Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Esportes / Tipos de Pranchas

Tipos de Pranchas

PUBLICIDADE

No Brasil, as primeiras pranchas, então chamadas de “tábuas havainas”, foram trazidas por turistas.

A história começa em 1938 com a, provavelmente, primeira prancha brasileira, feita pelos paulistas Osmar Gonçalves, João Roberto e Júlio Putz, a partir da matéria de uma revista americana, que dava medidas e o tipo de madeira a ser usada.

Pesava 80 kg e media 3,6 m. Em 1950, os cariocas Jorge Grande, Bizão e Paulo Preguiça, construíram uma prancha de madeira, inspirados nas pranchas de balsa que um piloto comercial americano da rota Hawaii-Rio, trazia em suas viagens. Não tinham flutuação nem envergadura.

Em 1962, enquanto no Rio o Sr. Moacir criou uma técnica para dar envergadura aos pranchões, em SP, Homero Naldinho, com 14 anos, fazia suas madeirites que mediam apenas 2,2m (o tamanho das Minimodels, que surgiram somente em 1967), pois as placas de madeirite tinham esse tamanho.

Em 1963, George Bally e Arduíno Colassanti, começaram a shapear as primeiras pranchas de isopor. Com uma lixa grossa presa a uma madeira, levavam dois dias para fazer uma prancha. A referência era uma foto de revista.

Em 1964, Mário Bração e Irencir, conheceram o australiano Peter Troy, que trouxe outlines (templates) e noções de shapear de seu país. Ainda usava o madeirão como lixa, o ralador de côco e a grosa. Mais tarde apareceu o “Suform” importado, mas o bloco ainda era de isopor. Enquanto isso, em SP, Homero fazia as primeiras pranchas de madeira oca. Inspirado em pranchões gringos.

Em 1965, o Cel Parreiras fundou a primeira fábrica de pranchas no Brasil: a São Conrado Surfboard, no RJ. Parreiras adaptou para o shape uma técnica usada no aeromodelismo: após colar a longarina com a curva desejada, usava fio quente para cortar o fundo e o deck acompanhando a curva da longarina. A seguir cortava o outline e dava o finish. Seus shapers Mário Bração e Ciro Beltrão. Mais tarde, Carlos Mudinho também passou a shapear na São Conrado.

Enquanto isso, em SP, além de Homero, Eduardo Faggiano, o Cocó, Nelsinho e Lagartixa, faziam pranchões de madeira envergados com calor. Mas logo aderiram ao isopor e a técnica do fio quente, a exemplo de pioneiro Parreiras.

Os Tipos de Pranchas

Pranchas

A história do surfe data de cerca de mil anos. Uma lenda conta que o rei do Taiti, por volta do ano 900 DC, navegou até o Havaí surfando.

Ele conheceu várias ilhas, mas só foi encontrar boas ondas num local chamado Mokaiwa, na ilha de Kauai. Ele viveu lá por muitos anos e acabou tornando-se o rei da Ilha.

Longboard

Pranchas grandes, a partir de 9″. Foram muito usadas durante a década de 70. Hoje são adotadas por surfistas veteranos.

São as maiores pranchas, medem a partir de 9″. Até a década de 70, eram as mais usadas, pois são parecidas em sua forma com as primeiras pranchas.

Atualmente, são as preferidas dos surfistas das antigas e de alguns iniciantes

Gun

Apesar do tamanho, esse modelo havaiano tem menos área de contato com a água do que o longboard. Tem bastante mobilidade e é bastante manobrável. Indicada para ondas grandes.

Modelo havaiano bastante móvel que, apesar do tamanho, tem menos área de contato com a água do que o longboard. Muito usada para ondas grandes.

Seu shape é mais esticado, segue uma linha paralela, o que resulta em bico e rabeta mais estreitos e finos. Este shape é mais seguro e proporciona boa força na remada e desempenho em ondas grandes.

Funboard

Deriva do longboard, mas é menor, em torno de 7″. É a prancha preferida dos iniciantes e também uma boa opção para dias em que o mar está muito crowd, porque o surfista consegue remar e entrar na onda antes de quem está usando uma prancha pequena.

São pranchas intermediárias entre o long e a pranchinha, com tamanho entre 7’2” a 8 pés.

Evolution

Sua largura é igual à da fun na largura e na espessura, mas seu formato é igual ao da prancha normal.

Parece com a fun na largura e na espessura, mas tem o formato da pranchinha normal, com bico mais pontudo. É uma prancha mais solta, que possibilita mais manobras do que o longboard e o funboard.

Performance/Minimodels/Pranchinhas

São usadas para ondas pequenas.

Preferidas dos surfistas mais experientes e dos jovens que estão aprendendo o esporte. São consideradas pequenas as pranchas. Considera-se as pranchas pequenas de até 6’9”.

São as mais usadas para ondas pequenas.

Fonte: 360graus.terra.com.br

Tipos de Pranchas

STAND UP SURF

Um esporte com a cara do Brasil

O Stand up surf não nasceu no Brasil, mas tem tudo a ver com a geografia e o clima do nosso país.

Eduardo Laucas, dono da Escola que ensina o esporte no Posto Seis, em Copacabana, explica que o stand up surf ou SUP é uma das variações mais antigas de surf: “O stand up era utilizado pelos havaianos como uma forma de locomoção entre uma ilha e outra.

As remadas nas pranchas para cobrir percursos de longa distância também serviam para manter um bom preparo físico, pois a atividade exercita principalmente as musculaturas das pernas, costas, braços, peito e abdômen. Com as adaptações feitas nos equipamentos, os havaianos passaram a utilizar as pranchas também para deslizar sobre as ondas”.

O esporte chegou no Brasil há mais ou menos quatro anos, e agora está ganhando força. Também pudera, é fascinante ver as pessoas deslizarem no mar ou em lagoas, remando em pé sobre uma prancha, como se isso fosse a coisa mais natural do mundo. Parece que nascemos para nos locomover dessa forma, em perfeito equilíbrio e integração com a natureza.

Eduardo conta que “o barato do esporte é que ele proporciona uma visibilidade tanto do mar quanto da praia bem diferente. Dá para observar cardumes e tartarugas enquanto se está remando ou surfando. Quando você está remando só ouve o som da sua prancha deslizando na água e o barulho dos pássaros e dos peixes pulando”.

O professor garante que o esporte faz muito bem a saúde, pois é um excelente exercício aeróbico, que ajuda a emagrecer e aumenta o tônus muscular, melhorando o desempenho cardiorespiratório. Também é muito bom para a concentração e para o equilíbrio!

Como aprender e como escolher o equipamento

A diferença entre o stand up e outras modalidades de surf é o equipamento e a postura do praticante. No stand up usa-se uma prancha de grande flutuação e a pessoa permanece em pé, deslocando-se com o auxílio de um remo.

Por isso as pranchas de stand up são bem diferentes das de surf “normal”. Além de serem maiores têm mais borda para facilitar a flutuação. Os modelos de pranchas são variados, com propostas diferentes para atender a um público diverso.

Qualquer pessoa pode aprender o stand up, o único requisito é saber nadar. Fora isso o esporte é para todos, sem limitação de sexo ou idade. E pasmem! “As pessoas que nunca surfaram”, diz Eduardo, “têm a mesma dificuldade de um surfista experiente”.

Para aprender pode levar até 30 aulas, dependendo da pretensão e, claro, das habilidades do aluno. O curso, que se divide em básico (somente remada) e avançado (surfar), fornece todo o equipamento necessário para as aulas, que têm a duração de uma hora. Em grupo (máximo de 4 pessoas), a aula sai por 50 reais por pessoa, já personal custa 100 reais.

A Escola não só ensina o esporte como também auxilia o praticante a escolher sua prancha ideal. O conjunto de prancha e remo varia entre 3 a 4 mil reais.

Onde praticar?

Esse esporte está bem difundido em Santos (SP), Florianópolis (SC) e Rio.

Já existem competições nacionais: o Rico de Souza é responsável por alguns campeonatos de stand up, sempre muito bem organizados. No Rio, as melhores praias para praticar são o Posto 6 de Copacabana, Barra, Macumba e Grumari, esclarece Eduardo.

E quanto ao perigo?

O professor lembra que todo esporte náutico oferece risco e que é preciso respeitar a natureza. Também é importante ter um bom condicionamento físico, nunca praticar sozinho, e de preferência sem vento, pois quando se rema a favor do vento é bom, mas não se pode esquecer que é preciso voltar, e, então, o vento pode atrapalhar bastante.

Outros cuidados são: uso de protetor solar, de roupas claras e manter-se bem hidratado!

Mas, se você não quer arriscar, vale a pena, ao menos, apreciar. É um barato e dá a sensação de que é muiiiiiiito fácil….

Tipos de Pranchas
Stand up

Fonte: www.igeduca.com.br

Tipos de Pranchas

Prancha de surf longboard

Tipos de Pranchas
Longboard

Um longboard tem suas particularidades diferenciadas de outros tipos de pranchas de surf, principalmente em suas manobras, por exemplo o Hang Ten e o Hang Five que seria os dois ou um pé só, respectivamente, no bico da prancha.

Prancha de surf para iniciantes

O longboard é uma excelente prancha, tanto para profissionais dessa categoria, como para quem deseja iniciar no esporte.

Longboard Clássic

Tipos de Pranchas
Longboard Clássic

O estilo clássico, normalmente é um modelo mais largo, sem nose concave, e é de mais fácil remanda e entrada na onda é uma ótima prancha de surf para iniciantes, para aqueles que possuem uma linha de surf mais clássica, com alguma variações de medidas e rabeta.

Longboard Progressivo

Tipos de Pranchas

Esse modelo de longboard é mais radical por sua largura menor, nose concave, que seria um recuo no funo na parte do bico, com uma caixa de quilha, onde a quilha central pode ser trocada de posição e a possibilidade de usar com ou sem estabilizadores, é indicada um surfista intermediário ou pro.

Mini Longboard

Tipos de Pranchas

Esse modelo menor do que um convencional foi desenvolvido pela Fabrica de Pranchas, New Advance, para atender aqueles que desejam uma prancha de surf menor do que um longboard convencional, porem com uma área de bico maior do que um funboard . Também é possível encomendar um longboard infatil, peça já o seu.

Fonte: www.newadvance.com.br

Tipos de Pranchas

Cada surfista tem o seu estilo, assim como a prancha, cada uma tem um estilo diferente, mas este não se deve só ao visual….

Tipos de tail (parte traseira da prancha)

Todos os tipos de tail têm a sua razão de ser, e cada um tem as suas preferências, variando com os diferentes tipos de ondas.

Tipos de Pranchas

É o tail mais usado. Muito versátil, pois tem uma área maior que a square (e mais arredondada), o que faz com que a prancha tenha uma sustentação muito boa, o que a faz adaptar-se muito bem em ondas pequenas e médias, cavadas ou cheias.

Tipos de Pranchas

Difere da Squash pelas suas pontas mais quadradas.Assemelha-se um pouco com a Swallow. Normalmente é mais estreita e funciona melhor em ondas mais cavadas, por dar uma óptima aderência na parede da onda.

Tipos de Pranchas

É muito semelhante a Squash, deixando as pranchas com bastante pressão e velocidade fazendo um surf menos partido. Pode ser usado em pranchas maiores deixando o tail mais estreito, ficando com uma boa sustentação e sendo por isso usada em ondas grandes.

Muito utilizada em pranchas acima de 6’8″ para ondas cavadas médias e grandes, pois tem uma área menor na parte do tail, deixando a prancha mais segura e com linhas mais redondas. Não é muito indicada para ondas cheias por ter pouca sustentação no tail.

Atualmente também vem sendo muito difundida em pranchas pequenas por surfistas que imprimem muita pressão nas manobras.

Tipos de Pranchas

Todo tipo de wing, seja um ou dois, tem a finalidade de partir a linha do outline, sendo muito utilizada em pranchas pequenas nas quais o meio dela é bem largo.

Esta quebra, que é o wing, deixa a prancha muito mais sensível e manobrável, ficando muito solta e boa para ondas pequenas.

Tipos de Pranchas

Tail utilizado para pranchas grandes acima de 7’3″ pés. O tail quase que se confude com o bico da prancha devido ás suas semelhanças, sendo este modelo muito utilizado para ondas tubulares como Hawaii, G-Land, México. Muitos big riders utilizam este tipo de rabeta pôr dar muita segurança no drop da onda e colocação dentro do tubo, mantendo a prancha muito estável e segura. Boa para ondas de fundo de pedra ou coral e para ondas acima de 8′.

Tipos de Pranchas

Tipos de Rails

Há muitos tipos de rails, que se podem ter na prancha. Normalmente dependem do comprimento da prancha e da preferência do surfista.

Tipos de Bottom

Tal como os rails, há diversos tipos de bottoms.

Tipos de Pranchas

Flat (reto ou plano) e é um fundo básico utilizado na prancha toda até as quilhas.

É usado em pranchas pequenas (até 6’6″), e neste tipo de fundo consegue-se unir velocidade e projeção devido este estar em maior contato com a água.

Indicado para ondas de até 5 pés (equivalente a 1,5 metros ) e muito funcional em qualquer tipo de onda (mexida) ou (lisa).

Tipos de Pranchas

Este fundo tem a forma de um “V” contrário, e é atualmete muito usado em pranchas grandes (Gun’s) acima de 6’8″.

É utilizado sem exagerado próximo as quilhas o que ajuda bastante a que a prancha tenha uma troca de borda muito boa. Em pranchas pequenas tem de ser utilizado bem suave, e é excelente para ondas médias e grandes que exijam movimentos precisos e rápidos, sem que fuja na base da onda ou dentro de um tubo.

Detalhe! Se colocado muito acentuado e de maneira mal distribuída no fundo irá comprometer a velocidade da prancha.

Full significa um único côncavo que começa próximo do bico e vai até ao tail, fazendo com que a água tenha um fluxo mais rápido do bico para o tail, e aumentando a pressão e a velocidade da prancha.

Este tipo de fundo torna a prancha mais dura, e para garantir mais maleabilidade é necessário que esta prancha tenha mais curva de fundo (rocker).

Este tipo de fundo é muito utilizado por surfistas mais experientes que imprimem mais pressão sobre a prancha.

Tipos de Pranchas

Muito utilizado por vários shapers de todo o mundo, sendo “shapeado” um concavo de cada lado da longarina (por isso o nome double concave) que termina próximo da quilha traseira.

Tem a função de canalizar água no fundo da prancha facilitando muito o diretamente e saída da água, e deixando esta prancha totalmente colada ao pé, podendo fazer-se manobras bem radicais. Indicado para surfistas mais experientes e ondas mais lisas não muito encrespadas.

Tipos de Pranchas

Parecido com o double concave, só que é colocado um concave da entrada de água próximo do bico até à saída de água, o qual é acoplado aos dois côncavos próximos das quilhas.

Esta prancha fica mais dura em relação a outros modelos, e é para surfistas que impõem mais força nas pernas e que querem ter controle total da prancha quando utilizada em condições extremamente radicais.

Proporciona manobras incríveis sem perder nem velocidade, nem pressão do fundo em relação à onda.

Em mar mexido esta prancha perde um pouco de velocidade e estabilidade. Este fundo é indicado para surfistas mais experientes.

Tipos de Pranchas

Colocação das quilhas

Pranchas tri-quilhas são com certeza por unanimidade, desde o seu lançamento pelo o Australiano Simon Anderson, um dos modelos mais usados no mundo inteiro.

Shapers do mundo inteiro têm pesquisado e desenvolvido modelos de designs, outlines, angulação e posicionamento das quilhas em relação ao desempenho da prancha.

Tipos de Pranchas

O conjunto das 3 quilhas colocadas mais atrasadas (próximo ao tail) deixa esta prancha mais veloz, mas porém menos maleável na hora de fazer as manobras.

Colocadas mais adiantadas, tornará a prancha muito mais solta, mas irá prejudicá-la na velocidade.

O equilíbrio está ligado diretamente ao posicionamento dos surfistas sobre a prancha (se o seu pé traseiro é colocado mais adiante ou mais atrás, e de que maneira impõe essa pressão sobre a prancha).

Tipos de Pranchas

Quanto maior a distância entre a quilha traseira em relação a dianteira, maior será a velocidade da prancha. Em compensação perde-se um pouco a maleabilidade, tendo que se impor maior força para manobrar.

Se a distância for menor da quilha traseira em relação ás quilhas dianteiras, a prancha fica muito mais maleável nas trocas de bordas, mas irá prejudicar a sua velocidade.

Por isso, é muito importante passar o máximo de informações para o shaper, de modo a ele poder fazer essa regulação, unindo assim velocidade com boa maleabilidade e permitindo que a prancha obtenha respostas rápidas e precisas em qualquer tipo de onda.

Tipos das quilhas (fins)

a) Fins fixos são de fibra na prancha.

b) Fins móveis são muito bons por duas razões:

Ao fim de uma viagem encontar os fins fixos partidos, pois uma das principais áreas de acidente com as pranchas são os fins.
A prancha adaptar-se a vários tipos de onda diferentes, bastando para isso mudar as quilhas consoante o tipo de ondas.

Tipos de Pranchas

Especialmente usadas para ondas pequenas, em pranchas até 6’4″ ou pranchas com tails mais estreitos do género das Gun’s (prancha grande).

Tipos de Pranchas

Este design de quilha tem uma extrema inclinação, combinado com muita flexibilidade, deixando a prancha com grande projeção e maleabilidade.

Tipos de Pranchas

G-5 é uma quilha que se adapta às várias condições de onda e que foi desenhada pelo shaper John Carper e Eric Akawa especialmente para as ondas do Hawaii.

Tipos de Pranchas

Tem uma base larga e ponta fina, deixando a prancha com bastante projeção. Óptimo modelo para ser usado em ondas grandes.

Tipos de Foam

O Superblue é um blank mais pesado, com maior resistência e que aguenta mais tempo do que o Superlight.

Fibras

As fibras influenciam decisivamente o peso final da prancha, assim como a resistência da mesma.

Esta fibra vai aumentar o peso da prancha, mas em longboards, mini malibus ou Big Guns não fará grande diferença.

Acabamento

a) Baço – O mais usado hoje em dia, porque torna a prancha mais leve
b) Polida.
Esta prancha tem mais uma fase do que a primeira, ou seja leva uma fina camada de resina e depois é polida até brilhar. Estruturalmente não são mais resistentes (já que a força duma prancha está na fibragem e no foam), mas aguentam-se um pouco mais nos choques com as rochas, portas dos carros e com todos as outras coisas.

Fonte: trabalhosurf.awardspace.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Arremesso de Peso

Arremesso de Peso

PUBLICIDADE O arremesso de peso é uma prova de atletismo moderno. A pessoa impulsiona uma …

História das Olimpíadas

História das Olimpíadas

Os Jogos Olímpicos começaram em 776 a.C. em Olímpia, na Grécia antiga, e duraram por mais de mil anos.

Rivellino

Rivellino

Rivellino, Roberto, Jogador, Futebol, Clubes, Títulos, Seleção Brasileira, Gols, Faltas, Cobrador de Faltas, Corinthians, Vida, Carreira, Rivellino

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+