Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Estados Unidos da América  Voltar

Estados Unidos da América

 

 

Os Estados Unidos é um país da América do Norte.

A capital é Washington.

A principal religião é o Cristianismo.

As principais línguas são o Inglês e o Espanhol.

As colônias Americanas da Grã-Bretanha romperam com a metrópole em 1776 e foram reconhecidas como a nova nação dos Estados Unidos da América após o Tratado de Paris em 1783. Durante os séculos 19 e 20, 37 novos estados foram adicionados aos 13 originais quando a nação se expandiu por todo o continente Norte-americano e adquiriu um número de possessões ultramarinas.

As duas experiências mais traumáticas na história do país foram a Guerra Civil (1861-65), em que uma União nortista dos estados venceu uma Confederação separatista de 11 estados escravos sulistas, e a Grande Depressão dos anos 1930s, uma recessão economica durante a qual cerca de 25% da força de trabalho perdeu seu emprego.

Fortalecidos pelas vitórias na Primeira e na Segunda Guerras Mundiais e o fim da Guerra Fria em 1991, os Estados Unidos permanecem a nação-estado mais poderosa do mundo. A economia é marcada por um crescimento constante, baixos desemprego e inflação, e avanços rápidos na tecnologia.  

Uma atividade favorita da "manhã" no ônibus espacial é assistir os primeiros raios do amanhecer varrerem do outro lado da borda leste dos Estados Unidos.

Os estados exuberantes do leste parecem surgir fora do Oceano Atlântico como um tapete verde. Quando a aurora avança sobre a América do Norte, ela ilumina as obscuramente arborizadas Montanhas Appalachianas, e então a curva linha marrom do Rio Mississippi.

Mais a oeste, a vegetação do estados centrais e do leste desvanece para o amarelo-marrom quando o ressequido Ocidente emerge à luz do dia. As irregulares Montanhas Rochosas são seguidas pela estéril Grande Bacia, em seguida, mais montanhas e uma franja de verde ao longo da costa do Pacífico. Ao norte, os picos nevados do Alasca chegam em direção à Ásia. Ao sul, na região central do Oceano Pacífico, as Ilhas Hawaianas tremeluzem como um colar de esmeraldas.

À noite, as tripulações do ônibus espacial desfrutam de uma visão muito diferente dos Estados Unidos. Teias brilhantes de luzes cintilantes irradiam das grandes cidades e das áreas urbanas. No interior do país, essas luzes da cidade parecem jóias isoladas num travesseiro de veludo preto.

Em ambas as costas do Atlântico e do Pacífico e em torno dos Grandes Lagos, o brilho se funde nas amplas faixas brilhantes da população. Estas luzes noturnas iluminam a paisagem humana dos Estados Unidos, onde a grande maioria dos moradores agora se agrupa em áreas urbanas.

Terra

Abrangendo as latitudes médias da América do Norte, os Estados Unidos sobem e descem ao longo de muitos enormes acidentes geográficos que ocorrem de norte a sul do Canadá ao México. A primeira massa terrena encontrada pelos exploradores e colonizadores Europeus foi a planície costeira do leste.

A Planície Costeira do Leste

Baixa e muitas vezes pantanosa, a planície costeira do leste se estende para o interior do Oceano Atlântico e do Golfo do México. Ela começa como uma estreita faixa de praia ao longo da costa rochosa do nordeste do Maine, e então é ampliada para uma ampla planície em torno da Baía de Chesapeake.

Esta planície fértil cobre a maior parte da Virgínia e da Carolina do Norte, grande parte da Geórgia, e toda a Flórida antes de dobrar a oeste através dos litorais do Golfo do Alabama, Mississippi, Louisiana e Texas. Offshore da planície costeira do leste, bancos de areia e ilhas formam uma franja quebrada que em lugares protege o continente do surf aberto do Oceano Atlântico.

A maioria dos rios do leste da Divisão Continental passam por esta planície costeira em seu caminho para o mar. Uma vez que entram nesta planície, os rios ficam lentos e ampliam. Suas embocaduras formam vastos estuários, pântanos e igarapés - mesmo vales profundos e inundados, como a Baía de Chesapeake.

Alguns dos rios criam novas terras despejando as suas cargas de lodo e areia roubados. Tal é o caso do Rio Mississippi - seu delta está se expandindo para o Golfo do México a uma taxa de 1 a 2 milhas quadradas (2,6 a 5 km²) por ano.

Antes da colonização Européia, grande parte da planície costeira plana e fértil era arborizada. Por volta do século 20, grandes áreas foram desmatadas para agricultura ou pavimentadas para abrir caminho para o desenvolvimento urbano.

Piemonte e Appalachians

Para o oeste, a planície costeira do leste eleva-se em uma região de colinas onduladas chamada Plateau do Piemonte. O Piemonte estende-se desde New Jersey para a Geórgia, e em seguida, inclina-se no Alabama. Esta região é drenada por muitos rios, alguns represados para criar reservatórios. É uma boa terra agrícola, com o algodão importante no sul e o tabaco e frutas no Atlântico médio.

Cidades, em vez de fazendas, passaram a dominar o Piemonte, a região mais populosa do Atlântico e dos estados do sul. Raleigh, Charlotte, Columbia, Atlanta, e Montgomery são algumas das cidades que fizeram do Piemonte o próspero centro de negócios do "Novo Sul".

O Piemonte, por sua vez, eleva-se para encontrar as encostas arborizadas do leste das Montanhas Apalaches. Como o Piemonte, os Apalaches são os antigos e desgastados remanescentes das mais antigas montanhas da Terra. Hoje, eles sobem não mais que 6.684 pés (2.039 m), com a maioria dos picos atingindo alturas apenas de menos da metade daquela altura. 

As Midlands

Interior dos Apalaches fica a verde Bacia do Rio Mississippi. Esta vasta planície - formada pelo Mississippi e os muitos grandes rios que o alimentam - cobre quase dois-quintos dos 48 estados continentais. O clima lá é úmido, e a terra é fértil e verdejante.

Como a maioria da América do Norte, as terras baixas do Mississippi já foram em grande parte florestas, dando lugar à pastagem da pradaria no Oeste. Por volta do século 20, as árvores e a grama haviam sido substituídas por culturas. Ao norte da Bacia do Mississippi ficam os Grandes Lagos - o maior grupo de lagos de água doce do mundo.

Cerca de 300 milhas (480 km) a oeste do Mississippi, a pradaria de grama-curta das terras baixas sobe para encontrar as Grandes Planícies. Embora elas pareçam bastante planas, as Grandes Planícies continuam a subir para mais de 6.000 pés (1.830 m) acima do nível do mar. Elas são de fato um platô elevado, de cuja borda oeste as Montanhas Rochosas sobem ainda mais alto.

As Montanhas Ocidentais

As Montanhas Rochosas são muito mais jovens do que os Apalaches. O tempo ainda não teve a chance de reduzir as suas alturas espetaculares ou alisar seus picos irregulares. Elas alcançam altitudes de 14.433 pés (4.402 m), e dominam Montana, Idaho, Wyoming, Colorado, Utah e Novo México.

Ao longo da crista das Montanhas Rochosas corre a Divisão Continental. A leste da divisão, todos os rios correm para o Mississippi ou diretamente para o Oceano Atlântico. A oeste do mesmo, elas fluem para o Oceano Pacífico. As encostas ocidentais das Montanhas Rochosas caem numa região de bacias secas e planaltos de 600 milhas (965 km) de largura.

O terço norte desta região é o Planalto da Columbia. Ele encontra-se em cima de uma fundação de milhas de profundidade de lava endurecida que cobriu o leste de Washington e do Oregon milhões de anos atrás. Muitos rios poderosos, como o Columbia e o Snake esculpiram vales profundos nestas queimadas terras altas.

Ao sul do Planalto da Columbia está a Grande Bacia, um vasto deserto que se espalha em toda a Nevada e no noroeste do Colorado, onde ele contém o Grande Lago Salgado. Inclinando sudeste da Grande Bacia está o Planalto do Colorado, um labirinto de mesas, pontas e canyons  cortados da vivida rocha colorida, o Grand Canyon sendo o mais famoso.

Juntos, a Grande Bacia e o Planalto da Columbia e o Planalto do Colorado formam uma região inter-montanhosa limitada a leste pelas Montanhas Rochosas e no oeste pela Cascades e Sierra Nevada. As Cascades derramam-se em Washington a partir da Columbia Britanica e se estendem sul para o norte da Califórnia. Muitas cimeiras das Cascades são vulcões extintos. Alguns permanecem ativos, o mais infame o Monte St. Helena, que irrompeu de forma dramática em 1980.

No norte da Califórnia, as Cascades dão lugar a Sierra Nevada, que corre como uma espinha dorsal através do estado para o Deserto de Mojave, no leste de Santa Barbara. A Sierra Nevada contém o pico mais alto dos 48 estados - Mount Whitney, com 14.495 pés (4.418 m).

As encostas ocidentais das Cascades e da Sierra afundam em uma região de longos e estreitos vales costeiros antes que a terra se eleve mais uma vez para formar as suaves Cadeias da Costa ao longo do Pacífico. Estes vales incluem a planície do Puget Sound de Washington, o Vale do Willamette do Oregon, e, na Califórnia, o Vale Central de 450-milhas (725-km) de comprimento.

Juntos, eles contêm alguns dos mais ricos terrenos agrícolas dos Estados Unidos. O Vale Central, em particular, produz uma riqueza de culturas, incluindo o algodão, frutas, grãos, nozes, beterraba e legumes.

Ao contrário das grandes planícies costeiras do Leste, o litoral dos estados do Pacífico é montanhoso. Em lugares como o Big Sur, Califórnia, as Cadeias da Costa literalmente caem no mar. Estas montanhas ocidentais contêm duas das mais ativas falhas de terremotos do mundo - a de San Andreas e a de Hayward.

As costas do norte da Califórnia, de Washington, e do Oregon são emolduradas por uma estreita planície costeira. Vastas florestas temperadas cobrem este trecho da costa, a casa da gigantesca e antiga árvore da madeira vermelha.

Algumas 2.500 milhas (4.020 km) a sudoeste da Califórnia encontram-se as vulcânicas Ilhas do Havaí, de que o Havaí e Maui são as maiores. Elas são os picos de uma cadeia de montanhas submarina que continuam a levantar-se do chão geologicamente ativo do Oceano Pacífico.

Diretamente ao norte das Ilhas Havaianas, um pouco mais de 2.700 milhas (4.340 km) de distância, está outra região geologicamente ativa dos Estados Unidos: o Alaska. As montanhas da costa sul do Alasca são a ponta norte da Cordilheira da Costa do Pacifico. Elas incluem o pico mais alto da América do Norte - o Monte McKinley, com 20.320 pés (6.194 m). Como as montanhas costeiras da Califórnia, esta região é geologicamente ativa e propensa a terremotos.

Bem ao norte, acima do Círculo Ártico, a Faixa de Brooks do Alaska forma o fim do sistema das Montanhas Rochosas. Entre os dois intervalos, a paisagem do Alasca é constituída por colinas e vales. O Alasca também abrange mais de 1.000 ilhas, muitas delas na cadeia das Aleutas, que se estende por todo o Mar de Bering em direção à Rússia.

A Paisagem Humana

Vendo sua nação a partir do espaço, os astronautas do ônibus espacial dos EUA não podem perder a marca indelével que os seus concidadãos têm feito sobre a terra. A partir do espaço, as principais rodovias do país destacam-se em gritante relevo.

Elas se estendem para fora de cada cidade como fios à costurar esta nação distante juntas em uma teia maciça e interligada. Também visíveis do espaço são as envelhecidas vias das ferrovias que originalmente ligavam os estados de costa a costa. Servindo o mesmo propósito hoje são os remendos amplos de concreto que são os aeroportos da nação.

No Leste, muitas cidades industriais se destacam como cicatrizes marrons na paisagem de outra maneira verde. O mesmo fenômeno oposto começou no Oeste.

No final do século 20, a irrigação extensiva virou cidades desertas como Tucson e Phoenix em luxuriantes oásis num deserto de outra forma marrom.

Clima

Uma nação tão vasta como os Estados Unidos é a certeza de ter muitos climas. Com exceção do Havaí, as temperaturas variam muito do inverno para o verão.

Os extremos de temperatura maiores ocorrem nas planícies dos estados do norte. Frio recorde de inverno de -39 °F (-39 °C) foi registrado em Dakota do Sul, onde o calor do verão chegou a 112 °F (44 °C). Em contraste, as temperaturas médias na Costa do Golfo variam entre 50 °F (10 °C) em Janeiro e um úmido 85 °F (30 °C), em Julho.

Várias tendências gerais descrevem o clima geral dos 48 estados adjacentes. Os invernos crescem mais se movendo para o norte. Assim, a temporada de congelamento é mais longa - cerca de 240 dias - ao longo do Golfo do México. Ele diminui a tão curtos quanto 120 dias em áreas ao longo da fronteira com o Canadá.

Os estados distantes do Havaí e do Alasca estabelecem os extremos climáticos da nação. Grande parte da Vertente Norte do Alasca mantém uma cobertura de permafrost durante todo o ano, ou o solo permanentemente congelado. O Hawaii, fora das suas regiões montanhosas, goza de um clima ameno o ano todo e uma temporada infindável de crescimento.

A precipitação, ou a neve e a chuva, também determina o clima de muitas regiões do país. Em geral, os estados do sudeste tendem a ser os mais chuvosos dos 48 estados adjacentes. Dali, o clima cresce mais seco de forma constante movendo-se norte e oeste em todo o continente.

A secura torna-se gritante nas Grandes Planícies. Mas os mais secos de todos são os vastos desertos que se encontram entre as Montanhas Rochosas e os intervalos ocidentais.

Uma exceção a esta tendência dramática na precipitação é a chuva-banhada do Noroeste do Pacifico. Lá, a maior precipitação no continente dos Estados Unidos - mais de 70 polegadas (180 cm) por ano, cria uma região isolada de frias e temperadas florestas tropicais.

O Alasca e o Havaí recebem ainda mais precipitação. Valdez, na costa sudeste do Alasca, recebe até 200 polegadas (500 cm) de neve a cada ano. Algumas partes das Ilhas Havaianas recebem mais de 480 polegadas (1.220 cm) de chuva.

Os Estados Unidos também experienciam a sua quota de tempestades extremas, nomeadamente furacões e tornados. A maioria dos furacões que atingem as margens dos EUA varrem a partir do Golfo do México, do Caribe ocidental, ou do Atlântico.

Embora o Sudeste seja geralmente o mais afetado, os furacões causaram destruição pesada tão ao norte quanto a costa da Nova Inglaterra e longe no interior. Em anos de padrões de clima alterados (como o El Niño), os furacões podem bafejar a Costa Oeste também.

Em nenhum lugar do mundo os tornados são tão frequentes ou tão ferozes quanto eles o são nos Estados Unidos, onde mais de 1.000 podem ocorrer a cada ano. Mais freqüentes na primavera e no verão, os tornados em um momento ou outro têm tocado abaixo em cada estado. Mas a grande maioria atinge através do "cinturão do furacão" que se estende através das Grandes Planícies e dos estados do sudeste.

A Riqueza da Terra

Os Estados Unidos são ricos em minerais, rumores dos quais atraíram os exploradores Espanhóis nos 1500s. Embora os Espanhóis não conseguiram encontrar o ouro - ele estava lá - juntamente com a prata, o cobre e o zinco - especialmente na Califórnia, Colorado, Nevada, e Dakota do Sul. Os diamantes estavam à espera de serem escavados a partir das colinas do Arkansas.

A riqueza mineral de natureza mais prática pode ser encontrada nas camadas de carvão do Wyoming e da West Virginia. No geral, a nação contém cerca de um quarto das reservas recuperáveis ??mundiais de carvão, e cerca de 30 por cento da oferta mundial de molibdênio, um elemento vital na produção do aço e de ligas metálicas.

Grandes quantidades de ferro sustentam o Minnesota. Petróleo foi atingido no Texas, em Oklahoma, e no Alasca; na costa da Louisiana; e sob e ao largo da costa da Califórnia. Há uma abundância de cobre no Arizona e em Nevada, chumbo no Missouri, potássio no Novo México, e fosfato, na Flórida. Estes minerais ajudam a construir uma nação próspera.

Vida vegetal e animal

Nos tempos modernos, a vida selvagem do país tornou-se menos uma fonte importante de alimentos, e mais uma fonte de prazer para seu povo. Os distintivos mamíferos da nação incluem o búfalo, os ursos pardos e pretos, leões da montanha, linces, lobos (reintroduzidos), coiotes, castores, e abundantes veados.

Seus pássaros nativos incluem uma variedade de águias, gaviões, e abutres; aves de caça, como perus e faisões; aves marinhas, de auks a andorinhas; e aves empoleiradas, de melros a carriças. Os Estados Unidos são uma casa de temporada da borboleta monarca.

Hoje, os animais nativos do país compartilham a terra com uma abundância de espécies introduzidas acidentalmente de outros continentes. Estas incluem tais aves comuns como o pardal Inglês e o estorninho, bem como o ubíquo rato da Noruega, a barata Alemã, e o destrutivo besouro Japonês.

A vida vegetal dos Estados Unidos é ainda mais variada do que suas criaturas. Antes da colonização Européia, vastas florestas de carvalhos, nogueiras, nozes, bétulas, e pinheiros esticavam-se ininterruptamente sobre grande parte das suas regiões leste e centro-norte.

A pradaria de grama-alta uma vez acarpetava a Bacia do Mississippi, com pastagens curtas nas Grandes Planícies. Abetos de Douglas, pinheiros e outras coníferas densamente cobriam todas as montanhas do oeste. Arbustos e cactos pontilhavam seus desertos. Florestas tropicais frescas envolviam sua costa noroeste. Selvas prosperavam no Havaí.

Hoje, as florestas ainda cobrem cerca de um terço dos Estados Unidos. Pastagens gramadas atapetam outro quarto. Desertos e florestas de sequóias agora estão protegidas dentro dos parques estaduais e nacionais, assim como grande parte da área das Ilhas Havaianas e do Alasca.

As espécies de plantas Americanas de nota especial incluem a árvore mais alta do mundo - a antiga sequóia, que ainda cresce ao longo da costa norte da Califórnia e do sul do Oregon. A Califórnia é também o lar da mais maciça árvore do mundo - a sequóia-gigante, que cresce nas encostas oeste da Sierra Nevada.

Os desertos do Arizona e do Novo México são a casa para o completamente belo cactus saguaro. A mais infame das plantas nativas do país pode ser o tabaco selvagem, primeiro cultivada pelos Americanos nativos da costa leste, e agora crescido e fumado em todo o mundo.

A Paisagem Cultural

O povo dos Estados Unidos há muito reconheceu as culturas distintas das muitas regiões geográficas da nação. New England, por exemplo, é visto como o bastião tradicional do frugal trabalhador "Yankee". O Sul é famoso por uma graciosidade compassada.

O Centro-Oeste é visto como conservador. O Oeste é "selvagem". Tais estereótipos surgiram de uma longa era na história dos EUA, quando suas regiões estavam fisicamente isoladas umas das outras.

Enquanto os Americanos ainda celebram as culturas tradicionais das suas regiões, as diferenças entre elas têm desaparecido. Em parte, isso se deve ao transporte aéreo acessível e às eficientes rodovias que agora enlaçam o país unido.

As tendências dos negócios também tiveram um efeito de "homogeneização" na cultura da nação. As distintivas empresas locais e as lojas do "pai e mãe" têm sido amplamente substituídas por "cadeias" nacionais com saídas virtualmente idênticas de costa a costa. Como resultado, os centros de compras e os shoppings de hoje se parecem iguais seja se estão em Atlanta, em Seattle, ou em Bangor, no Maine.

Mesmo em suas casas, os Americanos hoje compartilham de uma cultura popular comum criada pelos programas de televisão, filmes e publicidade distribuidos nacionalmente.Apesar dessa "nacionalização" da cultura, os Americanos ainda valorizam suas tradições locais e mantêm-nas vivas com festivais étnicos e a preservação dos bairros históricos.

Muitas das regiões da América são conhecidas por seus alimentos distintivos, maneirismos sociais e padrões de voto. A Louisiana ainda é conhecida pelo Mardi Gras, Chicago pela grande pizza, o Sul pela hospitalidade, e a Califórnia pelo estilo de vida descontraído.

Relativamente poucos Americanos vivem hoje toda a sua vida na região onde nasceram. De fato, os Americanos estão entre as pessoas mais móveis do mundo.

Pelo menos 10 por cento da população se move em um determinado ano. Esta mobilidade parece ter dado origem a um novo tipo de região Americana - aquela definida por um estilo de vida escolhido ou carreira. Os trabalhadores da alta-tecnologia, por exemplo, reuniram-se nos centros da indústria como o "Vale do Silício" da Califórnia e o Research Triangle Park da Carolina do Norte.

Aqueles em busca de diversão e brincadeira podem gravitar para o brilho do sul da Califórnia. Muitos aposentados migram para o sul do Cinturão do Sol, especialmente os estados de Arizona e da Flórida.

Mais distintivas, talvez, sejam as diferenças entre o estilo de vida das populações urbanas, suburbanas e rurais dos Estados Unidos. Durante séculos, os Estados Unidos foram uma nação rural, com a maioria de seu povo trabalhando em ou em torno de fazendas. Hoje, apenas 25% dos moradores permanecem nas áreas rurais. Aproximadamente 1 por cento realmente vivem em fazendas.

A nação é agora em grande parte urbana, embora o percentual de pessoas que vivem nos centros urbanos seja relativamente pequeno. Muitas pessoas vivem em subúrbios dentro de uma hora de carro das grandes cidades. Como resultado, a maioria dos Americanos dirigem hoje, em vez de andar, para trabalhar, ir à escola, ir ao shopping, e fazer esportes.

A poluição, o congestionamento do tráfego, e, para alguns, uma diminuição da qualidade de vida têm resultado desta prática. Assim, os governos estaduais e locais tomaram medidas para limitar a expansão urbana.

Estados Unidos da América

População

A história da população dos EUA começa com os seus povos nativos. Como todos os da América do Norte, a terra que é hoje os Estados Unidos se acredita ter sido estabelecida por caçadores que seguiram a grande caça como mamutes através do Mar de Bering da Ásia. Os especialistas acreditam que estes caçadores chegaram de 30.000 para tanto quanto 60.000 anos atrás.

Sempre que chegavam, os primeiros "Americanos" se espalhavam por todo o continente e formavam muitas nações. Quando os Europeus chegaram no século 16, havia tantas quanto 240 tribos distintas na América do Norte.

Os grupos tribais do noroeste do Pacífico incluíam os Tlingit, os Haida, os Bella Coola, os Salish, e os Chinook, que se estabeleceram ao longo da costa do Alasca ao norte da Califórnia. Lá, eles caçavam o salmão e reuniam o marisco. Eles esculpiam canoas e totens, construíam casas de tábuas, e comemoravam elaborados banquetes cerimoniais chamados "potlatches".

Os povos Washoe da Grande Bacia se agrupavam em torno do Lago Tahoe de Nevada. Ao Sudoeste viviam os Mojave e os Yuma, que reuniam alimentos ao longo das margens do Rio Colorado. O pacífico povo Pueblo construía aldeias ao lado do penhasco no Planalto do Colorado e no Vale do Rio Grande.

As tribos das Grandes Planícies nos deram a nossa imagem popular do "Índio Americano". Estes caçadores da grande-caça dependiam do bisonte para os alimentos, roupas e materiais para abrigo. Eles incluíam os Blackfoot, os Cree, os Ojibwa, os Cheyenne, e os Apache. Uma linguagem de sinais comuns permitia a muitas tribos se comunicarem apesar de suas diferentes línguas faladas.

Mais numerosos, talvez, foram os muitos grupos indígenas que viviam nas florestas do nordeste antes de colonização Européia. Suas línguas pertenciam a três grupos distintos: os Iroquois, os Algonquian e os Sioux. Suas aldeias tendiam a ser agrupadas em campo aberto perto da água, seja um lago, rio ou mar.

As principais nações do Sudeste incluíam os Choctaw e os Chickasaw do que é hoje o Mississippi e o Tennessee, os Apalachee do noroeste da Flórida, e os Cherokee e os Creek do nordeste da Geórgia e estados vizinhos. Todos tendiam a viver no interior, onde a caça e os terrenos agrícolas eram mais abundantes.

A Colonização Européia

A grande maioria da população da América de hoje é descendente de imigrantes Europeus que chegaram onda após onda sobre uma extensão de quase 400 anos. Os Espanhóis estabeleceram os primeiros assentamentos Europeus. Eles atravessaram o Rio Grande do México para estabelecer missões no Sudoeste.

Eles desembarcaram de navio ao longo de ambas as costas da Flórida.

Mas foram os Britânicos que forneceram a grande maioria dos colonos da América do início dos anos 1600s aos tempos Revolucionários. Muitos vieram em busca de liberdade religiosa, incluindo os Peregrinos de Plymouth Rock, os Puritanos da Nova Inglaterra, os Católicos de Maryland, e os Quakers da Pensilvânia. Um grupo de Protestantes Franceses chamados Huguenotes também vieram em busca de liberdade religiosa, e foram aceitos de Nova York à Carolina do Sul.

Outros primeiros colonos Inglêses vieram para o Novo Mundo para fugir da pobreza e agarrar a oportunidade para cultivar a sua própria terra. Outros ainda eram devedores e criminosos a quem foram oferecidos a oportunidade de começar de novo no Novo Mundo. A maioria destes colonos pagavam sua passagem, trabalhando por um número de anos para uma empresa de comercialização ou de nobres que financiavam a sua viagem.

Imigrantes contra a sua vontade

Nem todos os imigrantes para a América vieram de sua própria vontade. Os Africanos foram retirados à força de suas aldeias por caçadores de escravos e transportados através do Atlântico em navios negreiros. A primeira "carga" de Africano-americanos chegou a Jamestown, na Virgínia, em 1619, a bordo de um navio negreiro Holandês. A escravidão espalhou-se por toda a América do Norte. Mas tornou-se mais enraizada nas colônias do sul, que edificaram a sua economia nas plantações escravo-operadas. 

Uma nova onda de imigração Européia começou pouco depois das colônias ganharem a sua independência. Relatórios entusiastas de terra fértil e de liberdade ilimitada provocaram a "febre da America" ??na Europa.

Não por coincidência, foi também um tempo de grande agitação política e pobreza no Velho Mundo. Assim, entre 1820 e 1860, cerca de 5 milhões de imigrantes chegaram nos novos Estados Unidos. Nove em cada 10 eram Inglêses, Irlandeses, Escoceses, ou Alemães.

Após a Guerra Civil, um grande número de imigrantes chegaram da Itália, Polônia, Rússia, Suécia, dos Balcãs, e da Áustria. Os Europeus mais ao sul se estabeleciam nas cidades do leste. Os do norte da Europa tendiam para o Centro-Oeste.

Esta onda de migração, também acrescentou à diversidade religiosa dos Estados Unidos, aumentando o número de Católicos Romanos e introduzindo um número significativo de Judeus. Na mesma época, os Estados Unidos começaram a receber o seu primeiro grande influxo de imigrantes Asiáticos. No início, a maioria eram trabalhadores Chineses em grande demanda para construir as ferrovias.

Foi também durante o final dos 1800s que a Estátua da Liberdade foi erguida no porto de Nova York, um farol de esperança para o "anseio das massas reunindo-se para respirar a liberdade" no mundo.

Com cada onda de imigração, o povo dos Estados Unidos subia mais a oeste para estabelecer sua fronteira aparentemente interminável. Eles ajudaram a jovem nação a cumprir seu sonho do Destino Manifesto - a estender-se do "mar a mar brilhando".

A década de 1920 trouxe as primeiras grandes restrições ao que tinha sido a porta aberta dos Estados Unidos para os povos do mundo. A terra estava enchendo, e os moradores estabelecidos estavam crescendo em ressentimento pelos imigrantes que concorriam aos empregos.

O Congresso aprovou leis que restringiam o número de imigrantes autorizados a cada ano e fixavam quotas para cada país. Foi durante este período que a Ilha de Ellis se tornou o famoso ponto de entrada, onde os imigrantes mostravam seus documentos e provavam sua aptidão física para se tornarem residentes nos EUA.

De 1921 a 1965, as cotas de imigração muito favoreceram novos moradores do norte da Europa. Em 1965, o balanço foi alterado para permitir mais Europeus do sul no país.

Pelo final do século 20, o fluxo de imigrantes da nação tinha mudado mais uma vez. A maioria dos novos moradores vinham de outras áreas do Novo Mundo, principalmente do México e de Cuba. Os outros importantes países de origem dos imigrantes incluíam a China, Índia, Vietnã, El Salvador, Canadá e Coréia.

No início do século 21, os Americanos eram esmagadoramente Europeus em ascendência - cerca de 75 por cento da população total do país. Os grupos minoritários variam de estado para estado e de região para região.

Os Afro-americanos são a maior minoria, compreendendo cerca de 12 por cento do total. Os Asiático-americanos e os Americanos nativos totalizam quase 4 por cento e 1 por cento, respectivamente. Há mais de 35 milhões de pessoas de ascendência Hispânica.

Um povo tradicionalmente religioso, os Americanos também descrevem-se por suas denominações espirituais. Os Cristãos Protestantes compõem mais da metade da população, especialmente com grandes grupos de Batistas, Metodistas e Pentecostais.

Os Católicos Romanos compõem quase 37 por cento da filiação religiosa - 23 por cento do total. Judeus, Cristãos Ortodoxos e os Muçulmanos representam 3 por cento, 2 por cento, e menos de 2 por cento, respectivamente. Os Americanos professando nenhuma religião representam um outro de 7 por cento.

Segundo o censo de 2000, haviam 281 milhões de pessoas vivendo nos Estados Unidos. Quase 29 por cento tinham menos de 19 anos. Os de 65 anos ou mais atingiam 12,4 por cento. A idade média em 2000 foi de 35,3 anos.

Em Janeiro de 2000, o Census Bureau dos EUA previu que a população iria subir a partir dos então atuais 281,4 milhões para 463,6 milhões em 2070. Os Afro-americanos, e Asiáticos e das ilhas do Pacífico, totalizariam 14,9 por cento e 11,1 por cento da população, respectivamente.

Isso se compara com os 12,3 por cento e 3,7 por cento, respectivamente, em 2000. Os Hispânicos também foram previstos aumentar, para 132,5 milhões. Uns estimados 21 por cento dos Americanos seriam de 65 anos ou mais.

História

A história registrada do que é hoje os Estados Unidos começou com a exploração Européia no século 15. Na época, a América já era muito ampla, mas escassamente habitada. Seus povos nativos eram os descendentes dos caçadores pré-históricos que atravessaram o Pacífico da Ásia pelo menos 30.000 anos mais cedo. Esses povos indígenas não deixaram registros escritos e poucos monumentos salvos das misteriosas Great Mounds do Sudeste e as habitações no penhasco de Pueblo do Sudoeste.

Em 1492, Cristóvão Colombo chegou perto do que é hoje os Estados Unidos, desembarcando nas Bahamas a sudeste da Flórida. Em 1497, John Cabot explorou a costa nordeste até o sul do Delaware, reivindicando a terra para a Inglaterra.

Juan Ponce de León explorou a costa da Flórida em 1513, reivindicando-a para a Espanha. A Espanha também reivindicou o Sudoeste em 1540, quando Francisco Vásquez de Coronado atravessou o Rio Grande do México.

Os primeiros colonizadores da América do Norte chegaram em 1565, fundando a colônia Espanhola de St. Augustine, na Flórida. Em 1607, o Capitão John Smith e seus cavaleiros estabeleceram o primeiro assentamento Inglês, Jamestown, na costa da Virgínia. Uma década mais tarde, eles passariam a importar os primeiros escravos Africanos da América. Em 1610, os Espanhóis fundaram Santa Fé, no Novo México. 

Os Peregrinos desembarcaram em Plymouth em 1620 e foram salvos da fome em seu primeiro inverno por amigáveis nativos Americanos. Sua pequena colônia logo foi ofuscada pelo maior estabelecimento Puritano da Baía de Massachusetts.

Os Holandeses estabeleceram a Nova Holanda  no que hoje são Nova York e Nova Jersey em 1624. Mas por 1664, os Inglêses tinham tomado o controle de toda a costa Atlântica Espanhola para salvar a Florida.

Os Franceses, entretanto, tinham começado a explorar a extensão do Rio Mississipi e reivindicaram os Territórios da Louisiana em 1682. Os Russos atingiram o Alasca em 1741. Os Britânicos em grande parte expulsaram os Franceses da América do Norte durante a Guerra Franco-Indígena de 1754 a 1763.

O palco estava agora montado para a Revolução Americana. Os colonos já estavam irritados com o aumento de impostos e as restrições colocadas sobre eles por um governo a um oceano de distância. Mas os colonos ainda não pensavam em si mesmos como uma vasta nação.

Em vez disso, eles se viam primeiro como Virginianos ou da Nova Inglaterra ou Nova-Yorkinos. Em 4 de Julho de 1776, o Congresso Continental declarou a independência em nome das 13 colônias. Ele assumiu os poderes necessários para dirigir e vencer a guerra. Somente após a vitória em 1783 é que as pessoas viram a necessidade de um governo nacional forte.

Para o efeito, os pais fundadores da nação autorizaram a Constituição dos Estados Unidos em 1787, decretando-a em 1789. Só então o povo das 13 colônias começou a pensar em si mesmos primeiro como Americanos, os cidadãos de uma grande nação.

A nova nação dos Estados Unidos começou a crescer quase que imediatamente. Ela quase dobrou de tamanho em 1803, com a Compra da Louisiana. Logo depois começou o êxodo em massa do oeste dos nativos Americanos forçados a deixar suas terras no Leste.

A vitória dos EUA na guerra com o México em 1848 expandiu a nação para o Sudoeste. O século 19 foi também um tempo em que estados inteiros foram clareados de suas populações Nativas Americanas. A mais infame desses remoções forçadas foi a Trail of Tears (Trilha das Lágrimas), em que 15.000 Cherokees foram conduzidos a partir de suas casas na Geórgia em 1838. Milhares morreram de fome e da exposição no inverno brutal em seu caminho para os "Territórios Indígenas" em Oklahoma.

Nos 1800s, a escravidão se tornou um assunto polêmico. A luta entre o Norte e o Sul centrou em grande parte em torno de se os novos territórios  e estados do oeste seriam admitidos como regiões "livres" ou "escravas".

O compromisso manteve a União em conjunto até a eleição presidencial de 1860 de Abraham Lincoln, cujo Partido Republicano se opunha à escravidão em todo o território do oeste. Onze estados sulistas se separaram da União, e a Guerra Civil se seguiu.

De longe a mais sangrenta de todas as guerras Norte-americanas, a Guerra Civil viu de 600.000 a 650.000 mortes entre 1860 e 1865. A vitória do Norte reuniu a nação, concedeu liberdade a todos os Afro-americanos, e ampliou o direito de voto a todos os cidadãos do sexo masculino, independentemente da cor.

Ainda fôra negado o direito pleno da cidadania à quase a metade da população adulta: as mulheres da América. De fato, na maioria dos estados, uma mulher casada não poderia possuir propriedades ou mesmo reter seu próprio salário nos séculos 18 ou 19. Poucas eram autorizadas a frequentar universidades ou manter carreiras profissionais.

A luta pelo direito de voto das mulheres, ou "sufrágio", foi especialmente uma batalha longa e difícil nos Estados Unidos. (A maioria da Europa e o Canadá garantiram às mulheres o direito de voto antes deste ter vencido nos Estados Unidos).

O movimento sufragista começou no início dos 1800s, de mãos dadas com os protestos para acabar com a escravidão. Na década de 1840, as mulheres Americanas começaram a pedir ambos o direito de voto e os direitos iguais na educação e no emprego.

Em 1890, o Wyoming foi admitido na União como o primeiro estado em que as mulheres podiam votar. Por 1918, as mulheres puderam votar em 15 estados e tiveram representantes eleitos o suficiente para apoiar uma emenda constitucional que concedia os direitos de voto a todas as mulheres da nação. Em 1920, os Estados ratificaram a 19ª Emenda.

Durante este tempo, os Estados Unidos se tinham transformado em uma potência internacional e foram chamados em 1917 para ajudar a acabar com a Primeira Guerra Mundial. A próspera década que se seguiu àquela guerra terminou com a queda da bolsa de valores de 1929.

Com ela veio o início da Grande Depressão. O Presidente Franklin D. Roosevelt ajudou o país a se recuperar com uma grande variedade de programas públicos de ajuda e de obras. A recuperação econômica completa não veio até a Segunda Guerra Mundial.

Com a vitória dos Aliados em 1945, os Estados Unidos se tornaram a primeira potência econômica do mundo e uma importante fonte de ajuda financeira para a recuperação das nações. No entanto, logo se envolveram com a União Soviética Comunista em uma rivalidade militar de 40-anos  que ficou conhecida como a Guerra Fria - a qual implicou indiretamente na Guerra da Coréia e na Guerra do Vietnã.

A era da Guerra do Vietnã (1955-1975) foi também um momento de grande inquietação em casa. Martin Luther King, Jr., e outros Afro-americanos lideraram o movimento dos direitos civis. Um grande progresso foi feito no sentido da dessegregação do Sul e a restauração dos direitos de voto aos seus cidadãos Afro-Americanos.

O final dos anos 1980s e o início dos 1990s trouxe o fim da Guerra Fria quando a União Soviética se desintegrou. Em 1990, os Estados Unidos se envolveram na Guerra do Golfo contra o Iraque. O terrorismo internacional se tornou uma grande preocupação após os ataques sobre o World Trade Center em Nova York e ao Pentágono, em Arlington, Virginia, em 11 de Setembro de 2001.

Em 2003, os Estados Unidos travaram uma outra guerra contra o Iraque, que viu a derrubada do ditador Iraquiano Saddam Hussein. As últimas tropas de combate dos EUA foram retiradas do Iraque em 2010, com todas as forças dos EUA programadas para sair em 2011. A guerra no Afeganistão lançada em 2001, no entanto, permaneceu atolada em dificuldades.

Desenvolvimento econômico

Nos dois séculos após a sua independência, os Estados Unidos evoluíram de uma economia agrícola para uma superpotência industrial mundial.

No início da sua história colonial, a América fornecia matérias-primas como madeira e minerais para a Inglaterra, que era a grande potência industrial do mundo daquela época. Uma vez que essas matérias-primas eram fabricadas em bens, os colonos os compravam de volta. Esse sistema funcionou razoavelmente bem nos anos 1700s. 

Após a independência, os Estados Unidos tiveram que buscar novos parceiros comerciais. Os armadores da Nova Inglaterra logo começaram um comércio lucrativo com a China e mais tarde expandiram seu mercado para a Índia. O tabaco foi uma exportação muito importante.

O comércio interno também se tornou importante. Os agricultores do Sul vendiam seu algodão para as fábricas têxteis na Nova Inglaterra. Os "mascates Ianques" da Nova Inglaterra carregavam bens manufaturados para o Sul e mais tarde para o Oeste.

Desta forma, uma rede de transporte nacional tomou forma. De vital importância para este trabalho foi a construção de estradas através das passagens de montanha. O início do século 19 trouxe a idade do barco a vapor. O Rio Mississippi, seus afluentes, e muitos canais feitos pelo homem introduziram seu caminho através de grande parte dos Estados Unidos.

O maior triunfo da construção de canais nos Estados Unidos veio com a abertura do Canal Erie ligando o Leste com Ohio e a região dos Grandes Lagos além. Com a expansão do oeste veio a descoberta de ainda mais recursos naturais. A abundância da terra do carvão, ferro, chumbo e cobre provia enormes fábricas e usinas siderúrgicas.

No alvorecer do século 20, a vasta economia dos Estados Unidos era quase auto-suficiente. Seus agricultores e pecuaristas produziam mais da comida suficiente para alimentar as pessoas da nação. O algodão do sul e a lã do oeste proviam as fábricas têxteis do Nordeste. Os moinhos, por sua vez, forneciam pano para as fábricas de vestuário da Cidade de Nova York.

O carvão da Pennsylvania foi combinado com o ferro da Minnesota para fazer aço para as fábricas de automóveis de Detroit. Os produtos petrolíferos do Texas e de Oklahoma alimentavam os automóveis. O represamento de rios poderosos forneciam a energia hidrelétrica para grande parte da nação.

As poupanças dos trabalhadores Americanos proviam os bancos com o capital para apoiar novas indústrias e criar ainda mais empregos.

A tendência da América de crescimento economico sobreviveu a duas guerras mundiais e à Grande Depressão dos anos 1930s. Os anos pós-Segunda Guerra Mundial viram a criação do programa espacial Americano e as vastas indústrias aeroespaciais que elas ajudaram a gerar.

A crescente dependência do país do petróleo levaram à crise energética da década de 1970. Pela primeira vez em sua história, os Estados Unidos estavam usando mais petróleo do que produziam.

Quando outras nações produtoras de petróleo aumentaram seus preços, isso resultou na inflação que afetou todos os lares e negócios Americanos. Pelos anos 1980s, o país tinha mergulhado em uma recessão, com o desemprego subindo acima dos 10 por cento pela primeira vez desde a Grande Depressão. Ao longo da década de 1980, o governo federal operou em um déficit anual, gastando mais do que arrecadava e incorrendo em bilhões de dólares de dívida.

Embora a década de 1990 trouxesse o crescimento econômico prolongado e, pelo menos momentaneamente, um excedente orçamentário, o século 21 começou com uma desaceleração econômica. A economia então temporariamente melhorou, mas um grande déficit orçamentário havia retornado. 

Por 2008, o colapso do mercado imobiliário, as perdas de emprego, um mercado de crédito congelado, os declínios do mercado de ações e os crescentes custos médicos eram as principais preocupações. À medida que a economia piorava, os eleitores se voltaram para um candidato presidencial que parecia prometer uma nova forma de governar.

O Democrata Barack Obama foi empossado como o primeiro presidente negro dos Estados Unidos em 20 de Janeiro de 2009.

A primeira prioridade de Obama foi reverter a recessão economica. Em Fevereiro, o presidente assinou o Ato da Recuperação e do Reinvestimento Americanos (ARRA). Este pacote de estímulo de US$ 787 bilhões de dólares previa cortes de impostos, expansão de subsídios do desemprego, e o aumento dos gastos do governo. Apesar do estímulo, a economia dos EUA continuou em recessão pela maior parte de 2009, e a taxa de desemprego manteve-se elevada.

A economia começou a crescer novamente no final de 2009, mas o progresso foi lento e errático. Além disso, muitos problemas econômicos permaneceram sem solução, entre eles o elevado desemprego.

A administração Obama promulgou reformas de saúde, programas de estímulos econômicos e a reforma do sistema regulatório financeiro. Mas ela foi incapaz de ganhar o apoio bipartidário a seus esforços. Nas eleições de 2 de Novembro de 2010, o Partido Democrata manteve o controle do Senado, mas perdeu o controle da Câmara dos Deputados.

Ele também viu a sua maioria no Senado decrescer em seis assentos, e foi derrotado em várias disputas eleitorais. O presidente chamou as perdas de seu partido na eleição de um "referendo sobre a economia". Em 2011, ferozes batalhas políticas relacionadas ao grande déficit orçamentário do país e à maciça dívida externa revelaram as profundas divisões entre os Democratas e os Republicanos.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Estados Unidos da América

ESTADOS UNIDOS, MITO E NATUREZA

Os mitos são o produto da razão que procura explicar algum evento, são também o produto da imaginação, do desejo ou, talvez, do esforço por imprimir um matiz de fábula ao nosso passado.

Se viajar aos Estados Unidos da América movido pela estranha ambição de decifrar seus mitos, seguramente a decepção irá aparecer muito cedo. E não é que não seja possível navegar entre as narrações fabulosas ou lendas do passado deste país, que percebem-se nas construções, mansões e casas dos séculos XVIII e XIX mas, apenas é que os mitos nos Estados Unidos parecem ser fruto de um artifício, de um cenário de Hollywood, de alguma coisa muito bem elaborada, de uma emoção na que não cabem os meios termos: ou a gente é grandiosa ou desconhecida, como se fosse um grande parque de atrações.

Além do interesse e da beleza de muitos monumentos ou atrativos, como o Capitólio em Washington, o Museu de Arte Contemporânea de Nova Iorque, o Golden Gate de São Francisco, as Antigas Missões Espanholas em Califórnia ou o cativador rítmo de Nova Orleans, o verdadeiro tesouro dos Estados Unidos é a sua majestosa natureza, o maior espetáculo do mundo.

Uma natureza imensa, que procura pacientemente o seu lugar entre os mitos contemporâneos, no país dos sonhos e das possibilidades, sem dúvida, a grande esquecida dos viajantes, um tesouro escondido à espera de ser descoberto. Os espaços naturais não ficam reduzidos a Yosemite.

Yellowstone ou ao Grande Cano, mas à um fantástico tesouro, como podem ser os arredores do monte McKinley em Alaska, o Grand Teton em Wyoming, o Bryce Canyon em Utah ou o Parque Nacional O Gracier en Montana. São estas algumas das jóias da grande potencia, um feixe de possibilidades, um fascinante catálogo de atrativos naturais para desconcertar a razão, fazer vibrar a imaginação e para congelar os desejos e os mitos.

Convidamos-o a afundar neste mosaico de possibilidades, de sonhos, de alternativas, história, mitos e de uma natureza contemporânea, que supera com vantangem o passado dos Estados Unidos de América.

INFORMAÇÃO PRÁTICA

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Para os cidadãos espanhóis é preciso apresentar o passaporte vigente, passagen de ida e volta e preencher os formulários de entrada. Se a duração da estadia vai ser superior aos 90 dias, deve possuir um visto. Para os visitantes procedentes de alguns países não membros da Comunidade Européia, África e Hispânica-América, é necessário um visto.

Todas as pessoas deven preencher uma declaração da alfândega. Se a quantidade que pensa introduzir excede os 10.000 dólares deve declará-la para evitar problemas. Pode ser introduzido, livre de impostos, 200 cigarros, 100 charutos e 1 litro de vinho ou licor, mas está estritamente proibido introduzir alimentos frescos.

CLIMA

O clima dos Estados Unidos oferece importantes contrastes ao longo do país. Nos estados do sul, Califórnia, Arizona, Novo México e Texas os verões são quentes e os invernos frios. Nos estados compreendidos na costa Leste, o clima é do tipo continental, com verões muito quentes e invernos frios, e a umidade.

No norte da costa Oeste as temperaturas tendem à ser baixas e as estações muito curtas. No centro do país as temperaturas variam de uma zona para outra, dependendo da altitude do território. Quer dizer que as temperaturas são moderadas, com invernos muito frios.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

Se viajar na primaveirá ou no outono, é bom levar alguma roupa de abrigo leve e capa de chuva. Nos meses do verão, em algumas zonas, faz muito calor e a umidade pode ser sufocante. Não esqueça de levar uma capa, devido às baixas temperaturas dos ares condicionados. As roupas de algodão e sapatos cômodos é o adequado. Nos meses do inverno as temperaturas são baixas, pelo que precisa ir bem abrigado.

IDIOMA

Nos Estados Unidos o idioma oficial é o inglês, porém, não terá problemas de comunicação dada a quantidade de pessoas que falam espanhol, sobre tudo nos estados fronteiriços como o México e em cidades como Nova Iorque, Los Angeles, São Francisco, Miami ou Dallas.

RELIGIÃO

Devido à grande imigração, nos Estados Unidos estão presentes a maior parte das religiões. Pense só que Nova Iorque conta com mais de 3.000 lugares de culto. Porém, a maior parte da população é cristã protestante ou católica.

ELETRICIDADE

A voltagem em todo Estados Unidos é de 110-115 volts. 60 (Hz). As tomadas são de duas clavilhas planas, diferentes das européias. Precisa de transformador e adaptador para os aparelhos elétricos.

MOEDA E CÂMBIO

A moeda é o Dólar Norte-Americano, igual à 100 centavos. Existem moedas de 1 centavo (pennies), 5 (nickel), 10 (dime) e 25 (quarter) centavos. Ainda costuma-se encontrar moedas de 50 centavos (laf dolar) e de um dólar. Nas notas a denominação é de 1, 5 10, 20, 50 e 100 dólares. Todas as notas são da mesma cor e tamanho.

Nos aeroportos internacionais existem bancos e casas de câmbio (algumas abertas 24 h). Os bancos costumam estar abertos de segunda à quinta-feira de 10.00 a 16.00 h, sextas-feiras até 18.00 h. Sábados e domingos fecham, pelo que é aconselhável comprar dólares antes de viajar aos Estados Unidos ou, então, no momento da chegada, no aeroporto.

A maior parte dos cartões de crédito (Visa, Mastercard, American Express, etc), e os cheques-viagem, são aceitos em quase todo lugar. Existem também, numerosas caixas automáticas no país todo, onde dispõe de efetivo.

EMERGÊNCIA-SAÚDE-POLICIAMENTO

Não precisa de certificado de vacinas para entrar nos Estados Unidos. O número telefônico de emergência é 911 para chamar à polícia, bombeiros ou para pedir uma ambulância. A chamada é de graça. Nas pequenas cidades, o responsável de zelar pelas emergências é o sheriff, cujo número de telefone encontra-se nos listados telefônicos de cada localidade.

Nos casos de urgências médicas pode chegar-se a um dos inumeráveis hospitais de urgência. É recomendável viajar com seguro médico, já que a assistência sanitária costume ser cara. Existem numerosas drogarias em todo o territorio nacional, geralmente abertas de 9 á 18 h. e outras, 24 horas. No caso de perda ou roubo dos documentos de identidade, recorra à policia e ligue para o consulado.

CORREIOS E TELEFONIA

O serviço de correios é muito eficiente. Os locais estão abertos de segunda à sextas de 8.00 à 17.00 h. Sábados de 9.00 á 13 h. Domingos estão fechados. Em algumas cidades as centrais permanecem abertas as 24 horas. Os selos podem ser adquiridos em Correios e nas máquinas expendedoras automáticas espalhadas por diversos lugares,

A maior parte dos telefones públicos funcionam com moedas. A quantidade mínima para ligações locais é de 25 centavos. Os telefones aceitam moedas de 5., 10 e 25 centavos. Se deseja fazer uma ligação internacional pode marcar o 0 (operadora) onde indicar-lhe-ão o importe que deve depositar para os primeiros três minutos. Para maior infoirmação maque 0 e solicite uma operadora em espanhol. Para ligar Estados Unidos tem que marcar 00-1 e o prefixo da cidade.

FOTOGRAFIA

Nos Estados Unidos não existe problema nenhum para conseguir material fotogrâfico de todo tipo. Os preços, quanto à filme e revelação, são muito parecidos aos de Europa.

HORÁRIO COMERCIAL

Os comércios costumam ficar abertos das 10.00 às 19.00 h. sem interrupção. Alguns abrem, inclusive os final de semana. O horário de escritórios é de 9.00 á 17.00 h. Os museus e as galerias costumam fechar segundas.

GORJETAS

Nos bares e restaurantes o serviço não está incluido, de forma que o moço esperará uma gorjeta de aproximadamente uns 15% sobre a conta total. Aos taxistas costuma-se dar entre 10% e 15%. Para os carregadores das malas do hotel um dólar, aos do aeroporto 50 centavos por mala pequena e um dólar por uma grande. Em geral, os norte-americanos seguem esse costume, hábito que cumpre-se de forma regular.

TAXAS E IMPOSTOS

O IVA (Imposto sobre o valor anadido) grava a maior parte dos artigos e serviços. Não existem taxas nos aeroportos, por estar incluidas no preço da passagem.

SITUAÇÃO E GEOGRAFIA 
LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Estados Unidos é o terceiro país mais extenso do mundo. Seus 50 estados e um distrito federal, configuram uma extensão de mais de 9.000.000 de quilômetros quadrados. Estados Unidos tem fronteiras ao norte con Canadá, ao sul con México, ao oeste com o Oceano Pacífico e ao leste con o Atlântico. São 48 os estados que encontram-se na América do Norte e dois criados e agregados em 1959, separados dos continentes por Canadá, no caso de Alaska e pelo Pacífico, no caso do Hawai.

Mais de 245 milhões de habitantes vivem neste país, no que aprecia-se uma impressionante geografia e orografia. Ao leste e bordeando a costa Atlântica encontramos os Montes Apalaches, de modesta altitude, que conservam ainda evidências da glaciação quaternária.

Ao oeste, porém, encontramos os planaltos e cordilheiras importantes como as Montanhas Rochosas, Serra Nevada e Cascata Range. Esta zona caracteriza-se por conbinar alturas de 3.300 metros dos Montes Baker, os 4.300 do Rainier na cadeia das Cascatas ou os 1.300 e 1.500 do planalto da Grande Bacia, com profundas depressões como a do Grande Vale da Morte con 86 metros sob o nível do mar, com os lagos salgados como o Grande Lago Salgado, o Lago Utah e ou Lago Lahontan e com o maravilhoso deserto do Colorado.

Entre estas cadeias montanhosas encontra-se As Grandes Planícies de uns 2.500 quilômetros de largura, terras muito ferteis nas que a água faz-se imprescindível. A rede fluvial dos Estados Unidos está formada por numerosos rios de breve curso, mas caudaloso, porém, o Mississippi quebra este molde por ter uma bacia de 3.328.000 quilômetros quadrados e um comprimento de 3.778 quilômetros, que convertem-o, em um dos maiores rios do mundo.

Os seus afluentes, Missouri, Ohio e Arkansas e os rios Hudson, Michigan e Colorado são também importantes. O Mississippi e sua rede são navegáveis e supõe um meio de transporte, tanto comercial quanto para passageiros, básico para o país.

Esta rede fluvial comunica-se através de canais com os Grandes Lagos ampliando a comunicação também com o Canadá, já que estes cinco lagos de origem glaciar estão partilhados pelos dois países. Seus nomes: Superior, Michigan, Furão, Erie e Ontario.

As costas têm própria entidade dentro do país. As atlânticas são altas e suas enseadas como a do estuário do rio Hudson ou as da Bahia de Baltimore extendem-se até o cabo Hateras. No sul, transforma-se e ficam baixas com dunas de areias finas. A Península de Flórida tem o tipo de costa areiosa e conta com ilhotas coralinas (Flórida Keys) ao sul.

A costa do Golfo do México, porém, é pantanosa e tem como lugar caraterístico o amplo delta do rio Mississippi. O litoral pacífico distingue-se pelas águas profundas entre as que destacam a Bahia de São Francisco e o estuário do rio Columbia.

É claro, falando de costas, mar e praias, que Hawai merece menção a parte. Este Éden conformado por mais de 3.000 quilômetros de ilhas de origem vulcânica tem também praias paradisíacas, quatro vulcões ativos, na ilha do Hawai, e dois extintos em Maui. Destaca também Oahu, a ilha mais importante, onde está a capital, Honolulú.

E das costas ensolaradas hawaianas passamos as frias e geladas costas de Alaska. 1.530.700 quilômetros quadrados, ocupa esta península norte ocidental do continente americano. Suas costas são altas e escarpadas. Assim como o Mississippi percorre o centro da zona continental dos Estados Unidos, o Yukon e seus afluentes fazem o mesmo nesta península.

No sul encontram-se compridas cadeias montanhosas que contam com o cume mais alto do país, o Monte McKinley com 6.194 m. Também na zona ártica existem grandes maciços montanhosos como a Cadeia de Brooks. No sul e oeste da península destacam agrupamentos de ilhas conhecidas como as Aleutianas.

Além de Alaska e Hawai, apresentamos um listado de todos os estados continentais: Alabama, Arizona, Arkansas, Califórnia, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Colorado. Connecticut, Dakota do Norte, Dakota do Sul, Delaware, Distrito de Columbia, Flórida, Geórgia, Idaho, Illinois, Indiana, Iowa, Kansas, Kentucky, Luisiana, Maine, Maryland, Massachusetts, Michigan, Minnesota, Mississippi, Missouri, Montana, Nebraska, Nevada, New Hamshire, New Jersey, New York, Novo México, Ohio, Ocklahoma, Oregon, Pennsylvania, Rhode Island, Tennessee, Taxas, Utah, Vermont, Virginia, Virginia Ocidental, Eashington, Wisconsin, Wyoming.

FLORA E FAUNA

Estados Unidos é um país de contrastes e na sua fauna e flora também percebe-se. Podemos encontrar impressionantes bosques de coníferas na Região das Montanhas Rochosas, estepes e pradeiras nos Apalaches, as quais, com mais de 100 m de altura e de 15 à 20 m de circunferência na Califórnia, imensos campos de algodão na zona do Golfo do México, vegetação ártica nos cumes mais altos e todo tipo de cactus e plantas xerófilas nas zonas desérticas.

No comprimento e largura do território podemos aspirar o cheiro balsâmico dos bosques de abetos nas zonas ao redor do rio Hudson, passearmos entre ácers, carvalhos, olmeiros, nogais, castanheirás, faias e tilos na zona ocidental, sentarmos sob uma imensa sequoia, enquanto admiramos os chaparrais em Califórnia, contemplar um amanhecer entre os abetos vermelhos de Washington e depois caminhar entre artemisias, pinheiros, zimbros e carvalhos em Orégon.

O deserto oferece sua particular beleza e as plantas que lá encontram-se recolhem a escassa água que a chuva proporciona para sobreviver o ano todo. Se você for visitar a zona seca vai achar que, além dos grandes cactus, é impossível que lá exista outro tipo de vida vegetal.

Porém, se você tem a sorte de visita-lo durante a breve época de chuva, não vai ser capaz de reconhece-lo, já que as sementes ocultas sob o terreno esperaram durante meses essas gotas que permitem-as florescer, para emergir em um estouro de beleza e colorido difícil de esquecer.

A fauna é também muito variada. Na zona oriental podem-se ver cervos e alces, porém é na zona ocidental onde encontramos uma maior variedade de animais tão representativos como os coiotes, bisões, onças, linces, ratos-cangurus, lobos azuis, ursos ou veados.

Pode-se encontrar também, numerosas aves aquáticas tanto na zona dos Grandes Lagos quanto nos rios e costas. As rapozas, como corujas, falcões e águias convivem con os répteis. Merecem menção especial os jacarés e as cobras.

Nos desertos pode-se encontrar todo tipo destes animais que significaram a perdição da humanidade segundo algumas lendas. Porém, se você consegue vencer a repulsa que ancestralmente sentimos, às pessoas por estas espécies de sangue frio, poderá desfrutar de uma das maiores mostras de todas as cores, tamanhos e caraterísticas que podem ser vista hoje.

A estrela é, sem dúvida, a cobra cascavel, sempre presente nos filmes bangue-bangue e que recebe o seu nome pelas placas corneas que leva na cauda, e que emitem um som muito parecido ao da cascavel, que pode levar um gato.

Se tem a oportunidade, não deixe de visitar o maravilhoso Parque Nacional de Yellowstone. Embora, o urso Yogui e Bubu não vão-lhes roubar a sacola da comida, pode reencontrar a natureza em seu estado mais puro: geiseres, vulcões de barro, bosques petrificados, lagos, cursos de água e cachoeirás.

Lá encontra-se também a maior reserva de bisões americanos existentes. Estes animais caraterizados pelo forte desenvolvimento da parte anterior do tronco, con uma corcunda na parte superior do pescoço e cachos um pouco à cima das órbitas, são um espetáculo realmente formoso por si mesmo.

Neste entorno natural, é muito fácil imagina-los correndo pelas pradeiras perseguidos pelos índios, já que foram sua principal fonte de sobrevivência e, também, o animal mais adorado por eles. Os bisões americanos são um símbolo de liberdade e de força e, embora tenham corrido um sério perigo de extinção, o Parque Yellowstone permitiu-lhes sobreviver e constituem um autêntico presente para a humanidade.

HISTÓRIA

A descoberta de América em 1492 permitiu que os europeus vissem a possibilidade de começar uma nova vida em um território virgem e absolutamente não explorado. Enqanto a conquista da América do Sul foi chefiada por nobres que reproduziram o sistema classista existente nas metrópolis, e cujo fim primordial era voltar a ela com grande fortuna pessoal, a América do Norte supos uma nova oportunidade para pessoas de toda condição, sobre tudo aqueles considerados como desgraçados no seu país de origem e que não podiam voltar. É por isso que consideraram desde um princípio, este novo território, como seu lugar de residência.

A Colonização e a Independência

Os primeiros conquistadores de América do Norte chegaram no século XVI. As tribos indígenas, únicos habitantes até esse momento, viram aparecer aos poucos espanhóis na Flórida e Califórnia, franceses desde o Golfo do México até os Grandes Lagos, holandeses no Vale do Hudson e ingleses em toda parte, sendo estes últimos os vencedores nesta carreira por ocupar novas terras. Em 1607 cria-se a primeirá colônia britânica, em Virgínia, expandindo-se rapidamente ao resto do território.

Este tipo de organização em colônias favoreceu a criação das bases de uma nova ecomomia que, con o passar dos anos, foi florescendo até ser tão importante, que as relações con a Grã- Bretanha mais do que favorecer, prejudicavam-lhes.

Os habitantes das 13 colônias sentiam-se independentes e a subida das taxas e as novas restrições econômicas que a mãe pátria tentou impor-lhes logo depois da guera franco-inlgesa concluida em 1763, não fizeram mais que piorar a situação, gerando maior descontente entre a população. O problema foi madurando e em 1774 os colonos reuniram-se no Congresso de Filadélfia para afirmar o seu poder exclusivo para levar os assuntos das colônias.

Esta decisão provocou os primeiros confrontos armados entre ingleses e norte-americanos, sendo nomeado Washington comandante do exército colonial. Dois anos depois, depois da batalha de Bunker Hill e a ocupação de Boston, o Congresso, formado por representantes das 13 colônias, adota o 4 de julho de 1765 a Declaração da Independência. Sete anos tiveram que passar para que Grã -Bretanha decidir assinar a Paz de Versalhes, a qual renunciava aos territórios entre os Alleghjeny e o Mississippi, enquanto conservava Canadá.

As treze colônias tinham triunfado, porém, um período de incerteza política começava. Porém, a Convenção de Filadélfia em maio de 1787, com a proclamação da Constituição, sentava as bases para que, em 1789, nascessem os Estados Unidos da América, sob a presidência de George Washington, pondo fim a todos os temores.

Liberais e Conservadores

As décadas posteriores serviram para consolidar tanto o recentemente estreiado poder político como a nascente ecomomia. Assim mesmo, os norte americanos tomaram consciência de que não poderiam ocupar um lugar próprio nas relações internacionais.

A compra de Louisiana à Napoleão em 1803 é uma boa mostra disso. Em 1845 admite-se Texas como estado e logo surge a guerra com o México, 1846-48, incorporam-se Califórnia e Novo México.

Enquanto a União vai crescendo, também faz o próprio a economia, porém, con diferenças fundamentais entre os estados. Os do Norte desenvolvem aos poucos uma indústria importante, enquanto os do Sul dedicam-se fundamentalmente à agricultura com os escravos pretos como mão de obra gratuita e essencial.

Também politicamente vai-se diferenciando. Os do Sul são conservadores, enquanto que, os do Norte são liberais e apoiam a abolição da escravatura. Estas diferenças vão-se aprofundando sobre tudo quando os países abolicionistas, sob a presidência de Lincoln negam-se a devolver os escravos que conseguiram escapar para o Norte.

Assim, em fevereiro de 1861, os sete estados sulistas constituem sob a presidência de J. Davis os Estados Confederados do Sul, provocando o estouro da guerra civil. Lee e Jackson ao mando das tropas sulistas conseguem, nos primeiros anos da briga, avanços importantes, mas o General Grant consegue detê-los em Gettysburg em 1863 e finalmente, derrotar-os um ano após em Appomattox.

Esta guerra teve importantes repercussões. O Sul viu divididos seus enormes latifúndios em pequenas chacras ao estilo do Norte, dando origem ao Ku Klux Klan, já que as diferenças entre escravistas e abolicionistas não foram superadas. O Norte, graças as medidas de apoio do Governo, conseguiu uma importante decolagem econômica.

Desde todos os estados foi potenciada a conquista do Oeste sem levar em conta aos primeiros povoadores destes territórios, os índios, que foram derrotados definitivamente em 1890 e os sobreviventes confinados em reservas.

Desaparecido o último problema, os norte americanos dedicaram-se a crescer econômicamente e, realmente, fazem-no muito bem, tanto que ao redor de 1894, o mercado interior começa a ficar pequeno e planteam-se a necessidade de sair para o exterior. Também nestes anos surgem os primeiros conflitos trabalhistas, chegando-se inclusive ao derramamento do sangue em uma manifestação em Chicago, em 1 de maio.

Princípios do século XX

A decolagem internacional não faz-se esperar e já a finais do século XIX os Estados Unidos tem sob a sua área de influência Porto Rico, Cuba, Filipinas, Guam, Hawai e Samoa. Rooselvet no ano 1901 consegue, unindo a diplomacia e o apoio econômico, o predomínio norte americano sobre América Latina. Quanto as medidas interiores, consegue-se moderar o imenso poder dos trust e associações trabalhistas, reduzir os impostos protecionistas e favorecer aos agricultores.

Ao explodir a Primeira Guerra Mundial, Estados Unidos converte-se no principal fornecedor de armas e alimentos para Inglaterra e França, porém a sua neutralidade desaparece con a guerra submarítima mantida pelos alemães que torpeavam todo barco que encontravam nas águas internacionais. Assim, em 1917 os Estados Unidos intervieram ativamente na guerra sendo um fator decisivo para a vitória, um ano mais tarde.

Depois da Segunda Guerra Mundial

A economia norte americana sofre um grave problema com o famoso Crack de 1929, que provocou a caida dos preços e milhões de desempregados e, segundo conta a lenda, milhares de suicídios. Franklin D. Roosevelt foi o encarregado de concertar a situação depois da sua eleição em 1933.

Também Roosevelt teve que enfrentar a Segunda Guerra Mundial, e embora também no princípio prefiriu a neutralidade, o ataque japones à Pearl Harbor, em 7 de dezembro de 1941 obrigou aos norte-americanos a implicar-se ativamente nesta guerra que tem como desgraçada efêmeridade a utilização pela primeirá vez na história da bomba atômica. Hiroshima e Nagasaki viram em 6 de agosto de 1945, como tudo desaparecia sob a grande bola de fogo lançada pelos norte-americanos.

A pós-guerra caraterizou-se pela luta contra o bloco comunista com a utilização das armas atômicas como velada ameaça usada pelas duas partes, iniciando a chamada "guerra fria".

A sociedade norte americana testemunha emocionada em 1963, o assassinato do Presidente de mais carisma do século XX, J. F. Kennedy. Os anos posteriores estão marcados pela Guerra do Vietnã e pelo Watergate que provocaria a demissão do Presidente Nixon que, embora este escandalo, tivesse a habilidade suficiente para achar uma solução para o conflito vietnamita.

Seguindo a linha diplomática Jimmy Carter consegue, que Egipto e Israel estreitassem as mãos na assinatura dos tratados de Camp David em 1979. Este ano é também o ano da invasão russa no Afganistão, piorando ainda mais a já muito deteriorada guerra fria. Este período tenso entre o bloco comunista e o capitalista finda com a queda do muro de Berlim e a abertura dos Paises do Leste.

Só a Guerra do Golfo e a Guerra Civil na Iugoslávia empoeiraram o panorama internacional. Porém, uma vez mais os Estados Unidos tiveram um papel básico na resolução destos dois conflitos.

ARTE E CULTURA

A variedade de culturas que existe nos Estados Unidos devido à forte imigração que sofreu desde as origens, tem servido para enriquecer enormemente a sua arte e, embora cada cultura tem suas próprias caraterísticas, os norte americanos souberam aglutiná-las até conseguir um estilo próprio.

Arquitetura

Período Colonial, de clara influência inglesa, clássico e muito simétrico nas proporções. A Boardman House em madeira é um bom expoente e como construção em alvenaria destaca a Igreja de Santa Lúcia em Virginia. Percebe-se um aumento no interesse pela orivessaria e a mobília.

Período Republicano. Este período supõe um aleijamento do sóbrio estilo inglês para acusar fortes influências francesas decorativas, como da para ver-se nos móveis de D. Phyfe. Também aprecia-se o decolar da arquitetura propriamente americana, devido fundamentalmente à profissão de Thomas Jefferson, que era arquiteto. Este decolar combina-se com o neo-classicismo europeu. O neo-gótico tem seu próprio espaço, a Catedral de São Patrício, é uma boa mostra.

A Escola de Chicago consegue a autonomia da Europa e o lançamento de uma arquitetura norte americana propriamente dita. F. L. Wright, o mais importante representante da arquitetura contemporânea mundial, é quem formula a necessidade de que as construções fiquem integradas no ambiente cultural em que vai desenvolver-se o projeto. Destacam, também, as obras de Neutra, Gropius, Miles van der Rohe, Saarinen e Le Corbusier.

Pintura e Escultura

A escultura consegue desenvolver-se como nativa e importante só neste século e sempre com escultores vanguardistas como D. Smith, S. Lipton ou Louise Nevelson. A. Calder destaca pela sua originalidade e a viveza de suas criações. Somente um escultor destacou-se na segunda metade do século XVIII, W. Rush.

A meados do século XVIII começam aparecer pintores com boa fama embora que no princípio seguem a traços originais, reforçados por J. S. Sargent e J. Whistler. Os grandes movimentos europeus como o impressionismo, cubismo, expressionismo e dadaismo, têm grande influência de novo na pintura norte americana, porém J. Marín consegue quebrar esta linha com seu próprio estilo puro e de grande força lírica.

Durante a pós-guerra a pintura norte americana começa a ter peso específico e a influir na Europa. J. Pollock, con uma pintura informal de grande força e o expressionismo abstrato de Hans Hoffman são seus máximos expoentes.

À partir de 1955 destaca o pop-art que oferece as bases para o hiper-realismo. Não podemos esquecer os móveis de A. Calder, mistura de pintura e escultura, dinâmicos e perfeitos para os espaços abertos. O último, a arte conceitual do body art e o land art.

Se tiver oportunidade não deixe de visitar os numerosos museus do país. Estados Unidos tem uma grande mostra da arte, em seu mais amplo senso e, aconselhamos a vistar todos aqueles que possam resultar-lhe interessantes.

Entre muitos outros destacamos o Museu de História Natural de Denver, o Museu do Holocausto de Washington e o Metropolitan Museum of Arts em Nova Iorque, que contém obras de Picasso, Rembrandt, Rafael ou Tiziano, impressionistas e expressionistas europeus e esculturas de Rodin.

As 250 salas contém uma das melhores mostras tanto da arte clássica como moderna. Também pode-se ver Arte Primitivo Africano, das Ilhas do Pacífico ou de Arte Pré-colombiano. Egito ocupa um lugar preferencial com 30 salas.

No Museum of Modern Art em Nova Iorque poderá contemplar o melhor da vanguarda unido a obras de Matisse, Momdiam ou Picasso e os melhores quadros pintados desde 1800 até hoje.

Guggenheim Museum em Nova Iorque. Kandinsky, Chagall e Pollock são artistas destacados em uma estupenda coleção de arte moderna e o Museu da Ciência, em Chicago.

Literatura

Em Literatura começa um período de criação própria partindo da Independência. A estética que Edgar Alan Poe coloca ao escrever as suas aventuras unem-se à fé e ao desespero de Melville e Whitman. A Cabana do Tio Tom de Beecher Stowe tem um lugar próprio na literatura norte americana, como um claro expoente contra a escravidão.

Também tem um lugar próprio a poesia de Emilia Dickinson. Já na primeira metade deste século escritores tão diferentes como Jack London, Th. S. Elliot, Scott Fitzgerald, John Dos Passos e, como não, Hemingway, Steinbeck o Faulkner junto com outros muitos, conseguiram que a literatura americana começasse a ser a preferida por milhões de leitores no mundo todo.

Linha que souberam manter depois da Segunda Guerra Mundial, T. Capote, Paul Bowles, W. Burrougs, H. Miller, entre outros. Ultimamente os best-sellers tiveram grande sucesso, Love Story de E. Segal, O Padrinho de Mario Puzo ou A. H. Haley com Raizes são talvez os mais conhecidos, já que seu encenamento no cinema ou como série de TV aumentaram consideravelmente a sua popularidade.

Teatro e Cinema

O Teatro norte americano começou a desenvolver-se à partir de 1920 com autores do timbre de O’Neill, C. Odets, R. Sherwood, G. S. Kaufman e J. Barth ou D. Barthleme em comédia sentimental e, como não, Tennesee Williams e, mais atuais, Sam Shepard e Edward Alby.

Broadway, em Nova Iorque, é conhecida por ter na sua avenida mais de 80 teatros e embora atualmente a produção e a qualidade tenham descido, seguem sendo representadas obras mundialmente conhecidas como Cats ou Os Miseráveis, que posteriormente são adaptadas e levadas à cena nas principais capitais européias.

O conhecido como Sétima Arte, o Cinema, merece ocupar um lugar dentro deste apartado. As produções do cinema norte americano podem ser vistas em qualquer lugar do mundo. Desde o cinema mudo de Charles Chaplin ou Harold Lloyd, verdadeiras jóias que continuam à fazer as delícias dos amantes desta arte, passando pelo branco e preto.

Quem não lembra Casabranca ou o Falcão Maltesse, até as grandes produções a cores como Cleópatra, a Trilogia da Guerra das Galáxias ou Apocalipse Now, Estados Unidos tem criado escola no cinema, os grandes estúdios como a Paramount ou a Universal souberam transladar os sonhos de todos os habitantes do planeta, inclusive dos mais remotos e inóspitos, em imagens através do celuloide.

As crianças do mundo todo sabem quem é Mickey Mouse ou Pocahontas e o responsável por isso é Walt Disney que teve o dom de dar vida aos desenhos animados conseguindo que ratos, patos ou cachorros deixassem de ser simples animais para convertí-los em seres com personalidade própria. A Cerimônia dos Oscars tem convertido em um evento mundial seguido por milhões de pessoas no mundo todo.

ESTADOS UNIDOS - LOCAIS TURÍSTICOS

Os lugares turísticos dentro dos Estados Unidos são inúmeros. Faremos um breve percurso por alguns dos Estados, destacando os mais representativos de cada um deles (em orden alfabética): Alaska, Arizona, Califórnia, Distric of Columbia, Flórida, Geórgia, Illinous, Nevada, New Jersey, New México, New York, Oregon, Texas, Whasngton, Wyoming, Hawaii e Ilhas Virgens Norteamericanas.

Alaska, Arizona

California

Distrito de Columbia (Washington D.C.), Florida

Georgia, Illinois, Nevada, New Jersey

Novo Mexico, Nova Iorque

Oregon, Pennsylvania, Texas, Washington, Wyoming

Hawaii, Ilhas Virgenes

GASTRONOMIA

Qualquer pessoa de qualquer preferência culinária pode satisfazer plenamente o seu apetite nos Estados Unidos. Na gastronomia também é possível perciber a mistura étnica neste variado país.

Nas grandes cidades a cozinha rápida ou "fast food" é a nota predominante. Vive-se apressadamente, pelo que o desjejúm e o jantar convertem-se nas comidas principais do dia, enquanto o almoço é mais leve.

Ovos com bacon, torradas, suco, frutas e café são costumeiros no começar do dia, de modo à poder aguentar o duro rítmo laboral. O almoço, porém, pode consistir em uma salada, um sanduiche ou hamburguer ou cachorro-quente, acompanhado de qualquer bebida com gás.

Pois os norte americanos urbanos tem pouco tempo para comer, pelo que trata-se de repor forças minimamente para aguentar a jornada vespertina. É típica a imagen dos barracos nas ruas de cachorros-quentes aos que qualquer pessoa, desde executivos até donas de casa, acodem incessantemente na hora do meio dia.

Também as cadeias de restaurantes de comida rápida, como hamburguers, sanduicherias ou pizzarias enchem até o topo durante o almoço. Chegando em casa à tarde, as coisas mudam. O jantar é a comida mais forte do dia e costuma consistir em um primeiro prato à base de salada ou pasta, carne ou peixe no segundo, e um doce bom na sobremesa acompanhado de um gigantesco copo de leite.

Nos finais de semanas estes costumes mudam levemente, já que por acordar mais tarde um pouco, os norte-americanos unem o desjejúm com o almoço, criando o que eles chaman brunch. Consiste em crepes, tortas de nata e salmão com creme de queijo, entre outras alternativas.

Mas não desanime, você não tem que seguir esse regime de comidas. Numerosos restaurantes, a maior parte com horário continuado, abrem as portas para oferecer tudo que possa estimular seu apetite. Cozinha italiana, grega, francesa, alemã, chinesa, indiana, japonesa, russa e em alguns lugares, também espanhola.

Poderá comer qualquer tipo de pasta italiana acompanhada do melhor café expresso, os melhores cogumelos chineses com bambu ou os famosos Dim Sum, menú chinês formado com recheados e outras porções de comida, salsichas de Munich acompanhadas da melhor cerveja, ou o ótimo caviar vermelho chegado diretamente da Russia. E se procurar mais um pouco, seguro que irá ser facil degustar uma boa paelha feita com o melhor azeite de oliva como nas praias de Valencia.

Quanto à preço pode escolher entre uma grande oferta, desde preços astronômicos até os mais irrisórios. Procure fazer reserva com anticipação e lembre que se sobrar comida é normal que ponham ela em uma sacola (doggy-bags) para levar para casa, inclusive nos restaurantes de luxo.

Na zona oeste dos Estados Unidos comerá carnes excelentes. Extensos pastos para o gado fazem com que a qualidade da carne seja ótima embora a variedade na cozinha não seja muito rica. As costelas barbacoa começaram a ser exportadas como receita a outros países, consiste em costelas com um tempero especial, assadas devagar na barbacoa, como indica o seu nome.

Poderá, além degustar excelentes bistecas, entrecotes ou filets mignon sempre acompanhados de batata doce cozida, fritas ou com diversos molhos. O frango à panela, especialidade dos estados de Indiana, Missouri e Ohio, é delicioso e se tem oportunidade não deixe de experiementar o bolo de creme agria, coberto de merengue Paso de Corinto, é uma maravilha e come-se frequentemente em Minnesota, Wisconsin e Indiana. Também pode encontrar peixe bom no arredores dos Grandes Lagos.

No leste, as possibilidades são infinitas, porém prevalece o marisco, sobre tudo na zona costeira, é muito fresco e bem preparado. Nesta região poderá encontrar qualquer especialidade latina como, por exemplo, comida cubana, leitão assado ou carangueijos mouros e degustá-la enquanto escuta os sons caribenhos de um grupo bom.

Os restaurantes com espetáculo estão muito na moda; pode tratar-se de lugares onde você pode olhar como é o preparo da comida que você escolheu, ou restaurantes que são propriedade de estrelas do cinema onde os moços são o verdadeiro espetáculo - e pode ter a sorte de ver alguma personagem famosa -, ou então lugares acolhedores com TV gigante, onde poderá ver a seleção e jogo do seu país e corear os resultados com conterrâneos.

Na parte sul dos Estados Unidos, limite com o México, a influência da comida do país de Pancho Vila deixa-se sentir, sob a denominação de comida "Tex-Mex". O chile, verdadeiramente picante, acompanha muito bem as carnes vermelhas. Experimente os tacos ou os nachos, omeletes de milho recheadas de tudo o que possa imaginar, como carne, pimentão, tomate, cebola, queijo derretido, etc, acompanhados com diversos molhos.

São uma delícia e lembre bem que devem ser comidas com as mãos. Experimente também o feijão cozido e frito com abundante chile. A comida mexicana costuma ser muito picante, assim tenha sempre ao alcance uma boa margarita, tequila e suco de limão gelado e com a orla do copo melada em sal. Pode resultar estranho, porém, é simplesmente deliciosa.

COMPRAS

Se do que gosta é comprar, Estados Unidos é o lugar onde você irá sentir-se como no céu. Poderá encontrar tudo que imaginar a qualquer preço, só tem que procurá-lo. E não só pelo fato de que milhões de imigrantes do mundo todo tenham criado pequenas pátrias dentro desta grande Mãe Pátria que é Estados Unidos, mas também porque o país é a primeira potencia mundial com uma rede comercial que chega até os confins mais escondidos do planeta.

Os grandes centros conerciais são indipensáveis em um país como este. São imensos e no seu interior pode-se encontrar de tudo: moda, jóias, brinquedos, eletro-domésticos, eletrônica, sapatos, etc, e, é claro, zonas de lazer. São lugares tão habituais para os norte-mericanos como a própria casa e é comun que passem muito tempo neles.

Os mais importantes e conhecidos são Macy’s, os maiores do mundo, com artigos de grande qualidade, Bloomingdale’s, ainda mais sofisticado que o anterior, ou Saks Fifth Avenue, que conta com grandes desenhadores e freguesia comparável à jet do nosso país. Costumam estar abertos de 10.00 da manhâ à 18.00 da tarde, alguns inclusive até as 21 h.

Os finais de semana costumam estar abertos, porém, dependerá de cada cidade. Se estiver cansado e deseja relaxar encontrará no seu interior restaurantes, cinemas, pubs ou lanchonetes; se o que tem é fome ou sede tem multidão de lugares de comida rápida, na verdade, qualquer coisa que você precisa ou deseja poderá encontrar nestes centros com vida e identidade próprias.

Alguns deles são verdadeiras obras de arte, como Rockefeller Center em Nova Iorque, que além de conter múltiples comércios, é também centro neufrágico de lojas e escritórios, o ZCMI (Main and South Temple Streets), em Zion, está considerado como monumento histórico pela fachada ornamental coberta de ferro, ou no São Francisco, e Ghirárdelli Square, que ocupa o lugar de uma antiga fábrica de chocolates, enfeitado com pátios e fontes no interior.

Não fique apenas nos grandes centros comerciais, passeie pelas ruas e entre em qualquer lugar que chame sua atenção. Poderá ficar gratamente surpreso com o que vão oferecer-lhe e não apenas pelos artigos e preços que encontrará, mas também pelas decorações das lojas e os moços que vão atende-lo.

Poderá encontrar roupa de desenho muito cara e roupa de segunda mão praticamente nova muito mais accessível, qualquer obra de arte que quizer ou qualquer antigüidade, cerâmica, bejouterias, jóias, eletrônica, relógios, chapéus, livros, desde a última edição do mais atual até o mais empoeirado pelo passo do anos, guarda-chuvas, bonés, brinqueidos, discos ou material fotográfico de muito boa qualidade.

Também produtos indianos, saris, budas, obras de Tagore, ou betel, tudo isso em uma loja pequena com cheiro de incenso atendida por um verdadeiro brahmão com turbante, e uma mulher com lunar vermelha entre os dois olhos de amendoas, vestida com um maravilhoso sari de seda. Um chinês com coleta pode-lhe oferecer papagaios de toda cor que voam tão alto como para tocar o céu.

Um verdadeiro moicano irá vender-lhe um arco e flechas, enquanto relata a história de Uncas, o último moicano que desfrutou da natureza em plena liberdade ou, talvez, um vaqueiro de Texas vai propor para você testar uma sela de montar de cuoro que foi a usada pelo vencedor do rodeio do ano passado.

Isso tudo e muito mais pode encontrar, e deixar que a sorte dos que não procuram algo determinado e preferem curiar esteja a surprende-lo. Mas tenha um pouco de cuidado com essas pequenas lojas, já que os empregados são muito espertos na hora de detectar turistas e costuman pechinchar conseguindo preços de vantagem para eles e mal qualidade para o comprador.

Os mercadinhos nas ruas são outra fonte inesgotável para fazer compras. Artesanato, móveis usados, comida, bebidas geladas, etc, unidos pelo barulho costumeiro e inclusive pode encontrar artistas desconhecidos, que aproveitam o monte de gente para apresentar o seu espetáculo com a esperança de que algum caçador de talentos descubra eles no meio da multidão. A qualidade é menor, os preços também.

Detalhamos alguns comércios ou zonas comerciais que, pelo interesse, valem a pena ser visitados: Tiffany & Co, a joalheria com a que qualquer pessoa sonha. Seus preços não estão ao alcance de qualquer um, mas pode passear pelos balcões admirando os desenhos e pedras preciosas e até, se olhar direitinho, pode encontrar algo muito mais acessível que, passou desapercebido entre o glamour dos diamantes.

F. A. O. Shwarz, em Nova Iorque. Se você tem filhos ou ainda sente-se como uma criança, não deve perde-la. Seus andares estão cheios de todos os brinquedos que possam imaginar, e não só pode vê-los, mas também mexer neles o tempo que quiser e finalmente, comprá-los se realmente gostou de algum.

Os preços variam dependendo do produto. Miller Stockman em Denver oferece os melhores artigos típicos americanos do oeste como botas de cowboy ou selas de montar. - Em Santa Fe, Novo México, encontrará uma mostra magnífica da arte nativa em 500 lojas. Blez Factory Mall ou Denim World em Orlando conta com blue-jeans de toda testura, marca e cores.

Na Pequena Habana, em Miami, encontrará todo tipo de artesanato cubano a preços muito bons. Se você é guloso não deixe de experimentar o chocolate de Chocolates by M. em Nova Iorque, feitos diariamente sem componentes que não sejam naturais.

Em discos, Tower Records em Nova Iorque tem tudo o que você pode desejar, tanto em CD quanto em fitas e vídeos; conta com mais de 2.000 discos somente em música clássica. Foot Locker, em Mimai, tem o último em roupa e calçado esportivo de qualquer marca.

Disney World, produtos de toda a gama Disney, desenhos animados, filmes, estúdios, efeitos, etc, e qualquer esporte, camisetas, bonés, bonecos, fitas de vídeo e audio, CD, copos, pratos, pijamas, gravatas, etc. A qualidade costuma ser boa, porém, lembre que os preços são bastante elevados.

Fora dos recintos poderá encontrar os mesmos produtos à preços mais acessíveis. Por último, alguns conselhos em relação com suas compras. Se vais adquirir produtos eletrônicos ou fotográficos, que nos Estados Unidos são de ótima qualidade, faça isto em lojas onde estendam relação de compras, e se assegure que a garantia tem cobertura fora do país, já que muitas delas somente dão cobertura para cobrir averias ou concertos dentro das mesmas.

Se comprar jóias de valor exija o certificado de qualidade. Se comprar nas lojas, onde a relação de compras não é necessária ou nos mercadinhos das ruas, assegure-se que não está pagando mais da conta e, que a qualidade do produto está nos mínimos.

Lembre que não poderá devolver a compra. Se algum vendedor quer pechinchar, faça isto sem vergonha, pois é uma arte e um jeito de comunicar com a outra pessoa; eles esperam mais do trato pessoal e da confiança em si mesmo que você demostre do que no verdadeiro preço do produto. Não feche um acordo cedo demais, fique calmo e brinque com eles.

Estados Unidos é um paraíso das compras, relaxe e deixe que o seu bom critério ajude a escolher o melhor. Depois de tudo, comprar pode ser um autêntico prazer.

POPULAÇÃO E COSTUMES

Estados Unidos tem uma população de perto de 260 milhões de habitantes, sendo o país mais povoado do continente americano e o terceiro do mundo.

Nascido de uma das mais relevantes imigrações da história da humanidade, as diferentes culturas adaptaram-se, sobre tudo nas principais cidades das costas, de forma quase fantástica. Desde as primeirás imigrações, como se fosse um grande campo de concentração, Estados Unidos foi acolhendo sem reparo todos os que chegaram com vontade de ficar. São eles, os estrangeiros, os que foram construindo o grande país, a primeira potência do mundo, uma fruta que as vezes resulta gostosa e outras de um sabor enjoativo.

Esta amálgama de histórias diversas e variadas culturas, de tempos passados, deram em costumes, hábitos e estilos de vida, que hoje são definidos como típicamente norte-americanos. Talvez um deles, o mais importante e distinto, seja o pragmatismo com que os cidadãos dos Estados Unidos conduzem suas existencias. É a cultura do pragmatismo, das coisas fáceis, da comodidade e o consumismo.

Os norte-americanos agradam e faz com que as coisas, situações e fatos, sejam resolvidos, conseguidos ou conquistados, de maneira fácil e rápida. Aquela frase do "que o tempo é ouro" resume uma atitude vital muito dificil de destrinchar. Por exemplo, é provável que existam seres que realizem a maior parte de suas atividades dentro de um carro.

É possível deslocar-se, ligar de telefone, ordenar em algum "drive in" o desjejum, o almoço e jantar, assistir um filme em um "car-movie" ou bem retirar dinheiro da janela de um banco sem descer do carro.

Os norte-americanos gostam do fascínio da comodidade e talvez, sem ter o propósito, foram impondo este estilo em quase todo o mundo. Não existe nenhum país no mundo que não tenha claudicado à uma concessão norte-americana.

E continuando com o tema do carro, o fato de que sejam desenvolvidas tantas atividades nele, deve-se principalmente, a ser o meio de transporte mais utilizado. Os motivos respondem à razões como que a licença de dirigir pode ser obtida aos 16 anos, que o preço não é tão elevado quanto na Espanha, além de que a maior parte das moradas estão distanciadas umas das outras que faz-se imprescindível o carro para algo tão simples como fazer compras, ir para a escola, visitar amigos ou, então, sair para divertir-se na noite.

Esta dependência originou uma falta geral de interesse pelos passeios na maior parte dosnorte americanos, à exceção dos habitantes das grandes cidades que não têm mais jeito, ter que caminhar para chegar à seus postos de trabalho.

Talvez esta curiosa imobilidade tem provocado em muitos norte-americanos, obesidade e, que muitas comidas sejam preparadas de diferentes formas. Ler devagar a etiqueta de qualquer produto alimentício antes de comprar, já um costume. É possível adquirir alimentos normais, leves, ultra-leves, completos ou baixos em colesterol.

Os americanos são gente muito hospitaleira, muito bem humorada e de ideias simples e singelas, enquanto as expressões afetivas são muito diferentes às dos europeus. O costume espanhol de cumprimentar com dois beijos é substituida nos Estados Unidos pelo aperto de mãos, que também não costuma ser tão efusivo quanto em outros países. Os norte americanos expressam o seu afeto de outro jeito.

O sentimento patriótico de muitos norte-americanos impele-os à entregar-se aos visitantes com esmero, desejosos de mostrar seus costumes e os lugares de interesse do país. Não se importam de esperar o tempo que for necessário às portas de um estabelecimento popular, embora exista outro das mesmas caraterísticas, porém, totalmente desconhecido, para adquirir algum produto.

Esta atitude propicia, também, as grandes batalhas comerciais e publicitárias, onde a comunicação desempenha um papel primordial. É muito comum ver como vivem por reunir os cupões de desconto que aparecem em todo tipo de publicações. Poupar um pouquinho é avançar um passo mais em uma sociedade na que as classes ficam mais bem ocultas.

Além da atitude pragmática dos norte-americanos, o trabalho representa para eles uma devoção. Vivem consagrados à seu labor e consideram exemplar aquele, que vive praticamente para o trabalho, que parte muito cedo da casa, que compra o desjejum na lanchonte do primeiro andar do prédio, que come com pressa um saduiche às 12 horas e depois de acabar a jornada ainda faz algumas horas à mais. É por isso que, nos finais de semana, procura-se qualquer lazer para relaxar o espírito.

Outra das caraterísticas mais chamativas da sociedade norte-americana é o alto grau de limpeza (exceto algumas zonas das principais cidades) e o estrito cumprimento das normas. Assim por exemplo, fumar está proibido em quase todo lugar e se você tentar acender um cigarro em um centro comercial, sentirá nas costas o olhar reprovador de quantos lá estão.

Para findar, cabe destacar a funcionalidade das coisas, razão pela que os Estados Unidos encontra-se na frente dos países que mais possibilidades oferecem aos descapacitados.

ENTRETENIMENTO E FESTIVIDADES

Pense no que você quer para preencher seu tempo livre e decida logo, seja o que for, os Estados Unidos já contam com isso.

Se preferir atividades ao ar livre pode escolher entre praia, montanha ou deserto. Na praia pode simplesmente nadar e pegar sol ou fazer mergulho ou deslizar-se pelo mar em motos aquáticas ou fazer surfing. Magníficas praias esperam-o com um ambiente delicioso, nelas pode encontrar espetáculos variados, concertos e restaurantes e bares à beira do mar.

Também a pesca tem o seu atrativo e poderá praticá-la enquanto seus pés pisam a mais fina areia ou a mais dura rocha, ou então mergulhando à procura de peças submarinas a grande profundidade.

Se preferir a montanha poderá fazer caminhadas, escalada, esqui ou passear por luigares deliciosos. Os parques naturais são ideais para desfrutar da natureza e contar com o apoio necessário, se surgir problemas.

Também terá oportunidade de observar os animais no seu próprio entorno e acidentes gegológicos de grande espetacularidade e beleza como, por exemplo, os geiseres ou os volumes de granito. Neles encontrará lugares ótimos pontos para acampar e a maior parte conta com zonas de serviços com lojas e bombas.

Se o deserto o atrai mais do que nenhuma outra coisa, tem algum risco a levar em conta. Convém fazer rota de manhã muito cedo e descansar em algun lugar protegido nas horas mais quentes e também quando as temperaturas noturnas descem rapidamente.

Deve levar abundantes bebidas não gasosas e comida boa. Não esqueça de deixar o percurso previsto a algum familiar, pois caso se perca e, tome cuidado com os animais venenosos. Com estas precauções poderá desfrutar de um especáculo natural cheio de vida, cor e contrastes.

Se gosta do risco e sentir as cócegas da vertigem do insólito pode optar pelos chamados "Viagens de Aventuras". Que acha de descer de canoa pelos rios caudalosos, ou sentir como um verdadeiro sioux atravessando de cavalo os grandes prados, sentindo a velocidade e o vento no rosto? Talvez goste mais de deslizar-se em asa delta pelo Canyon do Colorado ou, então, se procurar coisas menos sofisticadas, pular da ponte mais alta, saltar em paraquedas ou voar em ultra-leve. Não tem problema, simplesmente decida a qualidade de risco que está querendo correr e lance-se.

É claro que vai poder caçar e pescar em lugares de sonho, sempre e quando solicite as licenças adequadas. O alojamento não é problema, desde uma simple carpa até uma maravilhosa cabana com sauna incluida nas redondezas de algum lago imaginado só nos seus sonhos.

Se, pelo contrário, prefere diversão em espaços menos relacionados com a natureça, a oferta é também inigualável. Desde o melhor teatro grego até a última obra de vanguarda. Desde o mehor musical até as óperas de Puccini. Escolha um bom assento, dentro das suas possibilidades e deixe-se levar pelo feitiço dos atores.

Se no lugar de atuações ao vivo prefere o suporte do celuloide encontrará filmes de todo tipo, ação, drama, terror, sexo, etc. Caso seja um verdadeiro admirador do cinema poderá visitar os estúdios históricos, onde passeará pelas empoeiradas ruas do velho oeste ou visitar a autêntica casa onde filmou-se Psicose ou ver ao vivo Indiana Jones nos melhores momentos. Também poderá visitar os estúdios onde mora a magia dos desenhos animados e observar os artistas da animação em casa.

Concertos de todo tipo de música irão alimentar sua alma. Jazz, country, pop, roque, funky, rap, clássica, salsa, etc. Poderá vestir o seu melhor terno para assistir uma gala na que Plácido Domingo fará as delícias de, seus ouvidos, ou dançar frenéticamente ao rítmo do mais animado bacalhau ou mexer-se rítmicamente com os melhores boleros.

Os pequenos locais cheios de fumaça e calor onde um saxe consegue fazer estremecer o espírito, partilham acordes com as multitudinárias salas, nas que os grandes mitos da música pop-roque enlouquecem aos mais jovens e fazem-nos dançar frenéticamente com "o último".

Os esportes ocupam um lugar predominante nos Estados Unidos e assim como o jogo de bola suscita as mais incendiárias paixões entre os espanhóis, as ligas de beisebol, jogo de bola americano e a NBA em basquete, são seguidos por milhões de pessoas não só no país, mas em muitas zonas do globo.

O golfe é um dos esportes que podem ser praticados na multidão de instalações que existe no país todo. Inclusive as vezes é apenas uma desculpa para fechar um negócio milionário.

Quem não sonha em viajar à Lua e ser um viajante espacial? Uma visita à NASA pode ajudar a estimular estes sonhos. Acompanhará emocionantes contas atrás e observará em casa esses genios que conseguem que uma sonda espacial fique informando como é o planeta Marte.

O maravilhoso mundo criado por Walt Disney fará as delícias de grandes e pequenos, enquanto passeiam pelo País da Fantasia rodeados desses companheiros inseparáveis que todos temos adorado: Peter Pan e Sininho ficarão encantados de acompanhá-los, enquanto o Pato Donald faz-lhes rir e Branca de Neve procura os sete anões.

Se quiser sentir a subida do seu estômago para o pescoço e gritar até fincar rouco pelas fortes emoções visite os parques de atrações. As montanhas russas norte-americanas são conhecidas e re-produzidas no mundo inteiro, além de ser muito seguras.

As mais inóspitas atrações e as mais clássicas, as melhores atrações de realidade virtual e os carrocéis, todo dentro de grandes espaços cuja única finalidade é conseguir que você lembre deste dia como um dos mais divertidos da sua vida.

Animais de toda espécie e zonas do planeta estão à esperá-lo nos zoológicos. Embora não possa admirar o gorila branco Copito de Neve, por ser o único no mundo e encontrar-se em Barcelona, qualquer outro animal que você desejar ver, estará lá, desde insetos até elefantes.

São muito apreciadas as atuações realizadas por orcas, essas baleias com fama de assassinas, que neste meio convertem-se em ligeiros mamíferos dispostos à realizar as mais raras piruetas.

TRANSPORTES

Avião

A maior parte das cidades e povoados dos Estados Unidos estão ligados via aérea. Importantes linhas como American Airlines USAir, United Airlines, Continental ou Delta Airlines, entre outras, unem as principais cidades. Delas, podem-se realizar os percursos para as cidades de menor importância.

Por exemplo, se desejar fazer o trajeto Seattle, Oregon-El Paso, Texas, terá que voar direto até Dallas, Houston, Phoenix ou Los Angeles e desde lá à El Paso. A maior parte das linhas oferecem ocupações, com os que realizar vários trajetos a preços de vantagens.

Os aeroportos norte-americanos dispõe de todas as facilidades e serviços. Restaurantes, cafetarias, aluguel de carros, salas de espera, estão presentes em todos eles. Lembre que neste país o avião é um dos transportes mais utilizados, pelas baixas tarifas.

Geralmente, os aeroportos contam com o serviço de transporte público para o centro da cidade, porém, em alguns casos terá que esperar, pela curta frequência, e em outros será um verdadeiro problema. Sempre pode-se recorrer aos taxis.

Em aeroporto nenhum dos Estados Unidos está permitido fumar, e nem tem salas para fumadores, além de estar proibido em todos os vôos nacionais e naqueles que tenham uma duração menor de 6 horas. É conveniente reservar com anticipação, sobre tudo nos trajetos que apresentam mais demanda.

Carro

Este é. sem dúvida, o melhor meio de transporte para deslocar-se nos Estados Unidos. É claro que tendo tempo suficiente. A rede vial é excelente e a mais extensa do mundo, formada de auto-vias, estradas nacionais, estaduais e municipais, assim como, caminhos rurais e de parques e bosques.

As estradas interestaduais e auto-vias são excelentes, com numerosas bombas de serviço, motéis, áreas de descanso e telefones de emergência. As auto-vias de pesagem não são muito caras e o carburante também é econômico. Dirige-se pela direita e o máximo de velocidade nas auto-vias é de 55 à 65 milhas por hora, dependendo do estado.

Quanto ao aluguel de veículos, os preços são muito mais de vantajosos que em qualquer outra parte do mundo. Precisa ser maior de 21 anos, a licença de dirigir vigente e apresentar uma carteira de crédito. Uma boa opção, se viajar em um pequeno grupo, é alugar um mono-volume ou uma caravã, já que a infra-estrutura para acampar é magnífica.

Lembre que nos Estados Unidos os automóveis são de trasmissão automática, sem embreagem, quer dizer, não precisa fazer as mudanças de marcha. Convém fazer um curto passeio para acostumar.

Ônibus

O serviço de ônibus é levemente mais econômico que o avião, mas também muito mais devagar. Os ônibus que ligam a maior parte das cidades norte-americanas estão climatizados, os assentos são relativamente cômodos e os que realizam trajetos de longas distâncias fazem paradas para comer e descansar à cada quatro horas.

É recomendável em alguns trajetos curtos. Greyhound, a mais importante empresa de ônibus do país, oferece um cupon para realizar um número ilimitado de viagens em um tempo de sete ou dez dias. Consegue-se, exclusivamente, fora do país. Por norma geral, as rodoviárias encontram-se no centro das cidades.

Trem

A rede ferroviária nos Estados Unidos é bastante adequada. Porém, devido à forte concorrência das companhias aéreas, quanto à preços, os trajetos de trem são cada vez menos frequentes, sobre tudo para as distâncias longas. Amtrak é a empresa nacional que liga a maior parte do território nacional.

Os trens vão equipados com vagões-cama, vagões-panorâmicos, snack-bar, restaurante e um vagão para lazer. Os assentos são muito cômodos e, se dispõe de tempo suficiente, recomendamos fazer algum trajeto. Amtrak oferece, para turistas estrangeiros, passes de trem com uma duração de 45 dias à preços realmente competitivos.

Geralmente as estações, encontram-se no centro das cidades. Existe, também, um serviço de alta velocidade que liga as cidades do nordeste entre Washington e Nova Iorque, e trajetos conhecidos como "históricos" com locomotivas à vapor ou de via estreita. Destacam os circuitos do Mount Hood Railroad em Oregon e o Durango-Silverton no Colorado.

Transporte Públicos

A maior parte das cidades dispõe de ônibus urbanos. Para pagar é necessário levar a quantidade exata e depositá-la em uma espécie de hucha que encontra-se do lado do motorista. Nas paradas encontra-se as placas que indicam o percurso e tempos de frequência de cada linha.

As cidades de Atlanta, Baltimore, Boston, Buffalo, Chicago, Cleveland, Los Angeles, Miami, Newark, Nova Iorque, Filadelfia, São Francisco e Washington contam com serviço de metro.

Táxis

Os táxis são geralmente caros e em muitas cidades, a exceção de Nova Iorque ou Los Angeles, difíceis de conseguir, por existir muito poucos. Por exemplo, se você encontra-se em algum bairro residencial de Phoenix vai ser possível que táxi nenhum esteja transitando pelas ruas. O melhor é solicitá-lo por telefone, o que incrementará o preço do trajeto.

Os taxis costumam juntar-se à entrada dos hotéis, aeroportos, estações de ônibus e trens e em determinadas paradas. Se pensa fazer uso frequente de taxis, o recomendável é alugar um carro, o que irá representar uma poupança grande de dinheiro.

O ambiente dos rodeios fará com que as suas emoções espoquem. Os últimos cow-boys provam sua esperteza com reses e cavalos entre nuvens de poeira, suor, coragem e destreza. Além de desfrutar com o simples espetáculo, observar com atenção em torno, vai fazé-lo pensar que viajou no tempo.

Se tem oportunidade desfrute também das celebrações indígenas que em determinadas épocas do ano representam os genuínos índios americanos. Descobrirá que os descendentes dos antigos guerreiros souberam guardar as antigas tradições e ainda conservam o toque de coragem e mística que converte-os em seres especiais.

Se ainda pensar neles como nos "maus do filme", talvez esta experiência fará que mude de opinião. Convidamos-lhe a conversar com eles para descobrir o especial jeito deles entenderem o universo.

FESTIVIDADES

Estados Unidos é um país em festa permanente. As distintas comunidades tem suas próprias celebrações e por isso todos os meses do ano tem alguma festividade. Os norte-americanos costumam celebrar esses acontecimentos nas ruas e elas devolvem a confiança convertindo-se em verdadeiras explosões de cor, rítmo e calor humano.

Porém, a primeira festividade do ano, o Dia do Ano Novo, tem caráter privado e só os jovens ficam fora de casa até a madrugada. Os norte americanos beijam-se quando chega o momento mágico e esperam o dia para celebrá-lo com seus parentes e amigos mais chegados.

Não tem as doze uvas como na Espanha, e nem lentilhas cozidas como na Itália, embora os desejos de felicidade, sorte, saúde e trabalho sejam os mesmos que no resto do mundo.

Também de caráter privado e altamente emotivo é o Dia de Martin Luther King, celebrado na terceira segunda-feira de janeiro. Este grande líder assasinado no dia 4 de abril de 1968 consegue que nesse dia fechem as instituções oficiais e numerosas pessoas vão as cerimonias religiosas.

Se na cidade onde você está existe uma comunidade chinesa importante como, por exemplo, em Nova Iorque, e a sua viagem coinscidiu com os últimos dias de janeiro, vá a rua, porque chegou o Ano Novo Chinês, no que poderá ver fogos artificiais, desfiles de dragões e muita alegria. Sentirá por uns dias como se estivesse morando, mesmo em Pequín.

Fevereiro recebe-nos com duas festividades muito emotivas, o President’s Day, entre os dias 12 e o 22. É uma homenágem pública dos norte americanos a dois do seus presidentes mais respeitados e queridos, Abraham Lioncoln e George Whasington.

No dia 14 celebra-se, como na Espanha, o Dia dos Namorados. É muito típico presentear um ursinho branco de pelúcia com um coração vermelho, onde pode-se ler diferentes mensagens de amor.

Irlandeses e gregos esperam ansiosamente o mês de março, já que o Dia de São Patrício, 17 de março, é o dia em que os Estados Unidos vê ressurgir ás ruas à velha Irlanda com numerosas cavalgadas e desfiles dos imigrantes deste verde país e seus descendentes. O 25, porém, é o Sirtaki a música dominante e os gregos quem enchem as avenidas para celebrar a sua independência.

O Desfile da Páscua Flórida, em abril, substitui às procissões da Semana Santa espanhola, muito mais animado e colorido, embora menos espiritual.

Em maio celebra-se o Dia dos Mortos, enquanto junho torna a ser o mês das minorias. O Dia de Santo Antônio de Pádua faz bailar a tarantela aos Italianos e, no final do mês a salsa dos porto-riquenhos é o que movimenta a festa.

O 4 de julho é a maior festa em todos os Estados Unidos. Celebra-se o Dia da Independência Americana da Grã- Bretanha e desde as grandes avenidas até as pequenas ruas do povoado mais longe enfeitam-se com bandeiras para assistir aos desfiles comemorativos que tem como coroa a palestra do Presidente e fabulosos fogos arificiais.

Em agosto poderão desfrutar de diferentes variados festivais de música, desde a clássica de maior qualidade até o som mais puro e quente do jazz.

O Dia do Trabalhador recebe-nos na primera segunda-feira de setembro, e querendo assistir a uma festa particularmente animada deve estar em Brooklyn, Nova Iorque, o primeiro domingo deste mês, no ótimo Carnaval Caribenho, no que sentir-se como no Rio de Janeiro, porém, menor.

O dia 12 de outubro celebra-se o Dia das Américas em honra do descobridor deste imenso e fascinante continente, Cristovão Colombo.

Gerimús, disfarces e doces são indispensáveis para este Dia de Todos Santos, Halloween. As crianças são os que mais desfrutam já que a noite anterior a este dia, são eles os encarregados de percorrer as vizinhanças do país todo, disfaraçados de monstros, fantasmas ou qualquer outra personagem de filme de terror, pedindo doces, e caso de não obte-los, tentarão produzir arrepios, embora todos eles voltem às casas sem fazer uso do terror e, com as sacolas bem cheias dos mais variados doces e guloseimas.

Novembro tem a honra de celebrar, na última quinta-feira, o famoso Dia de Ação de Graças. Todos temos a imagem das famílias norte-americanas reunidas por completo, ao redor de um excelente peru. O motivo da celebração é o fim da guerra civil e costuma ter desfiles em todas as cidades importantes.

E em dezembro, Santa Claus e o Natal enchem o coração dos norte-americanos de bons desejos e paz. As ruas ficam coloridas com luzes e Papai Noel está em todas as esquinas com seu sino e, os abetos enfeitam todas as casas. Embora o jantar de Natal não seja tão especial quanto na Espanha, os sentimentos são os mesmos: Amor e Felicidade para todos.

Fonte: www.rumbo.com.br

Estados Unidos da América

História

história dos Estados Unidos começa na Inglaterra. No século XVII, a Inglaterra criou, ao longo da costa atlântica, um império norte-americano.

No final de "um século de desonra" (século XVIII), quatro milhões de colonos, essencialmente britânicos, repeliam os índios para o Ocidente e tomaram posse das terras. A vontade de Londres em controlar e obrigar a pagar impostos, as suas colónias americanas, que experimentaram um progresso económico formidável, provocou a revolta dos colonos contra a Inglaterra: ganharam a guerra e proclamaram a sua independência em 4 de Julho de 1776. Foi a primeira vez na História que uma colónia se emancipou.

Em 1787, os Estados americanos elaboram a Constituição dos Estados Unidos, caracterizada pela separação dos poderes, a soberania popular e o federalismo. Primeiro presidente dos Estados Unidos, George Washington enunciou as grandes linhas de uma política externa baseada no isolacionismo.

A própria história política dos Estados Unidos da América, nomeadamente à sua liberdade do poderio inglês, fez nascer por toda a parte sentimentos comuns, ou seja, o desejo de colónias desprenderem-se dos poderosos colonizadores.

A experiência não se fez esperar. A partir desta data surge um grande conjunto de ideais revolucionários por toda a parte do globo, destacando-se a Revolução Liberal Francesa de 1789 e a revolução da Independência Brasil, em 1820.

A partir deste momento, os Estados Unidos da América tornaram-se numa potência mundial, sem precedentes, após as grandes lutas mundiais que pairaram por todo o Mundo, principalmente no século XX (as duas Guerras Mundiais). De igual modo tornou-se numa nação industrializada e com características propícias a uma atração de populações que buscavam melhores condições de trabalho.

É de salientar a força e o poderio que, atualmente, ou mesmo pós Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos ocupam na esfera internacional, sendo este o grande dinamizador das instituições internacionais, que emergiam no período pós 1950.

Depois de vários anos em que os Estados Unidos adoptaram a sua política oficial, ou seja, o isolacionismo, estes viram-se obrigados a participar nos assuntos mundiais, nomeadamente a entrada do país na II Guerra Mundial, em 1941.

A derrota no Vietname suscitou um renascimento da atitude isolacionista, mas o confronto constante com o comunismo e o desenvolvimento do terrorismo internacional, a que levou os Estados Unidos a atacarem a Líbia (1986), o Iraque (1991 e 2003) e Afeganistão (2002) mostraram que os Estados Unidos tinham que assumir uma vez mais a responsabilidade dos princípios "vida", "liberdade" e "procura de felicidade" em nome dos quais foi fundada e estão consignados na Declaração de Independência de 4 de Julho de 1776.

Os Estados Unidos são formados por cinquenta Estados contabilizando no total uma área de 9.363.488 km2, unindo um total de 281.421.906 habitantes, segundo dados do recente Censos de 2000 (quadro 1).

Características gerais dos Estados Unidos da América

Superfície territorial

Os Estados Unidos da América ocupam uma área total de 9.363.488 km2, constituídos por 50 Estados.

Capital

Washington DC, situada a 200 km da costa atlântica, no distrito da Colúmbia, é a capital.

Geografia

Os Estados Unidos apresentam uma flora e fauna muito diversa, na medida em que é um país com áreas bastante rochosas, como por exemplo o emblemático Grand Canyon, como também áreas de vegetação, propícias a uma agricultura rica e de igual modo áreas secas, mas ao mesmo tempo benéficas para determinadas atividades.

Clima

O clima do país é extremamente diversificado, devido à situação geográfica a que o país está exposto (banhado pelo Oceano Pacífico, Atlântico e pelo Mar Beaufort que é influenciado pelo Oceano Glacial Ártico), assim sendo, o clima é geralmente temperado, com variantes como clima subtropical no Sul, clima mediterrâneo no sul da Califórnia. Os Verões são quentes e Invernos frios, principalmente no Norte. Quanto às temperaturas, estas variam de -3 a 6°C em Janeiro, a 20-31°C em Julho, na capital Washington DC.

Lagos e Rios

Os maiores e mais importantes lagos dos EUA são: Lake of Woods, Agassiz, Bonneville, Champlain, Erie, George e Michigan.

Em relação aos rios dos muitos que existem, os maiores e mais importantes são: Mississippi, Missouri, Yokon, Arkansas, Colorado e Columbia.

Sistema político

Os Estados Unidos é uma república federal, com um sistema democrático de governo e presidencialista, isto é, o Presidente dos EUA é Chefe de Estado e de Governo. Como instituições governamentais existe o Senado e o Congresso.

A Constituição

A Constituição dos Estados Unidos da América, datada em 1787, é composta por 7 artigos fundamentais e 22 aditamentos. Está de igual modo patente a Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Emblema Nacional

O emblema dos Estados Unidos é composto por uma águia americana que traz consigo a expressão latina "E pluribus Unum", que significa " para todos, um" ou " de todos, o primeiro". Este emblema é muitas vezes associado ao imperialismo romano devido à águia, por ser símbolo de Império.

A Bandeira norte-americana

Em 21 de Agosto de 1959, o Presidente Eisenhower adoptou a bandeira final dos EUA, que consiste nas treze faixas (7 encarnadas e 6 brancas), que são as treze primeiras colónias americanas e as 50 estrelas representam os atuais 50 estados norte-americanos.

Hino Nacional

O Hino " The Star Spangled Banner" foi aprovado por ato de Congresso em 3 de Março de 1931, como hino nacional dos EUA. Foi escrito pelo advogado e poeta americano Francis Scott Key a bordo da fragata British, durante o bombardeamento britânico em Baltimore, Maryland, em 1814.

Moeda

O dólar americano é dividido em 100 cêntimos.

População

Nos últimos censos (2000) a população norte-americana era de 281.4 milhões de habitantes.

Religião

A diversidade está patente na caracterização religiosa da população norte-americana, nomeadamente cristã, temos 32% protestantes e 22% católicos, 3% é judaica, 2% ortodoxa e 1% muçulmana. No entanto, são valores que tendem a variar.

Línguas

Oficialmente a língua dos EUA é a inglesa, mas no entanto devido à grande diversidade de etnias existe neste país uma cultura linguística enorme, o que possibilita que se falem todas as línguas existentes no Mundo.

Desportos

Os desportos americanos mais praticados e os que mais têm levado o nome americano nos mais altos pódios mundiais são: atletismo (todas as modalidades), basebol, futebol americano, natação e ténis.

Produções

Nos EUA a diversidade de produção caracteriza bem o tecido produtivo deste país. As principais produções são: cereais, soja, algodão, tabaco, batata, citrinos, cana-de-açúcar, sementes de oleaginosas, produtos hortícolas e frutos, madeira, gado, peixe, carvão, petróleo e gás natural, minério de ferro, cobre, chumbo, zinco, ouro, prata.

Atividades econômicas

Ferro e aço, produtos químicos, veículos automóveis, aeronáutica, equipamento de telecomunicações, computadores, eletrônica, têxtil, silvicultura, papel e pasta de papel, indústrias extrativas, pescas.

Exportações

Equipamento mecânico, elétrico e eletrônico, produtos químicos, cereais, veículos automóveis, aviões, soja, carvão, instrumentos de precisão, derivados do petróleo, pequenos produtos metálicos manufaturados, têxteis, tabaco, fruta e produtos hortícolas.

Emigração açoriana para os Estados Unidos da América

A emigração açoriana nos Estados Unidos da América remonta a meados do século XIX. A presença açoriana neste país é anterior a este período, no entanto o seu carácter sistemático remonta à segunda metade do século XIX.

As principais causas de emigração para este país são, na sua maioria as que motivam qualquer movimento migratório, tais como os baixos recursos económicos dos residentes no arquipélago e a tentativa de melhoria das condições de vida.

A passagem das baleeiras norte-americanas pelos Açores, nomeadamente pelo porto da Horta foi, igualmente, um fator de motivação para aqueles que pretendiam emigrar. Essas baleeiras procediam nos Açores ao engajamento de homens para as suas frotas.

Os açorianos emigrados ocuparam-se em atividade relacionadas com a pesca, indústria têxtil, pecuária e pequena indústria.

Durante o século XX a emigração para este país conheceu números elevados, na ordem dos milhares por ano. Se analisarmos o gráfico, com elementos entre a década de 60 até aos nossos dias, verificamos que este movimento foi constante, sobressaindo os finais da década de 60 e a década de 70.

A partir desse período a emigração de açorianos para os Estados Unidos entrou em declínio. Nos últimos cinco anos, a média da emigração para aquele país é de cerca de 116 indivíduos ao ano, número que fica muito aquém dos milhares de anos anteriores.

As comunidades açorianas encontram-se, principalmente, na Costa Leste, nos Estados de Massachusetts e Rhode Island e na Costa Oeste, na Califórnia, porém encontramos outras comunidades de pequena dimensão noutros Estados daquele país.

Estas comunidades compostas por pessoas de todas as ilhas dos Açores transportaram para o país de acolhimento as mais variadas tradições vividas no arquipélago, como seja a Festa em louvor do Divino Espírito Santo, o Santo Cristo dos Milagres, assim como outros elementos da identidade cultural açoriana, desde a gastronomia, o artesanato, a profunda religiosidade.

Contribuíram igualmente, para a abertura de escolas portuguesas, para o surgimento de jornais, programas radiofônicos e televisivos. Destaca-se também o movimento associativo a todos os níveis, cultural, desportivo, social.

Fonte: www.azores.gov.pt

Estados Unidos da América

Capital: Washington

População: 294.0 (2003), 408.7 (2050)

Superfície: 9.372.614 km²

Geografia e ambiente

Localização e coordenadas geográficas: País situado no Norte do Continente Americano, entre os 38º a Norte e 97º a Oeste.

Superfície: 9.372.614 km2.

Fronteiras: Os Estados Unidos da América (EUA) continentais são limitados a Norte pelo Canadá, a Este pelo oceano Atlântico, a Sul pelo estreito da Flórida (Golfo do México e o México) e a Oeste pelo Oceano Pacífico. O Alasca situa-se na extremidade noroeste do continente, e o Havaí aproximadamente a 3.800Km do litoral norte-americano, no Oceano Pacífico.

Descrição física do território e clima: Os EUA ocupam o quarto lugar mundial em extensão territorial e populacional. Compreendendo 50 estados (48 continentais e as ilhas do Alasca e do Havai), além de algumas possessões no Pacifico.

O território banhado pelo Oceano Atlântico é atravessado pelos Apalaches desde os Grandes Lagos no norte, até o estado do Alabama no sul. Os Apalaches, encontram-se divididos por paralelos, que incluem as montanhas Allegheny, Blue Ridge e Catskill. A sul dos Apalaches, a costa atlântica é banhada pelo Golfo do México.

As grandes planícies atravessam de Este a Oeste o território até encontrarem-se com as Montanhas Rocky. A costa Sudeste do Alasca é montanhosa, possuindo alguns glaciares. Enquanto que a Península do Alasca e as ilhas Aleutas formam um arco com mais de 75 vulcões. As ilhas havaianas são formações vulcânicas, localizadas no Oceano Pacifico.

Os Estados Unidos possuem dependências:Porto Rico, Samoa, Ilha Baker, Guam, Ilha Howland, Ilha Jarvis, Johnston Atoll, Kingman Reef, Ilhas Midway, Ilha Navassa, Arquipélago das Marianas, Palmyra Atoll, Porto Rico, Ilhas Virgens, Palau, Ilhas Marshall.

Os EUA têm uma diversidade extraordinária em termos de fauna e de flora. Podem encontrar-se impressionantes bosques de plantas coníferas na região das Montanhas Rochosas, pradarias e planícies nos Apalaches, imensos campos de algodão na zona do Golfo do México, vegetação recentemente cultivada nas terras mais altas e nas zonas desérticas existem todo o tipo de cactos e plantas xerófilas.

A largo do território podemos deleitar-nos com o aroma balsâmico dos bosques, dos abetos nas margens do rio Hudson e na zona ocidental do mesmo, deparamo-nos com aceres, carvalhos, nogueiras, castanheiros, olmos, castanheiros, faias e tília.

Pode-se contemplar o amanhecer entre os abetos vermelhos de Washington e o caminhar entre zimbros, carvalhos e pinheiros no Orégão. O deserto oferece uma beleza particular, onde encontram-se algumas plantas que sobrevivem com a escassa água das chuvas, que permite-lhes sobreviver durante todo o ano.

Tal como a fauna, a flora é extremamente diversificada. Na zona oriental, podem-se encontrar cervos e alces. Na zona ocidental temos coiotes, bisontes, jaguares, linces, veados e lobos azuis. Na zona dos Grandes Lagos e nos rios, deparamo-nos com aves aquáticas.

Existem águias, corujas e falcões que convivem com répteis, entre estes dá-se relevância a serpentes e caimões. Os bisontes americanos encontram-se na sua maioria no Parque Nacional de Yellowstone. Os EUA usufruem de um clima variado, oscilando entre as temperaturas desérticas e as árticas.

Em geral, a costa este tem um clima continental devido às massas de ar que se movimentam de oeste para este, excepto para a Florida onde os Invernos são mais amenos. Nos EUA Continental os Verões são quentes com tornados já comuns na região do Rio Mississipi.

A zona central deste país tem um clima continental com variações extremas de temperatura. Os Invernos são normalmente frios com frequentes tempestades de neve, enquanto que os Verões são quentes e sujeitos a tornados com condições semi-áridas no oeste e húmidas no este.

A Costa da Califórnia tem um clima ameno Mediterrânico, enquanto que na Costa Noroeste do Pacífico tem um clima marítimo, com Verões frios e brandos Invernos. A temperatura média em Washington DC varia entre -3 e 6 graus Celsius (27 a 43 graus Fahrenheit) em Janeiro de 20 a 31 graus Celsius (68 a 88 graus Fahrenheit) em Julho.

Estados Unidos da América
Rio Mississipi, com os seus tradicionais barcos

Rede Hidrográfica: O nordeste americano tem uma diversidade de rios, tais como Genesee, que desagua no rio St. Lawrence ou Grandes Lagos. Existe uma variedade de rios que desagua no Oceano Atântico tais como o Susquehanna, o Hudson, o Delaware, o Potomac, o Roanoake e o Savannah. Os "plains" centrais são drenados pelo grande Rio Missouri-Mississippi, mas também pelos rios Trinity, Saline, Alabama e Rios Flint, que desaguam no Golfo do México. O rio Colombia do Estado de Washington desagua no Oceano Pacifico.

Elevações: Mount McKinley com 6,194 m; Montanhas Rocky com 4.200 m

Estados Unidos da América
Montanha McKinley

Catástrofes naturais: Vulcões; terramotos na Bacia do Pacifico; ciclones ao longo do Atlântico e na costa do Golfo do México; tornados no sudoeste; incêndios florestais no oeste.

Problemas ambientais: Poluição do Ar, provocando chuvas ácidas (os EUA são o maior emissor de dióxido de carbono); poluição das águas devido a pesticidas e fertilizantes; desertificação; limitada água potável, nomeadamente na região oeste do país.

Acordos Internacionais Ambientais: Tratado da Desertificação; Tratado da Poluição do Ar; Protocolo Ambiental do Antártico; Tratado que protege as espécies em vias de extinção; Tratado para a proteção das Mudanças Climáticas; Tratado do Mar; Tratado para a poluição dos navios, Tratado sobre madeiras tropicais de 1983 e de 1994, Tratado sobre terras férteis; Tratado de Proibição de Testes Nucleares; Tratado sobre a conservação da Fauna Marinha.

Cultura e Sociedade

Estados Unidos da América
O Capitólio

Língua oficial: A Constituição dos Estados Unidos da América não consagra nenhuma língua oficial, variando esta de Estado para Estado de acordo com o permitido pelo Artigo X, das emendas acrescentadas à Constituição pelo artigo 5º da Constituição original dos EUA (não havendo nada que defina qual a língua oficial na Constituição original).

Línguas e idiomas: A língua predominante é o anglo-americano, sendo o Espanhol a segunda língua mais falada (com pelo menos 40 milhões de falantes), existindo ainda uma variada panóplia de outras línguas faladas devido à multiplicidade de emigrantes existentes no seu território.

Taxa de literacia: 97% da população com idade de 15 anos ou superior sabe ler e escrever, sendo destes 56% de homens e 28% de mulheres (estimativas de 1998).

População: 288.500.000 habitantes (estimativa do PNUD da ONU para 2002).

Densidade populacional: 29 habitantes por km².

Cidades mais populosas: Nova Iorque (aglomerado urbano: 16.390.000; cidade: 7.380.906 em 1996), Los Angeles (aglomerado urbano: 12.576.000; cidade: 3.553.638 em 1996); Chicago (2.802.079), Houston (1.786.691), Filadélfia (1.436.287), Washington DC (523.124) (1998).

Estados Unidos da América
Vista sobre Nova Iorque

Estrutura etária e Rácio de comparação sexual: Abaixo dos 14 anos cerca de 21% da população, havendo 1.05 homens por cada mulher. Dos 15 aos 64 anos cerca de 66.4% da população, havendo 0.98 homens por cada mulher. Acima dos 65 anos cerca de 12.6% da população, havendo 0.72 homens por cada mulher. No total da população há 0.96 homens por cada mulher (estimativas de 2002).

Crescimento natural anual: 0.89% (estimativa de 2002).

Taxa de natalidade: 14.1 nascimentos por 1.000 habitantes (estimativa de 2002).

Taxa de mortalidade: 8.7 mortes por 1.000 habitantes (estimativa de 2002).

Taxa de mortalidade Infantil: 6.69 mortes por 1.000 nados vivos (estimativa de 2002).

Taxa de expectativa de vida: 74.5 anos para os homens e 80.2 anos para as mulheres (estimativas de 2002).

Religião: 53% da população é protestante, enquanto que 26% da população é católica romana; a restante tem religiões minoritárias onde inclui os Judeus (2%) e os Muçulmanos (2%).

Política e Governo

Estados Unidos da América
Casa branca em Washington

Independência: Desde o dia 4 de Julho de 1776, libertando-se da conquista, ocupação e colonização da Grã-Bretanha.

Nome oficial: Estados Unidos Da América.

Capital: Washington D.C.

Constituição: De 17 de Setembro de 1787. (CIA Fackbook de 2001)

Caracterização generalista do sistema legal: Baseada na lei Comum Inglesa. Aceita a jurisdição do Tribunal Internacional de Justiça, embora com reservas.

Divisões administrativas: 50 estados: Alabama, Alaska, Arizona, Arkansas, California, Colorado, Connecticut, Delaware, Florida, Georgia, Hawaii, Idaho, Illinois, Indiana, Iowa, Kansas, Kentucky, Louisiana, Maine, Maryland, Massachusetts, Michigan, Minnesota, Mississippi, Missouri, Montana, Nebraska, Nevada, New Hampshire, New Jersey, New Mexico, New York, North Carolina, North Dakota, Ohio, Oklahoma, Oregon, Pennsylvania, Rhode Island, South Carolina, South Dakota, Tennessee, Texas, Utah, Vermont, Virginia, Washington, West Virginia, Wisconsin, Wyoming e um 1 Distrito Federal: Columbia.

Feriado nacional: 4 de Julho - Dia da Independência.

Tipo de governo: Republica Presidencialista.

Sufrágio: A partir dos 18 anos, sendo universal.

Poder executivo: A eleição do presidente e do vice-presidente é indireta, o artigo 2 da Constituição estabelece a nomeação de ambos pelo Colégio Eleitoral, cujos membros são eleitos por sufrágio universal e direto em todos os estados e no distrito de Columbia. O mandato do presidente e do vice-presidente é de quatro anos ( a emenda 22 de 1951, limita o cargo presidencial a dois mandatos.

O presidente da Republica detém a pasta que pertence ao primeiro-ministro, isto porque é a máxima representação do Estado e chefe de Governo. Para além destas funções, dirige o seu partido, tem capacidades legislativas e preside o executivo. Na Constituição, está consagrada a função do presidente, comandante em chefe das Forças Armadas dos Estados Unidos da América, sendo-lhe permitido entrar em combate.

Porém é o Congresso que decide as intervenções militares. Os poderes diplomáticos do presidente englobam a negociação e a ratificação de tratados - contudo necessita do consentimento de um terço do Senado - eleição dos embaixadores e a recepção de embaixadores estrangeiros.

Pode negociar, acordos diplomáticos com dirigentes de outras nações. Segundo a lei, o Presidente prepara uma espécie de governo - a administração. É essa administração composta por diversos secretários de estado que auxilia o presidente a cumprir os seus objetivos e os seus compromissos.

Poder legislativo: É o Congresso dos Estados Unidos que exerce os poderes legislativos. Este é constituído pelo Senado e pela Câmara dos Representantes. O Senado tem 100 membros, dois por cada estado federal.

Os estados, elegem 435 membros para a Câmara dos Representantes, por um período de 2 anos, enquanto que os senadores são eleitos por um período de seis anos. O Senado e a Câmara dos Representantes são organizados por um partido maioritário, o qual elege o seu presidente, o dirigente da maioria e os presidentes de cada comité.

A diferença entre os chefes de governo do sistema parlamentar é o fato do presidente dos Estados Unidos da América, não ter a possibilidade de convocar novas eleições quando o Congresso rejeita os seus programas. O Congresso conta com poderes ampliados em assuntos internos, entre os quais encontram-se a fixação de impostos. Ajuda a estabelecer os tribunais federais menores e determina a sua jurisdição.

O Congresso tem também o poder de declarar guerra, de manter as Forças Armadas, estabelecer tarifas e regularizar o comércio com nações estrangeiras. O Senado assessoria e dá consentimento a tratados presidenciais e à nomeação dos principais cargos executivos: embaixadores, juízes do Tribunal Supremo e juízes federais.

Poder Judicial: A Constituição estabelece a formação do Tribunal Supremo. O sistema judicial completa-se com doze tribunais de apelação. Os tribunais federais têm como função constitucional primordial, a interpretação das leis e a determinação se as leis aprovadas pelo Congresso, pelas câmaras legislativas estatais, ou qualquer ação administrativa tomada pelos órgãos governamentais que vão contra os trâmites da Constituição.

O Presidente da República com o consentimento do Senado, nomeia os nove magistrados do Tribunal Supremo e outros juízes federais. Para a nomeação dos juízes de distrito basta seguir as recomendações dos senadores do Partido presidencial. Os juízes federais e os juízes do Tribunal Supremo exercem o seu cargo de forma vitalícia, podendo ser destituídos por impugnação.

Estados Unidos da América
Estátua da Liberdade

Partidos Políticos

Republican Convention - Great Old Party (GOP);

Democratic Convention of Parties;

Green Party;

Libertarian Party;

Reform Party;

Labor Party;

Liberal Party;

Socialist Party;

ASD - American Social Democratic;

Socialist Party of Vermont;

Nazist Party;

Grassroots Party;

The Natural Law Party;

The Prohibition Party;

The Socialist Equality Party;

U.S. Pacifist Party;

U.S. Taxpayers Party;

Workers World Party.

Organizações Sociais

Manson Grand Lodges (uma em cada Estado-americano incluindo o Departamento Central, havendo outras Grand Lodges MWPHGL);

OES - Order of Eastern Star;

AFL/CIO - The American Federation of Labor/Congress of Industrial Organization;

AFSME - American Federation of States, County and Municipal Employees;

AFT - American Federation of Teachears;

Airlines Pilots Association;

Allied Pilots Association;

ATU - Amalgamated Transit Union;

SUP - Sailor´s Union of the Pacific;

APWU - American Postal Workers Union;

NALC - National Association of Letter Carriers;

NPMHU - National Postal Mail Handlers Union;

NDIA - National Defense Industrial Association;

NITL - National Industrial Transporttion League;

NRA - National Rifle Association;

ACA - Arms Control Association;

ACLU - American Civil Liberties Union;

NAACP - Nacional Association for the Advance of the Colored People.

Participação em Organizações Internacionais: Cooperação Económica da Ásia e do Pacífico; Fórum Regional para a Ásia; Associação das Nações do Sudoeste Asiático; Grupo da Austrália; Banca dos Regulamentos Internacionais; Conselho de Cooperação das Alfândegas, Conselho da Europa (observador); Laboratório Europeu para a Física das Partículas; Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento da Europa de Leste; Comissão Económica das Nações Unidas para a América Latina e Caribe; Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura; Grupo dos 5 das Nações Unidas; Grupo dos 7 das Nações Unidas; Grupo dos 10 das Nações Unidas; Banco Inter-americano de Desenvolvimento; Agência Internacional de Energia Atómica; Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento; Organização de Aviação Civil; Centro Internacional de Computação das Nações Unidas; Confederação Internacional das Centrais Sindicais Livres; Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola; Organização Internacional Hidrográfica; Organização Internacional do Trabalho; Fundo Monetário Internacional; Organização Marítima Internacional; Intelsat; Organização Internacional de Policia Criminal; Comité Olímpico Internacional; União Internacional das Telecomunicações; Missão das Nações Unidas no Sahara Ocidental; Missão das Nações Unidas do Haiti; Movimento dos Não-Alinhados (convidado); Organização do Tratado Atlântico Norte; Organização dos Estados Americanos; Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico; Tribunal Permanente de Arbitragem; Organização para a Segurança e Cooperação na Europa; Organização das Nações Unidas (membro permanente do Conselho de Segurança); Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento; Missão das Nações Unidas na Fronteira entre Iraque e o Paquistão; Missão das Nações Unidas na Fronteira entre a Etiópia e a Eritréia; Missão das Nações Unidas no Kosovo; Missão das Nações Unidas na Geórgia; Missão das Nações Unidas em Timor-Leste; Organização das Nações Unidas para a Supervisão de Paz na Palestina; Universidade das Nações Unidas; União Postal Universal; Confederação Mundial do Trabalho; Organização Mundial de Saúde; Organização Mundial da Propriedade Intelectual; Organização Meteorológica Mundial; Comité Zangger; Comissão Económica e Social para a Ásia e o Pacifico; Associação Internacional de Desenvolvimento; Organização para a Proibição de Armas Químicas; Secretariado da Comunidade do Pacifico; Organização das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos.

Economia

Estados Unidos da América

Empire State Building em Nova Iorque

Recursos Naturais: Os EUA dispõem de abundantes recursos minerais e energéticos. O subsolo fornece grandes quantidades de carvão, e de hidro-carbonetos (petróleo e de gás natural), urânio (base da reprodução de eletricidade nuclear) e ainda outros minérios, como ferro, cobre e fosfato. A agricultura, que emprega apenas 2% da população ativa do país, continua a ser a primeira do mundo. Fornece metade da soja e do milho e 18% das frutas cítricas e 10% do trigo mundiais. Nas grandes planícies predomina o trigo.

As culturas de milho e de soja estão localizadas no médio Mississipi. Os EUA estão entre os primeiros produtores mundiais de cítricos, algodão, tabaco e madeira. O rebanho bovino faz do país um dos maiores produtores de carne e de leite. Tem como outros recursos: cobre, chumbo, bauxite, ouro, mercúrio, níquel, potássio, prata, volfrâmio, zinco, petróleo e madeira..

Uso da Terra: 19% da terra é arável, dessa cerca de 25% tem pastos permanentes, 30% são explorações florestais e 26% enquadram-se adstritos a outros usos indiferenciados (estimativas para 1993).

Principais produtos agrícolas: Milho, frutas, vegetais, algodão, gado bovino, gado suíno, peixe (2000)

Terra Irrigada: 207.000 km² (estimativas para 1993).

P.N.B. per capita: 29.080 USD (1997).

Taxa de crescimento médio anual do P.N.B.: 1.7% (entre o período de 1990 a 1997).

Produto Interno Bruto: 7.834.036 Milhões de USD (1997).

Crescimento médio anual do P.I.B.: 3.0% (entre o período de 1990 a 1997).

Estrutura da Produção: Agricultura - 2%; Industria - 27%; Serviços - 71%. (1997).

Estrutura da Procura: Consumo Público - 16%; Consumo Privado - 68%; Investimento Bruto - 18%; Poupança Bruta - 16%; Exportações - 11% (1997).

Balança Comercial

Total das Exportações: 625.073 Milhões de USD (1997); 
Crescimento anual das exportações: - 7.7% (entre o período de 1990 a 1997);

Principais produtos exportados: Bens capitais, automóveis, fornecimentos industriais e matéria-prima, bens de consumo, produtos agrícolas e alimentares, combustíveis minerais e metais, produtos químicos, máquinas, material de transporte e ainda outros produtos manufaturados (2000);

Total das Importações: 882.025 Milhões de USD (1997); 
Crescimento anual das importações: - 8.9% (entre o período de 1990 a 1997);

Principais produtos importados: Crude e produtos petrolíferos refinados, maquinaria, automóveis, bens de consumo, matérias-primas industriais, produtos alimentares, combustíveis, minerais e metais, produtos químicos, máquinas e material de transporte, outros manufaturados

Saldo: -256.952 de USD (1997);

Principais parceiros Iberófonos

Nas exportações (por ordem de importância) - México;

Nas importações (por ordem de importância) - México (1999);

Grau de abertura económica: 19.2% (1997).

Estados Unidos da América
Las Vegas à Noite

População ativa e emprego

População ativa estimada: 136.494.000 habitantes (1997);

Taxa de atividade da população ativa estimada: 51% (1997);

Distribuição do Emprego: Agricultura - 3%; Industria - 26%; Serviços - 71%.(1997); 
Taxa de Desemprego: 4% (1997).

Energia:

Produção total de energia comercial: 1.687,3 milhões de toneladas de equivalente de petróleo (E.P.) (1996);

Produção total de eletricidade: 3.678 Triliões de kWh (1999);

Consumo total de energia: 2.135 milhões de toneladas de E.P. (1996);

Consumo total de eletricidade: 3.45 Triliões de kWh (1999);

Consumo per capita de energia: 8.051,0 quilos de E.P. (1996);

Importação liquida de energia: 21% do consumo total de energia. (1996);

Percentagem da produção interna de eletricidade com utilização de energias renováveis: Hidroelétrica - 8.31% (1999).

Receitas públicas em relação ao P.N.B.: 21% (1995).

Despesas públicas em relação ao P.N.B.: 21.7% (1995).

Despesa pública em saúde: 6.6% do P.I.B. (1997).

Despesa pública em educação: 11.9% (2000).

Ultima taxa média anual da inflação disponível: 3.4% (estimativa para 2001).

Moeda: Dólar.

Transportes, Comunicações e Multimédia

Extensão dos caminhos-de-ferro: 225.750 km (2000).

Extensão e tipo de estradas: Total da extensão - 6.370.031Km km; Pavimentadas - 5.733.028Km; Não pavimentadas - 637.003 km (1997).

Cursos de água navegáveis: 41.009 km (2000).

Extensão e tipo de gasodutos e oleodutos: Petróleo - 276.000 km; gás natural - 331.000 km (2000).

Portos, cais e marinas: Anchorage, Baltimore, Boston, Charleston, Chicago, Duluth, Hampton Roads, Honolulu, Houston, Jacksonville, Los Angeles, New Orleans, New York, Philadelphia, Port Canaveral, Portland (Oregon), Prudhoe Bay, San Francisco, Savannah, Seattle, Tampa, Toledo.

Marinha Mercante: 376 barcos igual ou acima de 1.000 G.R.T. (9 lanchas de transporte, 68 de volumes, 13 de transporte de químicos, 3 de volumes combinados, 80 de transporte de contentores, 1 de gás liquefeito, 3 cargueiros de grande porte multifuncionais, 9 de passageiros, 1 de transporte de passageiros e carga, 98 petroleiros, 49 de porta-cabos, 3 de transporte de carreira curta, 1 de transporte combinado especializado e 9 de transporte de veículos); Total de tonelagem de 10.814.622 GRT/14,416,517 DWT (2000).

Número e tipo de aeroportos, aeródromos e pistas de aviação locais: 5.174 aeroportos com pistas pavimentadas, sendo que 182 tem pista pavimentada com comprimento acima dos 3.047 m, 220 tem pista pavimentada com comprimento entre os 2.438 e os 3.047, 1.331 de pistas entre os 1.524 m e os 2.437 m, 2,440 de pistas pavimentadas com comprimento entre os 914 m e os 1523 m e 1.001 com pistas com cumprimento abaixo dos 914 m; 9.546 aeroportos com pistas não pavimentadas, sendo que 3 tem pistas não pavimentadas com cumprimento acima dos 3.047 m, 6 pistas não pavimentadas com comprimento entre os 2.438 m e os 3.047 m, 164 com pistas não pavimentadas entre 1.524 m e os 2.437 m, 1.675 com pistas não pavimentadas entre os 914 m e os 1.523 m e 7.698 com pistas não pavimentadas abaixo dos 914 m.

Estados Unidos da América
Aeroporto de Newark

Número de linhas telefónicas em uso: 194 Milhões (1997).

Número de telefones móveis: 69.209 (1997).

Indicativo internacional de telefone e fax: 001.

Número e tipo de jornais: 1.548 jornais diários e vários jornais por fax (1997).

Tiragem média dos jornais: 212 exemplares por 1000 habitantes (1997).

Número e tipo de estações de rádio: 10322 estações de rádio transmitindo 4.762 em A.M., 5.542 em FM e 18 em onda curta.

Número de aparelhos de rádio: 575 Milhões (1997).

Número de estações de televisão: Mais de 1,500 (incluindo 1.000 estações filiadas às cinco grandes - NBC, ABC, CBS, FOX e PBS) (1997). (1999).

Número de televisores: 219 Milhões (1997).

Número de fornecedores de acesso à Internet: 7.800 (2000).

Número de utilizadores de Internet: 148 Milhões (1999).

Domínio internacional da Internet: .us

Defesa Nacional

Estados Unidos da América
Pentágono, centro da defesa nacional

Despesa pública militar: 3.8% do P.I.B. (1997).

Gastos militares em percentagem do P.N.B.: 3.2% (1999).

Gastos efetivos militares

Em Dólares: 276.7 Biliões de USD (1997).

Idade mínima de incorporação: 18 anos (2001).

Sistema Militar: Obrigatório.

Divisão das Forças Armadas em ramos: Departamento do Exército, Departamento da Marinha, Departamento da Força Aérea. A Guarda Costeira é normalmente subordinada ao Departamento de Transportes, mas em tempo de guerra, fica sob a égide do Departamento da Marinha. (2001).

Homens disponíveis para o serviço militar: 70.819.436 entre os 15 e os 49 anos (estimativa de 2001).

Homens que chegam anualmente à idade da incorporação: 2.053.179 (estimativa de 2002).

Outros dados

Estados Unidos da América
Deserto do "Grande Canyon"

Formalidades gerais de entrada: A maioria dos visitantes que chegam aos EUA necessitam de visto. Não existem riscos de maior para a saúde mas é de ter em atenção os elevados custos de atendimento médico.

Formalidades de entrada especiais para o espaço Iberófono: Um programa recíproco de não exigência de vistos permite que os cidadãos de Portugal e Espanha, (entre outros extra-espaço Iberófono), fiquem até 90 dias sem um visto no caso de possuírem um bilhete válido.

Feriados nacionais importantes: 1 de Janeiro - Dia de Ano Novo; 21 de Janeiro - Festa de Martin Luther King; 18 de Fevereiro - Dia do Presidente; 27 de Maio - Dia da Memória; 2 de Setembro - Dia do Trabalhador; 14 de Outubro - Dia de Colombo; 11 de Novembro - Dia dos Veteranos; 28 de Novembro - Thankgiving (Dia de Ação de Graças); 25 de Dezembro - Natal.

Pesos e medidas: Sistema Imperial.

Fonte: www.geolingua.org

Estados Unidos da América

As 13 colônias britânicas na América romperam com o Império Britânico em 1776 e foram reconhecidas como uma nova nação: os Estados Unidos da América. Durante os séculos 19 e 20, 37 novos estados foram adicionados aos 13 originais, além de várias possessões ultramarinas. Na virado do século 19 para o 20 os EUA já eram a economia mais poderosa do mundo

Estados Unidos da América

Geografia

Nome: Estados Unidos da América (abr. EUA ou EEUU).

Em inglês: United States of America (abr. US ou USA).

Capital: Washington, DC.

Tipo de governo: República federal.

Divisões administrativas: 50 estados e um distrito*; Alabama, Alasca, Arizona, Arkansas, Califórnia, Colorado, Connecticut, Delaware, Distrito de Columbia*, Florida, Georgia, Hawaii, Idaho, Illinois, Indiana, Iowa, Kansas, Kentucky, Louisiana, Maine, Maryland, Massachusetts, Michigan, Minnesota, Mississippi, Missouri, Montana, Nebraska, Nevada, New Hampshire, Nova Jersey, Novo Mexico, Nova York, Carolina do Norte, Dakota do Norte, Ohio, Oklahoma, Oregon, Pennsylvania, Rhode Island, Carolina do Sul, Dakota do Sul, Tennessee, Texas, Utah, Vermont, Virginia, Washington, West Virginia, Wisconsin, Wyoming.

Áreas dependentes: Samoa Americana, Baker Island, Guam, Howland Island, Jarvis Island, Johnston Atoll, Kingman Reef, Midway Islands, Navassa Island, Northern Mariana Islands, Palmyra Atoll, Porto Rico, Ilhas Virgens Americanas, Wake Island.

Relevo: vasta planície central, montanhas altas a oeste e baixas a leste. Vulcões no Hawaii.

Área total: 9.631.418 km² (incluindo apenas os 50 estados e o Distrito de Columbia). Costa: 19.924 km. Terceiro maior país do mundo, depois da Rússia e do Canadá.

Ponto mais alto: Mount McKinley 6.194 m.

Clima: Predominantemente temperado. Tropical no Hawaii e Flórida. Ártico no Alasca. Semi-árido nas grandes planícies e rio Mississippi. Árido no Sudoeste.

Portos: Corpus Christi, Duluth, Hampton Roads, Houston, Long Beach, Los Angeles, New Orleans, New York, Philadelphia, Tampa, Texas City.

Economia

A maior e, tecnologicamente, a mais desenvolvida economia do mundo.

Moeda: dólar.

PIB: US$ 11,75 trilhões (2004 estimado).

PIB per capita: US$ 40.100 (2004). Taxa de crescimento do PIB: 4,4 % (2004).

Taxa de desemprego: 5,5 % (2004).

Gente
População: 295,7 milhões (julho 2005, estimado).

Taxa de crescimento pop.: 0,92 % (2005 est.).
Expectativa de vida ao nascer: 77.7 anos.

Religiões: Protestantes 52%. Católicos romanos 24%. Mormons 2%. Judeus 1%. Muçulmanos 1%. Outras ou nenhuma 20% (2002).

Línguas: Inglês 82,1%. Espanhol 10,7%. Outras línguas indo-européias 3,8%. Outras 3,4% (2000).

Grupos étnicos: Brancos 81,7%. Negros 12,9%. Asiáticos 4,2%. Ameríndios e nativos do Alasca e ilhas do Pacífico 1,2% (2003).

Visão Perdida de Nova York

Situado em Manhattan, coração financeiro dos EUA, o World Trade Center era um dos principais cartões postais do país. Inaugurado em 1973, com 110 andares e 412 metros de altura, era a construção mais alta da época de sua inauguração.

Em 11 de setembro de 2001, um jato comercial 767, seqüestrado por terroristas, atingiu a torre norte. Outro jato semelhante atingiu o torre sul, 18 minutos depois. As duas torre sofreram um completo colapso estrutural em 104 minutos, após o primeiro ataque. Estima-se que morreram no desastre cerca de 2800 pessoas, 1796 pessoas não foram encontradas.

São Francisco

Estados Unidos da América

Uma cidade pitoresca da Califórnia. Pode-se descer as colinas de São Francisco em antigos bondinhos elétricos, observar leões marinhos e albatrozes no porto e pensar que se está na China ao caminhar pela Chinatown.

Fonte: paises-america.com

Estados Unidos da América

Estados Unidos

Dados gerais

Nome oficial: Estados Unidos da América. 
Capital: Washington. 
Nacionalidade: americana ou estadunidense. 
Língua: inglês (oficial); espanhol (minoria). 
Religião: cristianismo (protestantes: batistas, metodistas, luteranos, ortodoxos, maioria; católicos); islamismo, judaísmo, budismo etc. 
Data nacional: 4/7 (Independência). 
Moeda: dólar (dividido em 100 cents).

Geografia

Localização: centro da América do Norte.

Área: 9.372.614 km².

Limites: Canadá (N); oceano Pacífico (O); oceano Atlântico (L); México e golfo do México (S).

Características: planície costeira separada da central pelos montes Apalaches (L); Grandes Lagos (Érié, Huron, Michigan, Ontário, Superior, principais) e montanhas (N); cadeia montanhosa das Rochosas (de NO a SO); cadeia da Costa (costa do Pacífico); serra Nevada (SO); vale Central da Califórnia (O); planaltos do Colorado (SO) e da Colúmbia (NO); pradarias (centro).

Ponto mais elevado: monte McKinley (6.194 m) (Alasca).

Clima: temperado continental (L); subtropical (SE); de montanha (centro e montanhas Rochosas); árido tropical (SO); mediterrâneo (costa O); árido frio (NO).

Rios principais: Mississippi, Missouri, Grande, Yukon, Arkansas, Ohio, Vermelho, Colorado, Snake.

Cidades mais populosas: Nova York (7,3 milhões hab.); Los Angeles (3,4 milhões); Chicago (2,7 milhões); Houston (1,6 milhão); Filadélfia (1,5 milhão); San Diego (1,1 milhão) (1992).

Hora local (em relação a Brasília): -2h (Nova York, Washington D.C.); -5h (costa O); -7h (Havaí); -7h a -8h (Alasca).

Demografia

População: 257,8 milhões (1994); urbana: 75,2% (1990).

Densidade (hab./km²): 27,5 (1994).

Composição demográfica: brancos, 80,3%; negros, 12,1%; outros, 7,6% (1990).

Faixas etárias: 0-14: 21,9%; 15-59: 61,4%; mais de 60: 16,7% (1991).

Crescimento demográfico: 0,9% (1985-1992).

Natalidade: 16 por mil (1992).

Mortalidade: 8,5 por mil (1992); mortalidade infantil: 10,3 por mil (1991).

Fertilidade (no de filhos por mulher): 2 (1989).

Expectativa de vida:

homens: brancos: 72,6; negros, 68,4;

mulheres: brancas: 79,3; negras, 76,3 (1990).

Governo

Regime: república presidencialista.

Divisão administrativa: 50 Estados e o distrito de Columbia. 
Territórios: Guam, Ilha Wake, Ilhas Marianas do Norte, Ilhas Virgens Americanas, Porto Rico, Samoa Americana.

Chefe de Estado e de governo: presidente Bill (William Jefferson) Clinton (desde 20/1/1993).

Regime partidário: pluripartidarismo; principais partidos: Republicano, Democrata.

Legislativo: bicameral - Senado, com 100 membros (2/3 para mandatos de 6 anos e 1/3 para 2 anos), e Câmara dos Representantes, com 435 membros eleitos para mandatos de 2 anos, ambos por voto direto.

Constituição em vigor: 4/3/1789 (27 emendas).

Economia

Composição: agricultura: 2% do PNB (1991); indústria: 27,5% do PNB (1990); comércio: 16%; serviços: 53,8% do PIB (1989).

Agricultura: milho, soja, trigo, aveia, cevada, batata, beterraba, frutas cítricas, algodão, tabaco, feno.

Pecuária: bovinos, suínos, aves.

Pesca: 4 mil t (1992).

Indústria: equipamentos de transporte, máquinas industriais, aparelhos elétricos, refino de petróleo, gráfica e editorial, metalúrgica.

Minerais: petróleo, gás natural, carvão, cobre, ferro, prata, urânio.

Exportações: US$ 420,8 bilhões (1992); produtos: máquinas industriais e equipamentos de transporte, artigos manufaturados de base, combustíveis químicos e lubrificantes (1992).

Importações: US$ 551,6 bilhões (1992); produtos: máquinas industriais e equipamentos de transporte, artigos manufaturados de base, químicos e derivados, alimentos e animais vivos (1992).

Parceiros comerciais: Canadá, Japão, México, Reino Unido, Alemanha.

Pesos e medidas: padrões britânicos.

Produto Interno Bruto (PIB): US$ 5,9 trilhões (1992); renda per capita: US$ 23.240 (1992); crescimento anual: 1,7% (1980-1992).

Inflação anual: 2,7% (1993).

Dívida externa: US$ 623,3 bilhões (1992).

Força de trabalho: 129,5 milhões (1993); agricultura: 2,7%; indústria: 24%; outros: 73,3% (1993); mão-de-obra feminina: 45% (1991).

Desemprego: 6,7% (1993).

Saúde

Leitos hospitalares: 1 por 188 hab.; médicos: 39,1 por 10 mil hab. (1992).

Investimento: 19,6% do orçamento (1991/1992).
Educação

Analfabetos: 4,5% (1980).

Alunos de 1o e 2o graus: 48,1 milhões; professores: 2,7 milhões (1992/1993).

Alunos no ensino superior: 14,5 milhões; professores: 890 mil (1990/1991).

Investimento: 13,8% do orçamento (1990/1991).

Transportes

Rodovias: 6,2 milhões km; 58% pavimentados (1990); no de veículos: 188,5 milhões; automóveis: 143,5 milhões (1990). 
Ferrovias: 232 mil km (1990).

Portos: Nova York, Nova Orleans, Houston, Duluth Superior (canal do rio São Lourenço-Grandes Lagos) e ao longo dos rios Mississippi e Ohio.

Linhas aéreas: American Airlines, Braniff, Continental Airlines, Delta Airlines, Piedmont Airlines, Trans World Airlines, United Airlines, Northwest Airlines (vôos internacionais e domésticos); USAir (regionais); Hawaiian Airlines (domésticos), Flying Tiger Lini (carga).

Comunicações

Receptores de rádio: 1 por hab. (1991). 
Receptores de TV: 1 por 1,2 hab. (1991). 
Linhas telefônicas: 1 por 2 hab. (1990). 
Jornais: 1.755 diários; no de exemplares por mil hab.: 249 (1992).

Formação dos Estados Unidos

Em 1777, um ano depois da independência, cada um dos 13 Estados norte-americanos substitui seus estatutos coloniais por constituições próprias que garantem a soberania do povo, a divisão de poderes, a elegibilidade dos cargos públicos e a separação da igreja do Estado.

República norte-americana

Em 1787 os Estados concordam, na Convenção de Filadélfia, em estabelecer uma República federativa presidencialista, cujo texto constitucional só entra em vigor em 1789. A Constituição garante a divisão de poderes e um sistema de controle mútuo. Os assuntos relacionados à defesa, moeda e assuntos externos são de competência do governo federal, enquanto os demais são incumbência dos Estados.

Conquista do Oeste

É estimulada desde o governo de George Washington (1789-1796), que oferece facilidades, como preços baixos para as terras conquistadas e prêmios aos pioneiros. Milhares de colonos organizam caravanas e passam a enfrentar os índios da região tomando suas terras.

Antes da expansão existem cerca de 1 milhão de índios no Oeste norte-americano. Em 1860 a população indígena está reduzida a cerca de 300 mil, que passam a viver em reservas oficiais.

Independência dos EUA

A Independência dos Estados Unidos destrói a unidade do sistema colonial, colaborando decisivamente para a derrocada do Antigo Regime. As 13 colônias, estabelecidas a partir do século XVII no território norte-americano, contam, nas últimas décadas do século XVIII, com mais de 2 milhões de colonizadores. No centro - Pensilvânia, Nova York, Nova Jersey e Delaware - e no norte - Massachusetts, New Hampshire, Rhode Island e Connecticut - europeus exilados por motivos políticos ou religiosos vivem em pequenas e médias propriedades. Embora a Inglaterra proíba o estabelecimento de manufaturas nas colônias, a incipiente indústria do centro-norte não é incomodada pelas autoridades, pois não compete com o comércio da metrópole.

No sul

Virgínia, Maryland, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia - predomina a grande propriedade rural, ocupada pela monocultura dirigida à exportação e tocada pela mão-de-obra escrava, com pouco espaço para o trabalho livre. Os nortistas, no entanto, atravessam as fronteiras e concorrem com o comércio metropolitano, levando a Inglaterra a endurecer a política com as colônias.

Influência da Guerra dos Sete Anos

Travada de 1756 a 1763 entre a Inglaterra e a França e vencida pelos ingleses, transfere para a Coroa britânica a maioria das possessões francesas, incluindo as terras situadas na América, a oeste das 13 colônias. Como os colonos norte-americanos não haviam contribuído para o esforço militar inglês, o Parlamento decide cobrar deles os custos da guerra, aumentando as taxas e reforçando os direitos da Coroa no continente.

Novos impostos ingleses

São cobrados para cobrir as despesas com uma força militar de 10 mil homens deslocada para a América pelos ingleses. O Parlamento aprova, em 1764, a Lei do Açúcar (Sugar Act) e, em 1765, a Lei do Selo (Stamp Act).

Lei do Açúcar

Proíbe a importação de rum estrangeiro e taxa a importação de carregamentos de açúcar procedentes de qualquer lugar que não das Antilhas britânicas.

Lei do Selo

Institui a cobrança de impostos sobre documentos, impondo selagem até a baralhos e dados. As leis do Açúcar e do Selo são revogadas por pressões dos colonos e dos comerciantes ingleses, boicotados pelos norte-americanos.

Lei dos Alojamentos

É aprovada em 1765 e exige dos colonos norte-americanos o pagamento pelos alojamentos e alimentação das tropas inglesas.

Lei do Chá (Tea Act)

É o estopim da crise entre a colônia e a metrópole, pois dá o monopólio do comércio do chá à Companhia das Índias Orientais, depositária dos interesses de diversos políticos ingleses. Com a nova legislação, a Companhia transporta o chá diretamente das Índias para a América, prejudicando os intermediários residentes na colônia.

Festa do chá em Boston

Nome pelo qual é conhecida a destruição, em 1773, de três centenas de caixas de chá retiradas dos navios ingleses, no porto de Boston, por comerciantes disfarçados de índios.

Leis Intoleráveis

O nome designa as leis promulgadas pelo Parlamento, em 1774, em represália à revolta da Festa do chá, com o objetivo de conter o clima de insubordinação. O porto de Boston é interditado até o pagamento dos prejuízos e são tomadas outras medidas severas, como o julgamento e a punição de todos os colonos envolvidos em distúrbios contra a Coroa.

As Leis Intoleráveis provocam a convocação do Primeiro Congresso Continental de Filadélfia (1774), não-separatista, cujos participantes pedem ao rei e ao Parlamento a revogação da legislação autoritária como forma de concretizar a igualdade de direitos dos colonos.

Batalha de Lexington

Acontece em 1775, quando um destacamento inglês tenta destruir um depósito de armas controlado pelos rebeldes e encontra feroz resistência por parte de tropas coloniais semi-improvisadas. É considerado o marco inicial da guerra pela independência. Os colonos se organizam militarmente e são declarados rebeldes pelo trono inglês. A revolta contra a Inglaterra se instala de forma declarada.

Guerra da Independência

Começa em 1775, com a tomada de Boston pelos norte-americanos, e se estende até 1781, com a derrota da Coroa. Em 1776, a Virgínia declara-se independente. O Segundo Congresso da Filadélfia, reunido desde 1775, nomeia George Washington, da Virgínia, comandante das tropas norte-americanas e conclama os cidadãos às armas.

Declaração de Independência

É redigida por uma comissão de cinco membros liderados por Thomas Jefferson. O documento, com mudanças introduzidas por Benjamin Franklin e Samuel Adams, é promulgado em 4 de julho de 1776, na Filadélfia, por delegados de todos os territórios. A Declaração de Independência dos Estados Unidos é inspirada nos ideais do Iluminismo e defende a liberdade individual e o respeito aos direitos fundamentais do ser humano.

George Washington (1732-1799)

Filho de um grande proprietário de terras da Virgínia, torna-se agrimensor. É encarregado de levar um ultimato aos franceses que haviam invadido terras do Ohio. Não é atendido e recebe o posto de tenente-coronel, participando da luta contra os franceses, derrotados em 1758. Eleito para o Parlamento da Virgínia (1759-1774), ataca a política colonial inglesa.

Com o início da guerra da Independência, em 1775, é nomeado comandante-em-chefe, cargo que ocupa até a vitória final dos norte-americanos. É convocado para presidir a convenção federal da Filadélfia, quando coloca a Constituição de 1787 em votação.

Em 1789 é eleito, por unanimidade, o primeiro presidente dos Estados Unidos. No final de 1792, é reeleito por unanimidade e, terminado o mandato, recusa-se a concorrer novamente, estabelecendo uma norma eleitoral nos Estados Unidos.

Ajuda francesa

A participação de tropas francesas é decisiva na consolidação das lutas pela independência dos EUA. A intervenção acontece graças à afinidade com os norte-americanos em relação aos ideais libertários do Iluminismo. É também um revide à derrota sofrida na Guerra dos Sete Anos.

Os franceses fornecem o capital necessário para sustentar o movimento e aliciam os espanhóis contra os ingleses. A participação da Marinha francesa é fundamental na ampliação da guerra, levada ao Caribe e às Índias. Finalmente, em 1781, o Exército inglês se rende em Yorktown, depois de sitiado pelas tropas rebeldes.

Tratado de Versalhes

Reunido em 1783, reconhece a independência dos Estados Unidos da América. Os aliados dos norte-americanos são recompensados: a França recupera Santa Lúcia e Tobago, nas Antilhas, e suas possessões no Senegal; a Espanha ganha a ilha de Minorca e a região da Flórida.

Primeira Constituição dos EUA

Proclamada em 1787, representa um compromisso entre a tendência republicana, liderada por Jefferson e responsável pela grande autonomia dos Estados membros da federação, e a tendência federalista, defensora de um poder central forte. No geral, os princípios constitucionais de 1787 continuam em vigor, como a adoção da república federativa presidencialista como forma de governo; a separação dos poderes em Executivo (administração), Legislativo (elaboração das leis) e Judiciário (aplicação da justiça); e o estabelecimento de direitos civis e políticos, como as liberdades de expressão, de imprensa, de crença religiosa e de reunião, a inviolabilidade do domicílio e da correspondência e o direito a julgamento.

Guerra Fria

Tem como eixo a disputa pela hegemonia mundial entre as duas superpotências, que se estenderá por mais de 40 anos. Com sistemas sociais e políticos opostos, armas nucleares e políticas de conquista da hegemonia mundial, Estados Unidos e União Soviética mantêm o mundo sob a ameaça de uma guerra nuclear. São chamadas de superpotências porque cada uma delas tem armamentos suficientes para destruir o planeta sozinha.

Hegemonia Dos EUA

Conquistada em virtude do fortalecimento dos Estados Unidos durante a guerra, concomitante ao enfraquecimento relativo das potências européias. A economia norte-americana se expande internacionalmente. Suas Forças Armadas detêm o monopólio da bomba atômica e disseminam bases pelo mundo. Washington dita a política no Ocidente e disputa a hegemonia no resto do planeta.

A supremacia econômica é alcançada com a exportação de capitais, empresas, produtos industriais e agrícolas e tecnologia. As empresas norte-americanas tornam-se multinacionais, com filiais espalhadas por todo o mundo. Exercem influência sobre as economias nacionais e determinam seu rumo. A busca da hegemonia política tem por base a Doutrina Truman.

Neocolonialismo

O colonialismo do século XIX (neocolonialismo), incrementado a partir de 1880, tem por base uma nova divisão econômica e política do mundo pelas potências capitalistas em ascensão. Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha experimentam um auge industrial e econômico a partir de 1870, seguidos pela França e Japão.

Itália e Rússia ingressam na via da industrialização nesse mesmo período. Os monopólios e o capital financeiro de cada potência competem acirradamente pelo controle das fontes de matérias-primas e pelos mercados situados fora de seus países.

Tipos de colônia

O neocolonialismo desenvolve política que tem por eixo dois tipos de colônia: as colônias comerciais e as colônias de assentamento. As colônias comerciais devem fornecer matérias-primas e, ao mesmo tempo, constituir-se em mercados privilegiados para produtos e investimentos de capitais das metrópoles. As colônias de assentamento servem de áreas de recepção dos excedentes populacionais das metrópoles.

ESTADOS UNIDOS

Na fase final da 1a Guerra Mundial os Estados Unidos dão início à sua interferência nos assuntos europeus. Fornecem empréstimos à Entente, enviam tropas e mediam o armistício, por meio dos 14 pontos do presidente Wilson. Problemas sociais e econômicos internos fazem o país oscilar entre isolamento e intervencionismo.

Os anos 20 são marcados por agitações sociais, greves, atentados e manifestações populares. Imigrantes europeus se destacam nesse processo, sendo presos e deportados os suspeitos de anarquismo ou radicalismo. Os anarquistas italianos Niccola Sacco e Bartolomeo Vanzetti são condenados à cadeira elétrica em 1921. A Lei Seca é promulgada em 1920, com o objetivo de combater o absenteísmo no trabalho e outras práticas sociais consideradas desagregadoras.

Mulheres lutam pelo direito de voto, refletindo seu peso crescente no mercado de trabalho (2 milhões em 1914 e 10 milhões em 1930). Entre 1921 e 1924 são colocadas em prática restrições à imigração, com base em leis racistas, e a Ku Klux Klan, agremiação racista clandestina, desencadeia entre 1924 e 1926, no sul e centro-oeste, uma campanha de violências contra negros, católicos, judeus, intelectuais e adversários da Lei Seca.

Segunda Guerra Mundial

A humilhação sofrida pela Alemanha com o Tratado de Versalhes cria as condições ideais para a germinação do nacional-socialismo - nazismo - alemão e a ascensão de Hitler ao poder, em 1933.

O nacional-socialismo toma o poder pela violência, elimina as dissensões internas-continentes com métodos violentos e combate a divisão do mundo produzida pela 1a Guerra, quando os mercados mundiais são repartidos entre França, Bélgica, Reino Unido, Holanda, Itália, Japão e Estados Unidos. A política alemã não deixa dúvidas quanto aos desejos de Hitler: o carvão e o ferro da Sibéria; o petróleo da Rumânia e Cáucaso; o trigo da Ucrânia. E, especialmente, o reordenamento do mundo colonial.

Ameaça nuclear

Após a explosão da primeira bomba atômica em 1945, os Estados Unidos fazem testes de novas armas nucleares no atol de Bikini, no Pacífico, e criam a Comissão de Energia Atômica para a expansão de seu poderio nuclear. Em 1949 a União Soviética explode seu primeiro artefato atômico no deserto do Cazaquistão, entrando na corrida nuclear.

O mundo ingressa assim na era do terror atômico, na qual cada uma das superpotências se esforça por conseguir uma bomba mais potente que a experimentada pela outra. Em 1952 os Estados Unidos explodem a primeira bomba de hidrogênio, com potência de 15 milhões de TNT (750 vezes mais potente que a primeira bomba atômica).

Em 1955 a União Soviética lança sua bomba de hidrogênio de um avião, considerado um importante avanço técnico sobre os norte-americanos. Essa corrida coloca o mundo diante do perigo da destruição. Mas outros países, como Reino Unido, França, China e Índia, entram no rol de países que têm armas nucleares. Países suspeitos de terem a bomba incluem Paquistão e Israel. Em 1963 é assinado o primeiro acordo de limitação de atividades nucleares, proibindo testes na atmosfera.

Corrida espacial

As primeiras experiências com foguetes datam de 1935. São realizadas simultaneamente na Alemanha e Estados Unidos e estão diretamente vinculadas às pesquisas sobre novos armamentos. Durante a 2a Guerra Mundial, o governo alemão usa os princípios de propulsão de foguetes para construir as primeiras bombas voadoras, a V-1 e a V-2, num programa coordenado por Wernher von Braun.

É com essa tecnologia capturada dos alemães que Estados Unidos e União Soviética dão início à chamada corrida espacial: a luta pela primazia na conquista do espaço. Cada passo dessa corrida traduz-se em avanços tecnológicos: novos materiais, aperfeiçoamento de motores, armamentos, satélites meteorológicos e de comunicação.

Guerra de máquinas

A 2a Guerra Mundial é uma guerra de máquinas, aviões, tanques, colunas motorizadas, artilharia pesada, navios e submarinos. Antes da explosão do conflito, os Estados Unidos esforçam-se por desenvolver a indústria de guerra e reúnem uma produção bélica 50% mais poderosa do que as da Alemanha e Japão juntos. Nos anos de 1943 e 1944, os Estados Unidos fabricam um navio por dia e um avião a cada cinco minutos.

Crise econômica

O protecionismo comercial favorece a indústria, mas não facilita as exportações. O aumento do consumo e os novos processos de trabalho (produção em série e linha de montagem) fazem com que a produção de bens de consumo, automóveis e construção dobre entre 1921 e 1929.

Mas o consumo e as exportações não acompanham o crescimento da produção. O mercado fica saturado, há queda das vendas, endividamento bancário, diminuição e paralisia das atividades industriais, desemprego, retração das compras e maior saturação do mercado, numa espiral recessiva.

Quebra da Bolsa de Nova York

A expansão do crédito bancário e a especulação financeira chegam a seu limite em 24 de outubro de 1929, com a quebra da Bolsa de Nova York, conhecido também como crack da bolsa. No setor de crédito, 9.096 bancos quebram e as cotações das ações reduzem-se em 87% entre setembro de 1929 e julho de 1932. As atividades econômicas regridem ao nível de 1913.

O desemprego toma proporções gigantescas (retratado no filme Tempos modernos, de Charles Chaplin). Na década de 30 são mais de 13 milhões de pessoas que percorrem o país em busca de emprego. A supressão dos créditos americanos a outros países, a paralisação das exportações para a América e a queda dos preços das matérias-primas dá amplitude mundial à crise.

Para frear a queda dos preços, milhares de toneladas de produtos agrícolas são destruídos nos Estados Unidos, Europa e América Latina. Em 1932 Franklin Roosevelt assume a presidência.

Repercussão internacional

Em conseqüência da quebra da Bolsa, o comércio internacional regride e surgem em diversos países medidas protecionistas como a proibição pura e simples da importação de algumas mercadorias até a limitação na utilização de divisas. O padrão ouro é substituído pelo dólar.

A crise monetária reflete-se nos balanços internacionais de pagamentos e vários governos suspendem as amortizações de dívidas e o pagamento de serviços correspondentes. O número de desempregados nos 32 países mais ricos passa de cerca de 6 milhões em 1929 para 25,4 milhões em 1932. A redução de salários, nos EUA, é de 39% entre 1929 e 1931 e de 60% em 1932.

Roosevelt presidente

Em 1932, no auge da crise que começara em 1929, Franklin Delano Roosevelt, político de família aristocrática, é eleito pelo Partido Democrata presidente dos EUA. Começa a política de reformas conhecida como New Deal (Novo Acordo), que irá promover a recuperação da economia do país.

Pós 2a Guerra Mundial

O término do conflito muda o panorama político e econômico internacional. As perdas materiais e humanas da Europa e do Japão rebaixam a posição das antigas potências. Os Estados Unidos surgem como superpotência, o mesmo acontecendo com a União Soviética, apesar das perdas.

Surgem novas nações e novas organizações internacionais, como a ONU, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, criados em 1945. O mundo entra na era nuclear dividido em dois campos: o capitalista, liderado pelos Estados Unidos, e o comunista, sob hegemonia da União Soviética.

ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) surge em 1945, depois da 2a Guerra Mundial. Substitui a Liga das Nações, criada no final da 1a Guerra, e tem como objetivo garantir a paz mundial e a cooperação entre os países. Em 1o de janeiro de 1942, em Washington, Estados Unidos, é elaborada a Declaração das Nações Unidas por representantes de 26 nações.

Na ocasião, o presidente Roosevelt pronuncia pela primeira vez a expressão "nações unidas". Três anos depois, a Conferência de São Francisco reagrupa 50 países, sob o comando dos Estados Unidos, Reino Unido, China e União Soviética. É assinada a Carta das Nações Unidas. A primeira sessão da ONU acontece em Londres, em janeiro e fevereiro de 1946. A sede oficial passa a ser Nova York.

Atualmente, das 192 nações existentes, 185 integram a ONU. Os principais órgãos da ONU são a Assembléia Geral, Conselho de Segurança, Conselho Econômico e Social, Corte Internacional de Justiça e Secretaria Geral. Há ainda agências especializadas, organismos intergovernamentais que trabalham em colaboração com a ONU, como o FMI, Organização Mundial da Saúde (OMS) e Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Política externa

Roosevelt rompe a política do isolacionismo. Os Estados Unidos entram na Organização Internacional do Trabalho em 1934, mas o presidente não consegue apoio interno para aderir ao Tribunal Internacional de Justiça. O país reconhece a União Soviética em 1933 e evita repetir o intervencionismo militar na América Latina (‘’política de boa vizinhança’’).

Renuncia ao domínio sobre Cuba e ao protetorado sobre o Haiti. Na VIII Conferência Pan-Americana de 1938, os Estados Unidos prometem para 1944 a independência das Filipinas. A Lei sobre Neutralidade é modificada, em 1937, deixando de proibir a venda ou fornecimento de armas a países em guerra. Criam-se condições para fornecer armamentos a países em oposição à Alemanha e ao Japão. O fim da neutralidade norte-americana é anunciado no Discurso da Quarentena, em outubro de 1937, em Chicago.

Mudanças nos Estados Unidos

A corrida armamentista com a União Soviética, a derrota militar no Vietnã, a presença hegemônica americana em todo o mundo, o predomínio do sistema financeiro, as crises do petróleo e a concorrência de produtos alemães e japoneses introduzem mudanças na economia americana, que entra num período de relativo declínio. Essa situação influi na posição mundial dos Estados Unidos.

Declínio econômico

Caracteriza-se por perda do poder competitivo das indústrias e da agricultura americanas, aumento constante do déficit comercial, predomínio do sistema financeiro sobre o produtivo e pela transformação dos Estados Unidos, de maior credor internacional, em maior devedor mundial.

Durante as décadas de 70 e 80 as empresas japonesas e alemãs introduzem com mais rapidez as inovações da nova revolução tecnológica, reduzindo custos e produzindo em escala superior. A revolução verde iniciada nos anos 60 faz com que a maioria dos antigos países importadores de alimentos e matérias-primas agrícolas se torne auto-suficiente ou exportador de alimentos a custos mais baixos.

O volume global das exportações americanas durante os anos 70 e 80 cai, enquanto o volume das importações cresce sem parar. O salto nos preços do petróleo após a crise de 1973 agrava as despesas de importação. Em alguns anos o déficit atinge cifra superior a US$100 bilhões. Para sustentar a corrida armamentista e a política externa hegemônica, assim como os déficits comerciais, o governo americano toma dinheiro no mercado internacional, principalmente no mercado japonês.

No final dos anos 80, os Estados Unidos pagam mais de US$ 100 bilhões anuais de juros. O sistema financeiro acelera sua expansão durante o governo Reagan (1981-1988), cuja política econômica privilegia os juros altos, as isenções de impostos nas operações financeiras e os cortes nos programas assistenciais. Esse privilégio encarece a produção e agrava o declínio competitivo americano.

Ampliação dos direitos civis

Ocorre como conseqüência das lutas dos negros e outros segmentos da população americana desde os anos 60. A lei sobre direitos civis, de 1964, estabelece a igualdade de direitos entre negros e brancos e é complementada, no ano seguinte, pela lei que proíbe negar o direito de voto à população negra.

Os movimentos pela paz, a partir de 1967, culminam com os acordos de Genebra e a retirada das tropas americanas do Sudeste Asiático, em 1973, no governo do presidente Richard Nixon, que deixa o cargo em 1974 sob a ameaça de sofrer o impeachment por violação dos direitos civis no caso Watergate.

Richard Nixon (1913-1994)

Político norte-americano que notabiliza-se inicialmentecomo um dos incentivadores da campanha anticomunista dos anos 50, como assessor do senador Joseph McCarthy. Em 1960 concorre à presidência pelo Partido Republicano, mas é derrotado por John Kennedy. Torna-se presidente dos Estados Unidos em 1968 e é reeleito em 1972.

Apesar de ser considerado um dos mais duros anticomunistas americanos, inicia uma política de distensão com o Vietnã que acaba por retirar os Estados Unidos da guerra, em 1973. Também promove o início da ‘’détente’’ (distensão) com a União Soviética e aproxima-se da China, com a chamada política do ping-pong, a partir da visita do secretário de Estado de seu governo, Henry Kissinger, a Pequim, em 1971. As investigações do caso Watergate levam Nixon a renunciar em 1974, antecipando-se ao decreto do impeachment pelo Congresso.

Manutenção do poderio militar

Depois da derrota no Sudeste Asiático, o governo do presidente Ronald Reagan retoma a corrida armamentista em 1979, com o projeto Guerra nas Estrelas e a instalação de mísseis nucleares de médio alcance nos países aliados europeus. O projeto Guerra nas Estrelas objetiva colocar no espaço um escudo protetor antimísseis. Essa decisão gera uma onda de protestos pacifistas.

Em virtude da produção de armas, os Estados Unidos consomem mais de 12% de seu orçamento nacional em gastos militares (cerca de US$ 400 bilhões anuais). Em 1987 os Estados Unidos renunciam ao projeto Guerra nas Estrelas e iniciam negociações sobre armas nucleares com a União Soviética.

Um acordo sobre eliminação de mísseis de longo alcance, assinado em novembro, prevê a eliminação dos SS-20 soviéticos e dos Pershing-2 e Cruise, dos EUA. O fim da corrida armamentista com a URSS, que reduz drasticamente o perigo do confronto nuclear entre as superpotências, não afeta o predomínio americano no terreno das armas convencionais.

Limitações da política externa

Aparecem à medida que os Estados Unidos tentam manter sua política hegemônica. Os aliados dos norte-americanos apresentam crescente autonomia em suas decisões. Essas limitações começam com a derrota no Vietnã, a retirada das tropas americanas do Sudeste Asiático e o acordo de limitação das armas estratégicas ofensivas, em 1975, durante o governo Ford.

As tentativas do governo Carter, em 1978, de retomar a iniciativa hegemônica, interferindo na crise do Oriente Médio, não conseguem superar aquelas limitações, que são ressaltadas com o fracasso do resgate dos reféns na embaixada em Teerã.

O governo Reagan procura retomar a iniciativa, promovendo o fim da crise dos reféns no Irã, em troca do fornecimento de armas (1981), estimulando o Iraque na guerra contra o Irã (1981-1988), aumentando a presença militar americana no Líbano (1982) e intensificando a pressão contra as forças esquerdistas na América Central, com a invasão de Granada (1982), o apoio à ditadura direitista em El Salvador e o envio maciço de ajuda militar aos guerrilheiros anti-sandinistas da Nicarágua, os "contras". A retomada da iniciativa militar dos EUA prossegue durante o governo de George Bush (1988-1992).

Guerra De Secessão

Acontece entre 1861 e 1865, resultado dos atritos entre as regiões norte e sul dos Estados Unidos, devido à divergência dos sistemas econômico, social e político.

Diferenças entre norte e sul

Em 1860 predomina na região norte dos Estados Unidos a economia agrícola dos farmers (pequenos produtores), e a indústria com trabalho assalariado. O sul está organizado em grandes plantações algodoeiras cultivadas por escravos negros. A eleição de Abraham Lincoln como presidente, em 1861, com uma plataforma política nortista, coloca a União em confronto com os sulistas.

Guerra civil

As tensões entre norte e sul crescem devido às divergências sobre a introdução de uma política protecionista, defendida pelo norte, e à campanha abolicionista. São criadas sociedades nortistas que ajudam a fuga de escravos para o norte, onde ganham a liberdade.

Alguns Estados do sul decidem então se separar e criam a Confederação dos Estados da América (por isso passam a ser chamados de confederados), com capital em Richmond, Virgínia. Apesar de não ser um abolicionista radical, Lincoln não aceita o desmembramento da União e declara guerra ao sul.

A resistência sulista é muito violenta, apesar da inferioridade de forças e do bloqueio naval estabelecido pelo norte. Para conseguir o apoio dos negros, Lincoln emancipa os escravos em 1863. Em abril de 1865 os confederados se rendem. Dias depois Lincoln é assassinado por um escravista fanático durante uma apresentação de teatro.

Conseqüências da Secessão

A guerra faz 600 mil mortos, causa prejuízos de US$ 8 bilhões e deixa o sul destruído. Mesmo com o fim da escravidão os negros continuam sem direito à propriedade agrícola e sofrem discriminação econômica, social e política.

Fonte: www.colegioweb.com.br

Estados Unidos da América

INFORMAÇÕES GERAIS

área: km²
capital: Washington 
população: milhões de habitantes
moeda: Dólar
nome oficial: United States of America
nacionalidade: estadunidense ou norte-americano
data nacional: 4 de julho, Dia da independência(1776)

Os Estados Unidos da América (em inglês, United States of America, USA ou US; abreviado freqüentemente em português como EUA) são uma república federal composta por 50 Estados e um Distrito Federal.

A maior parte dos Estados Unidos localiza-se na região central da América do Norte, possuindo três fronteiras terrestres, duas com o Canadá, e uma com o México, sendo que o restante do país faz fronteira com o Oceano Pacífico, o Mar de Bering, o Oceano Ártico, o Golfo do México e o Oceano Atlântico.

Dos 50 Estados americanos, apenas o Alasca e o Havaí não são contíguos com os outros 48 Estados, nem entre si.  Os Estados Unidos também possui diversos territórios, distritos e outras possessões em torno do mundo, primariamente no Caribe e no Oceano Pacífico. Os Estados Unidos celebram seu dia da independência em 4 de julho de 1776, quando as Treze Colônias britânicas na América do Norte adotaram a Declaração de Independência, rejeitando a autoridade britânica, em favor da autodeterminação.

Esta independência foi oficialmente reconhecida pelo Reino Unido no Tratado de Paris. Os Estados Unidos adotaram sua atual Constituição em 1789, que estabeleceu a estrutura básica do governo americano. Desde então, a nação gradualmente desenvolveu-se, tornando-se uma superpotência após o fim da Segunda Guerra Mundial, passando a exercer grande influência econômica, política, científica, tecnológica, militar e cultural no mundo.

Localização

América do Norte, tendo sua costa leste para o oceano Atlântico e a oeste pelo Norte do Oceano Pacífico.Faz fronteira com canadá ao norte e México ao sul.

Dados Físicos

Sendo a quarta maior nação do mundo, a paisagem dos Estados Unidos varia de região a região. O país possui grandes florestas temperadas na costa leste e no noroeste, pantanais na Flórida, grandes planícies e o sistema fluvial do Mississippi-Missouri na região central, as Montanhas Rochosas a oeste das planícies, desertos e zonas costeiras a oeste das Montanhas Rochosas e florestas húmidas temperadas no noroeste da costa do Pacífico.

As regiões árticas do Alasca e as ilhas vulcânicas do Havaí aumentam ainda a diversidade geográfica e climática. O mapa político dos Estados Unidos está dividido em três distintas seções: O Alasca, conectado em terra apenas com o Canadá, à leste; o Havaí, um arquipélago localizado no meio do Oceano Pacífico, e o Estados Unidos Continental, que compreende os 48 Estados localizados na América do Norte. A fronteira dos Estados Unidos Continental com o Canadá é a mais longa fronteira não defendida do mundo.

Clima

Devido à grande extensão territorial dos Estados Unidos, o clima do país varia muito, de região à região. A Flórida possui um clima tropical, enquanto o Alasca possui um clima polar. Vastas porções do país têm um clima continental, com verões tépidos e invernos frios.

Algumas partes dos Estados Unidos, em particular partes da Califórnia, têm um clima mediterrânico. No geral, porém, a maior parte dos Estados Unidos possui um clima temperado ou sub-tropical, marcado por 4 distinas estações, com mudanças regulares de temperatura e precipitação.

A temperatura média anual nos Estados Unidos varia de -13ºC Barrow, Alasca, a 25,7ºC, no Vale da Morte, Califórnia. A temperatura mais alta já registrada no país foi registrada no Vale da Morte, Califórnia. A temperatura alcançada, à sombra, foi de 57ºC, registrada em 10 de julho de 1913.

A temperatura mais baixa já registrada no país, por sua vez, foi registrada foi em Barrow, Alasca, -62ºC, em 23 de janeiro de 1971. A precipitação média anual de chuva varia entre aproximadamente 5 centímetros no Vale da Morte para mais de 1 170 centímetros no Havaí.

População

Os Estados Unidos possuem uma das populações mais multiculturais do mundo, em termos de ascendência étnica e racial. Hispânicos constituem uma considerável parcela da população americana, sendo atualmente a maior minoria étnica dentro dos Estados Unidos, compondo cerca de 13,4% da população americana. Dado a alta imigração de hispânicos para os Estados Unidos, é esperado um crescimento desta percentagem. Boa parte desta imigração é ilegal, porém.

No século XVII e XVIII, o território que altualmente constitui os Estados Unidos foi colonizada por europeus. Colonos ingleses, muitos dos quais fugiam de perseguição religiosa na Europa, constituíam a maioria dos colonos a instalarem-se no atual Estados Unidos, primariamente na região leste do país, mas colonos espanhóis, franceses e neerlandeses também instalaram-se em diversas regiões do atual Estados Unidos.

Escravos foram trazidos do continente africano ao longo do século XVII, XVII e do início do XVIII para serem usados como mão-de-obra barata, e atualmente, seus descendentes, conhecidos como afro-americanos constituem uma considerável parcela da população americana, formando 12,9% da população dos Estados Unidos.

A partir de 1850, pessoas de diversas partes do mundo passaram a imigrar para os Estados Unidos. Até o final do século XIX, a maioria dos imigrantes vinham dos países da Europa Ocidental e Setentrional (Alemanha, Irlanda e países escandinavos). italianos, poloneses, gregos, russos e húngaros imigraram em grande quantidade entre o final do século XIX e meados do século XX (até a década de 1970).

Os maiores grupos étnicos europeus são alemães (que compõem 15,2% da população americana), irlandeses (10,8%), ingleses (8,7%), italianos (5,6%), escandinavos (3,4%), poloneses (3,2%) e franceses (3%). Brancos constituem no total 77% da população dos Estados Unidos - 69%, excluíndo os hispânicos, que podem ser de qualquer raça.

Asiáticos constituem um expressivo grupo racial minoritário dos Estados Unidos, constituindo 4,2% da população do país. Expressiva a partir da década de 1860, a imigração de asiáticos aumentou drasticamente durante a década de 1960, mantendo-se em alta até os dias atuais.

Hispânicos constituem uma considerável parcela da população americana, sendo atualmente a maior minoria étnica dentro dos Estados Unidos, compondo cerca de 13,4% da população americana. Dado a alta imigração de hispânicos para os Estados Unidos, é esperado um crescimento desta percentagem.

Índice de desenvolvimento humano

IDH: 7ª posição (2003)

Principais cidades

1. Nova Iorque- pop:8 104 079 , no estado deNova Iorque 
2. Los Angeles-pop, no estado da Califórnia 
3. Chicago-pop, no estado de Illinois 
4. Houston-pop, no estado Texas 
5. Filadélfia-pop, no estado da Pensilvânia

HISTÓRIA

Os atuais Estados Unidos da América se originaram em Treze Colônias britânicas estabelecidas na costa atlântica da América do Norte a partir do século XVII. Em 1776, uma revolta foi organizada pela classe dirigente dos colonos e seguiu-se uma Revolução Americana de 1776, que foi uma guerra de independência contra os colonizadores.

Em 1789, o país adotou uma constituição e assumiu a forma de uma República Federal, dando grande autonomia para os Estados federados. Desde sua efetiva independência do Inglaterra, realizada em 1783, e até meados do século XX, novos territórios e Estados foram sendo incorporados, ampliando as fronteiras até o Oceano Pacífico.

A ocupação do território onde hoje estão os Estados Unidos começa com a migração de humanos da Ásia, através do Estreito de Bering, num período indeterminado (estimativas variam de 10 a 40 mil anos atrás).

Durante o século XVI e o século XVII, exploradores espanhóis exploraram e colonizaram esparsamente as regiões que constituem atualmente o sul da Flórida e da região sul dos Estados Unidos. O primeiro assentamento inglês bem-sucedido foi Jamestown, no atual estado de Virgínia, fundado em 1607.

Durante as próximas duas décadas, vários assentamentos neerlandeses foram fundados no que atualmente constitui o Estado de Nova Iorque, incluindo a vila de Nova Amsterdão, que é atualmente a Cidade de Nova Iorque, bem como extensiva colonização inglesa da costa leste dos Estados Unidos, tendo removido os neerlandeses da região por volta da década de 1670.

Após a Guerra Franco-Indígena, onde a França perdeu suas colônias que atualmente constituem o leste do Canadá para o Reino Unido, este começou a impor impostos nas Treze Colônias - sendo os custos financeiros uma das principais razões da guerra. Estes impostos tornaram-se extremamente impopulares entre os colonos americanos, que além disso, não dispunham de representação no Parlamento do Reino Unido.

As tensões entre as 13 colônias inglesas e entre o Reino Unido cresceram, e as Treze Colônias eventualmente rebelariam-se contra os britânicos, na Guerra de Independência, iniciada em 1775, e que perdurou até 1783. A estrutura política original das 13 colônias era uma confederação, ratificada em 1781. Em 1789, os Estados Unidos optaram por tornarem-se uma República Federal.

Desde tempos coloniais, os Estados Unidos enfrentaram falta de mão-de-obra. À época, as diferenças socio-econômicas no país eram enormes, com um norte industrializado e um sul agrário. A falta de mão-de-obra incentivou a imigração européia no Norte e o uso do trabalho escravo no Sul - que fazia uso extensivo de escravos comprados no continente africano.

Os Estados industrializados do norte eram contra a escravidão, enquanto o sul achava que a escravidão era indispensável para o contínuo sucesso da agricultura sulista. Estas diferenças foram um dos muitos motivos de tensão política que gradualmente desencadearam a formação dos Estados Confederados da América, e irromperam na Guerra Civil Americana, entre 1861 e 1865, uma guerra civil na qual o número de baixas americanas foi maior do que a soma de todas as baixas americanas sofridas em todas as outras guerras na qual os Estados Unidos envolveram-se, desde sua independência, até a atual Guerra contra o Iraque.

A Confederação foi dissolvida após o fim da guerra, e o poder político dos sulistas no governo do país diminuiu drasticamente. A Guerra Civil Americana acabou efetivamente com a questão dos direitos de um dado Estado dos Estados Unidos em sair da União. Após a guerra, o governo federal americano tornou-se efetivamente mais poderoso do que os governos estaduais.

Ao longo do século XIX, vários novos Estados foram adicionados aos 13 originais, à medida que a nação se expandiu na América do Norte. O Destino Manifesto foi uma filosofia política dos Estados Unidos que encorajou a expansão rumo ao Oeste no país.

À medida que a população dos estados do Leste americano crescia e um número cada vez maior de imigrantes entrava no país, cada vez mais assentadores passaram a habitar regiões cada vez mais ao Oeste do país. Enquanto isto acontecia, os Estados Unidos acabaram efetivamente com todas as nações nativo americanas existentes em território americano, e movendo forçadamente a população indígena de seus antigos territórios para reservas indígenas.

Esta migração forçada é ainda um assunto muito discutido nos Estados Unidos, com várias tribos indígenas ainda reindivicando terras, e defendendo uma política separatista. Em algumas áreas, os nativos americanos foram exterminados com doenças infecciosas, desconhecidas pelos indígenas, que foram contaminados através do contato com pessoas de ascendência européia - com os assentadores norte-americanos adquirindo estas terras de ninguém.

Ao contrário da maioria dos países europeus, os Estados Unidos nunca foram uma potência colonial, embora, através de várias vitórias militares, diplomacia e acordos externos, os Estados Unidos adquiriram um número de possessões ultra-marinas, desde Cuba até as Filipinas.

Embora os Estados Unidos tenham aberto mão destes territórios gradualmente, algumas destas possessões continuam sob controle dos Estados Unidos, seja na forma de territórios (como Porto Rico) ou de estados (como o Havaí).

Os Estados Unidos adotavam, até a Guerra Civil Americana, uma política isolacionista, não procurando intrometer-se em conflitos internacionais. Porém, isto mudou com o fim da guerra. Durante o século XIX, os Estados Unidos tornaram-se uma potência econômica e militar mundial.

O crescimento da influência dos Estados Unidos sobre o mundo continuou no século XX, um século que é por vezes chamado de "O século americano", por causa da tremenda influência americana sobre o resto do mundo. O país se tornou o maior pólo de desenvolvimento tecnológico do planeta.

A influência americana sobre o mundo pôde ser vista na Grande Depressão, um período de grande recessão econômica entre 1929 e 1940, que não somente abateu todo o país como o Canadá e os países europeus (especialmente o Reino Unido e a Alemanha).

Porém, isto mudou com a entrada do país na Primeira Guerra Mundial e na Segunda Guerra Mundial. Após o fim desta, os Estados Unidos emergiram definitivamente como uma das superpotências mundiais, juntamente com a União Soviética - desencadeando a Guerra Fria.

Entre 1945 e 1991, ano do fim da União Soviética e do fim da Guerra Fria, os Estados Unidos tornaram-se muito envolvidos em assuntos externos - especialmente guerra ideológica contra o comunismo - participando ativamente na Guerra da Coréia e da Guerra do Vietnã. Com o colapso da União Soviética, os Estados Unidos emergiram como única superpotência mundial.

Passou a envolver-se então em ações de paz, participando da Guerra do Golfo (1991), removendo tropas iraquianas que haviam invadido o Kuwait.

Em 2001, os Estados Unidos sofreram o pior ataque em terras soberanas da história do país, nos Ataques de 11 de setembro, onde quase 3 mil pessoas morreram. Este ataque, um ataque terrorista, desencadeou a Guerra contra o terrorismo, e, posteriomente, a controversa Guerra contra o Iraque, além da caça ao mandante dos atentados, Osama bin Laden.

POLÍTICA

Forma de governo: República

Forma de Estado: Federal

Regime Político: Presidencialista.O atual presidente é George W. Bush.

Sistema Político: Democrático

Os Estados Unidos são uma República Federal. No nível federal, o principal oficial do Poder Executivo do país é o Presidente, eleito por um colégio eleitoral. O candidato à presidência que obtém a maioria dos votos do colégio eleitoral em uma dada eleição presidencial é o vencedor desta eleição.

O Poder legislativo pertence ao Congresso, formado pela Câmara dos Representantes e pelo Senado. Cada Estado tem direito a 2 senadores e um número de representantes proporcionais à sua população. O Poder Judiciário pertence aos tribunais federais, dos quais a maior é a Suprema Corte. Cada Estado possui direito a um certo número de votos no colégio eleitoral (que é proporcional à sua população).

Os Estados Unidos estão divididos em 50 Estados e um distrito federal, o Distrito de Columbia. Cada Estado, por sua vez, está subdividido em condados, com excepção da Louisiana, em que as subdivisões se chamam "paróquias", (parishes, em inglês) e do Alasca, onde as subdivisões estaduais são chamadas de "distritos" (boroughs). Os Estados Unidos da América são uma República Federal, que dão aos Estados federados muitos poderes, que na maioria dos outros países do mundo são exclusivas do governo nacional.

São os governos estaduais que possuem a maior influência sobre o dia-a-dia da população americana. Cada Estado possui sua própria Constituição e possui o poder de aprovar suas próprias regras e leis, referentes a certos assuntos como propriedade, crime, saúde e educação. O principal oficial de um Estado é o Governador. Cada Estado também possui uma legislatura bicameral.

Os membros desta legislatura são eleitos pela população do Estado, exceto no Estado de Nebraska, onde cada condado possui direito a um certo número de membros na leigislatura. Destaca-se a legislatura da Nova Hampshire, que é o terceiro maior Poder Legislativo do mundo anglófono, e possui um representante para cada 3 mil habitantes. Cada Estado possui seu próprio Executivo, Legislativo e Judiciário.

As instituições que são responsáveis pelo governo regional são tipicamente Conselhos Municipais - que tomam efeito em cidades (cities ou towns), vilas (village), municipalidades regionais (towns, regional municipality, municipality, hamlet) e condados (counties). Municipalidades regionais e condados são um agrupamento de cidades e vilas.

Tais subdivisões regionais aprovam leis que têm efeito nestas subdivisões em particular, lidando com assuntos como trânsito e a venda de álcool. Nas cidades, o maior oficial eleito pela população é o prefeito. Cidades possuem o direito de criar impostos.

Em alguns estados, os condados ou municipalidades regionais também possuem o direito de criar leis e impostos que valem para todas as cidades e vilas dentro dos limites do condado. Em outros estados, os condados ou municipalidades regionais possuem pouco ou nenhum poder, servindo apenas como distinções geográficas.

Os Estados Unidos possuem vários territórios e possessões insulares ultramarinas. A maior delas é a ilha de Porto Rico. Outras territórios ultra-marítimos de importância incluem a Samoa Americana, Guam, Marianas Setentrionais e as Ilhas Virgens Americanas. A Marinha americana têm ocupado uma base militar na Baía de Guantánamo, desde 1898

ECONOMIA

A economia dos Estados Unidos da América está organizada segundo o modelo capitalista e é marcada por um crescimento constante, baixas taxas de desemprego e de inflação, um grande déficit comercial e rápidos avanços tecnológicos.

A economia dos Estados Unidos pode ser vista como a mais importante do mundo. Vários países indexaram as suas moedas ao dólar, ou chegam mesmo a usar a moeda americana, e os mercados de capitais americanos são em geral encarados como indicadores da economia mundial.

O país tem enormes recursos minerais, com grandes depósitos de ouro, petróleo, carvão e urânio. Na agricultura, está entre os maiores produtores mundiais de milho, trigo, açúcar e tabaco, entre outras produções. A indústria americana produz automóveis, aviões e produtos eletrônicos. O maior setor econômico, no entanto, é o dos serviços: cerca de três quartos dos habitantes dos Estados Unidos trabalham nesse setor.

O maior parceiro comercial dos Estados Unidos é o seu vizinho do norte, o Canadá. Outros parceiros econômicos importantes são o México, a União Européia e nações industrializadas na Ásia, como o Japão, a Índia e a Coréia do Sul. O comércio com a China também é significativo.

DIREITOS E DEVERES

A Constituição dos Estados Unidos da América é a lei fundamental daquele país. A constitituição estabelece o estado federal, a separação de poderes e os direitos fundamentais.

Em 1787, os Estados Unidos proclamaram sua primeira e, até hoje, única Constituição. A Constituição exprime um compromisso entre a tendência republicana defendida por Jefferson, que queria grande autonomia política para os Estados membros da federação e a tendência federalista que lutava por um poder central forte.

O Presidente dos Estados Unidos da América é eleito pelo período de quatro anos pelos cidadãos eleitores num sistema em que os candidatos não ganham diretamente pelo número absoluto de votos no país, mas dependem da apuração em cada Estado, que manda para uma espécie de segunda eleição votos em número proporcional a sua população para o vencedor em seu território.

Duas casas compoem o Congresso: a Câmara dos Representantes, com delegados de cada Estado na proporção de suas populações; e o Senado, com dois representantes por Estado. O Congresso vota leis e orçamentos. O Senado vela pela política exterior principalmente.

Uma Corte Suprema composta por juízes indicados pelo Presidente e aprovados pelo Senado resolve os conflitos entre Estados e entre estes e a União, garantindo a supremacia da Constituição Federal em relação as Constituições estaduais e as leis do país.

CULTURA E COSTUMES

Idiomas Falados: Inglês

o Havaí, que adota o havaiano como segundo idioma oficial; a Louisiana adota o francês e o Novo México, o espanhol.

Esportes

Alguns esportes que foram criados ou desenvolvidos nos Estados Unidos da América tornaram-se mundialmente famosos. Tais esportes incluem o basquete, o basebol, o boliche e o futebol americano. Tais esportes são também os esportes mais praticados no país. Poucos esportes estrangeiros conseguiram popularizar-se no país.

O hóquei sobre o gelo é também razoavelmente famoso nos Estados Unidos, especialmente como um esporte de inverno. O futebol é famoso como um passatempo coloquial, especialmente entre descendentes de europeus e latino-americanos, mas as tentativas da criação de uma liga profissional do esporte falharam ou passaram por grandes dificuldades, e o futebol ainda não é um esporte reconhecido profissionalmente no país.

Outros esportes famosos no país incluem golfe, tênis, natação, corridas automobilísticas e esportes radicais. Os Estados Unidos sediam várias das principais competições internacionais de esportes do mundo - como o Masters de golfe, o US Open de tênis, o NASCAR e a Fórmula Indy.

Os Estados Unidos sediaram a Copa do Mundo de 1994, e por oito vezes os Jogos Olímpicos, mais do que qualquer outro país. Os Estados Unidos geralmente possuem resultados muito bons nas Olimpíadas. Em 2004, os Estados Unidos conseguiram um total de 103 medalhas, das quais 35 eram de ouro.

Cinema

O cinema dos Estados Unidos da América, além de uma forma de expressão cultural específica de um povo, é também uma das mais bem sucedidas indústrias de entretenimento do mundo. Apesar de nem todos os filmes dos Estados Unidos serem produzidos em Hollywood, a localidade tornou-se sinónimo desta indústria nacional. A influência do cinema norte-americano no resto do mundo é avassaladora e permanece, geralmente, como líderes de audiência em vários países do mundo.

Literatura

A literatura americana pode ser considerada como fazendo parte da Literatura inglesa ou como um ramo literário distinto. A literatura norte-americana inicial deve muito às formas e estilos originários da Europa. por exemplo, "Wieland" e outros romances de Charles Brockden Brown) inspiram-se diretamente nos romances góticos que então eram escritos na Inglaterra. Mesmo as narrativas impecavelmente urdidas por Washington Irving) - principalmente Rip Van Winkle e The Legend of Sleepy Hollow - parecem claramente europeias apesar de a ação se desenrolar no Novo Mundo

Teatro

O teatro americano é baseado na tradição ocidental, na sua maioria emprestado dos estilos de performance que prevaleciam na Europa na época de sua introdução no país. Hoje em dia, está fortemente interligado com a literatura, filmes, televisão e música norte-americana e não é incomum uma mesma história ser recontada em todas estas formas.

Regiões com cenários musicais significativos freqüentemente possuem fortes tradições teatrais e de comédia também. O teatro musical pode ser a forma mais popular: é certamente uma forma mais viva de teatro e as coreografias de sucesso dos palcos acabam indo para a televisão e filmes.

Hobbies

Hobbies ocupam muito do tempo recreativo de muitos americanos. Jardinagem, colecionamento de certos produtos (selos, moedas, etc), tricotagem, fotografia, artesanato e aeromodelismo são alguns dos mais famosos no país.

Comidas e bebidas típicas

Não existe uma culinária nacional, original do país - a atual culinária norte-americana é altamente diversificada, variando de região a região, dependendo da população e da cultura da região.

Alimentos comuns do café da manhã (ou pequeno almoço) norte-americano são ovos batidos, bacon, panquecas, cereais e pães com pasta de amendoim, acompanhados com café ou suco, na maioria das vezes, de laranja.

O almoço do norte-americano é leve - as razões são o pouco tempo disponível para almoço para os trabalhadores e estudantes. Um almoço pode ser simples ao ponto de ser constituído de apenas um único sanduíche, e só. O jantar é para a maioria das famílias norte-americanas o principal prato do dia.

Os Estados Unidos são o maior consumidor de café do mundo. Muitos norte-americanos tomam café logo pela manhã, e vários tomam café durante o trabalho. Além disso, o Estados Unidos também é o maior consumidor de refrigerantes do mundo.

Os Estados Unidos são famosos mundialmente pelas suas redes de fast-foods. Os norte-americanos almoçam muitas vezes em fast-foods, justamente por causa do pouco tempo disponível dos trabalhadores para almoço - bem por causa dos baixos preços dos produtos oferecidos.

Fonte: www.panoramainternacional.com

Estados Unidos da América

Nome oficial: Estados Unidos da América (United States of America).

Nacionalidade: norte-americana ou estadunidense.

Data nacional: 4 de julho (Independência).

Capital: Washington.

Cidades principais: Nova Iorque, Los Angeles, São Francisco, Houston, Filadélfia, Miami, Washington, Detroit, Dallas, Saint Louis, Las Vegas e Denver.

Idioma: inglês (oficial).

Religião: cristianismo 85,3% (protestantes 57,9%, católicos 21%, outros cristãos 6,4%), judaísmo 2,1%, islamismo 1,9%, sem filiação 8,7%, outras 2% (1995).

GEOGRAFIA DOS ESTADOS UNIDOS

Localização: América do Norte.

Hora local: -2h.

Área: 9.372.614 km² (incluindo o Alasca).

Clima: temperado continental (L), subtropical (SE), de montanha (centro e Montanhas Rochosas), árido tropical (SO), mediterrâneo (costa O), árido frio (NO).

Área de floresta: 2.125 mil km2 (1995).

POPULAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS

Total: 278,4 milhões (2000), sendo euramericanos 84%, afro-americanos 12%, asiáticos 3%, ameríndios 1% (1996).

Densidade: 29,7 hab./km2.

População urbana: 77% (1998).

População rural: 23% (1998).

Crescimento demográfico: 0,8% ao ano (1995-2000).

Fecundidade: 1,99 filho por mulher (1995-2000).

Expectativa de vida M/F: 73/80 anos (1995-2000).

Mortalidade infantil: 7‰ (1995-2000).

Analfabetismo: 4%.

IDH (0-1): 0,929 (1998).

POLÍTICA DO ESTADOS UNIDOS

Forma de governo: República presidencialista.

Divisão administrativa: 50 estados e o distrito de Colúmbia.

Principais partidos: Democrata (DP), Republicano (RP).

Legislativo: bicameral - Senado, com 100 membros (um terço renovável a cada 2 anos); Casa dos Representantes, com 435 membros. Ambos eleitos por voto direto para mandatos de 6 e 2 anos, respectivamente.

Constituição em vigor: 1789 (primeira e única).

Territórios sob sua administração: Porto Rico, Ilhas Marianas do Norte, Atol Johnston, Guam, Ilhas Wake, Ilhas Midway, Ilhas Virgens Americanas, Samoa Americana.

ECONOMIA: (dados de 1998 - últimos dados oficiais disponíveis)

Moeda: dólar americano.

PIB: US$ 8,2 trilhões.

PIB agropecuária: 2%.

PIB indústria: 26%.

PIB serviços: 72%.

Crescimento do PIB: 3,2% ao ano (1990-1998).

Renda per capita: US$ 29.240.

Força de trabalho: 138 milhões.

Agricultura: Os principais produtos são o tabaco, milho, soja, sorgo, batata, beterraba, trigo e outros cereais.

Pecuária: bovinos, suínos, aves.

Pesca: 5,6 milhões de t (1998).

Mineração: petróleo, gás natural, carvão, minério de ferro, minério de cobre, alumina, prata e urânio.

Indústria: equipamentos de transporte, armamentos, informática, tecnologia, alimentícia, máquinas, química, metalúrgica, gráfica e editorial.

Exportações: US$ 682,5 bilhões.

Importações: US$ 944,3 bilhões.

Principais parceiros comerciais: Canadá, Japão, México, Reino Unido, Alemanha e China.

DEFESA DOS ESTADOS UNIDOS

Efetivo total: 1,4 milhões de soldados (1998).

Gastos: US$ 265,9 bilhões (1998).

O PAÍS

Maior potência econômica e militar do planeta, os Estados Unidos da América (EUA) é líder em quase todos os quesitos estatísticos. Possui a maior produção industrial do planeta, o maior e mais diversificado parque instalado, líder em vários segmentos, tais como produção aeronáutica, automobilística, agrícola, etc. é o maior exportador e importador do mundo, possui o maior PIB.

O alto nível de vida de sua população é alicerçada na alta qualidade do ensino fundamental, colegial e universitário. O país abriga as mais conceituadas universidades e centros de pesquisas do mundo.

Outro destaque é a NASA, o mais avançado centro de estudos e pesquisas do mundo. As telecomunicações e a rede de transportes e internet são as mais completas e mais avançadas da Terra.

Possui ainda, a maior quantidade e a maior qualidade militar do planeta, com avançados recursos tecnológicos que lhe garantem a liderança absoluta também neste segmento. Por tudo isso e outros mais, os Estados Unidos (ou simplesmente EUA) é a nação líder nas organizações internacionais e sede da ONU - principal organização mundial.

Fonte: www.portalbrasil.net

Estados Unidos da América

Estados Unidos da América

Nome Oficial: United States of America (Estados Unidos da América)

Capital dos Estados Unidos da América: Washinton DC

Área: 9.629.091 km² (4º maior)

População: 299.59 milhões (2006)

Idiomas Oficiais: Inglês

Moeda: Dólar Americano

Nacionalidade: Americana

Principais Cidades: Nova York, Chicago, Miami, Los Angeles e São Francisco

Estados Unidos da América

Fonte: www.webbusca.com.br

Estados Unidos da América

História do País

Estados Unidos da América

Nome oficial: Estados Unidos da América (United States of America)

Capital: Washington

Nacionalidade: americana, norte-americana ou estunidense

Datas nacionais: 04 de julho (Dia da Independência)

Idioma: inglês

Moeda: Dólar

Estados Unidos da América

Bandeira

A Bandeira dos Estados Unidos da América consiste em 13 faixas horizontais, cujas cores são vermelho (que cobrem o topo e a parte de baixo da bandeira) alternando com branco. Há um retângulo azul no canto superior esquerdo, com 50 pequenas estrelas brancas, organizadas em nove fileiras horizontais, (topo e baixo) possuíndo seis estrelas cada, alternando com fileiras de cinco estrelas cada. Cada uma destas estrelas simboliza um Estado americano e cada uma das faixas horizontais representa uma das antigas Treze Colônias.

Histórico

Os Estados Unidos da América (EUA) é o quarto país do mundo pela sua extensão e população e primeiro pela sua importância econômica. É constituído por 50 estados e um Território Federal. Cada Estado possui um alto nível de autonomia local, de acordo com o sistema de federalismo.

Os Estados Unidos celebram seu dia da independência em 4 de julho de 1776, quando as Treze Colônias britânicas na América do Norte adotaram a Declaração de Independência, rejeitando a autoridade britânica.

Esta independência foi oficialmente reconhecida pelo Reino Unido no Tratado de Paris. Os Estados Unidos adotaram sua atual Constituição em 1789, que estabeceu a estrutura básica do governo americano.

Ao longo do século XIX, vários novos Estados foram adicionados aos 13 originais, à medida que a nação se expandiu na América do Norte. À medida que a população dos estados do Leste norte-americano crescia e um número cada vez maior de imigrantes entrava no país, cada vez mais assentadores passaram a habitar regiões cada vez mais ao Oeste do país.

Ao contrário da maioria dos países europeus, os Estados Unidos nunca foram uma potência colonial, embora, através de várias vitórias militares, diplomacia e acordos externos, os Estados Unidos adquiriram um número de possessões, desde Cuba até as Filipinas.

Embora os Estados Unidos tenham aberto mão destes territórios gradualmente, alguns continuam sob controle dos Estados Unidos, seja na forma de territórios (como Porto Rico) ou de estados (como o Havaí).

Também no século XIX, os Estados Unidos tornaram-se uma potência econômica e militar mundial, tornando-se o maior pólo de desenvolvimento tecnológico do planeta.

A influência norte-americana sobre o mundo pôde ser vista na Grande Depressão, um período de grande recessão econômica entre 1929 e 1939, que não somente abateu todo o país como o Canadá e os países europeus (especialmente Inglaterra e a Alemanha).

Os Estados Unidos adotava até o começo do século XX uma política isolacionista, não procurando intrometer-se em conflitos internacionais. Porém, isto mudou com a entrada do país na Primeira Guerra Mundial e na Segunda Guerra Mundial.

Após o fim desta, os Estados Unidos emergiram definitivamente como uma das superpotências mundiais, juntamente com a União Soviética - desencadeando a Guerra Fria. Entre 1945 e 1991, ano do fim da União Soviética e do fim da Guerra Fria, os Estados Unidos tornaram-se muito envolvidos em assuntos externos, participando ativamente na Guerra da Coréia e da Guerra do Vietnã.

Com o colapso da União Soviética, os Estados Unidos emergiu como única superpotência mundial. Passou a envolver-se então em ações de paz, participando da Guerra do Golfo (1991), removendo tropas iraquianas que haviam invadido o Kuwait.

Em 2001, os Estados Unidos sofreram o pior ataque em terras soberanas da história do país. Os Ataques de 11 de setembro, onde quase 3 mil pessoas morreram desencadearam a Guerra contra o terrorismo.

Economia

A economia dos Estados Unidos da América está organizada segundo o modelo capitalista e é marcada por um crescimento constante, baixas taxas de desemprego e de inflação. Atualmente, a economia americana é vista como a mais importante e influente do mundo.

Vários países indexaram as suas moedas ao dólar, ou chegam mesmo a usar a moeda americana como sua moeda oficial, e os mercados de capitais americanos são em geral vistos como indicadores da economia mundial.

Agricultura

A agricultura tem pequena participação na renda nacional (cerca de 3%), destacando-se no mundo pelo volume e variedade de produção, pela imensa mecanização e pela elevada produtividade do trabalho.

A distribuição dos produtos agrícolas é feita em faixas (velts), que se estendem de leste a oeste, variando o produto de norte a sul, de acordo com as condições climáticas:

Wheal belt (cinturão do trigo) - situa-se no norte e noroeste, nas vizinhanças dos Grandes Lagos, destacando-se os estados de Nebraska, Kansas e Dakota.

Corn belt (cinturão do milho) - situa-se no centro-leste, junto à Bacia do Mississipi-Missouri, predominando no estado de Iowa.

Cotton belt (cinturão do algodão) - situa-se no sul e sudeste, destacando-se os estados de Alabama e Mississipi.

Ao sul, no litoral do Golfo do México, e, a oeste, na costa do Pacífico, há cultivo de frutas.

Pecuária

Os Estados Unidos destacam-se como possuidores de um dos maiores rebanhos do mundo, com predominância de bovinos, suínos e ovinos.

As áreas de maior destaque são: região centro-ocidental (com criação extensiva de corte associada ao cultivo de milho) e a região dos Grandes Lagos e nordeste (criação intensiva de gado leiteiro - Dairy belt).

Recursos minerais

O rico potencial energético e sua utilização constituem um dos fatores mais importantes do desenvolvimento industrial americano. Seus principais minérios são:

Ferro - suas reservas encontram-se na região dos Grandes Lagos, junto ao Lado Superior, nos estados de Minesota e Winsconsin e ao sul dos Apalaches.

Carvão - reservas na região dos Montes Apalaches, no Médio Mississipi e junto às Rochosas.

Petróleo - a principal área de extração é no Golfo do México, nos estados do Texas e Oklahoma, além da crescente produção da Califórnia.

Os Estados Unidos possuiem, ainda, outros minérios como bauxita, cobre, chumbo, zinco, ouro, prata e urânio.

Indústria

A indústria nos Estados Unidos está concentrada em número restrito de regiões que realizam mais de 80% da produção industrial, como Região Nordeste e Sul Grandes Lagos(manufacturing belt - grandes siderúrgicas, indústria automobilística, setores ligados à alta tecnologia, como informática, robótica, biotecnologia etc.), Costa do Pacífico (indústrias de construções mecânicas, eletrônicas, navais, automobilísticas, cinematográficas, aeronáticas etc) e Costa do Golfo do México (indústrias ligadas ao petróleo e ao gás natural; no Texas há a sede da Nasa , na Flórida o Centro Espacial John F. Kennedy e em Houston a sede da Compaq).

Comércio

As principais exportações são de máquinas industriais e elétricas, aviões, automóveis, cereais (trigo), metais, algodão bruto, tabaco, frutas etc. As importações são de matérias-primas diversas (petróleo, manganês, ferro, lã) e produtos alimentares (café, cacau, chá e açúcar).

O comércio se realiza, sobretudo, com a Europa Ocidental, Canadá, América Latina e Japão.

A rede ferroviária é responsável por quase metade do transporte de produtos que circulam no país. Destacam-se o transporte ferroviário e os oleodutos.

Política

Os Estados Unidos da América são uma República Federal Presidencialista. A nível federal, o poder executivo é exercido pelo Presidente, eleito por um colégio eleitoral, o poder legislativo pertence ao Congresso e o poder judicial pertence aos tribunais. Cada estado elege ainda o seu próprio governador (chefe do executivo) e um congresso.

Ainda há a possibilidade de, durante o pleito presidencial, os eleitores de um Estado aprovarem ou não projetos de lei relativos a diversas questões.

Toda e qualquer decisão política no país, desde a votação de uma emenda no Congresso até a eleição de um presidente, está vinculada ao Partido Republicano ou ao Partido Democrata.

Os primeiros são mais conservadores do ponto de vista político, institucional e da moral e costumes, enquanto os segundos possuem maior preocupação em relação aos problemas sociais e aos direitos humanos.

Clima

Estados Unidos da América
Flórida

O clima varia muito, conforme a região, devido ao extenso território americano. Assim, nas grandes planícies o clima continental é dominante, enquanto mais ao sul o clima passa a ser subtropical (Flórida).

Para Oeste, entre as Rochosas e as cordilheiras costeiras, que possuem clima de montanha, encontra-se uma vasta zona de clima desértico e subdesértico, e na costa do pacífico, o norte possui clima oceânico e para sul, o aumento das temperaturas e a diminuição das precipitações dão lugar a um clima mediterrâneo, que apresenta invernos suaves, verões quentes e poucas chuvas.

Fonte: www.passeiweb.com

Estados Unidos da América

O Senado

Estados Unidos da América

A criação do Senado dos Estados Unidos da América relaciona-se diretamente com a consolidação do federalismo norte-americano.

Durante a convenção de Philadelphia (1787) para elaboração da Constituição - cuja tônica era a necessidade de se criar um novo governo, através da reconciliação dos governos locais com o Governo central - a solução encontrada foi a de uma legislatura bicameral, na qual os estados seriam representados no Senate de modo igualitário e na House de modo proporcional às respectivas populações.

O Senado foi instalado em 1789, representando a câmara alta do Congresso dos Estados Unidos.

Suas inúmeras atribuições incluem o julgamento de crimes de responsabilidade (impeachment) do presidente da República e de outros servidores civis do Governo, a fiscalização dos poderes da União Federal, a ratificação de tratados e a aprovação da indicação de embaixadores e de juizes da Suprema Corte.

Fonte: www.senado.gov.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal