradicionais da ilha, que trata-se de um ensopado de porco, cabra ou frango, temperado com uma mistura de especiarias chamada de Colombo, que inclui o Cury.

A Martinica, uma ilha que rima com a natureza

O mergulho permite descobrir faunas submarinas que estão entre as mais ricas e belas do planeta. Mergulhando, você poderá também visitar destroços dos navios de mercadorias da grande época comercial das Antilhas. Para quem gosta de andar, há diversas trilhas pra descobrir a natureza luxuriante da ilha, como pântanos, florestas tropicais, cachoeiras, etc.

Ilha vulcânica, a erupção da Montagne Pelée de 8 de Maio de 1902 arrasou Saint Pierre, a cidade a mais importante da região.

História e cultura são onipresentes

A cidade de Saint Pierre se desenvolveu graças ao comércio marítimo de açúcar e de escravos. O desenvolvimento notável da cidade levou-a a ser chamada de Pequena Paris ou Paris das Ilhas, a Pérola das Antilhas ou ainda Veneza Tropical. De fato, na época, Saint Pierre era a capital econômica e cultural de todas as Antilhas.

Cultural e intelectualmente, quando se fala em Martinica, um nome vem logo à mente: Aimé Césaire. Ele forjou o conceito de ‘‘negritude’’ em reação à opressão cultural do sistema colonialista francês.

O crioulo antilhês ainda está muito presente na ilha, onde ainda é falado.

Ilha de história, você poderá abordar a história do colonialismo e da escravidão e também entrar em contato com um mundo multicultural, onde as influências históricas, culturais, e religiosas são cruzadas.

A Martinica em resumo

“Île aux fleurs’’ ou ‘‘Ilha das flores’’, tradução do nome Martinica, resume essa ilha de belezas e riquezas naturais e de habitantes acolhedores. Um verdadeiro encanto para os olhos, para o paladar e para a alma!

De fato, a alegria de viver, as faunas e floras luxuriantes e o mar cuja ressaca ritima as horas, faz dessa ilha um verdadeiro paraíso na terra!

Léandre Panchaud

Fonte: www.universidadesfrancesas.com.br

Martinica

Martinica
Ilha da Martinica

Martinica, a França Gourmet do Caribe

A Ilha Caribenha com um toque francês, a Ilha das Flores, a Capital Mundial do Rum, A Ilha do Famoso Poeta (Aimé Césaire) – todos esses títulos são atribuídos à Martinica, um dos mais fascinantes e encantadores destinos turísticos no mundo; tão inesquecível quanto um romance de verão.

Escolhida como “Best Gourmet Island of the Year” em 2008 e 2009 pela revista Caribbean World Magazine , e, recentemente, como o Melhor Destino Caribenho pelo site de viagens About.com, a Martinica é um dos Territórios Ultramar da França que desperta as paixões pelas delícias da sua inconfundível culinária, beleza natural inspiradora, rica em cultura e história, sorrisos calorosos e muito mais.

A Imperatriz Josefine, primeira esposa de Napoleão Bonaparte, nasceu e cresceu aqui. Saint-Pierre, a Pompéia do Caribe, que fora destruída em 1902 pelo vulcão Monte Pelée, hoje dormente, está também aqui. A Rota dos Runs, um passeio pelas mais finas destilarias de rum, inspirada na famosa Rota dos Vinhos francesa, é mais uma oportunidade única daqui. Um lugar especial, por excelência, com tantas coisas a oferecer – a magnífica Martinica, isto é lindo!

Fonte: br.rendezvousenfrance.com

Martinica

Ilha no leste do Mar das Caraíbas que é uma região ultramarina de França. Embora a língua oficial seja o Francês, grande parte da população fala o Crioulo de Martinique.

A moeda é o Euro.

Área: 1.128 km2.

Habitada primeiro pelos Arawaks, depois pelos Caribos, foi descoberta por Cristóvão Colombo em 1493.

Pouco interessante para a Espanha, foi reclamada pela França em 1635, e desde então sempre foi francesa, salvo quando foi ocupada esporadicamente pela Inglaterra durante a Guerra dos Sete Anos e as Guerras Napoleônicas.

Fonte: www.sabores-da-india.net16.net

Martinica

Martinica
Ilha da Martinica

Martinica é uma ilha do Caribe que pertencem à França. É uma ilha que tem uma população de aproximadamente 500.000 habitantes, e a sua capital é Fort de France, onde vivem cerca de 100.000.

Na Martinica a moeda que se usa é, ao contrário de outros territórios franceses ultramarinos, o euro, o turismo é sua principal fonte de rendimento.

Desde 1635, esta ilha pertence à França e permaneceu sob domínio francês. Esta ilha, dominada por Vocan Pelee (a quase 1400 metros) é um dos destinos turísticos mais importantes que se encontra na França.

Martinica tem praias de areia branca, tem temperaturas tropicais, possibilidade de praticar atividades ao ar livre como caminhadas, ciclismo, windsurf, mergulho ou snorkeling, natação, tudo em um local incomparável, e recuperar forças calmamente degustando a sua ampla variedade de frutas tropicais.

A maior cidade de Martinica é Fort de France, uma cidade que concentra uma quinta parte da população da ilha.

Fonte: franca.costasur.com

Martinica

MARTINICA, UMA ILHA DAS CARAÍBAS

Martinica
Ilha da Martinica

A Martinica é uma ilha das Pequenas Antilhas, que  formam um arco a oriente do Mar das Caraíbas, separando-o do Oceano Atlântico. As Pequenas Antilhas ficam na zona de subducção entre duas placas tectônicas, a das Caraíbas e a da América do Sul, e incluem uma série de 18 vulcões, o mais famoso dos quais é a Montanha Pelada, situada precisamente no norte da Martinica. Destruiu a cidade de Saint-Pierre em 1902, causado um elevado número de vítimas. Outro vulcão é o chamado Soufrière Hills, na ilha de Montserrat, que teve uma violenta erupção em 1995.

A Martinica tem um pouco mais de mil e cem quilómetros quadrados de superfície, e mais de quatrocentos mil habitantes. Outrora a sua atividade principal era a agricultura, produzindo açúcar, café, e cacau para exportação.

Atualmente o turismo constitui a principal fonte de receita da ilha, graças às suas belezas naturais e ao encanto das suas cidades. Esta foi ocupada em 1635 pelos franceses, que em 1660 expulsaram os indígenas, e introduziram escravos africanos. A população atual é formada principalmente por crioulos, com cultura e língua bem características. Política e administrativamente a Martinica hoje em dia é um departamento ultramarino francês.

A capital da Martinica, atualmente, é Fort-de-France. Até 1902, foi Saint Pierre, cuja beleza e desenvolvimento lhe valeu ser cognominada como a Paris das Caraíbas. A erupção vulcânica ocorrida naquele ano destruiu a cidade completamente, e matou os seus 30 000 habitantes. Hoje é uma pequena cidade, belíssima como se pode ver na imagem acima.

Em Fort-de-France vive cerca de um quarto da população da ilha. A imagem acima dá uma ideia do seu movimento e das suas gentes. A história da Martinica é a de uma sociedade colonial, muito agitada e com períodos de grande violência. O seu desenvolvimento cultural parece ser muito significativo. Dois dos seus filhos foram Aimé Cesaire e Frantz Fanon. O primeiro, político e homem de letras, fundou com o senegalês Senghor e outros, o movimento político e cultural Négritude. O segundo, psiquiatra, filósofo e combatente anti-colonial , escreveu, entre outras obras, Os Danados da Terra.

João Machado

Fonte: aviagemdosargonautas.net

Martinica

Martinica foi descoberta por Cristóvão Colombo em sua quarta viagem em 1502. A ilha era habitada por índios indígenas que chamou a Martinica “ilha das flores”.

Durante o curso do 17thCentury Martinica foi colonizada pela “Compagnie des Iles d’Amerique”. Seu acampamento foi na costa norte ocidental no local que viria a se tornar a capital histórica Saint-Pierre.

31 de outubro de 1636, o rei Luís no dia 13 assinou um decreto autorizando o uso de escravos nas Antilhas Francesas.

Assim começou um intenso período de colonização, que acabaria por trazer o francês em conflito com os nativos do Caribe. Plantações de cana de açúcar foram construídas mais e mais no território nativos até os nativos foram erradicados em 1660.

O Império Inglês ocuparam a ilha durante quase todo o período 1794-1815, durante o qual a Revolução Francesa ocorreu.

Entre as mais famosas batalhas entre o Francês e Inglês no Caribe foi a batalha de Rocher du Diamant.

A Rocher du Diamont ou Diamond Rock é uma pitoresca ilha vulcânica, 176 metros de altura, ao largo da ponta sul da Martinica de frente para o mais tarde chamado de Diamante Beach. Um habitat protegido para muitas variedades de pássaros marinhos e conhecida por sua vida do mar é, acima de tudo lembrado por acontecimentos em sua história não muito distante.

Em 1804, desembarcaram 120 marinheiros ingleses que construíram um forte rocha, quartéis e arsenal. Eles chamaram o posto depois de um famoso navio de guerra britânico, “The Rock Diamante”.

Por quase um ano e meio, o Inglês assediado a marinha francesa, com fogo de canhão e ataques de surpresa como o francês tentou atravessar a passagem.

A situação acabou forçando os franceses a recorrer a um plano heterodoxo. O almirante francês para o Caribe enviou um Sloop carregado com Rum para a ilha. Os marinheiros ingleses, sua disciplina corroída pelo tempo e pelo seu próprio isolamento, consumiu o rum e, por padrão permitiu que o francês para retomar o posto estratégico.

A ilha foi oficialmente devolvido ao francês em 1845, quando após a guerra napoleônica, o império francês entrou em um período de relativa estabilidade.

Ao longo deste período, o comércio de escravos continuou. Mesmo durante a fase revolucionária, quando outra ilha, como Guadalupe aboliu a prática, o afluxo continuou, resultando em várias revoltas, sendo o mais notável em 1816 e 1848.

Em 1848, Victor Schoelcher, ministro francês dos territórios estrangeiros, aboliu a escravidão nas Antilhas Francesas, convencer o governo a conceder a Proclamação da Emancipação.

Martinica tem um outro evento verdadeiramente significativo em sua história, a erupção do Monte Pelée em 8 de março de 1902. A capital da ilha e que era então a cidade mais avançada das Antilhas, Saint-Pierre, foi totalmente destruído por um dos desastres naturais mais devastadores para ter ocorrido no Caribe, matando todos os seus 30 000 habitantes. A capital foi transferida para Fort De France, onde permanece até hoje.

Em 1946, Martinica foi concedido o estatuto de território oficial francês e tem sido considerada uma região francesa desde 1982.

AS PRAIAS

Praias do Atlântico Sul

Martinica com a sua “costa inexplorada é conhecido pela sua variedade de praias maravilhosas. Praias do sul da ilha são predominantemente branco ou areia dourada em contraste com as areias vulcânicas do norte, que vão do preto ao cinza claro.

Você pode gozar em cima isoladas, praias intocadas e não ver outra pessoa por quilômetro, aproveitar as praias desenvolvidos, com sua maior infra-estrutura e instalações, ou divertir-se em uma praia que oferece um compromisso de ambos. Há uma praia para toda a família, vamos mostrar-lhe apenas alguns exemplos para dar uma idéia das possibilidades …..

Sainte-Anne

O Anse Trabaud é uma praia deserta esplêndido, fora do caminho turístico habitual. Ele pode ser alcançado em carro percorrendo várias plantações e fazendas.

Há um pequeno custo adicional a ser pago aos proprietários a tomar este caminho.

Alternativamente, a praia pode ser alcançado a pé a partir da praia de Les Salines. Apesar de popular com a comunidade do surf a praia em si é relativamente despovoada e você tem certeza de encontrar o seu pequeno pedaço de paraíso.

Devido ao seu isolamento, você deve tomar a sua própria água potável etc

Cap Chevalier, Sainte-Anne

Devido aos ventos contínuos que dirigem contra o litoral, a Anse Michel é popular entre os surfistas e snowboarders divertidas também. Areia branca, coqueiros, rochas naturais piscinas rasas cheias de água turquesa suave fazem desta praia uma Meca para os moradores em uma tarde de sexta-feira.

Há vários restaurantes na área, muitos dos quais estão a uma curta distância da praia.

Como nas proximidades Anse Michel, esta praia de areia branca oferece piscinas naturais que se formam seu próprio Jucuzzi pessoal quando o mar está calmo. Passando por cima da virilha de rock no final da praia você vai encontrar areia ainda mais branco colocado para fora antes de você.

No início da praia, afastado uma pequena distância da areia, é um restaurante.

Apenas um mar lá curta distância é uma pequena ilha com praias de areia branca. A ilha dispõe de um cais em um pequeno porto permitindo barcos locais para levar aqueles que desejam explorar a ilha.

Devido aos visitantes infra-estrutura relativamente básicos da ilha são aconselhados a tomar a sua própria água com eles. Um piquenique na praia é ideal.

Cap Macré, Sainte-Anne

Entre Sainte-Anne e Le Vauclin, esta esplêndida praia de areia branca é praticamente deserta durante a semana. Tem árvores que crescem direito à beira da areia ‘em que você vai encontrar mesas de piquenique e um lugar para suspender a sua rede.

Você deve levar comida e água com você.

Cap Ferré, Sainte-Anne

A soberba praia virgem, banhado em águas azul-turquesa, e cercada por coqueiros. A praia pode ser alcançada apenas pelo pé, mas é uma viagem que você será mais do que recompensado.

Você deve levar comida e água com você, como esta praia foi deixada subdesenvolvidos pelos moradores e, como tal, não há instalações.

Le Vauclin

A distância considerável da área desenvolvida, alcançada apenas seguindo uma estrada de terra, a praia intocada do Grande Macabou. As águas da baía nunca são ainda maiores e as ondas ocasionalmente atingir a costa.

Não se esqueça de tomar água com você.

Le François

As ilhas Francois são ilhas vulcânicas, com areia branca e água esplêndido. Você vai precisar para organizar uma passagem de barco para chegar às ilhas e para experimentar a Baignoire de Josephine, um batismo de Rum.

Praias do Caribe Sul

Sainte-Anne

A longa praia com águas tranquilas faz deste um lugar ideal para quem tem crianças e nadadores interessados. É uma das praias mais desenvolvidos em termos de atividades e atrações.

Há muitos restaurantes e lojas.

Sainte-Anne

Les Salines é considerada uma das mais belas praias da Martinica. É uma longa praia de areia branca com belos mares calmos. Ocasionalmente, as ondas crescem a um nível que não é perigoso agradável, ideal para o corpo de surf. No horizonte pode ser visto a vizinha ilha de St Lucia.

Há restaurantes, lanchonetes, frutas frescas e vendedores de sorvete, bem como lugares para pegar algumas lembranças, trajes de natação e “Pareo” ou sarongs.

Sainte-Anne

Depois da praia de Les Salines continuar a sua esquerda e você vai encontrar um outro, embora muito mais tranqüilo, praia. Permanecendo relativamente intocado da praia, cortada por uma vegetação exuberante, continua a ser muito menos frequentada do que Les Salines.

Você deve ter cuidado com a corrente em Pointe des Salines, pois é onde o os oceanos Atlântico Caribe e conheça a criação de rasgos perigosos etc.

Há um pequeno restaurante situado à beira da praia.

Sainte-Anne

A bela, longa praia de frente para a baía com águas tropicais claras, ideais para nadar e relaxar. Atingido pelo seguimento de uma estrada de terra ou a pé, seguindo o litoral de Les Salines ou Sainte-Anne.

Tem aqui há restaurantes e bares que você são aconselhados a levar sua própria água e comida. Como sempre, você não deve deixar objetos de valor em seu veículo sem vigilância.

Rivière-Pilote

Uma vez que o ponto de carregamento para os barris de rum produzido pela plantação, ele foi transformado em um museu ecológico.

Hoje Anse Figuier é uma praia do Caribe característica com palmeiras, águas azul-turquesa e restaurantes aninhado na sombra que franjas da areia.

É uma praia relativamente popular, recomenda-se a não visitar mais movimentado no domingo. Há amplo espaço.

Sainte-Luce

A costa entre Trois Riviere e Sainte-Luce é pontuado por uma série de belas baías de areia clara. O Anse Mabouyas está escondido da estrada, embora seja um lugar ideal para nadar e mergulhar ou simplesmente para pendurar sua rede e desfrutar do seu próprio pequeno canto do paraíso.

Le Diamant

A longa praia de areia cinzenta, cercado por coqueiros é bastante popular. Preste muita atenção às correntes, por vezes, o mar pode ser muito enganador. Acima de tudo, os visitantes devem ver o pôr do sol com o Rocher du Diamont no horizonte.

A vila em frente à praia e lá podem ser encontrados muitos bares e restaurantes.

Les Anses d’Arlet

Grande Anse é uma bela praia de areia cinzenta banhada por águas calmas. É bem adequado para mergulho e natação. A baía, devido às suas águas calmas, é um local popular de ancoradouro para barcos.

Você vai encontrar vários restaurantes e lanchonetes, bem como lojas de souvenirs em frente à praia.

Trois-Ilets

Anse Noir, a única praia ao sul da ilha, com areia preta, é o mais popular para a abundância de vida no fundo do mar. Em contraste, a Anse Dufour, apenas algumas centenas de metros de distância, tem areia branca e brilhante.

Há um pequeno restaurante situado entre a vegetação à beira de Anse Noir, enquanto na direção de Anse Dufour é um restaurante que oferece vistas espetaculares ao longo da costa. Há também um pequeno bar-restaurante em Anse Dufour.

Trois-Ilets

Duas pequenas baías, rodeadas por coqueiros e encravado entre as montanhas, com praias de areia branca e mar tranquilo está perto do centro turístico.

Há hotéis que enfrentam a praia oferece vistas fantásticas e todos os confortos imagináveis.

Praias do Atlântico Norte

Península de Tartane

Enquanto as ondas na costa tornar a área popular entre os surfistas, a praia de Tartane é tranquilo e ideal para famílias ou para aqueles que querem apenas relaxar.

Bares e restaurantes são abundantes.

Península de Tartane

Localizado entre Tartane eo Castelo Duboc praia de Anse Bonneville também é conhecida como a praia dos surfistas, uma Meca para quem gosta de ondas grandes.

Áreas para piquenique ao longo da praia.

Sainte Marie

Entre Sainte Marie e Marigot esta é uma outra praia popular entre os surfistas.

Há um restaurante perto da borda da praia.

Praias do Caribe Norte

Le Precheur

O norte da ilha é caracterizada pela presença do vulcão, vegetação exuberante e praias de areia preta, onde no Verão tartarugas vêm para colocar seus ovos.

Não se esqueça de tirar sua máscara, snorkel e nadadeiras, o fundo do mar bonito não se pode perder.!

Atrás da praia é um restaurante bar que está aberto durante as férias.

Le Precheur

A praia de areia preta bonita, com coqueiros. Anse Céron enfrenta para a Ilet la Perle, uma ilha circular, popular entre os mergulhadores. Enquanto as praias é isolado é bem equipada com duche e WC, bem como mesas de piquenique.

Não pode ser encontrado na vendedores caminhadas ocasião.

Localização

Martinica é uma ilha do Caribe, que faz parte do pequeno Antilhas, um arco de ilhas que se estende desde as Ilhas Virgens à Venezuela.

As outras ilhas que compõem o pequeno Antilhas são as Ilhas Virgens, Guadeloupe, St Martin, St Bartholomew, Anguilla, Antigua, Montserrat, Dominica, St Lucia, St Vincent, Barbados, Granada, Trinidad e Tobago.

Martinica é uma ilha de origem vulcânica, com praias de areia branca, mar azul-turquesa, ricas florestas tropicais, clima ameno, com a brisa do mar suave e atmosfera descontraída.

Idiomas falados

A língua oficial é o francês da Martinica, embora os habitantes locais costumam usar crioulo entre si.

Inglês é falado muitas vezes com proficiência, especialmente nas áreas turísticas.

Independentemente da sua língua nativa, simpatia e disposição do local para ajudar a garantir que, com um pouco de esforço e um senso de humor nada pode ser alcançado.

Clima

Clima tropical da ilha tem duas estações distintas:

A estação seca, a partir de meados de novembro a meados de Maio, raramente tem quaisquer tempestades e temperaturas sempre agradáveis ??entre 29-29 ° Celsius. Durante este período, o clima é geralmente menos húmido e mais frio em contraste com o resto do ano.

A estação quente e úmida, a partir de meados de maio a meados de novembro. O “Alisei”, ventos de leste dominantes diminuir à medida que a estação progride, a chuva torna-se mais intensa e freqüente. Temperaturas atingem 30-31 ° Celsius durante a tarde.

Sobre a Ilha

Martinica é a segunda maior ilha das Antilhas francesas por área. Cerca de metade da ilha é coberta por floresta tropical, a maior parte do resto da ilha tem plantações de luxo de banana, abacaxi e cana-de-açúcar.

Os visitantes podem explorar pitorescas aldeias de pescadores e vilas movimentadas ricos com os sites crioulo, sons, cheiros e sabores que tornam a ilha tão memorável.

Cercada por um belo litoral arenoso, Martinica oferece uma infinidade de passeios para escapar de tudo o sinal de civilização.

Martinica, no entanto, não é apenas uma ilha para os amantes da natureza. História, a cultura da ilha e as pessoas combinam com sua beleza natural para fazer a “Ilha das Flores”, um lugar único para se visitar.

Geografia

Martinica é de aproximadamente 65 km de comprimento e 30 Km de diâmetro, 43% da área é coberta por floresta tropical. A ilha é repleta de montanhas, planaltos e montanhas íngremes. Formado por séculos de atividade vulcânica, o ponto mais alto da Martinica é o Monte Pelée, um vulcão ativo na ponta norte da ilha, chegando a 1.397 metros.

O norte montanhoso da ilha oferece florestas tropicais espetaculares, cachoeiras e trilhas para caminhadas . Areia preta vulcânica cobre as praias desta região apoiando pequenas aldeias de pescadores que a linha da borda da água.

O Pitons du Carbet, uma cadeia de montanhas espetaculares atingindo 1.207 m domina a zona central da ilha.

Para o sul da ilha, o clima é mais seco ea indústria do turismo floresce ao longo das praias mais espetaculares da Martinica. O interior é intensamente cultivado por campos e pastagens.

As principais cidades turísticas e aldeias são encontrados ao longo da costa sul ocidental, desde Ilets Trois de Sainte Anne, onde ele é o mais ensolarado e bem protegida das tempestades.

A ilha oferece suporte a uma rede de estradas bem conservadas que lhe permite visitar qualquer parte da ilha dentro de um par de horas a partir da capital Fort de France.

Lamentin é a segunda cidade mais importante na Martinica. O aeroporto, centro comercial internacional próximo e instalações tornam esta a parte mais densamente povoada da ilha.

Outros centros populacionais incluem Le Robert, Le Francois, Le Vauclin e Le Marin.

Fonte: www.martinicaonline.it

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.